O papel das fundações na modernização das universidades federais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel das fundações na modernização das universidades federais"

Transcrição

1 O papel das fundações na modernização das universidades federais 1. A MODERNIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Gilberto Tristão Os anos 80 caracterizaram-se pela crise do Estado que, dentre outros problemas, cresceu excessivamente e enfrentou mudanças acarretadas pelo processo de globalização da economia. Como conseqüência, a Reforma do Estado passou a ser, a partir da década de 90, um tema importante na agenda de governos e pensadores de diversos países. Segundo Bresser Pereira (Ministro da Administração Federal e Reforma do Estado, do Brasil, entre 1995 e 1998), depois da grande crise dos anos 80, na década de 90 está-se construindo um novo Estado. Esse novo Estado resultará de reformas profundas (BRESSER PEREIRA, : 36). O Conselho Científico do CLAD entende que a construção de um novo tipo de Estado é também a grande questão para a América Latina (CLAD, 1999, jan/mar: 123). Por sua vez, a reforma da administração pública, apesar de freqüente ao longo da história republicana do Brasil, tem adquirido maior visibilidade e consistência na década de 90. Ao falarem sobre modernização da administração pública na América Latina, Shepherd e Valencia ressaltam o caráter de urgência da reforma administrativa: hoje parece existir um consenso de que as administrações públicas precisam ser urgentemente reformadas se se quiser sustentar o processo de reforma econômica e política (SHEPHERD e VALENCIA, 1996: 103). No que se refere ao modelo de intervenção, uma mudança da administração pública, que atenda às exigências atuais de uma ampla Reforma do Estado, precisa contemplar dois aspectos essenciais que a diferenciarão das reformas administrativas anteriores: o objeto e a extensão da mudança. As atitudes, os princípios e os valores devem ser o objeto da mudança, não os organogramas e os cargos. Estes devem vir depois e subsidiariamente como estratégia viabilizadora da transformação. O espaço da mudança deve ser aquele em que a administração pública encontra o cidadão. Este enquanto usuário dos serviços públicos ou destinatário da ação do Estado, aquela enquanto operadora da ação do Estado. O objetivo deste trabalho é apresentar o papel das fundações na modernização das Universidades Federais, como parte integrante do conjunto de reformas do Estado brasileiro. 2. A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GERENCIAL O Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado define objetivos e estabelece diretrizes para a reforma da administração pública brasileira (BRASIL, 1995: 9). Fundamentalmente, esse Plano concebeu um programa de modernização do Poder Executivo Federal para a transformação de um Estado Burocrático em um Estado Gerencial, no qual a sociedade seja melhor atendida em suas demandas. A Administração Pública Burocrática surgiu na segunda metade do século XIX, na época do Estado liberal, como forma de combater a corrupção e o nepotismo patrimonialistas. Constituem princípios orientadores do seu desenvolvimento a profissionalização, a idéia de carreira, a hierarquia funcional, a impessoalidade, o formalismo, em síntese, o poder racional legal. Os controles administrativos visando evitar a corrupção e o nepotismo são sempre a priori. Parte-se de uma desconfiança prévia nos administradores públicos e nos cidadãos que a eles dirigem demandas. Por isso, são sempre necessários controles rígidos dos processos como, por exemplo, na admissão de pessoal, nas compras e no atendimento a demandas. Em conseqüência, o Estado volta-se para si mesmo, perdendo a noção de sua missão básica, que é servir à sociedade.

2 A Administração Pública Gerencial emergiu na segunda metade do século XX, como resposta, de um lado, à expansão das funções econômicas e sociais do Estado e, de outro, ao desenvolvimento tecnológico e à globalização da economia mundial, uma vez que ambos deixaram à mostra os problemas associados à adoção do modelo anterior. A eficiência da administração pública - a necessidade de reduzir custos e aumentar a qualidade dos serviços, tendo o cidadão como beneficiário - torna-se então essencial. A reforma do aparelho do Estado passa a ser orientada predominantemente pelos valores da eficiência e qualidade na prestação de serviços públicos e pelo desenvolvimento de uma cultura gerencial em suas organizações. O CLAD acredita que a reconstrução da administração pública por meio da reforma gerencial levará ao aumento da governança do Estado. Governança é entendida aqui como a capacidade do Estado de transformar em realidade, de forma eficiente e efetiva, as decisões politicamente tomadas. O que parece um truísmo na verdade não o é: vários governos da América Latina formularam projetos corretos, mas não tiveram - e continuam não tendo - capacidade de implementá-los (CLAD, 1999, jan/mar: 131). A Administração Pública Gerencial constitui um avanço e, até certo ponto, um rompimento com a Administração Pública Burocrática. Isso não significa que negue todos os seus princípios. Pelo contrário, a Administração Pública Gerencial está apoiada na anterior, da qual conserva, embora flexibilizando, alguns dos seus princípios básicos, como a admissão segundo critérios de mérito. A diferença fundamental está na forma de controle, que deixa de basear-se nos processos para concentrarse nos resultados. A Administração Pública Gerencial inspira-se na administração de empresas, mas não pode ser confundida com esta última. Enquanto a receita das empresas depende dos pagamentos que os clientes fazem livremente na compra de seus produtos e serviços, a receita do Estado deriva de impostos, ou seja, de contribuições obrigatórias, sem contrapartida direta. Enquanto o mercado controla a administração das empresas, a sociedade - por meio de políticos eleitos - controla a administração pública. Enquanto a administração de empresas está voltada para o lucro privado, para a maximização dos interesses dos acionistas, esperando-se que, através do mercado, o interesse coletivo seja atendido, a Administração Pública Gerencial está explícita e diretamente voltada para o interesse público. A Administração Pública Gerencial vê o cidadão como contribuinte de impostos e como cliente dos seus serviços. Os resultados da ação do Estado são considerados bons não porque os processos administrativos estão sob controle e são seguros, como quer a Administração Pública Burocrática, mas porque as necessidades do cidadão-cliente estão sendo atendidas (BRASIL, 1995: 22-3). 3. PROPRIEDADE PÚBLICA NÃO-ESTATAL A Administração Federal, no Brasil, compreende a Administração Direta e a Indireta (Art. 4º do Decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967). A Administração Direta se constitui dos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios, enquanto a Administração Indireta compreende as seguintes categorias de entidades, dotadas de personalidade jurídica própria: Autarquias, Fundações Públicas, Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista. As Universidades Federais integram a Administração Indireta do governo federal, nas seguintes categorias: Autarquias ou Fundações. Bresser Pereira descreve: No capitalismo contemporâneo, as formas de propriedade relevantes não são apenas duas, como geralmente se pensa e como a divisão clássica do direito entre direito público e direito privado sugere - propriedade privada e propriedade pública -, e sim três: a) a propriedade privada, voltada para a realização de lucro (empresa) ou de consumo privado (famílias); b) a propriedade pública estatal; e c) a propriedade pública não-estatal. A confusão não deriva da divisão 2

3 bipartite do direito, mas do fato de que, em seguida, o direito público foi confundido ou identificado com o direito estatal, enquanto o direito privado foi entendido como englobando as instituições nãoestatais sem fins lucrativos, que, na verdade, são públicas. Sem dúvida, poder-se-ia dizer que, afinal, continuamos apenas com as duas formas clássicas de propriedade: a pública e a privada, mas com duas importantes ressalvas: primeiro, a propriedade pública se subdivide em estatal e não-estatal, ao invés de se confundir com a estatal; e segundo, as instituições de direito privado voltadas para o interesse público e não para o consumo privado não são privadas, e sim públicas não-estatais (BRESSER PEREIRA, : 261-2). Também o Conselho Científico do CLAD reconhece a existência de um terceiro marco institucional, o espaço público não-estatal. Nessa perspectiva, o conceito de público ultrapassa o de estatal e abrange a capacidade de a sociedade atuar em parceria na provisão dos serviços públicos, seja no controle ou na produção. A reforma gerencial do Estado propõe a transferência da prestação dos serviços públicos sociais ao espaço público não-estatal (CLAD,1999, jan/mar: 138). 4. O TERCEIRO SETOR A organização administrativa constitucional brasileira abrangia somente dois setores: o público e o privado. Recentemente surgiu outro, denominado Terceiro Setor, ocupando uma posição intermediária, sem as limitações do Estado. Assim sendo, configuram-se como organizações do Terceiro Setor, ou ONGs - Organizações Não-Governamentais, as entidades de interesse social sem fins lucrativos, como as associações, as sociedades e as fundações de direito privado, com autonomia e administração própria, cujo objetivo é o atendimento de alguma necessidade social ou a defesa de direitos difusos ou emergentes (SABO PAES, 1999: 47). O Terceiro Setor vem tendo um crescimento expressivo. Hoje, somam 250 mil organizações no Brasil, responsáveis por 1,5 milhão de postos de trabalho. Estes novos agentes sociais conseguiram, ao longo dessa caminhada, constituírem-se em parceiros nas diversas políticas governamentais, somando esforços em favor de interesses comuns e ampliando a destinação de recursos públicos para iniciativas de interesse público (HAUS e LUCAS, 2.000: 5). O Estado reconhece publicamente os serviços prestados pelas entidades de interesse social, concedendo-lhes, direta ou indiretamente, concessões especiais, em razão dos fins humanitários e sociais a que elas visam. Eis porque o Estado não poderia deixar de fiscalizar as ONGs sem, contudo, causar óbices a flexibilidade inerente às entidades da administração privada. A Constituição da República Federativa do Brasil, em seu artigo 127 (Brasil, 1994: 64), atribuiu essa competência ao Ministério Público, que criou Promotorias especializadas no acompanhamento e na fiscalização contábil, financeira e finalística das entidades de interesse social. Há muito que as ONGs reclamavam da falta de legislação apropriada. A Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, criou a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIPs. Essa Lei apresenta inovação substancial ao permitir a formação de parcerias entre o Poder Público e as entidades integrantes do Terceiro Setor. Espera-se que o termo de parceria seja um veículo apropriado ao repasse de recursos públicos para entidades de direito privado. Além do governo reconhecer que a iniciativa privada poderá desenvolver melhor que ele próprio determinados tipos de atividades, as ONGs contribuem para conter o crescimento do Estado, uma das causas da crise dos anos 80, sem eliminarem o apoio governamental às ações de interesse público. 5. A ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3

4 No passado, constituiu grande avanço a implementação de uma administração pública formal, baseada em princípios racional-burocráticos. Mas o sistema introduzido, ao limitar-se a padrões hierárquicos rígidos e ao concentrar-se no controle dos processos e não dos resultados, revelou-se lento e ineficiente para a magnitude e a complexidade dos desafios que o País passou a enfrentar diante da globalização econômica. Acrescenta Ferreira: Vivemos num ambiente caracterizado por um ritmo acelerado de transformações e, além disto, pela imprevisibilidade com relação às mudanças. Nesta perspectiva, o rigor no cumprimento do ritual burocrático dificulta o alcance dos objetivos institucionais (FERREIRA, 1996, set-dez: 9-10). 6. A ADMINISTRAÇÃO INDIRETA A Administração Indireta foi concebida para conceder maior flexibilidade ao setor público. Entretanto, tal não ocorreu, sobretudo nas duas categorias regidas pelo Direito Público: Autarquias e Fundações Públicas. Para exemplificar a dependência das instituições da Administração Indireta, basta lembrar que as Universidades Federais não são soberanas sequer para contratar professores substitutos enquanto providenciam a realização de concursos públicos que, por sua vez, estão suspensos para os cargos de magistério há cinco anos. Assim, nos casos de demissão, morte ou aposentadoria de professor, a Universidade inicia longo e moroso processo que necessita da aprovação de dois Ministérios: o da Educação e do Desporto e o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. A dependência descrita vai contra a tendencia universal. Inclusive, documento do Banco Mundial recomenda maior autonomia das instituições de ensino superior: una maior autonomía institucional es la clave del éxito de la reforma de la enseñanza estatal de nivel superior, especialmente a fin de diversificar y usar los recursos más eficientemente. La experiencia reciente indica que las instituciones autónomas responden mejor a los incentivos para mejorar la calidad y aumentar la eficiencia (BANCO MUNDIAL, 1995: 69-70). Tal situação levou Ferreira a afirmar: Hoje, notadamente na administração indireta, ocorre uma realidade no mínimo curiosa, a da autonomia invertida: as instituições são bastante autônomas para decidirem sobre os seus fins, mas quase nada no que diz respeito aos meios (FERREIRA, 1996, setdez: 19). Assim sendo, o requisito básico da autonomia é a transferência para as Universidades Federais das decisões e responsabilidades de gestão dos recursos que lhes forem alocados. 7. FUNDAÇÕES DE DIREITO PRIVADO E FUNDAÇÕES PÚBLICAS O Código Civil Brasileiro, Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916, institui, em seu art.16, a fundação como pessoa jurídica de direito privado. Ela tem sido definida como "as fundações são universalidades de bens personalizados pela ordem jurídica, em consideração a um fim estipulado pelos seus instituidores" (DINIZ, 1996:146). Há uma diferença básica entre as associações e as sociedades sem fins lucrativos e as fundações. Nas associações e sociedades a pessoa jurídica se organiza em torno de agrupamentos das pessoas físicas que a compõem, enquanto nas fundações a pessoa jurídica se organiza em torno do patrimônio destinado à realização dos fins comuns. Daí decorre outra diferença significativa: nas associações e sociedades os criadores permanecem ligados às entidades na forma de sócios ou associados, enquanto nas fundações, criada a entidade, os instituidores dela se desligam. Até os anos 80, todas as fundações eram de direito privado, distinguindo-se as instituídas com recursos privados daquelas instituídas e/ou mantidas pelo Poder Público. Nessa década, até a Constituição Federal reconheceu, no art. 37, XIX, a existência da fundação pública (BRASIL, 1994: 4

5 28). Di Pietro admite a opção, pelo Poder Público, da personalidade que melhor convier a entidade por ele criada, ao definir: "a fundação instituída pelo poder público é o patrimônio, total ou parcialmente público, dotado de personalidade jurídica, de direito público ou privado, e destinado, por lei, ao desempenho de atividades do Estado na ordem social, com capacidade de autoadministração e mediante controle da Administração Pública, nos limites da lei" (DI PIETRO, 1998: 323). Ao serem consideradas Fundações Públicas, as Universidades Federais praticamente se transformaram em Autarquias. Passou a exigir-se concursos públicos para a admissão de pessoal. Os servidores, que eram contratados pela Consolidação das Leis Trabalhistas (regime das instituições de Direito Privado), passaram a ser regidos pelo Regime Jurídico Único (legislação aplicável às instituições de Direito Público). As Universidades Federais ficaram sujeitas às normas gerais de licitação e contratação e às normas orçamentárias e financeiras do Poder Executivo. As Fundações Públicas não são controladas pelo Ministério Público, como ocorre com as fundações de direito privado, sendo fiscalizadas pela Secretaria Federal de Controle, que integra o Controle Interno do Poder Executivo Federal, e pelo Tribunal de Contas da União, órgão que exerce o Controle Externo no âmbito do Governo Federal. Para que se possa avaliar a burocratização e rotinização a que ficaram sujeitas as Universidades Federais, ao serem transformadas em Fundações Públicas, serão dados dois exemplos: a mudança que ocorreu na aplicação dos recursos diretamente arrecadados e a regulamentação sobre viagens internacionais. Os recursos diretamente arrecadados, aqueles provenientes de prestação de serviços, eram gastos pelas Universidades Federais em obediência a uma programação decidida por sua Administração Superior. A Universidade de Brasília, por exemplo, utilizava os recursos provenientes do Tesouro Nacional para pagamento de pessoal e despesas de custeio e aplicava os recursos diretamente arrecadados em investimentos, ou seja, na modernização de sua infra-estrutra, sobretudo no que se refere a laboratórios e equipamentos. Ao serem transformadas em Fundações Públicas, os recursos diretamente arrecadados precisam ser incorporados ao Orçamento Geral da União e ficam sujeitos à programação orçamentária do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Hoje, a Universidade de Brasília tem os recursos diretamente arrecadados destinados, por decisão do citado Ministério fundamentada na crise econômica do País, predominantemente para pagamento de pessoal e custeio. Resultado, sua infra-estrutura está, gradualmente, ficando obsoleta ou sucateada. As viagens internacionais, quer os recursos fossem provenientes do Tesouro Nacional ou diretamente arrecadados, eram decididas pelos gestores das Universidades Federais em razão dos objetivos e justificativas apresentados pelos demandantes. No bojo das medidas de contenção de gastos públicos, as Universidades Federais foram proibidas de patrocinar viagens internacionais para seus professores. Esses têm que recorrer às agências oficiais de fomento do Ministério da Educação e do Desporto ou do Ministério da Ciência e Tecnologia. Todavia, como essas agências tiveram seus orçamentos reduzidos, ficou muito difícil conseguir patrocínio para viagem internacional. Resultado, quando a tendência moderna é de globalização da economia, limita-se nas Universidades Federais a globalização dos conhecimentos. 8. FUNDAÇÕES DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR As Fundações de Apoio às Universidades Federais são fundações de direito privado instituídas por pessoas físicas (na maioria professores universitários) ou pessoas jurídicas (entre as quais as próprias universidades). A Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, permitiu que as fundações criadas com a finalidade de dar apoio a projetos de pesquisa, ensino e extensão e de desenvolvimento institucional, científico e 5

6 tecnológico, de interesse das instituições de ensino superior, pudessem ser credenciadas pelos Ministérios da Educação e do Desporto e da Ciência e Tecnologia como Fundações de Apoio às Universidades Federais. Ao serem credenciadas como fundações de apoio passam a ser um tipo especial de fundação de Direito Privado, o que lhes assegura algumas vantagens e regalias; dentre elas, destaca-se a dispensa de licitação para contratar com entidades públicas. Dentre as funções das fundações está a captação de recursos para apoiar ações de pesquisa, ensino e extensão. É oportuno alertar que não devem ser permitidos desvios de finalidade no apoio fundacional, como a utilização de parte de seus recursos para a suplementação salarial de professores e servidores técnico-administrativos sem a contraprestação de serviços específicos em projetos ou atividades das fundações. 8. O CASO DE UMA FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A FEPAD- Fundação de Estudos e Pesquisas em Administração foi instituída, em junho de 1994, predominantemente por professores do curso de Administração da Universidade de Brasília, como fundação de direito privado. Em março de 1997 foi credenciada pelo Ministério da Educação e do Desporto e pelo Ministério da Ciência e Tecnologia como Fundação de Apoio à Universidade de Brasília. A captação de recursos é efetuada mediante a realização de cursos "in company" ou abertos e a prestação de serviços técnico-especializados para instituições do setor público ou privado. Exemplificando os cursos "in company", podem ser citados os Cursos de Especialização: em Gestão para Altos Executivos (ministrado para o Banco do Brasil) e em Risco de Crédito (realizado para a Caixa Econômica Federal). E, para mostrar uma espécie de curso aberto, pode ser mencionado o Curso de Especialização em Gestão de Tecnologia da Informação, oferecido para qualquer interessado que atendesse aos requisitos da seleção específica. No campo da prestação de serviços, têm sido realizados os mais diversos, tais como: Elaboração de Planos de Cargos e Salários, Desenvolvimento de Programas de Qualidade e Certificações de Instituições em ISOs, Reorganizações Administrativas, Planejamento Estratégico, Construção de Indicadores e Desenvolvimento de Programas de Treinamento. Embora as ações realizadas sejam, principalmente, na área de administração, a FEPAD realiza projetos em todos os campos de atuação da Universidade de Brasília. Desde 1999, a FEPAD vem desenvolvendo 14 (quatorze) projetos de pesquisa sobre meio-ambiente, na Região Norte do Brasil, com financiamento do Banco da Amazônia. E, ainda, vem gerenciando a realização de um Mestrado Interinstitucional em Educação, ofertado pela Faculdade de Educação no Estado do Espírito Santo. Todavia, as ações de apoio da FEPAD são dirigidas principalmente ao Departamento de Administração da Universidade de Brasília, conforme exemplificado a seguir: a) montou 3 (três) laboratórios de informática, um para o curso de pós-graduação e dois para o curso de graduação, tendo adquirido equipamentos e assegurando a manutenção dos mesmos, além de contratar monitores para supervisão dos laboratórios e auxílio aos seus usuários; b) financia a participação em congressos, nacionais e internacionais, de professores e alunos que tenham tido trabalhos aprovados; c) mantém um Fundo de Pesquisas, que dá suporte às linhas de pesquisa do Departamento; d) financia o Programa de Divulgação Científica, mediante a edição da Revista Brasileira de Administração Pública e de Empresas - REBRAPE; e) apoia as iniciativas das entidades oficiais dos alunos, como o Centro Acadêmico e a Consultoria Júnior. A FEPAD é convocada para atuar sempre que se necessite de agilidade ou que a Universidade 6

7 tenha algum impedimento normativo. Além disso, ela tem a possibilidade de se organizar temporariamente para o atendimento de projetos, mediante a contratação de recursos humanos especializados ou adicionais, característica que a Universidade não possui. E, mais importante de tudo, as decisões sobre a aplicação dos recursos captados são tomadas pela própria FEPAD, que independe de autorização governamental para tal, o que permite atender as demandas da comunidade e as prioridades da Universidade. Todas as fundações de apoio às instituições de ensino superior desenvolveram portfólio de serviços e produtos para a captação de recursos. E, por sua vez, apoiam supletivamente às suas instituições. Sem elas, as Universidade Federais não conseguiriam manter seus atuais padrões de qualidade. 9. CONCLUSÃO Apesar do programa de modernização do Poder Executivo, as relações entre o governo e as universidades não evoluíram conforme esperado. Assim, embora as Universidade Federais integrem a administração indireta, que deveria ter maior autonomia, continuam sofrendo um engessamento burocrático que retarda suas decisões e ações. Elas necessitam obter autorização do Ministério da Educação e do Desporto para a maioria das ações administrativas e do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e/ou do Ministério da Fazenda para a aplicação de recursos financeiros. Surgem as fundações de apoio como instrumento de flexibilização das Universidades Federais, uma vez que não estão sujeitas às mesmas exigências burocráticas da administração pública. E, conforme defende Lustosa da Costa, "todas as formas de flexibilização devem ser buscadas para vencer a uniformidade imposta pelas normas universalistas existentes no serviço público, que tendem a tratar de maneira igual situações desiguais e tirar o foco dos objetivos governamentais e organizacionais, gerando processualismo, lentidão e desperdício"(lustosa DA COSTA, 2000, jan/fev:270). Finalmente, espera-se que as fundações de apoio cumpram seu papel de indução do processo de modernização das Universidade Federais, apoiando-as na renovação da infra-estrutura, na realização de ações relevantes que contribuam para aprimorar a qualidade de seu ensino e na ampliação de sua produção científica. BIBLIOGRAFIA BANCO MUNDIAL (1995). La enseñanza superior: las lecciones derivadas de la experiencia. Washington, D.C.: Banco Mundial; BRASIL (1994). Senado Federal/Secretaria de Documentação e Informação.Constituição da República Federativa do Brasil: Texto Constitucional de 1988 com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal; BRASIL (1995). Presidência da República/Câmara da Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado - MARE; BRESSER PEREIRA (1998-1), Luiz Carlos. Gestão do setor público: estratégia e estrutura para um novo Estado. In: BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos e SPINK, Peter. Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas; BRESSER PEREIRA (1998-2), Luiz Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. In: BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos e SPINK, Peter. Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas; 7

8 CLAD (1999, jan/mar). Conselho Científico do Centro Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento. Uma nova gestão pública para a América Latina. In: Revista do Serviço Público. Brasília: ENAP, ano 50, nº 1; DINIZ (1996), Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro. 12ª ed. São Paulo: Saraiva, vol.1; DI PIETRO (1998), Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 10ª ed. São Paulo: Atlas; FERREIRA (1996, set-dez), Caio Márcio Marini. Crise e reforma do Estado: uma questão de cidadania e valorização do servidor. In: Revista do Serviço Público. Brasília: ENAP, ano 47, vol. 120, nº 3; HAUS, Paulo e LUCAS (2000), Marilene Ferrari. O Terceiro Setor. Brasília: SABER; LUSTOSA DA COSTA (2000, jan/fev), Frederico. Por uma outra Reforma do Estado: estratégias alternativas ao paradigma gerencialista. In: Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro: FGV, vol. 34, nº 1; SABO PAES (1999), José Eduardo. Fundações e Entidades de Interesse Social. Brasília: Brasília Jurídica; SHEPHERD, Geoffrey e VALENCIA (1996, set/dez), Sofia. Modernizando a administração pública na América Latina: problemas comuns sem soluções fáceis. In: Revista do Serviço Público. Brasília: ENAP, ano 47, vol. 120, nº 3. RESEÑA BIOGRÁFICA Apellido: TRISTÃO Nombre: GILBERTO Doc. de identidad: SSP/DF Cargo: Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de Brasília e Diretor-Presidente da Fundação de Estudos e Pesquisas em Administração Dirección Postal : SQN 202, BLOCO F, APARTAMENTO ASA NORTE Código Postal : Ciudad : BRASÍLIA/DF País: BRASIL Teléfonos : ou Fax:

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG.

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DO DER/MG. CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO/MBA GESTÃO PÚBLICA ANÁLISE DOS INDICADORES E METAS DO ACORDO DE RESULTADOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO Atualizado em 14/10/2015 ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO TIPOS DE DOMINAÇÃO Em todo Estado deve existir alguma relação de dominação na qual os governantes exercem

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT.

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT. Programa 0773 Gestão da Política de Administração Financeira e Contábil da União Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1O600000 Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável Produto: Projeto

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS

ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS Wagner Rabello ESTRUTURAÇÃO DA MÁQUINA ADMINISTRATIVA NO BRASIL DESDE 1930: DIMENSÕES ESTRUTURAIS E CULTURAIS É pela perspectiva weberiana que podemos ver que o Estado brasileiro tem como característica

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Direito Administrativo: Organização Administrativa

Direito Administrativo: Organização Administrativa Direito Administrativo: Organização Administrativa Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Administrativo I ministrada no semestre 2014.1 do curso de Direito. Autor:

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br História da Caixa Professor Carlos Arthur 1. A Caixa Econômica Federal (CAIXA), criada em 1861, está regulada pelo Decreto-Lei n.º 759/1969, como empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. A instituição

Leia mais

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com.

Comunidade no Orkut: Administração Pública - concursos. Grupo no Yahoo: enviar e-mail para: professor_wagner_rabellosubscribe@yahoogrupos.com. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA _ Prof. Wagner Rabello Jr. Currículo resumido: Wagner Leandro Rabello Junior é pós-graduado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e bacharel em Biblioteconomia

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública.

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública. Contabilidade Pública Aula 1 Apresentação Prof. Adilson Lombardo Aula 1 Conceitos e definições Bases legais Contabilidade Pública Orçamento Público Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas 16 Normas

Leia mais

Fundação pública de direito privado

Fundação pública de direito privado Administração Direta Autarquia Consórcio Público Empresa Pública Consórcio Público Sociedade Economia Mista Subsidiária Fundação pública de direito privado Administração Indireta Figura sujeita a polemicas

Leia mais

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes.

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes. Professor Luiz Antonio de Carvalho Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) lac.consultoria@gmail.com 1 Segundo o PDRAE-1995 O Projeto Organizações Sociais e Publicização

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Questões de Administração Pública Brasileira I ESAF - 2012 - CGU - Analista de Finanças e Controle 1. O foco das atividades de monitoramento e avaliação na Administração Pública é a) garantir a legalidade

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais

A ATENÇÃO EM SAÚDE BUCAL E OS NOVOS MODELOS DE GESTÃO

A ATENÇÃO EM SAÚDE BUCAL E OS NOVOS MODELOS DE GESTÃO A ATENÇÃO EM SAÚDE BUCAL E OS NOVOS MODELOS DE GESTÃO Christian Mendez Alcantara UFPR GESTÃO EM SAÚDE PÚBLICA Sistema Único de Saúde (SUS) Gestão tripartite: União, Estados, DF, Municípios Constituição

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador ROMERO JUCÁ

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador ROMERO JUCÁ PARECER Nº, DE 2009 DA COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 136, de 2009, que cria a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) e dispõe sobre o seu

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DO 3º SETOR

ORGANIZAÇÕES DO 3º SETOR CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO São João da Boa Vista Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável ORGANIZAÇÕES DO 3º SETOR ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (O.S.) Titulação de ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.863, DE 24 DE SETEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 614, de 2013 Altera a Lei n o 12.772,

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Leonardo Costa Schüler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública

Leia mais

Administração Direta. Empresas Estatais

Administração Direta. Empresas Estatais Ordem Social Ordem Econômica Administração Indireta Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Consórcio Público

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Maria Amélia da Silva Castro A função controle exercida pelo parlamento: o papel

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

cabaleiro.dcs@gmail.com GESTÃO PÚBLICA Professor Daniel Cabaleiro Saldanha, M. Sc.

cabaleiro.dcs@gmail.com GESTÃO PÚBLICA Professor Daniel Cabaleiro Saldanha, M. Sc. cabaleiro.dcs@gmail.com GESTÃO PÚBLICA Professor Daniel Cabaleiro Saldanha, M. Sc. Plano de Curso ( 4h/aula) Conceitos Preliminares Evolução da Administração Pública Administração Patrimonialista Administração

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

O GESPÚBLICA E O MODELO DE EXECELÊNCIA GERENCIAL BUSCADO PELO SISTEMA CONFEA/CREA

O GESPÚBLICA E O MODELO DE EXECELÊNCIA GERENCIAL BUSCADO PELO SISTEMA CONFEA/CREA 1 O GESPÚBLICA E O MODELO DE EXECELÊNCIA GERENCIAL BUSCADO PELO SISTEMA CONFEA/CREA Edson Cezar Mello Junior Administrador de Empresas, com especialização em Gestão Estratégica da Informação, Gerente de

Leia mais

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA Concurso de Auditor da Receita Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA I. A liderança, a direção e a gerência são um mesmo papel que necessariamente deve ser desempenhado pelo administrador. II.

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO. Cláudia Cristina Aires Gomes

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO. Cláudia Cristina Aires Gomes CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO Cláudia Cristina Aires Gomes Medidas Provisórias e os gastos obrigatórios de caráter continuado Projeto

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.3 Fundamentos do Direito Público (20h) Professores: Juliana Bonacorsi de Palma e Rodrigo Pagani de Souza 29 e 30 de setembro, 01, 05, 06 e 07 de outubro de 2011 ENAP Escola

Leia mais

ESTUDO DAS FONTES DE RECURSOS E DESPESAS POR CATEGORIAS ECONÔMICAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS

ESTUDO DAS FONTES DE RECURSOS E DESPESAS POR CATEGORIAS ECONÔMICAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS ESTUDO DAS FONTES DE RECURSOS E DESPESAS POR CATEGORIAS ECONÔMICAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS Claudia Mª de Freitas Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Kita_mg@yahoo.com Grasiely

Leia mais

PROJETO DE LEI. Art. 20...

PROJETO DE LEI. Art. 20... PROJETO DE LEI Altera as Leis n o 12.772, de 28 de dezembro de 2012; n o 8.958, de 20 de dezembro de 1994; n o 11.892, de 29 de dezembro de 2008; n o 11.526, de 4 de outubro de 2007; e n o 12.513, de 26

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

CONSULTOR E EXECUTIVO DE GERÊNCIA GERAL COM ÊNFASE EM RE-ESTRUTURAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES

CONSULTOR E EXECUTIVO DE GERÊNCIA GERAL COM ÊNFASE EM RE-ESTRUTURAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES CONSULTOR E EXECUTIVO DE GERÊNCIA GERAL COM ÊNFASE EM RE-ESTRUTURAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES 28 ANOS DE CARREIRA PROFISSIONAL DESENVOLVIDOS NO SETOR PÚBLICO E EM CONSULTORIA. Gestão e Políticas Públicas EXPERIÊNCIA

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula uma construção negociada e inovadora POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS A construção de uma política de gestão de pessoas para o Governo Federal tem por

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

Congresso de Gestão Pública Ceará Fortaleza, 29 e 30/10/08

Congresso de Gestão Pública Ceará Fortaleza, 29 e 30/10/08 Congresso de Gestão Pública Ceará Fortaleza, 29 e 30/10/08 Levantamento dos Novos Arranjos Organizacionais nos Municípios Paulistas (2006): breves considerações Estudo da Fundação Prefeito Faria Lima Cepam

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS a) IPI NA AQUISIÇÃO DE AERONAVES Na aquisição de aeronaves pode incidir IPI, dependendo da natureza do adquirente, com alíquotas de 0% (empresas aéreas de transporte

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

2º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (ESAF) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ

2º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (ESAF) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ Prezados(as) concurseiros(as), Espero que todos estejam bem! Prontos(as) para mais um simulado? QUADRO DE AVISOS: Informo o lançamento dos seguintes cursos aqui no Ponto: Direito Administrativo em Exercícios

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar. Pedro R. Barbosa ENSP/FIOCRUZ

Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar. Pedro R. Barbosa ENSP/FIOCRUZ Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar Pedro R. Barbosa ENSP/FIOCRUZ 1 O Problema I Reconhecimento da inadequação e da rigidez do modelo da administração pública

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA VERSUS GERENCIAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA VERSUS GERENCIAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA VERSUS GERENCIAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA Marco Antonio Henrique 1, Fábio Ricci 2 (orientador) UNITAU - Universidade de Taubaté. Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro:

Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Of. nº 025/04-GP/JCZ Erechim, 12 de agosto de 2004. Excelentíssimo Senhor Ministro: Ao cumprimentá-lo cordialmente, vimos pelo presente, em nome do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas COMUNG,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 - Administraça o Indireta Administração Indireta: Autarquias* Fundações Empresas Públicas Sociedade de Economia Mista *Dentro do conceito de autarquias: Consórcios públicos, associações públicas, agências

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSORA DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. 2 o. SEMESTRE/2009

MATERIAL DE APOIO PROFESSORA DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. 2 o. SEMESTRE/2009 INTENSIVO REGULAR DE SÁBADO Disciplina: Direito Administrativo Profª.: Daniela Mello Datas: 03.10.2009 Aula n 01 MATERIAL DE APOIO PROFESSORA DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

O contrato de gestão. Valéria Alpino Bigonha Salgado. Organização Social

O contrato de gestão. Valéria Alpino Bigonha Salgado. Organização Social O contrato de gestão e a gestão por resultados Valéria Alpino Bigonha Salgado Organização Social Organização social Contrato de gestão Objetivo do contrato: estabelecer as atribuições, responsabilidades

Leia mais

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável FASE 1 Redução de secretarias Contingenciamento de CCs em 35% Reprogramação orçamentária com redução média de 21% do custeio Revisão de contratos com fornecedores Limitação de cedência de servidores Implementação

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ICMS-SP PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS. Prova Comentada

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ICMS-SP PROFESSOR: RAFAEL ENCINAS. Prova Comentada Prezados, alunos! Prova Comentada Seguem abaixo os comentários da prova de Administração Pública do ICMS-SP, que ocorreu neste final de semana. Não vejo possibilidade de recursos. Abraço, Rafael Encinas.

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar

Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar Fundações Estatais como estratégia para Novos Modelos Públicos de Gestão Hospitalar Conselho Nacional de Saúde Pedro R. Barbosa Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/FIOCRUZ 1 Primeiro Alerta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

Contabilidade das Entidades Sem Fins Lucrativos

Contabilidade das Entidades Sem Fins Lucrativos -Curso de Graduação em Ciências Contábeis - Disciplina: Contabilidade das Entidades Sem Fins Lucrativos Prof.. Clovis Grimaldo Couto Jr. clovis@grimaldo.com Cronograma Nº 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

FUNDAÇÕES DE APOIO: AVALIAÇÃO E DEBATE NA AGU. FORPLAD UNIFAL POÇOS DE CALDAS/MG 12 a 14 de junho de 2013

FUNDAÇÕES DE APOIO: AVALIAÇÃO E DEBATE NA AGU. FORPLAD UNIFAL POÇOS DE CALDAS/MG 12 a 14 de junho de 2013 FUNDAÇÕES DE APOIO: AVALIAÇÃO E DEBATE NA AGU FORPLAD UNIFAL POÇOS DE CALDAS/MG 12 a 14 de junho de 2013 1 Aspectos introdutórios A criação de grupo de trabalho para realizar um diagnóstico, no âmbito

Leia mais