LINHA DE CUIDADO MÚSCULO ESQUELÉTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINHA DE CUIDADO MÚSCULO ESQUELÉTICA"

Transcrição

1 LINHA DE CUIDADO MÚSCULO ESQUELÉTICA Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia em Reumatologia Tipo de atividade: Disciplina de graduação Responsáveis: Profa Jane D arc Brito Lessa Profa Paula Regina Mendes da Silva Serrão Equipe envolvida: Há 5 a 6 alunos de graduação envolvidos por trimestre. Período em que é desenvolvida: Janeiro a dezembro. Segundas e quintas-feiras das horas. Público Alvo: Portadores de disfunções musculoesqueléticas, decorrentes de qualquer doença reumatológica, de

2 caráter agudo ou crônico, sendo considerada aguda a presença do problema clínico e/ou sintomas com duração inferior a 3 meses e crônica a persistência do problema clínico e/ou sintomas por três meses, ou mais. CIDs: M06 Outras artrites reumatóides M07* Artropatias psoriásicas e enteropáticas M08 Artrite juvenil M09* Artrite juvenil em doenças classificadas em outra parte M10 Gota M11 Outras artropatias por deposição de cristais M13 Outras artrites M32 Lúpus eritematoso disseminado [sistêmico] M33 Dermatopoliomiosite M34 Esclerose sistêmica M35.3 Polimialgia reumática Exclui: polimialgia reumática com arterite de células gigantes (M31.5) M36* Doenças sistêmicas do tecido conjuntivo em doenças classificadas em outra parte M45 Espondilite ancilosante M46.1 Sacroileíte não classificada em outra parte M65 Sinovite e tenossinovite M70 Transtornos dos tecidos moles relacionados com o uso, uso excessivo e pressão M75.1 Síndrome do manguito rotador

3 Laceração ou ruptura do manguito rotator ou supra-espinhosa (completa) (incompleta) não especificada como traumática Síndrome supra-espinhosa M75.7 M76 Entesopatias dos membros inferiores, excluindo pé M79 Outros transtornos dos tecidos moles, não classificados em outra parte (bursites, tendinites) M81 Osteoporose sem fratura patológica M91.9 Osteocondrose juvenil não especificada do quadril e da pelve M92 Outras osteocondroses juvenis Critérios de Inscrição: Todos os usuários que correspondam as características do público alvo serão triados. Entrada: Poderão ser inscritos quaisquer casos de Lúpus, Artrite Reumatóide, Espondilite Anquilosante e Polimiosite (Dermatopolimiosite). Prioridade 1 1. Paciente com quadros agudos que nunca fizeram fisioterapia ou que não fazem fisioterapia há mais de seis meses, acompanhados anteriormente ou não pela Fisioterapia em Reumatologia; 2. Pacientes com quadros agudos decorrentes de quaisquer das doenças reumatológicas acima citadas, sempre que o usuário já tenha feito triagem nas áreas de Fisioterapia anteriormente mencionadas. Esses casos devem ser encaminhados por uma dessas áreas na forma de interconsulta;

4 3. Pacientes com doenças reumatológicas recém-diagnosticadas, sobretudo nos casos de acometimento juvenil, tais como os casos de espondilite anquilosante juvenil e polimiosite. 4. Pacientes com doença reumatológica articular, associada a acometimento sistêmico, aguda ou crônica. 5. Pacientes que possam ser atendidos em grupo. Prioridade 2 1. Pacientes com quadros musculoesqueléticos crônicos, decorrentes de doença reumatológica, sem agudização da dor; 2. Pacientes com quadros musculoesqueléticos crônicos, decorrentes de doença reumatológica, mesmo que agudizados, mas que já fizeram fisioterapia há menos de seis meses. Observações importantes: A cada três pacientes classificados como de prioridade "1" e autorizados a receber atendimento, um paciente classificado como de prioridade "2" será chamado. Encaminhamentos internos da USE (interconsultas) terão prioridade aos casos externos, mas dentro dos critérios de prioridade acima descritos. Pacientes que possam ser atendidos em grupo terão Prioridade 1 desde que não se exceda o limite do grupo (10 a 15 participantes). Nesse caso terão Prioridade 1 apenas aqueles que satisfizerem os três primeiros quesitos. Caso contrário, passarão a ter Prioridade 2. Não serão inscritos: 1. Casos de disfunções musculoesqueléticas agudas e ou crônicas não decorrentes de

5 doenças reumatológicas, por exemplo aqueles decorrentes de fraturas; 2. Afecções do sistema nervoso central (SNC) ou do sistema nervoso periférico (SNP) 3. Casos de artroses, coxartrose, gonartrose, poliartorse e outras artorses. CIDs: M15 Poliartrose M16 Coxartrose [artrose do quadril] M17 Gonartrose [artrose do joelho] M18 Artrose da primeira articulação carpometacarpiana M19 Outras artroses 4. Afecções de ombro como Síndrome do impacto. Permanência: Percepção de evolução/ganhos adquiridos com o plano terapêutico realizado na USE, avaliados no decorrer do atendimento, com maior enfoque a cada 3 meses; Comprometimento do usuário com o processo terapêutico (avaliado pelos supervisores/estagiário responsável). Saída: Por objetivos terapêuticos alcançados; Abandono; A pedido do usuário ou familiar; Óbito; Não evolução do quadro após 6-9 meses; Ausência de corresponsabilidade: não comprometimento do usuário com o tratamento e com seu autocuidado (definido pelos supervisores pela sua observação e pelos relatos do estagiário responsável, sendo a decisão comunicada ao paciente pelos supervisores); Apresentar atitudes durante o atendimento que coloquem em risco sua própria saúde e segurança

6 e dos demais usuários e profissionais; Desistência formalizada da ação; Universidade Federal de São Carlos Após 3 faltas alternadas justificadas (à exceção de doenças associadas e óbito familiar) ou não, no período de um mês, ou 3 faltas consecutivas não justificadas (critério histórico de alta por abandono), que pode ser retirado, se necessário. Pergunta/Informação de rastreio para inscrição no acolhimento: 1. Tem dor há mais de três meses? 2. O problema clínico reumatológico está presente/persiste por mais de três meses? 3. O usuário tem histórico pessoal ou familiar de reumatismo? 4. O usuário tem lúpus, polimiosite, esclerodermia/esclerose sistêmica, artrite reumatoide, espondilite anquilosante ou osteoartrite? Data Primeira versão Março/2013 Data da última revisão Março/2016 Revisado por Gilve Bannitz

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS

LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS LINHA DE CUIDADO EM CARDIOLOGIA PNEUMOLOGIA E DOENÇAS METABÓLICAS Nome da atividade: Estágio Supervisionado em Fisioterapia Cardiovascular Tipo de atividade: Disciplina de Graduação Responsáveis: Profª

Leia mais

Procedimento x CID Principal

Procedimento x CID Principal Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento x CID Principal 03.01.07.010-5 ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho.

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho. O termo reumatismo, embora consagrado, não é um termo adequado para denominar um grande número de diferentes doenças que tem em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem,

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia Código: Fisio 221 Pré-Requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

Referenciação à Consulta de Reumatologia

Referenciação à Consulta de Reumatologia Referenciação à Consulta de Reumatologia O Serviço de Reumatologia do HSM é responsável pela assistência em ambulatório de doentes com patologia da sua especialidade. Contudo dada a enorme prevalência

Leia mais

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros Semiologia do aparelho osteoarticular Professor Ivan da Costa Barros IMPORTÂNCIA CLÍNICA 10% das consultas médicas Mais de 100 doenças Complicações não articulares Geralmente auto limitado 1 em 5 americanos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DO APARELHO LOCOMOTOR DISCIPLINA OPTATIVA REUMATOLOGIA PROGRAMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DO APARELHO LOCOMOTOR DISCIPLINA OPTATIVA REUMATOLOGIA PROGRAMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DO APARELHO LOCOMOTOR DISCIPLINA OPTATIVA REUMATOLOGIA PROGRAMA 1º e 2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA: 60 (SESSENTA) HORAS CRÉDITO: 04 (QUATRO)

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

PROGRAMA DE CURSO. GERAL: Compreender o mecanismo das doenças reumáticas, desenvolver a avaliação ESPECÍFICOS: Introdução à Reumatologia

PROGRAMA DE CURSO. GERAL: Compreender o mecanismo das doenças reumáticas, desenvolver a avaliação ESPECÍFICOS: Introdução à Reumatologia Curso: Fisioterapia Professor: Hosana Meireles Disciplina: Reumatologia Carga Horária: 72h. Ano: 2009 Semestre: 6º PROGRAMA DE CURSO EMENTA: Semiologia, propedêutica, terapêutica fisioterápica das doenças

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS

DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS EpiReumaPt Estudo Epidemiológico das Doenças Reumáticas em Portugal DESCRIÇÃO DETALHADA DAS VARIÁVEIS DADOS GERAIS 1ª fase questionário CESOP (auto-reporte) Sócio-demográficos Data de nascimento / Idade

Leia mais

Complementação de Reumatologia

Complementação de Reumatologia - GESEP I-Poliartrites com Repercussões Sistêmicas Complementação de Reumatologia A. R. S. de Sjögren E. S. P. (Esclerodermia) L. E. S. D. M. T. C. (Doença Mista do Tec. Conjuntivo) Vasculites Polidérmatomiosite

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Semiologia Geral ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Generalidades sobre diagnóstico e avaliação AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA EM II - Avaliação da coluna (postura) -

Leia mais

Prefeitura da Estãncia de Atibaia

Prefeitura da Estãncia de Atibaia Prefeitura da Estãncia de Atibaia 4 ANEXO I A5 a A9 Tuberculose Somente quando em tratamento 6 meses A30 Hanseníase Somente durante tratamento B24 Doença pelo Virus da Imunodeficiência Humana (HIV) Somente

Leia mais

Centro de Infusão do H9J. Nilton Salles Rosa Neto

Centro de Infusão do H9J. Nilton Salles Rosa Neto Centro de Infusão do H9J Nilton Salles Rosa Neto Introdução O tratamento de doenças reumáticas sofreu mudança notável nos últimos 15 anos: maior compreensão de mecanismos e causas; permitiu tratar a causa

Leia mais

LOMBALGIA AGUDA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA? TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA? RAIOS-X? OUTROS? NENHUM?

LOMBALGIA AGUDA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA? TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA? RAIOS-X? OUTROS? NENHUM? LOMBALGIA AGUDA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA? TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA? RAIOS-X? OUTROS? NENHUM? QUESTÕES CLÍNICAS Para quais pacientes com lombalgia aguda está indicada a avaliação com uso de exame por imagem?

Leia mais

07/12/2015. Letícia Coutinho Lopes 1. Ossos e Articulações

07/12/2015. Letícia Coutinho Lopes 1. Ossos e Articulações Ossos e Articulações Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da Aula A. Ossos B. Articulações 2 A. Ossos Modelagem, Remodelagem Óssea Microscopia da Modelagem Óssea Anormalidades de Desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina É uma região anatômica que estabelece a contigüidade entre ossos ou cartilagens, permitindo que o movimento seja direcionado neste sentido. Cápsula sinovial

Leia mais

Sistema de classificação de doentes em MFRA FAQs

Sistema de classificação de doentes em MFRA FAQs Sistema de classificação de doentes em MFRA FAQs 1. Qual é a regra básica de classificação para enviar um doente para MFR-A?... 2 2. O doente pode ser enviado por mais do que um motivo?... 2 3. Como diferenciar

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

Defeitos osteoarticulares

Defeitos osteoarticulares Osteoartrite Descrição Osteoartrite ou doença articular degenerativa ( artrose ) caracteriza-se pela perda progressiva da cartilagem articular e alterações reacionais no osso subcondral e margens articulares,

Leia mais

Exame Físico Ortopédico

Exame Físico Ortopédico TAKE HOME MESSAGES! Exame Físico Ortopédico ANAMNESE REALIZAR UMA HISTÓRIA CLÍNICA DETALHADA, LEMBRANDO QUE DETALHES DA IDENTIFICAÇÃO COMO SEXO, IDADE E PROFISSÃO SÃO FUNDAMENTAIS, POIS MUITAS DOENÇAS

Leia mais

A. Ossos B. Articulações. 2 Letícia C. L. Moura

A. Ossos B. Articulações. 2 Letícia C. L. Moura Ossos e Articulações Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da aula A. Ossos B. Articulações 2 B. Articulações Artrites 3 Osteoartrite Doença articular degenerativa mais comum Degeneração cartilagem

Leia mais

Anexo I. Tabela de Códigos da CID - 10 Código Diagnósticos Observações/Ressalvas Limitações Funcionais Acompanhante. Tempo

Anexo I. Tabela de Códigos da CID - 10 Código Diagnósticos Observações/Ressalvas Limitações Funcionais Acompanhante. Tempo Anexo I Tabela de Códigos da CID - 10 Código Diagnósticos Observações/Ressalvas Limitações Funcionais Acompanhante Tempo Doenças orgânicas, não exatamente caracterizadas como deficiências B20.0 Doença

Leia mais

LER/DORT ATENÇÃO: NÃO É UMA DOENÇA NÃO ESTÃO INCLUÍDOS NO CID 10 GRANDE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA

LER/DORT ATENÇÃO: NÃO É UMA DOENÇA NÃO ESTÃO INCLUÍDOS NO CID 10 GRANDE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA LER/DORT Lesões por esforços repetitivos Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho podem envolver músculo, fáscia, tendão, sinóvia, articulação, nervos ATENÇÃO: NÃO É UMA DOENÇA NÃO ESTÃO INCLUÍDOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO Ano: 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

Pergunte ao especialista. Dra. Eliane Focaccia Póvoa Mestre em Reumatologia pela UNIFESP Chefe SGBENIN GEXSP SUL

Pergunte ao especialista. Dra. Eliane Focaccia Póvoa Mestre em Reumatologia pela UNIFESP Chefe SGBENIN GEXSP SUL Pergunte ao especialista Dra. Eliane Focaccia Póvoa Mestre em Reumatologia pela UNIFESP Chefe SGBENIN GEXSP SUL Doenças Reumatológicas DOENÇAS DIFUSAS DO TECIDO CONJUNTIVO: Lupus Eritematoso Sistêmico

Leia mais

Patologias osteomusculares e neurológicas relacionadas ao trabalho LER/DORT

Patologias osteomusculares e neurológicas relacionadas ao trabalho LER/DORT Patologias osteomusculares e neurológicas relacionadas ao trabalho LER/DORT LER/DORT LER - Lesões por esforços repetitivos DORT - Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho ATENÇÃO: NÃO É UMA

Leia mais

Semiologia Reumatológica em Crianças

Semiologia Reumatológica em Crianças Semiologia Reumatológica em Crianças PGALS - Exame de triagem básica para problemas musculoesqueléticos em crianças na idade escolar, modificado Traduzido e adaptado de "pgals A SCREENING EXAMINATION OF

Leia mais

Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR ARTROPLASTIA NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO. partes? rachadura da

Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR ARTROPLASTIA NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO. partes? rachadura da Artroplastia de Ombro TRATAMENTO POR NAS FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL INDICAÇÃO em 4 partes? tipo rachadura da cabeça umeral (split head) impactada cabeça atingindo 40% do colo anatômico FRATURAS DO ÚMERO

Leia mais

(07001456) CONSULTA EM CIRURGIA ORTOPEDICA

(07001456) CONSULTA EM CIRURGIA ORTOPEDICA COMUNICADO CIRCULAR Nº 003/11-CR Manaus, 24 de março de 2011. DA: COORDENAÇÃO ESTADUAL DE REGULAÇÃO PARA: DIRETORES ESTABELECIMENTOS SOLICITANTES Prezados Diretores, Considerando a otimização dos serviços

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM REUMATOLOGIA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM REUMATOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM REUMATOLOGIA BELO HORIZONTE, 18 DE ABRIL DE 2012. 1 REGISTRO DO PROJETO PROPONENTE: INSTITUTO DE PESQUISA E ENSINO MÉDICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br M00-M99 CAPÍTULO XIII : Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo M00-M25 Artropatias M30-M36 Doenças sistêmicas do tecido conjuntivo M40-M54 Dorsopatias M60-M79 Transtornos dos tecidos moles

Leia mais

EXIN FISIOTERAPIA

EXIN FISIOTERAPIA EXIN FISIOTERAPIA 2016.2 SÉRIE 4MA e 4MB Assuntos Avaliação do Tônus e Força Muscular. Avaliação da Marcha. Noções de Avaliação em Fisioterapia Neurológica. ADF 3 Avaliação da Coordenação e Equilíbrio.

Leia mais

Como Fazer um CV? Patrícia Nero Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Hospital de Egas Moniz EPE

Como Fazer um CV? Patrícia Nero Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Hospital de Egas Moniz EPE Como Fazer um CV? Patrícia Nero Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Hospital de Egas Moniz EPE 10 de Abril de 2015 Curriculum vitae: Documento de tipo histórico que relata a trajetória e a experiência

Leia mais

REUMATOLOGIA PRÁTICA JOSÉ ANTÓNIO PEREIRA DA SILVA. MD. PhD. Professor de Reumatologia e Medicina Interna Faculdade de Medicina de Coimbra Portugal

REUMATOLOGIA PRÁTICA JOSÉ ANTÓNIO PEREIRA DA SILVA. MD. PhD. Professor de Reumatologia e Medicina Interna Faculdade de Medicina de Coimbra Portugal cap_entrada.qxd 9/18/05 1:59 AM Page 1 REUMATOLOGIA PRÁTICA JOSÉ ANTÓNIO PEREIRA DA SILVA MD. PhD. Professor de Reumatologia e Medicina Interna Faculdade de Medicina de Coimbra Portugal cap_entrada.qxd

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 987/2011 A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO D E C R E T A :

PROJETO DE LEI Nº 987/2011 A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO D E C R E T A : Autor(es): VEREADOR PAULO PINHEIRO PROJETO DE LEI Nº 987/2011 EMENTA: ALTERA A LEI N.º 5.146, DE 7 DE JANEIRO DE 2010, PARA INCLUIR A QUINZENA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO ÀS DOENÇAS REUMÁTICAS NO CALENDÁRIO

Leia mais

ALUNAS: MARIA VITÓRIA SILVA GOMES JULIANA FERREIRA WHIRILENE CASSIANO GINOELY SHIRLEY G. GÁRCIA

ALUNAS: MARIA VITÓRIA SILVA GOMES JULIANA FERREIRA WHIRILENE CASSIANO GINOELY SHIRLEY G. GÁRCIA ALUNAS: MARIA VITÓRIA SILVA GOMES JULIANA FERREIRA WHIRILENE CASSIANO GINOELY SHIRLEY G. GÁRCIA O sistema musculoesquelético é composto pelos ossos, músculos e articulações. Tecido ósseo Os ossos compõem

Leia mais

Sessão Televoter Reumatologia

Sessão Televoter Reumatologia 2015 2 de maio Sábado Sessão Televoter Reumatologia Avaliação e investigação do doente com dor osteo-articular Manuela Costa Jaime Branco ARTRITE ARTRALGIA 1. Ritmo mecânico ou inflamatório 2. Agudo (dias)

Leia mais

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores,

Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, Artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica de origem auto-imune que acomete principalmente articulações sinoviais, causando dores, deformidades progressivas e incapacidade funcional. SINTOMAS

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes

Leia mais

MANUAL DE ORTOPEDIA Versão Revisada

MANUAL DE ORTOPEDIA Versão Revisada PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE SAÚDE CÂMARA TÉCNICA DE ESPECIALIDADES MANUAL DE ORTOPEDIA Versão Revisada ORIENTAÇÕES PARA O AGENDAMENTO DE ROTINA SUGESTÃO PARA AVALIAÇÃO DE RISCO RELAÇÃO

Leia mais

- REDE DE REABILITAÇÃO - PROTOCOLOS PARA ENCAMINHAMENTO E ORIENTAÇÕES GERAIS

- REDE DE REABILITAÇÃO - PROTOCOLOS PARA ENCAMINHAMENTO E ORIENTAÇÕES GERAIS - REDE DE REABILITAÇÃO - PROTOCOLOS PARA ENCAMINHAMENTO E ORIENTAÇÕES GERAIS REABILITAÇÃO NEUROLÓGICA REABILITAÇÃO NEUROLÓGICA PEDIÁTRICA PACIENTE COM DEFICIÊNCIA FÍSICA - COM ALTERAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA,

Leia mais

LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO

LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO geral@btlportugal.pt www.btlportugal.pt Todos os direitos reservados. Apesar de todo o cuidado em fornecer informação precisa e

Leia mais

CALO EXTERNO CALO INTERNO

CALO EXTERNO CALO INTERNO PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FRATURA ÓSSEA E DESLOCAMENTO ARTICULAR Prof. Dr. Carlos Cezar I. S.Ovalle FRATURA DESLOCAMENTO ARTICULAR A) FRATURA: Perda (ou quebra) da solução de continuidade de um OSSO ou cartilagem.

Leia mais

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia Dor no Ombro Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O que a maioria das pessoas chama de ombro é na verdade um conjunto de articulações que, combinadas aos tendões e músculos

Leia mais

3/11/2010 LESÕES DO ESPORTE LESÕES DOS TECIDOS MUSCULOESQUELÉTICOS

3/11/2010 LESÕES DO ESPORTE LESÕES DOS TECIDOS MUSCULOESQUELÉTICOS LESÕES DO ESPORTE CLASSIFICAÇÃO GERAL AGUDA Lesão inicial, ocorre subtamente; Ex: fraturas, cortes, contusões. CRÔNICA Lesão que se desenvolve em um longo período ou perdura por muito tempo; Ex: cotovelo

Leia mais

Ventosaterapia em São José (SC) - Terapia com Ventosas em São José (SC)

Ventosaterapia em São José (SC) - Terapia com Ventosas em São José (SC) Ventosaterapia em São José (SC) - Terapia com Ventosas em São José (SC) Técnica com ventosas alivia dor e é adotada por atletas olímpicos - Tratamento da medicina chinesa, ventosaterapia também pode ser

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 52-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015. Aprova o Curso de Especialização em Recursos Terapêuticos Manuais: Ênfase em Terapia Manual, modalidade modular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO.

Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO. Carlos Vaz OBJECTIVOS CLÍNICOS A ATINGIR EM CADA ANO DO INTERNATO. Publicado em Diário da República, 1ª série Nº153 8 de agosto de 2012: Portaria n.º 237/2012 A formação específica no internato médico

Leia mais

Letícia Coutinho Lopes 1

Letícia Coutinho Lopes 1 Ossos e Articulações Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da aula A. Ossos B. Articulações 2 A. Ossos Modelagem, Remodelagem Óssea Crescimento e Desenvolvimento Ósseos Anormalidades de Desenvolvimento

Leia mais

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

ARTRITE PSORIÁTICA ARTRITE PSORIÁTICA (PSA) e atividade física 8/11/2010. Psoríase Artrite Espondilite Tudo isto x Atividade Física

ARTRITE PSORIÁTICA ARTRITE PSORIÁTICA (PSA) e atividade física 8/11/2010. Psoríase Artrite Espondilite Tudo isto x Atividade Física ARTRITE PSORIÁTICA e atividade física O QUE VEREMOS? APÓS... Conceitos Epidemiologia Critérios de diagnósticos Quadros clínicos Psoríase Artrite Espondilite Tudo isto x Atividade Física ARTRITE PSORIÁTICA

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM /

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / ECOGRAFIA MúSCULO-ESQUELéTICA (JAN 2015) - LISBOA A Ecografia é uma técnica extremamente útil no diagnóstico e avaliação músculo-esquelética, permitindo acompanhar de forma objetiva a evolução da lesão,

Leia mais

Síndromes de dor nos membros

Síndromes de dor nos membros www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Síndromes de dor nos membros Versão de 2016 10. Osteocondrose (sinônimos: osteonecrose, necrose avascular) 10.1 O que é? A palavra "osteocondrite" significa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Espondilite anquilosante. Espondiloartropatia soronegativa. Resposta Imunológica. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: Espondilite anquilosante. Espondiloartropatia soronegativa. Resposta Imunológica. Introdução 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Onde vê a inserção (referencia aos documentos) forneça as seguintes informações para cada documento:

Onde vê a inserção (referencia aos documentos) forneça as seguintes informações para cada documento: Questionário traduzido Por uma questão de simplicidade, usamos o termo promoção da saúde para abranger a promoção da saúde, a educação para a saúde e os aspectos relacionados com as práticas públicas de

Leia mais

O Papel da Comissão de Farmácia e Terapêutica na Gestão do Medicamento

O Papel da Comissão de Farmácia e Terapêutica na Gestão do Medicamento O Papel da Comissão de Farmácia e Terapêutica na Gestão do Medicamento P i Paula Valente Infarmed 26 Outubro 2006 Comissão de Farmácia e Terapêutica Avaliação técnico-científica dos pedidos de utilização

Leia mais

A brincadeira continua.

A brincadeira continua. A brincadeira continua. Produtos especialmente concebidos para crianças. medi. I feel better. medi ortopedia A solução de qualidade para os seus requisitos em termos de suportes e ortóteses especialmente

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Espondilite anquilosante: revisão da literatura

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Espondilite anquilosante: revisão da literatura SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Espondilite anquilosante: revisão da literatura Ariellen domiciano ariellendomiciano@hotmail.com Carolina da conceição rosa Discente

Leia mais

Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial

Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA Proposta de Criação do Curso Pós-Graduado em Disfunção da ATM e Dor Orofacial

Leia mais

CERVICALGIA AGUDA LIMITANTE EM PACIENTE IDOSA LIMITATING ACUTE NECK PAIN IN OLD-AGED WOMAN

CERVICALGIA AGUDA LIMITANTE EM PACIENTE IDOSA LIMITATING ACUTE NECK PAIN IN OLD-AGED WOMAN QUIZ CERVICALGIA AGUDA LIMITANTE EM PACIENTE IDOSA LIMITATING ACUTE NECK PAIN IN OLD-AGED WOMAN Sayuri K. Hayashi¹, Roberto D ávila Martins¹, Vanessa S. Canossa¹, João Pedro P. Da Cunha¹, Eduardo Paiva¹.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR. 2. Linfócitos T reguladores nas doenças reumáticas e novos alvos terapêuticos

PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR. 2. Linfócitos T reguladores nas doenças reumáticas e novos alvos terapêuticos I. CONFERÊNCIAS 1. Vitamina D, auto-imunidade e LES 2. Linfócitos T reguladores nas doenças reumáticas e novos alvos terapêuticos 3. Auto-imunidade nas imunodeficiências 4. Glucocorticoids in rheumatology:

Leia mais

Bursite Tem Cura? Causas, Tratamentos e Dicas Seg, 17 de Julho de :49 - Última atualização Seg, 17 de Julho de :53

Bursite Tem Cura? Causas, Tratamentos e Dicas Seg, 17 de Julho de :49 - Última atualização Seg, 17 de Julho de :53 Ao longo dos últimos anos, houve um aumento expressivo dos casos de pessoas que sofrem com problemas relacionados às dores articulares. As lesões causadas por esforços repetitivos fazem parte dos problemas

Leia mais

O PERFIL DO SETOR DE NEUROLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - CAMPO GRANDE-MS

O PERFIL DO SETOR DE NEUROLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - CAMPO GRANDE-MS 23 O PERFIL DO SETOR DE NEUROLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - CAMPO GRANDE-MS Aline Schio* Karla de Toledo Candido** Lúcio Benedicto Kroll*** RESUMO Este artigo descreve a característica dos

Leia mais

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ²

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ² Avaliação epidemiológica de pacientes portadores de doenças reumáticas atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da Eseffego-UEG no período de 2006 a 2008 Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva

Leia mais

LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO (L.E.R.) Causas, prevenção e tratamento

LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO (L.E.R.) Causas, prevenção e tratamento LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO (L.E.R.) Causas, prevenção e tratamento CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA Hoje em dia, vivemos mais tempo conectado ao mundo virtual do que ao mundo real. As novas tecnologias digitais,

Leia mais

Guia para aquisição da isenção de impostos na compra de veículo para pessoa com deficiência (PCD)

Guia para aquisição da isenção de impostos na compra de veículo para pessoa com deficiência (PCD) Guia para aquisição da isenção de impostos na compra de veículo para pessoa com deficiência (PCD) Guia para aquisição da isenção de impostos na compra de veículo para pessoa com deficiência (PCD) 01 Guia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA Orto-Hemo HC-UFPR LUCIANO DA ROCHA LOURES PACHECO HC-UFPR Luciano Rocha Loures Pacheco COMPLICAÇÕES MUSCULOESQUELÉTICAS E ALTERNATIVAS TERAPÊUTICAS

Leia mais

CATEGORIA DISPOSITIVO / Faixa Etária L CID MONOBLOCO O C. Idade mínima: 16 a O. Idade máxima: 50 a M O Ç Ã O ACIMA 90 KG

CATEGORIA DISPOSITIVO / Faixa Etária L CID MONOBLOCO O C. Idade mínima: 16 a O. Idade máxima: 50 a M O Ç Ã O ACIMA 90 KG CATEGRIA DISPSITIV / Faixa Etária L MNBLC C Idade mínima: 16 a Idade máxima: 50 a M Ç Ã ACIMA 90 KG Idade mínima: 20 a CID B91- Seqüelas de poliomielite. C412- Neoplasia maligna da coluna vertebral. C72-

Leia mais

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa

SAÚDE DO TRABALHADOR - LER. Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa SAÚDE DO TRABALHADOR - LER Nome: Silvia Kelly Leão Silva de Freitas Gilvan Carvalho Barbosa Este trabalho tem por objetivo trazer mais conhecimento sobre uma patologia que aflige muitas pessoas atualmente

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Centro de Ciências da Saúde CCS. Serviço de Psicologia Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências da Saúde CCS Serviço de Psicologia Instrução Normativa n 01/2016 Estabelece as diretrizes para desenvolvimento de atividades e atendimento

Leia mais

Vasculite sistémica primária juvenil rara

Vasculite sistémica primária juvenil rara www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Vasculite sistémica primária juvenil rara Versão de 2016 2. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO 2.1 Quais são os tipos de vasculite? Como é a vasculite classificada?

Leia mais

Parecer n. 05-3/2015. Processo de consulta: Ofício nº 60/2015/GAPRE COFFITO Assunto: Reeducação Postural Global - RPG

Parecer n. 05-3/2015. Processo de consulta: Ofício nº 60/2015/GAPRE COFFITO Assunto: Reeducação Postural Global - RPG Parecer n. 05-3/2015. Processo de consulta: Ofício nº 60/2015/GAPRE COFFITO Assunto: Reeducação Postural Global - RPG Da Consulta Trate-se do questionamento abaixo, acerca do RPG: - Conceituar Método/Técnica

Leia mais

CURSOS INICIAIS. Abordagem Fisioterapêutica Avaliação e Tratamento do Equilíbrio Corporal. Abordagem Fisioterapêutica na Cicatrização de Feridas

CURSOS INICIAIS. Abordagem Fisioterapêutica Avaliação e Tratamento do Equilíbrio Corporal. Abordagem Fisioterapêutica na Cicatrização de Feridas CURSOS INICIAIS Abordagem Fisioterapêutica Avaliação e Tratamento do Equilíbrio Corporal Abordagem Fisioterapêutica na Cicatrização de Feridas Eletrotermofototerapia Baseado em Evidências Hidroterapia

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 QUESTÃO 17 Qual teste é utilizado para diagnosticar a restrição da mobilidade lombar nos pacientes com Espondilite Anquilosante? a) Teste de Patte. b) Teste

Leia mais

AVALIAÇÕES TEÓRICAS CONJUNTAS (ATC) 2016

AVALIAÇÕES TEÓRICAS CONJUNTAS (ATC) 2016 FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA (CGCM) NÚCLEO PEDAGÓGICO EDUCACIONAL (NuPE) AVALIAÇÕES TEÓRICAS CONJUNTAS (ATC)

Leia mais

Perfil FAN e AUTO-ANTICORPOS. Qualidade e precisão para diagnóstico e acompanhamento clínico.

Perfil FAN e AUTO-ANTICORPOS. Qualidade e precisão para diagnóstico e acompanhamento clínico. Perfil FAN e AUTO-ANTICORPOS Qualidade e precisão para diagnóstico e acompanhamento clínico. Investimento em treinamento contínuo Garantia de resultados precisos e seguros. Profissionais capacitados Equipe

Leia mais

H - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR EM FUNÇÕES OROFACIAIS. Supervisora: Profª Drª Cláudia Regina Furquim de Andrade

H - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR EM FUNÇÕES OROFACIAIS. Supervisora: Profª Drª Cláudia Regina Furquim de Andrade H - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR EM FUNÇÕES OROFACIAIS Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Profª Drª Cláudia Regina Furquim de Andrade Características:

Leia mais

LOMBALGIA CRÔNICA MECÂNICA:

LOMBALGIA CRÔNICA MECÂNICA: LOMBALGIA CRÔNICA MECÂNICA: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ACUPUNTURA SISTÊMICA E STIPER Por: Dr. Frederico Burigo Agosto/ RESUMO DA PESQUISA: A lombalgia é a mais frequente das dores em região de coluna vertebral

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E ESPORTE ADAPTADO NAS CONDIÇÕES REUMATOLÓGICAS ADAPTED PHYSICAL ACTIVITY AND SPORT IN THE RHEUMATOLOGIC CONDITIONS

ATIVIDADE FÍSICA E ESPORTE ADAPTADO NAS CONDIÇÕES REUMATOLÓGICAS ADAPTED PHYSICAL ACTIVITY AND SPORT IN THE RHEUMATOLOGIC CONDITIONS ATIVIDADE FÍSICA E ESPORTE ADAPTADO NAS CONDIÇÕES REUMATOLÓGICAS ADAPTED PHYSICAL ACTIVITY AND SPORT IN THE RHEUMATOLOGIC CONDITIONS Emerson Fachin Martins 1 e Alexandra Daniela Marion Martins 2 1 Fisioterapeuta,

Leia mais

Formação Interna Ortopedia Técnica

Formação Interna Ortopedia Técnica Formação Interna Ortopedia Técnica Maria Martins Costa 17 de Setembro de 2013 Tronco Dor lombar insuficiência muscular; Disturbios ligamentosos Dor lombar disturbios das articulações; Desequilibrio do

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Tradução para: Feita por: E mail: NdC 1 As pessoas com sintomas de AR devem ter acesso atempado a um médico / profissional de saúde competente

Leia mais

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) LER/DORT Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) Introdução: O que é LER/Dort? São danos decorrentes da utilização excessiva imposta ao sistema

Leia mais

INSTITUTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CID 10

INSTITUTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CID 10 INSTITUTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CID 10 Com base no compromisso assumido pelo Governo Brasileiro, quando da realização da 43ª Assembléia Mundial de Saúde, o Ministério da Saúde, por intermédio da

Leia mais

LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO LER/DORT

LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO LER/DORT LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO LER/DORT ÁREAS TÉCNICAS / RESPONSÁVEIS Gerência de Saúde do Trabalhador/Flávia Medina e Irailde Teixeira Agravo CID 10

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO (Estudante realizando estágio curricular nas dependências da UFG- TCE coletivo com o mesmo supervisor) 1. Modalidade do estágio: Estágio Curricular Obrigatório N.º da Apólice

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada:

AVALIAÇÃO DO OMBRO. 1. Anatomia Aplicada: AVALIAÇÃO DO OMBRO 1. Anatomia Aplicada: Articulação esternoclavicular: É uma articulação sinovial em forma de sela com 3 graus de liberdade; A artic. esternoclavicular e a acromioclavicular habilitam

Leia mais

OR60 - Joelheira Articulada com Cintas Cruzadas. A compressão pode ser ajustada conforme a necessidade através das 2 (duas) faixas(superior

OR60 - Joelheira Articulada com Cintas Cruzadas. A compressão pode ser ajustada conforme a necessidade através das 2 (duas) faixas(superior LINHA SUIQFEJD LINHASUIQFEJD OR38 - Joelheira Articulada A Joelheira Articulada Hidrolight oferece ece compressão e maior estabilidade idade ao joelho. o. As 2 (duas) articulações com trava oferecem reforço

Leia mais

S UMÁRIO 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS TRAUMATOLOGIA CONSIDERAÇÕES GERAIS PREFÁCIOS...

S UMÁRIO 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS TRAUMATOLOGIA CONSIDERAÇÕES GERAIS PREFÁCIOS... S UMÁRIO PREFÁCIOS... 1-3 1 DIAGNÓSTICO DAS AFECÇÕES MUSCULO-ESQUELÉTICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 1.1 INTRODUÇÃO... 6 1.2 ANAMNESE... 8 1.2.1 DOR... 8 1.2.2 DEFORMIDADE... 10 1.2.3 IMPOTÊNCIA FUNCIONAL...

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013

TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 Honorário de Psicologia 1010111 8 Sessao de Psicoterapia / Psicologo - (12 ou ate 40 por ano se cumprir diretriz de utilização definida pelo

Leia mais

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Reações de hipersensibilidade são mediadas por mecanismos imunológicos que lesam os tecidos. Tipos de doenças mediadas por anticorpos Dano causado por

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM /

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / ECOGRAFIA MúSCULO-ESQUELéTICA (MAR 2016) PORTO Pelo seu importante contributo no diagnóstico e processo terapêutico, pela valorização por parte de qualquer paciente, a Ecografia Músculo-esquelética tem

Leia mais

Região FC especifica Ligação com os leucócitos

Região FC especifica Ligação com os leucócitos Anticorpos Porção FAB se liga ao antígeno (variável) Cadeia Leve Região FC especifica Ligação com os leucócitos Cadeia Pesada Anticorpos apresentam 3 modos de ação: 1- Opsonização: marcação do antigeno.

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Reumatologia Código: FISIO 212 Pré-Requisito: - Período Letivo:

Leia mais

LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO (LER)

LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO (LER) LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO (LER) AUTORES LEANDRO FERRO BORGES THIAGO MATHEUS GOMES PACHECO GLAUCIA AVELINA DOS SANTOS MAGNA DE JESUS LEAL ANANDA LIMA HASSAN 1 - Que é LER? O termo LER refere-se a um

Leia mais