Palavras-chave: crise do sindicalismo público; mobilização dos trabalhadores do serviço público; políticas neoliberais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: crise do sindicalismo público; mobilização dos trabalhadores do serviço público; políticas neoliberais"

Transcrição

1 A CRISE DO SINDICALISMO DO SETOR PÚBLICO MUNICIPAL NO BRASIL EM UM CONTEXTO DE IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICAS NEOLIBERAIS DE REFORMA DO ESTADO: O CASO DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAL DE BAURU E REGIÃO Alexandre Junqueira Prado Gasparotti Nunes 1 Resumo O crescimento do emprego no Estado em consonância com a importância cada vez maior que o setor de serviços vem adquirindo nas principais economias do mundo inseriu os trabalhadores do serviço público na arena de lutas da classe trabalhadora. Para referencias da literatura sociológica referente ao sindicalismo do setor público brasileiro, isso o sindicalismo do setor público no Brasil tomou o lugar de vanguarda na luta da classe trabalhadora, posição que antes era ocupada pelos sindicatos do setor privado. Em consequência, os anos finais do século XX apresentaram, no Brasil, um aumento do número de sindicatos de trabalhadores do serviço público e da mobilização das suas categorias. Em Bauru-SP, entendemos que a situação do sindicalismo público municipal caracteriza um contraponto dessa situação em virtude do baixo nível de participação dos trabalhadores do serviço público municipal no Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Bauru e Região. O objetivo da pesquisa é compreender de que maneira as condições históricas do período de aplicação das políticas neoliberais no Brasil levaram o SINSERM a essa situação. Entendemos que podemos inferir dessa situação elementos que auxiliem na explicação de uma crise maior do sindicalismo brasileiro, especialmente o do setor público no Brasil. E consideramos que se trata de uma crise que não é apenas dos sindicatos, mas de todos os movimentos de organização da classe trabalhadora no mundo. Portanto, metodologicamente essa pesquisa se constitui num estudo de caso que para ser operacionalizado consistirá em análise bibliográfica, coleta e análise de informações sobre a conjuntura sindical de Bauru e elaboração de inferências conclusivas. Palavras-chave: crise do sindicalismo público; mobilização dos trabalhadores do serviço público; políticas neoliberais Introdução A pesquisa que aqui se delineia constitui um estudo de caso. Ela buscará entender como se processou a situação de enfraquecimento da capacidade de mobilização das bases pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Bauru e Região (SINSERM). Tal qual o sindicalismo do setor público em nível estadual e federal, o sindicalismo do setor público municipal no Brasil também sofre as conseqüências das políticas neoliberais de reforma da administração pública que foram implantadas com maior vigor no Brasil a partir do início da 1 Rede Municipal de Ensino de Bauru SP. R. São Gonçalo, 4-40, apto 106, Vila Altinópolis, Bauru SP. Fone (14)

2 2 década de 1990 nos governos Collor/Itamar ( ) e FHC em ( ). Dentro do quadro de mudanças, aquelas que produziram grande efeito sobre os sindicatos do serviço público dizem respeito aos novos padrões de gestão dos recursos humanos na administração pública. Esse remodelamento da gestão dos recursos humanos da máquina pública tem relação com um fator econômico: o baixo crescimento brasileiro que se arrasta desde o início dos anos 1980 e que diminuiu bastante as receitas do Estado e aumentou o déficit público. O remodelamento da gestão dos recursos humanos do Estado significou mudanças nas condições de trabalho e emprego no serviço público brasileiro. Em tese, essas mudanças visam à adequação do Estado aos padrões de gestão de pessoal das empresas privadas em que se utilizam conceitos como produtividade, flexibilidade e racionalidade na alocação de recursos. Para contextualizarmos historicamente o nosso problema, apresentaremos um pouco da trajetória do sindicalismo do setor público e do setor privado no Brasil; mostraremos que o sindicalismo do setor público no Brasil emergiu com grande ímpeto no final dos anos 1970, período em que o capitalismo enfrentava em nível mundial a grande crise do regime fordista de acumulação e de regulação. No decorrer desta exposição levantaremos alguns fatores que hipoteticamente explicariam o declínio do sindicalismo do setor público no Brasil, em especial o dos sindicados de servidores públicos em nível municipal. Revisão Bibliográfica e Delimitação do Problema O fenômeno de crescimento do sindicalismo do funcionalismo público nos países do capitalismo avançado tem relações com o crescimento do setor de serviços da economia e com o processo de degradação das condições materiais de vida e do status social dos trabalhadores que fazem parte deste setor, entre eles mais notadamente os trabalhadores em escritório e os funcionários públicos. Nogueira (1996) expõe, à luz de outros autores, pontos importantes sobre o sindicalismo dos trabalhadores da classe média. Com base em Mills (1956) o autor supracitado afirma que o sindicalismo dos chamados funcionários públicos colarinhos brancos dos anos 1950 nos EUA surgiu como um grupo de interesse, na retaguarda do sindicalismo operário (NOGUEIRA, 1996, p.30). O sentimento anti-sindical dessa categoria revelaria que sua iniciativa de constituir sindicatos e lutar por seus direitos seria muito mais uma reação contra a perda de seu status e prestígio social decorrentes das perdas econômicas históricas dos funcionários públicos nos EUA. Bell (1973) também citado em Nogueira (1996) percebeu que o crescimento da sindicalização no setor público nos EUA nos anos 1960 foi resultado de estímulos do próprio

3 3 governo federal. Durante a década de 1960 a sindicalização entre os funcionários públicos da esfera federal foi muito superior à sindicalização das categorias de assalariados médios do setor privado ou mesmo dos funcionários públicos das esferas estadual e local. Para o caso americano, nos anos 1960, a taxa de sindicalização era relativamente baixa [...]. O aumento de sindicalização ocorreu apenas no setor público entre 1956 e 1970 (BELL, 1973, p apud NOGUEIRA, 1996, p.31). Ainda no estudo de Nogueira o mesmo destaca que os professores estão entre os trabalhadores de classe média que obtiveram o maior nível de organização sindical. São casos deste tipo o grande crescimento da sindicalização de professores da rede privada dos EUA entre os anos 1960 e Na França, o caso dos professores é de uma categoria das mais politizadas e combativas do sindicalismo dos setores de classe média. Os professores constituem sindicatos com maior desenvoltura que outras categorias sendo que a expansão da educação pública significou expansão do seu sindicalismo. (NOGUEIRA, 1996, p.31). Na história do sindicalismo brasileiro o atrelamento dos sindicatos à estrutura do Estado foi um traço marcante. Embora em alguns períodos da história brasileira os sindicatos tenham gozado de autonomia relativa, durante muito tempo o Estado brasileiro manteve alguma forma de regulamentação que garantia seu controle sobre os sindicatos. Segundo Nogueira: Desde 1931, com exceção do curto período entre 1934 e 1935, o sindicalismo perde o estatuto de organização livre e autônoma dos trabalhadores, e passa a ser controlado pelo Estado, chegando a ser uma organização de natureza pública entre 1935 e De 1946 em diante, a vida sindical oscila entre menor e maior controle e repressão do Estado, menor e maior autonomia do movimento sindical, dependendo das conjunturas econômicas e políticas. Analisando pelo lado da situação do mercado de trabalho, entre 1935 e 1946 e desde 1964 esse é submetido ao controle pleno do Estado, sendo que nas décadas de 80/90 há, em diversos setores, experiências de confronto via negociações diretas que indicam tendências de mudanças nesse padrão. (NOGUEIRA, 1996, p. 46) A diferença do sindicalismo do setor público para o sindicalismo do setor privado é que aquele nasce desatrelado da estrutura do Estado, toma a feição de entidade independente e combativa 2, pois vai ganhando força num período histórico em que o modelo econômico da ditadura militar de 1964 vai perdendo fôlego e as camadas médias da população, da qual os servidores públicos fazem parte, sofreram uma degradação das suas condições de vida material e do seu status. Neste contexto, no ano de 1978, surgem as primeiras greves de servidores públicos no Brasil, mesmo que nesta época ainda não fosse garantido por lei o 2 Cf. SILVA (2005) que defende a permanência de uma lógica de conflito típica ao sindicalismo do setor público em contrapartida à lógica de maior negociação entre patrão-empregado presente no novo sindicalismo do setor privado.

4 4 direito de greve aos servidores públicos. Aliás é apenas com a constituição brasileira de 1988 que finalmente são reconhecidos os direitos de greve e à livre sindicalização dos funcionários do setor público 3. Na vanguarda desse movimento esteve a grande greve em 1978 dos professores da rede pública estadual de ensino de São Paulo, a qual contou com grande adesão 4. O fato de o sindicalismo no setor público ter emergido no Brasil como um sindicalismo combativo em um período de crise econômica possui relação com a estrutura de classes da sociedade capitalista. Os funcionários públicos, nas definições do marxismo, são enquadrados na posição de classe média. Entretanto, muitos autores discutem a questão das classes médias argumentando que esse conceito tornou-se um tanto complicado para fins de posicionamento de classe de certos setores do mundo do trabalho. Desta forma, no que tange aos funcionários públicos, seria mais apropriado caracterizá-los como trabalhadores improdutivos 5. Os funcionários públicos da administração pública direta são trabalhadores que não participam diretamente do processo de produção de mais valia. Seu trabalho enquadra-se na esfera de suporte ao processo de criação do valor. Assim como os trabalhadores em escritório, os funcionários públicos são consumidores do valor produzido na esfera de produção de mais valia. Desta forma, observa-se uma crise do sistema de produção capitalista no que tange ao enorme crescimento dos custos improdutivos de reprodução do sistema, dos quais os funcionários públicos são parte integrante. A reforma do Estado de caráter neoliberal pode ser considerada uma tentativa de equilibrar a relação entre os custos produtivos e improdutivos do sistema de valorização do capital. Em todos os países onde este tipo de reforma foi implantado, os maiores prejudicados foram sem dúvida os trabalhadores do setor público. No Brasil, o Estado esteve durante a ditadura militar (1964 a 1984) incumbido não somente da prestação de serviços à população, mas também envolvido na tarefa de auxiliar o desenvolvimento do grande capital realizando obras de infraestrutura (energia, comunicações, transportes) para as quais foram muito importantes as grandes empresas estatais brasileiras. Desta forma criou-se uma relação de desequilíbrio dentro do Estado brasileiro, onde floresceu um setor estatal moderno, com pessoal altamente capacitado e bem remunerado dentro das empresas estatais, enquanto pelo 3 Informação conseguida em NOGUEIRA, Arnaldo José F. Mazzei. Relações de trabalho no setor público. Disponível em: Acesso em: 22 mar Cf. NOGUEIRA, 1996, p Harry Braverman (1987) p realiza discussão sobre a diferença entre trabalho produtivo e improdutivo em seu clássico Trabalho e Capital Monopolista. O trabalho produtivo é aquele que cria mais valia, enquanto o trabalho improdutivo, apesar de algo produzir, não cria mais valia.

5 5 lado da administração direta prestadora de serviços básicos à população prevaleceu uma situação de deterioração salarial e de condições de trabalho. Segundo Martins apud Nogueira: (...) enquanto o Estado militar aumenta suas receitas, os gastos com o pessoal civil da administração direta diminuiu entre 1965 e (...) isso não foi devido à redução de pessoal, mas à queda dos salários e à migração do pessoal da administração direta para o setor paraestatal, setor esse que terá enorme expansão durante o regime militar (MARTINS, 1985, 1995, apud NOGUEIRA, 1996, p.92). Em um país onde o Estado assume este perfil, o problema fiscal não é resultado de um suposto número excessivo de funcionários na administração direta ou destes possuírem salários altos e excesso de direitos trabalhistas tal como apregoam muitos dos defensores da redução do tamanho do Estado no Brasil 6. A perda de prestígio social e a deterioração salarial e das condições de trabalho de ampla parcela do funcionalismo público ligado à prestação de serviços básicos à população tem relação fundamental com a emergência de uma nova identidade social nesse segmento da classe trabalhadora. É a emergência de uma identidade de trabalhador no serviço público, e não mais de um membro privilegiado da sociedade de classes, que traz o impulso à organização sindical dos trabalhadores do setor público no Brasil. É dessa nova identidade de classe dos funcionários públicos que surge a possibilidade de os mesmos perceberem o Estado como campo de lutas entre interesses contraditórios da sociedade capitalista e, assim, ingressarem na luta sindical como qualquer outra categoria de trabalhadores do setor privado. Na produção acadêmica referente ao tema crise do sindicalismo é recorrente a explicação de que a crise dos sindicatos tem origem no processo de reestruturação produtiva do capitalismo após o grande choque do petróleo nos anos Essa reestruturação produtiva alicerçada nos métodos de produção flexíveis (just in time) possibilitados pelo advento de novas tecnologias da informação e da microeletrônica; a globalização da produção industrial e dos mercados que acarretou um aumento da competitividade entre empresas e países; tudo isso explica a elevação assustadora do desemprego nos principais países capitalistas do mundo. As análises sobre os rumos do trabalho no capitalismo diante de tais mudanças vão dos mais catastróficos, como Robert Kurz (1992; 1997), o qual defende a tese do fim do trabalho ; ou aqueles que enxergam no fenômeno do desemprego o fim da centralidade do trabalho, como Offe (1989, 1991), citado em Nogueira (1996). Em todo caso os autores que tratam da crise do trabalho na sociedade contemporânea apontam-na como 6 Cf. SANTOS (1993) onde o autor apresenta dados que desmentem a tese do gigantismo do Estado brasileiro em comparação com vários países do mundo desenvolvido.

6 6 responsável pela crise do sindicalismo de um modo geral 7. A queda nos níveis de sindicalização em vários países do mundo e no Brasil é o fator mais apontado como sintoma da crise dos sindicatos. Segundo Pochmann: Sabe-se, contudo que a partir dos anos de 1990 o sindicalismo laboral vem passando pelo enfrentamento da mais grave crise do emprego nacional, com taxas de desemprego inusitadas e acentuado processo de desassalariamento e de precarização das condições de trabalho. A vigência das políticas neoliberais tem levado à fragilização sindical identificada pela redução das taxas de sindicalização e na quantidade de greves acompanhadas ainda de uma importante mudança nas políticas sindicais, cada vez mais direcionadas à defesa das conquistas trabalhistas e à participação em órgãos tripartites de gestão das políticas sociais. (POCHMANN, 2005, p. 164) Os fatores econômicos apontados como responsáveis pela crise do sindicalismo no setor privado não afetam da mesma forma os trabalhadores e os sindicatos do setor público no Brasil. Se os sindicatos do setor privado no Brasil perdem filiados em função do enorme desemprego provocado pela reestruturação produtiva, os sindicatos do setor público tomaram o lugar de vanguarda do sindicalismo no Brasil devido ao seu tamanho quantitativo. Embora o panorama seja menos grave para os sindicatos do setor púbico estas organizações também enfrentam problemas para se impor e obter conquistas para os trabalhadores do serviço público. A grave crise fiscal do Estado em decorrência do baixo crescimento econômico e as políticas de reforma da administração pública que pretendem tornar o Estado mais eficiente trouxeram para os sindicatos do setor público uma realidade de desmobilização nas bases e por consequência a diminuição do poder de pressão política nas negociações com os governos. Um exemplo dessa situação encontra-se no Sindicato dos Servidores Públicos Municipal da cidade de Bauru, o SINSERM. Neste sindicato observamos uma realidade em que tanto a quantidade de filiados quanto a frequência dos mesmos às atividades do sindicato tem sido muito pequena 8. Os dados abaixo ilustram essa situação. Quadro 1 - Servidores filiados ao SINSERM por secretarias de governo e autarquias da prefeitura municipal de Bauru Educação Saúde Administrativo Emdurb Veja em NOGUEIRA (1996) a discussão do tema 3 (Mundo do Trabalho, Crise e Desafios do Sindicalismo) da parte introdutória da tese, na qual o autor expõe os pontos de vista de vários autores que tratam desta temática. 8 Aqui vale destacar o contraponto feito por Cardoso (1997). Este autor defende como medida da força política dos sindicatos o índice de proximidade sindical, ou seja, uma pesquisa em que são aferidos quesitos como a atitude em relação ao caronismo nas greves, o pensamento do trabalhador sobre a democracia e a frequência com que o trabalhador lê sobre política em jornais e revistas. 9 Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural. Funciona, assim como o DAE, como uma autarquia.

7 7 Total: 1171 Fonte: SINSERM, Março 2011 Quadro 2 Relação dos presentes à Assembléia Geral Extraordinária de 17 de Março de 2011 Educação Saúde Administração DAE EMDURB SINSERM (Diretores) Não informaram Aposentados Total: 58 Fonte: SINSERM, Março 2011 No caso dos sindicatos do setor público em nível municipal, o fator político tem um peso muito grande na força de pressão destas organizações. No nível municipal as greves tendem a ser mais curtas do que em nível estadual e federal, pois o relacionamento mais próximo entre sociedade civil e o governo torna a situação mais desfavorável para os sindicatos do setor público municipal. De acordo com Nogueira: Nos municípios, as greves são bem mais curtas que nos Estados, pois há maior pressão da sociedade civil devido a sua maior aproximação com a administração e o governo. Nesse caso, o governante e o gestor público têm interesses imediatos no seu futuro político que depende da visibilidade de sua gestão na localidade. O comportamento dos governos municipais para com os grevistas adquire uma forma de pêndulo, com posições mais brandas e benevolentes, de um lado, e posições mais rígidas e punitivas, de outro. (NOGUEIRA, 1998, p. 17) Cabe lembrar que a esfera municipal do Estado brasileiro é, ao lado da estadual, aquela onde predominam os setores do funcionalismo público que recebem os piores salários, constituindo carreiras desvalorizadas e pouco atrativas. Estes setores são essencialmente setores de prestação de serviços de maior necessidade para a população (saúde, educação, transporte). Já destacamos anteriormente as causas históricas dessa situação 10. Por sua vez os governos que assumem o comando do Estado respondem com o estabelecimento de políticas que põem nas costas do servidor a responsabilidade pela inoperância do Estado. Em Bauru, durante o ano de 2010, o governo Rodrigo Agostinho (PMDB) comandou a elaboração do novo Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). Este novo plano de carreira do funcionalismo de Bauru, que já está em vigor para os servidores das áreas da educação, saúde e administração, modificou o padrão de evolução da carreira do funcionalismo de Bauru. Instituiu critérios de promoção meritocráticos que consistem fundamentalmente em critérios de avaliação de desempenho pelos chefes imediatos e aumento do nível de escolaridade do 10 Referimo-nos à argumentação de Martins (1985; 1995) citada em Nogueira (1996)

8 8 servidor. Na prática, o novo PCCS acarretará em maior controle dos servidores pela administração através da exigência de cumprimento de metas estabelecidas pela administração, o que é uma das condições para o funcionário ser bem avaliado pelas chefias. As contrapartidas salariais do PCCS, entretanto, não foram tão grandes assim. Os aumentos salariais produzidos pelo PCCS privilegiaram os cargos mais elevados da administração, principalmente aqueles que exercem funções de gestão e avaliação dos servidores. Veja o exemplo da grande disparidade salarial entre os específicos da educação. Salários iniciais dos cargos criados pelo novo PCCS (2010) Cargo Salário Inicial R$ Assistente de Serviços na Escola 998,88 Agente Educacional 1117,51 Especialista em Educação Adjunto 1.285,14 (Professor Substituto) Especialista em Educação (Professor 1.717,07 Titular) Especialista em Gestão Escolar (Diretor 4.232,00 de Escola) Fonte: Diário Oficial de Bauru, 01/12/2010. É muito provável que a ampliação das diferenças salariais entre os servidores públicos de Bauru e a determinação de regras de evolução na carreira consubstanciadas em avaliações de desempenho e cumprimento de metas colocarão cada vez mais os servidores públicos uns contra os outros, inibindo as iniciativas de luta coletivas. A situação dos servidores públicos em nível municipal, com seus baixos salários e agora submetidos a uma situação que potencialmente aumentará a competição entre os mesmos é mais um fator que poderá contribuir para o enfraquecimento ainda maior do SINSERM. Portanto, nossa hipótese explicativa central é de que na conjuntura político-econômica do final do século XX/início do XXI o enfraquecimento dos sindicatos do setor público municipal é resultado do endurecimento dos governos desse período para com os servidores e seus sindicatos e das políticas de reforma administrativa que proporcionaram um ainda maior distanciamento dos servidores da via coletiva de luta, por conseguinte dos sindicatos. Objetivo Geral Compreender de que maneira as condições históricas do período de aplicação das políticas neoliberais no Brasil levaram o SINSERM a um quadro de enfraquecimento da

9 9 sua capacidade de mobilizar suas bases e de perda do seu poder de combatividade na defesa dos interesses dos servidores públicos de Bauru Objetivo Específico Identificar e compreender que fatores da conjuntura política e econômica específica de Bauru podem ter contribuído juntamente com os fatores político-econômicos de nível nacional/mundial para a crise do SINSERM Procedimentos Metodológicos Num primeiro momento, a pesquisa consistirá numa releitura do material bibliográfico já disponível e no aprofundamento da pesquisa bibliográfica sobre o assunto para desenvolvermos teoricamente um quadro conjuntural do período histórico de aplicação das políticas neoliberais na administração pública brasileira. A construção desse quadro conjuntural servirá como marco teórico para analisarmos o caso específico do SINSERM. Num segundo momento estaremos realizando entrevistas com sindicalistas de longa trajetória de militância no SINSERM e que atualmente fazem parte da diretoria desse sindicato. Essas entrevistas serão dirigidas no sentido de sabermos desses dirigentes como teve sido a relação entre os filiados e o sindicato durante esse período de tempo em que estão militando tanto como dirigentes quanto como filiados, ou seja, em que momentos e com que interesses os servidores buscavam o sindicato e em que situações os servidores mais se afastaram do sindicato. Além das entrevistas com sindicalistas do SINSERM, também realizaremos entrevistas com alguns servidores de diferentes áreas do serviço público municipal de Bauru para sabermos o que pode estar os afastando do sindicato e se eles veem alguma importância no sindicato para obter melhorias financeiras, profissionais, ou outras. Todas as informações das entrevistas serão cotejadas com o quadro teórico desenvolvido. Sendo assim, por fim estaremos desenvolvendo as inferências analíticas com base na comparação entre as informações das entrevistas e o quadro teórico elaborado. Resultados e Conclusão Essa pesquisa, por se encontrar ainda em fase de desenvolvimento, não apresenta até agora resultados que possam fundamentar conclusões sobre o problema em análise.

10 10 REFERÊNCIAS BAURU. Lei nº de 01 de dezembro de Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salário - PCCS, dos servidores específicos da área da educação do município; bem como reenquadra os respectivos cargos, reconfigura as carreiras, cria nova grade salarial, dispõe sobre a cessação do pagamento das gratificações e adicionais e institui jornadas de trabalho. Diário Oficial de Bauru, Bauru, Ed. Especial nº , p , dez BAURU. Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Bauru e Região. Assembleia geral extraordinária 17 de fev Bauru, BAURU. Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Bauru e Região. Filiações Março/2011, Bauru: p. BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. 3ªed. Rio de Janeiro: LTC, 379 p. CARDOSO, Adalberto M. A filiação sindical no Brasil. Dados, Rio de Janeiro, vol. 44, nº 01, CARDOSO, Adalberto M. Um referente fora de foco: sobre a representatividade do sindicalismo no Brasil. Dados, Rio de Janeiro, vol. 40, nº 02, Disponível em Acesso em: 02 de jun. de HADDAD, Fernando. Trabalho e classes sociais. Tempo Social, São Paulo, 9 (2), p , out. de JORNAL DA CIDADE DE BAURU. Bauru, 19 de abril 2011, edição eletrônica. Acesso em 30 de maio de JORNAL DA CIDADE DE BAURU. Bauru, 06 de maio de 2011, edição eletrônica. Acesso em 30 de maio de JÚNIOR, J. C.C. Reforma do Estado e desregulamentação do trabalho no Brasil nos anos Disponível em Acesso em: 30 de maio de 2011 KURZ, Robert. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. 6ªed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 231 p. KURZ, Robert. Os últimos combates. Petrópolis: Vozes, Os últimos combates, p LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

11 11 MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, MARX, Karl. Manuscritos econômicos filosóficos. São Paulo: Martin Claret, NOGUEIRA, Arnaldo José França Mazzei. Emergência e crise do novo sindicalismo no setor público brasileiro. Disponível em: BR&lr=&id=7COJdQxvxmEC&oi=fnd&pg=PA51&dq=emergencia+do+novo+sindicalismo+ no+setor+publico&ots=cldzil22dh&sig=bznvzyentac1zm7kv5hcdf7qsno#v=onepage &q=emergencia%20do%20novo%20sindicalismo%20no%20setor%20publico&f=false. Acesso em: 30 nov NOGUEIRA, Arnaldo José F. Mazzei. Relações de trabalho no setor público. Disponível em: Acesso em: 22 mar NOGUEIRA, Arnaldo. José. F. Mazzei. Trabalho e sindicalismo no Estado brasileiro: experiências e desafios. Tese de doutorado. Instituto de filosofia e ciências humanas, Unicamp, Campinas, POCHMANN, Márcio. Desafios atuais do sindicalismo brasileiro. Disponível em: Acesso em: 06 de abril de SANTOS, W. G. Mitologias institucionais: do Leviatã paralítico ao Estado de natureza. Estudos Avançados, 7 (17), jan/abr Disponível em: Acesso em 30 de maio de SILVA, R. A. & ICHIKAWA, E. Y. A representação social na esfera pública: percepções sobre o funcionário público em uma Administração Municipal. Revista Eletrônica, vol. 08, nº 02, SILVA, Sidney J. Sindicalismo do setor público nos anos 90: persistência da lógica do conflito. Tempo da Ciência (12) 24 : , 2º semestre TOHÁ, Carolina; SOLARI, Ricardo. A modernização do Estado e a gerência pública. Revista do serviço público, Brasília, ano 48, n. 3, set-dez Disponível em: Acesso em: 22 mar

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Palavras-chave: degradação do trabalho docente; alienação; identidade profissional.

Palavras-chave: degradação do trabalho docente; alienação; identidade profissional. ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DA PROFISSÃO E DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA MARXISTA 1 Waldete Ap. Junqueira Prado Gasparotti Nunes Alexandre Junqueira Prado Gasparotti Nunes Resumo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017 INTRODUÇÃO O Plano de Ação do Sindicato-Apase adota como referencial de elaboração as Teses aprovadas no XI Fórum Sindical/2015, referendadas na Assembleia Geral Extraordinária Deliberativa de 11/12/2015.

Leia mais

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1 Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo Danilo Chaves Nakamura 1 Para minha geração, o êxito do capital era um problema. Agora muitos acreditam que isso é

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA DITADURA MILITAR

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA DITADURA MILITAR FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA DITADURA MILITAR (1964 1985). Renata Bento Leme FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS/ UNESP- MARÍLIA. rb.leme@yahoo.com.br. Eixo temático: Política educacional. RESUMO: Este trabalho

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO GABARITO DAS QUESTÕES DE SOCIOLOGIA Estudante: Turma: Data:

Leia mais

Minuta específica de reivindicações dos empregados do Banco Bradesco

Minuta específica de reivindicações dos empregados do Banco Bradesco Minuta específica de reivindicações dos empregados do Banco Bradesco 1. Emprego O Banco deverá instituir medidas que visem aumentar o número de empregados, adequando o seu quadro funcional a praça e ao

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira.

Palavras chaves: Superexploração, opressão de gênero, economia brasileira. A SUPEREXPLORAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO FEMININA NO BRASIL TAMARA SIEMANN LOPES (autora) 1 CINTHIA DE SOUZA(coautora) 2 Resumo: A inserção da mulher nas atividades econômicas passou a ser uma variável relevante

Leia mais

A HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO INFANTIL NA EDUCAÇÃO DE SÃO CARLOS (1964-1985)

A HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO INFANTIL NA EDUCAÇÃO DE SÃO CARLOS (1964-1985) 1 A HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO INFANTIL NA EDUCAÇÃO DE SÃO CARLOS (1964-1985) Larissa Mendes Gontijo Dornfeld Orientadora: Profª. Drª. Ester Buffa Mestrado em Educação Linha de Pesquisa: História, Filosofia

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA

GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA GLOBALIZAÇÃO? É um fenômeno capitalista de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e política, que teria

Leia mais

AS RECENTES REFORMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MINAS GERAIS E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UEMG

AS RECENTES REFORMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MINAS GERAIS E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UEMG AS RECENTES REFORMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MINAS GERAIS E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UEMG RESUMO SANTOS, NEIDE ELISA PORTES DOS 1 VIEIRA, LÍVIA MARIA FRAGA 2 Trata-se

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE Amália Madureira Paschoal Anna Débora Fritzen Marcante Jaqueline Nadir da Silva Patrícia Ortigosa Chaves

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Autonomia profissional X trabalho assalariado: exercício profissional do assistente social

Autonomia profissional X trabalho assalariado: exercício profissional do assistente social Autonomia profissional X trabalho assalariado: exercício profissional do assistente social Nanci Lagioto Mestre em Serviço Social pela UFJF e agente fiscal na Seccional Juiz de Fora do CRESS-MG Este artigo

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PROUNI E DO REUNI PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES

A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PROUNI E DO REUNI PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PROUNI E DO REUNI PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES Cristini Colleoni 1 Introdução O presente texto se refere ao projeto de pesquisa apresentado ao programa

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

A TECNOLOGIA, A AUTOMAÇÃO E A RELAÇÃO COM O TRABALHO RURAL

A TECNOLOGIA, A AUTOMAÇÃO E A RELAÇÃO COM O TRABALHO RURAL A TECNOLOGIA, A AUTOMAÇÃO E A RELAÇÃO COM O TRABALHO RURAL Sandra Chulek Belo sandrachulek@yahoo.com.br Acadêmico do Curso Ciências Econômicas/UNICENTRO Juliana Krupek julianakrupeck@gmail.com Acadêmico

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

2 dívida do setor privado para o setor público, favoreceu a campanha antiestatal que se assiste no início dos anos 90. Tal campanha apontava para um

2 dívida do setor privado para o setor público, favoreceu a campanha antiestatal que se assiste no início dos anos 90. Tal campanha apontava para um A DIREÇÃO DADA ÀS AÇÕES GOVERNAMENTAIS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO PARANÁ, DE 1983-1994, DIANTE DO QUADRO DE CRESCENTE PRECARIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO PÚBLICO. SANTOS, Jussara Maria Tavares

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO

A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO Adriana Regina Ramos Kleber Rodrigo Durat 1 Lizandra Felippi Czerniaski Paula

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

PROFESSORES TEMPORÁRIOS E O TRABALHO DOCENTE

PROFESSORES TEMPORÁRIOS E O TRABALHO DOCENTE PROFESSORES TEMPORÁRIOS E O TRABALHO DOCENTE Fernanda Galisteu Lourenção (C. Sociais UEL IC. UEL) Orientadora: Simone Wolff PALAVRAS-CHAVE: Docente Temporário, Precarização do Trabalho, Flexibilização.

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

REFORMAS DO ESTADO, RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA

REFORMAS DO ESTADO, RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 REFORMAS DO ESTADO, RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA Pedro Armengol de Souza 2 Painel 35/127 Negociação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

Atendência de forte ex

Atendência de forte ex ARTIGO Estudo traça o novo perfil do desemprego no Brasil A abertura comercial sem critérios, aliada ao contexto competitivo interno de altas taxas de juros e ausência de financiamento de médio e longo

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Os movimentos sociais sob o impacto dos protestos. Uma análise sobre o Movimento Passe Livre e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

Os movimentos sociais sob o impacto dos protestos. Uma análise sobre o Movimento Passe Livre e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Os movimentos sociais sob o impacto dos protestos. Uma análise sobre o Movimento Passe Livre e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Resumo O trabalho analisa os protestos de junho de 2013 a junho de

Leia mais

SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO

SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO 1 SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO Andrezza Vaz dos Reis 1 Letícia Pinheiro Nascimento Maria Cecília Paulino Teixeira RESUMO Há necessidade de o assistente social compreender as lutas das classes

Leia mais

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa Luís Fernando de Freitas Camargo Professor do Curso de Geografia e Especialização em PROEJA Centro Federal

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

Futebol alemão X Futebol brasileiro

Futebol alemão X Futebol brasileiro Futebol alemão X Futebol brasileiro Um fez sua revolução. Outro nem começou! Novembro de 2015 A revolução na Alemanha Eliminação precoce na Eurocopa de 2000 impulsionou as mudanças. Plano de longo prazo

Leia mais

Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais

Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais Estudo 2015 Análise Comparativa à Filosofia, à Ideologia e aos Princípios de Atuação das Associações Sindicais e Patronais OPBPL Novembro de 2009 e Março de 2015 http://opbpl.cies.iscte-iul.pt O OPBPL

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Contribuições sindicais

Contribuições sindicais Contribuições sindicais 1. Aspectos gerais A contribuição sindical é uma receita que tem como fundamento, precípuo, viabilizar a atividade da entidade sindical para fins de defesa dos interesses de determinada

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Trabalho, sindicalismo e pobreza

Trabalho, sindicalismo e pobreza Trabalho, sindicalismo e pobreza António Brandão Guedes 1. Revalorizar o trabalho Tal como no início do século XX também hoje enfrentamos importantes e complexos desafios colocados pela economia e pelo

Leia mais

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR A ênfase posta na atualidade no termo gestão educacional tem origem nas mudanças ocorridas nas relações da administração pública (aparato de Estado) com a sociedade.

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS

ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS Wagner Rabello ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS É pela perspectiva weberiana que podemos ver que o Estado brasileiro tem como característica

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

A rtigo. Possibilidades da agricultura independente. Jones, Alberto da Silva* Bressan, Matheus**

A rtigo. Possibilidades da agricultura independente. Jones, Alberto da Silva* Bressan, Matheus** Produção familiar, pós-modernidade e capitalismo Possibilidades da agricultura independente Jones, Alberto da Silva* Bressan, Matheus** *Prof. Doutor do Departamento de Economia Rural da UFV. *Eng. Agrônomo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROTOCOLO Nº 0XXXX/2014 de 13 de Outubro de 2014 Dispõe

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Relatório Conferência UNI Postal e Logística Cidade de Washington EUA Realizada de 6 a 9 de setembro de 2011.

Relatório Conferência UNI Postal e Logística Cidade de Washington EUA Realizada de 6 a 9 de setembro de 2011. Relatório Conferência UNI Postal e Logística Cidade de Washington EUA Realizada de 6 a 9 de setembro de 2011. Delegados pela FENTECT Rogério Ubine Secretário de Relações Internacionais José Rivaldo Secretária

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO Affonso Cardoso Aquiles 1 Introdução As transformações pelas quais as telecomunicações brasileiras passaram nas

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

O papel do Estado 20/3/2012

O papel do Estado 20/3/2012 O papel do Estado Na passagem do século XIX para o século XX Função Principal do Direito e Segurança garantia da liberdade da propriedade Século XIX nenhuma interferência na ordem natural da economia O

Leia mais

DOCÊNCIA VOLUNTÁRIA NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: AUTONOMIA OU PRECARIZAÇÃO? RESUMO

DOCÊNCIA VOLUNTÁRIA NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: AUTONOMIA OU PRECARIZAÇÃO? RESUMO DOCÊNCIA VOLUNTÁRIA NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: AUTONOMIA OU PRECARIZAÇÃO? PRADO, Edna Cristina do wiledna@uol.com.br Universidade Federal de Alagoas SANTANA, Jusciney Carvalho juscineycarvalho@gmail.com

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional Autor: Indira Alves França Orientador: Alicia Bonamino Título obtido: Mestrado Título da tese ou dissertação: Gestão Educacional em Tocantins Data de finalização: junho de 2007 Data de ingresso no curso:

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

DEFICIÊNCIA E TRABALHO: o caso Mato Grosso do Sul Samira Saad Pulchério Lancillotti

DEFICIÊNCIA E TRABALHO: o caso Mato Grosso do Sul Samira Saad Pulchério Lancillotti DEFICIÊNCIA E TRABALHO: o caso Mato Grosso do Sul Samira Saad Pulchério Lancillotti Os anos 90 foram marcados por profundas mudanças na economia mundial e o Brasil respondeu a esses mesmos condicionantes.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais