MEDO E/OU ANSIEDADE COMO FATOR INIBITÓRIO PARA A VISITA AO DENTISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDO E/OU ANSIEDADE COMO FATOR INIBITÓRIO PARA A VISITA AO DENTISTA"

Transcrição

1 MEDO E/OU ANSIEDADE COMO FATOR INIBITÓRIO PARA A VISITA AO DENTISTA FEAR AND/OR ANXIETY RELATED TO THE AVOIDANCE OF DENTAL VISITS Viviane Colares 1 Geórgia M. Caraciolo 2 Andreza Mendonça Miranda 3 Gláucia Vieira B. de Araújo 3 Pollyanna Guerra 3 Considerando que a ansiedade pode refletir no comparecimento do paciente ao consultório odontológico, este estudo exploratório propôs avaliar o medo e/ou ansiedade como um fator inibitório para a visita ao dentista por crianças pré-escolares. O estudo contou com a participação de 558 responsáveis por crianças com 5 anos de idade, de ambos os sexos, matriculadas em escolas públicas e particulares da cidade do Recife. Os dados foram coletados através da aplicação de um formulário em forma de entrevista, com questões referentes ao medo e/ou ansiedade, tanto da criança quanto do responsável. Após a análise dos dados, pode-se constatar que, de acordo com o relato dos responsáveis, uma parcela significativa (17%) adiaria ou cancelaria a consulta odontológica da criança caso a mesma apresentasse ansiedade no dia da visita ao dentista. Foi observado, também, que, a maioria dos entrevistados afirmou sentir desconforto devido à presença do medo e/ou ansiedade em suas crianças, e 7,8% informaram que já adiaram ou cancelaram a consulta odontológica do paciente infantil devido ao medo e/ou ansiedade apresentado pela criança. Além disso, 23% dos responsáveis afirmaram que já adiaram ou faltaram à sua própria consulta ao dentista por medo e/ou ansiedade. Sugere-se que o medo e/ou ansiedade pode ser um fator inibitório ao atendimento odontológico. Palavras-chave: ansiedade; medo odontológico; absenteísmo INTRODUÇÃO Sendo as emoções influenciadoras do comportamento infantil, as mesmas devem fazer parte das preocupações do Odontopediatra, favorecendo a relação profissional-paciente e facilitando o atendimento odontológico da criança. Entre as emoções mais observadas no consultório odontopediátrico, as mais preocupantes são o medo e a ansiedade, por desencadearem diferentes tipos de comportamento e causarem repercussões somáticas indesejáveis 1. Há muitas definições de medo e/ou ansiedade. No entanto, apesar de existir delicadas graduações de distinção entre o medo e a ansiedade, ambos não passam de nomes diferentes para a mesma coisa 2. Vários autores caracterizaram a ansiedade como um estado de medo, malestar, desconforto, insegurança e, freqüentemente, como a sensação de que algo desagradável pode ocorrer 3,4,5. A criança pode manifestar a ansiedade de diversas maneiras. Os sintomas somáticos mais comuns do medo e/ou ansiedade são sintomas autossômicos, taquicardia/palpitações, sudorese, tremor, rubor, sintomas gastrintestinais, dor de cabeça, respiração curta, sensação de desmaio e urgência urinária 6. Em relação à Odontologia, o medo e a ansiedade podem trazer várias conseqüências negativas, sendo estressante tanto para o dentista quanto para a criança, resultando em visitas irregulares ou, até mesmo, no não comparecimento ao atendimento odontológico, podendo também interferir no tratamento odontológico 7,8,9,

2 Jandrey e Drehmer 11 ao observarem um expressivo absenteísmo ao longo dos anos no Módulo de Serviço Comunitário (MSC) do Centro de Pesquisas em Odontologia Social (CPOS) da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, realizaram um estudo a fim de identificar os motivos pelo qual isto ocorre. Foram entrevistadas 59 crianças/adolescentes, todas regularmente matriculadas em escolas estaduais integrantes do programa docente-assistencial. Deste total, 24 não haviam comparecido ao atendimento no dia marcado. Complementarmente às entrevistas com os escolares, foram efetuadas 48 visitas a famílias de entrevistados, contemplando ausentes e presentes ao atendimento, com intuito de melhor compreender a realidade da população estudada. Do ponto de vista qualitativo, observou-se que entre os motivos concorrentes para o fenômeno, destacaram-se sentimentos como medo e ansiedade ao atendimento odontológico. Gáspár 12 investigou a origem da ansiedade odontológica em 100 pacientes húngaros que aguardavam o tratamento por hipnose. O nível de medo e ansiedade foi mensurado, através da Dental Anxiety Scale (DAS) e da Dental Fear Scale (DFS), e o escore encontrado foi bastante elevado. A razão mais freqüente para este fato foi o prévio medo ao tratamento odontológico (20%) e a pouca satisfação em relação ao comportamento do dentista (15%). A infância constitui-se em um período crítico para o desenvolvimento da ansiedade. Anderson 13 verificou que aproximadamente um quarto da população americana adulta evitou fazer visitas regulares ao dentista devido a experiências vividas nesse período da vida. Desta forma, considerando que o medo e/ou ansiedade pode refletir no comparecimento do paciente no consultório odontológico, este estudo exploratório propôs avaliar o medo e/ou ansiedade como um fator inibitório para a visita ao dentista. E como objetivos específicos, verificar: se o responsável avisa à criança sobre a ida ao dentista, a falta e/ou cancelamento de consultas odontológicas relacionadas ao medo e/ou ansiedade da criança, a falta e/ou cancelamento de consultas odontológicas relacionadas ao medo e/ou ansiedade dos responsáveis. Esse trabalho é parte de um estudo maior, que investigou a prevalência de medo e/ou ansiedade odontológica em crianças com 5 anos de idade, de ambos os sexos, na cidade do Recife. 060

3 MATERIAL E MÉTODO Área do estudo Este estudo foi realizado na cidade do Recife, capital do Estado de Pernambuco, situado na Região Nordeste do Brasil, com uma área de 218 Km 2 e uma população de habitantes. A cidade encontrase dividida político administrativamente em seis distritos sanitários (Regiões Político-Administrativas RPA-1; RPA-2; RPA-3; RPA-4; RPA-5; RPA-6) distribuídos nas regiões centro, norte, noroeste, oeste, sudoeste e sul, respectivamente. População de estudo Crianças com 5 anos de idade, de ambos os sexos, matriculadas em instituições de ensino públicas e particulares da cidade do Recife. Período de referência A coleta dos dados foi realizada entre os meses de abril e junho de Tamanho e seleção da amostra - Cálculo amostral Com base na listagem das instituições de ensino publicas e particulares da cidade do Recife, fornecida pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco (2003), foi calculado o número de escolares que participaram da pesquisa, de acordo com a proporcionalidade do número de crianças por tipo de instituição de ensino (pública e particular), de forma a ser uma amostra significativa para toda a cidade do Recife. Para a determinação do cálculo amostral, foram considerados: a proporção ou prevalência de medo e ansiedade encontrada no estudo piloto igual a 45,24%; margem de erro de 5%; confiabilidade de 95%; tamanho populacional de O estudo piloto foi realizado no período de março a abril de 2004 e contou com a participação de 60 responsáveis por crianças com 5 anos de idade, de ambos os sexos, matriculadas em uma escola pública e outra particular situadas no Distrito Sanitário IV da cidade de Recife. Os cálculos foram realizados através do programa EPI-INFO versão 6.0, resultando em uma amostra de 372 crianças. No entanto, levando em consideração o 061

4 conglomerado do fator escola e a fim de amenizar possíveis perdas, a amostra foi acrescida de 50%. Assim, o tamanho amostral final foi de 558 crianças, distribuídas proporcionalmente por distrito sanitário. - Seleção da amostra De posse da lista das escolas, fornecida pela Secretaria de Educação do Estado, por distrito, o sorteio foi procedido utilizando a tabela de números aleatórios. Foram incluídas neste sorteio as instituições educacionais que apresentassem número de alunos igual e/ou superior a 15. Para o cálculo do número de escolas a serem sorteadas, considerou-se aproximadamente 15 responsáveis entrevistados em cada escola. Num segundo momento, em todos os turnos freqüentados, procedeu a abordagem ao acaso dos responsáveis pelas crianças, de acordo com a ordem de chegada à escola. A abordagem dos responsáveis foi feita nos horários de chegada e saída das crianças das escolas. Coleta dos dados A coleta dos dados foi realizada por três pesquisadoras deste estudo. As respostas das entrevistas foram anotadas em um formulário elaborado especificamente para este fim (Quadro 1). Este formulário foi validado, em estudo piloto e no decorrer da pesquisa, através do método validação de face, tendo como base à avaliação subjetiva do pesquisador, que solicitou aos entrevistados que expliquem com suas próprias palavras o que compreenderam a respeito de cada pergunta do formulário, objetivando verificar se eles estão de fato respondendo o que lhes foi perguntado. Foi calculado, no estudo piloto, o Índice Kappa de Concordância entre as pesquisadoras (alunas de graduação em odontologia) e o padrão Ouro (pesquisadora mestranda em Odontopediatria), com 60 crianças (k=0,84). E o intra-examinadora (k=0,90), durante a pesquisa, garantindo que a cada 10 responsáveis pesquisados um fosse sorteado e re-entrevistado após o período de uma semana, de modo a repetir cerca de 10% das entrevistas. 062

5 Quadro 1- Formulário O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade de Pernambuco (protocolo n 083/04), assim como o consentimento livre e esclarecido foi obtido por escrito dos participantes da pesquisa. Análise dos dados coletados Para análise dos dados foram obtidas distribuições absolutas e percentuais para as variáveis nominais. Foram utilizados: Estatística Descritiva, teste Qui-quadrado de igualdade de proporções ou de homogeneidade, teste de igualdade de duas proporções e teste Qui-quadrado de independência. 063

6 RESULTADOS Foram abordados 558 responsáveis, dos quais 531 concordaram em participar da pesquisa, sendo que 173 informaram que sua criança com cinco anos de idade nunca havia ido ao dentista. A justificativa para este fato, segundo a maioria dos responsáveis (67,1%), foi a de que suas crianças nunca haviam apresentado problema nos dentes, como cárie ou dor. Os resultados apresentados nas tabelas seguintes se referem aos 358 responsáveis que informaram que sua criança já havia ido ao dentista. A maior parte desses entrevistados era do sexo feminino (85,5%), com idade entre 26 e 35 anos (52,3%), mães das crianças (77,4%) e não exercia nenhuma atividade fora do lar (51,2%).Já, as crianças, em sua maior parte, eram do sexo masculino (52,2%). A Tabela 1 apresenta a distribuição das crianças de acordo com o conhecimento prévio da ida ao dentista. Nesta tabela é possível verificar que: 3,9% dos responsáveis pelas crianças nunca avisam quando levam suas crianças para o dentista, enquanto 80,2% dos entrevistados sempre avisam. Tabela 1 Distribuição das crianças de acordo com o conhecimento prévio da ida ao dentista A distribuição das crianças de acordo com o tempo em que elas são informadas da ida ao dentista está apresentada na Tabela 2. Das crianças que são avisadas 11,6% só tem conhecimento que vão ao dentista no dia, 33.1% na véspera, 30,8% dois a três dias antes e 24,4% uma semana antes. 064

7 Tabela 2 - Distribuição das crianças de acordo com antecedência com que a criança é informada da ida ao dentista Uma parcela significativa dos responsáveis (17%) informou que, caso a criança apresentasse ansiedade no dia da consulta, adiaria ou cancelaria a visita ao dentista (Tabela 3). Não foi observada diferença significante entre os dois tipos de escola (p > 0,05). Tabela 3 - Distribuição dos responsáveis de acordo com o cancelamento ou adiamento da consulta odontológica da criança caso a mesma apresentasse medo e/ou ansiedade no dia da consulta Além disso, 7,8% dos responsáveis informaram já ter adiado ou cancelado a consulta odontológica da criança devido ao medo e/ou ansiedade da criança (Tabela 4). Não se comprova diferença significante entre os dois tipos de escola (p > 0,05). 065

8 Tabela 4 Distribuição dos responsáveis de acordo com o fato de ter adiado ou faltado à consulta odontológica da criança devido ao medo e/ou ansiedade da criança Na Tabela 5 pode-se observar que o percentual de sentimento de desconforto é alto (69.4%) entre os responsáveis que afirmaram que suas crianças apresentavam medo e/ou ansiedade quando vão ao dentista. Tabela 5 - Distribuição dos responsáveis de acordo com o sentimento de desconforto devido ao medo e/ou ansiedade da criança relacionada ao tratamento odontológico Quando questionados sobre como classificaria a visita odontológica de sua criança, a maioria considerou agradável (86,0%) (Tabela 6). A maior parte dos entrevistados, justificou este fato relatando que a visita ao dentista é importante/necessário (Tabela 7). 066

9 Tabela 6- Distribuição dos responsáveis de acordo com a classificação da visita de sua criança ao dentista Tabela 7 Distribuição dos responsáveis de acordo com a justificativa para a classificação agradável da visita de sua criança ao dentista A Tabela 8 apresenta a distribuição dos responsáveis de acordo com a justificativa da visita ao dentista ser considerada desagradável. 067

10 Tabela 8 Distribuição dos responsáveis de acordo com a justificativa para a classificação desagradável da visita de sua criança ao dentista Na tabela 9 é possível verificar a distribuição dos responsáveis de acordo com o fato de ter adiado ou faltado à sua própria consulta odontológica devido ao medo e/ou ansiedade. O que já ocorreu com uma parcela significativa dos responsáveis (23%). não se comprova diferença significante entre os dois tipos de escola (p > 0,05). Tabela 9 Distribuição dos responsáveis de acordo com o fato de ter adiado ou faltado à sua consulta odontológica devido ao medo e/ou ansiedade 068

11 DISCUSSÃO Após a análise dos dados, pode-se verificar, que a maioria dos responsáveis informou avisar suas crianças previamente sobre a visita ao dentista, no entanto Mejàre, Friis-Haschèr e Holst 13 ressaltaram que o preparo excessivo pode gerar um clima de ansiedade e expectativa no paciente infantil. Uma parcela significativa dos responsáveis (17%) relatou que adiaria ou cancelaria a consulta odontológica da criança caso a mesma apresentasse medo e/ou ansiedade no dia da visita ao dentista. Além disso, para 69,39% dos pesquisados, o fato do paciente infantil apresentar medo e/ou ansiedade quando vai ao dentista gera um sentimento de desconforto. No entanto, a maioria (86,0%) classificou a visita de sua criança como agradável. É importante salientar que estímulos recebidos durante o tratamento dentário processam-se de maneira diferente em cada indivíduo, sendo que cada qual reage á sua maneira, conforme características de sua personalidade. Assim, alguns expressam abertamente seus sentimentos, enquanto outros, não. O que pode, em algum grau, dificultar a percepção dos responsáveis em relação ao medo e/ou ansiedade de suas crianças 14. Entre os responsáveis que consideraram a visita de sua criança ao dentista agradável, alguns comentaram que a mesma era necessária, sendo melhor do que a criança ficar com o dente doendo em casa. Em contrapartida, na maioria das entrevistas, o dentista é descrito como um profissional da saúde, que cuida dos dentes e que tem um bom relacionamento com a criança. A imagem do profissional parece estar consistentemente relacionada com a comunicação que ele desenvolve com o paciente 15. Os fatores mais importantes acerca do profissional, levantados pelos pacientes, são os comportamentais. As características do dentista ideal giram, principalmente, em torno de traços pessoais do profissional ligados à relação dentistapaciente 15,16,17. O pensamento do dentista como um promotor de saúde para a criança, importante não só na prevenção da doença mas também na cura, parece estar embutido na maioria dos relatos. Sendo comprovado por 92,18% dos responsáveis, que afirmaram nunca ter adiado ou cancelado a visita devido ao medo ou ansiedade da criança. Entretanto, quando questionado sobre o seu próprio receio com relação à experiência odontológica, um 069

12 percentual significativo dos entrevistados (23%) informou que já faltou ou adiou a consulta odontológica devido ao medo e/ou ansiedade. Pode-se sugerir que isso acontece, porque estas pessoas vivenciaram um maior número de experiências odontológicas com a doença instalada e conseqüentemente, serviços curativos invasivos e dolorosos. Tais serviços, provocam dor, favorecendo a exacerbação de medo e/ou ansiedade 18, provavelmente adquiridos no período da infância 19,20. O medo e/ou ansiedade ao tratamento odontológico deve ser considerado, pois a forma pela qual a criança elabora internamente essa experiência é decisiva na formação de suas futuras expectativas e reações. Os resultados desse estudo sugerem que o medo e/ou ansiedade pode ser um fator de risco para o não comparecimento ao dentista pela criança e como um fator inibitório para o atendimento odontológico, apesar de César, Narvai, Gattás e Figueiredo 21 terem verificado que apenas 3,2% dos indivíduos que não foram ao dentista nos últimos 12 meses, o fizeram por medo. No entanto, outros autores 7,118,22,23 associaram o absenteísmo odontológico ao medo e ansiedade apresentados pelo paciente relacionado ao atendimento odontológico. CONCLUSÕES Após a análise dos dados coletados, pode-se concluir que: - As crianças são avisadas previamente sobre a visita ao dentista pelos seus responsáveis; - 17% dos responsáveis adiariam ou cancelariam a visita ao dentista caso suas crianças apresentassem medo e/ou ansiedade no dia da consulta; - 7,8% dos responsáveis informaram que já adiaram ou faltaram à visita ao dentista de suas crianças devido ao medo e/ou ansiedade das mesmas; - Uma parcela significativa dos responsáveis (23%) informou já ter adiado ou cancelado sua própria visita ao dentista devido ao seu medo e/ou ansiedade. 070

13 SUMMARY Anxiety of parents and /or children may influence the pattern of dental attendance and the purpose of this study was to evaluate fear and anxiety related to avoidance of dental visits. The sample consisted of 558 parents/guardians of five-years-old girls or boys, attending public or private schools in Recife, Brazil. A questionnaire was applied to parents/guardians through an interview, and related to the anxiety of parents/guardians and of their children. A significant proportion of the interviewed (17%) put off or cancelled the dental consultation of their child because of the child s anxiety on the day of the appointment. The majority of those interviewed felt discomfort due to the presence of fear and/or anxiety presented by the child. Finally, 23% of adults affirmed that they had already postponed or missed their own dental visits through fear and/or anxiety. This suggests that fear and/or anxiety is an inhibitory factor for dental attendance. key words: Anxiety, dental fear, absenteism REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Rosenblatt A, Colares V. As emoções da criança pré-escolar no consultório odontológico uma abordagem psicossomática. J.B.P., 2004; 7 (36): Fourniol Filho A, Badra A. Atendimento odontológico aos pacientes especiais In FOURNIOL FILHO A.Pacientes especiais e odontologia. São Paulo:Santos, 1998; Castillo ARGL, Recondo R, Asbahr FR, Manfro GG. Transtornos de Ansiedade. Rev. Bras. Psiquiatr. 2000; 22 (suppl.2). 4. Dalgalarrondo P. A afetividade e suas alterações. In Psicopatologia e Semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed editora, 2000; Ballone GJ. Transtorno de ansiedade de separação na infância. In PsicWeb, Psiquiatria Geral,internet,disponível em <http://www.psiqweb.med.br/ infantil/aprendiza2.htlml> Nardi AE. O tratamento farmacológico da fobia social. Rev Bras. Psiqiatr. 1999; 21:4 7. Skaret E.. Dental anxiety and dental avoidance among 12 to 18 years old in Norway. Eur. J. Oral Sci. 1999; 107 (6): Olivieri JLS, Alves M.U. Controle de comportamento: a chave para o sucesso em odontopediatria. Rev. Pesq. Bras. em Odontopediatr e Clínica Integrada. 2001; 1: 3 9. Castro ME, Cruz MRS, Freitas JSA de, Barata JS. Fatores determinantes e influenciadores do comportamento da criança durante o atendimento odontológico. J:B:P. 2001; 4 (21): Chadwick BL. Assessing the anxious patient. Dent Update. 2002; 29(9): Jandrey CM, Drehmer TM. Absenteísmo no atendimento clínicoodontológico: o caso do Módulo de Serviço Comunitário do Centro de Pesquisas em Odontologia Social UFRGS. Rev.Fac.Odontol. 1999; 40: Gáspár J. Some background data about the hight dental anxiety of the Hungarian population. Fogorv Sz. 2004; 97(2):

14 13. Mejàre I, Friis-Haschèr E, Holst A. O paciente no tratamento odontológico. In: KOCH, G. et al. Odontopediatria: uma abordagem clínica. São Paulo: Santos, 1995; Folayan MO; Idehen E, Ojo OO. Dental axiety in a subpopulation of African children: parentes ability to predict and its relation to general anxiety and behavior in the dental chair. Eur. J. Pediatr Dent. 2004; 28(2): Gerbert B. Dentists and patients who love them: professional and patients view of dentistry. J Am Dent Assoc. 1994; 125(3): Lahti SHT. Opinions of different subgroups of dentists and patients about the ideal patient. Community Dent Oral Epidemiol. 1995; 23(2): Cruz JS, Cota LOM, Paixão HH, Pordeus IA. A imagem do cirurgião-dentista: um estudo de representação social. Rev Odontol Univ São Paulo. 1997; 11(4): Singh KA, Moraes ABA, Bovi Ambrosano GM. Medo, ansiedade e controle relacionados ao tratamento odontológico. Pesq. Odont. Bras. 2000; 14(2): Anderson JW. Fear in dental chair. Oral Health. 1997; 87: Manfro GG, Isolan L, Blaya C et al. Estudo retrospectivo da associação entre transtorno do pânico em adultos e transtorno de ansiedade na infância. Rev. Bras. Psiquiatr. 2002; 24: César CLG, Narvai PC, Gattás VL., Figueiredo GM. Medo de dentista e demanda aos serviços odontológicos. R.G.O. 1999; 47: Costa SM, Moraes ABA. Medo em odontologia: um estudo com escolares. Rev. bras. Odontol. 1994; 51: França CC de; A ansiedade relacionada à prática odontopediátrica. (Monografia). Recife, Pernambuco: Faculdade de Odontologia de Pernambuco p. 072

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Denise Espíndola ANTUNES; Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da COSTA; Cristiana

Leia mais

Ansiedade ao tratamento odontológico em atendimento de urgência

Ansiedade ao tratamento odontológico em atendimento de urgência Ansiedade ao tratamento odontológico em atendimento de urgência Rev. Saúde Pública vol.37 no.6 São Paulo Dec. 2003 Kazue Kanegane; Sibele Sarti Penha; Maria Aparecida Borsatti; Rodney Garcia Rocha Departamento

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CAPACIDADE INTELECTUAL, IDADE MENTAL E CRONOLÓGICA DE CRIANÇAS SUBMETIDAS A TRATAMENTO ODONTOLÓGICO

CORRELAÇÃO ENTRE CAPACIDADE INTELECTUAL, IDADE MENTAL E CRONOLÓGICA DE CRIANÇAS SUBMETIDAS A TRATAMENTO ODONTOLÓGICO CORRELAÇÃO ENTRE CAPACIDADE INTELECTUAL, IDADE MENTAL E CRONOLÓGICA DE CRIANÇAS SUBMETIDAS A TRATAMENTO ODONTOLÓGICO Gislaine Santos MASCARENHAS* Norma Tomie Matsumoto KUDO* Paula Massumi HAYASHI* Renata

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

Problemas de comportamentos internalizantes em escolares de São Gonçalo: a construção de um modelo hierarquizado

Problemas de comportamentos internalizantes em escolares de São Gonçalo: a construção de um modelo hierarquizado Problemas de comportamentos internalizantes em escolares de São Gonçalo: a construção de um modelo hierarquizado Liana Furtado Ximenes (lianafx@yahoo.com.br) Elaine Fernandes Viellas de Oliveira; Marília

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico?

Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico? PESQUISA 1º COLOCADO Título do Trabalho: Clínica Integrada: é possível promover saúde bucal numa clínica de ensino odontológico? Autor (a): Drª. Rossana Vanessa Dantas de Almeida Orientador (a): Prof.

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS Debora Fernanda Ziroldo 1 ; Talma Reis Leal Fernandes 2 ; Gersislei Antonia Salado 3 ; Angela

Leia mais

Ansiedade, medo e sinais vitais dos pacientes infantis * Anxiety, fear and vital signs of the child signs of the child patients

Ansiedade, medo e sinais vitais dos pacientes infantis * Anxiety, fear and vital signs of the child signs of the child patients Artigo original / Original Artice * Anxiety, fear and vital signs of the child signs of the child patients Maíra Pê Soares de Góes 1, Marcela Coutinho Domingues 2, Geraldo Bosco Lindoso Couto 3, Alice

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS: UMA ANÁLISE DESCRITIVA PARCIAL 1 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 121-125, 2006. 121 ISSN 1982-2111 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA NOS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL ADELMO SIMAS GENRO, SANTA MARIA, RS:

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

Preferência da criança pelo gênero do odontopediatra

Preferência da criança pelo gênero do odontopediatra 7 Preferência da criança pelo gênero do odontopediatra Children s preference for the odontopediatric gender Daniela Barbabela 1, João Paulo Tibães Mota 1, Poliana Gonçalves Magalhães Maia 1, Karina Bonanato

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 4, Número 7, Janeiro/Junho, 2008. 1 OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE Romero Bomfim dos Santos 1 ; Elida Roberta Soares de Santana²; Bruno Fernandes

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Palavras-chaves: capacitação, fala, promoção da saúde Introdução As instituições de educação infantil constituem

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO Revista Eletrônica FACIMEDIT, v2, n2, jul/dez 2015 ISSN 1982-5285 ARTIGO ORIGINAL SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO KNOWLEDGE

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro?

! Pesquisas de votos; ! Serviços de qualidade; ! Pesquisas de opinião pública; ! Em quem você vai votar em Outubro? Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Serviços de qualidade;! Pesquisas

Leia mais

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Elazi Gomes de Oliveira Chacar Lima 1 1 Cirurgiã-Dentista aluna do Curso de Pós-Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos RESUMO

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL. Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM OBESIDADE INFANTIL Centro de Saúde da Marinha Grande Ana Laura Baridó 1 A obesidade é considerada a epidemia do séc. XXI (OMS) Em Portugal tem vindo a aumentar vertiginosamente

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

IV MOSTRA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM DA UFC

IV MOSTRA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM DA UFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE FARMÁCIA, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM - FFOE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM - DENF PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET ENFERMAGEM UFC IV MOSTRA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM

Leia mais

LABORE Laboratório de Estudos Contemporâneos POLÊM!CA Revista Eletrônica A PERCEPÇÃO DA TERCEIRA IDADE SOBRE USO DE AUTOATENDIMENTO BANCÁRIO

LABORE Laboratório de Estudos Contemporâneos POLÊM!CA Revista Eletrônica A PERCEPÇÃO DA TERCEIRA IDADE SOBRE USO DE AUTOATENDIMENTO BANCÁRIO 92 A PERCEPÇÃO DA TERCEIRA IDADE SOBRE USO DE AUTOATENDIMENTO BANCÁRIO HERDY DE ALMEIDA Graduando Administração pela Unisuam ELAINE BORIN Professora Adjunta da UERJ e colaboradora do mestrado em desenvolvimento

Leia mais

Atendimento odontológico da criança: percepção materna

Atendimento odontológico da criança: percepção materna ORIGINAL ORIGINAL Atendimento odontológico da criança: percepção materna The child s dental treatment: maternal perception Marcelo Marcos de Oliveira MEIRA FILHO 1 Débora Tarciane Carvalho ARAÚJO 1 Valdenice

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

AS RELAÇÕES DO ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E SUAS IMPLICAÇÕES NO ENSINO REGULAR INCLUSIVO

AS RELAÇÕES DO ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E SUAS IMPLICAÇÕES NO ENSINO REGULAR INCLUSIVO AS RELAÇÕES DO ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E SUAS IMPLICAÇÕES NO ENSINO REGULAR INCLUSIVO Kaceline Borba de Oliveira 1 Rosane Seeger da Silva 2 Resumo: O presente trabalho tem por objetivo, através

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE MOSSORÓ-RN SOBRE AS FUNÇÕES DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES PERCEPTION OF MOSSORÓ-RN POPULATION ON THE ROLE OF ZOONOSES CENTER VILCELÂNIA ALVES COSTA 1, NILZA DUTRA ALVES

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SINTOMAS DE TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE METILFENIDATO NA

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Fonte: TRE/Rondônia noticiado na Notícias Jus Brasil Data: 2005 A pesquisa também mostra que 53,5% dos eleitores são favoráveis à realização de

Leia mais

PRIMEIRAS ENTREVISTAS EM PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE

PRIMEIRAS ENTREVISTAS EM PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE PRIMEIRAS ENTREVISTAS EM PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE Júlia Alram Moreira 1, Luciano Souza 2, Bárbara do Nascimento 3, Diego Gracia 4, Rodrigo Basso 5. RESUMO: A realização de uma boa entrevista inicial é

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Em junho deste ano, comecei um trabalho voluntário na instituição Casa Ronald McDonald, que tem como missão apoiar e humanizar o tratamento de crianças e adolescentes

Leia mais

comportamento que pode ser observado em crianças e pré-adolescentes, gerando grande estresse

comportamento que pode ser observado em crianças e pré-adolescentes, gerando grande estresse Recusa Escolar M.A.M. 1 RECUSA ESCOLAR: Por que algumas crianças não querem ficar na escola? Embora não seja formalmente caracterizada como uma síndrome, recusa escolar é um comportamento que pode ser

Leia mais

PONTO DE VISTA DOS PAIS EM RELAÇÃO A SUA PRESENÇA DURANTE O ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DE SEUS FILHOS

PONTO DE VISTA DOS PAIS EM RELAÇÃO A SUA PRESENÇA DURANTE O ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DE SEUS FILHOS PONTO DE VISTA DOS PAIS EM RELAÇÃO A SUA PRESENÇA DURANTE O ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DE SEUS FILHOS 1 Professora e pesquisadora do grupo Atenção à Saúde Individual e Coletiva, do curso de Odontologia da

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

VERSÃO TECNOLOGICA PARA RASTREAR SINTOMAS DE TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM ADOLESCENTES.

VERSÃO TECNOLOGICA PARA RASTREAR SINTOMAS DE TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM ADOLESCENTES. VERSÃO TECNOLOGICA PARA RASTREAR SINTOMAS DE TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM ADOLESCENTES. Silva, TPA¹ Lima, RCA² Vasconcelos, FMN³ Ximenes, RCC³ Veras, JLA³ ¹ Universidade Federal de Pernambuco/Núcleo

Leia mais

HIGIENE PESSOAL: A IMPORTÂNCIA DE ESTUDAR O CORPO HUMANO

HIGIENE PESSOAL: A IMPORTÂNCIA DE ESTUDAR O CORPO HUMANO HIGIENE PESSOAL: A IMPORTÂNCIA DE ESTUDAR O CORPO HUMANO Ludmylla Fernanda de Siqueira Silva 1 Náthalie da Cunha Alves 1 RESUMO - Higiene pessoal são medidas tomadas para a preservação da saúde e prevenção

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO RESUMO EXPANDIDO Título SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO Palavras Chave Eletronistagmografia; Vertigem; Tontura. Autores Mercia Castro Lima 1, Tatiane

Leia mais

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental 482 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental OS DESAFIOS DO LIXO NOS DIVERSOS AMBIENTES Viviane Susy de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

Como levantar o ciclo de serviço:

Como levantar o ciclo de serviço: CONSTRUÇÃO DE QUESTIONÁRIOS PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES CICLO DE SERVIÇO : A base do questionário é um roteiro que contém os principais incidentes críticos do ciclo de serviço.

Leia mais

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA,

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, Giana²; GÖRSKI, Bruna²; PAZ, Fabiane²; ORSOLIN, Giulianna²; ROSA, Izabel²; TONETTO, Priscila²; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas² ¹ Trabalho desenvolvido durante

Leia mais

C U R S O D I R E I T O Autorizado pela Portaria MEC nº 3.355,de 05/12/02-D.O.U de 06/12/02 Componente Curricular: Psicologia aplicada ao Direito

C U R S O D I R E I T O Autorizado pela Portaria MEC nº 3.355,de 05/12/02-D.O.U de 06/12/02 Componente Curricular: Psicologia aplicada ao Direito C U R S O D I R E I T O Autorizado pela Portaria MEC nº 3.355,de 05/12/02-D.O.U de 06/12/02 Componente Curricular: Psicologia aplicada ao Direito Código: DIR - 212 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais