RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira dos Santos ¹Lab. de Biologia, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Av. José Moreira Sobrinho, s/n, Jequiezinho, CEP , Jequié, BA, Brasil, RESUMO A cabruca é um agrossistema estabelecido na região sudeste da Bahia, Brasil, para o plantio do Theobroma cacao, oriundo da floresta amazônica, em consórcio com a mata atântica, a qual lhe fornece sombreamento para o seu desenvolvimento. Este sistema vem sendo utilizado há mais de dois séculos na região, e tem vários aspectos positivos, com grande potencial para conservação da biodiversidade, dos solos e da água. Vários estudos mostram que a cabruca apresenta a vantagem de conservar parte da flora e fauna regional, o que foi demonstrado através de estudos que confirmaram que este agrossistema possui uma mirmecofauna (fauna de formigas) com riqueza específica que se aproxima à da mata atlântica, sendo uma das mais elevadas do mundo para uma lavoura. Este trabalho teve como objetivo inventariar a mirmecofauna ocorrente em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari, no sudeste da Bahia, uma vez que, conhecendo-se a diversidade regional de formigas, é possível caracterizar a mirmecofauna da região e direcionar para estratégias que visem o manejo adequado das espécies de formigas encontradas no agrossistema cacaueiro regional. As formigas foram coletadas em dezembro de 2008 e julho de 2009 em Ibirataia e em junho e agosto de 2010 em Itamari. Em cada área foram retiradas 50 amostras de 1m² de serrapilheira, as quais foram peneiradas em campo e transferidas para extratores de Winkler por 48h, para a amostragem das formigas. Foram registradas, em Ibirataia, 64 morfoespécies/espécies (29 gêneros); em Itamari houve a ocorrência de 81 morfoespécies/espécies (30 gêneros). Para ambas as áreas, a subfamília predominante foi Myrmicinae, seguida por Ponerinae, sendo que os gêneros com maior número de morfoespécies foram Pheidole e Solenopsis. Os resultados obtidos demonstram que a composição de formigas de serrapilheira em áreas de cabruca no sudeste da Bahia é representativa e contribui para a diversidade regional de formigas do bioma mata atlântica. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO Considerando-se que 93% de sua formação original já foi devastada, a mata atlântica inclui uma área de km², ou cerca de 15% do território nacional, englobando 17 estados brasileiros, dos quais Minas Gerais, Santa Catarina e Bahia são aqueles onde a situação é mais crítica, uma vez que são os estados que possuem mais florestas em seu território e, por isso, têm grandes áreas desmatadas em números absolutos. No caso específico da Bahia, restam apenas 8,8% da cobertura florestal original ( No sudeste da Bahia, e em outras regiões da costa leste do Brasil, a mata atlântica tem sido utilizada para a implantação de um agrossistema florestal denominado cabruca, caracterizado pelo plantio do cacau, Theobroma cacao L. (Malvaceae), oriundo da floresta amazônica, sob a sombra das árvores nativas, após o raleamento da mata original, a partir da remoção de madeiras mais 111

2 finas; assim, os cacaueiros são plantados sob a cobertura sombreada e raleada da floresta original (ALGER & CALDAS, 1996; ROLIM & CHIARELLO, 2004). A cabruca vem sendo utilizada há mais de dois séculos na região cacaueira da Bahia, e tem vários aspectos positivos, com grande potencial para conservação da biodiversidade, dos solos e da água. Além disso, tem diversas possibilidades de utilização sustentável de seus recursos, como coleta de sementes de espécies nativas, alimentação animal e humana, madeira certificada, mel, extração de óleos e resinas, produção de plantas ornamentais e medicinais, além de prestar importantes serviços ambientais, como sequestro e imobilização de carbono, produção de água, conectividade entre fragmentos florestais, conservação da fauna e da flora, dentre outros ( Vários estudos biológicos na região mostram que este sistema apresenta a vantagem de conservar parte da flora e fauna regional, o que foi demonstrado, por exemplo, através de estudos que confirmaram que este agrossistema possui uma mirmecofauna (fauna de formigas) com riqueza específica que se aproxima à da mata atlântica (DELABIE et al., 1989, 1996), sendo uma das mais elevadas do mundo para áreas de lavoura (DELABIE et al., 1994). Este trabalho teve como objetivo inventariar a mirmecofauna ocorrente em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari, localizados na região sudeste da Bahia, Brasil, uma vez que, conhecendo-se a diversidade regional de formigas, é possível caracterizar a mirmecofauna da região e direcionar para estratégias que visem o manejo adequado das espécies de formigas encontradas no agrossistema cacaueiro regional. MATERIAL E MÉTODOS As formigas foram coletadas nos dias 06 e 07 de dezembro de 2008 e de 04 a 07 de julho de 2009, na Fazenda São José, em Ibirataia ( S, O) e nos dias 11 de junho e 21 de agosto de 2010, na Fazenda De Bier, no município de Itamari ( S, O), Bahia, Brasil. Em cada uma das áreas foram retiradas 50 amostras de 1m² de serrapilheira, a intervalos de 50 m entre si, perfazendo um total de 12,5 hectares; as amostras foram peneiradas em campo e transferidas para extratores de Winkler por 48h, para a amostragem das formigas, de acordo com o protocolo ALL (AGOSTI & ALONSO, 2000). Após a triagem, as formigas foram montadas em alfinetes entomológicos, identificadas até o nível de espécie ou morfoespécie, etiquetadas e depositadas na coleção mirmecológica do Laboratório de Biologia da UESB, no campus de Jequié, Bahia, Brasil. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram registradas, em Ibirataia, 64 morfoespécies/espécies de formigas, distribuídas em 29 gêneros, pertencentes às subfamílias: Myrmicinae (69%), Ponerinae (14%), Formicinae (11%), Ectatomminae (3%), Dolichoderinae (1,6%) e Pseudomyrmecinae (1,6%). No município de Itamari houve a ocorrência de 81 morfoespécies/espécies, distribuídas em 30 gêneros, pertencentes às subfamílias: Myrmicinae (59%), Ponerinae (20%), Formicinae (8,6%), Dolichoderinae (6%), Ectatomminae (5%) e Cerapachyinae (1,2%) (Tabela I). Em um estudo comparativo da mirmecofauna da mata atlântica e cacauais no sul da Bahia, DELABIE et al. (1989) encontraram 82 espécies de formigas em áreas de mata e 83 em cabruca, refletindo que a riqueza de espécies encontrada em Itamari foi similar à desse estudo. As subfamílias Myrmicinae e Ponerinae apresentaram maior riqueza de espécies, em ambas as áreas investigadas, sendo que a predominância de Myrmicinae pode ser explicada por ser a subfamília mais abundante e por incluir um grupo de formigas extremamente adaptáveis aos mais diversos nichos ecológicos na região Neotropical (FOWLER et al., 1991). 112

3 Tabela I Morfoespécies/espécies de formigas coletadas em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari, Bahia, Brasil. F = freqüência absoluta nas amostras (N = 50, para cada área). IBIRATAIA ITAMARI Subfamília Morfoespécie/Espécie F Subfamília Morfoespécie/Espécie F Myrmicinae Atta sp1 1 Myrmicinae Basiceros sp1 5 Basiceros sp1 2 Carebara sp1 14 Carebara sp1 2 Cyphomyrmex sp1 1 Carebarella sp1 4 Cyphomyrmex sp2 5 Crematogaster sp1 2 Hylomyrma sp1 1 Crematogaster sp2 1 Leptothorax sp1 1 Crematogaster sp3 1 Leptothorax sp2 1 Cyphomyrmex sp1 7 Monomorium sp1 1 Eurhopalothrix sp1 3 Mycocepurus sp1 10 Megalomyrmex sp1 2 Oligomyrmex sp1 1 Mycocepurus sp1 9 Pheidole sp1 8 Octostruma sp1 3 Pheidole sp2 1 Pheidole sp1 10 Pheidole sp3 4 Pheidole sp2 2 Pheidole sp4 4 Pheidole sp3 1 Pheidole sp5 4 Pheidole sp4 2 Pheidole sp6 1 Pheidole sp5 10 Pheidole sp7 1 Pheidole sp6 6 Pheidole sp8 3 Pheidole sp7 10 Pheidole sp9 6 Pheidole sp8 2 Pheidole sp10 1 Pheidole sp9 1 Pheidole sp11 5 Pheidole sp10 7 Pheidole sp12 1 Pheidole sp11 4 Rogeria sp1 10 Pheidole sp12 3 Rogeria sp2 2 Pheidole sp13 4 Sericomyrmex sp1 10 Pheidole sp14 5 Smithistruma sp1 2 Rogeria sp1 1 Smithistruma sp2 1 Sericomyrmex sp1 16 Solenopsis sp1 4 Solenopsis sp1 1 Solenopsis sp2 23 Solenopsis sp2 10 Solenopsis sp3 6 Solenopsis sp3 16 Solenopsis sp4 13 Solenopsis sp4 12 Solenopsis sp5 5 Solenopsis sp5 2 Solenopsis sp6 20 Solenopsis sp6 10 Solenopsis sp7 8 Solenopsis sp7 18 Solenopsis sp8 1 Solenopsis sp8 4 Solenopsis sp9 2 Solenopsis sp9 25 Solenopsis sp10 1 Solenopsis sp10 11 Solenopsis sp11 1 Solenopsis sp11 6 Solenopsis sp12 1 Solenopsis sp12 2 Solenopsis sp13 2 Strumigenys sp1 31 Stegomyrmex sp1 4 Trachymyrmex sp1 1 Strumigenys sp1 4 Wasmannia auropunctata 6 Strumigenys sp

4 IBIRATAIA ITAMARI Wasmannia sp1 3 Strumigenys sp3 11 Strumigenys sp4 2 Trachymyrmex sp1 1 Wasmannia auropunctata 23 Wasmannia sp1 1 Ponerinae Hypoponera sp1 32 Ponerinae Hypoponera sp1 6 Hypoponera sp2 6 Hypoponera sp2 1 Hypoponera sp3 1 Hypoponera sp3 2 Hypoponera sp4 2 Hypoponera sp4 4 Hypoponera sp5 1 Hypoponera sp5 8 Odontomachus haematodus 5 Hypoponera sp6 11 Odontomachus sp1 13 Hypoponera sp7 6 Pachycondyla sp1 6 Hypoponera sp8 1 Thaumatomyrmex sp1 7 Odontomachus sp1 4 Odontomachus sp2 5 Odontomachus sp3 1 Odontomachus sp4 1 Odontomachus sp5 3 Odontomachus sp6 2 Pachycondyla sp1 6 Thaumatomyrmex sp1 1 Formicinae Brachymyrmex sp1 3 Formicinae Brachymyrmex sp1 4 Brachymyrmex sp2 2 Brachymyrmex sp2 1 Brachymyrmex sp3 3 Camponotus sp1 7 Camponotus sp1 2 Nylanderia sp1 1 Paratrechina sp1 5 Nylanderia sp2 2 Paratrechina sp2 13 Nylanderia sp3 7 Paratrechina sp3 2 Paratrechina longicornis 3 Dolichoderinae Linepithema sp1 2 Dolichoderinae Linepithema sp1 1 Linepithema sp2 3 Linepithema sp3 1 Tapinoma melanocephalum 1 Tapinoma sp1 1 Ectatomminae Ectatomma sp1 1 Ectatomminae Ectatomma sp1 1 Gnamptogenys sp1 4 Gnamptogenys sp1 1 Gnamptogenys sp2 1 Gnamptogenys sp3 2 Pseudomyrmecinae Pseudomyrmex sp1 1 Cerapachyinae Cerapachys sp1 1 Já a representatividade de várias espécies de Ponerinae reflete que as cabrucas regionais proporcionam nichos ecológicos diversos para as espécies predadoras, generalistas e especialistas, ocorrentes nesta subfamília. Estes resultados também estão em concordância com o estudo de DELABIE et al. (1996), que encontrou uma predominância de Myrmicinae 114

5 nas suas amostras obtidas para os cacauais, dentre outros ambientes investigados, seguida por Ponerinae. O índice de diversidade de Shannon, cujo valor foi de 3,72 para Ibirataia e 3,92 para Itamari, reflete a comunidade de formigas amostrada, constituída por um grande número de morfoespécies/espécies dominantes em detrimento das espécies raras, como registrado para os gêneros Pheidole e Solenopsis, que, juntos, representaram 40,6% (Ibirataia) e 30,9% (Itamari) de todas as espécies amostradas. Vale ressaltar que Pheidole é um gênero hiperdiverso em nível mundial (WILSON, 2003). A ocorrência de espécies mais especializadas do ponto de vista nutricional, como Thaumatomyrmex sp.1, por exemplo, que se alimenta de miriápodos após retirar os seus pêlos (DELABIE et al., 2000), demonstra que a cabruca oferece nichos ecológicos necessários para a distribuição de espécies nutricionalmente mais exigentes; assim como também para espécies cultivadoras de fungos (gêneros Mycocepurus e Sericomyrmex) e predadoras de artrópodos (gêneros Basiceros, Carebara, Strumigenys). Além disso, DELABIE et al. (1996) verificaram que a presença de uma cobertura vegetal típica de floresta, incluindo também a serrapilheira de cabruca, é determinante para certos gêneros de formigas, tais como Thaumatomyrmex e Rogeria, encontrados no presente estudo. Por outro lado, foi constatada a ocorrência de algumas espécies de formigas típicas de áreas abertas, como encontrado também por DELABIE et al. (1989). É interessante destacar a ocorrência acentuada de Wasmannia auropunctata em Itamari, uma espécie muito freqüente nos cacauais regionais (SOUZA et al., 2006), e quando esta é encontrada em abundância, denota uma situação de perturbação ecológica no ambiente (NERY et al., 1999). DELABIE et al. (1996) menciona que apesar do uso da mata para o plantio de cacau na forma de cabruca não provocar uma diminuição óbvia e mensurável de espécies, a abundância relativa das espécies varia em função do nível de antropização do ambiente, sendo a variação mais qualitativa do que quantitativa. A diversidade de formigas coletadas reflete a mirmecofauna de serrapilheira da área de Ibirataia, devido à estabilidade da curva do coletor na sua porção final (Figura 1), revelando que o número de coletas foi suficiente para determinar a comunidade investigada; no entanto, a curva do coletor obtida para a região de Itamari, mostra uma ascendência em sua porção final, indicando que a comunidade de formigas não foi totalmente amostrada (Figura 1). Figura 1 - Frequências acumuladas de espécies/morfoespécies de formigas coletadas em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari (total = 64 e 81, respectivamente), Bahia, Brasil, em função do número de amostras (N = 50). A grande diversidade de morfoespécies/espécies de formigas encontrada para os municípios de Ibirataia e Itamari (ainda com a mirmecofauna subestimada, apesar de similar à riqueza de 115

6 espécies verificada por DELABIE et al., 1989) reflete que, mesmo com a antropização na região sudeste da Bahia, as cabrucas devem contribuir de maneira representativa para a manutenção da fauna de formigas da mata atlântica regional, como demonstrado pelo presente estudo, ou, pelo menos, manter o número equivalente de espécies ao de áreas de mata. CONCLUSÃO Os resultados obtidos demonstram que a composição de formigas de serrapilheira em áreas de cabruca no sudeste da Bahia é representativa e contribui para a diversidade regional de formigas do bioma mata atlântica. AGRADECIMENTOS Agradeço à UESB pelo apoio financeiro e logístico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGOSTI, D., ALONSO, L.E The ALL protocol: a standard protocol for the collection of ground-dwelling ants. In: Agosti, D., Majer, J., Alonso, L.E., Schultz, T.R. (Eds.). Ants: Standard Methods for Measuring and Monitoring Biodiversity. Biological Diversity Handbook Series. Washington: Smithsonian Institution Press. p ALGER, K., CALDAS, M Cacau na Bahia: decadência e ameaça à Mata Atlântica. Ciência Hoje. 20 (117): DELABIE, J.H.C., AGOSTI, D., NASCIMENTO, I.C Litter and soil ant communities: how many samples need to be taken. In: Agosti, D., Majer, J., Alonso, L.E., Schultz, T.R. (Eds.). Ants: Standard Methods for Measuring and Monitoring Biodiversity. Biological Diversity Handbook Series. Washington: Smithsonian Institution Press. p DELABIE, J.H.C., ALVES, M.C., CAZORLA, I.M Estudo comparativo da mirmecofauna da Mata Atlântica de cacauais no sul da Bahia (Hymenoptera: Formicidae). Belo Horizonte: SEB, 1989, 74 p. Resumos do XII Congresso Brasileiro de Entomologia, v. 1, Belo Horizonte. DELABIE, J.H.C., CASIMIRO, A.B, NASCIMENTO, I.C., SOUZA, A.L.B., FURST, M., ENCARNAÇÃO, A.M.V., SMITH, M.R.B., CAZORLA, I.M Stratification de Ia communauté de fourmis (Hymenoptera; Formicidae) dans une cacaoyere brésilienne et consequences pour le contrôle naturel des ravageurs du cacaoyer. Proc. XI Conférence Internationale sur Ia Recherche Cacaoyere (1993, Yamoussoukro, Costa do Marfim), Cocoa Producer's Alliance, Lagos, Nigeria, DELABIE J.H.C., NASCIMENTO, I.C., MARIANO, C.S.F Importance de l'agriculture cacaoyère pour le maintien de la biodiversité: étude comparée de la myrmécofaune de différents milieux du sud-est de Bahia, Brésil (Hymenoptera; Formicidae), p In: Cocoa Producer's Alliance, XII International Cocoa Research Conference, Cocoa producers' Alliance. FOWLER, H.G., FORTI, LC., BRANDÃO, C.R.F., DELABIE, J.H.C., VASCONCELOS, H.L Ecologia nutricional de formigas. In: Pazzini, A.R., Parra, J.R.P. (Eds). Ecologia Nutricional de Insetos e suas Implicações no Manejo de Pragas. São Paulo, Manole. p

7 NERY, A.S., DELABIE, J.H.C., FRAGA, N.J., NASCIMENTO, S., SOUZA, M Aspectos qualitativos das comunidades de Formicidae (Insecta: Hymenoptera) em cacauais do sudeste da Bahia. Naturalia. 24: ROLIM, S.G., CHIARELLO, A.G Slow death of Atlantic Forest trees in cocoa agroforestry in southeastern Brazil. Biodiv. Conserv. 13: SOUZA, A.L.B., DELABIE, J.H.C., FOWLER, H.G Impacto de Wasmannia auropunctata e W. sp. aff. rochai (Formicidae: Myrmicinae) sobre a mirmecofauna dos cacauais do sudeste da Bahia, Brasil. Agrotrópica. 18: WILSON, E.O La hiperdiversidad como fenómeno real: el caso de Pheidole. In: Fernández, F. (Ed.). Introducción a las Hormigas de la Region Neotropical. Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt, Bogotá, Colômbia. p

FORMIGAS DE SERAPILHEIRA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL (HYMENOPTERA: FORMICIDAE)

FORMIGAS DE SERAPILHEIRA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) VEIGA-FERREIRA, S.; MAYHÉ-NUNES, A. J.; QUEIROZ, J. M. 49 FORMIGAS DE SERAPILHEIRA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) SERGIO VEIGA-FERREIRA 1 ANTONIO

Leia mais

Tocandira Subfamília: Paraponerinae. Família Formicidae. Subfamílias Subfamília Aenictinae CAÇADORAS SUBFAMÍLIA ECITONINAE

Tocandira Subfamília: Paraponerinae. Família Formicidae. Subfamílias Subfamília Aenictinae CAÇADORAS SUBFAMÍLIA ECITONINAE Família Formicidae Subfamílias Subfamília Aenictinae Subfamília Heteroponerinae Subfamília Aenictogitoninae Subfamília Leptanillinae Subfamília Agroecomyrmecinae Subfamília Leptanilloidinae Subfamília

Leia mais

CHAVE DICOTÔMICA DIDÁTICA PARA IDENTIFICAÇÃO DE FORMIGAS DESTINADA AO PÚBLICO DE ENSINO MÉDIO.

CHAVE DICOTÔMICA DIDÁTICA PARA IDENTIFICAÇÃO DE FORMIGAS DESTINADA AO PÚBLICO DE ENSINO MÉDIO. CHAVE DICOTÔMICA DIDÁTICA PARA IDENTIFICAÇÃO DE FORMIGAS DESTINADA AO PÚBLICO DE ENSINO MÉDIO. Rogério Soares Cordeiro (Universidade de Mogi das Cruzes UMC / Núcleo de ciências Ambientais NCA / Laboratório

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

ARTIGO. Efeito da complexidade estrutural do ambiente sobre as comunidades de formigas (Hymenoptera: Formicidae) no município de Resende, RJ, Brasil

ARTIGO. Efeito da complexidade estrutural do ambiente sobre as comunidades de formigas (Hymenoptera: Formicidae) no município de Resende, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences ARTIGO Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Efeito da complexidade estrutural do ambiente sobre

Leia mais

Stela de Almeida Soares 1, William Fernando Antonialli-Junior 2 & Sidnei Eduardo Lima-Junior 2

Stela de Almeida Soares 1, William Fernando Antonialli-Junior 2 & Sidnei Eduardo Lima-Junior 2 Soares et al. Diversidade de formigas epigéicas (Hymenoptera, Formicidae) em dois ambientes no CentroOeste do Brasil Stela de Almeida Soares, William Fernando AntonialliJunior & Sidnei Eduardo LimaJunior

Leia mais

Resposta da Comunidade de Formigas aos Atributos dos Fragmentos e da Vegetação em uma Paisagem da Floresta Atlântica Nordestina

Resposta da Comunidade de Formigas aos Atributos dos Fragmentos e da Vegetação em uma Paisagem da Floresta Atlântica Nordestina 898 November - December 2010 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Resposta da Comunidade de Formigas aos Atributos dos Fragmentos e da Vegetação em uma Paisagem da Floresta Atlântica Nordestina JULIANA P GOMES

Leia mais

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170.000 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de

Leia mais

o MOSAICO DE FORMIGAS NOS CACAUAIS BAHIANOS: IMPLICAÇÕES PARA O MANEJO DE PRAGAS E CONSERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA

o MOSAICO DE FORMIGAS NOS CACAUAIS BAHIANOS: IMPLICAÇÕES PARA O MANEJO DE PRAGAS E CONSERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA o MOSAICO DE FORMIGAS NOS CACAUAIS BAHIANOS: IMPLICAÇÕES PARA O MANEJO DE PRAGAS E CONSERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA Harold G. FOWLER' Jacques H. c, DELABIE" Maria Alice de MEDEIROS' RESUMO o mosaico de formigas

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização Recuperação de Áreas Degradas Aula 2 Prof. Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Conceito, Importância e Recuperação da Mata Ciliar 1.Conceitos e funções da mata ciliar 2.Cenário de degradação

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 1 Carga horária

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

Efeito de iscas formicidas granuladas sobre a biodiversidade de mirmecofauna não alvo em serapilheira de eucalipto

Efeito de iscas formicidas granuladas sobre a biodiversidade de mirmecofauna não alvo em serapilheira de eucalipto Comunicata Scientiae 4(1): 35-42, 2013 Artigo Efeito de iscas formicidas granuladas sobre a biodiversidade de mirmecofauna não alvo em serapilheira de eucalipto Janaína De Nadai Corassa¹*, Iris Cristiane

Leia mais

Diversidade de artrópodes em áreas prioritárias para conservação da Caatinga

Diversidade de artrópodes em áreas prioritárias para conservação da Caatinga 8 Celso Diversidade de artrópodes em áreas prioritárias para conservação da Caatinga Feitosa Martins Fernando César Vieira Zanella Yves Patric Quinet (Organizadores) Resumo Este capítulo refere-se aos

Leia mais

A FAUNA DE FORMIGAS EM POVOAMENTOS DE EUCALIPTO E MATA NATIVA NO ESTADO DO AMAPÁ.

A FAUNA DE FORMIGAS EM POVOAMENTOS DE EUCALIPTO E MATA NATIVA NO ESTADO DO AMAPÁ. A FAUNA DE FORMIGAS EM POVOAMENTOS DE EUCALIPTO E MATA NATIVA NO ESTADO DO AMAPÁ. Marco Antonio de OLIVEIRA 1, Terezinha M. C. DELLA LUCIA 1, Márcio da Silva ARAUJO 1, Adalton Pinheiro da CRUZ 2 RESUMO

Leia mais

Fragmentação. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp

Fragmentação. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Fragmentação Umberto Kubota ukubota@gmail.com Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Fragmentação ou Mosaicos Naturais Fragmentação Processo no qual um habitat contínuo é dividido

Leia mais

MIRMECOFAUNA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA URBANA NO MUNICÍPIO DE MARÍLIA, SP, BRASIL

MIRMECOFAUNA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA URBANA NO MUNICÍPIO DE MARÍLIA, SP, BRASIL Original Article 494 MIRMECOFAUNA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA URBANA NO MUNICÍPIO DE MARÍLIA, SP, BRASIL ANT FAUNA IN A URBAN REMNANT OF ATLANTIC FOREST IN THE MUNICIPALITY OF MARÍLIA, STATE

Leia mais

FORMIGAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR, E SUAS IMPLICAÇÕES

FORMIGAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR, E SUAS IMPLICAÇÕES 33 FORMIGAS URBANAS DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR, E SUAS IMPLICAÇÕES M.F. de Oliveira 1 & A.E. de C. Campos-Farinha 2 1 Secretaria de Saúde do Município de Maringá, Controle de Zoonoses e Pragas Urbanas,

Leia mais

05/05/2013. O que perdemos quando perdemos diversidade biológica? O VALOR DA BIODIVERSIDADE Quem notou que hoje há 150 espécies menos que ontem?

05/05/2013. O que perdemos quando perdemos diversidade biológica? O VALOR DA BIODIVERSIDADE Quem notou que hoje há 150 espécies menos que ontem? O VALOR DA BIODIVERSIDADE Quem notou que hoje há 150 espécies menos que ontem? O que perdemos quando perdemos diversidade biológica? - O valor da Biodiversidade Valor instrumental ou utilitário Valor intrínseco

Leia mais

FORMIGAS CORTADEIRAS

FORMIGAS CORTADEIRAS 13ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF ATUALIZAÇÃO EM PROTEÇÃO FLORESTAL NA BAHIA FORMIGAS CORTADEIRAS Aldenise Alves Moreira UESB UESB Vitória da Conquista - BA INTRODUÇÃO Brasil aproximadamente 6 milhões de hectares

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS DISSERTAÇÃO

UFRRJ INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS DISSERTAÇÃO UFRRJ INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS DISSERTAÇÃO Composição, riqueza e raridade de espécies de formigas (Hymenoptera: Formicidae) em povoamento de eucaliptos

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EXTRAÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO PINHÃO (SEMENTE DE Araucaria angustifolia (Bert) O. Ktze) NO MUNICÍPIO DE BARBACENA-MG

ESTUDO SOBRE A EXTRAÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO PINHÃO (SEMENTE DE Araucaria angustifolia (Bert) O. Ktze) NO MUNICÍPIO DE BARBACENA-MG ESTUDO SOBRE A EXTRAÇÃO, UTILIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO PINHÃO (SEMENTE DE Araucaria angustifolia (Bert) O. Ktze) NO MUNICÍPIO DE BARBACENA-MG Ralf de Jesus da Silva 1, Ricardo Tayarol Marques 2 1,2.

Leia mais

f~_ Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias

f~_ Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias f~_ Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias UFPR Coordenação do Curso de Agronomia CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DE DISCIPliNA Disciplina: Agricultura Especial V Código: AF053 Departamento: Fitotecnia

Leia mais

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR?

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? Com o surgimento de novos materiais genéticos no mercado, existem dúvidas sobre qual é a melhor opção para o plantio de cedro australiano. Elaboramos este documento

Leia mais

Análise faunística das formigas epígeas (Hymenoptera, Formicidae) em campo nativo no Planalto das Araucárias, Rio Grande do Sul

Análise faunística das formigas epígeas (Hymenoptera, Formicidae) em campo nativo no Planalto das Araucárias, Rio Grande do Sul nálise faunística das formigas epígeas (Hymenoptera, Formicidae) em campo nativo no Planalto das raucárias, Rio Grande do Sul 398 lbuquerque & Diehl Emília Zoppas de lbuquerque,2 & Elena Diehl,3 Programa

Leia mais

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia Semana Nacional de Ciência e Tecnologia A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) promoverá diversos eventos que integram a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece entre

Leia mais

ANT AS RISK FACTOR FOR NOSOCOMIAL INFECTIONS

ANT AS RISK FACTOR FOR NOSOCOMIAL INFECTIONS SaBios: Rev. Saúde e Biol., v.4, n.2, p.47-51, jul./dez. 2009 ISSN 1980-0002 FORMIGA COMO FATOR DE RISCO PARA INFECÇÕES NOSOCOMIAIS Zuinara Pereira Gusmão Maia 1, Alfredo Barbosa Gusmão 2, Tânia Fraga

Leia mais

Monitoramento participativo de sistemas agroflorestais através da mirmecofauna

Monitoramento participativo de sistemas agroflorestais através da mirmecofauna Monitoramento participativo de sistemas agroflorestais através da mirmecofauna OLIVEIRA, Daniel Azevedo Mendes 1 ; Franco, Fernando Silveira 2 ; SCHLINDWEIN, Marcelo Nivert 3 ; Branco, Cícero Santos 4.

Leia mais

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm)

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm) Adubação Verde ADUBAÇÃO VERDE O que é adubação verde Consiste no cultivo e na incorporação ao solo de plantas (principalmente as leguminosas) que contribuem para a melhoria das condições físicas, químicas

Leia mais

Florestas, Alterações Climáticas e Biodiversidade

Florestas, Alterações Climáticas e Biodiversidade Florestas, Alterações Climáticas e Biodiversidade A nossa pegada regista-se 1. A importância dos ecossistemas florestais, nas alterações climáticas e biodiversidade 2. Os impactos das alterações climáticas

Leia mais

Cristiane Ferras Bolico¹, Eduardo Alves Oliveira², Marcel Lucas Gantes¹, Luiz Felipe Cestari Dumont¹, Daiane Silveira Carrasco¹ & Fernando D Incao¹

Cristiane Ferras Bolico¹, Eduardo Alves Oliveira², Marcel Lucas Gantes¹, Luiz Felipe Cestari Dumont¹, Daiane Silveira Carrasco¹ & Fernando D Incao¹ Publicação do Projeto Entomologistas do Brasil www.ebras.bio.br Distribuído através da Creative Commons Licence v3.0 (BY-NC-ND) Copyright EntomoBrasilis Mirmecofauna (Hymenoptera, Formicidae) de Duas Marismas

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG

ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG 151 Introdução ANÁLISE TEMPORAL DAS ÁREAS DE EXPANSÃO DE REFLORESTAMENTO NA REGIÃO DO CAMPO DAS VERTENTES-MG Viviane Valéria Silva¹, Laura Rafaele S. Silva 1, Júlio Cezar Costa¹, Bruna Cardoso de Faria¹,

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM HOSPITAIS E POSTOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE BAGÉ, RS

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM HOSPITAIS E POSTOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE BAGÉ, RS COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA Mirmecofauna (Hymenoptera: Formicidae) em hospitais e postos de saúde no Município de Bagé, RS. 373 MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM HOSPITAIS E POSTOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO

Leia mais

Proposta de atividade de campo para o ensino de biodiversidade usando formigas como modelo

Proposta de atividade de campo para o ensino de biodiversidade usando formigas como modelo DOI: 10.4025/actascieduc.v32i2.11036 Proposta de atividade de campo para o ensino de biodiversidade usando formigas como modelo Rogério Soares Cordeiro 1, Moacir Wuo 2 e Maria Santina de Castro Morini

Leia mais

ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS. Depto. Botânica, Univ. Federal de Pernambuco, , Recife, PE,

ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS. Depto. Botânica, Univ. Federal de Pernambuco, , Recife, PE, 724 November - December 2006 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Diversidade de Formigas Epigéicas (Hymenoptera: Formicidae) em Capões do Pantanal Sul Matogrossense: Relações entre Riqueza de Espécies e Complexidade

Leia mais

MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas

MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas Bioma Mata Atlântica Este bioma ocupa uma área de 1.110.182 Km², corresponde 13,04% do território nacional e que é constituída

Leia mais

Comunicação Científica

Comunicação Científica doi:10.12741/ebrasilis.v6i1.283 Publicação do Projeto Entomologistas do Brasil www.ebras.bio.br Distribuído através da Creative Commons Licence v3.0 (BY-NC-ND) Copyright EntomoBrasilis Copyright do(s)

Leia mais

Os efeitos do homem sobre o clima. O Clima da Terra: Processos, Mudanças e Impactos Profa. Marcia Yamasoe

Os efeitos do homem sobre o clima. O Clima da Terra: Processos, Mudanças e Impactos Profa. Marcia Yamasoe Os efeitos do homem sobre o clima O Clima da Terra: Processos, Mudanças e Impactos Profa. Marcia Yamasoe Na aula passada... Concentrações de CO 2 já foram muito maiores que as concentrações observadas

Leia mais

Comunidade de formigas que nidificam em pequenos galhos da serrapilheira em floresta da Amazônia Central, Brasil

Comunidade de formigas que nidificam em pequenos galhos da serrapilheira em floresta da Amazônia Central, Brasil Revista Brasileira de Entomologia 46(): 5-3.VI. Comunidade de formigas que nidificam em pequenos galhos da serrapilheira em floresta da Amazônia Central, Brasil Karine S. Carvalho Heraldo L. Vasconcelos

Leia mais

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO

RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO RUI MANGIERI A AGROPECUÁRIA NO MUNDO A agropecuária na América Anglo- Saxônica I- Os norte-americanos são os principais representantes da agropecuária comercial no mundo,com cultivos e criações intensamente

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

Biodiversidade e prosperidade económica

Biodiversidade e prosperidade económica Biodiversidade e prosperidade económica Helena Castro e Helena Freitas Centro de Ecologia Funcional Universidade de Coimbra O que é a biodiversidade? Biodiversidade é a variedade de seres vivos. Aqui se

Leia mais

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para:

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para: Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios Apresentação para: Março 2014 Agenda Ambiente regulatório Eucalipto GM FuturaGene Avaliação ambiental e de segurança Resumo 2 Estrutura legal no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E EVOLUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E EVOLUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E EVOLUÇÃO INVENTÁRIO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) CAPTURADAS EM ISCAS NUMA ÁREA DE MATA DA

Leia mais

Anais 5º Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade (21 a 23 de junho 2016)

Anais 5º Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade (21 a 23 de junho 2016) FAUNA DO SOLO EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE SUCESSÃO FLORESTAL NA RESERVA BIOLÓGICA UNIÃO, RIO DAS OSTRAS, RJ Ana Paula Ferreira Santos da Costa 1 ; Fábio Souto Almeida² ( 1 Graduanda em Gestão Ambiental,

Leia mais

TENDÊNCIAS DE VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA NO BRASIL EM FUNÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Elena Charlotte Landau', Rafaela Barbosa Teixeira Tavares',

TENDÊNCIAS DE VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA NO BRASIL EM FUNÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Elena Charlotte Landau', Rafaela Barbosa Teixeira Tavares', TENDÊNCIAS DE VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA NO BRASIL EM FUNÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Elena Charlotte Landau', Rafaela Barbosa Teixeira Tavares', ~A'-d'~H' nn re trsc h 3, C arma. A SSIS. Barras 4 I.Pesquisadora

Leia mais

Manifestation de lancement de l'antenne pour l'amérique latine à São Paulo, du Bureau des Amériques de l'agence universitaire de la Francophonie

Manifestation de lancement de l'antenne pour l'amérique latine à São Paulo, du Bureau des Amériques de l'agence universitaire de la Francophonie Le 23 mars 2011 Mémorial d Amérique Latine Programme préliminaire 8h45 9h15 Ouverture académique Ricardo Samih Georges Abi Rached Pró-reitor, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Pierre

Leia mais

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43)

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43) Proposta de Parceria Cursos IBF ibflorestas.org.br jessica.silva@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Investimento Quem Somos O IBF atua no desenvolvimento do setor ambiental brasileiro, ajudando empresas

Leia mais

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd.

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Processo Chave Source: Carlos A. Peres The Amazon region Processo Chave Source: Rhett A.

Leia mais

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou à Unidade 2 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Geografia 4 o ano Avaliação 2 o bimestre 1 Avaliação Geografia NOME: ESCOLA:

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Hospitalar e Agroindústria AULA 1 Prof.º Cleverson Luis Competências a serem trabalhadas nesta aula Conhecer o segmento econômico da Agroindústria

Leia mais

Guanandi Calophyllum brasiliense. (43)

Guanandi Calophyllum brasiliense.  (43) Guanandi Calophyllum brasiliense www.ibflorestas.org.br contato@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Guanandi Calophyllum brasiliense Substrato Florestal No Brasil também é conhecido como Jacareúba, Santa

Leia mais

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Sumário Análise de conjuntura; Impactos das atividades agropecuárias sobre o meio ambiente; Responsabilidade ambiental; Boas práticas produtivas. Organograma

Leia mais

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Dimensionamento de viveiros Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Conteúdo Conteúdo: Conceito de viveiro Tipos de viveiros Planejamento da instalação de um viveiro Local ideal Estruturas

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA COMO INDICADORA DE EFEITO DE BORDA EM FRAGMENTO DE FLORESTA ESTACIONAL, VITÓRIA DA CONQUISTA BA

MACROFAUNA EDÁFICA COMO INDICADORA DE EFEITO DE BORDA EM FRAGMENTO DE FLORESTA ESTACIONAL, VITÓRIA DA CONQUISTA BA MACROFAUNA EDÁFICA COMO INDICADORA DE EFEITO DE BORDA EM FRAGMENTO DE FLORESTA ESTACIONAL, VITÓRIA DA CONQUISTA BA Mariana dos Santos Nascimento (1) ; Patrícia Anjos Bittencourt Barreto (2) ; Rafael Nogueira

Leia mais

MACACO PREGO Cebus nigritus

MACACO PREGO Cebus nigritus MACACO PREGO Cebus nigritus CURY, Letícia Duron; PAULA, Bruna; BATISTA, Pedro H.L.; SANTOS, Edvaldo Silva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO Este trabalho teve como objetivos, analisar

Leia mais

Diversidade da entomofauna em um plantio experimental de eucalipto (Eucalyptus) no estado de Sergipe

Diversidade da entomofauna em um plantio experimental de eucalipto (Eucalyptus) no estado de Sergipe SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Diversidade da entomofauna em um plantio experimental de eucalipto (Eucalyptus) no estado de Sergipe L. C. Paz 1 ; D. A. F. G. Castaneda 1 ;

Leia mais

Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil

Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil Jaçanan Eloisa Freitas Milani 1 ; Carlos Frederico Lins e Silva Brandão 2 ; Mayara Dalla Lana

Leia mais

13 Ações positivas para conservação e restauração da Mata Atlântica nos estados e municípios

13 Ações positivas para conservação e restauração da Mata Atlântica nos estados e municípios 13 Ações positivas para conservação e restauração da Mata Atlântica nos estados e municípios Danilo Sette de Almeida SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALMEIDA, DS. Ações positivas para conservação

Leia mais

Imagem: Rede Agroecologia

Imagem: Rede Agroecologia Imagem: Rede Agroecologia CONTEÚDO: 1. Introdução à adequação ambiental de propriedades rurais... 03 2. Legislação para restauração de RLs... 05 3. Princípios da Restauração Florestal e dos SAFs... 06

Leia mais

HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal

HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal HORÁRIO DE AULA - Eng. Florestal 1º PERÍODO DIA ENTRADA E SAÍDA DISCIPLINA Professores DIAS RODIZIO Biologia Geral Drª. Carolina Pirajá HORÁRIO FIXO Segunda Feira Biologia Geral Drª. Carolina Pirajá HORÁRIO

Leia mais

17 o Seminário de Iniciação Científica e 1 o Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental. 21 a 23 de agosto de 2013, Belém-PA

17 o Seminário de Iniciação Científica e 1 o Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental. 21 a 23 de agosto de 2013, Belém-PA LEVANTAMENTO DO GÊNERO Tachigali Aubl. (LEGUMINOSAE- CAESALPINIOIDEAE) NO HERBÁRIO IAN DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL. Suzane S. de Santa Brígida 1, Sebastião R. Xavier Júnior 2, Helena Joseane R. Souza

Leia mais

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Recife/Julho/05

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Recife/Julho/05 Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Recife/Julho/05 Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Godofredo Cesar Vitti (1) Ana Carolina

Leia mais

Formigas em restinga na região da Lagoa Pequena, Florianópolis, SC: levantamento taxonômico e aspectos ecológicos

Formigas em restinga na região da Lagoa Pequena, Florianópolis, SC: levantamento taxonômico e aspectos ecológicos Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biologias Departamento de Ecologia e Zoologia Formigas em restinga na região da Lagoa Pequena, Florianópolis, SC: levantamento taxonômico e aspectos

Leia mais

A non-harmonic relationship of ants with plants of Asclepias curassavica (Apocynaceae) in a subtropical site in Southeastern Brazil

A non-harmonic relationship of ants with plants of Asclepias curassavica (Apocynaceae) in a subtropical site in Southeastern Brazil 2014; 2 (6): 321-325 ISSN 2320-7078 JEZS 2014; 2 (6): 321-325 2014 JEZS www.entomoljournal.com Received: 11-11-2014 Accepted: 30-11-2014 Mariana Azevedo Rabelo Curso de Ciências Biológicas, Universidade

Leia mais

Associação entre DURATEX e SATIPEL cria a maior fabricante de painéis de madeira do hemisfério sul e uma das maiores do mundo.

Associação entre DURATEX e SATIPEL cria a maior fabricante de painéis de madeira do hemisfério sul e uma das maiores do mundo. RESULTADOS 2T09 Destaques Destaques Associação entre DURATEX e SATIPEL cria a maior fabricante de painéis de madeira do hemisfério sul e uma das maiores do mundo. Nova Fábrica de MDP em Taquari (RS) Iniciada

Leia mais

AMOSTRAGEM DE SOLO. Pedro Marques da Silveira. III Encontro de Laboratório do PAQLF. Goiânia GO 16/09/2009

AMOSTRAGEM DE SOLO. Pedro Marques da Silveira. III Encontro de Laboratório do PAQLF. Goiânia GO 16/09/2009 AMOSTRAGEM DE SOLO Pedro Marques da Silveira III Encontro de Laboratório do PAQLF Goiânia GO 16/09/2009 ANÁLISE DO SOLO: OBJETIVO: Conhecer o grau de fertilidade para uma adequada recomendação de corretivos

Leia mais

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.244-608-1 Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil Wanderson L. Bermudes 1, Nilton C. Fiedler

Leia mais

USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA

USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA Ivonete Batista Santa Rosa Gomes 1 Mariluce Rezende Messias 2 Resumo:

Leia mais

BIOMAS. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais (biodiversidade).

BIOMAS. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais (biodiversidade). BIOMAS Um conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Caracterizado por um tipo principal de vegetação (Num mesmo bioma podem existir diversos tipos de vegetação). Os seres vivos de um bioma

Leia mais

A FORÇA DA QUALIDADE EM SEMENTES. IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE SEMENTES EM GERAL

A FORÇA DA QUALIDADE EM SEMENTES. IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE SEMENTES EM GERAL SEMENTES CAIÇARA MARCA REGISTRADA A FORÇA DA QUALIDADE EM SEMENTES. IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE SEMENTES EM GERAL O eucalipto consome muita água? A água é essencial para a vida. Nas plantas, ela tem um

Leia mais

POTENCIALIDADES DA VEGETAÇÃO NATIVA DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: PLANOS DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO

POTENCIALIDADES DA VEGETAÇÃO NATIVA DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: PLANOS DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO POTENCIALIDADES DA VEGETAÇÃO NATIVA DO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: PLANOS DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTADO Simpósio Recife, 14.08.2014 Frans Pareyn - APNE Manejo de florestas nativas Bases para manejo florestal

Leia mais

O efeito das estradas sobre a cobertura florestal e a biodiversidade

O efeito das estradas sobre a cobertura florestal e a biodiversidade RODO2010-21/10/2010 O efeito das estradas sobre a cobertura florestal e a biodiversidade Simone R. Freitas Universidade Federal do ABC (UFABC) O que é Ecologia de Estradas? Estudo das interações entre

Leia mais

Actividade Prática nº 3 O Guião da Compostagem

Actividade Prática nº 3 O Guião da Compostagem Actividade Prática nº 3 O Guião da Compostagem Página 1 de 7 O que é a compostagem? A compostagem é um processo biológico em que os microrganismos transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas,

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Florestal

Currículo do Curso de Engenharia Florestal Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades relacionadas com: construções de madeira; silvimetria e inventário; recursos naturais renováveis;

Leia mais

Política da Qualidade. Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil. Missão. Valores

Política da Qualidade. Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil. Missão. Valores Empresa A BSBIOS - Indústria e Comércio de Biodiesel Sul Brasil S/A, fundada em 2005, é referência na produção de biodiesel e, é a única indústria para a produção de energia renovável que possui sociedade

Leia mais

Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor

Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor 44 Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor Materiais necessários: Nesta etapa é necessário utilizar materiais de excelente qualidade, é o início de todo processo. Material necessário:.01 bandeja de

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente.

FATORES ECOLÓGICOS. Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. Relações Ecológicas FATORES ECOLÓGICOS FATORES ECOLÓGICOS Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. FATORES ECOLÓGICOS Fatores Biológicos ( Bióticos) Fatores Biológicos

Leia mais

GEOESPACIALIZAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA NO BRASIL

GEOESPACIALIZAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA NO BRASIL GEOESPACIALIZAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA NO BRASIL Elena Charlotte Landau 1, Rafaela Barbosa Teixeira Tavares 2, Daniel Pereira Guimarães 3, André Hirsch 4 1.Pesquisadora da Embrapa Milho e Sorgo/ CNPMS

Leia mais

Prof. Eneas Salati Diretor Técnico Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável

Prof. Eneas Salati Diretor Técnico Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Mudanças as Climáticas Globais Prof. Eneas Salati Diretor Técnico Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável Seminário de Lançamento da Edição de Abril da Revista SANEAS - - Efeitos Regionais

Leia mais

Métodos de Controle de Plantas Daninhas

Métodos de Controle de Plantas Daninhas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Centro de Ciências Agroveterinárias CAV, Lages SC Departamento de Agronomia BMPDA54 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas Métodos de Controle de Plantas Daninhas

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira 104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 105 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

MATÉRIA 3 GEOGRAFIA- ESCOLAS TÉCNICAS JORNAL EXTRA TEXTO DE ABERTURA A VALORIZAÇÃO DO ENSINO TÉNICO

MATÉRIA 3 GEOGRAFIA- ESCOLAS TÉCNICAS JORNAL EXTRA TEXTO DE ABERTURA A VALORIZAÇÃO DO ENSINO TÉNICO MATÉRIA 3 GEOGRAFIA- ESCOLAS TÉCNICAS JORNAL EXTRA TEXTO DE ABERTURA A VALORIZAÇÃO DO ENSINO TÉNICO O Brasil começou a valorizar o ensino técnico acompanhando uma tendência mundial. O dinamismo de setores

Leia mais

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR)

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) AQUECIMENTO GLOBAL QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) CHINA GRANDE EMISSÃO DO GEE DEZ SINAIS DE ALARME DO AQUECIMENTO GLOBAL AUMENTO DO NÍVEL DOS OCEANOS TUVALU refugiados

Leia mais

MANEJO AGROECOLÓGICO DE CACAUEIROS EM ÁREAS DE CABRUCA

MANEJO AGROECOLÓGICO DE CACAUEIROS EM ÁREAS DE CABRUCA MANEJO AGROECOLÓGICO DE CACAUEIROS EM ÁREAS DE CABRUCA Tarcisio Matos Costa 1 ; Durval Libânio Netto Mello 2 ; Thiago Guedes Viana 3 ; Salvio Oliveira Santos 4, Eduardo Gross 5 Resumo Para que o ambiente

Leia mais

Macroinvertebrados de solo em fragmentos florestais, Londrina-PR

Macroinvertebrados de solo em fragmentos florestais, Londrina-PR 92 Embrapa Soja. Docurifentos, 276 Macroinvertebrados de solo em fragmentos florestais, Londrina-PR Vanesca Korasaki 1 ' 2; George Gardner Brown 2; José Lopes 3; Amarildo Pasinit; Sabrina bionizio PereiraU.

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NA ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI

A BIODIVERSIDADE NA ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI A BIODIVERSIDADE NA ENCÍCLICA DO PAPA FRANCISCO LAUDATO SI 1. Primeira encíclica na história da Igreja com este enfoque ecológico. 2. Convergência: preocupações da ciência, da sociedade e da Igreja, como

Leia mais

Renascimento de florestas

Renascimento de florestas Renascimento de florestas regeneração na era do desmatamento Robin L. Chazdon SUMÁRIO 1. Percepções sobre florestas tropicais e regeneração natural... 15 1.1 Visão cíclica das florestas... 15 1.2 A resiliência

Leia mais

Comunidades. Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população

Comunidades. Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população Comunidade é uma assembleia de populações de espécies que ocorrem juntas no espaço e no tempo. Comunidades

Leia mais

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria urso de Graduação em Engenharia Ambiental Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria Ecologia de comunidades: Abordagem geral sobre Distúrbios: Fragmentação de hábitats, efeito de borda, ecologia da

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DA SEMENTE E DO SUBSTRATO NA EMERGÊNCIA DO IPÊ ROXO (Tabebuia impetiginosa)

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DA SEMENTE E DO SUBSTRATO NA EMERGÊNCIA DO IPÊ ROXO (Tabebuia impetiginosa) II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DA SEMENTE E DO SUBSTRATO NA EMERGÊNCIA DO IPÊ ROXO (Tabebuia impetiginosa) Aline Aparecida Smychniuk da Silva 1 Denison Trindade Silva 2 Natanael

Leia mais

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Adaptado de Érika Cortinez- UFRRJ Contextualizando Cadeia Produtiva da Restauração Florestal SEA, 2010 Viveiros florestais permanentes Tem

Leia mais

LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Bemisia sp. NA CULTURA DE MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA-MS

LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Bemisia sp. NA CULTURA DE MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA-MS LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Bemisia sp. NA CULTURA DE MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA-MS Gilmar Cordeiro Calado Filho 1 ;Luciana Cláudia Toscano 2 ; Rangel Fernandes Rodrigues da Silva 1 ;Wilson

Leia mais

O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL

O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL [...] Não tinha inverno e verão em Brasília, tinha o tempo da seca e tempo das chuvas. Uma vez choveu onze dias sem parar, e as pessoas andavam quase cegas debaixo do aguaceiro,

Leia mais

Programa de melhoramento de Pinus da EMBRAPA

Programa de melhoramento de Pinus da EMBRAPA Programa de melhoramento de Pinus da EMBRAPA 4º Workshop EMBRAPA-APRE 14-15/09/2016 Formação da base de recursos genéticos de Pinus da Embrapa Florestas Transferência via convênio Embrapa/IBDF (1978):

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Como você acha

Leia mais

Quantificação De Biomassa E Carbono De Fragmento De Mata Atlântica Localizada Na Apa Do Pratigi

Quantificação De Biomassa E Carbono De Fragmento De Mata Atlântica Localizada Na Apa Do Pratigi Quantificação De Biomassa E Carbono De Fragmento De Mata Atlântica Localizada Na Apa Do Pratigi Lorena da Paz Oliveira¹; Andrea Vita Reis Mendonça²; Bruno Melo da Matta³, Josival Santos Souza², José da

Leia mais