PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PETI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PETI"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PETI DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

2 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico em Tecnologia da Informação PETI, é essencial para que possamos identificar e alocar corretamente os recursos da área de TI, visando manter o alinhamento da gestão de TI aos objetivos estratégicos da, estabelecidos em seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI. O presente PETI foi elaborado em atendimento as determinações legais, e sua vigência estabelecida para o período de em consonância como o PDI, e compreende a seguinte organização: Perfil Institucional; A ; Planejamento Estratégico da TI; Análise Ambiental; Plano de Gestão de Pessoas; Dimensionamento do quadro de Servidores; Plano de Metas e de Ações; Ações/Projetos Estruturantes; Planejamento Estratégico da TI, alinhado ao Plano de Desenvolvimento Institucional PDI, da UTFPR. 2. PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL A elaborou o seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), para o período , uma Instituição Federal de Ensino Superior que congrega doze Câmpus, distanciados entre si em até 600 km; administrava a época, um orçamento anual superior a R$ 210 milhões; com uma força de trabalho de docentes e 797 técnico-administrativos; estudantes regularmente matriculados em cursos técnicos de nível médio até cursos de doutorado; e estimava um crescimento nos próximos três anos, no mínimo, de 20% em todos os indicadores. Os dados do Relatório de Gestão de 2011 comprovam o crescimento estimado no PDI da UTFPR, pois conta atualmente com doze Câmpus e administra um orçamento de R$ ,00, seu quadro de docente 1

3 passou para e 912 técnico-administrativos, com um total de alunos matriculados MISSÃO, VISÃO E VALORES MISSÃO Promover a educação de excelência por meio do ensino, pesquisa e extensão, interagindo de forma ética e produtiva com a comunidade para o desenvolvimento social e tecnológico. VISÃO Ser modelo educacional de desenvolvimento social e referência na área Tecnológica. VALORES ÉTICA: gerar e manter a credibilidade junto à sociedade. DESENVOLVIMENTO HUMANO: formar o cidadão integrado no contexto social. INTEGRAÇÃO SOCIAL: realizar ações interativas com a sociedade para o desenvolvimento social e tecnológico. INOVAÇÃO: efetuar a mudança por meio da postura empreendedora. QUALIDADE e EXCELÊNCIA: promover a melhoria contínua dos serviços oferecidos para a satisfação da sociedade. Para a elaboração da proposta de PDI da UTFPR foi empregada metodologia constituída com os componentes representados na figura abaixo. Assim, foram definidas seis dimensões, compreendendo: 1. Gestão Universitária; 2. Educação; 3. Conhecimento; 4. Interação; 2

4 5. Inovação; e 6. Comunidade Universitária Para cada uma destas dimensões foram estabelecidos os seus objetivos gerais, que visam estabelecer o alcance de cada dimensão. GESTÃO UNIVERSITÁRIA Objetivo Geral: Incentivar e desenvolver a cultura organizacional de gestão sistêmica, descentralizada e compartilhada, estimulando a geração de idéias por meio da análise de resultados institucionais e da identificação de desafios, propondo soluções coletivas de servidores, discentes e comunidade externa priorizando os padrões de qualidade. EDUCAÇÃO Objetivo Geral: Contribuir para o avanço da Educação, fundamentada no princípio da formação integral do ser humano, promovendo a inclusão social e a verticalização do ensino, adequando as estruturas e práticas didático pedagógicas e levando nossos educandos a atuarem como agentes autônomos e transformadores da sociedade. CONHECIMENTO Objetivo Geral: Desenvolver e incorporar conhecimentos em todas as áreas, socializando os saberes produzidos, compartilhando os resultados de pesquisa e cooperando para a solução dos problemas da sociedade. INTERAÇÃO Objetivo Geral: Fortalecer e ampliar as relações da Universidade com a sociedade, atendendo as suas demandas, interagindo com o mundo do trabalho e as instituições de ensino e pesquisa nacionais e internacionais. INOVAÇÃO Objetivo Geral: Desenvolver uma cultura inovadora e pró-ativa em todas as suas instâncias, criando ambientes favoráveis, capaz de estabelecer vínculos entre as necessidades da sociedade e o conhecimento acadêmico. COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA 3

5 Objetivo Geral: Desenvolver, num ambiente harmônico, ações que possibilitem a qualificação humana e profissional da comunidade universitária. A partir destas macro-concepções e definições, foram estabelecidos os Objetivos Estratégicos, as Metas, os Cronogramas e Responsabilidades, compondo, assim, o Plano de Desenvolvimento institucional da UTFPR - PDI. O resultado deste trabalho foi o estabelecimento de 39 objetivos estratégicos, para os quais foram definidas 133 metas, com a definição do cronograma e responsabilidades, constantes do Plano de Desenvolvimento Institucional da UTFPR PDI, A DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Com a aprovação do novo Estatuto em 2007 e do Regimento Geral da UTFPR em 05 de junho de 2009, ocorreu à transformação da área de Tecnologia da Informação na UTFPR, passando de Assessoria de Tecnologia de Informação para, ocupando um papel estratégico na instituição, subordinada diretamente a. Para exercer suas responsabilidades faz-se necessário a elaboração de um, tendo como finalidade consolidar a importância estratégica da área e garantir seu alinhamento aos objetivos estratégicos da instituição. A Diretoria de Gestão de Tecnologia possui a seguinte estrutura: Gabinete da Diretoria: o Secretaria de Apoio; Departamento de Sistemas de Informação: o Divisão de Manutenção de Sistemas de Informação; o Divisão de Projetos de Sistemas de Informação; e o Divisão de Banco de Dados; Departamento de Infraestutura em Tecnologia da Informação: o Divisão de Redes de Computadores e Comunicações; o Divisão de Manutenção e Suporte ao Usuário; e o Divisão de Mídias. Compete à : o propor políticas e diretrizes da área de Tecnologia da Informação da UTFPR; o normatizar a metodologia de desenvolvimento de sistemas informatizados; o prover sistemas e infraestrutura de Tecnologia da Informação adequados aos Câmpus; e 4

6 o zelar pela eficácia dos processos operacionais, utilizando-se de tecnologia adequada. Compete ao Departamento de Sistemas de Informação: o coordenar as atividades de desenvolvimento e atualização de sistemas; o pesquisar, estabelecer e disseminar normas e padrões para o o desenvolvimento de sistemas informatizados, mantendo a padronização o entre os Campi da UTFPR; o prospectar novas tecnologias e metodologias de desenvolvimento de o sistemas; e o garantir, em conjunto com o Departamento de Infraestrutura em o Tecnologia da Informação, a disponibilidade dos sistemas de o informação da UTFPR. Compete ao Departamento de Infraestutura em Tecnologia da Informação: o planejar e prover os serviços de administração da rede, do parque de Tecnologia da Informação e de suporte ao usuário; o pesquisar, estabelecer e disseminar normas e padrões de segurança de informação e do uso dos recursos disponíveis na rede de computadores da UTFPR, mantendo a padronização entre os Campi; o gerenciar o funcionamento da infraestrutura responsável pelos serviços da Tecnologia da Informação; e o analisar e implementar ferramentas que auxiliem na administração e segurança do parque de Tecnologia da Informação. Organograma da DIRGTI. 5

7 4. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA TI O Planejamento estratégico de TI deve alinhar a gestão da Tecnologia da Informação aos objetivos estratégicos da UTFPR, definidos no Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI, direcionar os seus recursos para uma gestão efetiva, desenvolvendo arquiteturas e políticas de tecnologia para gerar um ambiente informacional que favoreça a geração de estratégias organizacionais. Da mesma forma que o PDI foi elaborado tomando-se por base as seis dimensões, Gestão Universitária, Educação, Conhecimento, Interação, Inovação e Comunidade Universitária, o Planejamento Estratégico da TI tomou por base sua missão e os pilares: Gestão de TI, Infraestrutura e Desenvolvimento, para que consigamos atingir os objetivos estabelecidos, analisando-se também o ambiente externo e interno da TI. Desta forma estabelecemos o mapa estratégico apresentado a seguir MAPA ESTRATÉGICO O Mapa Estratégico estabelece as bases para a realização dos objetivos estratégicos, que visam atingir os resultados que a instituição pretende obter por meio da TI, para exercer sua missão. 6

8 4.2. ANÁLISE AMBIENTAL Ambiente Interno Pontos Fortes Conhecimento da estrutura e funcionamento da Instituição; Posicionamento estratégico da DIRGTI na estrutura organizacional; Apoio à TI por parte da alta Administração; Participação em Reuniões de Gestão Institucional; Comprometimento da equipe de TI; Autonomia no planejamento e na execução de projetos; Tomada de Decisões de forma participativa pela equipe de TI; Compartilhamento interno de informações; Liberdade de inovação e proposição de novas soluções; Incentivo à Participação em eventos da área de TI. Pontos Fracos Quadro de s e Técnicos em TI insuficientes em relação às demandas; Sobrecarga de trabalho dos servidores de TI; Inexistência de redundância de Dados e Backup em ambientes distintos; Inexistência de Gerador de Energia; 7

9 Pouca experiência profissional da equipe, em função de novas contratações de servidores; Espaço físico inadequado; Indicadores e metas em processo de formalização; Políticas e normas formalizadas em processo de implantação; Estrutura de funções gratificadas ainda não totalmente implementadas; Falta de inventário de Software Ambiente Externo Oportunidades Ameaças Planejamento da TI como área estratégica; Parceria com outras IFES; Apoio da RNP - Rede Nacional de Ensino e Pesquisa; Projetos colaborativos com os Câmpus; Participação no planejamento desenvolvimento da UTFPR. Plano de carreira dos cargos não específicos para a área de TI; Remuneração defasada em relação ao mercado; Rotatividade de servidores concursados; Aquisições de recursos de TI de forma descentralizada; Falta de quadro de servidores para implementar controle de qualidade; Dificuldade de reposição de pessoal; Dificuldade de abertura de novas vagas para aumento do quadro de pessoal; Definição pouco detalhada dos processos por parte das áreas demandantes dos serviços de TI PLANO DE GESTÃO DE PESSOAS O quadro atual de pessoal vinculado à área de Tecnologia da Informação está distribuído entre a Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação e as Coordenadorias de Gestão de TI nos 12 Câmpus da UTFPR. Na DIRGTI, em 2012, o quadro de servidores efetivos na Diretoria, é constituído de 27 servidores, sendo 19 s de Tecnologia da Informação, 05 Técnicos em Tecnologia da Informação, 01 Assistente em Administração, 01 Professor de Ensino Básico Técnico e Tecnológico e 01 Técnico de Laboratório/informática, distribuídos nos Departamentos de Sistemas de Informação e Infraestrutura e na área de Gestão de TI A Gestão de TI A Gestão de TI na é exercida pelo Diretor e Diretora Adjunta, com a responsabilidade de coordenar as atividades dos Departamentos de Sistemas de Informação, Infraestrutura e as Coordenadorias de TI dos Câmpus que compõem a UTFPR, elaborando o planejamento, a supervisão, a execução e a avaliação das políticas institucionais de Tecnologia da Informação. 8

10 Quadro de servidores que atuam na Gestão de TI Diretoria de TI Cargo Ivantuil Lapuente Garrido Técnico em TI Rosane Beatriz Zanetti Putz Assistente em Administração * Dados de agosto/ O Departamento de Sistemas de Informação O Departamento de Sistemas de Informação conta atualmente com 14 analistas, 02 técnicos em TI e 01 Técnico em laboratório, esta equipe de desenvolvimento é, em sua maioria, composta por servidores com pouco tempo de trabalho na instituição. As atividades do DESIS são essencialmente distribuídas em novos projetos e manutenção dos sistemas existentes. A manutenção perfectiva ou evolutiva é a que consome mais recursos e é resultante do software estar em uso e ser "bem-sucedido". Este tipo de manutenção é responsável pela agregação de novas capacidades, alterações em funções existentes e ampliações gerais solicitadas pelos usuários. Os sistemas corporativos em produção na UTFPR são sistemas legados e que estão em constantes manutenções evolutivas, para atender aos novos regulamentos das áreas acadêmicas e atualização dos sistemas administrativos à nova realidade da UTFPR, consumindo, portanto, grande parte do tempo produtivo da equipe de desenvolvimento. Quadro de servidores lotados no Departamento de Sistemas de Informação Departamento De Sistemas Cargo Daniel Lucas Dos Santos Dilmar Jose Kozakiewicz Eduardo Jedliczka Eduardo Renan Manika Gisele Cynthia Tulio Andretta Henrique Sadao Kajino Jose Goncalves De Oliveira Junior Marcelo Augusto Faveri Marcelo Klos Da Silva Patricia Strapasson Piccinini Raquel Kolitski Stasiu Roberto Luis Minten De Souza Sidenei Redivo William Hamilton Dos Santos Marcelo Tomporoski Perez Ricardo Ponestke Seara Wendel Muniz De Oliveira * Dados de agosto/ Técnico Em Laboratório Técnico Em Ti Técnico Em Ti

11 O Departamento de Infraestrutura O Departamento de Infraestrutura é responsável pela administração da infraestrutura de redes de telecomunicações da UTFPR. Nesta infraestrutura estão compreendidos o backbone da Instituição, os pontos de conexão dos links de comunicação de dados de cada Câmpus interior do Estado e a conexão ao Ponto de Presença da Internet na Rede Nacional de Ensino e Pesquisa RNP, e demais serviços disponibilizados a comunidades da UTFPR. O quadro de servidores lotados no DEINFRA é composto por um Professor, como Chefe de Departamento, 05 analistas e 02 técnicos, contando também com a colaboração de estagiários. Quadro de servidores lotados no Departamento de Infraestrutura Departamento De Infraestrutura Diego Jonathan Hoss Felipe Matheus Melzer Joilson Alves Junior Rafael Cordeiro Thiago Alexandre Herek Christian Carlos De Souza Mendes Julio Jose Piccinini Junior Ludmar Dutra Da Silva * Dados de agosto/2012 Professor Técnico Em Ti Técnico Em Ti Quadro atual de servidores lotados na DIRGTI Cargo O quadro atual de servidores lotados na DIRGTI é composto por 27 (vinte e sete) servidores, conforme quadro abaixo: Quadro de servidores lotados na Diretoria de TI. Cargos Efetivos Área de atuação Quantitativo Sistemas de Informação 14 de TI Infraestrutura 05 Sistemas de Informação 02 Técnico de TI Infraestrutura 02 Gestão 01 Assistente em Administração Gestão 01 Professor BTT Infraestrutura 01 Técnico em Laboratório/informática Sistemas de Informação 01 Total 27 * Dados de agosto/2012 Este quadro de servidores deve ser ampliado, em seus dois departamentos, DESIS e DEINFRA, para que possamos fazer frente às crescentes demandas bem como implementar as constantes manutenções 10

12 corretivas e evolutivas em nossos sistemas e serviços disponibilizados a comunidade, com qualidade, segurança e alta disponibilidade Vagas disponíveis Atualmente possuímos 02 vagas de Técnico em TI e 01 de de TI, desocupadas, cujas destinações estão elencadas no quadro abaixo: Vagas disponíveis na Diretoria de Gestão de TI Vagas Cargo Origem Destinação Disponíveis 02 Técnico em TI Exoneração de Marcelo Faveri e Rafael Cordeiro 01 Vaga a ser repassada ao Campus Apucarana em contrapartida remoção do servidor Eduardo Jedliczka em 2011; 01 Vaga ofertada em contrapartida Redistribuição de servidora da UFPR. 01 de TI Autorizada para Concurso Aguardando abertura de Concurso * Dados de agosto/ Quadro atual de servidores nos Câmpus da UTFPR Nos Câmpus, o quantitativo de servidores lotados nas Coordenadorias de Gestão de TI - COGETIs, para atendimento de suas atribuições em dar atendimento aos usuários, manutenção da infraestrutura de rede e de equipamentos e desenvolvimentos de alguns sistemas com foco local, está distribuído conforme quadro abaixo: Câmpus de TI Técnico de TI Outros Cargos Total Apucarana Campo Mourão Cornélio Procópio Curitiba Dois Vizinhos Francisco Beltrão Londrina Medianeira Pato Branco Ponta Grossa Toledo Total * Dados de agosto/

13 5. DIMENSIONAMENTO DO QUADRO DE SERVIDORES DA TI O objetivo almejado é ter uma equipe capacitada e motivada a dar suporte aos projetos da Diretoria de TI alinhados ao plano de gestão da UTFPR e o método a ser empregado para atingir tal objetivo é estruturar e dimensionar o quadro de pessoal. O quadro de servidores da DIRGTI deve ser ampliado para que possamos fazer frente às crescentes demandas bem como implementar as constantes manutenções. Dimensionar o número de técnicos necessários para gerir as áreas de TI de forma eficiente é uma tarefa extremamente complexa, pois uma série de variáveis exerce influência no tamanho adequado para a equipe de TI. De maneira geral a literatura indica e as empresas utilizam a proporção de 5 técnicos de TI para cada 100 usuários. Dispomos também de um estudo, apresentado na 3ª Reunião Ordinária SISP - Sistema de Administração de Recursos de Informação e Informática do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MPOG, no dia 26 de maio de 2010, apresentado na tabela abaixo, que determina o quadro mínimo de servidores efetivos de TI. Quadro mínimo para a área de TI Quadro SISP/MPOG Total de Usuários de Quadro para a área de TI Quadro mínimo de Recursos de TI (servidores+terceirizados) servidores efetivos até 500 7% 15 entre 501 e % 35 entre e % 75 entre e % 120 entre e % 150 acima de % 200 Neste estudo foram considerados como servidores efetivos, todos aqueles que possuem um destes cargos: de TI, Técnico de TI, Técnico de Laboratório/Informática ou Assistente de Tecnologia da Informação, no âmbito de toda a Universidade, não só os atuantes diretamente na área de TI. Se utilizarmos este estudo elaborado pelo SISP, o quadro de servidores de TI para toda a UTFPR enquadrar-se-ia na faixa de no mínimo 200 servidores, pois atendemos atualmente usuários. Conhecendo-se a realidade das Universidades brasileiras sabemos que este número é difícil de ser atendido, então, refizemos estes cálculos para dimensionar apenas os servidores necessários para atuarem junto a Diretoria de Gestão de TI da UTFPR, excluindo-se os Câmpus, pois em seu regimento 12

14 interno consta a estrutura mínima com o número de servidores para atender suas demandas. Para o levantamento dos usuários utilizamos, como referencial, apenas os dados de Curitiba por tratar-se do Câmpus Sede, com o maior número de usuários, onde surgem às principais demandas por sistemas e serviços de infraestrutura que posteriormente são repassados para os demais Câmpus, de forma sistêmica. Definimos como usuários apenas os servidores, ou seja, o corpo docente (efetivos+substitutos) e técnico-administrativos, o que totalizou 1542 usuários, transportando esse número para a tabela do SISP chegamos ao número de 75 profissionais de TI para compor o quadro de servidores nos dois Departamentos, DESIS e DEINFRA. Considerando-se as necessidades de desenvolvimento, disponibilização de serviços de infraestrutura, e a realidade da instituição, propomos o seguinte quadro de servidores, para que, numa primeira fase, iniciemos o plano de composição necessário para atender adequadamente as demandas da Diretoria de TI, e em conformidade com o proposto pelo SISP/MPOG: Quadro de servidores efetivos necessários para Diretoria de TI Cargos de TI Desenvolvimento Técnico em TI Desenvolvimento de TI Suporte Técnico em TI Suporte Assistente em Administração Gestão de TI Gestão Técnico em TI Gestão Técnico em Laboratório / Informática Existentes até agosto/2012 Necessidade de contratação Quadro mínimo necessário Quadro de servidores efetivos necessários nas Coordenadorias de TI Câmpus de TI Existentes Necessidade de Contratação Técnico de TI Existentes 13 Necessidade de Contratação Outros Cargos Apucarana Campo Mourão Cornélio Procópio Curitiba Dois Vizinhos Francisco Beltrão Londrina Medianeira Pato Branco Ponta Grossa Toledo Total

15 6. PLANO DE METAS E DE AÇÕES O planejamento da área de TI é elaborado em dois momentos, o primeiro, um planejamento de médio prazo, 2012 a 2015, onde são apresentados os projetos e as ações estruturantes, que mantenham a TI alinhada aos objetivos estratégicos institucionais e em condições de acompanhar o crescimento da UTFPR garantido a continuidade, qualidade e atualização dos serviços e sistemas, e, o outro, o plano de metas e ações a serem desenvolvidas conforme as demandas internas das diversas áreas. Estas demandas são repassadas a TI após reunião realiza anualmente com as Pró-s, Diretorias de Gestão e seus respectivos representantes dos Câmpus, para elaborar o Planejamento anual. Este evento é coordenado pela sendo realizado no início de cada ano. A partir deste planejamento são repassadas as demandas a serem atendidas pela TI, passando por uma análise e estabelecimento de prioridades sendo, portanto, o Plano de Metas e Ações anual AÇÕES/PROJETOS ESTRUTURANTES Para os anos de 2012 a 2015 foram elaborados os projetos abaixo listados como prioritários para a área de TI, estando em consonância com os objetivos estratégicos institucionais. Projeto Plano de Gestão de Pessoas Descrição Aumento do quadro de s e Técnicos em TI, com vistas a atender ao dimensionamento do quadro de servidores Atualização do Datacenter Aquisição de equipamentos para manter o Datacenter da UTFPR atualizado às novas tecnologias Instalação de Gerador de Energia Aquisição e instalação de Gerador de Energia para o Datacenter da Dirgti Segurança Física Reforma no Datacenter e Ecoville visando aumento da segurança física Backup externo Implantação de ambiente de backup secundário/externo Alta disponibilidade 14

16 Implantação de estrutura de alta disponibilidade de sistemas e serviços Estruturação da Rede cabeada da Estruturação e manutenção da Rede Lógica Substituição dos Switchs da camada de acesso Link de Redundância para Ecoville parceria com RNP e Prefeitura Reestruturação da rede cabeada nos Câmpus Telefonia IP Projeto de Comunicação via rede Aquisição de equipamentos para expansão da rede Wireless Institucional Disponibilização de institucional para os alunos da UTFPR Licença Spam Firewall Licença Citrix Renovação de Contratos e Licenças Licença Enterprise Architect Licença PL/SQL Developer Licenças Oracle Upgrade Aquisição de Licenças Licença Citrix Nuvem Privada Licenciamento Microsoft Segurança da Informação Implantar Política de Segurança da Informação Desenvolvimento de Sistemas Aprimorar e institucionalizar as diretrizes e normas para o desenvolvimento e implantação de Sistemas na UTFPR, de forma integrada Implantação de novos sistemas e novas funcionalidades nos sistemas já existentes 15

17 Ofertar Curso de Fundamentos de Governança de TI e Gerenciamento de Serviços aos Coordenadores de TI Capacitação Viabilizar a participação dos servidores dos Câmpus nos Cursos da Escola Superior de Redes Capacitar os servidores dos Departamentos de Sistemas de Informação e de Infraestrutura em ferramentas e metodologias que auxiliem no desenvolvimentos de suas atividades ALINHAMENTO ENTRE O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA TI AO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI, DA UTFPR. Dimensão Universitária Objetivo Geral: Incentivar e desenvolver a cultura organizacional de gestão sistêmica, descentralizada e compartilhada, estimulando a geração de idéias por meio da análise de resultados institucionais e da identificação de desafios, propondo soluções coletivas de servidores, discentes e comunidade externa priorizando os padrões de qualidade. Objetivos Estratégico PDI Institucional Consolidar a UTFPR como referência das instituições tecnológicas brasileiras. Objetivos Estratégicos da DIRGTI Melhoria na estrutura interna dos sistemas corporativos; Apoio à divulgação da produção acadêmica bibliográfica; Projetos Relacionados Planejamento de expansão de ambiente de armazenamento de dados; Repositório Institucional - Melhoria nas ferramentas de armazenamento e disponibilização; UTFPR-FONTES - Instalação de servidor para prover as informações do Guia de Fontes da UTFPR. 16

18 Aprimorar os mecanismos de gestão da Tecnologia da Informação. Gestão de Tecnologia da UTFPR Implementar a governança de TI Instituição do Comitê Gestor de TI Elaboração /atualização do PDTI; Instituição do Regulamento de Utilização de Recursos de TI; Criação da política de Segurança da Informação: Instituição do Comitê Gestor Segurança de Informação da UTFPR. Otimizar os recursos humanos e físicos. Manter atualizadas as tecnologias e os ambientes informatizados, com o aprimoramento dos Sistemas, serviços de infraestrutura e parque computacional. Implementar novas funcionalidades e melhorias no sistema corporativos. Informatizar a Gestão Eletrônica de Documentos. Aperfeiçoar os processos de gestão da UTFPR com as instituições de apoio e órgãos governamentais. Implementar novas funcionalidades e melhorias nos sistemas administrativos, gestão acadêmica e de pessoas (Ex. Siape, Siafi, Sicaf, Pingfes, Enade, Sisu, e-mec) Gestionar junto a Escola Superior de Redes a ampliação de vagas para servidores da UTFPR. Aperfeiçoar as coletas de dados em relação ao PingIfes, Enade, Censo Redefinir as estratégias de Comunicação e Marketing Institucional. Aprimorar os mecanismos e ferramentas de comunicação institucional. Consolidar a identidade da UTFPR na comunidade. Implementação Novo Portal Institucional; Disponibilização de Videoconferência; Estudos de viabilidade para implantação de Radio WEB Transmissão via web das reuniões dos conselhos e grandes eventos. Disponibilização de Páginas Pessoais. Aprimorar as estruturas organizacionais e procedimentos administrativos. Estrutura Organizacional Gestão Interna Estruturação e Organograma da TI Planejamento e definições de competências Implantação da Divisão de Mapeamento de Processos e Modelagem de Dados. Desenvolver ações que promovam a sustentabilidade. Adotar padrões de TI Verde, recomendados por órgãos governamentais. Plano de Conscientização de usuários quanto aos temas: TI Verde; Economia de Energia; Políticas de Descarte de Equipamentos. Elaboração de Editais que atendam a legislação de TI Verde. Adequar as Bibliotecas dos Câmpus para atendimento das demandas da comunidade. Otimizar a utilização do sistema Pergamum, adotado pela UTFPR, como gerenciador de bibliotecas Instalação de servidor WEB Visualização de sumários de livros via Pergamum WEB 17

19 Dimensão Educação Objetivo Geral: Contribuir para o avanço da Educação, fundamentada no princípio da formação integral do ser humano, promovendo a inclusão social e a verticalização do ensino, adequando as estruturas e práticas didático pedagógicas e levando nossos educandos a atuarem como agentes autônomos e transformadores da sociedade. Objetivos Estratégico PDI Institucional Ampliar a oferta de Cursos de Graduação. Objetivos Estratégicos da DIRGTI Realizar periodicamente o diagnóstico da dimensão e alcance dos sistemas que envolvem atividades acadêmicas. Projetos Relacionados Monitoração dos sistemas Corporativos; Adequação do Sistema acadêmico aos novos regulamentos; Implantação do Registro de atividades docentes; Aprimorar os mecanismos de ingresso Ferramentas de acompanhamento da vida acadêmica do aluno; Disponibilização de ferramentas integradas ao SISU; Disponibilização de recursos de infraestrutura de links para Comunicação de dados. Acompanhamento de projetos de obras para adequação da rede lógica Otimizar a taxa de conclusão dos cursos e programas. Reduzir as taxas de evasão. Disponibilizar ferramentas para apoio à assistência estudantil. Aprimorar os sistemas de gestão acadêmica, para auxiliar a tomada de decisões relativa a esse objetivo Controle de bolsas: Acompanhamento de desempenho do aluno; Monitoramento de freqüência e participação em atividades acadêmicas. Implantar novos programas de pósgraduação. Redimensionar o Sistema Acadêmico, com ênfase no módulo da pós-graduação Incentivar a utilização dos procedimentos de mobilidade acadêmica e dupla diplomação. Desenvolver ações integradas, visando a excelência dos cursos de educação profissional, graduação e pós-graduação. Otimizar os sistemas que envolvam atividades acadêmicas, com ênfase em mobilidade acadêmica e pósgraduação. Otimizar os sistemas que envolvam atividades acadêmicas. Aprimorar os mecanismos e serviços de infraestrutura (rede de computadores, wireless, , portal institucional, videoconferência e mecanismos de compartilhamento de arquivos) Implantação da Mobilidade no sistema acadêmico. 18

20 Ampliar os processos inclusivos implantados na UTFPR Otimizar os mecanismos existentes e adaptar/customizar mecanismos de processos inclusivos que venham a ser adotados pelos órgãos governamentais Dimensão Conhecimento Objetivo Geral: Desenvolver e incorporar conhecimentos em todas as áreas, socializando os saberes produzidos, compartilhando os resultados de pesquisa e cooperando para a solução dos problemas da sociedade. Objetivos Estratégico PDI Institucional Fortalecer os grupos de pesquisa. Estruturar redes de núcleo de competência. Objetivos Estratégicos da DIRGTI Redimensionar o Sistema Acadêmico, com ênfase no módulo da pósgraduação Realizar periodicamente o diagnóstico da dimensão e alcance dos sistemas que envolvem atividades de pesquisa e extensão, para possibilitar o fortalecimento dessa área. Ampliar os recursos de infraestrutura de informática e acesso à Internet, no que diz respeito a novas mídias como wireless e videoconferência e ampliação do ambiente para publicação de Monografias/ Teses / Dissertações da UTFPR - Repositório Institucional Aprimorar os mecanismos e serviços integrados visando auxiliar na estruturação das redes de núcleo de competências (comunicação/divulgação, coleta e armazenamento de dados) Projetos Relacionados Interligação das áreas de pesquisa com fibras ligadas, conectadas diretamente a RNP; Servidores virtuais, para disponibilização básica de serviços sem a necessidade de técnicos de TI alocados diretamente na área de Ensino para suporte; Backup de dados, dos principais serviços; Utilização de softwares de forma compartilhada pelos diversos Câmpus Fomentar a divulgação do conhecimento produzido na UTFPR. Aprimorar os sistemas de gestão acadêmica, pesquisa e extensão para auxiliar a tomada de decisões relativa a esse objetivo Integração do Sistema Acadêmico com o ambiente Moodle EAD Disponibilizar infraestrutura para criação/divulgação do guia de Fontes Disponibilizar infraestrutura para organização de eventos científicos Ampliar os recursos de infraestrutura de informática e acesso à Internet, no que diz respeito a novas mídias como wireless e videoconferência e ampliação do ambiente para publicação de Monografias/ Teses / Dissertações da UTFPR; Repositório Institucional. 19

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PDTI

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PDTI DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO DE

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Relatório de Gestão 2011 GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA UTFPR A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DIRGTI) é responsável pelas atividades

Leia mais

Aprovar Regulamento de Gestão de Utilização de Recursos de TI junto ao COUNI Março 2012

Aprovar Regulamento de Gestão de Utilização de Recursos de TI junto ao COUNI Março 2012 Planejamento 2012 Diretoria de TI DIMENSÃO 01: GESTÃO UNIVERSITÁRIA Objetivo Estratégico 1.3: Aprimorar os mecanismos de gestão da tecnologia de informação Aprovar o Regimento do Comitê Gestor de TI Março

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 022/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 09 DE OUTUBRO DE 2015 Dispõe sobre o

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

A Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação (STI) foi criada a partir da Resolução do Conselho Diretor nº 44, de 31 de outubro de 2008.

A Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação (STI) foi criada a partir da Resolução do Conselho Diretor nº 44, de 31 de outubro de 2008. 1 PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 001/2009 1.0 Introdução A Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação (STI) foi criada a partir da Resolução do Conselho Diretor nº 44, de 31

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Necessidade: Readequação do data Center do bloco B Campus Santo André:

Necessidade: Readequação do data Center do bloco B Campus Santo André: Relatório de Resultados do Planejamento de TI 2012/2013 Introdução O objetivo deste relatório é avaliar os resultados alcançados a partir da realização dos projetos e ações do PDTI anterior (2012 2013).

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel 1 Missão Prover soluções de TI, com qualidade, à comunidade da UFPel. 2 Visão Ser referência em governança de TI para a comunidade da UFPel até 2015.

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

Planejamento 2011 Diretoria de TI

Planejamento 2011 Diretoria de TI Planejamento 2011 Diretoria de TI ITIL / COBIT / Definição de Processos Inicio: 01/2011 Prioridade: Alta Repositório Institucional Inicio: 07/2010 UPGRADE Prioridade: Média Política de Utilização de Recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG Referência: CPA-075-2008 Versão: 1.0 Status: Ativo Data: 09/julho/2008 Natureza: Aberto Número de páginas: 10 Origem: GCMIG e GEOPI Revisado por: GCMIG Aprovado por: GCMIG Título: Proposta para a promoção

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Inventário de Necessidades de TI - PDTI 2016 2017

Inventário de Necessidades de TI - PDTI 2016 2017 Inventário de Necessidades de TI - PDTI 2016 2017 1. Comunicação Institucional a. Portal UFABC b. Aplicativos para Smartfone c. Eventos d. WEB TV e. Portal do Aluno f. Portal do Professor g. Páginas de

Leia mais

3. PERFIL DOS SERVIDORES

3. PERFIL DOS SERVIDORES 3. PERFIL DOS SERVIDORES A política de pessoal das Carreiras Docente e Técnico-Administrativa em Educação da UFJF segue as regras do Serviço Público Federal, estabelecidas por Atos Normativos e Atos Autorizativos

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Tecnologia da Informação

Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Tecnologia da Informação Ministério da Educação Universidade Federal de Pelotas Tecnologia da Informação Relatório de Gestão 2011/2012 Centro de Gerenciamento de Informações e Concursos - CGIC Introdução A principal finalidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES.

RESOLUÇÃO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. RESOLUÇÃO CAS Nº 39 /2010, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2010 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SOFTWARES. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 5º do Regimento Unificado das

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

O PDTI como ferramenta de Gestão da TI

O PDTI como ferramenta de Gestão da TI O PDTI como ferramenta de Gestão da TI Fernando Pires Barbosa, Gustavo Chiapinotto, Sérgio João Limberger, Marcelo Lopes Kroth, Fernando Bordin da Rocha, Giana Lucca Kroth, Lucia Madruga, Henrique Pereira,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

AURINA SANTANA Reitora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

AURINA SANTANA Reitora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia 00 dd/mm/aaaa 1/19 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação CAMPO DE APLICAÇÃO Este Plano Diretor de Tecnologia da Informação se aplica no âmbito do IFBA. SUMÁRIO 01. Introdução

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Relatório de Gestão DGTI

Relatório de Gestão DGTI Relatório de Gestão DGTI 1.Contextualização Histórico Administrativa Com o projeto de expansão do Governo Federal que criou os Institutos Federais em todo o Brasil, o antigo Centro Federal de Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL. Objetivo PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Aperfeiçoar, de modo permanente, a política de formação discente, mediante a avaliação do perfil acadêmico e profissional do formando de graduação e pós-graduação, e do

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO Nº 6/2014 O Diretor da Faculdade de Direito no uso de suas atribuições, altera a resolução 13/2005 que passará a ter a seguinte redação: TÍTULO I: DOS OBJETIVOS Art. 1º. A avaliação institucional

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria. Política de Segurança da Informação e Comunicações da UTFPR

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria. Política de Segurança da Informação e Comunicações da UTFPR Segurança da Informação da UTF Política de Segurança da Informação e Comunicações da UTF Trata da gestão da segurança da informação, no âmbito da UTF, considerando o disposto no Decreto Nº 3505, de 13

Leia mais

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior

Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior Avaliação dos Resultados do Planejamento de TI anterior O PDTI 2014 / 2015 contém um conjunto de necessidades, que se desdobram em metas e ações. As necessidades elencadas naquele documento foram agrupadas

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro

CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro CEFET-RJ para onde vamos? Fevereiro de 2013 Rio de Janeiro Nenhum vento sopra a favor, de quem não sabe para onde ir. (Lucius A. Sêneca) Sumário O resultado do CPC Engenharia Estudantes e professores do

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar:

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar: Professor: Muitas razões para votar em Scolforo e Édila O QUE FOI FEITO! Quando um membro de sua comunidade seja professor (a), técnico (a) administrativo ou estudante - apresentar uma crítica sobre algo

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS JAÚ/2012 MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA FAJAU

Leia mais