REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01"

Transcrição

1 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para concessão de empréstimo pessoal aos Participantes e Assistidos Diretoria Financeira DIFIN Gerência de Investimentos - GEINV Revisão 00: Aprovado na 546ª reunião da Diretoria Executiva, Aprovado na 332ª reunião do Conselho Deliberativo, Revisão 01: Aprovado na 551ª reunião da Diretoria Executiva, Aprovado na 338ª reunião do Conselho Deliberativo, Revisão 02: Aprovado na 608ª reunião da Diretoria Executiva, Aprovado na 374ª reunião do Conselho Deliberativo, Revisão 03: Aprovado na 634ª reunião da Diretoria Executiva, Aprovado na 382ª reunião do Conselho Deliberativo, Revisão 04: Aprovado na 648ª reunião da Diretoria Executiva,

2 2/6 INDICE 1. DO OBJETIVO: DA MODALIDADE DO CRÉDITO: DO TETO E DOS LIMITES DE CRÉDITO: GARANTIAS: DOS ENCARGOS FINANCEIROS: DOS PRAZOS DE AMORTIZAÇÃO: DA HABILITAÇÃO: DAS PROPOSTAS E DA CONCESSÃO DO CRÉDITO: DAS DISPOSIÇÕES GERAIS:... 6

3 3/6 1. DO OBJETIVO: O Programa de Empréstimo Pessoal, ora instituído, tem por objetivo propiciar aos participantes e assistidos, bem como aos beneficiários de pensão por morte, vinculados ao Plano BD-01, uma linha de empréstimo pessoal, com taxa pré-fixada e pós-fixada. 2. DA MODALIDADE DO CRÉDITO: 2.1 A linha de crédito, objeto deste Regulamento, será operacionalizada sob a modalidade de EMPRÉSTIMO, em moeda corrente do País. 3. DO TETO E DOS LIMITES DE CRÉDITO: 3.1. O valor dos Empréstimos para os Participantes e beneficiários do Plano BD-01 serão, assim, disponibilizados: Mínimo de R$ 500,00 (quinhentos reais) e máximo de R$ R$ ,00 (sessenta e cinco mil reais) com garantia pessoal do tomador; 3.2. O total do(s) Empréstimo(S) contraído(s) junto à REGIUS não poderá ultrapassar a 70% (setenta por cento) do valor da reserva individual de poupança do participante, representado pelo saldo das contribuições pessoais vertidas, corrigidas de acordo com os índices previstos no Regulamento do Plano BD-01; 3.3. O valor da prestação inicial não poderá exceder à margem consignável do participante ou beneficiário, especificada no contracheque emitido pela Patrocinadora a que o Participante estiver vinculado ou pela REGIUS, no caso específico dos assistidos e beneficiários de pensão por morte; Excepcionalmente, no caso dos participantes assistidos e beneficiários de pensão por morte, admite-se incluir o valor do benefício mensal percebido junto ao INSS na base de cálculo para apuração da margem consignável, desde que o valor da prestação inicial não exceda a 50% (cinqüenta por cento) do rendimento líquido da suplementação pela REGIUS O participante poderá solicitar novo empréstimo mediante a quitação total de outro(s) empréstimo(s) contraído(s) junto à REGIUS, com o objetivo de liberar margem consignável e saldo total de empréstimo. 4. GARANTIAS: 4.1. Constituem garantias dos empréstimos:

4 4/ A Reserva de Poupança do participante, que será utilizada para amortização / quitação do saldo devedor do mútuo, nos casos de perda de vínculo empregatício com a Patrocinadora, salvo se motivada por aposentadoria; O Fundo de Garantia de Empréstimo (F.G.E.), conforme disposto no item 5.2, deste Regulamento, a ser utilizado, exclusivamente, nos casos de morte, para quitação do saldo devedor representativo das parcelas vincendas. 5. DOS ENCARGOS FINANCEIROS: 5.1. Sobre o saldo devedor dos Empréstimos, incidirão mensalmente juros em função do prazo de operação, conforme especificado nos subitens abaixo: Para a linha pré-fixada com prazos até 12 (doze) meses, taxa de 0,99% (noventa e nove centésimos por cento) ao mês Para a linha pré-fixada com prazos de 13 (treze) a 36 (trinta e seis) meses, taxa de 1,05% (um inteiro e cinco centésimos por cento) ao mês Para a linha pré-fixada com prazos de 37 (trinta e sete) a 72 (setenta e dois) meses, taxa de 1,09% (um inteiro e nove centésimos por cento) ao mês Da linha pós-fixada sobre o saldo devedor dos Empréstimos incidirão juros à razão de 9,5% (nove e meio por cento) ao ano mais variação do IPCA/IBGE, calculada na forma que dispuser a Lei 9.069/1995; 5.3. Além dos juros estipulado nos itens 5.1 e 5.2 os empréstimos estarão sujeitos às seguintes taxas, incidentes sobre o valor bruto, deduzido no momento da concessão: a) 0,5% (zero vírgula cinco por cento) destinada à formação do Fundo de Garantia de Empréstimo; b) IOF, de acordo com a legislação em vigor Nas propostas que objetivem a renegociação do saldo devedor, o Fundo de Garantia de Empréstimo FGE incidirá apenas sobre a parte correspondente à diferença que houver entre o saldo devedor renegociado e o valor do novo empréstimo Mediante proposta da Diretoria Financeira, em fundamentado parecer e à luz da Política de Investimentos, a Diretoria Executiva, poderá alterar a taxa de juros estipulada nos itens 5.1 e 5.2, de modo a preservar a rentabilidade necessária dos recursos emprestados. 6. DOS PRAZOS DE AMORTIZAÇÃO: 6.1. Os prazos de amortização dos empréstimos pré-fixados são de no mínimo 6 (seis) e no máximo 72 (setenta e dois) meses, observando-se os encargos financeiros previstos nos itens 5.1.1, e deste Regulamento; 6.2. Os prazos de amortização dos empréstimos pós-fixados são de no mínimo 12 (doze) e no máximo de 72 (setenta e dois) meses.

5 5/6 7. DA HABILITAÇÃO: 7.1. Estarão habilitados ao Empréstimo Pessoal os participantes e assistidos, bem como os beneficiários de suplementação de pensão por morte, vinculados ao Plano BD-01, que preencherem as seguintes condições: estar recebendo remuneração das Patrocinadoras em folha de pagamento; estar recebendo benefício de suplementação de aposentadoria, benefício proporcional diferido ou suplementação de pensão por morte em folha de pagamento da REGIUS; dispor de margem consignável suficiente para o desconto das prestações mensais, não sendo permitido, neste caso, contar com outros recursos realizáveis, com o objetivo de aumentar o valor do crédito, ressalvada a situação prevista no item 3.3.1, deste Regulamento; estar em dia com suas obrigações junto à REGIUS. 8. DAS PROPOSTAS E DA CONCESSÃO DO CRÉDITO: 8.1. O tomador de empréstimo junto à REGIUS, em qualquer modalidade de Empréstimo Pessoal, poderá responder somente por, no máximo, 2 (dois) contratos ativos tornando-se obrigatório que, em ocorrendo eventual apresentação de proposta para um terceiro contrato, o atendimento do pedido estará condicionado à quitação de um ou de ambos os contratos em vigor, mediante indicação do proponente. Admite-se que o novo contrato contenha recursos suficientes para quitação do(s) anterior(es); 8.2. As propostas serão encaminhadas à REGIUS, pelo proponente, em formulário específico (Proposta de Empréstimo), devidamente preenchido e assinado; 8.3. O deferimento da operação será prerrogativa do(a) Diretor(a) Financeiro(a), dentro dos limites de alçadas fixados, desde que verificada a exatidão dos dados informados pelo participante; 8.4. Os empréstimos serão liberados exclusivamente em conta-corrente de titularidade do proponente, mantida junto ao banco indicado para movimentação de crédito dos salários ou das suplementações pagas pela REGIUS; 8.5. A liberação do empréstimo se dará nas seguintes datas, sempre de acordo com a opção formal do participante: Mensalmente, sempre na data do crédito dos salários ou dos benefícios, desde que a proposta tenha sido enviada à REGIUS até o dia 10 do mesmo mês;

6 6/ Semanalmente, às quartas-feiras, desde que a proposta tenha sido enviada à REGIUS até a terçafeira da semana anterior Para a proposta com liberação semanal serão incorporados ao valor concedido juros iguais ao percentual contratado, proporcionalmente aos dias apurados entre a data do crédito e a data normal de concessão mensal; 8.7. Os contratos da linha pós-fixada serão liberados somente no prazo definido no item da cláusula DAS DISPOSIÇÕES GERAIS: 9.1. O vencimento da primeira prestação do Empréstimo se dará no dia 20 do mês subseqüente ao da concessão do crédito e será consignada na folha de pagamento da patrocinadora a qual o participante esteja vinculado ou na folha de pagamento dos benefícios/regius; 9.2. O participante que se desligar da REGIUS, estará obrigado a quitar a dívida antecipadamente; 9.3. O atraso no pagamento de prestação sujeitará o mutuário a juros de mora de 1% (um por cento) ao mês, incidente sobre o valor atualizado pela taxa contratual; 9.4. Considerar-se-á vencida e exigível a totalidade da dívida, antes de expirado o prazo convencionado, se ocorrer atraso no pagamento de 3 (três) prestações consecutivas ou não; 9.5. Se houver cobrança judicial, a dívida será acrescida de multa contratual de 2% (dois por cento), juros de mora especificados no item 9.3, custas judiciais e honorários advocatícios à razão de 20% (vinte por cento); 9.6. Em caso de morte do mutuário, o saldo da dívida a vencer será quitado pelo Fundo de Garantia de Empréstimo; 9.7. Qualquer caso omisso será decidido pela Diretoria Executiva da REGIUS.

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Permanente Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Capítulo I Da Finalidade e Subordinação Artigo 1º - O Empréstimo Pessoal, doravante denominado EPES, tem por finalidade atender aos participantes ativos

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 EMPRÉSTIMO FINANCEIRO. As definições a seguir são exclusivamente para fins desta Resolução:

RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 EMPRÉSTIMO FINANCEIRO. As definições a seguir são exclusivamente para fins desta Resolução: RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 A Diretoria da Fundação Assistencial dos Empregados da CESAN - FAECES, usando de atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto da Entidade, RESOLVE estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º - O presente Regulamento disciplina a concessão de empréstimo pessoal aos Participantes do Plano de Benefícios Básico CNPB n.º 19.900.014-83,

Leia mais

VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Regulamento do Plano de Empréstimos Simples VISÃO PREV

VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Regulamento do Plano de Empréstimos Simples VISÃO PREV VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Regulamento do Plano de Empréstimos Simples VISÃO PREV PG. 2 SUMÁRIO PÁG. CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...03 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES...03 CAPÍTULO

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de Regulamento do Plano de Empréstimo 6ª Alteração Vigência: a partir de 01.05.2009 1. Dos Objetivos Estabelecer os direitos e obrigações da Fundambras e dos seus Participantes na concessão de empréstimos

Leia mais

CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS DATA DE 1. FINALIDADE Esta Norma tem por finalidade estabelecer critérios e procedimentos para concessão/reforma/liquidação de empréstimos aos Participantes/Assistidos da CIFRÃO Fundação de Previdência

Leia mais

uturo previden EMPRÉSTIMO PESSOAL Regulamento de

uturo previden EMPRÉSTIMO PESSOAL Regulamento de uturo Regulamento de EMPRÉSTIMO PESSOAL previden I DA FINALIDADE... 3 II DAS DEFINIÇÕES... 5 III DA SOLICITAÇÃO DO EMPRÉSTIMO... 8 IV DA APROVAÇÃO DO EMPRÉSTIMO... 10 V LIMITES DA CONCESSÃO DO EMPRÉSTIMO...

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos Financeiros... 3 Capítulo

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Diretoria de Diretoria Executiva Conselho Deliberativo Manoel Lopes de Oliveira Neto Sandra Maria Albuquerque Torreão

Leia mais

FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES. Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM

FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES. Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES...3 CAPÍTULO III - DOS LIMITES INDIVIDUAIS...3 CAPÍTULO

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO. Dados do Contratante

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO. Dados do Contratante 1/7 Dados do Contratante Nome: CPF: Carteira de Identidade: Órgão Expedidor: Matrícula: Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: Estado Civil: Profissão: Empresa: Lotação: Banco: Agência: Conta: E-mail: Telefone

Leia mais

C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE

C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE 1. QUAIS SÃO OS TIPOS DE EMPRÉSTIMOS OFERECIDOS PELO POSTALIS? O POSTALIS oferece atualmente a seus participantes duas modalidades de empréstimos: o simples

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Jackeline L. do Nascimento Manoel Lopes de O. Neto Pompeu Henrique C. Neto HISTÓRICO DA ÚLTIMA MODIFICAÇÃO EDIÇÃO DATA

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DOS CONCEITOS. II Patrocinadora: pessoa jurídica que celebra convênio de adesão a plano previdenciário;

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DOS CONCEITOS. II Patrocinadora: pessoa jurídica que celebra convênio de adesão a plano previdenciário; REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL A FUNDAÇÃO COPEL DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, pessoa jurídica de direito privado, entidade fechada de previdência complementar, sem fins lucrativos, inscrita no

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I Das Características Básicas Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 Índice Página CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 CAPÍTULO III DA HABILITAÇÃO AO EMPRÉSTIMO... 2 CAPÍTULO IV DO TERMO DE ADESÃO...

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Administração Financeira AFAF D.AF.18 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências -2/6 - Condições para o Financiamento -2/6 - Disposições Gerais -6/6 - Vigência -6/6 Objetivo. 1. Est

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Refinanciamento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Refinanciamento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de refinanciamento de mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da NOSSA TERRA COOPERATIVA DE CREDITO DOS EMPREGADOS DAS EMPRESAS DE AGRONEGÓCIO E AFINS é o meio pelo qual o Conselho de Administração

Leia mais

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 1. FINALIDADE: Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal aos Participantes Ativos da Fundação Technos de Previdência Social, que necessitarem

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP Sumário CAPÍTULO I - FINALIDADE... 2 CAPÍTULO II DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III ELEGIBILIDADE AO EMPRÉSTIMO... 6 CAPÍTULO IV LIMITE DE CONCESSÃO DO EMPRÉSTIMO...

Leia mais

ATO DELIBERATIVO 40/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições;

ATO DELIBERATIVO 40/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições; CONSELHO DELIBERATIVO ATO DELIBERATIVO 40/2015 O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições; CONSIDERANDO a necessidade de revisar o Regulamento do

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para concessão e controle de empréstimos aos participantes e beneficiários assistidos

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan 13º FEVEREIRO.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan 13º FEVEREIRO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN 13º FEVEREIRO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA GERÊNCIA NACIONAL DO ATIVO DO FGTS CIRCULAR Nº 391, DE 25 DE

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO O Empréstimo constitui-se numa das modalidades de investimento do patrimônio dos Planos A/B, C e D administrados pela Fundação, estando subordinado

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO DADOS DO ENTIDADE C.N.P.J: 60.540.440/0001-63 Av. Mutinga, 3.800 São Paulo/SP CEP: 05110-902 DADOS DO PARTICIPANTE Nome: Matrícula: Empresa: Telefone: ( ) CARACTERÍSTICAS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Sumário - Objetivo 1/6 - Conceitos Básicos 1/6 - Competências 2/6 - Condições para o Financiamento 2/6 - Disposições Gerais 6/6 - Vigência 6/6 Objetivo 1. Este Anexo

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN - VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1. FINALIDADE REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

NORMA GERAL DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES

NORMA GERAL DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES I - DO EMPRÉSTIMO SIMPLES O presente documento, doravante denominado Norma Geral, regula a concessão de empréstimos financeiros (simples), de caráter não obrigatório, pela SIAS aos seus participantes e

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) Dá nova redação à Instrução Normativa nº 22, de 14 de dezembro de 2015, do Ministério das Cidades, que regulamenta o Programa Carta de

Leia mais

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013)

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) VIGÊNCIA: 02/01/2014 (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - DEFINIÇÕES 3 - LIMITE DE CRÉDITO 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS CAPÍTULO I DO EMPRÉSTIMO Art. 1º O Empréstimo ofertado pela Previnorte, formalizado em contrato de mútuo, tem por finalidade atender aos participantes ativos e aos assistidos

Leia mais

FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA

FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA 1 CAPÍTULO I FINALIDADE Art 1º. Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE / DESTINAÇÃO... 3 3. DESTINATÁRIOS... 4 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 5 6. PRAZOS... 6 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 6 9. CONDIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DAS CIDADES GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DAS CIDADES GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (PUBLICADA NO DOU Nº 46, EM 08 DE MARÇO DE 2017, SEÇÃO 1, PÁGINAS 128 a 131) Dá nova redação à Instrução Normativa

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO:

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO: CONTRATO DE MÚTUO A FAELBA - Fundação COELBA de Previdência Complementar, com sede na Av. Tancredo Neves, 450, Ed Suarez Trade, 33º andar, sala 3302, nesta Capital, inscrita no CNPJ/MF sob nº 13.605.605/0001-58,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pré-fixadas pelo

Leia mais

EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES

EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ADMINISTRADOS PELA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF Capítulo I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar a concessão de empréstimo pela Fundação dos Economiários Federais

Leia mais

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa 4. POLÍTICA DE EMPRÉSTIMO tipuladas nesta política. 4.1 Crédito Pessoal a) Finalidade b) de pagamento Todos os associados Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa Até 36 meses Até

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ é

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF FIXO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMO (Aprovado na RCD nº 94ª de 23/10/2014)

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMO (Aprovado na RCD nº 94ª de 23/10/2014) REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMO (Aprovado na RCD nº 94ª de 23/10/2014) Regulamento de Concessão e Controle de Empréstimo Página 1 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 DEFINIÇÕES 3 - LIMITE DE CRÉDITO

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples

Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento das Carteiras de Empréstimos Simples dos Planos de Benefícios administrados

Leia mais

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016. DECRETO Nº 19.332, DE 10 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta a Lei nº 12.005, de 11 de fevereiro de 2016, que permite às instituições conveniadas com o Município ou mantidas pelo Estado e cadastradas como beneficiárias

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRESTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRESTIMOS / Versão 30108/2012, REGULAMENTO DE EMPRESTIMOS CEP:88034-902 - fone:(48} 3664-1232 -- índice \1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS, 2 I I r----~! 2.0 - DA MODALIDADE! 2! 13.0 - DOS LIMITES \ 2 I : J 1 14.0 - DA CONCESSÃO

Leia mais

REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS

REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS CNPB Nº 19.900.013-19 Texto Atual Texto Proposto Justificativa São partes no presente instrumento: Fundo SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes.

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2016-BNDES Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2016 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de operações

Leia mais

AMACA REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE AUXÍLIO FINANCEIRO FMAF. Capítulo I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DA AMACA E FMAF

AMACA REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE AUXÍLIO FINANCEIRO FMAF. Capítulo I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DA AMACA E FMAF AMACA REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE AUXÍLIO FINANCEIRO FMAF Capítulo I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DA AMACA E FMAF Art. 1º A Associação Mútua de Auxílios dos Associados da CASACARESC, abreviadamente designada

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS - CNPB Nº 2006.0034-29 Aprovado pela Diretoria Executiva em 08/11/2016, por meio da Nota Técnica DIFIN

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Publicado no DO em 14 out 2016 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação de dívidas originárias de operações de crédito rural inscritas em dívida ativa da União,

Leia mais

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016 REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE 04 de Junho de 2016 Regulamento de Empréstimo ao Participante 1 ÍNDICE Capítulo Página CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para renegociação das operações de crédito fundiário contratadas ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, inclusive as operações

Leia mais

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ AS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO GRUPO B

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO GRUPO B REGULAMENTO EMPRÉSTIMO GRUPO B REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO DO PLANO DE BENEFÍCIOS REGULAMENTO COMPLEMENTAR Nº 1 - CNPB Nº 1978.0002-19 Aprovado pela Diretoria Executiva em 08/11/2016, por meio

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância Por este contrato e melhor forma de direito: 1. PARTES 1.1 CREDOR: BANCO BRADESCO S.A., inscrito no

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 Nomes das linhas Nome Finalidade Liberação de Código no sistema valor Renegociação (exassociado) Renegociação

Leia mais

SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER BD

SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER BD 01 de 05 Partes PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER BD, entidade fechada de previdência privada, com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Domingos Jorge, 1.000,

Leia mais

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO AS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Economia e Mútuo dos Funcionários das Empresas de Cerâmica - COOPASPACER é o meio pelo qual DIRETORIA direciona

Leia mais

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Quais as principais mudanças? Um regulamento para cada plano Em razão das diferenças entre as duas modalidades de plano, teremos regulamentos diferentes para

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Identificação: FM.MAN-EMP.BD.01 Versão: 02 Data: 27/09/2016 Página 1 de 5 CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Este instrumento qualifica como Participante-Contratante, as categorias: participante ativo

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL DO CARTÃO BI CARD CONSIGNADO GOV. RIO DE JANEIRO

ROTEIRO OPERACIONAL DO CARTÃO BI CARD CONSIGNADO GOV. RIO DE JANEIRO 1. PUBLICO ALVO O publico alvo é constituído por servidores ativos e inativos do Governo do Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de concessão do Cartão BI CARD possibilitando saque antecipado, saques

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de outubro de 2012, que estabelece diretrizes para elaboração

Leia mais

Prazo Taxa Mensal Taxa Anual

Prazo Taxa Mensal Taxa Anual CONTRATO DE CRÉDITO MÚTUO - EMPRÉSTIMO PRÉ-FIXADO PLANO PRECE CV Empréstimo contratado: Prazo Taxa Mensal Taxa Anual CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO E PRINCIPAIS OBRIGAÇÕES: 1. Pelo presente instrumento

Leia mais

PROPOSTA DE RENOVAÇÃO DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial.

PROPOSTA DE RENOVAÇÃO DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA - www.eletra.org.br - versão: 03/2016 03.06.2016 - pág.: 1 PROPOSTA DE RENOVAÇÃO DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2017

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2017 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2017 Dispõe acerca do contrato de abertura de limite de crédito, das correspondentes garantias contratuais e dos contratos de operações financeiras derivadas celebrados

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada CNPB:19.980.047-83 CNPJ:02.726.871/0001-12 Anexo I Ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - Quem pode ingressar no Plano de Benefícios FAF? O Plano de Benefícios está fechado ao ingresso de novos Participantes desde 01.01.2003. 2 - Como são fixadas as contribuições mensais dos Participantes

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que o Portador e a Beneficiária

Leia mais

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 16 de Setembro de 2016

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 16 de Setembro de 2016 REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE 16 de Setembro de 2016 Regulamento de Empréstimo ao Participante 1 ÍNDICE Capítulo Página CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO

Leia mais

Lei Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados.

Lei Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados. Lei 13.340 Vantagens para o Produtor Rural Desconto de até 95% para liquidação Renegociação/Liquidação de dívidas contratadas até 2011 Ampliação do prazo para pagamento, com carência até 2020, sendo a

Leia mais

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES Responsável: Departamento Operacional do Crédito Consignado Versão: 19 Vigência: 20.07.2015 Código PO: OCC-02 ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Vigência e

Leia mais

Antecipação de Rendimentos

Antecipação de Rendimentos Antecipação de Rendimentos A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados de Furnas e das Demais Empresas do Sistema Eletrobrás LTDA., com sede na Rua Real Grandeza 139, 5º andar, Rio de Janeiro-RJ,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 60 DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 60 DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 60 DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DO SERVIDOR FEDERAL LTDA. SICOOB CREDFAZ SERVIDOR FEDERAL, no uso de suas atribuições, e com base no ESTATUTO

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado

Itaú Fundo Multipatrocinado Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Benefícios Schneider (CNPB n 2006.0040-11) Itaú Fundo Multipatrocinado Página 1 do quadro comparativo das alterações efetuadas no

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor,

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor, DECRETO N. 7.672, DE 31 DE JULHO DE 2014 Disciplina o sistema de parcelamento de débito fiscal e dá ouras providências. O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO POSTALPREV

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO POSTALPREV PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO Página: 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 2 CAPÍTULO II DOS DESTINATÁRIOS... 2 CAPÍTULO III DA DOCUMENTAÇÃO DOS DESTINATÁRIOS... 3 CAPÍTULO IV DOS LIMITES INDIVIDUAIS...

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS INFORMAÇÕES

ROTEIRO OPERACIONAL CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS INFORMAÇÕES RESUMO DAS INFORMAÇÕES Data de Corte DIA 23 APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO INSS, DE ACORDO COM A RELAÇÃO DE BENEFICIO CONSIGNÁVEL. PENSÃO POR MORTE: ESPÉCIE 21 IDADE: 27 ANOS ATÉ 43 ANOS 11 MESES E 29 DIAS

Leia mais

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO AS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Economia e Mútuo dos Funcionários das Empresas de Cerâmica - COOPASPACER é o meio pelo qual DIRETORIA direciona

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 315, de 29 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades

Leia mais