O caso da Viena Vermelha* Siegfried Mattl

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O caso da Viena Vermelha* Siegfried Mattl"

Transcrição

1 O caso da Viena Vermelha* Siegfried Mattl Nas últimas eleições vienenses, jornais da Áustria e da Alemanha comentaram o atual conflito entre o governo municipal social-democrata e o populista e direitista Partido da Liberdade com o bordão: Dessa vez trata-se da luta pelo programa de habitação municipal. O bordão tinha dois significados. De um lado, queria dizer que os conjuntos habitacionais de Viena, construídos nas décadas de 1920 e 1930, haviam se tornado cenário real para acalorados debates sobre migração o dominante e controverso tópico da política tanto vienense como europeia desde meados da década de De fato, o acesso de moradias públicas a imigrantes tem alimentado um descontentamento social local, não só por causa do diferente estrato cultural de diversos grupos migrantes, mas também em virtude de questões triviais. Enquanto os imigrantes são constituídos de famílias jovens e com filhos, os moradores antigos são, na maioria, idosos sem laços familiares. Isso provoca diferenças significativas nos hábitos de vida, até mesmo com relação ao ritmo do * Tradução de Milton Camargo Mota.

2 O caso da Viena Vermelha 192 dia a dia e ao uso do espaço público dentro dos conjuntos habitacionais como o playground, aceito em épocas mais remotas. O populista Partido da Liberdade tentou sistematicamente fazer dessas diferenças o pivô de sua política xenófoba e uma camada de sua campanha eleitoral. De outro lado, é preciso reconhecer o significado político e simbólico do bordão da luta pelos conjuntos habitacionais. Entre 1920 e 1933, a cidade de Viena construiu nada menos que 60 mil residências para 200 mil pessoas, sobretudo provenientes da classe trabalhadora. Esse programa de habitação social serviu como núcleo de um vasto programa de bem- -estar social municipal, que incluía a construção de jardins de infância, playgrounds, bibliotecas, policlínicas e muito mais. Os grandes conjuntos habitacionais erguidos por toda a cidade receberam nomes homenageando Karl Marx, Friedrich Engels ou o poeta alemão Johann Wolfgang von Goethe e atravessaram épocas como símbolo de um extraordinário experimento urbano socialista. Esses edifícios formam um mito moderno e vivo de Viena como a cidade do bem-estar social, da classe operária, como uma cidade igualitária. Além do mais, esse mito, nutrido pela figura monumental das habitações sociais, tornou-se parte de uma duradoura hegemonia social-democrata ao representar o partido e a prefeitura como gêmeos inseparáveis e lançar uma mentalidade genuinamente local em que a política se confunde cada vez mais com uma mera administração boa. Ousamos dizer que hoje o mito da Viena Vermelha e de seus conjuntos habitacionais municipais é caracterizado por ambiguidade política, uma vez que as ideias igualitárias originárias desapareceram e deram lugar a uma espécie de lobby. Principalmente por causa dessa ambiguidade deveríamos ampliar nosso conhecimento acerca dos princípios e dos programas políticos da Viena Vermelha. Um breve panorama sobre os princípios do programa habitacional, com algumas referências implícitas a outros

3 Siegfried Mattl conceitos modernos de planejamento urbano (como o Cidade Jardim ), parece necessário para avaliar o sucesso das Vienas Vermelhas: O que importa em primeiro lugar é a categoria de classe como uma particularidade das Vienas Vermelhas. O programa habitacional vienense tinha como foco explícito a camada mais baixa das famílias da classe trabalhadora. Critérios objetivos serviam para controlar o acesso às habitações sociais de acordo com necessidades econômicas, e os aluguéis baixos permitiam até mesmo aos muito pobres participar do programa. A modernidade serve como outro ponto de referência. O programa habitacional vienense estava comprometido com um ambiente saudável e higiênico, prescrevendo para as plantas dos apartamentos padrões de circulação de ar fresco e um mínimo de luz diurna e luz solar direta. Embora a Viena Vermelha compartilhasse esse objetivo com o famoso manifesto Carta de Atenas, soluções locais convincentes foram criadas para evitar cidades-satélite isoladas, como propunham planejadores hipermodernos. A próxima coisa a mencionar seria o conceito de urbanismo. Embora nos últimos anos os assim chamados superblocos com até 2 mil apartamentos constituíssem um tipo de cidade à parte, a política habitacional das Vienas Vermelhas se manteve dentro do modelo da cidade histórica. Os conjuntos foram construídos com fachadas ao longo das ruas e seguindo o modelo da cidade tradicional, integrando pequenas lojas, teatros e cinemas, restaurantes baratos e outros espaços funcionais ligados à densidade e diversidade da metrópole. Por fim, eu gostaria de mencionar o aspecto estético: o programa habitacional não estava comprometido 193

4 O caso da Viena Vermelha com um estilo arquitetônico específico como o estilo Bauhaus em Frankfurt ou em Berlim. A arquitetura romântica se uniu a conceitos funcionais, e escolas arquitetônicas concorrentes produziram uma aparência polifônica para a nova face da cidade. 194 Dentro de dez anos, a começar por 1923, 350 conjuntos habitacionais haviam sido erguidos, oferecendo mais de 60 mil apartamentos. Além disso, a prefeitura subsidiava centros comunitários [settlement houses], a maioria deles construída nos anos anteriores à declaração do programa habitacional em Mas os social-democratas não gostavam desses centros por razões políticas e financeiras. Em 1933, ano do golpe de Estado fascista na Áustria, as autoridades municipais contabilizavam um total de 554 mil casas em Viena. Em comparação com 1914, as novas construções da Viena Vermelha aumentaram em 10% o número de moradias. Se levarmos em conta a perda natural de edifícios mais velhos ao longo de duas décadas, esse número passa para quase 15%. Mas houve um aumento qualitativo também: em 1914, três quartos dos apartamentos vienenses consistiam em apenas um ou dois cômodos. As moradias dos conjuntos habitacionais normalmente ofereciam três cômodos além de uma cozinha por família; e pessoas solteiras também podiam habitar unidades menores. Antes da guerra, abrigos para sem-teto podiam acolher 1,8 mil pessoas. Em 1925, esse número havia caído para menos da metade. Diante desses números impressionantes, é preciso levar em conta o declínio populacional, já que nos anos cerca de 200 mil habitantes tchecos, eslovacos, croatas deixaram a antiga capital dos Habsburgos em direção às respectivas capitais dos Estado- -nação recém-fundados. No entanto, podemos observar uma melhoria substancial das condições de moradia, que mudaram a vida cotidiana do trabalhador. Juntamente

5 Siegfried Mattl com a regulamentação dos aluguéis, que explicaremos depois, o aumento do espaço para viver patrocinado pelo município diminuiu a dependência das famílias dos trabalhadores, tanto do mercado de trabalho como do mercado imobiliário, e fortaleceu seu poder social. A política habitacional na Viena Vermelha se baseava em diferentes tipos de edifícios municipais, dependendo do lugar da construção e segundo o conceito de reterritorializar a cidade como um todo. Os tipos de edifícios variavam do seguinte modo: Conjuntos habitacionais que consistiam em vários edifícios diferentes, ligados por jardins e pátios irregulares (um exemplo é o Sandleitenhof); Prédios esquemáticos com extensas fachadas ao longo da rua e com uma nítida forma quadriculada (Jean-Jaurès-Hof); Conceitos axiais e monumentais de superblocos (Karl-Marx-Hof); Megablocos menos definidos; Por fim, o preenchimento de espaços vazios entre prédios. 195 Todos esses diferentes tipos ofereciam amplos jardins ou pátios que não só serviam de espaço para recreação, mas também continham as escadas para gerar laços estreitos entre os inquilinos. Por essa razão, a orientação da vida social em torno do pátio se tornou significativa para as habitações sociais das Vienas Vermelhas. Os críticos não se cansavam de apontar o efeito do estrito controle social dentro da comunidade de moradores, bem como o isolamento do mundo exterior e da vida nas ruas. Os conjuntos habitacionais municipais se tornaram o principal símbolo da Viena Vermelha, e toda campanha eleitoral, às vezes com o reforço de filmes de ficção, apre-

6 O caso da Viena Vermelha 196 sentava os monumentos arquitetônicos como a peça central da política municipal socialista. Mas o âmbito da Viena Vermelha se estendia a outros campos da vida cotidiana. Um dos pontos da política social era a prioridade dada ao cuidado público das crianças e jovens. Juntamente com as despesas na área da saúde pública, os gastos com o cuidado de crianças e jovens subiram um terço do total das despesas orçamentárias. Vale mencionar em primeiro lugar a criação de jardins de infância. Cada criança entre três e seis anos em Viena devia ter o direito de assistência num jardim de infância. Havia aporte de verbas do serviço social municipal para crianças de famílias mais pobres. Compreenderemos melhor a importância desse tipo de assistência se levarmos em conta que, ao final da Primeira Guerra, 90% das crianças abaixo de 15 anos eram consideradas desnutridas. Nos jardins de infância, as crianças recebiam café da manhã, almoço e lanche. Exames médicos periódicos identificavam e preveniam potenciais riscos à saúde. Enfermeiras trabalhavam em prol de novos modelos educacionais que priorizavam brincadeiras e atividades físicas. Baseando-se na pedagogia experimental de Maria Montessori, os jardins de infância vienenses focavam no desenvolvimento da personalidade individual das crianças. Crianças mais velhas com problemas familiares podiam ficar em creches. Os custos se baseavam na renda familiar, porém mais da metade dos jovens recebiam cuidados e alimentação gratuitos. Órfãos e crianças abandonadas pelas famílias eram incluídos nos assim chamados Kinderübernahmstellen, sob salvaguarda especial do município. Delinquentes juvenis eram enviados para reformatórios municipais, onde o espírito experimental da Viena Vermelha era particularmente claro. A ordem militar que havia prevalecido nessas instituições foi dissolvida. Os jovens eram organizados, conforme seus talentos e interesses, em pequenos grupos que formavam a espinha dorsal da administração em vários níveis da vida nesses lares. Embora esses novos princípios não fossem basea-

7 Siegfried Mattl dos em ideias socialistas tradicionais, mas nas ideias do assim chamado Jugendbewegung ou movimento da juventude da Boêmia, eles condiziam com o foco dado pelas Vienas Vermelhas ao trabalho e à classe, mesmo que às vezes fossem criticados como um modo sutil de normalização e também de disseminação de valores pequeno-burgueses da vida familiar ordeira. Até mesmo a assistência à saúde era centrada nas crianças e jovens. O assim chamado enxoval infantil, entregue a todo recém-nascido, era de extrema importância. Seu valor monetário correspondia aproximadamente ao salário semanal de uma família de trabalhadores. Seu valor social se devia ao fato de fazer parte do aconselhamento pré e pós-natal às mães. Nesse ponto, devemos retornar à ambivalência das políticas de reforma. Especialmente os trabalhos teóricos que serviram de base para o sistema de assistência à saúde se tornaram foco de intensa crítica. O motivo disso foram os axiomas biopolíticos estabelecidos pelo conselheiro de saúde municipal e médico Julius Tandler. Por meio do conceito de custos produtivos e improdutivos, ele legitimou a instituição de centros de aconselhamento familiar e matrimonial, o estabelecimento de instituições para alcoólatras e o monitoramento da saúde escolar. As despesas com saúdes eram permitidas contanto que capacitassem as pessoas para um trabalho produtivo, não porque simplesmente melhoravam a vida dos indivíduos. Segundo os conceitos de Tandler, instituições como aconselhamento matrimonial deveriam, antes de tudo, evitar que pessoas com doenças hereditárias trouxessem uma criança ao mundo. As críticas à orientação biopolítica de Tandler são totalmente justificadas. Mas o fato é que, na prática da Viena Vermelha, ideias como essas foram substituídas por conceitos abertos e experimentais. Por exemplo, os centros de aconselhamento sexual e matrimonial sob a influência de marxistas radicais como Wilhelm Reich deram lugar a terapias psicanalistas livres, que antes estavam disponíveis apenas a clientes ricos da sociedade psicanalítica de Sigmund Freud. 197

8 O caso da Viena Vermelha 198 Além do programa habitacional do município, da assistência de saúde pública e juvenil, o terceiro pilar do socialismo municipal era o sistema escolar. Aqui também a categoria classe desempenhou um papel crucial. O sistema escolar das Vienas Vermelhas tinha como foco três princípios: participação, emancipação e acesso à educação. Os experimentos eram restritos às escolas de ensino primário, já que o programa de ensino médio ainda era a prerrogativa do ministro da educação de linha conservadora. Dentro desses limites, a administração municipal democratizou as escolas com a introdução de conselhos participativos. Os estudantes, professores e pais eram encorajados a eleger seus representantes. Juntamente com os alunos, os professores e pais formavam a comunidade escolar que discutia assuntos gerais, como os regulamentos das escolas. Para romper com o velho sistema baseado em classes e sua divisão entre educação secundária para famílias mais abastadas e escolas primárias para as camadas mais baixas, a Viena Vermelha ergueu novos tipos da assim chamada Allgemeine Mittelschule, como um tipo geral de escola para estudantes entre 10 e 14 anos. Ela possibilitava aos jovens da classe trabalhadora continuar os estudos nas instituições de ensino secundário. Os materiais didáticos eram gratuitos, para não excluir ninguém por motivos financeiros. Os princípios pedagógicos mudaram. As salas deixaram de seguir as antigas regras de aprendizado repetitivo e se encaixaram na estrutura de objetivos educacionais gerais para os interesses e as questões das crianças. A participação ativa e criativa dos alunos em experimentos físicos e artísticos foi o ponto de partida da nova abordagem pedagógica. A realidade da vida e os problemas das pessoas deviam ser a matéria de ensino, e as crianças deviam desenvolver o conteúdo de conhecimento em harmonia com seu próprio desenvolvimento psíquico. Por fim, a média de alunos por sala de aula foi reduzida de 49 para 29. Não podemos deixar de mencionar aqui a influência de cientistas

9 Siegfried Mattl como Anna Freud, Charlotte e Karl Bühler, Alfred Adler, que representavam embora de uma maneira diferente e altamente controversa o que foi chamado de fortaleza da psicologia vienense. Todos eles cooperavam intensamente com o conselho educacional da Viena Vermelha e dirigiam a educação dos professores no instituto pedagógico municipal. As despesas com programas sociais e habitacionais eram custeadas quase exclusivamente pela receita fiscal de Viena. O modo como a cidade organizava as receitas ainda parece ter um impacto sobre os desafios para uma política urbana radical nos dias de hoje. Antes de 1914, as receitas da cidade de Viena eram baseadas na suplementação dos tributos estaduais indiretos e nas receitas de empresas municipais, como as companhias de água e energia. Os dois pilares da receita tributária foram os aumentos dos aluguéis e os impostos sobre alimentos. Eles representavam um fardo desproporcional para a população mais pobre. No entanto, a Viena Vermelha desenvolveu um novo sistema tributário que aliviou a pressão financeira dos gastos com necessidades diárias e onerou o consumo de artigos de luxo como também as rendas mais altas. A cidade introduziu até mesmo novos tributos, como o imposto predial, que eram reservados para despesas sociais. Por outro lado, as tarifas de companhias municipais não deviam se basear em lucro, mas tinham de atender a demanda. A fim de facilitar a compreensão desse sistema, explicaremos brevemente alguns tipos de tributos, como: 199 O novo tributo de bem-estar social ou Fürsorgeabgabe: companhias industriais e comerciais tinham de pagar 4% dos salários como tributo de bem-estar social para a cidade. O novo Lustbarkeitsabgabe (taxação de espetáculos): peças teatrais, operetas, eventos esportivos comerciais, aulas de dança e muitos outros estabelecimen-

10 O caso da Viena Vermelha 200 tos de puro entretenimento tinham de pagar uma média de 20% da arrecadação da bilheteria. Quanto mais tarde começavam os eventos, maior era o aumento do tributo, como também era o caso onde se servia bebida alcoólica. O novo imposto sobre alimentos e bebidas ou Nahrungs- und Genußmittelabgabe: bares, cabarés, variétés e restaurantes que haviam sido identificados como companhias de luxo por causa da clientela burguesa tinham de pagar 15% de suas vendas de alimentos e bebidas. Taxação sobre empregados domésticos ou Hauspersonalabgabe: o emprego de quaisquer trabalhadores domésticos particulares era onerado com um pesado imposto progressivo. Impostos sobre apostas ou Wett-Steuer: uma sobretaxa de 60% dos tributos estaduais sobre vendas e lucros relativos a apostas (como corridas de cavalos e outros eventos esportivos). Esses novos tributos foram usados exclusivamente para financiar gastos com bem-estar social. No entanto, foi de suprema importância o assim chamado Tributo predial ou Wohnbausteuer: onerava os aluguéis existentes com um imposto que era reservado para a construção municipal. Dois fatores devem ser levados em conta aqui. Durante a guerra, foi aprovada uma lei que proibia o aumento dos aluguéis existentes. Em virtude da inflação nos anos posteriores à guerra, esses aluguéis estavam extremamente desvalorizados. Com a tributação progressiva, inquilinos de residências pequenas foram, em grande medida, poupados de contribuições substanciais, embora também tivessem de subsidiar o programa habitacional municipal.

11 Siegfried Mattl O tributo predial não era lançado sobre a renda do proprietário, mas no aluguel da propriedade, com uma acentuada gradação de 2 a 37% de acordo com o tamanho do apartamento ou espaço comercial alugado. Isso significava que inquilinos de apartamentos ou lojas pequenos, que representavam 86% dos aluguéis da cidade, pagavam apenas 23,6% do tributo total coletado. Os inquilinos das maiores e mais luxuosas residências e estabelecimentos, que constituíam menos de 0,5% da propriedade alugada da cidade, pagavam 41,7% do tributo. Desse modo, o ônus do Wohnbausteuer, cujo total de receitas era reservado para as novas habitações sociais, era posto sobre os ricos. O imposto predial fornecia aproximadamente 10% da receita total da cidade. Os tributos de bem-estar social representavam quase 15%. Para financiar o ambicioso programa municipal, era obviamente necessário contar com outros recursos. Entre esses recursos estavam as parcelas dos impostos estaduais transferidas à cidade. Essas parcelas eram ligeiramente superiores à soma dos autônomos tributos de bem-estar social e predial. Vale mencionar esse fator porque uma redução nas transferências de impostos estaduais para Viena, iniciada em 1930, mergulhou a habitação social numa verdadeira crise. Ao mesmo tempo, esse fato nos faz perguntar como o experimento da Viena Vermelha foi institucionalizado. Como capital e sede do Império Habsburgo, Viena antes da guerra era apenas parcialmente autônoma, sem leis tributárias autônomas. A cidade fazia parte da província da Baixa Áustria e enviava seus representantes para a Dieta da Baixa Áustria. Como a Baixa Áustria era uma região predominantemente agrária, a influência do movimento trabalhista vienense permanecia insignificante. O ano 1918, com o término revolucionário da guerra, provocou uma mudança radical a esse respeito. Em consequência da introdução do sufrágio universal, a Baixa Áustria e Viena ganharam uma maioria 201

12 O caso da Viena Vermelha 202 social-democrata. O partido católico conservador, que a partir de 1920 passa a governar a recém-fundada República da Áustria, pediu a separação de Viena da Baixa Áustria, em nome dos camponeses e de sua clientela pequeno-burguesa. Viena obteve uma base constitucional única. Era uma municipalidade e uma província ao mesmo tempo. De acordo com a constituição federal da Áustria, os nove estados federais e as municipalidades locais participavam da arrecadação tributária do Estado federal da Áustria. Receitas, como os impostos de renda, eram divididas entre o Estado, as províncias e as municipalidades onde foram originalmente arrecadadas, na proporção de 50 para 25 e 25 respectivamente. A cidade de Viena se beneficiou desse esquema, pois recebia duas cotas tributárias: como província federal e como municipalidade. Embora Viena cobrisse menos de um terço da população total da Áustria, sua parcela dos tributos federais era de 50%. Além disso, estava autorizada a cobrar impostos de modo autônomo. Isso foi um pré-requisito para a introdução do tributo predial descrito acima. Não é de surpreender que a questão tributária tenha sido um ponto de disputa constante na política austríaca, e temos de reconhecer que a genuína posição de Viena dependia dos desenvolvimentos no nível da política federal. Em 1931, sob pressão de uma aliança conservadora fascista, os social-democratas concordaram com uma emenda constitucional que reduzia a participação de Viena na arrecadação federal de 50% para 30%. Isso ocorreu bem na época em que o desemprego acelerado diminuía a receita fiscal federal como também a renda tributária autônoma de Viena. Nesse ponto, a Viena Vermelha foi obrigada a interromper o programa habitacional municipal e simplesmente terminar a construção de moradias em andamento. Numa tradição historiográfica particular, o termo socialismo municipal significava um vasto espectro de atividades da administração municipal. O termo não apenas

13 Siegfried Mattl resumia a política de bem-estar social, mas se estendia aos fundamentos econômicos da cidade. Com o socialismo municipal, a própria administração da cidade assumiu os empreendimentos econômicos vitais para seu desenvolvimento, no intuito de limitar os danos causados pela economia de mercado. Toda a rede de infraestrutura passou para o poder e administração públicos, a começar pelo transporte público, eletricidade e gás. Além disso, a cidade de Viena estabeleceu sua própria companhia de seguros, que ainda hoje é um grande e bem-dirigido instituto de seguros, embora parcialmente privatizado na década de Para limitar ainda mais o poder da economia de mercado, a cidade de Viena estabeleceu um instituto bancário municipal para emitir obrigações hipotecárias mais baratas e seguras do que as oferecidas por instituições financeiras privadas. Essas intervenções municipais básicas não eram resultantes de uma invenção social-democrata. Embora, a longo prazo, a maioria das cidades europeias tenha convertido a infraestrutura privada em pública, Viena foi a primeira capital a fazer isso. No entanto, ela começou na virada do século XIX para o XX sob gestão do prefeito cristão-social Karl Lueger, um dos mais ferrenhos opositores do movimento trabalhista e que hoje goza de má-reputação por causa de seu populismo e antissemitismo. A historiografia, porém, considera Lueger o paradoxal inventor do socialismo municipal, decorrente de suas atitudes antiliberais. Ademais, assumir o controle municipal da infraestrutura pública servia como uma fonte de poder para o partido social-cristão, à medida que este utilizava as receitas dos empreendimentos municipais para estabelecer um sistema de clientelismo e baseava a máquina partidária nos milhares e milhares de novos empregados municipais recrutados para os empreendimentos do município. A Viena Vermelha abraçou essa esfera econômica e até expandiu o âmbito de empreendimentos. Novos monopólios foram criados, como, por exem- 203

14 O caso da Viena Vermelha 204 plo, no campo de serviços funerários e propaganda pública. A construtora municipal recém-criada, Gesiba, se destinava a construir os assentamentos e os conjuntos habitacionais municipais, seguindo, portanto, as diretrizes do governo municipal e mantendo métodos tradicionais de construção para estimular o mercado de trabalho. No entanto, houve uma mudança drástica na política de empreendimentos municipais. Eles eram obrigados a cobrir custos, não a fazer lucro. A provisão de serviços municipais devia ser acessível a qualquer um ao menor custo possível. Desse modo, se nos limitarmos apenas à consideração da política municipal, veremos que a Viena Vermelha guarda alguma semelhança com conceitos de esquerda da assim chamada cidade fordista que pipocaram pela Europa depois da Segunda Guerra Mundial. Os sociais-democratas costumavam empregar dois termos diferentes, dependendo de quem era o destinatário de sua propaganda: de um lado, falavam sobre a Viena Vermelha quando se dirigiam ao seu próprio eleitorado e à esfera pública internacional do trabalho. De outro, ao promover a cidade de Viena para o público internacional mais amplo, a administração social-democrata falava da Nova Viena, dando ênfase a novas técnicas de governo. O que, afinal, fez da Viena Vermelha uma das referências na política socialista do entreguerras? Em nenhum outro lugar a cidade e a classe trabalhadora demonstravam tão alto grau de entrelaçamento de atividades, nem se via uma densidade de filiação ao partido socialista tão forte como na Viena Vermelha. Vale a pena, portanto, reexaminar alguns fatos e números para tornar mais transparente essa constelação única. Uma pesquisa de 1934 nos informa a respeito da relevância quantitativa de trabalhadores e de funcionários administrativos em Viena. De um total de cerca de 1 milhão de pessoas ativas, trabalhadores e operários respondiam por mais ou menos 50%. Empregados, autônomos

15 Siegfried Mattl e servidores públicos somavam cerca de 25%. Das pessoas economicamente ativas, 16% eram empresários e 5,2% trabalhavam em serviços domésticos (infelizmente não há dados sobre a relevância do trabalho feminino em domicílios particulares). Quando observamos os detalhes, percebemos que a maior parte da classe trabalhadora encontrava ocupação em pequenas companhias e lojas. O tipo industrial de companhia nunca obteve grande significância, com exceção de algumas empresas de larga escala como a multinacional eletrotécnica Siemens. Pequenas lojas, trabalhos artesanais, serviços e transportes desempenhavam um papel significativo no mercado de trabalho. Negócios e serviços empregavam mais de um terço da força de trabalho; o setor têxtil, focado na indústria modista, ocupava a maior parte da força de trabalho industrial, como também os setores de alimentos, bebidas e tabaco. Para dar um exemplo mais detalhado: hotéis, cafés e restaurantes, dependentes do turismo, absorviam 5% dos empregos disponíveis. Nos negócios comerciais, temos de imaginar uma estrutura em pequena escala semelhante. A produção de roupas e sapatos reivindicava cerca de 15% da força de trabalho, com a média de 3 a 4 trabalhadores empregados por estabelecimento. Em comparação com o restante do país, ficava claro que era desproporcional a quantidade de trabalhadores vienenses em ocupações especializadas, como também em serviços pessoais como a assistência em saúde. Nas ocupações dos ramos metálico e de carpintaria, a atividade se concentrava em profissões altamente especializadas como fabricantes de instrumentos. Tipógrafos e marceneiros representavam grupos centrais da força de trabalho da cidade, em decorrência do papel histórico de Viena como um lugar de produção de artigos de luxo e confeccionados por artífices. As tradições da subcultura artesanal do século XIX construíram a imagem do trabalho na Viena Vermelha. 205

16 O caso da Viena Vermelha Como Helmut Gruber disse nas linhas introdutórias de seu influente livro sobre a Viena Vermelha: 206 Se os projetos culturais do partido social-democrata tivessem se limitado ao programa socialista municipal em Viena, isso teria sido uma proeza única em e por si mesma. Embora reformas sociais semelhantes tenham sido executadas sob iniciativa socialista em Berlim, Frankfurt, Hannover, Bruxelas, Paris, Lyon, Londres, Estocolmo e outras cidades importantes, em nenhum outro lugar os socialistas aspiraram a um objetivo tão abrangente de transformar o ambiente municipal ou conseguiram dar tantos passos iniciais para sua realização como em Viena. Mas os socialistas foram ainda mais audaciosos. O sucesso na reforma municipal os encorajou a empreender a mais vasta transformação cultural da vida dos trabalhadores, implícita em sua perspectiva austromarxista. Afinal de contas, uma revolução na alma humana implicava uma sondagem nos recônditos da vida na esfera privada uma expansão da noção da cultura para abarcar a vida total dos trabalhadores, desde a arena política e o local de trabalho até os cenários mais pessoais e íntimos (Gruber, 1991). O campo social-democrata era constituído por grupos e federações, que se estendiam das áreas educacional e esportiva até meras atividades para o tempo livre como construir aparelhos de rádio e outros equipamentos técnicos similares. Festivais e celebrações eram o foco das atividades culturais do movimento socialista para criar, em adultos e crianças, laços emocionais com as ideias socialistas. Cerimônias e rituais formavam um calendário de tipo especial, destinado a acompanhar a vida proletária desde a tenra infância até a morte. Celebrações da República no 12 de Novembro, a comemoração do Primeiro de Maio e as comemorações da revolução democrática europeia de 1848 eram os destaques recorrentes do calendário proletário.

17 Siegfried Mattl Os ritos de passagem tinham de afetar diretamente os apoiadores socialistas de várias maneiras. A estrutura artística era garantida pelos diversos grupos corais, que apresentavam um programa mesclado de canções do classicismo e romantismo alemães e canções operárias. Grupos teatrais recitavam poesias do movimento de liberdade democrático alemão. Grupos de várias organizações profissionais, como a dos ferroviários, entoavam hinos e versões reduzidas do repertório da música clássica democrático-revolucionária. De modo semelhante ao rito católico, o principal discurso político ou, em termos do serviço religioso cristão, a leitura apresentada por uma pessoa proeminente da liderança partidária representavam a culminação dos eventos. A organização profissional dos festivais e celebrações cresceu ao longo dos anos. Havia desfiles da milícia do partido em uniformes e manifestações em massa das diversas organizações esportivas em seus trajes para tornar radicalmente visíveis a força e o poder do movimento. No começo da década de 1930, tiveram início as gigantescas performances coletivas, organizadas de uma forma conhecida apenas na antiga União Soviética. A maior delas foi a peça de festival representada em 1931 na inauguração do estádio em Prater, o extenso distrito de recreação e entretenimento de Viena. O festival encenou a história da luta de classes, traduzindo o esquema materialista de Marx numa série de cenas de sofrimento, opressão, rebelião e insurreição. Mais de 4 mil atores das fileiras da juventude socialista e de organizações culturais, com figurinos de época, encenaram a peça quatro vezes para um total de 260 mil espectadores no estádio. No meio do gramado do estádio, foi erguida uma cabeça capitalista gigante, que desmoronava com grande ruído no auge do espetáculo histórico sob o ataque furioso do proletariado. O festival terminava com todos cantando a Internacional. 207

18 O caso da Viena Vermelha 208 Por ocasião dos festivais, as diversas organizações podiam se concentrar em atividades que normalmente eram consideradas banais. Festivais e cerimônias produziam uma síntese de atividades geralmente desarticuladas e definiam um objetivo mais elevado para as atividades de voluntários em clubes de trabalhadores, ou seja: contribuir para a visibilidade desse impressionante movimento social mesmo com meios modestos. No âmbito das atividades dos clubes, o partido recrutava um exército de funcionários e ativistas que estavam em contato constante com as organizações centrais e envolvidos numa ampla rede de publicações socialistas. Mesmo quando se interessavam apenas por passatempos, os membros dos clubes podiam imaginar como contribuir para a identidade do movimento socialista. A diversidade dentro desta rede cultural não pode ser apropriadamente expressa senão pelo catálogo de organizações. Elas eram realizadas principalmente no nível do distrito. Os membros do partido, membros das organizações juvenis e da organização das mulheres muitas vezes estavam comprometidos com dois ou mais desses clubes. Eles podiam gastar todo seu tempo livre no âmbito das organizações socialistas. Para a maioria deles, os clubes de trabalhadores e seus subsídios ofereciam possibilidades únicas para criar ou fazer algo significativo. Para citar mais uma vez Helmut Gruber, a rede de clubes devia criar uma revolução na alma humana. Na teoria austromarxista contemporânea, nos deparamos com um termo ainda mais enfático: os novos homens. Os novos homens também foi o título do livro do sociólogo Max Adler sobre os conceitos da educação socialista. Esse livro tornou-se o que podemos chamar de a bíblia dos experimentos culturais da Viena Vermelha. Neste, Adler, referindo-se ao conceito marxista de alienação, negou qualquer desenvolvimento espontâneo da consciência de classe. Segundo Adler, o véu ideológico gerado pelo regime de exploração capitalista só poderia ser rasgado fora da vida

19 Siegfried Mattl cotidiana. Mas onde esse autêntico fora humano pode ser encontrado? A ideia genuína de Adler consistia na extensão da filosofia de Immanuel Kant. Tomando o esquema kantiano do a priori, que definia os princípios dados da razão para perceber as leis naturais, Adler foi mais longe ao aplicar um princípio similar da razão para a área social. O que ele chamou de a priori social, ou a capacidade intelectual dada para conceber padrões solidários como estruturas formativas da vida humana, devia orientar os avanços no conhecimento das regras da sociedade. Homens novos nasciam da disseminação desse conhecimento, não da experiência cotidiana ou da luta de classes. O movimento socialista e a reforma social tinham de preservar a estrutura para que razão se tornasse autorreflexiva, de modo que era importante a luta por segurança social e por mais tempo livre. Mas eles eram apenas meios para permitir aos intelectuais socialistas espalhar suas ideias dentro do movimento por meios educativos. Os clubes eram o terreno natural para esse tipo de educação. Para citar Helmut Gruber mais uma vez: 209 Embora o tom exortativo [no livro de Adler] fosse claro, Adler não disse quase nada sobre traduzir esses aforismos vagos em trabalho cultural prático, salvo que o proletariado não podia aprender com sua própria experiência e tinha de renegar interesses materiais e profissionais no esforço para alcançar o objetivo socialista. O guia mais certo para isso, ele conclui, poderia ser encontrado nos livros dos grandes mestres socialistas, bem como nos clássicos da filosofia alemã, juntamente com a ciência natural, a história e as leis econômicas do processo social. Os radioclubes, cineclubes, clubes de futebol, Atores Vermelhos e cabarés eram uma resposta à emergente cultura de massa e às atividades de lazer comerciais após a Primeira Guerra Mundial. Abolicionistas, livres-pensadores, os

20 O caso da Viena Vermelha 210 clubes de cremação, os coros de trabalhadores e os clubes de ginástica, por outro lado, eram arraigados numa longa tradição, que remonta aos tempos áureos do liberalismo democrático progressivo. Os Amigos das Crianças e Colonos correspondiam ao movimento de reforma da vida boêmia do fin-de-siècle. Colecionadores de selos, clubes de esperanto, ativistas dos direitos dos animais e jogadores de xadrez respondiam ao desejo de organizar cada interesse particular segundo as linhas do partido, já que depois da revolução de a sociedade tinha se dividido em um campo socialista e um campo burguês. Ciclistas e clubes desportivos de atletismo estavam vinculados a determinados grupos profissionais, como de tipógrafos e trabalhadores do transporte, pelo menos em seu início. Em vista disso tudo, não podemos dizer que os clubes compartilhavam um conceito estrito e unificado. Eles refletiam a diversidade na cultura moderna e apresentavam por si mesmos uma imagem multiforme da classe trabalhadora, que dependia de critérios sociológicos como idade, gênero, ocupação e singularidades históricas. Os clubes desportivos eram o domínio dos rapazes socialistas, enquanto antigos clubes de ginastas masculinos foram amplamente abertos para as mulheres após a guerra. O radioclube, por exemplo, foi fundado por veteranos da Primeira Guerra Mundial que serviram como técnicos e operadores de rádio, enquanto os clubes de futebol tornaram-se populares nos conselhos revolucionários de soldados em Cineclubes, cabaré político e Atores Vermelhos representavam intelectuais com maior grau de organização e estavam inclinados à arte de vanguarda, enquanto o movimento de assentamento atraía trabalhadores expostos a alto risco de desemprego, bem como oficiais de baixa patente e funcionários públicos prejudicados pela dissolução do exército e da burocracia imperiais. Uma abordagem baseada em estudos culturais seria capaz de mostrar em detalhes como a diferenciação social

Mattl, Siegfried O caso da Viena Vermelha Lua Nova, núm. 89, 2013, pp. 191-213 Centro de Estudos de Cultura Contemporânea São Paulo, Brasil

Mattl, Siegfried O caso da Viena Vermelha Lua Nova, núm. 89, 2013, pp. 191-213 Centro de Estudos de Cultura Contemporânea São Paulo, Brasil Lua Nova ISSN: 0102-6445 luanova@cedec.org.br Centro de Estudos de Cultura Contemporânea Brasil Mattl, Siegfried O caso da Viena Vermelha Lua Nova, núm. 89, 2013, pp. 191-213 Centro de Estudos de Cultura

Leia mais

Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus

Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus Proposta de Programa do PCB para o Município de Manaus. Os sucessivos governos de direita ou de corte social-liberal investem nos programas maquiadores da administração pública, por meio de projetos milionários

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 2

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 2 Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 2 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos. Estrangeiros Residentes no Japão

Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos. Estrangeiros Residentes no Japão Sobre as Medidas Imediatas (Curto Prazo) de Apoio aos Estrangeiros Residentes no Japão (Tradução Provisória) 30 de janeiro de 2009 Escritório do Gabinete O mercado financeiro e de capitais global passa

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I Da Educação Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

UNIDOS PELA MUDANÇA 1-EDUCAÇÃO:

UNIDOS PELA MUDANÇA 1-EDUCAÇÃO: As Eleições Municipais que acontecerão no próximo mês de outubro de 2012, marcará profundamente a vida de Frei Paulo. Nelas, os eleitores terão a oportunidade de finalmente escolher e eleger um Governo

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA www.criticadaeconomia.com.br EDIÇÃO Nº 1224/1225 Ano 29; 1ª 2ª Semanas Fevereiro 2015. País rico é país com pobreza Enquanto

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

Proposta de Programa de Governo da Frente de Unidade Popular - Psol-Pcb-Pstu

Proposta de Programa de Governo da Frente de Unidade Popular - Psol-Pcb-Pstu Proposta de Programa de Governo da Frente de Unidade Popular - Psol-Pcb-Pstu Economia Objetivos - elevar o patamar de mobilização popular, não apenas para denunciar as mazelas da política econômica nacional,

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Não é verdade que a esquerda apenas critica e não sabe o que propor. A história da luta por moradia

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL Luiz Carlos Bresser-Pereira Intervenção no VI Fórum da Reforma do Estado. Rio de Janeiro, 1º. de outubro de 2007. Sumário. A democracia permitiu que os trabalhadores

Leia mais

O que são as diretrizes para Discussão Temática?

O que são as diretrizes para Discussão Temática? O que são as diretrizes para Discussão Temática? As diretrizes para Discussão Temática apresentam conteúdos exclusivos desenvolvidos por meio de pesquisas para a Fundação 1º de Maio. As informações aqui

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PINHEIRINHO 02/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

A História da Ginástica Olímpica

A História da Ginástica Olímpica EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR: / ASSUNTO Antonio Carlos / GINÁSTICA ARTISTICA: Histórico A História da Ginástica Olímpica Ginástica Olímpica, também conhecida como Ginástica Artística, é um esporte surpreendente

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR AULA 02: TERCEIRO SETOR (PARTE I) TÓPICO 01: EIXOS TEÓRICOS Os fundamentos da Gestão Social não se restringem a ideais históricos.

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Mulheres dos Anos Dourados

Mulheres dos Anos Dourados Os Anos Dourados O otimismo do pós-guerra, as esperanças no futuro próximo e a sensação de que o país alcançaria de vez a modernidade ainda hoje dão saudades a muita gente. A nostalgia de uma época que

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

A. D. HANDEBOL MASCULINO 15 DE PIRACICABA PROJETO DE PATROCÍNIO TEMPORADA 2010

A. D. HANDEBOL MASCULINO 15 DE PIRACICABA PROJETO DE PATROCÍNIO TEMPORADA 2010 A. D. HANDEBOL MASCULINO 15 DE PIRACICABA PROJETO DE PATROCÍNIO TEMPORADA 2010 A História da Modalidade O Handebol: O jogo de "Urânia" era praticado com as mãos na antiga Grécia com uma bola do tamanho

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI

PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI Médica com Residência em Medicina Preventiva e Social, Especialista em Gestão Pública. Coordena o Grupo Executivo

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE O PNE para 2001-2011 consolidou-se como uma carta de intenções. - Universalização do ensino fundamental - Ampliação significativa

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Institui a Lei da Meritocracia, através do Planejamento Estratégico da Administração Pública Brasileira e do Sistema Nacional de Gestão de

Leia mais

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO)

Trabalho. Indo de Encontro aos Desafios do Futuro. Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) Trabalho Indo de Encontro aos Desafios do Futuro Uma área de escritórios no centro (Foto cortesia da AFLO) O sistema japonês de trabalho desempenhou um papel central no forte crescimento econômico que

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca deirantes de ontem, mas dos homens

Leia mais

Sociologia Movimentos Sociais. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

Sociologia Movimentos Sociais. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 Sociologia Movimentos Sociais Visão Geral Ações sociopolíticas Atores sociais coletivos diferentes classes e camadas sociais Interesses em comum Atuação explícita Consciência organização política cultura

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Palavras Chaves: Redução de Impostos; Redução de Tributos; Geração de Empregos, Redução de Jornada de Trabalho 1. Introdução A redução

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

Programa de Governo: Coligação Frente de Esquerda

Programa de Governo: Coligação Frente de Esquerda UMA OUTRA CIDADE É POSSÍVEL Programa de Governo: Coligação Frente de Esquerda O desafio da Frente de Esquerda PSOL e PCB - numa eleição municipal é construir um programa de governo e um plano de ação que

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

PROJETO CRIASOM. 1.2 -Histórico (Como, Onde e Porque Surgiu)

PROJETO CRIASOM. 1.2 -Histórico (Como, Onde e Porque Surgiu) PROJETO CRIASOM 1. DADOS SOBRE A INSTITUIÇÃO 1.1 - Dados Gerais Nome: Mosteiro São Geraldo de São Paulo CNPJ: 61697678/0001-60 Telefone: (11) 2244-1803 Fax: (11) 3744-6835 E-mail: msoh@csasp.g12.com Site:

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP

ESPORTE. Foto: Fabio Arantes/ Secom/ PMSP ESPORTE O partido Solidariedade está atento à necessidade do esporte na vida da população. Entendemos que ele é uma importante ferramenta para retirar crianças das ruas e assim, reduzir a violência e o

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ

A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ 2 A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ Thais Gama da Silva UFPR Araci Asinelli-Luz - UFPR Resumo: O protagonismo social dos(as) adolescentes

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais