UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PSICANÁLISE, SAÚDE E SOCIEDADE VANESSA MENDES CARDOSO ESCOBAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PSICANÁLISE, SAÚDE E SOCIEDADE VANESSA MENDES CARDOSO ESCOBAR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PSICANÁLISE, SAÚDE E SOCIEDADE VANESSA MENDES CARDOSO ESCOBAR UM ESTUDO SOBRE A FUNÇÃO MATERNA NA CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS PRECOCEMENTE ATINGIDOS POR DEFICIÊNCIA ORGÂNICA. Rio de Janeiro 2012

2 VANESSA MENDES CARDOSO ESCOBAR UM ESTUDO SOBRE A FUNÇÃO MATERNA NA CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS PRECOCEMENTE ATINGIDOS POR DEFICIÊNCIA. Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação Stricto Sensu do Mestrado Profissional em Psicanálise, Saúde e Sociedade da Universidade Veiga de Almeida, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Psicanálise, Saúde e Sociedade. Área de concentração: Psicanálise e Saúde. ORIENTADORA: Professora Drª. Vera Pollo Rio de Janeiro 2012

3 DIRETORIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU E DE PESQUISA Rua Ibituruna, 108 Maracanã Rio de Janeiro RJ Tel.: (21) (21) FICHA CATALOGRÁFICA E19e FICHA CATALOGRÁFICA Escobar, Vanessa Mendes Cardoso Um estudo sobre a função materna na constituição de sujeitos precocemente atingidos por deficiência / Vanessa Mendes Cardoso Escobar, f ; 30 cm. Dissertação (Mestrado) Universidade Veiga de Almeida, Mestrado Profissional em Psicanálise, Saúde e Sociedade, Rio de Janeiro, Orientação: Prof a. Dr a Vera Pollo 1. Psicanálise. 2. Relações mãe-filho. 3. Transferência (psicologia). I. Pollo, Vera. II. Universidade Veiga de Almeida, Mestrado Profissional em Psicanálise, Saúde e Sociedade. III. Título.. CDD Decs Ficha Catalográfica elaborada pelo Sistema de Bibliotecas da UVA Biblioteca Maria Anunciação Almeida de Carvalho

4 FOLHA DE APROVAÇÃO VANESSA MENDES CARDOSO ESCOBAR UM ESTUDO SOBRE A FUNÇÃO MATERNA NA CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS PRECOCEMENTE ATINGIDOS POR DEFICIÊNCIA. Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação Stricto Sensu do Mestrado Profissional em Psicanálise, Saúde e Sociedade da Universidade Veiga de Almeida, como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Psicanálise, Saúde e Sociedade. Área de concentração: Psicanálise e Saúde. Aprovada em 23 de Outubro de BANCA EXAMINADORA Professora Drª. Vera Pollo Orientadora Doutorado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica RJ. Professora do Mestrado em Psicanálise, Saúde e Sociedade UVA. Professora Drª. Maria Cristina Candal Poli Pós-doutorado em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutorado em Psicologia pela Universite de Paris 13 (Paris-Nord). Professora do Mestrado em Psicanálise, Saúde e Sociedade UVA. Drª. Rosane Braga de Melo Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora do Instituto de Educação da Universidade Federal Rural RJ.

5 Dedico este estudo a todas as crianças com deficiência e suas mães que participaram indiretamente desta pesquisa, e a todas as outras que poderão se beneficiar dos conhecimentos e frutos apresentados neste trabalho, enriquecendo a trajetória da Terapia Ocupacional, enquanto processo de constituição e (re) abilitação do sujeito.

6 AGRADECIMENTOS À minha orientadora e parceira Vera Pollo que, com toda a escuta, paciência, incentivo e apoio, contribuiu para o meu amadurecimento pessoal e profissional durante a elaboração desta dissertação. Ao meu esposo Emilio, por todo o seu amor dedicado, através do companheirismo, cumplicidade, paciência, carinho e muito humor, me incentivando a não desistir, a encarar as dificuldades como desafios e estando sempre ao meu lado nesta batalha. Amor: Freud explica!. À minha querida mãe América, pela escuta das angústias e alegrias ao escrever este trabalho, pelas esporádicas visitas e passeios, trazendo sempre conforto e segurança. Às amigas Juliana e Valquíria, pela escuta das conquistas e derrotas da vida. E à Claudinha, por compartilhar conhecimentos na área da Terapia Ocupacional e na clínica da Psicanálise. Às amizades do Rio de Janeiro: Iza (mulé), Cinara (guria), Rosângela (Rô), Clarinha, Denise, Rafaelle, Elaine, Telminha. Em especial, Ernesto, Bianca, Josênia, Sônia Motta, Márcia e Heloene, que contribuíram com seu conhecimento para me ajudar a refletir sobre a psicanálise. Aos professores do mestrado, em especial Cristina Poli, Fátima Cavalcante e Maria Helena, por me fazerem sentir acolhida nos momentos de dúvida e pela espetacular docência. Às professoras Rosane e Cristina, por terem aceitado o convite para participar da banca. Às crianças e suas mães que participaram indiretamente da pesquisa, em especial Nami, Tânia, Vitória e Márcia, através da troca de experiências durante os atendimentos no CREAP. Ao CREAP, pela vivência profissional que me proporcionou questionar o exercício da função materna em crianças acometidas por uma deficiência. Em especial, aos profissionais Cláudia (Psicóloga), Khrysthianny (Terapeuta Ocupacional), Carol (Fisioterapeuta), Valquíria (Fonoaudióloga) e Adriane (Psicóloga).

7 Terras improdutivas não pedem para ser recuperadas, mas suas potencialidades ocultas para germinar podem florescer quando forem reclamadas. Anne Alvarez

8 RESUMO O presente trabalho teve a finalidade de investigar o exercício da função materna em crianças atingidas precocemente por alguma deficiência orgânica e, a partir disso, demonstrar a importância da escuta de quem exerce esta função, em especial a mãe, buscando um melhor entendimento dos fatores que influenciam a relação mãeinfans e, consequentemente, a constituição de um sujeito. Para tanto, buscamos na teoria da clínica psicanalítica textos de Freud a fim de compreender os conceitos de narcisismo e transferência; textos lacanianos, para abranger os conceitos de Outro primordial, Complexo de Édipo, alienação-separação; e textos winnicottianos para entender os conceitos de preocupação materna primária, holding e objeto. Propondo articular teoria e prática na clínica da Terapia Ocupacional em reabilitação, expomos dois casos clínicos - em recortes de crianças acometidas por deficiências, sendo um caso apresentando a história de uma criança com síndrome de Down e o outro caso apresentando uma criança com diagnóstico de desnutrição severa e surdez neurossensorial. Realizamos uma pesquisa bibliográfica em articulação com uma experiência clínica que nos convoca à reflexão sobre a consideração dos fatores psíquicos implicados no desenvolvimento de uma criança, bem como a escuta dos pais diante do Real de uma deficiência orgânica. O estudo concluiu que a escuta dessas mães no exercício de sua função materna pode contribuir para um redirecionamento do Real da deficiência e, assim, possibilitar que um sujeito possa advir. Palavras-chave: Função materna, deficiência orgânica, criança, mãe, psicanálise.

9 ABSTRACT The present study aimed to investigate the role of maternal exercise on children affected by some early organic deficiency and, from this, to demonstrate the importance of listening to those who exercise this function, especially the mother, seeking a better understanding of the factors that influence the mother-infans relationship and hence the constitution of a subject. Therefore, we seek the psychoanalytic theory of Freud's writings to understand the concepts of narcissism and transference; Lacanian texts to cover the concepts of primordial Other, Oedipus Complex, alienation - separation, and texts winnicottian to understand the concepts of maternal concern primary, holding and object. Proposing linking theory and practice in clinical occupational therapy rehabilitation, we expose two cases - in clippings - of children affected by disabilities, and presenting a case history of a child with Down syndrome and other case presenting a child diagnosed with malnutrition and severe sensorineural deafness. We performed a literature search in conjunction with a clinical experience that calls us to reflection on the consideration of psychological factors involved in the development of a child and listening to parents before a Real organic deficiency. The study found that listening to these mothers in the exercise of their maternal role may contribute to a redirection of Real deficiency and thus enable a subject may arise. Key Words: maternal function, dysfunction, child, mother, psychoanalysis.

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DEFICIÊNCIA: DA VISÃO BIOMÉDICA À PSICANÁLISE A deficiência na constituição do ser humano As vicissitudes causadas pela deficiência no desenvolvimento DIÁLOGOS DA TERAPIA OCUPACIONAL E A PSICANÁLISE 3.1. Conceituando a profissão A Terapia Ocupacional diferenciada pela escuta psicanalítica A Estimulação Precoce A Terapia Ocupacional Psicodinâmica A TEORIA PSICANALÍTICA DA CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO O Narcisismo Materno segundo Sigmund Freud A Maternagem e alguns conceitos correlatos na teoria de Winnicott O Outro primordial na concepção de Jaques Lacan A TRANSFERÊNCIA NA RELAÇÃO TERAPEUTA PACIENTE O manejo da transferência na Terapia Ocupacional A FUNÇÃO MATERNA A importância da Função Materna na constituição do sujeito Os três tempos do Complexo de Édipo Alienação e Separação O impacto da deficiência orgânica no exercício da Função Materna CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

11 11 INTRODUÇÃO Na área da psicanálise, o interesse pelos bebês data muitos anos atrás, desde os primórdios da própria clínica psicanalítica. Freud chamou a atenção para a formação do psiquismo e foi pioneiro ao afirmar a importância da infância do homem. Se mencionarmos especificamente o bebê, já em Projeto para uma Psicologia Científica (1895), ele citava o desamparo do bebê como ponto de abertura do ser humano para a cultura. Em sua trajetória, René Spitz ( ) realizou suas famosas pesquisas sobre efeitos do abandono, bem como propôs a noção de organizadores psíquicos. Já Donald W. Winnicott ( ) promoveu a ideia de prevenção, inspirado nas funções maternas. Enquanto que Jacques Lacan ( ) tornou notável o conceito de constituição do sujeito, um marco para o entendimento da relação entre ser e linguagem. Ao afirmarmos que a criança é um sujeito em constituição, aprendemos com Lacan a discernir que não estamos nos referindo apenas à realidade de sua imaturidade orgânica em desenvolvimento, mas especialmente ao sujeito do desejo, aquele descoberto por Freud nos sonhos, chistes e atos falhos, e por Lacan, na linguagem, através dos significantes surgidos pela operação da castração. Desejo para o ser humano é um estado que pressupõe a vivência de uma perda, uma falta, que pode ser manifestada pela busca da autossuficiência e da imortalidade, uma vez constatada sua fragilidade. A criança, por conseguinte, é frágil, depende dos pais para sua alimentação e todas as outras necessidades básicas de sua vida; e no aspecto psíquico, é na relação com os pais que ela vai se experimentando, colocando no mundo a expressão de sua ação e seu desejo. Se pensarmos sobre o desenvolvimento normal de uma criança percebemos que entre ela e seus pais se estabelece uma relação dialética entre o desejo dela e o desejo deles. Para ascender à posição desejante, independente das condições deficitárias reais às quais alguém possa estar submetido, a relação com o Outro se deve fazer propiciadora do estado necessário ao devir de sujeito na criança, a partir de uma suposição de sua existência. É o que de costume as mães, ou quem se ocupa da função materna, fazem com os bebês, ou seja, em algum momento resolvem entender uma manifestação qualquer da criança, que por vezes ainda não fala, como um apelo de sua própria

12 12 autoria, e podem endereçar a ela uma pergunta fundamental: O que você quer?. É notável que esta tão constitutiva pergunta formada com poucas palavras ( O que você quer? ) muitas vezes não é feita pelos pais às crianças com deficiência orgânica, como se a elas não fosse possível saber, enquanto saber que se diferencia do que esperam seus pais, dada sua condição orgânica. Ocorre que nem sempre o contexto que envolve a chegada de uma criança ao mundo é passível de uma oferta favorável ao seu pleno surgimento como sujeito desejante. Esse contexto ao qual nos referimos está condensado de significantes que antecedem o nascimento do bebê e do que o bebê real oferece, correspondendo ou não ao bebê esperado pelos pais. Entretanto, como pensarmos que o filho desejado e idealizado não será o filho real? E quando a criança nasce com necessidades ainda maiores, por apresentar algum tipo de deficiência orgânica? Diante destes questionamentos, inferimos que o nascimento de um bebê com deficiência orgânica pode trazer profundas implicações na constituição do vínculo inicial mãe-bebê. A chegada desse bebê que, no melhor dos casos, seria o da expectativa da vivência de grande gratificação narcísica, passa a ser a de uma desilusão, às vezes insuportável. Além do que o diagnóstico e prognóstico médicos marcam a criança no registro do discurso do Outro e, do lado dos pais, um luto deverá ser elaborado, o da perda da criança imaginária perfeita. Se há o impacto pela incidência de uma condição real que trai imediatamente essa expectativa, pode ocorrer que a criança nem seja imaginarizada como tal e a possibilidade de perpetuação de si e da realização de sonhos através de um filho pode ser prejudicada, pois o bebê real é impossibilitado de corresponder aos ideais parentais devido à deficiência orgânica. Neste sentido, compreender o contexto em que a criança está precocemente marcada pela deficiência implica a consideração e articulação de dois modelos em jogo: aquele do discurso médico que nomeia a doença, arrisca o prognóstico e impõe o tratamento, e o da lógica psicanalítica que apreende a criança na estrutura onde ela está capturada desde antes de seu nascimento e onde se constituirá como sujeito falante. Os desafios contemporâneos referentes à deficiência orgânica nos sugerem uma compreensão da relação entre o sujeito e a deficiência dentro de um contexto psicanalítico, considerando a inter-relação e a interdependência destes aspectos.

13 13 Assim, observamos a restrita atenção que se tem dado às condições psíquicas que envolvem o desenvolvimento de uma criança. Atualmente, dispomos de variadas contribuições de base freudiana para nortear o trabalho com bebês e seus pais, nos mais diferentes espaços, seja em hospitais, creches, clínicas e centros de reabilitação. Situar a psicanálise como teoria da clínica do sujeito nas diversas áreas de atenção à primeira infância nos permite considerar a dimensão essencial ao ser humano: sua existência simbólica. Sem a consideração desta dimensão, o cuidado ao bebê pode apresentar risco de ser tomado como objeto de técnicas e exercícios, situação na qual o pequeno ser é fragmentado por especialidades, separado de seus principais cuidadores e posicionado passivamente como objeto de cuidados. A proposta de refletirmos sobre a função materna, tentando caracterizá-la descritivamente e pensar sua validade enquanto função dentro de uma concepção lógica no processo de constituição do sujeito segundo a psicanálise, surgiu então de um campo de experiência no trabalho de estimulação precoce e do estudo de textos psicanalíticos, como os de Freud, Lacan e Winnicott, até algumas contribuições mais recentes de outros teóricos, através de livros e artigos científicos que utilizaram uma abordagem psicanalítica. Partindo de relatos de experiência no Setor de Estimulação Precoce do Centro de Reabilitação do Amapá (CREAP), em que realizamos a estimulação do desenvolvimento neuropsicomotor de crianças na faixa-etária de 0 a 3 anos, constatou-se uma situação recorrente. Algumas crianças, mesmo sendo acompanhadas por toda a equipe de reabilitação do CREAP (Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Musico terapeuta, Psicólogo, Assistente Social e Terapeuta Ocupacional) não apresentavam a evolução esperada em seu tratamento, diferentemente da maior parte das crianças com problemática semelhante e que recebiam o mesmo atendimento. Entretanto, quanto à assistência prestada a esta clientela, a inserção do profissional no setor de estimulação precoce do CREAP nos permitia seguir longitudinalmente o desenvolvimento da criança com base apenas no discurso médico, desconsiderando a necessidade psíquica da criança e sua articulação com a mãe que se depara frente a esse real do corpo do filho marcado pela deficiência, que ainda precisa operar em sua função materna. Assim, percebíamos claramente que as articulações entre o profissional e a mãe restringiam-se às orientações sobre os cuidados básicos (alimentar, carregar,

14 14 vestir, dar banho e brincar), não oportunizando a relação mãe-bebê na evolução da criança. Traços em comum na situação familiar das crianças que não evoluíam começaram e se fazer cada vez mais presentes e a se tornarem entraves neste processo de evolução do tratamento. São crianças para as quais o laço com o Outro estaria comprometido de alguma maneira e as operações relativas aos primeiros tempos de vida, que permitiriam a constituição do sujeito, não ocorreriam ou ocorreriam de forma precária. Assim, a observação dessa recorrência nos permitiu formular a seguinte questão: Como uma insuficiência orgânica sobrevém no exercício da função materna para a constituição da subjetividade da criança? Com essas indagações em mente, o estudo objetivou analisar o exercício da função materna com crianças acometidas precocemente por uma deficiência orgânica. Para tanto, objetivamos identificar e descrever os principais fatores constituintes da função materna; correlacionar os cuidados maternos com as respostas da criança com deficiência orgânica frente a esses cuidados; bem como analisar a influência do exercício desta função na evolução do tratamento da criança com deficiência orgânica. Este estudo foi do tipo exploratório-descritivo, com uma abordagem qualitativa, através de uma pesquisa observacional de crianças na faixa-etária de 0 a 3 anos. Para a coleta e análise dos dados, utilizamos a pesquisa bibliográfica em livros, artigos e sites na internet, além de registro em prontuários, análise de relatórios de atendimento, a escuta casual das mães e a observação da relação mãe-bebê durante o atendimento de Terapia Ocupacional. Neste percurso, no primeiro capítulo partimos da reflexão sobre a questão da deficiência na visão biomédica e a deficiência na sua relação com a Psicanálise, propondo apontar convergências nas duas abordagens, bem como enfatizar suas contribuições no que diz respeito à relação mãe-bebê. No segundo capítulo percorremos o campo de conhecimento da Terapia Ocupacional, apresentando o serviço de estimulação precoce e a intervenção do profissional, bem como buscamos aproximar essa experiência da teoria da clínica psicanalítica, apontando a psicodinâmica como elo entre as duas teorizações. No terceiro capítulo buscamos contextualizar a Psicanálise no campo da relação mãe-bebê, através do conceito de constituição do aparelho psíquico e sua função, bem como a inter-relação entre o psiquismo materno e a constituição do

15 15 psiquismo do bebê. Para tanto, abordamos os conceitos de Narcisismo materno em Freud, Outro Primordial em Lacan e Maternagem em Winnicott. No quarto capítulo abordamos a transferência e o seu manejo na relação terapeuta paciente, buscando articular este conceito psicanalítico com a clínica da Terapia Ocupacional. No quinto capítulo apresentamos a função materna, destacando a unidade criança-cuidados maternos e enfocando, numa perspectiva psicanalítica, através do conceitos de Alienação-Separação e Complexo de Édipo, as possíveis produções de efeitos desta função na constituição do psiquismo da criança acometida por uma deficiência orgânica. A partir do relato dos atendimentos em Terapia Ocupacional de crianças atingidas precocemente por alguma deficiência, inicialmente, apresentamos um breve resumo de dois casos clínicos que serão abordados neste trabalho: um caso de uma criança com diagnóstico de Síndrome de Down e outro caso de uma criança com quadro de desnutrição severa e surdez neurossensorial. No caso Yumi, trazemos a história de uma criança com Síndrome de Down, que foi acompanhada a partir do 1º mês de vida até 1 ano e 11 meses de idade. Trata-se de um caso em que o desejo de filho ainda tenta se estabelecer e que o exercício da função materna caracteriza-se pela dificuldade da mãe em aceitar a deficiência orgânica da filha, o que a faz adotar condutas maternas exageradas de superproteção da criança. A mãe, ainda presa ao bebê imaginário, idealizado, apresenta dificuldades em exercer a função materna com o bebê real (ANEXO 1). E quando as coisas não se passam bem desde o início? Quando as condições são tais que a criança se encontra numa situação de extrema vulnerabilidade? No caso Aline, trazemos a história de uma criança acometida por um quadro clínico de desnutrição do tipo Marasmo e surdez neurossensorial, que foi acompanhada a partir de 1 ano até os 3 anos e 11 meses de idade. Abordaremos um relato de atendimento envolvendo uma criança cujo contexto inicial, até os dezoito meses, foi de extrema precariedade, marcado pela rejeição explícita da mãe biológica, até sua adoção por outra família. Trata-se de um caso em que, mesmo diante de condições muito adversas, essa criança encontrou um Outro (mãe adotiva) que, com o desejo de filho, invocou esta criança a constituir-se sujeito. Com toda a dedicação em exercer sua função materna, a mãe adotiva possibilitou que essa criança se desenvolvesse com todas as suas potencialidades e possibilidades (ANEXO 2).

16 16 É válido ressaltarmos que os casos serão analisados com suas respectivas interpretações no decorrer da apresentação teórica deste trabalho, privilegiando a questão do desejo materno e do discurso familiar articulados à posição que a criança ocupa na estrutura para compreender como se dá o exercício da função materna diante de uma condição de deficiência orgânica. Assim como, também podemos visualizá-los na íntegra nos ANEXOS deste trabalho. Por último formulamos a conclusão, como resultado do recorte efetuado para o desenvolvimento do tema da função materna na constituição do sujeito precocemente atingido por deficiência orgânica, destacando os resultados alcançados, os pontos para aprofundamento, as recomendações e a contribuição da pesquisa. Convidamos o leitor a percorrer estas linhas como uma trilha ao longo da qual a clínica com crianças interroga a psicanálise quanto aos primórdios das inscrições psíquicas. A articulação teórica resultante surge da busca de formalizar e de transpor o vivido para o elaborado. Procuramos, dessa forma, poder partilhar e tornar transmissível esta clínica, prestando e dando conta das consequências de seus fundamentos.

17 17 2. DEFICIÊNCIA: DA VISÃO BIOMÉDICA À PSICANÁLISE A deficiência é uma problemática que tem levado cada vez mais os profissionais de saúde a se interessar pela área e contribuído para importantes debates em relação ao tema. Compreender uma criança enquanto sujeito em constituição marcado pelo Real de uma deficiência orgânica, a partir dos pressupostos freudianos, lacanianos e winnicottianos tem propiciado importantes modificações no campo das ciências biomédicas. Trabalhos realizados sob esse enfoque nos mostram elementos fundamentais a serem considerados: a compreensão da constituição do ser humano como uma interação recíproca entre um organismo biológico e o ambiente que o sustenta; o entendimento da deficiência como uma condição fundamental na constituição dos indivíduos que a têm, e não um acessório a ser corrigido; e a percepção das vicissitudes a que estão expostas essas pessoas. Nos últimos tempos, podemos observar mudanças significativas na área de estudos sobre a deficiência, mudanças no sentido de uma maior valorização e consequente aprofundamento e enriquecimento sobre questões a ela relacionadas. Segundo Amiralian (2003), a problemática da deficiência contribui para importantes debates, tanto em relação ao conceito de deficiência como sobre outros aspectos relacionados ao desenvolvimento, aprendizagem e outros atendimentos a essas pessoas. Diferentes ocorrências têm nos mostrado que nas últimas décadas essa questão tem, cada vez mais, saído do âmbito do assistencialismo e entrado para a academia como uma área de importância para estudos e pesquisas. Para o autor, a deficiência pode assim ser definida: (...) perda ou anormalidade de estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica... Restrição de uma habilidade para desempenhar uma atividade considerada normal para o ser humano... Uma desvantagem... Resultante de uma incapacidade que limitaria ou impediria o desempenho dos papéis esperados para este indivíduo na sociedade... (AMIRALIAN et al, 2000, p.99). No início dos trabalhos sobre o atendimento às pessoas com deficiência, esse tema era assunto de interesse quase exclusivo do meio médico, que analisava as condições biológicas e estudava suas possibilidades de recuperação, ou a reabilitação física de órgãos ou funções lesadas. Os aspectos psicológicos das pessoas com deficiência eram tratados por intermédio da psiquiatria, ou então, na

18 18 psicologia, pelas teorias maturacionais do desenvolvimento, cujo foco era os atrasos causados pelas limitações físicas ou mentais e as técnicas que deveriam ser utilizadas para saná-las. De acordo com Teperman (2005), o papel do médico ao participar de uma equipe interdisciplinar é não acreditar que o saber científico ofereça as únicas coordenadas a respeito da patologia. A outra possibilidade seria o médico ocupar o lugar de suposto saber, decretando o futuro do paciente, dando diagnósticos que parecem rótulos. Kupfer et al (2003) acreditam que o conhecimento do diagnóstico e da patologia de determinada criança não autoriza o profissional a inferir qual o caminho que esta criança percorrerá. E aqui cabe a afirmação: Não há doenças, há doentes. E é importante acrescentarmos que não é o diagnóstico médico o que determina a direção do tratamento, ou seja, não se trata de dizer que a tal síndrome corresponde a tal tratamento, uma vez que cada tratamento em Estimulação Precoce é construído a partir das singularidades de cada caso. Ou, como nos diz Elsa Coriat (1997) que, mesmo que exista um diagnóstico que situa um corpo comprometido, a estruturação subjetiva ocorre a partir do lugar simbólico que é outorgado ao orgânico. A perspectiva de um diagnóstico precoce a partir da constatação do início precoce dos transtornos do desenvolvimento implica a necessidade da realização de um trabalho conjunto com vários profissionais, visando instrumentá-los para notar que algo não vai bem com o bebê, ou seja, para reconhecer certos indicadores, ou sinais. Laznik (1997) privilegia a detecção de dois sinais: o não olhar entre o bebê e sua mãe (sobretudo quando ela parece não se dar conta disso) e o fracasso do circuito pulsional completo; e avalia que estes dois sinais são relativamente simples de observar durante o exame médico. No entanto, diversos estudos demonstram que alguns profissionais de saúde dificilmente reconhecem que pode haver algo, além do orgânico, por trás de uma manifestação sintomática em um bebê. Quando observam que determinado sintoma é fruto de uma resposta do sujeito dificilmente sabem o que fazer com isso. Posteriormente, como uma reação a essa visão, que trazia em seu bojo a crença em que a deficiência era uma condição constitutiva do sujeito, e apenas dele, surgiram os trabalhos baseados em pressupostos comportamentais. Estes, por outro lado, consideravam a importância do ambiente e das relações sociais, e estudavam

19 as dificuldades das pessoas com deficiência como resposta a um comportamento socialmente determinado (AMIRALIAN, 2003). Outros estudos que buscavam a compreensão das várias questões relacionadas à deficiência a partir de uma visão interacionista, posteriores a esses, foram os trabalhos que se desenvolveram sob o referencial piagetiano e psicanalítico. Pensar a criança com deficiência orientada pela psicanálise pressupõe pensar a criança como um sujeito que se constitui, e não apenas se desenvolve, pois a psicanálise, apesar de não negar o orgânico, fala de um corpo, ou seja, um organismo transversalizado pelo desejo. Coube a Freud o mérito de ter sistematizado toda uma teoria da clínica que aponta para o fato de que o ser humano não adoece apenas pelos males do organismo, mas também pelos males da alma. Esta teoria da clínica, que recebe o nome de psicanálise, tem como eixo norteador a noção de inconsciente. Freud (1914) ao escrever o artigo sobre a história do movimento psicanalítico propõe estabelecer claramente os postulados e hipóteses da psicanálise. Para o autor, a psicanálise teve início quando ele deixou de usar a técnica hipnótica e introduziu as associações livres no estudo das neuroses. Além disso, ele ainda afirma que novos fatores se somaram à etiologia sexual das neuroses, como bem destaca com suas palavras: Entre os outros novos fatores que foram acrescentados ao processo catártico como resultado de meu trabalho e que o transformou em psicanálise, posso mencionar em particular a teoria da repressão e da resistência, o reconhecimento da sexualidade infantil e a interpretação e exploração de sonhos como fonte de conhecimento do inconsciente (Ibidem, p. 19). A Psicanálise surge rompendo com a noção vigente, no século XIX, de um homem que se sabe, um homem racional e consciente, e a partir dos trabalhos iniciais de Freud, esta teoria da clínica foi sendo refeita em cada língua, em cada cultura e em cada momento histórico. Nos trabalhos iniciais de Freud sobre a Histeria (1893), o inconsciente foi entendido como um depósito das experiências infantis traumáticas, as quais deveriam ser evitadas a fim de evitarmos as neuroses. O próprio Freud, em 1897, a partir da descoberta das fantasias, ressignifica o conceito de inconsciente e afirma que este não pode ser pensado como algo estático e imutável. 19

20 20 Lacan (1964), por sua vez, estende a psicanálise aos psicóticos, alegando que o que está em jogo não é o fato de o sujeito ser neurótico ou psicótico, mas um ser de diálogo e não um organismo. Para Lacan, por sua vez, o inconsciente é estruturado como uma linguagem, um discurso, de onde provém todo o simbolismo ligado ao nascimento, à parentalidade, ao corpo próprio, à vida e à morte. E nesse sentido o sujeito fala através dos sonhos, dos atos falhos e dos sintomas. E foi a partir da década de 60 que surgiram trabalhos mais específicos no referencial psicanalítico, que buscavam uma melhor compreensão do desenvolvimento psíquico de indivíduos que apresentavam diferentes tipos de deficiência, ou que se preocupavam em apreender os procedimentos terapêuticos mais adequados a essa população. Dentre estes trabalhos, destacamos os desenvolvidos na França por Maud Manonni ([ ] 1995), a partir dos estudos de Lacan e de sua formação como analista, e por Françoise Dolto ([1971] 1996) com crianças que receberam o diagnóstico de deficiência mental e distúrbios globais do desenvolvimento. Sob esse referencial teórico também aqui no Brasil se iniciaram estudos, pesquisas e atendimentos junto às pessoas com deficiência. Embora, de acordo com a percepção de Amiralian (2003), a psicanálise tivesse trazido muitas contribuições para essa área, várias questões permaneciam ainda sem uma solução que pudesse ser considerada satisfatória. As propostas de Winnicott, sobre desenvolvimento e constituição do ser humano, que indicam, segundo Loparic (1996), um novo paradigma para a psicanálise. Esses conceitos, quando aplicados à compreensão e intervenção dessas pessoas, proporcionam, realmente, um novo olhar sobre elas, considerando-as em relação à deficiência. Mesmo não tendo se dedicado especificamente à compreensão de crianças com deficiência, Winnicott (1984) faz referências, em sua descrição do desenvolvimento sadio, a alguns aspectos aplicáveis a crianças com deficiência mental e com deformidades físicas, como no caso de Liro, o menino com sindactilismo, descrito no livro Consultas terapêuticas, e nas referências às diferentes situações que podem ocorrer no processo de desenvolvimento devido à condição de capacidade intelectual rebaixada, quando se refere à mente como um caso especial de funcionamento do psique-soma (WINNICOTT, 1994, p. 410). Refletindo esse percurso no campo de estudos sobre pessoas com deficiência, observamos mudanças que se operaram nos conceitos, e os progressos ocorridos nos vários anos de pesquisa na abordagem deste tema. Os

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO: UM ESTUDO DE CASO NA SEGUNDA INFÂNCIA

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO: UM ESTUDO DE CASO NA SEGUNDA INFÂNCIA DESENVOLVIMENTO COGNITIVO: UM ESTUDO DE CASO NA SEGUNDA INFÂNCIA FONSACA, Kriscieli - UFPB kriscieli@gmail.com ARAÚJO, Diana Sales Lima UFPB diana_araujo@hotmail.com Eixo Temático: Psicopedagogia Agência

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC Nº 952 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA NÚCLEO COMUM Análise do comportamento O método experimental na análise das relações comportamentais complexas:

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Da assistência a educação, uma trajetória

Da assistência a educação, uma trajetória Trabalho (Versão Completa) para mesa-redonda do IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Título: A Função das Educadoras de Creche

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO?

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? 1. O que é Deficiência Intelectual ou Atraso Cognitivo? Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL De 19 a 22 de Julho de 2013 1) Tipo e título da atividade proposta: a)

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais