RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira dos Santos ¹Lab. de Biologia, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Av. José Moreira Sobrinho, s/n, Jequiezinho, CEP , Jequié, BA, Brasil, RESUMO A cabruca é um agrossistema estabelecido na região sudeste da Bahia, Brasil, para o plantio do Theobroma cacao, oriundo da floresta amazônica, em consórcio com a mata atântica, a qual lhe fornece sombreamento para o seu desenvolvimento. Este sistema vem sendo utilizado há mais de dois séculos na região, e tem vários aspectos positivos, com grande potencial para conservação da biodiversidade, dos solos e da água. Vários estudos mostram que a cabruca apresenta a vantagem de conservar parte da flora e fauna regional, o que foi demonstrado através de estudos que confirmaram que este agrossistema possui uma mirmecofauna (fauna de formigas) com riqueza específica que se aproxima à da mata atlântica, sendo uma das mais elevadas do mundo para uma lavoura. Este trabalho teve como objetivo inventariar a mirmecofauna ocorrente em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari, no sudeste da Bahia, uma vez que, conhecendo-se a diversidade regional de formigas, é possível caracterizar a mirmecofauna da região e direcionar para estratégias que visem o manejo adequado das espécies de formigas encontradas no agrossistema cacaueiro regional. As formigas foram coletadas em dezembro de 2008 e julho de 2009 em Ibirataia e em junho e agosto de 2010 em Itamari. Em cada área foram retiradas 50 amostras de 1m² de serrapilheira, as quais foram peneiradas em campo e transferidas para extratores de Winkler por 48h, para a amostragem das formigas. Foram registradas, em Ibirataia, 64 morfoespécies/espécies (29 gêneros); em Itamari houve a ocorrência de 81 morfoespécies/espécies (30 gêneros). Para ambas as áreas, a subfamília predominante foi Myrmicinae, seguida por Ponerinae, sendo que os gêneros com maior número de morfoespécies foram Pheidole e Solenopsis. Os resultados obtidos demonstram que a composição de formigas de serrapilheira em áreas de cabruca no sudeste da Bahia é representativa e contribui para a diversidade regional de formigas do bioma mata atlântica. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO Considerando-se que 93% de sua formação original já foi devastada, a mata atlântica inclui uma área de km², ou cerca de 15% do território nacional, englobando 17 estados brasileiros, dos quais Minas Gerais, Santa Catarina e Bahia são aqueles onde a situação é mais crítica, uma vez que são os estados que possuem mais florestas em seu território e, por isso, têm grandes áreas desmatadas em números absolutos. No caso específico da Bahia, restam apenas 8,8% da cobertura florestal original (http://www.sosmatatlantica.org.br/). No sudeste da Bahia, e em outras regiões da costa leste do Brasil, a mata atlântica tem sido utilizada para a implantação de um agrossistema florestal denominado cabruca, caracterizado pelo plantio do cacau, Theobroma cacao L. (Malvaceae), oriundo da floresta amazônica, sob a sombra das árvores nativas, após o raleamento da mata original, a partir da remoção de madeiras mais 111

2 finas; assim, os cacaueiros são plantados sob a cobertura sombreada e raleada da floresta original (ALGER & CALDAS, 1996; ROLIM & CHIARELLO, 2004). A cabruca vem sendo utilizada há mais de dois séculos na região cacaueira da Bahia, e tem vários aspectos positivos, com grande potencial para conservação da biodiversidade, dos solos e da água. Além disso, tem diversas possibilidades de utilização sustentável de seus recursos, como coleta de sementes de espécies nativas, alimentação animal e humana, madeira certificada, mel, extração de óleos e resinas, produção de plantas ornamentais e medicinais, além de prestar importantes serviços ambientais, como sequestro e imobilização de carbono, produção de água, conectividade entre fragmentos florestais, conservação da fauna e da flora, dentre outros (http://www.cabruca.org.br/a-cabruca.html). Vários estudos biológicos na região mostram que este sistema apresenta a vantagem de conservar parte da flora e fauna regional, o que foi demonstrado, por exemplo, através de estudos que confirmaram que este agrossistema possui uma mirmecofauna (fauna de formigas) com riqueza específica que se aproxima à da mata atlântica (DELABIE et al., 1989, 1996), sendo uma das mais elevadas do mundo para áreas de lavoura (DELABIE et al., 1994). Este trabalho teve como objetivo inventariar a mirmecofauna ocorrente em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari, localizados na região sudeste da Bahia, Brasil, uma vez que, conhecendo-se a diversidade regional de formigas, é possível caracterizar a mirmecofauna da região e direcionar para estratégias que visem o manejo adequado das espécies de formigas encontradas no agrossistema cacaueiro regional. MATERIAL E MÉTODOS As formigas foram coletadas nos dias 06 e 07 de dezembro de 2008 e de 04 a 07 de julho de 2009, na Fazenda São José, em Ibirataia ( S, O) e nos dias 11 de junho e 21 de agosto de 2010, na Fazenda De Bier, no município de Itamari ( S, O), Bahia, Brasil. Em cada uma das áreas foram retiradas 50 amostras de 1m² de serrapilheira, a intervalos de 50 m entre si, perfazendo um total de 12,5 hectares; as amostras foram peneiradas em campo e transferidas para extratores de Winkler por 48h, para a amostragem das formigas, de acordo com o protocolo ALL (AGOSTI & ALONSO, 2000). Após a triagem, as formigas foram montadas em alfinetes entomológicos, identificadas até o nível de espécie ou morfoespécie, etiquetadas e depositadas na coleção mirmecológica do Laboratório de Biologia da UESB, no campus de Jequié, Bahia, Brasil. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram registradas, em Ibirataia, 64 morfoespécies/espécies de formigas, distribuídas em 29 gêneros, pertencentes às subfamílias: Myrmicinae (69%), Ponerinae (14%), Formicinae (11%), Ectatomminae (3%), Dolichoderinae (1,6%) e Pseudomyrmecinae (1,6%). No município de Itamari houve a ocorrência de 81 morfoespécies/espécies, distribuídas em 30 gêneros, pertencentes às subfamílias: Myrmicinae (59%), Ponerinae (20%), Formicinae (8,6%), Dolichoderinae (6%), Ectatomminae (5%) e Cerapachyinae (1,2%) (Tabela I). Em um estudo comparativo da mirmecofauna da mata atlântica e cacauais no sul da Bahia, DELABIE et al. (1989) encontraram 82 espécies de formigas em áreas de mata e 83 em cabruca, refletindo que a riqueza de espécies encontrada em Itamari foi similar à desse estudo. As subfamílias Myrmicinae e Ponerinae apresentaram maior riqueza de espécies, em ambas as áreas investigadas, sendo que a predominância de Myrmicinae pode ser explicada por ser a subfamília mais abundante e por incluir um grupo de formigas extremamente adaptáveis aos mais diversos nichos ecológicos na região Neotropical (FOWLER et al., 1991). 112

3 Tabela I Morfoespécies/espécies de formigas coletadas em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari, Bahia, Brasil. F = freqüência absoluta nas amostras (N = 50, para cada área). IBIRATAIA ITAMARI Subfamília Morfoespécie/Espécie F Subfamília Morfoespécie/Espécie F Myrmicinae Atta sp1 1 Myrmicinae Basiceros sp1 5 Basiceros sp1 2 Carebara sp1 14 Carebara sp1 2 Cyphomyrmex sp1 1 Carebarella sp1 4 Cyphomyrmex sp2 5 Crematogaster sp1 2 Hylomyrma sp1 1 Crematogaster sp2 1 Leptothorax sp1 1 Crematogaster sp3 1 Leptothorax sp2 1 Cyphomyrmex sp1 7 Monomorium sp1 1 Eurhopalothrix sp1 3 Mycocepurus sp1 10 Megalomyrmex sp1 2 Oligomyrmex sp1 1 Mycocepurus sp1 9 Pheidole sp1 8 Octostruma sp1 3 Pheidole sp2 1 Pheidole sp1 10 Pheidole sp3 4 Pheidole sp2 2 Pheidole sp4 4 Pheidole sp3 1 Pheidole sp5 4 Pheidole sp4 2 Pheidole sp6 1 Pheidole sp5 10 Pheidole sp7 1 Pheidole sp6 6 Pheidole sp8 3 Pheidole sp7 10 Pheidole sp9 6 Pheidole sp8 2 Pheidole sp10 1 Pheidole sp9 1 Pheidole sp11 5 Pheidole sp10 7 Pheidole sp12 1 Pheidole sp11 4 Rogeria sp1 10 Pheidole sp12 3 Rogeria sp2 2 Pheidole sp13 4 Sericomyrmex sp1 10 Pheidole sp14 5 Smithistruma sp1 2 Rogeria sp1 1 Smithistruma sp2 1 Sericomyrmex sp1 16 Solenopsis sp1 4 Solenopsis sp1 1 Solenopsis sp2 23 Solenopsis sp2 10 Solenopsis sp3 6 Solenopsis sp3 16 Solenopsis sp4 13 Solenopsis sp4 12 Solenopsis sp5 5 Solenopsis sp5 2 Solenopsis sp6 20 Solenopsis sp6 10 Solenopsis sp7 8 Solenopsis sp7 18 Solenopsis sp8 1 Solenopsis sp8 4 Solenopsis sp9 2 Solenopsis sp9 25 Solenopsis sp10 1 Solenopsis sp10 11 Solenopsis sp11 1 Solenopsis sp11 6 Solenopsis sp12 1 Solenopsis sp12 2 Solenopsis sp13 2 Strumigenys sp1 31 Stegomyrmex sp1 4 Trachymyrmex sp1 1 Strumigenys sp1 4 Wasmannia auropunctata 6 Strumigenys sp

4 IBIRATAIA ITAMARI Wasmannia sp1 3 Strumigenys sp3 11 Strumigenys sp4 2 Trachymyrmex sp1 1 Wasmannia auropunctata 23 Wasmannia sp1 1 Ponerinae Hypoponera sp1 32 Ponerinae Hypoponera sp1 6 Hypoponera sp2 6 Hypoponera sp2 1 Hypoponera sp3 1 Hypoponera sp3 2 Hypoponera sp4 2 Hypoponera sp4 4 Hypoponera sp5 1 Hypoponera sp5 8 Odontomachus haematodus 5 Hypoponera sp6 11 Odontomachus sp1 13 Hypoponera sp7 6 Pachycondyla sp1 6 Hypoponera sp8 1 Thaumatomyrmex sp1 7 Odontomachus sp1 4 Odontomachus sp2 5 Odontomachus sp3 1 Odontomachus sp4 1 Odontomachus sp5 3 Odontomachus sp6 2 Pachycondyla sp1 6 Thaumatomyrmex sp1 1 Formicinae Brachymyrmex sp1 3 Formicinae Brachymyrmex sp1 4 Brachymyrmex sp2 2 Brachymyrmex sp2 1 Brachymyrmex sp3 3 Camponotus sp1 7 Camponotus sp1 2 Nylanderia sp1 1 Paratrechina sp1 5 Nylanderia sp2 2 Paratrechina sp2 13 Nylanderia sp3 7 Paratrechina sp3 2 Paratrechina longicornis 3 Dolichoderinae Linepithema sp1 2 Dolichoderinae Linepithema sp1 1 Linepithema sp2 3 Linepithema sp3 1 Tapinoma melanocephalum 1 Tapinoma sp1 1 Ectatomminae Ectatomma sp1 1 Ectatomminae Ectatomma sp1 1 Gnamptogenys sp1 4 Gnamptogenys sp1 1 Gnamptogenys sp2 1 Gnamptogenys sp3 2 Pseudomyrmecinae Pseudomyrmex sp1 1 Cerapachyinae Cerapachys sp1 1 Já a representatividade de várias espécies de Ponerinae reflete que as cabrucas regionais proporcionam nichos ecológicos diversos para as espécies predadoras, generalistas e especialistas, ocorrentes nesta subfamília. Estes resultados também estão em concordância com o estudo de DELABIE et al. (1996), que encontrou uma predominância de Myrmicinae 114

5 nas suas amostras obtidas para os cacauais, dentre outros ambientes investigados, seguida por Ponerinae. O índice de diversidade de Shannon, cujo valor foi de 3,72 para Ibirataia e 3,92 para Itamari, reflete a comunidade de formigas amostrada, constituída por um grande número de morfoespécies/espécies dominantes em detrimento das espécies raras, como registrado para os gêneros Pheidole e Solenopsis, que, juntos, representaram 40,6% (Ibirataia) e 30,9% (Itamari) de todas as espécies amostradas. Vale ressaltar que Pheidole é um gênero hiperdiverso em nível mundial (WILSON, 2003). A ocorrência de espécies mais especializadas do ponto de vista nutricional, como Thaumatomyrmex sp.1, por exemplo, que se alimenta de miriápodos após retirar os seus pêlos (DELABIE et al., 2000), demonstra que a cabruca oferece nichos ecológicos necessários para a distribuição de espécies nutricionalmente mais exigentes; assim como também para espécies cultivadoras de fungos (gêneros Mycocepurus e Sericomyrmex) e predadoras de artrópodos (gêneros Basiceros, Carebara, Strumigenys). Além disso, DELABIE et al. (1996) verificaram que a presença de uma cobertura vegetal típica de floresta, incluindo também a serrapilheira de cabruca, é determinante para certos gêneros de formigas, tais como Thaumatomyrmex e Rogeria, encontrados no presente estudo. Por outro lado, foi constatada a ocorrência de algumas espécies de formigas típicas de áreas abertas, como encontrado também por DELABIE et al. (1989). É interessante destacar a ocorrência acentuada de Wasmannia auropunctata em Itamari, uma espécie muito freqüente nos cacauais regionais (SOUZA et al., 2006), e quando esta é encontrada em abundância, denota uma situação de perturbação ecológica no ambiente (NERY et al., 1999). DELABIE et al. (1996) menciona que apesar do uso da mata para o plantio de cacau na forma de cabruca não provocar uma diminuição óbvia e mensurável de espécies, a abundância relativa das espécies varia em função do nível de antropização do ambiente, sendo a variação mais qualitativa do que quantitativa. A diversidade de formigas coletadas reflete a mirmecofauna de serrapilheira da área de Ibirataia, devido à estabilidade da curva do coletor na sua porção final (Figura 1), revelando que o número de coletas foi suficiente para determinar a comunidade investigada; no entanto, a curva do coletor obtida para a região de Itamari, mostra uma ascendência em sua porção final, indicando que a comunidade de formigas não foi totalmente amostrada (Figura 1). Figura 1 - Frequências acumuladas de espécies/morfoespécies de formigas coletadas em áreas de cabruca nos municípios de Ibirataia e Itamari (total = 64 e 81, respectivamente), Bahia, Brasil, em função do número de amostras (N = 50). A grande diversidade de morfoespécies/espécies de formigas encontrada para os municípios de Ibirataia e Itamari (ainda com a mirmecofauna subestimada, apesar de similar à riqueza de 115

6 espécies verificada por DELABIE et al., 1989) reflete que, mesmo com a antropização na região sudeste da Bahia, as cabrucas devem contribuir de maneira representativa para a manutenção da fauna de formigas da mata atlântica regional, como demonstrado pelo presente estudo, ou, pelo menos, manter o número equivalente de espécies ao de áreas de mata. CONCLUSÃO Os resultados obtidos demonstram que a composição de formigas de serrapilheira em áreas de cabruca no sudeste da Bahia é representativa e contribui para a diversidade regional de formigas do bioma mata atlântica. AGRADECIMENTOS Agradeço à UESB pelo apoio financeiro e logístico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGOSTI, D., ALONSO, L.E The ALL protocol: a standard protocol for the collection of ground-dwelling ants. In: Agosti, D., Majer, J., Alonso, L.E., Schultz, T.R. (Eds.). Ants: Standard Methods for Measuring and Monitoring Biodiversity. Biological Diversity Handbook Series. Washington: Smithsonian Institution Press. p ALGER, K., CALDAS, M Cacau na Bahia: decadência e ameaça à Mata Atlântica. Ciência Hoje. 20 (117): DELABIE, J.H.C., AGOSTI, D., NASCIMENTO, I.C Litter and soil ant communities: how many samples need to be taken. In: Agosti, D., Majer, J., Alonso, L.E., Schultz, T.R. (Eds.). Ants: Standard Methods for Measuring and Monitoring Biodiversity. Biological Diversity Handbook Series. Washington: Smithsonian Institution Press. p DELABIE, J.H.C., ALVES, M.C., CAZORLA, I.M Estudo comparativo da mirmecofauna da Mata Atlântica de cacauais no sul da Bahia (Hymenoptera: Formicidae). Belo Horizonte: SEB, 1989, 74 p. Resumos do XII Congresso Brasileiro de Entomologia, v. 1, Belo Horizonte. DELABIE, J.H.C., CASIMIRO, A.B, NASCIMENTO, I.C., SOUZA, A.L.B., FURST, M., ENCARNAÇÃO, A.M.V., SMITH, M.R.B., CAZORLA, I.M Stratification de Ia communauté de fourmis (Hymenoptera; Formicidae) dans une cacaoyere brésilienne et consequences pour le contrôle naturel des ravageurs du cacaoyer. Proc. XI Conférence Internationale sur Ia Recherche Cacaoyere (1993, Yamoussoukro, Costa do Marfim), Cocoa Producer's Alliance, Lagos, Nigeria, DELABIE J.H.C., NASCIMENTO, I.C., MARIANO, C.S.F Importance de l'agriculture cacaoyère pour le maintien de la biodiversité: étude comparée de la myrmécofaune de différents milieux du sud-est de Bahia, Brésil (Hymenoptera; Formicidae), p In: Cocoa Producer's Alliance, XII International Cocoa Research Conference, Cocoa producers' Alliance. FOWLER, H.G., FORTI, LC., BRANDÃO, C.R.F., DELABIE, J.H.C., VASCONCELOS, H.L Ecologia nutricional de formigas. In: Pazzini, A.R., Parra, J.R.P. (Eds). Ecologia Nutricional de Insetos e suas Implicações no Manejo de Pragas. São Paulo, Manole. p

7 NERY, A.S., DELABIE, J.H.C., FRAGA, N.J., NASCIMENTO, S., SOUZA, M Aspectos qualitativos das comunidades de Formicidae (Insecta: Hymenoptera) em cacauais do sudeste da Bahia. Naturalia. 24: ROLIM, S.G., CHIARELLO, A.G Slow death of Atlantic Forest trees in cocoa agroforestry in southeastern Brazil. Biodiv. Conserv. 13: SOUZA, A.L.B., DELABIE, J.H.C., FOWLER, H.G Impacto de Wasmannia auropunctata e W. sp. aff. rochai (Formicidae: Myrmicinae) sobre a mirmecofauna dos cacauais do sudeste da Bahia, Brasil. Agrotrópica. 18: WILSON, E.O La hiperdiversidad como fenómeno real: el caso de Pheidole. In: Fernández, F. (Ed.). Introducción a las Hormigas de la Region Neotropical. Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt, Bogotá, Colômbia. p

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO.

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO. 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenação de Pesquisa www.ueg.br Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS Leonardo Balestro Lopes Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida leonardo.bl@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais April - June 2002 187 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais CIDÁLIA G.S. MARINHO

Leia mais

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL RESUMO Fábio Zanella Farneda 1 Junir Antonio Lutinski 2 Flávio Roberto Mello Garcia 2,3

Leia mais

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Santos, Márcia P. C. J.; Carrano-Moreira, Alberto F.; Torres, Jorge B.

Leia mais

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil.

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil. LEVANTAMENTO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: AMAZONAS, BRASIL. Ana Paula Coelho MARQUES 1, 2, Rosaly ALE-ROCHA 1, José Albertino RAFAEL 1 RESUMO - Apresenta-se os resultados do levantamento de formigas que infestam

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M.

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M. FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM REABILITAÇÃO NA ILHA DA MADEIRA, RJ. 1 Acadêmico de engenharia florestal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 2 Departamento de Ciências

Leia mais

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA LAVRAS - MG 2014 WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU ANÁLISE DE COMUNIDADES DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA COM PLANTIO DE Eucalyptus spp. (MYRTACEAE: MYRTALES) Prof

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga.

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga. CARACTERIZAÇÃO DA MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA - FORMICIDAE) ASSOCIADA À VEGETAÇÃO PERIFÉRICA DE INSELBERGS (CAATINGA - ARBÓREA - ESTACIONAL - SEMI- -DECÍDUA) EM ITATIM - BAHIA - BRASIL 33 Gilberto Marcos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA FLORESTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL EFEITO DE BORDA

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS Diversidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) associadas na serapilheira da população de palmeiras (Palmae)

Leia mais

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e http://revistas.unlp.edu.ar/index.php/domus/issue/current/showtoc AUGMDOMUS, 3:10-19, 2011 Asociación de Universidades Grupo Montevideo ISSN:1852-2181 Avaliação comparativa de iscas atrativas a partir

Leia mais

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 13 FORMIGAS Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 257 INTRODUÇÃO Todas as espécies de formigas pertencem à família Formicidae,

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Wilson Reis Filho 1 Mariane Aparecida Nickele 2 Entre os 15 gêneros existentes

Leia mais

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO LEVANTAMENTO DE FORMICÍDEOS DE FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE ENG. PAULO DE FRONTIN, RJ (HYMENOPTERA,

Leia mais

MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS

MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS COMUNIDADE DE FORMICIDAE (INSECTA: HYMENOPTERA) ASSOCIADA AOS AMBIENTES HOSPITALARES NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG. Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como

Leia mais

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera:

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Formicidae) numa parcela de floresta plantada de Eucalyptus grandis, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Jardel Boscardin

Leia mais

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL SaBios: Rev. Saúde e Biol., v.8, n.1, p.17-113, jan./abr., 213 ISSN:198-2 OCORRÊNCIA DE FORMIGAS EM UMA ÁREA URBANA PERI- HOSPITALAR DE UBERABA/BRASIL Afonso Pelli 1, Maxelle Martins Teixeirai 1, Maria

Leia mais

Manoel Fernando Demétrio

Manoel Fernando Demétrio UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENTOMOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. BIODIVERSIDADE DE FORMIGAS DE SERAPILHEIRA DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DA BODOQUENA MS.

Leia mais

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil Floresta e Ambiente 2015; 22(1):88-98 http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.0049 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo Original Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

INTERAÇÕES ENTRE FORMIGAS E DIÁSPOROS DE ESPÉCIES VEGETAIS DA MATA ATLÂNTICA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, NOVA IGUAÇU, RJ, BRASIL.

INTERAÇÕES ENTRE FORMIGAS E DIÁSPOROS DE ESPÉCIES VEGETAIS DA MATA ATLÂNTICA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, NOVA IGUAÇU, RJ, BRASIL. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL INTERAÇÕES ENTRE FORMIGAS E DIÁSPOROS DE ESPÉCIES VEGETAIS DA MATA ATLÂNTICA NA RESERVA BIOLÓGICA

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1 ENTOMOTROPICA Vol. 29(3): 173-182. Diciembre 2014. ISSN 1317-5262 Relação entre guildas de formigas e a qualidade ambiental em Eucalyptus grandis submetido a diferentes controles de plantas infestantes

Leia mais

Padrões temporais de diversidade: dinâmica de assembleias de formigas de liteira (Hymenoptera: Formicidae) em 25 km 2 de floresta Amazônica

Padrões temporais de diversidade: dinâmica de assembleias de formigas de liteira (Hymenoptera: Formicidae) em 25 km 2 de floresta Amazônica INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENTOMOLOGIA - PPGENT Padrões temporais de diversidade: dinâmica de assembleias de formigas de liteira (Hymenoptera: Formicidae)

Leia mais

MAGNO LIMA TRAVASSOS DE OLIVEIRA RELAÇÕES TRÓFICAS EM ASSEMBLÉIAS DE FORMIGAS E LAGARTOS EM ÁREAS DE RESTINGA DA BAHIA SALVADOR

MAGNO LIMA TRAVASSOS DE OLIVEIRA RELAÇÕES TRÓFICAS EM ASSEMBLÉIAS DE FORMIGAS E LAGARTOS EM ÁREAS DE RESTINGA DA BAHIA SALVADOR MAGNO LIMA TRAVASSOS DE OLIVEIRA RELAÇÕES TRÓFICAS EM ASSEMBLÉIAS DE FORMIGAS E LAGARTOS EM ÁREAS DE RESTINGA DA BAHIA SALVADOR 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA

Leia mais

Doce lar- Repelente de formigas à base de limão tendo por excipiente polímeros derivados da celulose.

Doce lar- Repelente de formigas à base de limão tendo por excipiente polímeros derivados da celulose. Doce lar- Repelente de formigas à base de limão tendo por excipiente polímeros derivados da celulose. Daniela Narcisa Ferreira Bonsolhos 1 1. SESI- Cat Oscar Magalhães Ferreira dbonsolhos@fiemg.com.br

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL JAMES MACHADO BILCE 1, SOLANGE APARECIDA ARROLHO DA SILVA

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007.

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 3, p. 197-204, jul-set, 2007 197 ISSN 0103-9954 FAUNA DE FORMIGAS COMO FERRAMENTA PARA MONITORAMENTO DE ÁREA DE MINERAÇÃO REABILITADA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ,

Leia mais

Formigas arbóreas e de serapilheira

Formigas arbóreas e de serapilheira v. 3, n. 5 Dezembro/Janeiro - 2010/2011 ISSN 1983-3687 Distribuição Gratuita INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS - MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS Formigas arbóreas e de serapilheira

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS RECOLONIZAÇÃO DO SOLO POR FORMIGAS EM ÁREAS REABILITADAS E NÃO REABILITADAS

Leia mais

TÍTULO: FORMIGAS COMO VETOR MECÂNICO DE BACTÉRIAS PATOGÊNICAS EM HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA NO INTERIOR DE SÃO PAULO, BRASIL

TÍTULO: FORMIGAS COMO VETOR MECÂNICO DE BACTÉRIAS PATOGÊNICAS EM HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA NO INTERIOR DE SÃO PAULO, BRASIL TÍTULO: FORMIGAS COMO VETOR MECÂNICO DE BACTÉRIAS PATOGÊNICAS EM HOSPITAL VETERINÁRIO ESCOLA NO INTERIOR DE SÃO PAULO, BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

CONSERVAÇÃO PRODUTIVA

CONSERVAÇÃO PRODUTIVA CONSERVAÇÃO PRODUTIVA MANEJO DO SISTEMA AGROSSILVICULTURAL CACAU CABRUCA Reunião da Câmara Setorial do Cacau MAPA, Brasilia (DF) 25 de setembro de 2014 Sérgio Murilo Correa Menezes CEPLAC SUEBA CENTRO

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest.

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest. Lundiana 9(1):41-47, 2008 2009 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Associação de Eremanthus erythropappus (DC.) McLeish (Asteraceae) com formigas e sua relação com a mirmecofauna do

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REPRODUÇÃO E DISPERSÃO EM FORMIGAS ATTINES, COM EXEMPLOS DO SUL DA BAHIA.

ESTRATÉGIAS DE REPRODUÇÃO E DISPERSÃO EM FORMIGAS ATTINES, COM EXEMPLOS DO SUL DA BAHIA. ESTRATÉGIAS DE REPRODUÇÃO E DISPERSÃO EM FORMIGAS ATTINES, COM EXEMPLOS DO SUL DA BAHIA. DELABIE, J.H.C.1; NASCIMENTO, I.C.2 & MARIANO, C.S.F.2 1UPA Laboratório de Mirmecologia, Convênio UESC-CEPEC, C.P.

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa no município de Capitão, Rio Grande do Sul Fabiane Rodrigues da Silva Fröhlich 1, Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen 2,

Leia mais

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 233 Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica Sabrina Soares Simon 1 & Sara Soares Simon 2 1 Mestrado em

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ/MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM ZOOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ/MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM ZOOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ/MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM ZOOLOGIA DIVERSIDADE E COMPOSIÇÃO DE FORMIGAS PONERINES (HYMENOPTERA, FORMICIDAE, PONERINAE)

Leia mais

Acta Scientiarum. Health Sciences ISSN: 1679-9291 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil

Acta Scientiarum. Health Sciences ISSN: 1679-9291 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Acta Scientiarum. Health Sciences ISSN: 1679-9291 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Fonseca, Alysson Rodrigo; Rangel Batista, Demetrio; Pereira do Amaral, Deusilene; Bernardes Faria

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE)

PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE) PROJETO DE PESQUISA MECANISMOS ECOLÓGICOS PERMITINDO A COEXISTÊNCIA DE GUILDAS DE FORMIGAS DO GÊNERO PHEIDOLE WESTWOOD (FORMICIDAE: MYRMICINAE) 1. INTRODUÇÃO Entender quais mecanismos determinam os padrões

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Florestas de Chocolate

Florestas de Chocolate Florestas de Chocolate * por Durval Libânio Netto Mello A região cacaueira do Sul da Bahia é reconhecida internacionalmente pela produção de cacau e pela sua densa cobertura ;lorestal, formado por áreas

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 733 ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 Ethel Fernandes de Oliveira Peternelli 2, Terezinha Maria Castro Della Lucia 2 e Sebastião Venâncio Martins

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal:

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Tema: I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta SAF Sistema Agroflorestal PALESTRANTE André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Formado pela Universidade Federal de Viçosa no ano de 1985 Especialização

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Aspectos estruturais do ambiente e seus efeitos nas assembléias de formigas em ambientes de floresta e bosque

Aspectos estruturais do ambiente e seus efeitos nas assembléias de formigas em ambientes de floresta e bosque 63 Aspectos estruturais do ambiente e seus efeitos nas assembléias de formigas em ambientes de floresta e bosque Structural environment and its effects on boards of ants in environments and forest grove

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

FORMIGAS DOMICILIARES EM REGIÃO URBANA DE CERRADO E SUA DIVERSIDADE GENÉTICA

FORMIGAS DOMICILIARES EM REGIÃO URBANA DE CERRADO E SUA DIVERSIDADE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOQUÍMICA FORMIGAS DOMICILIARES EM REGIÃO URBANA DE CERRADO E SUA DIVERSIDADE GENÉTICA NARCISA SILVA SOARES

Leia mais

Composição, Abundância e Índice de Infestação de Espécies de Formigas em um Hospital Materno-Infantil de Palmas, TO

Composição, Abundância e Índice de Infestação de Espécies de Formigas em um Hospital Materno-Infantil de Palmas, TO 124 January - February 21 PUBLIC HEALTH Composição, Abundância e Índice de Infestação de Espécies de Formigas em um Hospital Materno-Infantil de Palmas, TO Ma r c o s A L Br a g a n ç a 1, Jefferson D

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto BioAtlântica Título do projeto: Establishment of a Network of Private Reserves and Conservation/Recuperation Systems of Forest

Leia mais

Marina Xavier da Silva

Marina Xavier da Silva Composição de espécies e padrão de forrageamento de formigas em Talipariti pernambucense (Malvaceae) em uma área de restinga Marina Xavier da Silva RESUMO: Plantas com nectários extraflorais são utilizadas

Leia mais

NILSON GOMES JAIME LEVANTAMENTOS MIRMECOFAUNÍSTICOS EM TRÊS AMBIENTES ANTRÓPICOS NOS ESTADOS DE GOIÁS E TOCANTINS, BRASIL

NILSON GOMES JAIME LEVANTAMENTOS MIRMECOFAUNÍSTICOS EM TRÊS AMBIENTES ANTRÓPICOS NOS ESTADOS DE GOIÁS E TOCANTINS, BRASIL NILSON GOMES JAIME LEVANTAMENTOS MIRMECOFAUNÍSTICOS EM TRÊS AMBIENTES ANTRÓPICOS NOS ESTADOS DE GOIÁS E TOCANTINS, BRASIL Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Agronomia, da Universidade Federal

Leia mais

Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014

Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014 Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014 O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do regulamento

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Interação solo/planta; fertilizante orgânico; ecologia.

RESUMO. Palavras chave: Interação solo/planta; fertilizante orgânico; ecologia. PROJETO: Interação Solo Planta: fatores edáficos no desenvolvimento vegetal. Prof. Theodoro Guerra de Oliveira Júnior Aluna: Juliana Cristina da Silveira RESUMO A Mata Atlântica é um dos ecossistemas mais

Leia mais

COMUNIDADES DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM ÁREAS ALAGÁVEIS E NÃO ALAGÁVEIS DO PANTANAL SUL MATO-GROSSENSE, MIRANDA.

COMUNIDADES DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM ÁREAS ALAGÁVEIS E NÃO ALAGÁVEIS DO PANTANAL SUL MATO-GROSSENSE, MIRANDA. Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) Programa de Pós-Graduação em Entomologia e Conservação da Biodiversidade COMUNIDADES DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM ÁREAS ALAGÁVEIS E NÃO ALAGÁVEIS

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

B. CONTACT INFORMATION PRO PRINCIPAL INVESTIGATOR(S)

B. CONTACT INFORMATION PRO PRINCIPAL INVESTIGATOR(S) A. EXPANSÃO DO BANCO DE DADOS DA COLEÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS (CPMA) DO CENTRO DE PESQUISAS PLURIDISCIPLINARES QUIMICAS, BIOLOGICAS E AGRICOLAS DA UNICAMP. B. CONTACT INFORMATION PRO PRINCIPAL

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Mariana Monteiro de Castro Ecologia comportamental da mirmecofauna em ambiente

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

elas: Rede de Sementes do

elas: Rede de Sementes do Meio ambiente 41 Sementes online Rede nacional envolvendo instituições de pesquisa e ONGs criará banco de dados sobre espécies florestais nativas brasileiras, com o objetivo de oferecer subsídios a ações

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN LOCALIZAÇÃO Pequena porção do Estado de São Paulo e Região Sul (principalmente Paraná e Santa Catarina)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO A caatinga é um bioma que se concentra na região nordeste do Brasil. Ocupando

Leia mais

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri)

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) ALERTA QUARENTENÁRIO MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) O agronegócio do cacau é um dos mais importantes para o Brasil por envolver cerca de 50.300 famílias, responsáveis pela geração de 500.000

Leia mais

10 DIVERSIDADE DE FORMIGAS EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM DA CAATINGA

10 DIVERSIDADE DE FORMIGAS EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM DA CAATINGA 10. Diversidade de Formigas 10 DIVERSIDADE DE FORMIGAS EM DIFERENTES UNIDADES DE PAISAGEM DA CAATINGA Inara R. Leal Introdução Embora as espécies de formigas constituam somente 1,5% da fauna de insetos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO FORMIGAS COMO CARREADORAS DE MICRORGANISMOS NO HOSPITAL ESCOLA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO- UBERABA/MG. MAXELLE MARTINS TEIXEIRA Uberaba-MG Novembro/2007

Leia mais

Plano ABC vai financiar 265 mil hectares

Plano ABC vai financiar 265 mil hectares Plano ABC vai financiar 265 mil hectares Uma linha de crédito com dinheiro farto, juro abaixo da inflação e prazo atraente, além de carência longa. Tudo isso para financiar a adoção de práticas sustentáveis

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: Estabelece mecanismos de participação no produto da arrecadação do ICMS gerado pela cadeia produtiva no município onde se localiza

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae)

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae) Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Avaliação de Mutualismo entre Acacia mangium Willd (Mimosaceae) e Formigas (Hymenoptera: Formicidae). Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd

Leia mais