Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO."

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenação de Pesquisa Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO. PESQUERO, M. A.¹; NEVES, K. C. F.² (1- Pesquisador-líder; 2- Aluna bolsista PBIC/UEG) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS OUTUBRO/2008

2 2 RESUMO A comunidade de formigas do Parque Ecológico de Morrinhos (GO), um fragmento de 800 ha de mata estacional semidecídua, foi avaliada segundo descritores de comunidades e grêmios. Um total de 136 espécies, pertencentes a 38 gêneros foi observado neste ambiente, sendo Pheidole e Camponotus os mais ricos em espécies. Os resultados demonstram que o ambiente, apesar da pequena área e proximidade com a malha urbana, apresenta-se preservado devido à grande riqueza de espécies pertencentes a grêmios bioindicadores de qualidade ambiental. Palavras-Chave: Guildas, Grêmios, Grupos funcionais, Bioma Cerrado.

3 3 INTRODUÇÃO Um instrumento relativamente simples de identificação ou avaliação de impactos ambientais é o indicador ambiental. Os indicadores ambientais podem ser definidos como fatores que refletem adequadamente as condições do habitat em estudo (FOWLER, 1998). Dentre os indicadores ambientais estão os bioindicadores, muito utilizados pela comunidade científica na avaliação de impactos ambientais, e os geoindicadores, ainda pouco utilizados. Oliveira et al. (2001) definem bioindicadores como animais ou plantas capazes de indicar mudanças que afetem a saúde de um ecossistema, e afirmam que a simples presença ou ausência de uma população pode servir como parâmetro a ser avaliado. Majer (1983) já afirmava que os bioindicadores não são apenas aqueles que indicam um ambiente particular devido à sua ausência ou presença, mas também são aqueles em que a abundância pode ser alterada devido às perturbações causadas pelo homem. Os invertebrados têm papel de destaque na restauração de um ecossistema (MAJER, 1989). Eles atuam em várias áreas funcionalmente importantes dos ecossistemas e comumente fornecem uma indicação mais realista do que as plantas (GREENSLADE & GREENSLADE, 1984; ROSEMBERG et al., 1986). As formigas destacam-se dos outros invertebrados terrestres pela dominância em quase todos os habitats, ocupando muitos nichos disponíveis (SILVA & BRANDÃO, 1999) e chegam a constituir mais de 15% da biomassa animal total nas comunidades (FITTKAU & KLINGE, 1973). Dentre as espécies de insetos descritas no mundo (LEWINSOHN & PRADO, 2002), (~10%) são de formigas (AGOSTI & JOHNSON, 2005). Elas são consideradas bons bioindicadores devido à amostragem rápida e econômica, distribuição geográfica ampla, sedentarismo das colônias, grande abundância local em indivíduos e espécies, importância funcional em todos os níveis tróficos, facilidade de identificação ao nível de morfoespécie e sensibilidade às alterações das condições ambientais (MAJER, 1983). A riqueza de espécies de formigas tem sido correlacionada positivamente com a complexidade de habitat, especialmente em áreas tropicais (MAJER, 1983; FOWLER et al., 1991). No Brasil, a estrutura de comunidades destes insetos tem sido utilizada tanto na avaliação de áreas preservadas de Mata Atlântica (FOWLER & PESQUERO, 1996) como degradadas por atividade mineradora (ROCHA, 2004; PEREIRA et al., 2007). O grau de degradação ou recuperação de uma área pode ser avaliado através da presença ou ausência de espécies raras ou indicadores de um estado sucessional definido, através de parâmetros populacionais, ou ainda caracterizando os grupos funcionais de

4 4 espécies dentro da comunidade. Silvestre et al. (2003) propõem uma análise descritiva através de grêmios, baseando-se em 51 categorias de 11 variáveis ecológicas, como modelo de comparação funcional entre comunidades de formigas. Apesar da região sul de Goiás apresentar traços de vegetação típica de Mata Atlântica, isolados em meio ao bioma predominante do Cerrado lato sensu, pouco se sabe sobre sua relação com a flora e fauna local e regional. Atitudes políticas, como a criação de unidades de conservação (BRASIL, 2005), protetoras deste patrimônio natural através de lei específica federal (BRASIL, 2006), têm garantido a sua existência face ao crescimento urbano e agropastoril no estado. Dessa forma, esta pesquisa propõe caracterizar a mirmecofauna do Parque Municipal de Morrinhos em grêmios, através de coletas sistemáticas com armadilhas-de-queda em solo, visando criar subsídios para a preservação deste importante fragmento de floresta. MATERIAIS E MÉTODOS O domínio da Mata Atlântica originalmente estendia-se ao longo da costa brasileira, do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Na Região Nordeste, ocupava a faixa costeira e encraves internos que chegavam ao Piauí e ao Ceará. Da Bahia para o Sul, avançava pelo interior, em amplitude variada. Nessa interiorização, cobria parte do território dos estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul, adentrando por terras da Argentina e do Paraguai. Hoje, na sua porção brasileira, a Mata Atlântica cobre não mais de oito por cento do seu território original (COSTA, 1995). Para os efeitos da lei federal nº , que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica (BRASIL, 2006), consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados: Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista (Mata de Araucárias); Floresta Ombrófila Aberta; Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual, bem como os manguezais, as vegetações de restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste. O Parque Municipal de Morrinhos, criado por lei municipal em maio de 1969, com função principal de proteger a nascente do córrego Maria Lucinda, localiza-se ao norte da área urbana do município de Morrinhos (17º43 35 S e 49º07 52 W) 790m e possui área aproximada de 800 ha. Ele é composto de espécies perenifólias (solo úmido) e semi-decíduas (solo seco), com dossel medindo até 25 m de altura. Várias espécies características de Mata Atlântica como o palmito-doce (Euterpe edulis Mart.), a peroba-rosa (Aspidospema cf. polyneurun M. Arg.), o jatobá (Hymenaea

5 5 courbaril L.), a garapa (Myroxylon cf. peuiferum L.F.) e o angico preto (Apuleia moralis (Vog.) Macbr.) entre outras, são comuns nesse ambiente. Na zona sul do parque ocorrem vários olhos d água que se unem formando o Córrego do Açude conferindo uma característica hidromórfica ao solo povoado de árvores com raízes tabulares e aéreas, samambaias e palmeiras. Segundo Heleno Ferreira (comunicação pessoal), o Parque é classificado como Floresta Estacional Semidecidual, uma das fisionomias reconhecidas do bioma Mata Atlântica. As formigas foram coletadas através de armadilhas-de-queda tipo pit-fall (SOUTHWOOD, 1978) dispostas em pontos a cada dois metros de distância uma da outra, formando seis quadrados de 25 armadilhas. As armadilhas utilizadas neste estudo são copos plásticos (500ml, 13cm de altura e 8,5cm de diâmetro) enterrados com a boca rente a superfície do solo, contendo 200ml de solução conservante (formol a 4% + 1 gota de detergente). Foram realizadas quatro coletas ao longo do ano (novembro de 2006, fevereiro, maio e agosto de 2007), sendo que as armadilhas permaneceram durante sete dias a cada período de coleta. As formigas foram separadas dos demais artrópodes, conservadas em álcool 70% e identificadas, através de estereoscópio binocular (10-40X) e chave dicotômica, em gênero (PALACIO & FERNÁNDEZ, 2003), morfoespécie e espécies quando possível. A comunidade de formigas foi descrita através dos parâmetros diversidade, eqüidade e dominância (MAGURRAN, 1988) e grêmios (SILVESTRE et al., 2003). RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram coletados indivíduos pertencentes a 136 espécies distribuídas entre as subfamílias Myrmicinae (68 espécies), Formicinae (31), Ponerinae (22), Dolichoderinae (8), Pseudomyrmecinae (5) e Ecitoninae (2) (Tab. 1). Mais de 70% dos indivíduos coletados pertencem à subfamília Myrmicinae, destacando-se quatro espécies de Pheidole, uma de Sericomyrmex e uma de Ochetomyrmex. Mais da metade das espécies (53%) foi considerada rara por apresentar menos de 10 indivíduos na comunidade (Fig. 1), corroborando os dados de Oliveira & Lozi (2004) para a mesma localidade. Os gêneros mais ricos em espécies foram Pheidole e Camponotus com 29 e 23 espécies, respectivamente, como encontrado em várias comunidades de formigas de florestas tropicais no Brasil (FOWLER & PESQUERO, 1996; OLIVEIRA & LOZI, 2004; MIRANDA et al., 2006). Esse é o registro mais setentrional de Gigantiops destructor (Fabricius) no Brasil, uma espécie encontrada

6 na Floresta Amazônica (KEMPF, 1970) e no bioma Cerrado ao norte de Goiás (SILVESTRE et al., 2003). 6 Tabela 1. Freqüências absoluta e relativa das espécies de formigas de soloserrapilheira em ambiente de floresta estacionária semidecídua em Morrinhos (GO). Táxon Freqüência absoluta Freqüência relativa PONERINAE (1.731) (0,1209) Anochetus sp1 24 0,0017 Anochetus sp2 1 0,0001 Ectatomma sp1 92 0,0064 Ectatomma sp ,0490 Gnamptogenys sp ,0145 Gnamptogenys sp2 15 0,0010 Gnamptogenys sp3 19 0,0013 Gnamptogenys sp4 2 0,0001 Gnamptogenys sp5 1 0,0001 Hypoponera sp1 7 0,0005 Hypoponera sp2 1 0,0001 Hypoponera sp3 1 0,0001 Hypoponera sp4 1 0,0001 Odontomachus sp ,0077 Odontomachus sp2 95 0,0066 Odontomachus sp3 34 0,0024 Odontomachus sp4 1 0,0001 Pachycondyla sp1 78 0,0054 Pachycondyla sp ,0119 Pachycondyla sp ,0257 Pachycondyla sp4 3 0,0002 Prionopelta sp. 5 0,0003 ECITONINAE (1.178) (0,0823) Eciton sp ,0599 Labidus praedator 320 0,0223 PSEUDOMYRMECINAE (38) (0,0026) Pseudomyrmex sp1 27 0,0019 Pseudomyrmex sp2 4 0,0003 Pseudomyrmex sp3 2 0,0001 Pseudomyrmex sp4 1 0,0001 Pseudomyrmex sp5 4 0,0003 DOLICHODERINAE (264) (0,0184) Azteca sp1 3 0,0002 Azteca sp2 2 0,0001 Dolichoderus sp. 1 0,0001 Linepithema sp ,0124 Linepithema sp2 20 0,0014 Linepithema sp3 47 0,0033 Linepithema sp4 2 0,0001 Linepithema sp5 11 0,0008 FORMICINAE (861) (0,0601) Brachymyrmex sp1 66 0,0046 Brachymyrmex sp2 1 0,0001 Brachymyrmex sp3 12 0,0008 Brachymyrmex sp4 16 0,0011 Camponotus sp ,0116 Camponotus sp ,0107 Camponotus sp3 21 0,0015 Camponotus sp4 16 0,0011 Camponotus sp ,0158 Camponotus sp6 3 0,0002 Camponotus sp7 4 0,0003

7 Camponotus sp8 1 0,0001 Camponotus sp9 4 0,0003 Camponotus sp10 7 0,0005 Camponotus sp11 5 0,0003 Camponotus sp12 1 0,0001 Camponotus sp13 7 0,0005 Camponotus sp14 9 0,0006 Camponotus sp15 5 0,0003 Camponotus sp16 3 0,0002 Camponotus sp17 1 0,0001 Camponotus sp18 1 0,0001 Camponotus sp19 1 0,0001 Camponotus sp20 1 0,0001 Camponotus sp21 1 0,0001 Camponotus sp22 1 0,0001 Camponotus sp23 1 0,0001 Gigantiops destructor 16 0,0011 Myrmelachista sp. 6 0,0004 Paratrechina sp1 92 0,0064 Paratrechina sp2 13 0,0009 MYRMICINAE (10.036) (0,7011) Acromyrmex sp ,0094 Apterostigma sp. 26 0,0018 Atta sexdens 101 0,0070 Carebara sp. 1 0,0001 Cephalotes sp1 2 0,0001 Cephalotes sp2 4 0,0003 Cephalotes sp3 1 0,0001 Crematogaster sp1 40 0,0028 Crematogaster sp2 6 0,0004 Crematogaster sp3 10 0,0007 Crematogaster sp4 1 0,0001 Cyphomyrmex sp1 30 0,0021 Cyphomyrmex sp2 15 0,0010 Cyphomyrmex sp3 2 0,0001 Cyphomyrmex sp4 5 0,0003 Cyphomyrmex sp5 5 0,0003 Hylomyrma sp1 1 0,0001 Hylomyrma sp2 2 0,0001 Leptothorax sp1 4 0,0003 Leptothorax sp2 1 0,0001 Megalomyrmex sp. 16 0,0011 Mycetagroicus sp. 28 0,0019 Mycocepurus sp1 36 0,0025 Mycocepurus sp2 2 0,0001 Myrmicocrypta sp. 19 0,0013 Ochetomyrmex sp ,0659 Pheidole sp ,2373 Pheidole sp ,0588 Pheidole sp ,0175 Pheidole sp ,0422 Pheidole sp5 89 0,0062 Pheidole sp ,0121 Pheidole sp ,0082 Pheidole sp8 78 0,0054 Pheidole sp9 1 0,0001 Pheidole sp ,0060 Pheidole sp ,0011 Pheidole sp ,0031 Pheidole sp ,0104 Pheidole sp ,0650 Pheidole sp15 1 0,0001 Pheidole sp16 6 0,0004 Pheidole sp17 4 0,0003 7

8 8 Pheidole sp ,0011 Pheidole sp19 1 0,0001 Pheidole sp20 8 0,0005 Pheidole sp ,0008 Pheidole sp22 1 0,0001 Pheidole sp23 1 0,0001 Pheidole sp24 2 0,0001 Pheidole sp25 1 0,0001 Pheidole sp26 3 0,0002 Pheidole sp ,0009 Pheidole sp28 4 0,0003 Pheidole sp29 1 0,0001 Sericomyrmex sp ,1001 Solenopsis sp1 33 0,0023 Solenopsis sp2 46 0,0032 Solenopsis sp3 16 0,0011 Solenopsis sp4 2 0,0001 Solenopsis sp5 1 0,0001 Strumigenys sp1 7 0,0005 Strumigenys sp2 1 0,0001 Strumigenys sp3 1 0,0001 Trachymyrmex sp. 6 0,0004 Wasmannia auropunctata 182 0,0127 Wasmannia sp2 16 0,0011 Wasmannia sp3 2 0,0001 Total Número de espécies ,01-0,02 0,13-0,14 0,27-0,28 0,61-0,62 0,93-0,94 1,23-1,24 2,56-2,57 6,58-6,59 Classes de freqüência (%) Figura 1. Distribuição das espécies de formigas segundo suas classes de abundância relativa.

9 9 Os resultados de descritores de comunidades obtidos neste estudo foram semelhantes aos encontrados por Oliveira & Lozi (2004) para a mesma localidade, com o índice de diversidade de Shannon Wiener H = 3,119 (3,833) e de eqüidade de Pielou J = 0,635 (0,672). O baixo índice de dominância de Simpsons D = 11,158 indica a presença de muitas espécies raras e poucas espécies comuns nessa comunidade. Tanto a riqueza como a diversidade de espécies encontradas no Parque Municipal de Morrinhos são superiores a ambientes de mata atlântica do litoral Brasileiro (FOWLER & PESQUERO, 1996; SCHÜTTE et al., 2007). É provável que estes resultados sejam conseqüências da heterogeneidade fitofisionômica que compõe o bioma Cerrado, aumentando o número de nichos disponíveis à mirmecofauna. Apesar dos altos valores obtidos, estes índices devem ser sub-estimados, uma vez que a metodologia de coleta para formigas arbóreas e do interior do solo não foram utilizadas neste estudo, como podemos observar pelos baixo número de mirmicines crípticas e dolicoderinaes arbóreas (Tab. 1). De acordo com os critérios estabelecidos por Silvestre et al. (2003) para formação de grêmios, a comunidade de formigas do ambiente analisado nesse estudo revelou a presença de 15 grêmios, distribuídos entre as 136 espécies (Tab 2.). Os grêmios mais diversos foram o de oportunistas de solo e vegetação e camponotinas generalistas, com grande participação dos gêneros Pheidole e Camponotus, respectivamente. As atines crípticas foram bem representadas, indicando boa qualidade ambiental, uma vez que elas necessitam da serrapilheira que protege o solo para nidificar. A presença de mirmicines e ponerines crípticas ajuda a reforçar essa hipótese. Apesar da metodologia de coleta ser específica para formigas de soloserrapilheira, várias espécies que habitam o extrato arbóreo foram representadas na comunidade, pertencentes aos grêmios das pseudomirmicines ágeis (exceto Gigantiops destructor), arbóreas pequenas de recrutamento massivo, cefalotines e dolicoderines arbóreas grandes, indicando que ambiente em questão oferece opções de nicho às espécies residentes. Outro grêmio, cuja riqueza vem corroborar o baixo estado de degradação deste ambiente é o de grandes predadoras generalistas, uma vez que espécies de Odontomachus e Pachycondyla são exigentes quanto à estratificação vegetal como indicado em ambiente de Mata Atlântica (FOWLER & PESQUERO, 1996). O gênero Dorymyrmex, muito encontrado em áreas perturbadas (FOWLER & PESQUERO, 1996; SOARES et al., 2006), não foi observado neste ambiente.

10 Tabela 2. Grêmios de espécies pertencentes à comunidade de formigas de soloserrapiheira em ambiente de mata estacional semidecídua em Morrinhos (GO). 10 Grêmios Gêneros Nº espécies Grandes predadoras epigeicas Ectatomma, Odontomachus e 10 Pachycondyla Pseudomirmicines ágeis Pseudomyrmex e Gigantiops 6 Espécies nômades Eciton e Labidus 2 Cortadeiras Atta e Acromyrmex 2 Atines crípticas Apterostigma, Cyphomyrmex, 12 Mycetagroicus, Mycocepurus, Myrmicocrypta, Sericomyrmex e Trachymyrmex Dominantes onívoras epigeicas Camponotus, Ochetomyrmex e 7 Pheidole Oportunistas de solo e vegetação Brachymyrmex, Megalomyrmex, 33 Paratrechina e Pheidole Camponotinas generalistas Camponotus 19 Arbóreas pequenas de recrutamento Azteca Crematogaster, 15 massivo Leptothorax, Linepithema e Wasmannia Especialistas mínimas de vegetação Myrmelachista 1 Especialistas mínimas de solo Carebara, e Solenopsis 8 Cefalotines Cephalotes 3 Dolicoderines arbóreas grandes Dolichoderus e Camponotus 2 Mirmicines crípticas predadoras Hylomyrma e Strumigenys 4 especialistas Ponerines crípticas predadoras Anochetus, Gnamptogenys, 12 especialistas Hypoponera e Prionopelta Total =

11 11 CONCLUSÕES Apesar da pequena extensão territorial deste fragmento de vegetação de fisionomia de Mata Atlântica dentro do bioma Cerrado no estado de Goiás, os descritores de comunidade da mirmecofauna, demonstram que o ambiente apresenta relevante importância ecológica por abrigar grande número de espécies, dentre as quais aquelas pertencentes a grêmios indicadores de baixa degradação ambiental. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGOSTI, D. & N. F. JOHNSON (ed.) Antbase. World Wide Web electronic publication. antbase.org, version (05/2005). Disponível em Acessado em 25/07/2008. BRASIL CEMARH-CEMAm. Resolução nº 42/2005. Dispõe sobre a criação da Unidade de Conservação e Proteção Integral no município de Água Limpa/GO, denominado Parque Estadual da Mata Atlântica. Acessado em 22/03/2007. BRASIL Lei Federal nº "Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências". Disponível em Acessado em 30/05/2008. COSTA, J.P.O A reserva da biosfera da Mata Atlântica: Roteiro para o entendimento de seus objetivos e seu sistema de gestão. Cadernos da RBMA. 2(2): FITTKAU, E.J. & H. KLINGE On biomass and trophic structure of the central Amazonian rain forest ecosystem. Biotropica 5(1): FOWLER, H. G Provas de melhoria ambiental. Ciência Hoje. 24(142): FOWLER, H. G., L. C. FORTI, C. R. F. BRANDÃO et al., Ecologia nutricional de formigas p. In PANIZZI, A. R. & J.R.P. PARRA (eds.) Ecologia nutricional de insetos. São Paulo: Manole. FOWLER, H.G. & M. A. PESQUERO Ant assemblages (Hymenoptera: Formicidae) of the Ilha do Cardoso State Park and their relation with vegetation types. Rev. Brasil. Biol. 56(2): GREENSLADE, P. J.M., P. GREENSLADE Invertebrates and environmental assessment. Enviromental and Planning, 3: JAMES, A., L. EVISON Biological indicators of water quality. England: John Wiley,. KEMPF, W. W Levantamento das formigas da Mata Amazônica nos arredores de Belém do Pará, Brasil. Stud. Entomol. 13:

12 LEWINSOHN, T. M. & P. I. PRADO Biodiversidade brasileira: Síntese do estado atual do conhecimento. São Paulo: Contexto, 176p. MAGURRAN, A. E Ecological diversity and its measurements. Princeton: Princeton University Press., 179p. MAJER, J.D Ants: bio-indicators of minesite rehabilitation, land use, and land conservation. Environ. Manag. 7: MAJER, J. D Animals in primary sucession: the role of fauna in reclamed lands. Cambridge: Cambridge University Press, 547p. MIRANDA, M., V. B. ANDRADE, G. D. V. MARQUES Mirmecofauna (Hymenoptera, Formicidae) em fragmento urbano de mata mesófila semidecídua. Rev. Bras. Zooc. 8 (1): OLIVEIRA, R. R., B. I. SOZA, C. W. MARTIN et al., Evolução de estruturas de ciclagem em cinco estágios sucessionais na R.B. Praia do Sul, R.J. In Anais do XLV Congresso Nacional de Botânica Resumos São Leopoldo do Sul, R.S. p OLIVEIRA, A. M. & L. P. LOZI Levantamento da fauna de formigas epigéicas Hymenoptera, Formicidae do Parque Ecológico Municipal em Morrinhos-GO. P: 136, In XXV Congresso Brasileiro de Zoologia: Resumos. Brasília: Sociedade Brasileira de Zoologia, 8 a 13 de fevereiro de disponível em: Acessado em 15/06/2008. PALACIO, E. E. & F. FERNÁNDEZ Clave para las subfamilias y gêneros p. In FERNÁNDEZ, F. (ed.) Introducción a las hormigas de la región Neotropical. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt, 398p. PEREIRA, M. P. S., J. M. QUEIROZ, R. VALCARCEL et al., Fauna de formigas como ferramenta para monitoramento de área de mineração reabilitada na Ilha da Madeira, Itaguaí, RJ. Cienc. Florest. 17(3): ROCHA, P. S Validação de bioindicadores de recuperação de áreas degradadas por minerações de bauxita em Poços de Caldas, MG. Rio Claro, SP, UNESP-IGCE, Dissertação de mestrado, 183p. ROSENBERG, D. M., H. V. DANKS, D. M. LEHMKUHL Importance of insects in environmental impact assessment. Environmental Management. 10: SCHÜTTE, M. S., J. M. QUEIROZ, A. J. MAYHÉ-NUNES et al., Inventário estruturado de formigas (Hymenoptera, Formicidae) em floresta ombrófila de encosta na ilha da Marambaia, RJ. Iheringia 97(1): SILVA, R. R. & C. R. F. BRANDÃO Formigas (Hymenoptera: Formicidae) como indicadoras da qualidade ambiental e da biodiversidade de outros invertebrados terrestres. Biotemas 12(2):

13 SILVESTRE, R., C. R. F. BRANDÃO, R. R. SILVA Grupos funcionales de hormigas: el caso de los grêmios del Cerrado p. In FERNÁNDEZ, F. (ed.) Introducción a las hormigas de la región Neotropical. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt, 398p. SOARES, N. S., L. O. ALMEIDA, C. A. GONÇALVES et al., Levantamento da Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) na Região Urbana de Uberlândia, MG. Neotrop. Entomol. 35(3): SOUTHWOOD, T.R.E Ecologial methods. 2 ed. London: Chapmam & Hall, 524p. 13

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FENOLOGIA DE INSETOS EPIGEICOS EM FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA DO PARQUE ECOLÓGICO

Leia mais

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M.

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M. FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM REABILITAÇÃO NA ILHA DA MADEIRA, RJ. 1 Acadêmico de engenharia florestal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 2 Departamento de Ciências

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007.

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 3, p. 197-204, jul-set, 2007 197 ISSN 0103-9954 FAUNA DE FORMIGAS COMO FERRAMENTA PARA MONITORAMENTO DE ÁREA DE MINERAÇÃO REABILITADA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ,

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Santos, Márcia P. C. J.; Carrano-Moreira, Alberto F.; Torres, Jorge B.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS Leonardo Balestro Lopes Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida leonardo.bl@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais April - June 2002 187 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais CIDÁLIA G.S. MARINHO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga.

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga. CARACTERIZAÇÃO DA MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA - FORMICIDAE) ASSOCIADA À VEGETAÇÃO PERIFÉRICA DE INSELBERGS (CAATINGA - ARBÓREA - ESTACIONAL - SEMI- -DECÍDUA) EM ITATIM - BAHIA - BRASIL 33 Gilberto Marcos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA FLORESTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL EFEITO DE BORDA

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL RESUMO Fábio Zanella Farneda 1 Junir Antonio Lutinski 2 Flávio Roberto Mello Garcia 2,3

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS Diversidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) associadas na serapilheira da população de palmeiras (Palmae)

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO LEVANTAMENTO DE FORMICÍDEOS DE FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE ENG. PAULO DE FRONTIN, RJ (HYMENOPTERA,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES, CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS RECOLONIZAÇÃO DO SOLO POR FORMIGAS EM ÁREAS REABILITADAS E NÃO REABILITADAS

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa no município de Capitão, Rio Grande do Sul Fabiane Rodrigues da Silva Fröhlich 1, Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen 2,

Leia mais

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA LAVRAS - MG 2014 WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS

DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS DIVERSIDADE ENTOMOFAUNÍSTICA EM TRÊS FITOFISIONOMIAS DE UMA RESERVA AMBIENTAL EM COXIM-MS ENTOMOFAUNÍSTICA DIVERSITY IN THREE FITOFISIONOMIAS OF AN ENVIRONMENTAL RESERVE IN COXIM-MS Patrícia Souza de Almeida

Leia mais

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera:

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Formicidae) numa parcela de floresta plantada de Eucalyptus grandis, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Jardel Boscardin

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL JAMES MACHADO BILCE 1, SOLANGE APARECIDA ARROLHO DA SILVA

Leia mais

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 13 FORMIGAS Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 257 INTRODUÇÃO Todas as espécies de formigas pertencem à família Formicidae,

Leia mais

MAGNO LIMA TRAVASSOS DE OLIVEIRA RELAÇÕES TRÓFICAS EM ASSEMBLÉIAS DE FORMIGAS E LAGARTOS EM ÁREAS DE RESTINGA DA BAHIA SALVADOR

MAGNO LIMA TRAVASSOS DE OLIVEIRA RELAÇÕES TRÓFICAS EM ASSEMBLÉIAS DE FORMIGAS E LAGARTOS EM ÁREAS DE RESTINGA DA BAHIA SALVADOR MAGNO LIMA TRAVASSOS DE OLIVEIRA RELAÇÕES TRÓFICAS EM ASSEMBLÉIAS DE FORMIGAS E LAGARTOS EM ÁREAS DE RESTINGA DA BAHIA SALVADOR 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA

Leia mais

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Manoel Fernando Demétrio

Manoel Fernando Demétrio UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENTOMOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. BIODIVERSIDADE DE FORMIGAS DE SERAPILHEIRA DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DA BODOQUENA MS.

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Campus Luiz Meneghel Projeto de pesquisa LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE PTERIDÓFITAS NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO Ricardo Vinícius Zandonadi Bandeirantes

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e http://revistas.unlp.edu.ar/index.php/domus/issue/current/showtoc AUGMDOMUS, 3:10-19, 2011 Asociación de Universidades Grupo Montevideo ISSN:1852-2181 Avaliação comparativa de iscas atrativas a partir

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos BIOMAS ESTADO DE SÃO PAULO O que é vegetação nativa? O conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil Floresta e Ambiente 2015; 22(1):88-98 http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.0049 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo Original Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

Formigas arbóreas e de serapilheira

Formigas arbóreas e de serapilheira v. 3, n. 5 Dezembro/Janeiro - 2010/2011 ISSN 1983-3687 Distribuição Gratuita INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS - MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS Formigas arbóreas e de serapilheira

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL.

Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL. Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANA-UENP Cornelio

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES SILVIA SAYURI SUGUITURU ANÁLISE DE COMUNIDADES DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA COM PLANTIO DE Eucalyptus spp. (MYRTACEAE: MYRTALES) Prof

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 Teresina, 16 de Setembro de 2010. PARECER TÉCNICO N 12 / 2010 OBJETO: Vistoria e Análise do Relatório de Controle Ambiental (RCA) do Loteamento

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1 ENTOMOTROPICA Vol. 29(3): 173-182. Diciembre 2014. ISSN 1317-5262 Relação entre guildas de formigas e a qualidade ambiental em Eucalyptus grandis submetido a diferentes controles de plantas infestantes

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS 2014 ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS Conceitos ecológicos Fatores bióticos e abióticos Ecossistemas e Agroecossistemas Relação entre

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

INTERAÇÕES ENTRE FORMIGAS E DIÁSPOROS DE ESPÉCIES VEGETAIS DA MATA ATLÂNTICA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, NOVA IGUAÇU, RJ, BRASIL.

INTERAÇÕES ENTRE FORMIGAS E DIÁSPOROS DE ESPÉCIES VEGETAIS DA MATA ATLÂNTICA NA RESERVA BIOLÓGICA DO TINGUÁ, NOVA IGUAÇU, RJ, BRASIL. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL INTERAÇÕES ENTRE FORMIGAS E DIÁSPOROS DE ESPÉCIES VEGETAIS DA MATA ATLÂNTICA NA RESERVA BIOLÓGICA

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil.

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil. LEVANTAMENTO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: AMAZONAS, BRASIL. Ana Paula Coelho MARQUES 1, 2, Rosaly ALE-ROCHA 1, José Albertino RAFAEL 1 RESUMO - Apresenta-se os resultados do levantamento de formigas que infestam

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest.

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest. Lundiana 9(1):41-47, 2008 2009 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Associação de Eremanthus erythropappus (DC.) McLeish (Asteraceae) com formigas e sua relação com a mirmecofauna do

Leia mais