Plano de Negócios Empresa: Recanto Verde Lodge Responsável: Dario Luiz Dias Paixão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Negócios Empresa: Recanto Verde Lodge www.recantoverde.com.br Responsável: Dario Luiz Dias Paixão dariopaixao@hotmail.com"

Transcrição

1 1 Plano de Negócios Empresa: Recanto Verde Lodge Responsável: Dario Luiz Dias Paixão

2 2 Sumário 1. Sumário executivo Análise externa e conceito do negócio Localização Mercado Oferta Demanda Pesquisa de demanda Concorrência Parcerias Comunidade Equipe de gestão Estratégias Estratégia de negócios Análise SWOT (DAFO) Código de conduta Visão Missão Objetivos gerais (metas) Plano de marketing Estratégias de divulgação Estratégias de comercialização Plano de operações, tecnologia e logística Equipamentos e exigências Viabilidade técnica e ecológica Diretrizes Definição da unidade de planejamento Definição da escala de planejamento Análise e diagnóstico ambiental Enquadramento na legislação ambiental Tomada de decisão: prognóstico Aspectos organizacionais Arquitetura Construção Planejamento do local Projeto de edificações Energia e infra-estrutura Tratamento de resíduos Restaurante (Alimentos e Bebidas) 34

3 Serviços Produção Cardápio Ambiente Avaliação das instalações Logística do Recanto Verde Lodge Deslocamento de hóspedes e funcionários Armazenamento dos alimentos e outros recursos Plano de recursos humanos Plano de finanças Aspectos financeiros na implantação Descrição do empreendimento Detalhamento das instalações Planilha de investimentos Estimativa de ocupação Estimativa de receita Estimativa de custo Demonstrativo do resultado operacional Referências bibliográficas 47 Anexo 1 Atividades de lazer e recreação 48 Anexo 2 Avaliação dos serviços 50 Anexo 3 Planta arquitetônica das instalações Anexo 4 Fotos do local

4 4 1. Sumário executivo Conceito do Negócio O empreendimento a ser construído é um hotel ecológico (LODGE) voltado a exploração do ecoturismo, que traz na sua essência o contato com a natureza, respeitando-a, distanciando o hóspede da vida agitada dos grandes centros urbanos. O complexo é composto de chalés e apartamentos, num padrão de construção do tipo econômico, bastante preocupado com o conforto e o bem-estar da clientela. Este plano visa aproximar os aspectos mais importantes a serem considerados quando da implantação, organização e comercialização do Recanto Verde Lodge, equipamento turístico com serviços pioneiros no Estado do Paraná. RAZÃO SOCIAL DA EMPRESA: RECANTO VERDE EMPREENDIMENTOS LTDA. NOME FANTASIA: RECANTO VERDE LODGE Equipe de Gestão A equipe de gestão será dirigida pelo bacharel em turismo, Dario Luiz Dias Paixão, que tem sólida experiência de 10 anos no ramo hoteleiro e na docência de turismo. Serão vários assessores das mais diversas áreas de atuação, contratados por estudo. Será contratado um gerente geral e um supervisor de operações. Ambos deverão possuir ampla experiência profissional, formação universitária e motivação para começar um novo e ambicioso empreendimento.

5 5 Mercado Em quase todo o mundo, o turismo é uma mina de ouro. Movimenta cerca de 3,4 trilhões de dólares ao ano, mais do que a fabricação de armas, a produção de automóveis ou a exploração de petróleo. Apesar do Brasil deter apenas 0,05% desse mercado, no ano passado quebrou-se um recorde, mais de visitantes estrangeiros estiveram no país (Embratur, 2000). Especialistas concordam que há necessidade de criar novos produtos turísticos no país, movimentando ainda mais esta atividade. Particularmente este plano visa explorar o segmento que mais cresce, o Ecoturismo (20% ao ano). Este segmento do turismo está sendo implantado em várias regiões do Brasil, com objetivos de minimizar os problemas sócio-econômicos das comunidades do campo e os impactos ambientais em áreas ambientalmente frágeis. Governo, empreendedores e residentes locais vêem nesta atividade um forte pilar de sustentação da economia desde que planejado com profissionalismo, sempre evidenciando as questões sociais, culturais, ambientais e espaciais. Este plano de negócios enquadra-se no espírito do desenvolvimento sustentável, pois integra na sua definição um forte comprometimento com a natureza e sentido de responsabilidade social e tem potencialidades para realizar os anseios de seus clientes na fruição da natureza, construir uma via da preservação e diminuir os impactos negativos sobre os recursos naturais, a comunidade local e sua cultura. Estratégia de Marketing A estratégia de marketing da Recanto Verde Empreendimentos Ltda. visa ganhar mercado rapidamente, focando primeiramente Curitiba, São Paulo, Joinville e Florianópolis e gradativamente outras cidades brasileiras. Após este estágio, convênios e acordos com operadoras turísticas do exterior visarão os visitantes de outros países.

6 6 A carteira de clientes incluirá principalmente executivos de grandes empresas e turistas de classe média alta. Estrutura e Operação Hotel ecológico ou lodge é um meio de alojamento alternativo dispendioso e normalmente mais confortável. É constituído por diversas unidades habitacionais (quartos ou apartamentos), as quais devem dispor de camas, armário/estante, banheiro, abastecimento de água e de energia e lixeiras. Em 13 de dezembro de 1977 foi aprovada a Lei Federal nº que regulamenta os tipos de Meio de Hospedagem de Turismo Ambiental e Ecológico (os Lodges). Seis anos depois, o Conselho Nacional de Turismo emitiu o presente Regulamento e a Matriz de Classificação desse tipo de meio de hospedagem. Este plano visa atender as condições deste Regulamento conforme no tocante ao seu artigo 2, conforme segue: Art. 2 Considerando-se Meios de Hospedagem Ambiental e Ecológico ( Lodges ) os empreendimentos que atendam cumulativamente às seguintes condições: I estejam localizados em áreas de selva densa ou de outras belezas naturais preservadas; II estejam totalmente integrados à paisagem local, sem qualquer interferência ao meio ambiente; III situe-se em regiões distantes de centros urbanos, com ausência ou dificuldades de acesso regular e de serviços públicos básicos; IV ofereçam a seus usuários instalações, equipamentos e serviços simplificados, próprios ou contratados, destinados ao transporte para o local, hospedagem, alimentação, e programas

7 7 voltados à integração com o meio ambiente e o seu aproveitamento turístico. Estratégia de Crescimento A empresa pretende aumentar a sua demanda em 20% ao ano, por conseqüência do marketing a ser realizado. Porém, seu crescimento construtivo ficará limitado devido aos regulamentos de proteção ambiental. Resultados Econômicos e Financeiros necessidades de investimentos Esse tipo de alojamento tem se revelado bastante requerido e rentável, o que faz com que a oferta desses empreendimentos venha aumentando substancialmente, principalmente na Região Norte. O investimento inicial está calculado em R$ ,00, para um pay back de 2 anos e 6 meses. Um retorno muito melhor que muitas aplicações do mercado. Este plano de negócio visa alcançar um financiamento de 60% do investimento inicial pelo programa FUNGETUR da Embratur e pelo BNDES, para um pagamento em 5 anos.

8 8 2. Análise Externa e Conceito do Negócio O setor do turismo tornou-se um fenômeno mundial ao longo das últimas quatro décadas e, diversos especialistas consideram-no a maior atividade econômica do mundo. Grande parte dos turistas vão para destinos tradicionais de turismo de massa, o que começou a gerar impacto na ocupação das infraestruturas e degradação ambiental acelerada das regiões de acolhimento. A necessidade de fuga ao estilo de vida urbano, a procura de locais mais saudáveis e a conscientização das pessoas relativamente aos problemas ambientais fizeram nascer o Ecoturismo e, com ele, a busca da valorização intelectual, em locais de características únicas e de elevada sensibilidade cultural e ecológica. O Ecoturismo é o segmento que mais cresce dentro do setor turístico, em uma proporção de 20% ao ano, segundo a Organização Mundial do Turismo. O Estado do Paraná bem representa este fenômeno, como pode ser constatado pela contínua criação de novos parques de conservação ambiental, surgimento de agências especializadas em turismo ecológico e rural, e até mesmo no aumento da venda de equipamentos e vestuário específico para a atividade. Surge, assim, um segmento do turismo que é uma oportunidade de gerar receitas para financiar a proteção do meio ambiente e valorizar os recursos naturais. A forma como essas receitas podem efetivamente subsidiar a preservação e a conservação e, de que maneira se pode atribuir um valor monetário aos recursos naturais é o tema central do novo ramo da economia ambiental, ou seja, o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. O desenvolvimento do turismo sustentável pode satisfazer as necessidades econômicas, sociais e estéticas, mantendo, simultaneamente, a integridade cultural e ecológica, tornando-se uma atividade benéfica para os anfitriões e para os visitantes enquanto protege e

9 9 melhora a mesma oportunidade para o futuro (Embratur, 1995). O planejamento, desenvolvimento e operação do turismo devem ser parte de estratégias de conservação ou de desenvolvimento sustentável para uma região, província (estado) ou nação. O planejamento, o desenvolvimento e a operação do turismo devem ser intersetorial e integrado, envolvendo várias organizações governamentais, empresas privadas, grupos de cidadãos e indivíduos, permitindo deste modo obter o maior número possível de benefícios. O Desenvolvimento Sustentável salva a matéria prima do turismo, que é a cultura do povo e o próprio local visitado. O Ecoturismo, como opção para o desenvolvimento sustentável de comunidades carentes, já é reconhecido a nível nacional pelo lançamento, em março de 1995, das Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo, num projeto entre o Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo e do Ministério do Meio Ambiente e da Amazônia Legal. Vários itens do documento sinalizaram apoio a planos e projetos como o que aqui se apresenta Localização A Serra é uma das mais belas paisagens do mundo, reconhecida pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade. Há quinze anos, em 05 de junho de 1986, foi oficializado o Edital de Tombamento da Serra do Mar, preservando os hectares de matas que cobrem desde a região de Guaraqueçaba, na divisa do litoral paulista, até a Serra do Araraquara, em Tijucas do Sul, já na divisa de Santa Catarina, onde localiza-se o terreno deste empreendimento (40 minutos do centro de Curitiba). Este ato do governo propiciou um maior controle da devastação provocada por grupos econômicos interessados em derrubar as últimas florestas nativas e despreocupadas com conseqüências futuras. O trecho paranaense da Serra do Mar é dos mais preservados da Mata Atlântica e é hoje nossa maior reserva de

10 10 florestas, pois constitui 80% dos 5% a que foi reduzida a cobertura florestal original do Estado. Tijucas do Sul é um município ao Sul de Curitiba, na divisa com Santa Catarina. Tem habitantes em seus 686,348 Km quadrados, em uma altitude de 852 metros. Seu clima é sub tropical úmido mesotérmico, e sua temperatura não é muito diferente da capital paranaense. Tijucas do Sul sempre esteve historicamente ligado ao extrativismo vegetal. Por outro lado, o município retém uma grande parcela da Mata Atlântica, o que garante riquezas cênicas e estéticas incomparáveis. Nos seus rios, cachoeiras, e florestas que recobrem montanhas, os habitantes tradicionais convivem com uma altíssima taxa de biodiversidade animal e vegetal. Essa beleza paisagística atrai os habitantes dos grandes centros urbanos do país, que estão dispostos a dispender recursos para ter o privilegio de conviver com o ambiente natural. Por essas razões, torna-se clara a vocação para o ecoturismo de Tijucas do Sul, que com um bom planejamento poderá catalisar um sistema de desenvolvimento sustentável centrado no refluxo econômico provindo dos grandes centros urbanos próximos ou distantes Mercado Oferta Quanto a oferta deste empreendimento, o terreno é coberto pela Mata Atlântica nativa, por onde correm inúmeros rios e cachoeiras, e as montanhas possibilitam a prática de esportes radicais e são belíssimos mirantes. Existem ainda lendas da época dos bandeirantes e jesuítas, que por ali procuravam ouro; prova disto é o Caminho de Ambrósios, a milenar trilha utilizada pelo desbravador Dom Alvarez Nunes Cabeza de Vaca, que desembarcava na ilha de São Francisco e subia com sua tripulação até a região de Tijucas do Sul.

11 11 O próprio hotel poderá ser considerado como uma atração à parte. Integrado à natureza, irá dispor de um restaurante regional, um bar com deck, circulação com paredes de vidro que permitem uma visualização do vale de Tijucas e das montanhas da Serra do Mar, além de um centro de visitantes que servirá tanto como um museu de motivos ecológicos, como também uma sala de eventos e exposições Demanda Entende-se que o público-alvo para este empreendimento seja aqueles amantes da natureza, os ecoturistas. Teoricamente, existem quatro tipos de ecoturistas: Adultos gosta de qualidade nos serviços, inteligente, educado, culto, exigente, gosta do rústico e não de precário, quer qualidade de vida e anular o stress. Estudantes têm interesses pedagógicos, como por exemplo: história (caminhos, fortes, campos de batalha, etc.), geografia (relevo, clima, etc.), ciências (energia, astronomia), ou outros interesses como sociabilização e lazer. É uma ótima opção para dias de semana. Especialistas fazem estudos, como por exemplo: observadores de pássaros, ovinistas, místicos, biólogos, ruralistas, esotéricos, cientistas de fim de semana, terceira idade, etc. Esportistas e aventureiros realizam atividades como: enduro a pé ou a cavalo, cicloturismo (mountain bike), alpinismo ou montanhismo, espeleologia, mergulho, vôo de asa delta, paragliding, trekking (pernoite), hikking (um dia), rafting, cannyoning, canoeing, cross country, turismo eqüestre (tropeirismo) e rally de motos e jipes. A grande maioria dos esportistas e/ou aventureiros que vão a Tijucas do Sul realizam mountain bike, esportes náuticos, orientação de montanha, trekking, hikking, vôo livre, turismo rural e outros.

12 Pesquisa de Demanda Foram realizadas duas pesquisas para auxiliar no planejamento deste empreendimento turístico. São elas: a) pesquisa de mercado, buscando conhecer sua potencialidade e a aceitação do produto. Realizada com 60 pessoas, na Universidade Federal do Paraná e Rua das Flores. b) Pesquisa do perfil sócio - econômico do visitante ecoturístico no Estado do Paraná (pesquisa baseada no trabalho de graduação apresentado à disciplina de Métodos e Técnicas de Pesquisa Social 1996). Realizada com 60 pessoas, no trem para o Parque Estadual do Marumbi e Grupo Escoteiro Nossa Senhora Medianeira. Com os dados obtidos desta investigação, conclui-se que existe demanda suficiente para este empreendimento (fato que é reforçado pelo aumento do Ecoturismo e inchaço das grandes cidades), o que justifica sua implantação no que se refere à procura do produto, ou seja, haverá uma taxa de ocupação suficiente Concorrência No Paraná não existe oferta de qualquer hotel com as características de um lodge. Em Tijucas do Sul há apenas um hotel de lazer que pode ser considerado um concorrente em potencial para o Recanto Verde, apesar das diferenças de concepção e público alvo. O hotel La Dolce Vita, com um imenso lago de 210 mil m2, ao norte da cidade (BR-376, km 655) é um excelente lugar para descanso e lazer.

13 Parcerias O atrativo turístico mais conhecido do município é o Natura Park Saltinho, a 14 Km oeste da cidade, é um recanto de 242 mil m2 e que por vezes recebe dois mil visitantes nos finais de semana. Uma parceria com este empreendimento será firmada, além de outros como alguns pesque e pague e haras da região. Este lodge estará integrado ao programa Hóspedes da Natureza da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH) e aos programas de Gestão Ambiental das Ong s Ecotourism Society e SOS Mata Atlântica. Tudo isso para criar uma imagem positiva do empreendimento interna e externamente. Também, parcerias com agência e operadoras turísticas, além de empresas e agências organizadoras de eventos serão firmadas Comunidade Colaborar com o aumento do fluxo turístico de Tijucas do Sul, através da implantação deste hotel ecológico, é um dos objetivos específicos deste empreendimento que, irá beneficiar a toda população local. Este empreendimento situa-se a sudeste do município, fechando um círculo de atrativos ao redor da cidade, possibilitando o aumento de divisas deixado pelos turistas no local. Serão desencadeadas ações de preservação do meio ambiente em todo o município.

14 14 3. Equipe de Gestão Principal Gestor (resumo do currículo): Dario Luiz Dias Paixão Rua Sesmarias, 213 Guabirotuba Curitiba - Paraná - Brasil - CEP Fone: (041) / Experiência Profissional em Turismo/Hotelaria: 10 anos Experiência Acadêmica (ensino superior): 04 anos Experiência Acadêmica (técnica): 07 anos Atividades Profissionais: Centro Universitário Positivo - UnicenP Coordenador do Curso de Turismo (Portaria Nº 023/99) Implantação, Planejamento, Organização e Avaliação do Curso de Turismo Curitiba Universidad de Las Palmas de Gran Canaria / Centro Universitário Positivo Coordenador do Mestrado Internacional em Turismo Implantação, Planejamento e Organização do Programa Curitiba Hotel Meliá Las Palmas Departamento de Hospedagem (Recepção e Serviço de Concièrge) e Departamento Comercial Las Palmas

15 15 Riu Palace Meloneras (Prêmio Riu de Hotel Lazer do Ano/1997) Recepção e Governança. Estágio nas áreas de cozinha, restaurante, bar, serviços técnicos, manutenção de áreas externas, Direção de Produção e Direção de Alimentos e Bebidas. Gran Canária Gran Casino Las Palmas Estagiário Direção de Cassino Las Palmas Hotel Santa Catalina Eventos e Recepção Estagiário na Direção de Alimentos e Bebidas. Las Palmas Consulting Conventions Professor do Curso de Organização de Eventos, Curso de Português e Trabalhos de Tradução e Interpretação Las Palmas SENAC/PR Professor do Curso Recepção Hoteleira com Inglês / e / Professor de Inglês Curitiba 1994 a 1995 Diversos trabalhos de tradução escrita e intérprete Consulting Conventions / AT Kerney consultoria / INEPAR / Otiam Equipamentos Serigráficos, entre outros. Professor em diversos cursos de pós-graduação (PR / SC / SP / MA)

16 16 4. Estratégias 4.1. Estratégia de negócios As instalações deste hotel servirão como janelas para o mundo natural e funcionarão como veículos para o aprendizado e a compreensão da natureza. Embora seja apenas um componente do ecoturismo, este projeto reforça e busca aumentar a satisfação do ecoturista e a compreensão do local. Será proporcionado um alojamento confortável, com baixo impacto ecológico, sendo esta a chave para o sucesso de instalações ecoturísticas. As potencialidades mais importantes a serem exploradas são: a) Ecoturismo: a integração com a natureza possibilita experiências do hóspede com o ambiente natural, o que define o ecoturismo e suas atividades como o principal atrativo do hotel no início de suas atividade. b) Eventos relacionados à natureza: o setor de eventos aparece como o mais promissor do hotel, uma vez que com um bom plano de divulgação e promoção, virtualmente garantirá uma ocupação regular. c) Restaurante regional: culinária local e natural Análise SWOT (DAFO) Pontos Fortes Pontos Fracos Localização privilegiada Sazonalidade Atividades ecoturísticas Alto custo de mão-de-obra Design moderno e ecológico Espaços limitados para construção Oportunidades Ameaças Crescente demanda de ecoturismo e Alta rotatividade dos funcionários na eventos hotelaria Aumento do interesse por produtos Inverno severo (frio e úmido) regionais (artesanato, gastronomia) Único lodge do sul do país Crescente número de concorrentes (spas, hotéis de lazer, atividades tur.)

17 Código de conduta Serão definidos padrões éticos para as instalações, como por exemplo: a construção de apartamentos que não agridam o meio ambiente, isto é, utilizarse-á materiais e técnicas de construção que resultam em baixo impacto ambiental. Os quartos terão recipientes para a coleta de materiais recicláveis, encorajando seus hóspedes à conservação. Neste caso precisa ser preservada a Mata Atlântica, que não representa sequer uma formação contínua. Abrange florestas isoladas, ao longo da costa e está reduzida a menos de 10% de sua área original. Mesmo assim, abriga ainda um grande número de espécies endêmicas, isto é, que ocorre apenas nesse tipo de floresta. De cada três espécies de bromélias ou de palmeiras conhecidas, por exemplo, duas são exclusivas da Mata Atlântica. A grande variedade de espécies de animais encontrados nessa floresta pode ser comprovada por uma pesquisa realizada na Área de Interesse Turístico do Marumbi. Foram registradas 300 espécies de aves, 70 espécies de mamíferos, 61 espécies de anfíbios, 36 espécies de repteis e 37 espécies de peixes. A onça-pintada, a anta, a suçurana, os cachorros do mato, o macaco prego, o gavião carijó e o tucano são alguns dos mais importantes moradores da Serra do Mar. A constante ameaça de destruição da Mata Atlântica coloca todas essas espécies sob risco de extinção. A criação de um hotel ecológico tem como prioridade reservar sua matériaprima, a floresta, transformando-se em uma área natural protegida, ou seja, uma unidade de conservação. Uma unidade de conservação cumpre diferentes funções, como proteger áreas naturais com fins científicos, de recreação e de educação ambiental.

18 Visão Ser um centro de excelência em qualidade de vida Missão Nossa missão é hospedar amantes da natureza, servindo-os com qualidade e conforto, contribuindo para com o município de Tijucas do Sul na preservação do meio ambiente e qualificação dos recursos humanos para a atividade turística Objetivos Gerais (Metas) Aprofundar os estudos de demanda até julho 2002; Detalhar os estudos de viabilidade técnica, ecológica e econômica até agosto 2002; Concluir projetos de concepção, design, instalações, arquitetura, engenharia, equipamentos e serviços até setembro 2002; Desenvolver estudos de rotinas operacionais - até setembro 2002; Desenvolver ações de rotinas operacionais até novembro 2002; Construção do lodge até junho 2003; Contratações e capacitação de recursos humanos até julho 2003; Cumprir plano de Marketing até agosto 2003.

19 19 5. Plano de marketing 5.1. Estratégias de divulgação a) Mala direta para associações e entidades relacionadas à preservação ambiental. b) Cartazes publicitários fixados em faculdades e empresas. c) Mala direta a operadores turísticas, agencias de viagens e de turismo ecológico/aventura. d) Criação de artigos relacionados ao hotel e ao meio ambiente (camisetas, bonés, canetas, etc.) e) Verificação de benefícios obtidos por chamadas em rádios, anúncios em jornais e emissoras de televisão Estratégias de comercialização a) Definir tarifas acordo especiais para operadoras turísticas. b) Definir tarifas acordo especiais para agencias de viagens e de turismo ecológico/aventura. c) Definir tarifas acordo promocionais para empresas e entidades interessadas em realizar eventos no hotel. d) Definir tarifas acordo promocionais para grupos com um numero mínimo de pessoas definido. e) Trabalho de promoção junto aos pontos de comercialização de pacotes promocionais do hotel incentivo de vendas.

20 20 6. Plano de operações, tecnologia e logística Esta parte enfoca o projeto, desenvolvimento e funcionamento de instalações que incorporam os princípios gerais deste planejamento sensível ao meio ambiente e ao desenvolvimento sustentado Equipamentos e exigências Alguns aspectos a serem atendidos segundo o regulamento dos meios de hospedagem de turismo da Deliberação Normativa nº 364, de 6 de agosto de 1996, segundo o Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR): 1- Itens Gerais 1.1- Posturas Legais Posturas municipais, estaduais e federais, aplicáveis, comprovadas pelos registros, inscrições e documentações exigidas, especialmente com referencia a Habite-se, Alvará de Localização e Funcionamento, e prova de regularidade perante as autoridades sanitárias e concessionárias de serviços públicos Legislação quanto à proteção contra incêndio, dispondo de equipamentos e instalações exigidos pelas autoridades competentes e prevendo rotas de fuga, iluminação de emergência, e providências em situações de pânico Exigências da legislação trabalhistas, especialmente no que se refere a vestiários, sanitários e local de refeições de funcionários e Comissões de Prevenção de Acidentes CIPA e de Acidentes de Trabalho CIPAT Exigências da EMBRATUR, constantes da legislação de turismo referentes a: a) Registro do hóspede, por intermédio de Ficha Nacional de Hospede FNRH.

21 21 b) Fornecimento mensal do Boletim de Ocupação Hoteleira BOH, preenchido. c) Fornecimento do Cartão de Hóspede com informações sobre número e espécies de UH e valor e vencimento da diária. d) Placa de classificação fixada no local determinado pela EMBRATUR (após decidida a nova classificação oficial). d.1) Regulamento Interno, com direitos e deveres do hóspede. e) Sistema de monitoramento de expectativas e impressões do hóspede, incluindo meios para pesquisar opiniões e reclamações e solucioná-las Facilidades construtivas e instalações, para portadores de deficiência, em prédio com projeto de arquitetura aprovado, pela Prefeitura Municipal. 1.2 Segurança Aspectos construtivos de segurança Meios de controle para a entrada e saída de hóspedes, visitantes e veículos Segurança no estabelecimento, por intermédio de: b) Vigilância Pessoal treinado para agir como Brigada de Incêndio Cobertura contra roubos, furtos e acidentes pessoais assegurada ao hóspedes Sistemática para lidar com situações de pânico. 1.3 Saúde e Higiene Equipamentos de Primeiros Socorros Serviços de atendimento médico de urgência Sistema adequado de tratamento de resíduos Estabelecimento permanentemente imunizado contra insetos e roedores Condições gerais de higiene do ambiente, das pessoas e serviços.

22 Conservação e manutenção Todas as áreas em condições adequadas de conservação e manutenção Todos os equipamentos e instalações em estado de manutenção adequado e dentro de prazo de vistoria Todos os revestimentos em estado de conservação e manutenção adequados Programa de conservação/manutenção. 1.5 Atendimento Serviço de reservas com eficácia nos períodos referidos nos itens 1.5.8, 1.5.9, Presteza e cortesia Serviço de despertador Sistema de treinamento e orientação do pessoal Divulgação dos compromissos e serviços oferecidos ao hóspede (vide item f) Serviços eficazes, no período de 12 horas por dia, de: a) limpeza b) manutenção c) arrumação d) mensageiro e) emergências hospitalares f) recepção Meios para monitorar a satisfação dos clientes (vide item g) Apresentação, vestimenta e identificação adequadas para os empregados. 2 Itens Específicos 2.1 Portaria/Recepção

23 Área ou local específico para o serviço de portaria/recepção local ou espaço, fechado, organizando e seguro para guarda de bagagem Local próprio para recados Sistema adequado de envio/recebimento de mensagens Serviço de guarda de bagagem Política definida de check in/check out Pessoal apto a prestar informações de interesse do hospede, bem como registrá-lo e de liquidar suas contas com presteza e eficiência Decoração/ambientação compatível com a categoria. 2.2 Acessos e circulações Áreas adequadas e específicas para acesso e circulação nas dependências do estabelecimento Decoração e ambientação compatível com a categoria. 2.3 Setor habitacional Todas as salas e quartos das UH com iluminação natural e ventilação adequada Todas as UH deverão ter banheiros privativos com ventilação direta para o exterior ou forçada através de duto Quarto de dormir com menor dimensão igual ou superior a 2,50m, e área igual ou superior a (em no mínimo 90% das UH): d) 10m Banheiro com área igual ou superior a (em no mínimo 90% das UH): d)2,30m Armário com prateleiras e cabides em 100% das UH Mesa de cabeceira simples para cada leito ou dupla entre dois leitos, ou equipamento similar, em 100% das UH Porta malas em 100% das UH.

24 Acessórios básicos em 100% das UH (sabonete, dois copos, cinzeiro, cesta de papeis do banheiro) Sistema de abastecimento e fornecimento de água quente, com vazão e temperatura adequadas, em 100% das UH, em: c) no chuveiro Indicação de voltagem das tomadas em 100% das UH Vedação para o Box em 100% das UH (no caso de vedação rígida, a porta do Box deverá abrir para fora) Freqüência de limpeza diária Freqüência de troca de roupas de cama em dias alternados Freqüência de troca de roupas de banho em dias alternados Ambientação/decoração compatível com a categoria. 2.4 Áreas Sociais Relação de áreas sociais/estar por Uh (não incluída a circulação) de: d) 0,50m Ambientação de decoração compatível com categoria. 2.5 Alimentos e Bebidas Sistema para filtragem/tratamento para abastecimento de água Telas nas áreas de serviço com aberturas para o exterior Qualidade nos serviços de alimentação e bebidas Água mineral disponível na UH Ambientação e coração compatível com a categoria. 2.9 Comunicações Equipamento telefônico nas áreas sociais Equipamento apropriado para telefonia Contrato de manutenção dos aparelhos de telefonia.

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo:

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: I - o conceito de empresa hoteleira, meio de hospedagem e as expressões usualmente

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo:

REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: REGULAMENTO GERAL DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre os Meios de Hospedagem, estabelecendo: I - o conceito de empresa hoteleira, meio de hospedagem e as expressões usualmente

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos.

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos. saída; Meios de Hospedagem Os meios de hospedagem oferecerão ao hóspede, no mínimo: I- Alojamento, para uso temporário do hóspede, em unidades habitacionais(uh) específicas a essa finalidade; II - serviços

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

LIVRO DE NEGÓCIO DO PÓLO DO CANTÃO

LIVRO DE NEGÓCIO DO PÓLO DO CANTÃO LIVRO DE NEGÓCIO DO PÓLO DO CANTÃO 294 POLO ECOTURISTICO DO CANTÃO TOCANTINS BRASIL SINTESE Relatório estratégico no qual se recomenda a implantação de um cluster de ecoturismo tendo como pólo o Parque

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Cidades e Biodiversidade

Cidades e Biodiversidade Cidades e Biodiversidade Curitiba, 26 a 28 de março Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é uma das maiores cidade do Brasil. BH Fica a 585 Km de

Leia mais

Ecoturismo. Parque Nacional Tapantí em Costa Rica.

Ecoturismo. Parque Nacional Tapantí em Costa Rica. Ecoturismo Parque Nacional Tapantí em Costa Rica. O ecoturismo, segundo a EMBRATUR, é um "segmento de atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua

Leia mais

1.2 SEGURANÇA 1 2 3 4 5 5 SL 1.2.1 Meios para controle do uso dos cofres 1.2.2 Circuito interno de TV ou equipamento de segurança

1.2 SEGURANÇA 1 2 3 4 5 5 SL 1.2.1 Meios para controle do uso dos cofres 1.2.2 Circuito interno de TV ou equipamento de segurança ANEXO IV - MATRIZ DE CLASSIFICAÇÃO 1 ITENS GERAIS 1 2 3 4 5 5 1.1 POSTURAS LEGAIS 1.1.1 Posturas municipais, estaduais e federais aplicáveis, comprovadas pelos registros, inscrições e documentações exigidos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 042, DE 11 DE MAIO DE 2011 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 297ª Reunião Ordinária, realizada em 11 de maio de 2011, e considerando

Leia mais

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CURITIBA 2011 CURSO DE TURISMO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer o

Leia mais

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br A BP VIAGENS Tradicionalmente inovadora Há 22 anos no mercado, a Batista Pereira (BP) é pioneira em turismo e conta com duas sedes em Palmas, proporcionando a você o melhor receptivo da capital tocantinense:

Leia mais

Art.1º - Os artigos 1º e 2º do Decreto Distrital nº 063 de 02 de maio de 2012, passam a vigorar com as seguintes modificações:

Art.1º - Os artigos 1º e 2º do Decreto Distrital nº 063 de 02 de maio de 2012, passam a vigorar com as seguintes modificações: DECRETO DISTRITAL Nº 069/2013 Ementa: Altera a matriz de classificação das hospedarias domiciliares aprovada pelo Decreto Distrital nº 063/2012 e dá outras providências. O Administrador Geral do Distrito

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO

REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO REDE CARIOCA DE ANFITRIÕES CARTA DE COMPROMISSO Esta Carta de Compromisso expressa o propósito de seus signatários anfitriões cariocas e os agentes profissionais que os representam de oferecer hospedagem

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E O SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM. Gerson Luís Russo Moysés, M. Sc. SENAC-SP, Av. Frei Orestes Girardi-3549,

Leia mais

La Amistad. Barra do Ouro A MDARQ ARQUITETURA CONVIDA VOCÊ PARA INVESTIR EM UM CONTEXTO TERRITORIAL PRIVILEGIADO NO PLANETA

La Amistad. Barra do Ouro A MDARQ ARQUITETURA CONVIDA VOCÊ PARA INVESTIR EM UM CONTEXTO TERRITORIAL PRIVILEGIADO NO PLANETA La Amistad Barra do Ouro A MDARQ ARQUITETURA CONVIDA VOCÊ PARA INVESTIR EM UM CONTEXTO TERRITORIAL PRIVILEGIADO NO PLANETA A 140KM DE PORTO ALEGRE RS, NO MUNICÍPIO DE MAQUINÉ, O DISTRITO DE BARRA DO OURO

Leia mais

LEI N.º 6.531 DE 10 DE JUNHO DE 2015. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI N.º 6.531 DE 10 DE JUNHO DE 2015. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 6.531 DE 10 DE JUNHO DE 2015 Regulamenta a atividade de Guia de Turismo no Município do Natal, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL O presente regulamento rege as relações jurídicas entre o prestador de serviços PIAZITO PARK HOTEL e o(s) hóspede. As condições descritas neste regulamento também

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer

Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer Condições Gerais de Hospedagem do Arraial do Conto Hotel e Lazer A hospedagem no Arraial do Conto Hotel e Lazer é regida pelas seguintes condições: 1. Preenchimento da Ficha de Identificação: É obrigatório

Leia mais

LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR

LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR LISTA DE HOTÉIS PATO BRANCO PR HOTEL PROVÍNCIA Diárias: 1 pessoa R$ 100,00 diária 2 pessoas R$ 160,00 diária Valores sem taxas e incluindo café da manhã. Duvidas, estamos a disposição para mais informações.

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

Venha desfrutar de uma experiência única O Delta Kite Trip O evento mais completo de kite surf do País vento forte, um cenário paradisíaco e muita

Venha desfrutar de uma experiência única O Delta Kite Trip O evento mais completo de kite surf do País vento forte, um cenário paradisíaco e muita Pacote 4 Dias e 3 Noites Venha desfrutar de uma experiência única O Delta Kite Trip O evento mais completo de kite surf do País vento forte, um cenário paradisíaco e muita aventura. Pacote 4 dias e 3 noites

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

VIAJE POR MINAS Que tal conhecer um Paraíso Assim!! Carrancas 03 a 05 de abril

VIAJE POR MINAS Que tal conhecer um Paraíso Assim!! Carrancas 03 a 05 de abril VIAJE POR MINAS Que tal conhecer um Paraíso Assim!! Carrancas 03 a 05 de abril Contato: Mara Cristina Costa Fone: (31) 9637-9186 e-mail:remarturismo@gmail.com Quando? 03 a 05 de abril (sexta, sábado e

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

CABEÇALHO IDENTIFICAÇÃO

CABEÇALHO IDENTIFICAÇÃO Página 1 de 7 UF CABEÇALHO REGIÃO TURÍSTICA MUNICÍPIO DISTRITO TIPO SUBTIPO 1 - NOME IDENTIFICAÇÃO 1.1 NOME FANTASIA/COMERCIAL: 1.2 NOME JURÍDICO/ RAZÃO SOCIAL: 1.3 NOME DA REDE/HOLDING: 1.4 CNPJ: 1.5

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: TURISMO E HOTELARIA Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM Art. 1º - O presente Regulamento dispõe sobre a classificação oficial dos Meios de Hospedagem. Art. 2º - Fica instituído o Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Curso de Elaboração de Projetos: apresentação de projeto. Curso de Elaboração de Projetos: trabalho em grupo. Curso de Elaboração de Projetos: Módulo Financeiro.

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

mil PET SHOP A DOMICÍLIO capital de giro de 30% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS

mil PET SHOP A DOMICÍLIO capital de giro de 30% do total do investimento inicial DESCRIÇÃO ESTRUTURA PESSOAL EQUIPAMENTOS PET SHOP A DOMICÍLIO 200 capital de giro de 30% do total Com o crescimento da classe média, os donos de animais de estimação começaram a gastar com produtos e serviços de qualidade para os animais. Essa

Leia mais

Roteiro de entrevistas

Roteiro de entrevistas Roteiro de entrevistas 1 / 10 Destino: Local: Entrevistador: Entrevistado(s): Instituição: Data: Aspectos Ambientais 1.Preparação e atendimento a emergências ambientais 1.1. Há riscos de emergências ambientais?

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO Nome da Entidade Identificação Razão Social CGC/CNPJ Inscrição Estadual Inscrição Municipal Descreva as Pricipais Atividades Desenvolvidas pela Entidade

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP)

Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA - (PIP) Manual de orientação para o PROJETO INTEGRADOR DE PESQUISA (PIP) Itu/SP 2013 SUMÁRIO 1) INTRODUÇÃO...04 A) Etapa 1: Proposta...05 B) Etapa

Leia mais

Hotel Green Hill, tudo para sua felicidade num só lugar!

Hotel Green Hill, tudo para sua felicidade num só lugar! Apresentação Você está prestes a conhecer a mais completa e inovadora proposta de hospedagem, lazer, entretenimento e eventos da região. Com estrutura diversificada e qualidade de atendimento, o Hotel

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - SEPROTUR Agencia Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

VI - SITUAÇÃO ATUAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

VI - SITUAÇÃO ATUAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO VI - SITUAÇÃO ATUAL DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1 - INFRA-ESTRUTURA A infra-estrutura do Parque Estadual do Guartelá conta com as seguintes edificações: Portal (foto VI.01): O portal pode ser avistado pela

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

APPAC Tororó Sana - RJ

APPAC Tororó Sana - RJ Sistematização e disseminação da educação ambiental, no distrito do Sana\busca pelo padrão sustentável para a bacia Córrego Peito de Pombo\otimização da proposta sustentável na APA distrital do Sana. PLANO

Leia mais

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Perspectiva artística. curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Commercial Properties HORTOLÂNDIA A LOG ComMercial Properties A LOG Commercial Properties, empresa do grupo

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE FASE II Estrada da Praia Brava: Adequação da Visitação Pública do Parque Estadual Serra do Mar Proponente: Ambiental Litoral Norte OSCIP PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO

O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO ISSN 1984-9354 O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NUM HOTEL LOCALIZADO NO SERTÃO DE PERNAMBUCO Área temática: Gestão da Produção Jiceli de Souza Silva jiceli.silva2012@hotmail.com Ana Paula da Silva Farias ana_paula2778@hotmail.com

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas Pesquisa Setorial Meios de Hospedagem Sebrae em em Goiás Goiás Conselho Deliberativo Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Presidente Diretoria Executiva

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012

Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 Hotel Colônia AOJESP PACOTES Alta Temporada 2011/2012 PACOTE ENTRADA SAÍDA DIÁRIAS DEZEMBRO 30/11/2011 QUA 05/12/2011 SEG 5 07/12/2011 QUA 12/12/2011 SEG 5 14/12/2011 QUA 19/12/2011 SEG 5 NATAL 21, 22,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (PGRSS) 1 1. Apresentação do Projeto O presente documento tem por finalidade apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde

Leia mais

Expedição Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume 4 dias 09 a 12 de Julho de 2015 Navegando pelo Rio Unini, no coração da Amazônia

Expedição Bibliotecas Comunitárias Vaga Lume 4 dias 09 a 12 de Julho de 2015 Navegando pelo Rio Unini, no coração da Amazônia Navegando pelo coração da Amazônia Com uma riqueza ambiental imensa, o Rio Negro é protegido em praticamente todo seu leito por Unidades de Conservação. Nosso destino nesta viagem será a Reserva Extrativista

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Hotel e Fazenda Rosa dos Ventos. Teresópolis, RJ - Brasil. Práticas de Sustentabilidade

Hotel e Fazenda Rosa dos Ventos. Teresópolis, RJ - Brasil. Práticas de Sustentabilidade Hotel e Fazenda Rosa dos Ventos Teresópolis, RJ - Brasil Práticas de Sustentabilidade 1º de maio de 2013 HOTEL ROSA DOS VENTOS Teresópolis, RJ Brazil Apresentação O presente documento destina-se a relacionar

Leia mais

Para circuitos turísticos de gastronomia, hospedagem, lazer.

Para circuitos turísticos de gastronomia, hospedagem, lazer. DIRETRIZES DE AGROECOTURISMO IBD Para circuitos turísticos de gastronomia, hospedagem, lazer. 2013 Estas diretrizes, bem como o Selo Agroecoturismo IBD, são propriedade do IBD Certificações que possui

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Uma empresa que em mais de 20 anos de atuação, soube conquistar a credibilidade do mercado e a fidelidade de seus clientes.

Uma empresa que em mais de 20 anos de atuação, soube conquistar a credibilidade do mercado e a fidelidade de seus clientes. 1. Apresentação da Empresa A GIORDANI TURISMO é uma empresa especializada em consultoria de viagens que oferece assessoria completa a seus clientes realizando o gerenciamento de sua viagem para destinos

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Ministério do Turismo CADASTUR Sistema de Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos

Ministério do Turismo CADASTUR Sistema de Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos FORMULÁRIO DE CADASTRO PRESTADOR DE SERVIÇO TURÍSTICO PESSOA JURÍDICA ACAMPAMENTO TURÍSTICO Institucional Data Início Operação * Nome Fantasia * Inscrição Municipal * Representante Legal * Cargo Representante

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP

ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP NUCLEO PICINGUABA Ecologia & Comunidades tradicionais ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP 04 DIAS (17 A 20 setembro 2014) proposta preliminar Apresentação - O PARQUE ESTADUAL SERRA DO MAR O Parque Estadual

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM SANTA MARIA

SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM SANTA MARIA SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM SANTA MARIA ITAIMBÉ PALACE HOTEL O Hotel escolhido para a realização do 58º CONAD está localizado na região central de Santa Maria e próximo a Sede da SEDUFSM. Também está a

Leia mais

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Cassius Marcellus Zomignani Departamento Sindical - DESIN NORMA REGULAMENTADORA 24 A Norma Regulamentadora 24 do Ministério do Trabalho e

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Rio Negro - Amazo nia- AM. Grand Amazon

Rio Negro - Amazo nia- AM. Grand Amazon Rio Negro - Amazo nia- AM Grand Amazon Grand Amazon Rio Negro - Amazônia AM O Grand Amazon é um navio hotel de luxo que o conduzirá a um emocionante cruzeiro pelo Amazonas com todo o conforto e excelência

Leia mais