BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009"

Transcrição

1 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora e Pré-embarque Especial Ass.: Alteração nas Condições de Financiamento Aos AGENTES FINANCEIROS e às empresas BENEFICIÁRIAS, O Superintendente da Área de Comércio Exterior, consoante a Resolução da Diretoria do BNDES nº 1.714/2009-BNDES, de 10 de fevereiro de 2009, COMUNICA aos AGENTES FINANCEIROS e às BENEFICIÁRIAS que foram aprovadas as seguintes modificações nas Condições de Financiamento das Linhas de Financiamento BNDES-exim Préembarque, Pré-embarque Ágil, Pré-embarque Empresa Âncora e Pré-embarque Especial: 1. Condições de Financiamento Participação do BNDES: para a Linha Pré-embarque: até 100% (cem por cento) do valor da exportação no Incoterm FOB (Free on Board), excluídos, além do frete e do seguro internacionais, a comissão de agente comercial e eventuais antecipações de recursos financeiros de qualquer natureza; para a Linha Pré-embarque Ágil: até 30% (trinta por cento) do valor do compromisso, em dólares dos Estados Unidos da América, no Incoterm FOB, que a Beneficiária se obriga a realizar no Período de Compromisso de Exportação (Valor do Compromisso de Exportação); para a Linha Pré-embarque Empresa Âncora: até 100% (cem por cento) do valor da exportação no Incoterm FOB, excluídos, além do frete e do seguro internacionais, a comissâo de agente comercial e eventuais antecipações de recursos financeiros de qualquer natureza; para a Linha Pré-embarque Especial: até 100% (cem por cento) do valor do incremento das exportações previsto para um período de 12 (doze) meses (período de incremento), tomando-se por base a média anual das exportações realizadas nos 12 (doze), 24 (vinte e quatro) ou 36 (trinta e seis) meses imediatamente anteriores (período-base), independentemente do porte e dos bens elegíveis.

2 1.2. Prazos: Prazo de Financiamento: para a Linha Pré-embarque: até 24 (vinte e quatro) meses. Este prazo poderá exceder o estipulado neste item, a critério do BNDES, quando se tratar de apoio à produção de bens classificados no Grupo I da Relação de Produtos Financiáveis, sendo limitado a 30 (trinta) meses; para a Linha Pré-embarque Ágil: até 24 (vinte e quatro) meses; para a Linha Pré-embarque Empresa Âncora: até 24 (vinte e quatro) meses; para a Linha Pré-embarque Especial: sem alteração nos prazos em vigor Prazo de Embarque: para as Linhas Pré-embarque, Pré-embarque Ágil e Pré-embarque Empresa Âncora: até 24 (vinte e quatro) meses; para a Linha Pré-embarque Especial: sem alteração no prazo em vigor Amortização: para a Linha Pré-embarque: em parcela única ou parceladamente, em até 12 (doze) parcelas mensais e sucessivas, vencendo a única ou a última parcela na data limite de embarque; para a Linha Pré-embarque Ágil: em parcela única ou parceladamente, em até 12 (doze) parcelas mensais e sucessivas, vencendo a única ou a última parcela no final do Prazo de Financiamento; para a Linha Pré-embarque Empresa Âncora: em até 24 (vinte e quatro) meses; para a Linha Pré-embarque Especial: sem alteração Taxa de Juros: é o somatório de Custo Financeiro, Remuneração do BNDES e Remuneração do Agente Financeiro. 2

3 Custo Financeiro e Remuneração do BNDES: para micro, pequenas ou médias empresas, nas Linhas Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Pré-embarque Empresa Âncora e Pré-embarque Especial: 100% (cem por cento) do crédito em TJLP ou LIBOR, acrescido de 0,9% (nove décimos por cento) ao ano; para grandes empresas, nas Linhas Pré-embarque, Pré-embarque Ágil e Pré-embarque Especial: i) para os bens classificados no Grupo I (máquinas industriais) da Relação de Produtos Financiáveis 1 : 100% (cem por cento) do crédito em TJLP ou LIBOR, acrescido de 1,8% (um inteiro e oito décimos por cento) ao ano; ii) para os demais bens classificados no Grupo I (exceto máquinas industriais): 100% (cem por cento) do crédito em TJ-453 ou TJFPE, acrescido de 2,3% (dois inteiros e tres décimos por cento) ao ano; iii) para os bens classificados nos Grupos II e III da Relação de Produtos Financiáveis, e/ou os serviços de projeto e detalhamento de engenharia: 100% (cem por cento) do crédito em TJ-453 ou TJFPE, acrescido de 3,0% (tres por cento) ao ano. sendo: TJLP: Taxa de Juros de Longo Prazo, divulgada pelo Banco Central do Brasil, aplicável a créditos denominados em reais 2. TJ-453: Taxa de Juros autorizada pela Medida Provisória nº 453, de , que é composta da TJLP acrescida de 2,5% (dois inteiros e cinco décimos por cento) ao ano, aplicável para créditos denominados em reais 3 ; TJFPE 4 : Taxa de Juros Fixa Pré-embarque, aplicada a todo o prazo do financiamento, divulgada trimestralmente, em vigor na data de contratação da operação. Essa taxa é aplicável a créditos denominados em dólares dos EUA e corresponde à soma dos seguintes componentes: (i) custo médio ponderado de todas as taxas e despesas incorridas pelo 1 A Relação de Produtos Financiáveis está disponível no portal do BNDES (http://www.bndes.gov.br), seção Apoio à Exportação. 2 As informações sobre a TJLP estão disponíveis no portal do BNDES (http://www.bndes.gov.br), seção Custos Financeiros. 3 As informações sobre a TJ-453 estão disponíveis no portal do BNDES (http://www.bndes.gov.br), seção Custos Financeiros. 4 A TJFPE é calculada pela Área Financeira do BNDES e publicada trimestralmente no Diário Oficial da União, a partir de A composição desta taxa está disponível no portal do BNDES (http://www.bndes.gov.br), seção de Custos Financeiros. 3

4 BNDES na captação dos recursos em moeda estrangeira; (ii) custo incorrido na hipótese de permuta das dívidas remanescentes do BNDES, contraídas em outras moedas estrangeiras, por dólares dos EUA, acrescido do custo incorrido na hipótese de permuta das dívidas remanescentes do BNDES, contraídas em taxas de juros flutuantes, por taxas de juros fixas; e (iii) Imposto de Renda equivalente ao imposto médio ponderado, devido sobre os encargos remetidos ao exterior, em pagamento aos credores do BNDES, nas operações de captação de recursos em moeda estrangeira. LIBOR 5 semestral (dólar dos EUA): taxa de juros para empréstimos ou financiamentos no mercado interbancário de Londres, para períodos de 6 (seis) meses, aplicável a créditos denominados em dólares dos EUA, reajustável no dia 1º (primeiro) dos meses de abril e outubro de cada ano de vigência do financiamento e disponível no portal do BNDES Remuneração do Agente Financeiro: a ser negociada entre o Agente Financeiro e a Beneficiária. 2. A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-453 será a mesma ora vigente para a TJLP, no que se refere à: a) capitalização da parcela da TJLP que vier a exceder 6% (seis por cento) ao ano, que será exigida junto com o pagamento de principal da dívida; e b) exigibilidade, nas datas estipuladas para pagamento de juros e principal, da parcela de 6% (seis por cento) ao ano da TJLP, acrescida de 2,5% (dois inteiros e cinco décimos por cento) ao ano, além do percentual de juros estipulado a título de remuneração. 5 A taxa LIBOR é a London Interbank Offered Rate, que corresponde à média das taxas de juros pelas quais os bancos captam recursos no mercado interbancário de Londres. 6 No endereço: (Custos Financeiros > Moedas Contratuais); esta taxa, válida para o dia da pesquisa (data de validade), tem origem nas taxas divulgadas pelo SISBACEN (PTAX-800, opção 8), conforme cotadas no mercado interbancário de Londres, 2 (dois) dias úteis - nas cidades de Londres e Nova Iorque - anteriores à data para a qual se deseja a LIBOR (data de cotação), cuja fonte são as taxas informadas pela agência Bloomberg. Caso o dia de reajuste da LIBOR semestral ocorra em feriado nas cidades de Londres ou Nova Iorque, será adotada, como taxa com validade para este dia, a LIBOR semestral válida para o primeiro dia útil posterior ao feriado, disponível no portal do BNDES para todas as operações e que corresponde à cotação da LIBOR semestral de 2 (dois) dias úteis anteriores ao feriado nas cidades de Londres e Nova Iorque, informada no SISBACEN (PTAX-800, opção 8). 4

5 3. No âmbito da Linha de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque Especial, a Remuneração do BNDES, a ser aplicada sobre a parcela do saldo devedor de principal, correspondente à parcela não realizada da meta correspondente ao Valor do Incremento das Exportações, segue as tabelas abaixo: para micro, pequenas e médias empresas: Percentual de Realização da Meta de Incremento inferior a 10%, entre 10%, exclusive e 25%, entre 25%, exclusive e 50%, entre 50%, exclusive e 75%, entre 75%, exclusive e 100%, exclusive Remuneração incidente sobre Parcela Não Realizada da Meta de Incremento 10,0% a.a. 9,0% a.a. 7,5% a.a. 5,0% a.a. 2,5% a.a. para grandes empresas: Percentual de Realização da Meta de Incremento inferior a 10%, entre 10%, exclusive e 25%, entre 25%, exclusive e 50%, entre 50%, exclusive e 75%, entre 75%, exclusive e 100%, exclusive Remuneração incidente sobre Parcela Não Realizada da Meta de Incremento 20% a.a. 18% a.a. 15% a.a. 10% a.a. 5% a.a. 4. Valor máximo aprovado pelo BNDES, por Empresa/Grupo Econômico. Fica suprimido o limite máximo para aprovação de US$ 150,000, (cento e cinqüenta milhões de dólares dos EUA), por Empresa ou Grupo Econômico 7, no 7 A definição de Grupo Econômico acha-se no inciso XII do artigo 4º das Disposições Aplicáveis aos Contratos do BNDES. 5

6 âmbito das Linhas para as Linhas Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Pré-embarque Empresa Âncora e Pré-embarque Especial. 5. Disposições gerais As alterações constantes da presente Circular aplicam-se aos pedidos de financiamento protocolados no BNDES, mediante Consulta Prévia ou FRO-exim, a partir do dia 11 de março de No caso de pedidos de financiamento protocolados no BNDES em data anterior à estabelecida nesta Circular, a aplicação das novas regras ficará condicionada à manifestação favorável expressa da Beneficiária Permanecem em vigor as demais condições dos Regulamentos e dos Procedimentos Operacionais das Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Especial, Pré-embarque Empresa Âncora e Pré-embarque Ágil, no que não colidirem com as condições ora divulgadas, revogadas a Carta-Circular AEX nº 30/2008, de 4 de julho de 2008, e a Circular nº 001/2008, de 8 de outubro de LUIZ ANTONIO ARAUJO DANTAS Superintendente Área de Comércio Exterior 6

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES CIRCULAR N 12/2009 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2009 Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2017-BNDES Rio de Janeiro, 08 de março de 2017. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade

Leia mais

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional, por Fabricantes de Bens de Capital BNDES Finame Componentes

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional, por Fabricantes de Bens de Capital BNDES Finame Componentes CIRCULAR Nº 49/2011 Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2011 Ref.: Ass.: Produto BNDES Finame Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional, por Fabricantes de

Leia mais

Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de ). Alterações no âmbito do Produto BNDES Finame Agrícola.

Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de ). Alterações no âmbito do Produto BNDES Finame Agrícola. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 43/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2015 Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de 18.08.2006). Ass.:

Leia mais

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes.

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2016-BNDES Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2016 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de operações

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BNDES BK Usados

Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BNDES BK Usados Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 60/2012-BNDES Rio de Janeiro, 28 de setembro de 2012. Ref.: BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição

Leia mais

Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing.

Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 02/2017-BNDES Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2017. Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing. Ass.:

Leia mais

Alterações nas condições a serem observadas no Produto BNDES AUTOMÁTICO

Alterações nas condições a serem observadas no Produto BNDES AUTOMÁTICO CARTA-CIRCULAR Nº 43/2008 Rio de Janeiro, 29 de agosto de 2008 Ref.: Ass.: BNDES AUTOMÁTICO Alterações nas condições a serem observadas no Produto BNDES AUTOMÁTICO O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados na presente Linha.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados na presente Linha. á~bndes Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AO! CIRCULAR SUP/AOI W 03/2017-BNDES Rio de Janeiro, 24 de janeiro de 2017 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Linha BNDES para Composição de Dívidas-

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017. Altera e consolida as Normas Operacionais da Linha de Financiamento BNDES Exim Préembarque

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de outubro de 2012, que estabelece diretrizes para elaboração

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Capitalização de Cooperativas de Produção BNDES PROCAP-PRODUÇÃO

Ass.: Programa BNDES de Capitalização de Cooperativas de Produção BNDES PROCAP-PRODUÇÃO CIRCULAR N 47/2009 Rio de Janeiro, 13 de maio de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES de Capitalização de Cooperativas de Produção BNDES PROCAP-PRODUÇÃO O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 011/2015, de 23 de outubro de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 011/2015, de 23 de outubro de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 011/2015, de 23 de outubro de 2015. Altera e consolida as Normas Operacionais do Produto BNDES Exim Pré-embarque, Linha de Financiamento

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Janeiro de 2017 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

FEA RP USP. Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1

FEA RP USP. Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 FEA RP USP Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Formas de apresentação das taxas de juros Taxa Efetiva Taxa Nominal

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 69/2012-BNDES Rio de Janeiro, 23 de novembro de 2012. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações

Apoio do BNDES às Exportações Apoio do BNDES às Exportações ABINEE São Paulo outubro/2015 Classificação: Documento Ostensivo - Unidade Gestora AEX Objetivos Objetivos Apoiar a exportação de bens e serviços de alto valor agregado; Aumentar

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES Responsável: Departamento Operacional do Crédito Consignado Versão: 19 Vigência: 20.07.2015 Código PO: OCC-02 ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Vigência e

Leia mais

Documento normativo revogado pela Circular 819, de 05/10/1983.

Documento normativo revogado pela Circular 819, de 05/10/1983. CARTA-CIRCULAR Nº 900 Documento normativo revogado pela Circular 819, de 05/10/1983. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural monetária: Comunicamos que, quando se tratar de operações

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 176, DE 1º DE JUNHO DE 2001(*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto.

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 176, DE 1º DE JUNHO DE 2001(*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 176, DE 1º DE JUNHO DE 2001(*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atribuições que lhes são

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 630, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 630, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 630, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamento da Metodologia de Estimativa do Custo Médio Ponderado de Capital CMPC O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) Dá nova redação à Instrução Normativa nº 22, de 14 de dezembro de 2015, do Ministério das Cidades, que regulamenta o Programa Carta de

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para renegociação das operações de crédito fundiário contratadas ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, inclusive as operações

Leia mais

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 Preçário Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Económico e no site www.bancoeconomico.ao.

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Linha de Crédito Encargos (% a.a.) Prazo Taxa média médio ponderada ponderado de venc. de juros (a.a.) (anos) 31/12/10 31/12/09 01/01/09 Finame TJLP + Taxa fixa 4,50 4,52

Leia mais

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016. DECRETO Nº 19.332, DE 10 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta a Lei nº 12.005, de 11 de fevereiro de 2016, que permite às instituições conveniadas com o Município ou mantidas pelo Estado e cadastradas como beneficiárias

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998.

CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. Em decorrência das Resolução nº 566, de,de 20.09.79, e 676, de 22.01.81, de que estabeleceram prazos mínimos

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 234, DE 22 DE JULHO DE 2002

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 234, DE 22 DE JULHO DE 2002 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 234, DE 22 DE JULHO DE 2002 OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo art. 87, parágrafo único, inciso II,

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Capítulo I Da Finalidade e Subordinação Artigo 1º - O Empréstimo Pessoal, doravante denominado EPES, tem por finalidade atender aos participantes ativos

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

Gestã o Finãnceirã- CSA1024 Sistemas de Amortização

Gestã o Finãnceirã- CSA1024 Sistemas de Amortização Gestã o Finãnceirã- CSA1024 Sistemas de CONCEITOS: Para melhor entendimento dessa unidade, há necessidade de entender os principais conceitos de uso corrente nas operações de empréstimos e financiamentos,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.814, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2016

CIRCULAR Nº 3.814, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2016 CIRCULAR Nº 3.814, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2016 Altera a Circular nº 3.689, de 16 de dezembro de 2013, que regulamenta, no âmbito do Banco Central do Brasil, as disposições sobre o capital estrangeiro no País

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I Das Características Básicas Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

RESOLUCAO N Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade:

RESOLUCAO N Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade: RESOLUCAO N 3422 Dispõe acerca da realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de

Leia mais

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES Responsável: Versão: 22 Vigência: 01.06.2017 Código RO: OPL-02 ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Vigência e Aprovação... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DIRETRIZES...

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 33, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 33, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 33, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Normas Reguladoras do Produto BNDES Finame O Superintendente da Área de Operações Indiretas, tendo

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Millennium

Leia mais

PREÇÁRIO. Banco Sol S.A. Instituição Financeira Bancária com sede em Território Nacional ANEXO II. Tabela de Taxas de Juro

PREÇÁRIO. Banco Sol S.A. Instituição Financeira Bancária com sede em Território Nacional ANEXO II. Tabela de Taxas de Juro PREÇÁRIO Banco Sol S.A. Instituição Financeira Bancária com sede em Território Nacional ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 20 DE MARÇO 2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica Belo Horizonte MG dezembro /2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração

Leia mais

Votorantim Intermediary Risk II Fundo de Investimento Renda Fixa - Crédito Privado /

Votorantim Intermediary Risk II Fundo de Investimento Renda Fixa - Crédito Privado / São Paulo, 07 de Outubro de 2016 Ref. Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia. (Proxy Voting) Assembleia Geral de Debenturistas da Quarta Emissão de Debêntures Simples Companhia: TPI TRIUNFO

Leia mais

Linha de Crédito CAPITALIZAR

Linha de Crédito CAPITALIZAR A Linha de Crédito Capitalizar é uma Linha de Crédito Protocolado disponibilizada pelo Banco BIC para as empresas poderem aceder a crédito bancário em condições mais favoráveis que lhes permita prosseguir

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro CIRCULAR Nº 02/2010 Rio de Janeiro, 08 de janeiro de 2010 Ref.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES Procaminhoneiro O Superintendente

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO Abaixo estão presentes as cláusulas e condições do CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO solicitado à SENFF S/A, sendo estas aplicáveis após aceitação

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dá nova redação à Portaria Interministerial nº 326, de 31 de agosto de 2009, que dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

IX Contratos de Assunção de Obrigações

IX Contratos de Assunção de Obrigações CIRCULAR 3.427 Dispõe sobre o recolhimento compulsório e o encaixe obrigatório sobre recursos a prazo de que trata a Circular nº 3.091, de 1º de março de 2002. A Diretoria Colegiada do Banco Central do

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2016 de 08/09/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

LFT Letras Financeiras do Tesouro

LFT Letras Financeiras do Tesouro 1 Definição 2 Títulos 1 Definição A dívida pública é o conjunto de todas as necessidades geradas na administração do orçamento aprovado para o exercício vigente, a Secretária do Tesouro Nacional atua no

Leia mais

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA GERÊNCIA NACIONAL DO ATIVO DO FGTS CIRCULAR Nº 391, DE 25 DE

Leia mais

Page 1 of 5 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 55.438, de 17-02-2010. SEÇÃO II - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL CARBURANTE SUBSEÇÃO I - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL ETÍLICO HIDRATADO CARBURANTE Artigo 418 - Na

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

OUROCAP MULTI SONHO (OUROCAP PM06H) Processo SUSEP nº / CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

OUROCAP MULTI SONHO (OUROCAP PM06H) Processo SUSEP nº / CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO U:\Comunicacao\Geral\2009\Comunicação Legal\Condições Gerais\CGPM OUROCAP MULTI SONHO (OUROCAP PM06H) Processo SUSEP nº. 15414.004296/2002-13 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve

Leia mais

FINANCIAMENTO ESTUDANTIL: REALIDADE E PERSPECTIVAS. Claudia Meucci Andreatini UNIP Universidade Paulista Seminário ABMES 05 de julho de 2016

FINANCIAMENTO ESTUDANTIL: REALIDADE E PERSPECTIVAS. Claudia Meucci Andreatini UNIP Universidade Paulista Seminário ABMES 05 de julho de 2016 FINANCIAMENTO ESTUDANTIL: REALIDADE E PERSPECTIVAS Claudia Meucci Andreatini UNIP Universidade Paulista Seminário ABMES 05 de julho de 2016 Distribuição de vagas do FIES 2010 a 1º/2016 2010 até 2015/1

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Fevereiro de 2016 Bruno Plattek bruno.plattek@bndes.gov.br Como apoiamos Tx. de Interm. Fin. Organização Interna Área

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Diretoria de Diretoria Executiva Conselho Deliberativo Manoel Lopes de Oliveira Neto Sandra Maria Albuquerque Torreão

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX

Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Equalização Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Objetivo: proporcionar às exportações brasileiras condições de financiamento equivalentes às do mercado internacional; Instrumentos

Leia mais

Condições Gerais - Plano PM 60/60H

Condições Gerais - Plano PM 60/60H Premium Cash Condições Gerais GLOSSÁRIO Condições Gerais - Plano PM 60/60H Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

MARGEM DE SOLVÊNCIA. Conceito e composição contábil/legal

MARGEM DE SOLVÊNCIA. Conceito e composição contábil/legal MARGEM DE SOLVÊNCIA Conceito e composição contábil/legal CONCEITO DE MARGEM DE SOLVÊNCIA Em termos contábeis solvência é quando os ativos são superiores ao passivo da entidade. A Margem de Solvência é

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para concessão e controle de empréstimos aos participantes e beneficiários assistidos

Leia mais

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017.

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. PROJETO DE LEI Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estima a receita da

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 03/2015 De 23 de Fevereiro

INSTRUTIVO N.º 03/2015 De 23 de Fevereiro INSTRUTIVO N.º 03/2015 De 23 de Fevereiro ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Reservas Obrigatórias Convindo ajustar as regras de apuramento e cumprimento das Reservas Obrigatórias ao actual quadro de estabilidade

Leia mais

Resolução SEF nº 4.929/2016

Resolução SEF nº 4.929/2016 Estorno do crédito de ICMS vinculado ao estoque de mercadorias alcançadas por crédito presumido, em substituição aos créditos normais. FIEMG 18.11.2016 1. ANTECEDENTES Consultas de Contribuintes nº 016/2011,

Leia mais

A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM:

A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM: A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM: PORTARIA NORMATIVA Nº 10, DE 30 DE ABRIL DE 2010(FIES)* MINISTÉRIO

Leia mais

Cláusulas do Contrato de Adesão ao Serviço de Assessoria Financeira PF

Cláusulas do Contrato de Adesão ao Serviço de Assessoria Financeira PF 1. DO SERVIÇO "ASSESSORIA FINANCEIRA PF" 1.1. O serviço "Assessoria Financeira PF" consiste no assessoramento do cliente PF quanto à gestão de suas operações de crédito junto ao BANCO, em especial, através

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Financeiros. 11 de Abril de 2013

Política de Gestão de Riscos Financeiros. 11 de Abril de 2013 Política de Gestão de Riscos Financeiros 11 de Abril de 2013 Índice Objetivos da Política Atribuições Riscos Financeiros Gerenciamento de Riscos Financeiros Gerenciamento de Dívida e Indicadores Financeiros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2017 P R EV ID ÊN C IA P EC 287

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2017 P R EV ID ÊN C IA P EC 287 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2017 R EFO R M A D A P R EV ID ÊN C IA P EC 287 EC 20/98 fim da aposentadoria proporcional, criação do 85/95 para o servidor público EC 41/03 Aposentadoria por

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ 2.000,00; o primeiro foi feito no dia 1.º/3/2009. II Dois

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) 17.1. Depósitos à ordem Contas à ordem Os juros obtidos estão sujeitos a retenção na fonte de imposto sobre o rendimento, à taxa que estiver em vigor na data de pagamento de juros. (2) Aplicável a todas

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Refispoa 2015 e revoga a Lei nº 11.428, de 30 de abril de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber

Leia mais

À Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

À Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. À Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Curitiba, 15 de outubro de 2009 At.: Srs Henrique Noronha e Gustavo Dezouzart Av. das Américas nº 500, Bloco 13, Grupo 205 Cidade e

Leia mais

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado.

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado. PARTE 5 SÉRIE UNIFORME DE PAGAMENTOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Prestações e Valor presente 3. Prestações e Valor futuro 4. Renda perpétua 5. Exercícios Resolvidos 1. Introdução Quando se contrai

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 954, DE 2013

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 954, DE 2013 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 954, DE 2013 Redação final do Projeto de Lei de Conversão nº 20, de 2013 (Medida Provisória nº 613, de 2013). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013)

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) VIGÊNCIA: 02/01/2014 (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - DEFINIÇÕES 3 - LIMITE DE CRÉDITO 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO A Companhia informa aos Senhores Acionistas e ao mercado em geral que o Conselho de Administração da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf deliberou, nesta data, submeter à Assembleia Geral Extraordinária

Leia mais

i i i i i i n - 1 n

i i i i i i n - 1 n Aula Capítulo 6 SÉRIE UNIFORME PRESTAÇÕES IGUAIS Série uniforme de valores monetários (pagamentos ou recebimentos) juros compostos MODELO PRICE no qual todas as prestações tem o mesmo valor Fluxo de Caixa

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Depósitos à Ordem Particulares Clientes Particulares, maiores de 18 anos Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada através

Leia mais