CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO"

Transcrição

1 CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO - FGTS, no uso da atribuição que lhe confere o art. 4º, inciso VII, do Regimento Interno aprovado pela Resolução nº 320, de 31 de agosto de 1999, tendo em vista a competência prevista no art. 24 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990; e Considerando a definição das diretrizes de aplicação introduzidas pelo Programa de Subsídios à Habitação de Interesse Social - PSH e a necessidade de adequar os dispositivos da Resolução n.º 289 a essas novas medidas governamentais, para garantir a normalidade do fluxo de contratações das operações de crédito; e Considerando a necessidade de melhorar a rentabilidade do Fundo, resolve, ad referendum do Conselho: 1 Alterar o item 5 da Resolução nº 289/98, que passa a vigorar com a seguinte redação: "5 DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS PARA CONTRATAÇÃO, POR ÁREA DE APLICAÇÃO E UNIDADE DA FEDERAÇÃO Em nível nacional, os recursos serão distribuídos por área de aplicação, conforme segue: ÁREA DE APLICAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS (%) HABITAÇÃO POPULAR 60% SANEAMENTO BÁSICO/INFRA-ESTRUTURA URBANA 30% OPERAÇÕES ESPECIAIS 10% 2 Alterar o subitem 5.1 da Resolução nº 289/98, que passa a vigorar com a seguinte redação: "5.1 No âmbito das Unidades da Federação - UF, a distribuição de recursos das áreas de Habitação Popular e Saneamento Básico e Infra-estrutura Urbana observarão variáveis técnicas relacionadas, em cada UF, às respectivas arrecadação bruta das contas vinculadas do FGTS, população urbana, demanda habitacional e déficit de serviços de água e

2 esgoto, as quais receberão ponderações específicas, conforme quadro abaixo:" 3 Alterar o subitem 5.2 da Resolução nº 289/98, que passa a vigorar com a seguinte redação: "5.2 O quadro de distribuição de recursos para contratação das áreas de Habitação Popular e de Saneamento Básico e Infra-estrutura Urbana, por Unidade da Federação, constitui o Anexo desta Resolução." 4 Alterar o item 7 e seus subitens, da Resolução no 289/98, que passam a vigorar com a seguinte redação: "7 DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS PARA CONTRATAÇÃO Ficam definidos os seguintes limites para operações de crédito com recursos do FGTS na área de Habitação Popular: a) de financiamento e de repasse por unidade: até R$ ,00 (quarenta e quatro mil reais); b) de renda familiar bruta: até R$ 2.000,00 (dois mil reais). 7.1 Ficam admitidos, nos programas Carta de Crédito Associativo, Apoio à Produção e Carta de Crédito Individual, para construção, aquisição de terreno e construção e aquisição de unidade nova, entendida como o imóvel pronto com até 180 dias de habite-se ou com prazo superior a 180 dias desde que não tenha sido habitado ou alienado, os limites na forma que se segue: a) de financiamento e de repasse por unidade: até R$ ,00 (cinqüenta e cinco mil reais); b) de renda familiar bruta: até R$ 3.250,00 (três mil duzentos e cinqüenta reais) Serão definidos critérios, pelo Gestor da Aplicação, para a implementação dos limites, os quais levarão em consideração as características da demanda por região e o volume global de operações contratadas Os remanejamentos de que trata este subitem terão privilégio sobre os remanejamentos mencionados no subitem 5.2.1, observada a manutenção dos recursos de que trata o subitem 7.4, que serão objeto de transferência apenas quando estiverem esgotados os recursos dos outros programas e áreas de aplicação No caso de remanejamentos da área de Operações Especiais, os valores deverão ser considerados como da área de Saneamento e Infra-estrutura Urbana. 7.3 Para fins de melhoria da rentabilidade do Fundo, serão admitidas Operações Especiais nas áreas de Habitação, Saneamento e Infra-estrutura, desde que os respectivos programas venham a ser aprovados pelo Conselho Curador do FGTS.

3 7.3.1 Fica destinado às operações especiais da área de habitação o equivalente a 70% dos recursos consignados à área de Operações Especiais As Operações Especiais na área de Habitação ficam admitidas nos Programas Carta de Crédito Associativo, Apoio à Produção e Carta de Crédito Individual, para construção, aquisição de terreno e construção, bem como para aquisição de unidade nova, entendida como o imóvel pronto com até 180 dias de habite-se ou com prazo superior a 180 dias desde que não tenha sido habitado ou alienado, observando-se os seguintes limites: a) de financiamento e de repasse por unidade: até R$ ,00 (sessenta e quatro mil reais); b) de avaliação: até R$ ,00 (oitenta mil reais); c) de renda familiar bruta: até R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais). 7.4 O Agente Operador deverá orientar os Agentes Financeiros no sentido de priorizar as contratações que atendam à população com renda familiar de até R$ 1.000,00 (um mil reais), destinando para as respectivas contratações 20% (vinte por cento), no mínimo, dos recursos alocados no Orçamento de Contratações à área de Habitação Popular. 7.5 O Agente Operador disponibilizará ao Gestor da Aplicação informações relativas às operações de crédito realizadas na área de habitação popular com famílias de mais baixa renda." 5 Alterar o subitem 8.2 da Resolução nº 289/98,que passa a vigorar com a seguinte redação: "8.2 VALOR MÁXIMO DE AVALIAÇÃO DO IMÓVEL NA ÁREA DE HABITAÇÃO Na área de Habitação Popular serão passíveis de obtenção de crédito, com recursos do FGTS, imóveis residenciais cujo valor de avaliação não exceda a R$ ,00 (sessenta e dois mil reais)." Será admitido o valor máximo de avaliação de R$ ,00 (oitenta mil reais) para os imóveis enquadrados nas operações especiais da área de Habitação. 6 Alterar os subitens e 8.6 da Resolução nº 289/98, que passam a vigorar com a seguinte redação: "8.5.1 Nas operações relativas a financiamentos a pessoas físicas, serão observadas as taxas de juros nominais a seguir discriminadas:

4 FAIXA DE RENDA TAXA NOMINAL DE JUROS AGENTE OPERADOR X AGENTE FINANCEIRO TAXA NOMINAL DE JUROS AGENTE FINANCEIRO X MUTUÁRIO ATÉ R$1.000,00 5,20 a 5,80% a.a.(*) 6,00% a.a. DE R$1.000,01 A R$2.000,00 DE R$2.000,01 A R$3.250,00 DE R$3.250,01 A R$4.500,00 6,00% a.a. 8,16% a.a. 6,00% a.a. 8,16% a.a. 8,00% a.a. 10,16% a.a. (*) a taxa de juros nominal do empréstimo do Agente Operador ao Agente Financeiro poderá variar de 5,2% a.a. a 5,8% a.a., em função da classificação do nível de risco do Agente Financeiro, preservada a taxa se juros ao beneficiário final de 6% a.a. 8.6 PRAZO DE AMORTIZAÇÃO Nas operações com recursos do FGTS serão admitidos os prazos máximos de amortização a seguir, observando-se, ainda, que o valor da prestação de amortização e juros deve corresponder, no mínimo, a R$ 30,00 (trinta reais), excluídas as operações enquadradas no Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social - PSH: a)... b)..." 7 Alterar o subitem 8.7 e seus subitens da Resolução n.º 289/98, que passam a vigorar com a seguinte redação: "8.7 DESCONTO NOS FINANCIAMENTOS A PESSOAS FÍSICAS Nos financiamentos a mutuários pessoas físicas, com renda não superior a R$ 2.000,00 (dois mil reais) poderá ser concedido desconto pelo FGTS Para fins de definição do valor do desconto, de que trata o "caput" serão adotados os seguintes procedimentos: a) é calculado o valor de financiamento a que o proponente tem acesso, com base nas condições a serem estabelecidas pelo Gestor da Aplicação; b) a partir do valor do financiamento solicitado, define-se o encargo mensal devido, nas mesmas condições utilizadas para o cálculo do valor de financiamento definido na alínea "a"; c) mantendo-se o valor do encargo mensal definido conforme a alínea anterior, calcula-se o valor do

5 financiamento que lhe corresponde, à taxa nominal de juros de 6,0 % a.a. (seis por cento ao ano); d) o desconto, quando for o caso, será equivalente ao valor obtido pela diferença entre o valor do financiamento solicitado e o calculado conforme a alínea anterior Nas operações com pessoas físicas com renda familiar bruta de até R$ 1.000,00(um mil reais), o diferencial de juros entre 6,00% a.a. e 8,16% a.a., calculado com base no fluxo teórico do financiamento, será suportado pelo FGTS, utilizando-se recursos da rubrica Desconto Financeiro, pago a vista ao Agente Financeiro, em espécie Nas operações com pessoas físicas com renda familiar bruta de até R$ 2.000,00 (dois mil reais), a Taxa de Administração, de que trata a alínea "d" do subitem 8.8.1, será suportada pelo FGTS, utilizando-se recursos da rubrica "Desconto Financeiro", paga a vista, em espécie, ao valor presente calculado à taxa de desconto de 12% a.a. no prazo da operação O Conselho Curador definirá, anualmente, juntamente com os Planos de Contratações e Metas Físicas, o volume global de descontos a ser concedido, na forma prevista no subitem O Gestor da Aplicação encaminhará ao Conselho Curador, na reunião subseqüente aos remanejamentos que efetuar com base nesta Resolução, informações relativas aos valores necessários para fazer frente ao desconto correspondente Na efetivação, pelo mutuário, de liquidação antecipada da dívida, amortização extraordinária, transferência da dívida e/ou redução de prazo de amortização, os valores dos descontos financeiro de que tratam os subitens e 8.7.3, devem ser restituídos ao Fundo, calculados: a) a parcela de desconto, calculada em consonância com o subitem 8.7.2, será resultante da diferença entre o valor apurado no fluxo teórico da dívida, na data do evento, considerando as condições anteriores pelo prazo remanescente e o valor apurado nas novas condições decorrentes do evento; b) a parcela de desconto, calculada em consonância com o subitem 8.7.3, será proporcional ao prazo de amortização antecipado, na data do evento, remunerada com o mesmo índice de atualização monetária aplicado aos saldos das contas vinculadas do FGTS Nos financiamentos concedidos a beneficiários com renda familiar de até R$ 1.000,00 (um mil reais), fica vedada a concessão, na mesma operação, de subsídio do PSH e desconto do FGTS.

6 8.7.7 Nas faixas de renda familiar bruta em que as regras definidas pelo PSH forem vantajosas ao beneficiário final, os Agentes Financeiros deverão priorizar a utilização destes recursos O somatório dos valores pagos pelo FGTS, a título de remuneração do Agente Financeiro, não poderá exceder a 75% (setenta e cinco por cento) do valor do saldo devedor inicial da operação." 8 Alterar o subitem da Resolução nº 289/98, que passa a vigorar com a seguinte redação: "8.8.1 Remuneração pela Operação Financeira Constituem remuneração do Agente Financeiro, por operação de crédito realizadas: a) nas operações de Habitação e de Saneamento e Infraestrutura com pessoas jurídicas, o Agente Financeiro receberá o diferencial de juros nominal de 2 % (dois por cento) ao ano, incidente sobre o saldo devedor das operações de crédito, durante as fases de carência e retorno, cobrados no encargo mensal; b) nas operações de Habitação com pessoas físicas, com renda de até R$ 1.000,00 (um mil reais), o Agente Financeiro receberá o diferencial de juros nominal entre 6% a.a. e 8,16% a.a, incidente sobre o saldo devedor das operações de crédito, durante as fases de carência e retorno, cobrados no encargo mensal; c) nas operações de Habitação com pessoas físicas, com renda superior a R$ 1.000,00 (um mil reais), o Agente Financeiro receberá o diferencial entre os juros nominais definidos no subitem 8.5.1, incidente sobre o saldo devedor das operações de crédito, durante as fases de carência e retorno, cobrados no encargo mensal; d) nas operações de Habitacão com pessoas físicas, adicionalmente ao disposto nas alíneas "b" e "c", será cobrado, juntamente com o encargo mensal, reajustável anualmente pelo mesmo índice aplicado ao saldo devedor, o valor de R$ 25,00 (vinte e cinco reais) ao mês, com redução de 10% (dez por cento) a cada período de dois anos, até atingir o valor de R$ 18,00 (dezoito reais)." 9 As operações que se encontrem em tramitação nos Agentes Financeiros poderão ser realizadas nas condições anteriores a esta norma, desde que sejam contratadas em até trinta dias, contados a partir da data da vigência desta Resolução. 10 Prorrogar, para o exercício de 2003, as diretrizes para a aplicação dos recursos e para a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS, instituídas pela Resolução

7 no 289, de 30 de junho de 1998, suas alterações e aditamentos. 11 Ficam revogados os subitens , e da Resolução no 289, de 30 de junho de 1998, e a Resolução nº 376, de 17 de dezembro de Esta Resolução tem vigência a partir de 31 de maio de PAULO JOBIM FILHO Presidente do Conselho DOU, 10/06/02 P.96

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) Dá nova redação à Instrução Normativa nº 22, de 14 de dezembro de 2015, do Ministério das Cidades, que regulamenta o Programa Carta de

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de outubro de 2012, que estabelece diretrizes para elaboração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DAS CIDADES GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DAS CIDADES GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (PUBLICADA NO DOU Nº 46, EM 08 DE MARÇO DE 2017, SEÇÃO 1, PÁGINAS 128 a 131) Dá nova redação à Instrução Normativa

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dá nova redação à Portaria Interministerial nº 326, de 31 de agosto de 2009, que dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 97, DE 30 DE MARÇO DE 2016

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 97, DE 30 DE MARÇO DE 2016 Nº 61, quinta-feira, 31 de março de 2016 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 97, DE 30 DE MARÇO DE 2016 Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR, integrante do Programa

Leia mais

Circular nº 735, de 05 de outubro de 2016

Circular nº 735, de 05 de outubro de 2016 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2017, e dá outras providências.

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2017, e dá outras providências. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996 DELPHOS INFORMA ANO 2 - Nº 11 - MAIO / 96 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO Nº 217/96 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO EM 14

Leia mais

CAPÍTULO I DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV

CAPÍTULO I DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV DECRETO Nº 6819, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Regulamenta as Seções II, III e IV do Capítulo I da Medida Provisória nº 459, de 25 de março de 2009, que dispõe sobre o Programa

Leia mais

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2016, e dá outras providências.

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2016, e dá outras providências. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2017, e dá outras providências.

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2017, e dá outras providências. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Programa Minha casa, Minha Vida Rural - PNHR

Programa Minha casa, Minha Vida Rural - PNHR PORTARIA INTERMINISTERIAL N 326, DE 31 DE AGOSTO DE 2009 (Publicada no DOU, em 02/09/09 seção 1, págs. 79/80) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante do Programa Minha Casa,

Leia mais

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA GERÊNCIA NACIONAL DO ATIVO DO FGTS CIRCULAR Nº 391, DE 25 DE

Leia mais

SIGEF: COBRANÇA DOS TÍTULOS ONEROSOS DO PROGRAMA TERRA LEGAL. Superintendência Nacional de Regularização Fundiária na Amazônia Legal

SIGEF: COBRANÇA DOS TÍTULOS ONEROSOS DO PROGRAMA TERRA LEGAL. Superintendência Nacional de Regularização Fundiária na Amazônia Legal SIGEF: COBRANÇA DOS TÍTULOS ONEROSOS DO PROGRAMA TERRA LEGAL Objetivo Um dos desafios enfrentados no âmbito da Subsecretaria Extraordinária de Regularização Fundiária na Amazônia Legal - SERFAL está na

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº0154/97 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, por seus representantes aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013 SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013 Sumário 1 - Arranjo Institucional do FGTS; 2 Grandes números do FGTS; 3 FI-FGTS e Carteiras Administradas; 4 Programas do FGTS;

Leia mais

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2011, e dá outras providências.

Dispõe sobre o Orçamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS, para o exercício de 2011, e dá outras providências. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

SUBSTITUTIVO ADOTADO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 212-A DE 2016

SUBSTITUTIVO ADOTADO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 212-A DE 2016 COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 212-A, DE 2016, DO SENADO FEDERAL, QUE ACRESCENTA ART. 101 AO ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS PARA

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. O Banco

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO N a) beneficiários: cafeicultores, em financiamentos contratados diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas;

RESOLUÇÃO N a) beneficiários: cafeicultores, em financiamentos contratados diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas; RESOLUÇÃO N 3360 Documento normativo revogado pela Resolução 3.451, de 05/04/2007. Institui, ao amparo de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), linhas de crédito destinadas ao financiamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 Estabelece critérios, condições e prazos para a concessão de financiamentos ao amparo de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e do Fundo

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada

Leia mais

Portaria Mec/Normativa nº 21, de 20 de outubro de 2010

Portaria Mec/Normativa nº 21, de 20 de outubro de 2010 Portaria Mec/Normativa nº 21, de 20 de outubro de 2010 Diário Oficial da União nº 202, de 21 de outubro de 2010 (quinta-feira) Seção 1 Pág. 13/14 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA

Leia mais

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação CÂMABA BRASILEIRA DA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC Brasília/DF, 05 de outubro de 2016 PAÍS Imperativo para atingir metas de agendas e acordos Internacionais

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de Regulamento do Plano de Empréstimo 6ª Alteração Vigência: a partir de 01.05.2009 1. Dos Objetivos Estabelecer os direitos e obrigações da Fundambras e dos seus Participantes na concessão de empréstimos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 315, de 29 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades

Leia mais

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016

Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Portaria PGFN Nº 967 DE 13/10/2016 Publicado no DO em 14 out 2016 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação de dívidas originárias de operações de crédito rural inscritas em dívida ativa da União,

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 Atualiza a Resolução CREDUNI 002/2016 de 03/05/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o Art. 6º

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.840, DE 17 DE SETEMBRO DE 2003. Regulamenta a Medida Provisória n o 130, de 17 de setembro de 2003, que dispõe sobre a

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2017-BNDES Rio de Janeiro, 08 de março de 2017. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade

Leia mais

1º O saldo devedor consolidado, na forma do caput, será utilizado exclusivamente para fins de apuração do valor correspondente à parcela mensal fixa

1º O saldo devedor consolidado, na forma do caput, será utilizado exclusivamente para fins de apuração do valor correspondente à parcela mensal fixa PORTARIA NORMATIVA No 4, DE 2 DE MARÇO DE 2011 Regulamenta o inciso I do art. 6º-B da Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, incluído pela Lei nº 12.202, de 14 de janeiro de 2010. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 21/2016-BNDES Rio de Janeiro, 15 de abril de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2016-BNDES Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O Projeto de Lei apresentado pelo Executivo Municipal sob o nº 023/2009 se constitui em importante alternativa para a solução da inadimplência dos mutuários do Departamento Municipal

Leia mais

SOLUÇÕES EM IMÓVEIS BB CRÉDITO IMOBILIÁRIO

SOLUÇÕES EM IMÓVEIS BB CRÉDITO IMOBILIÁRIO #publica SOLUÇÕES EM IMÓVEIS BB CRÉDITO IMOBILIÁRIO Diretoria de Empréstimos, Financiamentos e Crédito Imobiliário Goiânia-GO, 27/09/2017 O mercado de Crédito Imobiliário O Banco do Brasil detém do saldo

Leia mais

RESOLUÇÃO N RESOLVEU:

RESOLUÇÃO N RESOLVEU: RESOLUÇÃO N 3.475 Dispõe sobre redução de encargos financeiros aplicáveis aos financiamentos com recursos controlados do crédito rural e às operações do Programa de Geração de Emprego e Renda Rural (Proger

Leia mais

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 003/2017

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 003/2017 RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 003/2017 Atualiza a Resolução CREDUNI 002/2017 de 04/05/2017 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado, alterando o

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Política e Programas Habitacionais em São Paulo

Política e Programas Habitacionais em São Paulo Política e Programas Habitacionais em São Paulo Papel de Agentes Públicos e Privados AUP 0563 - Estruturação do Espaço Urbano: Produção Imobiliária Contemporânea Profa. Dra. Luciana de Oliveira Royer LABHAB

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780, DE 19 DE MAIO DE 2017.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780, DE 19 DE MAIO DE 2017. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780, DE 19 DE MAIO DE 2017. Institui o Programa de Regularização de Débitos não Tributários junto às autarquias e fundações públicas federais e à Procuradoria-Geral Federal e dá outras

Leia mais

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador." (NR)

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador. (NR) RESOLUCAO 3.986 Altera condições para contratação de operações de custeio, comercialização, Empréstimo do Governo Federal (EGF), Linha Especial de Crédito (LEC), e dos Programas do BNDES, Moderagro, Prodecoop

Leia mais

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017.

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. PROJETO DE LEI Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estima a receita da

Leia mais

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008.

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. LEI Nº 11.827, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. Altera as Leis n os 10.833, de 29 de dezembro de 2003, e 11.727, de 23 de junho de 2008, relativamente à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.112, DE 6 DE JULHO DE 1999. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 84 da

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para renegociação das operações de crédito fundiário contratadas ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, inclusive as operações

Leia mais

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 004/2017

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 004/2017 RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 004/2017 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2017 de 05/09/2017 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado, alterando a

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.913, DE 11 DE SETEMBRO DE 2001. Dispõe sobre a apuração e liquidação dos complementos de atualização monetária de saldos

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998.

CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. CARTA-CIRCULAR Nº 767 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. Em decorrência das Resolução nº 566, de,de 20.09.79, e 676, de 22.01.81, de que estabeleceram prazos mínimos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780 DE 19/05/2017 (DOU 22/05/2017) Institui o Programa de Regularização de Débitos não Tributários junto às autarquias e fundações públicas federais e à Procuradoria-Geral Federal

Leia mais

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES CIRCULAR N 12/2009 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2009 Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução

Leia mais

RESOLUCAO N Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade:

RESOLUCAO N Parágrafo único. Não são considerados no cálculo da exigibilidade: RESOLUCAO N 3422 Dispõe acerca da realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de

Leia mais

LEI Nº 3.905, DE 19 DE DEZEMBRO DE O Prefeito Municipal: Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

LEI Nº 3.905, DE 19 DE DEZEMBRO DE O Prefeito Municipal: Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I LEI Nº 3.905, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2016. Estima a receita e fixa a despesa do Município para o exercício financeiro de 2017 e dá outras disposições. O Prefeito Municipal: Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

ATO DELIBERATIVO 40/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições;

ATO DELIBERATIVO 40/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições; CONSELHO DELIBERATIVO ATO DELIBERATIVO 40/2015 O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições; CONSIDERANDO a necessidade de revisar o Regulamento do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº a) cafeicultores, diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas; b) cooperativas de produtores rurais;

RESOLUÇÃO Nº a) cafeicultores, diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas; b) cooperativas de produtores rurais; RESOLUÇÃO Nº 3.238 Define condições para concessão de crédito destinado ao financiamento de estocagem de café do período agrícola 2003/2004. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE IMBITUBA Faço saber que a Câmara Municipal de Imbituba aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE IMBITUBA Faço saber que a Câmara Municipal de Imbituba aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 4.764, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2016. Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Imbituba para o Exercício de 2017. O PREFEITO MUNICIPAL DE IMBITUBA Faço saber que a Câmara Municipal de Imbituba

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos Financeiros... 3 Capítulo

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 179, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 179, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 179, DE 2015 Altera a Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, que dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao estudante do Ensino Superior, para estabelecer critérios qualitativos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I Das Características Básicas Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd';

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd'; RESOLUÇÃO N 3357 Documento normativo revogado pela Resolução 3456, de 01/06/2007. Altera o Regulamento anexo à Resolução 3.121, de 2003, que dispõe sobre as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos

Leia mais

Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior e dá outras providências.

Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior e dá outras providências. Medida Provisória n 2.094-28, de 13 de junho de 2001 Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

Programa Especial de Regularização Tributária (PERT)

Programa Especial de Regularização Tributária (PERT) Ref.: nº 23/2017 1. Programa Especial de De acordo com a Medida Provisória n 783/2017, fica aberto, até 31 de agosto de 2017, o prazo para adesão ao Programa de. O Programa tem por objetivo regularizar

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 11.897, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

IX Contratos de Assunção de Obrigações

IX Contratos de Assunção de Obrigações CIRCULAR 3.427 Dispõe sobre o recolhimento compulsório e o encaixe obrigatório sobre recursos a prazo de que trata a Circular nº 3.091, de 1º de março de 2002. A Diretoria Colegiada do Banco Central do

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 02/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de janeiro de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

Lucro Líquido ,43. Lucros Acumulados ,71. Lucro Líquido Ajustado ,14. Reserva Legal

Lucro Líquido ,43. Lucros Acumulados ,71. Lucro Líquido Ajustado ,14. Reserva Legal DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO - Exercício 2011 Srs. Acionistas, Consoante as disposições da Lei 6.404, de 15.12.1976, e o Estatuto do Banco, apresento à deliberação desta Assembleia a destinação do Lucro

Leia mais

Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de ). Alterações no âmbito do Produto BNDES Finame Agrícola.

Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de ). Alterações no âmbito do Produto BNDES Finame Agrícola. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 43/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2015 Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de 18.08.2006). Ass.:

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2016 de 08/09/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

ATUALIZADA EM 29/12/2014

ATUALIZADA EM 29/12/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre transferência integral de curso e de instituição de ensino realizada por estudante financiado

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 954, DE 2013

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 954, DE 2013 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 954, DE 2013 Redação final do Projeto de Lei de Conversão nº 20, de 2013 (Medida Provisória nº 613, de 2013). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Dispõe sobre as contribuições devidas para os conselhos profissionais em geral, bem como sobre a forma de cobrança, pelos conselhos, das anuidades e multas por violação da ética. O CONGRESSO

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015

RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015 RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2015 de 8/09/2015 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos e financiamentos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando

Leia mais

Dedução da Receita para formação do FUNDEB R$ ,00 (Vinte e quatro milhões, vinte mil e seiscentos e sessenta e dois reais).

Dedução da Receita para formação do FUNDEB R$ ,00 (Vinte e quatro milhões, vinte mil e seiscentos e sessenta e dois reais). Mensagem n 68/2017. São Sebastião, 26de setembro de 2017. Exmo. Sr. Vereador Reinaldo Alves Moreira Filho DD. Presidente da Câmara de Vereadores de São Sebastião-SP. Sirvo-me do presente para encaminhar

Leia mais

Lei Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados.

Lei Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados. Lei 13.340 Vantagens para o Produtor Rural Desconto de até 95% para liquidação Renegociação/Liquidação de dívidas contratadas até 2011 Ampliação do prazo para pagamento, com carência até 2020, sendo a

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CAIXA INCORPORAÇÃO CNPJ nº /

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CAIXA INCORPORAÇÃO CNPJ nº / FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CAIXA INCORPORAÇÃO CNPJ nº 12.969.125/0001-03 Ata da Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária realizada em 01 de junho de 2016 I. Data, hora e local Realizada no

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 241-D, DE 2016

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 241-D, DE 2016 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 241-D, DE 2016 REDAÇÃO PARA O SEGUNDO TURNO DE DISCUSSÃO DA PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 241-C, DE 2016, que altera o Ato das Disposições

Leia mais

EMENDA Nº. (à MPV 698/2015) Acrescente-se, onde couber, artigos com as seguintes redações:

EMENDA Nº. (à MPV 698/2015) Acrescente-se, onde couber, artigos com as seguintes redações: MPV 698 00004 EMENDA Nº (à MPV 698/2015) Acrescente-se, onde couber, artigos com as seguintes redações: Art. A contratação de abertura de limite de crédito por parte das instituições financeiras poderá

Leia mais

", em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013

, em que: RWA CAM F EXP. Exp 1 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.641, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições em ouro, em moeda estrangeira e em ativos sujeitos

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº. 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº. 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº. 25, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 (Texto Compilado) Dispõe sobre transferência integral de curso e de instituição de ensino realizada por estudante financiado com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.977, DE 7 DE JULHO DE 2009. Conversão da Medida Provisória nº 459, de 2009 Mensagem de veto Texto compilado Dispõe sobre

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 763, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 763, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 763, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 Altera a Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, para elevar a rentabilidade das contas vinculadas do trabalhador por meio da distribuição de lucros do

Leia mais

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa 4. POLÍTICA DE EMPRÉSTIMO tipuladas nesta política. 4.1 Crédito Pessoal a) Finalidade b) de pagamento Todos os associados Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa Até 36 meses Até

Leia mais

Lei nº , (DOE de 13/01/06)

Lei nº , (DOE de 13/01/06) Lei nº 15.975, (DOE de 13/01/06) Cria o Fundo Estadual de Cultura - FEC - e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou,

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Contrato do Seguro CNPJ 28.196.889/0001-43 Processo SUSEP nº 15414.003063/2009-70 Contrato do Seguro BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Processo SUSEP nº 15414.003063/2009-70 1 ÍNDICE

Leia mais

Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências.

Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. AS MESAS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E DO SENADO FEDERAL, nos termos do 3º do art.

Leia mais

i i i i i i n - 1 n

i i i i i i n - 1 n Aula Capítulo 6 SÉRIE UNIFORME PRESTAÇÕES IGUAIS Série uniforme de valores monetários (pagamentos ou recebimentos) juros compostos MODELO PRICE no qual todas as prestações tem o mesmo valor Fluxo de Caixa

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pré-fixadas pelo

Leia mais

VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Regulamento do Plano de Empréstimos Simples VISÃO PREV

VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Regulamento do Plano de Empréstimos Simples VISÃO PREV VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Regulamento do Plano de Empréstimos Simples VISÃO PREV PG. 2 SUMÁRIO PÁG. CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...03 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES...03 CAPÍTULO

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu LEI N o 3.941, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, para o exercício financeiro de 2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado

Leia mais