EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DO CULTIVO DE UMA HORTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DO CULTIVO DE UMA HORTA"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pedagogia Ana Paula Marques dos Santos EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DO CULTIVO DE UMA HORTA LINS SP 2013

2 ANA PAULA MARQUES DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DO CULTIVO DE UMA HORTA Projeto de Pesquisa apresentado como exigência parcial do curso de Pedagogia do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, sob orientação da Profª Ma. Elisete Peixoto de Lima e orientação técnica pela Profª Esp. Érica Cristiane dos Santos Campaner. LINS SP 2013

3 Santos, Ana Paula Marques S233e Educação ambiental: aplicada na educação infantil através do cultivo de uma horta / Ana Paula Marques dos Santos. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Pedagogia, Orientadores: Elisete Peixoto de Lima; Érica Cristiane dos Santos Campaner 1.Educação Ambiental. 2. Educação infantil. 3. Horta escolar. 4. Educação alimentar. I Título. CDU 37

4 ANA PAULA MARQUES DOS SANTOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATRAVÉS DO CULTIVO DE UMA HORTA Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Licenciada em Pedagogia. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Profª Orientadora: Ma. Elisete Peixoto de Lima. Titulação: Mestra em Odontologia Saúde Coletiva pela Universidade do Sagrado Coração - USC, Bauru - SP. Assinatura: 1º Prof(a): Titulação: Assinatura: 2º Prof(a): Titulação: Assinatura:

5 DEDICATÓRIA A MINHA FAMÍLIA Por compreender a importância dos estudos para minha vida profissional e, consequentemente, para nosso futuro. Minha mãe Maria Aparecida Nunes Marques, que me ajuda com os cuidados da casa, nos momentos em que estou ausente. Meu marido Leandro Henrique dos Santos e minhas filhas gêmeas Amanda Marques de Oliveira e Roberta Marques de Oliveira, que entendem a necessidade que eu tenho de sair de casa, todos os dias, para frequentar as aulas. A meu pai José Marques, pelo carinho e apoio.

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus por colocar em meu caminho, mais uma oportunidade, de concluir uma graduação com saúde e disposição. A todos da turma de Pedagogia de 2013, primeira turma do PARFOR, pela amizade. Foi uma convivência muito rica de aprendizagens com pessoas que já trabalham na área da educação. A Cacilda Zavan, diretora da EMEI Maria Aparecida da Silva Elias, por permitir que eu realizasse a pesquisa nesta escola. A minha amiga de trabalho Ana Lúcia Ferreira, que me acompanhou e ajudou com as crianças, todos os dias, para cuidar da horta. A todos os professores do curso de Pedagogia que contribuíram para minha formação, em especial, a professora Elisete Peixoto de Lima e a professora Érica Cristiane Campaner, que me auxiliaram no desenvolvimento deste trabalho de conclusão de curso.

7 RESUMO A Educação Ambiental tem como objetivo a construção do conhecimento da natureza, formação de atitudes e desenvolvimento de habilidades que resultem em práticas de cidadania para garantir uma sociedade sustentável. A reflexão sobre o ambiente que nos cerca e sobre as atitudes e responsabilidades de cada um de nós, produz processos educativos contextualizados e significativos para os envolvidos. A educação geral contribui para a construção da sociedade, por isso é necessário um trabalho de qualidade sobre educação ambiental com as crianças para que possam auxiliar na preservação do meio ambiente. Os valores e atitudes construídos na primeira infância determinarão os comportamentos éticos e morais ao longo da vida. Para que as próximas gerações cuidem do planeta é preciso trabalhar, desde a educação infantil, por exemplo, o estudo da natureza e da interdependência entre o ser humano e o ambiente. Cultivar uma horta na escola é uma experiência concreta de aprendizagem que traz benefícios para o desenvolvimento de cada aluno, é uma das melhores maneiras de tornar as crianças capazes de contribuir com um futuro sustentável, além de incentiválas ao consumo de alimentos saudáveis. A escola é o melhor agente para promover a educação alimentar, pois é na infância que se estabelecem atitudes e práticas alimentares difíceis de modificar na idade adulta. Por esse motivo a educação infantil tem um papel importante no desenvolvimento de bons hábitos alimentares das crianças. A pesquisa foi feita com base no projeto de cultivo de uma horta realizada na Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Maria Aparecida da Silva Elias, modalidade creche, no município de Lins, com alunos de 3 a 4 anos. Através da horta foi possível ampliar o vínculo entre as crianças e o meio ambiente e contribuir para o desenvolvimento de boas práticas alimentares. Palavras-chave: Educação ambiental. Educação infantil. Horta escolar. Educação alimentar.

8 ABSTRACT Environmental education aims to build knowledge of nature, forming attitudes and skills development that result in citizenship practices to ensure a sustainable society. Thinking about the environment around us and on the attitudes and responsibilities of each of us, produces educational processes contextualized and meaningful to those involved. General education contributes to society construction, and it s necessary a quality work on environmental education with children so they can help preserve the environment. The values and attitudes constructed in early childhood determine ethical behavior and moral lifelong. For the next generations to take care of the planet it takes work, from early childhood education, for example, the study of nature and the interdependence between humans and the environment. Plant a vegetable garden at the school is a concrete experience of learning that is beneficial to the development of each student, is one of the best ways to make children able to contribute to a sustainable future, and encourage them to healthy food consumption. The school is the best agent to promote food education, as it is in childhood that is established attitudes and eating habits difficult to change in adulthood. For this reason early childhood education has an important role in the development of good eating habits of children. The research was based on the project of growing a garden held in Municipal School of Early Childhood Education (EMEI) Maria Aparecida da Silva Elias, mode daycare, In the city of Lins, with 3-4 years students. Through the vegetable garden was possible to increase the bond between children and the environment and contribute to the development of good eating habits. Keywords: Environmental education. Childhood education. School vegetable garden. Food literacy.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Conversa sobre a horta Figura 2: Plantio das sementes nos canteiros Figura 3: Plantio das sementes nos canteiros Figura 4: Rega dos canteiros Figura 5: Rega dos canteiros Figura 6: Retirada de folhas e matos dos canteiros Figura 7: Colheita da rúcula Figura 8: Higienização das verduras Figura 9: Degustação das verduras... 43

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Organização dos alunos na EMEI... 35

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO INFANTIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL CAPÍTULO II - EDUCAÇÃO AMBIENTAL, INFANTIL E ALIMENTAR CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) A Educação Ambiental no contexto da Educação Infantil A educação alimentar no contexto da Educação Infantil A horta escolar como estratégia interdisciplinar de educação ambiental e alimentar CAPÍTULO III - PROJETO HORTA NA EMEI MARIA APARECIDA DA SILVA ELIAS - MODALIDADE CRECHE A EMEI MARIA APARECIDA DA SILVA ELIAS MODALIDADE CRECHE Projeto Horta Objetivos Objetivos específicos Métodos Técnicas PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES... 48

12 10 INTRODUÇÃO Muitos educadores têm buscado cumprir o papel importante de desenvolver nas crianças o compromisso com o cuidado do ambiente, tanto do espaço interno e externo da sala ou da escola, quanto das relações humanas como o afeto e respeito consigo, com o outro e com o mundo. Através da educação ambiental é possível construir conhecimentos e habilidades, além de formar atitudes que serão transformadas em práticas de cidadania auxiliando na garantia de uma sociedade sustentável. A educação ambiental não é apenas um conteúdo transversal, é um conjunto de ideias, que conduz a uma melhor qualidade de vida e a preservação de um ecossistema equilibrado para todos os seres vivos. A educação geral contribui para construção da sociedade, por isso é necessário um trabalho de qualidade sobre educação ambiental com as crianças para que possam auxiliar na preservação do meio ambiente, para as atuais e futuras gerações. Os primeiros anos de vida constituem-se no melhor período para desenvolver atitudes e valores que construirão a base da personalidade. Nessa fase, os valores e atitudes desenvolvidos determinarão os comportamentos éticos e morais ao longo da vida. Portanto, para que as próximas gerações cuidem do planeta é preciso trabalhar na educação infantil o estudo da natureza e da interdependência entre o ser humano e o ambiente. Neste contexto, o cultivo de hortas escolares pode se tornar um rico instrumento educativo. Experiências de contato com o solo, a descoberta de diversas formas de vida que ali existem, o encanto com as sementes que brotam como mágica, o cuidado diário de regar e tirar matinhos, a espera até que a natureza transforme as sementes em verduras e legumes podem fazer de pequenos espaços da escola cantos de muito aprendizado, além de proporcionar uma alimentação saudável às crianças. As hortas escolares podem abordar diferentes conteúdos curriculares de forma significativa e contextualizada e promover vivências que resgatam valores.

13 11 O objetivo dessa pesquisa foi promover o contato das crianças de 3 a 4 anos da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Maria Aparecida da Silva Elias com o meio ambiente, estimulando-as a cuidar dos vegetais de uma horta escolar e a adquirir bons hábitos alimentares, levando-as a compreender a importância dos cuidados com os seres vivos. Diante do exposto, chegou-se á seguinte questão: Por meio do cultivo de uma horta é possível desenvolver nas crianças o interesse pelo cuidado com o ambiente, além de incentivá-las ao consumo de alimentos saudáveis? Em resposta a este questionamento, pode-se levantar a seguinte hipótese: o cultivo de uma horta escolar é uma experiência concreta que pode auxiliar crianças na faixa etária de 3 a 4 anos a compreender a importância da natureza como produtora de alimentos saudáveis, além de contribuir para que as mesmas estabeleçam relações entre o meio ambiente e o ciclo vital dos seres vivos. Para a realização da pesquisa foram utilizados os métodos de revisão bibliográfica e estudo de caso. O trabalho está assim estruturado: Capítulo I: trata os conceitos teóricos e legais sobre a educação infantil. Capítulo II: apresenta a fundamentação teórica sobre a educação ambiental, infantil e alimentar e Capítulo III: descreve e analisa a pesquisa realizada na EMEI Maria Aparecida da Silva Elias. Por fim, vem a proposta de intervenção e a conclusão.

14 12 CAPÍTULO I EDUCAÇÃO INFANTIL 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL As leis aplicadas à educação infantil, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB Lei 9.394/96), são consequência da Constituição Federal de 1988, que definiu em seu artigo 227: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (BRASIL, 1988, p. 93) A Constituição Federal reconheceu a criança como um cidadão em desenvolvimento e garantiu que é dever do Estado sua educação, com atendimento em creche e pré-escola, na faixa etária entre zero e cinco anos de idade. Segundo a LDB, em seu artigo 29: A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até 5 (cinco) anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. (BRASIL, 1996, p. 10) Essa condição rompe a tradição assistencialista presente na área e requer uma análise acerca de quais são os modelos de qualidade para a educação dessa faixa etária. As creches e pré-escolas são instituições de caráter educacional e não simplesmente assistencial, como já foram consideradas. A creche e a pré-escola têm, portanto, uma função de complementação e não substituição da família como muitas vezes foi entendido. Assim, elas deverão integrar-se com a família e com a comunidade para que juntas possam oferecer o que a criança necessita para seu desenvolvimento e para sua felicidade. (CRAIDY; KAERCHER, 2001, p. 24)

15 13 A LDB (1996) determina, ainda, que as instituições de educação infantil precisam ter um plano pedagógico elaborado pela instituição juntamente com os educadores, que deverão ter curso superior ou, no mínimo, curso normal com especialização em educação infantil. Para os que já trabalham em creches e pré-escolas, sem a formação exigida, cabe aos Conselhos Estaduais de Educação promover a formação em serviço e qualificar para a função de educador infantil. Os sistemas de ensino estão subordinados aos governos e no caso da educação infantil, a principal responsabilidade é do Município ou do Estado, quando o município não possuir sistema de ensino. Do ponto de vista legal, a educação das crianças até seis anos de idade é tratada como assunto de maior importância pelos organismos internacionais, da sociedade civil e pelo governo federal. (ANTUNES, 2004) Oliveira (2008) afirma que no Brasil, algumas instituições públicas ainda têm dado prioridade de matrícula aos filhos de trabalhadores de baixa renda, alegando a ideia de risco social. O argumento é que a educação infantil deve ser de assistência às famílias para que os pais possam trabalhar despreocupados com os cuidados básicos de que seus filhos necessitam. Por outro lado, as classes sociais privilegiadas sustentam a noção de que a creche e a pré-escola devem garantir a aprendizagem e o desenvolvimento global das crianças desde o nascimento. Como se há de aprofundar, a ideia de que há prioridade de guarda para as crianças de famílias de baixa renda e de educação para as de classe média estabelece uma oposição enganosa: não é possível ter a guarda das crianças sem as educar, e educá-las envolve também tomar conta delas. (OLIVEIRA, 2008, p. 37) É preciso superar a maneira com que a creche e a pré-escola são tratadas. A primeira, em geral, administrada pelos organismos que cuidam da assistência social e a segunda sob os cuidados dos órgãos educacionais. Nesse sentido, a construção de propostas pedagógicas para creches e pré-escolas confirma a importância da especificidade da ação educativa para as modalidades de ensino, a fim de promover o desenvolvimento das crianças das diferentes classes sociais. Atualmente, as instituições de educação infantil são indispensáveis na

16 14 sociedade, tanto como resultado de uma forma moderna de ver a criança, quanto pela solução para as novas formas de organização familiar e da participação das mulheres no mercado de trabalho. As creches e pré-escolas não podem substituir a família e nem antecipar a escolarização tradicional. Mesmo reconhecendo que as instituições públicas sejam responsáveis por fornecer alimentação para as crianças com desigualdade de recursos, além de garantir o acesso de homens e mulheres ao mercado de trabalho, outros programas devem ser oferecidos pelo poder público às famílias que pertencem às camadas populares. (OLIVEIRA, 2008) Quando se trata de crianças das classes populares, muitas vezes, a prática tem se voltado para as atividades que têm por objetivo educar para a submissão, o disciplinamento, o silêncio, a obediência. De outro lado, mas de forma igualmente perversa, também ocorrem experiências voltadas para o que chamo de escolarização precoce, igualmente disciplinadoras no seu pior sentido. (CRAIDY; KAERCHER, 2001, p. 16) Segundo Oliveira (2008), as concepções existentes sobre a educação infantil têm influências políticas próprias, visto que a família, os educadores e os responsáveis pelas políticas públicas alimentam expectativas e metas acerca das habilidades próprias de cada criança, opostas em relação ao que ela deve alcançar e que são fortemente condicionadas pela classe social da população atendida. Um modelo democrático de educação não deve marginalizar e excluir crianças de segmentos sociais que não têm acesso a uma educação de qualidade, e sim educar meninos e meninas de culturas diferentes articulando os diversos contextos de vivência e desenvolvimento. A escola de educação infantil pode transmitir conhecimentos formados pelo conjunto das relações sociais presentes no momento. Isso deve ser feito na convivência com parceiros significativos transmitindo à criança novas maneiras de compreender o mundo. As creches e pré-escolas precisam buscar aproximar a cultura, linguagem, cognição e afetividade como elementos que constituem o desenvolvimento humano e saber que a sociabilidade, a afetividade e a criatividade das crianças têm muitas raízes. Elas não devem ser instituições autoritárias e distantes da família. A socialização é uma maneira eficiente de

17 15 adaptar a cultura dominante. (OLIVEIRA, 2008) Capra (2008) ressalta que a aprendizagem envolve, além do cérebro e do sistema nervoso, toda a fisiologia do corpo. A função das emoções é fundamental. Na educação, as emoções sempre foram consideradas importantes, porém essencialmente distintas do raciocínio. Descobertas científicas recentes nos forçaram a mudar drasticamente esta visão. (CAPRA, 2008, p. 30) Para os cientistas, a emoção e a cognição interagem continuamente, alimentando-se e moldando-se mutuamente. O que se aprende é influenciado e organizado pelas emoções. Por isso, um ambiente emocionalmente seguro é fundamental para a aprendizagem. Uma nova visão do processo de aprendizagem também abrange o reconhecimento de que toda aprendizagem é essencialmente social. Cada pessoa está inserida em um sistema social, em uma comunidade. Grande parte da aprendizagem adquirida por um indivíduo depende da comunidade a que ele pertence. Estimula-se a cuidadosa observação de diferenças e a descoberta de que estas não implicam em hierarquia de valores e, ao descobri-las, as crianças podem elaborar a compreensão de que vivemos em uma sociedade multiétnica e em um meio multicultural. (ANTUNES, 2004, p. 37) Craidy; Kaercher (2001) afirmam que a educação infantil envolve dois processos complementares e indispensáveis: educar e cuidar. As crianças pequenas necessitam de atenção, carinho e segurança, sem os quais dificilmente poderiam sobreviver. Ao mesmo tempo, nessa fase, elas tomam contanto com o mundo que as cerca, através das experiências diretas com as pessoas e com as coisas, e com as formas de expressão ocorridas. Essa inclusão das crianças no mundo só é possível através das atividades voltadas, simultaneamente, para cuidar e educar. Não só o cuidar, mas o educar também é uma forma de acolher. Os cuidados fornecidos na creche e na pré-escola, além do atendimento das necessidades físicas das crianças, devem incluir um ambiente com oportunidades de exploração e construção de sentidos pessoais. Nesses ambientes de educação a criança

18 16 sente que existe uma preocupação com seu bem estar. A educação infantil deve ver a criança como sujeito que vive um mundo em que prevalece o sonho, a fantasia, a afetividade e a brincadeira. Por envolver, simultaneamente, cuidar e educar deve ter características que marcam sua identidade como instituição diferente da família e da escola voltada para a criança do ensino fundamental. (CRAIDY; KAERCHER, 2001) A forte influência na área de educação infantil de uma história higienista de priorização de cuidados de saúde, e assistencialista, que ressalta o auxílio a populações de risco social, tem feito com que as propostas de creches e pré-escolas oscilem entre uma ênfase maior ou no cuidar ou no educar, apresentando dificuldades para integrar as duas tarefas. Essa visão, contudo, merece ser analisada. (OLIVEIRA, 2008, p. 47) Para Craidy; Kaercher (2001) o que se tem observado, na prática, é que tanto os cuidados quanto a educação não têm sido entendidos como deveriam. Cuidar significa, na maioria das vezes, realizar atividades de necessidades primárias: higiene, sono e alimentação. Quando uma sociedade exige trabalho de mães, pais ou responsáveis por crianças, tem a obrigação de proporcionar ambientes adequados, com pessoas preparadas para oferecer experiências desafiadoras e aprendizagens apropriadas às crianças de cada idade. Esses ambientes são organizados para que, homens e mulheres que também são pais e mães, possam desempenhar, de forma mais ampla, seus papéis como tal, mas também como cidadãos trabalhadores. Observar os cuidados dessa forma talvez ajude na percepção de que eles são indissociáveis de um projeto educativo para a criança. (CRAIDY; KAERCHER, 2001) Por outro lado, as interações das crianças com as pessoas e as coisas do mundo levam-nas a dar significado àquilo que as cerca. A educação é, portanto, um processo que faz com que a criança participe de uma experiência cultural que é própria do seu grupo social, dentro de um ambiente de cuidados, de afetividade e de um contexto material que lhe de suporte. Na educação infantil é essencial que os temas sejam abordados de forma lúdica, por meio de jogos simbólicos e do faz de conta. Deve-se trabalhar, não só com a fantasia e a imaginação, mas também com a observação, as comparações, as medidas, os registros escritos, os desenhos,

19 17 as modelagens e as colagens. A educação não pode ser vista como um processo de transmissão cultural, e sim como um processo de produção de sentidos e criação de significados. Nesse contexto, o currículo é a forma como as instituições escolares se organizam para produzir esses processos. Um currículo, para ser produtivo e interativo, deve ser constituído pelo que as crianças e professores produzem ao trabalhar com os diversos elementos da vida das crianças ou com experiências de outros grupos, que são trazidas para a creche ou pré-escola, e não um currículo constituído por informações, conceitos e princípios que são passados para os alunos. Esta ideia de produção do conhecimento, na experiência escolar, se aplica a todas as etapas do processo que se realiza nas instituições educativas, incluindo também aquelas dedicadas à educação infantil. Por essa razão, a experiência de educação das crianças já desde a creche implica a existência de um currículo. (CRAIDY; KAERCHER, 2001, p. 19) O currículo faz parte de uma tradição cultural, ou seja, daquilo que um grupo concebe e valoriza; é uma forma de transmitir uma herança para as novas gerações; algo que se modifica para se ajustar aos novos tempos, às novas ideias, às novas tecnologias, às influências culturais e às crises mundiais. Mas essas ideias, relativamente recentes, dificilmente tem tido efeito nas novas propostas curriculares. Antunes (2004) ressalta que o currículo deve considerar a diversidade social e cultural das populações infantis, o grau de desenvolvimento da criança e os conhecimentos que se desejam tornar comum. Para ele, nenhuma atividade proposta emerge como ação acidental. Todas as ações previstas fazem parte de um plano, um projeto selecionado, aberto à permanente reconstrução. Esses projetos não podem se afastar da certeza de que a personalidade estrutura-se nos primeiros anos de vida. O projeto pedagógico elaborado pelas creches e pré-escolas deve ser comprometido com padrões de qualidade. Isso não quer dizer que deva ser fixo, mas negociável de forma que garanta os direitos e o bem-estar das crianças. Segundo Oliveira (2008), um dos riscos de uma proposta pedagógica

20 18 para a educação infantil é o de se institucionalizar a infância, ou seja, regulá-la em excesso ou prevalecer a espontaneidade sem limites. A proposta pedagógica para creche e pré-escola deve contemplar a atividade educativa como uma ação proposital e dirigida para ampliar o universo cultural das crianças, levando-as a compreender a realidade, capacitando-as a agir de modo transformador. Deve organizar condições para a interação das crianças com outras crianças e com os adultos em diversas situações, criando significações sobre o mundo e si mesmas, além de desenvolver formas mais complexas de pensar, sentir e solucionar problemas com autonomia e cooperação. Podem as crianças, assim, constituir-se como sujeitos únicos e históricos, membros de famílias que são igualmente singulares em uma sociedade concreta. (OLIVEIRA, 2008, p. 49) A proposta pedagógica pretende valorizar a construção de identidade pessoal e sociabilidade, o que requer aprender direitos e deveres. Segundo Antunes (2004), a LDB e o Conselho Nacional de Educação fixaram diretrizes que devem nortear as propostas pedagógicas das creches e pré-escolas, considerando os princípios éticos e políticos e mencionando a ludicidade como um dos princípios estéticos que deve marcar a Educação Infantil. Neste contexto ressalta-se: a) respeitar as diferentes identidades das crianças e suas famílias, sem exclusão, seja em gênero, etnia, religião, situação econômica ou peculiaridades, como necessidades especiais; b) integrar nas propostas pedagógicas os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos e sociais de toda criança e, assim, superar a habitual ênfase nas habilidades psicomotoras, na alfabetização a qualquer custo e no precoce estímulo de operações aritméticas; c) usar processos de avaliação que possam identificar as dificuldades da criança, a fim de gerar tomadas de decisão para superá-las, e não avaliar com o objetivo de quantificar os conhecimentos acumulados, promover ou reter a criança. De acordo com Craidy; Kaercher (2001), o avanço de algumas áreas do

21 19 conhecimento como a medicina, a biologia e a psicologia, assim como a sociologia, antropologia e a pedagogia produziram modificações importantes na forma de pensar e agir em relação à criança pequena. A mente humana, finalmente foi aberta e o que hoje se conhece, ainda que imensamente distante do que sobre esse assunto se conhecerá dentro de dez anos, já nos permite intervir de forma positiva e, com ilimitada segurança, afirmar que as inteligências se estimulam que as memórias respondem positivamente ao treinamento sistemático e que a linguagem que se desenvolve pode ser admiravelmente beneficiada com alguns poucos minutos de extrema dedicação e interesse. (ANTUNES, 2004, p. 22) Piaget, Vygotsky e Wallon procuraram mostrar que a capacidade de conhecer e aprender é construída pelas trocas que ocorrem entre o sujeito e o meio. Portanto, o desenvolvimento infantil acontece através do contato com seu próprio corpo, com as coisas do seu ambiente, com a interação com outras crianças e adultos. Os diferentes níveis de desenvolvimento motor, afetivo e cognitivo não ocorrem de forma isolada, e sim de forma integrada. Craidy; Kaercher (2001) citam algumas ideias desses autores: a) Henri Wallon ( ), médico francês, em seus estudos na área de neurologia, enfatizou a plasticidade do cérebro. Para ele, o desenvolvimento da inteligência ocorre a partir das experiências oferecidas pelo meio e como o indivíduo se apropria delas. Nesse sentido, o espaço físico, as pessoas próximas, a linguagem e os conhecimentos culturais contribuem efetivamente para formar o contexto de desenvolvimento; b) Vygotsky ( ), estudioso russo na área de psicologia, afirma que o funcionamento psicológico estrutura-se através das relações sociais entre o indivíduo e o mundo, que ocorrem em um contexto histórico-cultural e social, fornecendo os sistemas simbólicos de representação da realidade. Portanto, o desenvolvimento psicológico não é um processo abstrato descontextualizado ou universal; c) Piaget ( ), biólogo e epistemólogo suíço, em sua teoria, ao longo de cinquenta anos de pesquisa, enfatiza que a inteligência vai se construindo na medida em que a criança entra em contato

22 20 com o mundo, experimentando-o ativamente. Para ele, conhecer significa introduzir o objeto do conhecimento em um determinado sistema de relações, através de uma ação sobre o objeto a que se refere. Antunes (2004) afirma que, se a ciência mostra que o período mais importante para a formação das bases para as habilidades e competências vai da gestação até o sexto ano de vida, significa que a educação infantil de qualidade é essencial. Oliveira (2008) enfatiza que hoje, na educação infantil, busca-se ampliar alguns requisitos essenciais para inserir a criança no mundo atual: sensibilidade estética e interpessoal, solidariedade intelectual e comportamental e senso crítico. Essa ampliação é feita por meio de experiências diversas onde conhecimentos historicamente elaborados são mediadores do desenvolvimento infantil. Tais conhecimentos, ao serem reconstruídos pela criança, criam novas visões do mundo e de si mesmas. É importante considerar que algumas mudanças que ocorrem com as crianças, ao longo da infância, jamais se repetirão. Por isso, a educação infantil precisa ser qualificada, incluindo o acolhimento, a segurança, o desenvolvimento social, o domínio do espaço, do corpo e das modalidades expressivas, deve privilegiar o lugar para a curiosidade, o desafio e a oportunidade para a investigação. Antunes (2004) ressalta que a educação infantil, de acordo com as diretrizes do Ministério da Educação e do Desporto (MEC), deve promover a ampliação das experiências e conhecimentos, estimulando o interesse das crianças pelo processo de transformação da natureza e pela convivência em sociedade. Para uma boa educação infantil é preciso refletir sobre como fazê-la e isso vai além de um desejo e do amor pela criança. O educador infantil precisa ser preparado e ser competente em pelo menos três fundamentos citados por Antunes (2004): a) conhecimento sólido sobre a criança e seu desenvolvimento biológico e emocional; b) disposição para aprender cada vez mais com o surgimento de

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Educação Infantil: novos olhares, muitos desafios / Formação continuada para professores

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE Apresentação O presente livreto é um material educativo destinado aos profissionais de educação de unidades escolares municipais do Rio de Janeiro, cujo objetivo é subsidiar ações para promover o consumo

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G)

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) Resumo: Este artigo aborda a proposta de trabalhar o meio ambiente

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS P.L.L. Nº 082/02 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em diferentes artigos, trazem a discussão que subsidia a argumentação

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE

AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE AUTONOMIA DOS ALUNOS AO DESENVOLVER UM TRABALHO SOBRE SEXUALIDADE Thaiane Pimenta (Centro Pedagógico Bolsista Prograd-UFMG) Elaine França (Centro Pedagógico da UFMG) INTRODUÇÃO A escola desempenha um papel

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos 3º período Daniela Santana Reis 2012.1 da Educação Infantil CRÉDITOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

VI- 064 BRINCANDO E APRENDENDO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

VI- 064 BRINCANDO E APRENDENDO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL VI 064 BRINCANDO E APRENDENDO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Iara Amorim Leôncio Bióloga pela Universidade Estadual da Paraíba Monica Maria Pereira da Silva (1) Bióloga pela Universidade Estadual da Paraíba; Especialista

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Manoel Santos da Silva (IFAL) manoel.silva@ifal.edu.br RESUMO Este trabalho percorre por alguns questionamentos sobre

Leia mais

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta - Faixa etária das crianças: 6 anos - Grau de escolaridade de professor: Nível Médio Magistério - Contexto sócio-cultural em que foi

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS CRECHES E DA EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Conforme garante

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso.

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. 2. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais.

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais