Metodologia de Avaliação de Serviços de Hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia de Avaliação de Serviços de Hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária no Brasil"

Transcrição

1 Curso Básico de Inspeção Sanitária em Serviços de Hemoterapia Metodologia de Avaliação de Serviços de Hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária no Brasil Christiane da Silva Costa Outubro de 2014 Goiânia - GO

2 O que vamos discutir? Bases teóricas e normativas do MARPSH Processo de elaboração do MARPSH Características do MARPSH: matriz avaliativa modelo matemático avaliação do risco MARPSH e o Gerenciamento do Risco Exemplo de utilização do MARPSH

3 Introdução O Método de Avaliação de Risco Potencial em Serviços de Hemoterapia (MARPSH) é um instrumental utilizado nas ações de inspeção sanitária que sistematiza a verificação de componentes de controles e barreiras utilizados no gerenciamento pró-ativo do risco em serviços de hemoterapia. O instrumento utiliza a dimensão do risco potencial numa modelagem multicritério que integram no mecanismo analítico itens diversificados referentes às boas práticas no ciclo do sangue acordadas socialmente nas normas regulamentares.

4 Introdução A OMS 4 recomenda às autoridades governamentais a assumirem responsabilidade na garantia do suprimento de sangue com segurança e qualidade à população com a elaboração de regulamentos técnicos com ênfase em Boas Práticas de Fabricação (BPF) aplicados aos serviços de produção de hemocomponentes e baseados nas teorias de segurança do paciente submetido à transfusão de sangue. Vigilância Sanitária: papel do Estado no gerenciamento de risco sanitário de produtos e serviços de interesse a saúde. Avaliação em Saúde - julgamento de valor a respeito de uma intervenção com o objetivo de proporcionar subsídios à tomada de decisões 1,2,3. Avaliação normativa - a partir de critérios e normas utilizam dispositivos capazes de fornecerem informações cientificamente válidas e socialmente legítimas, inserindo a avaliação num sistema social organizado para apoio a decisão 3,4.

5 Silva Junior, JB; Rattner, D. Vig Sanit Debate 2014;2(2):43-52

6 Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco

7 Punição Orientação David Marx. National Institutes of Health, 2001.

8

9 Introdução GESTÃO DE RISCOS É um processo completo que envolve atividades e ações destinadas a controlar os riscos de uma organização, neutralizando o seu impacto. Identificar Processo sistemático desenvolvido para: Analisar Avaliar Tratar os riscos de qualquer natureza!!!!! ABNT NBR ISO : 2009

10 Ministério da Saúde (Política de Sangue) Serviços de Hemoterapia (Adequações e Gestão dos Riscos) Anvisa Monitoramento e Comunicação do Risco Idenficação dos Perigos (Não conformidades nos controles) Análise dos Riscos (Estimativa de potencialidade de agravos) Avaliação dos Riscos (Classificação do Risco, Percepção do Inspetor, Dados de Produção, Dados de Hemovigilância, outros) Tratamento dos Riscos (Tomada de Decisão Inspetores/Gestores) Instrumentos Regulatórios Inspeção Sanitária MARP - SH Relatório de Inspeção Ações fiscalizatórias (orientação, advertência, interdição, multa outros) Monitoramento e Comunicação do Risco Visa Estadual Monitoramento e Comunicação do Risco Visa Municipal ABNT NBR ISO 31000:2009 Gestão de Riscos- Princípios e Diretrizes Silva Junior, JB; Rattner, D. Vig Sanit Debate 2014;2(2):43-52.

11 Método de Avaliação de Risco Potencial em Serviços de Hemoterapia (MARP-SH) GERENCIAMENTO EM REDE DO RISCO SANITÁRIO.Bennett L et al. Risk-Based decision making for blood safety. Transfus Med Rev 2011, 25 (4), p

12 Pensamento sobre Segurança Organização Local de trabalho Pessoal Defesas Acidente Dano Trajetória das condições latentes Fonte: James Reason

13 BOW TIE ANALYSIS BowTie é um método que provê uma compreensão rápida do relacionamento que se dá entre as causas, o risco e a consequência desse risco. Elenca os controles e as barreiras e medidas de recuperação necessárias para minimizar a probabilidade eliminá-lo. do risco ou dano ou

14 Bow tie Analysis controle Causas Perigos RISCO Consequências Danos barreiras ou medidas de recuperação

15 Bow Tie Analysis controle 1)Não realização do teste HIV 2)Erros na realização do teste HIV Produto contaminado - Registro do teste realizado -Testes registrados Anvisa -CQI -Manutenção equipamentos -Validação dos testes - Pessoal treinado -Uso de Kits adequados

16 Bow Tie Analysis controle DANO Produto contaminado Paciente infectado Agravamento paciente -Realização Teste NAT

17 MARPSH Elaboração e Desenvolvimento do MARPSH Baseado no roteiro de inspeção padronizado (2005) Requisitos normativos Literatura especilizada nacional e internacional Construção coletiva pelo SNVS ( ) Objeto avaliado pelo MARPSH Ciclo do Sangue (produtos e serviços) Especificidade qualidade de produto segurança do paciente

18 MARPSH MULTICRITÉRIOS Distribuição do número de itens de controle de acordo e respectivas percentagens com requisitos avaliativos por módulos do MARPSH. Brasil, Módulos Recursos Humanos Estrutura Física Materiais Equipamentos Procedimentos Técnicos Documentos Registros Qualidade Módulo I Módulo II Módulo III Módulo IV Módulo V TOTAL(%) 57 (12%) 31 (6,6%) 43 (9%) 220 (46,7%) 70 (15%) 50 (10,7%) 471 TOTAL 97% itens de barreiras 3% itens de recuperação 471 itens avaliativos

19 CRITICIDADE Possibilidade x Danos NIVEL III II I DEFINIÇÃO Determinam exposição a risco, influindo em grau crítico na qualidade e segurança dos produtos e serviços. Contribuem, mas não determinam exposição imediata ao risco, interferindo na qualidade ou segurança dos produtos e serviços. Afetam em grau não crítico o risco, podendo ou não interferir na qualidade ou segurança dos serviços e produtos

20 DISTRIBUIÇÃO DOS RISCOS CONTROLADOS PROCEDIMENTOS/PROCESSOS 18% - COLETA E CUIDADOS DOADOR 31% - TESTES LABORATORIAIS 21% - PRODUÇÃO E CONTROLE 8,7% Doador 17% Receptor Produto Trabalhador 15% - CONSERVAÇÃO DO PRODUTO BIOLÓGICO 4,5% - CONTROLE DE INSUMOS UTILIZADOS 7,5% - PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS 3% - SEGURANÇA DO TRABALHADOR 49,7% 24,6% Silva Junior, JB; Rattner, D. Vig Sanit Debate 2014;2(2):43-52

21 Modelo Matemático PESO 1 (itens de criticidade) ITEM I = 1 ITEM II = 3 ITEM III = 5 PESO 2 (módulos) P2 ModuloX P 1 n n n 1 1 III n n n I I P II II P III P 1 I P II P III I II 1 1 III 1 10 PA 5 PA Pontuação Alcançada n n Modx P2(Mod x) 1 ( I) 3 ( II) 5 I II XI n III ( III) PA PM INDICADOR: Proporção de Controle (PC) PC 100 PM pontuação máxima possível

22 Classificação de Risco Potencial CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Proporção de Controle (PC) Baixo PC 95% Médio - Baixo 80% PC < 95% Médio 70% PC < 80% Médio - Alto 60% PC < 70% Alto PC< 60%

23 Distribuição percentual comparativa dos Serviços de Hemoterapia no Brasil avaliados em 2011 e 2012, segundo a categorização de risco AMOSTRA: 560 SH 2011/560 SH ,36 42, B ,32 A M B 20 18,75 19,29 16, ,79 9,11 9,81 3,75 M A M 0 B MB M MA A

24 Distribuição percentual comparativa dos Serviços de Hemoterapia no Brasil avaliados em 2011 e 2012, por região, segundo a categorização de risco ,1 45,62 42,1 45,27 46, ,59 34,43 31,59 30, ,31 23, ,05 15, ,47 12,3 13,03 15,78 10,54 11,47 13,03 5,26 5, ,53 33,33 33,03 22,94 21,06 15,79 16,52 14,68 12,98 13,33 9,17 9,17 8,07 6,42 3,51 4,56 2, CO NE NO SE SU B MB M MA A

25 Distribuição percentual comparativa dos Serviços de Hemoterapia no Brasil avaliados em 2011 e 2012, por tipo de serviço, segundo a categorização de risco AT UCT NH HR HC RISCO POTENCIAL B MB M MA A n % n % n % n % n % , , , , , , , , , , , , ,8 4 13,8 3 10, , , , ,33 1 3, , ,36 6 7,79 6 7,79 4 5, , , ,69 4 5,19 2 2, , , ,23 2 6,67 1 3, , , , , , ,38 1 7, , ,92 1 7, Risco Potencial: B Baixo; MB Médio-Baixo; M Médio; MA Médio-Alto; A Alto. HC Hemocentro Coordenador; HR Hemocentro Regional; NH - Núcleo de Hemoterapia; UCT Unidade de Coleta e Transfusão; AT - Agência Transfusional.

26 Distribuição percentual comparativa dos Serviços de Hemoterapia no Brasil avaliados em 2011 e 2012, por natureza jurídica, segundo a categorização de risco 60 52, ,3 42,3 45,8 B ,6 37,4 37,4 MB 30 M 20 20,9 15,5 14,3 20,5 22,5 14,7 15,4 16,7 19,5 22,3 16,2 MA 10 11,2 4,6 4,8 4,8 8,9 5,7 0,83 11,2 6,7 4,5 4,5 A Público Privado Privado-SUS

27 Percentual das categorias de não conformidades do ciclo do sangue encontradas em relação aos itens de controle das normas técnicas % 30% Garantia da Qualidade 13% Procedimentos Técnicos Materiais e Equipamentos Documentação/Registros 15% Recursos Humanos 17% 17% Estrutura Física

28 Categoria Setor Item de Controle %SH NC* (2011) %SH NC* (2012) Dif. %** RH Geral Capacitação de RH Documentos e Registros Transfusão POP em Agência Transfusional Documentos e Registros Transfusão Ficha do Receptor com dados completos Qualidade Geral Organograma com responsabilidades definidas Documentos e Registros Transfusão Protocolo de liberação de sangue incompatível Materiais e equipamentos Geral Plano de contigência em casos de cortes de energia elétrica Materiais e equipamentos Geral Equipamentos com manutenção/calibração Documentos e Registros Transfusão Requisição médica adequada RH Doador Treinamento de pessoal para atendimento ao doador em emergências Qualidade Geral Investigação de retrovigilância * NC: Não conformes **Diferença entre as porcentagens de não conformidades do ano 2012 e 2011.

29 POTENCIALIDADES Mapeamento do risco potencial em diversos recortes (região, tipologia, financiamento) podem direcionar ações específicas de regulação e política de sangue. Os resultados agregados sinalizam focos de riscos e por cada serviço de hemoterapia adquirem maior robustez e especificidade. Possibilidade de identificar os problemas específicos em seus respectivos setores. O MARPSH mensura a possibilidade de ocorrência de agravos e a fragilidade dos sistemas de controle dos SH. Não determina estimativa de riscos reais.

30 MARPSH Limitações Perspectiva de manipulação de grande volume de dados em planilhas Excel. Inserção das informações em processo binário (SIM ou NÃO). Julgamento subjetivo em situações parciais. Variação interobservadores diferenças de formação técnica e de experiência profissional.

31 MARPSH PERSPECTIVAS Sistema Informatizado Inspeções on line. Manual de Inspeção maior padronização avaliativa Informações dinâmicas decisões oportunas

32 PROJETO BOAS PRÁTICAS DE INPEÇÃO Administrador ANVISA ANVISA ANVISA Relatórios VISA ESTADUAL Dados da VISA MUNICIPAL Inspeções MARPSH Dados públicos Relatórios PÚBLICO Dados da VISA ESTADUAL Relatórios VISA MUNICIPAL Relatórios

33 Referências 1.CONTANDRIOPOULOS, A. P.; CHAMPAGNE, F.; DENIS, J. L. & PINEAULT, R., A avaliação na área de saúde: Conceitos e métodos. In: Avaliação em Saúde: Dos Modelos Conceituais à Prática na Análise da Implantação de Programas (Z. M. A.Hartz, org.), Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, pp LUCCHESE, G. Globalização e Regulação Sanitária: Os rumos da Vigilância Sanitária no Brasil. Tese de Doutorado em Saúde Pública. ENSP/FIOCRUZ, Capítulo II, PEPE, V.L. E, COSTA REIS, L.G., NORONHA, M.F., SCHRAMM, J.M. Avaliação em Saúde e Vigilância Sanitária: conceitos, estratégias e metodologias. In: DE SETA, Marismary Horsth (org). Gestão e Vigilancia Sanitária: modos atuais do pensar e fazer. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, OMS. Organização Mundial de Saúde. Assessment Criteria for National Blood Regulatory Systems (on line). WHO Expert Committee on Biological Standardization, Lage MJ. Segurança do doente: da teoria à pratica clínica. RevPort Saúde Pública 2010; vol temat (10):11-16 p. 6. Tanaka OU, Tamaki EM. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde. Ciênc. Saúde Coletiva [on line]. 2012; 17 (4): p. Obsy MA, Saxena S, Nelson J et al. Safe handling and administration of blood components: review of practical concepts. Arch Pathol Lab Med 2007 May; 131(5): p.

34 Referências Risk management, AS/NZ 4360:2004/2009; ISO 31000, 2009; Risk Management standard, AIRMIC, ALARM, IRM: 2002; Canadian Patient Safety Institute, ISMP Canada, Saskatchewan Health, Hoffman, C., Beard, P., Greenall, J., U, D., and White, J. Canadian root cause analysis framework: a tool for identifying and addressing the root causes of critical incidents in healthcare. Edmonton, AB: Canadian Patient Safety Institute; Retrieved April 22, 2009 from: Root Cause Analysis: A Review of the Relevant Literature. prepared for the Canadian Patient Safety Institute. Jennifer L. White Ed. Version 3.0; 7/1/2009 Clinical Incident Management Toolkit; Western Australian Department of Health, 2011 Jens & Bernd. Application of why-because graphs to railway near-misses, In: Investigation and reporting of incidents and acidents (IRIA, 2002); Tree levels of RCA investigation, NHS, 2008; BIRD JR., Frank. Management guide to loss control. Georgia, Institut Press, p.

35 OBRIGADO!!! Web Site: Call Center: Fale conosco: Facebook (não oficial): https://www.facebook.com/groups/visasangue/ Telefone: + 55 (61)

Metodologia de Avaliação de Serviços de Hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária no Brasil

Metodologia de Avaliação de Serviços de Hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária no Brasil Curso Básico de Inspeção Sanitária em Serviços de Hemoterapia Metodologia de Avaliação de Serviços de Hemoterapia (MARPSH) aplicado pela Vigilância Sanitária no Brasil João Batista Silva Júnior Setembro

Leia mais

Sistema Einstein de Gerenciamento e Vigilância do Risco: processo de identificação e monitoramento dos principais riscos

Sistema Einstein de Gerenciamento e Vigilância do Risco: processo de identificação e monitoramento dos principais riscos Sistema Einstein de Gerenciamento e Vigilância do Risco: processo de identificação e monitoramento dos principais riscos Paola Andreoli Gerenciamento e Vigilância do Risco Divisão de Prática Assistencial,

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

Gestão de Testes de Proficiência. Como pode ampliar a Segurança Transfusional? Experiência da Fundação Hemominas

Gestão de Testes de Proficiência. Como pode ampliar a Segurança Transfusional? Experiência da Fundação Hemominas Gestão de Testes de Proficiência Como pode ampliar a Segurança Transfusional? Experiência da Fundação Hemominas Ângela Melgaço Ferreira Gerência de Controle da Qualidade Fundação Hemominas Conteúdo: Papel

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

Carta de Serviços. Relatório Anual da Avaliação Sanitária dos Serviços de Hemoterapia - 2014. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Carta de Serviços. Relatório Anual da Avaliação Sanitária dos Serviços de Hemoterapia - 2014. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Carta de Serviços Relatório Anual da Avaliação Sanitária dos Serviços de Hemoterapia - 2014 (Dados parciais referentes às inspeções sanitárias realizadas pelo Sistema

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014 1/13 1. INTRODUÇÃO A garantia da segurança, eficácia e qualidade de produtos sujeitos a controle sanitário é uma preocupação constante dos serviços de vigilância sanitária. De forma a aperfeiçoar o monitoramento

Leia mais

Artigo RESUMO. João Batista Silva Junior. DOI:10.3395/vd.v2i2.126

Artigo RESUMO. João Batista Silva Junior. DOI:10.3395/vd.v2i2.126 DOI:10.3395/vd.v2i2.126 Artigo Segurança Transfusional: um método de Vigilância Sanitária para avaliação de riscos potenciais em serviços de hemoterapia. Transfusion Safety: a Health Surveillance method

Leia mais

Desafios da Hematologia e Hemoterapia para os próximos anos

Desafios da Hematologia e Hemoterapia para os próximos anos Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada e Temática Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados Desafios da Hematologia e Hemoterapia para os próximos anos

Leia mais

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

A gestão de risco no ciclo do sangue na visão da Vigilância Sanitária

A gestão de risco no ciclo do sangue na visão da Vigilância Sanitária A gestão de risco no ciclo do sangue na visão da Vigilância Sanitária João Batista Silva Júnior 17 de abril de 2015 Belo Horizonte - MG O que vamos refletir! - Modelo regulatório de sangue no Brasil -

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA REUNIÃO COM ASSOCIAÇÕES DE PRODUTOS PARA SAÚDE Gerência-Geral de Inspeção Sanitária GGINP Brasília, 27 de maio de 2015 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS POP-SNVS-017 sobre

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 -

Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 - Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 - Ementa: Determinar a implantação, no âmbito da Hemorrede Nacional, nos Serviços

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO ORMAÇOES GERAS Período da nspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da nspeção: nspeção ( )Licença nicial Reinspeção ( )Segmento/Monitoramento

Leia mais

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Seminário Nacional Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Fórum especial Proposta: compartilhar idéias, conceitos e estratégias relacionadas

Leia mais

Sistema Nacional de Biovigilância

Sistema Nacional de Biovigilância Marcelo A. N. Medeiros GEMOR/GGMON/SUCOM/ANVISA Gerência de Monitoramento do Risco Gerência-Geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária Superintendência de Fiscalização, Controle

Leia mais

Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014

Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014 3º CIMES - Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Regulação, Normalização e Certificação Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014 Aspectos a considerar no

Leia mais

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA Maria de Fátima Alves Fernandes Unidade de Bio e Hemovigilância UBHEM/NUVIG/ANVISA Premissas A transfusão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA CONSULTA PÚBLICA Nº 03/2009 Gerência de Inspeção e Certificação de Insumos, Medicamentos e Produtos (GIMEP) Novembro de 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA REVISÃO DA RDC Nº 210/03 JUSTIFICATIVA

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE APLICADOS AO LABORATÓRIO DE SOROLOGIA - ESTRATÉGIAS PARA CUMPRÍ-LOS - TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES - FLUXOS MAIS APROPRIADOS Vanderléia Bárbaro

Leia mais

PROMOÇÃO DA DOAÇÃO VOLUNTÁRIA DE SANGUE NO ÂMBITO DO MERCOSUL

PROMOÇÃO DA DOAÇÃO VOLUNTÁRIA DE SANGUE NO ÂMBITO DO MERCOSUL PROMOÇÃO DA DOAÇÃO VOLUNTÁRIA DE SANGUE NO ÂMBITO DO MERCOSUL XLIII Reunião Ordinária do SGT Nº 11 Saúde Comissão Intergovernamental de Sangue e Hemoderivados Presidência Pro Tempore do Brasil 01/2015

Leia mais

Pontos críticos de controle na produção de hemocomponentes para transfusão e para produção de hemoderivados

Pontos críticos de controle na produção de hemocomponentes para transfusão e para produção de hemoderivados Pontos críticos de controle na produção de hemocomponentes para transfusão e para produção de hemoderivados XLIII Reunião Ordinária do SGT Nº 11 Saúde Comissão Intergovernamental de Sangue e Hemoderivados

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br Torre de Babel Walter Vieira Mendes Júnior 1 1 - Doutor em saúde pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Professor e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Avaliador de serviços

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Rita de Cássia Azevedo Martins Especialista em Regulação e Vigilância

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR EVENTOS ADVERSOS (EAs) Evento Adverso pode ser definido como lesão não intencional que resultou em incapacidade temporária ou permanente e/ou prolongamento do tempo de permanência

Leia mais

1. ORGANIZAÇÃO PARA O FUNCIONAMENTO E USO DO SITIO WEB FORO DE ARTICULAÇÃO VIRTUAL

1. ORGANIZAÇÃO PARA O FUNCIONAMENTO E USO DO SITIO WEB FORO DE ARTICULAÇÃO VIRTUAL XXXIX REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 11 SAÚDE MERCOSUL / COMISSÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE / GRUPO AD HOC DE SANGUE E HEMODERIVADOS / ATA Nº 02/12 Realizou-se na cidade de Salvador, República

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

JOÃO BATISTA DA SILVA JÚNIOR

JOÃO BATISTA DA SILVA JÚNIOR 1 JOÃO ATISTA DA SILVA JÚNIOR AVALIAÇÃO DE RISCOS POTENCIAIS EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA: UMA PERSPECTIVA DE CONTROLE EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA rasília, 2014 2 Universidade de rasília Faculdade de Ciências

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

CURSO BÁSICO EM INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

CURSO BÁSICO EM INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA CURSO BÁSICO EM INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA Realização: Vigilância Sanitária do Estado de Goiás Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA CURSO BÁSICO EM INSPEÇÃO SANITÁRIA EM

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento

Leia mais

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos 1. Considerações iniciais Estas orientações têm por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Cosméticos, Produtos de Higiene e Saneantes COORDENAÇÃO DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, SANEANTES E COSMÉTICOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Estratégico. FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil

Estratégico. FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil Estratégico 2008 2011 FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA FUNDAÇÃO HEMOPA 2008 2011

Leia mais

Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12

Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12 Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12 Diogo Penha Soares Coordenação de Vigilância em Serviços Sentinela CVISS/NUVIG Credenciamento Ao solicitarem o credenciamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Gestão da Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue. Ana Paula Rocha Diniz Zanelli

Gestão da Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue. Ana Paula Rocha Diniz Zanelli Gestão da Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Ana Paula Rocha Diniz Zanelli O Que é Qualidade? Propriedade, atributo ou condição das coisas ou das pessoas capaz de distinguí-las das outras e de

Leia mais

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Ministério da Saúde Responsável: Clarice

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA Michel Epelbaum ellux consultoria 25/08/2006 Temos poucos acidentes c/ afastamento, então porque precisamos melhorar a gestão de SOS? Enquanto isto, por

Leia mais

Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares. Eng. Ricardo Maranhão

Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares. Eng. Ricardo Maranhão Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares Eng. Ricardo Maranhão Introdução Qualidade A qualidade nos serviços de saúde, segundo a OMS, é definida como: um alto nível de excelência profissional; uso eficiente

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS RIOS CLÍNICOS: Documentaçã ção da Qualidade Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR QUALIDADE QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Anvisa - Resolução - RDC nº 175, de 08 de julho de 2003 Republicada no D.O.U de 10/07/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso de sua atribuição que lhe confere o

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S Sistema APPCC Projeto APPCC : Anvisa e Senai Ferramenta de gestão de risco desenvolvida para garantir

Leia mais

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA: Desafios e Metas para o Próximo Triênio INSTITUÍDA Anvisa Desafios e Metas para o Próximo

Leia mais

Regina Célia Borges de Lucena 1 Nereide Herrera Alves de Moraes 2 Haley Maria de Sousa Almeida 3 Christiane Santiago Maia 4

Regina Célia Borges de Lucena 1 Nereide Herrera Alves de Moraes 2 Haley Maria de Sousa Almeida 3 Christiane Santiago Maia 4 A EXPERIÊNCIA DE REVISÃO DOS INDICADORES DO CONTRATO DE GESTÃO E DESEMPENHO DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA) COM ENFOQUE EM RESULTADOS Regina Célia Borges de Lucena 1 Nereide Herrera

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Norma NBR de Diretrizes para a Integração do SGSO com outros Sistemas

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Eduardo Hage Carmo Superintendente de Fiscalização, Controle e Monitoramento 15 Encontro da

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA

INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA AUTOR: Cássio Eduardo Garcia E-mail: cassiogarcia@uol.com.br INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES COM UMA ABORDAGEM SISTÊMICA 1 INTRODUÇÃO Muitas organizações ainda não se conscientizaram de que acidentes

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Plano de Ação de Vigilância Sanitária

Plano de Ação de Vigilância Sanitária Plano de Ação de Vigilância Sanitária A construção e o seu desenvolvimento no município Salma Regina Rodrigues Balista Águas de São Pedro 10/06/2010 O PAVISA: em qual contexto Pacto pela Saúde: nova lógica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO 1 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO Giovanni Moraes de Araújo Mestre em Sistema de Gestão pela UFF giomor@terra.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo destacar

Leia mais

I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil

I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil I Jornada Carioca de Nefrologia Mesa Redonda 3: Nova Legislação em Diálise no Brasil PENSAR OS CAMINHOS E DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERAPIA RENAL SUBSTITUTIVA E AS INTERAÇÕES ENTRE ESTRUTURAS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Ementa: Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21 de março de 2001, que dispõe sobre a coleta, processamento, estocagem,

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais