INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80"

Transcrição

1 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº / ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 8 DE DEZEMBRO DE 2014 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 8 de dezembro de 2014, às 08:30 horas, na sede do Instituto São Paulo, reunião do Conselho de Administração do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. PRESENÇAS: Srs. Eliane Lustosa, Emilio Carazzai, Luiz Cabrera, Marta Viegas, Ricardo Setúbal, Robert Juenemann e Sandra Guerra estiveram presentes na reunião deste Conselho durante todo o período, e o Sr. Roberto Waack, conforme assinaturas lançadas no Livro de Atas Reuniões do Conselho de Administração. AUSÊNCIA JUSTIFICADA: Fernando Alves. CONVIDADOS PRESENTES: Além dos conselheiros, estiveram presentes na reunião os Srs. Adriane de Almeida, Emilio Martos, Heloísa Bedicks, Henri Vahdat, Sidney Ito e Matheus Rossi. MESA: Presidida pela Sra. Sandra Guerra e secretariada por Denis Cuenca. INFORMAÇÕES E DELIBERAÇÕES 1. Sessão Exclusiva Os conselheiros foram atualizados sobre o ciclo de reuniões internacionais realizado pela Presidente do Conselho, que envolveu encontro com o membro do SASB Sustainnability Accounting Standards Bord Professor Bob Eccles, responsável pela cadeira de management practices na Harvard Business School. O principal tema discutido foi materialidade, tema relevante nas iniciativas relativas ao desenvolvimento dos relatos integrados. A ideia seria o envolvimento dos conselhos das empresas para a emissão de um parecer sobre a materialidade e relevância sobre a cadeia de stakeholders. Entretanto tal iniciativa já estaria embutida em metodologias como a do GRI e outras, portanto, poderia focar em empresas que ainda não adotam nenhuma metodologia onde isto já estaria embutido (empresas que não fazem relatos integrados, não adotam a metodologia do GRI). Em conclusão, o Prof. Eccles deverá procurar empresas brasileiras para desenvolver o conceito de materialidade nos relatórios existentes, buscando criar exemplos que possam ser seguidos pelo mercado. Em seguida os Conselheiros foram atualizados sobre o workshop que envolveu todas as entidades do mercado de capital e de sustentabilidade do mercado turco, no qual foi discutido o tema Relato Integrado, cujo principal ponto seria o incentivo à sua elaboração, independente de regulação obrigatória. Uma linha seria adotar um segmento específico de empresas que possuam relatos integrados, na mesma linha do novo mercado. Os Conselheiros foram atualizados sobre a reunião do Council, órgão que reúne os presidentes de entidades como GRI, CEOs ou Chairmen das big 5 mais transparência internacional, IBGC, órgãos desta natureza. Neste órgão estão as pessoas 1

2 relevantes envolvidas nas iniciativas de sustentabilidade e relato integrado. A fase atual é de fazer acontecer à implantação das metodologias e frameworks desenvolvidos. Neste encontro foram mapeados os países onde tais iniciativas estão evoluindo. Um ponto relevante abordado seria a importância do alinhamento das metodologias para que a implantação do relato integrado seja efetiva. O conselheiro Roberto Waack fez uma explicação da matriz de materialidade, que analisa a relevância para a estratégia vs. a relevância para os stakeholders, explicando que os itens importantes para a sustentabilidade ficam distribuídos por esta matriz, que define o que é relevante para que a empresa possua uma licença social de seus stakeholders para operar. Em seguida demonstrou o conceito de pirâmide, no qual a base significa a identificação dos temas, seguida pela qualificação de sua relevância e a quantificação dos impactos e, por último, sua monetização. Estes dois conceitos são fundamentais para a abordagem do tema materialidade. Nesta discussão, o GRI modelo europeu e o SASB modelo americano polarizam o desenvolvimento das metodologias, que deveriam ser objeto de convergência. Em seguida foi reforçada a relevância do relato integrado já que este modelo mostra a história de criação de valor com perspectiva futura olhando a estratégia e identificando a governança instalada na empresa. Ele identifica os seis capitais (financeiro, manufaturado, humano, relacionamentos, conhecimento e capital natural), os stakeholders relevantes e elabora o modelo de negócios, o que integra o pensamento e identifica sinergias e conectividade das informações. 2. Pendências do Conselho - Os Conselheiros tomaram conhecimento do relatório de pendências e o atualizaram. 3. Estratégico 3.1- Metas e indicadores estratégicos 2014 A gestão apresentou o painel de indicadores de desempenho detalhando os estágios de cada meta e de cada indicador tático, conforme material previamente distribuído aos Conselheiros. Solicitado pela Presidente do Conselho que a Diretoria revise cada uma das metas após a finalização do exercício em especial a do Prêmio de Governança. Decisão: Os diretores do IBGC devem verificar o cumprimento de cada uma das metas apresentadas para instruir o processo de aprovação da remuneração variável, a ser realizado pelo Conselho de Administração. Neste processo, deverão discutir e recomendar as bases da remuneração variável com o Comitê de Pessoas. Uma prévia das premissas deverá ser apresentada em janeiro de 2015, suportando uma primeira estimativa da provisão contábil, e a premissa final deverá estar concluída em fevereiro de

3 4. Comitês do CA 4.1- Comitê de Pessoas Estrutura organizacional A Gestão apresentou ao Conselho o mapeamento atual da estrutura do Centro de Conhecimento, destacando suas atividades, e uma proposta de evolução desta estrutura e dos ajustes em curso. O Conselho observou que a Gestão está mapeando os processos internos, mas que uma proposta de reorganização deve estar alinhada com o planejamento estratégico do IBGC, o que não foi verificado na apresentação. Também foi observada a falta de uma fundamentação conceitual no modelo proposto. Este modelo deve prever quem explora, quem cria e quem entrega o valor. Foi ressaltada a importância da estrutura organizacional do Centro de Conhecimento pelo seu papel na geração de receitas do Instituto. Foi observado que a estrutura atual desta área concentra muitas atividades e uma nova proposição deveria prever novas frentes de responsabilidade, endereçando melhor todas as demandas e suportando melhor a geração de receitas. A Gestão compreende a necessidade da revisão da estrutura, mas precisa definir um calendário desta revisão, que pode ser rápida e menos profunda ou mais profunda, com mais qualidade e análise que envolva todas as áreas envolvidas, com maior prazo para a sua execução. Discutiram a conveniência sobre a adoção de uma consultoria externa para a condução desta reestruturação ou o início deste processo internamente, sob a responsabilidade da Diretoria Administrativa e do Comitê de Pessoas, antes do envolvimento de um agente externo. Foi ponderado o desvio dos esforços dos diretores para este projeto, o que poderia comprometer suas atividades funcionais. Observado que demandar isto da gestão seria impactante e pedir isto para a própria estrutura pode estabelecer um conflito de interesses. Neste aspecto, um olhar independente e profissional viabilizaria um processo definitivo. Porém há duvidas sobre os benefícios de uma consultoria externa sem haver, antes, uma reflexão interna que prepare o IBGC para o que deve ser orientado. Este processo tem muitas etapas e exige que a Diretoria implante uma estrutura alinhada ao planejamento estratégico. Decisão: O Conselho continuará a discussão na reunião de 29 de janeiro de 2015, quando decidirá como deverá ser conduzida a reestruturação organizacional e o possível envolvimento de uma consultoria. Para a reunião de janeiro, a Diretoria Administrativa e o Comitê de Pessoas deverão fazer uma proposição inicial para o alinhamento estratégico da estrutura atual e seus modelos de geração de receitas. A discussão iniciada no Centro de Conhecimentos deverá ser ampliada para todo o IBGC. A partir disto, o Conselho decidirá a sequência das providências. O Comitê de Pessoas deve coordenar a data de sua reunião para viabilizar esta discussão na reunião do Conselho em 29 janeiro de

4 4.1.2 Comitê Executivo O Conselho debateu a necessidade de alinhamento das funções dos diretores com o estatuto do Instituto e a criação do Comitê Executivo, como importante instrumento de gestão. Sobre a periodicidade das reuniões, foi apontado que devem ocorrer em tempo hábil para a elaboração dos materiais enviados aos Conselheiros antes das Reuniões do Conselho de Administração. Ressaltaram a importância do Comitê Executivo no sentido de desonerar o Conselho de Administração de pautas táticas ou operacionais. Ponderam que o Comitê Executivo deve acomodar de forma racional o relacionamento com a Superintendência Geral e sua relação de subordinação, à luz do estatuto do IBGC. Discutiram a alternativa de um coordenador deste comitê, que poderia participar de reuniões regulares com a Superintendência Geral. Foi acordado que um melhor modelo seria a eleição de um coordenador dentre os três diretores, que se relacionaria com a Superintendente Geral (que sempre participaria das reuniões com o Comitê Executivo), e com a Presidente do Conselho de Administração. A função de coordenador seria rodiziada periodicamente. Importante ressaltar que o termo comitê tem definição específica no estatuto e, portanto, este grupo deverá ser denominado Diretoria Executiva do IBGC. A Superintendente Geral será um membro convidado. Independente do modelo, o estatuto do IBGC deve ser observado e qualquer ajuste nas linhas de subordinação deve passar antes por uma reflexão do modelo organizacional do IBGC (OSCIP, ONG ou entidade com fins lucrativos). Decisão: Este tema será novamente discutido em reunião do Conselho em 29 de janeiro de 2015 e, até a nova reunião, os diretores deverão revalidar a disponibilidade de tempo e dedicação ao Instituto, de forma a desenvolver plenamente as atividades da Diretoria Executiva. Para a reunião do Conselho em 29 de janeiro de 2015, o Comitê de Pessoas deverá elaborar uma proposta de pontos definidores para a constituição desta Diretoria Executiva, para uma reflexão dos Conselheiros. 4

5 5. Atividades do IBGC 5.1- Análise dos novos procedimentos relacionados aos associados mantenedores o IBGC acha importante revisitar os critérios para aceitação dos associados mantenedores que garantam o alinhamento das causas do Instituto com as práticas de governança adotadas por estas empresas. O conceito seria que os critérios de aceitação deverão ser igualmente aplicados na avaliação da continuidade desta associação, o que passa por uma rotina anual de respostas a um questionário que evidenciasse o compromisso dos associados com a boa governança, como começou a ser feito a partir de A gestão esclareceu que este ano após autorização do Conselho do ISE enviou este questionário aos associados mantenedores e que os mesmos foram convidados para um fórum exclusivo. Foi observado que as empresas estão muito demandadas e não querem responder a outros formulários, valorizando a sinergia com o formulário do ISE. Dos quinze associados mantenedores, seis responderam ao questionário e nove estiveram no fórum. A gestão providenciará o follow up destes questionários. Necessário analisar as empresas que possuem processos publicamente conhecidos, com a alternativa de se antecipar o vencimento da associação ou não renovar o contrato de mantenedor, no seu vencimento. Esta ponderação passaria pelo status atual dos processos, que necessitariam ser julgados. Uma alternativa seria, após um aprofundamento das situações individuais, a obtenção de um compromisso público dessas empresas para a correção das falhas de governança, para que este vínculo seja mantido. Neste sentido, daria o direito da organização se expor e aplicar medidas corretivas, que seriam avaliadas pelo IBGC, sinalizando uma postura educativa e vigilante do instituto. Por outro lado, houve a ponderação que o modelo atual de contratação já exigiria a boa prática da governança. O Conselho acordou que a transparência da decisão do IBGC é importante, seja pela manutenção ou pelo encerramento do vínculo com o mantenedor. Concluiu-se ser fundamental uma conversa estruturada com estas empresas, no sentido de que o IBGC tem o interesse de que as medidas corretivas sejam aplicadas, se disponibilizando para ajudar. Contudo, para estar entre os mantenedores, deve haver o reconhecimento do alto nível de governança. Decisão: A gestão concluirá a avaliação dos associados mantenedores identificando os casos onde haja impedimentos por questões que descaracterizem a boa governança, tais como potencialmente as empresas envolvidas na operação Lava a Jato da política federal, impactando a continuidade dos contratos dos mantenedores. De posse destes casos, serão organizadas reuniões com estas empresas para o aprofundamento das questões e das medidas corretivas adotadas, concluindo sobre os riscos sobre a continuidade da parceria. O IBGC deve passar a monitorar as mídias no sentido de identificar e classificar notícias que possam caracterizar más práticas - neste sentido compartilhar com outros institutos este banco de informações para que este trabalho gere sinergias e alinhamento de informação. Qualquer decisão deve ser objeto de análise da Diretoria Jurídica do IBGC. Para futuras associações, o IBGC deve se pautar pela lista de empresas que compõem o ISE. A gestão deve atualizar o regramento para associações mantenedoras, cuja formalização deve estar pronta para a Assembleia Geral Ordinária de O conselho deve voltar a discutir este procedimento padronizado para reagir a estes casos. Importante à instalação de um processo para comunicar o público, usando esta comunicação de forma educativa. A gestão deverá elaborar um rascunho de 5

6 comunicação do IBGC à empresa mantenedora envolvida na Operação Lava Jato, sendo transparente em relação à sua manutenção como associada mantenedora e que dever ser chamadas para esclarecimentos. Este rascunho será revisado pelo Conselho de Administração sob a supervisão do Conselheiro Roberto Waack. Outros casos correlatos, envolvendo associados mantenedores e associados pessoas jurídicas, deverão seguir a mesma lógica Prêmio IBGC A gestão apresentou a proposta para o prêmio, que passaria por um período prévio de três anos para a classificação das empresas, gerando um histórico das mesmas que sustentaria tal premiação. A classificação das empresas se daria em três estágios de governança e seria divulgada anualmente. As empresas que permanecerem três anos no estágio três de governança, de pontuação mais elevada, poderão ser premiadas. Esta classificação passaria pelos estágios de coleta de dados públicos, aplicação de questionários, classificação nos estágios de governança e premiação. Foi ponderado pela gestão o risco de se premiar uma empresa que posteriormente seja envolvida em algum caso de más práticas, o que requer o desenvolvimento de um processo de comunicação eficiente nos casos em que isto aconteça no futuro, onde o IBGC comunicaria o mercado dos critérios e quesitos utilizados. O Conselho observou a importância de se refazer a régua do prêmio, com elementos efetivos e definidores de boa governança. O caminho correto seria a elaboração de novas métricas com o envolvimento de outros stakeholders. A reforma do formulário de classificação atual (IPGC) não seria suficiente para estabelecer um novo padrão de classificação. O IBGC deve tomar a frente sobre qual o modelo eficiente da identificação da boa governança devendo a metodologia do prêmio passar por uma discussão profunda, envolvendo inclusive acadêmicos e especialistas no tema. Este processo pode considerar, porém sem se resumir, o formulário do ISE. Na realidade, o resultado deste estudo deverá influenciar todos os formulários que observam aspectos de boa governança. Um formulário é fundamental, pois estabelece o framework dos elementos de transparência dos critérios usados para premiação, inclusive em eventuais crises envolvendo os premiados. Outro aspecto importante é a auditoria dos formulários, que validem as informações prestadas. Ressaltou-se que a discussão do novo Código das Melhores Práticas poderá fomentar conteúdo para incrementar o formulário, e que isto deve ser considerado tempestivamente. A gestão manifestou preocupação com a priorização deste tema em face de outras demandas do IBGC. Decisão: O Conselho entende que este tema deve voltar a ser discutido na reunião do Conselho em 29 janeiro de 2015, quando deverá ser apresentados um plano para um modelo de classificação que considere um questionário reestruturado (e como seria feita esta reestruturação), uma metodologia de avaliação e seu vínculo com o processo de elaboração do novo Código das Melhores Práticas, convergindo os dois elementos e a auditoria do formulário que poderá ser terceirizada se necessário. A orientação é para aprofundar na metodologia e régua, deixando para um segundo momento questões relativa à divulgação da classificação. A Diretoria Executiva deverá analisar este material previamente à reunião do Conselho. A Gestão deve apresentar o mapa das atividades da gestão que competem entre si, cuja priorização interfere na condução do tema Prêmio IBGC / Classificação da Governança e o cronograma, com o processo de desenvolvimento 6

7 do tema e quais serão os pontos de interação com a discussão do código das melhores práticas, até o dia 15 de janeiro, viabilizando a discussão prévia dos Conselheiros GT Interagentes - Código País A Presidente do Conselho apresentou um mapa, elaborado pela área de advocacy do IBGC, dos países que adotam Códigos Nacionais e/ou Pratique ou Explique no mundo, explicando que o tema está em início de discussões no grupo. Há o consenso que o IBGC é o principal fornecedor primário do conteúdo de códigos enquanto que a ABRASCA é a entidade com experiência em comply or explain dentro do GT. Houve a sugestão de trazer o tema ao Congresso do IBGC em Em continuidade às discussões, a Superintendente Geral citou haver dúvidas por parte de alguns associados sobre o futuro do Código das Melhores Práticas do IBGC no caso da criação de um Código País. Os presentes concordaram que o código IBGC segue sendo revisado de forma independente ao desenvolvimento do código país e a Presidente do Conselho encerrou o assunto informando que eventualmente poderá haver consultas sobre o assunto ao CA no decorrer dos trabalhos do GT Interagentes Comitês de Auditoria Certificação, GT Comitê de Auditoria Estatutário A Superintendente Geral informou que hoje o assunto Comitê de Auditoria vem sendo discutido na Comissão de Finanças e Contabilidade e que um associado trouxe a ideia da constituição de lócus para discutir o tema. O Conselheiro Fernando Alves em conversa anterior com a Superintendente sugeriu que este assunto deveria ser tratado com a participação de especialistas e respaldo técnico vindo das empresas de auditoria externa. A gestão entende que o IBGC poderia, com o apoio das auditorias terem um fórum que reúna membros de comitês de auditoria, aumentando a relevância deste assunto dentro do instituto. O Conselho definiu que o assunto ficará a partir deste momento no âmbito da diretoria, vendo com bons olhos a possibilidade da criação de um Grupo de Trabalho, com prazo definido de duração, coligado à Comissão de Finanças e Contabilidade. 6. Gestão do IBGC 6.1 Pesquisa de clima o tema deve ser discutido com o Comitê de Pessoas antes de retornar ao Conselho. 7. Governança do IBGC 7.1 Conselho Fiscal IBGC o assunto deve antes ser analisado pelo Comitê de Auditoria retornando ao Conselho na reunião do Conselho em 26 de fevereiro (antes da AGO). 7.2 Conselho Consultivo este item será discutido na reunião do Conselho em 30 de abril. 7

8 7.3 Formalizações das deliberações eletrônicas entre RCAs não houve deliberações eletrônicas durante o período entre reuniões. 8. Sessão Exclusiva Os conselheiros voltaram a se reunir para discutirem os temas distribuídos nesta ata. São Paulo, 8 de dezembro de Sandra Guerra Eliane Lustosa Emílio Carazzai Luiz Cabrera Marta Viegas Ricardo Egydio Setúbal Robert Juenemann Roberto Waack 8

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 07 DE AGOSTO DE 2014 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 07 de agosto de 2014, às 12

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 03 DE SETEMBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 03 de setembro de 2013,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE NOVEMBRO DE 2014 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 18 de novembro de 2014,

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi Manual da Assembleia Geral Ordinária 26 de março de 2015 às 10h00 Hotel Hilton São Paulo Morumbi Atualizado em 24.02.2015 CNPJ: 01.082.331/0001-80 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 07 DE MAIO DE 2013 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 07 de maio de 2013, às 13 horas,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 1 DE OUTUBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 1º de outubro de 2013, às

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 13 DE JULHO DE 2015 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 13 de julho

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej

Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej CNPJ: 01.082.331/0001-80 Atualizado em 25.02.2014 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 Ata da Reunião Ordinária do Conselho de Administração realizada em 25 de agosto de 2011 Instalou-se nesta data, 25 de agosto de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL Princípios de Governança TRANSPARÊNCIA EQUIDADE PRESTAÇÃO

Leia mais

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado Em maio de 2004 foi publicada a Resolução 3.198 do Conselho Monetário Nacional, que trouxe, entre outras novidades,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 10 DE OUTUBRO DE 2012 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 10 de outubro de 2012, às

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2016

R E G U L A M E N T O 2016 R E G U L A M E N T O 2016 www.asmaiseticasdobrasil.org.br Iniciativa e Realização www.eticanosnegocios.org.br R E G U L A M E N T O INICIATIVA E REALIZAÇÃO A iniciativa e realização desta iniciativa é

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Governança Corporativa:

Governança Corporativa: Abril 15 Governança Corporativa: Qual papel? Onde estamos... Nossa estrutura de Governança: NÍVEL DE GOVERNANÇA Assembléias de Associados 10 representantes dos associados efetivos + todos os associados

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

Governança Corporativa e a gestão dos processos

Governança Corporativa e a gestão dos processos Governança Corporativa e a gestão dos processos Governança Corporativa É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas, e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre acionistas/associados/cotistas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC {aula #1} com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11) 9962-4260 http://rildosan.blogspot.com/

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro

Governo do Estado do Rio de Janeiro Governo do Estado do Rio de Janeiro Modelo de governança para contratos de desenvolvimento de software sob, no âmbito de programas financiados. Manual de Uso Histórico da revisão Data Versão Descrição

Leia mais

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania 1. Sobre o Projeto 1.1. O que é o Projeto Serviços e Cidadania? É um canal de serviços gratuitos que oferece apoio nas áreas de gestão, jurídica e comunicação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, REALIZADA EM 28 DE FEVEREIRO 2003 Aos vinte e oito dias do mês de fevereiro

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES - REALIZADA EM 15 DE FEVEREIRO DE 2007, ÀS

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES - REALIZADA EM 15 DE FEVEREIRO DE 2007, ÀS ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES - REALIZADA EM 15 DE FEVEREIRO DE 2007, ÀS 9h30 NO SÃO PAULO CLUBE, SITUADO À AV. HIGIENÓPOLIS, 18 SÃO

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

PROPOSTA DE PATROCÍNIO 2015

PROPOSTA DE PATROCÍNIO 2015 VII Congresso de Reestruturação e Recuperação de Empresas PROPOSTA DE PATROCÍNIO 2015 LOCAL: HOTEL RENAISSANCE - SP A TMA Brasil TMA Brasil é o capítulo brasileiro da Turnaround Management Association,

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Ata da Reunião do Conselho de Administração da Aliança Para a Saúde Populacional ASAP 05.06.2014. Participantes

Ata da Reunião do Conselho de Administração da Aliança Para a Saúde Populacional ASAP 05.06.2014. Participantes Ata da Reunião do Conselho de Administração da Aliança Para a Saúde Populacional ASAP Participantes 05.06.2014 Conselho de Administração: Titulares - Paulo Marcos Senra Souza AMIL, Ana Elisa Álvares Corrêa

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA E BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA E BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP CENTRO DESPORTIVO DA UFOP - CEDUFOP LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA COMISSÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço

Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço 04/08/2015 1. Sistema Produtor São Lourenço 1. Sistema Produtor São Lourenço Desenho esquemático 2. Governança Corporativa 2. Governança Corporativa

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Relatório sobre processo de elaboração do

Relatório sobre processo de elaboração do Relatório sobre processo de elaboração do GUIA DE GOVERNANÇA OPEN KNOWLEDGE BRASIL Consultoria de apoio ao processo Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OPEN KNOWLEDGE BRASIL... 3 a. Visão... 3 b. Valores... 3

Leia mais

Foram eleitos os seguintes pontos relevantes: 1. Delegacias Sindicais, 2. Diretoria, 3. Diretoria Provisória, 4. Questões patrimoniais,

Foram eleitos os seguintes pontos relevantes: 1. Delegacias Sindicais, 2. Diretoria, 3. Diretoria Provisória, 4. Questões patrimoniais, Registro da segunda reunião Ordinária da Comissão de Sistematização e Elaboração de Propostas de Estatuto para a entidade resultante da unificação da FENAFISP E Unafisco Sindical. Presentes pela FENAFISP:

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

Informações Integradas

Informações Integradas Informações Integradas IMPLANTAÇÃO DO RELATO INTEGRADO: O CASE DA SANASA REUNIÃO TÉCNICA DE NORMAS INTERNACIONAIS Tatiana Gama Ricci São Paulo, 22 de maio de 2015 Evolução das Informações não financeiras

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 REGULAMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este regulamento ( Regulamento ), elaborado com base nas melhores práticas internacionais,

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO I. Objetivos O Comitê de Nomeação e Remuneração (o Comitê ) do Banco Latino-Americano de Comércio Exterior

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

A pauta da reunião seguiu a seguinte ordem: 1. ISE 2. ANBIMA 3. 13º Encontro Nacional de RI e Mercado de Capitais 4. Outros Assuntos em Andamento:

A pauta da reunião seguiu a seguinte ordem: 1. ISE 2. ANBIMA 3. 13º Encontro Nacional de RI e Mercado de Capitais 4. Outros Assuntos em Andamento: ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IBRI INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES REALIZADA NO DIA 25 DE FEVEREIRO DE 2011, ÀS 09h00, NA SEDE DO IBRI-INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES

Leia mais

Estrutura de gerenciamento do Risco Operacional do Sistema Sicoob

Estrutura de gerenciamento do Risco Operacional do Sistema Sicoob Estrutura de gerenciamento do Risco Operacional do Sistema Sicoob 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do

Leia mais

NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA.

NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA. NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA. SUMÁRIO Carta do Diretor / Conselho de Administração... 03 Diretrizes... 04 Introdução... 05 Missão e Visão... 06 Valores... 07 Princípios e Condutas... 08 Comitê de Conduta

Leia mais