Dossiê. 06 de Junho de 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dossiê. 06 de Junho de 2014."

Transcrição

1 Dossiê 06 de Junho de Os aprovados no último concurso para os cargos de Analista e Técnico da Carreira de Especialista do Banco Central do Brasil (BCB), por meio deste documento, justificam a necessidade da nomeação de todos os aprovados no respectivo certame. No mês de fevereiro deste ano foi concluída a última etapa do processo seletivo, com vista ao preenchimento de 400 vagas para o cargo de analista e de 100 vagas para o cargo de técnico. Os candidatos foram avaliados em duas fases. A primeira fase foi composta por uma prova objetiva com 120 questões do tipo certo e errado e questões discursivas, que compreendiam duas redações e um estudo de caso. A segunda foi realizada através de um Programa de Capacitação, com instruções sobre as atribuições ições do BCB, que deixou os aprovados devidamente qualificados para exercerem as funções dos respectivos cargos. O curso teve duração de 120 horas e foi realizado em período integral, durante quinze dias ininterruptos. Ao final, os candidatos realizaram uma prova objetiva contendo 80 questões. Em suma, dos inscritos, apenas foram aprovados nas duas fases, isto é, apenas 1,16% do total. 1. Segundo a Lei 9.650/98 1, que dispõe sobre o Plano de Carreira dos Servidores do Banco Central do Brasil, o quadro legal de pessoal da Autarquia é de Analistas, 861 Técnicos e 300 Procuradores, totalizando servidores. Entretanto, em 30 de maio de 2014, o BCB contava com apenas Analistas, 547 Técnicos e 173 Procuradores, ou seja, servidores ativos, o que representa uma defasagem de servidores em relação ao quadro autorizado em lei. Esse déficit de 39,5% evidencia o menor quadro efetivo desde

2 Considerando o certame para preenchimento de vagas dos cargos de Analista e Técnico, observando a tabela 1, abaixo, nota-se que o número de aprovados é extremamente inferior à quantidade de vagas disponíveis. Para Analista, são 844 aprovados para vagas, enquanto para Técnicos são 191 aprovados para 314 vagas. Tabela 1 Cargos Fixados por Lei x Cargos Ocupados Fonte: Departamento de Gestão de Pessoas (DEPES) - BCB 2. Conforme a Nota Técnica Nº 2 (Anexo I), enviada em 24 de agosto de 2012 pelo Banco Central do Brasil ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG),, a autarquia apresenta dificuldades para cumprir sua missão institucional com a qualidade e a presteza que se impõem e que o mercado e a sociedade brasileira exigem. Nessa Nota Técnica, o BCB expõe inúmeros motivos para o pedido do preenchimento de vagas de Especialista (Analistas e Técnicos) e 120 vagas de Procurador,, alertando ainda que esse seria um quantitativo mínimo para afastar o risco operacional ao qual a Autarquia estaria sujeita. Mesmo assim, o MPOG autorizou somente 500 vagas iniciais de Especialista e 15 de Procurador para a realização do concurso de

3 Esse quadro alarmante foi tema do Relatório de Auditoria Anual de Contas 2 da Controladoria Geral da União (CGU) de 2012 realizado no BCB, apresentando no item Avaliação da Gestão de Recursos Humanos, subitem Análise da suficiência da força de trabalho, a seguinte conclusão: dado o número atual de servidores e mantido o ritmo de aposentadorias hoje existente, a instituição poderá vir a enfrentar dificuldades para cumprir sua missão institucional. Tal necessidade de reposição no quadro funcional do BCB é recorrente e antiga. O cenário foi verificado também em 2007, por meio da Corregedoria Geral da União da CGU, em seu Relatório da Auditoria de Gestão do Banco Central, no item , quando questiona o Banco em relação às medidas desenhadas para equacionar a questão das aposentadorias de servidores, que se acumularão nos próximos anos. A resposta da CGU quanto às providências do BCB junto ao MPOG foi: essas tratativas devem ser intensificadas, tendo em vista que a falta de recursos humanos poderá afetar áreas estratégicas do Banco. (Anexo II) 3. A defasagem do quantitativo de servidores do BCB frente a vários países desenvolvidos e emergentes também se mostra importante. Em um estudo envolvendo 176 países, o Banco Central do Brasil é o 171º colocado em quantidade de servidores para cada habitantes (2,02) e o 173º colocado em variação do efetivo de 2008 a 2013, com redução de 20,26% da sua força de trabalho,, conforme ilustrado nos Anexos III e IV, e nos gráficos 1 e 2, abaixo: 3

4 Gráfico 1 força de trabalho nos bancos centrais para cada habitantes Fontes: Central Bank Directory / Relatório RH em números do BCB (edição de Dez/2013) 4 / World Economic Outlook Database do FMI 5 A maioria dos países reforçou o quadro de servidores de seus Bancos Centrais após a crise financeira e econômica de 2008 (107 países segundo o anexo IV). No Brasil, ao contrário, a força de trabalho do BCB reduziu aproximadamente 20% entre 2008 e 2013, de acordo com o gráfico 2, fato que compromete a missão da instituição, que é assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente, e expõe o Brasil a vulnerabilidades em casos de crises financeiras ou econômicas. Atualmente, reconhece-se que a crise de 2008 foi, em grande medida, causada pela deficiência dos órgãos responsáveis pela regulação e fiscalização do mercado financeiro nos EUA. Fica evidente, então, a importância de um órgão fiscalizador forte e eficaz para supervisionar um sistema financeiro que se torna mais complexo a cada dia. 4

5 Gráfico 2 Variação percentual da força de trabalho dos principais bancos centrais mundiais entre o período de 2008 a 2013 Fontes: Central Bank Directory / Relatório RH em números do BCB (edição de Dez/2013, Dez/2012 e Dez 2011) 4 / Annual Report: Budget Review 2013 do FED 6 / Relatório anual de 2013 do BCE 7 A defasagem do quantitativo de servidores do BCB frente a vários países desenvolvidos e emergentes deve figurar como uma preocupação para os tomadores de decisões governamentais. Ilustra-se abaixo, no gráfico 3, a evolução do quadro de servidores do BCB, entre especialistas e procuradores, notadamente decrescente após a crise de 2008: 5

6 Gráfico 3 Evolução da força de trabalho no BCB entre o período de 1995 a 2014 Fontes: Central Bank Directory / Relatório RH em números do BCB (edição de Março/2014, Dez/2013, Dez/2012 e Dez 2011) 4 4. A situação de risco operacional, ou risco de RH, tende a se agravar com o incremento e aumento da complexidade das atividades atribuídas ao BCB. Competências extras, como a educação e a inclusão financeira da população pulação e os arranjos de pagamentos, surgem como demanda da sociedade moderna. O cenário nacional exige que o Banco Central do Brasil proporcione estabilidade financeira e o pleno desenvolvimento da economia, com atividades que demandam maior atuação prudencial in loco e que atendam ao crescente aumento de informações geradas pela evolução tecnológica. 6

7 Ademais, o BCB amplia cada vez mais sua participação em fóruns e comitês internacionais e com isso aumenta o compromisso em fazer cumprir as exigências impostas. Convergindo com essas atividades, verifica-se que o Banco possui as chamadas atividades clássicas dos Bancos Centrais, mas também atividades de regulação e supervisão do Sistema Financeiro Nacional, como meio circulante e gestão de reservas, exigindo, para tanto, adequação na quantidade da sua força de trabalho. Outro tema relevante é o PL 3.615/2000, que dispõe sobre "factoring". Caso prossiga para sanção presidencial, a responsabilidade pela supervisão e fiscalização desse mercado recairá sobre o BCB. Desta maneira, com o contingente atual, não haverá força de trabalho suficiente para dar início a tais atividades, uma vez que elas demandariam no mínimo mais 250 servidores,, segundo a estimativa constante da Nota Técnica N 2 (Anexo I), elaborada pelo próprio Banco Central. Logo, é presumível que a instituição possa ter suas atividades fundamentais prejudicadas, caso não ocorra uma reposição rápida e em grande escala do seu quadro. O segmento Arranjos e Instituições de Pagamento passou a ser fiscalizado e normatizado pelo BCB em maio de 2014,, de acordo com as Resoluções nº e 4.283, e as Circulares nº 3.680, nº 3.681, nº e nº 3.683, além da Lei nº /2013. Os arranjos e instituições de pagamento podem ser entendidos como as regras e as instituições que permitem ao cidadão realizar transações de pagamentos sem a necessidade de intermediação de uma instituição financeira, ou seja, são os mercados de cartões de crédito, de comércio eletrônico, de pagamento virtual, etc. Somente o setor de cartões de crédito movimentará em 2014, R$ 846 bilhões, com 9,1 bilhões de transações, de acordo com a Abecs (Associação Brasileira de Empresas de Cartão de Crédito e Serviços). Há que se considerar a crescente complexidade e a importância sistêmica stêmica que o segmento de Arranjos e Instituições de Pagamento tem atingido nos últimos anos, principalmente com a elevação do uso da internet pela população. É enorme a demanda de força de trabalho advinda dessa nova atribuição. 7

8 Enfim, são atividades que interferem diretamente na economia e, por consequência, influenciam o bem-estar estar da sociedade brasileira. O desenvolvimento econômico está no centro das decisões políticas. O nível de robustez econômica concretiza o rumo dos programas governamentais, dos investimentos, do planejamento e da concessão de empréstimos, assim como dos projetos de assistência às famílias de baixa renda. Todas essas são ações essenciais para a população e não podem ser prejudicadas por desequilíbrios e instabilidade na economia brasileira. 5. A nomeação de todos os aprovados reforça-se em face ao crescente número de aposentadorias e vacâncias. Nos últimos 5 anos (2009 a 2013), especialistas (analistas e técnicos) se aposentaram. Desde o pedido de realização do concurso, em agosto de 2012, até maio de 2014, mais de 500 servidores deixaram a instituição. Desde a publicação do edital do certame - em 20/08/2013 -, cerca de 210 servidores já gozaram de seus direitos de aposentadoria. De acordo com o RH em Números de 31/03/2014, no curto intervalo de tempo de janeiro a março deste ano, o BCB sofreu 56 aposentadorias. Além das perdas com aposentadorias e outras vacâncias, o BCB possui 73 servidores cedidos a outros órgãos e 37 servidores de licença, num total de 110 servidores em afastamentos e cessões. Considerando a carreira de Especialista (Analistas e Técnicos), a nomeação de todos aprovados não resultará em crescimento de seu quadro de servidores, mas mera reposição parcial das vacâncias.. Nomeando os aprovados, essa carreira ainda ficará com defasagem de especialistas, representando um déficit de aproximadamente 22% em relação ao seu quadro total legal. Esse valor não considera os 609 servidores que já possuem o direito a se aposentar ou que irão adquiri-lo ainda em 2014, além dos 99 que o adquirirão em 2015 e 87 em Essa soma chega 8

9 a 795 servidores com direito a aposentadoria ao final do ano de Informações encontradas na tabela 2, abaixo: Tabela 2 Efetivação e previsão de aposentadorias Fonte: Relatório RH em números do BCB (edição de Março/2014) 4 A tabela 3, a seguir, mostra uma projeção do quadro de servidores do BCB considerando a nomeação de todos os aprovados ainda em 2014, admitindo-se uma média de 38% de efetivação de aposentadoria, de acordo com a média dos últimos 2 anos, e quantidade média de outras saídas também observadas nos últimos anos: Tabela 3 Projeção de efetivação de 38% das aposentadorias e nomeação de 1035 aprovados Fonte: Relatório RH em números do BCB (edições es Março/2014, Dezembro/2013, Dezembro/2012 e Dezembro/2011) No ritmo que se tem observado até o momento, mesmo com a nomeação de todos os 1035 aprovados, a projeção de efetivo de 4286 servidores em 2016 representará um déficit de 30,5% do quadro legal de 6170 especialistas da instituição, 9

10 ou seja, a tendência de queda do quadro de servidores do BCB não se reverterá. Esses dados mostram o quão séria, delicada e urgente é essa situação de risco de RH. A nomeação de todos os 1035 aprovados se mostra imprescindível e urgente, para evitar séria crise no BCB e danos para a sociedade. 6. Nesse momento, é importante frisar a relevância que o conhecimento dos servidores atuais representa para os novos que entrarão. É de suma importância que ocorra o repasse do conhecimento através da transferência de know how dos servidores mais experientes para os que acabam de chegar. Não é interessante para a continuidade dos serviços e para a estabilidade financeira do país que os novos servidores venham a aprender sozinhos as minúcias e particularidades do serviço que, em princípio, poderiam ser transmitidas de forma mais eficiente por quem já sabe. A nomeação dos aprovados deve ser feita com a celeridade necessária a permitir o compartilhamento de conhecimento dos servidores da casa com os novos entrantes. Também se deve ponderar que o país apresenta projeções para futuras crises; portanto, o investimento no quadro de servidores da autoridade monetária se mostra como estratégico e como solução relevante para o fortalecimento da resiliência nacional. 7. Atualmente, contamos com a autorização do MPOG para apenas 250 nomeações do total de 750 solicitadas inicialmente pela Autarquia. Todavia, conforme evidências supracitadas, há enorme urgência para a nomeação imediata dos aprovados. Neste momento, 500 nomeações ainda podem ser autorizadas pelo MPOG. Já a nomeação dos 285 restantes poderá ocorrer apenas por Despacho Presidencial. Como histórico das nomeações de excedentes autorizadas pelo MPOG, entre 2010 e 2013, temos como precedentes os seguintes órgãos: CVM 2010; DNIT 2010 e 2012; ANAC 2012; Ministério da Saúde 2011; INEP 2012; e Auditor-Fiscal da RFB

11 Em 2014, o MPOG concedeu autorização para nomeação de 150% de uma única vez para os seguintes órgãos: Analista do Ministério da Fazenda 2013; e IBGE Já a Presidenta, entre os anos de 2010 e 2013, assinou vários Despachos Presidenciais autorizando nomeações além dos 50% de excedentes, chegando a 100% e até a 200%, tendo como precedentes os órgãos a seguir: DNIT 2011; Auditor-Fiscal do Trabalho - MTE 2010; EPPGG-MPOG 2009; Ministério da Saúde 2011; IBAMA 2008; BCB 2009; PRF 2009 e 2011; INSS Em 2014, também receberam o Despacho Presidencial: Analista de Infraestrutura do MPOG; Analista-Tributário da RFB 2012; INPI 2012; ANCINE 2013; e, novamente, o INSS Todas essas autorizações podem ser encontradas no Anexo V. 8. A tendência no Poder Executivo é apresentar crescimento global gradual em seu número de servidores. Esta tendência se reflete no quadro funcional de alguns órgãos importantes para o funcionamento do Sistema Financeiro Nacional, com variações positivas no período entre 2008 e 2014: Comissão de Valores Mobiliários - CVM, Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e a Superintendência Nacional de Previdência Complementar - PREVIC. O Banco Central do Brasil, em contrapartida a essa tendência, teve uma das maiores reduções de todo o Executivo em 5 anos, registrando queda de 21,20% no mesmo período, como constatado pela tabela abaixo. Tabela 4 - Evolução de quantitativo de pessoal ativo a 2014 Fonte: Boletim Estatístico de Pessoal / MPOG 11

12 9. Com base nos motivos expostos e na visível preocupação e esforço do nosso governo em oferecer serviços de qualidade à população brasileira, vê-se que, para manter o progresso nacional, é preciso garantir o equilíbrio do quadro de pessoal do Banco Central do Brasil. O BCB encontra-se atualmente em situação delicada no que se refere à quantidade de servidores ativos, o que pode resultar em risco de RH para a instituição e, consequentemente, em risco operacional. Desde 2010, quando a autarquia iniciou o processo de perda de servidores de forma vertiginosa, há motivos para a preocupação com um futuro risco operacional. Além disso, comparando o quadro funcional do BCB com o crescimento do quadro de servidores das demais instituições públicas nacionais, dos demais Bancos Centrais mundiais, com o crescimento das atribuições da Autarquia e com o elevado número de aposentadorias sofridas e esperadas até o fim de 2015, percebe-se a defasagem das nomeações e o completo descaso sofrido pela autoridade monetária. Com base no exposto, avalia-se que a autorização para a convocação de todos os 1035 aprovados no concurso público do BCB deve ser analisada em regime de urgência, a fim de que sejam atendidas as necessidades de reposição do quadro de servidores e a manutenção das atividades da referida Autarquia. 12

13 Referências: [1] PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Lei Acessado em: [2] CGU [Controladoria-Geral da União], Relatório de Auditoria Anual. p. 15 e 16. Disponível em: [3] HORÁKOVÁ, M.; JORDAN, A. (Org.). Central Bank Directory Londres: Central Banking Publications, [4] BCB [Banco Central do Brasil], 2011, 2012, 2013, Relatório RH em Números do BCB. Edições de Março/2014, Dezembro/2013, Dezembro/2012 e Dezembro/2011 [5] FMI [Fundo Monetário Internacional], Abril/2014. World Economic Outlook Database - FMI. Acessado em: [6] BOARD OF GOVERNORS OF THE FEDERAL RESERVE SYSTEM, Annual Report: Budget Review. p. 10. Acessado em: -budget-review.pdf [7] BCE [Banco Central Europeu], Relatório Anual Acessado em: https://www.ecb.europa.eu/pub/pdf/annrep/ar2013pt.pdf 13

14 Anexos: Anexo I - Nota Técnica DEPES/Geap/02/2012 Anexo II Carta da Diretoria do BCB ao MPOG Anexo III - Efetivo dos Bancos Centrais Para Cada Habitantes Anexo IV - Variação do Efetivo dos Bancos Centrais de 2008 a Anexo V - Histórico de Despachos e Autorizações de Nomeações 14

Cargo Servidores Técnico do Banco Central do Brasil 861 Analista do Banco Central do Brasil 5.309 Procurador do Banco Central do Brasil 300 Total

Cargo Servidores Técnico do Banco Central do Brasil 861 Analista do Banco Central do Brasil 5.309 Procurador do Banco Central do Brasil 300 Total 1. O Banco Central Quadro de servidores definido em lei A Lei N 9650 de 27 de maio de 1998 estabelece o plano de carreira dos servidores do Banco Central do Brasil e determina outras providências como

Leia mais

Esvaziamento do Quadro de Servidores Risco de RH

Esvaziamento do Quadro de Servidores Risco de RH Esvaziamento do Quadro de Servidores Risco de RH QUADRO ATUAL DO BANCO CENTRAL CARGO Analista QUADRO DE PESSOAL POSIÇÃO EM 31.03.2015 Cargos Fixados por Lei x Cargos Ocupados FIXAÇÃO DA LEI Nº 9.650/1998

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 Altera a Lei 11.907 de 02 de fevereiro de 2009, para estabelecer a jornada de trinta horas para os integrantes da carreira de Perito Médico Previdenciário e da Carreira de Supervisor

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 155, de 2015 (nº 62, de 2015, na origem), de autoria da Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

VII - GESTÃO DE PESSOAS

VII - GESTÃO DE PESSOAS VII - GESTÃO DE PESSOAS Política de Recursos Humanos Mensagem Presidencial Política de Recursos Humanos Reestruturação da Força de Trabalho do Poder Executivo Desde 2003, o Governo investe na reestruturação

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira

A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira A Organização de Carreiras do Poder Executivo da Administração Pública Federal Brasileira Aldino Graef Brasília, 7 de julho de 2009 CONFERÊNCIA NACIONAL DE RECURSOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE 2014 (Do Sr. Amauri Teixeira)

INDICAÇÃO Nº, DE 2014 (Do Sr. Amauri Teixeira) INDICAÇÃO Nº, DE 2014 (Do Sr. Amauri Teixeira) Sugere a Excelentíssima Senhora Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão a convocação dos aprovados fora do número de vagas originais do concurso

Leia mais

Educação Financeira e Inclusão Financeira.. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014

Educação Financeira e Inclusão Financeira.. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014 Educação Financeira e Inclusão Financeira. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014 Agenda Planejamento estratégico do BCB Inclusão Financeira & PNIF Educação Financeira & ENEF iniciativas

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

EDITAL nº 67/2015/DGP/IFAL, DE 10 DE JUNHO DE 2015 PROCESSO SELETIVO DE CADASTRO DE RESERVA PARA A REMOÇÃO DE DOCENTES

EDITAL nº 67/2015/DGP/IFAL, DE 10 DE JUNHO DE 2015 PROCESSO SELETIVO DE CADASTRO DE RESERVA PARA A REMOÇÃO DE DOCENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS-DGP COORDENAÇÃO DE CONTRATO E ADMISSÃO DE PESSOAL-CCAP EDITAL nº 67/2015/DGP/IFAL, DE

Leia mais

Apresentação. Acompanhe a Plenária Extraordinária do VI Congresso Interno em: www.fiocruz.br/congressointerno

Apresentação. Acompanhe a Plenária Extraordinária do VI Congresso Interno em: www.fiocruz.br/congressointerno Apresentação O Guia Prático do VI Congresso Interno (Plenária Extraordinária, maio de 2012), na forma de perguntas e respostas, visa facilitar a compreensão sobre os diversos elementos que compõem o processo

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

VI - Sistemas Previdenciários

VI - Sistemas Previdenciários VI - Sistemas Previdenciários Regime Geral de Previdência Social Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Cabe ao Governo Federal a responsabilidade

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Curso DSc. Você no curso certo. Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP

Curso DSc. Você no curso certo. Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP Curso DSc Você no curso certo Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP Concurso Público Planejamento de Médio Prazo Não é Vestibular Foco no Edital Questões sorteadas Não cai tudo Não

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

CFESS em defesa do trabalho do assistente social do INSS com autonomia profissional e com a garantia das condições técnicas e éticas.

CFESS em defesa do trabalho do assistente social do INSS com autonomia profissional e com a garantia das condições técnicas e éticas. CFESS em defesa do trabalho do assistente social do INSS com autonomia profissional e com a garantia das condições técnicas e éticas. Documento elaborado pelo CFESS apresentando questões enfrentadas pelos

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Modernização da Gestão Administrativa. e da. Previdência do Servidor Público

Modernização da Gestão Administrativa. e da. Previdência do Servidor Público Modernização da Gestão Administrativa e da Previdência do Servidor Público (Brasília, 14 de maio de 2015) 2 Projeto de Lei Complementar Institui o Regime de Previdência Complementar Novo Regime abrange

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009-DPPG

EDITAL Nº 01/2009-DPPG EDITAL Nº 01/2009-DPPG A Diretoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - EDITAL Nº 292/IFC//2015 Torna pública a abertura do processo seletivo de servidores técnico-administrativos para as vagas de afastamento integral para pós-graduação stricto

Leia mais

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL)

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) Brasília Junho de 2009 Organização do Estado Brasileiro República Federativa do Brasil (União Indissolúvel) Estados

Leia mais

RELATÓRIO DAS AÇÕES DA COORDENADORIA DE AUDITORIA INTERNA DA CGM EM 2013 1

RELATÓRIO DAS AÇÕES DA COORDENADORIA DE AUDITORIA INTERNA DA CGM EM 2013 1 RELATÓRIO DAS AÇÕES DA COORDENADORIA DE AUDITORIA INTERNA DA CGM EM 2013 1 1 Relatório disponibilizado pela Controladoria Geral do Município de São Paulo. 65 INTRODUÇÃO Apesar de funcionar desde o dia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 08/2014 PRE/UFSM SELEÇÃO DE SELEÇÃO DE CURSISTAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 08/2014 PRE/UFSM SELEÇÃO DE SELEÇÃO DE CURSISTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 08/2014 PRE/UFSM SELEÇÃO DE SELEÇÃO DE CURSISTAS Inscrição para seleção de Candidatos à 3ª edição do Curso

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Agenda Missão do Banco Central do Brasil Inclusão Financeira

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E ACESSO À INFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO DA CORUPÇÃO

TRANSPARÊNCIA E ACESSO À INFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO DA CORUPÇÃO TRANSPARÊNCIA E ACESSO À INFORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO DA CORUPÇÃO Mário Vinícius Spinelli Secretário de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas Controladoria-Geral da União Transparência

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER PARECER Referênci a: Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão recorrido: Recorrent e: 1269.000181/201-1 Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação Não se aplica Pareceres Interesse

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DO PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA CONDITIONAL CASH TRANSFER PROGRAMS: OPERATIONAL EXPERIENCES WORLD BANK WORKSHOP O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA Contexto Após

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País.

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. OBJETIVOS A Pesquisa

Leia mais

EDITAL DE APOIO À QUALIFICAÇÃO: CLASSIFICAÇÃO DOS DOCENTES PARA FINS DE AFASTAMENTO.

EDITAL DE APOIO À QUALIFICAÇÃO: CLASSIFICAÇÃO DOS DOCENTES PARA FINS DE AFASTAMENTO. EDITAL Nº 23/2015/ARAGUATINS/CPPI/DG/IFTO DE 15/06/2015 EDITAL DE APOIO À QUALIFICAÇÃO: CLASSIFICAÇÃO DOS DOCENTES PARA FINS DE AFASTAMENTO. O DIRETOR GERAL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

EDITAL PRPPG 001/2011 MINTER EM EDUCAÇÃO UFES-IFES

EDITAL PRPPG 001/2011 MINTER EM EDUCAÇÃO UFES-IFES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO Autarquia criada pela Lei n o. 11.892, de 29 de dezembro de 2008 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Avenida

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Oportunidades do mercado de concursos e atual conjuntura política e econômica.

Oportunidades do mercado de concursos e atual conjuntura política e econômica. Oportunidades do mercado de concursos e atual conjuntura política e econômica. Diretoria Comercial Diretoria e Marketing DIA de Agosto MÊS de de ANO 2011 Atraso nos concursos federais PL 4330/94 Terceirizações

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro LEI COMPLEMENTAR Nº 442, de 13 de maio de 2009 Procedência Governamental Natureza PLC/0006.2/2009 DO. 18.604 de 14/05/2009 *Alterada pela LC 534/11 *Ver Lei LC 534/11 (art. 72) *Regulamentada pelo Dec.

Leia mais

Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo

Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo Parecer da Federação Académica do Porto A participação de Portugal na subscrição da Declaração de Bolonha em Junho de 1999 gerou para o Estado

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99901.000285/201-0 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recurso contra decisão denegatória ao

Leia mais

Encontro promovido pelo Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental do Banco Central do Brasil. Relatório de participação do Sinal

Encontro promovido pelo Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental do Banco Central do Brasil. Relatório de participação do Sinal Encontro promovido pelo Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental do Banco Central do Brasil Relatório de participação do Sinal Na tarde do último dia quatro de dezembro, quinta-feira, o Presidente

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

COMUNICADO SEGES Nº 02 Servidores públicos federais cada vez mais qualificados

COMUNICADO SEGES Nº 02 Servidores públicos federais cada vez mais qualificados COMUNICADO SEGES Nº 02 Servidores públicos federais cada vez mais qualificados Outubro de 2009 Brasília - DF MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Gestão - SEGES COMUNICADO SEGES

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015 CARREIRA DE REFORMA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO LEI 11.090/2005

CAMPANHA SALARIAL 2015 CARREIRA DE REFORMA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO LEI 11.090/2005 CAMPANHA SALARIAL 2015 CARREIRA DE REFORMA E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO LEI 11.090/2005 PENDENCIAS DOS TERMOS DE ACORDO 07 de julho de 2005 Fazer gestões para no menor prazo possível assegurar adoção das

Leia mais

C AF ATUAÇÃO DO COAF NA PREVENÇÃO E COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO

C AF ATUAÇÃO DO COAF NA PREVENÇÃO E COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO ATUAÇÃO DO COAF NA PREVENÇÃO E COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO Set/2011 1 A UIF BRASILEIRA LEI 9.613/98 Prevenção à utilização indevida dos setores econômicos legítimos contra

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses

Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses Patricia Audi Secretária de Transparência e Prevenção da Corrupção 20 de agosto de 2015 Do que trata a Lei? Situações que configuram conflito

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Dispõe sobre a NBC P 5 sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no Cadastro Nacional de O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

*F69F3DF9* PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*F69F3DF9* PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br

Fachesf de FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL www.fachesf.com.br Fachesf de Você está em nossos planos Criada em 10 de abril de 1972, pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), sua patrocinadora, a Fundação Chesf de Assistência e Seguridade Social é uma

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL

BANCO CENTRAL DO BRASIL BANCO CENTRAL DO BRASIL Olá, me chamo César de Oliveira Frade. Há alguns anos, leciono para concurso público nas áreas de Economia e Finanças e, atualmente, ocupo o cargo de Analista do Banco Central do

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Shadow Banking no Brasil

Shadow Banking no Brasil Shadow Banking no Brasil 1 Introdução escriturados fora do balanço dos bancos. Além disso, várias entidades, com pouca ou nenhuma regulação, shadow banking system 1 para designar o conjunto de tais entidades

Leia mais