O LIVRO DAS VIRTUDES DE SEMPRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O LIVRO DAS VIRTUDES DE SEMPRE"

Transcrição

1 O LIVRO DAS VIRTUDES DE SEMPRE

2 Ramiro Marques 2000 Este livro está publicado em Portugal, nas Edições Asa (2000), em Espanha, nas Edições Desclée (2002) e, no Brasil, na Landy Editora (2002) Ao meu avô, António Marques

3 Nota Biográfica Ramiro Marques nasceu em É licenciado em História pela Universidade de Lisboa (1980), Mestre em Ciências da Educação pela Universidade de Boston (1984) e Doutorado em Ciências da Educação pela Universidade de Aveiro (1991). Possui, ainda, o título de Agregado em Educação, obtido na Universidade de Aveiro, em 1999, na sequência de provas públicas. Tem 31 livros publicados. É professor coordenador com agregação do Instituto Politécnico de Santarém e pertence ao quadro da respectiva Escola Superior de Educação. É autor de dezassete livros e co-autor de mais três livros. As suas áreas de investigação e estudo são a história das ideias pedagógicas, a ética e a axiologia educacional. Lecciona, no Instituto Politécnico de Santarém, Teorias e Modelos de Ensino, Educação e Valores e Metodologias da Investigação em Educação. É membro da direcção da AEPEC (Associação da Educação Pluridimensional e da Escola Cultural). Foi Director da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém entre Junho de 1993 e Dezembro de 1996 e presidiu ao seu Conselho Científico entre Setembro de 1997 e Setembro de 2001.

4 ÍNDICE Introdução 1. As éticas de Aristóteles 2. Educar em valores 3. A educação ética em Aristóteles 4. O bem e a felicidade 5. O prazer e a dor 6. A felicidade 7. A virtude 8. A Ética a Eudemo face aos outros tratados de ética 9. A felicidade na Ética a Eudemo 10. A virtude na Ética a Eudemo 11. O hábito e a intenção 12. A tolerância e o respeito 13. A justiça e o amor

5 14. A continência e a temperança 15. A coragem 16. A generosidade e a magnificência 17. A gentileza e a magnanimidade 18. A gentileza e a polidez 19. O autodomínio 20. A prudência 21. A inteligência e o conhecimento científico 22. A compreensão e a sabedoria 23. As emoções 24. O carácter do jovem, do adulto e do idoso Bibliografia Geral Biografia de Aristóteles

6 INTRODUÇÃO Aristóteles constitui, ainda hoje, a referência mais importante para quem queira estudar e escrever sobre ética. São-lhe atribuídas três grandes obras sobre ética: a Ética a Nicómaco (EN), a Ética a Eudemo (EE) e a Magna Moralia (MM). A estes três tratados veio juntar-se um texto, intitulado Protréptico, que não está contido no corpus aristotelicum, cuja edição de referência continua a ser a de Bekker (Berlim, 1830). Em relação à Magna Moralia, os eruditos divergem acerca da sua autoria. Há quem considere, como é o caso de René-Antoine Gauthier, que a Magna Moralia, foi escrita depois da morte do filósofo, provavelmente por um aluno do Liceu. Outros, como por exemplo, Pierre Pellegrin, colocam a hipótese de ser uma obra da juventude. Tudo indica que a Magna Moralia seja uma obra de Aristóteles, quer tenha sido escrita ou ditada directamente por ele, quer tenha sido fruto de apontamentos das suas aulas, reunidos por alunos seus. Não é só a semelhança temática e de vocabulário com as restantes éticas. Há, também, referências explícitas a outras obras de Aristóteles, como é o caso da referência à obra Os Analíticos, que surge no capítulo VI, do livro II da Magna Moralia, que trata da solução das dificuldades colocadas pela ausência de autodomínio. Os livros 4, 5 e 6 da Ética a Eudemo são comuns aos livros 5, 6 e 7 da Ética a Nicómaco. Para além disso, a Ética a Nicómaco é não apenas um tratado de maior dimensão, mas também revela uma maior maturidade filosófica e mais fineza na argumentação. De qualquer forma, é impossível conhecer o pensamento ético de Aristóteles sem uma leitura cuidada dos "três livros de ética". Os títulos das obras éticas de Aristóteles não foram, provavelmente, concebidos por Aristóteles, mas sim pelos seus editores, posteriores à sua morte, o principal dos quais, Andrónicos de Rhodes, viveu no século I a C.

7 Quando escreveu o Protréptico, Aristóteles tinha, provavelmente, um pouco mais de 30 anos. Seguiu-se-lhe a Ética a Eudemo, escrito entre os 37 e os 42 anos de idade, quando se encontrava a ensinar em Assos, na Ásia Menor e em Mitileno, na ilha de Lesbos. A Ética a Nicómaco é, sem dúvida, um escrito de maturidade. Aristóteles tê-la-á escrito, após o seu regresso a Atenas, para fundar a nova escola, o Liceu, onde ensinou, entre muitas outras matérias, ética. Em qualquer dos casos, estamos perante textos que resultam de sucessivas lições sobre ética e que foram sendo alterados e melhorados ao longo dos anos. Há bastante controvérsia acerca do título Ética a Nicómaco. Terá sido em honra do pai de Aristóteles ou em honra do seu filho, ambos com o nome de Nicómaco? O mesmo se pode dizer em relação ao título Ética a Eudemo. Terá sido em honra do discípulo de Aristóteles, chamado Eudemo de Rhodes? Ou terá sido o próprio Eudemo de Rhodes que lhe deu esse título? E qual a razão para o título de Magna Moralia, quando essa obra é mais curta do que as outras duas? Pierre Pellegrin coloca a hipótese de a Magna Moralia ser um título dado pelos editores, após a morte do filósofo, pelo facto de o livro circular em longos rolos de papiro. Quando terá a Magna Moralia sido escrita? Antes ou depois das outras éticas? A maior parte dos críticos mais recentes consideram que terá sido escrita numa altura próxima da escrita da obra Ética a Eudemo, dada a semelhança do vocabulário e do conteúdo. Há, contudo, alguns que afirmam ser um texto escrito por alunos, após as aulas dadas por Aristóteles no Liceu. A edição mais antiga que se conhece da Magna Moralia deve-se a Andrónicos de Rhodes que viveu no século I a C., e a primeira vez que a obra é citada deve-se a uma passagem num texto de Atticus, no final do século II da nossa era. A Magna Moralia, também conhecida pela Grande Moral ou pelo Grandes Livros de Ética, embora pouco editada e pouco conhecida, é uma obra de grande qualidade, que não se limita a repetir, de forma

8 mais abreviada, o que Aristóteles escreveu nas outras éticas. Há algumas novidades sobre ética que apenas aparecem na Magna Moralia: em que medida o injusto pode ser prudente?; pode-se ser injusto para com uma pessoa má?; como resolver o conflito entre duas virtudes?; é possível cair-se num excesso de virtude? Este livro tem como referências básicas três obras de Aristóteles: a Ética a Nicómaco, a Ética a Eudemo e a Magna Moralia. Todas elas, mas sobretudo as duas últimas, são desconhecidas de quase todos os professores, dos estudantes de Filosofia, de Educação e de Ética e dos restantes leitores em geral. Quando necessário, recorreu-se, também, à Retórica, sobretudo nos capítulos sobre as emoções. A obra A Política inspirou, também, o capítulo sobre a educação ética em Aristóteles. É impossível falar-se, com fundamento e exactidão, de política, de educação em valores e de educação ética sem conhecer estas importantes obras da Cultura Ocidental. Com o LIVRO DAS VIRTUDES DE SEMPRE, procurámos preencher essa lacuna, apresentando a ética aristotélica de uma forma acessível aos leitores interessados em ética e preocupados com o actual desconhecimento e ignorância face às virtudes tradicionais. A pertinência e actualidade de um livro sobre as virtudes de sempre, escrito a escassos meses da passagem para o terceiro milénio, explicam-se pelo facto de vivermos uma época de transição, de mudança e de crise. Sabemos o que estamos a deixar para trás, mas ainda não sabemos aquilo que vamos encontrar. Não temos sequer a certeza de que aquilo para que nos dirigimos a toda a pressa seja melhor do que aquilo que estamos a deixar. O que sabemos, ao certo, é que uma parte significativa das novas gerações do Mundo Ocidental está a ser criada sem ter acesso a fontes culturais seguras. A televisão, a internet e os jogos de vídeo, apesar do muito potencial educativo ainda por realizar, oferecem a essa geração uma "cultura" de mosaico, fragmentada, quantas vezes

9 ilusória e superficial. É certo que, muitas vezes, substituem o amparo da mãe ausente, numa família que já não o é verdadeiramente, ou porque andam todos, de uma lado para o outro, à procura do fermento que há-de satisfazer as necessidades dos seus consumos crescentes, ou porque se separaram de vez, trocando a segurança de um lar e um compromisso que devia ser para sempre pela chama momentânea e ilusória de novas experiências, que quase sempre se revelam enganosas e amargas. Numa época que corre atrás do fácil, do pronto-a-servir, do descartável, do lúdico a qualquer preço e dos prazeres mais fáceis e imediatos, não resta mais lugar nem sabedoria para esperar, para adiar as gratificações, para acreditar, para ter fé, para o sacrifício quando necessário, para as relações afectivas duradouras e para o respeito fiel dos compromissos. E, no entanto, estamos a viver uma época de progresso científico e tecnológico nunca antes visto. Os enormes e extraordinários progressos registados na ciência médica, na ciência farmacêutica, na engenharia biológica e nas telecomunicações estão a trazer, a cada dia que passa, novos tratamentos para antigas e novas doenças e novos processos de comunicação, cada vez mais imediatos e interactivos. Nunca como hoje, a Humanidade deteve tantos instrumentos, técnicas e conhecimentos para poder ser feliz! Mas, também, nunca como agora, a Humanidade desperdiçou tanto esse potencial de felicidade! Contudo, esse extraordinário progresso tecnológico e científico não está a ser acompanhado pelo progresso moral da Humanidade. Em certas zonas do Mundo, em particular em algumas áreas da África Sub-sahariana, e em certas áreas suburbunas das grandes cidades europeias, estamos a assistir, sem dúvida, a uma regressão moral sem precedentes, nos últimos 50 anos. Essa regressão moral surge envolta num caldo de cultura constituído pelo comércio da morte, quer através das intermináveis guerras de rapina, que minam a África negra, quer através do abuso de substâncias tóxicas, que destroem a

10 coesão social e cultural de milhões de famílias em muitas regiões europeias. A família e a escola são as instituições que maior erosão sofreram, nas últimas décadas. Os falsos profetas do novo cepticismo axiológico não cessam de dar as boas-vindas àquilo a que chamam de "novos arranjos familiares" e, na escola, não se cansam de advertir para a necessidade de substituir o estudo sério, o esforço, o sacrifício e o amor pelos clássicos por um pseudo-currículo que, de tanto se tornar flexível, corre o risco de deixar de ser substantivo. Ora, como se pode criar resistentes sem o hábito da firmeza e do esforço? E onde aprender a firmeza, a resistência e a perseverança se a família e a escola deixaram de as ensinar e a sociedade as passou a ignorar? Como é possível, num cenário desses, alimentar a coragem das novas gerações, essa virtude, sem a qual as outras virtudes não passam de meras possibilidades? Quando a ausência de firmeza, de perseverança e de coragem anda associada à incredulidade, à falta de fé, à recusa de toda a tradição e à ignorância do que vale a pena, estamos, na melhor das hipóteses, no domínio do imprevisível e da incerteza. Poderá a civilização ocidental, continuar a aumentar o seu poderio tecnológico e científico e, simultaneamente, superar a falta de firmeza, a ausência de coragem e a incredulidade crescente? Ou será que, com o 3º milénio, assistiremos a um progresso moral sem precedentes, conseguindo, por essa forma, diminuir o fosso entre os avanços científicos e a actual estagnação moral? Está fora de questão um regresso ao passado. Tal é impossível e indesejável. Não queremos reencontrar um passado que também foi marcado pela opressão e pelo obscurantismo. Queremos manter e alargar, tanto quanto possível a liberdade, mas, em simultâneo, exigimos mais respeito e mais responsabilidade. Mas, também, não podemos fazer tábua-rasa de um passado de luz e esplendor, sem esquecermos as suas zonas de sombra.

11 Ao invés, é preciso caminhar em frente, construindo sobre esse passado, melhorando-o, recusando as suas partes-sombra e acrescentando-lhe o que a verdadeira cultura, tecnologia e ciência do nosso tempo têm para dar, com o fim de lhe proporcionar mais luz. Aproveitar e utilizar bem os novos tesouros que as novíssimas tecnologias da informação conseguem levar até à nossa casa, criando conteúdos culturalmente sólidos que possam circular na internet e agucem o apetite de todos pelo contacto duradouro e íntimo com os livros. Por isso, faz todo o sentido falar das virtudes de sempre, e dar, de novo, voz a alguns grandes mestres da Sabedoria Ocidental, porque as suas palavras podem ajudar a iluminar a nossa caminhada para um futuro mais humano, mais justo, mais luminoso e mais fraterno. Este retorno aos grandes mestres da Sabedoria Ocidental não pode ser visto como uma preferência pelo etnocentrismo ou a recusa do diálogo com outras culturas. Acontece apenas que nós somos fruto de uma matriz cultural que teve o seu epicentro e deve os seus fundamentos à antiguidade greco-latina e à civilização judaico-cristã. Para compreendermos e respeitarmos os grandes mestres da Sabedoria Oriental e para dialogarmos com as outras culturas temos, em primeiro lugar, que conhecer, respeitar e amar as nossas referências culturais. Aristóteles foi um desses grandes mestres. Poderíamos ter escrito um livro sobre as virtudes de sempre recorrendo a outros grandes mestres, a Santo Agostinho, a Tomás de Aquino ou a Espinoza. Mas já não seria um livro. Seriam vários livros. Talvez se justifique, no futuro, fazê-lo, se a saúde, a vida e a inspiração o permitirem. E também se justifica cruzar a sabedoria desses mestres com a sabedoria de um Confúcio, de um Lao Tseu e de um Mencius. Esse diálogo é uma empresa necessária e urgente! A pertinência da ética aristotélica para a actualidade resulta do facto de os valores serem intrínsecos à educação, não sendo possível

12 falar de escola e de educação sem incluir os valores. Na verdade, não há educação sem uma referência intrínseca aos valores, pois o "compromisso educativo não é possível fora do compromisso com os valores" (1). Referindo-se à importância da formação axiológico-educacional de um professor, Manuel Patrício (2) refere que ela deve ser organizada para: "a) promover a reflexão teórica sobre os valores a cultivar na vida e no processo educativo escolar; b) promover a transferência dessa reflexão teórica para as situações educativas concretas e práticas em que o professor se encontra como educador profissional; c) preparar para uma vida pessoal e profissional que seja um processo de formação contínua; d) preparar para uma vida pessoal e profissional que seja axiologicamente diversificada, rica e valiosa; e) organizar situações didácticas rigorosamente provocadoras e propiciadoras da experienciação das classes de valores consideradas principais; f) conduzir a ancorar a reflexão e a prática dos valores num solo cultural e civilizacional concreto, com o universal por horizonte; g) conduzir a analisar com objectividade e realismo as possibilidades de estruturação e funcionamento pedagógicos da Escola, com vista à realização de uma educação efectivamente indutora e promotora dos valores". Para os professores, os estudantes e os leitores em geral que se estão a iniciar no estudo da ética aristotélica, aconselhamos a leitura da obra de Jean Brun (3), que contém um conjunto de excelentes capítulos sobre a filosofia do estagirita. Para a leitura de algumas obras de Aristóteles, traduzidas em português e com um bom conjunto de notas explicativas, aconselhamos algumas edições da colecção Estudos Gerais - Clássicos de Filosofia da Imprensa Nacional (4). Quer a Ética a Nicómaco quer a Ética a Eudemo procuram definir e caracterizar o Bem. Em ambas surge a noção de que "o Bem do homem consiste no bom exercício da actividade humana. E qual é

13 então essa actividade? O que distingue o homem dos outros seres vivos é a sua alma racional, será, portanto, numa certa forma de actividade dessa razão que residirá o Bem; deste modo o Bem, para o homem, consiste numa actividade da alma, e acordo com a virtude e, no caso de pluralidade de virtudes, de acordo com a mais excelente e a mais perfeita delas todas" (5). Coloca-se, então, o problema de saber o que é a virtude. Será uma paixão, uma faculdade ou uma disposição? Paixão não é, pois o medo e o ódio nunca podem ser considerados virtudes. Faculdade, também não, pois uma faculdade tanto pode ser posta ao serviço do bem como do mal. É, então, uma disposição "resultante duma deliberação voluntária, pois a inteligência humana pode ser uma verdadeira causa ao lado daquelas que vemos actuar na natureza. Para que possamos falar de virtude, é preciso então que aquele que age se encontre numa certa disposição: em primeiro lugar deve saber o que faz; depois, deve escolher livremente o acto em questão e escolhê-lo com vista a esse mesmo acto; e, em terceiro lugar, deve executá-lo numa disposição de espírito firme e inabalável" (6). A virtude é um extremo na excelência, mas é uma posição média entre dois vícios, um por excesso, outro por defeito. Para que uma acção seja boa, é necessário "que não seja preciso retirar-lhe nem acrescentar-lhe nada; assim, todo o homem prudente evita o excesso e o defeito, procura o justo equilíbrio e prefere-o, um justo equilíbrio que não seja relativo ao objecto mas relativo a nós" (7). Aristóteles deu duas grandes contribuições para a teoria ética: a primeira, é o seu teleologismo, que encara a procura da felicidade como a principal finalidade do homem. O outro contributo é a sua concepção de virtude, como meio termo entre dois extremos. Embora a teoria ética aristotélica não possa ser considerada uma ruptura com a teoria platónica, a verdade é que há alguns aspectos que as separam. Desde logo, a tese aristotélica de que a educação ética não se faz apenas por via intelectual, mas também, e sobretudo, através

14 da habituação do educando na prática da virtude. Para Aristóteles, "a prática do bem depende de: 1) umas virtudes que se conhecem e que são puramente intelectuais (nous, epistéme, sophía), de modo que, por conseguinte, são produto do ensino doutrinal; 2) outras virtudes intelectuais já menos puras (phrónesis e téchne), que devem aplicar verdades gerais a casos particulares, conhecidas pelos sentidos e dado que estes se acham sujeitos a erro, o conhecimento nem sempre as afecta e move devidamente; 3) por fim, umas virtudes morais vinculadas à acção, as quais, movendo o indivíduo no mesmo terreno em que o movem também os instintos e as paixões, podem ser vencidas por estes, sem obedecer às directrizes da razão" (8). Foi Aristóteles, e não Sócrates ou Platão, que melhor foi capaz de explicar a aparente contradição, que São Paulo, alguns séculos depois resumia dizendo "não quero o mal que faço e não faço o bem que quero". Por que é que o homem, conhecendo o bem, não é capaz de o realizar? Grande parte da Ética a Nicómaco procura explicar esta contradição. Agostinho de Hipona (9) e, mais tarde, Tomás de Aquino, dedicaram, também, longas e admiráveis páginas a este drama humano fundamental. A posição de Aristóteles, acerca do drama humano fundamental, é realista e verdadeira: para a prática do bem exige-se que as luzes da inteligência, nutrida com o ensino da ética, se juntem a uma boa disposição natural e a bons hábitos. Desta forma, Aristóteles explicita os seus dois grandes princípios da educação ética: "1) as inclinações naturais negativas podem ser contrariadas com a formação de hábitos positivos; 2) o indivíduo adquire, assim, a sua segunda natureza, de ordem cultural e moral"(10). Com estes princípios, Aristóteles ultrapassava o intelectualismo ingénuo de Sócrates e Platão e incluía na sua teoria quer a importância dos bons hábitos quer dos sentimentos, os quais tanta importância viriam a ter 23 séculos depois, na obra de Max Scheler e de outros importantes axiólogos contemporâneos.

15 A importância dada por Aristóteles à educação ética conduziu-o à defesa de uma educação pública, capaz de complementar e de substituir, quando necessário, as insuficiências da família, de modo que as novas gerações pudessem beneficiar de uma boa formação do carácter. Na obra A Política (11), Aristóteles dedica várias páginas à organização da educação, como alicerce da formação do carácter, e defende a ideia de que são necessárias leis e medidas correctivas que acompanhem e ajudem a vida ética do homem, tanto na juventude, como na maturidade e na velhice. Importa, no entanto, não exagerar a importância concedida pelo estagirita à educação pública, já que ele não cessa de referir que cabe aos pais a tarefa fundamental de encaminhar os filhos no sentido da virtude, ajudando-os, com firmeza, a formar um carácter virtuoso. No entanto, como reconhece ser essa uma tarefa muito difícil, sobretudo quando os filhos nascem com deficiências nas suas disposições naturais, obedecendo, por isso, com mais facilidade aos instintos do que à razão, Aristóteles afirma que o Estado tem o dever de ajudar e complementar o papel da família na educação ética dos filhos e de se substituir à família quando ela é incapaz de realizar tal tarefa. A ética de Aristóteles é uma ética do bem e da finalidade. Parte da ideia de que o bem do homem está em cumprir a sua finalidade, que é a felicidade. É, por isso, uma moral teleológica. Como a felicidade consiste na contemplação intelectual, no estudo teórico, portanto, as virtude principais são as dianoéticas, ou virtudes cognoscitivas, como a sabedoria e a prudência. Para Aristóteles, as virtudes éticas, ao contrário das dianoéticas, são focadas na vida activa e visam o domínio da parte sensitiva e a sua submissão ao domínio da razão. Ora, o homem que dedica a sua vida ao estudo teórico é o que se encontra mais perto de Deus, que é contemplativo, tudo sabe e supera todos os humanos em felicidade. Tomás de Aquino retomaria, séculos depois, esta tese, para defender que a suprema felicidade é a contemplação de Deus.

16 Para Aristóteles, o Bem não é uma transcendência, mas o conjunto dos bens. E ao contrário dos estóicos, afirma que o bem não é só a virtude, mas também um desfrute moderado dos prazeres materiais e humanos. É possível verificar que a ética aristotélica possui uma base estética, visto que "a razão manda fazer o bem porque isso está conforme com a ordem e com a conveniência" (12). Aristóteles considera que o bem é uma coisa bela e que se deve ser corajoso porque é belo sê-lo. A virtude é uma arte que se funda na ideia do melhor e obedece à lei da harmonia e da proporção. O eudemonismo da ética aristotélica é evidente quando o filósofo escreve que a felicidade é o maior dos bens. Contudo, a felicidade não é o mesmo que a "boa vida", mas sim a "vida boa". Mas, o filósofo não opõe "boa vida" a "vida boa". Pelo contrário, uma pessoa com uma vida digna está no caminho certo para ter uma vida bem satisfeita. Assim sendo, a felicidade pode definir-se como um "agir bem", isto é, de acordo com a virtude. Não é a sorte ou a riqueza que asseguram a felicidade, mas sim os actos virtuosos. A ideia de que a felicidade reside na vida virtuosa deixou marcas em toda a ética ocidental. Coube a Tomás de Aquino (13) a actualização da ética aristotélica à matriz cristã, acrescentando que a suma felicidade consiste na contemplação das coisas divinas. Ou seja, tanto num como noutro, é através do estudo teórico, da contemplação intelectual, que o homem atinge a maior felicidade. Num caso e noutro, estamos perante uma ética do bem e uma moral de felicidade. Numa época, como a nossa, profundamente marcada pela relativismo ético radical e por uma certa anomia moral, não é exagerado afirmar-se que a ética aristotélica pode constituir um referencial seguro e realista para a procura da felicidade e de uma vida digna. Ora, a escola e a educação em geral, embora não sendo uma panaceia, podem contribuir para ajudar os jovens a encontrarem os caminhos para a vida digna e para a felicidade. A demanda da

17 felicidade exige perseverança, esforço e capacidade de sacrifício. Precisamente aquilo que os "mass media" ocidentais mais desvalorizam. Tanto a Ética a Nicómaco e a Ética a Eudemo como a Magna Moralia (14) constituem três textos fundamentais da Cultural Ocidental e é imperdoável continuar a permitir que as novas gerações os ignorem. Este livro quer ser um modesto contributo para a divulgação do conhecimento destas três obras que fixaram os fundamentos das virtudes de sempre. As éticas de Aristóteles, a par de outras grandes obras da Sabedoria Ocidental, como a As Confissões de Santo Agostinho, a Suma Teológica de Tomás de Aquino e a Ética de Espinoza, entre muitas outras, podem ajudar as novas gerações a abandonar o cepticismo axiológico reinante, substituindo o cepticismo pelo gosto de procurar a Verdade e pelo amor à Sabedoria. Jean Guitton acentua a importância dessa grande tradição da seguinte forma: "não se trata de manter a todo o custo as partes carunchosas da tradição, mas retomar a tradição pela razão, com o legado da moral natural; toda esta fidelidade à tradição antiga greco-romana e judeo-cristã, que deu, nesta civilização ocidental, uma parte do bem que é necessário preservar: liberdade, generosidade, direitos do Homem, fraternidade, sinceridade, justiça, honra, as raízes do respeito de si e dos outros, a amizade. Recusar-se a admitir que o egoísmo e a mediocridade possam vencer contra o amor e a inteligência"(15). Numa época caracterizada pelo esfumar dos vínculos e das referências, é necessário regressar ao contacto com as Grandes Obras e buscar nelas a inspiração e a iluminação para a Vida Feliz. Neste sentido, o contacto com as Grandes Obras é como o regresso ao colo da mãe e assemelha-se ao deitar a cabeça no ombro do pai. Jean Guitton chama a atenção, da seguinte forma, para os malefícios da perda dos vínculos: "na nossa época, o que está mais em perigo são os vínculos que outrora ligavam o espírito à coisa, o homem à natureza, o filho à mãe, o cidadão à Pátria, os exercícios do espírito à

18 existência ordenada, cinzenta e esplêndida; o país, a terra, a religião vivida no tempo, a encarnação, em resumo, sob todas as suas espécies e as suas formas. E as virtudes. Não a virtude, termo vago, muitas vezes hipócrita, mas todos estes esforços em que o belo, o bem, o verdadeiro encarnam numa vida humana, criando harmonia entre os seres e as coisas. O que é refúgio, seio, socorro, retiro, floresta, bosque, terra, tudo isso tende a desaparecer. Já não temos paz, mas excessos que se sucedem e se compensam. O respeito, o pudor, a medida e a simplicidade desapareceram. E as mães" (16). É isso. O homem é o animal que mais tempo precisa para chegar à vida adulta. Nasce indefeso e fraco. Sem a protecção da mãe, sem o acompanhamento dos pais e da família, durante cerca de um quarto da sua existência média, o homem definha e morre prematuramente. E mesmo que sobreviva, nunca chega a ser Homem. Para vir a ser Homem, precisa de colo, de vínculos e de referências seguras, isto é, dos exemplos, da tradição e dos testemunhos. As Grandes Obras da Sabedoria Ocidental são o colo, os vínculos e as referências seguras para que os homens de hoje possam aspirar a ser o Homem do 3º milénio. Pudesse este livro contribuir um nadinha para que tal aconteça! Notas 1) Patrício, M. (1993). Lições de Axiologia Educacional. Lisboa: Universidade Aberta, p. 20 2) idem, p.29 3) Brun, J. (1994). Sócrates, Platão e Aristóteles. Lisboa: Publicações Dom Quixote

19 4) Aristóteles (1998). Retórica. Lisboa: INCM e Poética. Lisboa: INCM 5) Brun, J. (1994). Sócrates, Platão e Aristóteles. Lisboa: Publicações Dom Quixote, p ) idem, p ) ibidem, p ) Quintana Cabanas, J. M. (1995). Pedagogia Moral: El Desarrollo Moral Integral. Madrid: Dykinson, p ) Ver Santo Agostinho (1997). Diálogo sobre a Felicidade. Lisboa: Edições 70 e, também, As Confissões. S.Paulo: Quadrante 10) Quintana Cabanas, J. M. (1995). Pedagogia Moral: El Desarrollo Moral Integral. Madrid: Dykinson, p ) Aristóteles (1991). A Política. S. Paulo: Livraria Martins Fontes 12) Quintana Cabanas, J. M. (1995). A Pedagogia Moral : El Desrrollo Moral Integral. Madrid: Dykinson, p ) Tomás de Aquino (1953). Summa Contra los Gentiles. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos 14) Aristóteles (1995). Les Grands Livres d`éthique (Magna Moralia). Traduzido do grego por Catherine Dalimier e com introdução de Pierre Pellegrin. Évreux.Arléa

20 15) Guitton, J. e Antier, J-J. (1999). O Livro da Sabedoria e das Virtudes Reencontradas. Lisboa: Editorial Notícias, p ) Guitton, J. e Antier, J-J. (1999). O Livro da Sabedoria e das Virtudes Reencontradas. Lisboa: Editorial Notícias, p. 13

21

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES Ramiro Marques A prudência é uma virtude do pensamento que é uma condição da virtude. Na Antiguidade Clássica e na Idade Média, era considerada uma das quatro virtudes cardinais,

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Educação e Valores em Tempos de Mudança. A Herança Clássica

Educação e Valores em Tempos de Mudança. A Herança Clássica Educação e Valores em Tempos de Mudança A Herança Clássica Duas Perspectivas Axiológicas Absolutismo axiológico Modelo da educação do carácter Relativismo axiológico Modelo da clarificação de valores O

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR. Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém

A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR. Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém Passada quase uma década após a reorganização curricular dos 2º e 3º ciclos, que

Leia mais

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES A ética de Aristóteles estabelece o conteúdo e os meios de alcançar-se a eudaimonia, a plena realização humana. Tratar do conceito de Eudaimonia em Aristóteles, devido

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO).

UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO). UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO). BOVETO, Laís (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (PPE/UEM) Introdução Refletir sobre a atual dimensão do papel da Educação na sociedade

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Cap 5 ARISTÓTELES. Ramiro Marques

Cap 5 ARISTÓTELES. Ramiro Marques Cap 5 ARISTÓTELES Ramiro Marques A Política é uma das obras de Aristóteles mais importantes. Para se compreender a teoria aristotélica da educação é preciso ler, com atenção, os livros VII e VIII desse

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

Os conceitos de ato e potência, matéria e forma, substância e acidente, são centrais na metafísica do estagirita.

Os conceitos de ato e potência, matéria e forma, substância e acidente, são centrais na metafísica do estagirita. Caro estudante, Este material contém informações básicas sobre os conteúdos e datas das provas e trabalhos do corrente trimestre. Para maiores informações, procure diretamente o professor de filosofia,

Leia mais

AS VIRTUDES NO PENSAMENTO DE SANTO TOMÁS DE AQUINO

AS VIRTUDES NO PENSAMENTO DE SANTO TOMÁS DE AQUINO AS VIRTUDES NO PENSAMENTO DE SANTO TOMÁS DE AQUINO Paulo Roberto da Rocha Prof. Dr. Carlos Alberto Albertuni (Orientador) Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO O tratado das virtudes de Tomás

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

O CONHECIMENTO DE SI MESMO

O CONHECIMENTO DE SI MESMO O CONHECIMENTO DE SI MESMO Paulo Luccas paulo.luccas@consultoriafocus.com.br Resumo O conhecimento de si mesmo, ou ao menos, de quem é o homem em sua dimensão antropológica, é hoje um das mais urgentes

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA O IMPÉRIO ALEXANDRINO A FILOSOFIA ESTOICA PARTE DA SEGUINTE PERGUNTA: COMO DEVO AGIR PARA VIVER BEM? COMO POSSO VIVER BEM E,

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

O IMPERATIVO CATEGÓRICO DE KANT APLICADO A UM CASO

O IMPERATIVO CATEGÓRICO DE KANT APLICADO A UM CASO O IMPERATIVO CATEGÓRICO DE KANT APLICADO A UM CASO Palavras-Chave Moral Imperativo Dever Universalidade Jorge Honorato Ramiro Marques (Orientação) Fevereiro de 2007 ÍNDICE NOTA BIOGRÁFICA ERRO! MARCADOR

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy O Espiritismo, como dissemos no capítulo anterior, vem auxiliar aos psicólogos em suas meditações. Ele rejeita a herança das impotentes elucubrações dos séculos

Leia mais

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE

FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE FILOSOFIA 12º ANO 3ª UNIDADE: UMA OBRA DA ÉPOCA CONTEMPORÂNEA: A ORIGEM DA TRAGÉDIA, DE NIETZSCHE SUBUNIDADE 1: Introdução CONTEÚDOS OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS ESTRATÉGIAS / RECURSOS T.L. AVALIAÇÃO Os objectivos

Leia mais

DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES

DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES Senhoras e Senhores Deputados, Senhora e Senhores Membros do Governo, No uso duma faculdade regimental, o Grupo Parlamentar do PS resolve

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

Filosofia Clássica Sócrates: A mosca da madeira; O moral; A maiêutica; A dialética; A negação socrática do conhecimento; O julgamento Filosofia Clássica Platão: O mito da caverna; A república (teoria do

Leia mais

SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA

SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA Luiz Fernando Bandeira de Melo lfbmelo@prove.ufu.br Vani Terezinha de Rezende Faculdade Católica de Uberlândia O método

Leia mais

Alliance for Childhood Movimento Internacional

Alliance for Childhood Movimento Internacional Alliance for Childhood Movimento Internacional Palestrante: Christopher Clouder Presidente do Fellowship das escolas Waldorf para o reino Unido e Irlanda e o CEO do Conselho Europeu para a Educação Waldorf

Leia mais

Estatutos da Fundação Spes

Estatutos da Fundação Spes Estatutos da Fundação Spes Por testamento de 24 08 1977, o Senhor D. António Ferreira Gomes, Bispo do Porto, declarou ser sua última vontade criar a Fundação SPES como instituição particular perpétua de

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

Desenvolvimento Cognitivo

Desenvolvimento Cognitivo Desenvolvimento Cognitivo Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget elaborou uma teoria do desenvolvimento a partir do estudo da inteligência da criança e do adolescente. A sua teoria permitiu que se acabasse

Leia mais

Karina Ferreira Silveira *

Karina Ferreira Silveira * CONEXÃO DAS VIRTUDES: A POSSIBILIDADE DE A PRUDÊNCIA SER A TOTALIDADE DAS VIRTUDES MORAIS EM ARISTÓTELES Karina Ferreira Silveira * Resumo: O presente trabalho visa discutir alguns aspectos relevantes,

Leia mais

Motivação para a. Virtude do Bem Comum. AINOR LOTÉRIO Eng.agr, M.Sc em Gestão de Políticas Públicas www.ainor.com.br

Motivação para a. Virtude do Bem Comum. AINOR LOTÉRIO Eng.agr, M.Sc em Gestão de Políticas Públicas www.ainor.com.br Motivação para a AINOR LOTÉRIO Eng.agr, M.Sc em Gestão de Políticas Públicas www.ainor.com.br E-mail: contato@ainor.com.br (47)3365-0264; (47)99675010 (47) 97772863 Virtude do Bem Comum Escola de Governo

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE 53 O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE Sidnei Shirosaki Faculdade Unida de Suzano(sidnei.shirosaki@uniesp.edu.br) Resumo A morte é tratada de forma diferente por diversos povos, mas sempre com

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha História da Educação Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha Na educação clássica grega podemos reconhecer esboços de modelos teóricos, cognitivos, éticos e estéticos que dão origem a toda cultura oriental.

Leia mais

AS EMOÇÕES EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

AS EMOÇÕES EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques AS EMOÇÕES EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles (1) procede a uma análise das emoções (ira, calma, amizade, inimizade, temor, vingança, vergonha, desvergonha, amabilidade, piedade, indignação, inveja

Leia mais

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO I Princípios Básicos - Todos os homens, têm direito a uma educação adequada e à cultura, segundo a capacidade de cada um, em igualdade de oportunidades e em relação a todos os níveis

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: A Vontade Palestrante: Dulce Alcione Rio de Janeiro 29/09/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Luno" (nick: [Moderador]) "Médium

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h

Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h DATA TEMA EXPOSITOR Na terça, esta aula será/foi dada em: Aula1 Apresentação do curso e da casa 24/02 21/02 Aula 2

Leia mais

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada

Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares. VOLUME 5 Filosofia. Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Conhecer a FCH, Conferências Multidisciplinares VOLUME 5 Filosofia Filosofia e Direitos dos Animais. Questões de Filosofia Aplicada Lisboa Universidade Católica Editora 2011 Índice Apresentação................................

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Mensagem do 1º de Dezembro

Mensagem do 1º de Dezembro Mensagem do 1º de Dezembro 2011 Por S.A.R. o Duque de Bragança Portugal atravessa uma das maiores crises da sua longa vida. Crise que, disfarçada por enganosas facilidades, foi silenciosamente avançando

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

O conceito de amor em Agostinho

O conceito de amor em Agostinho Hannah Arendt 17 a coerção do caráter absoluto da verdade, seja da ciência, seja da filosofia, e ao mesmo tempo uma atitude que sabe como preservar e admirar as coisas do mundo e cuidar delas. Não teria

Leia mais

a) Apresente o propósito e os graus da dúvida metódica. b) Demonstre como Descartes descobre que o pensamento é a verdade primeira.

a) Apresente o propósito e os graus da dúvida metódica. b) Demonstre como Descartes descobre que o pensamento é a verdade primeira. FILOSOFIA 1 Leia o texto a seguir. Mas há algum, não sei qual, enganador mui poderoso e mui ardiloso que emprega toda sua indústria em enganar-me sempre. Não há, pois, dúvida alguma de que sou, se ele

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

O FUTURO DE UMA ILUSÃO

O FUTURO DE UMA ILUSÃO Ano V nº 7/8 (J an./ Dez. 2007) Revista da Faculdade de Educação O FUTURO DE UMA ILUSÃO M aria da Penha Fornanciari Antunes 1 FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. O mal-estar na civilização e outros

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

ÉTICA E TÉCNICA NA FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO

ÉTICA E TÉCNICA NA FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO 1 ÉTICA E TÉCNICA NA FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO Publicado em CD, ISSN N 1982-2944 - XI Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia clínica. FAFICH UFMG, 2007. Autor: Jorge Franca de Oliveira. Professor

Leia mais

Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de Abril de 1942

Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de Abril de 1942 Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de Abril de 1942 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Rio de Janeiro, 1 de abril de 1942. Sr. Presidente: Tenho a honra de submeter à consideração de V. Ex.ª um projeto de lei orgânica do ensino

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

Instituto Superior Técnico

Instituto Superior Técnico Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Unidade Curricular Competências Transversais - I REVISÕES Carlos Rouco Revisões 1. A liderança

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

NEUBI Plano de actividades. Índice. Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos

NEUBI Plano de actividades. Índice. Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos 1 Índice Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos 2 Introdução O núcleo de Estudantes de Engenharia Electromecânica da Universidade da Beira Interior (NEUBI) é uma

Leia mais

As doenças tornam-se normalmente metáfora quando as suas causas são desconhecidas.

As doenças tornam-se normalmente metáfora quando as suas causas são desconhecidas. Intervenção do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Encerramento do Curso de Especialização no âmbito do Concurso Excepcional de Ingresso

Leia mais