CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ANTONIO VICENTE PEREIRA NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ANTONIO VICENTE PEREIRA NETO"

Transcrição

1 12 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ANTONIO VICENTE PEREIRA NETO OS NOVOS DESAFIOS NO MODELO DE GESTÃO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA João Pessoa PB 2008

2 13 ANTONIO VICENTE PEREIRA NETO OS NOVOS DESAFIOS NO MODELO DE GESTÃO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA Monografia apresentada ao Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientador: Ms. Márcio Reinaldo de Lucena Ferreira João Pessoa/PB 2008

3 14 Cutter: P 436n Pereira Neto, Antonio Vicente. Os novos desafios no modelo de gestão da Paróquia Nossa Senhora Aparecida / Antonio Vicente Pereira Neto. João Pessoa, f. Monografia (Curso de Administração) Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ 1. Gestão. 2. Gestão Paroquial. 3. Igreja Católica. I. Título. UNIPÊ / BC CDU 658: 2

4 15 ANTONIO VICENTE PEREIRA NETO OS NOVOS DESAFIOS NO MODELO DE GESTÃO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA Monografia apresentada ao Centro Universitário de João pessoa UNIPÊ, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Aprovada em.../.../... BANCA EXAMINADORA Professor Ms. Márcio Reinaldo de Lucena Ferreira Orientador - UNIPÊ Professora Ms. Ilka Maria Soares Campos Examinadora - UNIPÊ Professora Ms. Carolina Barroca da Rocha Examinadora - UNIPÊ

5 16 Dedico este trabalho a Deus por sempre Se fazer presente na minha história, me capacitando a fazer a Sua vontade e de nunca desistir dos meus ideais. A minha esposa Isabel Cristina (in memorian), por ter sido o meu amor, amiga, companheira, conselheira, aquela com quem aprendi a ser um melhor filho, esposo, pai, amigo e cristão. DEDICO

6 17 AGRADECIMENTO A Deus minha eterna gratidão por ter preservado a minha vida, não permitindo que eu morresse afogado naquele açude, e logo após pude experimentar através da sagrada escritura o seu imenso amor por mim. Este encontro contigo tornou-me convicto da tua existência e de que o Senhor está sempre conosco nos momentos mais felizes e de extrema angústia. Muito obrigado por nunca desistires de todos nós que somos teus filhos. A Nossa Senhora, por sempre se fazer presente pedindo a Jesus para que não faltasse o vinho da sabedoria, paciência, da paz e da certeza de chegar ao fim da vivência acadêmica um homem mais maduro e capacitado a enfrentar os desafios da vida. A meu pai, Rafael Cavalcante do Santos, que me ensinou com a sua humildade e o seu silêncio, a ser mais humano e prudente no relacionamento com as pessoas. A minha mãe, Maria Lusimar Alves Cavalcante a minha eterna gratidão por ter me conduzido à casa de Deus onde pude aprender a ser cristão e a amar sua Igreja. A ambos, o meu amor e gratidão por me ajudarem a educar o meu filho e a concluir este curso superior. A minha inesquecível esposa Isabel Cristina Fragoso Pereira (in memorian), por ter sido o grande amor que conquistou o meu coração. Inesquecíveis foram os momentos que passamos juntos, vivenciando uma História de Amor. Trilhamos por caminhos intensos, que nos fizeram na alegria e na dor sentir o quanto é gratificante viver o amor. Torrentes vieram querendo nos abalar, mas nada apagou a chama de um amor selado no altar. Ao meu filho, que desde o ventre de sua mãe (Isabel) foi consagrado a Nossa Senhora, a ser inteiramente do senhor seu Deus, a ele e a sua mãe eu dedico esta vitória de ter cursado faculdade e ter superado tantas dificuldades e conquistado tantas alegrias. As minhas irmãs Ana Lígia e Maria das Graças por estarem sempre presentes em minha vida, ajudando-me a transmitir a meu filho os valores recebidos dos nossos pais. Aos meus parentes que, me apoiaram através de palavras de motivação a buscar sempre o sucesso acadêmico.

7 18 Ao professor Márcio Reinaldo de Lucena Ferreira, que de forma responsável e dedicada, orientou-me neste trabalho que requer muita dedicação e incentivo. Sem esquecer da majestosa professora Maria Nilza Barbosa, que sempre a chamei de santa pelo seu jeito terno de se relacionar com cada aluno que a procurava no intuito de desfrutar da correção e criação dos nossos trabalhos. Aos colegas de sala de aula que, me ajudaram a viver um tempo novo, repleto de ideais a serem conquistados. Um agradecimento especial a Gláucia, Simone, Diego, Adjane, Fábio, Marcos, Vinicius, Lucas, Milena, Luciana, Loiseane, Mariana, que sempre estiveram presentes durante todo período acadêmico como bons amigos e motivando-me a superar os meus limites.

8 19 O gestor, diante dos sucessos ou dos fracassos, afirma, na oração, a cada dia, que Deus é o Senhor da história do mundo, da história da instituição, da história de cada um. (Afonso Murad)

9 20 PEREIRA NETO, Antonio Vicente. OS NOVOS DESAFIOS NO MODELO DE GESTÃO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA f. Monografia (Graduação em Administração) Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ. RESUMO A Gestão vem paulatinamente ocupando espaços nas instituições religiosas, inclusive dentro da Igreja Católica. Existia no passado uma aversão por parte da Igreja acerca da gestão, por ela ser aplicada às empresas com fins lucrativos, achava-se que era só esta a sua finalidade. Ao perceber que a gestão é a arte e a competência de liderar o que há de mais importante para a Igreja que é o capital humano e logo após o gerenciar processos em vista de cumprir a sua missão, ela começou a aderir os seus conceitos que são úteis para qualquer organização. Percebem-se ainda muitas restrições daqueles que lideram a Igreja em capacitar os seus fiéis através de cursos e treinamentos, são estes que se colocam a disposição de assumir compromisso nas pastorais, para isto precisam sair do amadorismo para desempenhar com habilidade e espiritualidade as atividades próprias da Igreja. Assim nessa pesquisa foi realizado um estudo para analisar o modelo de gestão da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e os seus novos desafios. Foi utilizado no presente estudo uma abordagem quali-quantitativa de cunho exploratório com aplicação de questionários com os paroquianos e entrevista com o Bispo e o Pároco. Os resultados indicam que os paroquianos participam ativamente das pastorais contribuindo com o dízimo embora haja insatisfação com a transparência na prestação de contas e estrutura física da Paróquia. Palavras-chave: Gestão. Gestão Paroquial. Igreja Católica..

10 21 PEREIRA NETO, Antonio Vicente. THE NEW CHALLENGES IN THE MODEL OF ADMINISTRATION OF OUR PARISH APPEARED LADY f. Monograph (Graduation in Administration) Center Academical of João Pessoa - UNIPÊ. ABSTRACT The Administration is occupying spaces in the religious institutions gradually, besides inside of the Catholic Church. It existed in the past an aversion on the part of the Church concerning the administration, for her to be applied to the companies with lucrative ends, it was that was only this his purpose. When noticing that the administration is the art and the competence of leading what there is of more important to the Church than it is the human capital and soon after managing processes in view of accomplishing her mission, she began to adhere their concepts that are useful for any organization. They are still noticed a lot of restrictions of those that lead the Church in qualifying their followers through courses and trainings, they are these that they are put the disposition of assuming commitment in the pastorals, for this need to leave the amateurism to carry out with ability and spirituality the own activities of the Church. Like this in that research a study was accomplished to analyze the model of administration of Our Parish appeared lady and their new challenges. It was used in the present study a qualitative-quantitative approach of exploratory stamp with application of questionnaires with the parishioners and interview with the Bishop and the Parish priest. The results indicate that the parishioners participate actively of the pastorals contributing with the tithe although there is dissatisfaction with the transparency in the accounts rendered and structure physics of the Parish. Keyword: Administration. Parochial administration. Catholic church.

11 22 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Grau de escolaridade dos fiéis da Paróquia Nossa Senhora Aparecida 48 Gráfico 2: Renda familiar dos fiéis da Paróquia 49 Gráfico 3: Participação dos fiéis nas pastorais 50 Gráfico 4: Dizimistas da Paróquia 51 Gráfico 5: Formação e capacitação dos fiéis para assumirem as pastorais 52 Gráfico 6: Prestação de contas da pastoral do dízimo 53 Gráfico 7: Oferece conforto a estrutura da Paróquia 54 Gráfico 8: Você recebe um bom atendimento dos fiéis 55 Gráfico 9: Atuação do Pároco 56 Gráfico 10: Famílias visitadas pelos Frades 57 Gráfico 11: Os fiéis sentem-se capacitados para evangelizar as famílias 58 Gráfico 12: Formação oferecida pelas pastorais 58 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Paróquia Nossa Senhora da Aparecida 46

12 23 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 12 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS DE GESTÃO FUNÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO Planejamento Organização Direção Controle ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 23 3 HISTÓRIA DA IGREJA A VERDADEIRA HISTÓRIA DE JESUS GESTÃO EM JERUSALÉM PRIMEIRAS COMUNIDADES CRISTÃS FECUNDIDADE CRISTÃ DOS MÁRTIRES PAULO-GRANDE LÍDER DO CRISTIANISMO OFICIALIZAÇÃO DO CRISTIANISMO 32 4 GESTÃO PAROQUIAL GESTÃO DE PESSOAS NA IGREJA PLANEJAR COM PARTICIPAÇÃO GESTÃO DA MUDANÇA 37 5 O MARKETING APLICADO À IGREJA CATÓLICA 40 6 GESTÃO FINANCEIRA DA PARÓQUIA 42 7 METODOLOGIA DA PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO PROBLEMATIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos CAMPO EMPÍRICO UNIVERSO E AMOSTRA INSTRUMENTO DE COLETA E TRATAMENTO DOS DADOS 47 8 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS O PERFIL DO CORPO FUNCIONAL E VOLUNTÁRIO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA O PONTO DE VISTA DOS PAROQUIANOS SOBRE A GESTÃO DA PARÓQUIA AÇÕES E ESTRATÉGIAS DESENVOLVIDAS NA PARÓQUIA PRINCIPAIS DESAFIOS ENFRENTADOS PELA PARÓQUIA 60

13 24 9 CONSIDERAÇÕES FINAIS 62 REFERÊNCIAS 64 APÊNDICE 67

14 12 1 INTRODUÇÃO A competitividade do mercado consumidor cada vez maior faz com que cada instituição ou empresa perceba a importância de uma gestão que se volte não apenas para os lucros da empresa, mas que no contexto da gestão abra espaço para adoção de fatores que nem sempre ocorrem de maneira simples dentro da organização. Segundo Drucker (apud MURAD 2007, p.20) não se administram somente negócios. A primeira aplicação prática da teoria da administração ocorreu em instituições sem fins lucrativos e agências governamentais no início do século XX. Muitos conceitos da ciência Administração foram resultados de pesquisas realizadas junto às instituições religiosas, que serviram de modelo para o desenvolvimento dos estudos da Administração, assim como as instituições militares. Percebe-se nas empresas comerciais a busca constante em profissionalizar os seus colaboradores oferecendo-lhes todos os recursos necessários para atingirem o resultado almejado que é o lucro, em contrapartida existe uma carência enorme em oferecer qualidade de vida aos seus clientes, colaboradores e a si mesma. As empresas com fins lucrativos perceberam que não se admitem mais permanecer com o modelo de produção maquinal, o qual reduz as pessoas a se assemelharem as máquinas, por este motivo indaga-se como unir a espiritualidade que é uma necessidade intrínseca do homem e o que fazer para promover um equilíbrio entre a qualificação profissional e os valores que regem a vida do ser humano. A Igreja nasceu de uma experiência espiritual explícita e visa difundir o evangelho a toda criatura, tem-se o propósito de fazer inflamar a semente da fé que está de forma intrínseca contida na vida do individuo. Para se atingir as respostas que todos esperam obter e conquistar e desta forma conquistar de maneira voluntária os fiéis para os serviços diversos existentes na Igreja, é necessário desempenhar esforços que capacitem os mesmos a se profissionalizarem nas tarefas a eles delegadas (MURAD, 2006). Os primeiros convocados a abraçarem estas transformações são justamente os gestores cristãos que trazem consigo a missão de governar, ensinar e pastorear e que carregam uma bagagem de experiência profunda no tocante à espiritualidade e formação religiosa adquirida durante anos de vida no seminário, porém no que se refere a decisões cruciais exigidas dos mesmos referentes a conhecimentos acadêmicos na área de administração e de tomadas de decisões coesas e bem planejadas, organizadas, dirigidas e controladas, se sentem inseguros por não serem detentores deste saber profissional que contribui no ato de gerir com

15 13 profissionalismo e espiritualidade os recursos humanos e materiais existentes na instituição religiosa. Este desafio requer dos líderes decisão para poder romper com os paradigmas existentes, e sendo assim abrir novos horizontes a descobertas que até então lhes eram desconhecidas. Este ato de busca constante em se adaptar as realidades dos tempos modernos sem ferir os princípios fundamentais que rege a instituição, ajudará aos seus gestores a orientarem com qualificação profissional e espiritual todos os seus funcionários e voluntários que se dispõe a servir a Igreja em suas pastorais e nas atividades que lhes são apresentadas. Para que esta mudança aconteça os líderes cristãos precisam estar motivados para enfrentarem este novo desafio e mediante esta empolgação inicial levarem os seus colaboradores a se motivarem e abraçarem esta causa que é nobre. A formação adentra neste contexto como requisito fundamental para que se possa realizar uma boa prestação de serviço a comunidade, tudo isto é possível à medida que se tomar consciência da missão dentro da instituição que é a de evangelizar. A presente pesquisa procura discutir alguns elementos relacionados ao modelo de gestão abordado pela Paróquia Nossa Senhora Aparecida e os seus principais desafios. A proposta deste estudo é analisar o modelo de gestão da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e os seus novos desafios. Buscou-se, então, apoio conceitual nas teorias da gestão, gestão paroquial e na Igreja Católica. Conhecer e compreender alguns fatores do comportamento dos fiéis da Paróquia Nossa Senhora Aparecida e a forma de gestão do Pároco facilita a descoberta de formas mais efetivas de buscar métodos para atingir com sucesso a missão de evangelizar todas as pessoas. Desse modo, a Paróquia Nossa Senhora Aparecida estará contribuindo para que haja mais capacitação por parte de todos os profissionais e voluntários que se dispõem a serviço da Igreja, não deixando assim de priorizar a espiritualidade que é a grande motivadora no processo da evangelização. O trabalho está distribuído em nove partes, começando pela introdução, a segunda parte trata da evolução da administração, já a terceira parte mostra a história da igreja, na quarta parte falamos sobre gestão paroquial, na quinta parte tratamos do marketing aplicado à igreja católica, e encerramos a fundamentação teórica abordando a gestão financeira da paróquia. Já a sétima parte tratou da metodologia da pesquisa, na oitava parte apresentamos a análise dos dados e por último as considerações finais.

16 14 2 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA São tratados neste capítulo evolução da admistração, funções da administração, conceitos de administração e gestão, administração sem fins lucrativos, história da igreja, gestão paroquial, o marketing aplicado à igreja católica, gestão financeira da paróquia. Esses conteúdos serão estratégicos, servindo para subsidiar as análises e considerações realizadas. 2.1 EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO A história da Administração conta com uma contribuição expressiva da Igreja Católica ao longo do tempo, ela na idade média recebeu do estado romano e ateniense as normas administrativas e os princípios de organização pública que lhes foram concedidos lentamente, pois os propósitos da Igreja diferenciavam-se dos objetivos trilhados pelo estado. A Igreja Católica como organização se estruturou sobre uma hierarquia de autoridade que movida por uma assessoria e uma coordenação funcional fez com que assegurasse sua integração. A administração percebe a simplicidade da organização hierárquica da igreja, haja vista ela ser comandada mundialmente por um líder, o Papa que tem autoridade de governá-la com a assistência dos Bispos que compõem o Colégio Episcopal. A estrutura da organização eclesiástica serviu de modelo para as diversas organizações (CHIAVENATO, 2000). A Revolução Industrial está fundamentada em uma transformação gigantesca no tocante à realidade cultural, em que a sociedade vivia economicamente da agricultura utilizando-se de recursos arcaicos e movidos pelo sistema feudal, por esta razão pairava um preconceito enorme acerca das aplicações das ciências. Neste período as empresas eram domiciliares, não se passava na mente dos que trabalhavam a idéia de divisão de trabalho e a produção que existia era fruto do trabalho manual dos artesãos. O artesão e o homem que vivia na zona rural presenciaram e se submeteram a atender uma mudança que até então lhes eram desconhecidas, surge com a primeira Revolução Industrial os detentores do capital industrial. A primeira Revolução Industrial (1780/1840) foi uma profunda transformação econômica e social. O homem do campo e o antigo artesão, destituídos de qualquer coisa além de sua força de trabalho, passaram a vendê-la ao novo capitalista industrial, além disso, os meios de produção e o próprio resultado dela não mais pertenciam ao antigo trabalhador autônomo e pequeno proprietário.

17 15 Com esta grande explosão que aconteceu nos fins do século XVIII apareceram várias inovações: surgimento de fábricas, manuseios de máquinas, grande quantidade de pessoas trabalhando nas empresas gerando uma redução considerável nos custos de produção, larga escala de produção sendo distribuídas para mercados maiores e mais distante fazendo inflamar disputas por mercados, a rede de transportes foi ampliada possibilitando o estreitamento nas comunicações, a economia deixou de ter uma base artesanal e manufatureira para se firmar na produção industrial e mecanizada. Diante desta evolução há necessidades de um aprofundamento acerca de tudo que está acontecendo. Frederick Taylor, precursor da teoria da Administração Científica, fez crescer os estudos relacionados a técnicas de racionalização do trabalho do operário. Foi a partir de Taylor que começou a utilizar-se da divisão do trabalho. Em 1911 Taylor publicou um estudo elaborado (Principles of scientic management), a partir de sua experiência em fábrica, generalizando-a como um modelo para a prática da Administração. A característica mais marcante do estudo de Taylor é a busca de uma organização científica do trabalho, enfatizando tempos e métodos e por isso é visto como precursor da teoria da Administração Científica. (FERREIRA; REIS; PEREIRA, 1997 p. 15) Conforme Fayol (apud MAXIMIANO 2000, p. 60) a administração é uma atividade comum a todos os empreendimentos humanos (família, negócios, governo), que sempre Taylor por adotar um estudo baseado nos tempos e métodos que fez com que os empregados trabalhassem sobre o impulso de quanto maior for a quantidade de peças produzidas maior será o seu ganho, isto no intuito de motivá-los a produzir e conseqüentemente oferecer maior lucratividade as organizações. Os trabalhadores eram diferenciados pela sua capacidade de produção, onde o que produzisse mais era considerado o melhor fazendo com que os que produzissem menos fossem eliminado do chão de fábrica. Para Kwasnicka (1995, p.28) até este ponto se poderia ter a impressão de que a administração científica foi principalmente planejada como um esquema para obter o máximo esforço do trabalhador, ou um sistema de métodos eficientes de fábricas. Não havia por parte de Taylor nenhuma preocupação com os funcionários referentes a aspectos psicológicos e humanísticos, por este motivo foi gerado problemas humanos que de alguma forma deveria ser eliminado. Dentro deste contexto surge a figura de Henry Laurence Gaantt, discípulo de Taylor que trás consigo uma preocupação com aspectos psicológicos e humanos dentro da produtividade, com isto ele elabora um plano salarial e de incentivos e o outro um gráfico de distribuição de carga de trabalho.

18 16 De acordo com Henry Gantt (apud MAXIMIANO 2000, p.57) que criou o gráfico de Gantt ou cronograma. Gantt era um humanista, preocupado com o bem-estar dos trabalhadores. Ele foi também um dos criadores do treinamento profissionalizante. Henri Fayol inicia as suas atividades nos níveis organizacionais de cúpula administrativa, buscando uma definição das responsabilidades em todos os níveis organizacionais. Ele tornou-se um dos principais contribuintes do conhecimento administrativo moderno. Fayol foi o primeiro a considerar a administração como uma função separada das demais funções existentes nas empresas, com isto cria-se um paradigma que vem a contribuir dentro das organizações no que se refere ao trabalho dos gerentes como distintos das operações técnicas das organizações, gerando assim uma unidade do comando, na responsabilidade e na autoridade. Fayol nos ensina que é possível formar administradores e criar o ensino formal de administração. Segundo Kwasnicka (1995, p.29) Fayol estava principalmente preocupado com a função administrativa da direção, pois sentia que a habilidade administrativa era a mais importante que se requeria da direção da companhia. Como resultado, conclui que há uma necessidade definida e uma possibilidade de ensinar administração. Tendo no comando os gerentes, os colaboradores das empresas sentem a necessidade de saber o que fazer, vendo que existe alguém que tem a responsabilidade de delegar as tarefas a serem exercidas pelos seus comandados. Por sua vez cabe também aos gerentes o compromisso de cuidar dos requisitos referentes tomarem decisões, estabelecer metas, combater a burocracia, regulamentos e papeladas. Conforme Maximiano (2000, p.60) O trabalho do dirigente consiste em tomar decisões, estabelecer metas, definirem diretrizes e atribuir responsabilidades aos integrantes da organização, de modo que as atividades de planejar, organizar, comandar coordenar e controlar estejam numa seqüência lógica. A teoria administrativa nasce dentro de um índice alarmante de desemprego, devido a crise de 29 que conta com três grandes escolas: Relações Humanas, Ciências do Comportamento e Pesquisa Operacional. As Relações Humanas se fez necessária por causa de uma dramática revolução no que produzir e como produzir. A Revolução Industrial foi a grande propulsora no que se refere a tecnologia e também as relações humanas, as pessoas tornaram-se mais dependentes uma das

19 17 outras e difíceis de trabalharem juntas. A especialização trouxe aos empregados desânimo, tédio e a perda de valores no tocante a conscientização do empregado relacionado ao seu devido valor dentro da organização. Uma desvantagem considerável dentro da especialização é a perda da originalidade e da iniciativa por parte dos funcionários. A comunicação ficou também comprometida com a Revolução Industrial por causa do crescimento do tamanho das organizações, fazendo com que a burocratização assumisse um papel relevante impedindo uma interação maior entre os gerentes e os subordinados. Para Kwasnicka (1995, p.33) O homem médio gasta aproximadamente um terço de suas horas diárias no emprego. Se este emprego não é satisfatório, ele pode ficar frustrado e os resultados são dispendiosos tanto para ele mesmo como para o seu empregador. Um empregado infeliz transporta sua infelicidade para sua família e para a comunidade. As empresas continuam na busca constante por uma maior eficiência, rever justamente a necessidade de reconsiderar os anseios referentes aos elementos humanos na organização. Mediante as exigências existentes, teve-se que colocar em prática a humanização dos conceitos administrativos para com isto fazer acontecer uma ação conjunta entre fatores humano e material. Elton Mayo foi um dos pioneiros a perceber a necessidade de falar a respeito da natureza humana, ele foi considerado um dos fundadores da escola de relações humanas da filosofia da administração. Mayo tinha o hábito de ouvir e conversar com os funcionários da empresa, esta atitude servia como um dos fatores estimulantes no aumento da produtividade realizada pelo empregados ( KWASNICKA, 1995). 2.2 CONCEITOS DE ADMINISTRAÇÃO É fascinante abordar um assunto que reúne diferentes perspectivas. Trilhando pelo caminho da administração que se faz presente em todas as organizações com fins lucrativos e sem fins lucrativos. Garimpando o conceito da administração se detecta afirmações diversas que ajuda a compreender o que está por trás do desempenho de todos os tipos de organizações.

20 18 Para Maximiano (2000, p.26) Administração significa, em primeiro lugar, ação. A administração é um processo de tomar decisões e realizar ações que compreende quatro processos principais interligados: planejamento, organização, execução e controle. Dentre tantos recursos existentes no panorama das organizações, existe aquele que assume um requisito de extrema relevância para a área de administração, me refiro ao patrimônio humano, que inserido nas organizações ao longo da história faz com que as metas sejam alcançadas por intermédio das estratégias elaboradas pelos gestores e a ação operacional daqueles que colabora com a construção das idéias. Conforme Drucker (apud MURAD, 2007, p.6) a Administração é simplesmente o processo de tomada de decisão e o controle sobre as ações dos indivíduos para o expresso propósito de alcance de metas predeterminadas. Para George Terry (apud SILVA 2005, p.6) administração é um processo distinto, que consiste no planejamento, organização, atuação e controle para determinar e alcançar os objetivos da organização pelo uso de pessoas e recursos. A administração é também conceituada como aquela que lida com a forma correta de utilizar os recursos existentes nas organizações. O uso de todos os recursos existentes, tanto materiais como humanos sendo aplicados dentro do conceito do PODC (planejar, organizar, dirigir e controlar) faz com que a empresa atinja os seus objetivos. De acordo com Chiavenato (1999, p.6) A administração constitui a maneira de utilizar os diversos recursos organizacionais humanos, materiais, financeiros, de informação e tecnologia para alcançar objetivos e atingir elevado desempenho. Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos de maneira eficiente e eficaz. 2.3 CONCEITOS DE GESTÃO As empresas modernas descobriram que os talentos humanos logo após a sua marca e imagem representam sua principal riqueza. A gestão contribui para a realização de um bom desempenho daqueles que compõem a organização, isto por intermédio de líderes que movidos pelas suas capacidades profissionais conduz os liderados a por em prática a missão da organização.

21 19 Segundo Murad (2007, p 71), gestão é a habilidade e a arte de liderar pessoas e coordenar processos, a fim de realizar a missão de qualquer organização. O termo gestão é a tradução atualizada da palavra inglesa management. No Brasil, durante muito tempo utilizou-se a palavra administração no lugar de gestão, por esta razão criou-se uma desvantagem por aludir ao patrimônio físico e monetário. Afinal, qual é a diferença entre administração e gestão? Ambas as palavras tem origem latina, gerere e administrare. Gerere significa conduzir, dirigir ou governar. Administrare tem aplicação específica no sentido de gerir um bem, defendendo os interesses dos que o possuem (FERREIRA; REIS, PEREIRA;1997 p 6). 2.4 FUNÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO A administração está fundamentada em quatro pilares, que tem como finalidade subsidiar o administrador no processo de tomada de decisão. Estas funções básicas do administrador são: o planejamento, a organização, a direção e o controle Planejamento Qualquer organização que tenha fins econômicos ou mesmo aquelas que não tem fins lucrativos, é primordial conhecer e aplicar o conceito referente ao ato de planejar o que fazer e como fazer para atingir o que deseja a organização. De acordo com Kwasnicka (1995, p. 168), planejamento é tanto uma necessidade organizacional como uma responsabilidade administrativa. O planejamento é considerado a função principal em todas as atividades realizadas. Há necessidade de elaborarmos um planejamento para poder melhor desempenhar as tarefas que nos são apresentadas, haja vista as frustrações que muitos passam por não traçarem os objetivos e quais as estratégias para obter bons resultados. Segundo Chiavenato (2000, p 195) as organizações não trabalham na base da improvisação. Quase tudo nelas é planejado antecipadamente. O planejamento figura como a primeira função administrativa, por ser aquela que serve de base para as demais funções. Já para Kwasnicka (1995, p.168) o planejamento ocorre em todos os tipos de atividades. É o processo básico pelo qual se decide quais são os objetivos e como iremos atingi-los.

22 20 Um outro requisito de extrema relevância no tocante ao planejamento é definir um conjunto de objetivos, sendo assim o planejamento não correrá riscos de sofrer fracassos ao longo do processo. A administração necessita basicamente destes objetivos bem definidos, pois são subsídios que oferecem estrutura para a organização. Estas explanações são vitais em todas as organizações que desejam se manter firmes no caminho que estão trilhando e almejando chegar. Segundo Kwasnicka (1995, p.176) qualquer empresa com alguma chance de ter sucesso deve conhecer quais as áreas de maior possibilidade de obter esse sucesso. Estabelecer os objetivos tornou-se o ponto de partida do planejamento, fixar os objetivos oferece a condição de se saber onde deseja chegar e poder assim saber como chegar até o lugar almejado, para isto é apresentado uma hierarquia de objetivos que colaborará no planejamento da organização. Para Chiavenato (2000, p. 196) os objetivos das organizações podem ser visualizados em uma hierarquia que vai desde os objetivos globais da organização (no topo da hierarquia) até os objetivos operativos ou operacionais que envolvem simples instruções para a rotina cotidiana (na base da hierarquia). Além dos objetivos que a organização necessita definir para alcançar êxito nas suas tomadas de decisões, é de fundamental relevância aplicar três níveis distintos de planejamento, são eles: o estratégico, tático e o operacional. O planejamento estratégico é o planejamento que tem uma amplitude maior e consequentemente abrange toda a organização. Ele é projetado a longo prazo, com isto os seus efeitos são detectados anos depois. O estratégico envolve toda o organização e quem toma as decisões é a cúpula. O planejamento estático abrange a esfera departamental, ele é programado para ser executado num médio prazo. Os departamentos são os favorecidos com este tipo de planejamento. Já o planejamento funcional busca atender cada atividade de uma maneira específica e em curto prazo no intuito de solucioná-los com rapidez. Conforme Chiavenato (2000, p.198) além da hierarquia de objetivos, existe também uma hierarquia do planejamento. Neste sentido, existem três níveis distintos de planejamento: o planejamento estratégico, o tático e o operacional. O planejamento estratégico é mais amplo e abrange toda organização, tendo por características ser um projeto em longo prazo, toda a empresa é envolvida desde seus recursos e atividades, tendo como objetivo atingir o nível organizacional, estes procedimentos é executado pela cúpula da organização assumindo assim o plano de maior relevância onde todos os demais lhes são subordinado.

O ministério na Igreja

O ministério na Igreja Igreja Nova Apostólica Internacional O ministério na Igreja Desde os seus primórdios que a Igreja Nova Apostólica se define como uma Igreja do ministério. O artigo que se segue contém informações acerca

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA TRILHO PEDRA VIVA ROTEIRO PARA PLANTAÇÃO DE VIDAS Um provérbio chinês nos lembra : se sua visão é para um ano, plante trigo; se sua visão é para uma década, plante árvores; se sua visão é para toda a vida,

Leia mais

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO

JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO JESUS CRISTO PADECEU SOB PÔNCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO 25-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Como se deu a entrada messiânica em Jerusalém? No tempo estabelecido,

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio Aulas sobre o Espírito Santo e você. EBD ADU 2011 Prefácio 1. Quem é o Espírito Santo? 2. Os símbolos do Espírito Santo 3. O Espírito Santo e as Escrituras 4. Da criação até o nascimento de Jesus 5. Do

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes 17º DOMINGO DO TEMPO COMUM 26 de julho de 2015 Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes Leituras: Segundo Livro dos Reis 4, 42-44; Salmo 144 (145),

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Ev. Jacson Austragésilo 10/05/2015

Ev. Jacson Austragésilo 10/05/2015 1 2 3 4 OBJETIVO GERAL Mostrar a importância das mulheres no ministério do Senhor Jesus Cristo e na expansão do Reino de Deus. 5 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Analisar a participação das mulheres no judaísmo e

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo 10.14 O batismo do Espírito Santo #61 Estudamos o novo nascimento e vimos como o Espírito Santo realiza essa obra juntamente com a Palavra de Deus. Tínhamos que entender o novo nascimento e como alguém

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim 5º DOMINGO DA PÁSCOA 18 de maio de 2014 Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim Leituras: Atos 6, 1-7; Salmo 32 (33), 1-2,4-5.18-19; Primeira Carta de Pedro 2, 4-9; João

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Perfil da Igreja que possui maturidade

Perfil da Igreja que possui maturidade Perfil da Igreja que possui maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Atos 2.7-45 7 - E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote

ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009. Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO NA ABERTURA DO ANO SACERDOTAL 19 de junho de 2009 Fidelidade de Cristo, fidelidade do Sacerdote 1 - MOTIVAÇÃO INICIAL: Dir.: Em comunhão

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP Caderno de Estudo: Avaliação 7º Plano de Pastoral Orgânica (20102010-2013) 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP A p r e s e n t a ç ã o Eu vim, ó Deus, para fazer a Vossa

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS Movendo Pessoas da Congregação para os Comprometidos para que não mais sejamos como meninos Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.

Leia mais

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ 2015 MDA REDE JOVEM Tornar-se um cristão espiritualmente maduro é a ação de maior valor que podemos fazer por nós mesmos. LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ Jesus foi maior evangelista que o mundo já viu.

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor!

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! 16º DOMINGO DO TEMPO COMUM - 19 de julho de 2015 Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! Leituras: Jeremias 23, 1-6; Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R/1.6a); Efésios 2, 13-18;

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

O cristianismo que vivemos

O cristianismo que vivemos O cristianismo que vivemos TEXTO BÍBLICO BÁSICO Lucas 12.16-21,0-2 16 - E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 - E arrazoava ele entre si, dizendo:

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Acampamentos Católicos

Acampamentos Católicos Acampamentos Católicos O Acampamento Católico é uma nova forma de evangelizar. Utiliza uma metodologia de evangelização nascida na EVANGELIZAÇÃO 2000 (movimento católico da década de 80), como parte de

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

O Antigo Testamento Deus mostra-se no Antigo Testamento como Aquele que criou o mundo por amor e permanece fiel ao ser humano, mesmo que este, pelo

O Antigo Testamento Deus mostra-se no Antigo Testamento como Aquele que criou o mundo por amor e permanece fiel ao ser humano, mesmo que este, pelo A missão na Bíblia A Bíblia No Antigo Testamento, a Missão é o convite para que o povo se purifique da idolatria e da magia e caminhe junto de Deus. No Novo Testamento, a Missão é envio aos confins do

Leia mais

O Evangelho de Lucas Bruno Glaab. O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos:

O Evangelho de Lucas Bruno Glaab. O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos: 1 O Evangelho de Lucas Bruno Glaab 0 - Introdução O evangelho de Lc vem da memória popular das comunidades e se divide em 4 blocos: 1) Ministério de Jesus em Jerusalém, paixão, morte e ressurreição (19,29-24,57).

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS 2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS Sergio Bensur 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo Os Evangelhos Sinóticos não apresentam uma visão unitária da missão. Embora tendo um pano de fundo comum cada um deles tem seu próprio

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

Igreja Batista Renovada de Boituva www.igrejabatista.boituvasp.com.br

Igreja Batista Renovada de Boituva www.igrejabatista.boituvasp.com.br 34 Lição 5 A Quem deve ser batizado? Antes de subir ao céu, o Senhor Jesus Cristo ordenou aos seus discípulos: E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem crê e for batizado

Leia mais

Roteiro 3 João Batista, o precursor

Roteiro 3 João Batista, o precursor FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro 1 Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo Roteiro 3 João Batista, o precursor Objetivo Identificar a missão de João

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO anuncie a Boa Nova não só com palavras, mas, sobretudo, com uma vida transfigurada pela presença de Deus (EG 259). O tema da nova evangelização aparece com freqüência

Leia mais

Dons Espirituais. A maior causa de nossa fraqueza espiritual como um povo é a falta de fé real nos dons espirituais. (Review and Herald 14/08/1868).

Dons Espirituais. A maior causa de nossa fraqueza espiritual como um povo é a falta de fé real nos dons espirituais. (Review and Herald 14/08/1868). Dons Espirituais Por que é importante conhecer o tema? Somos admoestados a conhecê-los. (I Corintios 12:1). Somos motivados a usá-los. (I Timóteo 4:10). Somos responsáveis pelo uso. (I Pedro 4:10). A maior

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

Pentecostes (03/06/2007)

Pentecostes (03/06/2007) Pentecostes (03/06/2007) Pentecostes é uma festa judaica comemorativa ao aniversário da Aliança de Deus com o povo, que acontece anualmente, 50 dias após a Páscoa (cf Ex 19,1-16). Festa agrária, na qual

Leia mais

Permanecei em mim e eu permanecerei em vós!

Permanecei em mim e eu permanecerei em vós! CELEBRAÇÃO DO 5º DOMINGO DA PÁSCOA 03 de maio de 2015 Permanecei em mim e eu permanecerei em vós! Leituras: Atos 9, 26-31; Salmo 22; Primeira Carta de João 3, 18-24; João 15, 1-8. COR LITÚRGICA: BRANCA

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

Nasce uma nova Igreja

Nasce uma nova Igreja Nasce uma nova Igreja O Livro dos Atos dos Apóstolos é a segunda parte do Evangelho de São Lucas. No Evangelho, Lucas apresenta a vida e a atividade terrena de Jesus como a grande viagem que vai da Galiléia

Leia mais

EVANGELHOS DE MATEUS E MARCOS

EVANGELHOS DE MATEUS E MARCOS Lição 3 EVANGELHOS DE MATEUS E MARCOS 1. Mateus O Evangelho de Mateus recebe o nome do seu autor, que significa presente do Senhor. Mateus foi um judeu, coletor de impostos para o governo romano, ou seja,

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública.

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. No BATISMO DE JESUS, no Rio Jordão, revela-se o Filho amado de Deus,

Leia mais

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus S/PARTIDO em 09/08/2005 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Antes de me reportar aos senhores quero lembrar que a Igreja Universal

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

A Experiência do Novo Nascimento

A Experiência do Novo Nascimento Pr. Patrick Robert Briney Mission Boulevard Baptist Church A Experiência do Novo Nascimento A Série das Verdades do Evangelho (caderno 6) The Born Again Experience Tradução Pr. Anastácio Pereira de Sousa

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ O BATISMO DO SENHOR JESUS CRISTO E O COMEÇO DE SEU MINIST ÉRIO Volume 03 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 5) VAMOS BRINCAR DE FORCA? Marque com um x na letra

Leia mais

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar?

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? O livre arbítrio tem sido definido como a capacidade que o homem tem de escolher entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, e é óbvio, a de

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966.

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Azusa Revista de Estudos Pentecostais 1 STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Josias Novak 1 1 A promessa do Espírito Em sua exposição Stott afirma que a

Leia mais

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE Espiritualidade Apostólica Marista Ir. José Milson de Mélo Souza Ano de Deus Pai LADAINHA DE SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT (Ir. José Milson) V. Senhor, tende piedade de nós.

Leia mais

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL MINISTÉRIO DE FORMAÇÃO Processo de Iniciação na RCC Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL Conceito Por Iniciação Cristã se entende o processo pelo qual alguém é incorporado ao mistério de

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

Ungidos Para Servir. Continua sendo um déficit entre o povo de Deus, o discernimento de seus ministérios e o entendimento do propósito da unção.

Ungidos Para Servir. Continua sendo um déficit entre o povo de Deus, o discernimento de seus ministérios e o entendimento do propósito da unção. Ungidos Para Servir Apesar dos esforços teológicos, a história cristã avançou dois mil anos e não conseguiu, em sua trajetória, evitar a má interpretação sobre o chamado ministerial dos santos e sobre

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais