de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of"

Transcrição

1 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa no município de Capitão, Rio Grande do Sul Fabiane Rodrigues da Silva Fröhlich 1, Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen 2, Claudete Rempel 3, Noeli Juarez Ferla 4 Resumo: Este estudo tem o objetivo de descrever a fauna de formigas arbóreas e de solo e comparar a diversidade deste grupo em floresta nativa e em eucaliptal no município de Capitão, Rio Grande do Sul. As formigas foram pesquisadas uma vez por mês, entre agosto e dezembro de Foram encontradas 20 morfoespécies de formigas, pertencentes a seis subfamílias, 11 tribos e 14 gêneros, sendo 833 indivíduos na vegetação nativa e no eucaliptal. Foram exclusivas da vegetação nativa Azteca sp., Solenopsis sp.1, Crematogaster sp.1 e sp.2 e Labidus sp., enquanto no eucaliptal foram exclusivas Acromyrmex sp. e Atta sp. O índice de Margalef (D Mg ) demonstrou uma diversidade relativamente baixa de indivíduos para os locais estudados, sendo necessários estudos mais específicos sobre a taxonomia e ecologia das formigas nessa região com um maior tempo e maior número de coletas. Palavras-chave: Floresta nativa. Eucalyptus. Ecologia de formigas. Pit-fall. Diversity of ants (formicidae) in areas of eucalyptus and native vegetations in the municipality of Capitão, Rio Grande do Sul Abstract: This study aims to describe the arboreal and soil ant fauna and compare the diversity of this group in native forest and eucalypt plantation in the municipality of Capitão, Rio Grande do Sul. Ants were analyzed once a month between August and December We found 20 morphospecies of ants belonging to 6 subfamilies, 11 tribes and 14 genera, with 833 individuals in native vegetation and 1020 in eucalypt plantation. Azteca sp., Solenopsis sp.1, Crematogaster sp.1 and sp.2 and Labidus sp. were exclusive of native vegetation while Acromyrmex sp. and Atta sp. were exclusive of the eucalypt plantation. The Margalef (D Mg ) index showed a relatively low diversity of individuals for the sites studied, what requires further studies of the taxonomy and ecology of ants in this region for a longer time and with a larger number of samples. Keywords: Native Forest. Eucalyptus. Ecology of Ants. Pit-fall. 1 Bióloga Centro Unviersitário UNIVATES. 2 Bióloga, Doutora em Ecologia Centro Universitário UNIVATES e Universidade de Santa Cruz do Sul. 3 Bióloga, Doutora em Ecologia Centro Universitário UNIVATES. 4 Biólogo, Doutor em Entomologia Centro Universitário UNIVATES. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

2 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... 1 INTRODUÇÃO As formigas vêm sendo consideradas como um dos principais componentes biológicos de ambientes estruturalmente complexos como as florestas (FITKAU; KLINGE, 1973). Muitas espécies são consideradas detritívoras e/ou predadoras de outros insetos, contribuindo dessa forma para a reciclagem dos nutrientes e influenciando a dinâmica populacional de insetos herbívoros (HÖLLDOBLER; WILSON, 1990). As comunidades de formigas podem ser modificadas tanto naturalmente quanto pelas atividades humanas, sendo que o grau de mudança depende especificamente da natureza do impacto, sua intensidade e duração (Rao; Terborgh; Nuñez, 2001). Os formicídeos são insetos dominantes na mesofauna constituinte de florestas de eucaliptos e matas secundárias heterogêneas (Vallejo; Fonseca; Gonçalves, 1987). Além disso, são organismos importantes e altamente organizados que procuraram alimento sob a superfície do solo, na serrapilheira ou sobre as plantas (FOWLER et al., 1991). Nos eucaliptais, exemplo de floresta industrial, o ambiente é simplificado, enquanto que na vegetação nativa é observada maior diversidade de espécies (OLIVEIRA et al., 1995). As plantações comerciais visam a suprir a crescente demanda de madeira como matéria-prima, podendo assim reduzir teoricamente o corte das florestas naturais remanescentes. No entanto, a implantação dessas florestas comerciais tem como resultado a alteração total dos hábitats naturais não só pela modificação do estrato arbóreo, da vegetação arbustiva e herbácea do sub-bosque (POGGIANI; OLIVEIRA, 1998), mas também pela perda da biodiversidade local devido às perturbações causadas pela sua implantação (VIANA, 1995). O plantio de Eucalyptus sp. (Myrtaceae) em forma de cultivos homogêneos ocupa grandes áreas do Estado do Rio Grande do Sul. A partir do momento que se reconheceu o valor de sua madeira, houve a preocupação de explorar mais racionalmente as áreas plantadas, enquanto os problemas ligados à conservação do ambiente e as consequências do plantio somente foram enfocados a posteriori (GOLFARI, 1975; LIMA, 1993), visto que muitos impactos sobre a biodiversidade têm sido detectados (PAULA, 1997; Peck; Mcquaid; Campbell, 1998; Louzada; Sanches; Schilindwein, 2000; ANDERSEN et al., 2002). O eucalipto é a essência florestal mais plantada no Brasil, pois apresenta crescimento rápido. Devido a esse aumento significativo na área plantada têm aumentado os problemas entomológicos com formigas cortadeiras, lagartas, cupins e besouros, com danos significativos aos reflorestamentos. Dessa forma, espécies nativas sem importância econômica passaram à condição de praga. Isso ocorreu, principalmente, em plantios homogêneos, que favoreceram o desenvolvimento de insetos, como formigas dos gêneros Atta e Acromyrmex que são de ampla distribuição geográfica, consideradas uma das principais pragas florestais das Américas (DELLA LUCIA, 1993). Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

3 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla Segundo Lima (1993), a diversidade de espécies da fauna está associada à quantidade, à distribuição e principalmente à qualidade dos recursos e aos atributos oferecidos pelos ecossistemas. Em geral, ambientes mais complexos suportam uma maior diversidade de nichos, resultando em uma maior quantidade de sítios para nidificação e de alimento para as formigas e diminuindo, assim, a competição entre as espécies coexistentes (GREENSLADE, 1971; LEVINGS, 1983; SAVOLAINEN; VEPSÄLÄINEN, 1988; MATOS et al., 1994; LEAL, 2002). Hábitats mais heterogêneos disponibilizam maior variedade de sítios para nidificação, alimento, microclimas e interações interespecíficas para as formigas se estabelecerem (BENSIN; HARADA, 1988; HÖLLDOBLER; WILSON, 1990; Reyes-Lopes; Ruiz; Fernandes-Haeger, 2003). Devido à abundância e à estabilidade das populações, as formigas são fáceis de amostrar, de identificação possível e sua diversidade tem sido correlacionada com o clima (BENSIN; HARADA, 1988), complexidade da vegetação (LEAL; LOPES, 1992; MAJER, 1997; LEAL, 2002), disponibilidade de recursos (LEVINGS; FRANKS, 1982; LEVINGS, 1983), grau de perturbação (ANDERSEN, 1995; VASCONCELOS, 1998) e interações interespecíficas (GRENSLADE, 1971; DAVIDSON, 1977). Estes organismos podem ser considerados um dos melhores grupos de Arthropoda para avaliação e monitoramento ambiental (MORAIS; BENSON, 1988; ANDERSEN, 1995). As formigas cortadeiras são insetos eussociais e estão disseminadas em todo o território nacional atacando praticamente todas as plantas cultivadas, causando elevados prejuízos à agricultura convencional, ao reflorestamento e às pastagens (LOECK; GRUTZMACHER, 2001). No estado do Rio Grande do Sul, as formigas cortadeiras predominantes pertencem aos gêneros Atta (saúvas) e Acromyrmex (quenquéns), pertencem à tribo Attini e à subfamília Myrmicinae. Espécies destes gêneros cortam folhas e as transportam para o interior do formigueiro onde, em câmaras especiais, são utilizadas como meio de cultura de um fungo, do qual se alimentam. Segundo Loeck e Grutzmacher (2001), no RS são encontradas dez espécies de formigas cortadeiras pertencentes ao gênero Acromyrmex: A. laticeps (Emery 1905); A. crassispinus (Forel 1909); A. heyeri (Forel 1899); A. lundi (Guerin 1838); A. ambiguus (Emery 1887); A. striatus (Roger 1863); A. lobicornis (Emery 1887); A. coronatus (Fabricius 1804); A. landolti balzani (Emery 1890) e A. aspersus (F. Smith 1858), enquanto Gusmão e Loeck (1999), estudando apenas a Região Sul do Estado do RS, encontraram sete espécies: A. heyeri (Forel), A. lundi (Guerin), A. ambiguus (Emery), A. striatus (Roger), A. crassispinus (Forel), A. laticeps (Emery), A. lobicornis (Emery). Segundo Zanetti et al. (2002), o ataque realizado pelas formigas dos gêneros Atta e Acromyrmex são de maneira intensa e constante, podendo ocorrer danos em qualquer fase do desenvolvimento da planta, ocasionados por cortes de folhas, brotos, ramos finos e flores, os quais são carregados para o interior de ninhos subterrâneos. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

4 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... As formigas do gênero Atta caracterizam-se por possuírem três pares de espinhos no dorso do tórax e apresentam a superfície dorsal do gáster lisa e sem tubérculos. Os indivíduos que compõem a colônia apresentam elevado grau polimórfico (ANJOS; DELLA LUCIA; MAYHÉ-NUNES, 1998). Além disso, Loureiro e Queiroz (1990) ainda as caracterizam pelas carenas frontais muito separadas. As formigas pertencentes ao gênero Acromyrmex caracterizam-se por apresentar quatro ou mais pares de espinhos dorsais. Também apresentam o primeiro segmento do gáster com rugosidades com exceção para a espécie Atta striatus (LOECK; GRÜRTZMACHER, 2001). A principal subfamília de formigas cortadeiras é a Myrmicinae e dentre elas, os dois gêneros de maior importância agrícola são a Atta e a Acromyrmex (Lima; Della Lucia; Silva, 2001). Amante (1967) cita que um sauveiro adulto pode consumir uma tonelada de folhas de Eucaliptus sp. por ano. Dentro das estratégias de controle de formigas cortadeiras, o método químico é o mais utilizado e pode ser realizado de diferentes formas e com diferentes produtos (BARATA, 2009). Cada espécie apresenta hábito de corte diferente e nidificação própria, o que exige métodos de controle diferenciados, fato este já observado por Gonçalves (1945) quando citou que, embora as diferentes espécies de formigas cortadeiras possam ser combatidas de maneira semelhante, elas apresentam hábitos próprios, constroem formigueiros característicos, cortam plantas diversas e vivem em regiões determinadas. Matos et al. (1994) encontraram aumento da diversidade de formigas com o aumento da complexibilidade da vegetação e da serrapilheira. Oliveira et al. (1995) também relataram que existe variação na diversidade de formigas influenciadas pelas características do ambiente, verificando que quanto maior sua complexibilidade, maior a diversidade de espécies. Majer e Recher (1999) argumentaram que a serrapilheira produzida pelo cultivo de eucalipto apresenta baixa diversidade de organismos, comprometendo a ciclagem de nutrientes, entre outros processos. Para estudos da mimercofauna utiliza-se a armadilha do tipo pit-fall, que é um método bem conhecido de se amostrar artrópodos (MAJER, 1978; CASTRO; QUEIROZ; ARAÚJO, 1989) e a amostragem sobre plantas é importante pela riqueza em espécies que não é observada apenas com armadilhas de solo. Armadilhas iscadas com atum, sardinha, carne ou mel servem para a captura da maioria das formigas tropicais (ROMERO; JAFFE, 1989), com exceção das formigas cortadeiras saúvas e quenquéns. Constantemente, a biodiversidade de formigas tem sido estudada com o objetivo de compreender as perturbações ocasionadas pelas constantes simplificações dos ecossistemas naturais, como é o caso da monocultura de eucalipto (MAJER, 1996), pois além de responderem ao estresse do meio, as formigas apresentam ampla distribuição e abundância local, alta riqueza de espécies e são facilmente amostradas (ALONSO; AGOSTI, 2000). Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

5 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla São inexistentes as informações relativas à mirmecofauna em ambiente de mata nativa e eucaliptal no município de Capitão-RS, sugerindo a necessidade de avaliação da diversidade de formigas. Por apresentar regiões montanhosas, os produtores do município de Capitão investem na implantação de florestas industriais, em especial de eucalipto, pinus e acácia-negra, alterando assim o ambiente natural, que originalmente era composto pela Floresta Estacional, tanto decidual quanto ilhas de semidecidual (Rempel; Suertegaray; Jasper, 2001) e surgindo uma nova configuração estrutural. Dessa forma, o presente estudo objetivou o levantamento da fauna de formigas associadas a uma área de plantação de eucalipto e uma de mata nativa, comparando-se a diversidade desses insetos nos dois ambientes. 2 MATERIAL E MÉTODOS 2.1 Área de estudo Capitão é um município brasileiro do Estado do Rio Grande do Sul. Localiza-se a uma latitude 29º16 08 sul e a uma longitude 51º59 22 oeste, estando a uma altitude de 465 metros. Sua população estimada em 2004 era de habitantes, numa área de 70,176 km². Este município integra a região da Encosta Inferior do Nordeste. O clima tropical úmido é ameno com uma temperatura média de 18 a 20º C, chuvas abundantes, geadas fortes de maio a setembro e nevoeiros frequentes. O relevo é formado em grande parte por regiões montanhosas onde predominam matas nativas de Floresta Estacional Decidual ou áreas de reflorestamento de eucaliptos (Eucalyptus saligna Smith), acácianegra (Acácia mearnsii De Wild) e pinus (Pinus elliotti Engelm). Sendo as terras montanhosas ou de difícil manejo, os produtores investem muito em reflorestamento, significando atualmente 20% da área total do município. A área de vegetação nativa era um fragmento de Floresta Estacional Decidual ainda preservado, sem registro de intervenção humana, com dossel superior bem definido, sub-bosque ralo, camada de serrapilheira variando de 5 a 18 cm e composição fitossociológica diversificada e abundante. A faixa de vegetação nativa encontrava-se entre um povoamento de acácia-negra com oito anos de idade e uma estrada de terra, compreendendo 7,6 ha de área total. A área de eucalipto era composta por E. saligna, no espaçamento 3,0 m x 3,0 m, altura e diâmetro médio de 32,5m e 68 cm, com cerca de 12 anos de idade, compreendendo 3,2 ha de área total, separados por estradas de terra. O sub-bosque era denso composto por plantas herbáceas, arbustivas e arbóreas típicas de vegetação nativa, com altura média de 1,80 m. Somente nos cinco primeiros anos de área plantada utilizou-se o controle químico localizado contra formigas cortadeiras com iscas formicidas seis vezes ao ano. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

6 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... Também não houve nenhum tipo de manejo após a plantação como roçada, desbastes, capinas ou outras práticas silviculturais comuns em plantações de eucalipto. 2.2 Métodos de coleta As coletas foram realizadas mensalmente no período de agosto a dezembro de 2008 nas duas áreas acima descritas. A amostragem das formigas nas áreas foi realizada com o uso de armadilhas do tipo pit-fall arbóreo (PA), semelhante ao realizado por Ribas et al. (2003) e pit-fall no solo (PS), semelhante a Majer (1997). A armadilha pit-fall consistiu de um recipiente de 10 cm de diâmetro e 10 cm de altura, enterrado no solo acompanhando a sua superfície. Em cada área selecionada foram delimitados três quadrados de 10 m x 10 m, distantes 50 m um do outro. A distância da borda foi de no mínimo 50 m. Em cada quadrado foram instaladas oito armadilhas no solo, totalizando 24 armadilhas por ambiente e seis armadilhas no tronco das árvores, totalizando 18 armadilhas em cada coleta, em plantas que apresentassem circunferência a altura do peito (CAP) igual ou superior a 60 cm e próximas aos pit-falls no solo. Cada armadilha de solo consistiu de dois copos plásticos de 200 ml encaixados um dentro do outro, enterrados no solo de modo que a borda do copo interno situou-se ao nível da superfície do solo. No interior do copo interno foram colocados 120 ml de água acrescida de algumas gotas de detergente e iscadas com mel na borda superior do copo. As gotas de detergente servem para quebrar a tensão superficial da água, fazendo com que o artrópode afunde. Após a instalação do copo externo esperou-se sete dias para colocar-se o copo interno e iniciar a coleta, evitando assim o digging-in effect, que é uma captura acentuada de invertebrados que se tornam mais ativos devido ao distúrbio provocado pelo revolvimento do solo (GREENSLADE, 1973). As armadilhas arbóreas foram instaladas a uma altura de 1,30 m do solo e também foram iscadas com mel, água e algumas gotas de detergente. As armadilhas permaneceram no campo por um período de 72 horas. Todas as formigas coletadas foram armazenadas em frascos com álcool 70%GL, devidamente etiquetados, para posterior triagem e identificação. Para evitar o efeito de borda foi dada uma distância de 200 m dos limites da área para iniciar a amostragem, garantindo a independência das amostras, semelhante ao realizado por Lucimeire et al. (2003). Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

7 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla 2.3 Triagem e identificação dos indivíduos A triagem dos espécimes coletados foi realizada no Laboratório de Ecologia do Centro Universitário UNIVATES. Em laboratório as formigas foram identificadas sob microscópio estereoscópio ao nível de subfamília e gênero com auxílio de chaves dicotômicas de Bolton (1994). Após a triagem, as formigas foram conservadas em microtubos tipo Eppendorf e pequenos recipientes de vidro contendo álcool 70%. Para a definição das morfoespécies foram analisadas somente características relativas à morfologia externa. 2.4 Análise dos dados No presente trabalho realizou-se o índice Jacknife 1, o qual, segundo Palmer (1991), representa com maior fidelidade a riqueza total de espécies da comunidade amostrada. A diversidade, geralmente expressa pela riqueza e pela abundância das espécies dentro da comunidade, é no caso de insetos sociais, foi avaliada por meio da frequência de registros obtidos; uma vez que o registro de um indivíduo obtido é indicador da probabilidade de encontrar-se uma colônia. A análise da diversidade de gêneros de formicídeos no presente estudo foi feita com o índice de Margalef (D Mg ), que expressa a riqueza ponderada pelo tamanho amostral (MARGALEF, 1956). O índice de Shannon-Wiener foi escolhido também como índice de diversidade não paramétrico. Para avaliar a distribuição das espécies nas áreas amostradas, foi utilizado o índice de equitabilidade. A Análise de Cluster foi utilizada para comparar o grau de aproximação (similaridade) das comunidades, tendo como base as frequências absolutas dos registros feitos para cada espécie, em cada comunidade; construído por meio do programa PAST, ver (Hammer; Harper; Ryan, 2001). Todos os cálculos dos índices de diversidade, similaridade para as áreas analisadas, foram realizados a partir do número de registros de cada espécie, para cada área, uma vez que as características sociais das formigas podem afetar estas análises, quando realizadas sobre os números absolutos de espécimes coletados (ROMERO; JAFFÉ, 1989). Para detectar possíveis diferenças entre o pit-fall arbóreo e o de solo entre a área 1 e a área 2, foi feita análise não paramétrica de Kruskal-Wallis. As análises de abundância entre as áreas analisadas foram realizadas com a aplicação do teste estatístico do quiquadrado (c 2 ). Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

8 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO No presente estudo foram coletados 833 espécimes na mata nativa e espécimes no eucaliptal, sendo identificadas 20 morfoespécies, pertencentes a seis subfamílias, 11 tribos, 14 gêneros (TABELA 1). Tabela 1 Registros das morfoespécies de formigas capturadas com armadilhas do tipo pit-fall arbórea (PA) e de solo (PS) em área de vegetação nativa e eucaliptal. A presença de um organismo em uma armadilha bastou para considerar-se como registro naquele tipo de armadilha. Capitão, RS, agosto a dezembro de Subfamília Floresta nativa Floresta Industrial Pit-fall solo Pit-fall arbóreo Pit-fall solo Pit-fall arbóreo Subfamília Ponerinae Tribo Ponerini Pachycondyla sp. 1 X X X X Pachycondyla sp. 2 X X X X Hypoponera sp. 1 - X X - Hypoponera sp. 2 X X - X Hypoponera sp. 3 X - X - Subfamília Dolichoderinae Tribo Tapinomini Azteca sp. X X - - Tapinoma sp. X X X X Subfamília Myrmicinae Tribo Myrmicini Pheidole sp. X X X X Tribo Solenopsidini Solenopsis sp.1 X X - - Solenopsis sp. 2 X - X X Tribo Attini Acromyrmex sp. - - X X Atta sp. - - X - Tribo Crematogastrini Crematogaster sp.1 X X - - Crematogaster sp.2 - X - - Subfamília Formicinae Tribo Brachymyrmicini Brachymyrmex sp.1 X - X X Brachymyrmex sp. 2 - X - X Tribo Camponitini Camponotus sp. X X X X Tribo Lasiini Paratrechina sp. X - X X Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

9 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla Subfamília Floresta nativa Floresta Industrial Pit-fall solo Pit-fall arbóreo Pit-fall solo Pit-fall arbóreo Subfamília Ecitoninae Tribo Ecitonini Labidus sp. X X - - Subfamília Pseudomyrmicinae Tribo Pseudomyricini Pseudomyrmex sp. - X X X Total de registros Na área de mata nativa foram encontradas 14 morfoespécies tanto no pit-fall de solo como no arbóreo; na área de eucaliptal foram 13 morfoespécies com pit-fall de solo e 12 com o arbóreo. Esperava-se encontrar maior número de espécies na mata nativa, conforme trabalhos realizados por Marinho et al. (2002) e Oliveira et al. (1995). Segundo estes autores, as áreas de vegetação nativa apresentam maior diversidade de espécies em comparação com os eucaliptais que são ambientes simplificados. Porém, acredita-se que pelo curto período de tempo de coleta e pela utilização de somente um método de coleta este número não reflita a realidade das áreas analisadas, devendo-se proceder a novas investigações e com outras metodologias de coleta. Quanto maior a complexidade da vegetação, maior a diversidade da comunidade de formigas que pode ser sustentada (SOARES et al., 2003). Embora estudos de correlação entre estes fatores não tenham sido objeto deste estudo, a disponibilidade de alimento e os locais para nidificação, que são mais abundantes e diversificados na área de mata nativa, explicam a diversidade de espécies encontrada neste nicho (TABELA 2). Tabela 2 Valores de riqueza de Jacknife 1, índice de diversidade de Margalef e de Shannon Wiener e equitabilidade por ambiente e método de coleta. Capitão, RS, agosto a dezembro de Amostras Mata nativa pit-fall solo Mata nativa pit-fall arbóreo Eucaliptal pit-fall solo Eucaliptal pit-fall arbóreo Diversidade de Margalef Diversidade de Shannon Wiener Riqueza de Jacknife 1 Equitabilidade 4,146 2,525 14,0 0,9567 3,687 2,518 21,0 0,954 3,942 2,331 21,7 0,9089 3,338 2,24 21,0 0,9015 Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

10 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... A subfamília que apresentou o maior número de indivíduos coletados foi a Myrmicinae. Esta predominância era esperada, pois este grupo é mais abundante e extremamente adaptável aos mais diversos nichos ecológicos na região Neotropical (FOWLER et al., 1991). Quanto ao número de indivíduos, destacam-se Pachycondyla sp. 2, Acromyrmex sp. e Atta sp. com maior número de indivíduos no eucaliptal. Os gêneros Acromyrmex e Atta agrupam formigas cortadeiras e podem estar associadas a áreas alteradas com grandes populações por ter acesso a maior disponibilidade de alimento e diminuição de predadores. Segundo Grürzmacher, Loeck e Medeiros (2002), no Rio Grande do Sul, as principais espécies de formigas cortadeiras pertencem aos gêneros Atta e Acromyrmex. Estes dois grupos cortam plantas e transportam os pedaços para os formigueiros, onde em câmaras especiais eles são utilizados como meio de cultura para cultivo de um fungo, do qual elas se alimentam. Pheidole sp. teve mais indivíduos encontrados na mata nativa e Labidus sp., as conhecidas formigas-de-correição, também. Apesar das formigas deste gênero serem bastante tolerantes às perturbações ambientais, como ocorre em área de eucalipto, neste estudo, não houve nenhuma ocorrência identificada. Acredita-se que isto tenha sido em função do método e do tempo de coleta empreendido no presente estudo. O índice de Margalef (D Mg ) demonstrou uma diversidade relativamente baixa para os locais estudados (TABELA 2). Segundo Odum (1985), áreas degradadas bem como ambientes com baixa diversidade tendem a ter alta dominância de espécies e baixo índice de diversidade. Os maiores valores de equitabilidade foram encontrados para a área com mata nativa, indicando uma distribuição mais uniforme da fauna de formicídeos nesta comunidade. Por meio do dendrograma (FIGURA 1) é possível observar que houve similaridade entre as populações da área de mata nativa e de eucaliptal, embora a monocultura ecologicamente represente uma barreira para o estabelecimento da diversidade da flora e da fauna. O povoamento foi capaz de exercer um papel sobre a fauna de formicídeos semelhante àquela exercida pela mata nativa. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

11 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla Legenda: 1 Mata nativa pit-fall solo, 2 Mata nativa pit-fall arbóreo, 3 Eucaliptal pit-fall arbóreo e 4 Eucaliptal pit-fall solo. Figura 1 - Análise de Cluster baseada nos registros para cada ponto de amostragem, analisando a similaridade entre as populações de formigas em áreas de mata nativa e eucaliptal. Capitão, RS, agosto a dezembro de Comparando-se os métodos de amostragem, observou-se que houve diferença estatística significativa, para um a = 0,05, entre o pit-fall no solo e na parte arbórea na área 1 e na área 2 (c 2 = 13,054; p = 0,0003). Não se observou diferença estatística significativa, para um a = 0,05, entre o pit-fall no solo e na parte arbórea da área 1 (H = 0,0311; p (Kruskal-Wallis) = 0,8601), da mesma forma, não há diferença estatística significativa entre o pit-fall no solo e na parte arbórea área 2 (H = 0,9402; p (Kruskal-Wallis) = 0,3322). Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

12 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... Neste mesmo sentido, não houve diferença estatística significativa entre o pit-fall no solo entre a área 1 e a área 2 (H = 0,0158; p (Kruskal-Wallis) = 0,8999), assim como não há diferença estatística significativa entre o pit-fall na parte arbórea da área 1 e da área 2 (H = 1,6490; p (Kruskal-Wallis) = 0,1991). Acredita-se que estes resultados devem-se às limitações da metodologia empreendida, pois segundo Wall e Morre (1999), esperava-se maior riqueza de formigas no solo do que nas plantas, visto que a maioria das espécies está associada ao solo e à serrapilheira. Com isso, o presente estudo sugere que a riqueza específica não depende somente da complexibilidade dos ambientes estudados; apesar da aparente pobreza do cultivo do eucalipto na manutenção da diversidade em geral. É evidente que os ecossistemas nativos preservam inúmeros elementos de diversidade da fauna e flora e que a antropização desses ambientes interfere grandemente na manutenção da diversidade. As formigas podem ser bioindicadores de ambientes degradados, porém para uma melhor análise do grau de integridade da região estudada são necessários estudos posteriores que utilizem maior número de coletas e com outros métodos de coleta também. REFERÊNCIAS ALONSO, L.E.; AGOSTI, D. Biodiversity studies, monitoring, and ants: an overview. In: AGOSTI, D. et al. (Eds.) Ants: standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Washington: Smithsonian Institution Press p AMANTE, E. Prejuízos causados pela formiga saúva em plantações de Eucaliptus e Pinus no Estado de São Paulo. Silvicultura em São Paulo, v.6, p , ANDERSEN, A. N. A classification of Australian ant communities, based on functional groups which parallel plant life forms in relation to stress and disturbance. Journal of Biogeography, n. 22, p , ANDERSEN, A.N. et al. Using ants as bioindicators in land management: simplifying assessment of ant community responses. Journal of Applied Ecology, v. 39, p. 8-17, ANJOS, N.; DELLA LUCIA, T. M. C.; MAYHÉ-NUNES, A. J. Guia prático sobre formigas cortadeiras em reflorestamentos. Ponte Nova: Graff Cor, BARATA, G. Avanços no conhecimento não impedem dificuldades no controle das cortadeiras. Ciência e Cultura, v. 61, n. 3, Disponível em: < bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 fev BENSON, W.W.; HARADA, A. Y. Local diversity of tropical and temperate ant faunas. Acta Amazonica, v. 18, p , BOLTON, B. Identification guide to the ant genera of the world. Massachusetts: Harvard University Press, Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

13 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla CASTRO, A. G.; QUEIROZ, M. V. B.; ARAÚJO, L. M. Estrutura e diversidade de comunidade de formigas em pomar de cítricos. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 18, n. 2, p , Davidson, D. W. Species diversity and community organization in desert seed-eating ants. Ecology, v. 58, p , Della Lucia, T. M. C. (Ed.). As formigas cortadeiras. Viçosa: Folha de Viçosa Fitkau, E. J.; Klinge, H. On biomass and trophic structure of the central amazonian rain forest ecosystem. Biotropica, v. 5, p. 2-14, Fowler, H. G. et al. Ecologia nutricional de formigas, In: Panizzi, A. P.; Parra, J. R. P (Eds.). Ecologia nutricional de insetos e suas implicações no manejo de pragas. São Paulo, Manole, p Golfari, L. Zoneamento ecológico do Estado de Minas Gerais para reflorestamento. Belo Horizonte: Centro de Pesquisa Florestais da Região de Cerrado, 65 p. (Série Técnica, 3) Gonçalves, C. R. Saúvas do Sul e Centro do Brasil. In: BOLETIM FITOSSANITÁRIO. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura do Brasil, 1945.p Gusmão, L. G. de; Loeck, A. E. Distribuição geográfica de formigas cortadeiras do gênero Acromyrmex (Hymenoptera: Formicidae) na Zona Sul do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Agrociência, v. 5, n. 1, p , Greenslade, P. J. M. Interespecific competition and frequency changes among ants in Solomon Island coconut plantation. Journal of Applied Ecology, v. 8, p , Greenslade, P. J. M. Sampling ants with pit-fall traps: digging-in effects. Insect Sociaux, v. 20, n. 4, p , Grürzmacher, D.; Loeck A. E.; Medeiros, A. H. Ocorrência de formigas cortadeiras na Região da Depressão Central do Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, v. 32, n. 2, p , Hammer, O.; Harper, D. A. T.; Ryan, P. D. PAST: Palaentological Statistics software package for education and data analysis. Palaentologia Electronica, v. 4, n. 1, Hölldobler, B.; Wilson, E. O. The ants. Cambridge: Harvard University Press, Leal, I. R.; Lopes, B. C. Estrutura das comunidades de formigas (Hymenoptera: Formicidae) de solo e vegetação no Morro da Lagoa da Conceição, Ilha de Santa Catarina, SC. Biotemas, v. 5, p , Leal, I. R. Diversidade de formigas no Estado de Pernambuco. In: Silva, j. m. c.; Tabarelli, m. (Org.) Atlas da biodiversidade de Pernambuco. Recife: Massangana e SECTMA, p Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

14 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... Levings, S. C. Seazonal, annual and among-site variation in the ground ant community of a deciduous tropical forest. Ecological Monographs, v. 53, p , Levings, S. G.; Franks, N. R. Patterns of nest dispersion in a tropical ground ant community. Ecology, v. 63, n. 2, p , Lima, W. P. Impacto ambiental do eucalipto. São Paulo: Edusp, Lima, C. A.; Della Lucia, T. M. C.; Silva, N. A. Formigas cortadeiras. Viçosa: UFV, Loeck, A. E.; Grutzmacher, D. D. Ocorrência de formigas cortadeiras nas principais regiões agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul. Pelotas: UFPel, Loureiro, M. C.; Queiroz, M. V. B. Insetos de Viçosa - formicidae. Viçosa: UFV, Louzada, J. N. C.; Sanches, N. M.; Schilindwein, M. N. Bioindicadores de qualidade e de impactos ambientais da atividade agropecuária. Informe Agropecuário, v. 21, p , Lucimeire S. R. et al. Comunidades de formigas (Hymenopotera: Formicidae) de serrapilheira em areas de cerrado stricto sensu em Minas Gerais. Lundiana, v. 4, n. 2, p Majer, J. D. An improved pit-fall trap for sampling ants and other epigaeic invertebratres. Journal of Australian Entomologia Society, v. 17, p , Majer, J. D. Ant recolonization of rehabilitated bauxite mines at Trombetas, Pará, Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 12, p , Majer, J. D. The use of pit-fall traps for sampling ants - a critique. Memoirs of the Museum of Victory, v. 56, n. 2, p , Majer, J. D.; Recher, H. Are eucalipts Brazil s friend or foe? An entomological viewpoint. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 28, p , Margalef, R. Información y diversidad especifica en las comunidades de organismos. Investigación Pesquera, v. 3, p , MARINHO, C. G. S. et al. Diversidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) da serapilheira em eucaliptais (Myrtaceae) e área de cerrado de Minas Gerais. Neotropical Entomology. v. 31, n. 2, p , Matos, J. A. et al. Comparação da fauna de formigas de solo em áreas de plantio de Pinus elliottii, com diferentes graus de complexibilidade estrutural (Florianópolis, SC.). Biotemas, v. 7, p , Morais, H. C.; Benson, W. W. Recolonização de vegetação de cerrado após queimadas, por formigas arborícolas. Revista Brasileira de Biologia, v. 48, p , Odum, E. P. Ecologia. São Paulo: Interamericanan, Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

15 Fabiane R. S. Fröhlich, Andreia A. G. Strohschoen, Claudete Rempel, Noeli J. Ferla Oliveira, M. A. et al. A fauna de formigas em povoamentos de eucalipto na mata nativa no estado do Amapá. Acta Amazonica, v. 25, p , Palmer, M. W. Estimating species richness: the second-order jackknife estimator reconsidered. Ecology, v. 72, p , Paula, J. A. Biodiversidade, população e economia: uma região de Mata Atlântica. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Peck, S. L.; Mcquaid, B.; Campbell, L. Using ant species (Hymenoptera: Formicidae) as a biological indicator of agroecossystem condition. Environmental Entomology, v. 27, n. 5, p , Poggiani, F.; Oliveira, R. E. Indicadores para conservação dos núcleos de vida silvestre. Série Técnica IPEF, v. 12, n. 31, p , Rao, M.; Terborgh, J.; Nuñez, P. Increased herbivory in forest isolates: implications for plant community structure and comparison. Conservation Biology, v. 15, p , Rempel, C.; Suertegaray, D. M. A.; Jasper, A. Aplicação do Sensoriamento Remoto para Determinação da Evolução da Mata Nativa da Bacia Hidrográfica do Rio Forqueta entre 1985 e Pesquisas Botânica, v. 51, p , Reyes-Lopes, J.; Ruiz, N.; Fernandes-Haeger, J. Community structure of ground-ants: the role of single trees in a Mediterranean pastureland. Oecology, v. 24, p , Ribas, C. R. et al. Tree heterogeneity, resource availabity, and larger scale processes regulating arboreal ant species richness. Austral Ecology, v. 28, p , Romero, H.; Jaffe, K. A comparison of methods for sampling ants (Hymenoptera : Formicidae) in Savannas. Biotropica, v. 21, p , Savolainen, R.; Vepsäläinen, K. A competition hierarchy among boreal ants: impact on resource partitioning and community structure. Oikos, v. 51, p , Soares, I. M. F. et al. Comunidades de formigas (Hymenoptera: Formicidae) em uma ilha de floresta Ombrófila Serrana em região da Caatinga (BA, Brasil). Acta Biológica Leopoldensia, v. 25, n. 2, p , Vallejo, L. R.; Fonseca, C. L.; Gonçalves, D. P. R. Estudo comparativo da mesofauna do solo entre áreas de eucaliptos citrodora e mata secundária heterogênea. Revista Brasileira de Biologia, v. 47, p , Vasconcelos, H. L. Respostas das formigas à fragmentação florestal. Série Técnica IPEF, v. 12, n. 32, p , Viana, V. M. Conservação da biodiversidade de fragmentos de florestas tropicais em paisagens intensamente cultivadas. In: Abordagens interdisciplinares para a conservação da Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

16 Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa... biodiversidade e dinâmica do uso da terra no Novo Mundo. Gainesville, Conservation International do Brasil/ UFMG/ University of Florida, p , Zanetti, R. et al. Manejo integrado de formigas cortadeiras. Lavras: UFLA, Wall, D. H.; Moore, J. C. Interactions underground. BioScience, v. 49, p , Caderno pedagógico, Lajeado, v. 8, n. 2, p ,

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Wilson Reis Filho 1 Mariane Aparecida Nickele 2 Entre os 15 gêneros existentes

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M.

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M. FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM REABILITAÇÃO NA ILHA DA MADEIRA, RJ. 1 Acadêmico de engenharia florestal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 2 Departamento de Ciências

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Santos, Márcia P. C. J.; Carrano-Moreira, Alberto F.; Torres, Jorge B.

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

357 - FAUNA EDÁFICA COMO BIOINDICADORA DA QUALIDADE DO SOLO EM POMARES DE MACIEIRAS CONDUZIDOS NOS SISTEMAS ORGÂNICO E CONVENCIONAL

357 - FAUNA EDÁFICA COMO BIOINDICADORA DA QUALIDADE DO SOLO EM POMARES DE MACIEIRAS CONDUZIDOS NOS SISTEMAS ORGÂNICO E CONVENCIONAL Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 357 - FAUNA EDÁFICA COMO BIOINDICADORA DA QUALIDADE DO SOLO EM POMARES DE MACIEIRAS CONDUZIDOS NOS SISTEMAS ORGÂNICO E CONVENCIONAL Carolina Riviera Duarte

Leia mais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais April - June 2002 187 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais CIDÁLIA G.S. MARINHO

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR Bansho,J.Y. 1 Carneiro, D.A. 1 Cordeiro, L. 1 RESUMO De forma genérica pode-se afirmar que não há áreas de pastagem, floresta nativas ou reflorestamentos no

Leia mais

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO.

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO. 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenação de Pesquisa www.ueg.br Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica

Leia mais

Ecologia Geral. Ecologia de Populações

Ecologia Geral. Ecologia de Populações Ecologia Geral Ecologia de Populações CRONOGRAMA DE APS!!! Equipes já definidas? Não esqueçam das datas. Ecologia de Populações Uma população é o conjunto de indivíduos de uma mesma espécie, que compartilham

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE)

TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) Layara Alexandre Bessa 1,3, Hellen Cássia Moreira Silva 1,3, Lívia do Carmo Silva 1,3,

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL RESUMO Fábio Zanella Farneda 1 Junir Antonio Lutinski 2 Flávio Roberto Mello Garcia 2,3

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Larissa Silva Melo 2, Ramon Costa Alvarenga 3. 1 Trabalho financiado pela

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS, UTILIZANDO-SE EFLUENTE LÍQUIDO DE CASAS DE FARINHA

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS, UTILIZANDO-SE EFLUENTE LÍQUIDO DE CASAS DE FARINHA CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS, UTILIZANDO-SE EFLUENTE LÍQUIDO DE CASAS DE FARINHA Narcísio Cabral de Araújo Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental, pela Universidade Estadual da Paraíba, Campus

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS.

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. Regiane Aparecida Ferreira (USF-UNICENTRO), Lúcio de Paula Amaral (Fundação Araucária/Mestrado

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

Controle de pragas - formigas

Controle de pragas - formigas Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Controle de pragas - formigas Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun Dois Vizinhos

Leia mais

Produção e decomposição de serapilheira em plantações de eucalipto e fragmentos de mata atlântica

Produção e decomposição de serapilheira em plantações de eucalipto e fragmentos de mata atlântica Produção e decomposição de serapilheira em plantações de eucalipto e fragmentos de mata atlântica Kever. Gomes 1, Rosana. Martins 2, Alessandra. Santana 3, Carla. Vieira 3, Aderlan. Silva 3 1 Mestrando

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM)

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Prof. Dr. Rodrigo Lingnau Bacharel e Licenciado, Biólogo (UFPR) Mestre em Biologia, Área de Concentração Ecologia (UFG) Doutor em Zoologia (PUC-RS) Aulas Segunda-feira:

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Universidade de Brasília Disciplina: Ecologia de Campo Professor: Guarino R. Colli Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Projeto Individual Aluna: Ana Carolina

Leia mais

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB

MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB MELIPONICULTURA: OPORTUNIDADE DE RENDA COMPLEMENTAR PARA OS QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE DIAMANTE PB Rosélia Maria de Sousa Santos¹; José Ozildo dos Santos 2 ; Rafael Chateaubriand de Miranda¹; Iluskhanney

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS Gabriela Fernandes Zangirolami Faculdade de Engenharia Ambiental CEATEC gabifz@terra.com.br Resumo:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN Morais, E.J. de 1 Oliveira, A.C. de 1 Barcelos, J.A.V. 1 Cruz, J.E. da 1 Os novos tempos de recursos escassos e elevada competitividade

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG.

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Marcela de Castro Nunes Santos 1 André Luiz Raimundo Faria 2 Daniela Cunha da Sé 3 José Marcio

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL JAMES MACHADO BILCE 1, SOLANGE APARECIDA ARROLHO DA SILVA

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e http://revistas.unlp.edu.ar/index.php/domus/issue/current/showtoc AUGMDOMUS, 3:10-19, 2011 Asociación de Universidades Grupo Montevideo ISSN:1852-2181 Avaliação comparativa de iscas atrativas a partir

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Esther Margarida Bastos Fundação Ezequiel Dias/ Belo Horizonte/ MG A apicultura é de fundamental

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL Maikel Lamego Guimarães Mari, Engenheiro Florestal, orquidofilodaamazonia@hotmail.com, 55 92 8162-4656, Brasil,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MICRO-PORTA-ISCAS PARA O CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS. Luis Henrique da Silva¹, Daniele Ukan²

AVALIAÇÃO DE MICRO-PORTA-ISCAS PARA O CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS. Luis Henrique da Silva¹, Daniele Ukan² AVALIAÇÃO DE MICRO-PORTA-ISCAS PARA O CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS Luis Henrique da Silva¹, Daniele Ukan² 1 Acadêmico de Engenharia Florestal da Universidade Estadual do Centro-Oeste, Irati, Paraná,

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque Otimização do tempo de recrutamento máximo de operárias de Allomerus octoarticulatus (Hymenoptera: Formicidae) frente à herbivoria induzida em Hirtella mirmecophila (Chrysobalanaceae) Emília Zoppas de

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente PORTARIA SEMA n 79 de 31 de outubro de 2013. Reconhece a Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Rio Grande do Sul e demais classificações, estabelece normas de controle

Leia mais

Registro da opiliofauna em remanescente florestal no estado do Acre

Registro da opiliofauna em remanescente florestal no estado do Acre Registro da opiliofauna em remanescente florestal no estado do Acre Weidson Plauter Sutil 1, Rodrigo Souza Santos 2, Marlene Gomes Silva 3, Darlan Santiago Aiache 3, José Fernando Araújo de Oliveira 4,

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL Azevedo, Cláudia P.M.F.; Ferreira, Paulo C.; Pasin, Liliana A.A.P. UNIVAP/Ciências Biológicas, claumariotto@hotmail.com

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO LEVANTAMENTO DE FORMICÍDEOS DE FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE ENG. PAULO DE FRONTIN, RJ (HYMENOPTERA,

Leia mais

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera:

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Formicidae) numa parcela de floresta plantada de Eucalyptus grandis, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Jardel Boscardin

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

IN 36-modificada pela IN 42

IN 36-modificada pela IN 42 IN 36-modificada pela IN 42 Exigências para apresentação do laudo de eficiência agronômica Edson Dias da Silva Diretor Técnico Juliana Berti Secretária Executiva ABRAISCA Histórico Até 2009, falta de padronização

Leia mais

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF José Eduardo do Couto Barbosa Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF CONCEITO DE BIODIVERSIDADE Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades

Leia mais

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da

Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Floresta Temperada é um bioma típico do hemisfério norte situado abaixo da Taiga, mais precisamente no leste da América do Norte, Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China), sul da Austrália

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais