ATENDIMENTO AO REACH PROCEDIMENTO PASSO A PASSO 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATENDIMENTO AO REACH PROCEDIMENTO PASSO A PASSO 2013"

Transcrição

1 ATENDIMENTO AO REACH PROCEDIMENTO PASSO A PASSO 2013 Objetivos do Procedimento I Para atender plenamente ao REACH, há uma série de passos a serem seguidos por quem está envolvido nas atividades de trading na Petrobras. É importante que tais ações sejam amplamente adotadas para que o atendimento ao REACH e ao CLP seja bem sucedido. Assim, os objetivos a serem alcançados com este procedimento são: I.1 Explicar o procedimento e ações para atendimento ao REACH aos profissionais envolvidos com: a) trading de substâncias químicas e misturas colocadas no mercado da Área Econômica Europeia AEE, que inclui os 27 membros da Comunidade Europeia mais Islândia, Liechtenstein e Noruega; e b) comercialização de substâncias químicas e misturas utilizadas como insumos de artigos destinados ao Mercado da Área Econômica Europeia. I.2 Informar aos colaboradores suas responsabilidades; e I.3 Garantir que toda informação esteja acessível, tal como exigido pela Regulação (inclusive CLP) e pelas inspeções. II Os controles das operações de trading ( inventário de negócios realizados ) devem ser mantidos e monitorados internamente de forma a evidenciar o atendimento ao REACH: II.1 O controle escrito deve conter, na forma de planilha, todas as operações de trading ( inventário de negócios realizados ) com as seguintes informações: substância, número de registro utilizado, volume e destino. Além disso, uma cópia da ficha de segurança de produto (SDS ou e-sds) deve ser utilizada e guardada junto do controle. Esse procedimento deve ser supervisionado por colaborador devidamente indicado. II.2 Todos são encorajados a apresentar suas questões ou dúvidas relativas ao atendimento ao REACH. Se houver incerteza sobre qualquer aspecto da legislação e como conduzi-la, os colaboradores devem contatar a área responsável pelo REACH. Para isso, podem utilizar os canais de comunicação disponíveis na página do REACH no site Petrobras e no portal interno da Companhia. Origem da Legislação e seus aspectos I REACH é o acrônimo em inglês para Registration, Evaluation, Authorisation and Restriction of Chemicals. Trata-se de uma regulação da AEE que abrange substâncias químicas, misturas e artigos, adotada para proteger a saúde humana e o meio ambiente dos riscos associados a substâncias químicas e também para aumentar a competitividade da indústria química da AEE. O 1

2 REACH propicia métodos alternativos para avaliação do perigo das substâncias, reduzindo os testes com animais. II Substâncias químicas, misturas ou artigos recebem tratamento específico pelos países da União Europeia. A regulação respectiva está expressa na Regulation (EC) nº. 1907/2006 (REACH) e na Regulation (EC) nº. 1272/2008 ( CLP Classification, Labelling and Packaging of Chemicals ). O não atendimento a tal regulação é passível de punição pessoal e corporativa com multa e prisão. Portanto, as áreas de trading devem levar em conta suas responsabilidades em face da legislação. III Diferentemente do CLP, o REACH excepciona algumas substâncias (petróleo, coque, gás natural). O REACH estabelece a necessidade de registro das substâncias, enquanto o CLP trata das classificações de risco, rotulagem e invólucros para as substâncias químicas. IV Desde 1º/12/2010, toda substância química em si, inclusa em misturas ou artigos colocados no Mercado da AEE, deve ser registrada na ECHA (Agência Europeia para Químicos) por produtores europeus, importadores europeus e produtores não-europeus, por meio de Representante Exclusivo ( Only Representative ). Também entrou em vigor a nova legislação da União Europeia sobre classificação de riscos, rotulagem e invólucros (CLP). Os fornecedores devem informar os riscos das substâncias aos clientes, inclusive consumidores. A ferramenta mais utilizada para tal comunicação são as fichas de segurança de produto ( Safety Data Sheet SDS ), que devem ser fornecidas no âmbito da cadeia de suprimento. V O Sistema Petrobras efetivou registros de substâncias por meio da Petrobras como produtor não-europeu (tendo a Petrobras Europe Ltd. - PEL como Only Representative), e a PGT BV como importador europeu, agora denominadas Registrantes Petrobras. Todos os registros estão disponíveis no site VI O atendimento ao REACH se dá pela realização de uma sequência de ações e passos que resultam no cumprimento da legislação com a adequada comprovação e evidências para eventuais requerimentos, questionamentos ou inspeções pela ECHA (Agência Europeia para Químicos) e pelos membros da AEE. VII Não é admitido: a) Circular ou importar cargas no território aduaneiro da AEE sem os registros previstos no REACH ou sem as fichas de segurança de produto (SDS ou e- SDS) referentes às substâncias ou misturas; e b) Celebrar qualquer negócio sem identificação do número CAS da substância, a cláusula específica quando da incidência da legislação REACH, ou sem a elaboração do inventário de negócios ( inventory of trading deals ). VIII O descumprimento do REACH pode gerar sanções à empresa e a seus administradores. Portanto, qualquer colaborador que descumpra tal legislação pode sofrer processo disciplinar, com a aplicação das sanções trabalhistas previstas em lei. 2

3 Destinatários do Procedimento Trading I Áreas comerciais: AB-MC/CEOCB, AB-MC/CPC, AB-MC/CPE, AB-MC/BIO, AB-MC/CPPI, AB-MC/CPE, AB-MC/RSP e AB-MC/RNN, AB-MC/PEL, AB- MC/PGT, AB-MC/PSPL, PAI/DWST/TRAD, ( traders, trading operators, finance and commercial supporters/controllers, contract administrators ); II Área de logística: AB-LO/OL/QP, AB-LO/TM/CMX, AB-LO/TM/OC. I Procedimentos de Compra 1º Passo: Pelos Traders Os Traders devem solicitar o número CAS (Chemical Abstract Substance Number identificação individual da substância química) da substância em negociação e verificar se ela está isenta, ou não, de registro conforme determina o REACH. Se a substância não estiver isenta de registro, os Traders devem verificar se o fornecedor a registrou: Se a substância foi registrada pelo fornecedor, o negócio pode ser fechado; Se a substância não foi registrada pelo fornecedor, o Trader deverá verificar se os Registrantes Petrobras a registraram, o que permite que ela seja colocada no Mercado Europeu pelo comprador; Se a substância não foi registrada pelo fornecedor nem pelos Registrantes Petrobras, o Trader deverá buscar um fornecedor alternativo que tenha registrado a substância. O número CAS a ser utilizado, juntamente dos demais detalhes do negócio requeridos pelo padrão Petrobras, devem constar no RECAP (sumário das bases negociadas) e no Contrato. Se os Traders tiverem quaisquer dúvidas sobre a situação da substância química pelas regras do REACH, eles poderão saná-las com os membros do Grupo de Trabalho do REACH (GT do REACH). O mesmo procedimento deverá ser adotado pelos Traders em caso de dúvidas sobre os registros de substâncias realizados pelos Registrantes Petrobras. Carga armazenada alfandegada em tanques europeus, em que não haja interesse de nacionalização na AEE, não está submetida às exigências do REACH, visto que não é considerada como colocada no mercado da AEE. Mas se o produto for nacionalizado, as regras do REACH serão aplicáveis. 2º Passo: Pelos Trading Commercial Supporters Os Trading Commercial Supporters devem verificar todos os RECAPs para adequação sobre a informação do número CAS da substância. Todos os contratos devem ser analisados para verificação das cláusulas referentes à legislação REACH e do número CAS da substância. Em caso de dúvidas sobre tais cláusulas e o número, os Trading Commercial Supporters devem encaminhá-las ao GT do REACH para avaliação. As alterações, caso 3

4 recomendadas, devem ser encaminhadas ao fornecedor para que efetue as correções apropriadas. Os Trading Commercial Supporters devem elaborar o inventário (agora denominado inventory of trading deals ) de todos os negócios realizados, contendo a origem da carga, nome do fornecedor, nome do produto, número CAS, volume, destino na AEE e cópia da ficha de segurança do produto. Tais informações devem ser mantidas em planilhas para fins de controle. Além disso, os Contratos e RECAPs devem ser mantidos nos sistemas de registros de contratos e devem estar acessíveis para fins de eventuais inspeções. 3º Passo: Pelos Trading Operators Todas as cargas colocadas no Mercado da AEE devem estar acompanhadas de fichas de segurança de produto (SDS ou e-sds) como exigência de classificação de perigo da substância na forma das regulações REACH e CLP. Os Trading Operators devem verificar e certificar-se de que a instrução documentária encaminhada ao fornecedor contém a exigência das fichas de segurança de produto com o cumprimento das exigências legais. As fichas deverão acompanhar o carregamento e suas cópias devem ser encaminhadas ao comprador para os controles pertinentes. Na AEE são exigidas as SDS ou e-sds das substâncias químicas. As SDS envolvem substâncias não isentas pelo REACH, enquanto as e-sds são fichas onde estão inclusas informações sobre cenários de exposição de riscos e perigos. As e-sds são exigidas para substâncias produzidas ou importadas para a União Europeia com peso acima de 10 toneladas/ano e classificadas como perigosas. As SDS e e-sds devem ser verificadas para confirmar sua adequação ao RECAP e ao Contrato, levando-se em conta o nome da substância, o número CAS, o número de registro (se aplicável), nome do fornecedor e número de itens. Em caso de dúvida, os Trading Operators devem encaminhá-las ao GT do REACH para verificação. Cópias das SDS ou e-sds devem ser mantidas para comprovar o atendimento à legislação. Após a avaliação da ficha de segurança de produto apresentada pelo fornecedor, o Trading Operator deverá adotar os seguintes procedimentos: Se a SDS/e-SDS está adequada, ela deve acompanhar a carga, e uma cópia deve ser mantida no inventário e enviada para a chave de correio interno UKS1 (ou pelo Ela deverá ser encaminhada na cadeia de suprimento em caso da carga ser objeto de nova negociação; Se a SDS/e-SDS não estiver adequada às regulações REACH e CLP, deverá ser solicitada a adequação da ficha ao fornecedor, para, logo após, seguir o procedimento acima explicitado; Se o fornecedor não adequar a ficha de segurança, o Trading Operator deverá informar ao GT do REACH para a adoção das medidas cabíveis. Toda correspondência mantida com o fornecedor sobre as fichas de segurança deve ser arquivada e estar acessível em caso de inspeção. 4

5 Fornecedores poderão, ocasionalmente, encaminhar cópias atualizadas de SDS/e-SDS. Assim, o Trading Operator deve informar ao GT do REACH o recebimento de tais atualizações pela chave de correio interno UKS1 (ou pelo Toda correspondência mantida com o fornecedor sobre as fichas de segurança deve ser arquivada e estar acessível em caso de inspeção. II Procedimentos de venda 1º Passo: Pelos Traders No que diz respeito a substâncias químicas e misturas a serem colocadas no Mercado da AEE, os Traders só podem vender substâncias que tenham sido registradas por Registrantes Petrobras ou que estejam isentas de registro pelas normas do REACH. Alternativamente, o Trader pode também vender uma substância não registrada se o comprador (importador europeu) realizou o registro da substância. O número CAS a ser utilizado, com os demais detalhes do negócio requeridos pelo padrão Petrobras, deve constar no RECAP (sumário das bases negociadas) e no Contrato. Se os Traders tiverem quaisquer dúvidas sobre a situação da substância química pelas regras do REACH, eles poderão saná-las com os membros do Grupo de Trabalho do REACH ou consultando a lista de substâncias registradas disponível na página do REACH no site da Petrobras. Carga armazenada alfandegada em tanques europeus, em que não haja interesse de nacionalização na AEE, não está submetida às exigências do REACH, visto que não é considerada como colocada no mercado da AEE. 2º Passo: Pelos Trading Commercial Supporters Todos os RECAPS devem ser verificados para adequação sobre a informação do número CAS da substância. Todos os contratos devem ser analisados para verificação das cláusulas referentes à legislação REACH e ao número CAS da substância. Caso o comprador demande alterações nas cláusulas referentes à legislação REACH, os Trading Commercial Supporters devem encaminhá-las ao GT do REACH para avaliação. Os Trading Commercial Supporters devem elaborar e manter atualizado o inventário de todos os negócios realizados, contendo a origem da carga, o nome do comprador, o nome do produto, o número CAS, o volume, o destino na AEE e a cópia da ficha de segurança do produto encaminhada ao comprador. Tais informações devem ser mantidas em planilhas para fins de controle. Além disso, os Contratos e RECAPs devem ser mantidos nos sistemas de registros de contratos e devem estar acessíveis para fins de eventuais inspeções. 5

6 3º Passo: Pelos Trading Operators Todas as cargas colocadas no Mercado da AEE devem estar acompanhadas de fichas de segurança de produto (SDS ou e-sds) como exigência de classificação de perigo da substância na forma das regulações REACH e CLP. Os Trading Operators devem verificar e ter certeza de que a instrução documentária enviada ao comprador contenha as fichas de segurança de produto com o cumprimento das exigências legais, que deverão acompanhar o carregamento, devendo uma cópia ser encaminhada ao comprador com cópia para a chave de correio interno UKS1 (ou para o e outra mantida no inventário. Na AEE, são exigidas as SDS ou e-sds das substâncias químicas. As SDS envolvem substâncias não isentas pelo REACH, enquanto as e-sds são fichas onde estão inclusas informações sobre cenários de exposição de riscos e perigos. As e-sds são exigidas para substâncias produzidas ou importadas para a União Europeia com peso acima de 10 toneladas/ano e classificadas como perigosas. As fichas de segurança das substâncias registradas pelos Registrantes Petrobras estão acessíveis nas páginas do REACH e da SMES no site da Petrobras, para consulta e prontas para serem copiadas e encaminhadas aos compradores. Em caso de dúvidas sobre o uso das fichas, deve ser consultado o GT do REACH. Cópias das SDS/e-SDS dos Registrantes Petrobras deverão ser atualizadas sempre que necessário. Assim, os Trading Operators deverão sempre se valer do site da Petrobras, onde estão acessíveis as fichas atualizadas. Toda a correspondência mantida com o comprador sobre as fichas de segurança deve ser arquivada e estar acessível em caso de inspeção. Comercialização A comercialização de substâncias químicas pela Petrobras e suas subsidiárias para clientes, que produzem misturas e artigos colocados no Mercado da AEE, pode ser afetada pelo REACH, já que a legislação exige comunicação na cadeia de suprimento. Assim, a Petrobras pode ser demandada a fornecer informações sobre substâncias e seus eventuais registros. Em caso de tais demandas, deve ser contatado o GT do REACH. O coordenador do GT do REACH é responsável pela emissão das declarações relativas a registros e a outros aspectos do Projeto REACH da Petrobras (REACH e CLP). Auditoria e treinamento para atendimento ao REACH I Auditoria Semestralmente, colaboradores nomeados e membros do GT do REACH deverão auditar o procedimento de atendimento ao REACH e reportar eventuais problemas encontrados à autoridade da área comercial para fins de ação corretiva. 6

7 O procedimento de atendimento ao REACH está estruturado nas Diretivas de Atendimento do REACH e neste documento, sem exclusão das definições e obrigações legais contidas na legislação REACH e CLP. O relatório da auditoria deverá ser elaborado e arquivado pelo GT do REACH e mantido acessível para fins de eventuais inspeções. O programa de auditoria deverá ser realizado nos escritórios dos Registrantes Petrobras com base nos inventários de negócios realizados, cópias das fichas de segurança de produto e outros documentos pertinentes às operações comerciais. As auditorias devem verificar também a manutenção e atualização dos registros, matérias referentes aos Fóruns de Troca de Informações Científicas (pagamento de anualidades, alterações nos dossiês sobre as substâncias químicas, atendimento às regras de participação e Letters of Access ). O relatório da auditoria deverá ser encaminhado ao Gerente Geral da área de produto, com cópia ao Gerente Executivo do AB-MC e aos Diretores Gerentes dos Registrantes Petrobras. O relatório servirá como base para procedimentos futuros de auditoria, análise crítica do programa de auditoria, bem como para monitoramento e desenvolvimento de tal programa. Cópia do relatório da auditoria deverá ser mantido pelos Registrantes Petrobras para fins de inspeções internas e externas nos pertinentes meios de controle, que também deverão conter: 1. Contrato de constituição de Representante Exclusivo ( Only Representative Agreement ); 2. Contratos com Fóruns de Troca de Informações Científicas ou consórcios ( SIEF / Consortia Agreements ); 3. Faturas ( Invoices ); 4. Fichas de Segurança de Produtos (SDS /e-sds); 5. Correspondência trocada na cadeia de suprimento e com autoridades ( Records of communication with manufacturers, suppliers, clients and authorities ); 6. Relatórios de registros na ECHA ( REACH-IT dossier summary ); 7. Relatório de atualização de dossiês de registro; e 8. Inventário de negócios realizados.. II - Treinamento Duas vezes ao ano, os empregados envolvidos com trading e comercialização de substâncias químicas colocadas no Mercado da AEE deverão ser treinados para atender às regras do REACH e do CLP. O treinamento deve preferencialmente coincidir com os períodos de auditoria. 7

ATENDIMENTO AO REACH PELA PETROBRAS. Diretrizes

ATENDIMENTO AO REACH PELA PETROBRAS. Diretrizes ATENDIMENTO AO REACH PELA PETROBRAS Diretrizes 2012 Conteúdo Cláusula Página 1. Origem da Legislação...2 2. Alinhamento da PETROBRAS ao REACH...2 3. O que está abrangido pelo REACH e CLP?...3 4. O que

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF 1 REACH REGISTER EVALUATION AUTHORIZATION OF CHEMICALS RESTRICTION 2 O que é o REACH?

Leia mais

Artigo - Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos e a responsabilidade social das empresas

Artigo - Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos e a responsabilidade social das empresas 28-11-2012 Revista Téchne Artigo - Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos e a responsabilidade social das empresas Fabriciano Pinheiro - Diretor de Gerenciamento de risco toxicológico da

Leia mais

REACH na Indústria Cimenteira. Cláudia Neto Secil, S.A.

REACH na Indústria Cimenteira. Cláudia Neto Secil, S.A. REACH na Indústria Cimenteira Cláudia Neto Secil, S.A. Principais desafios para a indústria Identificar e Caracterizar as substâncias; Documentar o uso dessas substâncias (CSR-Relatório de Segurança dos

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

GUIA RESUMIDO. Partilha de dados

GUIA RESUMIDO. Partilha de dados GUIA RESUMIDO O documento tem por objetivo explicar em termos simples os principais princípios e obrigações relacionados com a partilha de dados e a apresentação conjunta de dossiês 2 Guia Resumido ADVERTÊNCIA

Leia mais

FAQ. Regulamento CLP

FAQ. Regulamento CLP FAQ Regulamento Questões mais frequentes no âmbito do Regulamento n.º 1272/2008 () Versão 2.1 novembro 2012 Índice Âmbito 3 O que é o? 3 Quem é afetado pelo? 3 O que acontece à anterior legislação sobre

Leia mais

A FISPQ e a Responsabilidade Social das Empresas. Andressa Baldi

A FISPQ e a Responsabilidade Social das Empresas. Andressa Baldi A FISPQ e a Responsabilidade Social das Empresas Andressa Baldi Química de P&D na Weber Saint-Gobain. Bacharel em Química Ambiental, IQ-USP/São Paulo. Mestranda do Curso de Engenharia Civil em Construções

Leia mais

REACH: Impactos do REACH e reação do setor privado do NAFTA Palestrante: Edgar Rodriguez Sierra, ASHM

REACH: Impactos do REACH e reação do setor privado do NAFTA Palestrante: Edgar Rodriguez Sierra, ASHM REACH: Impactos do REACH e reação do setor privado do NAFTA Palestrante: Edgar Rodriguez Sierra, ASHM REACH Registration (Registo) Evaluation (Avaliação) Authorisation and Restriction of (Autorização e

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A.

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. (POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE APROVADA NA RCA DE 2002) FINALIDADE A política de divulgação de Ato ou Fato Relevante da Unipar observará

Leia mais

REACH-IT Manual de Utilização para a Indústria

REACH-IT Manual de Utilização para a Indústria REACH-IT Manual de Utilização para a Indústria Parte 08 - Facturação REACH-IT Manual de Utilização para a Indústria Parte 08 - Facturação Versão: 2.1 Página 1 de 23 2 REACH-IT Manual de Utilização para

Leia mais

Manual de Apresentação de Dados. Parte 21 - Como preparar e apresentar um relatório de utilizador a jusante através da IUCLID 5

Manual de Apresentação de Dados. Parte 21 - Como preparar e apresentar um relatório de utilizador a jusante através da IUCLID 5 Histórico do documento Versão Alterações 1.0 Primeira versão Referência: ECHA-11-B-02-PT Data de publicação: Abril de 2011 Idioma: Português Se tiver questões ou comentários relacionados com este documento,

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

Lisboa, 02 de Dezembro 2014

Lisboa, 02 de Dezembro 2014 JOSÉ BARARDO RIBEIRO Lisboa, 02 de Dezembro 2014 TODO O INDIVÍDUO TEM DIREITO À VIDA, À LIBERDADE E À SEGURANÇA PESSOAL (Artigo 3º, Declaração Universal dos Direitos Humanos, Nações Unidas, 10 de Dezembro

Leia mais

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC CONDUZINDO E EXPANDINDO NOSSOS NEGÓCIOSDE UMA MANEIRA RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL HSEC APPROACH INTRODUCAO SOBRE NÓS A Trafigura é líder no mercado global de commodities. Suprimos,

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Atuação do INMETRO para minimizar os impactos do REACH

Atuação do INMETRO para minimizar os impactos do REACH Atuação do INMETRO e suas ações a para minimizar os impactos do REACH Elizabeth Cavalcanti Brasília, 07 de abril de 2009 INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL PROVER

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

2ª Edição Abril de 2013

2ª Edição Abril de 2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CERTIF SERVIÇO DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO E BOMBAS DE CALOR QUE CONTENHAM GASES FLUORADOS COM EFEITO DE ESTUFA

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis Impactos nas MPE: Redução de vendas Redução de mercados Férias coletivas Perda

Leia mais

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064 TIPO: Instrução ELABORADOR: 45841 - Rodrigo de Campos DATA ORIGINAL: 18/11/2008 PUBLICADOR: 45519 - Vinicius Siqueira Campos Cheliga DATA REVISÃO: 30/09/2011 ÁREA EMITENTE: SGI DATA EXPIRAÇÃO: 30/09/2013

Leia mais

ISO 14.001 SGA AUDITORIA AMBIENTAL

ISO 14.001 SGA AUDITORIA AMBIENTAL ISO 14.001 SGA AUDITORIA AMBIENTAL CENÁRIO Programa internacional: Países desenvolvidos Conservação dos recursos naturais; Medidas preventivas para garantir a sustentabilidade da geração futura. CENÁRIO

Leia mais

China Link Trading Solutions HK LTD. Jiangsu Litian New Material Co. Ltd.

China Link Trading Solutions HK LTD. Jiangsu Litian New Material Co. Ltd. China Link Trading Solutions HK LTD Jiangsu Litian New Material Co. Ltd. Julho/2013 RESULTADO: APROVADO Inspetor: Fernando Contreras Data: Sexta- feira, 6 de julho de 2013 Empresa: JIANGSU LITIAN NEW MATERIAL

Leia mais

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012 Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Celso Borges Zaccaria, Diretor da Garantia da Qualidade

Leia mais

PRÁTICA 1) TÍTULO: Gestão da Documentação das Unidades Operacionais

PRÁTICA 1) TÍTULO: Gestão da Documentação das Unidades Operacionais PRÁTICA 1) TÍTULO: Gestão da Documentação das Unidades Operacionais 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA 2.1 A Liquigás A Liquigás Distribuidora S/A, empresa do sistema Petrobras, atua no engarrafamento, distribuição

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) CRÉDITO PRESUMIDO DE ICMS DO ESTADO DO PARANÁ INTEGRA A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS.... 2 B) CRÉDITO PRESUMIDO DE ESTOQUE DE ABERTURA SOMENTE

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Prova de Informática Petróleo e Gás PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA PETRÓLEO & GÁS

Prova de Informática Petróleo e Gás PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA PETRÓLEO & GÁS PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA PETRÓLEO & GÁS 1 Sumário 1.0 - Curso de Petróleo e Gás...3 1.1 O Profissional...3 1.2 Mercado De Trabalho...3 1.3 O Curso...4 2.0 Informações sobre Petróleo e Gás...5 2.1 Dados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 Tipo: PROCEDIMENTO Data: 29/08/2015 Título: CLÁUSULA ANTICORRUPÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 Tipo: PROCEDIMENTO Data: 29/08/2015 Título: CLÁUSULA ANTICORRUPÇÃO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Página: 1/5 1 OBJETIVO Em observância à Política Anticorrupção adotada pela NM ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. (a Política Anticorrupção ), o modelo de cláusula a seguir deve

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E QUALIDADE - SASSMAQ SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 OBJETIVO...4 2 DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS...4 3 HISTÓRICO DAS REVISÕES...5

Leia mais

Gun Jumping. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo. 30 de outubro de 2014. Conselheiro do CADE

Gun Jumping. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo. 30 de outubro de 2014. Conselheiro do CADE Gun Jumping Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE 30 de outubro de 2014 Sumário 1. Período de Mudança: alterações na legislação e no sistema de análise de atos de concentração 2. Mercados

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados

MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados As informações contidas neste documento são proprietárias e para uso confidencial dos destinatários explicitados. Propriedade

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

Request for Proposal RFP Termos Gerais

Request for Proposal RFP Termos Gerais Request for Proposal RFP Termos Gerais RFP Serviços de telefonia fixa - Suporte Técnico e Operacional de Sumário Serviços PABX de Pequeno Porte Introdução... 2 1. Objetivo... 2 2. Termos e Condições...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE COMPRA DE BENS E SERVIÇOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE COMPRA DE BENS E SERVIÇOS Gerente de 1. INTRODUÇÃO O Procedimento de Compra de Bens e Serviços tem por objetivo regulamentar o processo de compra de bens e serviços.. ESCOPO Compra de Bens e Serviços 3. CAMPO DE APLICAÇÃO Área

Leia mais

3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão e pelo cancelamento desta norma é da Dqual/Divec.

3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão e pelo cancelamento desta norma é da Dqual/Divec. PROCEDIMENTO PARA AUDITORIA DAS ATIVIDADES DA ÁREA DA QUALIDADE EXECUTADA NA RBMLQ-I NORMA N o NIT-DIVEC-006 APROVADA EM AGO/2010 N o 1/13 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidade 4. Histórico

Leia mais

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação INSPEÇÃO SUBMARINA - MEDIÇÃO DE ESPESSURA DE PAREDE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. CONTEC Comissão de Normas Técnicas

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

Entendendo e Configurando CFOP UDERSON LUIS FERMINO

Entendendo e Configurando CFOP UDERSON LUIS FERMINO Sumario: Neste trabalho, dando continuidade ao tema em questão, serão relacionados os CFOP utilizados nas operações de saídas de mercadorias ou bens e nas realizações de serviços de transporte (interestaduais

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas.

Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistemas de Gestão Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-74-24

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ChIR: Mestrado Erasmus Mundus em Inovação Química e Regulamentação

ChIR: Mestrado Erasmus Mundus em Inovação Química e Regulamentação ChIR: Mestrado Erasmus Mundus em Inovação Química e Regulamentação Mestrado Erasmus Mundus em Qualidade em Análises Isabel Cavaco Universidade do Algarve Maio 2013 1 PARA QUEM? Licenciados em: Biologia

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SAÍDA Sumário 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho, dando continuidade

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

CURSO ONLINE e PRESENCIAL - TERMO CONTRATUAL. Os signatários firmam o presente CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS DE IDIOMAS (POR ADESÃO).

CURSO ONLINE e PRESENCIAL - TERMO CONTRATUAL. Os signatários firmam o presente CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS DE IDIOMAS (POR ADESÃO). CURSO ONLINE e PRESENCIAL - TERMO CONTRATUAL Os signatários firmam o presente CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS DE IDIOMAS (POR ADESÃO). 1) DO OBJETO 1.1) O objeto do presente acordo é a ministração

Leia mais

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP Tabelas práticas TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços As operações praticadas pelos contribuintes do

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.719, DE 2014 Altera a legislação tributária facultando que as mercadorias vendidas com fim específico de exportação sejam

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO CFOP IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZA- ÇÃO OU PRESTAÇÃO DE

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

INSPEÇÃO VEICULAR PARA KIT GNV PREÂMBULO

INSPEÇÃO VEICULAR PARA KIT GNV PREÂMBULO INSPEÇÃO VEICULAR PARA KIT GNV PREÂMBULO Termo de Participação via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual nº 28.397

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS CLÁUSULA OITAVA - SIGILO E CONFIDENCIALIDADE 8.1 - Cada Partícipe se compromete em manter sigilo sobre as informações trocadas e geradas durante a execução das atividades do

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

Catálogo de Cursos 2015

Catálogo de Cursos 2015 Catálogo de Cursos 2015 Tanto do ponto de vista pessoal quanto financeiro, o melhor reconhecimento que um profissional pode ter é o do mercado em que atua. É com esta visão que a Export Manager Trading

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OU ANÁLISE DE RISCOS I. CONCEITUAÇÃO GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PADRÃO 1 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PGR ou ANÁLISE DE RISCOS AR descreve detalhadamente

Leia mais

GRUPO GS EDUCACIONAL

GRUPO GS EDUCACIONAL GRUPO GS EDUCACIONAL Relação de cursos de Comércio Exterior disponíveis no nosso portal 1 Cursos à distância Cursos Completos na Área de Comércio Exterior Curso Completo de Comércio Exterior Este curso

Leia mais

Directiva 2006/121/CE do Parlamento Europeu e do Conselho. de 18 de Dezembro de 2006

Directiva 2006/121/CE do Parlamento Europeu e do Conselho. de 18 de Dezembro de 2006 30.12.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 396/855 Directiva 2006/121/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 18 de Dezembro de 2006 que altera a Directiva 67/548/CEE do Conselho, relativa à aproximação

Leia mais

NOVA CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS: REGULAMENTO CLP

NOVA CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS: REGULAMENTO CLP NOVA CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS: REGULAMENTO CLP pcg@uevora.pt As of 1 st of June 2015 the - cation and labelling of substances and mixtures. tional authorities responsible for their

Leia mais

1. DO OBJETO 2. DA DIVULGAÇÃO

1. DO OBJETO 2. DA DIVULGAÇÃO REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA COMERCIALIZAÇÃO DE MERCADORIAS RECEBIDAS EM DOAÇÃO E AQUISIÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS ÀS AÇÕES DE CARÁTER SOCIAL - PACS Nº 005/07. A Companhia Nacional de Abastecimento

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora/Impostos CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 1.100 2.100

Leia mais

Proposta de Serviços Royale

Proposta de Serviços Royale ANO. 2011 Proposta de Serviços Royale ROYALE SOLUTIONS IMP. E EXP. LTDA. Departamento Fiscal Rua Evangelina, 257 Vl. Carrão Cep.: 03421-000 São Paulo/SP Tel: +55 11 2532.0772 - Fax: +55 11 2537.8143 sales@royalesolutions.com

Leia mais

Barreiras Técnicas às Exportações

Barreiras Técnicas às Exportações Barreiras Técnicas às Exportações 1 Elaboração: Mª José Ramos Peralonso Projeto de Apoio à Inserção Internacional das PME Brasileiras - PAIIPME - EUROPAID/1207077C/SER/BR Tradução e Revisão: Equipe da

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais