MODELO MULTICRITÉRIO DE APOIO À DECISÃO NA GESTÃO DE PROCESSO DE NEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO MULTICRITÉRIO DE APOIO À DECISÃO NA GESTÃO DE PROCESSO DE NEGÓCIO"

Transcrição

1 MODELO MULTICRITÉRIO DE APOIO À DECISÃO NA GESTÃO DE PROCESSO DE NEGÓCIO Ana Carolina Scanavachi Moreira Campos (UFPE) Adiel Teixeira de Almeida (UFPE) Muitas organizações estão engajadas em aumentar sua produtividade e em melhorar a qualidade de seus produtos e operações. Uma forma de alcançar tais objetivos é por meio da Gestão de Processo de Negócio (BPM). Técnicas para identificar, anaalisar, avaliar e melhorar os processos são chamadas de Modelagem de Processo de Negócio. A seleção de uma técnica de modelagem interfere diretamente no resultado do BPM. A existência de um número considerável de técnicas e as diversas características presentes em cada uma delas tornam o processo de decisão da escolha da técnica complexo. Neste contexto, este trabalho propõe um modelo para classificação das técnicas de modelagem de processo de negócio baseado nos objetivos da modelagem usando o método ELECTRE TRI-B. Esse modelo serve como base para a avaliação das técnicas de modelagem e para uma pré-análise que subsidiaria uma escolha posterior. Ao final, é apresentado um exemplo a fim de demonstrar o modelo. Palavras-chaves: Apoio Multicritério à Decisão, Gestão de Processo de Negócio,Técnicas de Modelagem de Processo de Negócio

2 1. Introdução O atual cenário de globalização e, por conseguinte a intensa competição entre as organizações pela conquista de maiores parcelas de mercado faz com que as organizações estejam cada vez mais preocupadas com a melhoria da qualidade de seus produtos e operações e ao mesmo tempo com a redução de custos. Em face disso, as organizações têm prestado mais atenção ao apoio da Gestão de Processo de Negócio para adaptarem-se a esse novo e complexo ambiente, se tornarem mais competitivas e para alcançar os seus objetivos de desempenho. A Gestão de Processo de Negócio pode ser definida como uma abordagem que busca melhorar de forma rápida e contínua os processos de negócio. (KO et al., 2009.). Técnicas para identificar, analisar, avaliar e melhorar os processos são chamadas de Modelagem de Processo de Negócio. Portanto, a modelagem é uma ferramenta útil para formalizar o conhecimento sobre os processos de negócio e atualmente existe uma grande quantidade de metodologias e técnicas para a modelagem (LUO & TUNG, 1999). Aguilar-Savén (2004) em seu trabalho descreve as principais técnicas de modelagem de processo de negócio. De acordo com o seu artigo, as principais técnicas são: Fluxograma, Diagrama do Fluxo de Dados (DFD), Diagrama de Papéis e Atividades (RAD), Diagrama de Interação dos Papéis (RID), Gráfico de Gantt, IDEF0, IDEF3, Rede de Petri Colorida (CPN), Método Orientado ao Objeto (OO), técnica do Fluxo de Trabalho (Workflow). O Gráfico de Gantt, apesar de não ser uma técnica utilizada para descrever e analisar o processo, serve para controlar a situação atual de seu desempenho. Maiores informações sobre essas técnicas podem ser encontradas em Damij (2007), Abeysinghe & Phalp (1997), Luo & Tung (1999) e no site IDEF. A seleção de uma técnica de modelagem de processo de negócio interfere diretamente no resultado do BPM, uma vez que cada técnica possui suas próprias características, captura um particular aspecto do processo de negócio e realça um particular ponto de vista. Desta maneira, escolher a técnica de modelagem mais apropriada aos objetivos e resultados que a organização pretende alcançar não é uma tarefa fácil. A existência de um número considerável de técnicas e as diversas características presentes em cada uma delas tornam esse processo de decisão ainda mais complexo. Sendo assim, este trabalho propõe um modelo para classificação das técnicas de modelagem de processo de negócio baseado nos objetivos da modelagem usando o método ELECTRE TRI-B, que agrupará as técnicas de modelagem com características semelhantes em categorias. Este modelo serve como base para a avaliação das técnicas de modelagem e para uma pré-análise que subsidiaria uma escolha posterior. Assim, após a classificação das técnicas por grau de adequação ao propósito da modelagem, o decisor pode aprofundar seu conhecimento somente nas técnicas mais apropriadas ao seu objetivo de modelagem antes de tomar uma decisão definitiva. O restante do artigo é organizado como segue. A Seção 2 apresenta conceitos relativos ao Apoio Multicritério à Decisão (MCDA) e ao método ELECTRE TRI-B, além de sumarizar artigos encontrados na literatura que aplicam MCDA na área da Gestão de Processo de Negócio. A Seção 3 descreve o modelo de classificação das técnicas de modelagem de processo de negócio e a Seção 4 apresenta um exemplo para ilustrar esse modelo. Finalmente, a conclusão é apresentada na Seção 5 onde também são dadas sugestões para futuros trabalhos. 2

3 2. Apoio Multicritério à Decisão e Gestão de Processo de Negócio O Apoio Multicritério à Decisão visa estabelecer uma relação de preferências entre as alternativas que estão sendo avaliadas sob a influência de vários critérios, no processo de decisão. Esses múltiplos critérios representam os múltiplos objetivos que o decisor pretende alcançar (ALMEIDA & RAMOS, 2002). Modelos de Decisão Multicritério têm sido aplicados em diferentes áreas a fim de auxiliar os indivíduos a tomarem decisões, tais como na área da saúde, meio ambiente, energia e finanças. Na literatura também é possível encontrar trabalhos que utilizam a abordagem de decisão multicritério para auxiliar a tomada de decisão na Gestão de Processo de Negócio. Por exemplo, Mansar et al. (2009) desenvolveu uma ferramenta de decisão que se baseia no método multicritério AHP (Analytic Hierarchy Process) que ordena as melhores práticas para o Redesign do Processo de Negócio (BPR) com o objetivo de aumentar a eficiência do redesign. A ferramenta fornece uma lista das melhores práticas de acordo com as preferências da equipe de redesign. Yen (2009), por sua vez, propôs uma abordagem baseada no método AHP que integra os diversos resultados apresentados por um processo de negócio e a preferência de todos os stakeholders envolvidos, em um único resultado global do processo. Um modelo para a seleção de BPMS (Business Process Management Software) baseado no método AHP foi proposto por Stemberger et al. (2010). O método AHP também foi utilizado por Felix & Bing (2001) para apoiar a seleção do melhor design de modelo de Sistema de Manufatura Flexível (FMS) viável para a organização, levando em consideração os conceitos da Reengenharia do Processo de Negócio (BPR). Shimizu & Sahara (2000) elaboraram uma ferramenta que utiliza o método AHP e a técnica IDEF0 para apoiar a tomada de decisão racional na Gestão de Processo de Negócio. Por meio da sua utilização, é possível avaliar e escolher entre as opções que foram levantadas no BPM, aquela que de fato melhorará o processo. Um modelo para seleção de um processo para o BPM baseado no método AHP, Fuzzy AHP e BSC (Balanced Scorecard) foi desenvolvido por Cho & Lee (2011). Este modelo utiliza o BSC para definir os critérios de avaliação dos processos e o método AHP e Fuzzy AHP (combinação da teoria dos conjuntos fuzzy com o método multicritério AHP) para selecionar o processo. Embora todos estes trabalhos utilizem o método multicritério AHP para auxiliar a tomada de decisão na área de Gestão de Processo de Negócio, outros métodos multicritério também podem ser usados, tais como ELECTRE, PROMETHEE, Teoria da Utilidade Multiatributo (MAUT). A escolha do método multicritério mais apropriado depende de diversos fatores considerados durante a fase de estruturação do problema. Dentre estes fatores têm-se: as características do problema analisado, do contexto considerado, da estrutura de preferência do decisor e o tipo de problemática que por sua vez está relacionada com o resultado pretendido para o problema (ALMEIDA, 2011). Roy (1996) identifica quatro tipos básicos de problemática: escolha, classificação, ordenação e descrição. Com base nisso, para o problema considerado neste estudo, foi utilizado o método ELECTRE TRI-B, que lida com a problemática de classificação, a seguir descrito. 2.1 Método ELECTRE TRI-B ELECTRE TRI-B é um método que aloca um conjunto de alternativas A={a 1, a 2, a i } em 3

4 categorias pré-definidas e ordenadas C={C k, C k+1,, C n } considerando o desempenho de A em relação à um conjunto de critérios F={g 1, g 2,,g m } por meio da utilização de relações de sobreclassificação (FIGUEIRA et al., 2005). A relação de sobreclassificação é uma relação binária que permite concluir que a i sobreclassifica a j se houver argumentos suficientes para afirmar que a alternativa a i é pelo menos tão boa quanto a alternativa a j (concordância) e não há nenhuma razão que contrarie esta afirmação (discordância). Dentro do contexto de problemas de classificação a relação de sobreclassificação é usada para estimar o grau de sobreclassificação de uma alternativa a i sobre um índice da referência Ir k que distingue as categorias C k e C k+1 (Figura 1). Os índices de referência são determinados pelo decisor (ZOPOUNIDIS & DOUMPOS, 2002). Categoria C k+3 Ir k+2 Categoria C k+2 Ir k+1 Categoria C k+1 Ir k Categoria C k Figura 1 Definição das categorias pelos índices de referência (Adaptada de Merad et al., 2004) A fim de determinar as relações de sobreclassificação, todas as comparações par a par entre cada alternativa e índice de referência devem ser efetuadas para todos os critérios. Essa comparação permite o cálculo do índice de credibilidade σ(a i, Ir k ) e σ(ir k, a i ). O índice de credibilidade σ(a i, Ir k ) está relacionado com afirmação de que a alternativa a i é pelo menos tão boa quanto o índice referência Ir k, enquanto que o índice de credibilidade σ(ir k, a i ) está relacionado com a afirmação de que o índice de referência Ir k é pelo menos tão bom quanto a alternativa a i (ZOPOUNIDIS & DOUMPOS, 2002). Nesse processo de comparação par a par, a incerteza dos valores dos critérios pode ser levada em consideração por meio de dois limiares: o limiar de indiferença q e e o limiar de preferência p e (MERAD et al., 2004). Cada relação de sobreclassificação é então construída por meio de quatro passos (LOURENÇO & COSTA, 2004): (ver Merad et al. (2004) para mais detalhes) a) Cálculo do índice de concordância parcial (c j ) e índice de concordância global (C); b) Cálculo do índice de discordância (d j ); c) Cálculo do índice da credibilidade (σ); d) Estabelecimento da relação de sobreclassificação. Na construção das relações de sobreclassificação dois tipos de parâmetros relacionados aos critérios estão envolvidos: um conjunto de pesos (w 1,w 2,...,w i ) que expressa a importância relativa entre os critérios e é utilizado no cálculo do índice de concordância global e um conjunto de limiares de veto (v 1 (Ir k ), v 2 (Ir k ),..., v m (Ir k )) que é usado no teste de discordância. v j (Ir k ) representa a menor diferença g j (Ir k ) - g j (a i ), incompatível com a afirmação de que a i SIr k 4

5 Esses parâmetros devem ser definidos pelo decisor (LOURENÇO & COSTA, 2004). O estabelecimento da relação de sobreclassificação se dá por meio do índice de credibilidade (σ) e do nível de corte (λ). O valor do nível de corte varia entre 0,5 e 1 e é definido pelo decisor. As alternativas e os índices de referência podem se relacionar da seguinte forma (YU, 1992; MERAD et al., 2004): a) σ(a i, Ir k ) λ e σ(ir k, a i ) λ, a i e Ir k são indiferentes; b) σ(a i, Ir k ) λ e σ(ir k, a i )<λ, a i sobreclassifica Ir k ; c) σ(ir k, a i ) λ e σ(a i, Ir k )<λ, Ir k sobreclassifica a i ; d) σ(a i, Ir k )<λ e σ(ir k, a i )<λ, a i e Ir k são incomparáveis. Para alocação das alternativas nas categorias, o método ELECTRE TRI-B emprega dois procedimentos, o pessimista e o otimista (ZOPOUNIDIS & DOUMPOS, 2002). A diferença entre eles está na ordem seguida para a comparação das alternativas com os índices de referência. O processo pessimista é mais exigente e aloca cada alternativa à categoria mais elevada para qual a alternativa a i sobreclassifica o índice de referência da categoria inferior. Já o processo otimista é o contrário, aloca cada alternativa à categoria menos elevada para qual o índice de referência da categoria superior sobreclassifica a alternativa a i (LOURENÇO & COSTA, 2004). Divergências entre as duas classificações podem acontecer e origina das situações de incomparabilidade entre a alternativa e o índice de referência. Nessas situações, o decisor pode adotar uma das duas classificações conforme o seu perfil. (MOUSSEAU & SLOWINSKI, 1998).Caso deseje ser prudente, optará pelo procedimento pessimista. 3. Modelo para Classificação das Técnicas de Modelagem de Processo de Negócio O modelo proposto neste trabalho para avaliação e classificação das técnicas de modelagem se baseia no Apoio a Decisão Multicritério, especificamente no método multicritério ELECTRE TRI-B. Este modelo tem por objetivo auxiliar na tomada decisão da escolha da técnica de modelagem a ser utilizada no BPM, pois por meio da sua utilização o indivíduo identifica dentre todas as técnicas de modelagem, aquelas que mais se adequam ao seu objetivo de modelagem, podendo então a partir daí aprofundar seu conheciemento nessas técnicas para depois tomar uma decisão mais concisa. O modelo segue as etapas a seguir descritas (Figura 2). Como é fundamental ter pleno conhecimento do que se deseja obter com a modelagem antes de selecionar uma técnica, a primeira etapa então consiste em determinar a finalidade da modelagem, isto é o seu objetivo. Essa finalidade pode ser por exemplo, a de compreender a estrutura e a dinâmica dos processos, ou a de entender os problemas atuais do processo e identificar as possibilidades de melhoria, ou a de assegurar que os todos os envolvidos (empregados, fornecedores, clientes) tenham um entendimento comum do processo, ou a de controlar e monitorar as atividades do processo, etc. A finalidade não necessariamente se traduz em um único objetivo, dependendo da situação pode ser uma combinação de vários objetivos. Assim, a finalidade pode ser a de compreender a estrutura do processo e ao mesmo tempo a de implantar um sistema para controlar os processos. Definido o(s) objetivo(s) da modelagem passa-se então à etapa seguinte. A segunda etapa consite na definição das técnicas de modelagem que serão avaliadas. Como em um momento mais adiante será necessário avaliar essas técnicas em relação aos critérios que serão definidos na etapa a seguir, faz se necessário também na presente etapa coletar informações sobre essas técnicas. Não é preciso aprofundar no conhecimento destas técnicas 5

6 neste momento, visto que essa atividade deve ser feita somente após a classificação e apenas sobre as técnicas que foram classificadas como mais apropriadas para a modelagem. Os critérios representam os pontos de vista através dos quais se deseja avaliar as técnicas de modelagem de processo de negócio. A definição dos critérios depende do propósito da modelagem (etapa 1), dos participantes envolvidos, das intenções de desenvolver futuros projetos na área do BPM, do ambiente e tipo de sistema de produção onde será feita a modelagem. A determinação deve ser um processo iterativo com o objetivo de especificar critérios que são completos (exaustivos), não redundante, mensuráveis e conciso. (KEENEY & RAIFFA, 1993). Tendo em mente essas considerações definem-se os critérios na etapa 3. A quarta etapa consiste na avaliação de cada técnica de modelagem de processo de negócio por cada critério estabelecido. Nessa fase são utilizadas as informações colhidas anteriormente (etapa 2) sobre as técnicas de modelagem. Dependendo do critério, poderá haver avaliação quantitativa ou qualitativa. Os pesos dos critérios representam suas importâncias relativas e o seu valor aumenta em função da importância relativa do critério. Assim, o decisor na etapa 5 deve expressar a importância de cada critério em termos de sua contribuição para a conquista do(s) objetivo(s) da modelagem. Na sexta etapa devem ser definidas as categorias que servirão como padrão para classificar as técnicas de modelagem. Como cada categoria é definida por dois índices de referência (um superior e outro inferior), é necessário especificar os valores desses índices. As categorias devem ser definidas de acordo com a preferência do decisor. A etapa 7 consiste na determinação dos valores dos parâmetros que devem ser definidos de acordo com a estrutura de preferência do decisor. Assim, os valores dos limiares de preferência (p) e indiferença (q) para cada critério, a fim de levar em consideração a imprecisão das avaliações das técnicas de modelagem, devem ser especificados pelo decisor. Ele deve também estabelecer o limiar de veto (v) para cada critério, que como mencionado anteriormente está relacionado com a idéia de veto em relação à afirmação de que a alternativa sobreclassifica o índice de referência. E por último deve determinar o nível de corte (λ) que é considerado o menor valor do índice de credibilidade (σ(a i, Ir k ) (σ(ir k, a i )) compatível com a afirmação de que a alternativa a i sobreclassifica o índice de referência Ir k (índice de referência Ir k sobreclassifica a alternativa a i ). Deve-se ter cuidado com a escolha do nível de corte uma vez que ele desempenha um papel importante na classificação das alternativas. Caso o seu valor seja alto (próximo à 1), as alternativas, no procedimento pessimista, serão alocadas à categorias mais baixas e no procedimento otimista, nas mais altas. E caso o seu valor seja mais baixo (próximo à 0,5) acontecerá o inverso. A oitava etapa consiste na classificação das técnicas de modelagem. Para a construção do modelo e obtenção do resultado pode-se utilizar uma ferramenta que está disponível na internet no site do LAMSADE (www.lamsade.dauphine.fr/) ou o software Microsoft Excel. Obtido o resultado, é necessário fazer a análise sensitiva (etapa 9) para validar a robustez da classificação e a análise do comportamento do resultado por meio da variação dos parâmetros (p,q,v, λ). 6

7 1) Definir o(s) objetivo(s) da modelagem 2) Definir as técnicas de modelagem que serão avaliadas 3) Determinar os critérios de avaliação 4) Avaliar as técnicas de modelagem em relação a cada critério 5) Estabelecer o peso de cada critério 6) Definir as categorias e seus limites 7) Estabelecer os parâmetros 8) Executar o modelo 9) Realizar análise sensitiva do resultado Figura 2 Modelo para classificação das técnicas de modelagem de processo de negócio 4. Exemplo de Aplicação do Modelo O gerente de uma empresa fabricante de eletrodomésticos decidiu fazer a modelagem do processo de desenvolvimento de produto devido aos constantes atrasos que estavam ocorrendo no lançamento de novos produtos. Assim, todas as atividades envolvidas desde a concepção (idéia) do produto até a entrega desse produto ao departamento de produção industrial deveriam ser modeladas. Uma vez que não está clara para a empresa a relação de dependência entre as atividades que devem ser desempenhadas durante o processo de desenvolvimento de novos produtos, bem como os responsáveis por cada uma dessas atividades, a modelagem deveria explicitar esses pontos. 7

8 Os objetivos dessa modelagem são, portanto, o de conhecer todas as atividades envolvidas nesse processo e documentá-las de modo a obter uma visão geral do processo, o de expressar a relação de dependência entre as atividades e o de indicar os responsáveis por cada atividade. As técnicas de modelagem consideradas para este caso foram baseadas no estudo de Aguilar- Savén (2004), assim as técnicas a serem avaliadas são: Fluxograma, Diagrama do Fluxo de Dados (DFD), Diagrama de Papéis e Atividades (RAD), Diagrama de Interação dos Papéis (RID), Gráfico de Gantt, IDEF0, IDEF3, Rede de Petri Colorida (CPN), técnica do Fluxo de Trabalho (Workflow). O Método Orientado ao Objeto (OO) não foi considerado, uma vez que as informações encontradas no estudo de Aguilar-Savén (2004) não foram suficientes para realizar a avaliação dessa técnica. Os critérios foram estabelecidos a partir dos requisitos necessários da modelagem. Assim, por exemplo, como é fundamental que a técnica seja de fácil comprensão por todos os envolvidos no processo, é necessário então avaliar as técnicas de modelagem de processo de negócio quanto ao critério interpretação. De forma semelhante, foram estabalecidos os outros critérios, sendo eles: flexibilidade, construção, distinção entre as atividades principais e secundárias, indicação de responsabilidade, visão geral do processo, relação de dependência entre as atividades e quantidade de sistemas de apoio. A avalição das técnicas perante cada critério foi realizada com base no estudo de Aguilar- Savén (2004), onde as características de cada técnica de modelagem são comentadas. A fim de avaliar as técnicas de modelagem de processo de negócio, uma escala verbal (tabela 1) foi desenvolvida pelo analista. Escala Verbal 1 Escala Verbal 2 Escala Verbal 3 Valor Numérico Muito Alto (MA) Muito Fácil (MF) Sim (S) 9 Alto (A) Fácil (F) - 7 Médio (M) Médio (M) - 5 Baixo (B) Difícil (D) - 3 Muito Baixo (MB) Muito Difícil (MD) Não (N) 1 Tabela 1 Escala verbal Com base então no estudo de Aguilar-Savén (2004) e na tabela 1 foi construída a Matriz de Avaliação das técnicas de modelagem de processo de negócio (tabela 2). Critério Fluxograma DFD RAD RID Gantt IDEF0 IDEF3 CPN Workflow Interpretação MF F F M F MD MF MD MF Flexibilidade MA M M M MB MB MB M MA Construção MF M F D F D MD D MF Distinção entre as atividades principais/secundárias N S N N N S N N N Indicação de responsabilidade N S S S S S N N S Visão geral do processo N N N S N S S N S Relação de dependência entre as atividades S S S S N S S N S Quantidade de sistemas de apoio Tabela 2 Avaliação das técnicas de modelagem de processo de negócio Para definição dos pesos foi utilizada uma escala de 1 a 5, onde 5 é o mais importante e 1 o menos importante. Dessa forma, por exemplo, como um dos objetivos principais da 8

9 modelagem é que ela apresente a relação de dependência entre as atividades do processo, o critério Relação de dependência entre as atividades foi definido com peso igual a 5. Tabela 3 apresenta os demais pesos dos critérios atribuídos pelo gerente (decisor). Critério Peso Interpretação 3 Flexibilidade 1 Construção 1 Distinção entre atividades principais/secundárias 3 Indicação de responsabilidade 4 Visão geral do processo 5 Relação de dependência entre atividades 5 Quantidade de sistemas de apoio 2 Tabela 3 Peso dos critérios Para a presente situação, o gerente decidiu que as técnicas de modelagem deveriam ser classificadas em três categorias conforme a sua adequação para conduzir a modelagem: Categoria 1, Mais Apropriada: as técnicas alocadas nessa categoria são adequadas para realizar a modelagem; Categoria 2, Possivelmente Apropriada, as técnicas alocadas nessa categoria possivelmente são adequadas para realizar a modelagem; Categoria 3, Não Apropriada, as técnicas alocadas nessa categoria não são adequadas para realizar a modelagem. Dessa forma, como existem três categorias, dois índices de referência (Ir 1 e Ir 2 ) devem ser estabelecidos. O índice Ir 1 determina o desempenho mínimo que uma técnica deve ter para estar na categoria 1 e o índice Ir 2 o desempenho mínimo para a técnica estar na categoria 2, caso contrário ela será alocada na categoria 3. Esses índices (Tabela 4) foram determinados com base na estrutura de preferência do decisor de acordo com a escala verbal usada para avaliar as técnicas de modelagem. Como quanto melhor forem avaliadas as técnicas nesses critérios mais apropriadas e completas elas serão, o índice de referência que delimita a primeira categoria (categoria Mais Apropriada) deve possuir um valor maior do que o Ir 2. Critério Ir 1 Ir 2 Interpretação 5 3 Flexibilidade 5 3 Construção 5 3 Distinção entre atividades principais/secundárias 5 3 Indicação de responsabilidade 9 5 Visão Geral do processo 7 5 Relação de dependência entre atividades 9 5 Quantidade de sistemas de apoio 8 5 Quanto aos parâmetros, tem-se: Tabela 4 Índices de referência Os limiares de preferência (p) e indiferença (q) não foram considerados pelo decisor, pois não são aplicáveis ao tipo de escala utilizada que contém valores inteiros no intervalo de 1 a 9; Pelo mesmo motivo os limiares de veto para cada critério não foram utilizados; O nível de corte (λ) foi definido pelo decisor igual a 0,6. 9

10 Com base em todas essas informações o modelo foi executado no Microsoft Excel. A Tabela 5 apresenta o resultado da classificação considerando tanto o procedimento otimista quanto o pessimista. Categoria Técnicas Otimista Pessimista Fluxograma 2 3 DFD 1 1 RAD 2 3 RID 1 1 Gantt 2 3 IDEF0 1 1 IDEF3 1 3 CPN 3 3 Workflow 1 1 Tabela 5 Resultado da classificação Considerando o procedimento otimista, verifica-se que as técnicas DFD, RID, IDEF0, IDEF3 e Workflow foram alocadas na categoria Mais Apropriada. As técnicas Fluxograma, RAD e Gráfico de Gantt foram alocadas na categoria Possivelmente Apropriada e na categoria Não Apropriada foi alocada a técnica CPN. Considerando o procedimento pessimista, foram alocadas na categoria Mais Apropriada as mesmas técnicas que haviam sido alocadas pelo procedimento otimista, com exceção da técnica IDEF3 que passou agora a ser classificada como Não Apropriada. Na categoria Possivelmente Apropriada não foi alocada nenhuma técnica e na categoria Não Apropriada foram alocadas, portanto, as demais técnicas em avaliação. Como visto anteriormente os procedimentos otimista e pessimista são diferentes, portanto é possível que eles aloquem algumas alternativas em categorias diferentes. Por último, conforme o modelo proposto neste artigo é necessário realizar a análise sensitiva do resultado. 4. Conclusão O modelo proposto neste artigo objetiva auxiliar os decisores na seleção da técnica de modelagem de processo de negócio para o BPM. Por meio do seu uso, os decisores podem organizar a informação, tornar critérios conflituosos explícitos, gerenciar a subjetividade e mover em direção a uma decisão. Para tal fim, a abordagem multicritério foi considerada, em especial o método ELECTRE TRI-B que lida com problemas de classificação. Esse modelo classifica as técnicas de modelagem de processo de negócio em categorias servindo para uma pré-análise que subsidiaria uma escolha posterior, visto que por meio da sua utilização o indivíduo identifica dentre todas as técnicas de modelagem aquelas que mais se adequam ao seu objetivo de modelagem, podendo então a partir daí aprofundar o seu conheciemento nessas técnicas para depois tomar uma decisão mais concisa. Uma revisão da literatura também foi realizada a fim de investigar a utilização da abordagem multicritério na área de Gestão de Processo de Negócio. Uma extensão deste trabalho seria o desenvolvimento de um modelo que auxilie os decisores à determinarem os critérios de avaliação das técnicas de modelagem, criando uma forma de 10

11 operacionalizar essa atividade. Além disso, propor uma maneira dos decisores expressar os pesos dos critérios de uma maneira clara e livre de erros. Outra sugestão seria considerar o uso de modelos de decisão em grupo, especialmente acoplados com processos de negócio colaborativos. Referências ABEYSINGHE, G. & PHALP, K. Combining Process Modelling Methods. Information and Software Technology. Vol. 39, p , AGUILAR-SAVÉN, R.S. Business Process Modelling: Review and Framework. International Journal of Production Economics. Vol. 90, p , ALMEIDA, A.T. O Conhecimento e o Uso de Métodos Multicritério de Apoio a Decisão. 2. ed. Recife: Editora Universitária, ALMEIDA, A.T & RAMOS F.S. (Org). Gestão da Informação na competitividade das organizações. 2. ed. Recife: Editora Universitária, CHO, C. & LEE, S. A Study on Process Evaluation and Selection Model for Business Process Management. Expert Systems with Applications. Vol. 38, p , DAMIJ, N. Business Process Modelling Using Diagrammatic and Tabular Techniques. Business Process Management Journal. Vol. 13, p.70-90, FELIX, T.S. & BING, J. The Application of Flexible Manufacturing Technologies in Business Process Reengineering. International Journal of Flexible Manufacturing Systems. Vol. 13, p , FIGUEIRA, J.; GRECO, S. & EHRGOTT, M. (Ed) Multiple Criteria Decision Analysis: State of the Art Surveys. Springer, IDEF, Integrated Definition Methods web page: < KEENEY, R. L.; RAIFFA, H. Decisions with multiple objectives: preferences and value tradeoffs. New York: Cambridge University Press, KO R.K.L.; LEE, S.S.G. & LEE E.W. Business process management (BPM) standards: a survey. Business Process Management Journal. Vol.15, p , LAMSADE, web page: <www.lamsade.dauphine.fr/> LOURENÇO, R.P. & COSTA, J.P. Using ELECTRE TRI Outranking Method to Sort MOMILP Nondominated Solutions. European Journal of Operational Research. Vol. 153, p , LUO, W. & TUNG, Y. A Framework for Selecting Business Process Modeling Methods. Industrial Management & Data Systems. Vol. 99, p , MANSAR, S.L.; REIJERS, H.A. & OUNNAR, F. Development of a Decision-Making Strategy to Improve the Efficiency of BPR. Expert Systems with Applications. Vol. 36, p , MERAD, M.M.; VERDEL, T.; ROY, B. & KOUNIALI, S. Use of Multi-Criteria Decision-Aids for Risk Zoning and Management of Large area Subjected to Mining-Induced Hazards. Tunnelling and Underground Space Technology. Vol. 19, p , MOUSSEAU, V. & SLOWINSKI, R. Inferring an ELECTRE TRI Model from Assigment Examples. Journal of Global Optimization. Vol. 12, p , ROY, B. Multicriteria Methodology for Decision Aiding. Netherlands: Kluwer Academic Publishers, SHIMIZU Y. & SAHARA Y. A Supporting System for Evaluation and Review of Business Process through Activity-Based Approach. Computers and Chemical Engineering. Vol. 24, p , STEMBERGER, M.I.; BOSILJ-VUKSIC, V. & JAKLIC, J. Business Process Management Software Selection Two Case Studies. Ekonomska Istrazivanja-Economic Research. Vol. 22, p.84-99, YEN, V.C. An Integrated Model for Business Process Measurement. Business Process Management Journal. Vol. 15, p , YU, W. Aide Multicritère à la Décision dans le Cadre de la Problématique du Tri. Ph.D. Thesis, Université de 11

12 Paris-Dauphine, XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO ZOPOUNIDIS, C. & DOUMPOS, M. Multicriteria Classification and Sorting Methods: A Literature Review. European Journal of Operational Research. Vol. 138, p ,

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MODELO MULTICRITÉRIO NA GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO BASEADO NO MÉTODO ELECTRE TRI DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UFPE

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL 8 a 11 de novembro de 2002, Rio de Janeiro/RJ A PESQUISA OPERACIONAL E AS CIDADES

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL 8 a 11 de novembro de 2002, Rio de Janeiro/RJ A PESQUISA OPERACIONAL E AS CIDADES XXXIV SBPO SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL 8 a 11 de novembro de 2002, Rio de Janeiro/RJ A PESQUISA OPERACIONAL E AS CIDADES SELEÇÃO DE ATIVIDADES CRÍTICAS EM PROJETOS COM AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE DECISÃO EM GRUPO PARA PRIORIZAÇÃO DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEM - BPMS

UMA ABORDAGEM DE DECISÃO EM GRUPO PARA PRIORIZAÇÃO DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEM - BPMS UMA ABORDAGEM DE DECISÃO EM GRUPO PARA PRIORIZAÇÃO DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEM - BPMS Thiago Poleto (UFPE) poleto.thiago@gmail.com Lucio Camara e Silva (UFPE) luciocsilva@gmail.com Carina Lopes

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

MODELO BASEADO NO ELECTRE I E NO BALANCED SCORECARD PARA SELEÇÃO DE PROCESSOS BPM

MODELO BASEADO NO ELECTRE I E NO BALANCED SCORECARD PARA SELEÇÃO DE PROCESSOS BPM MODELO BASEADO NO ELECTRE I E NO BALANCED SCORECARD PARA SELEÇÃO DE PROCESSOS BPM José Maurício de Andrade Filho Universidade Federal de Pernambuco Av. Professor Moraes Rego, 1235 Cidade Universitária

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MODELOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO PARA PROBLEMAS DE CLASSIFICAÇÃO RELATIVOS A BPM BUSINESS PROCESS MANAGEMENT TESE

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública MODELO DE CLASSIFICAÇÃO PARA SUBSTITUIÇÃO DE MOTORES INDUSTRIAIS PARA O ALCANCE DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Perseu Padre de Macedo Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Av. Prof Moraes Rego, 1235 Cidade

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II

Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II Renan Felinto de Farias Aires Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA, UFRN Avenida Senador Salgado Filho, 3000, Lagoa Nova, Natal-RN

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 242 Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 1Instituto Federal Farroupilha Campus São Borja

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Resumo: Carlos Alberto dos Santos 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Abstract: Num ambiente globalizado e em constante

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

Emprego do método multicritério ELECTRE TRI-C para mensuração do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal

Emprego do método multicritério ELECTRE TRI-C para mensuração do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Emprego do método multicritério ELECTRE TRI-C para mensuração do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Débora Viana e Sousa Pereira Universidade Federal de Pernambuco deboravianapereira@gmail.com

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Avaliação de desempenho de instituições federais de ensino superior através da análise por envoltória de dados (DEA)

Avaliação de desempenho de instituições federais de ensino superior através da análise por envoltória de dados (DEA) Avaliação de desempenho de instituições federais de ensino superior através da análise por envoltória de dados (DEA) Carlos Eduardo Martins de Oliveira (UNIFEI) caedunifei@gmail.com João Batista Turrioni,

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA 1. Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

METODOLOGIAS MULTICRITERIAIS E AS DECISÕES SOBRE INVESTIMENTOS GERIDOS PELA ÁREA DE NOVOS NEGÓCIOS DAS EMPRESAS

METODOLOGIAS MULTICRITERIAIS E AS DECISÕES SOBRE INVESTIMENTOS GERIDOS PELA ÁREA DE NOVOS NEGÓCIOS DAS EMPRESAS METODOLOGIAS MULTICRITERIAIS E AS DECISÕES SOBRE INVESTIMENTOS GERIDOS PELA ÁREA DE NOVOS NEGÓCIOS DAS EMPRESAS klitia valeska bicalho de sa (ufrj) klitia.bicalho@gmail.com ABSTRACT: This paper intends

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Como Elaborar uma RFP

Como Elaborar uma RFP Como Elaborar uma RFP Eduardo Mayer Fagundes Engenheiro eletricista, especialista em telecomunicações, mestre em Ciência da Computação. Extensão universitária em Darden School of Business na Universidade

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar os itens que permitirão

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Thiago Bianchi 1 Elisa Yumi Nakagawa 2 1 IBM - International Business Machines 04753-080, São Paulo, SP, Brazil tbianchi@br.ibm.com

Leia mais

Seleção de ferramenta computacional de apoio a decisão pelo método VIP Analysis

Seleção de ferramenta computacional de apoio a decisão pelo método VIP Analysis Seleção de ferramenta computacional de apoio a decisão pelo método VIP Analysis Adiel Teixeira de Almeida Filho (UFPE) ataf@ufpe.br Cristiano Alexandre Virgínio Cavalcante (UFPE) cristiano@ufpe.br Adiel

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 5 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Qualitativa Quantitativa Medidas

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Processo UML Components

Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Processo UML Components Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Processo UML Components Cecília Mary Fischer Rubira Patrick Henrique da Silva Brito Instituto de Computação (IC) Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) INF064

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Monica Rottmann de Biazzi (DEP/EPUSP) monica.rottmann@poli.usp.br Antonio Rafael Namur Muscat

Leia mais

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE ROSADAS, L.A. da S.; MACEDO, M.A. da S. 1 A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS¹ MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO² 1. Aluno do 7ª período do curso de Ciências

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de custos do projeto

Gerenciamento de custos do projeto PMBOK Visão Geral O PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é um guia do Conjunto de Conhecimentos em de Projetos, o qual inclui práticas comprovadas que são amplamente aplicadas na gestão de s, além

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria PMSolution Consultoria Nossa Atuação Cliente Governança Corporativa Governança de TI Áreas de Conhecimento Consultoria Estratégica Gerenciamento de Projetos e Portfólio Tecnologia Capacitação Confidencial

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

DESEMPENHO PROFISSIONAL DE SEUS EGRESSOS: UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIOH

DESEMPENHO PROFISSIONAL DE SEUS EGRESSOS: UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIOH HO IMPACTO DO MESTRADO ACADÊMICO E DO PROFISSIONAL NO DESEMPENHO PROFISSIONAL DE SEUS EGRESSOS: UMA ABORDAGEM MULTICRITÉRIOH Lívia Dias de Oliveira Nepomuceno Universidade Federal Fluminense Rua Passos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM Program Evaluation and Review Technique PERT: VISÃO GERAL Program Evaluation and Review Technique Técnica para avaliação e revisão de programa.

Leia mais

O que é, e para que serve o Cronograma:

O que é, e para que serve o Cronograma: O que é, e para que serve o Cronograma: O cronograma é um instrumento de planejamento e controle semelhante a um diagrama em que são definidas e detalhadas minuciosamente as atividades a serem executadas

Leia mais

Gestão de riscos estratégicos

Gestão de riscos estratégicos Gestão de riscos estratégicos Seung Hyun Lee, sócio diretor da Symnetics e professor de estratégia empresarial da Business School São Paulo. E-mail: seung@symnetics.com.br Introdução Jim Collins, autor

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Estefânia Paula da SILVA¹; Lígia Maria SOARES PASSOS² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção do IFMG

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos

Planejamento e Controle de Projetos Planejamento e Controle de Projetos Transformação de uma idéia em um conceito Forma A forma global do produto Idéia Propósito A necessidade que o produto deve satisfazer Função A maneira como o produto

Leia mais

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO O planejamento possui três etapas: O estabelecimento dos objetivos a alcançar Tomada de decisões a respeito das ações futuras Elaboração de planos Explicando melhor, quanto mais

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A DECISÃO PARA ELICITAÇÃO DE INFORMAÇÃO INTERCRITÉRIO EM MODELOS ADITIVOS

SISTEMA DE APOIO A DECISÃO PARA ELICITAÇÃO DE INFORMAÇÃO INTERCRITÉRIO EM MODELOS ADITIVOS SISTEMA DE APOIO A DECISÃO PARA ELICITAÇÃO DE INFORMAÇÃO INTERCRITÉRIO EM MODELOS ADITIVOS Gabriela Zarzar Rego Silva Melo (UFPE) gabrielazarzarm@gmail.com Adiel Teixeira de Almeida (UFPE) adielta@gmail.com

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Planejar é dimensionar recursos necessários para uma determinada atividade.

Planejar é dimensionar recursos necessários para uma determinada atividade. Planejamento Planejar é dimensionar recursos necessários para uma determinada atividade. Recursos: Materiais Humanos Quantificados Qualificados Planejamento Recursos Humanos: Diretos: Gerência, Equipe

Leia mais

INFORMAÇÕES GERENCIADAS

INFORMAÇÕES GERENCIADAS INFORMAÇÕES GERENCIADAS Gerenciamento de projeto sobre o qual é possível criar Soluções Primavera para engenharia e construção ORACLE É A EMPRESA Melhore o desempenho de projeto, a lucratividade e os resultados

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

MODELO PARA PRIORIZAÇÃO DE ATIVIDADES EM AMBIENTES DE MÚLTIPLOS PROJETOS

MODELO PARA PRIORIZAÇÃO DE ATIVIDADES EM AMBIENTES DE MÚLTIPLOS PROJETOS MODELO PARA PRIORIZAÇÃO DE ATIVIDADES EM AMBIENTES DE MÚLTIPLOS PROJETOS RESUMO Caroline Maria de Miranda Mota, DSc. UFPE Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE carol3m@gmail.com

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais