Utilização de Materiais Alternativos na Construção de um Fotômetro de Absorção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de Materiais Alternativos na Construção de um Fotômetro de Absorção"

Transcrição

1 Utilização de Materiais Alternativos na Construção de um Fotômetro de Absorção Isac Alves Costa Júnior 1. Márcio Rennan Santos Tavares 1, João Jarllys Nóbrega de Souza 1, Paulo Henrique Almeida da Hora 1, Sérgio Ricardo Bezerra Santos 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Coordenação de Licenciatura em Química, Av. Primeiro de Maio, 720, Jaguaribe, João Pessoa PB INTRODUÇÃO Fotometria é a medida da luz proveniente de um objeto. Até o fim da Idade Média, o meio mais importante de observação astronômica era o olho humano, ajudado por vários aparatos mecânicos para medir a posição dos corpos celestes. Depois veio a invenção do telescópio, no começo do século XVII, e as observações astronômicas de Galileo. A fotografia astronômica iniciou no fim do século XIX e durante as últimas décadas muitos tipos de detectores eletrônicos são usados para estudar a radiação electromagnética do espaço. Todo o espectro electromagnético, desde a radiação gama até as ondas de rádio são atualmente usadas para observações astronômicas. Também corresponde o ramo da óptica que se preocupa em medir a luz, em termos de como seu brilho é percebido pelo olho humano. Aquela se diferencia da radiometria, que é a ciência que mede a luz em termos de sua potência absoluta, por descrever a potência radiante associada a um dado comprimento de onda usando a função de luminosidade modeladora da sensibilidade do olho humano ao brilho. A fotometria é utilizada na astronomia, na observação de estrelas, pela percepção da diminuição da luz por elas emitida. Através de estudos e cálculos, é possível descobrir novos planetas e saber informações como rotação, translação, distância da estrela e satélites. Como a maioria das observações utiliza radiação electromagnética, e podemos obter informações sobre a natureza física da fonte estudando a

2 distribuição de energia desta radiação, introduziremos alguns conceitos para a caracterização desta radiação. As mudanças de coloração observada durante o determinado processo de complexação está intrinsecamente ligado à excitação dos elétrons que se encontram nos orbitais d, que absorvem determinados comprimentos de onda da luz branca (ondas eletromagnéticas), logo, em determinadas cores (espectro de absorção), e emitem, por conseguinte, a sua cor complementar, ou seja, o seu espectro de emissão. O espectro de emissão é justamente a cor complementar do espectro de absorção. Por exemplo, se um composto está absorvendo na região característica da cor violeta, ou seja, possui seu espectro de absorção em comprimentos de onda que caracterizam a cor violeta, irá apresentar uma coloração amarelada, pois está é a cor complementar do violeta, ou seja, o composto apresentará um espectro de emissão em comprimentos de onda que caracterizam a cor amarela, pois esta é a cor complementar do violeta. Para compreender melhor é necessário que observe o disco de cores: a cor que estiver no seu sentido contrário será sua cor complementar e vice-versa. Figura 1 - Disco de Newton: comprimentos de onda na faixa do visível de 700nm (vermelho) a 400nm (violeta), aproximadamente. METODOLOGIA Para a construção do fotômetro foi utilizado equipamentos alternativos com intuito de evitar gastos elevados. Foram utilizados uma placa de circuito

3 reutilizada, uma lanterna de LEDs, uma caixa de uma frente de som automotiva, um diodo zenner, uma bateria de uma calculadora, um fotoreceptor, um resistor de 33KΩ, lanterna de LED s, papel celofone azul e um multímetro modelo Dawer DM-1010 A. Figura 2 Montagem do Sistema do Fotômetro Para determinações das analises foi necessário escolher uma solução que apresentasse a cor complementar do espectro no azul (espectro escolhido pelo grupo para realização da analise de fotometria), sendo então escolhida uma solução de Dicromato de Potássio com quatro diferentes concentrações molar (0,01M, 0,03M, 0,06M, 0,09M), pois a referida solução apresenta-se com a coloração laranja no espectro visível (de 400 a 700nm). Com a aplicação das análises de fotometria, obtiveram-se os seguintes resultados descritos na tabela abaixo: Tabela 1 Dados Obtidos no Experimento Concentração Tensão Transmitância Transmitância do K 2 Cr 2 O 7 (M) (V) (%) Absorbância 0 2, ,01 2,73 0, , ,03 2,70 0, , ,06 2,66 0, , ,09 2,61 0, ,02228

4 Com os dados obtidos durante a análise, foi possível criar a curva de calibração de concentração molar do dicromato de potássio. Figura 3 - Curva de Calibração de Concentração Molar do Didromato de Potássio. CONCLUSÃO Ao termino desta atividade, foi possível averiguar a veracidade das práticas de fotometria e constatar a eficiência, praticidade e confiabilidade que esta categoria de análises proporciona. Outro aspecto observado nesta atividade foi a facilidade de reprodução deste equipamento, denotando que é possível efetuar técnicas e demonstrações de práticas outrora vista como de difícil acesso devido a onerosidade do equipamento, sendo esta realidade revertida no emprego de baixo recurso com o aproveitamento de materiais alternativos como visto no corpo deste trabalho. Outros comprimentos de onda e soluções estão sendo testados. REFERÊNCIAS - Skoog, D. A.; Holler, F. J.; Nieman, T. A; Príncipios de Análise Instrumental. São Paulo: Bookman, Lee, J.D.; Química Inorgânica Não Tão Concisa. São Paulo: Edgard Blucher, Shriver, D. F.; Atkins, P.W.; Química Inorgânica. São Paulo: Bookman, 2007.

5 - Atkins, P; Jones, L.; Princípios de Química - Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente. São Paulo: Bookman, 2007.

DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS Leds e Fotodiodos

DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS Leds e Fotodiodos DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS Leds e Fotodiodos OBJETIVOS: Analisar o funcionamento de um acoplador optoeletrônico e a performance dos dispositivos emissores de luz (leds). INTRODUÇÃO TEÓRICA A optoeletrônica

Leia mais

Praticando... Um composto com peso molecular de 292,16 foi dissolvido em um balão volumétrico

Praticando... Um composto com peso molecular de 292,16 foi dissolvido em um balão volumétrico Praticando... Um composto com peso molecular de 292,16 foi dissolvido em um balão volumétrico de 5 ml. Foi retirada uma alíquota de 1,00 ml, colocada num balão volumétrico de 10,0 ml e diluída até a marca.

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Energia do Sol para a Terra 22-04-2010. 10.º FQA Marília Peres

BALANÇO ENERGÉTICO. Energia do Sol para a Terra 22-04-2010. 10.º FQA Marília Peres BALANÇO ENERGÉTICO Adaptado de Porto Editora 10.º FQA Marília Peres Energia do Sol para a Terra O Sol é a principal fonte de energia do nosso sistema solar, libertando grandes quantidades de radiação electromagnética

Leia mais

Bibliografia. ESPECTROFOTOMETRIA no UV-Vis 21/3/2012 ANALÍTICA V 1S 2012. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula:

Bibliografia. ESPECTROFOTOMETRIA no UV-Vis 21/3/2012 ANALÍTICA V 1S 2012. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: ANALÍTICA V 1S 2012 Aula 20-03-12 ESPECTROFOTOMETRIA no UV-Vis ABSORÇÃO e EMISSÃO MOLECULAR Espectrofotometria no UV-VisVis Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas

Leia mais

Utilização de Resíduos de Metal como material para a absorção de radiação eletromagnética

Utilização de Resíduos de Metal como material para a absorção de radiação eletromagnética Utilização de Resíduos de Metal como material para a absorção de radiação eletromagnética Abstrato A radiação eletromagnética está aumentando junto com o desenvolvimento da tecnologia, principalmente eletro-domésticos

Leia mais

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos Introdução à Astronomia Fundamental A renascença chegou na astronomia através dos estudos de Nicolau Copérnico, que propôs um modelo heliocêntrico do Universo

Leia mais

Indicadores de ph naturais

Indicadores de ph naturais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Indicadores de ph naturais Práticas de ensino 2014.1 Sheila Silva; Elton Rocha; Mayara Oliveira; Izabela Oliveira [Escolha a data] Introdução

Leia mais

Aula 01 TEOREMAS DA ANÁLISE DE CIRCUITOS. Aula 1_Teoremas da Análise de Circuitos.doc. Página 1 de 8

Aula 01 TEOREMAS DA ANÁLISE DE CIRCUITOS. Aula 1_Teoremas da Análise de Circuitos.doc. Página 1 de 8 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL ZONA SUL CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA II. CIRCUITOS ELÉTRICOS Aula 0 TEOREMAS DA ANÁLISE DE CIRCUITOS Prof. Marcio Leite Página de 8 0 TEOREMA DA ANÁLISE DE CIRCUITOS.0 Introdução

Leia mais

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco. Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2006 / 2007. Nome: n.º aluno: Turma:

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco. Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2006 / 2007. Nome: n.º aluno: Turma: Ficha de Trabalho nº 3 Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2006 / 2007 Nome: n.º aluno: Turma: 1. Considera a seguinte imagem: a) O que representa a parte

Leia mais

QUANTIZAÇÃO DA ELETRICIDADE, DA LUZ E DA ENERGIA

QUANTIZAÇÃO DA ELETRICIDADE, DA LUZ E DA ENERGIA QUANTIZAÇÃO DA ELETRICIDADE, DA LUZ E DA ENERGIA 1 A DESCOBERTA DO ELÉTRON P ~ 10-3 atm gás ionizado - PLASMA P ~ 10-6 atm RAIOS INVISÍVEIS RAIOS CATÓDICOS Experiência J.J. Thomson - RELAÇÃO (e/m) 2 QUANTIZAÇÃO

Leia mais

Laboratório de Robótica XT95

Laboratório de Robótica XT95 Laboratório de Robótica XT95 O XT 95 é o kit mais avançado da linha XT, contendo todos os componentes das linhas anteriores. Se com as linhas anteriores você já pudia criar muitos projetos, com essa linha

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 DIODOS SEMICONDUTORES E CURVAS CARACTERÍSTICAS

EXPERIÊNCIA 9 DIODOS SEMICONDUTORES E CURVAS CARACTERÍSTICAS EXPERIÊNCIA 9 DIODOS SEMICONDUTORES E CURVAS CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO Existem diversos tipos de diodos, muitos deles projetados e construídos com finalidades específicas. Os diodos semicondutores

Leia mais

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA RADIOLOGICA Prof. Emerson Siraqui RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Para concluirmos o que é radiações de forma bem simples é um transporte de energia que se propaga a partir de uma fonte em todas direções.

Leia mais

RAIOS-X. aspectos gerais J.R. Kaschny (2013)

RAIOS-X. aspectos gerais J.R. Kaschny (2013) RAIOS-X aspectos gerais J.R. Kaschny (2013) Introdução Os raios X são emissões eletromagnéticas de natureza semelhante à luz visível. Seu comprimento de onda vai de 0,05 Å até dezenas de angstrons, descobertos

Leia mais

Circuito Elétrico - I

Circuito Elétrico - I 1 1. Um resistor de 32 ohms é ligado em paralelo a outro resistor de 20 ohms e o conjunto é ligado a uma fonte de tensão de 12VDC. a) Qual é a resistência da ligação em paralelo? b) Qual é a corrente total

Leia mais

Fibras Ópticas Modulação de um díodo emissor de luz (LED)

Fibras Ópticas Modulação de um díodo emissor de luz (LED) Fibras Ópticas Modulação de um díodo emissor de luz (LED) Equipamento: * Fonte de alimentação * Gerador de sinal * Osciloscópio * Multímetro digital de bancada * LED SFH750V * 2N3904 NPN Transístor * 2N2222A

Leia mais

COMPOSIÇÃO DAS CORES

COMPOSIÇÃO DAS CORES FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA PRIMEIRA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 3123 Grupo A Projeto Reconstrução de uma Experiência do MCT-PUC COMPOSIÇÃO DAS CORES

Leia mais

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES Introdução O capacitor é um componente eletrônico constituído de duas placas condutoras de corrente elétrica separadas por um material isolante denominado de dielétrico

Leia mais

DISPOSITIVO DIGITAL UTILIZANDO ARDUÍNO COMO MEDIDOR DE ULTRA VIOLETA VISÍVEL PARA QUANTIFICAR Fe 3+ DISSOLVIDO EM ÁGUA

DISPOSITIVO DIGITAL UTILIZANDO ARDUÍNO COMO MEDIDOR DE ULTRA VIOLETA VISÍVEL PARA QUANTIFICAR Fe 3+ DISSOLVIDO EM ÁGUA DISPOSITIVO DIGITAL UTILIZANDO ARDUÍNO COMO MEDIDOR DE ULTRA VIOLETA VISÍVEL PARA QUANTIFICAR Fe 3+ DISSOLVIDO EM ÁGUA Vanessa F. Pinto¹, Flávia F. Stelzer², João Vitor M. Santos³, Bárbara M. dos Santos

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 03

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 03 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 03 TÍTULO DA AULA PRÁTICA: Equipamentos e Resistores 1. PRÉ-REQUISITOS A partir desta aula, os circuitos elétricos serão tema de estudo no Laboratório de Física 2. Para testar

Leia mais

Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton

Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas; IFGW Instituto de Física Gleb Watagin; Relatório Final de F 809, Instrumentação para ensino: Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton André de Ávila Acquaviva,

Leia mais

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo Apostila 1 Física Capítulo 3 Página 302 A Natureza das Ondas Classificação quanto a natureza Ondas Mecânicas São ondas relacionadas à oscilação das partículas do meio. Portanto, exige a presença de meio

Leia mais

Eletrônica: conceitos básicos

Eletrônica: conceitos básicos Eletrônica: conceitos básicos A UU L AL A Você já sabe que sem eletricidade não há automação. Ela está presente no acionamento (motores elétricos), no sensoriamento e mesmo nas bombas hidráulicas e nos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA PROPOSTA DE ATIVIDADES DIDÁTICAS DISCIPLINA DE QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL ORIENTADORA: Profa. Dra. Liane M. Rossi MONITORES: Bernardo A. Iglesias/Lucas L.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Sistema Óptico Carga Horária: 60h Período: 4º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Sistema Óptico Carga Horária: 60h Período: 4º. Ementa PLANO DE ENSINO Disciplina: Sistema Óptico Carga Horária: 60h Período: 4º Ementa Histórico de transmissão da luz através de fibras ópticas. Características físicas das fibras ópticas. Degradação do sinal

Leia mais

Introdução à Volumetria. Profa. Lilian Lúcia Rocha e Silva

Introdução à Volumetria. Profa. Lilian Lúcia Rocha e Silva Introdução à Volumetria Profa. Lilian Lúcia Rocha e Silva INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução que contém um soluto

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Experiência nº 9 Retificador Trifásico de Três pulsos a Tiristor OBJETIVO: Verificar o comportamento

Leia mais

Roteiro do Experimento Efeito Fotoelétrico Modelo Ondulatório da Luz versus Modelo Quântico da Luz

Roteiro do Experimento Efeito Fotoelétrico Modelo Ondulatório da Luz versus Modelo Quântico da Luz EF Página 1 of 6 Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Roteiro do Experimento Efeito Fotoelétrico Modelo Ondulatório da Luz versus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA- CCET DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - DQI PROF.: ANTONIO REINALDO CESTARI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA- CCET DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - DQI PROF.: ANTONIO REINALDO CESTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA- CCET DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - DQI PROF.: ANTONIO REINALDO CESTARI Teoria atômica - Exemplos numéricos 1) A freqüência da radiação

Leia mais

O Engenheiro. Introdução à Engenharia Elétrica Prof. Edmar José do Nascimento

O Engenheiro. Introdução à Engenharia Elétrica  Prof. Edmar José do Nascimento O Engenheiro Introdução à Engenharia Elétrica http://www.univasf.edu.br/~edmar.nascimento Prof. Edmar José do Nascimento Introdução à Engenharia Elétrica Carga horária 30 horas (15 encontros) Professores

Leia mais

DETECTOR TRANSMISSOR/RECEPTOR/1

DETECTOR TRANSMISSOR/RECEPTOR/1 DETECTOR DE METAL DETECTOR TRANSMISSOR/RECEPTOR /1 Este aparelho é adequado para a localização de grandes objetos de metal enterrados a considerável profundidade - metros, em vez de centímetros. Objetos

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE ÓPTICA Professor Alexandre Miranda Ferreira

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE ÓPTICA Professor Alexandre Miranda Ferreira 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE ÓPTICA Professor Alexandre Miranda Ferreira www.proamfer.com.br amfer@uol.com.br 1 A distância média entre a Terra e o Sol é de 150.000.000 km. Quanto tempo a luz demora para

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3.

MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. MODELAGEM MATEMÁTICA DE UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1 Gabriel Attuati 2, Paulo Sausen 3. 1 Parte integrante do Projeto de pesquisa Análise, Modelagem e Desenvolvimento

Leia mais

O que é energia solar?

O que é energia solar? ENERGIA SOLAR Renováveis O sol, o vento, a água e a biomassa são as fontes mais promissoras de energia hoje. O mundo não precisa investir em mais usinas a carvão e deve investir em alternativas para os

Leia mais

Curso Básico de Fotografia Científica

Curso Básico de Fotografia Científica Curso Básico de Fotografia Científica INTRODUÇÃO -A palavra fotografia vem do Grego e significa escrever com a luz. -A luz é o elemento mais importante, aliada a outros elementos como: o assunto, a câmera,

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 8

Problemas de Mecânica e Ondas 8 Problemas de Mecânica e Ondas 8 P 8.1. ( Introdução à Física, J. Dias de Deus et. al. ) a) A figura representa uma onda aproximadamente sinusoidal no mar e uma boia para prender um barco, que efectua 10

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANUAL 2014

PLANO DE ENSINO ANUAL 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC - CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO ANUAL 2014 DISCIPLINA SÉRIE TURMA ANO LETIVO

Leia mais

Um pouco da História dos Logaritmos

Um pouco da História dos Logaritmos Um pouco da História dos Logaritmos Os logaritmos, como instrumento de cálculo, surgiram para realizar simplificações, uma vez que transformam multiplicações e divisões nas operações mais simples de soma

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 7.º ano CFQ 2015-2016

PLANO DE ESTUDOS 7.º ano CFQ 2015-2016 PLANO DE ESTUDOS 7.º ano CFQ 2015-2016 O aluno, no final do 7.º ano, deve ser capaz de: - Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos

Leia mais

É possível se queimar tomando banho de sol?

É possível se queimar tomando banho de sol? Refletindo sobre os seus conceitos prévios: É possível se queimar tomando banho de sol? Qual a temperatura do ar na praia? Quem é responsável pelo aquecimento da pele que pode levar à sua queima? O sol

Leia mais

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.) I. INTRODUÇÃO Quando se faz um experimento, deseja-se comparar o resultado obtido

Leia mais

Características espectrais de alvos naturais. Aula 4 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características espectrais de alvos naturais. Aula 4 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características espectrais de alvos naturais Aula 4 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Radiometria espectral É por meio das medidas radiométricas de laboratório

Leia mais

QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução Química Analítica

QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução Química Analítica Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 072/150 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 1 Introdução Química Analítica Prof. Julio C. J. Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA (1) Determine o valor da tensão na saída V o. LISTA DE EXERCICIOS

Leia mais

UM JOGO DE DOMINÓ PARA A LÓGICA PROPOSICIONAL

UM JOGO DE DOMINÓ PARA A LÓGICA PROPOSICIONAL UM JOGO DE DOMINÓ PARA A LÓGICA PROPOSICIONAL Fernanda Pires da Silva 1 e José Ricardo R. Zeni 2, 3 1 Curso de licenciatura em matemática 2 o ano e-mail: nandamiss@ig.com.br 2 DMEC (Departamento de Matemática,

Leia mais

1. Nas questões seguintes seleciona a opção correta CIRCUNDANDO a letra correspondente:

1. Nas questões seguintes seleciona a opção correta CIRCUNDANDO a letra correspondente: Página1 1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Ano Letivo: 2012/2013 Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Avaliação: Encarregado de Educação: Nome: Nº. Turma: 1.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA EXERCÍCIOS NOTAS DE AULA II Goiânia - 2014 01) Na figura abaixo, qual é a corrente na carga com um diodo ideal? R: 15 ma Figura

Leia mais

Comprovar na prática, através das experiências, a veracidade das duas leis de Ohm.

Comprovar na prática, através das experiências, a veracidade das duas leis de Ohm. Disciplina: Experiência: Eletricidade e Magnetismo Leis de Ohm Objetivo Comprovar na prática, através das experiências, a veracidade das duas leis de Ohm. Introdução Teórica Georg Simon Ohm (1857 1854)

Leia mais

Introdução Astrônomos da Grécia Antiga O futuro. Astronomia Antiga. Marcio Guilherme Bronzato de Avellar IAG-USP 13/03/2007

Introdução Astrônomos da Grécia Antiga O futuro. Astronomia Antiga. Marcio Guilherme Bronzato de Avellar IAG-USP 13/03/2007 Astronomia Antiga Marcio Guilherme Bronzato de Avellar IAG-USP 13/03/2007 Conteúdo Introdução O futuro Introdução De olho no céu Desde os tempos imemoriais o homem olha para o céu. Os registros mais antigos

Leia mais

MATEMÁTICA. Questões de 01 a 06

MATEMÁTICA. Questões de 01 a 06 MATEMÁTICA Questões de 01 a 06 MAT PÁG. 1 01. O custo total da fabricação de determinado artigo depende do custo de produção, que é de R$ 45,00 por unidade fabricada, mais um custo fixo de R$ 2.000,00.

Leia mais

Parte da Física que estuda o comportamento de sistemas físicos sujeitos a forças. Figura 5.1: Exemplo de equilíbrio estático. ~F i = ~0 (5.

Parte da Física que estuda o comportamento de sistemas físicos sujeitos a forças. Figura 5.1: Exemplo de equilíbrio estático. ~F i = ~0 (5. Capítulo 5 Mecânica Parte da Física que estuda o comportamento de sistemas físicos sujeitos a forças. 5.1 Estática Ramo da mecânica que estuda as forças actuantes num sistema mecânico em equilíbrio (todos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Mestrado Integrado em Engenharia Biológica Laboratório de Análise Química Determinação do Ácido Acetilsalicílico num comprimido por Espectroscopia de Absorção Molecular Sílvia

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS

EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS José Celson Braga Fernandes¹ - celsonbraga@yahoo.com.br Emanuele Montenegro Sales² Flaviana Vieira da Costa³ Apoliana Braga Fernandes 4

Leia mais

FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA. Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br

FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA. Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br ESTADOS DA MATÉRIA Três tipos: -Estado Fundamental -Estado Excitado -Estado Ionizado ESTADOS DA MATÉRIA Estado Fundamental:

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA SISTEMAS ANALÓGICOS Prática: 4 Assunto: Amplificador Operacional - Parte IV Objetivos: Montar e testar as configurações de comparadores. Material

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Definições Comunicações sem fio utilizam-se de ondas eletromagnéticas para o envio de sinais através de longas distâncias.

Leia mais

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol.

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol. Estações do Ano Aluno: Ricardo Augusto Viana de Lacerda Curso de Especialização em Astronomia (2009)-USP_leste Texto adaptado da Oficina de Astronomia do Prof. Dr. João Batista Garcia Canalle. a) A lâmpada

Leia mais

ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO

ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T6 Física Experimental I - 2007/08 ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO 1. Objectivo Estudo do funcionamento, em regime estacionário,

Leia mais

PRÁTICA 3-DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NOS CIRCUITOS: APSPECTOS EXPERIMENTAIS

PRÁTICA 3-DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NOS CIRCUITOS: APSPECTOS EXPERIMENTAIS PRÁTICA 3-DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NOS CIRCUITOS: APSPECTOS EXPERIMENTAIS Objetivos Desenvolver sua capacidade de entender qualitativamente a energia em circuitos elétricos. Esta prática tem como objetivo

Leia mais

A forma geral de uma equação de estado é: p = f ( T,

A forma geral de uma equação de estado é: p = f ( T, Aula: 01 Temática: O Gás Ideal Em nossa primeira aula, estudaremos o estado mais simples da matéria, o gás, que é capaz de encher qualquer recipiente que o contenha. Iniciaremos por uma descrição idealizada

Leia mais

Reostatos de grafite (um experimento simples e de baixo custo)

Reostatos de grafite (um experimento simples e de baixo custo) ENSINO Reostatos de grafite (um experimento simples e de baixo custo) Carlos Eduardo Laburú 1 e Osmar Henrique Moura Silva Departamento de Física Universidade Estadual de Londrina 86051-970 Londrina, PR

Leia mais

DISCIPLINA: QUIMICA INORGÂNICA I, QUI 0147, Turmas: T01 e T02 PERÍODO LETIVO: 2014-2 PROFESSOR: ANTONIO REINALDO CESTARI

DISCIPLINA: QUIMICA INORGÂNICA I, QUI 0147, Turmas: T01 e T02 PERÍODO LETIVO: 2014-2 PROFESSOR: ANTONIO REINALDO CESTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA/CCET DISCIPLINA: QUIMICA INORGÂNICA I, QUI 0147, Turmas: T01 e T02 PERÍODO LETIVO: 2014-2 PROFESSOR: ANTONIO REINALDO CESTARI Sala 23 Departamento

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA PLACA DE CIRCUITO IMPRESSO SANTOS, Keize Daiane (Eng. Produção, UNIBRASIL) MARCELOS, Wevyllyn Rafaela (Eng. Produção, UNIBRASIL) Resumo: O objetivo deste resumo é relatar o processo

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico 25 Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico Existem diversos tipos de aplicações já desenvolvidas envolvendo o uso de processamento de imagens médicas, a fim de auxiliar o

Leia mais

Capacitor em corrente contínua

Capacitor em corrente contínua Capacitor em corrente contínua OBJETIVOS: a) estudar o processo de carga e descarga de um capacitor em regime de corrente contínua; b) verificar experimentalmente o significado da constante de tempo (τ)

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA Autores: Marina PADILHA, Felipe JUNG, Ernande RODRIGUES Identificação autores: Estudante de Graduação de Engenharia

Leia mais

Determinação dos espectros de absorção de diferentes formas de Hemoglobina

Determinação dos espectros de absorção de diferentes formas de Hemoglobina Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Bioquímica I 1º Ano Medicina Determinação dos espectros de absorção de diferentes formas de Hemoglobina T U R M A 6 A N O L E C T I V O 2 0 1 0 / 2 0 1

Leia mais

06-11-2015. Sumário. Da Terra à Lua. Movimentos no espaço 02/11/2015

06-11-2015. Sumário. Da Terra à Lua. Movimentos no espaço 02/11/2015 Sumário UNIDADE TEMÁTICA 1 Movimentos na Terra e no Espaço. Correção do 1º Teste de Avaliação. Movimentos no espaço. Os satélites geoestacionários. - O Movimentos de satélites. - Características e aplicações

Leia mais

Aula 16: Teoria da Radiação

Aula 16: Teoria da Radiação Aula 6: Teoria da Radiação Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Souza Oliveira Saraiva & Alexei Machado Müller Ilustração de uma onda eletromagnética com os campos elétrico E e magnético B perpendiculares

Leia mais

VOCABULÁRIO DE METROLOGIA

VOCABULÁRIO DE METROLOGIA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA VOCABULÁRIO DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVO DESTE CAPÍTULO Descrever os fundamentos, os termos, e os princípios da metrologia.

Leia mais

A.L.1.3 EFEITOS DA TEMPERATURA E DA CONCENTRAÇÃO NA PROGRESSÃO GLOBAL DE UMA REACÇÃO

A.L.1.3 EFEITOS DA TEMPERATURA E DA CONCENTRAÇÃO NA PROGRESSÃO GLOBAL DE UMA REACÇÃO A.L.1.3 EFEITOS DA TEMPERATURA E DA CONCENTRAÇÃO NA PROGRESSÃO GLOBAL DE UMA REACÇÃO QUÍMICA 11.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA Como pode evoluir um sistema em equilíbrio quando se faz variar a temperatura ou a

Leia mais

Componentes eletrônicos

Componentes eletrônicos Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Componentes eletrônicos Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, abril

Leia mais

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão A escolha correcta dos elementos de protecção de uma instalação eléctrica, minimiza ou elimina por completo o risco de incêndio, explosão ou choques eléctricos

Leia mais

Teoria Quântica e Estrutura Atómica

Teoria Quântica e Estrutura Atómica Capítulo 7 Teoria Quântica e Estrutura Electrónica dos Átomos Da Física Clássica à Teoria Quântica Efeito Fotoeléctrico Teoria de Bohr do Átomo de Hidrogénio Natureza Dual do Electrão Mecânica Quântica

Leia mais

4.1 Experimento 1: Cuba Eletrostática: Carga, Campo e Potenciais Elétricos

4.1 Experimento 1: Cuba Eletrostática: Carga, Campo e Potenciais Elétricos 14 4. Roteiros da Primeira Sequência 4.1 Experimento 1: Cuba Eletrostática: Carga, Campo e Potenciais Elétricos 4.1.1 Objetivos Fundamentar o conceito de carga elétrica. Trabalhar com os conceitos de campo

Leia mais

Lista de fundamentos em ondulatória Prof. Flávio

Lista de fundamentos em ondulatória Prof. Flávio 1. (Ufmg 1997) Um menino, balançando em uma corda dependurada em uma árvore, faz 20 oscilações em um minuto. Pode-se afirmar que seu movimento tem a) um período de 3,0 segundos. b) um período de 60 segundos.

Leia mais

Efeito Estufa. Tópicos: Para reflexão:

Efeito Estufa. Tópicos: Para reflexão: Efeito Estufa Tópicos: O que é efeito estufa? Por que a preocupação com o efeito estufa? Quais são os principais gases de efeito estufa? Para reflexão: Por que existe uma preocupação tão grande com relação

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ARTUR GONÇALVES. FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A 11º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ARTUR GONÇALVES. FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A 11º Ano Agrupamento de Escolas AR T U R G O N Ç AL V E S ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA ARTUR GONÇALVES FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A 11º Ano Assunto: Viagens com GPS 1. Classifica cada uma das afirmações

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

Simulado Ondulatória

Simulado Ondulatória Simulado Ondulatória 1-) (ITA/87) Considere os seguintes fenômenos ondulatórios: I-) Luz II-) Som III-) Perturbação propagando-se numa mola helicoidal esticada. Podemos afirmar que: a-) I, II e III necessitam

Leia mais

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Todos os corpos na natureza são formados por moléculas, formadas por átomos. Todas as partículas são em essência cargas elétricas.

Leia mais

Apostila de Física 26 Resistores

Apostila de Física 26 Resistores Apostila de Física 26 Resistores 1.0 Definições Efeito térmico ou efeito joule: Transformação de energia elétrica em energia térmica. Choque dos elétrons livres contra os átomos dos condutores. Causa elevação

Leia mais

ESTRUTURA DO ÁTOMO. 3. (G1 - cftmg 2016) Sobre as propriedades do íon sulfeto ( ) verdadeiro ou (F) para falso.

ESTRUTURA DO ÁTOMO. 3. (G1 - cftmg 2016) Sobre as propriedades do íon sulfeto ( ) verdadeiro ou (F) para falso. 1. (Udesc 2014) O enunciado Em um mesmo átomo, não podem existir dois elétrons com o mesmo conjunto de números quânticos refere-se a(ao): a) Princípio da Exclusão de Pauli. b) Princípio da Conservação

Leia mais

A primeira coisa ao ensinar o teorema de Pitágoras é estudar o triângulo retângulo e suas partes. Desta forma:

A primeira coisa ao ensinar o teorema de Pitágoras é estudar o triângulo retângulo e suas partes. Desta forma: As atividades propostas nas aulas a seguir visam proporcionar ao aluno condições de compreender de forma prática o teorema de Pitágoras em sua estrutura geométrica, através do uso de quadrados proporcionais

Leia mais

Guias de Telecomunicações

Guias de Telecomunicações Guias de Telecomunicações Wander Rodrigues CEFET MG 2005 Sumário Apresentação do Laboratório de Telecomunicações... 04 Circuitos ressonantes... 28 Circuitos osciladores de onda senoidal oscilador Hartley...

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIDADE DE ENSINO DE SÃO JOSÉ

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIDADE DE ENSINO DE SÃO JOSÉ ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIDADE DE ENSINO DE SÃO JOSÉ CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES JAIR LÍBERO CADORIN Professor da UNED/SJ São José, Junho de 2001 Resumo Neste trabalho desenvolvemos

Leia mais

Prof. Daniel Oliveira

Prof. Daniel Oliveira A camada física Prof. Daniel Oliveira Base teórica da comunicação de dados As informações podem ser transmitidas por fios, fazendo-se variar alguma propriedade física: voltagem (tensão elétrica) ou corrente

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa:  Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Estudo Sobre energia solar e suas aplicações á inclusão social da população de baixa renda e ao programa Luz Para Todos. Palavras-chave: Energia solar, Aquecedor solar, Painel fotovoltaico

Leia mais

OFICINA: APROXIMAÇÕES NO CÁLCULO DE ÁREAS AUTORES: ANA PAULA PEREIRA E JULIANA DE MELO PEREIRA

OFICINA: APROXIMAÇÕES NO CÁLCULO DE ÁREAS AUTORES: ANA PAULA PEREIRA E JULIANA DE MELO PEREIRA OFICINA: APROXIMAÇÕES NO CÁLCULO DE ÁREAS AUTORES: ANA PAULA PEREIRA E JULIANA DE MELO PEREIRA Resumo: O Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática tem em seu currículo o componente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PLANO DE ENSINO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA - 7º PERÍODO PROFESSORA BEATRIZ BRONISLAVA LIPINSKI DADOS GERAIS Disciplina: Projetos de Ensino de Física II Período: 7º Período - Turma 2012 Período letivo:

Leia mais

Atômica (continuação)

Atômica (continuação) Analítica V: Aula 10-04-12 Espectrometria de Absorção Atômica (continuação) Espectrometria de Emissão Atômica Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula:

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do STJ de 2015, aplicada em 27/09/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do STJ de 2015, aplicada em 27/09/2015. de Raciocínio Lógico do STJ de 20, aplicada em 27/09/20. Raciocínio Lógico p/ STJ Mariana é uma estudante que tem grande apreço pela matemática, apesar de achar essa uma área muito difícil. Sempre que

Leia mais

ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS

ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS MECÂNICA QUÂNTICA E OS ORBITAIS ATÔMICOS 1926 Físico austríaco Erwin Schrödinger Equação de onda de Schrödinger Incorpora tanto o comportamento ondulatório como o de partícula

Leia mais

Data: Experiência 01: LEI DE OHM

Data: Experiência 01: LEI DE OHM ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

PRÁTICA 03 - DETERMINAÇÃO DE CLORETO PELO MÉTODO DE MOHR E FAJANS

PRÁTICA 03 - DETERMINAÇÃO DE CLORETO PELO MÉTODO DE MOHR E FAJANS PRÁTICA 03 - DETERMINAÇÃO DE CLORETO PELO MÉTODO DE MOHR E FAJANS Aula 13 METAS Familiarizar com as técnicas de preparo e padronização de uma solução de AgNO3; determinar a concentração de cloreto em soro

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14 Ondas 5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Introdução: elementos básicos sobre ondas De maneira geral, uma onda é qualquer sinal que se transmite de um ponto a outro

Leia mais

A radioatividade e a idade da Terra

A radioatividade e a idade da Terra A radioatividade e a idade da Terra Luiz Fernando Mackedanz luiz.mackedanz@unipampa.edu.br Centro de Ciências Naturais e Tecnológicas Universidade Federal do Pampa, Caçapava do Sul, RS, Brasil L. F. Mackedanz

Leia mais

Impacto da tecnologia LED na metrologia óptica

Impacto da tecnologia LED na metrologia óptica Impacto da tecnologia LED na metrologia óptica Thiago Menegotto Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade LED e Metrologia Vida útil e confiabilidade dos LED Necessidade de nova métrica para o

Leia mais

Noções de Microeconomia

Noções de Microeconomia Noções de Microeconomia Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado: A Demanda e a Lei da Demanda; A Curva da Demanda; A Oferta e a Lei da Oferta; A Curva da Oferta; Equilíbrio de Mercado; Elasticidades. Introdução

Leia mais