UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LABCEO MBA - GERENCIAMENTO DE PROJETOS ALAN TEIXEIRA DE FIGUEIREDO GUSTAVO RIOS AUTRAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LABCEO MBA - GERENCIAMENTO DE PROJETOS ALAN TEIXEIRA DE FIGUEIREDO GUSTAVO RIOS AUTRAN"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE LABCEO MBA - GERENCIAMENTO DE PROJETOS ALAN TEIXEIRA DE FIGUEIREDO GUSTAVO RIOS AUTRAN ANÁLISE DE RISCOS EM PROJETOS DE INFRAESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E REDES DE DADOS ORIENTADOR Prof. Sergio Ricardo de Magalhães Souza, M.Sc. COORDENADOR ACADÊMICO Prof. José Rodrigues de Farias Filho, D.Sc. NITERÓI, SETEMBRO 2010

2 ALAN TEIXEIRA DE FIGUEIREDO GUSTAVO RIOS AUTRAN ANÁLISE DE RISCOS EM PROJETOS DE INFRAESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E REDES DE DADOS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao LABCEO da Universidade Federal Fluminense para a obtenção do diploma de Especialista em Gerenciamento de Projetos Orientador Prof. Sergio Ricardo de Magalhães Souza, M.Sc. Coordenação Acadêmica Prof. José Rodrigues de Farias Filho, D.Sc. NITERÓI, SETEMBRO 2010

3 ALAN TEIXEIRA DE FIGUEIREDO GUSTAVO RIOS AUTRAN ANÁLISE DE RISCOS EM PROJETOS DE INFRAESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E REDES DE DADOS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao LABCEO da Universidade Federal Fluminense para a obtenção do diploma de Especialista em Gerenciamento de Projetos Monografia apresentada e defendida em 11/09/2010 Banca Examinadora Luiz Carlos Brasil de Brito Mello, D.Sc. Manoel Franklin de Sá, M.Sc. Telma Silva Gonçalves, M.Sc. NITERÓI, SETEMBRO 2010

4 Ao meu pai, José Soares de Figueiredo, que em vida foi minha referência de caráter, honestidade e amor e hoje permanece em minha mente como exemplo de pai que um dia gostaria de ser. À minha mãe, Maria da Conceição, exemplo de determinação e dedicação à família, grande responsável pela minha saúde e educação. À minha esposa, Danielle, com seu humor, companheirismo e compreensão tem me apoiado na dura jornada da vida com muito amor e carinho. À minha irmã, Andréa, sua família e a todos os familiares e amigos dos quais a vida atribulada me obrigou a reduzir o convívio. Ao meu orientador, Professor Sérgio Ricardo, que teve a paciência e a sabedoria necessárias para nos auxiliar neste trabalho. Às amizades que construí no decorrer do curso, especialmente ao companheiro de trabalho, Gustavo, pela seriedade e dedicação durante todo o curso. Que essa amizade perdure por uma vida. Alan Teixeira de Figueiredo

5 Aos meus pais, Américo e Antonia, que me ensinaram a valorizar o estudo como complemento fundamental aos valores humanos. Ao meu filho, Gustavo, sempre carinhoso e compreensivo em meus defeitos e dificuldades. Meu companheiro pra toda vida. A minha querida amiga Ana Paula, pelo incentivo mais sincero, uma fonte de determinação. Àquele que me acompanha durante todo o curso, Alan, pela parceria de projeto final bem desenvolvida e pela grande amizade construída. Ao nosso orientador, professor Sérgio Ricardo, nos momentos mais decisivos, indicando o melhor caminho a seguir no projeto. Gustavo Rios Autran

6 AGRADECIMENTOS A todas as empresas, colegas de trabalho e clientes que nos proporcionaram experiências essenciais para a confecção deste trabalho. A todos os professores que contribuíram para nossa formação e nos orientaram na busca pelo conhecimento. Alan Teixeira de Figueiredo Gustavo Rios Autran

7 Não prever, é já lamentar. (DA VINCI)

8 RESUMO O presente trabalho tem como objetivos levantar e analisar os problemas intrínsecos aos projetos que envolvem infraestrutura de telecomunicações e redes e propor soluções para os riscos envolvidos neste tipo de projeto em médias e grandes empresas. Este estudo também pode auxiliar empresas com problemas pontuais em serviços específicos, e pequenas empresas que desejam instalar ou ampliar sua rede de telecomunicações. O trabalho é introduzido com o cenário atual de tecnologia e de necessidades empresariais, que levam às motivações técnicas e econômicas para a instalação de novas redes e melhoria das atuais. Em seguida são apresentadas, de forma sucinta, as técnicas de Gerência de Riscos em Projetos. As técnicas apresentadas são aplicadas da forma mais abrangente possível a um projeto fictício de infraestrutura de rede, usando as referências listadas e a experiência dos autores como base. Por fim, são apresentadas as conclusões que reafirmam a importância do gerenciamento de riscos e da experiência do gerente de projetos para obter êxito em projetos desta natureza. Palavras-Chave: Gerenciamento de Riscos; Redes de Computadores; Telecomunicações.

9 ABSTRACT The objectives of the present work are to identify and analyze the intrinsic problems of telecommunications and networks projects and to consider solutions for the involved risks in this kind of project in medium-sized and big companies. This study can also assist companies with punctual problems in specific services, and help small companies, those need to install or extend their telecommunications networks. The work is introduced with the current technology scene and the enterprises needs, those take to technical and economical motivations for networks upgrades and new networks installations. Then are presented, succinctly, the Project Risk Management techniques. The presented techniques are applied, the most possible including, to a fictitious infrastructure project, using the listed references and the authors experience. Finally, the conclusions are presented those reaffirm the importance of the risk management and the project manager's experience to meet the success in projects of this nature. Keywords: Risk Management; Computer Networks; Telecommunications.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 relação do gerenciamento de riscos e demais áreas de gerenciamento 21 Figura 2 fatores internos e/ou externos de diferentes naturezas de riscos 22 Figura 3 diagrama de processos de gerenciamento de riscos 24 Figura 4 rede de telecomunicações da companhia de gás 49

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 lista de atributos do risco 26 Tabela 2 pontuação do risco: probabilidade X impacto 27 Tabela 3 avaliação de impacto nas áreas de projeto 28 Tabela 4 lista de atributos com análise e resposta ao risco 34 Tabela 5 matriz de responsabilidade por processos de riscos 54 Tabela 6 campos do registro de riscos 56 Tabela 7 matriz de probabilidade do risco versus impacto no custo 58 Tabela 8 matriz de probabilidade do risco versus impacto no prazo 58 Tabela 9 campos para documentar o monitoramento 60

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO ESTUDO SITUAÇÃO-PROBLEMA JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO ESTUDO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos HIPÓTESES E QUESTÕES METODOLOGIA DE PESQUISA DELIMITAÇÃO DO ESTUDO REVISÃO TEÓRICA ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO REFERENCIAL TEÓRICO GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE RISCOS PLANO PARA GESTÃO DE RISCOS LEVANTAMENTO DOS RISCOS AVALIAÇÃO DOS RISCOS TRATAMENTO DOS RISCOS MONITORAMENTO DOS RISCOS COMUNICAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DOS RISCOS METODOLOGIA DA PESQUISA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA DA PESQUISA ESTUDO DE CASO O ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES INICIAIS APRESENTAÇÃO DO ESTUDO DE CASO MODELO PROPOSTO CONSIDERAÇÕES INICIAIS 53

13 6.2. PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS LEVANTAMENTO DOS RISCOS AVALIAÇÃO DOS RISCOS TRATAMENTO DOS RISCOS MONITORAMENTO E DOCUMENTAÇÃO DOS RISCOS CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS CONSIDERAÇÕES FINAIS ANÁLISE DAS QUESTÕES RECOMENDAÇÕES DE TRABALHO FUTUROS 62 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 63 APÊNDICES 64

14 1. INTRODUÇÃO O cenário competitivo atual gera a necessidade de diminuir custos e prazos no processo produtivo e na entrega de serviços e exige a melhoria da qualidade destes produtos e serviços. De acordo com Alencar e Schmitz (2010), (...) toda organização precisa inovar constantemente, caso contrário ela simplesmente desapareceria no decorrer do tempo. Estas necessidades de mercado incentivaram a criação de diversas soluções de software de gerenciamento empresarial que demandam cada vez mais uma infraestrutura de telecomunicações e redes com alta flexibilidade, disponibilidade e confiabilidade. Outra necessidade das empresas muito capilarizadas é a comunicação entre filiais e matriz e destas com seus compradores e fornecedores. Essa comunicação, na maioria dos casos, é peça fundamental para o sucesso do negócio. A grande busca das empresas no que diz respeito a telecomunicações e redes é por uma capacidade cada vez maior de transferência de dados (incluindo voz e vídeo) com alta disponibilidade e com preços cada vez menores. O surgimento de novas tecnologias e da concorrência neste mercado desde o final da última década em conjunto com as necessidades citadas acima, gerou uma nova onda de investimentos em infraestrutura de telecomunicações que ainda está em andamento. Como poderá ser observado, os riscos deste tipo de projeto são bastante diversificados e vão bem além da tecnologia e da boa disposição do gerente de projetos. Será mostrado que um bom plano de riscos é fator determinante para obter êxito neste tipo de trabalho. E que não se deve subestimar nem mesmo as atividades mais simples, quando estas dependem de infraestrutura externa e de grandes operadoras.

15 2. APRESENTAÇÃO DO ESTUDO 2.1. SITUAÇÃO-PROBLEMA A área de Tecnologia da Informação e o serviço de comunicação de dados têm grande importância para a empresa, porém, estas atividades são apenas suporte para o negócio da empresa. Existe um custo elevado em se manter profissionais constantemente atualizados em tecnologia e em contato com fornecedores para a realização de projetos esporádicos e altamente específicos que exigem não só capacitação técnica como também traquejo para lidar com uma diversa gama de fornecedores de vários portes. Assim, ao iniciar um projeto que envolva mudanças na infraestrutura de redes da empresa, ela está exposta a uma série de eventos indesejáveis que podem ser evitados ou minimizados através de um planejamento minucioso e com a experiência do gerente de projetos na condução deste. Soma-se à questão da especificidade deste tipo de projeto a falta de padrão encontrado nas empresas, ou seja, a falta de aplicação de metodologia e de documentação e histórico para auxiliar o trabalho do gerente de projetos JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO ESTUDO São diversas as razões que levaram os autores a iniciar este trabalho. Certamente, a principal motivação foi a necessidade de discutir e publicar as experiências, principalmente as negativas, para que se possa ter um melhor aproveitamento de recursos e melhorar o desempenho global neste tipo de projeto. Destaca-se que os eventos aqui descritos são ocorrências reais e, portanto, servem como lições aprendidas para outros profissionais da área.

16 2.3. OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é a criação de uma metodologia para o planejamento dos riscos em projetos na área de Redes Corporativas e Telecomunicações, mais especificamente em projetos que envolvam a contratação e instalação de equipamentos e circuitos de comunicação Objetivos Específicos Os objetivos específicos deste trabalho são: A criação de um plano de gerenciamento de riscos para um projeto de migração da infraestrutura de comunicações do centro de operações de uma empresa concessionária de Gás Natural; A criação de um plano que possa ser complementado por outros profissionais sendo adaptado às novas tecnologias e problemas que surjam com o tempo; O fomento da discussão sobre a análise e gerência de risco em projetos; e A criação de documentação dos riscos e lições aprendidas do caso em estudo HIPÓTESES E QUESTÕES As principais questões que serão respondidas ao longo desta jornada são: Qual a importância da aplicação de uma metodologia para tratar riscos em projetos de telecomunicações e redes? E qual o impacto de não tratar estes riscos? Qual a importância da experiência e das habilidades do gerente de projetos neste tipo de projeto?

17 2.5. METODOLOGIA DA PESQUISA A metodologia aplicada neste trabalho é do tipo qualitativa, embasada em estudo de caso, como definido por Robert Yin(2005). Para a criação de um plano de gerenciamento de riscos consistente, procurou-se fazer um levantamento de projetos relacionados existentes nas bases de dados das empresas onde os autores trabalham. Além disso, foi realizada uma pesquisa de boas práticas em gerenciamento de projetos em literaturas existentes DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Este estudo se limita à análise do problema proposto, ou seja, a migração da infraestrutura de comunicações para atendimento a uma mudança de localidade do centro operacional da concessionária de gás, com as especificações da rede proposta, à criação de um plano de gerenciamento de riscos para este problema e à criação de recomendações que sirvam de apoio para outros profissionais REVISÃO TEÓRICA Uma das principais contribuições para o referencial teórico deste trabalho é do PMI (Project Management Institute), do livro A Guide to the Project Management Body of Knowledge - PMBOK Guide (2008) que é um padrão internacionalmente reconhecido para o gerenciamento de projetos. Uma citação também destacada se faz ao autor Paulo Baraldi. Em seu livro Gerenciamento de Riscos Empresariais (2005), ele cita: Gerenciar estes riscos e oportunidades é uma tarefa árdua e gratificante, que requer um constante, integrado e equilibrado uso de competências, de atitudes proativas e de controles internos.

18 2.8. ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO O presente capítulo apresenta uma introdução ao trabalho e informa as questões e objetivos que nortearam todo o trabalho. No capítulo 2 são apresentados o panorama da gerência de riscos em projetos e sua base teórica com a apresentação de técnicas e modelos que serão utilizados no desenvolvimento do trabalho. O capítulo 3 explica a importância de utilização de metodologia de pesquisa científica no trabalho. Teoriza sobre o tema e aponta o método escolhido para o desenvolvimento. No capítulo 4 é apresentado o estudo de caso. O projeto real com suas características e as situações envolvidas. No capítulo 5 é desenvolvido o plano de gerenciamento de riscos para o projeto. Para isso serão utilizados os capítulos anteriores como entradas. Assim, este capítulo é o produto da base teórica apresentada em capítulos anteriores com diretrizes apresentadas no primeiro capítulo, aplicado ao estudo de caso. O capítulo 6 conclui o trabalho com uma análise dos resultados obtidos, a comparação com o material existente na literatura e recomendações para trabalhos futuros.

19 3. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1. GESTÃO DE PROJETOS Na definição do PMBOK (2008) para gestão de projetos, ou gerenciamento de empreendimentos, encontra-se: aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto de modo a atingir seus requisitos. Harold Kerzner (2000) diz que o gerenciamento de empreendimentos trata-se do planejamento, programação e controle de uma série de tarefas integradas de forma a atingir seus objetivos com êxito.... Dentro da área de gestão de projetos podem-se encontrar publicações e organizações que apontam para normas, métodos e recomendações a respeito. Como exemplos: PMI (Project Management Institute), cuja referência é o PMBOK (2008), que é um conjunto de melhores práticas na gestão de projetos. BSI (British Standards Institution), cuja referência é o Guide to Project Management, que são normas, identificadas pelo código BS :2000. AIPM (Australian Institute Of Project Management), cuja referência é o NCSPM, que adota como base as práticas do PMBOK (2008). Nesse trabalho são abordadas principalmente as melhores práticas indicadas pelo PMI, amplamente difundidas no mundo. Nessa linha são listadas aqui as nove áreas de conhecimento na gerência de projetos: Integração, Escopo, Tempo, Custo, Qualidade, Recursos Humanos, Comunicação, Riscos e Aquisições. Cada área de conhecimento é composta por processos de gerenciamento. Esses processos são organizados também de outra forma, conforme o PMI, em grupos assim definidos: Iniciação processos de autorização de início do projeto Planejamento processos de definição e refinamento dos objetivos e de planejamento das ações para alcançar esses objetivos e requisitos do projeto.

20 Execução processos de coordenação de pessoas e de outros recursos para execução do planejado. Controle processos de garantia de que os objetivos do projeto são alcançados, através de monitoramento do progresso; e de ações tomadas na identificação de desvios do planejado. Encerramento processos de formalização de aceite das entregas do projeto. De uma forma geral, encadeadas, as saídas de um processo de gerenciamento são entradas para outro(s) processo(s). A aplicação contínua de metodologia específica ou de melhores práticas, como as do PMBOK (2008), na gestão de seus projetos por uma empresa, a leva a uma evolução nos resultados. Sendo conhecido como grau de maturidade na gestão de projetos. Podendo ser medido em vários modelos criados para isso, como o CMMI (Capability Maturity Model Integration). Na medida em que uma empresa quer evoluir sua maturidade na gestão de projetos, torna-se mais importante implementar uma gestão de riscos adequada GESTÃO DE RISCOS A consideração de riscos, inerentes a cada atividade programada, é elemento fundamental na gestão do projeto. De um conjunto de processos deve-se valer o gerente do projeto para acompanhar as incertezas existentes no projeto. É ponto central de uma boa gestão a identificação e tratamento dessas incertezas. Processos da gestão de riscos são aplicáveis a todas as fases de um projeto. A partir da sua concepção e sua viabilidade, durante seu desenvolvimento, até sua conclusão. A Figura 1 aponta como a gestão de riscos está diretamente envolvida com todas as demais áreas de conhecimento do gerenciamento de projeto, segundo o PMBOK (2008).

21 Segundo Max Wideman (1992), cada uma dessas associações deve ser considerada como de responsabilidade conjunta no gerenciamento de riscos. Wideman (1992) diz ainda que a falta de reconhecimento da gestão de riscos no projeto pode causar perdas desnecessárias, freqüentemente perdas substanciais, ou ainda, a falha completa do empreendimento. A gestão de riscos é cada vez mais identificada, não somente pelos aspectos negativos do risco, mas dizendo respeito aos aspectos positivos também. Uma das visões ao que o risco está relacionado é a capacidade de enxergar o futuro, de modo a tomar ações mais indicadas e necessárias para minimizar possíveis danos e ameaças, como também para maximizar as oportunidades. As principais atividades conduzidas pela gestão de risco no projeto são: melhoria na identificação de ameaças e oportunidades; qualificação e quantificação das incertezas; planejamento de ações pró-ativas, ao invés de sempre reativas; melhoria no gerenciamento de incidentes com redução nas perdas; ferramentas para

22 monitoramento e controle, com respostas programadas na ocorrência de riscos já levantados. Um projeto está sujeito a riscos que podem ser de origem externa ou interna. A Figura 2 expõe exemplos de riscos principais, mostrando que alguns deles respondem aos fatores tanto internos como externos. Mostra riscos de diversas naturezas, e presentes em diferentes áreas do negócio. O uso formal de técnicas de gestão de riscos para gerenciar incertezas em projetos já é difundido em muitos setores. Em algumas áreas sendo de uso obrigatório, e por isso, exigido pelas organizações clientes. Apesar da aparente disseminação da importância da gerência de riscos, sua aplicação é de alguma forma variável. Muitas empresas adotam uma abordagem mínima, fazendo somente o que é necessário para cumprir os requisitos obrigatórios de contrato ou legislação. Ou atravessando os processos de risco sem

23 comprometimento com as técnicas e resultados, sob receio de maiores impactos na estratégia adotada. Um aspecto significativo é o consenso sobre as melhores práticas dentro do gerenciamento de riscos em um projeto. No cenário atual existe acordo sobre seus fundamentos, como existe um grau de maturidade desenvolvido para algumas áreas. O gerenciamento de riscos também recebeu reconhecimento, há algum tempo, pelo domínio que representa e pelo apoio ferramental prático disponível. Existe uma crescente base acadêmica para o assunto PLANO PARA GESTÃO DE RISCOS Durante a fase de planejamento do projeto ocorre a maior parte dos processos da gestão do risco. Nesse momento se faz o levantamento e o estudo das incertezas sobre o projeto. O plano de gerenciamento de riscos é o primeiro produto a ser gerado. A partir do plano de gerenciamento do projeto, de regras para tratamento de riscos pelas organizações envolvidas e de práticas empresariais da gestão do risco, planeja-se todas as atividades relacionadas à gestão do risco no empreendimento. O plano de gerenciamento de riscos ajuda a proteger os objetivos do projeto. Apresenta uma estrutura de apoio ao desenvolvimento do projeto, orientando para que as atividades futuras transcorram de forma mais consistentes e controladas. Esse documento pode conter a indicação de uma metodologia a seguir exemplos na área de TI (Tecnologia da Informação): COBIT e ITIL ou se deve seguir um modelo padrão já praticado na empresa que sofre a implantação do projeto. O documento deve conter papéis e responsabilidades na gestão dos riscos. Deve apontar para os dados históricos, no caso de se decidir pela utilização destes. O documento precisa apresentar aspectos comportamentais da empresa em relação à tolerância a riscos.

24 A Figura 3 mostra um modelo de relacionamento entre processos de gerenciamento de risco, acordado entre as principais organizações da gestão do risco na Grã- Bretanha: IRM, AIRMIC e ALARM. Um exemplo de modelo que pode constar no plano de gerenciamento de risco LEVANTAMENTO DOS RISCOS A identificação dos riscos é a primeira etapa no levantamento. Deve ser abordada de forma metódica. Como objetivo, procura garantir que para todas as atividades da WBS, todos os riscos delas decorrentes foram relacionados.

25 É importante que a categorização do risco acompanhe sua identificação: se o risco se traduz em ameaça ou oportunidade, qual a causa do risco e qual o seu efeito. Algumas ferramentas e técnicas comumente utilizadas para identificação dos riscos são: Checklists Listas de verificação baseadas em experiências de outros gerentes, muitas vezes já aplicadas em empreendimentos semelhantes anteriores. A utilidade dessas é extremamente alta porque foram aplicadas, validadas e revisadas. Na inexistência dessas listas experimentadas, para algumas áreas da engenharia foram desenvolvidas listas genéricas. Brainstorm Reunião do gerente do projeto com stakeholders e membros de equipe chaves. Com dinâmica para geração de idéias e levantamento de questões de impacto nas atividades. Entrevistas com especialistas São muitas vezes recomendadas principalmente para extrair informações sobre riscos até então desconhecidos. O resultado da escolha do especialista apropriado e de uma entrevista bem conduzida pode trazer mais que a simples identificação de riscos, pode trazer dados de probabilidade, análises qualitativa e quantitativa, resultando em informações para utilização de outras ferramentas de análise do risco. Análise de SWOT Ferramenta consagrada para análise de posicionamento estratégico da empresa. Sua utilização no âmbito do gerenciamento de risco tem caráter menos detalhista, a visão dada pela análise de SWOT está alinhada com a perspectiva geral da empresa. Técnica DELPHI Essa técnica busca consenso entre os especialistas do projeto a respeito de impacto de riscos. Os riscos em questão são levantados em separado pelos próprios especialistas, sem que estes tenham contato entre si. Então esses riscos são submetidos à análise dos demais

26 especialistas. A tendência do resultado da técnica é uma lista de riscos ricamente analisada. A lista de riscos identificados deve ser disposta em formato estruturado, por exemplo, através de uma tabela descritiva. A utilização de uma estrutura bem concebida é boa ferramenta para adequar de forma abrangente o processo seguinte, o de avaliação dos riscos. A Tabela 1 apresenta uma proposta de lista de atributos a ser preenchido na fase de identificação de cada risco. Outros atributos deverão surgir na seqüência dos processos de gerenciamento de riscos, como: resultado de análise qualitativa, classificação do risco e resposta ao risco. 1. Identificação do risco Identificador único 2. Data de identificação Data de registro da identificação 3. Descrição Detalhamento da incerteza associada 4. Causa Âmbito de acontecimento, com dimensão, dependências 5. Efeito Impacto direto, potencial de perda ou ganho, com dimensão 6. Natureza Estratégico, financeiro, operacional, de conhecimento, de conformidade, de escopo do projeto,... Autran e Figueiredo (2010) Outra ferramenta utilizada é a EAR, Estrutura Analítica de Riscos. De conceito semelhante a WBS (EAP), a EAR procura agrupar os riscos identificados em categorias. Uma sugestão para categoria é a natureza do risco, exemplificada na Tabela 1. É importante salientar que a categoria escolhida deve estar associada à causa do risco, nunca ao seu efeito. A EAR tem especial aplicação no monitoramento e tratamento do risco. Facilitando a gerência dos riscos de forma agrupada, por equipes de conhecimento específico da categoria associada ao grupo AVALIAÇÃO DOS RISCOS Na fase de avaliação dos riscos, são esperadas: as estimativas qualitativas e/ou quantitativas, em termos de probabilidade de ocorrência e grau de conseqüência. Na

27 seqüência: comparativos desses resultados confrontados com critérios de significância de risco adotados pelo projeto. Na abordagem da análise qualitativa. A probabilidade de ocorrência para riscos de oportunidade e de ameaça pode ser medida em escala numérica, por exemplo: entre 0 e 10; ou medida em uma graduação, por exemplo: alta, média e baixa. O impacto, que também está associado aos riscos de oportunidade e de ameaça, deve ser medido em escalas semelhantes, conforme o PMBOK (2008). A técnica mais utilizada para a análise qualitativa é a montagem de uma matriz onde para cada risco levantado são atribuídos uma probabilidade e um impacto. É necessário definir os valores que a probabilidade pode assumir, bem como os valores que o impacto pode assumir, estes últimos baseados nos efeitos que o risco pode ocasionar. Outra definição necessária é a da área de impacto retratada na matriz. De acordo com o PMBOK (2008), as áreas mais comuns são aquelas de conseqüência mais significativa no projeto, em geral: custo, tempo, escopo e qualidade. Definir a área de impacto como sendo o projeto como um todo perde em precisão, acarretando em subjetividade maior para pontuação do impacto. A Tabela 2 apresenta um exemplo de medida para valores de probabilidade e impacto. Essa tabela é uma tábua para a pontuação que o risco deve receber na matriz de probabilidade versus impacto.

28 Na Tabela 2 o custo foi a área de gerenciamento escolhida para representar o impacto. Valores/graduações referentes ao impacto no custo podem estar préestabelecidos em outra tabela mais abrangente, que apresente impacto de riscos em diferentes áreas do gerenciamento do projeto. Exemplificada na Tabela 3. Área do Projeto Custo Escopo Cronograma Qualidade Nível de impacto muito baixo baixo médio alto muito alto aumento <5% de entre 5 e 10% entre 10 e >20% de insignificante aumento de aumento 20% de aumento aumento alteração imperceptível pouca áreas importância da importantes alteração afetadas escopo não atende definições escopo inadequado desvio <5% de entre 5 e 10% entre 10 e >20% de insignificante aumento de aumento 20% de aumento aumento degradação imperceptível pouca requer importância da aprovação do alteração cliente provável reprovação do cliente qualidade inaceitável A Tabela 3 mostra o impacto em escala de graduação, de muito baixo a muito alto. Também mostra em escala numérica, entre 0 e 1. Essas escalas não precisam estabelecer valores idênticos para todas as áreas avaliadas, como observado. Uma pontuação é recebida pelo risco, produto da probabilidade versus impacto. Permite que se faça uma classificação. No exemplo apresentado pela Tabela 2, o risco é classificado como baixo (na cor azul) quando sua pontuação é no máximo 0,05. É classificado como alto (na cor vermelha) quando sua pontuação excede 0,30. Essa classificação é um resultado da análise de riscos. Produz um ranking que identifica para cada risco, sua relativa importância se comparado aos demais. Sendo que esse processo permite a avaliação do risco isoladamente dentro de cada área do projeto considerada significativa.

29 A orientação pela abordagem qualitativa da avaliação leva ao grau de importância e prioridade do risco. A abordagem quantitativa deverá buscar a medida mais apurada dos efeitos do risco nos resultados do projeto. Na análise quantitativa a probabilidade do risco sempre será representada por um percentual. Já o impacto, trará um resultado numérico em uma unidade específica. Os impactos dos riscos então podem ser expressos em unidades diferentes, conforme área em que for medido. Por exemplo: impacto igual a 5 dias de atraso (no cronograma) ou impacto em torno de U$ de prejuízo (no orçamento). Situação possível, unidades diferentes de medida tornam difícil a comparação entre os riscos medidos. Esse problema é resolvido convertendo-se os impactos dos riscos para termos de resultado financeiro. Em tese, todo impacto negativo ou positivo pode ser traduzido em prejuízo ou lucro respectivamente. A coleta de dados históricos de projetos é uma ótima base para determinar os valores de probabilidade e impacto. Técnicas já comentadas de pesquisas de mercado e entrevistas com especialistas são formas de coleta de dados. Alinhadas com as características da análise quantitativa, são encontradas ferramentas. Entre as principais, estão: as árvores de decisão e a simulação de Monte Carlo. a) árvores de decisão Diagrama que incorpora as probabilidades de risco, os impactos (em geral no custo) e as implicações de decisões futuras sobre cada escolha dentro da árvore de possibilidades. Os conceitos fundamentais de uma árvore de decisão são: Representa uma questão central. Contem decisões alternativas, ou caminhos, a serem considerados. Eventos futuros em conseqüência as alternativas, com suas probabilidades de acontecer. Resultados quantitativos de cada caminho lógico representado. Resolver a árvore de decisão deverá fornecer ao gerente do risco a análise comparativa com múltipla perspectiva para uma mesma questão.

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Msc. Fernando Simon AFS SOLUTIONS Gerenciamento de Riscos em Projetos Apresentação Fernando Simon fsimonbr@gmail.com.br Sócio proprietário da AFS Solutions www.afssolutions.com.br Consultor em Gerenciamento de Riscos em Projetos Docente

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS Gestão de Riscos Como lidar com as incertezas do Projeto? Thomaz Ottoni da Fonseca 04/11/2015 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS 2015 FATTO Consultoria e Sistemas www.fattocs.com 1 ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Aplicação do Gerenciamento de Risco nos Projetos de Implantação de ERP - Protheus. Por: Gisele Santos Ribeiro Orientador

Leia mais

Gestão de Projetos. Pós Graduação Executiva em. Gerenciamento dos Riscos. Fabricio.sales@pmipe.org.br

Gestão de Projetos. Pós Graduação Executiva em. Gerenciamento dos Riscos. Fabricio.sales@pmipe.org.br Pós Graduação Executiva em Gestão de Projetos Gerenciamento dos Riscos PMP é uma marca registrada do Project Management Institute, Inc. Fabricio.sales@pmipe.org.br Quem sou eu? 2 Nome: Fabrício Sales Formação

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos)

Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos) Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos) Carlos Sérgio Mota Silva, PMP, CBPP Instrutor Certificado PMP pelo PMI e CBPP pela ABPMP MBA Executivo pela COOPEAD-UFRJ Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Áreas de conhecimento do PMBOK - Custo - Determina os processos necessários para assegurar que o projeto seja conduzido e concluído dentro

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO ALVO

OBJETIVO PÚBLICO ALVO GESTÃO DO RISCO Boas Práticas para o Gerenciamento de Risco em Projetos da Indústria e na Prestação de Serviços. DIFERENCIAIS Avaliação prévia das necessidades de cada participante para customização do

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 24 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 24-14/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais