GRUPO EM HOSPITAL GERAL: O VÍNCULO COMO FATOR TERAPÊUTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO EM HOSPITAL GERAL: O VÍNCULO COMO FATOR TERAPÊUTICO"

Transcrição

1 GRUPO EM HOSPITAL GERAL: O VÍNCULO COMO FATOR TERAPÊUTICO A u t o r e s : L e o n a r d o D e l l a P a s q u a, R o s e m e r i S i q u e i r a P e d r o s o, T â n i a M a r t i n s d e B a r r o s ( o r i e n t a d o r a ) RESUMO Introdução: o presente tema livre traz o atendimento a pacientes hospitalizados, através do trabalho grupal, evidenciando sentimentos de abandono e solidão, tão característicos deste período. Material e metodologia utilizada: Trata-se de um grupo aberto, realizado semanalmente, numa enfermaria com pacientes internados pelo SUS, por diferentes patologias. O grupo operativo fez-se terapêutico naqueles momentos em que eram trazidos os desejos de recuperação, através da busca a eros ali presente. Resultados: A partir do vínculo terapêutico (apoiador e empático) e da identificação detectada entre os membros do grupo, a catarse tornava-se fator primordial, fazendo com que fossem trabalhadas ansiedades frente aos procedimentos e à hospitalização. Os aspectos emocionais frente a internação foram nomeados pelo grupo como um remédio que não vinha dentro de uma caixinha, mas sim, através da palavra. Conclusão: A abordagem utilizada proporcionou modificações quanto a aderência ao tratamento clínico, no momento em que os sentimentos foram trabalhados, aumentando as capacidades de enfrentamento em relação à enfermidade e à internação. A socialização externa ao grupo era estimulada, visando-se o altruísmo e as interações úteis entre os membros do grupo. Estes fatores, demonstram a importância do trabalho grupal no âmbito hospitalar, onde o vínculo estabelecido tornou-se potente fator terapêutico no trabalho preventivo com tais pacientes. Introdução O serviço de atendimento à pacientes realizado em hospital geral, surgiu na Argentina no final da década de 60, com enfoque no trabalho institucional. A realização de grupos em enfermarias hospitalares proporciona aos pacientes alívio das ansiedades referentes à internação. Um dos objetivos do trabalho grupal é o de ampliar, na medida do possível, a troca entre os doentes, trabalhando suas angústias e temores frente a hospitalização, doença e morte, buscando oferecer-lhes uma maior capacidade de enfrentamento a estas questões. A fragilidade, a individualidade e as conexões do homem, vividas conscientemente, tornam a experiência da dor, da doença e da morte, partes integrantes da sua vida. A capacidade para enfrentar esse trio, de maneira autônoma, é de fundamental importância para a saúde.

2 Neste trabalho, os autores apresentam sua experiência como coordenadores de grupo com pacientes internados em enfermaria geral no Hospital Independência- Porto Alegre, enquanto estagiários em Psicologia Clínica, no período de novembro de 1998 a janeiro de É descrito material clínico, embasado nos grupos operativos de Pichón-Rivière (1986), enfatizando um vínculo operativo-apoiador com esses pacientes, buscando através da identificação entre os membros, a compreensão de seu funcionamento como telas onde eram projetadas suas expectativas frente à situação atual. O grupo ocorria semanalmente, numa das enfermarias do Hospital, tendo a duração de 45 a 50 minutos, sendo coordenado por estagiários de Psicologia Clínica II. O estabelecimento de um horário e de um local para a reunião foi linha de base no contrato. O grupo era aberto, sendo convidados todos os pacientes internados, independente do motivo, sendo incentivados a falarem dos sentimentos quanto à hospitalização. Tudo que facilitava a troca entre os componentes do grupo era mostrado e incentivado. Nosso objetivo era despertar a colaboração da parte sadia do paciente, possibilitando assim, reforço na estrutura egóica e elaboração de fantasias desencadeadas pela situação desconhecida da hospitalização. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Todos os pacientes somáticos trazem uma marca psicológica consigo, pois se queixam. Algo em seu corpo não vai bem, sendo uma ameaça a integridade do indivíduo, pois sentir-se doente é uma ferida narcísica. Há pessoas que se sentem doentes sem estar. Estes sujeitos apresentam manifestações hipocondríacas, histéricas ou somatizações (Mello Filho, 1997; Santos Filho, 1992; Barros,1995). Para Cassel (1981), quando alguém adoece, perde vínculos, o que lhes pertence desmorona, desfaz-se a lógica e, os sentimentos de perda de controle são intensos, podendo ocorrer também distorções no seu relacionamento com o próprio corpo, com as demais pessoas, com seu trabalho e com os demais aspectos de si mesmo como indivíduo particular e membro de uma sociedade. Essas alterações do comportamento, muitas vezes, fazem parte tanto da doença, como da enfermidade física como tal. Todos estamos vinculados com o mundo por meio de nossos inter-relacionamentos e com nosso lugar no meio social. Para alguns, essa vinculação é mais importante do que para outros, mas a interação que mantemos é vital para a nossa própria manutenção. Na doença, todas essas coisas mudam (Cassel, 1981). Essa desvinculação, provocada pela doença, não é somente social, podendo ocorrer em todas as áreas da vida, pois existimos na medida em que nos vinculamos (Cassel,1981). Pichón-Rivière (1986) traz que a noção de vínculo é mais concreta que a noção de relações objetais utilizadas pela Psicanálise. A relação de objeto é a estrutura interna do vínculo. Há dois campos psicológicos no mesmo: um interno e outro externo. Atravéz do social, repetem-se histórias de vínculos em um tempo e espaço determinados.

3 O mesmo autor concebe o vínculo como uma estrutura dinâmica em contínuo movimento, que engloba tanto o sujeito como o objeto, tendo características consideradas normais ou patológicas. Diz ainda que o vínculo se estabelece pela totalidade da pessoa, uma gestalt, em permanente processo de evolução, já que as relações que o sujeito estabelece com o mundo são mistas e têm estruturas vinculares diversas. Peguin (1997), partindo dos critérios de saúde e doença de Pichón-Rivière, afirma que através da técnica operativa se fortalece o Eu do paciente, visando uma adaptação ativa à realidade. O sujeito sadio pode aprender com a realidade, modificando-a e modificando-se. Mantém uma interação de troca com o meio relaçào ativa tendo capacidade de avaliação da realidade e propostas de mudanças, visando transformá-la (Peguin, 1997). Para Ribeiro (1998), o contato com o sistema de saúde é sempre suscetível de mal-estar, ocasionando uma trilogia de reações psicológicas: baixa auto-estima, ansiedade e depressão. A baixa auto-estima é muitas vezes confundida com depressão, correspondendo ao dano psicológico causado pela doença na auto-estima do doente. O desânimo é natural a situação de doença. Mello Filho (1987) refere que no grupo com pacientes psicossomáticos, a catarse é sempre um objetivo presente. No grupo de enfermaria, há que abordar as ansiedades, preparar os pacientes para exames e cirurgias (...) e enfrentar os sofrimentos que antecedem a morte. Portanto, tratase de informar, apoiar, ouvi-los nas queixas (geralmente justas) em relação à equipe e à instituição, pois não vieram se internar para conviverem com baratas e médicos ou com médicos mal-humorados. (1997; p. 192) A catarse é um fator terapêutico ligado a outros processos no grupo (Vinogradov, Yalom, 1992). A partir da ventilação das emoções, ocorre uma sensação de alívio emocional, onde o indivíduo é capaz de compartilhar afetivamente seu mundo interno e observar que os outros membros do grupo o aceitam, mesmo que expresse emoções fortes e profundas. Nos grupos, devem ser usadas as seguintes técnicas (Mello Filho, 1997): clarificações - sobre o funcionamento, conflitos e defesas dos pacientes; confrontações, em relação as suas contradições e ambigüidades; assinalações das relações intragrupais, que nos indicam a forma de cada paciente se relacionar com o grupo como um todo e com os demais; a interpretação deve ser evitada, pois tais pacientes se sentiriam profundamente humilhados com intervenções desta ordem; a postura do terapeuta é a de ambiente facilitador do desenvolvimento da terapia discutindo (por exemplo) a vulnerabilidade do ser humano às doenças e exaltando a força e a saúde de quem dependemos. Em um ambiente hospitalar, cabe às intervenções psicológicas no grupo, trabalhar as rupturas da auto-estima e os sentimentos de perda que acompanham a doença e o tratamento. Na psicoterapia de grupo, os pacientes fisicamente enfermos tem a oportunidade de se reunir com outros indivíduos, num setting apoiador, auxiliando a lidar com os efeitos da enfermidade sobre eles próprios (Barros, 1997).

4 Grupos de apoio para indivíduos com doenças crônicas ou com certas condições médicas são freqüentes na área da saúde, principalmente nos serviços comunitários e institucionais (Vinogradov, Yalom, 1992), onde a demanda a ser atendida ultrapassa o número de profissionais necessários para atender a população individualmente. A psicoterapia de grupo é uma experiência emocional e corretiva. O paciente deve vivenciar intensamente algo no setting do grupo, passar pela catarse, que vem junto com a forte experiência emocional, para que a mudança ocorra (Vinogradov, Yalom, 1992). Mello Filho (1997) nos fala da importância de um co-terapeuta - especialista na enfermidade dos participantes do grupo realizando consulta clínica dentro do setting, onde após este momento é realizada a dinâmica grupal. Os pacientes utilizam o processo grupal para expressar ansiedades particulares, mudanças, situações de perda, luto, microdepressões, vivências transferenciais em relação ao terapeuta ou a outro paciente do grupo (Mello Filho, 1997). Muitas vezes, tais situações são repetitivas. Outros autores, como Rotta e Cardoso (1997), relataram uma experiência com grupos operativos de patologia psicossomática, no Estado do Pará. Encontraram resultados semelhantes, a partir de técnicas grupais similares. No trabalho com grupos homogêneos de enfoque preventivo a transmissão de informações relevantes é um aspecto básico. A extensão das informações oferecidas e o modo em que são transmitidas, varia conforme a estrutura das sessões. As sessões podem ser estruturadas da seguinte maneira (Maldonado, 1990): 1) estrutura de curso, com um professor ou uma equipe multidisciplinar, trabalhando em forma de aula. A freqüência é pré-montada. Recursos didáticos são utilizados, onde a informação ocupa quase todo o tempo do grupo; 2) estrutura mista, com um médico, que transmite as informações numa mini-aula e uma psicóloga (co-coordenadora do grupo), que focaliza as vivências surgidas na sessão. Ocorre uma divisão em momentos separados entre o tempo dedicado as informações e ao exame das vivências dos participantes; 3) estrutura vivencial. O coordenador deve facilitar a comunicação entre os participantes do grupo nas emoções comuns a todos dentro do foco proposto. A postura é de aprendizado com o grupo, dando prioridade ao que nele emerge, inserindo as informações conforme a necessidade. Vinogradov e Yalom (1992) indicam 11 fatores terapêuticos que operam na grupoterapia: instalação de esperança, universalidade dos problemas, oferecimento de informações, altruísmo, desenvolvimento de técnicas de socialização dramatizações e feedback, comportamento imitativo aprendizagem por substituição, catarse, reedição corretiva do grupo familiar primário, fatores existenciais, coesão do grupo e aprendizagem interpessoal.

5 D E S E N V O L V I M E N T O Descrição do grupo A idéia da realização do grupo surgiu a partir de dupla motivação: dos estagiários, que desejavam obter uma experiência de trabalho de grupo e da necessidade do Setor, pela grande demanda de pacientes, não havendo número suficiente de pessoas para atendimento individual. O grupo era formado basicamente através do chamado verbal feito pelos estagiários, nos diversos quartos e enfermarias do Posto 3 - SUS. A constituição do grupo variava de acordo com o número de pacientes que se dispunha a participar. A faixa etária variou de 18 a 71 anos de idade, todos internados por diferentes motivos, desde avaliação clínica a processo cirúrgico. O atendimento caracterizou-se como grupo operativo, embasado nos pressupostos teóricos de Pichón-Rivière (1986), valendo-se do referencial psicodinâmico. O local para reunião foi escolhido pela possibilidade de agregar um maior número de pessoas, o grupo era de tipo aberto, com pacientes internados pelos mais diversos motivos, na maioria de sexo masculino, sendo homogêneo pelo local em que se encontravam. Seu tempo de duração era de 45 a 50 minutos, sendo realizado por dois estagiários de Psicologia Clínica de sexos diferentes, supervisionados semanalmente. Material clínico e discussão Para ilustração do funcionamento do grupo, os autores trazem fragmentos de verbalizações de três grupos, visando mostrar como o trabalho viabilizou, num clima propício o desencadeamento dos sentimentos e emoções dos pacientes quanto à sua doença, hospitalização e relacionamento entre os membros do grupo e entre os estagiários. Neste primeiro encontro o grupo iniciou com dois pacientes, que se mostraram agitados ante a perspectiva do grupo, verbalizando tanto seus temores em relação à hospitalização, como uma visão mais otimista frente aos cuidados que lhes estavam sendo oferecidos. Ao serem expostos os objetivos e funcionamento do trabalho, M., um dos pacientes verbaliza ter vindo ao Hospital para ver o eu tenho... estou cansado de esperar... tenho vontade de desistir de tudo... me entregar... acredito na vida, mas não é fácil viver... busquei ajuda de uma curandeira... mas não adiantou, acho que fez até que a doença piorasse... Ao que o outro paciente, C. respondia: eu disse a ele que é preciso ter paciência, é melhor esperar. Comigo também foi assim! Acreditamos que o contato com o sistema de saúde, em qualquer nível, é sempre suscetível de mal-estar, gerando uma trilogia de reações psicológicas - baixa auto-estima, ansiedade e depressão. A baixa auto-estima é conseqüência normal, o desânimo é resposta natural à situação de doença, correspondendo ao dano psicológico causado pela doença na auto-estima do doente, sendo esta reação muitas vezes, confundida com depressão (Ribeiro, 1998). M. trás de seus sentimentos quanto à situação da doença, fui num médico lá no posto na minha cidade e ele me tratou mal, quase esquentei a orelha dele com um tapa... se não fosse a minha filha... aqui tem recursos, em casa a gente faz muita bobagem, aqui tem orientação...

6 Como nos diz Mello Filho (1997), a doença é uma ameaça à integridade do indivíduo, sentir-se doente é uma ferida narcísica. Quando alguém adoece perde vínculos, os sentimentos de perda de controle são intensos, podendo ocorrer distorções no seu relacionamento com as demais pessoas, com seu trabalho e com os demais aspectos de si mesmo. Essas alterações do comportamento, muitas vezes, fazem parte tanto da doença, como da enfermidade física como tal. Não quero ficar deitado, caminho por aí o tempo todo. Lá na roça, diz M., falam que a cama não engorda, só emagrece...se eu ficar deitado muito tempo vou virar um esqueleto... isso é ruim, dá medo na gente, ainda mais num hospital... só deito na hora de dormir. Ao que C. responde: dizem que todos vão morrer, é natural... mas assusta. Por isso eu me esforço para ficar bem, para me recuperar. Eu acho que o M. tem que se animar um pouco... não adianta entregar os pontos... a cabeça da gente influi no corpo. Estes sentimentos são trabalhados a partir das verbalizações, assinalando e clarificando seu funcionamento, discutindo, como no presente exemplo, a vulnerabilidade do ser humano à doença, enfatizando sua força e saúde. A partir do segundo encontro, ao apresentar o grupo, o paciente C. diz que esse grupo serve para unir os pacientes desta enfermaria... a gente fala o que está sentindo. Um dos membros do grupo, recém hospitalizado diz que esse quarto é ótimo, tem um clima de união e amizade. Sendo reforçado por C. ao dizer : o importante é que uns ajudam os outros...enquanto estivermos aqui, nós somos o reflexo um do outro... inclusive aqui no grupo. Os pacientes utilizam o processo do grupo para expressar mudanças, ansiedades particulares, situações de perda, luto, vivências transferenciais em relação ao terapeuta/ coordenador ou a outro membro do grupo (Mello Filho, 1997). A estrutura vivencial facilita a comunicação entre os participantes sobre a situação de hospitalização. A postura é de aprendizado com o grupo. Podemos observar essa situação quando M. verbaliza:... na vez passada eu me vi na pele do seu C. Ele falava e eu procurava entender, como ele estava animado e querendo ficar bom. Eu queria me sentir assim e não conseguia... no final do nosso encontro eu já sentia que iria suportar ficar aqui internado, que havia gente querendo ajudar. Sendo reforçado por C. que dizia: As coisas são difíceis no começo, só depois se acalmam... a gente vê que o hospital é o melhor lugar para gente se cuidar. Aqui é o lugar certo, vem o médico, a enfermeira, a fisioterapeuta e ainda mais, vem a psicologia atender o cara. Não tem como não melhorar. Observamos no fragmento acima, alguns fatores terapêuticos indicados por Vinogradov e Yalom (1992); que operam na grupoterapia: a instalação de esperança, a universalidade dos problemas, o altruísmo, o comportamento imitativo, a catarse, a coesão do grupo e a aprendizagem interpessoal. O paciente vivencia intensamente algo no setting grupal, ocorre a catarse, junto com uma forte experiência emocional, ocorrendo então a mudança, situação essa que podemos observar em M. É trazido no grupo as diferenças de idade entre os membros, sendo indicada a coordenadora como a mais nova entre eles. Eles disseram que ia ter uma reunião com a senhora.. Outro paciente diz: mas não imaginei que fosse alguém assim tão nova... pensei que era uma velha de óculos, como nos filmes... Não fala assim, vai assustar a Dra., é tão bom ela vir aqui conversar com a gente. Ela é mais nova que nós, mas ela estudou, entende a cabeça da gente... e são tantos problemas...é, diz outra paciente, juntando tudo é um monte de problemas... Podemos observar os pacientes agitados, verbalizando seus temores em relação ao abandono, o sentimento de solidão manifestando ansiedade quanto ao desejo de serem atendidos e

7 compreendidos. Ao serem aliviados nesse sentido, percebeu-se maior tranqüilidade por parte dos pacientes, sendo compreendidos em suas ansiedades, pelo fato de não se confirmarem suas fantasias de ataque, situação essa que poderia levar ao abandono por parte da coordenação do grupo. C. diz então: Eu disse coisas aqui no grupo, que ainda não sentia, mas queria sentir. Confiança na minha recuperação, por exemplo. Tu me ouviu e demonstrou entender que eu estava nervoso, mesmo assim tu esperou que eu me desse conta que a tranqüilidade estava dentro de mim, e que eu a sentiria quando me dispusesse a me ajudar. Senti aqui que estava sendo apoiado, no momento em que eu vencia o medo de não poder andar. A angústia provocada pela situação de grupo reativa modelos de relações objetais precoces (objeto bom/ objeto mau) e mecanismos defensivos arcaicos. Isso auxilia a coordenação na visualização do conteúdo mental e facilita uma melhor abordagem terapêutica. O interesse do grupo está em clarear os conflitos inerentes ao momento, o desejo do paciente de ser único, distinto e por outro lado o de se curar e ser igual aqueles que o conseguem R., um dos pacientes, verbaliza: No fundo a psicóloga também dá remédio. Só que não vem numa caixinha. Ela fala com a gente... e a gente se alivia... Isso é um remédio... a palavra. dela é um remédio. O R. falou tudo, disse C., esse grupo é um remédio sentimental. Deveria ser diário, como se fosse a hora do remédio, só que não é o mesmo remédio e a mesma dose para todos... um se identifica com o outro e se alivia com isso. Outro membro do grupo fala: Assim o cara sabe que não é o único a sofrer, e que é preciso aceitar. Os propósitos de produtividade de um grupo ficam obstaculizadas pelas resistências despertadas por ansiedade excessiva. Não basta que as pessoas procurem dar conta de realizarem a tarefa para a qual estão juntas, As interações podem ser potencializadas, dinamizadas por qualquer membro ou por alguém que assuma a função de modo explícito. Nos grupos operativos, instrumenta-se um processo terapêutico que passa pela diminuição dos medos básicos, em termos de ataque ao Eu e ao medo da perda do objeto. Uma das fontes dessa ansiedade é a ferida narcísica do não-saber. Os pacientes no terceiro grupo verbalizam, de modo bastante intenso, seus sentimentos de abandono e solidão em função da hospitalização. C. conta que a mãe está parando na casa de uma tia, para me dar força. E., outro paciente, conta que passei o Natal sozinho. Sabem como é isso? A família mora longe... foi horrível, fiquei muito sozinho. J.E. diz: eu fiquei muito deprimido no Natal. A paciente L, conta tenho um tumor no intestino... não foi fácil deixar a família, os filhos. O Dr. disse, abandona tudo e vem te tratar, eu vim... larguei tudo por conta...ele me disse se tivesse que escolher um lugar para ter câncer, ele ia escolher o intestino, ele quis dizer que dá para melhorar. Logo C. lhe diz: Tu vais melhorar... vais ficar boa. J.E., Com certeza... as vezes a gente pensa que o sofrimento é tanto e que não adianta mais nada.... A gente sofre tanto que cansa. A possibilidade de mudar acarreta ansiedade e medo, principalmente na situação da pessoa doente. O medo da perda devido ao abandono dos vínculos anteriores pela hospitalização, a perda dos referenciais, as adaptações passivas à situação de enfermidade, geram ansiedades de tipo mais depressiva. Enquanto o medo do ataque diante do novo, decorrente do sentimento de insegurança, gera ansiedade paranóide. Esses medos paralisam, tornando o ego impotente. Através da técnica operativa se fortalece o Eu do paciente, conseguindo-se assim uma adaptação ativa à realidade. Os critérios de saúde e doença são representados por Pichón-Rivière, citado por Peguin (1997) em termos de adaptação ativa ou passiva à realidade. Considera o sujeito sadio aquele que poder apreender a

8 realidade, modificando-a e modificando-se a si mesmo, mantendo uma interação de troca com o meio, e não uma relação passiva, implicando em uma leitura da realidade com capacidade de avaliação e propostas de mudança, e uma apropriação instrumental da mesma, para transformá-la. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os autores entendem que os objetivos do trabalho de grupo com pacientes internados em hospital geral foram alcançados, considerando o caráter breve e focalizado. Pode-se constatar que a participação ativa dos pacientes no grupo foi bastante valiosa para uma melhor adaptação dos doentes na situação de hospitalização. O fato do atendimento ser oferecido a todos os pacientes, sendo centrado na tarefa comum e única de auxiliá-los nesse momento crítico, facilitando a verbalização de seus conflitos atuais, propiciando o manejo e a compreensão do aqui-e-agora da situação de hospitalização, foi reconhecida como benéfico para essas pessoas. O trabalho de grupo centrado na tarefa comum de ajudá-los, possibilitou-lhes auxílio de uma forma estável, continente e compreensiva, cotejando fantasia com realidade, favorecendo o interrelacionamento e aliviando suas ansiedades e temores. Para os autores, a tarefa mostrou ser gratificante enquanto pôde ser constatado os resultados obtidos junto aos pacientes e, terem permitido experimentar o contato direto com essas pessoas através do trabalho de grupo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS, CASM de. Hipocondria, somatização e transtornos psicossomáticos. Aletheia. Canoas: ULBRA, v. 2, p.71-78, BARROS, TM de Psicoterapia de grupo com pacientes em hemodiálise. Aletheia. Canoas: ULBRA, v.5, p.60-64, CASSEL, J.C. The contribution of the social enviroment to host resistance. Am J Epidemiol; 104:p , MALDONADO, M. T. Maternidade e paternidade: A assistência no consultório e no hospital. v.1, Rio de Janeiro: Vozes, MELLO FILHO, J. de. Grupoterapia com pacientes somáticos: 25 anos de experiência. In: ZIMERMAN, D. E.; OSÓRIO, L. C. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, p , PEGUIN, RC. Concepção operativa de grupos. In: OLIVEIRA JÚNIOR, JF (org.) Grupoterapia: teoria e prática. Campinas-SP, Sociedade de Psicoterapia analítica de

9 Grupo de Campinas, PICHÓN-RIVIÈRE, E. Teoria do Vínculo. São Paulo: Martins Fontes, RIBEIRO, JLP. Psicologia e saúde. Lisboa: ISPA, ROTTA, C. T.; CARDOSO, N. C.; Grupoterapia em asmáticos: relato de uma experiência no Hospital Universitário João Barros Barreto. Revista Brasileira de Medicina Psicossomática. São Paulo: ECN, v.1, n.2, p , SANTOS FILHO, O. C. Histeria, hipocondria e fenômeno psicossomático. In: MELLO FILHO, J. de e col. Psicossomática hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992, p VINOGRADOV, S.; YALOM, I. D. Manual de Psicoterapia de Grupo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO

GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO GRUPO OPERATIVO DE INFORMAÇÃO 2009 Trabalho apresentado como requisito parcial da disciplina PROCESSOS GRUPAIS, sob a orientação da Educanda Cristina Elizabete Bianca Tinoco Silva Estudante do curso de

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições.

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Mentalidade grupal e cultura de grupo. Grupo Operativo: instrumento

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 1 Repercussões emocionais frente ao Diagnóstico de Câncer A comunicação de um diagnóstico

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

PROJETO PSICOPEDAGOGIA. Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa.

PROJETO PSICOPEDAGOGIA. Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa. PROJETO PSICOPEDAGOGIA 1. OBJETIVOS: Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa. Específicos: Discernir com os pais a importância deste vínculo da aprendizagem do seu filho;

Leia mais

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva da esquizofrenia IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva e as medicações Parte do trabalho da TCC é promover o aumento da adesão à medicação. As evidências de melhora

Leia mais

TERAPIA FAMILIAR SISTÉMICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO AO TEMA

TERAPIA FAMILIAR SISTÉMICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO AO TEMA TERAPIA FAMILIAR SISTÉMICA: UMA BREVE INTRODUÇÃO AO TEMA 2011 Trabalho de Curso no âmbito da cadeira Modelos Sistémicos, do Mestrado Integrado em Psicologia na Universidade de Coimbra Pedro Nuno Martins

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN Centro de Medicina Psicossomática Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, RJ Perguntas aos Cavaleiros do Conselho Federal de Medicina Perguntas ingênuas:

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury O Psicodrama está intimamente ligado ao trabalho com grupos. MORENO, (1993, 1994) a partir de estudos sociométricos, apresentou princípios que

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL

SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL SERVIÇO DE ESCUTA PSICOLÓGICA: UMA ESCUTA PROFUNDA DE CARÁTER EMERGENCIAL MORAIS 1, Alexsandra Dias LIMA 2, Aline Cristine da Silva GOMES 3, Inalígia Figueiredo FRANCA 4, Juliana Monteiro da OLIVEIRA 5,

Leia mais

Abordagem do Dependente Químico: papel do consultor Alessandra Mendes Calixto Enfermeira Papel do consultor em dependência química Como surge o papel do consultor 1912: Courtney Baylor foi treinado por

Leia mais

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO. TEMA: A transversalidade da Ética no processo de humanização hospitalar

PROJETO DE INTERVENÇÃO. TEMA: A transversalidade da Ética no processo de humanização hospitalar PROJETO DE INTERVENÇÃO ELABORAÇÃO: Equipe Multiprofissional TEMA: A transversalidade da Ética no processo de humanização hospitalar INTRODUÇÃO O projeto de humanização hospitalar HUmanizado, criado e implementado

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Aprendendo a vencer a Ansiedade

Aprendendo a vencer a Ansiedade Rua Conde de Bonfim 232/301 Tijuca Rio de Janeiro RJ Tel:2234-2399 Email: eliane@epvpsicologia.com Home Page:www.epvpsicologia.com Aprendendo a vencer a Ansiedade Um guia para os pais sobre a ansiedade

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO*

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* Betina Tabajaski** Verônica Petersen Chaves*** Porto Alegre e Canela, Rio Grande do Sul, Brazil, 1997. RESUMO A adoção é uma das alternativas

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura 1 MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura RESUMO Esta apresentação tem como objetivo ilustrar a importância de usarmos uma visão global do paciente na prática clínico-terapêutica.

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR

TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR Alessandra R. M. de Castro-HE-UFPEL/FAU 1 Resumo: O presente estudo trata do relato de experiência a partir de uma nova tecnologia, denominada telemedicina,

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH

Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar - PNHAH Relacionamento Inter-Pessoal na Prática Hospitalar End.: www.tenenbaum.com.br Fonte: Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica

Leia mais