O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas"

Transcrição

1 O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP

2 O Ser Humano na perspectiva antropológica as origens do antropos existe uma natureza humana? essência x existência um ser simbólico um ser em aberto um ser em busca de sentido um ser de conhecimento (senso comum, arte, ciência, religião, filosofia)

3 O Curso da Vida o curso biológico e o cultural as fases da vida são categorias culturalmente produzidas serve para a produção e reprodução da vida social velhice não é uma categoria natural, é uma representação social o processo biológico é elaborado simbolicamente através de rituais os rituais estabelecem as fronteiras entre as fases da vida e isso varia de sociedade para sociedade

4 Os Rituais e as Construção de Sentido toda a vida é marcada por rituais rituais são cerimônias repetitivas, onde indivíduos assumem papéis sociais rito e mito rituais sagrados e rituais profanos ritos de passagem: separação, transição e incorporação ritos de nascimento, crescimento, entrada em novos ciclos de vida, ocupação ou profissão, morte, luto

5 Categorias de Idade crianças que só começam a existir quando falam, ou desmamam a ordem do nascimento não tem a ver com geração: um filho pode ser mais velho que seu pai (classificatório) categoria criança não existia na Idade Média juventude: categoria nova, entre a infância e o casamento na sociedade aristocrática, o jovem era um cavaleiro errante à espera do casamento maioridade civil / idade de entrada e saída do trabalho adolescência / adultescência adulto e idoso o lugar da velhice terceira idade entre o adulto e o idoso

6 Sociedades Tradicionais e Sociedades Modernas nas sociedades tradicionais valorização da sabedoria tradicional ausência de sistema de datação importância dos anciãos como guardiães da sabedoria trabalho serve para sustento nas sociedades modernas especialização e separação das esferas sociais sistema de datação é fundamental sociedade do consumo / soc. do descartável institucionalização do curso da vida trabalho é valorizado necessidade de ser produtivo velhice é um problema

7 Terceira Idade invenção recente vítimas da marginalização e solidão corresponde a mudanças no processo produtivo ampliação dos setores médios e à melhoria da expectativa de vida isso leva à necessidade de novas práticas, instituições e agentes especializados para atender as necessidades dessa parcela da população o crescimento da população idosa traz desafios para a reprodução da vida social ameaça a vida social terceira idade ou melhor idade representam uma construção de imagens positivas do envelhecimento como converter esse período em um novo platô de consumo e entretenimento

8 Aposentadoria o que uma sociedade faz com seus idosos? a invenção da aposentadoria hoje: custo financeiro do envelhecimento não se trata apenas de sustentar o final da vida ou compensar a perda da capacidade produtiva, mas como proporcionar um bem estar desafios: como a sociedade vai encontrar maneiras de proporcionar uma nova etapa de vida aposentado perde o papel de trabalhador produtivo mas aposentadoria não é a entrada na velhice construção de novos valores para essa nova etapa, cada vez maior da vida para os aposentados, uma nova possibilidade de aprendizagem e realização de sonhos

9 O papel da antropologia não cabe ao antropólogo definir quando as pessoas ficam velhas para o processo produtivo ou quando devem se aposentar nem sugerir ou avaliar programas de adaptação ao envelhecimento cabe refletir sobre as representações nas definições de idade e como se definem os comportamentos tidos por adequados a cada uma; cabe refletir como os idosos reelaboram essas representações e definem novas práticas isso leva a pensar a terceira idade como uma construção social: quais conteúdos investidos nessa classificação qual a especificidade dos agentes encarregados de dar credibilidade às representações quais os conteúdos simbolicamente produzidos como se constituem intervenções voltadas a essa população a reelaboração e incorporação desses conteúdos entre os mais velhos

10 Outros olhares Do ponto de vista do indivíduo, a terceira idade é um momento de grandes mudanças (físicas, psicológicas, econômicas, comportamentais, na rotina doméstica etc.) muda sua autopercepção e daquilo como ele acredita que a sociedade o vê sentimento de inutilidade, solidão e baixa autoestima lado positivo: maior tempo para lazer e outras atividades se não houver planejamento, essa nova etapa (cada vez maior) pode ser uma grande decepção sentimento de tempo perdido como se preparar para uma nova fase da vida: ausência de rituais dificulta; como manter-se integrado à sociedade; como sobreviver financeiramente; como não se sentir improdutivo e desvalorizado

11 A noção de espiritualidade o que entendemos por religião e espiritualidade a natureza da religião pesquisas apontam que, em muitos países, a aderência às práticas espirituais/religiosas é maior entre os idosos que entre os jovens há varias explicações para isso (finitude, sentido da vida etc.) mas é fundamental pensar na religião como fator congregador rituais religiosos serviram para preservação dos idosos (guardiães da sabedoria, mas improdutivos)

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Psicologia º Ano ANO LETIVO 2015/2016 º GRUPO B MÓDULO 1- Descobrindo a Psicologia 26 1. Especificidade da Psicologia

Leia mais

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR

APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR APOSENTADORIA + VOLUNTARIADO = TRANSFORMAÇÃO RUBENS DE FRAGA JÚNIOR ROTEIRO O QUE É ENVELHECIMENTO? APOSENTADORIA : UMA TRANSIÇÃO BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE DO VOLUNTÁRIO O Envelhecimento O que é? Conceito

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PSICOSSOCIAL DE PRETENDENTES À ADOÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2015

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2015 Atividade Física na Terceira Idade Prof. Dra. Bruna Oneda 2015 Brasil Expectativa de vida: Inicio século XX 33,6 anos Década de 50 43,2 anos Atualmente 72,7 anos De 1991 para 2000 houve um crescimento

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/2014 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: PSICOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Área Científica: Psicologia Curso: Mestrado em Gerontologia Social Semestre:

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração CAPÍTULO 10 Enfoque Comportamental na Administração MAXIMIANO /TGA Fig. 9.1 A produção robotizada, que ilustra o sistema técnico das organizações, contrasta com o sistema social, formado pelas pessoas

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL (2006) Salvador Loureiro Rebelo Junior Graduando do 6º ano de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Bauru, Intercambista

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Autoconhecimento. Terceira idade; qualidade de vida; idosos; asilo. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Autoconhecimento. Terceira idade; qualidade de vida; idosos; asilo. INTRODUÇÃO QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE: RESGATANDO A DIGNIDADE DO IDOSO DENTRO DO AMBIENTE ASILAR Lara Cristina Queiroz Ferreira - lara.cristina2105@hotmail.com RESUMO Este estudo teve por objetivo o autoconhecimento

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação

Câmara Municipal de Alter do Chão Setor Ação Social e Educação Nota Introdutória O presente projeto de intervenção surge da constatação do elevado número da população idosa na estrutura demográfica do concelho de Alter do Chão, do conhecimento e do contato direto

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 10 Índice 1. Regulamento, Procedimento e Programação em Recursos Humanos...3 2. Aprendizagem...3 3. Como melhorar a aprendizagem...5 4. Avaliação

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça I- A Comissão de Abrigo da Comarca de São Paulo A comissão de abrigo é constituída de assistentes sociais e psicólogos da capital que se reúnem desde 2005 sob a coordenação do Núcleo de Apoio Profissional

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

Cerimonial religioso Texto: Kathia Pompeu Ilustração: Ricardo Rocha

Cerimonial religioso Texto: Kathia Pompeu Ilustração: Ricardo Rocha 182 Cerimonial religioso Texto: Kathia Pompeu Ilustração: Ricardo Rocha PASSO A PASSO DO CORTEJO Rico em tradições e costumes, o casamento atravessa os séculos alimentando o sonho romântico de casais apaixonados.

Leia mais

4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO. Alessandra Balbi Rita Puga. Livro: Terceira Idade & Atividade Física

4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO. Alessandra Balbi Rita Puga. Livro: Terceira Idade & Atividade Física Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 55 4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO Livro: Terceira Idade & Atividade Física Alessandra Balbi Rita Puga Maria Alice Corazza, em sua literatura sempre enfatiza

Leia mais

GABRIELA AZEVEDO E MARIANA ALMEIDA

GABRIELA AZEVEDO E MARIANA ALMEIDA GABRIELA AZEVEDO E MARIANA ALMEIDA o decorrer da história das sociedades, os padrões de beleza de homens e mulheres foram se transformando. Até hoje, no Oriente, o idoso é valorizado por sua sabedoria

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014

Escola Básica e Secundária de Velas. Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional. Ano Letivo 2013/2014 Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Psicologia 10º Ano de Escolaridade Curso Profissional Ano Letivo 2013/2014 Professor Mário Miguel Ferreira Lopes PRIMEIRO PERÍODO MÓDULO 1: DESCOBRINDO

Leia mais

"Envelhecer é um triunfo", observa o professor Alexandre Kalache," mas. para usufruir da velhice,

Envelhecer é um triunfo, observa o professor Alexandre Kalache, mas. para usufruir da velhice, A questão dos direitos humanos, relevante por si SÓ, adquire nova e inusitada dimensão, quando considerada li luz do crescimento demográfico de todo o mundo, emespecial daaméricalatina, jáque envolve,

Leia mais

Família. Dias, pags. 235-256

Família. Dias, pags. 235-256 Família Dias, pags. 235-256 Sobre instituições... São sistemas complexos de relações sociais dentro dos quais operam a(s) cultura(s) e a estrutura social. A família, por exemplo, inclui valores (amor,

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Planejamento Financeiro e Você. Ferramentas para a Conquista de Sonhos! Semana da Estratégia Nacional de Educação Financeira

Planejamento Financeiro e Você. Ferramentas para a Conquista de Sonhos! Semana da Estratégia Nacional de Educação Financeira Planejamento Financeiro e Você Ferramentas para a Conquista de Sonhos! Semana da Estratégia Nacional de Educação Financeira 2015 Hoje estamos aqui para falar de SONHOS e como realizá-los Você está Vivendo

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo Áreas de Proteção Ambiental APAs OBJETIVOS: Conciliar o desenvolvimento econômico e a

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A TERCEIRA IDADE NA UNIVERSIDADE ABERTA: NAVEGANDO, BUSCANDO, APRENDENDO EM UM MAR SEM FIM Elizabeth Thomaz Pereira FATEC Prof. Waldomiro May Cruzeiro, São Paulo, Brasil Objetivos: identificar as percepções

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA n. 8/2014 PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESTUDANTES

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA n. 8/2014 PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESTUDANTES ORIENTAÇÃO DIDÁTICA n. 8/2014 PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESTUDANTES 1 PROCESSOS DE ACOMPANHAMENTO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES A correção das atividades escolares (orais e escritas/

Leia mais

Construção de Escolhas

Construção de Escolhas Programa: Pré- Aposentadoria Construção de Escolhas Realização Marisa de Oliveira Martinez Psicóloga Secretaria da Administração Tel.: 15-32382107 Mmartinez@sorocaba.sp.gov.br Questões: 1-Sei quanto tempo

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Renata Maia Ribeiro de Barros Braga 1 ; Andréa Espinola de Siqueira 1 ; Erika

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA

ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA ABORDAGEM DA RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO ÂMBITO DAS ADMINSTRAÇÕES PÚBLICA E PRIVADA Alvaro YANAGUI 1 RESUMO: O presente artigo integra assuntos da responsabilidade social e ambiental no que tange

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula)

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) Componente Curricular: Ensino Religioso / 7º ano Ano Letivo: 2014 Professor Ministrante: Lúcia Clemeci Carga Horária: 5 horas/ aula Data: 02/ 07/2014 Aula: 03 Título: Crescimento

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Os profissionais estão envelhecendo. E agora?

Os profissionais estão envelhecendo. E agora? 10Minutos Gestão de talentos Pesquisa sobre envelhecimento da força de trabalho no Bras Os profissionais estão envelhecendo. E agora? Fevereiro 2015 Destaques O Bras está envelhecendo rapidamente. Estima-se

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Como agregar valor durante o processo de auditoria

Como agregar valor durante o processo de auditoria QSP Informe Reservado Nº 55 Fevereiro/2006 Como agregar valor durante o processo de auditoria Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

ENVELHECIMENTO E PRECONCEITO: DUAS VERTENTES ANTAGÔNICAS NA CONQUISTA DA TERCEIRA IDADE

ENVELHECIMENTO E PRECONCEITO: DUAS VERTENTES ANTAGÔNICAS NA CONQUISTA DA TERCEIRA IDADE ENVELHECIMENTO E PRECONCEITO: DUAS VERTENTES ANTAGÔNICAS NA CONQUISTA DA TERCEIRA IDADE ALVES; Francileide Maria de Araújo 1 LEMOS;Tailiny Elias dos Santos 1 LIMA, Micheline De Azevedo 2 Extensionista

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE Marcela Cristina Vergilio Lipori 1 Renan Augusto de Ramos 2 Clóris Regina Blanski Grden 3 Emanoel Severo 4 Lílian Maria Pinheiro

Leia mais

Os Setes CélebresC. Sete Dias da Semana. Cores do Arco-Íris.

Os Setes CélebresC. Sete Dias da Semana. Cores do Arco-Íris. Ciclo dos Sete Anos O Número N Sete Esse número n é venerado háh mais de 3.000 anos por razões sacerdotais, desde os tempos da antiga Babilônia. Em todos os livros sagrados, de todas as religiões, o número

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Thiago de Almeida O amor é um conceito que possui uma extensa cadeia de significados e interpretações distintas. Muito longe de ser meramente

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PESSOAL Nome: Elaboração: / / Inspiração empresarial A criação desse modelo de Planejamento Estratégico Pessoal foi baseada numa reportagem da Revista Você S/A (Dez/2002: Paul

Leia mais

A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade de especialização. A educação é considerada

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Projeto Padrinho. sua ajuda faz parte da nossa justiça GUIA DE INFORMAÇÕES

Projeto Padrinho. sua ajuda faz parte da nossa justiça GUIA DE INFORMAÇÕES sua ajuda faz parte da nossa justiça GUIA DE INFORMAÇÕES mas alguém para menos calçados, cobertores, brinquedos, alimentos, caridade... passear, abraçar, brincar, dividir, acreditar... sua ajuda faz parte

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

DESMISTIFICANDO A PREVIDÊNCIA

DESMISTIFICANDO A PREVIDÊNCIA DESMISTIFICANDO A PREVIDÊNCIA Todos os direitos reservados para Icatu Seguros S/A - 2014. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida de nenhuma forma ou por meio nenhum,

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais