PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO Rua Professor Enéas de Siqueira Neto, 340, parte. Jardim das Imbuias. CEP São Paulo, SP CNPJ. Nº /

2 1 SUMÁRIO 1. Dados Gerais do Curso Denominação do Curso Regime Carga Horária Modalidade de Curso Modalidade de Ensino Vagas Turno Tempo de Integralização Atos Legais do Curso Contextualização Geral da IES Histórico do Curso Políticas Institucionais no âmbito do curso Contextualização e Justificativa Contextualização Justificativa socioeconômica Exercício profissional Objetivo Geral e Específico Objetivo Geral Objetivos Específico Perfil do Egresso Competências e Habilidades Articulação das Competências As competências Metodologia de Ensino do Curso Sistema de Avaliação do Processo Ensino-Aprendizagem Avaliação Regimental Políticas de Avaliação Institucional Formas de Acesso ao Curso Organização Didático Pedagógica do Curso Matriz Curricular Quadro Resumo da Matriz Requisitos Legais e Normativos... 46

3 11.4 Perfil de Formação Núcleos ou Eixos de Formação Articulação entre os componentes curriculares Representação Gráfica com distribuição da carga horária por eixo ou núcleo de formação Ementário e Bibliografia Básica e Complementar Atividades Complementares Atividades Práticas de Ensino Núcleos Prática Jurídica Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Articulação do TCC com os componentes curriculares Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Estágio Curricular Supervisionado Normas Gerais do Estágio Áreas de Estágio do Curso Instituições Parceiras do Curso Apoio ao Discente PROUSA PAPU Tecnologias de Informação e Comunicação no Processo Ensino- Aprendizagem Atividades de Extensão Programa de Disciplinas Optativas Semana de Estudos Ações na comunidade Atividades de Pesquisa Congresso de Iniciação Científica Bolsas de Iniciação Científica e PIBIC Mobilidade e Internacionalização Integração da Graduação com a Pós-Graduação Integração com a pós-graduação, pesquisa e extensão Cursos de Pós-Graduação na área Infraestrutura Coordenação, Docentes e Salas de Aula Laboratórios específicos que são referência no curso

4 24. Corpo Docente e Coordenação Corpo Docente Coordenação Núcleo Docente Estruturante (NDE) Gestão Acadêmica Níveis Organizacionais Conselho de curso Anexos Regulamento das Atividades Complementares Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ Regulamento das Aulas de Laboratório de Prática Jurídica

5 4 1. Dados Gerais do Curso 1.1. Denominação do Curso Bacharelado em Direito 1.2. Regime Seriado de regime semestral 1.3. Carga Horária Carga Horária Total: 3720 horas 1.4. Modalidade de Curso Bacharelado 1.5. Modalidade de Ensino Presencial 1.6. Vagas 200 vagas reduzidas para 80 vagas até renovação do ato autorizativo (Parecer nº 154/2009 CGSUP/DESUP/SESu/MEC) Turno Noturno e Diurno 1.8. Tempo de Integralização Tempo de Integralização Mínimo: 10 semestres Tempo de Integralização Máximo: 16 semestres 1.9. Atos Legais do Curso Ato de Criação - Despacho do Ministro em 25 de janeiro de 1996 (DOU de nº 19, de 26/01/1996, Seção I, página 1362). Reconhecimento - Portaria MEC nº 704, de 13 de março de 2002 (DOU de nº 50, de 14/03/2002, Seção I, página 07).

6 5 2. Introdução e Histórico do Curso 2.1. Contextualização Geral da IES A mais de quatro décadas a UNISA começou com o sonho e a dedicação de um grupo de idealistas, que almejava trazer o ensino superior para a região de Santo Amaro, Zona Sul, considerada na época, muito distante do centro da cidade de São Paulo. Em 1968 um grupo, formado por membros de sociedades de bairros da zona sul da Capital Paulistana, médicos da Santa Casa de Santo Amaro, docentes universitários do Curso de medicina de Mogi das Cruzes e da Faculdade de Medicina da USP, decidiram criar uma organização de ensino superior, com a finalidade de oferecer à população ensino superior de qualidade, através do estabelecimento de três Faculdades: Filosofia, Medicina e Engenharia. Em 1970, o Conselho Federal de Educação apreciou os três processos e aprovou dois: o de Filosofia e o de Medicina. Durante a construção do Campus I, os cursos funcionaram em diversas sedes oferecidas: a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, com os cursos de Matemática, Física, Letras e Pedagogia, situou-se, sucessivamente, nos Colégios Jesus Maria - José, Costa Braga e Humboldt (todos em Santo Amaro) e a Faculdade de Medicina instalou-se nas dependências da Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro. Em 1974 iniciaram as aulas no atual Campus I, bem como os novos cursos de Comunicação Social (habilitação em Relações Públicas), Estudos Sociais com habilitações em História e Geografia, Serviço Social e Turismo, passando a constituir as Faculdades de Santo Amaro - FASA. Em 1975 foi autorizada a funcionar a Curso de Educação Física e neste mesmo ano, formou-se a primeira turma do Curso de Medicina. Em 1976, foi autorizada o Curso de Odontologia. As Faculdades de Santo Amaro FASA passaram por uma série de transformações. Em 1992, uma nova mentalidade visualizou a transformação das pioneiras FASA em Universidade. Foi elaborado um projeto através de um Relatório da Comissão de Acompanhamento, para reconhecimento da Instituição

7 como Universidade, o que veio a ocorrer no final de 1994, através do Decreto n.º1.833 do Ministério da Educação e Desporto, publicado no Diário oficial da União, de 30 de dezembro de Assim, a Instituição passou a se chamar Universidade de Santo Amaro UNISA. 6 Em meados de 1996 com a necessidade de crescer e expandir sua atuação, a UNISA investiu no imóvel de uma antiga fábrica de relógios (HORASA) no centro de Santo Amaro e a transformou em uma área educacional identificada como Campus II, para as áreas de Ciências Humanas, Sociais, Exatas e Tecnológicas. Em 1998 passou a oferecer nesse Campus os cursos de Administração Hospitalar, Jornalismo e Rádio e TV, Letras (Português/Espanhol) e Secretariado Executivo Bilíngue. Ainda dentro de seu projeto de expansão, em 18 de agosto de 1999, foi inaugurado o Hospital Veterinário HOVET da UNISA, com capacidade para atender animais de pequeno, médio e grande porte, tornando-se um espaço fundamental para o aprendizado dos discentes do curso de Medicina Veterinária e para a população, que pode tratar seus animais com procedimentos de última geração, de forma mais econômica. No ano de 2000, ainda em processo de expansão e crescimento, o Campus III da UNISA foi inaugurado nas antigas instalações do Colégio Alemão - Humboldt e lá passaram a funcionar os seguintes cursos: Pedagogia, Turismo, Psicologia e os Cursos Superiores Sequenciais de Formação Específica, para a continuação do atendimento a área de Ciências Humanas. Amparada na Portaria n.º de 18 de outubro de 2001, do MEC, que as Instituições de Ensino Superior podem oferecer nos seus cursos reconhecidos, até 20% da carga horária na modalidade a distância a UNISA implantou ao final desse ano 2001, as disciplinas a distância - EaD, com objetivo de não só de ampliar o acesso ao conhecimento e às informações, mas também visando a promoção de aprendizagens e de desenvolvimento de competências e habilidades, tanto individuais quanto coletivas. Comprometida com a democratização do ensino de qualidade no país e com a inclusão social, a UNISA desenvolve seu projeto de Ensino a Distância.

8 Em 2005, a Portaria 1.176/2005, do Ministério da Educação - MEC credenciou a UNISA para oferecer cursos de graduação, tecnológicos, pós-graduação e extensão na modalidade a distância EaD, por todo o território nacional. Com isso, a UNISA tornou possível para discentes de diferentes realidades socioeconômicas, o acesso a conhecimentos, projetos e pesquisas gerados do nível superior. Atualmente a Universidade oferece o acesso ao Ensino Superior em mais de 50 Polos de Apoio Presencial localizados em 14 estados brasileiros e o DF contando com a mais alta tecnologia e ensino de qualidade já demonstrado em sua tradição e pioneirismo acadêmicos. 7 Em 2008, a Universidade de Santo Amaro UNISA, por força da Portaria MEC nº 369, de 19 de maio de 2.008, passou a ser mantida pelas Obras Sociais e Educacionais de Luz OSEL, ainda neste mesmo ano, são criados dois cursos: Engenharia de Produção e Engenharia Ambiental, alocados no Campus III. Em 2011 a UNISA foi recredenciada como Universidade pelo MEC, conforme Portaria de 28 de novembro de 2011, publicada no DOU de 29 de novembro de 2011, pelo prazo máximo de 5 anos. O compromisso da UNISA é formar profissionais qualificados, que demonstrem uma ampla consciência da realidade social, política, econômica e cultural, equipados com instrumental técnico-científico, que lhes permita atender às suas necessidades e atuar positivamente na sociedade, como agentes transformadores. Sob essa óptica, a UNISA promove, de forma sistêmica e indissociável, o tripé da Educação composto por Ensino, Pesquisa e Extensão, com o intuito de imprimir uma ação transformadora do indivíduo. Com essa visão, o docente UNISA, sujeito da coordenação e proposição de estudos, incentiva a criatividade e a crítica do discente, tornandoo agente do processo de aprendizagem. Dessa forma, a UNISA constitui-se de docentes e discentes, voltados para a criação e construção do saber, e das instâncias superiores, comprometidas com o contexto de todas as regiões do país onde está inserida, assumindo a responsabilidade pelo todo e viabilizando e gerindo os projetos emergentes desse processo.

9 A visão da UNISA é ser reconhecida pela excelência de sua participação na transformação da sociedade, contribuindo para formação global do cidadão, na sua realização pessoal e profissional. 8 A missão da UNISA é desenvolver ensino, pesquisa e extensão de qualidade; gerar e transmitir conhecimentos e interagir com a sociedade, visando a seu beneficio, através de ações educacionais e sociais. O objetivo da UNISA é promover o desenvolvimento integral do ser humano, mediante a proposta de uma educação voltada para aspectos formativos, culturais, econômicos, morais e sociais. Sua filosofia é pautada pela convicção na educação, como resposta para solucionar os grandes problemas que afligem a humanidade. Por isso, além de desenvolver as ciências, as letras e as artes, oferece qualificação profissional e promove a produção científica, mediante o apoio à pesquisa e sua consequente extensão à comunidade Histórico do Curso O curso de Direito da UNISA iniciou suas atividades no ano de 1996, no Campus I da universidade, localizado no bairro do Jardim das Imbuías, região de Santo Amaro, São Paulo, capital. O Campus I da UNISA foi inaugurado há mais de quarenta anos, oferecendo cursos superiores desde a década de Nos dois primeiros anos de suas atividades educacionais, o Curso de Direito, identificou algumas dificuldades acadêmicas, didáticas e operacionais que demandaram estudos criteriosos, resultando em ações administrativas de curto, médio e longo prazo. Foi deliberado pela Reitoria de então, que a primeira ação deveria consistir na transferência do curso para local mais adequado, próximo do trabalho e das atividades profissionais dos alunos, bem como de suas residências, oferecendo aos estudantes relativa facilidade de transporte e locomoção, características consideradas fundamentais no sentido de beneficiar tanto os acadêmicos, quanto os professores e funcionários. Atendendo esse objetivo a UNISA estruturou um conjunto imobiliário no centro do bairro de Santo Amaro, na Rua Isabel Schmidt, nº 349, que se ajustava perfeitamente às condições e requisitos previamente definidos. O

10 referido campus universitário é constituído de diversos blocos interligados, com dois e três andares, escadaria, elevadores, grande número de salas de aula, com excelente iluminação natural e quantidade suficiente de sanitários. Conta ainda com área verde, corredores amplos, grande espaço livre para lazer, fluxo de pessoas, praça de alimentação, auditórios, espaço para futuras expansões de natureza diversa, estacionamento e acessibilidade. 9 Outra característica importante do imóvel da Rua Isabel Schmidt é a existência de fartos meios de transporte e boas facilidades de condução. A partir da instalação do Campus II, em 1997, tiveram início as importantes modificações e ajustes de natureza didático-pedagógica, determinadas pela necessidade de aperfeiçoamento e melhor adequação das disciplinas do curso às demandas impostas pelas importantes transformações de natureza econômica, social e política, consequência da inserção regional do curso e também da globalização. O Campus II da UNISA localiza-se mais precisamente na área da Subprefeitura de Santo Amaro. A Universidade abrange ainda a população das Subprefeituras da Capela do Socorro, Campo Limpo e M Boi Mirim. A Subprefeitura de Santo Amaro, local onde está situado o Campus II da Universidade, conta com mais de habitantes. Atualmente das 31 Subprefeituras do município de São Paulo, a mais populosa, com mais de habitantes é a Subprefeitura da Capela do Socorro. A Subprefeitura do Campo Limpo alcança aproximadamente habitantes e a Subprefeitura do M Boi Mirim apresenta mais de habitantes. A população e PIB destas Subprefeituras superam a população de alguns países. Tabela 1 População da Região Subprefeitura População Área (km2) Dens. (hab/km2) Campo Limpo , Capela do Socorro , Cidade Ademar , M Boi Mirim , Parelheiros ,5 419 Santo Amaro , Fonte: SEADE / IBGE

11 A organização, desenvolvimento e evolução do Curso de Direito está descrita e se demonstra neste documento, denominado Projeto Pedagógico. 10 Este Projeto Pedagógico, implantado a partir do ano letivo de 2008, é o resultado de experiências pedagógicas multilaterais e complexas, obtidas no cotidiano da vida acadêmica, envolvendo efetivamente os professores, que se reuniram para repensar o Curso de Direito da UNISA, redefinindo metas, bem como as expectativas com relação aos seus objetivos, em processo de avaliação permanente acompanhando os sinais dos tempos e a dinâmica das relações educacionais no país, em especial, nas alterações de legislação e nos fatos sociais ainda não cobertos por legislação especial. As ponderações e resoluções desta tarefa ocorreram nas periódicas reuniões do Núcleo Docente Estruturante - NDE e Conselho de Curso e nos espaços de planejamento pedagógico, resultando em um curso estruturado para responder às necessidades da sociedade contemporânea, em seus diferentes planos, a propiciar uma formação jurídica generalista, multidimensional e a habilitar o estudante à compreensão exata da natureza, do homem, da sociedade, de mundo e das implicações do fenômeno jurídico, na perspectiva humanística e apropriado domínio teórico e prático dos conteúdos e instrumentos por meio dos quais opera. Com uma quantidade cada vez maior de profissionais lançados para a sociedade, com formações, conceitos e senso ético diferentes, a preocupação que há muito tempo existe dentro dos diferentes segmentos que compõem a comunidade do Curso de Direito é que são necessárias mudanças imediatas e urgentes no sistema pedagógico e curricular ora existente, de modo a atender à demanda por profissionais qualificados para sintonizar-se com o intenso avanço econômico e populacional de toda a região, assim como com os avanços técnicos que integram a ciência do Direito. O Ministério da Educação editou em 2004 a Resolução CNE/CES nº 09/2004, que instituiu as novas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito, exigindo pronta modernização dos cursos de todo o país. Em 2007, o Conselho Nacional de Educação respondendo a consultas editou a resolução 02, reordenando a carga horária total dos cursos de bacharelado no

12 Brasil. A UNISA, atendeu plenamente às exigências legais e determinou a partir deste momento a implementação de um novo projeto pedagógico com uma atualizada estrutura curricular, de forma a aperfeiçoar o ensino jurídico e melhorar a formação profissional oferecida ao acadêmico. 11 A habilitação dos profissionais preparados pela UNISA observa o desempenho das funções que podem ser ocupadas pelos bacharéis em Direito, quer na esfera pública, quer na esfera privada, nas áreas pertinentes a especificidades do Direito, em um mundo cujos processos de globalização passam a exigir saberes não fragmentados, mas integrativos de vários outros saberes. Aliás, o aluno do direito deve atentar para a existência de uma sociedade a sua volta cheia de desigualdades sociais, injustas, em que o órgão que mais se sobressai no direito, que é o Poder Judiciário, está desacreditado. Com efeito, é preciso criar nova cultura sobre Justiça, Ética e Solidariedade, pois, com estes vetores, é factível transformar a sociedade. Não basta, portanto, transmitir aos alunos o conhecimento teórico do direito, seus princípios e seus maiores autores, se não for passado a eles um mecanismo de transformação da teoria em prática de justiça social. O Direito deve ser compreendido não apenas como um conjunto de normas a serem obedecidas, mas, acima de tudo, como a maior arma de que dispõe a sociedade para a busca de uma vida mais justa e menos desigual. Ao serem definidos os princípios norteadores do curso de direito da UNISA levou-se em especial consideração o disposto no artigo 43 da LDB, L /96, ao preceituar que a educação superior terá de estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo, bem como incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica ; prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade ; promover a extensão. O município de São Paulo conta com a infraestrutura jurídica necessária para absorver as atividades universitárias, tais como a realização de estágios em escritórios, Ministério Público, Defensoria Pública ou outros órgãos

13 de administração da justiça e da segurança, assim como apresenta as características de metrópole, carente em muitos sentidos dos serviços que um curso de direito como o da UNISA pode oferecer às comunidades locais. 12 Além do atendimento ao público carente realizado pelo Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da UNISA, e de outros programas de apoio e relacionamento social criados pela IES e que serão expostos mais adiante, o curso de direito da UNISA oferece aos seus alunos programa regular de pesquisa e iniciação científica. Em atendimento a Resolução CONAES N 1, de 17/06/2010, foi constituído o Núcleo Docente Estruturante - NDE do curso, que atua plenamente no processo de acompanhamento, consolidação e avaliação constante do Projeto Pedagógico. Em 2012 houve reestruturação da Coordenação do curso de Direito da UNISA que por meio do NDE inseriu na matriz curricular disciplinas eletivas visando dar uma maior flexibilidade à formação dos bacharéis e, consequentemente, aprofundamento ou direcionamento de estudo na área temática de interesse do aluno. Desde então, os seguintes princípios básicos têm guiado o Projeto Pedagógico do Curso de Direito da UNISA: A vinculação à legislação pertinente ao ensino jurídico e ao ensino superior (LDB 9.394/96), às Novas Diretrizes e Bases do Ensino de Ciências Jurídicas (Resolução MEC 09/2004) e aos Padrões de Qualidade INEP/MEC, assim como o atendimento aos padrões de qualidade estabelecidos pela Ordem dos Advogados do Brasil para o reconhecimento da excelência dos cursos jurídicos no Brasil. Contextualização expressa na apresentação e discussão dos conhecimentos de forma crítica e historicamente situada. Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, de modo a desenvolver atitudes investigativas e instigadoras da participação

14 do graduando no desenvolvimento do conhecimento e da sociedade como um todo. Interdisciplinaridade evidenciada na articulação entre atividades que compõem a proposta curricular, evitando-se a pulverização e a fragmentação de conteúdos. Flexibilidade de organização expressa na adoção de diferentes atividades acadêmicas, como forma de favorecer a dinamicidade do projeto pedagógico e o atendimento às expectativas e interesses dos alunos, de modo a estimular a identificação das reais vocações e interesses destes. Rigoroso trato teórico-prático, histórico e metodológico no processo de elaboração e socialização dos conhecimentos. Sobreposição da postura ética dos indivíduos graduados em direito diante dos conflitos de interesses que norteiam a carreira. Desenvolvimento de uma prática de avaliação qualitativa do aprendizado dos estudantes e reorientação prática na forma de organização do trabalho docente e de aperfeiçoamento do projeto pedagógico do curso Políticas Institucionais no âmbito do curso O curso busca o desenvolvimento integral de seus estudantes, tanto nos aspectos profissionais quanto nos aspectos culturais, econômicos morais e sociais. O Projeto Pedagógico do Curso PPC está alinhado com o Projeto Pedagógico Institucional PPI e com o Projeto de Desenvolvimento Institucional PDI da UNISA. As metodologias adotadas no curso, o sistema de avaliação do processo ensino-aprendizagem, a avaliação institucional do corpo social e a gestão acadêmica do curso estão alinhados com as políticas institucionais da UNISA. As ações pedagógicas são discutidas e construídas de forma coletiva, com a participação ativa dos docentes que integram o curso. A coordenação de

15 curso e o NDE conduzem o processo no âmbito de suas competências, nas questões relacionadas ao desenvolvimento do PPC, os conteúdos curriculares, as referências bibliográficas, as atividades práticas e outras atividades relacionadas ao curso. 14 O PPC apresenta preocupação com a qualidade do curso, mediante um conjunto de atividades que passam pelo acompanhamento, incentivo e embasamento teórico do corpo docente, mediante adoção de um sistema de ensino que incentiva o olhar crítico em torno não só dos aspectos ligados à sua profissão, mas também aos político-econômicos e sociais. O estímulo à execução de um projeto pedagógico democrático, em que as experiências do saber empírico sejam consideradas como reserva estratégica para a construção do saber científico é inspirado no PDI da UNISA. A formação acadêmica está voltada para preparar profissionais cada vez mais empreendedores para a nova realidade do mercado e formação técnica e humanística consistente e calcada em princípios éticos e de responsabilidade sócio ambiental. A UNISA implementou linhas básicas de ação comprometidas com a indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão que propiciam uma contínua avaliação de propostas desenvolvidas e conhecimentos produzidos no âmbito do curso. O curso segue as diretrizes do PDI da UNISA quanto à responsabilidade de formar profissionais qualificados, com consciência da realidade social, política, econômica e cultural, e equipados de adequado instrumental de conhecimento científico e técnico, que lhes permita atender às suas necessidades como seres humanos e atuar positivamente na realidade como agentes transformadores do meio circundante. Nesse contexto, está inserida a pesquisa como instrumento e meio para o desenvolvimento do ensino, viabilizando a aprendizagem e gerando o saber. Para tanto, o curso proporciona condições materiais e recursos humanos para as atividades de pesquisa, que visam à solução de problemas inerentes, por meio de grupos de pesquisa e incentivos para que os trabalhos acadêmicos sejam sistematizados e adequados aos princípios científicos. Os alunos são motivados a submeterem seus trabalhos no Congresso de Iniciação Científica da UNISA, realizado anualmente.

16 A extensão completa essa integração, criando condições de participação da comunidade acadêmica nas diversas atividades e serviços oferecidos pela UNISA e seus Polos de Apoio Presencial. A UNISA orienta que os Polos de Apoio Presencial, com o auxílio dos tutores presenciais busquem a integração com a comunidade externa, uma vez que, todos os cursos desenvolvem programas de extensão integrados à formação do discente. 15 O curso articula as disciplinas para que reflitam as atividades de pesquisa e extensão, criando-se um forte vínculo entre teoria e prática. Dentro dessa perspectiva, os trabalhos de pesquisa, estágios e atividades complementares são orientados tanto para um exercício contextualizado da atividade profissional quanto para a busca de um conhecimento maior da realidade em que o aluno esteja inserido, seja tratando de desvendar ou explicitar vocações regionais, seja levantando o potencial econômico ou cultural existente. Com isso, o curso e o acadêmico podem contribuir para a produção de conhecimento, não apenas a sua reprodução. 3. Contextualização e Justificativa 3.1. Contextualização O processo de desenvolvimento no sentido da globalização e das inovações tecnológicas e da informação que vem ocorrendo na sociedade contemporânea coloca novos desafios à educação, à função social do ensino superior e ao processo de socialização dos conhecimentos. O Curso de Direito da UNISA face às políticas públicas sociais do Estado, das demandas sociais e tomando ainda por horizonte a filosofia, a história, as características, o perfil e a missão da Instituição, sinaliza para um redimensionamento do ensino superior, consciente do seu papel enquanto agente de transformação e orientado, sobretudo, por princípios éticos e democráticos. Nesse contexto, o Projeto Pedagógico é documento central que estabelece políticas para o fazer acadêmico, norteando as ações educacionais

17 para a consolidação da sua missão, de seus objetivos, de seus princípios e de suas diretrizes, propiciando a qualidade de suas ações, visando à qualificação para o trabalho e a ampliação dos direitos de cidadania. Nesse sentido, o Projeto Pedagógico cumpre uma função para além de mera formalidade, podendo constituir-se numa ação maior de reflexão envolvendo o ensino, a pesquisa e a extensão, como constituinte do processo de participação na educação superior, na produção e socialização do conhecimento. 16 A proposta pedagógica do curso contempla uma formação sócio jurídica humanista, por meio do desenvolvimento de componentes curriculares propedêuticos, técnicos e de conhecimentos práticos indispensáveis à atuação profissional na área jurídica. Com o objetivo de diferenciar-se dos demais cursos e, a fim de adequar-se aos princípios institucionais da UNISA, o curso enfatiza a prática da cidadania e a valorização do ser humano, aliando o ensino jurídico a uma proposta interdisciplinar, que priorize a articulação entre o ensino, pesquisa e extensão. Para a consecução deste objetivo, busca-se o desenvolvimento de uma visão crítica do direito; o incremento da pesquisa e de atividades de extensão jurídica, para a descoberta de alternativas melhores à resolução de problemas sociais, econômicos e ambientais da região, viabilizando a concretização da justiça social. A dinâmica social contemporânea tem acelerado as transformações das relações humanas, exigindo profissionais capacitados a oferecerem respostas inovadoras e eficazes aos grandes desafios ora impostos. O curso está direcionado para uma mudança de paradigmas, de reformulação de velho modelo tradicional, que contempla a sala de aula, professores, acadêmicos, códigos e um repertório de modelos práticos de petições e processos. Visa a formação do profissional consciente, comprometido com valores humanos, éticos e de cidadania.

18 Justificativa socioeconômica A universalização do acesso à educação superior constitui-se tema emergente, complexo e de fundamental importância para a sociedade brasileira, especialmente se considerarmos o cenário da revolução tecnológica, da globalização e das mudanças no mundo do trabalho. No Brasil, a democratização do acesso e permanência na educação básica ampliará excepcionalmente a demanda pela educação superior, o que representa um enorme desafio para o país em termos de sistema educacional superior, modos de organização acadêmica e modalidades de cursos a serem ofertados. Nesse contexto, é preciso reconhecer que o acesso à educação superior, no Brasil, sempre foi um tema polêmico, porque confronta, de um lado, perspectivas elitistas de contenção do acesso visando, em grande parte, a manutenção do prestígio dos diplomas e o status dos profissionais no mercado de trabalho; de outro, perspectivas mais populares de ampliação do acesso, o que representa aspirações de largas camadas da sociedade à obtenção do emprego, através do qual é possível de ascensão social e de vida mais digna. Diante desse cenário, a UNISA contribui com a inclusão social e o desenvolvimento econômico da região pela proposta de um ensino diferenciado. O seu centro de interesse e busca permanente convergem para o ensino superior e pela inserção do graduando no mercado de trabalho. A ideia é relacionar a teoria à prática, ou seja, o ensino acadêmico deve estar vinculado à prática profissional e à realidade social e econômica da região e do país. Por essa razão, o curso de Direito da UNISA contempla dinâmicas e estratégias teórico-práticas, objetivando a formação do profissional cidadão, preocupado com o desenvolvimento de soluções para os problemas da comunidade em que está inserido. Nos últimos anos, o país vem se destacando no cenário internacional, tendo sido indicado, no final de 2011, como a 6ª maior economia mundial (Economist Intelligence Unit - EIU), superando o Produto Interno Bruto (PIB) da

19 Grã-Bretanha. Com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 1 de 0,718, nesse mesmo ano, o país situa-se entre os considerados de Desenvolvimento Humano Elevado, quando examinados os indicadores: expectativa de vida, anos médios de escolaridade, anos esperados de escolaridade e renda nacional bruta per capita, embora estejam à sua frente o Chile (0,805), a Argentina (0,797), o Uruguai (0,783), citando exemplos da América Latina. 18 Há que se reconhecer a expressividade dos avanços sociais, mas, também, o quadro de desigualdades verificadas no Brasil. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), metade das famílias vivia em 2008 com menos de R$ 415,00 per capita; no período 1997/2007 caiu o percentual dos arranjos familiares com rendimento familiar per capita de até ½ salário mínimo no país de 31,6% para 23,5%. No Nordeste, a redução entre 2002/2007 foi de 53,9% para 43,1%. Porém, aumentou a proporção de crianças de 10 a 15 anos que trabalhava na própria casa e no domicílio do empregador, em Na educação, aponta o IBGE que a taxa de analfabetismo dos brasileiros com mais de 15 anos caiu de 14,7% para 10%, mantendo-se, todavia, um número elevado de pessoas sem ler ou escrever: 14,1 milhões de analfabetos com maior concentração no Nordeste (52%), em Universalizado (97,6%), o ensino básico ainda apresenta 2,1 milhões de crianças de 7 a 14 anos frequentando a escola, sem saber ler, nem escrever; a taxa de frequencia escolar também cresceu no ensino médio: de 77,3% para 82,1%, de 1997 a 2007 e dobrou o acesso de jovens de 18 a 24 anos ao ensino superior: de 6,9% para 13,9% (1998 a 2008). Entretanto, em relação a países da Europa e da América Latina, ainda são necessárias iniciativas de formação superior. Na saúde, os desafios são igualmente significativos. Segundo o IBGE, a taxa de mortalidade infantil continua em declínio, com redução de quase 30% entre 1998 e 2008: de 33,56 para 23,59 por mil. No Rio Grande do Sul está a 1 Disponível em html 2 IBGE. Síntese dos Indicadores Sociais 2008: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, (Estudos & Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica, 23).

20 menor taxa (13,10 por mil) e, em Alagoas, a mais elevada, em 2008 (48,20 por mil). No RN, essa taxa é de 16,3 por mil, menor que a do Nordeste (20,4 por mil). (Anuário RN ). 19 Consideram-se, também, alterações no perfil demográfico, com registro do crescimento do número de idosos. De acordo com o IBGE, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2009 (PNAD), de 1999 a 2009 o peso relativo desse segmento (60 anos ou mais de idade), no conjunto da população, passou de 9,1% para 11,3%. Para os 70 anos ou mais, nesse mesmo período, os dados apontam um aumento de 6,4 milhões de pessoas (3,9% da população total) para 9,7 milhões (5,1%). Acrescenta-se, a esse quadro, a redução da população de crianças e jovens, fato associado à queda contínua dos níveis de fecundidade e ao aumento da expectativa de vida 3. Em relação aos idosos importa destacar que, segundo o IBGE, a PNAD 2008 indicou a existência de um número expressivo de idosos (32,5%) que não tinham seu domicílio cadastrado no programa saúde da família, nem tinham plano de saúde particular. Revela-se uma situação de desproteção que não se altera até o rendimento domiciliar per capita de até 2 salários mínimos, perfazendo 2 3 de idosos sem qualquer cobertura de saúde pública, pelo programa, ou privada, via plano de saúde. Várias outras formas de descidadania podem ser exemplificadas, como é o caso do atendimento a portadores de deficiência, assinalando-se que, a cada dia, 500 brasileiros passam a apresentar-se nessa condição (45,6 milhões - 23,9%), segundo dados de 2010 IBGE 4. Tal situação pode ser atribuída à violência urbana (assaltos, acidentes de trânsito, por exemplo) e a acidentes de trabalho 5. Também são ilustrativos os elevados índices de criminalidade, as situações de desrespeito à diversidade étnico-racial, cultural, de gênero e credo, assim como as inúmeras iniciativas empresariais que terminam por impactar negativamente no meio ambiente. 3 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira Rio de Janeiro, e divulgadas em 19/jan./ É do Brasil o nono lugar no mundo em maior número de acidentes de trabalho, conforme a OIT.

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: DIREITO MISSÃO DO CURSO Desenvolver um ensino que propicie sólida formação ao aluno, constante aprimoramento docente e atualização curricular periódica.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: DIREITO Missão O Curso se propõe a formar profissionais conscientes da finalidade do Direito como instrumento de transformação social e construção da cidadania, capazes

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS IESB / PREVE CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS MISSÃO / IESB Proporcionar um espaço de contínua aprendizagem onde alunos, professores e colaboradores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 16/05/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.625, publicada no Diário Oficial da União de 16/05/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MODALIDADE A DISTÂNCIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MODALIDADE A DISTÂNCIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MODALIDADE A DISTÂNCIA Rua Professor Enéas de Siqueira Neto, 340, parte. Jardim das Imbuias. CEP. 04829-300 - São Paulo,

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

PPC@DTO@FCR. Objetivo Geral

PPC@DTO@FCR. Objetivo Geral PPC@DTO@FCR Opostamente, o Curso de Graduação em Direito desta IES pretende percorrer o caminho da interdisciplinariedade e, pautando-se sempre no senso crítico-reflexivo, chegar ao encontro de respostas

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 29/11/2011, Seção 1, Pág. 14. Portaria n 1662, publicada no D.O.U. de 29/11/2011, Seção 1, Pág. 12. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

FACULDADE PARAÍSO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO

FACULDADE PARAÍSO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO FACULDADE PARAÍSO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO - SÃO GONÇALO- 2013 SUMÁRIO 1. Projeto Pedagógico do Curso PPC: concepção do curso... 04 1.1 Articulação do PPC com o PPI e com o PDI... 04 1.2

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

A Faculdade e a Preparação para o Mercado de Trabalho

A Faculdade e a Preparação para o Mercado de Trabalho 1 A Faculdade e a Preparação para o Mercado de Trabalho Alexandre Ogusuku Advogado, especialista em Direito Tributário. Professor de Direito Tributário na Uniso e Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

acadêmicas e científicas que ela desenvolve ou pretende desenvolver. A Universidade Guarulhos tem por: - Missão

acadêmicas e científicas que ela desenvolve ou pretende desenvolver. A Universidade Guarulhos tem por: - Missão ESTE MATERIAL TEM O INTERESSE DE ORIENTÁ-LOS SOBRE ALGUNS TÓPICOS CONTIDOS NO NOSSO PROJETO PEDAGÓGICO ALÉM DE OUTROS ESCLARECIMENTOS SOBRE DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS. acadêmicas e científicas que ela desenvolve

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA E CIÊNCIAS POLÍTICAS ÊNFASE EM MEDIAÇÃO, NEGOCIAÇÃO E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE CONFLITOS

MESTRADO EM ECONOMIA E CIÊNCIAS POLÍTICAS ÊNFASE EM MEDIAÇÃO, NEGOCIAÇÃO E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE CONFLITOS PROGRAMA INTERNACIONAL pós-graduação stricto sensu MESTRADO EM ECONOMIA E CIÊNCIAS POLÍTICAS ÊNFASE EM MEDIAÇÃO, NEGOCIAÇÃO E RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE CONFLITOS Programa Internacional PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Circular NPJ nº 01/2008:

Circular NPJ nº 01/2008: Rio de Janeiro, 14 de março de 2008. Circular NPJ nº 01/2008: Apresenta o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica e do Escritório Modelo. Estimados Alunos, Essa circular visa ao esclarecimento do funcionamento

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

CAPÍTULO I DAS LINHAS GERAIS DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ).

CAPÍTULO I DAS LINHAS GERAIS DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ). UNISAL Centro Universitário Salesiano de São Paulo Campus Liceu Salesiano - Unidade Campinas Curso de Direito ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ). INTRODUÇÃO. O funcionamento de um núcleo de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO CENTRO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO CENTRO DE PRÁTICA JURÍDICA A atividade prática do Curso de Direito da Fundação Padre Albino teve suas bases fixadas já no Projeto Pedagógico aprovado pelo MEC, constando ainda no Projeto de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO 1. APRESENTAÇÃO O Curso de Direito completa 30 anos em 2015. Nestas três décadas, o Curso tem passado por constantes modificações, todas na busca do aperfeiçoamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais