REGINA DO RIO ALVARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGINA DO RIO ALVARES"

Transcrição

1 REGINA DO RIO ALVARES AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE DEFICIENTES FÍSICOS PRATICANTES DE BASQUETEBOL EM CADEIRAS DE RODAS E DEFICIENTES FÍSICOS NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR GUARAPUAVA 2010

2 REGINA DO RIO ALVARES AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE DEFICIENTES FÍSICOS PRATICANTES DE BASQUETEBOL EM CADEIRAS DE RODAS E DEFICIENTES FÍSICOS NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Trabalho de Conclusão de Curso a ser apresentado ao Departamento de Nutrição, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Nutrição. Orientadora: Profª. Esp. Angelica Rocha de Freitas GUARAPUAVA 2010

3 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE DEFICIENTES FÍSICOS PRATICANTES DE BASQUETEBOL EM CADEIRAS DE RODAS E DEFICIENTES FÍSICOS NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR ALVARES, Regina do Rio a FREITAS, Angelica Rocha b Resumo Devido à imobilização, o indivíduo após adquirir uma lesão medular, apresenta atrofia muscular e maior acúmulo de gordura, abaixo do nível da lesão. Estudos mostram o benefício da prática regular de atividade física para deficientes físicos, melhorando os níveis de deposição de gordura central e dos níveis glicêmicos e lipídicos. Logo, a avaliação nutricional tem importante papel na qualidade de vida desses indivíduos. O objetivo do presente estudo foi avaliar o estado nutricional de deficientes físicos, divididos em dois grupos, sendo um composto por praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas (PBC), e outro por deficientes físicos não praticantes de atividade física (NPAF), no município de Guarapuava-PR. Os resultados mostraram que os dois grupos têm ingestão hídrica e alimentação inadequada e que o grupo dos PBC tem melhor hábito intestinal. Mais de 50% dos indivíduos do grupo dos NPAF apresentam excesso de peso. Os PBC apresentaram circunferência da cintura (CC) e índice de conicidade (IC) mais elevado do que o outro grupo. Os resultados para circunferência muscular do braço (CMB), área muscular do braço (AMB) e área adiposa do braço (AAB) foram melhores nos PBC. Ambos os grupos apresentaram percentual de gordura corporal acima dos referenciais normais, entretanto os PBC apresentaram média inferior ao grupo dos NPAF. A avaliação bioquímica demonstrou que os NPAF apresentam melhores resultados. Assim sendo, conclui-se que a prática de atividade física, beneficiou o grupo dos PBC em relação ao percentual de gordura corporal, quantidade de massa magra e hábitos intestinais, mas não em relação ao risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e aos níveis bioquímicos. Palavras-chave: atividade física, deficiência física, avaliação nutricional Abstract Due to immobilization, the individual after acquiring a spinal cord injury, has muscular atrophy and a greater accumulation of fat below the level of injury. Studies show the benefits of regular physical activity for disabled people, improving the levels of central fat deposition, and the glucose and lipids levels. Therefore, nutritional assessment has an important role in the quality of life of these individuals. The aim of this study was to evaluate the nutritional status on the disabled people, divided into two groups, one composed of basketball players in wheelchairs (PBC), and another by disabled people not engaged in physical activity (NPAF), in municipality Guarapuava-PR. The results showed that both groups have food and water intake inadequate, and that the group of PBC has better bowel habits. Over 50% of a Acadêmica do 4º ano de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) b Professora do Departamento de Nutrição da UNICENTRO

4 individuals in the group of NPAF are overweight. The PBC has CC and CI higher than the other group. The results for CMB, AMB and AAB were better in PBC. Both groups showed body fat percentage above the normal reference, however the PBC group had lower average than of NPAF. The biochemical evaluation showed that NPAF has best results. Therefore, we conclude that physical activity has benefited the group of PBC in relation to the percentage of body fat, lean mass and bowel habits, but not in relation to risk of developing cardiovascular disease and in to biochemical levels. Key words: physical activity, physical disability, nutritional assessment Introdução A lesão medular é uma das formas mais graves entre as síndromes incapacitantes, devido à grande importância da medula espinhal, que não é apenas uma via de comunicação entre as diversas partes do corpo e o cérebro, como também um centro regulador para importantes funções como respiração, circulação, bexiga, intestino, controle térmico e atividade sexual. O trauma ou doença que altere a função medular produz como consequência, além de déficits sensitivos e motores, alterações viscerais, sexuais e tróficas 1. As lesões da medula espinhal (LME) podem ser divididas em duas categorias etiológicas amplas: lesões não-traumáticas e lesões traumáticas 2. As lesões não-traumáticas em populações adultas, geralmente, resultam de uma doença ou influência patológica, como disfunções vasculares (trombose, embolia ou hemorragia), subluxações vertebrais secundárias à artrite reumatóide ou doença articular degenerativa, infecções como a sífilis ou mielite transversa, neoplasias espinhais, siringomielia, abscessos da medula espinhal, paralisia histérica, e doenças neurológicas, como a esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica. As lesões traumáticas são as mais frequentes e resultam de danos causados, mais prevalentemente, por acidentes automobilísticos, arma de fogo ou quedas. Podem ser classificadas em completa, quando não há funções sensitivas ou motoras abaixo do nível de lesão, a qual é causada por uma transecção completa, compressão grave ou intensa deterioração vascular à medula e, incompleta, quando há preservação de alguma função sensitiva ou motora abaixo do nível de lesão, geralmente, causada por pressão da medula exercida por osso e/ou tecidos moles deslocados ou pelo edema situado no interior do canal vertebral 2,3. Segundo Lianza et al. 1, as manifestações clínicas consequentes à lesão medular, dependem dos efeitos fisiopatológicos que essa lesão provocou sobre a medula. As lesões acima do segmento medular T 1 causam tetraplegia, enquanto que as lesões abaixo desse segmento causam paraplegia. O nível de lesão é determinado pelo último segmento sensitivo

5 e motor preservado em ambos os lados do corpo, onde se observa que quanto mais alta é a lesão, maior é a perda das funções motoras, sensitiva e autônoma, e maiores são as alterações metabólicas do organismo. Após adquirir uma lesão medular, o indivíduo experimenta uma rápida atrofia de sua massa muscular não funcional, abaixo do nível da lesão. A impossibilidade de mobilizar as fibras musculares causa sua atrofia e também um maior acúmulo de gordura na região paralisada 4. Estudos demonstram que indivíduos lesionados medulares apresentam níveis de gordura corporal acima dos referenciais normais, apesar dos parâmetros utilizados para essa população terem sido os estabelecidos para populações sem deficiência física, devido a inexistência de parâmetros específicos para indivíduos com lesão medular 3,5,6. Em seu estudo com jogadores de basquetebol e não praticantes, Quintana e Neiva 7 mostram os benefícios gerados pela prática regular de atividade física sob a redução de riscos de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, câncer, diabetes mellitus e síndrome metabólica, onde os praticantes de atividade física apresentam menores níveis de deposição de gordura central, melhor controle glicêmico e alterações menos pronunciadas do perfil lipídico, quando comparados com indivíduos não praticantes de atividade física. A prática desportiva vem sendo incorporada pelas pessoas com deficiência, motivadas por diferentes objetivos, os quais são justificados pela sua importância no processo de reintegração, inclusão social, reabilitação ou promoção de uma melhor qualidade de vida dessa população. A importância do exercício regular e da participação em esportes para reabilitação de indivíduos com lesão da medula espinhal tem sido reconhecida desde a Segunda Guerra Mundial, no hospital de Stoke Mandeville, na Inglaterra, devido à necessidade de exercícios e saídas recreativas para indivíduos feridos na guerra. Dentre os esportes adaptados, destaca-se o Basquetebol em Cadeiras de Rodas, esporte que exige agilidade, velocidade e proficiência em certas habilidades motoras 6. Para Silva et al. 8, o engajamento de pessoas com limitações físicas em programas de atividades esportivas aliado a um planejamento alimentar adequado pode minimizar as sequelas do trauma e o risco de desenvolvimento de doenças relacionadas. Apesar de haver inúmeras pesquisas que demonstrem a importância do exercício físico e da boa alimentação na melhora do estado nutricional e da qualidade de vida humana, são escassos os estudos que verificam a importância desses fatores na saúde de lesados medulares, além da inexistência de recomendações e de protocolos para avaliação antropométrica específicos para essa população. Mesmo com todas essas dificuldades é importante que se

6 realizem mais estudos, a fim de se avaliar o estado nutricional de indivíduos com deficiência física, independentemente de serem ou não praticantes de alguma atividade física, facilitando o acompanhamento nutricional desses indivíduos. Dessa maneira, o objetivo deste trabalho foi avaliar o estado nutricional de deficientes físicos praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas e deficientes físicos não praticantes de atividade física, independentemente de gênero, através de parâmetros antropométricos e bioquímicos, contribuindo com informações atualizadas no estabelecimento de condutas adequadas em relação à saúde desses indivíduos. Casuística e Métodos Esse estudo foi inicialmente aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa (COMEP) da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), sob o parecer de número 178/2009 (Anexo 1). Casuística O estudo foi realizado com 17 indivíduos deficientes físicos, de ambos os gêneros, pertencentes à Associação dos Deficientes Físicos de Guarapuava José Rocha de Freitas no Município de Guarapuava-PR, sendo um grupo composto por deficientes físicos praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas (PBC), todos do gênero masculino, sendo a maioria (n=6) cadeirante e o outro por deficientes físicos não praticantes de atividade física (NPAF), composto por um indivíduo do gênero masculino e o restante do grupo por indivíduos do gênero feminino, sendo apenas um cadeirante. Foram incluídos no estudo deficientes físicos adultos, com idade superior a 19 anos que concordaram em fazer parte do estudo, assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE Apêndice 1). Os dados foram coletados através de um questionário estruturado, elaborado para este estudo (Apêndice 2), sendo a coleta de sangue e as medidas antropométricas aferidas no Ambulatório de Atendimento Nutricional da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Campus CEDETEG, em dia pré-determinado. Avaliação antropométrica e da composição corporal As variáveis antropométricas avaliadas foram o peso corporal (kg), a estatura (m), quatro dobras cutâneas (mm), percentual de gordura corporal, circunferência da cintura (cm) e circunferência do braço (cm).

7 Os indivíduos foram colocados, com roupas leves, em balança plataforma da marca Balmak, com precisão de 100g e capacidade para 150 kg, para aferição do peso. A altura foi estimada através da envergadura pela medida feita da hemi-chanfradura do esterno até o dedo médio e o resultado multiplicado por dois. A partir das medidas do peso e da estatura foi calculado o Índice de Massa Corporal (IMC), dividindo-se o peso (kg) pela estatura (m) ao quadrado, sendo utilizados os pontos de corte preconizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) 9. A espessura das dobras cutâneas, conforme técnica preconizada por Heyward e Stolarczyk 10, foi realizada em triplicata, do lado direito dos indivíduos, utilizando-se um adipômetro clínico da marca Cescorf. Foram mensuradas as dobras cutâneas triciptal, biciptal, subescapular e supra-ilíaca em mm, calculando-se a média das três medidas. Para obtenção da Dobra Cutânea Triciptal (DCT) foi localizado, com o auxílio de uma fita graduada, o ponto médio entre o acrômio e o olécrano, com o braço flexionado junto ao corpo, formando um ângulo de 90º. A dobra foi mensurada, na parte posterior do braço, com os braços relaxados e estendidos ao longo do corpo. A aferição da Dobra Cutânea Biciptal (DCB) foi feita no mesmo nível da DCT e da circunferência braquial, na parte superior do braço. A Dobra Cutânea Subescapular (DCSe) foi realizada no ângulo inferior da escápula, destacada em diagonal. Na medida da Dobra Cutânea Supra-ilíaca (DCSi), a dobra foi destacada na direção oblíqua sobre a linha média axilar no ponto em que esta se encontra, 2 cm acima da crista ilíaca. O percentual de gordura corporal foi obtido a partir da soma das quatro dobras cutâneas 11 e os resultados comparados aos valores de referência propostos por Pollock e Wilmore 12. A medida da circunferência da cintura (CC) foi obtida por meio de uma fita métrica inextensível, no ponto médio entre a décima costela e a crista ilíaca, sendo os valores encontrados comparados aos valores de referência da OMS 9. A circunferência do braço (CB) foi aferida por meio de fita métrica inextensível, no ponto médio entre o acrômio e o olécrano, e os valores encontrados comparados com os valores preconizados por Frisancho 13, através de percentis. A partir da CB foram obtidos os valores da circunferência muscular do braço (CMB), área muscular do braço (AMB) e área adiposa do braço (AAB) por meio de fórmulas específicas c,d,e, e os valores encontrados comparados, através dos percentis, aos valores c CMB = CB(cm) - (PCT[mm] x 0,314) d AMB = (CB[cm] - PCT)² /4 e AAB =AB - AMB, sendo AB (Área do Braço) = x d², onde d = CB/

8 preconizados por Frisancho 13. O índice de conicidade (IC) foi obtido a partir da circunferência da cintura através de fórmula específica f e os valores comparados aos propostos por Pitanga 14. Avaliação bioquímica A avaliação bioquímica foi realizada através de análise bioquímica de sangue, após jejum de 12 horas, sendo o sangue coletado no Ambulatório de Atendimento Nutricional da UNICENTRO e enviado para um laboratório de análises clínicas da cidade de Guarapuava- PR. Os valores encontrados, para glicemia de jejum foram comparados aos valores de referência preconizados pela Associação Americana de Diabetes (ADA) 15. Para colesterol total, os valores encontrados foram comparados aos utilizados como padrão de referência pelo National Cholesterol Education Program (NCEP) 16 e os valores de triglicerídeos foram comparados ao preconizado pelo NCEP 17. Análise estatística Para descrição das variáveis quantitativas, foi realizada uma análise estatística descritiva através de frequências, médias e desvio-padrão, com auxílio do Software Microsoft Excel. Para comparação de médias entre os dois grupos do estudo, foi utilizado o teste-t de Student, e para as variáveis categorizadas foi utilizado o teste Qui-Quadrado, com auxílio do Software Microsoft Excel, com nível de significância de p<0,05. Resultados e Discussão Do total dos participantes, 52,94% eram homens e 47,06% eram mulheres, 41,18% eram cadeirantes e 58,82% não cadeirantes. Na Tabela 1 são apresentadas as características gerais dos avaliados, como idade, peso e altura médios, com os respectivos desvios-padrão. Observa-se que dos 17 indivíduos participantes do estudo, 52,94% (n=9) não são praticantes de atividade física, enquanto que 47,06% (n=8) são praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas. Nota-se que não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos, exceto em relação à estatura, em que se notou diferença estatisticamente significante com valor de p <0,01, tendo os PBC maior estatura média. f IC = CC(m) / 0,109

9 TABELA 1 Características gerais dos avaliados PBC (n=8) NPAF (n=9) Valor de p* Idade (anos) 41,38±15,63 46,78±13,50 0,23 Peso (kg) 74,00±14,69 61,26±20,31 0,08 Estatura (m) 1,75±0,08 1,56±0,11 <0,01 PBC: Praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas / NPAF: Não praticantes de atividade física *comparação das médias avaliadas pelo teste-t de Student Resultados semelhantes foram encontrados no estudo realizado por Silva et al. 8, com média superior de estatura nos praticantes de atividade física. Nota-se que os indivíduos analisados são relativamente jovens e que os indivíduos do grupo NPAF têm média de idade superior ao do grupo PBC. Em relação ao peso e estatura médios, observa-se que os do grupo PBC apresentam valores superiores aos do grupo de NPAF concordando com valores obtidos em outros estudos 5,18. Nos estudos realizados por Silva et al. 8 e por Rodrigues e Rocha 19, foi verificado que o número de deficientes físicos praticantes de atividade física era menor que o dos praticantes, o mesmo mostrado neste estudo, que dentre os deficientes físicos 52,94% (n=9) não são praticantes de atividade física, apesar dos benefícios gerados pela prática regular de exercícios físicos. O tipo de lesão apresentada pelos participantes desse estudo está caracterizado no Gráfico 1, em que se observa uma diversidade quanto ao tipo de lesão, sendo a poliomielite a lesão de maior incidência nos grupos estudados (35%). Gráfico 1 Caracterização do tipo de lesão dos participantes do estudo (população geral)

10 Horta et al. 20 mostraram que a poliomielite também foi a causa de maior incidência nos grupos analisados, em que 15 dos 20 participantes do estudo (75%) apresentavam este tipo de lesão. Embora a prática de exercícios físicos apropriados para pessoas com lesão medular, seja de grande importância para a saúde física, mental e social, no Brasil, poucos clubes, academias e centros esportivos encontram-se aptos a receber estas pessoas com dificuldades de locomoção. Estima-se que a maioria dos indivíduos com lesão medular apresente estilo de vida bastante sedentário, podendo ser esta a razão pela qual, comumente, apresentem perfil lipídico indesejável, colocando-os em situação de alto risco para doença cardiovascular 19. Os hábitos e estilo de vida dos participantes do estudo estão caracterizados na Tabela 2. Nota-se que nos dois grupos o número de refeições diárias é inferior a três, não estando de acordo com o preconizado pelo Ministério da Saúde (MS) nos 10 passos para uma alimentação saudável 21. Observa-se que em relação aos hábitos intestinais, apenas 25% (n=2) dos indivíduos do grupo dos PBC não evacuam diariamente, com diferença estatística significante entre os grupos (p<0,01), demonstrando que a prática de atividade física também pode auxiliar no funcionamento intestinal desta população 1. Verifica-se, também, que os dois grupos ingerem quantidade insuficiente de água diariamente de acordo com o recomendado nos 10 passos para uma alimentação saudável 21, sendo mais grave no caso do grupo dos PBC, pois a atividade física requer um aporte maior na ingestão diária de líquidos. TABELA 2 Comparação dos hábitos e estilo de vida entre PBC e NPAF PBC (n=8) NPAF (n=9) Valor de p* Refeições/dia + de 4/dia - de 3/dia 3 (37,5%) 5 (62,5%) 3 (33,3%) 6 (66,7%) 0,67 Hábito intestinal Diário 6 (75%) 5 (55,6%) <0,01 Não diário 2 (25%) 4 (44,4%) Ingestão hídrica + 6 copos/dia 1 (12,5%) 2 (22,2%) 0,06-5 copos/dia 7 (87,5%) 7 (77,8%) *comparação das variáveis analisadas pelo do teste do Qui-quadrado

11 A alimentação adequada é de fundamental importância para as pessoas de uma forma geral. Apesar de não haver recomendações específicas sobre a alimentação de deficientes físicos, praticantes ou não de atividade física, suas necessidades nutricionais devem ser avaliadas, levando-se em consideração o nível de atividade física, as alterações nos processos metabólicos, o uso crônico de medicamentos e os hábitos alimentares 20. Nesse sentido, orientações sobre uma alimentação equilibrada, tanto quantitativa como qualitativamente, poderá auxiliar na melhoria da qualidade de vida dessa população. Na tabela 3 são demonstrados os dados antropométricos e a composição corporal dos indivíduos participantes do estudo. Observa-se que o grupo dos NPAF apresentou IMC acima do normal para adultos 9 e que o excesso de peso está presente em mais de 50% dos indivíduos deste grupo, com diferença significativa entre os dois grupos (p<0,01), mas deve-se observar que este grupo é composto na sua maioria por indivíduos do gênero feminino. TABELA 3 Comparação dos dados antropométricos e composição corporal de PBC e NPAF PBC (n=8) NPAF (n=9) Valor de p IMC (média/dp) 24,34±6,08 25,36±8,51 0,39* Excesso de peso 3 (37,5%) 5 (55,6%) <0,01** Eutrofia 5 (62,5%) 4 (44,4%) Circunferência da Cintura (média/dp) 105,19±19,89 88,94±15,86 0,04* Com risco 6 (75%) 5 (55,6%) <0,01** Sem risco 2 (25%) 4 (44,4%) Circunferência do Braço (média/dp) 34,63±4,42 32,17±6,37 0,19* Excesso de peso 4 (50%) 5 (55,6%) 0,09** Eutrofia 4 (50%) 4 (44,4%) Circunferência Muscular do Braço (média/dp) 31,33±3,09 27,00±5,39 0,03* Adequado 4 (50%) 4 (44,4%) 0,26** Excesso de peso 4 (50%) 5 (55,6%) Área Muscular do Braço (média/dp) 7880,36±1561, ,41±2577,59 0,04* Adequado 5 (62,5%) 5 (55,6%) 0,16** Excesso de peso 3 (37,5%) 4 (44,4%) Área Adiposa do Braço (média/dp) 1801,17±956, ,57±1299,81 0,11* Adequado 8 (100%) 7 (77,8%) <0,01** Baixo peso 0 2 (22,2%) % Gordura Corporal (média/dp) 23,81±7,03 31,30±7,54 0,03* Alto 7 (87,5%) 8 (88,9%) 0,66* Adequado 1 (12,5%) 1 (11,1%) Índice de Conicidade (média/dp) 1,49±0,16 1,28±0,10 <0,01* Alto 7 (87,5%) 8 (88,9%) 0,65** Adequado 1 (12,5%) 1 (11,1%) *variáveis analisadas pelo teste-t de Student **variáveis analisadas pelo teste Qui-quadrado

12 Resultados semelhantes foram observados em outros trabalhos. Desport et al. 21 analisando 20 pacientes com lesão medular verificaram que a média de IMC foi acima de 26,5 kg/m². Em outro estudo 23 realizado com atletas paraolímpicos brasileiros da equipe de basquetebol, observaram que a média de IMC destes atletas era inferior a 23 kg/m². Oito pessoas com deficiência física praticantes de natação foram analisadas e verificou-se que as mulheres apresentaram excesso de peso 18. O excesso de peso dos participantes do grupo dos PBC pode ser explicado pelo fato de que a maioria, ou seja, 6 dos 8 participantes desse grupo, é cadeirante, e que mesmo sendo praticantes de atividade física, acumulam maior quantidade de gordura corporal que os não cadeirantes. No caso do grupo dos NPAF o excesso de peso pode ser devido ao grupo ser composto, quase na sua totalidade (apenas um componente é homem) por mulheres que tendem a ter maior quantidade de gordura corporal que os homens. Quintana e Neiva 7, em seus estudos, analisando cadeirantes praticantes de basquetebol e não praticantes verificaram que a medida da CC foi menor no grupo dos praticantes de basquetebol. Esse resultado foi contrário ao observado no presente estudo, em que as medidas da CC no grupo dos PBC foram superiores ao dos NPAF, com valores estatisticamente significativos entre as médias de CC (p<0,05) e para o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Observa-se que o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares 24 foi maior no grupo dos PBC (p<0,01). Os resultados encontrados neste estudo talvez possam ser explicados pelo fato de que o grupo dos PBC é composto, na sua maioria, por cadeirantes, que devido à imobilização leva ao maior acúmulo de gordura central 4. A CB é utilizada para estimar a proteína somática e tecido adiposo, podendo ser considerada medida independente ou combinada com a DCT para cálculo CMB, AMB e AAB 25. Assim sendo, os valores obtidos dessas medidas demonstram a quantidade de massa magra que os indivíduos participantes do estudo apresentam. Ao se analisar a CB e AAB, observa-se que não houve diferença significativa entre os dois grupos. No entanto, a média da CMB (p=0,03) e da AMB (p=0,04) foi superior no grupo dos PBC e a porcentagem de indivíduos classificados com excesso de peso na determinação da CB, CMB e AMB foi maior no grupo dos NPAF corroborando com os valores encontrados para IMC. Observa-se também, que a AAB está adequada na totalidade dos indivíduos do grupo dos PBC, demonstrando os benefícios que a atividade física propicia para essa população, podendo ocasionar redução da gordura corporal e elevação ou manutenção da musculatura. Em estudo semelhante, Gomes et al. 26 estudando 4 atletas da Seleção Brasileira de Futebol de Amputados, verificaram que os atletas estudados apresentaram CMB e AMB dentro da faixa de normalidade.

13 Em relação ao percentual de gordura corporal nota-se que os dois grupos apresentam nível de gordura corporal acima dos referenciais normais 27. Entretanto, a média do grupo dos PBC foi inferior ao do grupo dos NPAF com diferença significativa (p<0,05) entre eles. Outros estudos realizados com deficientes físicos mostraram resultados semelhantes, em que a média do percentual de gordura corporal é inferior nos praticantes de atividade física. Em estudo realizado por Gorla et al. 6 com 22 indivíduos lesados medulares praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas, a média de percentual de gordura corporal foi de 23,44% para os com lesão abaixo do nível de T7 e de 19,27% para os com lesão acima do nível de T7. Nicastro et al. 5 analisando o perfil antropométrico de indivíduos com lesão medular verificaram que a média do percentual de gordura corporal foi superior a 30%. Em outro estudo realizado com 16 indivíduos praticantes de atividade física e 12 sedentários, todos paraplégicos, observou-se que a média do percentual de gordura dos praticantes de atividade física foi inferior a 20% enquanto que os sedentários apresentaram percentual superior a 26% 8. Analisando fatores de risco para síndrome metabólica, Jones et al. 28, observaram que a média do percentual de gordura corporal foi acima de 27% nos 20 indivíduos com lesão medular analisados. O percentual de gordura corporal também foi analisado em 5 lesados medulares principiantes na prática de atletismo, verificando-se que a média dos níveis de gordura corporal foi superior a 26,5% 3. O IC foi calculado a partir dos valores obtidos através da medida da CC, peso e estatura dos participantes deste estudo 13. Este índice reflete o excesso de adiposidade na região abdominal, permitindo comparações diretas de adiposidade entre os indivíduos ou populações, além de apresentar fraca correlação com a estatura, o que é desejável para qualquer indicador de obesidade 29. Nota-se que a média do grupo dos PBC foi superior ao do grupo dos NPAF, com diferença significativa entre os dois grupos (p<0,01). Entretanto, devese observar que o grupo dos PBC é composto, na sua maioria por cadeirantes, como foi dito anteriormente, e que esse fato por si só leva a um maior acúmulo de gordura corporal na região central, além de que este índice está diretamente relacionado aos valores encontrados para a CC. Os valores dos exames laboratoriais são demonstrados na Tabela 4. Dois participantes do estudo, um de cada grupo, não realizaram os exames por não estarem em jejum no dia da coleta de sangue. Observa-se que não houve diferença estatística entre as médias de colesterol total, triglicerídeos e glicemia de jejum entre os grupos. Nota-se que os valores encontrados no grupo dos NPAF foram melhores do que do grupo dos PBC, com valores normais para triglicerídeos e glicemia de jejum em 100% dos indivíduos pertencentes ao grupo dos NPAF,

14 divergindo de outros trabalhos, em que os valores mais adequados estavam no grupo dos praticantes de atividade física. TABELA 4 Comparação dos dados laboratoriais entre PBC e NPAF PBC (n=7) NPAF (n=8) Valor de p Colesterol Total 197,71±46,77 199,25±24,13 0,46* (média mg/dl e DP) Valores normais 5 (71,4%) 7 (87,5%) <0,01** Elevados 2 (28,6%) 1 (12,5%) Triglicerídeos 180,57±104,36 123,25±44,27 0,09* (média mg/dl e DP) Valores normais 3 (42,9%) 8 (100%) <0,01** Elevados 4 (57,1%) 0 Glicemia de jejum 70,29±8,54 69,00±7,78 0,38* (média mg/dl e DP) Valores normais 7 (100%) 8 (100%) 0,99** Elevados 0 0 *comparação das variáveis analisada pelo teste-t de Student **comparação das variáveis analisada pelo teste Qui-quadrado Ribeiro et al. 30 analisando o perfil nutricional de cadeirantes ativos, verificaram que os níveis lipídicos eram melhores no grupo de deficientes jogadores de basquetebol, do que os do grupo controle. Outros estudos realizados com indivíduos lesionados medulares mostram os benefícios que o exercício físico propicia em relação à manutenção dos níveis normais de colesterol, triglicerídeos e glicemia de jejum 7,8,31. Os valores dos exames encontrados neste estudo, talvez possam ser explicados pelo fato de que a maioria dos integrantes do grupo dos NPAF serem mulheres e que estas tendem a cuidar melhor da alimentação. Muitas dificuldades foram encontradas para a realização desse trabalho, sendo uma das maiores em relação ao número reduzido de indivíduos que se dispuseram a participar do estudo, além da diversidade entre os grupos, limitando maiores discussões dos resultados encontrados. A análise dos dados também ficou prejudicada devido à inexistência de recomendações nutricionais e de protocolos para avaliação antropométrica específicos para essa população.

15 Conclusão Com base nos resultados encontrados nesse estudo, pode-se concluir que a prática de atividade física, no caso o basquetebol em cadeiras de rodas, foi benéfica para o grupo dos praticantes dessa atividade física, que apesar de apresentarem percentual de gordura corporal elevado, apresentaram níveis de massa magra superiores ao do grupo dos NPAF, além de melhor funcionamento intestinal. Entretanto, observou-se que a atividade física não beneficiou o grupo dos PBC em relação ao risco de desenvolvimento de doenças coronarianas e nem em relação aos níveis bioquímicos, onde se notou melhores resultados no grupo dos NPAF. Esses resultados talvez possam ser explicados pelo fato de que a maioria do grupo dos PBC é cadeirante, e que essa condição pode levar a um maior acúmulo de gordura corporal e maiores alterações no perfil lipídico, em função de menor mobilidade física. A maior limitação desse trabalho foi em relação à composição dos grupos de estudo, que devido ao número reduzido de indivíduos participantes, foi bastante heterogêneo, dificultando maiores discussões. Assim sendo, outros trabalhos devem ser realizados, com um maior número de indivíduos, para uma melhor caracterização do estado nutricional de deficientes físicos. Também, fica clara a necessidade de se estabelecer recomendações nutricionais e protocolos específicos para essa população. Observou-se, ainda, a importância da atuação da equipe multidisciplinar, incluindo o nutricionista, junto a esses indivíduos, auxiliando na melhoria de sua saúde em geral. Referências 1 Lianza S, Casalis MEP, Greve JMD, Eichberg R. A Lesão Medular. In: Lianza S. Medicina de Reabilitação. 3nd ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p Schmitz TJ. Lesão Traumática da Medula Espinhal. In: O Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia: avaliação e tratamento. Nascimento FG. (Trad.). 2. ed. São Paulo: Manole; p Gatti AMM, Gorla JI, Souza NA, Campana MB. Análise das variáveis motoras e da composição corporal em lesados medulares principiantes na prática de atletismo. Rev Faculdade Ed Física UNICAMP 2009: 7(1). 4 Gorgatti MG, Böhme MTS. Atividade física e a lesão medular. In: Gorgatti MG, Costa RF. Editores. Atividade física adaptada. Barueri, São Paulo: Manole; p Nicastro H, Savoldelli RD, Kattan V, Coimbra P, Frangella VS. Perfil antropométrico de indivíduos com lesão medular. Nutrire: Rev Bras Alim Nutr/J Brazilian Soc Food Nutr. São Paulo, SP 2008; 33(1):73-87.

16 6 Gorla JI, Araújo PF, Calegari DR, Carminato RA, Costa e Silva AA. A composição corporal em indivíduos com lesão medular praticantes de basquetebol em cadeiras de rodas. Arq Ciênc Saúde Unipar. Umuarama, jan./abr.2007; 11(1): Quintana R, Neiva SM. Fatores de risco para síndrome metabólica em cadeirantes Jogadores de basquetebol e não praticantes. Rev Bras Med Esporte. Mai/jun. 2008; 14(3). 8 Silva RC, Tirapegui J, Ribeiro SML, Pires ISO. Estudo controlado da influência da atividade física em fatores de risco para doenças crônicas em indivíduos lesados medulares paraplégicos do sexo masculino. Rev Bras Educ Fís Esp. São Paulo, abr./jun. 2004; 2(18): World Health Organization. (WHO). Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. Technical Report Series. Geneva, Switzerland 1998; (854). 10 Heyward VH, Stolarczyk LM. Avaliação da composição corporal aplicada. São Paulo: Manole; Durnin JVGA, Womersley J. Body fat assessed from total body density and its estimation from skinfold thickness: measurements on 481 men and women aged from 16 to 72 years. Br J Nutrition 1974; 32: Pollock ML, Wilmore JH. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. Rio de Janeiro: Médica e Científica; Frisancho AR. New norms of upper limb fat and muscle areas for assessment of nutritional status. Am J Clin Nutr 1981; 34: Pitanga FJG. Sensibilidade e especificidade do índice de conicidade como discriminador do risco coronariano de adultos em Salvador, Brasil. Rev Bras Epidemiol 2004; 7(3). 15 American Diabetic Assossiation Reports (ADA). The Expert Committee on the Diagnosis and Classification of Diabetes Mellitus. Follow-up report on the diagnosis of diabetes mellitus. Diabetes Care 2003; 26: National Cholesterol Education Program (NCEP). Second reports of the expert panel on detection, evaluation and treatment of high blood cholesterol in adults (Adult Treatment Panel II). Circulation 1994; 89: National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel on Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Cholesterol in Adults: Executive summary of the third report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert panel on detection, evaluation, and treatment of high blood cholesterol in adults (Adult Treatment Panel III). JAMA 2002; 285: Barreto FS, Panziera C, Sant Anna MM, Mascarenhas MA, Fayh APT. Avaliação nutricional de pessoas com deficiência praticantes de natação. Rev Bras Med Esporte, mai/jun. 2009; 15(3).

17 19 Rodrigues FB, Rocha VM. O impacto do basquetebol em cadeira de rodas no nível de colesterol HDL de mulheres com lesão medular. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano 2008; 10(1): Horta BR, Muniz CN, Santos CSM, Rabelo RJ. Análise comparativa da composição corporal de praticantes e não praticantes de desporto adaptado. Movimentum Revista Digital de Educação Física 2009; 14(1). 21 Ministério da Saúde (BR). 10 passos para a alimentação saudável. Disponível em: Acesso em: 01 jul Desport JC, Preux PM, Guinvarc h S, Rousset P, Salle JY, Daviet JC, Dudognon P, Munoz M, Pritz P. Total body water and percentage fat mass measurements using bioelectrical impedance analysis and anthropometry in spinal cord-injured patients. Clinical Nutrition 2000; 19(3): Santos SS, Guimarães FJSP. Avaliação antropométrica e de composição corporal de atletas paraolímpicos brasileiros. Ver Bras Med Esporte 2002; 8(3). 24 Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). III Diretriz Brasileira de Insuficiência Cardíaca Crônica. Arq Bras Cardiol 2009; 93(1 supl.1): Cuppari L. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. 2. ed. Rev. e ampl. Barueri, SP: Manole; Gomes AIS, Ribeiro BG, Soares EA. Caracterização nutricional de jogadores de elite de futebol de amputados. Rev Bras Med Esporte 2005; 11(1). 27 Lohman TG. Advances in body composition assessment. Champagnain: Human Kinetics Books; Jones LM, Legge M, Gouding A. Factor analysis of the metabolic syndrome in spinal cord-injured men. Metabolism 2004; 53(10): Vasques AC, Rosado L, Rosado G, Ribeiro RC, Franceschini S, Geloneze B. Indicadores Antropométricos de Resistência à Insulina. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1):e14-e Ribeiro SML, Silva RC, Castro IA, Tirapegui J. Assessment of nutricional status of active handicapped individuals. Nutrition Research 2005; (25): Midha M, Schmitt JK, Sclater M. Exercise effect with the wheelchair aerobic fitness trainer on conditioning and metabolic function in disabled persons: a pilot study. Arch Phys Med Rehabil 1999:(80).

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR.

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR. Os textos são de responsabilidade de seus autores. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DE HANDEBOL ADAPTADO NO MUNICIPIO DE TOLEDO PR. Diana Rissato Ribeiro 1 2 3 RESUMO O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 355-366, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 355 IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS MICHELLI, KÁTIA.¹ TAGLIETTI, MARCELO ² ROMERO, CRISTINA.³ Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR,

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Daniela da Silva Souza

Daniela da Silva Souza Daniela da Silva Souza Nutricionista Especializanda Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo A Encefalopatia Crônica na infância

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

EFEITOS DO PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO DO NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO PACIENTE DIABÉTICO TIPO 2

EFEITOS DO PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO DO NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO PACIENTE DIABÉTICO TIPO 2 EFEITOS DO PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO DO NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO PACIENTE DIABÉTICO TIPO 2 VLADIMIR GUEDES DE OLIVEIRA LUIS GUILHERME DA FONSECA Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Cardiovascular risk and glycemic indexes of the elderly patients at a university

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DIETA CONSUMIDA COMO RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOMENS ADULTOS

RELAÇÃO ENTRE O PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DIETA CONSUMIDA COMO RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM HOMENS ADULTOS ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 009 RELAÇÃO ENTRE O PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DIETA CONSUMIDA COMO RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR Resumo Lourival, N B S Fernandes, L S; A Educação nutricional ocorre devido ações educativas com a finalidade de um maior conhecimento

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

LEVANTAMENTO DE HÁBITOS ALIMENTARES E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM MOTOBOYS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

LEVANTAMENTO DE HÁBITOS ALIMENTARES E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM MOTOBOYS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP LEVANTAMENTO DE HÁBITOS ALIMENTARES E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM MOTOBOYS NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP Solange Cord 1, MSc. Valéria Maria Caselato de Sousa 2, Dra. Margareth Lopes Galvão Saron

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA,

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA, TEMA: A IMPLANTAÇÃO DO PNAE E A FORMAÇÃO DE NOVOS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE (CAIC) NO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU INTRODUÇÃO

Leia mais

Perfil Nutricional de Idosas frequentadoras da Faculdade da Terceira Idade. Nutritional profile of elderly who frequent The Third Age Faculty

Perfil Nutricional de Idosas frequentadoras da Faculdade da Terceira Idade. Nutritional profile of elderly who frequent The Third Age Faculty 67 Perfil Nutricional de Idosas frequentadoras da Faculdade da Terceira Idade Nutritional profile of elderly who frequent The Third Age Faculty Érica Cristina Moreira Guimarães 1 Lorena Silva dos Santos

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ASSESSMENT OF NUTRITIONAL STATUS OF ELDERLY INDIVIDUALS OF PHYSICAL ACTIVITY Danielle Barbosa 1 Edilcéia D. A. Ravazzani 2 RESUMO

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Avaliação Nutricional de Crianças e Adolescentes. Sobrepeso e Obesidade

Avaliação Nutricional de Crianças e Adolescentes. Sobrepeso e Obesidade Avaliação Nutricional de Crianças e Adolescentes Sobrepeso e Obesidade Sumário Introdução... 1 Crescimento... 2 Determinantes... 2 Fases do crescimento... 2 Avaliação nutricional... 3 Avaliação clínica...

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTATO UNC. Campus Concórdia

UNIVERSIDADE DO CONTESTATO UNC. Campus Concórdia UNIVERSIDADE DO CONTESTATO UNC Campus Concórdia ANÁLISE INVESTIGATÓRIA DO ACOMPANHAMENTO FÍSICO, FUNCIONAL, NUTRICIONAL E EMOCIONAL DE PARATLETAS DE BASQUETEBOL EM CADEIRAS DE RODAS Eliandra Paula Rhoden

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA/PR E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA/PR E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA/PR E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 INTRODUÇÃO LUCIEVELYN MARRONE 1 ALINE GONÇALVES DE SANTA 2 CAMILA DE SOUZA PINTO MARIOTO

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ REDUÇÃO DA INGESTÃO ENERGÉTICA SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL APROPRIADA INGESTÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG.

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. DANILO RAIMUNDO GONZAGA JOÃO BOSCO DA SILVA ALEXANDRE PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS ENTRE 08 E 09 ANOS DA ESCOLA PÚBLICA CAIC, DE GUAXUPÉ-MG. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de

Leia mais

NOVA VISÃO ANTROPOMÉTRICA EM PACIENTES HIV POSITIVO COM USO DE ANTIRETROVIRAIS

NOVA VISÃO ANTROPOMÉTRICA EM PACIENTES HIV POSITIVO COM USO DE ANTIRETROVIRAIS NOVA VISÃO ANTROPOMÉTRICA EM PACIENTES HIV POSITIVO COM USO DE ANTIRETROVIRAIS LUCIEVELYN MARRONE 1 INGRID RAQUEL FIGUEIRA DA SILVA 2 BEATHRIZ REGINA MATOS 2 ROSANA DIVINA MARTINS DEPIERI 2 DÉBORA KAIRA

Leia mais

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 212 INCIDÊNCIA DE TRAUMATISMOS RAQUIMEDULARES EM UNIDADES NEUROLÓGICAS DE UM HOSPITAL DA REDE PÚBLICA DE FORTALEZA

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR Hugo Rodrigo Menha 1 Rosangela Marques Busto 2 Universidade Estadual de Londrina 3 Resumo: Este

Leia mais

RASTREAMENTO DE RISCO NUTRICIONAL EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM SOBREPESO E OBESIDADE DO HU/UFGD DOURADOS/MS.

RASTREAMENTO DE RISCO NUTRICIONAL EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM SOBREPESO E OBESIDADE DO HU/UFGD DOURADOS/MS. RASTREAMENTO DE RISCO NUTRICIONAL EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM SOBREPESO E OBESIDADE DO HU/UFGD DOURADOS/MS. Jéssica Maurino dos Santos¹; Natalia Tais Greff¹; Amanda Aparecida de Souza Vicente¹; Chrissy

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE

CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE 41 Recebido em 11/2011. Aceito para publicação em 05/2012. CONSUMO ALIMENTAR E ATIVIDADE FÍSICA DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE FOOD CONSUMPTION AND PHYSICAL ACTIVITIES OF COLLEGE STUDENTS

Leia mais

DISLIPIDEMIA, PERFIL NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM PRATICANTES DE FUTEBOL RECREATIVO

DISLIPIDEMIA, PERFIL NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM PRATICANTES DE FUTEBOL RECREATIVO Recebido em: 15/3/2010 Emitido parece em: 22/3/2010 Artigo original DISLIPIDEMIA, PERFIL NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM PRATICANTES DE FUTEBOL RECREATIVO Gabriel Fellipe de Barros, Marcos Henrique

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Health Care & Human Care

Health Care & Human Care Health Care & Human Care O sistema ideal para cuidar da saúde e bem-estar A tecnologia BIA criou um novo standard Liderar a nova tecnologia proporciona resultados precisos em que pode confiar - Composição

Leia mais

Autor: Francisco das Chagas Cavalcante da Rocha Orientador: prof. MSc. David Marcos Emérito de Araújo

Autor: Francisco das Chagas Cavalcante da Rocha Orientador: prof. MSc. David Marcos Emérito de Araújo 1 Análise da Relação Cintura/Quadril e Índice de Massa Corporal em professores praticantes de futebol da Associação de Docentes da Universidade Federal do Piauí - ADUFPI como meio de predição para o risco

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE?

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? Amaral, Mayra Ternes¹; Noronha, Alessandra Ferreira de² ¹Pós Graduanda em Fisioterapia Dermatofuncional Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI - Pós graduação);

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E IDOSOS RESIDENTES EM ÁREAS DE ABRANGÊNCIA DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA, USUÁRIAS E NÃO USUÁRIAS DE TERAPIA HORMONAL

ESTADO NUTRICIONAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA, USUÁRIAS E NÃO USUÁRIAS DE TERAPIA HORMONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA, USUÁRIAS E NÃO USUÁRIAS DE TERAPIA HORMONAL Naiara Caleffi Cabral 1, JamillyMonize Roda¹, Angela Andreia

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE OS EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO DIABETES

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE OS EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO DIABETES Recebido em: 30/8/2010 Emitido parece em: 22/9/2010 Artigo original CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE OS EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO DIABETES Tatiane

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIAS DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO DE UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIAS DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO DE UM HOSPITAL FILANTRÓPICO AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE FUNCIONÁRIAS DO SERVIÇO DE NUTRIÇÃO DE UM HOSPITAL FILANTRÓPICO GONÇALVES, Juliana Fermino Universidade São Francisco (USF) PIMENTEL, Gustavo Duarte Universidade Federal

Leia mais

EFEITOS DO EXERCÍCIO EM JEJUM NA COMPOSIÇÃO CORPORAL JONATHAN DANIEL TELLES THIAGO SILVEIRA MARTA LEANDRO PASCHOALI RODRIGUES GOMES

EFEITOS DO EXERCÍCIO EM JEJUM NA COMPOSIÇÃO CORPORAL JONATHAN DANIEL TELLES THIAGO SILVEIRA MARTA LEANDRO PASCHOALI RODRIGUES GOMES EFEITOS DO EXERCÍCIO EM JEJUM NA COMPOSIÇÃO CORPORAL JONATHAN DANIEL TELLES THIAGO SILVEIRA MARTA LEANDRO PASCHOALI RODRIGUES GOMES LINS - SP 2009 RESUMO O treinamento aeróbio em jejum ainda é uma prática

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais