Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE"

Transcrição

1 Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011

2 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade até 30 de Junho de Balanço e Demonstrações Financeiras... 8 Balanço em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de Activo... 9 Balanço em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de 2010 Capital e Passivo Contas extra-patrimoniais em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de Demonstração de resultados em 30 de Junho de 2011 e Demonstração dos Fluxos de Caixa em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de Anexos Notas anexas às Demonstrações Financeiras Relatório de Auditoria sobre Informação Semestral Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

3 1 Relatório de Gestão 3 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

4 Enquadramento Geral da actividade até 30 de Junho de 2011 Desempenho do fundo no 1º semestre de 2011 Neste contexto de mercado extremamente volátil e negativo, a estratégia de gestão desenvolvida pela Optimize Investment Partners não permitiu resistir às quedas sofridas pelos mercados, e em particular no mercado europeu. O fundo CARREGOSA TECHNICAL TRADING sofreu assim uma performance negativa de -2,6% no período. Esperamos para o segundo semestre de 2011 uma normalização dos mercados de dívida e de acções na Europa, conduzindo a um clima de investimento menos avesso ao risco, permitindo uma recuperação dos activos dos mercados ocidentais, em particular na Europa. A exposição do fundo será adaptada em consequência. Características Principais do Fundo Entidade Gestora: Optimize Investment Partners SGFIM, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo n Lisboa Capital social de Contribuinte n Início de Actividade do fundo: 31 de Dezembro 2010 Política de Rendimentos: Não distribui rendimentos Comissão de Gestão: 1,0% ao ano, acrescido de uma componente variável Comissão de Depositário: 0,25% ao ano Entidade Depositária: Banco Carregosa, SA Objectivo do fundo: O objectivo principal do Fundo é gerar um retorno absoluto positivo. Através de uma estratégia de investimento não correlacionada com o mercado accionista procura-se igualmente obter retornos superiores ao EONIA Capitalization Index. A estratégia assenta numa lógica de investimento de curto/médio prazo, efectuado essencialmente através de trading diário e intra-diário apoiado em instrumentos de análise técnica e modelos estatísticos. Politica de investimento A política de investimento do fundo procura criar valor para os participantes do OEI independentemente dos mercados accionistas terem uma evolução positiva ou negativa e com uma baixa volatilidade nos resultados obtidos ao longo do tempo. Apesar de a carteira do fundo ser composta essencialmente por acções e derivados cujos subjacentes são acções ou índices de acções, o perfil de risco do OEI e a sua política de investimento é 4 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

5 bastante diferente de um fundo tradicional de acções. O conceito deste fundo aproximase do que se costuma designar por hedge fund. Na prossecução desse objectivo, o Fundo poderá assumir posições de investimento curtas e longas nos instrumentos e activos financeiros descritos seguidamente, principalmente acções, índices de acções ou derivados de acções e índices de acções. A política de investimento basear-se-á se principalmente sobre três tipos de sub-estratégias, utilizadas individualmente ou em conjunto consoante as oportunidades de mercado: Direccional, Curto-prazo e Pair Trading / Market Neutral. Modelos estatísticos e indicadores de análise técnica irão suportar a estratégia de trading de curto/médio prazo que se assumirá muito activa, quer no período diário, quer intradiário. Os principais indicadores de decisão a utilizar serão as linhas de tendência, suportes e resistência, as médias móveis simples de diferentes períodos (21, 89 e 200 dias), Relative Strength Index (RSI), Volume e On Balance Volume (OBV). Outros a acompanhar, embora com menor relevância são: Bollinger Bands, Moving Average Convergence/Divergence (MACD), variação percentual. O Fundo poderá assumir posições curtas e longas sobre a mesma categoria de activos no âmbito de uma estratégia long/short. No entanto, a exposição global do Fundo aos diversos activos poderá exceder o valor dos mesmos, utilizando a alavancagem máxima de 20% permitida pelos produtos derivados. Contudo, nenhuma posição sobre um dado activo poderá representar mais de 20% do Valor Líquido Global do Fundo (VLGF); as posições em activos de moeda estrangeira serão objecto de cobertura cambial na totalidade do investimento; o valor da exposição global direccional aos mercados accionistas não terá limite mínimo e não deverá ser superior a 120% do VLGF, em posições longas e curtas. A liquidez não será incluída para a determinação da exposição global direccional do fundo aos mercados accionistas e deverá ser investida em depósitos a prazo e em fundos de tesouraria. A carteira do OEI será constituída por diversos tipos de activos, designadamente: Acções, warrants e qualquer outro tipo de valor que confira o direito de subscrição de acções, seja convertível em acções ou tenha a remuneração indexada a acções; Exchange Traded Funds (ETF) que, no entendimento da Sociedade Gestora, se coadunem com os objectivos de investimento do Fundo bem como outros instrumentos que permitam a exposição a índices de acções; Instrumentos financeiros derivados cotados em bolsa ou fora de bolsa (Futuros, Opções, CFD s e Warrants); Activos de curto prazo (nomeadamente certificados de depósito, papel comercial, depósitos, aplicações nos mercados interbancários e Bilhetes do Tesouro, denominados em euros ou em moedas estrangeiras). A título acessório, podem fazer parte do património do OEI meios líquidos para fazer face a pagamentos relativos a resgates, ou resultantes da venda de activos do OEI e para posterior reinvestimento. Tratando-se de um fundo em que se prevê um número elevado de transacções diárias, a gestão da liquidez pode constituir um ponto sensível. Assim, o Fundo pode contrair 5 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

6 empréstimos com a duração máxima de 120 dias num período de 1 ano, até ao limite de 10% do seu valor Líquido Global, com a finalidade de gerir necessidades pontuais de liquidez. Para além do acompanhamento intradiário efectuado pelo gestor, serão utilizadas ordens stop, no âmbito de um controlo de risco da gestão baseada em análise técnica, de forma a limitar as perdas em cada operação de compra ou venda. Alocação de activos em 30/06/2011 Fundo Acções de empresas Europeias 42.2% Tesouraria 38.7% Obrigações 14.4% Produtos estruturados 4.0% Derivados 0.7% Evolução comparativa do fundo desde a sua constituição Carregosa Technical Trading EONIA Capitalization Index Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

7 Principais posições do fundo Título Valor em carteira % dos activos Banco Comercial Português SA ,00 17,7% Obrig Parpublica ,03 14,4% Vestas Wind Systems ,50 12,2% SONAE SGPS ,00 8,1% Invest Rev Conv GAM ,00 4,0% GDF Suez ,50 2,6% Zon Multimedia ,50 1,0% Banco BPI S.A ,39 0,6% Lisboa, 7 de Setembro de 2011 O Conselho de Administração da Optimize Investment Partners SGFIM SA 7 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

8 2 Balanço e Demonstrações Financeiras 8 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

9 Balanço em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de Activo ACTIVO Notas Activo Bruto Mais-valias Menos-valias/ /provisões Activo líquido Activo líquido Carteira de títulos Obrigações ,00 0, , ,00 0,00 Acções , , , ,89 0,00 OICVM de acções 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 OICVM de obrigações 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 OICVM de tesouraria 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Outros activos ,00 0, , ,00 0, , , , ,89 0,00 Terceiros Contas de devedores ,89 0,00 0, ,89 0,00 Disponibilidades Depósitos à ordem ,28 0,00 0, , ,00 Acréscimos e diferimentos Acréscimos de proveitos ,60 0,00 0, ,60 0,00 Despesas com custo diferido ,99 0,00 0, ,99 0,00 Outros acréscimos e diferimentos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Contas transitórias activas 0,00 0,00 0,00 0,00 0, ,59 0,00 0, ,59 0,00 Total do Activo , , , , ,00 Número total de unidades de 2.498, , Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

10 Balanço em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de 2010 Capital e Passivo CAPITAL E PASSIVO Notas Capital do OIC Unidades de Participação , ,00 Variações Patrimoniais ,10 0,00 Resultados Transitados 0,00 0,00 Resultado líquido do exercício ,98 0,00 Total do Capital do OIC , ,00 Terceiros Resgate a pagar aos participantes 0,00 0,00 Comissões a pagar 6.434,81 0,00 Outras contas de credores ,11 0,00 Emprestimos obtidos 0,00 0, ,92 0,00 Acréscimos e diferimentos Outros acréscimos e diferimentos ,49 0,00 Total do Passivo ,41 0,00 Total do Capital do OIC e do Passivo , ,00 Valor da unidade de participação 973, , Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

11 Contas extra-patrimoniais em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de 2010 DIREITOS SOBRE TERCEIROS RESPONSABILIDADES PERANTE TERCEIROS Operações Cambiais Operações Cambiais À vista À vista A prazo A prazo Swaps Swaps Opções Opções Futuros Futuros Operações sobre cotações Operações sobre cotações Opções Opções Futuros Futuros ,00 CFD CFD ,39 Total dos direitos 0,00 0,00 Total das responsabilidades ,39 0,00 11 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

12 Demonstração de resultados em 30 de Junho de 2011 e 2010 CUSTOS E PERDAS PROVEITOS E GANHOS Custos e Perdas Correntes Proveitos e Ganhos Correntes Juros e custos equiparados Juros e rendimentos equiparados Da carteira de títulos e outros activos 44,21 0,00 Da carteira de títulos e outros activos 2.172,60 0,00 De operações correntes 7.418,13 0,00 De operações correntes ,17 0,00 Comissões e taxas Rendimento de títulos e outros activos Da carteira de títulos e outros activos ,00 0,00 Da carteira de títulos e outros activos ,26 0,00 Outras, de operações correntes ,71 0,00 Perdas em operações financeiras Ganhos em operações financeiras Na carteira de títulos e outros activos ,40 0,00 Na carteira de títulos e outros activos ,32 0,00 Em operações extrapatrimoniais ,79 0,00 Em operações extrapatrimoniais ,89 0,00 Impostos Impostos sobre rendimentos ,87 0,00 Impostos indirectos 2.676,11 0,00 Outros Custos e Perdas Correntes 0,00 0,00 Outros Proveitos e Ganhos Correntes 0,00 0,00 Custos e Perdas Eventuais Proveitos e Ganhos Eventuais Outros Custos e Perdas Eventuais 0,00 0,00 Outros Proveitos e Ganhos Eventuais 0,00 0,00 Resultado líquido do exercício (positivo) 0,00 0,00 Resultado líquido do exercício (negativo) ,98 0, ,22 0, ,22 0,00 12 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

13 Demonstração dos Fluxos de Caixa em 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de OPERAÇÕES SOBRE AS UNIDADES DO OIC Recebimentos: Subscrição de unidades de participação , ,00 Pagamentos: Resgates de unidades de participação ,00 0,00 Fluxo das operações sobre unidades do OIC , ,00 OPERAÇÕES DA CARTEIRA DE TÍTULOS E OUTROS ACTIVOS Recebimentos: Venda de títulos e outros activos ,14 0,00 Reembolso de títulos 0,00 0,00 Rendimento de títulos e outros activos ,26 0,00 Juros e proveitos similares recebidos 0,00 0,00 Outros recebimentos relacionados com a carteira 0,00 0,00 Pagamentos: Compra de títulos e outros activos ,56 0,00 Juros e custos similares pagos 6.959,89 0,00 Comissões de bolsas suportadas 0,00 0,00 Comissões de corretagem ,40 0,00 Outras taxas e comissões ,51 0,00 Outros pagamentos relacionados com a carteira 4.783,17 0,00 Fluxo das operações da carteira de títulos ,13 0,00 OPERAÇÕES A PRAZO E DE DIVISAS Recebimentos: Operações cambiais ,08 0,00 Operações sobre cotações 0,00 0,00 Margem inicial em contratos de futuros e opções ,21 0,00 Outros recebimentos em operações a prazo e de divisas ,98 0,00 Pagamentos: Operações cambiais ,49 0,00 Operações sobre cotações ,20 0,00 Margem inicial em contratos de futuros e opções ,92 0,00 Outros pagamentos em operações a prazo e de divisas 0,00 0,00 Fluxo das operações a prazo e de divisas ,34 0,00 OPERAÇÕES DE GESTÃO CORRENTE Recebimentos: Juros de depósitos bancários ,42 0,00 Pagamentos: Comissão de gestão 9.044,87 0,00 Comissão de depósito 2.258,10 0,00 Juros devedores de depósitos bancários 0,00 0,00 Impostos e taxas 8.854,92 0,00 Outros pagamentos correntes 0,00 0,00 Fluxo das operações de gestão corrente ,47 0,00 Saldo dos fluxos de caixa do período , ,00 Disponibilidades no ínicio do periodo ,00 0,00 Disponibilidades no fim do periodo , ,00 13 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

14 3 Anexos 14 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

15 Notas anexas às Demonstrações Financeiras Em conformidade com o disposto no Regulamento 16/03 da Comissão do Marcado de Valores Mobiliários discriminam-se, no presente anexo, as informações complementares às Demonstrações Financeiras a 30 de Junho de As notas que se seguem estão expressas em Euros e respeitam à ordem que preconiza o plano de contas dos Organismos de Investimento Colectivo para o Anexo às Demonstrações Financeiras. As notas 2,5,6,7,8,9,10, 11, 12 e 14 não são aplicáveis tendo por conseguinte sido omitidas. Nota 1 - Número de Unidades de Participação emitidas, resgatadas e em circulação no período em referência, bem como a comparação do VLGF e da UP e factos geradores das variações ocorridas: Saldo em Subscrições Resgates Outros Resultado líquido do exercicio Saldo em Valor base , , , ,12 Diferença para o valor base ,57 658, ,10 Resultados acumulados Resultado líquido do exercício , , , , ,00 0, , ,24 Número de unidades de participação 1.467, , , ,00 0, ,18412 Valor da unidade de participação 1.000,0000-0,00 0,00 973,9203 Número de participantes por escalão a 30 de Junho de O número de participantes em função do Valor Liquído Global do Fundo apresenta o seguinte detalhe: Ano Meses Participantes em Superior a 25% 2 - De 10% a 25% 5 - De 5% a 10% 1 - De 2% a 5% 8 - De 0,5% a 2% 16 - Inferior a 0,5% 51 Total 83 Valor Líquido Global do Fundo Valor da Unidade de Participação Número de U.P.'s em circulação 2011 Janeiro , , ,30631 Fevereiro , , ,30631 Março , , ,67641 Abril , , ,48987 Maio , , ,84265 Junho ,24 973, , Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

16 Nota 3 - Inventário da carteira em 30 de Junho de 2011 Activo Valor Aquisição Mais Valias Menos Valias Valor Carteira Juros corridos Soma 1 - VALORES MOBILIÁRIOS COTADOS 11 - Mercado de bolsa da UE Títulos de dívida pública Parpublica 3,25% 12/ , , , , , Acções Acções Nacionais SONAE SGPS , , , ,00 BCP , , , ,00 Banco BPI S.A ,42-0, , ,39 Zon Multimedia ,82 619, , , Acções Estrangeiras GDF Suez , , , ,50 Vestas Wind Systems , , , , VALORES MOBILIÁRIOS NÃO COTADOS 21 - Outros instrumentos de dívida Invest Rev Conv GAM , , , ,00 Total dos valores mobiliários , , , , , , LIQUIDEZ 31 - Mercado Monetário à Vista Depósitos à Ordem Moeda Nacional Conta ordem , , ,28 Total da liquidez , , ,28 Total , , , , , ,20 16 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

17 Nota 4 - Valorização de Activos e Instrumentos Financeiros Cotados e não cotados a) O valor da unidade de participação é calculado diariamente nos dias úteis e determina-se pela divisão do valor líquido global do fundo pelo número de unidades de participação em circulação. O valor líquido global do Fundo é apurado deduzindo à soma dos valores que o integram, o montante de comissões e encargos suportados até ao momento da valorização da carteira. As 17 horas representam o momento relevante do dia para: - Efeitos de valorização dos activos que integram o património do Fundo (incluindo instrumentos derivados) tendo em conta o critério escolhido para efeitos de valorização dos activos que irão compor a carteira do Fundo; - A determinação da composição da carteira que irá ter em conta todas as transacções efectuadas até esse momento. b) O valor das unidades de participação será publicado diariamente c) Os activos denominados em moeda estrangeira serão valorizados diariamente utilizando o câmbio indicativo dado pela Bloomberg. d) As compras de títulos e de direitos de subscrição são registadas, na data de transacção, pelo seu valor efectivo de aquisição e valorizadas diariamente ao seu valor de mercado. e) Contam para efeitos de valorização da unidade de participação para o dia da transacção as operações sobre os valores mobiliários e instrumentos derivados transaccionados para o OIC e confirmadas até ao momento de referência. As subscrições e resgates recebidos em cada dia (referentes a pedidos do dia útil anterior) contam, para efeitos de valorização da unidade de participação, para esse mesmo dia. f) A valorização dos valores mobiliários e instrumentos derivados admitidos à cotação ou negociação em mercados regulamentados será feita com base na última cotação conhecida no momento de referência; g) Não havendo cotação do dia em que se esteja a proceder à valorização, ou não podendo a mesma ser utilizada, designadamente por ser considerada não representativa, tomar-se-á em conta a última cotação de fecho conhecida, desde que a mesma se tenha verificado nos 15 dias anteriores ao dia em que se esteja a proceder à valorização. h) Quando a última cotação tenha ocorrido há mais de 15 dias, os valores mobiliários e instrumentos derivados são considerados como não cotados para efeitos de valorização, aplicando-se o disposto na alínea seguinte. 17 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

18 i) A valorização de valores mobiliários e instrumentos derivados não admitidos à cotação ou negociação em mercados regulamentados será feita com base nos seguintes critérios: as ofertas de compra firmes ou na impossibilidade de obtenção, o valor médio das ofertas de compra e venda, com base na informação difundida através de entidades especializadas, que não se encontrem em relação de domínio ou de grupo com a Sociedade Gestora, nos termos dos artigos 20º e 21º do Código de Valores Mobiliários; modelos teóricos de avaliação, que a Sociedade Gestora considere mais apropriados atendendo às características do activo ou instrumento derivado. A avaliação pode ser efectuada por entidade subcontratada; j) Os valores representativos de dívida de curto prazo serão avaliados com base no reconhecimento diário do juro inerente à operação. k) O critério valorimétrico de saída é FIFO. 18 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

19 Nota 10 - Responsabilidades de e com terceiros a 30 de Junho de 2011 e 31 de Dezembro de 2010 Terceiros - Activo 2011 Margens iniciais em operações futuros 673,63 Margens iniciais em operações CFD ,33 Ajustes de margens em operações de futuros 9.280,00 Ajustes de margens em operações de CFD 6.753, ,86 Operações de bolsa a regularizar , , ,89 Terceiros - Passivo 2011 Comissão de gestão a pagar 2 036,07 Comissão de auditoria 3 690,00 Comissão de depósito a pagar 508,74 Taxa de supervisão 200, ,81 Operações de bolsa a regularizar , ,92 Acréscimos e Diferimentos - Activo 2011 Proveitos a receber de: Operações sobre derivados 2 172,60 Despesas com custo diferido 4 736, ,59 Acréscimos e diferimentos -Passivo 2011 Taxa IES 41,63 Impostos a pagar ,93 Juros e custos sobre operações short 1 308, ,49 19 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

20 Nota 13 - Quadro de exposição ao risco de cotações Acções e Valores Similares Montante (Euro) Extra-patrimoniais Futuros e CFD Opções Saldo Acções ,89 0,00 0, ,89 CFD sobre acções 0, ,39 0, ,39 Total , ,39 0, ,28 Nota 15 Tabela de custos Custos Valor %VLGF Comissão de Gestão ,94 0,497% Componente fixa ,94 0,497% Componente variável - 0,000% Comissão de depósito 2 766,84 0,124% Taxa de Supervisão 1 200,00 0,054% Custos de Auditoria 3 690,00 0,166% Outros Custos 41,63 0,002% TOTAL TAXA GLOBAL CUSTOS (TGC) ,41 0,843% Nota 16 Comparação com o ano anterior Os valores e as rubricas do exercício actual não são comparáveis com os do exercício anterior, dado o Fundo ter iniciado a sua actividade em 31 de Dezembro de O Técnico Oficial de Contas A Administração 20 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

21 4 Relatório de Auditoria sobre Informação Semestral 21 Relatório e Contas Junho de Carregosa Technical Trading

22

23

24

25

Relatório e Contas CARREGOSA BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Relatório e Contas CARREGOSA BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE Relatório e Contas CARREGOSA BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade até 30 de Junho

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO TAXA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA 30.06.2015 1. Política de Investimentos O Património do

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

BPI Portugal. Rentabilidades Anualizadas a 30-06-2011 1 Ano -2.6% 3 Anos -6.1% 5 Anos -4.2% Desde o inicio 5.2% VALORIZAÇÃO

BPI Portugal. Rentabilidades Anualizadas a 30-06-2011 1 Ano -2.6% 3 Anos -6.1% 5 Anos -4.2% Desde o inicio 5.2% VALORIZAÇÃO BPI Portugal VALORIZAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo aberto de acções. Fundo de Acções Nacionais Data de Início: 3 de Janeiro de 1994 Objectivo: Política de Distribuição de Rendimentos: Banco Depositário: Locais

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO CAPITAL - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Acções 30.06.2015 1. Política de Investimentos Tratando-se de um fundo de ações

Leia mais

www.bpinet.pt. www.atrium.pt. Telefone - BPI Directo (800 200 500)

www.bpinet.pt. www.atrium.pt. Telefone - BPI Directo (800 200 500) BPI Brasil Diversificação Tipo de Fundo: Fundo aberto. Fundo Misto Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 Objectivo: Política de distribuição de Rendimentos: Proporcionar aos seus participantes o acesso

Leia mais

Fundo de Fundos. Data de Início: 27 de Junho de 1995 (Alterou significativamente a sua política de investimentos em 18 de Setembro de 2000) Objectivo:

Fundo de Fundos. Data de Início: 27 de Junho de 1995 (Alterou significativamente a sua política de investimentos em 18 de Setembro de 2000) Objectivo: BPI Universal DIVERSIFICAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo de Fundos Data de Início: 27 de Junho de 1995 (Alterou significativamente a sua política de investimentos em 18 de Setembro de 2000) Objectivo: Proporcionar

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO DE CURTO PRAZO - BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE

Leia mais

Relatório e Contas ESPÍRITO SANTO RENDIMENTO

Relatório e Contas ESPÍRITO SANTO RENDIMENTO Relatório e Contas ESPÍRITO SANTO RENDIMENTO 30 de Junho de 2010 1) Caracterização do Fundo a) OBJECTIVO E POLÍTICA DE INVESTIMENTO O Espírito Santo Rendimento Fundo Especial de Investimento, adiante designado

Leia mais

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2010 acompanhadas do Relatório de Auditoria BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Activo Mais-

Leia mais

CARREGOSA TECHNICAL TRADING Fundo Especial de Investimento Aberto Não Harmonizado. Prospecto Completo

CARREGOSA TECHNICAL TRADING Fundo Especial de Investimento Aberto Não Harmonizado. Prospecto Completo CARREGOSA TECHNICAL TRADING Fundo Especial de Investimento Aberto Não Harmonizado Prospecto Completo Documento Actualizado em 08 de Maio de 2012 A autorização do Fundo significa que a CMVM considera a

Leia mais

Relatório e Contas Semestrais 2007

Relatório e Contas Semestrais 2007 Miillllenniium Afforrrro PPR Fundo de IInvesttiimentto Poupança Refforrma Aberrtto Relatório e Contas Semestrais 2007 Millennium bcp Gestão de Fundos de Investimento, S.A. Av. José Malhoa, Nº 27 1070-157

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ESPÍRITO SANTO PLANO POUPANÇA ACÇÕES FUNDO POUPANÇA ACÇÕES

FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ESPÍRITO SANTO PLANO POUPANÇA ACÇÕES FUNDO POUPANÇA ACÇÕES ESAF Espírito Santo Fundos de Investimento Mobiliário, SA ES PP Acções FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ESPÍRITO SANTO PLANO POUPANÇA ACÇÕES FUNDO POUPANÇA ACÇÕES O Espírito Santo Poupança Acções é um

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

Relatório e Contas Anuais 2008

Relatório e Contas Anuais 2008 Miillllenniium Afforrrro PPR Fundo de IInvesttiimentto Poupança Refforrma Aberrtto Relatório e Contas Anuais 2008 Millennium bcp Gestão de Fundos de Investimento, S.A. Av. José Malhoa, Nº 27 1070-157 Lisboa

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F.

RELATÓRIO E CONTAS 31-12-2014. Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado. Promofundo F. E. I. I. F. RELATÓRIO E CONTAS Promofundo - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado 31-12-2014 Promofundo F. E. I. I. F. 1. DESCRIÇÃO DO FUNDO O PROMOFUNDO Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA BPI EURO TAXA FIXA

FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA BPI EURO TAXA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO DE OBRIGAÇÕES DE TAXA FIXA BPI EURO TAXA FIXA RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015 Fundo de Investimento Aberto de Obrigações de Taxa Fixa BPI

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS ANUAL

RELATÓRIO E CONTAS ANUAL RELATÓRIO E CONTAS ANUAL 31 DE DEZEMBRO DE 2012 INFRA INVEST Fundo Especial de Investimento Aberto Banif Gestão de Activos Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, S.A. Sede Social: Rua

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Durante o semestre findo em 30 de Junho de 2010, o movimento no capital do OIC foi o seguinte:

Durante o semestre findo em 30 de Junho de 2010, o movimento no capital do OIC foi o seguinte: INTRODUÇÃO A constituição do BPI Brasil Fundo de Investimento Aberto Flexível (OIC) foi autorizada por deliberação do Conselho Directivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de 21 de Outubro de

Leia mais

PROSPECTO DO OIC/FUNDO

PROSPECTO DO OIC/FUNDO PROSPECTO DO OIC/FUNDO Fundo de Investimento Mobiliário Harmonizado OPTIMIZE EUROPA VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO FLEXÍVEL www.optimize.pt Documento de Actualização: 25 de Setembro de 2015 A autorização

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO LIQUIDEZ

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO LIQUIDEZ RELATÓRIO E CONTAS ESPÍRITO SANTO LIQUIDEZ 30 de Junho de 2012 1. CARACTERIZAÇÃO DO FUNDO a) Objectivo e política de investimento O Espírito Santo Liquidez Fundo Especial de Investimento Aberto, adiante

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 1.1 Enquadramento Geral

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO BES ESTRUTURADO FLEXÍVEL (ICAE NÃO NORMALIZADO) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPECTO SIMPLIFICADO BES ESTRUTURADO FLEXÍVEL (ICAE NÃO NORMALIZADO) PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informação actualizada a: 01/04/2010 Designação Comercial: BES Estruturado Flexível (I.C.A.E. Não Normalizado) Data início de Comercialização do Fundo BES Ouro: 03/03/2008 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

PROSPECTO COMPLETO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO NÃO HARMONIZADO ESPÍRITO SANTO RENDIMENTO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

PROSPECTO COMPLETO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO NÃO HARMONIZADO ESPÍRITO SANTO RENDIMENTO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO NÃO HARMONIZADO ESPÍRITO SANTO RENDIMENTO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Data de Actualização: 10 de Dezembro de 2010 A autorização do Fundo significa que a CMVM

Leia mais

HEDGE FUND INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009

HEDGE FUND INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009 HEDGE FUND INVEST FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009 RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO SEMESTRE FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2009 CONTEÚDO PÁGINA

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Fundos de Investimento Mobiliário Julho 2013 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt

Leia mais

PROSPETO OIA/FUNDO. 06 de novembro de 2015

PROSPETO OIA/FUNDO. 06 de novembro de 2015 PROSPETO OIA/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DE MERCADO MONETÁRIO CAIXA FUNDO MONETÁRIO 06 de novembro de 2015 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não

Leia mais

CAIXA FUNDO MONETÁRIO

CAIXA FUNDO MONETÁRIO PROSPETO OIA/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DE MERCADO MONETÁRIO CAIXA FUNDO MONETÁRIO 18 de setembro de 2015 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não

Leia mais

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existindo o risco de perda dos montantes investidos.

Comissão Mercados e Valores Mobiliários. Existindo o risco de perda dos montantes investidos. Mod. Versão: 42.00 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Poupança Vida BES (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 24/08/2009 Data fim de Comercialização: Em comercialização Empresa

Leia mais

BEST Banco Electrónico de Serviço Total, S.A. Instituto de Seguros de Portugal: Supervisão prudencial

BEST Banco Electrónico de Serviço Total, S.A. Instituto de Seguros de Portugal: Supervisão prudencial Mod. Versão 87-49 Informação actualizada a: 31/08/2012 Designação Comercial: BEST Premium (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 01/08/2011 Data fim de Comercialização: Indeterminada Empresa de Seguros

Leia mais

PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO POSTAL TESOURARIA. 8 de agosto de 2014

PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO POSTAL TESOURARIA. 8 de agosto de 2014 PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO POSTAL TESOURARIA 8 de agosto de 2014 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não envolvendo

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

Pertence ao Grupo Banco Espírito Santo S.A. e ao Grupo Crédit Agricole S.A. Capital Poupança Activa Plano BES Jovem (I.C.A.E.)

Pertence ao Grupo Banco Espírito Santo S.A. e ao Grupo Crédit Agricole S.A. Capital Poupança Activa Plano BES Jovem (I.C.A.E.) Mod. Versão 90-25 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Capital Poupança Activa Plano BES Jovem (I.C.A.E.) Data início de Comercialização: 10/04/2006 Data fim de Comercialização: 28/02/2007

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA INTRODUÇÃO 1. Nos termos da legislação aplicável, apresentamos a Certificação Legal das Contas e Relatório de Auditoria sobre a informação financeira contida no Relatório de gestão

Leia mais

1.1 ÂMBITO E ENQUADRAMENTO DOS FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO

1.1 ÂMBITO E ENQUADRAMENTO DOS FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 ÂMBITO E ENQUADRAMENTO DOS FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO O Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro (doravante DLCR), alterou o regime jurídico das sociedades de capital de risco

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO SANTANDER ACÇÕES PORTUGAL RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO SANTANDER ACÇÕES PORTUGAL RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO SANTANDER ACÇÕES PORTUGAL RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

PROSPECTO COMPLETO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO CAIXAGEST RENDA MENSAL. 26 de Setembro de 2005

PROSPECTO COMPLETO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO CAIXAGEST RENDA MENSAL. 26 de Setembro de 2005 PROSPECTO COMPLETO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO CAIXAGEST RENDA MENSAL 26 de Setembro de 2005 A autorização do fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme com a legislação

Leia mais

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 200 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

PROSPECTO DO OIC/FUNDO

PROSPECTO DO OIC/FUNDO PROSPECTO DO OIC/FUNDO Fundo de Investimento Mobiliário Harmonizado OPTIMIZE EUROPA OBRIGAÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO DE OBRIGAÇÕES www.optimize.pt Documento de Actualização: 1 de Julho de 2015 A

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

BPN DIVERSIFICAÇÃO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO

BPN DIVERSIFICAÇÃO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO BPN DIVERSIFICAÇÃO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO PROSPECTO SIMPLIFICADO DO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO Actualizado em 10 de Maio de 2011 Fundo autorizado pela CMVM em 11 de Novembro de 2004 e constituído

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

PROSPECTO COMPLETO. BPI EURO GRANDES CAPITALIZAÇÕES Fundo de Investimento Aberto de Acções

PROSPECTO COMPLETO. BPI EURO GRANDES CAPITALIZAÇÕES Fundo de Investimento Aberto de Acções PROSPECTO COMPLETO OIC ABERTO BPI EURO GRANDES CAPITALIZAÇÕES Fundo de Investimento Aberto de Acções Fundo Harmonizado 22 de Novembro de 2012 1/19 A autorização do OIC significa que a CMVM considera a

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO CAIXAGEST LIQUIDEZ. 06 de novembro de 2015

PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO CAIXAGEST LIQUIDEZ. 06 de novembro de 2015 PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO CAIXAGEST LIQUIDEZ 06 de novembro de 2015 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não envolvendo

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS SPORTING PORTUGAL FUND FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO FECHADO

ESAF Fundos de Investimento Mobiliário RELATÓRIO E CONTAS SPORTING PORTUGAL FUND FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO FECHADO RELATÓRIO E CONTAS SPORTING PORTUGAL FUND FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO FECHADO 30 de Junho de 2012 1. DESCRIÇÃO DO FUNDO O SPORTING PORTUGAL FUND Fundo Especial de Investimento Mobiliário

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

Produto Financeiro Complexo

Produto Financeiro Complexo Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPETO SIMPLIFICADO (atualizado a 8 de fevereiro de 2013) Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras Autoridades de supervisão Reclamações BBVA Unit-Linked,

Leia mais

BBVA Multifundo Alternativo FEI Relatório & Contas a 31/12/2006

BBVA Multifundo Alternativo FEI Relatório & Contas a 31/12/2006 BBVA Multifundo Alternativo FEI Relatório & Contas a 31/12/2006 ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO FUNDO.. Denominação BBVA Multifundo Alternativo - FEI Tipo de Fundo Fundo Especial de Investimento Aberto Data

Leia mais

PROSPECTO DO OIC/FUNDO

PROSPECTO DO OIC/FUNDO PROSPECTO DO OIC/FUNDO Fundo de Investimento Mobiliário Harmonizado OPTIMIZE EUROPA OBRIGAÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO ABERTO DE OBRIGAÇÕES www.optimize.pt Documento de Actualização: 25 de Setembro de 2015

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008 PARVEST USA LS30 Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável O subfundo Parvest USA LS30 foi lançado a 30 de Outubro de 2007. Prospecto simplificado Abril de 2008 Este prospecto

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO EURO HEALTHCARE FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DE ACÇÕES 30.06.2015 1. Política de Investimentos A política de investimento

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 27 de Setembro de 2010

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 27 de Setembro de 2010 A LEITURA DESTE PROSPECTO NÃO DISPENSA A CONSULTA DO PROSPECTO COMPLETO DO FUNDO* E DEVE SER ACOMPANHADA PELA DEFINIÇÃO DOS TERMOS CONSTANTES DO GLOSSÁRIO (identificados com *). TIPO / DURAÇÃO INÍCIO DE

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DE POUPANÇA REFORMA BPI POUPANÇA ACÇÕES

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DE POUPANÇA REFORMA BPI POUPANÇA ACÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO DE POUPANÇA REFORMA BPI POUPANÇA ACÇÕES RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO

Leia mais

PROSPECTO DO OIC/FUNDO. BPI IBÉRIA Fundo de Investimento Aberto de Acções

PROSPECTO DO OIC/FUNDO. BPI IBÉRIA Fundo de Investimento Aberto de Acções PROSPECTO DO OIC/FUNDO OIC ABERTO BPI IBÉRIA Fundo de Investimento Aberto de Acções Fundo Harmonizado 3 de Março de 2015 1/22 A autorização do OIC pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não envolvendo

Leia mais

BPN DIVERSIFICAÇÃO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO

BPN DIVERSIFICAÇÃO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO BPN Fundos - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, S.A. BPN DIVERSIFICAÇÃO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO PROSPECTO SIMPLIFICADO DO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO Fundo autorizado pela

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO BPI BRASIL VALOR

FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO BPI BRASIL VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO ALTERNATIVO ABERTO BPI BRASIL VALOR RELATÓRIO E CONTAS REFERENTE AO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2015 ÍNDICE CONTEÚDO PÁGINA I - RELATÓRIO DE GESTÃO 3 II - RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

CAPÍTULO 4. Conteúdo e regras de movimentação das contas

CAPÍTULO 4. Conteúdo e regras de movimentação das contas CAPÍTULO 4 Conteúdo e regras de movimentação das contas 4.1 - Considerações gerais - A normalização do sistema contabilístico não se limita apenas à identificação da lista das contas, do conteúdo e forma

Leia mais

PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO CAIXAGEST LIQUIDEZ. 1 de julho de 2015

PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO CAIXAGEST LIQUIDEZ. 1 de julho de 2015 PROSPETO OIC/FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ABERTO DO MERCADO MONETÁRIO CAIXAGEST LIQUIDEZ 1 de julho de 2015 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade, não envolvendo

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Caixa Eurostoxx Down maio 2015_PFC Classificação Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital O Caixa Eurostoxx Down maio 2015 é um depósito indexado

Leia mais

PROSPECTO COMPLETO. Popular Acções Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Acções

PROSPECTO COMPLETO. Popular Acções Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Acções PROSPECTO COMPLETO Popular Acções Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Acções Fundo Harmonizado 19 de Abril de 2012 A autorização do Fundo significa que a CMVM considera a sua constituição conforme

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO OIA/FUNDO. Fundo de Investimento Alternativo em Valores Mobiliários. 19 de fevereiro de 2015

REGULAMENTO DE GESTÃO OIA/FUNDO. Fundo de Investimento Alternativo em Valores Mobiliários. 19 de fevereiro de 2015 REGULAMENTO DE GESTÃO OIA/FUNDO CAIXAGEST PRIVATE EQUITY Fundo de Investimento Alternativo em Valores Mobiliários 19 de fevereiro de 2015 A autorização do Fundo pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade,

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais