4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais. De 22 a 26 de julho de 2013.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais. De 22 a 26 de julho de 2013."

Transcrição

1 4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais De 22 a 26 de julho de OPERAÇÕES DE PAZ E EMPRESAS MILITARES PRIVADAS: O DESAFIO DA COEXISTÊNCIA NO AFEGANISTÃO Segurança Internacional Clarice Moreira de Morais Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vívian Machado Magalhães Moreira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Belo Horizonte 2013

2 Clarice Moreira de Morais Vívian Machado Magalhães Moreira OPERAÇÕES DE PAZ E EMPRESAS MILITARES PRIVADAS: O DESAFIO DA COEXISTÊNCIA NO AFEGANISTÃO Trabalhosubmetido e apresentado no 4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais ABRI. Belo Horizonte 2013

3 RESUMO O objetivo deste artigo é compreender como as Empresas Militares Privadas atuam em Missões de Paz das Nações Unidas, concomitantemente às tropas da ONU (Capacetes Azuis) em determinado território. Serão abordadas as atribuições de ambas as partes em uma mesma situação de conflito, destacando suas diferentes funções e atuações. Para tanto, será realizado um breve estudo de caso do Afeganistão, no período de 2002 a 2012, sendo este um caso emblemático a ser estudado. O país concentrava em seu território, no período analisado, uma Missão das Nações Unidas (UNAMA) e uma Missão da União Européia (EU Police Mission in Afghanistan - EUPOL). Além disso, contou com a atuação de Empresas Militares Privadas e intervenções dirigidas pela OTAN. O método utilizado neste trabalho é qualitativo. Será descrito o mecanismo de funcionamento de uma Operação de Paz, além de ser apresentada a forma de atuação das Empresas Militares Privadas e das tropas das Nações Unidas no processo de reconstrução do Estado afegão. Assim, pretende-se com este artigo, apresentar a interação destes dois atores dentro do mesmo território, os quais possuíram, muitas vezes, funções semelhantes e, ao mesmo tempo, particulares. Palavras-chave: Afeganistão; Missão de Paz; Nações Unidas; Empresas Militares Privadas.

4 3 1 OPERAÇÕES DE PAZ DAS NAÇÕES UNIDAS As Operações de Manutenção da Paz são um instrumento de que dispõem as Nações Unidas desde sua criação e que, atualmente, atuam auxiliando Estados que se encontram em situações de conflito a criarem condições para uma paz duradoura 1. Entretanto, a Carta das Nações Unidas, assinada em 1945, não faz uma menção clara sobre essas ações. Podemos encontrar, nos seus Capítulos VI e VII, as bases que norteiam as Operações de Paz das Nações Unidas até os dias de hoje. O Capítulo VI da Carta trata da solução pacífica de controvérsias. De acordo com o Artigo 33, 1. As partes em controvérsia, que possa vir a constituir uma ameaça à paz e à segurança internacionais, procurarão, antes de tudo, chegar a uma solução por negociação, inquérito, mediação, conciliação, arbitragem, solução judicial, recurso a entidades ou acordos regionais, ou a qualquer outro meio pacífico à sua escolha. 2. O Conselho de Segurança convidará, quando julgar necessário, as referidas partes a resolver, por tais meios, suas controvérsias. (ONU, 2001, p. 24) O Capítulo VII da Carta das Nações Unidas trata da ação relativa a ameaças à paz, ruptura da paz e atos de agressão e refere-se ao possível uso da força quando se fizer necessário. Segundo o Artigo 39, o Conselho de Segurança está encarregado de detectar ameaças ou rupturas da paz, bem como atos de agressão. Embasado nos Artigos 41 e 42, o Conselho de Segurança esta apto a decidir sobre quais as medidas a serem aplicadas para o reestabelecimento da paz. É apresentada, ainda, a possibilidade do recurso ao uso de forças aéreas, navais ou terrestres, caso estas ações forem julgadas necessárias para manter ou restabelecer a paz e a segurança internacionais. (ONU, 2001, p. 28) A partir da década de 1990, com o colapso da antiga União Soviética e o fim a Guerra Fria, uma nova característica emergiu nestas Operações: a crescente interferência em conflitos intraestatais. Além disso, seu escopo de atuação foi alterado de tarefas estritamente militares a uma ampla gama de ações, tais como alcançar a aplicação de acordos de paz, ajudar a estabelecer instituições governamentais, preservação dos direitos humanos, dentre outras. De acordo com Messari (2006), com estas novas demandas, a ONU fez uma revisão em seu conceito de Operações de Manutenção da Paz, pois novas situações surgiam onde se fazia necessário o rápido estabelecimento da paz. 1 Informações disponíveis em <http://www.un.org/es/peacekeeping/operations/peacekeeping.shtml>. Acesso em 20 jan

5 4 [...] chamavam-se as intervenções da ONU de operações de manutenção da paz, ou peacekeepingem inglês. No entanto, duas situações repetiramse nos diferentes conflitos do pós-guerra Fria. Por um lado, passou a existir a necessidade de intervir em conflitos intraestatais nos quais não havia nenhuma paz para manter, mas sim uma paz para estabelecer. Em outras palavras, era necessário levar as partes em conflito a esta paz, que não existia ainda. Por outro lado, em certos casos, passou a existir a necessidade de fortalecer a paz, criando condições adequadas para que as partes em conflito não voltem a usar armas para resolverem suas diferenças. Nestes casos, os beligerantes eram incapazes de (ou não queriam) evoluir para uma situação de paz duradoura naturalmente, e a ONU precisava estabelecer condições concretas para uma paz duradoura antes de se retirar do conflito. Assim, passou a se distinguir entre três diferentes estágios destas operações de paz, de acordo com o estágio de evolução do conflito no qual se pretendia intervir: peacemaking, peacekeepinge peacebuilding. (MESSARI, 2006, p. 4) making Peace ping Peacekee Peacebuilding Destinada produção de compromisso entre as partes. à Destinada manutenção da conflito. Quadro 1: Etapas de uma operação de paz Fonte: Autora 2 à paz nas áreas de pós- de Preservação da paz conflito e construção Estados democráticos. Diferentemente do que ocorria na Guerra Fria, os objetivos das Operações de Manutenção da Paz têm novos objetivos e atribuições: Identificar o mais cedo possível situações passíveis de conflito e usar a diplomacia para dissuadir as possíveis fontes de violência; Onde houver conflito, iniciar peacemaking para resolver as questões que levaram ao conflito; Trabalhar para a preservação da paz, através de peacekeeping onde o conflito parou e auxiliar na implementação de acordos; Auxiliar na peacebuilding em diferentes situações: tanto na reconstrução de instituições, quanto na construção de laços de benefício mútuo de paz entre nações antes em guerra; 2 As informações para a construção da tabela foram retiradas do site do DPKO. Disponível em: <http://www.un.org/en/peacekeeping/dpko.shtml>. Acesso em: 18 abr

6 5 De uma maneira geral, lidar com as causas mais profundas do conflito: disparidade econômica, injustiça social e opressão política. A divisão política da UNAMA trata do alcance político, da resolução de conflitos, desarmamento e de cooperação regional. Um dos principais objetivos dessa divisão é implantar os objetivos políticos do Tratado de Bonn 3, assinado em Além disso, a UNAMA auxilia nos processos eleitorais, possui unidades militares, governamentais e uma unidade de Estado de Direito. 2 EMPRESAS MILITARES PRIVADAS A prestação de serviços militares é uma indústria em expansão, que se adapta de acordo com a natureza da guerra e cuja demanda está aumentando devido a crises econômicas e políticas. (SINGER, 2008, p.78). Atualmente, essas empresas estão cada vez mais atuando e influenciando, direta ou indiretamente, no tratamento dos conflitos, nas estratégias de intervenção militar e na condução da guerra. Em inúmeras situações, essas empresas passaram a ter voz ativa no que tange à maneira de proceder nas intervenções e nos meios a serem utilizados. A atuação dessas empresas ocorre sobre as leis do mercado, já que prestam seus serviços de acordo com a relação entre oferta e demanda, e cujo objetivo primordial é a obtenção de lucro. Esse fator dificulta o controle legal e público sobre as mesmas, pois não há leis específicas de controle e os cidadãos não têm a capacidade de influenciar nos serviços privados de segurança. Como são organizadas como negócio, várias delas estão vinculadas a conglomerados financeiros e competem no mercado internacional. A diferença essencial é a mercantilização dos serviços militares. EMPs são estruturadas como as empresas e operam como as empresas em primeiro lugar. Como entidades empresariais, elas estão muitas vezes ligados por laços financeiros complexos a outras empresas dentro e fora do seu setor. (SINGER, 2003, p.40, tradução nossa 4 ). Os acontecimentos que contribuíram para o surgimento das empresas militares privadas (EMP) foram vários, e dentre eles, pode-se citar: o término da Guerra Fria, a 3 Tratado de Bonn disponível em: 4 The essential difference is the corporatization of military services. PMCs are structured as firms and operate as businesses first and foremost. As business entities, they are often linked through complex financial ties to other firms both within and outside their industry. (Singer, 2003, p.40).

7 6 economia mundial globalizada, a Política Energética Nacional (PEN) e a revolução tecnológica. (UESSELER, 2008, p.151). Após a Guerra Fria, houve uma alteração na distribuição de poder no sistema internacional e a propagação da idéia, por parte da população, de extinção do perigo eminente da guerra, o que conseqüentemente levou à diminuição do investimento dos Estados em seus exércitos. Cerca de sete milhões de soldados ficaram desempregados (UESSELER, 2008, p. 152), aumentando a sua oferta no mercado e diminuindo o preço pelos seus serviços; Ademias, equipamentos de guerras como tanques, pistolas e helicópteros foram vendidos a preço baixo. Esses dois fatores combinados foram propícios para o surgimento das empresas militares privadas, que passaram a proporcionar serviços especializados em guerra. O segundo fator importante, a economia globalizada. A nova desordem mundial de segurança que se estabeleceu com a queda dos escudos protetores fornecidos pelas superpotências e com a globalização da economia mundial gerou, sobretudo na África e na América Latina, conflitos internos não resolvidos ligados à distribuição de terras, assim como confrontos étnicos e religiosos. Nem no Oriente nem no Ocidente, as pessoas tinham se importado até então em saber se haviam desenvolvido Estados democráticos, em suas esferas de influência, com infra-estrutura sólida pautada no Estado de direito. (UESSELER, 2008, p ). Esse fator está relacionado com as economias de guerra, onde líderes locais modificaram a guerra num negócio lucrativo. Desta maneira, a receita proveniente de plantação de drogas, roubos, cobrança para proteger os bens de ações humanitárias em regiões de conflitos e chantagens era utilizada na compra de armamentos e equipamentos - dos mais variados - de guerra. O terceiro fator, Política Energética Nacional (PEN) 5 se refere à política energética dos EUA. O país prevê o crescimento da demanda por petróleo e ao longo dos anos o relatório faz uma referência do ano 2000 ao essa demanda será substancialmente maior do que a oferta desse produto no mercado. Essa defasagem entre oferta e demanda poderia levar a uma luta pelo petróleo sobre o mundo. A fim de assegurar o abastecimento de energia, o país passou a recorrer os serviços das EMP, que se instalaram no Iraque. Por fim, a revolução tecnológica, que proporcionou aos equipamentos militares serem controlados por sistemas eletrônicos e por redes de tecnologia da informação (TI). Essa mudança incrementou a demanda por pessoal especializado, e com isso, a demanda pelos serviços das EMP. Esses fatores trouxeram à tona algumas vantagens para a atuação das EMP, por exemplo: o fato de seus funcionários serem ex-soldados regulares. Como o custo do 5 National Energy Policy.Disponívelem:

8 7 treinamento dos soldados que trabalhavam no exército foi pago pelo Estado, as EMP já contratam seus funcionários treinados, sem necessitar de arcar com os custos do treinamento. Ex-combatentes inspiram maior confiança para seus clientes, e esse é um dos pontos chaves para a divulgação da empresa: a boa reputação dos soldados (SINGER; 2003). Outra vantagem que essas empresas possuem é o fato de funcionarem como uma empresa normal, no que concerne ao objetivo de auferir lucros. Nas palavras de Doug Brooks, presidente da IPOA 6 : Write a cheque andend a war. A qualidade da resolução dos problemas guia-se por aquilo que o cliente está disposto a pagar [...] (UESSELER, 2008, p.58). Desta forma, o negócio funciona com os contratantes pretendendo o sucesso da operação, e os executores, pretendendo o lucro. Uma característica peculiar das EMP é a descrição com que realizam as suas operações, pouco se sabe sobe quem as contratou e para qual finalidade em específico. Normalmente as informações vêm à tona quando algum fato inusitado acontece. Atualmente, os maiores clientes das empresas militares privadas são os Estados Fortes, ou seja, nações que já dispõem de um sistema de direito, controle e segurança desenvolvido e em funcionamento tanto interna quanto externamente (UESSELER, 2008, p.67). Estados Unidos da América (EUA) é um exemplo de Estado forte, que age de maneira global e aloca inúmeras EMP. Em várias esferas das forças armadas do país há a presença de profissionais de EMP, atuando de forma direto ou indireta. Ao realizar a contratação das EMP, é válido analisar quais são os tipos de controle que o Estado tem sobre essas empresas. De acordo com Thomson (1994), o controle do Estado sobre a violência pode ser analisadas por três dimensões: a tomada de decisão; a alocação dos recursos, ou seja, a forma que se utiliza da violência, seja para fins econômicos ou políticos; e de quem são os meios dos quais a violência é exercida, se é o Estado ou de um ator não estatal. O papel das EMP pode ser visto em duas situações: primeiro, quando a tomada de decisão é do Estado, mas os meios para a ação pertencem a um ator não-estatal, ou seja, o Estado decide como ocorrerá a ação e a EMP a realiza através de seus próprios recursos e equipamentos. Segundo, quando a decisão emana de um ator não-estatal e visa fins econômicos, ou seja, é o soldado que mata por dinheiro. Com relação aos tipos de controle, a autora Avant (2005) apresenta três diferentes tipos, não excludentes, que os Estados podem ter sobre as EMP. O controle político, relacionado com a soberania do Estado, implica em quem decide sobre o uso da força. O controle funcional, relacionado com a eficácia e tipos de capabilities presentes. E o controle social, a respeito a valores, ou seja, é o grau no qual o uso da força é integrado aos valores internacionais prevalecentes. Entretanto, a possibilidade de controle depende do Estado 6 IPOA: International Peace Operations Association. Fonte:

9 8 contratante. Se um Estado forte (coerente, capaz e legítimo) contrata os serviços de uma EMP, ele terá pouca efetividade proporcional e um grau maior de controle político e social. Por exemplo, quando os EUA contrata uma EMP ele obtém um serviço que seu próprio exército tem capacidade de realizar e possui capacidade de monitoramento e sancionamento às EMP. Por outro lado, se um Estado fraco contrata os serviços de uma EMP, ele terá maior efetividade proporcional e pouco controle político e social. A própria fraqueza institucional desse tipo de Estado diminui as chances de que a contratação de EMP leve a efetividade a longo prazo. Em 1990 um fator revelou a contratação de EMP: o contingente militar dos EUA diminuiu em um terço e a presença militar ainda era mantida em cerca de cem países, isso demonstra a terceirização do serviço que inicialmente era realizado exclusivamente pelo Estado. (UESSELER, 2008, p.70) Se essas empresas começaram, nos anos de 1990, com o aprovisionamento, o abastecimento e o fornecimento de mantimentos, e com a preparação e a manutenção de infra-estruturas, logo se constatou o fato de que outros setores, que se estendiam desde a formação, passando pelo treinamento e até o serviço de informações, podiam ser delegados (UESSELER, 2008, p.71). Após o ataque às torres do World Trade Center nos EUA, em 11 de setembro de 2001, a atuação das EMP aumentou rapidamente; fato que pode ser analisado através do grande número de bases de apoio militar que os EUA alocaram em vários países, levando sua presença militar a cerca de 130 países. Um exemplo é a região ao sul da Rússia denominada cinturão de petróleo, onde bases militares foram instaladas a fim de proteger interesses de empresários petrolíferos estadunidenses. (UESSELER, 2008, p.72). De acordo com Singer (2008), as EMP podem ser classificadas como: provedoras, consultoria e suporte. As empresas provedoras são caracterizadas por agir no front de batalha e focarem no ambiente tático. Seus clientes normalmente são aqueles que enfrentam uma ameaça imediata e necessitam de intervenções rápidas. As empresas de consultoria, por sua vez, oferecem serviços de treinamento e consultoria para situações de conflito. Neste caso, o cliente assume os riscos do combate e pode gerar certa dependência do cliente à empresa contratada. Por fim, as empresas de suporte são responsáveis por oferecer serviços de inteligência, logística, transporte e suporte técnico. É válido ressaltar que uma empresa pode fornecer mais de um dos serviços listados e que esta classificação é apenas para fins didáticos. 3 A MISSÃO DE ASSISTÊNCIADAS NAÇÕES UNIDASPARAO AFEGANISTÃO (UNAMA)

10 9 A Missão de Assistência das Nações Unidas para o Afeganistão (UNAMA) 7 foi estabelecida em 2002, pela resolução 1401 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Seu papel fundamental é a promoção da paz e da estabilidade no Afeganistão. Em parceria com o governo afegão, a UNAMA apóia a reconstrução deste Estado e o fortalecimento das bases da paz e da democracia. Esta é uma missão do Departamento de PeacekeepingOperations 8 (DPKO) da ONU e é composta por três áreas principais: desenvolvimento, questões humanitárias e questões políticas. Dentre suas prioridades encontra-se o fortalecimento das instituições e do Governo em todos os níveis, para a promoção e o desenvolvimento de instituições que garantam a lei, a ordem e a segurança. Partindo destas demandas, a UNAMA age na promoção da segurança e desenvolvimento, com planos de atuação que aumentem a segurança no país; os resultados nesta área são fundamentais para encorajar investimentos privados e estrangeiros, além da consolidação do país perante a comunidade internacional. 4 OPERAÇÕES DE PAZ E EMPRESAS MILITARES PRIVADAS: O DESAFIO DA COEXISTÊNCIA NO AFEGANISTÃO De acordo com Uesseler (2008), há alguns problemas com relação a contratação destas empresas. E o mais proeminente deles consiste na falta de articulação entre as EMP e as tropas, já que há uma falta de hierarquia entre as mesmas. As tropas possuem hierarquias próprias, que por sua vez são incompatíveis com a lógica das EMP (independentes e que visam lucro) e podem gerar tensões entre eles. Por ser uma empresa, não precisam perder tempo com longos processos burocráticos que entravam sua ação. É importante ressaltar que, as tropas às quais nos referimos, são tropas da OTAN, pois como apresentado anteriormente, a UNAMA é uma missão política e as tropas em seu território são contingentes não das Nações Unidas. Mas todo o aparato burocrático e político no país são de responsabilidade dos membros da Missão das Nações Unidas. Estes também enfrentam problemas de coordenação com as Empresas Militares Privadas em Campo, na medida em que não têm controle sobre suas ações no território, apesar de fazerem uso de seus serviços, como por exemplo, para questões de escolta e deslocamento. Ademais, como as EMP contratam pessoal de várias países, podem surgir 7 Site da UNAMA: 8 Site do DPKO:

11 10 problemas na execução da tarefa devido ao distanciamento cultural e no entendimento daquela sociedade em si. É válido ressaltar que esta dificuldade não surge somente por parte desses funcionários, uma vez que soldadostambém podem enfrentar esta dificuldade na atuação local. As EMP não estão sob o domínio de nenhum tratado, já que não há um aparato legal que regule suas ações. Desta forma, atuam livremente sob a lógica de mercado. Apesar de estabelecerem contratos acerca da sua atuação, não há um tratado internacional que regule suas ações. Assim, apesar dos relatos acerca de abuso de poder de certos funcionários de EMP, os mesmo não são julgados. Então, percebe-se que a dificuldade proeminente com relação àcoexistência das tropas e funcionários das EMP está relacionada àcoordenação da ação entre os mesmos,já que cada um atua sob uma lógica e princípios diferentes, e são organizados de forma diferente.mas isto não impossibilita a eficiência de cada uma das partes.

12 11 REFERÊNCIAS DPKO. Organização das Nações Unidas. Departamento de Operações de Paz. Nova York: ONU, Disponível em <http://www.un.org/en/peacekeeping/>. MESSARI, Nizar. Conflitos intraestatais, intervenções e o cenário de segurança internacional no pós-guerra fria. IRI, Rio de Janeiro, Disponível em < ONU. Carta das Nações Unidas. Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil. Rio de Janeiro, SINGER, P.W. Corporate Warriors: The rise of the privatized military industry. Nova York: Cornell University Press, UESSELER, Rolf. Guerra como prestação de serviços. São Paulo: Estação Liberdade, 2008.

13 ANEXO A 12

14 ANEXO B 13

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component SUMÁRIO 1. OPERAÇÕES DE PAZ 2. MINUSTAH 3. OPERAÇÕES DE GARANTIA DA LEI E DA ORDEM 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS PARTICIPAÇÃO EM MISSÕES DE PAZ UNEF-I Oriente Médio 47 Mis Paz Mais de 32.000 militares brasileiros

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS Em conformidade com o Direito Internacional Humanitário, os jornalistas que estiverem em missão em áreas de conflitos armados devem ser respeitados

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações. Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social

Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações. Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social Introdução ao Terceiro Setor - Características e desafios das organizações Rafael Vargas Lara Gestor de Projetos Sociais Empreendedor Social Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que dá significado

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Quadro 1 As dimensões de ação da diplomacia económica

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Publicado em: http://www.comunidadesegura.org Hugo Acero* 16/11/2006 Quando se analisa o tema da segurança cidadã no âmbito da América Latina, comprova-se que

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Segurança espacial: conceitos básicos

Segurança espacial: conceitos básicos Segurança espacial: conceitos básicos José Monserrat Filho Associação Brasileira de Direito Aeronáutico e Espacial (SBDA) Núcleo de Estudos de Direito Espacial (NEDE) Reunião de 15 de junho de 2012 Definição

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Desafios para consolidação de políticas públicas p e instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Maurício Antônio Lopes Presidente da Embrapa Reunião do Cosag

Leia mais

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos Organização & agregação de agricultores 3. o Fórum Consultivo Organização Internacional do Café Belo Horizonte, Brasil 10 de setembro de 2013 Associação Nacional de Negócios Cooperativos CLUSA International

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Estados Unidos apóiam ataque em território somali

Estados Unidos apóiam ataque em território somali Estados Unidos apóiam ataque em território somali Resenha Segurança Lígia Franco Prados Mello 06 de março de 2007 Estados Unidos apóiam ataque em território somali Resenha Segurança Lígia Franco Prados

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços!

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 1 of 14 Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 2 of 14 Quem somos Criada em 2002 - Equipe de especialistas oriundos de unidades especiais das áreas de inteligência e segurança do Estado de Israel.

Leia mais

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Apoio: Brasília - DF, 07 de Outubro de 2014. ANATOMIA DO CRIME ORGANIZADO Marco Teórico O Crime Organizado como ameaça

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL 7º EIN Simpósio Internacional Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede Lisboa, Academia Militar,

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

5 Objetivos Principais

5 Objetivos Principais A Rainforest Business School Escola de Negócios Sustentáveis de Floresta Tropical Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo (USP) Programa de Pesquisa Amazônia em Transformação (AmazonIEA)

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

Gestão e Estrutura Organizacional

Gestão e Estrutura Organizacional Gestão e Estrutura Organizacional I. INTRODUÇÃO Eduardo Marcondes Filinto da Silva Secretário Executivo e Pesquisador FIPE Rafael Martín Delatorre Graduando em Administração pela FEA/USP Um dos fenômenos

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais