Agrupamento de Escolas de Arganil PLANO DE MELHORIA 2015/2018

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas de Arganil PLANO DE MELHORIA 2015/2018"

Transcrição

1 PLANO DE MELHORIA 2015/2018 Plano de Melhoria 2015/2018

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA ANÁLISE SWOT AÇÕES DE MELHORIA MONITORIZAÇÃO, AVALIAÇÃO E DIVULGAÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS Plano de Melhoria 2015/2018

3 1. INTRODUÇÃO O Agrupamento de Escolas de Arganil (AE Arganil) instituiu a cultura de avaliação numa perspetiva proativa e na convicção de que a autoavaliação oferece à Escola uma oportunidade para aprender a conhecer-se, com vista a alcançar a Excelência através de uma efetiva melhoria contínua. Este processo, ao ser realizado por estruturas internas e ser participado, assume-se como uma estratégia de desenvolvimento e de desempenho organizacional, cuja apreciação crítica e estruturante deve permitir identificar as fragilidades e as potencialidades, sendo por isso um instrumento de gestão fundamental. A eficiente utilização dos recursos disponíveis humanos, físico e materiais só pode concretizar-se caso existam mecanismos de identificação das áreas de melhoria e desenvolvimento. O presente Plano de Melhoria (PM) decorreu do processo de avaliação externa a que o AE foi submetido e da necessidade de aperfeiçoar práticas e procedimentos, assim como da implementação de ações e processos. Na sequência da leitura atenta do relatório da IGEC, elaborou-se o atual documento que pretende orientar, de modo organizado e sistematizado, as ações a implementar no processo de melhoria contínua do AE Arganil e da necessidade permanente de inovação e mudança, por forma a manter-se um constante equilíbrio entre o que se consolidou como práxis cultural da escola e as indispensáveis adaptações como resposta aos desafios, às expetativas e às exigências contemporâneas que são colocadas à Escola no seu todo. A tarefa crucial incide em avaliar para (re)conhecer e melhorar Assim, o presente documento é fruto do esforço realizado pela equipa de autoavaliação, pelas estruturas de orientação educativa e pela análise efetuada no âmbito da avaliação externa das escolas pela IGEC. Como metodologia de trabalho definiram-se áreas e ações de melhoria a partir da identificação dos pontos fortes e dos aspetos a desenvolver. Plano de Melhoria 2015/2018

4 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA A estrutura do PM funda-se na sistematização da ação a implementar, decorrente da análise SWOT, tendo por base a seguinte organização: Identificação da área de intervenção. Identificação do coordenador responsável pelo desenvolvimento/implementação da ação. Identificação das ações a desenvolver. Elaboração da calendarização. Explicitação dos objetivos da ação. Explicitação dos indicadores. Explicitação das metas. Plano de Melhoria 2015/2018

5 3. PLANO DE MELHORIA 3.1. ANÁLISE SWOT Pontos Fortes Pontos Fracos Oportunidades Ameaças A sinalização e acompanhamento adequados e sistemáticos dos alunos em situação de risco, que nos últimos anos contribuíram para a existência muito diminuta de abandono escolar. O investimento no trabalho colaborativo dos docentes e na dinâmica das bibliotecas escolares, com reflexo no aprofundamento das práticas de planeamento e de articulação curricular. A inclusão e integração dos alunos com necessidades educativas especiais resultante do envolvimento das equipas multidisciplinares e dos parceiros do Agrupamento, promotoras da igualdade de A reflexão ao nível das estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica sobre os fatores que provocam oscilações nos resultados académicos dos alunos do ensino básico, no sentido de serem definidas estratégias eficazes e promotoras de sucesso. O reforço das medidas de combate à indisciplina nas aulas em que o ambiente educativo não permite que todos os alunos disponham das condições propícias às aprendizagens. A implementação consistente da diferenciação pedagógica em sala de aula, relativamente aos alunos com A criação de Apoios de Preparação para Exame. Criação de coadjuvações em sala de aula (disciplinas em que os alunos revelem mais dificuldades e/ou promoção do sucesso educativo e de combate à indisciplina). Aumento do número de horas de apoio pedagógico acrescido que contribua para a melhoria das aprendizagens e dos resultados escolares. Implementação de apoios de nível com vista à promoção do sucesso educativo. Valorização de projetos que estimulem a busca do conhecimento, a criatividade, o empreendedorismo. Articulação entre os diferentes O aumento do número de alunos por turma poderá constituir um fator para o aumento do insucesso. A sucessiva delapidação da profissão docente pode constituir um fator de resistência, de desmotivação e de envolvimento dos professores. A redução de estruturas de apoio ao ensino (assistentes operacionais) poderá contribuir para a diminuição da qualidade dos serviços prestados. A conjuntura socioeconómica poderá criar um clima de instabilidade nas famílias e, naturalmente, nos alunos, sobretudo, o aumento do número de alunos com apoio da Plano de Melhoria 2015/2018 5

6 oportunidades e do sucesso educativo. A ação das lideranças na integração das diferentes unidades no Agrupamento, com a definição de procedimentos e documentos comuns e instituição de canais de comunicação eficazes, que têm contribuído de forma significativa para a criação de uma identidade coletiva e o reforço do sentido de pertença. A articulação com instituições locais, com realce para a parceria mantida com a Câmara Municipal de Arganil na concretização do plano anual de atividades. dificuldades de aprendizagem, assim como em relação aos que revelam mais capacidades, visando a melhoria das aprendizagens. A observação da prática letiva em contexto sala de aula, como forma de potenciar a problematização das questões pedagógicas, a identificação de alternativas para a melhoria da qualidade do processo de ensino e de aprendizagem e o desenvolvimento profissional. A consolidação do dispositivo de autoavaliação existente, enquanto instrumento de autorregulação e melhoria do Agrupamento, em particular no que respeita à prestação do serviço educativo. órgãos e estruturas de gestão. Redução do número de alunos por turma como fator para o aumento do sucesso. Realização de atividades experimentais nos 1º e 2º CEB como fator motivador das aprendizagens. Supervisão da prática letiva, enquanto estratégia formativa para a qualidade do ensino. Promoção de ações com vista à redução das situações de indisciplina. Rentabilização e consolidação do processo de autoavaliação, enquanto instrumento autorregulador com vista à prestação de um melhor serviço educativo. Ação Social Escolar. Plano de Melhoria 2015/2018 6

7 3.2. AÇÕES DE MELHORIA Decorrente da análise realizada dos pontos fortes e dos aspetos a melhorar, identificaram-se as áreas nas quais, prioritariamente, se deve investir para superar as fragilidades ainda existentes, definir estratégias para consolidar e, se possível, aperfeiçoar os aspetos mais conseguidos. Visando operacionalizar a visão estratégica definida, identificam-se áreas de melhorias para as quais foram definidas ações de melhoria, de consolidação e/ou desenvolvimento. Plano de Melhoria 2015/2018 7

8 AÇÃO DE MELHORIA 1 Designação da Ação de Melhoria: Reflexão ao nível das estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica sobre os fatores que provocam oscilações nos resultados académicos dos alunos do ensino básico, no sentido de serem definidas estratégias eficazes e promotoras de sucesso. Coordenador(a) da Ação: Presidente do Conselho Pedagógico Equipa Operacional: 1) Coordenadores de departamento 2) Coordenadores de DT/grupo/turma Descrição da ação de melhoria: Reflexão e definição de estratégias com vista à redução das oscilações verificadas nos resultados escolares do EB Objetivo(s) da ação de melhoria: 1. Reduzir as oscilações académicas dos alunos no Ensino Básico Atividades a realizar: 1. Identificação precoce das dificuldades de aprendizagem 2. Reforço do acompanhamento dos casos identificados recorrendo a serviços especializados (SPO, Terapeutas da Fala, entre outros) 3. Sinalização de possíveis casos de alunos que registem desvios relativamente aos resultados internos; 4. Identificação dos fatores que interferem na oscilação dos resultados académicos Resultado(s) a alcançar: Melhoria dos resultados com vista a atenuar as oscilações aí existentes. Metas: Reduzir as oscilações dos resultados académicos dos alunos no ensino básico Indicadores de medida: Resultados escolares; Desvios escolares Plano de Melhoria 2015/2018 8

9 Fatores críticos de sucesso: Constrangimentos: Alterações legislativas Falta de recursos humanos (docentes, técnicos) Elevado n.º de alunos por turma Recursos humanos envolvidos: Docentes; Custos estimados: - Consumíveis Técnicos Data de início: 2.º período de 2015/2016 Data de conclusão: 31 de julho de 2018 AÇÃO DE MELHORIA 2 Designação da Ação de Melhoria: Reforço das medidas de combate à indisciplina nas aulas em que o ambiente educativo não permite que todos os alunos disponham das condições propícias às aprendizagens. Coordenador(a) da Ação: Adjunto da Diretora Equipa Operacional: 1) Docentes 2) Diretores de Turma 3) Coordenador do GOD 4) Adjuntos da Diretora Descrição da ação de melhoria: Consolidação dos mecanismos de combate à indisciplina; Implementação de novos mecanismos com vista à redução de situações de indisciplina. Plano de Melhoria 2015/2018 9

10 Objetivo(s) da ação de melhoria: 1. Reduzir a indisciplina na sala de aula; 2. Uniformizar procedimentos em situação de indisciplina e de conflitualidade; 3. Aplicar medidas corretivas ou sancionatórias decorrentes das situações tipificadas no documento de Tipificações de Infrações (Plataforma Inovar); 4. Combater eficazmente as situações de indisciplina e conflitualidade que ocorram na sala de aula; 5. Valorizar o cumprimento da disciplina Atividades a realizar: 1. Sinalização de todas as situações de indisciplina e encaminhamento dos alunos sinalizados para o GOD; 2. Acompanhamento pelo gabinete de apoio aos alunos e/ou pela comissão de conflitos dos alunos sinalizados; 3. Elaboração do documento Tipificação de Infrações Plataforma Inovar; 4. Sensibilização de funcionários docentes e não docentes, pais e encarregados de educação e alunos para a importância da uniformização de condutas; 5. Reflexão, em Departamento Curricular, do documento Indicadores de Tipificação de Incidências ; 6. Elaboração de um Questionário a aplicar aos EE/Pais, de modo a aferir-se a articulação Escola/Família quanto ao cumprimento de regras de comportamento; 7. Aplicação do Questionário no final do 1.º período letivo 2015/2016; 8. Elaboração de um Relatório com base na análise dos documentos anteriores; 9. Reflexão, nas estruturas de supervisão (Departamentos e outros), sobre as situações de indisciplina que impeçam um ambiente propício às aprendizagens; 10. Ações de Formação dinamizadas pelos Representantes dos EE/Pais sobre temáticas relacionadas com a indisciplina; 11. Dinamização da Escola de Pais (dotar os Pais/Encarregados de Educação de competências parentais). 12. Publicação das turmas, por ciclo de ensino e por período, que apresentem melhor comportamento. Plano de Melhoria 2015/

11 Resultado(s) a alcançar: Melhoria do ambiente em sala de aula que seja propício às aprendizagens; Redução das situações de indisciplina; Valorização das boas práticas da atividade docente; Melhoria do nível de satisfação dos docentes. Metas: Aumentar o número de turmas com comportamento considerado Bom ou superior. Redução das situações de indisciplina nas salas de aula. Indicadores de medida: N.º de infrações registadas; N.º de medidas corretivas ou sancionatórias aplicadas. Adoção de procedimentos comuns a todos os docentes. Premiar as turmas que apresentem o melhor comportamento. Criação de hábitos de reflexão condutores de boas práticas. Fatores críticos de sucesso: Implementação objetiva das ações de melhoria. Cumprimento das metas estabelecidas. Constrangimentos: Elevado n.º de alunos por turma. Falta de objetivos académicos e aspirações profissionais dos alunos. Falta de acompanhamento das famílias/ee/pais. Famílias disfuncionais; Novos perfis familiares. Recursos humanos envolvidos: Direção Custos estimados: -Consumíveis Coordenadores dos Diretores de Turma/Coordenadora do Plano de Melhoria 2015/

12 Ensino Profissionalizante Docentes Pais/EE Data de início: 1º Período de 2015/2016 Data de conclusão: 31 de julho de 2018 AÇÃO DE MELHORIA 3 Designação da Ação de Melhoria: A implementação consistente da diferenciação pedagógica em sala de aula, relativamente aos alunos com dificuldades de aprendizagem, assim como em relação aos que revelam mais capacidades, visando a melhoria das aprendizagens. Coordenador(a) da Ação: Coordenadores de Departamento Equipa Operacional: 1) Docentes Descrição da ação de melhoria: Consolidação dos mecanismos de diferenciação pedagógica em sala de aula, com vista à melhoria das aprendizagens. Objetivo(s) da ação de melhoria: 1. Promover o sucesso das aprendizagens de todos os alunos. 2. Promover metodologias de ensino e aprendizagem adequadas a processos de ensino diferenciados e à especificidade dos alunos, utilizando métodos e estratégias motivadoras e inovadoras que vão ao encontro da capacidade, interesses e ritmo de aprendizagem dos alunos. 3. Incentivar os alunos à adoção de metodologias de estudo eficazes Reforçar positivamente o desempenho dos alunos. Plano de Melhoria 2015/

13 Atividades a realizar: 1. Coadjuvação/Codocência; Resultado(s) a alcançar: Melhoria dos resultados académicos; Melhoria da qualidade das aprendizagens Valorização das boas práticas da atividade docente; Melhoria do nível de satisfação dos docentes. Metas: Melhoria das taxas de sucesso; Melhoria das taxas de aprovação e/ou conclusão; Diminuição do desvio entre as classificações internas e as classificações de exame; Indicadores de medida: Taxas de sucesso; Taxas de aprovação e/ou conclusão; Taxa de superação em relação às médias nacionais; Taxa de professores em codocência Manutenção e melhoria da tendência de superação das médias nacionais no Ensino Básico e Secundário. Fatores críticos de sucesso: Implementação objetiva das ações de melhoria. Cumprimento das metas estabelecidas. Constrangimentos: Elevado nº de alunos por turma; Falta de objetivos académicos e aspirações profissionais dos alunos; Falta de acompanhamento das famílias/ee/pais; Recursos humanos insuficientes. Recursos humanos envolvidos: Docentes; Custos estimados: - Plano de Melhoria 2015/

14 Data de início: 1º Período de 2015/2016 Data de conclusão: 31 de julho de 2018 AÇÃO DE MELHORIA 4 Designação da Ação de Melhoria: A observação da prática letiva em contexto sala de aula, como forma de potenciar a problematização das questões pedagógicas, a identificação de alternativas para a melhoria da qualidade do processo de ensino e de aprendizagem e o desenvolvimento profissional. Coordenadora da Ação: Diretora Equipa Operacional: 3) Coordenadores/subcoordenadores de departamento curricular 4) Docentes Descrição da ação de melhoria: Definição e implementação de mecanismos sistemáticos de supervisão da prática letiva, enquanto estratégia formativa para a qualidade do ensino. Objetivo(s) da ação de melhoria: 1. Proceder à monitorização da prática letiva docente em contexto de sala de aula (público-alvo 2015/2016: turmas do 1.º ano e do 5ano de escolaridade, disciplinas de Português e de Matemática); 2. Promover boas práticas pedagógicas em sala de aula; 3. Refletir sobre soluções/ práticas ou procedimentos que visam resolver os pontos fracos identificados; 4. Partilhar práticas pedagógicas e científicas entre os docentes; 5. Promoção de uma cultura de reflexão sobre as práticas; 6. Identificar pontos fortes e fracos ou constrangimentos na prática letiva, 7. Promover a reflexão sobre soluções / práticas ou procedimentos que visam resolver Plano de Melhoria 2015/

15 os pontos fracos identificados; 8. Partilhar as boas práticas pedagógicas e científicas entre os docentes; 9. Incentivar a autoformação e a formação interpares; 10. Promover o desenvolvimento profissional do professor. Atividades a realizar: 5. Formação para os coordenadores de departamento/subcoordenadores, extensiva a elementos do Conselho Pedagógico, na área de Supervisão em Sala de Aula 6. Supervisão pelo coordenador de departamento/subcoordenador, de pelo menos uma aula de cada docente do departamento, por ano letivo, apresentando à direção, no segundo período letivo, um calendário a implementar. 7. Registo em documento próprio de cada supervisão efetuada 8. Inclusão, trimestralmente, de um ponto na ordem de trabalhos da reunião de departamento curricular/área disciplinar e reflexão sobre os pontos fortes e fracos das práticas pedagógicas. Resultado(s) a alcançar: Melhoria do desempenho docente; Reforço do trabalho colaborativo de docentes; Valorização das boas práticas da atividade docente; Melhoria do nível de satisfação dos docentes. Metas: Melhoria da capacidade de autorregulação pedagógica de cada docente e das estruturas de acompanhamento e orientação educativos. Sistematização de práticas comuns de partilha de procedimentos pedagógicos e científicos entre docentes. Indicadores de medida: Nº de supervisões realizadas. Nº de áreas disciplinares envolvidas. Nº de docentes envolvidos. Nº de propostas de alteração de práticas. Instituição de um sistema Plano de Melhoria 2015/

16 participado de supervisão em contexto de sala de aula. Criação de hábitos de reflexão, verificação real e análise do trabalho efetivamente realizado pelos docentes. Instituição de boas práticas pedagógicas Fatores críticos de sucesso: Sensibilização à mudança. Implementação objetiva das ações de melhoria. Cumprimento das metas estabelecidas. Recursos humanos envolvidos: Diretora Constrangimentos: Dispersão geográfica das Escolas. Dificuldade de conciliação horária para monitorização em sala de aula por parte de outros docentes Resistências de mentalidade instituídas Custos estimados: - pagamento à formadora; Coordenadores/subcoordenadores de departamento curricular Docentes do 1CEB, português e de matemática do 5.º ano (2015/2016) Outros docentes Data de início: 2º Período de 2015/2016 Data de conclusão: 31 de julho de 2018 Plano de Melhoria 2015/

17 AÇÃO DE MELHORIA 5 Designação da Ação de Melhoria: A consolidação do dispositivo de autoavaliação existente, enquanto instrumento de autorregulação e melhoria do Agrupamento, em particular no que respeita à prestação do serviço educativo. Coordenador(a) da Ação: Equipa de Autoavaliação Equipa Operacional: 1) Coordenadores de diretores turma/grupo/ciclo 2) Comunidade educativa Descrição da ação de melhoria: Consolidação do dispositivo de autoavaliação com a participação de toda a comunidade escolar. Fatores críticos de sucesso: Implementação objetiva das ações de melhoria. Cumprimento das metas estabelecidas. Recursos humanos envolvidos: Equipa de autoavaliação Coordenadores Comunidade escolar Constrangimentos: Insuficiente número de horas para a consolidação do processo. Fraco envolvimento da comunidade escolar. Custos estimados: - consumíveis Data de início: 1º Período de 2015/2016 Recursos humanos envolvidos: Equipa de autoavaliação Comunidade escolar Data de conclusão: 31 de julho de 2018 Custos estimados: - Plano de Melhoria 2015/

18 3.3. MONITORIZAÇÃO, AVALIAÇÃO E DIVULGAÇÃO Para a monitorização, avaliação e divulgação do plano, estão previstos mecanismos de monitorização, momentos de verificação, de análise e de avaliação dos resultados alcançados, espelhados em relatórios e em reuniões agendadas para o efeito. O confronto entre o investimento e a consecução dos objetivos, e entre os resultados e os critérios de sucesso predeterminados, serão o reflexo da mudança operada e do progresso alcançado, cuja avaliação norteará ações futuras. Assim sendo, é importante que cada responsável/coordenador por cada uma das ações de melhoria previstas no presente plano faça uma avaliação da implementação e impacto das mesmas, nomeadamente através do preenchimento de um documento normalizado como é exemplo aquele que se segue. AVALIAÇÃO DE AÇÃO DE MELHORIA/ATIVIDADE Identificação da ação de melhoria/atividade: Cumprimento dos objetivos Objetivos Cumprido Parcialmente Não Observações Data de início Data de conclusão Resultados alcançados Sugestões para ações futuras O coordenador da ação Data de avaliação Plano de Melhoria 2015/

19 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O Plano de Melhoria foi desenhado para ser implementado ao longo do triénio 2015/2018 podendo, sempre que se entenda por necessário, sofrer alterações. A sua avaliação será elaborada periodicamente tendo por base os resultados atingidos nos diversos domínios nele contemplado. O processo de avaliação do Plano de Melhoria constitui, per si, um mecanismo regulador da ação do Agrupamento e pode conduzir à redefinição de estratégias e orientações. Este documento, cujo êxito da sua aplicação dependerá do grau de envolvimento e empenho da comunidade educativa, assume uma relevância significativa na construção de uma organização mais eficaz. Uma Escola que se conhece, que se questiona, que aprende prestará um serviço mais adequado e de maior qualidade. Por essa circunstância, a consolidação de práticas de reflexão internas - nos vários domínios de ação - capazes de conduzir a planos de melhoria eficientes é um propósito inevitável. Aprovado pelo Conselho Pedagógico em 16 de dezembro de 2015 A Presidente do Conselho Pedagógico, Anabela Henriques Matos Soares Apreciação favorável do Conselho Geral A Presidente do Conselho Geral, Fernanda Maria Marques Pacheco Plano de Melhoria 2015/

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17 PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Auto Interna 2014/17 Introdução O presente Plano de Melhoria resulta, em grande parte, das reflexões retiradas da leitura atenta do Relatório

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

Plano de Melhoria JULHO/ 2013

Plano de Melhoria JULHO/ 2013 JULHO/ 2013 Índice 2 Introdução 3 I Ponto de partida 4 II Componentes do Plano 5 A. Objetivos, metas e indicadores 5 B. Ações a implementar 8 C. Cronograma 10 D. Intervenientes 10 E. Recursos 10 F. Monitorização,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Escola Secundária de Cacilhas Tejo Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria 2013-2014 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO GONÇALO PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA BIÉNIO 2015-2017 SETEMBRO DE 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CRONOGRAMA DO PLANO... 4 3. AÇÕES DE MELHORIA... 5 3.1. COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL...

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 ÁREA A - RESULTADOS... 4 EIXO 1 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS... 4 EIXO 2 PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA... 5 EIXO

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria Inicial

Projeto de Ações de Melhoria Inicial Projeto de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2015/2016 Outubro de 2015 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Estrutura do documento PAM (Projeto de Ações de Melhoria) Tabela 1 Estrutura do documento Projeto

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria.

Índice. Introdução 3. Identificação dos pontos fortes do Agrupamento. 3. Identificação das Áreas de Melhoria. 4. Priorização das Áreas de Melhoria. Índice Introdução 3 Identificação dos pontos fortes do. 3 Identificação das Áreas de Melhoria. 4 Priorização das Áreas de Melhoria. 6 Ações de melhoria modelo de ficha. 8 Ações de melhoria. 8 2 Introdução

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Ações de Melhoria (PAM) Equipa de Autoavaliação: Albertina Pinto, Ana Paula Costa, Ana Paula Neves, Ana Spínola, Benjamim Sampaio, Dina Paulino, Francisco

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Objetivos e Metas 2014/2015

Objetivos e Metas 2014/2015 Projeto Educativo / Plano Anual de Atividades Objetivos e Metas 2014/2015 1 Indicadores de desempenho (2013-2014) Quadro 1 Resultados da Avaliação Interna Indicadores 2013/2014 Taxa de abandono Ensino

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE Observatório da Qualidade Plano de Ação 2011/2012 ÍNDICE Introdução... 2 Equipa e Horário Semanal... 2 Metodologia

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA

PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA 2016 PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA Agrupamento de Escolas do Crato Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para o desenvolvimento e a melhoria de cada escola. Para tal, cuidar da

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Áreas de Melhoria sugeridas no relatório

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DAS TAIPAS. Plano Nacional de Promoção do Sucesso Educativo. PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA do AET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DAS TAIPAS. Plano Nacional de Promoção do Sucesso Educativo. PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA do AET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DAS TAIPAS Plano Nacional de Promoção do Sucesso Educativo A Resolução do Conselho de Ministros 23/2016 criou o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar com a finalidade

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

Apresentação Programa TEIP3

Apresentação Programa TEIP3 Apresentação Programa TEIP3 Programa TEIP O Programa TEIP visa estabelecer condições para a promoção do sucesso educativo de todos os alunos e, em particular, das crianças e dos jovens que se encontram

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

Plano Plurianual de Atividades Nota introdutória

Plano Plurianual de Atividades Nota introdutória Nota introdutória O Decreto-Lei n.º 75/2008 de 22 de abril, republicado pelo Decreto-Lei n.º137/2012 de 2 de julho, que regula o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 5/2011. Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e Cidadania

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 5/2011. Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e Cidadania Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Ação n.º 5/2011 Gestão e Resolução de Conflitos/Promover Ambientes de Aprendizagem e

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Relatório de Avaliação Provas Finais de 1º ciclo

Relatório de Avaliação Provas Finais de 1º ciclo Relatório de Avaliação Provas Finais de º ciclo 2/2 Escola Básica de º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura Relatório de Avaliação Provas Finais de Ciclo 2/2 O presente relatório de avaliação incide sobre

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015)

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015) Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS MEDIDAS DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 INDÍCE 1. Introdução.. 3 2. Medidas de promoção do sucesso escolar.....3 3. Apoio ao estudo no 1.º

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

Agenda Início do ano letivo

Agenda Início do ano letivo Agenda Início do ano letivo 2016 / 2017 Período de funcionamento das aulas de acordo com o horário normal 1º Período Início : 16 de (Pré-escolar e 1º Ciclo) 19 de (2º e 3º Ciclos e E.S) Termo : 16 de dezembro

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS,CAMINHA

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS,CAMINHA Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar. Paulo Freire AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO FINAL

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO FINAL RELATÓRIO FINAL Código DGAE: 400026 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO / ESCOLA ATI: Designação: Escola-Sede: Endereço: Área territorial de inspeção do Centro Escola Secundária de Avelar Brotero Escola Secundária

Leia mais

Avaliação do Projeto Educativo (2015/2016)

Avaliação do Projeto Educativo (2015/2016) Avaliação do Projeto Educativo (2015/2016) Segue-se uma análise à consecução dos objetivos e metas previstas no Projeto Educativo do nosso Colégio, relativa a este ano letivo. Estes objetivos e metas surgiram

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº 2 de Beja. Maria José de Jesus Santos Chagas Teresa Santos Rocha Isabel Maria Matos Mourão

Agrupamento de Escolas nº 2 de Beja. Maria José de Jesus Santos Chagas Teresa Santos Rocha Isabel Maria Matos Mourão Agrupamento de Escolas nº 2 de Beja Maria José de Jesus Santos Chagas Teresa Santos Rocha Isabel Maria Matos Mourão junho de 2016 1 1. ENQUADRAMENTO 1.1. Enquadramento Territorial O Município de Beja situa-se

Leia mais

A G R U P AM E N T O D E E S CO L A S D E E U G É N I O D E CA S T R O P lan o E s t r a t é g i c o /

A G R U P AM E N T O D E E S CO L A S D E E U G É N I O D E CA S T R O P lan o E s t r a t é g i c o / PLANO ESTRATÉGICO 2014/2015 (Artigo15º do Despacho Normativo nº13-a/2012 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico agora apresentado enquadra-se no artigo 15º do Despacho Normativo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANEDO PLANO DE MELHORIA 2013-2015 ÍNDICE PLANO DE MELHORIA... 2 ÁREAS DE MELHORIA... 2 PLANO DE AÇÃO... 3 1. A monitorização da implementação das medidas de apoio delineadas,

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA CONTRADITÓRIO AO RELATÓRIO DA IGE EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008

AVALIAÇÃO EXTERNA CONTRADITÓRIO AO RELATÓRIO DA IGE EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008 EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008 A decisão de submeter o Agrupamento ao processo de Avaliação Externa assenta na ideia e estratégia do Projecto Educativo que delineámos. Sendo a Qualidade o leitmotiv

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

Curso de Formação. Metas Curriculares de Português 1.º Ciclo (Turma Telões) (Data de início: 06/11/ Data de fim: 20/11/2014)

Curso de Formação. Metas Curriculares de Português 1.º Ciclo (Turma Telões) (Data de início: 06/11/ Data de fim: 20/11/2014) Curso de Formação Metas Curriculares de Português 1.º Ciclo (Turma Telões) (Data de início: 06/11/2014 - Data de fim: 20/11/2014) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1-

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES À DISTÂNCIA DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. TRAINING CENTER,

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 001/2014

NOTA TÉCNICA No 001/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA NOTA TÉCNICA No 001/2014 Assunto: Recuperação Contínua e Recuperação Paralela

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião

Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião Agrupamento de Escolas do Sudeste de Baião Plano de Formação 2014 2015 Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender. Blaise Pascal 2 1. Introdução

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Intermédio

Plano de Ações de Melhoria Intermédio MMA 2011 Plano de Ações de Melhoria Intermédio PAM Intermédio 2016/2017 Janeiro de 2017 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento estratégico das ações de melhoria

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 Com vista ao sucesso escolar dos alunos e ao desejo da melhoria do serviço prestado pelo Agrupamento de Escolas Pedro Alexandrino, é elaborado este Plano Anual de Atividades

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Agrupamento de Escolas Rio Arade

PLANO DE COMUNICAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Agrupamento de Escolas Rio Arade Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE COMUNICAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 7 Índice Nota introdutória... 3 O que se pretende?... 4 Instrumentos... 5 Objetivos... 6 Monitorização e

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA

PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURA DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 PLANO DE

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 ENTIDADE PROMOTORA Município de Ponte de Sor NIPC: 506806456 Coordenação e Monitorização por parte da equipa de Coordenação dos Projetos Socioeducativos ENTIDADES PARCEIRAS

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso.

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso. Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas Programa do Curso www.areapedagogica.com 2 Programa do Curso de Formação Pedagógica de Formadores blearning 90 Horas Objetivos Gerais No final

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor. Critérios para a Avaliação Interna do Diretor

Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor. Critérios para a Avaliação Interna do Diretor Direção Geral dos Equipamentos Escolares Escola Secundária da Baixa da Banheira, Vale da Amoreira-Moita (403234) Avaliação Interna do Desempenho Docente Avaliação do Diretor Critérios para a Avaliação

Leia mais

Clube do Desporto Escolar

Clube do Desporto Escolar Agrupamento de Escolas das Taipas Clube do Desporto Escolar 1. Estrutura organizacional Coordenador: Maria Elisabete da Silva Martinho Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do

Leia mais

RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO

RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO RELATÓRIO SECÇÃO DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. BERNARDO ÍNDICE Introdução... 3 Projeto educativo e avaliação das atividades... 3 Avaliação das atividades... Erro! Marcador não definido.

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 203/204 Planificação a Longo Prazo Matemática 9º ano Finalidades, avaliação e organização temporal Grupo Disciplinar 500 Departamento de Matemática e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

RELATÓRIO DO SECRETARIADO DE EXAMES

RELATÓRIO DO SECRETARIADO DE EXAMES RELATÓRIO DO SECRETARIADO DE EXAMES 2013/2014 Índice Nota Introdutória... 3 Reflexão... 4 Anexo I - Estatística 6 Página 2 de 9 NOTA INTRODUTÓRIA As provas finais nacionais do ensino básico têm uma função

Leia mais