INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M."

Transcrição

1 FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM REABILITAÇÃO NA ILHA DA MADEIRA, RJ. 1 Acadêmico de engenharia florestal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 2 Departamento de Ciências Ambientais, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 3 Departamento de Biologia Animal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M. 3 RESUMO A riqueza e diversidade de espécies de formigas varia em função da oferta de atributos ambientais dos ecossistemas, permitindo relacionar a estrutura de comunidades como ferramenta de monitoramento ambiental dos processos de recuperação/reabilitação de ecossistemas alterados. Neste estudo investigamos a fauna de formigas em área de empréstimo submetida a diferentes estratégia de reabilitação desde 1994 na bacia da baía de Sepetiba. Foram encontradas mais espécies e maior diversidade de formigas nos locais onde foram utilizadas maior diversidade de espécies e grupos funcionais de plantas. PALAVRAS-CHAVE: bioindicadores, Formicidae, áreas degradadas. Resumen La riqueza y diversidad de espécies de hormigas varia em función de la oferta de atributos ambientales de los ecosistemas, permitindo relacionar las flutuações populacionais como herramienta de monitoreo ambiental de los processos de recuperación/rehabilitación de ecosistemas alterados. Em el presente estúdio se investigo la fauna de hormigas em área de empréstimo submetida a diferentes estratégias de rehabilitación desde 1994 em la cuenca de la baía de Sepetiba. Fueron observados espécies y diversidad de hormigas maiores em locales de maior diversidade de plantio de espécies e grupos funcionais de plantas. INTRODUÇÃO A utilização de indicadores ambientais pode produzir informações úteis para o manejo e reabilitação de ecossistemas degradados (e.g. Majer 1983,1992; Parr & Chown, 2001). Por serem muito abundantes, importantes funcionalmente e sensíveis a mudanças no ambiente, os insetos apresentam alto potencial para serem utilizados como indicadores ambientais (Rosemberg 1. Laboratório de Ecologia e Conservação/UFRuralRJ. Antiga BR Rio-São Paulo,

2 et al., 1986). Entre os insetos, as formigas merecem destaque pois são fáceis de coletar, relativamente fáceis de separar em nível de espécie e, principalmente, são sensíveis a mudanças no ambiente (Vasconcelos, 1998). As formigas vêm sendo consideradas como um dos principais componentes biológicos de ambientes estruturalmente complexos como as florestas (Fitkau & Klinge, 1973). Muitas espécies são detritívoras e/ou predadoras de outros insetos, contribuindo para a reciclagem dos nutrientes e influenciando a dinâmica populacional de insetos herbívoros (Hölldobler & Wilson, 1990). Vários estudos têm buscado compreender os impactos ocasionados pelas constantes simplificações dos ecossistemas naturais através de análise das comunidades de formigas (Majer, 1996). A riqueza de formigas sobre o piso florestal depende da vegetação e do nível de equilíbrio homeostático do ecossistema, aumentando nos ecossistemas em fase inicial de reabilitação com o número de espécies vegetais (Smith et al., 1992). Vários autores têm demonstrado a existência de correlação significativa entre características estruturais dos habitats e padrões de comunidades de formigas (e.g. Matos et al., 1994). Na Austrália o uso de formigas como indicadores na reabilitação de áreas degradadas pelas atividades de mineração foi estudado e protocolos específicos para os respectivos ecossistemas foram definidos (e.g. Majer et al., 1984, Hoffman et al., 2000, Andersen et al., 2002). Estes mesmos protocolos já foram utilizados em áreas de mineração de bauxita no Brasil (Majer 1992, 1996). O presente trabalho investigou o padrão de ocorrência de espécies de formigas em uma área sob processo de reabilitação em região de Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro. MATERIAL E MÉTODOS O trabalho foi desenvolvido em 10,81 ha de áreas de empréstimo no Distrito da Ilha da Madeira, Município de Itaguaí, RJ (23º 55' 07'' S e 43º 50' 35'' W) na bacia da baía de Sepetiba em região de domínio ecológico da Mata Atlântica. A região apresenta 90% do seu perímetro com mar, tendo o ponto de maior altitude 225 m e declividade média de 30% (Valcarcel & D`Altério, 1998). Este ambiente sofreu remoção de m 3 de substrato em 1979 para construção do Porto de Sepetiba, sendo posteriormente abandonado sem receber tratamento conservacionista para readequação a paisagem regional da Mata Atlântica (Valcarcel & D`Altério, 1998). Em 1994 o Laboratório de Manejo de Bacias Hidrográficas do Departamento de Ciências Ambientais/UFRRJ iniciou projeto de reabilitação envolvendo o uso de medidas físicas, biológicas e físico-biológicas. Foram utilizadas diferentes combinações de espécies vegetais

3 Medidas Biológicas, para estabelecer a forma e reabilitar os processos ecológicos dos ecossistemas a serem construídos. Na MB-1 utilizou-se pioneira exótica; e na MB-5 8 espécies pioneiras nativas. Houve gradação crescente entre combinação de espécies nativas a partir da (MB-2, 8 espécies mistas (MB-3, 4 espécies); (MB-4, 6 espécies). A coleta de formigas foi realizada em tratamentos com diferentes combinações de espécies vegetais (apenas nativas (MB-5), nativas e exóticas (MB-2 e MB-4), apenas exóticas (MB-1)) e também em uma área testemunha, sem reflorestamento. O tratamento MB-1 era composto apenas de Acacia auriculiformis; o MB-2 de 25% A. auriculiformis, 20% Leucaena leucocephala, 15% Piptadenia gonoacantha, 13% Caesalpinia ferrea, 7% Albizia lebbech, 10% Mimosa caesalpiniaefolia, 5% Psidium guajava e 5% Tabebuia umbellata; o MB-4 com 22% A. auriculiformis, 20% C. fairchildiana, 19% Inga laurina, 16% A. mangium, 11% P. guajava e 10% de P. gonoacantha; e o MB-5 com 21% de Mimosa caesalpiniaefolia, 17% C. fairchildiana, 15% I. laurina, 15% L. leucocephala, 13,5% Mimosa bimucronata, 7,5% Cecropia pachystachya, 6% Schinus terebinthifolius e 5% de P. gonoacantha. Foram utilizados quatro métodos de amostragem da fauna de formigas: 1) foram utilizados armadilhas do tipo pitfall, 10 armadilhas/tratamento, distantes 10 m entre si, totalizando 50 armadilhas, contendo solução de formalina (3%). Depois de ativas por 48 horas foram recolhidos em potes apropriados e levados ao laboratório; 2) envolveu o levantamento de todas as espécies de formigas em 10 armadilhas/tratamento com iscas de sardinha (óleo comestível), dispostas 5 m entre si, por período de exposição de 1 hora. No terceiro método as formigas foram coletas a 1,60 m do piso no caule de 10 árvores/tratamento usando pinça entomológica, durante 5 minutos/árvore, resultando em 40 árvores amostradas. O quarto e ultimo método coletamos galhos (0,3 a 5 cm de diâmetro) em material decomposto, dentro de, parcelas de 1 m 2 (10 unidades/tratamento), distantes 10 m entre si, totalizando 40 m 2 de serapilheira analisada. Na testemunha foram coletos todos os galhos sobre o substrato. Os galhos foram armazenados em sacos plásticos, etiquetados e levados ao Laboratório de Ecologia e Conservação/UFRRJ, onde foram medidos o comprimento, diâmetro, grau de decomposição e aspecto interno, segundo método descrito por Carvalho & Vasconcelos (2002) em: 1. muito mole, 2. mole, 3. duro ou 4. muito duro; e quanto ao aspecto interno dos galhos, em: 1. totalmente sólido, 2. sólido mais separável em fibras, 3. com pequenos orifícios (poros) ou 4. totalmente oco. As formigas foram inicialmente preservadas em recipientes contendo álcool 70 %, e depois montadas em via seca e

4 identificadas em morfoespécies. Os diferentes ambientes foram analisados quanto às características do recurso galhos através de índices de diversidade (Simpson e Shannon) e comparados utilizando estatística paramétrica (Teste t e ANOVA) e não paramétrica (Kruskal-Wallis) no programa SYSTAT. A composição em espécies de formigas nos diferentes tratamentos foi analisada utilizando-se índices de similaridade (Jaccard e Sorensen). O material testemunho foi depositado na Coleção Entomológica "Costa Lima", IB/UFRuralRJ. RESULTADOS Registramos dentre os quatro métodos utilizados para acesso às espécies de formigas um total de 30 espécies,distribuídas em 5 subfamílias, Myrmicinae apresentou o maior número de espécies (50%) seguida de Formicinae (23%), Pseudomyrmecinae (17%), Ponerinae (7%) e Ecitoninae (3%). O tratamento MB5 se apresentou com 80 %(24) das espécies, MB4 com 77%(23), MB1 com 66%(20), MB2 63%(19) e a testemunha 46%(14 espécies) (Tabela 1). Apenas 8 morfoespécies foram comuns entre os tratamentos. A composição em espécies de formigas apresentou maior similaridade entre os tratamentos MB2/MB4 e MB5/MB4 (68% para Jaccard e 80% para Sorensen, nos dois casos). A Testemunha e o MB5 apresentaram os menores índices, 40% Jaccard e 29% Sorensen. Nas amostras de galhos da serapilheira encontramos um total de O tratamento MB5 apresentou maior número de galhos, 310 e a testemunha o menor número, 85. Os diâmetros foram significativamente diferentes entre os tratamentos (n = 1143; P = 0.000; x 2 aprox = 35,726; GL = 4). Os galhos do MB5 apresentou o maior diâmetro médio 0,71 cm, seguida do MB1 e MB2 com 0,63cm, MB4 com 0,53cm e por último a Testemunha com 0,43 cm. Não houve diferenças estatísticas entre as áreas de estudo quanto ao grau de dureza dos galhos segundo os índices de diversidade de Simpson (Teste de Kruskal-Wallis; KW = 4,33; P = 0,23; GL = 3) e Shannon (ANOVA, F = 1,98; P = 0,13; GL = 3). Houve diferenças significativas quanto ao aspecto interno segundo os índices de diversidade de Simpson (Kruskal- Wallis, KW = 8.93; P = 0.03; GL = 3 ) e Shannon (ANOVA, F = 2.93; P = 0.04; GL = 3). Os tratamentos com maior diversidade de plantas (MB5 e MB4) apresentaram-se com maiores índices de diversidade, para o recurso galhos. Os galhos preferidos pelas formigas para colonização apresentaram-se com um diâmetro médio de 1,17 cm (±0,18). Os galhos duros, moles, ocos e com orifícios tiveram a maior porcentagem de ninhos (64 %, 27%, 45% e 50%). No MB5

5 galhos/m 2 ), logo depois MB4 (0,7), MB1 (0,3) e MB2 (0,2 galhos/m 2 ). Observamos seis espécies de formigas colonizando os pequenos galhos da serapilheira. O tratamento com maior complexidade vegetal apresentou todas as espécies, enquanto que no MB4 observamos 50 % do total das espécies presentes. Os tratamentos MB1, MB2 e a testemunha só tiveram presença de uma espécie de formiga, porém diferentes entre tais medidas. A espécie Camponotus crassus esteve presente em maior número de galhos colonizados, seguida por Wasmannia auropunctata e Brachymyrmex sp.1. DISCUSSÃO Os ambientes com maior número de espécies vegetais apresentaram-se com maior riqueza de formigas. Essa maior riqueza de formigas deve estar relacionada com a maior complexidade estrutural da serapilheira, advinda da estratégia de reabilitação que utilizou maior número de pioneiras nativas nos tratamentos MB5 e MB4. A disponibilidade de nichos na serapilheira e sobre a vegetação é maior nos tratamentos com maior diversidade de plantas. Uma parcela dos galhos presentes nos tratamentos com maior número de espécies vegetais (MB5 e MB4) possuíam características apropriadas para utilização por formigas - i.e. moles, ocos ou com orifícios (Carvalho & Vasconcelos, 2002). Assim estes ambientes (mais complexos) propiciam uma liteira complexamente estruturada, mantendo a disponibilidade de sítios de nidificação, sendo este um fator importante para o aumento da diversidade de espécies de formigas na região tropical (Benson & Harada, 1988). Estes resultados confirmam diversos autores que sugerem que a riqueza de espécies de formigas esteja correlacionada com a complexidade estrutural da vegetação (Smith et al., 1992). O número de espécies presentes em um ambiente está correlacionado ao número de nichos realizáveis deste. O aumento da diversidade em um determinado nível cria condições para o aumento em outros níveis (Armbrecht et al., 2004). Segundo Neves (2004), o tratamento MB5 tem maior diversificação estrutural dos componentes arbóreos e aproximase estruturalmente e fisionomicamente de ambientes sucessionais avançados de Mata Atlântica, além de apresentar maior decomposição da serapilheira que as demais MB. Ambientes degradados ou com baixa diversificação vegetal (homogêneos) apresentam limitações à presença de organismos, devido à falta de recursos proporcionados por estes ambientes. Assim, nessas áreas, as comunidades de formigas se apresentam com baixa diversidade de espécies e com alta dominância.

6 CONCLUSÃO As comunidades de formigas são mais diversas em ambientes complexos do que em ambientes simplificados. São sensíveis a mudanças no ambiente sofrendo forte influência da estrutura vegetal. Através do monitoramento das comunidades de formigas em áreas reabilitadas é possível avaliar as metodologias e a eficácia das técnicas de revegetação quanto à manutenção da diversidade local e conseqüentemente a autosustentabilidade destes ambientes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDERSEN, A.N., HOFFMANN B.D., MÜLLER, W. J., and GRIFFITHS A.D. Using ants as bioindicators in land mangement: simplifying assessment of ant community responses. Journal of Applied Ecology, 39: p.8-17, 2002 ARMBRECHT, I., PERFECTO, I., VANDERMEER, J. Enigmatic Biodiversity Correlations: Ant Diversity Responds to Diverse Resources. Science, 304: p , BENSON, W.W. & A Y. HARADA. Local diversity of tropical and temperate ant faunas (Hymenoptera, Formicidae). Acta Amazônica, 18: p , CARVALHO, K. & VASCONCELOS, H. Comunidade de formigas que nidificam em pequenos galhos da serrapilheira em floresta da Amazônia Central, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, 46: p , FITKAU, E. J. & H. KLINGE. On biomass and Trophic Structure of the Central Amazonian Rain Forest Ecocystem. Biotropica, 5: p HOFFMANN B.D., GRIFFITHS A.D., and ANDERSEN A.N. Responses of ant communities to dry sulfur deposit form mining emissions in the semi-arid tropical Australia, with implications for the use of functional groups. Austral Ecology, 25: p , HÖLLDOBLER, B. & E.O. WILSON. The Ants. Harvard University Press, Cambridge, Massachusetts, USA, 1990.

7 MAJER, J.D. Ants: bioindicators of Minesite Rehabilitation, land use, and land conservation. Enviromental Managment, 7: p , MAJER, J.D. Ant recolonization of rehabilitated bauxite mines of Poços de Caldas, Brazil. Journal Tropical Ecology, 8: p ,1992. MAJER, J.D. Ant recolonization of rehabilitated bauxite mines at Trombetas, Pará, Brazil. Journal Tropical Ecology, 12: p , MAJER, J.D., DAY,J.E.,KABAY, E.D. & PERRIMAN, W.S. Recolonization by ants in bauxite mines rehabilitated by a number of different methods. Journal Applied Ecology, 21: p ,1984. MATOS, J.A., C.N. YAMANAKA, T.T. CASTELLANI & B.C. LOPES. Comparação da fauna de formigas de solo em áreas de plantio de Pinus elliottii, com diferentes graus de complexibilidade estrutural (Florianópolis,SC.). Biotemas, 7: p.57-64, NEVES, L.G. Eficiência conservacionista de medidas biológicas em áreas degradadas no domínio ecológico da Mata Atlântica Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais). Instituto de Florestas, UFRRJ, Seropédica. PARR, C.L. & CHOWN, S.L. Inventory and bioindicator sampling: testing pitfall and Windler methods winth ants in a South African savanna. Journal Insect Conservation, 5: p.27-36, ROSENBERG, D.M., DANKS, H.V. & LEHMKUHL, D.M. Importance of insects in environmetal impact assessment. Environmental Management, 10: p , SMITH. M.R.B., J.H.C. DELABIE. I.M.CARZOLA. A.M.Z. DA ENCARNAÇÃO. A.B. CASIMIRO. I.C. NASCIMENTO. A. L. B. SOUZA & M.FURST. Uso de formigas como bioindicadores: Primeiras indicações de padrões de interação entre vegetação, atividades agrícolas e comunidades de Formicidade. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO E BRASILEIRO DE ZOOLOGIA, 1992, Belém. PA, Resumos. 16, p.146.

8 VALCARCEL, R & D`ALTÉRIO, C. F. Medidas físicobiologicas de recuperação de áreas degradadas: avaliação das modificações edáficas e fitossociológicas. Floresta & Ambiente, 5 : p.68 88, VASCONCELOS, H.L. Respostas das formigas à fragmentação florestal. Série Técnica IPEF, 12: p.95-98, 1998.

9 Tabela 1. A Mirmecofauna em área em processo de reabilitação, Ilha da Madeira, Itaguaí,RJ. Legenda: I = Isca; C = Caule; G = Galhos; P = Pitfall Subfamílias Teste MB1 MB2 MB4 MB5 Myrmicinae I C G P I C G P I C G P I C G P I C G P Acromyrmex sp. X X Atta sp. X X X X X X Cephalotes sp. X X X X X X X X X Crematogaster sp. X X X X X X X X Mycetarotes sp. X Pheidole sp.1 X X X X X Pheidole sp.2 X X X X X X X X X Pheidole sp.3 X X X X X X Pheidole sp.4 X X X X X X X Pheidole sp.5 X X X X X X Solenopsis sp.1 X X X X X Solenopsis sp.2 X X Strumigenys sp. X X Trachymyrmex sp. X X X Wasmannia auropunctata X X X X X X X X X X X X Ecitoninae Labidus sp. X Formicinae Brachymyrmex sp.1 X X X X X X X X Brachymyrmex sp.2 X X X X X Camponotus crassus X X X X X X X X X X X X X X X Camponotus rufipes X X X X X X X X X Camponotus sp. X X X X X Hylomyrna sp. X Paratrechina sp. X X X Ponerinae Ectatoma bruneum X X Pachycondyla sp. X X X X X X X Pseudomyrmecinae Pseudomyrmex sp.1 X X X X X X X X Pseudomyrmex sp.2 X X Pseudomyrmex sp.3 X X X X X Pseudomyrmex sp.4 X X X X X Pseudomyrmex sp.5 X X Total de espécies

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007.

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 3, p. 197-204, jul-set, 2007 197 ISSN 0103-9954 FAUNA DE FORMIGAS COMO FERRAMENTA PARA MONITORAMENTO DE ÁREA DE MINERAÇÃO REABILITADA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ,

Leia mais

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO.

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO. 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenação de Pesquisa www.ueg.br Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira

Leia mais

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa no município de Capitão, Rio Grande do Sul Fabiane Rodrigues da Silva Fröhlich 1, Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen 2,

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

MONITORAMENTO DE MEDIDAS BIOLÓGICAS EM RECUPERAÇÄO DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO: ANÁLISE DA PROJEÇÃO E COBERTURA DE COPA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ-RJ.

MONITORAMENTO DE MEDIDAS BIOLÓGICAS EM RECUPERAÇÄO DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO: ANÁLISE DA PROJEÇÃO E COBERTURA DE COPA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ-RJ. MONITORAMENTO DE MEDIDAS BIOLÓGICAS EM RECUPERAÇÄO DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO: ANÁLISE DA PROJEÇÃO E COBERTURA DE COPA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ-RJ. Leonardo Tienne 1 ; Leonardo Gradiski Neves 2 ; Flavio

Leia mais

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera:

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Formicidae) numa parcela de floresta plantada de Eucalyptus grandis, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Jardel Boscardin

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e http://revistas.unlp.edu.ar/index.php/domus/issue/current/showtoc AUGMDOMUS, 3:10-19, 2011 Asociación de Universidades Grupo Montevideo ISSN:1852-2181 Avaliação comparativa de iscas atrativas a partir

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS Leonardo Balestro Lopes Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida leonardo.bl@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Santos, Márcia P. C. J.; Carrano-Moreira, Alberto F.; Torres, Jorge B.

Leia mais

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL RESUMO Fábio Zanella Farneda 1 Junir Antonio Lutinski 2 Flávio Roberto Mello Garcia 2,3

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga.

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga. CARACTERIZAÇÃO DA MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA - FORMICIDAE) ASSOCIADA À VEGETAÇÃO PERIFÉRICA DE INSELBERGS (CAATINGA - ARBÓREA - ESTACIONAL - SEMI- -DECÍDUA) EM ITATIM - BAHIA - BRASIL 33 Gilberto Marcos

Leia mais

BIOMASSA E COMPRIMENTO DE RAIZES FINAS EM ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM PROCESSO DE REABILITAÇÃO COM REFLORESTAMENTOS DE 15 ANOS NA MATA ATLÂNTICA.

BIOMASSA E COMPRIMENTO DE RAIZES FINAS EM ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM PROCESSO DE REABILITAÇÃO COM REFLORESTAMENTOS DE 15 ANOS NA MATA ATLÂNTICA. BIOMASSA E COMPRIMENTO DE RAIZES FINAS EM ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM PROCESSO DE REABILITAÇÃO COM REFLORESTAMENTOS DE 15 ANOS NA MATA ATLÂNTICA. SALES JÚNIOR, J. A. S.¹; Santos,J.F. 2 ; SANTOS, G. L. 3 ; Valcarcel,

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS Diversidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) associadas na serapilheira da população de palmeiras (Palmae)

Leia mais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais April - June 2002 187 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais CIDÁLIA G.S. MARINHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA FLORESTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL EFEITO DE BORDA

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO LEVANTAMENTO DE FORMICÍDEOS DE FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE ENG. PAULO DE FRONTIN, RJ (HYMENOPTERA,

Leia mais

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil Floresta e Ambiente 2015; 22(1):88-98 http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.0049 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo Original Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação

Leia mais

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL JAMES MACHADO BILCE 1, SOLANGE APARECIDA ARROLHO DA SILVA

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Wilson Reis Filho 1 Mariane Aparecida Nickele 2 Entre os 15 gêneros existentes

Leia mais

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 13 FORMIGAS Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 257 INTRODUÇÃO Todas as espécies de formigas pertencem à família Formicidae,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA LAVRAS - MG 2014 WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE

Leia mais

Aspectos estruturais do ambiente e seus efeitos nas assembléias de formigas em ambientes de floresta e bosque

Aspectos estruturais do ambiente e seus efeitos nas assembléias de formigas em ambientes de floresta e bosque 63 Aspectos estruturais do ambiente e seus efeitos nas assembléias de formigas em ambientes de floresta e bosque Structural environment and its effects on boards of ants in environments and forest grove

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Universidade de Brasília Disciplina: Ecologia de Campo Professor: Guarino R. Colli Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Projeto Individual Aluna: Ana Carolina

Leia mais

Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL.

Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL. Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANA-UENP Cornelio

Leia mais

Minhocas invasoras no Brasil: diversidade, distribuição e efeitos no solo e as plantas

Minhocas invasoras no Brasil: diversidade, distribuição e efeitos no solo e as plantas Minhocas invasoras no Brasil: diversidade, distribuição e efeitos no solo e as plantas George Brown, Embrapa Soja Samuel James, KMNH (USA) Amarildo Pasini, Norton P. Benito, Daiane Nunes, Priscila Trigo

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

MONITORAMENTO DE REFLORESTAMENTO NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU, CACHOEIRAS DE MACACU-RJ

MONITORAMENTO DE REFLORESTAMENTO NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU, CACHOEIRAS DE MACACU-RJ EIXO TEMÁTICO: Ciências Ambientais e da Terra MONITORAMENTO DE REFLORESTAMENTO NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU, CACHOEIRAS DE MACACU-RJ Rayanne Carvalho da Costa 1 Thayza de Oliveira Batitucci 2 Milena

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS

DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS ENTOMOFAUNÍSTICA DIVERSITY IN THREE FITOFISIONOMIAS OF AN ENVIRONMENTAL RESERVE IN COXIM-MS Patrícia Souza de Almeida

Leia mais

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil.

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil. LEVANTAMENTO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: AMAZONAS, BRASIL. Ana Paula Coelho MARQUES 1, 2, Rosaly ALE-ROCHA 1, José Albertino RAFAEL 1 RESUMO - Apresenta-se os resultados do levantamento de formigas que infestam

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS RECOLONIZAÇÃO DO SOLO POR FORMIGAS EM ÁREAS REABILITADAS E NÃO REABILITADAS

Leia mais

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1 ENTOMOTROPICA Vol. 29(3): 173-182. Diciembre 2014. ISSN 1317-5262 Relação entre guildas de formigas e a qualidade ambiental em Eucalyptus grandis submetido a diferentes controles de plantas infestantes

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais 6 Dinâmica Biológica RESUMO O objetivo deste projeto foi o de estudar os efeitos ecológicos da fragmentação florestal em alguns grupos importantes como árvores, palmeiras, sapos e formigas. Por fragmentação

Leia mais

SUCESSÃO VEGETAL COMO INDICADORA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DE EMPRÉSTIMOS EM DIFERENTES MEDIDAS BIOLÓGICAS (1)

SUCESSÃO VEGETAL COMO INDICADORA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DE EMPRÉSTIMOS EM DIFERENTES MEDIDAS BIOLÓGICAS (1) SUCESSÃO VEGETAL COMO INDICADORA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DE EMPRÉSTIMOS EM DIFERENTES MEDIDAS BIOLÓGICAS (1) Neves, L.G 2 ; Marques, O 3 ; Valcarcel,R 4. 2-Acad de Eng. Florestal/UFRRJ, bolsista do PIBIC/CNPq;

Leia mais

10 DIVERSIDADE DE FORMIGAS EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM DA CAATINGA

10 DIVERSIDADE DE FORMIGAS EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM DA CAATINGA 10. Diversidade de Formigas 10 DIVERSIDADE DE FORMIGAS EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM DA CAATINGA Inara R. Leal Introdução Embora as espécies de formigas constituam somente 1,5% da fauna de insetos

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque Otimização do tempo de recrutamento máximo de operárias de Allomerus octoarticulatus (Hymenoptera: Formicidae) frente à herbivoria induzida em Hirtella mirmecophila (Chrysobalanaceae) Emília Zoppas de

Leia mais

Caracterização da dinâmica de restauração natural em ecossistema perturbado de evolução de fragmento florestal da Mata Atlântica na Ilha da Madeira RJ

Caracterização da dinâmica de restauração natural em ecossistema perturbado de evolução de fragmento florestal da Mata Atlântica na Ilha da Madeira RJ Caracterização da dinâmica de restauração natural em ecossistema perturbado de evolução de fragmento florestal da Mata Atlântica na Ilha da Madeira RJ Joana Farias dos Santos (1) ; Schweyka Stanley Holanda

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS

MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS COMUNIDADE DE FORMICIDAE (INSECTA: HYMENOPTERA) ASSOCIADA AOS AMBIENTES HOSPITALARES NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG. Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como

Leia mais

ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini

ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini Lucena, R.C. (1) ; Vieira, L.A.F. (1) raissa.lucen@gmail.com (1) Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa PB, Brasil. RESUMO

Leia mais

ANAIS XXVII Congresso Brasileiro de Espeleologia Januária MG, 04-14 de julho de 2003. Sociedade Brasileira de Espeleologia

ANAIS XXVII Congresso Brasileiro de Espeleologia Januária MG, 04-14 de julho de 2003. Sociedade Brasileira de Espeleologia LEVANTAMENTO DA FAUNA DE INVERTEBRADOS DA GRUTA DOS ECOS (GO) DURANTE A ESTAÇÃO CHUVOSA: DADOS PRELIMINARES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO ESPELEOLÓGICO (PME) Franciane S. JORDÃO Centro Nacional de

Leia mais

DIVERSIDADE DE ABELHAS NATIVAS COLETADAS COM O AUXÍLIO DE NINHOS ARMADILHA NO PARQUE ESTADUAL CACHOEIRA DA FUMAÇA, ALEGRE, ES.

DIVERSIDADE DE ABELHAS NATIVAS COLETADAS COM O AUXÍLIO DE NINHOS ARMADILHA NO PARQUE ESTADUAL CACHOEIRA DA FUMAÇA, ALEGRE, ES. DIVERSIDADE DE ABELHAS NATIVAS COLETADAS COM O AUXÍLIO DE NINHOS ARMADILHA NO PARQUE ESTADUAL CACHOEIRA DA FUMAÇA, ALEGRE, ES. Arícia Leone E. M. de Assis¹, Luceli de Souza¹ 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA Luiz de Queiroz ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp. ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.br) 1 SUMÁRIO 1. Conceituando restauração 2. Recuperar. Por

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL SaBios: Rev. Saúde e Biol., v.8, n.1, p.17-113, jan./abr., 213 ISSN:198-2 OCORRÊNCIA DE FORMIGAS EM UMA ÁREA URBANA PERI- HOSPITALAR DE UBERABA/BRASIL Afonso Pelli 1, Maxelle Martins Teixeirai 1, Maria

Leia mais

Padrões temporais de diversidade: dinâmica de assembleias de formigas de liteira (Hymenoptera: Formicidae) em 25 km 2 de floresta Amazônica

Padrões temporais de diversidade: dinâmica de assembleias de formigas de liteira (Hymenoptera: Formicidae) em 25 km 2 de floresta Amazônica INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENTOMOLOGIA - PPGENT Padrões temporais de diversidade: dinâmica de assembleias de formigas de liteira (Hymenoptera: Formicidae)

Leia mais

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes.

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes. 1 Chave para escolha de métodos de restauração florestal Uma forma de fazer essa associação entre o diagnóstico e as ações de restauração é por meio de um modelo semelhante a chaves dicotômicas usadas

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Amizade MUTUALISMO ENTRE PLANTAS

Amizade MUTUALISMO ENTRE PLANTAS A competição nem sempre é a regra na natureza. Espécies diferentes podem se associar para aumentar suas chances de sobrevivência, uma ajudando a outra, em uma relação denominada mutualismo. Estudos sobre

Leia mais

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL Maikel Lamego Guimarães Mari, Engenheiro Florestal, orquidofilodaamazonia@hotmail.com, 55 92 8162-4656, Brasil,

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest.

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest. Lundiana 9(1):41-47, 2008 2009 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Associação de Eremanthus erythropappus (DC.) McLeish (Asteraceae) com formigas e sua relação com a mirmecofauna do

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 733 ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 Ethel Fernandes de Oliveira Peternelli 2, Terezinha Maria Castro Della Lucia 2 e Sebastião Venâncio Martins

Leia mais

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas 312 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas FITOSSOCIOLOGIA DO SUB-BOSQUE DE RESTINGA COMO

Leia mais

Marina Xavier da Silva

Marina Xavier da Silva Composição de espécies e padrão de forrageamento de formigas em Talipariti pernambucense (Malvaceae) em uma área de restinga Marina Xavier da Silva RESUMO: Plantas com nectários extraflorais são utilizadas

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU ANÁLISE DE COMUNIDADES DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA COM PLANTIO DE Eucalyptus spp. (MYRTACEAE: MYRTALES) Prof

Leia mais

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Tabebuia chrysotricha UTILIZADO NA ARBORIZAÇÃO DA CIDADE DE CHAPADÃO DO SUL- MS

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Tabebuia chrysotricha UTILIZADO NA ARBORIZAÇÃO DA CIDADE DE CHAPADÃO DO SUL- MS BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Tabebuia chrysotricha UTILIZADO NA ARBORIZAÇÃO DA CIDADE DE CHAPADÃO DO SUL- MS Ana Paula Leite de Lima 1 ; Sebastião Ferreira de Lima 2 ; Rita de Cássia Mariano de Paula

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae)

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae) Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Avaliação de Mutualismo entre Acacia mangium Willd (Mimosaceae) e Formigas (Hymenoptera: Formicidae). Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

CONTEXTO. mundial de celulose branqueada de eucalipto

CONTEXTO. mundial de celulose branqueada de eucalipto MONITORAMENTO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS NA ARACRUZ CELULOSE S.A. Ana Paula C. do Carmo (Aracruz( Celulose S.A.) Silvia R. Ziller (Instituto Hórus) CONTEXTO Maior produtora Unidade Barra

Leia mais

AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁREAS EM PROCESSO DE RESTAURAÇÃO

AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁREAS EM PROCESSO DE RESTAURAÇÃO AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE ÁREAS EM PROCESSO DE RESTAURAÇÃO Pedro Henrique Santin Brancalion, Ricardo Augusto GorneViani, Ricardo Ribeiro Rodrigues, Sergius Gandolfi 1 INTRODUÇÃO A restauração florestal

Leia mais

Leandro Xavier Teixeira Chevalier, Diego Silva Gomes, Antonio José Mayhé-Nunes & Jarbas Marçal Queiroz

Leandro Xavier Teixeira Chevalier, Diego Silva Gomes, Antonio José Mayhé-Nunes & Jarbas Marçal Queiroz doi:10.12741/ebrasilis.v6i2.291 Publicação do Projeto Entomologistas do Brasil www.ebras.bio.br Distribuído através da Creative Commons Licence v3.0 (BY-NC-ND) Copyright EntomoBrasilis Copyright do(s)

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE)

PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE) PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE) 1. INTRODUÇÃO Entender quais mecanismos determinam os padrões

Leia mais