Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es)."

Transcrição

1 O TRABALHO NA TERCEIRA IDADE: A CONTINUAÇÃO DE UMA IDENTIDADE SOCIAL? Rosimeire de Oliveira Sueli Galego de carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, Brasil Resumo O número de idosos tem aumentado cada vez mais. Este fato é indicador de progresso social, porém, traz novas demandas e novos problemas. No Brasil ainda temos poucos estudos voltados para a terceira idade, e também uma escassez de investimento público destinado a essa população. Grande parte dos idosos, no Brasil, e no mundo permanece trabalhando depois da aposentadoria. Esta é uma conquista dos trabalhadores, mas a mudança do trabalho para o repouso gera transformações altamente significativas. O trabalho tem valor moral na sociedade moderna e o ócio é tido como imoral, e, no entanto o indivíduo passa a pertencer ao grupo dos ociosos após a aposentadoria. O objetivo deste estudo é identificar o significado do trabalho no cotidiano de um grupo de aposentados idosos. Foram entrevistados 10 idosos aposentados que continuam trabalhando. As entrevistas foram gravadas em áudio e transcritas. O roteiro de entrevista continha 12 perguntas semi-dirigidas. Os dados coletados mostraram que os principais motivos para idosos continuarem trabalhando são: gostar de trabalhar (100%); ter trabalhado a vida inteira e se acostumado com essa condição (80%); necessidade financeira (70%); fugir do estigma de que idoso é inútil (70%); manter contato social (60%). A necessidade financeira é bastante relevante na manutenção do trabalho na terceira idade, porém, aspectos de motivação intrínseca são os principais mantenedores do trabalho entre os participantes. Os resultados apontam que políticas públicas devem considerar que parte dos idosos deseja continuar ativa e promover condições satisfatórias para isto. Palavras-Chave: Idoso, Aposentado, Trabalho Introdução Até o momento temos poucos estudos sobre o lugar do idoso e do aposentado no mundo do trabalho. Porém, essa população tem aumentado cada vez mais (Neri,

2 1993). O aumento da expectativa de vida é um indício de progresso social, no entanto, isto traz novas demandas e novos problemas. As necessidades ocasionadas pelo aumento do contingente de pessoas na terceira idade são acompanhadas de demandas que precisam ser supridas pelas políticas públicas, pelas instituições e pela sociedade de modo geral (Neri, 2004). Segundo Neri (1993), é inevitável que o idoso sofra algumas perdas nesta fase da vida, assim como ocorre em todas as etapas do desenvolvimento. Porém, há um grande número de idosos que consegue manter a capacidade biológica e o funcionamento biopsicossocial bem próximo aos dos adultos jovens. Pois, o acúmulo de conhecimento e desenvolvimento de habilidades compensam as perdas naturais. Desta forma, muitos idosos têm plena capacidade de continuarem desenvolvendo uma atividade laboral de maneira satisfatória. O estigma social de que o idoso é inútil e a aposentadoria o fim da carreira profissional de um indivíduo não tem mais razão de existir no contexto atual da terceira idade. Mas, infelizmente, esta ainda não é nossa realidade. Segundo Bragança (2004), os significados do trabalho e da aposentadoria são postulados pela lógica do capitalismo. Nesta lógica o indivíduo é valorizado pelo que produz. Assim, muitas vezes, a aposentadoria é percebida como uma situação de desvalorização em consequência do fim da participação no processo de produção capitalista. A aposentadoria, muitas vezes, é o fim das atividades produtivas ou o fim do trabalho remunerado com a chegada da terceira idade, criando a ideia de pobreza e incapacidade e aumentando o imaginário social de estigma de inutilidade do idoso. Surge aí um novo conjunto de valores e práticas de exclusão cultural e social. O trabalho tem um papel muito importante na vida do homem moderno. Segundo (Moser, 2001) moralmente o trabalho é tido como edificante, o trabalho enobrece o homem. E o ócio como imoral, e, no entanto o indivíduo passa a pertencer ao grupo dos ociosos após a aposentadoria. Sendo o trabalho representante da identidade do indivíduo a aposentadoria pode repercutir como uma perda de identidade, uma vez que, ele deixará de pertencer a um determinado grupo social (Carlos et al., 1999).

3 As pessoas vivem a experiência da aposentadoria de maneira diferenciada em consequência dos diversos significados que dão para o trabalho e para a aposentadoria. Para alguns, essa experiência é indesejada, já para outros a aposentadoria é um evento aguardado na vida. A aposentadoria traz à tona dois assuntos delicados; velhice e sobrevivência econômica. Muitas pessoas veem na aposentadoria o veredicto da velhice. Com a redução da renda os aposentados podem vir a ter necessidades financeiras ou a ter que baixar seu padrão de vida. Estes fatores associados podem levar um indivíduo ao desespero. Para fugir dessa situação, muitos postergam a aposentadoria ou não param de trabalhar depois dela. A maior parte dos idosos que estão no mercado de trabalho é composta por pessoas que dependem do rendimento da atividade para sobreviverem ou para manter seu padrão atual de vida. O aumento no número de idosos ativos é consequência da diminuição da renda trazida pela aposentadoria (Wajnman, et al., 2004). Embora seja sabido que a aposentadoria geralmente representa redução na renda, fatores de ordem emocionais são importantes reforçadores para que o aposentado permaneça trabalhando, como por exemplo, o desejo de reconhecimento e de continuar sendo útil em um meio social que é contextualizado pela capacidade de produção (Carlos, et al., 1999). Este estudo buscou investigar qual o significado do trabalho na vida de pessoas idosas e aposentadas que continuam ativas em um período em que o esperado é que elas estejam descansando. Método Foram entrevistados 10 aposentados de ambos os sexos, com idade entre 60 e 73 anos que não pararam de trabalhar após a aposentadoria e a terceira idade. O roteiro de entrevista continha 12 perguntas semi-dirigidas. Não houve uma escolha prévia das profissões, mas, buscamos entrevistar pessoas com diferentes tipos de funções e remunerações. Dentre os participantes temos: 1 professora universitária, 1 taxista, 2 costureiras, 1 chefe de seção, 1 comerciante, 1 professor de inglês, 1 executivo, 1 doméstica e 1 consultor em marketing.

4 Os entrevistados foram indicados para participarem da pesquisa por pessoas que conheciam o estudo e tinham contato com aposentados que continuavam trabalhando após os 60 anos. O primeiro contato com cada um dos participantes foi feito por telefone. Neste contato, era explicado o objetivo da pesquisa e feito o convite para a entrevista, que então era agendada. As entrevistas foram realizadas em local e horário escolhidos pelos participantes. As entrevistas foram gravadas em áudio para garantir fidedignidade à análise e posteriormente foram transcritas para apoiar a análise dos dados. Os entrevistados receberam informações sobre os objetivos do estudo e também sobre a liberdade de participação e todos foram comunicados da possibilidade de se retirarem do estudo a qualquer momento, segundo os padrões éticos necessários às pesquisas com seres humanos. Resultados A análise dos dados revelou que o trabalho na terceira idade é uma forma de manutenção da identidade dos sujeitos. Todos os entrevistados disseram que continuam trabalhando pelo fato de gostarem de trabalhar (100%). Eu trabalho porque eu gosto de trabalhar mesmo (68 anos, comerciante). Eu sempre trabalhei porque eu gosto muito (72 anos, costureira). Tem gente que não gosta de trabalhar, mas eu gosto de trabalhar, eu gosto. Eu acho gostoso (68 anos, taxista). Também foi possível observar que estes sujeitos estão condicionados ao trabalho por terem trabalhado durante muito tempo de suas vidas. Dos 10 entrevistados 8 disseram não se acostumariam a ficar sem trabalhar (80%). A aposentadoria é para gente descansar. Mas, eu não consigo. Eu não consigo porque eu me criei na agitação de trabalho. Eu não consigo ficar sem trabalhar (68, anos comerciante). Eu não quero parar também, sempre trabalhei (61, anos doméstica). Eu vou trabalhar até o fim, sempre trabalhei e quero morrer trabalhando (67, anos executivo).

5 Uma parte dos entrevistados citou que não conseguiria se manter apenas com o valor da aposentadoria, pois o valor que recebem é muito baixo e por isso o trabalho também significa uma forma de manutenção da sobrevivência (70%). Continuo primeiro por questão financeira, necessidade financeira (60 anos professora de inglês). Aposentadoria é uma ajuda que a gente tem. Mas a inflação acaba como tudo, não sobra quase nada. Se eu for depender da aposentadoria eu não vivo (66, anos costureira). Para mim significa somente um complemento de ganho, porque o valor que a gente recebe é tão pouco. Após 31 anos de trabalho, se você não trabalhar você não tem como sobreviver com a aposentadoria (62 anos, encarregado de seção). O estigma de que o idoso é inútil e não tem mais valor como mão-de-obra é algo que incomoda os entrevistados e eles fazem questão de negar este constructo social. E uma das formas de negação é a permanência no trabalho (70%). E também poder produzir depois de uma certa idade dá conforto para as pessoas (60 anos, professora de inglês). O aposentado que não tem percepção intelectual da nova fase de vida vai se deteriorar por se sentir inútil. Chega ao ponto se sentir inútil e se afunda no sofá e para sua vida ali. Não tem nada mais negativo (67 anos, executivo). Mas, parar de vez eu não quero. Assim a gente fica doente. Não quero não. Eu quero ser útil fazer alguma coisa para ocupar a cabeça. Ser útil (61 anos, doméstica). A análise dos dados também revelou que o trabalho é um importante meio de contato com o mundo para estas pessoas. Os entrevistados sentem medo de ficar isolados se deixarem de trabalhar (60%). Eu acho interessantíssimo você poder ter uma rede de contatos e interagir com as pessoas. Acho o ponto negativo da aposentadoria é você perder sua rede de contatos (64 anos, consultora de marketing).

6 Fico sempre ativa, converso. Dentro de casa você fica muito isolada. No meu trabalho eu converso, sei das coisas que estão acontecendo. Se eu não trabalhasse ia ter que ficar o dia inteiro esperando minhas netas chegarem para poder conversar (66 anos, costureira). O que eu mais gosto no meu trabalho? Conversar com o público, né? Tenho os amigos no ponto. Eu sou de falar muito com o povo, eu gosto de conversar, trocar ideia, né? (68 anos, taxista). Considerações Finais Foi possível verificar que o trabalho tem um papel muito importante na vida do grupo de aposentados idosos. Porém, esse significado se apresenta em várias vertentes. O gosto pelo trabalho é unanimidade entre todos os participantes da pesquisa. No entanto, o gostar de trabalhar pode ser resultado de um processo de condicionamento ocorrido durante a vida profissional dos participantes. Pois, o segundo motivo para a continuação do trabalho, mais citado nas entrevistas, foi o de não se adaptarem com o ócio por terem trabalhado a vida toda e estarem acostumados a esta rotina. Ao pensar em trabalho, muitas vezes, fazemos uma relação direta com meio de sobrevivência. O trabalho, para a maioria das pessoas, é uma imposição e a hipótese inicial deste estudo seria que os entrevistados continuam trabalhando por necessidade financeira. Porém, este não foi o motivo predominante surgido nas entrevistas. Sendo assim, o trabalho não significa apenas uma questão econômica para este grupo de idosos. O estigma de que a pessoa que se aposentou e chegou à terceira idade é inútil, é algo que incomoda, 7 dos 10 entrevistados. E o trabalho aparece como sendo uma forma de fugir deste estigma, de negação deste ideário social pejorativo. Estes idosos tentam colocar este constructo à prova por meio da permanência no trabalho.

7 Os participantes também sentem necessidade de manterem contato social nesta fase da vida. E talvez, o trabalho seja o meio escolhido para isso, devido à falta de projetos de lazer e interatividade direcionados para idosos. Para Bragança (2004), os significados do trabalho e da aposentadoria estão pautados na lógica capitalista. Assim, as pessoas são valorizadas pelo que produzem. Por isso, muitas vezes, a aposentadoria é vista como um fator de desvalorização decorrente do fim da participação na produção capitalista. Este fato alimenta o estigma social de inutilidade do idoso. E (Moser, 2001) observa que o trabalho é altamente valorizado na sociedade moderna e o ócio é repudiado. O estudo dos dados confirma as falas destes autores e revela que o trabalho tem uma representação muito importante na identidade destas pessoas, pois ele é uma atividade que preencheu grande parte das existências dos indivíduos. Para os entrevistados há uma correlação entre existir e trabalhar. Então, eu acho que é isso, se você parar de trabalhar você morre um pouco (SIC). E, além de meio de sobrevivência, o trabalho é uma maneira de afirmação e de manutenção da autoestima dos sujeitos idosos. Por isso, se torna emergente a criação de políticas públicas que abram espaço para a atuação destas pessoas no mercado de trabalho uma vez que o trabalho significa a continuidade de manutenção da identidade social e consequentemente uma vida saudável para estas pessoas. Com o aumento do número de idosos em todo o mundo haverá também aumento da demanda de vagas de trabalhos para pessoas na terceira idade. Referências Bibliográficas BRAGANÇA, A B. S. ( 2004) APOSENTADORIA: A EXPERIÊNCIA DE PROFESSORES APOSENTADOS DO INSTITUTO DE BIOLOGIA DA UNICAMP. Campinas: Unicamp. CARLOS, S. A., JACQUES, M. G. C., LARRATÉA, S. V. e HEREDIA, O. C. (1999) IDENTIDADE, APOSENTADORIA E TERCEIRA IDADE. In: ESTUDOS. INTERDISCIPLINARES SOBRE O ENVELHECIMENTO. Disponível em: URL:

8 idsumario=702 Acesso em 27/09/2008 às 20:45. MOSER, A. M. (2001) EXISTEM MANEIRAS DE VIVER BEM A VELHICE? MITOS E REALIDADE. In: WIELENSKA, R. C. (Org.). SOBRE COMPORTAMENTO E COGNIÇÃO: VOL. 6. QUESTIONANDO E AMPLIANDO A TEORIA E ASINTERVENÇÕES CLÍNICAS EM OUTROS CONTEXTOS. Ed. Esetec, Santo André, SP. NERI, A. L.(1993) QUALIDADE DE VIDA NO ADULTO MADURO E INTERPRETAÇÕES TEÓRICAS E EVIDÊNCIAS DE PESQUISA. In: A.L. NERI (Org.) QUALIDADE DE VIDA E IDADE MADURA. Ed. Papirus, Campinas, SP ( 2004) O QUE A PSICOLOGIA TEM A OFERECER AO ESTUDO E À INTERVENÇÃO NO CAMPO DO ENVELHECIMENTO NO BRASIL, HOJE. In: A.L. NERI, YASSUDA, M. S. (Orgs.), VELHICE BEM-SUCEDIDA: ASPECTOS AFETIVOS E COGNITIVOS. Ed. Papirus, Campinas, SP. WAJNMAN, S. ; OLIVEIRA, A. M. H. C. de ; OLIVEIRA, E. L. De. (2004) OS IDOSOS NO MERCADO DE TRABALHO: TENDÊNCIAS E CONSEQUÊNCIAS. In: Camarano, A A. (Org.). OS NOVOS IDOSOS BRASILEIROS MUITO ALÉM DOS 60. Rio de Janeiro: IPEA, v., p Rosimeire de Oliveira Bacharel em Psicologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Cursando a formação em Psicólogo na mesma instituição. Sueli Galego de carvalho Graduada em Psicologia, Mestrado em Psicologia e Doutorado em Administração de Empresas. Professora do Programa de Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento da U. P. Mackenzie e Coordenadora de Pesquisa da instituição.

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará O Problema Alcoolismo - um dos mais graves problemas de saúde pública na atualidade. Abuso

Leia mais

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER Kenia Anifled de Oliveira Leite Professora do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande-PB. kaleite@ig.com.br Carla Giullianna Meira

Leia mais

ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ

ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ Fabiana Soares de Almeida-FACID email-f.abby.almeida@hotmail.com INTRODUÇÃO O envelhecimento humano é um processo natural,

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social

E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social Transcrição de Entrevista nº 18 E Entrevistador E18 Entrevistado 18 Sexo Masculino Idade 29anos Área de Formação Técnico Superior de Serviço Social E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

O impacto das emoções na nossa vida GET-PE

O impacto das emoções na nossa vida GET-PE O impacto das emoções na nossa vida financeira e em nossos investimentos. financeira e em nossos investimentos. GET-PE GET-PE Grupo de Estudo e Trabalho em Psicologia Econômica www.getpe.com.br BEM-VINDOS!

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE E O RETORNO DE PROFESSORES APOSENTADOS AO MAGISTÉRIO

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE E O RETORNO DE PROFESSORES APOSENTADOS AO MAGISTÉRIO 31 DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE E O RETORNO DE PROFESSORES APOSENTADOS AO MAGISTÉRIO Vanessa Ribeiro Andreto Meira Programa de Pós-Graduação em Educação - FCT UNESP/Presidente Prudente Yoshie Ussami

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Setembro, 2008. Fátima Barbosa

Setembro, 2008. Fátima Barbosa Uma nova realidade, um novo desafio Setembro, 2008. História de um Cuidador Tenho 65 anos, fui emigrante na França e na Alemanha e cá em Portugal trabalhei em várias zonas. Sempre gostei da vida! Reformei-me

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente

A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente A medicina da família e a humanização do atendimento ao paciente por Denise Marson Apesar da implantação do programa Saúde da família, a formação de profissionais especializados na área de medicina da

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL (2006) Salvador Loureiro Rebelo Junior Graduando do 6º ano de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Bauru, Intercambista

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE

GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE GERAÇÃO DA CONECTIVIDADE O Instituto Methodus, sendo especialista em Pesquisa, tomou a iniciativa de estudar a Geração da Conectividade, investigando como agem, pensam e se relacionam os jovens. Patrocínio

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação.

Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação. Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 1.1 Conteúdos: Apresentação do Plano Didático Pedagógico; Classificação das orações coordenadas sindéticas e inferência. 1.1 Habilidade:

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Faces da Classe Média. Fevereiro de 2014

Faces da Classe Média. Fevereiro de 2014 Faces da Classe Média Fevereiro de 2014 Nos últimos anos o Brasil passou por uma das mais profundas mudanças de sua história 2 Pirâmide Losango AB AB Alta C DE Crescimento da Classe Média C DE Média Baixa

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz

REDES SOCIAIS A crença de que dividimos tudo com todos o tempo todo se transformou em um grande prazer coletivo, diz Françoise Héritier A tecnologia gera alienação Herdeira intelectual de Lévi-Strauss, a antropóloga francesa diz que os pequenos prazeres da vida foram perdidos e que os recursos modernos impedem a reflexão

Leia mais

Como planejar a sua carreira profissional

Como planejar a sua carreira profissional 1 Como planejar a sua carreira profissional Normalmente, as crises e os momentos difíceis pelos quais todos nós vivenciamos, são excelentes momentos para repensarmos as nossas decisões e ações. Talvez

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK Jéssica Fernanda Torres 1 Larissa Custódio Grosseli 2 Solange Suffi Barbosa 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO A qualidade de vida no

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 RODRIGUES, M. C. - As novas imagens do idoso veiculadas pela mídia: transformando

Leia mais

2. E, obviamente, o senhor não gostaria de concluir esse ciclo dessa maneira...

2. E, obviamente, o senhor não gostaria de concluir esse ciclo dessa maneira... Homero Pereira O deputado federal Homero Pereira, parlamentar que lutou contra um câncer na região do estômago, faleceu no dia 20 de outubro de 2013. Ele foi deputado estadual, secretário de Estado de

Leia mais

LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO

LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO LIDERANÇA É INFLUÊNCIA Habilidade de inspirar as pessoas a agir, conquistá-las por inteiro A diferença entre poder e autoridade: Fazer a sua vontade mesmo que não desejem. Fazer a sua vontade, por causa

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

Miracy Gustin * Responsabilidade Social do Operador Jurídico é um tema muito importante. Primeiro, porque nós não estamos chamando o operador

Miracy Gustin * Responsabilidade Social do Operador Jurídico é um tema muito importante. Primeiro, porque nós não estamos chamando o operador Miracy Gustin * A verdade é que quando recebi o convite, sendo uma associação de advogados de trabalhadores rurais, fiquei muito emocionada. E pensei: eu tenho que levar o melhor. O que vale mesmo é eu

Leia mais

Desejamos a você um completo sucesso, construindo sua verdadeira riqueza.

Desejamos a você um completo sucesso, construindo sua verdadeira riqueza. PROGRAMA MASTER 72h MASTER 72h Prezado Consultor, Nós da família Hinode preparamos esse material com muito carinho para você, pois temos um sonho de fazer desse mundo, um mundo melhor. Nosso objetivo é

Leia mais

INTRODUÇÃO I OBJETIVOS. 1- Suscitar uma percepção das questões ambientais mais relevantes da comunidade como problemática biopsicossocial dos idosos;

INTRODUÇÃO I OBJETIVOS. 1- Suscitar uma percepção das questões ambientais mais relevantes da comunidade como problemática biopsicossocial dos idosos; TÍTULO: INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS COM VULNERABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL AUTORES: Eduardo Figueiredo Moreira E-mail: moreiraef@hotmail.com (Psicólogo Clínico, Mestre em Psicologia

Leia mais

(PI): 01 - O 01 (A1):

(PI): 01 - O 01 (A1): Tema do Projeto: Composição Musical em Banda Pop/Rock em contexto extracurricular Que aprendizagens e motivações são desenvolvidas no projeto de composição de canções a partir de sequências harmónicas

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL Por quê o lado humano dos negócios está emergindo como uma indispensável vantagem competitiva? Era Industrial Taylor e Fayol Era do Conhecimento Tecnologia

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Atualizado em 10/12/2013 08h00 Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Profissional deve pesar salário, plano de carreira, horário, entre outros.

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental?

Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Como é o Tratamento das Disfunções Sexuais na Terapia Cognitivo- Comportamental? Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRP 06/99198 Especialista em Dependência Química Pós-Graduação Pós-Graduação

Leia mais

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA:

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: Uma retomada da história do Curso de Geografia da UFU a partir de uma entrevista com a Profa. Dra. Suely Regina Del Grossi Revista OBSERVATORIUM: Qual (ais) a (s) razão (ões)

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES 182 APÊNDICE A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE MESTRADO EM EDUCAÇÃO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PESQUISA:

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO IDOSO: discussões preliminares 1

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO IDOSO: discussões preliminares 1 194 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO IDOSO: discussões preliminares 1 Gabriela Silveira de Paula 2 (Uni-FACEF) Patrícia Franco Espírito-Santo 3 (Uni-FACEF) INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é um fenômeno

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula)

ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) ROTEIRO DIÁRIO (Plano de Aula) Componente Curricular: Ensino Religioso / 7º ano Ano Letivo: 2014 Professor Ministrante: Lúcia Clemeci Carga Horária: 5 horas/ aula Data: 02/ 07/2014 Aula: 03 Título: Crescimento

Leia mais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais 4 Introdução Este projeto de pesquisa procura levantar dados que mostrem a qualidade de compreensão dos alunos que compõem o Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) sobre questões

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA EQUIPE: COMO OBTER UM MAIOR COMPROMETIMENTO DAS PESSOAS NA FAZENDA?

PRODUTIVIDADE DA EQUIPE: COMO OBTER UM MAIOR COMPROMETIMENTO DAS PESSOAS NA FAZENDA? PRODUTIVIDADE DA EQUIPE: COMO OBTER UM MAIOR COMPROMETIMENTO DAS PESSOAS NA FAZENDA? Fatores Objetivos * Financeiro * Performance Fatores Subjetivos * Nível de satisfação * Comprometimento dos funcionários

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Introdução à Lingüística Cognitiva Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Confronto com a teoria gerativa (Martelotta & Palomares, 2008) Nega a autonomia da sintaxe e o caráter formal da linguagem

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

carreira de sucesso como ter uma NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

carreira de sucesso como ter uma NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO como ter uma carreira de sucesso NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Saiba os segredos do profissional que já está no mercado de TI à 10 anos e conseguiu se tornar um especialista altamente reconhecido com 23

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Monique Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

A Aposentadoria Mercado e Seguro o Papel da Auto Previdência

A Aposentadoria Mercado e Seguro o Papel da Auto Previdência A Aposentadoria Mercado e Seguro o Papel da Auto Previdência Agenda Prioridades Financeiras 1 Presença da Aposentadoria Hoje Quando Parar Definitivamente A Previdência Social Composição Estimada da Renda

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão

A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão 852 A MULHER ADULTA UNIVERSITARIA: perspectiva de uma nova profissão Mirian Paludetto 1 - Uni-FACEF Patrícia S.M.F. Espírito Santo 2 - Uni-FACEF Introdução Atualmente, em relação a um passado não muito

Leia mais

Seleção de estagiário da Biblioteca Campus Cidade Furg / IFRS

Seleção de estagiário da Biblioteca Campus Cidade Furg / IFRS Seleção de estagiário da Biblioteca Campus Cidade Furg / IFRS Perfil do candidato: Habilidades: Competências: Estudante de biblioteconomia de 2º à 4º ano. Conhecimentos em informática. Capacidade de reconhecer

Leia mais

Pesquisa. A participação dos pais na Educação de seus filhos

Pesquisa. A participação dos pais na Educação de seus filhos Pesquisa A participação dos pais na Educação de seus filhos 1 Objetivos do movimento Todos Pela Educação Ampliar os conhecimentos do Todos Pela Educação, da Fundação SM, de nossos parceiros e da sociedade

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL APÊNDICES APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL - Questionário Dados pessoais - Nome: Profissional - O que o fez escolher essa profissão de designer? - Caracterize

Leia mais

Ao saber destes aumentos por jornais (impressos e TV), estimulamos a pergunta de se isso impacta na forma que ele gasta seu dinheiro:

Ao saber destes aumentos por jornais (impressos e TV), estimulamos a pergunta de se isso impacta na forma que ele gasta seu dinheiro: PESQUISA: 2015 AMOSTRA: 525 pessoas da classe AB 13 de dezembro 5 capitais brasileiros: Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador e Brasília A ideia da pesquisa foi entender as expectativas do brasileiro

Leia mais

13. Determinantes do envelhecimento ativo

13. Determinantes do envelhecimento ativo 13. Determinantes do envelhecimento ativo Sara Nigri Goldman Vicente de Paula Faleiros Você se lembra da situação de Dona Joana, relatada no Módulo 1? Dona Joana vive fazendo seus doces, cuidando da família

Leia mais