- Meningite Pneumocócica-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Meningite Pneumocócica-"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERÊNCIA DE DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS E DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA Informe Técnico TEMAS SELECIONADOS AGOSTO/2012 N 0. 02/ Meningite Pneumocócica- Denomina-se meningite a qualquer inflamação das meninges, que são membranas que envolvem o cérebro. Esta inflamação pode ser devida a diversos agentes, sendo mais freqüentemente devida às causas infecciosas como bactérias, vírus e fungos. As meningites bacterianas predominam, em termos de incidência e seqüelas, sobre todos os processos infecciosos envolvendo o Sistema Nervoso Central. O Streptococcus pneumoniae (pneumococo) é o agente mais comum de meningite bacteriana em adultos, exceto durante epidemias de infecção meningocócica. A patogênese pode ser por extensão direta a partir dos seios da face ou ouvido médio ou por disseminação hematogênica. É o agente mais comum de meningite bacteriana recorrente associada a traumatismo craniano com fístula liquórica. No Estado do Rio de Janeiro este agente tem sido a causa de cerca de 10% dos casos de todas as meningites registradas nas últimas décadas. Gráfico1: Casos de meningite por etiologia no Estado do Rio de Janeiro 2006 a D.M. Tub. Pneum. HiB Viral Outras Etiol. Não Esp.Bact. Não Esp. Total Não Esp * 2010* 2011* 2012* Fonte: SES/RJ/SVS/SVEA/GDITR-Meningite *dados sujeitos a revisão até 01/07/ Que tipos de PNEUMOCOCOS existem? O S.pneumoniae tem quase uma centena de sorotipos imunologicamente distintos de importância epidemiológica mundial na distribuição das doenças pneumocócicas invasivas e não-invasivas. Estes sorotipos definem a composição das vacinas existentes nos diversos países onde ela é utilizada. 19/9/2012Página 1 de 8

2 2- Outras doenças podem ser causadas pelo PNEUMOCOCO? Sim. A maior parte das pneumonias adquiridas na comunidade são causadas pelo S.pneumoniae. O pneumococo causa infecções do ouvido médio, dos seios paranasais, da traquéia, dos brônquios e dos pulmões por disseminação direta a partir de locais nasofaríngeos de colonização. Infecções do SNC, das válvulas cardíacas, dos ossos, das articulações e da cavidade peritoneal costumam originar-se da disseminação hematogênica. 3- As infecções pelo PNEUMOCOCO são graves? As infecções pneumocócicas graves são mais amiúde observadas em pacientes com distúrbios predisponentes como asplenia, mieloma múltiplo, hipogamaglobulinemia, alcoolismo, cirrose e outros comprometimentos do estado imunitário. A taxa de letalidade por meningite pneumocócica é elevada. No Estado do Rio de Janeiro, tem se situado acima dos 35%. Gráfico1: Letalidade da meningite pneumocócica no Estado do Rio de Janeiro 1986 a Fonte: SES/RJ/SVS/SVEA/GDITR-Meningite *dados sujeitos a revisão até 31/07/ * 2010* 2012* ÓBITOS LETALIDADE % Esta doença pode ser fulminante e se apresentar com bacteremia, mas não necessariamente com outros focos, ainda que freqüentemente esteja associada a focos distantes como pneumonia, otite média, mastoidite, sinusite ou endocardite. Comumente se manifesta de modo repentino com febre alta, letargia ou coma, e sinais de irritação meníngea. Freqüentemente os casos de meningite deixam seqüelas. 4- Quais as seqüelas mais comumente observadas? As seqüelas tardias incluem surdez, hidrocefalia, retardo psicomotor, déficit intelectual, cegueira, hemiplegia, etc. 5- Como ocorre a transmissão? O pneumococo coloniza a nasofaringe e é isolado de 5 a 10% dos adultos saudáveis e de 20 a 40% das crianças saudáveis. Uma vez que tenham colonizado um adulto, os microorganismos tendem a persistir por 2 a 6 meses. Os pneumococos são transmitidos de um indivíduo para outro como resultado de contato íntimo significativo: por gotículas, por contato oral direto ou, de maneira indireta, por objetos recém-contaminados com secreções das vias respiratórias. A transmissão do microorganismo de uma pessoa a outra é comum, mas é pouco freqüente a doença entre os contatos casuais e as pessoas que atendem ao doente. 19/9/2012Página 2 de 8

3 6- Quem são os susceptíveis? A susceptibilidade à infecção sintomática por pneumococo aumenta por qualquer processo que afete a integridade anatômica ou fisiológica de um indivíduo, como certas doenças (ver indicação das vacinas, a seguir). 7- Como prevenir a infecção por PNEUMOCOCO? Atualmente, no Calendário Básico de Vacinação, está incluída a Vacina pneumocócica 10 valente contém antígenos dos pneumococos dos seguintes sorotipos: 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19Fe 23F. Para crianças maiores de 2 anos e adultos, basicamente imunocompetentes, com doença pulmonar ou cardiovascular crônica grave, insuficiência renal crônica, síndrome nefrótica, diabetes melito, cirrose hepática, fístula liquórica, asplenia congênita ou adquirida, hemoglobinopatias, imunodeficiência congênita ou adquirida, crianças HIV positivo assintomáticas e com SIDA, indica-se a vacina pneumocócica 23 valente contém antígenos dos pneumococos dos seguintes sorotipos:.1,2,3,4,5,6b,7f,8,9n, 9V, 10A, 11A, 12F, 14, 15B, 17F, 18C, 19A, 19F, 20, 22F, 23F e 33F. 8- Que impacto pode ser observado com a implantação da vacina antipneumocócica no Calendário Básico de Vacinação? Considerando-se que está sendo utilizada a vacina pneumocócica 10 valente, que contém antígenos dos pneumococos dos sorotipos: 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19Fe 23F, e que estes sorotipos sejam os mais prevalentes como agentes das infecções invasivas graves por pneumococos em nosso meio, seria esperada a observação de grande decréscimo no número de casos de meningite pneumocócica, de modo similar ao observado com a introdução da vacina contra o hemófilo b no final da década de 90. Uma vez que a introdução da vacinação contra o pneumococo nos menores de 2 anos ocorreu em outubro de 2010 no Estado do Rio de Janeiro, esperaria-se encontrar uma grande diminuição do número de casos de meningite pneumocócica nos indivíduos que atualmente tenham menos de 4 anos de idade, na dependência, também de haver sido alcançadas e mantidas altas coberturas vacinais. Tabela1:CASOS E ÓBITOS DE MENINGITE PNEUMOCÓCICA POR FAIXA ETÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - PERÍODO IDADE * 2011* 2012* Casos Óbitos Casos Óbitos Casos Óbitos Casos Óbitos Casos Óbitos < 1 ano ano a 4 anos a 9 anos a 14 anos a 49 anos > 50 anos IGN TOTAL Fonte: SES-RJ/SVS/SVEA/GDITR-Meningite * dados até 31/07/2012 Embora possamos observar uma ligeira diminuição no número de casos de meningite pneumocócica do ano passado para o corrente ano, esta diminuição não é mais acentuada nas faixas etárias onde se espera encontrar o maior contingente de vacinados, isto é, crianças entre 1 ano completo e 4 anos incompletos. Além da cobertura vacinal, outros fatores podem explicar esta manutenção do número de casos de meningite pneumocócica, como mudanças no cenário de sorotipos prevalentes, melhoria no diagnóstico laboratorial das meningites etc. A cobertura vacinal no Estado do Rio de Janeiro desde a implantação da vacina antipneumocócica 10- valente pode ser observada nos gráficos 2 e 3. 19/9/2012Página 3 de 8

4 Gráfico3-Cobertura vacinal em menores de 1 ano desde Janeiro de Fonte:SES/RJ/SVS/SVEA/GDITR- vacinas Gráfico4 - Doses aplicadas de Pneumo 10 valente em crianças de 1 ano de idade. Fonte:SES/RJ/SVS/SVEA/GDITR- vacinas Uma informação ainda muito relevante e que tradicionalmente quase nunca está presente nas fichas de investigação dos casos de meningite, é o estado vacinal dos pacientes, notadamente os menores de 5 anos, população alvo dos programas de vacinação. Sem esta informação, não há como estimar a eficácia da vacina antipneumocócica utilizada. 9- Se a bacterioscopia demonstrar um COCO ou DIPLOCOCO Gram-POSITIVO (C ou DGP), devo considerar a infecção como sendo por PNEUMOCOCO? Não. Muitas outras bactérias possuem coloração e morfologia semelhantes ao pneumococo. Por exemplo: outros estreptococos, estafilococos, enterococos têm aspecto semelhante à microscopia ótica, sendo comum a infecção por estes agentes em todas as faixas etárias. Por este motivo, são consideradas meningites pneumocócicas, apenas aqueles casos em que se identificou, por cultura, látex ou outro meio de diagnóstico, o S. pneumoniae. Cultura de líquor deve ser realizada para todos os casos suspeitos de meningite. 10- De que meios se dispõe para realizar o diagnóstico etiológico? A coloração pelo Gram de um fluido infectado pode sugerir o microorganismo. Para a confirmação do agente, é necessário o seu isolamento em meios apropriados de cultura. A aglutinação de partículas em látex para detecção de antígenos capsulares do pneumococo no líquor ou sangue pode ser útil quando foram iniciados antibióticos antes que as culturas fossem obtidas. É importante que se busque identificar o agente etiológico causador da doença em todos os casos de meningites. 19/9/2012Página 4 de 8

5 Dentro do possível, todos os pneumococos causadores de doença invasiva devem ser tipados. Líquor, sangue e, eventualmente, secreções de outros sítios acometidos, devem ser cultivados em meios de agar-chocolate enriquecido com co-fatores X e V. Hemocultura deve ser realizada para todos os casos suspeitos de meningite. Também é possível realizar a reação em cadeia da polimerase (PCR) em amostras de líquor e sangue em busca da identificação desta bactéria. Cabe ao Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (LACEN-RJ) a coordenação de toda a rede estadual de laboratórios de saúde pública dentro do estado, voltados para o diagnóstico das meningites e outras doenças transmissíveis. Exames mais complexos como identificação das culturas positivas de sangue e líquor, testes de sensibilidade, PCR etc. são de responsabilidade do LACEN. 11- Porque é importante o isolamento das bactérias nos meios de cultura apropriados? a) É imprescindível para a detecção e acompanhamento da incidência e prevalência dos diversos agentes bacterianos, incluindo seus diferentes grupos e tipos, permitindo a identificação precoce de mudança nos seus padrões de incidência. b) Do ponto de vista clínico, a identificação do agente permite avaliar o grau de susceptibilidade e resistência das diversas bactérias aos antimicrobianos prescritos. 12- Os pneumococos isolados de casos de meningite no Estado do Rio de Janeiro são resistentes aos antibióticos mais comumente utilizados? São necessários estudos mais aprofundados para o estabelecimento do grau de sensibilidade ou resistência destes pneumococos in vivo. No entanto, teste in vitro têm sido realizados. Ainda que haja um pequeno número de amostras testadas, o resultado destes testes nas cepas de pneumococos isolados nos últimos anos no Estado do Rio de Janeiro, indica que os pneumococos isolados apresentam-se, em sua maioria, sensíveis aos antibióticos mais frequentemente utilizados. 13- É realmente necessária a identificação do tipo de PNEUMOCOCO? Sim, pois as vacinas disponíveis contra o pneumococo são imunogênicas e altamente efetivas mas são específicas para alguns tipos de pneumococos. Por este motivo, somente o conhecimento da incidência dos diferentes tipos de pneumococos pode certificar a indicação dos preparados mais adequados nos diferentes cenários epidemiológicos, bem como indicar se novas preparações se fazem necessárias. Além disto, os testes de sensibilidade e resistência aos antibióticos in vitro necessitam da bactéria viva, o que somente ocorre a partir de culturas positivas. Por isto, é importante a realização de cultura de líquor e de sangue para todos os casos suspeitos de meningite. 14- Quais os sorotipos de pneumococos circulantes em nosso meio? O último levantamento de sorotipos prevalentes no Estado do Rio de Janeiro sobre casos notificados de meningite foi realizado entre 2007 e A sorotipagem dos pneumococos é realizada no Laboratório Adolfo Lutz, da Secretaria da Saúde de São Paulo, Laboratório de Referência Nacional para o Diagnóstico das Meningites. 19/9/2012Página 5 de 8

6 Tabela 2 Sorotipos de Pneumococos isolados a partir de casos de meningite Estado do Rio de Janeiro 2007/2009* SOROTIPO Nº % F F 3 6 6B A C F F 2 4 6A 2 4 9V A C A B 1 2 7F 1 2 TOTAL Fonte: SES-RJ/SVS/SVEA/GDITR-Meningite *Dados até 31/ 07/ sujeitos a revisão 15- Estes sorotipos estão contidos nas vacinas antipneumocócicas utilizadas no Brasil? Nem todos. Dos identificados acima, 9 sorotipos (14, 4, 19F, 6B, 18C, 23F, 9V, 1 e 7F) estão contidos na vacina 10 valente. Estes sorogrupos, reunidos foram responsáveis por 32 (64%) dos casos de meningite pneumocócica sorotipados. 16- Se em meu município/hospital não houver meios para o isolamento, o que devo fazer? Sempre que não for possível proceder a semeadura, deve-se encaminhar o líquor (ou outra secreção, quando for o caso de doença em outra localização), ao laboratório do Instituto Estadual de Infectologia São Sebastião (IEISS), que é o Centro Estadual de Referência para o Diagnóstico das Meningites e recebe amostras 24 horas por dia, todos os dias. Telefone: (21) R: Nota: a unidade do IEISS que funcionava no IASERJ está sendo desativada e totalmente transferida para o HFSE. Endereço do HFSE De 07:00h às 19:00h - Rua Souza e Silva, em frente a Escola Municipal Darcy Vargas De 19:00h às 07:00h - Rua Sacadura Cabral 178, Saude RJ CEP Se o espécime clínico for semeado em outro hospital, o meio semeado deve ser incubado por 24/48 horas, a 35-37ºC, em 5-10% de CO 2 e saturação de umidade. Quando houver crescimento bacteriano, a placa de cultura deve ser imediatamente enviada até o IEISS ou ao LACEN-RJ. Se não for possível seu envio imediato, deve-se proceder ao repique a cada 48 horas até o seu envio ao laboratório de referência (vide PROCEDIMENTOS PARA O ENCAMINHAMENTO DO MATERIAL BIOLÓGICO PARA O DIAGNÓSTICO DAS MENINGITES para maiores esclarecimentos). O endereço do LACEN-RJ é Rua do Resende 118, Bairro de Fátima, RJ/RJ. Tels: , Recebe amostras até às 17 horas, de segunda a sexta-feira. 19/9/2012Página 6 de 8

7 17- Qual a tendência de ocorrência das meningites por pneumococos no Estado do Rio de Janeiro? A tendência é de que a taxa de detecção de meningite pneumocócica permaneça em torno dos dez por cento de todos os casos de meningite registrados em indivíduos que não foram imunizados. No entanto, uma melhor qualidade no diagnóstico laboratorial das meningites, isto é, um aumento do número de culturas de líquor e hemoculturas realizadas poderá, eventualmente, apontar para um aumento da detecção desta etiologia. Tabela 3 Nº. de Casos e Óbitos de Meningite por Pneumococo por ano Estado do Rio de Janeiro 1986/2012* ANOS CASOS ÓBITOS LETALIDADE% * * * * Fonte: SES-RJ / SVS/SVEA/GDITR *Dados até 31/ 07/ 2012 sujeitos a revisão 19/9/2012Página 7 de 8

8 Referências Bibliográficas 1.BENENSON, A. S. Manual para el control de las enfermedades transmisibles, 16ª ed., OPAS, Washington, DC, AMERICAM ACADEMY OF PEDIATRICS. Red Book 2000, vol.2, 1ª ed, Editora de Publicações Científicas Ltda, Rio de Janeiro, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de Vigilância Epidemiológica, Caderno 12, 7ª ed, Fundação Nacional de Saúde, Brasília, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Doenças Infecciosas e Parasitárias, 2ª ed, Fundação Nacional de Saúde, Brasília, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Normas de Vacinação, 3ª ed, Fundação Nacional de Saúde, Brasília, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Brasil Capítulo 15. Brasília, Disponível em 7.SCHECHTER, M. MARANGONI, D.V. Doenças Infecciosas Conduta Diagnóstica e Terapêutica, 2ª ed, Guanabara- Koogam, Rio de Janeiro, HARRISON, Medicina Interna, 17 a.ed., Artmed, Rio de Janeiro, /9/2012Página 8 de 8

Meningite: O que você PRECISA SABER

Meningite: O que você PRECISA SABER SUBS ECRE TARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E IMONUPREVENÍVEIS GERÊNCIA DE

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

INFORME EPIDEMIOLÓGICO 002/2017

INFORME EPIDEMIOLÓGICO 002/2017 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COOERDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORME EPIDEMIOLÓGICO 2/217 Gerência

Leia mais

Calendário. ideal para Adolecentes

Calendário. ideal para Adolecentes Calendário SBP - So c i e d a d e Br a s i l e i r a d e Pediatria ideal para Adolecentes D e p a r t a m e n t o d e In f e c t o l o g i a d a SBP Calendário de Vacinação para Crianças - 2008 Idade Vacina

Leia mais

Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 2014.

Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 2014. Análise dos casos de meningites em residentes do município do Rio de Janeiro, 14. Foram notificados 928 casos suspeitos de meningite em residentes do município do Rio de Janeiro (MRJ) em 14 (início dos

Leia mais

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008

SBP - Calendário ideal para a Criança SBP lança Calendário de Vacinação 2008 SBP - Calendário ideal para a Criança 2008 SBP lança Calendário de Vacinação 2008 Nota s: 1. A vacina contra hepatite B deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. A segunda dose pode ser feita com

Leia mais

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki)

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia A pneumonia é uma inflamação do pulmão. Comumente ocorre em todas as faixas etárias. É a principal causa de morte entre idosos e pessoas

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011 Bepa 0;8(8):9- Informe técnico 0 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 0 Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo,

Leia mais

O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina

O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina Dr. Raul E. Istúriz: Olá. Eu sou o Dr. Raul Istúriz, do Centro Médico de Caracas, na Venezuela. Bem-vindos a esta discussão sobre o problema da doença

Leia mais

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Prefeito Municipal Marcio Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto

Leia mais

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013.

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO-GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SCS, Quadra 04, Edifício Principal, 4º andar CEP:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS NORMATIZAÇÃO CONJUNTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP) E ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES (SBIm) PARA USO PRÁTICO A vacina pneumocócica

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * ETAPA de MITIGAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde da área do hospital ou pelo Delegado de Saúde de residência do doente em colaboração

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

Implementação da vigilância de PB y MB na Região das Américas

Implementação da vigilância de PB y MB na Região das Américas .. Implementação da vigilância de PB y MB na Região das Américas Simpósio Internacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 20 e 21 de Setembro de 2007 Lúcia Helena de Oliveira Maria Tereza da

Leia mais

Pneumonia Comunitária no Adulto Atualização Terapêutica

Pneumonia Comunitária no Adulto Atualização Terapêutica Pneumonia Comunitária no Adulto Carlos Alberto de Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio Membro Titular da Academia Nacional de Medicina Chefe do Serviço de Pneumologia,

Leia mais

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) Solução injetável Cada dose imunizante de 0,5 ml da vacina contém polissacarídeos capsulares altamente purificados de Streptococcus pneumoniae, sendo 25

Leia mais

Carla A. S Domingues. Coordenadora Geral do Programa Nacional de Imunizações

Carla A. S Domingues. Coordenadora Geral do Programa Nacional de Imunizações Carla A. S Domingues Coordenadora Geral do Programa Nacional de Imunizações 25 de julho de 2015 Efetividade da PCV10 nas doenças invasivas Impacto da vacinação nas pneumonia em crianças Impacto na mortalidade

Leia mais

Vigilância sentinela das PB e MB em menores de 5 anos

Vigilância sentinela das PB e MB em menores de 5 anos .. Vigilância sentinela das PB e MB em menores de 5 anos Simpósio Internacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 2 e 21 de Setembro de 27 Lúcia Helena de Oliveira Maria Tereza da Costa Unidade

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO 1 Público Alvo: Médicos do Corpo Clínico e Enfermagem. Objetivo: Padronizar diagnóstico e tratamento de meningites bacterianas. Referência: 1)Practice Guidelines for the Managementof Bacterial Meningitis,

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Infecções Respiratórias Bacterianas Pesquisa de antígenos urinários Caio Mendes Consultor Médico em Microbiologia i Clínica Grupo de Consultoria em

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 5 - OMS Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde designado pelo Delegado de Saúde Regional da área do Hospital de Referência

Leia mais

Vigilância sindrômica: Síndromes febris ictero-hemorrágicas Síndromes respiratórias

Vigilância sindrômica: Síndromes febris ictero-hemorrágicas Síndromes respiratórias Vigilância sindrômica: Síndromes febris ictero-hemorrágicas Síndromes respiratórias Estratégias de Vigilância Perfil clínico-epidemiológico e vigilância Várias doenças com apresentações sindrômicas semelhantes

Leia mais

Vigilância sindrômica - II

Vigilância sindrômica - II Vigilância sindrômica - II Vigilância Sindrômica Síndrome Febril indeterminada com manifestações íctero-hemorrágicas (aguda ou crônica) Síndrome Respiratória aguda Síndrome Neurológica Febril Síndrome

Leia mais

SIREVA no Brasil: funcionamento apresentação de dados

SIREVA no Brasil: funcionamento apresentação de dados SIREVA no Brasil: funcionamento apresentação de dados SIREVA: Sistema Regional de Vacinas OPAS, WDC Maria Cristina de Cunto Brandileone Instituto Adolfo Lutz São Paulo Outubro, 2007 IAL Objetivo Geral

Leia mais

ROTAVÍRUS Juliana Aquino

ROTAVÍRUS Juliana Aquino Juliana Aquino A infecção pelo rotavírus varia de um quadro leve, com diarréia aquosa e duração limitada à quadros graves com desidratação, febre e vômitos. Estima-se que essa doença seja responsável por

Leia mais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais

Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Secretaria de Estado de Saúde Surtos e epidemias: Diretrizes estaduais Gilson Jácome dos Reis Coordenador do CIEVS-RJ PRESSUPOSTOS: Cenário epidemiológico Transição demográfica e epidemiológica Diminuição

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância Epidemiológica da Síndrome Hemolítica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões

Leia mais

Infecções do Sistema Nervoso Central. FACIMED Disciplina DIP. Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues

Infecções do Sistema Nervoso Central. FACIMED Disciplina DIP. Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues Infecções do Sistema Nervoso Central FACIMED Disciplina DIP. Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues Objetivos da aula de hoje Apresentar as principais características clínicas e laboratoriais das infecções do

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América.

Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América. Caso clínico 1 Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América. História da Doença Atual Foi atendida na unidade básica do Programa de Saúde da Família no

Leia mais

MENINGITES. Manual de Instruções. Critérios de Confirmação e Classificação. Revisão - janeiro de 2001

MENINGITES. Manual de Instruções. Critérios de Confirmação e Classificação. Revisão - janeiro de 2001 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA MENINGITES Manual de Instruções Critérios

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

Streptococcus 15/10/2009. Staphylococcus. Streptococcus. Enterococcus. Os CGP compõem um grupo de grande importância

Streptococcus 15/10/2009. Staphylococcus. Streptococcus. Enterococcus. Os CGP compõem um grupo de grande importância Universidade Federal Fluminense Streptococcus Os CGP compõem um grupo de grande importância clínica, sendo responsáveis por inúmeras e variadas doenças. Os CGP de maior importância clínica pertencem aos

Leia mais

INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 2016

INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 2016 1 INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 216 2 SUMÁRIO Gripe (influenza) como problema de saúde pública Vigilância Alerta e Preparação dos serviços de saúde Vacinação contra a gripe Comunicação GRIPE (INFLUENZA)

Leia mais

Marcos Carvalho de Vasconcellos Departamento de Pediatria da FM UFMG

Marcos Carvalho de Vasconcellos Departamento de Pediatria da FM UFMG Marcos Carvalho de Vasconcellos Departamento de Pediatria da FM UFMG marcosvasconcellos@terra.com.br Caso 1: WhatsApp: Dr. Marcos, o meu bebê de 7 dias de vida está com febre de 38,5 C. Posso dar paracetamol?.

Leia mais

MENINGOENCEFALITES. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP

MENINGOENCEFALITES. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP MENINGOENCEFALITES Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP MENINGOENECEFALITE DEFINIÇÃO Meningite é um processo inflamatório do espaço subaracnóide

Leia mais

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso?

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso? Caso Clínico 1 Identificação - R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural dee São Paulo, residente em Belém há vários anos. História da Doença Atual - Procurou atendimento médico emm 15/5/2006, relatando

Leia mais

Investigação de surto comunitário de doença meningocócica no Município de São Paulo, julho de 2007

Investigação de surto comunitário de doença meningocócica no Município de São Paulo, julho de 2007 Rev Saúde Pública 2007;41(5):873-78 Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo: Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Coordenação de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal, Supervisão de Vigilância

Leia mais

Vigilância de sarampo e rubéola

Vigilância de sarampo e rubéola Vigilância de sarampo e rubéola Períodos na investigação de doenças em eliminação 1. Período de exposição / incubação; 2. Período de transmissibilidade ; 3. Período de aparecimento de casos secundários;

Leia mais

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS

REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac REPERCUSSÕES SISTÊMICAS RELACIONADOS A PROCESSOS INFECCIOSOS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Processos sistêmicos conhecidos desde tempos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA Ano/Semestre: 2006/1 CURSO: Medicina DEPARTAMENTO: Microbiologia e Parasitologia

Leia mais

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA

Dra. Tatiana C. Lawrence PEDIATRIA, ALERGIA E IMUNOLOGIA Vacinação As vacinas são as ferramentas mais poderosas e inofensivas que temos para combater as doenças. Protegem milhões de crianças e adultos das doenças que ameaçam nossas vidas, como poliomielite (paralisia

Leia mais

RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS

RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS Apresentação Titulo Modalidade Dia Horário INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ACINETOBACTER BAUMANNII EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: A IMPORTANCIA EPIDEMIOLÓGICA DA MENINGITE BACTERIANA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 Ano 09 - N⁰ 02 23 de Julho de 2009 Influenza Edição Especial Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, 2009 APRESENTAÇÃO Desde a declaração de Emergência de Saúde Pública de Importância

Leia mais

Influenza A (H1N1). João Pedro Monteiro (Colégio de São Bento) Orientador: André Assis Medicina UFRJ

Influenza A (H1N1). João Pedro Monteiro (Colégio de São Bento) Orientador: André Assis Medicina UFRJ Influenza A (H1N1). João Pedro Monteiro (Colégio de São Bento) Orientador: André Assis Medicina UFRJ Éuma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus A (H1N1) que normalmente provoca surtos de

Leia mais

Avaliação de dois anticorpos monoclonais em estudos histopatológicos e imunohistoquímicosde

Avaliação de dois anticorpos monoclonais em estudos histopatológicos e imunohistoquímicosde Avaliação de dois anticorpos monoclonais em estudos histopatológicos e imunohistoquímicosde meningite Cristina TakamiKanamura 1 ; RoosecelisBrasil 1, Elizabeth De Gaspari 2. 1Centro de Patologia, Núcleode

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 35/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 33/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina. Arieli Schiessl Fialho

Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina. Arieli Schiessl Fialho apresentam Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina Arieli Schiessl Fialho A Doença A Febre Amarela (FA) é uma doença infecciosa febril aguda, imunoprevenível, endêmica e enzoótica nas florestas

Leia mais

FARMÁCIA CODIGO DISCIPLINA TEÓRICA

FARMÁCIA CODIGO DISCIPLINA TEÓRICA UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro IMPPG - Instituto de Microbiologia Paulo de Góes Curso: Farmácia Professor Responsável: Maria Helena da Silva Carga Horária: 180h Período de realização: 2011.1

Leia mais

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) 1 MODELO DE BULA PNEUMO 23 vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. - Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,5 ml. - Cartucho com

Leia mais

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Para que isolar microrganismos? - Conhecer os diferentes tipos microbianos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Departamento de Medicina Social

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Departamento de Medicina Social UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Departamento de Medicina Social ESTUDO DA OCORRÊNCIA DE MENINGITES NÃO MENINGOCÓCICAS NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO - SP, NO PERÍODO DE

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 34/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE HEPATITE A NOTIFICADOS EM UM ESTADO NORDESTINO Rayana Cruz de Souza; Universidade Federal da Paraíba; rayana_souza@hotmail.com Maira Ludna Duarte; Universidade Federal

Leia mais

Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV

Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV Brasil é o 1º país da América do Sul e 7º do mundo a inserir a vacina no programa nacional Apresenta 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

Mortes de macacos e a prevenção da febre amarela no Brasil, 2007 e 2008.

Mortes de macacos e a prevenção da febre amarela no Brasil, 2007 e 2008. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Ala Sul 70.058-900

Leia mais

Vigilância das meningites e doença meningocócica

Vigilância das meningites e doença meningocócica Vigilância das meningites e doença meningocócica Qual a magnitude da meningite? Qual a magnitude da meningite? 20.000 casos/ano Número de casos/100.000 habitantes Menor 1 ano 95,5 1 a 4 anos 37,9 5 a 9

Leia mais

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde

GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1. Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde GRIPE INFLUENZA TIPO A H1N1 Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde 2009 1 O que é a gripe A (H1N1)? É uma doença respiratória causada pelo vírus

Leia mais

Estudos de eficácia da vacina contra pneumococo. Ana Lucia S S de Andrade Universidade Federal de Goiás

Estudos de eficácia da vacina contra pneumococo. Ana Lucia S S de Andrade Universidade Federal de Goiás Estudos de eficácia da vacina contra pneumococo Ana Lucia S S de Andrade Universidade Federal de Goiás Simpósio Nacional de Vigilância: Pneumococo e Influenza São Paulo, 20-21 de setembro, 2007 Ferramenta

Leia mais

CAPACITAÇÃO INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS. Eunápolis, Julho de 2013

CAPACITAÇÃO INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS. Eunápolis, Julho de 2013 CAPACITAÇÃO INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS Eunápolis, Julho de 2013 ASPECTOS CLÍNICOS E SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA COQUELUCHE NA BAHIA Maria do Carmo Campos Aspectos Legais Portaria

Leia mais

18/04/2017. a) Treponema pallidum. b) Chlamydia trachomatis. c) Trichomonas Donne. d) Neisseria gonorrheae.

18/04/2017. a) Treponema pallidum. b) Chlamydia trachomatis. c) Trichomonas Donne. d) Neisseria gonorrheae. 1 (2017 - CS-UFG UFG) No Brasil, a prevalência de sífilis em gestantes é de 1,6%. É uma doença de transmissão sexual ou materno-fetal com caráter sistêmico e de evolução crônica. Em mulheres grávidas,

Leia mais

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo.

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. Considerando a ocorrência de casos e óbitos suspeitos de Febre Amarela

Leia mais

ÓBITOS CAUSADOS POR PNEUMONIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL

ÓBITOS CAUSADOS POR PNEUMONIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL ÓBITOS CAUSADOS POR PNEUMONIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL STIEHL Alesson L. 1, PINHEIRO Leonardo M. 1, STURMER, Giovani 2 Palavras-chave: Registros de mortalidade; Epidemiologia; Saúde pública; Doenças respiratórias.

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza

Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Ministério da Saúde Plano Brasileiro de Preparação para uma Pandemia de Influenza Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Rio de Janeiro, novembro de 2005 Cenário Mundial da Influenza

Leia mais

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Rotinas Gerenciadas. Departamento Materno Infantil. Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Rotinas Gerenciadas Departamento Materno Infantil Divisão de Prática Médica/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Prevenção doença estreptocócica neonatal Versão eletrônica atualizada em Outubro 2007

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

23/09/2016. Família Neisseriaceae. 1. Gênero Neisseria. Neisseria gonorrhoeae. - Neisseria gonorrhoea - Neisseria meningitidis. 2.

23/09/2016. Família Neisseriaceae. 1. Gênero Neisseria. Neisseria gonorrhoeae. - Neisseria gonorrhoea - Neisseria meningitidis. 2. Família Neisseriaceae LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS Família Neisseriaceae 1. Gênero Neisseria - Neisseria gonorrhoea - 2. Gênero Moraxella Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac

Leia mais

OS VÍRUS Um Caso à Parte

OS VÍRUS Um Caso à Parte OS VÍRUS Um Caso à Parte CARACTERÍSTICAS São extremamente pequenos (medem menos que 0,2 um) e acelulares São considerados como a nova descoberta de seres vivos, porém possuem muitas características de

Leia mais

INFORME TÉCNICO 005/2014

INFORME TÉCNICO 005/2014 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

Novas Recomendações para Vigilância Epidemiológica da Coqueluche

Novas Recomendações para Vigilância Epidemiológica da Coqueluche Novas Recomendações para Vigilância Epidemiológica da Coqueluche O cenário epidemiológico da coqueluche, no Brasil, desde a década de 1990, apresentou importante redução na incidência dos casos na medida

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 Em 2009, o mundo enfrentou pandemia de Influenza por um novo subtipo viral, com grande repercussão na saúde das pessoas e sobrecarga

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

COMUNICADO DE RISCO N O 003/ GVIMS/GGTES-ANVISA

COMUNICADO DE RISCO N O 003/ GVIMS/GGTES-ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária COMUNICADO DE RISCO N O 003/2013 - GVIMS/GGTES-ANVISA Atualização do Comunicado de Risco n o 002/2013 - GVIMS/GGTES-Anvisa, que trata da circulação de micro-organismos

Leia mais

Informe Técnico Sarampo e Rubéola

Informe Técnico Sarampo e Rubéola Informe Técnico Sarampo e Rubéola I. Introdução: O sarampo e a rubéola possuem vigilância integrada desde 1999, tornando oportuna a detecção de casos e surtos e a efetivação das medidas de controle. A

Leia mais

Vigilância Populacional de Doença Pneumocócica Invasiva em Goiânia, Brasil. Ana Lúcia S. S. Andrade

Vigilância Populacional de Doença Pneumocócica Invasiva em Goiânia, Brasil. Ana Lúcia S. S. Andrade Vigilância Populacional de Doença Pneumocócica Invasiva em Goiânia, Brasil Ana Lúcia S. S. Andrade 3 IPTSP Anos de Vida Perdidos por Incapacidade e Morte Prematura 0 20 40 60 80 100 INFECÇÕES TRATO RESPIRATÓRIO

Leia mais

Fmnm..D. Em atenção ao expediente em referência, seguem anexas as informações prestadas pela Secretaria de de Vigilância Epidemiológica.

Fmnm..D. Em atenção ao expediente em referência, seguem anexas as informações prestadas pela Secretaria de de Vigilância Epidemiológica. @ セj スA イ セ GBaイ @I'lNICIF'N.. If ᅦゥ Ger セ @ o( Fmnm..D?9 - セコ @ -201(}--i6:16--oog;,67 セセセ ッ @ r!}jau/o GABINETE DO PREFEITO Americana, 27 de dezembro de 2010. OF.2344JGP112J2010 Prot. 64.256/2010 Senhor

Leia mais

Título do Trabalho: Autores: Instituição: Introdução

Título do Trabalho: Autores: Instituição: Introdução diversos sorogrupos do meningococo no período de 2007 a 2015 e as Vacinas do atual Calendário Nacional Introdução Meningite é a inflamação das meninges, causada principalmente pela bactéria Neisseria meningitidis.

Leia mais

Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos

Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos Ana M. U. Escobar, Solange S. Rocha, Sérgio Sztajnbok, Adriana P. Eisencraft, Sandra J.F E. Grisi J pediatr (Rio J) 1996;72(4):230-234 Introdução A

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 Edição n o 3 agosto de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão sustentada,

Leia mais

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins Trabalho Final Atividades Integradoras IV Aline dos Santos Novaes Martins Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo CVE/SP Missão A missão do Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre

Leia mais

Assunto: VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INTEGRADA DA DOENÇA MENINGOCÓCICA I NORMA

Assunto: VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INTEGRADA DA DOENÇA MENINGOCÓCICA I NORMA Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INTEGRADA DA DOENÇA MENINGOCÓCICA Nº 13/DEP Data: 05/09/02 Para: Todos os profissionais de saúde dos serviços

Leia mais

Vigilância de Influenza no Município de São Paulo

Vigilância de Influenza no Município de São Paulo Vigilância de Influenza no Município de São Paulo A atividade do vírus da Influenza pode ser variável e imprevisível. No município de São Paulo (MSP), nos últimos anos, o maior número de casos de Síndrome

Leia mais

Modelo de Bula Pneumo23 Página 1 de 7. vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

Modelo de Bula Pneumo23 Página 1 de 7. vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) Modelo de Bula Pneumo23 Página 1 de 7 vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável. - Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,5mL. - Cartucho

Leia mais

PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE MENINGITES

PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE MENINGITES 1 PROTOCOLO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE MENINGITES Minas Gerais, 2015 5ª edição 2 Fernando Damata Pimentel SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Fausto Pereira dos Santos SUBSECRETARIA

Leia mais

Informe Influenza: julho COVISA - Campinas

Informe Influenza: julho COVISA - Campinas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Coordenadoria de Vigilância em Saúde Avenida Anchieta, 200 11º andar Centro CEP: 13015-904 Tel. (19) 2116-0187 / 0286 E-mail: covisa@campinas.sp.gov.br

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 39/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO

ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO ATUALIZAÇÃO DO CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO 2017 Seis vacinas terão seu público-alvo ampliado em 2017 Hepatite A: crianças Tetra Viral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela): crianças Meningocócica C: crianças

Leia mais