4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais. De 22 a 26 de julho de 2013.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais. De 22 a 26 de julho de 2013."

Transcrição

1 4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais De 22 a 26 de julho de OPERAÇÕES DE PAZ E EMPRESAS MILITARES PRIVADAS: O DESAFIO DA COEXISTÊNCIA NO AFEGANISTÃO Segurança Internacional Clarice Moreira de Morais Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vívian Machado Magalhães Moreira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Belo Horizonte 2013

2 Clarice Moreira de Morais Vívian Machado Magalhães Moreira OPERAÇÕES DE PAZ E EMPRESAS MILITARES PRIVADAS: O DESAFIO DA COEXISTÊNCIA NO AFEGANISTÃO Trabalhosubmetido e apresentado no 4º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais ABRI. Belo Horizonte 2013

3 RESUMO O objetivo deste artigo é compreender como as Empresas Militares Privadas atuam em Missões de Paz das Nações Unidas, concomitantemente às tropas da ONU (Capacetes Azuis) em determinado território. Serão abordadas as atribuições de ambas as partes em uma mesma situação de conflito, destacando suas diferentes funções e atuações. Para tanto, será realizado um breve estudo de caso do Afeganistão, no período de 2002 a 2012, sendo este um caso emblemático a ser estudado. O país concentrava em seu território, no período analisado, uma Missão das Nações Unidas (UNAMA) e uma Missão da União Européia (EU Police Mission in Afghanistan - EUPOL). Além disso, contou com a atuação de Empresas Militares Privadas e intervenções dirigidas pela OTAN. O método utilizado neste trabalho é qualitativo. Será descrito o mecanismo de funcionamento de uma Operação de Paz, além de ser apresentada a forma de atuação das Empresas Militares Privadas e das tropas das Nações Unidas no processo de reconstrução do Estado afegão. Assim, pretende-se com este artigo, apresentar a interação destes dois atores dentro do mesmo território, os quais possuíram, muitas vezes, funções semelhantes e, ao mesmo tempo, particulares. Palavras-chave: Afeganistão; Missão de Paz; Nações Unidas; Empresas Militares Privadas.

4 3 1 OPERAÇÕES DE PAZ DAS NAÇÕES UNIDAS As Operações de Manutenção da Paz são um instrumento de que dispõem as Nações Unidas desde sua criação e que, atualmente, atuam auxiliando Estados que se encontram em situações de conflito a criarem condições para uma paz duradoura 1. Entretanto, a Carta das Nações Unidas, assinada em 1945, não faz uma menção clara sobre essas ações. Podemos encontrar, nos seus Capítulos VI e VII, as bases que norteiam as Operações de Paz das Nações Unidas até os dias de hoje. O Capítulo VI da Carta trata da solução pacífica de controvérsias. De acordo com o Artigo 33, 1. As partes em controvérsia, que possa vir a constituir uma ameaça à paz e à segurança internacionais, procurarão, antes de tudo, chegar a uma solução por negociação, inquérito, mediação, conciliação, arbitragem, solução judicial, recurso a entidades ou acordos regionais, ou a qualquer outro meio pacífico à sua escolha. 2. O Conselho de Segurança convidará, quando julgar necessário, as referidas partes a resolver, por tais meios, suas controvérsias. (ONU, 2001, p. 24) O Capítulo VII da Carta das Nações Unidas trata da ação relativa a ameaças à paz, ruptura da paz e atos de agressão e refere-se ao possível uso da força quando se fizer necessário. Segundo o Artigo 39, o Conselho de Segurança está encarregado de detectar ameaças ou rupturas da paz, bem como atos de agressão. Embasado nos Artigos 41 e 42, o Conselho de Segurança esta apto a decidir sobre quais as medidas a serem aplicadas para o reestabelecimento da paz. É apresentada, ainda, a possibilidade do recurso ao uso de forças aéreas, navais ou terrestres, caso estas ações forem julgadas necessárias para manter ou restabelecer a paz e a segurança internacionais. (ONU, 2001, p. 28) A partir da década de 1990, com o colapso da antiga União Soviética e o fim a Guerra Fria, uma nova característica emergiu nestas Operações: a crescente interferência em conflitos intraestatais. Além disso, seu escopo de atuação foi alterado de tarefas estritamente militares a uma ampla gama de ações, tais como alcançar a aplicação de acordos de paz, ajudar a estabelecer instituições governamentais, preservação dos direitos humanos, dentre outras. De acordo com Messari (2006), com estas novas demandas, a ONU fez uma revisão em seu conceito de Operações de Manutenção da Paz, pois novas situações surgiam onde se fazia necessário o rápido estabelecimento da paz. 1 Informações disponíveis em <http://www.un.org/es/peacekeeping/operations/peacekeeping.shtml>. Acesso em 20 jan

5 4 [...] chamavam-se as intervenções da ONU de operações de manutenção da paz, ou peacekeepingem inglês. No entanto, duas situações repetiramse nos diferentes conflitos do pós-guerra Fria. Por um lado, passou a existir a necessidade de intervir em conflitos intraestatais nos quais não havia nenhuma paz para manter, mas sim uma paz para estabelecer. Em outras palavras, era necessário levar as partes em conflito a esta paz, que não existia ainda. Por outro lado, em certos casos, passou a existir a necessidade de fortalecer a paz, criando condições adequadas para que as partes em conflito não voltem a usar armas para resolverem suas diferenças. Nestes casos, os beligerantes eram incapazes de (ou não queriam) evoluir para uma situação de paz duradoura naturalmente, e a ONU precisava estabelecer condições concretas para uma paz duradoura antes de se retirar do conflito. Assim, passou a se distinguir entre três diferentes estágios destas operações de paz, de acordo com o estágio de evolução do conflito no qual se pretendia intervir: peacemaking, peacekeepinge peacebuilding. (MESSARI, 2006, p. 4) making Peace ping Peacekee Peacebuilding Destinada produção de compromisso entre as partes. à Destinada manutenção da conflito. Quadro 1: Etapas de uma operação de paz Fonte: Autora 2 à paz nas áreas de pós- de Preservação da paz conflito e construção Estados democráticos. Diferentemente do que ocorria na Guerra Fria, os objetivos das Operações de Manutenção da Paz têm novos objetivos e atribuições: Identificar o mais cedo possível situações passíveis de conflito e usar a diplomacia para dissuadir as possíveis fontes de violência; Onde houver conflito, iniciar peacemaking para resolver as questões que levaram ao conflito; Trabalhar para a preservação da paz, através de peacekeeping onde o conflito parou e auxiliar na implementação de acordos; Auxiliar na peacebuilding em diferentes situações: tanto na reconstrução de instituições, quanto na construção de laços de benefício mútuo de paz entre nações antes em guerra; 2 As informações para a construção da tabela foram retiradas do site do DPKO. Disponível em: <http://www.un.org/en/peacekeeping/dpko.shtml>. Acesso em: 18 abr

6 5 De uma maneira geral, lidar com as causas mais profundas do conflito: disparidade econômica, injustiça social e opressão política. A divisão política da UNAMA trata do alcance político, da resolução de conflitos, desarmamento e de cooperação regional. Um dos principais objetivos dessa divisão é implantar os objetivos políticos do Tratado de Bonn 3, assinado em Além disso, a UNAMA auxilia nos processos eleitorais, possui unidades militares, governamentais e uma unidade de Estado de Direito. 2 EMPRESAS MILITARES PRIVADAS A prestação de serviços militares é uma indústria em expansão, que se adapta de acordo com a natureza da guerra e cuja demanda está aumentando devido a crises econômicas e políticas. (SINGER, 2008, p.78). Atualmente, essas empresas estão cada vez mais atuando e influenciando, direta ou indiretamente, no tratamento dos conflitos, nas estratégias de intervenção militar e na condução da guerra. Em inúmeras situações, essas empresas passaram a ter voz ativa no que tange à maneira de proceder nas intervenções e nos meios a serem utilizados. A atuação dessas empresas ocorre sobre as leis do mercado, já que prestam seus serviços de acordo com a relação entre oferta e demanda, e cujo objetivo primordial é a obtenção de lucro. Esse fator dificulta o controle legal e público sobre as mesmas, pois não há leis específicas de controle e os cidadãos não têm a capacidade de influenciar nos serviços privados de segurança. Como são organizadas como negócio, várias delas estão vinculadas a conglomerados financeiros e competem no mercado internacional. A diferença essencial é a mercantilização dos serviços militares. EMPs são estruturadas como as empresas e operam como as empresas em primeiro lugar. Como entidades empresariais, elas estão muitas vezes ligados por laços financeiros complexos a outras empresas dentro e fora do seu setor. (SINGER, 2003, p.40, tradução nossa 4 ). Os acontecimentos que contribuíram para o surgimento das empresas militares privadas (EMP) foram vários, e dentre eles, pode-se citar: o término da Guerra Fria, a 3 Tratado de Bonn disponível em: 4 The essential difference is the corporatization of military services. PMCs are structured as firms and operate as businesses first and foremost. As business entities, they are often linked through complex financial ties to other firms both within and outside their industry. (Singer, 2003, p.40).

7 6 economia mundial globalizada, a Política Energética Nacional (PEN) e a revolução tecnológica. (UESSELER, 2008, p.151). Após a Guerra Fria, houve uma alteração na distribuição de poder no sistema internacional e a propagação da idéia, por parte da população, de extinção do perigo eminente da guerra, o que conseqüentemente levou à diminuição do investimento dos Estados em seus exércitos. Cerca de sete milhões de soldados ficaram desempregados (UESSELER, 2008, p. 152), aumentando a sua oferta no mercado e diminuindo o preço pelos seus serviços; Ademias, equipamentos de guerras como tanques, pistolas e helicópteros foram vendidos a preço baixo. Esses dois fatores combinados foram propícios para o surgimento das empresas militares privadas, que passaram a proporcionar serviços especializados em guerra. O segundo fator importante, a economia globalizada. A nova desordem mundial de segurança que se estabeleceu com a queda dos escudos protetores fornecidos pelas superpotências e com a globalização da economia mundial gerou, sobretudo na África e na América Latina, conflitos internos não resolvidos ligados à distribuição de terras, assim como confrontos étnicos e religiosos. Nem no Oriente nem no Ocidente, as pessoas tinham se importado até então em saber se haviam desenvolvido Estados democráticos, em suas esferas de influência, com infra-estrutura sólida pautada no Estado de direito. (UESSELER, 2008, p ). Esse fator está relacionado com as economias de guerra, onde líderes locais modificaram a guerra num negócio lucrativo. Desta maneira, a receita proveniente de plantação de drogas, roubos, cobrança para proteger os bens de ações humanitárias em regiões de conflitos e chantagens era utilizada na compra de armamentos e equipamentos - dos mais variados - de guerra. O terceiro fator, Política Energética Nacional (PEN) 5 se refere à política energética dos EUA. O país prevê o crescimento da demanda por petróleo e ao longo dos anos o relatório faz uma referência do ano 2000 ao essa demanda será substancialmente maior do que a oferta desse produto no mercado. Essa defasagem entre oferta e demanda poderia levar a uma luta pelo petróleo sobre o mundo. A fim de assegurar o abastecimento de energia, o país passou a recorrer os serviços das EMP, que se instalaram no Iraque. Por fim, a revolução tecnológica, que proporcionou aos equipamentos militares serem controlados por sistemas eletrônicos e por redes de tecnologia da informação (TI). Essa mudança incrementou a demanda por pessoal especializado, e com isso, a demanda pelos serviços das EMP. Esses fatores trouxeram à tona algumas vantagens para a atuação das EMP, por exemplo: o fato de seus funcionários serem ex-soldados regulares. Como o custo do 5 National Energy Policy.Disponívelem:

8 7 treinamento dos soldados que trabalhavam no exército foi pago pelo Estado, as EMP já contratam seus funcionários treinados, sem necessitar de arcar com os custos do treinamento. Ex-combatentes inspiram maior confiança para seus clientes, e esse é um dos pontos chaves para a divulgação da empresa: a boa reputação dos soldados (SINGER; 2003). Outra vantagem que essas empresas possuem é o fato de funcionarem como uma empresa normal, no que concerne ao objetivo de auferir lucros. Nas palavras de Doug Brooks, presidente da IPOA 6 : Write a cheque andend a war. A qualidade da resolução dos problemas guia-se por aquilo que o cliente está disposto a pagar [...] (UESSELER, 2008, p.58). Desta forma, o negócio funciona com os contratantes pretendendo o sucesso da operação, e os executores, pretendendo o lucro. Uma característica peculiar das EMP é a descrição com que realizam as suas operações, pouco se sabe sobe quem as contratou e para qual finalidade em específico. Normalmente as informações vêm à tona quando algum fato inusitado acontece. Atualmente, os maiores clientes das empresas militares privadas são os Estados Fortes, ou seja, nações que já dispõem de um sistema de direito, controle e segurança desenvolvido e em funcionamento tanto interna quanto externamente (UESSELER, 2008, p.67). Estados Unidos da América (EUA) é um exemplo de Estado forte, que age de maneira global e aloca inúmeras EMP. Em várias esferas das forças armadas do país há a presença de profissionais de EMP, atuando de forma direto ou indireta. Ao realizar a contratação das EMP, é válido analisar quais são os tipos de controle que o Estado tem sobre essas empresas. De acordo com Thomson (1994), o controle do Estado sobre a violência pode ser analisadas por três dimensões: a tomada de decisão; a alocação dos recursos, ou seja, a forma que se utiliza da violência, seja para fins econômicos ou políticos; e de quem são os meios dos quais a violência é exercida, se é o Estado ou de um ator não estatal. O papel das EMP pode ser visto em duas situações: primeiro, quando a tomada de decisão é do Estado, mas os meios para a ação pertencem a um ator não-estatal, ou seja, o Estado decide como ocorrerá a ação e a EMP a realiza através de seus próprios recursos e equipamentos. Segundo, quando a decisão emana de um ator não-estatal e visa fins econômicos, ou seja, é o soldado que mata por dinheiro. Com relação aos tipos de controle, a autora Avant (2005) apresenta três diferentes tipos, não excludentes, que os Estados podem ter sobre as EMP. O controle político, relacionado com a soberania do Estado, implica em quem decide sobre o uso da força. O controle funcional, relacionado com a eficácia e tipos de capabilities presentes. E o controle social, a respeito a valores, ou seja, é o grau no qual o uso da força é integrado aos valores internacionais prevalecentes. Entretanto, a possibilidade de controle depende do Estado 6 IPOA: International Peace Operations Association. Fonte:

9 8 contratante. Se um Estado forte (coerente, capaz e legítimo) contrata os serviços de uma EMP, ele terá pouca efetividade proporcional e um grau maior de controle político e social. Por exemplo, quando os EUA contrata uma EMP ele obtém um serviço que seu próprio exército tem capacidade de realizar e possui capacidade de monitoramento e sancionamento às EMP. Por outro lado, se um Estado fraco contrata os serviços de uma EMP, ele terá maior efetividade proporcional e pouco controle político e social. A própria fraqueza institucional desse tipo de Estado diminui as chances de que a contratação de EMP leve a efetividade a longo prazo. Em 1990 um fator revelou a contratação de EMP: o contingente militar dos EUA diminuiu em um terço e a presença militar ainda era mantida em cerca de cem países, isso demonstra a terceirização do serviço que inicialmente era realizado exclusivamente pelo Estado. (UESSELER, 2008, p.70) Se essas empresas começaram, nos anos de 1990, com o aprovisionamento, o abastecimento e o fornecimento de mantimentos, e com a preparação e a manutenção de infra-estruturas, logo se constatou o fato de que outros setores, que se estendiam desde a formação, passando pelo treinamento e até o serviço de informações, podiam ser delegados (UESSELER, 2008, p.71). Após o ataque às torres do World Trade Center nos EUA, em 11 de setembro de 2001, a atuação das EMP aumentou rapidamente; fato que pode ser analisado através do grande número de bases de apoio militar que os EUA alocaram em vários países, levando sua presença militar a cerca de 130 países. Um exemplo é a região ao sul da Rússia denominada cinturão de petróleo, onde bases militares foram instaladas a fim de proteger interesses de empresários petrolíferos estadunidenses. (UESSELER, 2008, p.72). De acordo com Singer (2008), as EMP podem ser classificadas como: provedoras, consultoria e suporte. As empresas provedoras são caracterizadas por agir no front de batalha e focarem no ambiente tático. Seus clientes normalmente são aqueles que enfrentam uma ameaça imediata e necessitam de intervenções rápidas. As empresas de consultoria, por sua vez, oferecem serviços de treinamento e consultoria para situações de conflito. Neste caso, o cliente assume os riscos do combate e pode gerar certa dependência do cliente à empresa contratada. Por fim, as empresas de suporte são responsáveis por oferecer serviços de inteligência, logística, transporte e suporte técnico. É válido ressaltar que uma empresa pode fornecer mais de um dos serviços listados e que esta classificação é apenas para fins didáticos. 3 A MISSÃO DE ASSISTÊNCIADAS NAÇÕES UNIDASPARAO AFEGANISTÃO (UNAMA)

10 9 A Missão de Assistência das Nações Unidas para o Afeganistão (UNAMA) 7 foi estabelecida em 2002, pela resolução 1401 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Seu papel fundamental é a promoção da paz e da estabilidade no Afeganistão. Em parceria com o governo afegão, a UNAMA apóia a reconstrução deste Estado e o fortalecimento das bases da paz e da democracia. Esta é uma missão do Departamento de PeacekeepingOperations 8 (DPKO) da ONU e é composta por três áreas principais: desenvolvimento, questões humanitárias e questões políticas. Dentre suas prioridades encontra-se o fortalecimento das instituições e do Governo em todos os níveis, para a promoção e o desenvolvimento de instituições que garantam a lei, a ordem e a segurança. Partindo destas demandas, a UNAMA age na promoção da segurança e desenvolvimento, com planos de atuação que aumentem a segurança no país; os resultados nesta área são fundamentais para encorajar investimentos privados e estrangeiros, além da consolidação do país perante a comunidade internacional. 4 OPERAÇÕES DE PAZ E EMPRESAS MILITARES PRIVADAS: O DESAFIO DA COEXISTÊNCIA NO AFEGANISTÃO De acordo com Uesseler (2008), há alguns problemas com relação a contratação destas empresas. E o mais proeminente deles consiste na falta de articulação entre as EMP e as tropas, já que há uma falta de hierarquia entre as mesmas. As tropas possuem hierarquias próprias, que por sua vez são incompatíveis com a lógica das EMP (independentes e que visam lucro) e podem gerar tensões entre eles. Por ser uma empresa, não precisam perder tempo com longos processos burocráticos que entravam sua ação. É importante ressaltar que, as tropas às quais nos referimos, são tropas da OTAN, pois como apresentado anteriormente, a UNAMA é uma missão política e as tropas em seu território são contingentes não das Nações Unidas. Mas todo o aparato burocrático e político no país são de responsabilidade dos membros da Missão das Nações Unidas. Estes também enfrentam problemas de coordenação com as Empresas Militares Privadas em Campo, na medida em que não têm controle sobre suas ações no território, apesar de fazerem uso de seus serviços, como por exemplo, para questões de escolta e deslocamento. Ademais, como as EMP contratam pessoal de várias países, podem surgir 7 Site da UNAMA: 8 Site do DPKO:

11 10 problemas na execução da tarefa devido ao distanciamento cultural e no entendimento daquela sociedade em si. É válido ressaltar que esta dificuldade não surge somente por parte desses funcionários, uma vez que soldadostambém podem enfrentar esta dificuldade na atuação local. As EMP não estão sob o domínio de nenhum tratado, já que não há um aparato legal que regule suas ações. Desta forma, atuam livremente sob a lógica de mercado. Apesar de estabelecerem contratos acerca da sua atuação, não há um tratado internacional que regule suas ações. Assim, apesar dos relatos acerca de abuso de poder de certos funcionários de EMP, os mesmo não são julgados. Então, percebe-se que a dificuldade proeminente com relação àcoexistência das tropas e funcionários das EMP está relacionada àcoordenação da ação entre os mesmos,já que cada um atua sob uma lógica e princípios diferentes, e são organizados de forma diferente.mas isto não impossibilita a eficiência de cada uma das partes.

12 11 REFERÊNCIAS DPKO. Organização das Nações Unidas. Departamento de Operações de Paz. Nova York: ONU, Disponível em <http://www.un.org/en/peacekeeping/>. MESSARI, Nizar. Conflitos intraestatais, intervenções e o cenário de segurança internacional no pós-guerra fria. IRI, Rio de Janeiro, Disponível em < ONU. Carta das Nações Unidas. Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil. Rio de Janeiro, SINGER, P.W. Corporate Warriors: The rise of the privatized military industry. Nova York: Cornell University Press, UESSELER, Rolf. Guerra como prestação de serviços. São Paulo: Estação Liberdade, 2008.

13 ANEXO A 12

14 ANEXO B 13

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component

Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. Military Component SUMÁRIO 1. OPERAÇÕES DE PAZ 2. MINUSTAH 3. OPERAÇÕES DE GARANTIA DA LEI E DA ORDEM 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS PARTICIPAÇÃO EM MISSÕES DE PAZ UNEF-I Oriente Médio 47 Mis Paz Mais de 32.000 militares brasileiros

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Os BRICS e as Operações de Paz

Os BRICS e as Operações de Paz Os BRICS e as Operações de Paz Policy Brief #3 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Maio de 2011 Os BRICS e as Operações de Paz

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos

10/10/2013. Associação Nacional de Negócios Cooperativos Organização & agregação de agricultores 3. o Fórum Consultivo Organização Internacional do Café Belo Horizonte, Brasil 10 de setembro de 2013 Associação Nacional de Negócios Cooperativos CLUSA International

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao 1. Introdução O objetivo deste trabalho é analisar o posicionamento brasileiro perante as normas internacionais relacionadas a intervenções humanitárias e missões de paz no período pós-guerra Fria, e como

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Quadro 1 As dimensões de ação da diplomacia económica

Leia mais

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus,

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, Unidades Especializadas de Polícia do Exército Polonês General Boguslaw Pacek, Exército Polonês Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, não há medo de agressão armada por parte de estados

Leia mais

Esta contribuição foca na segurança e defesa da Europa. Trata-se de um tópico

Esta contribuição foca na segurança e defesa da Europa. Trata-se de um tópico A Política Europeia de Segurança e Defesa após o Tratado de Lisboa: estado da arte e perspectivas futuras 65 Laura C. Ferreira-Pereira Esta contribuição foca na segurança e defesa da Europa. Trata-se de

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado

2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado 2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado - Medidas de terrorismo patrocinado por governos e a possibilidade de manifestações violentas foram os indicadores

Leia mais

Rússia vende sistema antimíssil para o Irã

Rússia vende sistema antimíssil para o Irã Rússia vende sistema antimíssil para o Irã Resenha Segurança Raphael Rezende Esteves 09 de março de 2007 1 Rússia vende sistema antimíssil para o Irã Resenha Segurança Raphael Rezende Esteves 09 de março

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

A Nova Geopolítica do Petróleo

A Nova Geopolítica do Petróleo A Nova Geopolítica do Petróleo Introdução ao problema: A expressão geopolítica engloba assuntos que são concebidos como de enorme importância para países numa determinada região, continente, hemisfério

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 31.7.2014 PROJETO DE RELATÓRIO sobre o desafio da reconciliação nacional nos países em situação de pósconflito e de pós-crise Correlatores:

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense.

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. 970 As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. José Luiz Silva Preiss, Prof. Dr. Helder Gordim da Silveira (Orientador) PPG História - PUCRS

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE

A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE Introdução Aluno: Enzo Mauro Tabet Cruz Professor: Kai Michael Kenkel O Brasil vem crescentemente ganhando destaque

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

SISTEMA DE SANÇÕES DA ONU - a real eficácia e as consequências destas sanções em uma sociedade. Paula Caúla Infante Gomes RESUMO

SISTEMA DE SANÇÕES DA ONU - a real eficácia e as consequências destas sanções em uma sociedade. Paula Caúla Infante Gomes RESUMO 68 SISTEMA DE SANÇÕES DA ONU - a real eficácia e as consequências destas sanções em uma sociedade. Paula Caúla Infante Gomes RESUMO O artigo apresenta uma reflexão sobre o Sistema de Sanções da Organização

Leia mais

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD Palestra UFMS 05/06/2013 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

[sem remissão prévia a uma Comissão Principal (A/53/L.79)] 53/243. Declaração e Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz

[sem remissão prévia a uma Comissão Principal (A/53/L.79)] 53/243. Declaração e Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz Nações Unidas A Assembléia Geral Distr. GERAL A/RES/53/243 6 de outubro de 1999 Qüinquagésimo terceiro período de sessões Tema 31 do programa RESOLUÇÕES APROVADAS PELA ASSEMBLÉIA GERAL [sem remissão prévia

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

resolução de situações-problema

resolução de situações-problema 1 resolução de situações-problema situação-problema esclarecer a comunidade escolar sobre o papel da onu na resolução dos conflitos mundiais saberes a mobilizar saber Enunciar os objetivos que presidiram

Leia mais

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Análise Europa Segurança Jéssica Silva Fernandes 28 de Agosto de 2010 Corte Internacional de Justiça se manifesta

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Desafios e opções para

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA 2ºANO ANIMAÇÃO SOCIOEDUCATIVA

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA 2ºANO ANIMAÇÃO SOCIOEDUCATIVA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE COIMBRA 2ºANO ANIMAÇÃO SOCIOEDUCATIVA A «Segurança Ambiental»: Oportunidades e Limites In SOROMENHO MARQUES, Viriato (2005) Metamorfoses Entre o colapso e o desenvolvimento

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

FRANCISCO PROENÇA GARCIA

FRANCISCO PROENÇA GARCIA FRANCISCO PROENÇA GARCIA A PRIVATIZAÇÃO DA DEFESA E AS EMPRESAS MILITARES PRIVADAS Revista de Comunicação e Marketing, 5 (1) 2013 ISSN 1645-0248 Edição e propriedade Instituto Superior de Comunicação Empresarial.

Leia mais

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Usando da faculdade conferida pelo artigo 3.º, n.º 1, alínea 3), da Lei Constitucional n.º

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores:

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores: Título do Curso: Pós-graduação em Segurança e Defesa Departamento: Ciência Política e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciência Política e Relações Internacionais Dados dos Coordenadores: Gustavo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Apoio: Brasília - DF, 07 de Outubro de 2014. ANATOMIA DO CRIME ORGANIZADO Marco Teórico O Crime Organizado como ameaça

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

A INTELIGÊNCIA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

A INTELIGÊNCIA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO A INTELIGÊNCIA NO COMBATE AO CRIME ORGANIZADO Uma abordagem propositiva Karla Padilha Os desafios da inteligência no combate ao crime organizado As atividades de inteligência, ainda que tenham avançado

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

AFEGANISTÃO. Ficha Técnica. (estimativas em Julho de 2006) 2. Aspectos Históricos. Mapa Geográfico do Afeganistão 5 :

AFEGANISTÃO. Ficha Técnica. (estimativas em Julho de 2006) 2. Aspectos Históricos. Mapa Geográfico do Afeganistão 5 : CONFLITO EUA- AFEGANISTÃO Ficha Técnica Do Afeganistão: População 1 : 31,056,997 hab. (estimativas em Julho de 2006) Área 2 : 647,500 km 2 Capital: Kabul Idioma 3 : Pashtu e Dari (persa) Religião 4 : 99%

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Segurança espacial: conceitos básicos

Segurança espacial: conceitos básicos Segurança espacial: conceitos básicos José Monserrat Filho Associação Brasileira de Direito Aeronáutico e Espacial (SBDA) Núcleo de Estudos de Direito Espacial (NEDE) Reunião de 15 de junho de 2012 Definição

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Sourcing de TI Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? 2010 Bridge Consulting Apresentação Apesar de ser um movimento de grandes dimensões,

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA INTRODUÇÃO O constituinte de 1988 inaugurou no Direito Constitucional brasileiro um capítulo sobre a segurança pública, e o fez repartindo competência

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil

MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil Análise Segurança Bárbara Gomes Lamas 29 de junho de 2005 MINUSTAH e implicações para as aspirações internacionais do Brasil Análise Segurança

Leia mais

POR UMA OUTRA VISÃO DO TERRORISMO 3º Of. Int. Thiago Lourenço Carvalho Abin

POR UMA OUTRA VISÃO DO TERRORISMO 3º Of. Int. Thiago Lourenço Carvalho Abin REVISTA BRASILEIRA DE INTELIGÊNCIA. Brasília: Abin, v. 3, n. 4, set. 2007 Acesso em: http://www.abin.gov.br/modules/mastop_publish/files/files_48581dbdd7d04.pdf POR UMA OUTRA VISÃO DO TERRORISMO 3º Of.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ A União Europeia e os seus parceiros norte-americanos, os Estados Unidos da América e o Canadá, têm em comum os valores da democracia, dos direitos humanos e da liberdade

Leia mais