11. Tipos de redes de inovação Comunidades de Prática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11. Tipos de redes de inovação. 11.3 Comunidades de Prática"

Transcrição

1 11.3 Comunidades de Prática Palavras-Chave Comunidades de prática (CoP), comunidades virtuais, comunidades estratégicas, partilha de conhecimento, gestão do conhecimento, inovação Objectivos de aprendizagem Após a leitura desta componente você deverá ser capaz de compreender o que são comunidades de prática (CoP) e onde podem ser aplicadas. Deverá ser capaz de reconhecer os seus benefícios das comunidades de prática e algumas das suas características bem como seguir alguns passos práticos e básicos para criar uma CoP. A leitura deste módulo e a realização de uma pequena tarefa irão demorar entre 40 a 50 minutos. Introdução Em 1988, quando a concorrência japonesa ameaçava o encerramento da Chrysler Corporation, ninguém suspeitava que o reaparecimento da empresa iria depender, em parte, da criação de um sistema de conhecimento inovador baseado nas comunidades de prática. Enquanto que a concorrência demorava pouco mais que três anos para lançar um novo veículo no Mercado, o ciclo normal de desenvolvimento de um novo produto da Chrysler demorava, facilmente, cinco anos. Esta não era forma de competir. 1 As comunidades de prática encontram-se por todo o lado. Todos nós podemos pertencer a várias no trabalho, na escola, nos nossos momentos de lazer. Algumas têm nome, outras não. Algumas são conhecidas enquanto que outras permanecem invisíveis. Mas porque é que as organizações lhes devem prestar atenção? Porque é que são de tão grande valor? O conhecimento transformou-se na chave do sucesso. É um recurso demasiado valioso para ser deixado ao acaso, precisa de ser incentivado e acalentado. Precisamos de 1 Etienne Wenger, Richard McDermott, William M.Snyder, 2002, Cultivating communities of Practice innoskills 1/19

2 compreender como e que tipo de conhecimento dará às empresas vantagens competitivas. Criar comunidades de prática em áreas estratégicas é uma forma prática de gerir o conhecimento enquanto um bem do activo, tal como as empresas gerem outros bens de activo crítico. As empresas precisam de manter este conhecimento sempre actualizado, utilizá-lo eficazmente, potenciá-lo operacionalmente e difundi-lo na organização O que é uma Comunidade de Prática O conceito de comunidade de prática (muitas vezes abreviada em CoP) refere-se ao processo de aprendizagem social que ocorre quando pessoas que partilham um interesse comum por determinado assunto ou problemática colaboram durante um largo período de tempo para partilhar ideias, encontrar soluções e construir inovação. Refere-se ao grupo estável que é formado por interacções regulares 3. As CoP são um grupo de pessoas que partilham uma preocupação ou interesse por alguma coisa em comum, e que aprendem a fazê-la melhor ao interagirem regularmente 4. Relativamente à gestão do conhecimento, as comunidades de prática estão ligadas às formas de partilha de conhecimento, desenvolvimento de novo conhecimento, estimulo à inovação, etc. Em resumo, as comunidades de prática oferecem, às pessoas, um ambiente propicio para o desenvolvimento do conhecimento através da interacção com outros num contexto em que o conhecimento é criado, incentivado e sustentado 5. No entanto, nem todas as comunidades podem ser denominadas comunidades de prática. Já lhe pode ter ocorrido que uma vizinhança, por exemplo, é uma comunidade de prática! Bem, apesar de poder ser constituída como tal, não é, 2 Etienne Wenger, Richard McDermott, William M.Snyder, 2002, Cultivating communities of Practice Koubek, A., Laister, J. (2001) 3rd Generation Learning Platforms. Requirements and Motivation for Collaborative Learning. innoskills 2/19

3 normalmente, uma comunidade de prática. Há três características fundamentais: 1. O domínio: Uma comunidade de prática não é um mero clube de amigos ou rede de contactos entre pessoas. Tem uma identidade definida por um domínio de interesse partilhado. Logo, ser-se membro implica comprometimento com o domínio e, consequentemente, uma competência partilhada que distingue os seus membros das restantes pessoas. O domínio não é obrigatoriamente algo reconhecido como competência fora da comunidade. Um gang de jovens pode ter desenvolvido toda a espécie de formas de lidar com o seu domínio: sobreviver nas ruas e manter uma identidade com a qual possam viver. Valorizam a sua competência colectiva e aprendem uns com os outros, apesar de poucas pessoas fora do grupo reconhecerem a sua competência A Comunidade: Prosseguindo o seu interesse no seu domínio, os membros envolvemse em actividades e debates conjuntos, ajudam-se mutuamente e partilham informação. Constroem relações que lhes permite aprender uns com os outros. Um website, por si só, não é uma CoP. Ter o mesmo emprego ou o mesmo titulo não faz uma CoP a não ser que os membros interajam e aprendam em conjunto. Os processadores de reclamações numa grande seguradora ou os alunos de uma escola secundária americana podem ter muito em comum, no entanto, a não ser que interajam e aprendam em conjunto, eles não formam uma CoP. Os membros de uma CoP não trabalham, obrigatoriamente, juntos, diariamente. Os impressionistas, por exemplo, encontravam-se em cafés e estúdios para discutir os estilos de pintura que estavam a inventar em conjunto. Estas interacções foram essenciais para fazer deles uma comunidade de prática apesar de pintarem sozinhos A prática: Uma comunidade de prática não é uma mera comunidade de pessoas que gostam de determinado tipo de filmes, por exemplo. Os membros de uma CoP são profissionais. Eles desenvolveram um repertório partilhado de recursos: experiências, noticias, instrumentos e formas de lidar com problemas recorrentes em resumo, uma prática partilhada. Tudo isto leva o seu tempo e uma interacção sustentada. Uma boa conversa com um estranho num avião pode dar-lhe toda a espécie de conhecimentos innoskills 3/19

4 interessantes, mas não faz de si uma comunidade de prática. O desenvolvimento de uma prática partilhada pode ser mais ou menos uma CoP. 8 Os engenheiros de limpa pára-brisas de um construtor automóvel fazem um esforço concertado para recolher e documentar os truques e lições que aprenderam numa base de conhecimentos. Ao contrário, as enfermeiras que se encontram regularmente para almoçar na cafetaria do hospital podem não se dar conta que as suas conversas ao almoço são uma das principais fontes de conhecimento sobre como tratar os pacientes. Ainda assim, no decurso destas conversas, elas partilharam um conjunto de notícias e casos que se tornaram um tópico partilhado para a sua prática Onde e porquê desenvolver Comunidades de Prática As comunidades desenvolvem a sua prática através de um conjunto variado de actividades. Vejamos o seguinte quadro que nos fornece alguns exemplos típicos 10 : Resolução de problemas Requisição de informação Procurar experiência Reutilização de bens Podemos trabalhar neste design e fazer um brainstorming de algumas ideias? Empanquei. Onde é que posso encontrar o código para fazer a ligação ao servidor? Já alguém lidou com um cliente nesta situação? Eu tenho uma proposta para uma rede local que elaborei para um cliente no ano passado. Posso enviar-ta e tu podes facilmente adaptá-la para este novo Ibid innoskills 4/19

5 cliente. Coordenação e sinergia Discutir o desenvolvimento Documentar projectos Visitas Mapear o conhecimento e identificar lacunas Podemos combinar as nossas compras de solvente para aumentar o desconto? O que é que achas do novo sistema CAD? Será que realmente ajuda? Já nos deparámos com este problema cinco vezes. Vamos anotá-lo de uma vez por todas. Podemos visitar o teu programa pósescolar? Precisamos de implementar um na nossa cidade. Quem sabe o que nos está a escapar? Com que outros grupos nos devíamos relacionar? Fonte: O conceito das comunidades de prática encontrou um elevado número de aplicações práticas, por exemplo, nos negócios, desenho organizacional, órgãos governamentais, educação, associações profissionais, desenvolvimento de projectos e vida civil. Já ouviu falar de algum deles? Existe alguma CoP na sua organização ou ambiente social? Organizações: O conceito foi adoptado quase de imediato pelas pessoas nos seus negócios por causa do reconhecimento do conhecimento enquanto um bem essencial que necessita de ser gerido estrategicamente. Os esforços iniciais na gestão do conhecimento concentraram-se nos sistemas de informação com resultados decepcionantes. As CoP propiciam uma nova abordagem com enfoque nas pessoas e nas estruturas sociais que lhes possibilitam a aprendizagem partilhada. Actualmente, quase não existem organizações, com um tamanho razoável, que não tenham algumas formas de iniciativas de comunidade de prática. Mas porquê este repentino interesse nas CoP enquanto veículo de desenvolvimento das capacidades estratégicas nas organizações? innoskills 5/19

6 As CoP possibilitam que os profissionais assumam uma responsabilidade colectiva na gestão do conhecimento de que necessitam, conscientes de que assumem a melhor posição para o fazer. As comunidades entre profissionais criam uma ligação directa entre a aprendizagem e o desempenho, uma vez que a pessoa que participa nas comunidades de prática participa, também, nas equipas e unidades empresariais. Os profissionais podem orientar os aspectos tácitos e dinâmicos da criação e partilha de conhecimento bem como aspectos mais explícitos. As comunidades não estão limitadas por estruturas formais: criam ligações entre as pessoas para além das fronteiras organizacionais e geográficas. Órgãos governamentais: Tal como nas empresas, as organizações governamentais enfrentam complexos desafios do conhecimento. Estas adoptaram as CoP basicamente pelas mesmas razões, apesar da formalidade da burocracia ser um obstáculo para a partilha aberta de conhecimento. Para além das comunidades internas, existem problemas governamentais típicos tais como a educação, saúde e segurança que requerem coordenação e partilha de conhecimento de forma transversal a todos os níveis governamentais. Educação: As escolas e agrupamentos são organizações de direito próprio e enfrentam crescentes desafios do conhecimento. As primeiras aplicações de comunidades de prática foram feitas na formação de professores e no acesso por administradores isolados aos seus colegas. As CoP afectam as práticas da educação em 3 níveis: a. Internamente: Como organizar as experiências educacionais que baseiam a aprendizagem escolar na prática através da participação em comunidades com enfoque nas matérias didácticas? b. Externamente: Como relacionar a experiência dos alunos com a actual prática através da participação em comunidades mais alargadas e para além dos muros das escolas? c. Durante o período de vida de estudante: Como responder às necessidades dos alunos através da organização de CoP com enfoque em tópicos de interesse para os alunos para além do período escolar inicial? innoskills 6/19

7 Associações: Um crescente número de associações procuram formas de concentrar a sua atenção na aprendizagem através da reflexão da prática. Os seus membros são impacientes e a sua fidelidade é frágil. Estas precisam de oferecer actividades de aprendizagem de elevado valor acrescentado. As típicas actividades de aprendizagem entre pares das comunidades de prática oferecem uma alternativa complementar às ofertas de formação e publicações mais tradicionais. 12 Sector Social: No domínio cívico, existe um interesse emergente na construção de comunidades entre profissionais. No contexto das organizações sem fins lucrativos, por exemplo, as fundações estão a dar-se conta de que a filantropia necessita de centrar atenções nos sistemas de aprendizagem de forma a alavancar projectos financiados. Mas os profissionais procuram relações entre pares e oportunidades de aprendizagem. Isto inclui o desenvolvimento económico regional, com comunidades intra-regionais em vários domínios. 13 Desenvolvimento Internacional: Existe uma crescente consciência de que o desafio do desenvolvimento das nações é tanto um desafio do conhecimento quanto financeiro. Um elevado número de pessoas acredita que uma abordagem às comunidades de prática pode fornecer um novo paradigma para o desenvolvimento do trabalho. Isto enfatiza a construção de conhecimento entre os profissionais. Algumas agências para o desenvolvimento vêem agora o seu papel enquanto delegados destas comunidades, em vez de fornecedores de conhecimento. 14 A web: As novas tecnologias como a Internet alargaram o âmbito das nossas interacções para além das limitações geográficas das tradicionais comunidades, mas o aumento do fluxo de informação não dispensa a necessidade de comunidades. Na verdade, alarga as possibilidades de comunidades e exige uma nova tipologia de comunidade de partilha da prática Ibid 15 innoskills 7/19

8 Mas temos que ter consciência que a criação e manutenção de uma comunidade de prática não se limita aos campos acima mencionados. Estas podem ser desenvolvidas em qualquer área de interesse independentemente de serem académicas, empresariais ou de lazer. Agora, é a sua vez de dispensar quinze minutos e anotar duas comunidades de prática que conheça ou imagina que possam existir e descreve-las sucintamente (domínio, comunidade, prática) Como criar uma Comunidade de Prática? Pesquisas em comunidades online indicam que o principal factor de sucesso das comunidades é a existência de estruturas e condições organizadas bem como o factor humano 16. A tecnologia apoia os processos de intereacção mas não é um dos principais factores indutores. Para Preece, 17 as comunidades online consistem em pessoas que interagem socialmente para satisfação das suas necessidades, desempenho das funções, etc., uma motivação partilhada, que providencia os motivos da existência da comunidade, politicas que orientam a interacção entre as pessoas e sistemas informáticos que sustentam e mediam a interacção social. No seu modelo para o sucesso, Kimbal e Ladd 18 disponibilizam um resumo prático dos passos para o lançamento e sustentabilidade de uma comunidade de prática virtual. Seguindo estes 15 passos apresentamos os requisitos para a criação de uma comunidade de prática de sucesso: 16 Hildreth, P., Kimble, C. (2002) "The duality of knowledge" 17 Preece, J., 2000, Online Communities. Designing, Usability, Supporting Sociability 18 Kimball, L., Ladd, A. (2004) "Facilitator Toolkit for Building and Sustaining Virtual Communities of Practice" innoskills 8/19

9 Preparação da CoP Crie o mapa da sua Comunidade de Prática 2. Defina quem são os membros e atribua funções 3. Estabeleça normas 4. Estruture o convite Figura 1 5. Crie o ambiente 1. Crie o mapa da sua Comunidade de Prática: Comece por enquadrar a sua comunidade. Pergunte (e responda no mapa) ao seguinte: A quem é dirigida a minha comunidade? Qual é o seu objectivo? Quando e porquê será criada a comunidade ou os seus membros se reunirão? O objectivo pode vir a ser alterado com o passar do tempo mas é importante definir logo no início o objectivo da comunidade. 2. Defina quem são os membros e atribua funções: Deixe bem claro quem pode ser membro da sua comunidade e registe os membros pelo seu perfil. Uma vez identificados os membros, pode atribuir funções dentro da comunidade. 3. Estabeleça normas: Informe os participantes acerca da periodicidade de contacto. Estabeleça regras para o tempo de resposta a novos materiais publicados e crie/publique orientações para a participação. 19 Kimball, L., Ladd, A. (2004) "Facilitator Toolkit for Building and Sustaining Virtual Communities of Practice" innoskills 9/19

10 4. Estruture o convite: Prepare antecipadamente o lançamento da sua comunidade e envie um Kit de boas-vindas aos subsequentes participantes da comunidade. 5. Crie o ambiente: Prepare a forma como vai moderar o processo, como vai publicar mensagens e enviar mensagens e como vai responder ao que os outros escrevem. Pense na identificação dos membros com a comunidades e o que pode sustentar essa identificação. Fase de lançamento 6. Comemore o lançamento 7. Padronize conversações 8. Crie ligações com a comunidade Figura 2 6. Comemore o lançamento: Acolha um evento de lançamento presencial. Por muito entusiasmados que estejamos pelas possibilidades tecnológicas para o desenvolvimento de comunidades virtuais, não existe nada que substitua uma reunião presencial para iniciar. 7. Padronize as conversações: Pratique princípios de boa comunicação. Oriente e modere a interacção para motivar os participantes que não estejam habituados a trabalhar em comunidades de prática. 8. Crie ligações com a comunidade: Atribua companheiros e divida a comunidade em subgrupos. Aquando do lançamento da comunidade e sempre que entrarem novos membros, atribua a cada participante um ou dois colegas para companheiros. Encoraje o contacto entre companheiros via ou telefone e apresente-os. innoskills 10/19

11 Manutenção diária da comunidade de prática Acompanhe regularmente 10. Reforce a participação 11. Marque o ritmo da sua 12. Mantenha o rumo da 13. Resuma a discussão comunidade discussão 14. Faça a manutenção Figura 3 9. Acompanhe regularmente: Se alguns membros se tornam ausentes por algum tempo, envie-lhes um ou convoque-os para verificarem as novidades. Perguntelhes se o design da comunidade se adequa às suas necessidades ou se têm sugestões para novas actividades ou debates. Desenvolva um calendário de metas, resultados e actividades. Defina um cronograma com prazos para o alcance de metas e resultados. Envie esse cronograma sob a forma de calendário a todos os membros da comunidade. 10. Reforce a participação: Uma das coisas mais eficazes que poderá fazer enquanto líder da comunidade é manifestar o conhecimento dos comentários publicados respondendo-lhes ou reconhecendo a posição que tomaram. 11. Marque o ritmo da sua comunidade: Forneça tópicos aos participantes para que eles saibam que assuntos estão na ordem do dia. Adicione novos materiais. Mesmo havendo muitos participantes activos na sua comunidade, é importante ir acrescentando novos materiais e informação fresca e aumentar a sua qualidade (bem como a quantidade). 20 Kimball, L., Ladd, A. (2004) "Facilitator Toolkit for Building and Sustaining Virtual Communities of Practice" innoskills 11/19

12 12. Mantenha o rumo da discussão: Pode acontecer haver dispersão. É importante que não faça as pessoas sentirem-se mal por se terem desviado do tópico, mas também é importante que leve a discussão de volta aos objectivos da sessão. 13. Resuma a discussão: Weaving é um termo utilizado em comunidades de networking online para se referir ao processo de sumarização e sintetização de múltiplas respostas e/ou mensagens submetidas num espaço de comunidade online. Isto dá aos participantes a possibilidade de recomeçar ou avançar numa nova direcção. 14. Faça a manutenção: Apague ou arquive discussões de datas anteriores ou que pareçam antigas. O período de tempo adequado para manter a informação irá variar consoante a natureza do grupo o importante é ter esta questão em consideração. Avaliação da comunidade de prática e gestão da mudança Avalie e faça mudanças Figura Avalie e faça mudanças: A sua comunidade de prática virtual está a crescer de acordo com o previsto? Comemore o sucesso comunicando-o à sua comunidade. Registe as alterações que está a implementar para melhorar o seu site. Inclua os membros da sua comunidade na avaliação do seu site para garantir a sua partilha do sucesso Kimball, L., Ladd, A. (2004) "Facilitator Toolkit for Building and Sustaining Virtual Communities of Practice" 22 Kimball, L., Ladd, A. (2004) "Facilitator Toolkit for Building and Sustaining Virtual Communities of Practice" innoskills 12/19

13 Conclusão Estas quinze dicas abarcam um vasto leque de tópicos acerca da manutenção bem sucedida de uma comunidade de prática. Um passo muito importante, portanto, é a preparação da comunidade (dicas 1 a 5) e a fase de lançamento/kick-off (dicas 6 a 8). Para alcançar um sucesso sustentado é importante dispor de recursos suficientes para a fase de preparação e envolver, desde cedo, importantes parceiros. As dicas 9 a 14 referem-se à manutenção diária de uma comunidade de prática. Portanto, é importante ter consciência da moderação (gestão) da comunicação. Finalmente, a dica 15 refere-se à avaliação da comunidade de prática e à gestão da mudança, que são questões muito importantes. As comunidades de prática podem começar com tarefas muito específicas e podem ser encerradas após o cumprimento destas tarefas. Contudo, uma CoP pode continuar e mudar o seu enfoque mas tudo isto deve ser orientado, avaliado e moderado. 23 A figura 5 mostra os possíveis componentes da plataforma de uma comunidade 24 : Lucko, S., Trauner, B. (2005) Wissensmanagement 7 Bausteine für die Umsetzung in der Praxis innoskills 13/19

14 Chat Lista de contactos Administração central Ferramentas de moderação Gestão de documentos Função pesquisa Forum de discussão Sistema de Gestão do fluxo de trabalho Figura 5: De acordo com Lucko, S., Trauner, B. (2005) Estudos de caso/ Exemplos A comunidade Turbodude atrai em média, normalmente, quinze membros. Mas, após seis meses, correu a notícia de que alguns dos principais geocientistas da empresa estavam envolvidos em debates acerca de reservatórios de Efeito Tyndall de ponta. A participação cresceu para uma média de 40 a 50 pessoas por reunião, chegando a alcançar os 125 membros. Apesar das pessoas irem alterando ao longo da vida da comunidade, os níveis de participação permaneceu constante. Após alguns meses, o coordenador da comunidade achou que devia tentar aumentar ainda mais os níveis de participação dos membros e considerou forçar a situação. Ele entrevistou alguns dos não participantes e descobriu que muitos eram novos na organização ou na área de trabalho e estavam a utilizar a comunidade para aprender, tirando notas durante as reuniões. Estes pediram para não participar mais activamente porque sentiam que os seus contributos iriam enfraquecer a qualidade da discussão. Assim, para manter o enfoque da discussão nas questões de última geração, o innoskills 14/19

15 coordenador permitiu que os peritos dominassem. Ainda assim, a comunidade continuou a ser uma campo de treino para as pessoas novas, na área do Efeito Tyndall. Cerca de 40 pessoas utilizaram a comunidade como meio de aprendizagem acerca do Efeito Tyndall. À medida que os participantes da comunidade Turbodude iam ganhando experiência, tornaram-se conscientes do verdadeiro valor das suas discussões. Descobriram que um dos grandes contributos se traduziu na redução da incerteza acerca do desenvolvimento ou não de um terreno. A exploração envolve a extrapolação de dados superficiais e a comparação do terreno com estruturas geológicas conhecidas, chamadas análogas. As estruturas análogas são importantes pois é muito pouca a informação disponível acerca do terreno antes da perfuração de um poço; Eles ajudaram os geocentistas a determinar se as reservas de petróleo eram suficientes para garantir a perfuração. As discussões da Turbodude em torno de analogias e interpretações alternativas dos dados evitaram perfurações desnecessárias e o teste de três terrenos por ano isto representa um custo de USD$ 20 milhões em perfurações e outros USD$ 20 milhões para testar cada poço com uma poupança de cerca e USD$ 120 milhões por ano. Quanto maior era o reconhecimento recebido pela comunidade maior se tornou o comprometimento dos membros da comunidade. No final do primeiro ano, os participantes da Turbodude deram-se conta que estavam a lidar com algo importante. Alguns deles começaram a dedicar mais tempo à comunidade e a introduzir novas problemáticas relacionadas com o desenvolvimento de áreas de interesse. Apesar da maioria das discussões da Turbodude se centrarem no apoio mútuo, estas actividades reflectem uma viragem na comunidade do simples apoio, para a organização, sistematização e criação de padrões de boas práticas para a análise do Efeito de Tyndall Etienne Wenger, Richard McDermott, William M.Snyder (2002) Cultivating communities of Practice innoskills 15/19

16 Sumário dos pontos-chave As CoPs são um grupo de pessoas que partilham um interesse por algo que fazem e aprendem a fazê-lo melhor pela interacção regular. Nem tudo o que tem o nome de comunidade é uma comunidade de prática. Existem três características fundamentais: Domínio, comunidade e prática. Tem imensas aplicações em diversos contextos em particular no contexto empresarial, que pode alcançar vantagens pela criação e manutenção de CoPs. São quinze os passos que orientam as acções que devem ser seguidas para a implementação bem sucedida de uma comunidade de prática. Após a leitura da componente Comunidade de Prática deverá ser capaz de definir o conceito de comunidade de prática, descrever as suas características chave e criar uma comunidade de prática seguindo as 15 dicas descritas acima. Você deverá, ainda, reconhecer o valor e os benefícios das comunidades de prática. innoskills 16/19

17 BIBLIOGRAFIA Wikimedia Foundation Inc, modificado pela última vez a 28 de Maio de 2008, <http://en.wikipedia.org/wiki/community_of_practice>: Aqui pode encontrar informação geral e conceitos-chave acerca das comunidades de prática. Etienne Wenger, last visitado pela última vez a 29 de Maio de 2008, <http://www.ewenger.com/theory/>: Inclui variados detalhes acerca das comunidades de prática de Etienne Wenger (tecnologia, teoria de aprendizagem aprofundada, etc.). Koubek, A.; Laister, J. (2001) 3rd Generation Learning Platforms. Requirements and Motivation for Collaborative Learning. In: EURODL European Journal of Open and Distance Learning. Lave, J.; Wenger, E. (1991) Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation, Cambridge. Hildreth, P.; Kimble, C. (2002). "The duality of knowledge", Information Research, 8(1), paper no. 142 [Available at Site visited: 10/07/2007]. Preece, J., (2000) Online Communities. Designing, Usability, Supporting Sociability. New York. Kimball, L.; Ladd, A. "Facilitator Toolkit for Building and Sustaining Virtual Communities of Practice". In Hildreth P.; Kimble C., (edts.), (2004), Knowledge Networks: Innovation through Communities of Practice, Hershey, pp innoskills 17/19

18 Lucko, S.; Trauner, B., (2005), Wissensmanagement 7 Bausteine für die Umsetzung in der Praxis, p73. Wenger, E.; McDermott, R.; M.Snyder, W. (2002) Cultivating communities of Practice, Harvard Business School Press, Boston, Massachusetts. Trainmor-knowmore, (2008), Communities of practice, Katsiadakis Nikos, European project website on knowledge management. innoskills 18/19

19 GLOSSÁRIO Comunidade Turbodude Uma comunidade de cientistas que analisam o Efeito de Tyndall. O Efeito de Tyndall é a nebulosidade ou aspecto turvo de um fluído ou do ar, causado por partículas individuais (sólidos suspensos) que são, normalmente, invisíveis a olho nu, similares ao fumo no ar. (Fonte: innoskills 19/19

Comunidades de prática

Comunidades de prática Comunidades de prática Objetivos (Henrique Bizzarria para o site Ebah) Comunidades de praticas! O que são?! Para que servem?! Porquê falar delas? Comunidades de prática! O termo "comunidade de prática"

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

e-learning e Qualificação de Formadores

e-learning e Qualificação de Formadores e-learning e Qualificação de Formadores Rede de Centros de Recursos em Conhecimento 11 de Maio de 2011 Instituto do Emprego e Formação Profissional Lisboa Paulo Mendes pmendes@citeve.pt Criação OBJECTIVOS

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Nº 171303109 Mestrado em Ciências da educação Informática educacional Online Learning Communities.

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

AS REDES TEMÁTICAS EQUAL

AS REDES TEMÁTICAS EQUAL AS REDES TEMÁTICAS EQUAL Janeiro 2006 ÍNDICE Pàg. 1. As Redes Temáticas (RTs) como instrumento de mainstreaming 3 2. Aprender com a experiência da 1ª Fase o que deve mudar nas RTs 3 3. Objectivos e resultados

Leia mais

Trabalho Final de PPeL

Trabalho Final de PPeL Trabalho Final de PPeL FOTO-REALISMO PÓS 60 CONTRATO DE APRENDIZAGEM JOSÉ MOTA PAULA PINHEIRO PROFESSORAS ALDA PEREIRA E LINA MORGADO 1-5 p i n h e i r o e m o t a. m p e l. j u l h o 2 0 0 6. u n i v.

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

ferramentas e funcionalidades básicas

ferramentas e funcionalidades básicas ferramentas e funcionalidades básicas MOODLE - Tipos de Actividades Núcleo Minerva da Universidade de Évora Referendo A actividade Referendo permite ao professor fazer, por exemplo, uma sondagem de opinião

Leia mais

Comunidades de Prática

Comunidades de Prática Comunidades de Prática um conceito útil para pensar sobre aprendizagem 23 Novembro 2007 Madalena Pinto dos Santos http://madalenapintosantos.googlepages.com/ mpsantos@fc.ul.pt 1 Plano da sessão De onde

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Estudo de Caso nº 7. 2. Práticas de Responsabilidade Empresarial Tópicos Principais Área(s) Global(ais) de Enquadramento das Boas Práticas de RSE:

Estudo de Caso nº 7. 2. Práticas de Responsabilidade Empresarial Tópicos Principais Área(s) Global(ais) de Enquadramento das Boas Práticas de RSE: 1. Identificação da Empresa Nome da Empresa: Estudo de Caso nº 7 Triip Ltd. Sector de Actividade: Gráfica Actividade Principal: Impressão e design Cidade/País: Tartu, Estónia Ano de Fundação: 1993 Implantação

Leia mais

Relatório de Conclusão do CAO Mediador

Relatório de Conclusão do CAO Mediador Relatório de Conclusão do CAO Mediador Este relatório é um resumo do processo do CAO, sobre a queixa submetida por uma coligação de ONGs locais e nacionais, e comunidades afetadas, relacionada com o processo

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

e Campus do ISPA Instituto Universitário

e Campus do ISPA Instituto Universitário e Campus do ISPA Instituto Universitário Manual de utilização do Moodle Perfil utilizador: Docente Versão: Agosto 2010 Índice Índice... 2 Índice de Figuras... 3 Introdução... 4 1. Primeiros passos... 5

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Implantando Comunidadesde Prática

Implantando Comunidadesde Prática Implantando Comunidadesde Prática SUCESU 11 de Novembrode 2008 Cristiano Rocha, Milestone O mundomudou 80 s 2008 80 s 2008 O quedefine, hoje, a riquezadas organizações? surge uma economia baseada no conhecimento

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

Mobilizar para a saúde ambiental... 12 A mudança leva tempo... 13 Actividades para aprender e mobilizar... 14 As mulheres precisam de uma voz...

Mobilizar para a saúde ambiental... 12 A mudança leva tempo... 13 Actividades para aprender e mobilizar... 14 As mulheres precisam de uma voz... Mobilizar para a saúde ambiental........................... 12 A mudança leva tempo................................... 13 Actividades para aprender e mobilizar........................ 14 As mulheres precisam

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias

Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias Paulo Carlos Pimentel Evolução histórica da profissão docente Começa-se por falar de ensino a partir do século XVI. O ensino estava

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

LIÇÃO Web Sites inadequados

LIÇÃO Web Sites inadequados LIÇÃO Web Sites inadequados Idade-alvo recomendada: 10 anos Guia da lição Esta lição examina o conceito de que a Internet faz parte da comunidade cibernética, que contém locais de visita adequados e inadequados.

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

DNA CASCAIS. 3 Anos a apoiar Empreendedores. 11 de Março de 2010

DNA CASCAIS. 3 Anos a apoiar Empreendedores. 11 de Março de 2010 DNA CASCAIS 3 Anos a apoiar Empreendedores 11 de Março de 2010 Missão p e n s a r g l o b a l l a g i r l o c a l Ecossistema Empreendedor Parceiros Globais : DNA CASCAIS Ecossistema Empreendedor em Cascais

Leia mais

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution IAPMEI EEN KMS Knowledge Management Solution Praia, 1 e 2 de Dezembro de 2011 IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação http://www.iapmei.pt/ Principal instrumento das políticas

Leia mais

Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHC Mensagens SMS CS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS CS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso:

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain - Print - Close - ICAEN (Instituto Català d Energia, a agência regional de energia da Catalunha) desenvolveu, promoveu e distribuiu

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

COP E AVA: UMA PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO COLETIVA DE CONHECIMENTO E INTERCÂMBIO DE SABERES

COP E AVA: UMA PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO COLETIVA DE CONHECIMENTO E INTERCÂMBIO DE SABERES COP E AVA: UMA PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO COLETIVA DE CONHECIMENTO E INTERCÂMBIO DE SABERES Aline de Abreu Curunzi Chanan 1 Universidade Estadual de Londrina RESUMO: O artigo discorre sobre a Teoria das

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Apresentação da Plataforma

Apresentação da Plataforma Apresentação da Plataforma por Luís Miguel Ricardo 282 I - Generalidades Inaugurada no ano de 2009, a modalidade elearning concebida pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, utiliza a plataforma

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

Marketing e Comunicação Interna

Marketing e Comunicação Interna Marketing e Comunicação Interna Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de RH 2º Semestre Cristina Mouta 2 Conteúdo Programático 2. Marketing interno 2.1. Conceito 2.2. Teorias e ferramentas do Marketing

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

Nota de contexto para a Iniciativa de Cidadania Europeia: A Água e o Saneamento são um direito humano!

Nota de contexto para a Iniciativa de Cidadania Europeia: A Água e o Saneamento são um direito humano! Historial A Federação Sindical Europeia dos Serviços Públicos (FSESP) decidiu encetar, no seu Congresso de 2009, uma iniciativa para a obtenção de um milhão de assinaturas para que a água seja considerada

Leia mais

O PROFESSOR ONLINE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

O PROFESSOR ONLINE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS O PROFESSOR ONLINE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Carvalheiro, Gonçalo goncalocarvalheiro@gmail.com MPEL05 Universidade Aberta Resumo O presente artigo tem como base uma entrevista realizada a uma docente, investigadora

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal

O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal COTEC PORTUGAL - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PARA A INOVAÇÃO A COTEC Portugal - Associação

Leia mais

Escola Profissional de Alvito

Escola Profissional de Alvito Escola Profissional de Alvito Organização de Empresas e Aplicações de Gestão Modulo 1 Triénio: 2008-2011 Ano lectivo: 2008/2009 Professor: Sérgio Luís Batalha Quintas Trabalho Elaborado Por: Tiago Conceição

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 479 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU "Reforçar a confiança nos mercados

Leia mais