KPMG BusinessMagazine 07

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KPMG BusinessMagazine 07"

Transcrição

1 KPMG BusinessMagazine 07 Açúcar e Álcool O desenvolvimento do setor sucroalcooleiro em debate, coordenado por Leonardo Attuch Biodiesel Perspectivas para o mercado Bens de Consumo Brasil, China e Índia no foco para o crescimento CFO A evolução da função contábil financeira

2 2006 KPMG Auditores Independentes, uma sociedade brasileira e firma-membro da rede KPMG de firmas-membro independentes e afiliadas à KPMG International, uma coorperativa suíça. Todos os direitos reservados. Se você mal tem tempo de ler este anúncio... Você teria tempo para ensinar sobre seus negócios a seus auditores e consultores? A KPMG poderá ajudá-lo nesse desafio. Nossa atuação em linhas de indústrias nos permite entender sobre cada segmento de negócio de nossos clientes tais como: serviços financeiros, mercados industriais e de consumo, informação, comunicações e entretenimento, e infraestrutura, governo e saúde. A KPMG é uma rede global de firmas que prestam serviços profissionais nas áreas de Audit,Tax e Advisory e conta com mais de 100 mil funcionários em todo mundo, distribuídos em 731 cidades localizadas em 144 países. No Brasil, somos aproximadamente profissionais distribuídos em 8 Estados, 11 cidades e 13 escritórios em: São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Jaraguá do Sul, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Carlos.

3 Sumário Mensagem do Presidente Debate Setor sucroalcooleiro desperta interesse de investidores externos Biodiesel Petrobras avança na distribuição de combustível alternativo Terceirização na área de TI Projetos devem englobar estratégias de negócios das empresas Auditoria Interna Regulamentações exigem novo profissional de auditoria Expansão KPMG abre escritório no Nordeste A Arte da Gestão Para não gerar conflitos, coloque o cliente sempre em primeiro lugar Segurança da Informação Na Era da Informação, a segurança está no bom gerenciamento da área de TI Evolução da função contábil financeira Nas organizações-líderes, os CFOs agregam cada vez mais valor ao negócio Consumer Companhias de Bens de Consumo investem em mercados emergentes Gestão dos Fundos de Pensão Panorama histórico aponta soluções 20-F Padrões de Governança no Brasil e nos EUA Gerenciamento de Riscos Grupo Wilson, Sons estabelece novos controles internos Prêmio Revelação IBEF premia jovens talentos da área financeira, destaques e executivos do ano IBGC Premiação para as melhores práticas de Governança Corporativa Universidade próxima da empresa Organizações e academia cada vez mais interligadas Pequeno Cidadão Projeto patrocinado pela KPMG comemora dez anos Luta pela Paz Boxe e filosofia de vida afastam jovens do crime no Rio de Janeiro Evento Cultural Companhias de dança enriquecem agenda cultural KPMG Business Magazine é uma publicação trimestral da KPMG Auditores Independentes KPMG Auditores Independentes, sociedade brasileira, membro da KMPG International, uma cooperativa suíça. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. Dezembro de Presidente da KPMG no Brasil: David Bunce. Diretora de KM&C: Irani Ugarelli. Fone: (11) Produção/Edição: Ex Libris Comunicação Integrada. Editor: Jayme Brener (MTb ). Textos: Lúcia Mesquita Projeto gráfico e diagramação: Idéia e Imagem Comunicação. Fotos: arquivo KPMG e Ken Chu (Expressão Studio). Tiragem: exemplares. Impressão: Copypress.

4 Editorial Em sintonia com o país Irani Ugarelli Na mesma edição em que festejamos o encerramento de 2006, comemoramos o encerramento do ano fiscal da KPMG no Brasil. O sucesso e o crescimento de nossa firma estão retratados na Mensagem do Presidente. Todos nós, colaboradores da KPMG estamos orgulhosos e, por meio das palavras do Sr. David Bunce, agradecemos aos nossos clientes por mais um ano de sucesso. Vivenciamos a nossa missão que é a de transformar conhecimento em valor em benefício de nosso pessoal, nossos clientes e do mercado de capitais, de diferentes formas. No caso da KPMG Business Magazine, a sétima edição continua em conformidade com a multidisciplinaridade de nossa atuação, e assim, abrangendo uma ampla variedade de temas que impactam na atuação de executivos das mais diversas áreas. Nesta edição, conheça o perfil do CFO atual e também do futuro e os desafios de uma atuação que requer cada vez mais estratégia. Essa matéria destaca as principais conclusões da pesquisa internacional conduzida pelo The Economist Business Unit e adiciona comentários de sócios da KPMG no Brasil. Para ampliar nosso conhecimento sobre o impressionante crescimento que se registra na demanda mundial por fontes renováveis de combustíveis - com destaque para o álcool etanol o debate desta edição, conduzido pelo jornalista Leonardo Attuch, editor das revistas Isto É Dinheiro e Dinheiro Rural, tem como complemento textos sobre a visão de investidores e produtores. Agradecemos imensamente a participação dos executivos da Bajaj Industries, maior produtor de açúcar e álcool da Índia que, por sua vez, é o maior consumidor de açúcar do mundo e do presidente da União das Destilarias do Oeste Paulista, Luiz Guilherme Zancaner. Seguindo o tema combustíveis, confira a matéria A hora e a vez do Biodiesel, que expõe os avanços do Brasil e da Petrobras em particular na produção de biodiesel. Apresentamos, ainda, os resultados de diversos eventos importantes, com destaque para o prêmio Revelação em Finanças, oferecido anualmente pelo Instituto Brasileiro de Executivos em Finanças (IBEF), e para o 28º Conbrai (Congresso Brasileiro de Auditores Internos), que se destacou por propiciar maior integração entre auditores internos e consultores terceirizados. Registramos, ainda, a inauguração do novo escritório da KPMG em Fortaleza (CE), que permitirá nossa atuação ainda mais efetiva no cenário econômico da região Nordeste, hoje uma das que mais cresce no país. E também damos às boas vindas aos novos sócios e diretores da empresa. O ano de 2006 foi repleto de trabalho e de muitas realizações. Desejamos que 2007 traga ainda mais conquistas e sucesso a todos os nossos clientes em especial a você, leitor da KPMG Business Magazine. Esperamos reencontrá-lo (a) logo no primeiro número de nossa revista, em Um abraço e bom 2007 para todos! Irani Ugarelli Diretora de KM&C

5 Mensagem do Presidente A KPMG no Brasil tem muitos motivos para comemorar o encerramento de 2006, um ano de sucesso! Registramos crescimento de 27%, expansão da base de clientes e de nossa atuação geográfica. Aumentamos o número de colaboradores e reforçamos nosso posicionamento no mercado. Todos estes indicadores trazem muita satisfação e também aumentam nossa responsabilidade. Nossa marca se consolida no mercado como sinônimo de conhecimento e experiência. O Brasil, como foco estratégico para a KPMG International, registra índice de crescimento superior à média obtida pela KPMG mundialmente. David Bunce, presidente da KPMG no Brasil Destacamos, entre os novos clientes, a Petrobras e o Banco do Brasil. Todos os nossos clientes são não apenas importantes, como também fonte de orgulho para nossa firma. 02 Mensagem do Presidente

6 Da esquerda para a direita: Alexandre Heinermann (AUD/SP); Bernardo Moreira (AUD/RJ); Carla Bellangero (AUD/SP); Carlos Cypriano (TAX/Campinas); Carlos Eduardo Paulino (AUD/SP); Frank Meylan (RAS-IRM); João Alberto da Silva (AUD/Fortaleza); José Daniel Martinho (TAX/Curitiba); Luis Motta (FAS/CF); Marcelo Tonini (AUD/Jaraguá); Marcus Vinicius Gonçalves (TAX/SP) e Rogério Andrade (AUD/SP/CMG). Compreendemos a necessidade de atuar cada vez mais próximo aos nossos clientes, melhorando assim nossa efetividade. Para tanto, inauguramos dois novos escritórios. O primeiro, na cidade de Manaus, no início de 2006, e o segundo, em Fortaleza, em setembro, finalizando o ano fiscal. Esses escritórios propiciarão especial atendimento aos clientes do Norte e Nordeste, acrescentando conhecimento e vivência regional à qualificação multidisciplinar da nossa equipe. Nosso desempenho não passou despercebido pelo mercado. Fomos agraciados com o prêmio Destaque IBEF 2006, oferecido pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo. O prêmio reconhece a excelência do trabalho da equipe da KPMG no Brasil. Reforçamos nossa equipe. Em 2006, foram contratados mais de 300 novos trainees e em outubro promovemos 33 novos gerentes, 14 novos diretores e 12 novos sócios. Registro aqui os parabéns a todos estes profissionais. A soma de todas essas conquistas nos faz perceber que 2006 foi um ano muito importante para alcançarmos um nível ainda mais alto de credibilidade junto aos clientes e no mercado. Fortalecemos nossa marca graças aos esforços e à capacidade de nossos dedicados profissionais e ao apoio de nossos clientes. Temos muito orgulho da nossa firma e, em nome da equipe, reforço o nosso compromisso com a ética, integridade e com a qualidade de nossos serviços. Desejo aos leitores da KPMG Business Magazine, aos nossos clientes, aos profissionais da KPMG no Brasil e a todos os membros das comunidades às quais pertencemos os melhores votos de um Feliz Natal e de um excelente Fortalecemos nossa marca graças aos esforços e à capacidade de nossos dedicados profissionais e ao apoio de nossos clientes Mensagem do Presidente 03

7 DEBATE LEONARDO ATTUCH ANDRÉ CASTELLO BRANCO ALBERTO BRESSAN FILHO Açúcar e álcool: tendências, riscos e oportunidades DEBATE COORDENADO PELO JORNALISTA LEONARDO ATTUCH, EDITOR DAS REVISTAS ISTOÉ DINHEIRO E DINHEIRO RURAL, REÚNE SÓCIOS DA KPMG PARA ABORDAR A REALIDADE DO SETOR, QUE DESPERTA INTERESSE CRESCENTE DE INVESTIDORES NACIONAIS E INTERNACIONAIS 04 Debate

8 Leonardo Attuch (à esquerda), André Castello Branco, e Alberto Bressan Filho O setor sucroalcooleiro é hoje um dos mais dinâmicos da economia brasileira. Ao todo, são cerca de 320 usinas, que processam a cana-de-açúcar plantada numa área de 5,5 milhões de hectares. A produção nacional de etanol, de 16 bilhões de litros, representa 35% do total mundial e deverá chegar a 26 bilhões de litros em cinco anos, após a entrada em operação das quase cem novas usinas que já estão em fase de implantação. Para discutir as tendências do açúcar e do álcool, bem como os riscos e oportunidades que se colocam para os empresários que atuam ou planejam investir no setor sucroalcooleiro, a KPMG Business Magazine promoveu um debate coordenado pelo jornalista Leonardo Attuch, editor das revistas Istoé Dinheiro e Dinheiro Rural, que reuniu André Castello Branco, sócio da área de FAS Corporate Finance da KPMG no Rio de Janeiro, e Alberto Bressan Filho, sócio da área de Auditoria na KPMG em São Carlos (SP). Ambos discorreram sobre as perspectivas futuras, bem como sobre eventuais riscos ligados à atividade. Castello Branco lembrou que há uma tendência crescente de fusões e aquisições no setor sucroalcooleiro, captada pelo acompanhamento trimestral feito pela KPMG em todos os segmentos da economia nacional. O recorde de transações, registrado em 2000, com 11 operações, deverá ser superado em Entre janeiro e outubro, já houve nove aquisições no setor e outras estão em andamento. Há uma procura crescente por parte dos investidores, aponta Castello Branco. Desta vez, porém, há uma diferença crucial: no início da década, algumas usinas enfrentavam dificuldades financeiras e, por isso, foram vendidas. Agora, tanto o açúcar como o etanol estão muito valorizados no mercado internacional. Se, antes, as transações eram motivadas pelos vendedores, agora são os compradores que têm buscado oportunidades de investir no Brasil, diz Castello Branco. A dificuldade que hoje existe em concretizar novos negócios diz respeito à diferença de preço entre o que os investidores estão dispostos a pagar e o valor demandado pelos vendedores. No passado, usava-se como referência a cifra de US$ 25 por tonelada esmagada portanto, uma usina capaz de processar cerca de dois milhões de toneladas seria vendida por US$ 50 milhões. Mas, com o mercado aquecido, há vendedores que demandam valores superiores a US$ 100 por tonelada. Essa queda de braço tem feito com que muitos investidores estudem uma nova forma de entrar no mercado brasileiro. É o chamado greenfield. Debate 05

9 Hoje são os compradores que têm buscado oportunidades de investir no Brasil André Castello Branco Leonardo Attuch, jornalista Em muitos casos, começar do zero pode ser uma equação mais econômica do que comprar usinas já existentes, aponta Alberto Bressan Filho. Entre os clientes assessorados pela KMPG, alguns estão dispostos a investir em projetos desse tipo no Estado de Goiás, voltados para a exportação. E essas novas unidades deverão ser muito eficientes do ponto de vista logístico, uma vez que a Petrobrás já aprovou uma verba de R$ 500 milhões para investir num alcoolduto, que levará o etanol da região central do país ao porto de São Sebastião, em São Paulo. No caso da cana-de-açúcar, a opção greenfield tem uma vantagem adicional, uma vez que o ciclo de produção inicia-se em menos de dois anos. Em outras culturas, como a palma ou o eucalipto, exige-se do investidor uma espera de, no mínimo, sete anos para que se comece a produzir. A tendência de expansão do setor sucroalcooleiro no Brasil não se deve apenas a fatores conjunturais ligados ao preço do açúcar e do álcool. Há um movimento estrutural no setor energético, que não é fruto só do alto preço do barril do petróleo. Além da questão ambiental, que fez com que vários países se comprometessem a reduzir suas emissões de carbono, há uma limitação natural, uma vez que as reservas mundiais de petróleo são finitas. E mesmo as quedas recentes nas cotações internacionais do barril, decorrentes da expectativa de diminuição do crescimento global, não devem afugentar investidores. Estimase no mercado que o preço do barril do petróleo não deverá cair abaixo de US$ 45, diz Castello Branco. Sem esquecer que o etanol à base da cana-de-açúcar, no Brasil, é muito mais competitivo do que o álcool produzido a partir do milho, nos Estados Unidos. Com 100 novos projetos no Brasil, que irão ampliar em quase um terço o número de unidades produtoras atual, o investidor demonstra uma grande confiança no futuro do etanol, afirma o sócio. Outro fator que reforça a tendência de fusões e aquisições é a extrema pulverização do setor. Os 14 maiores grupos empresariais brasileiros do 06 Debate

10 Alberto Bressan Filho, sócio da área de Auditoria da KPMG em São Carlos açúcar e do álcool controlam 15% das usinas e 35% da produção, aproximadamente. Produzir commodities é uma atividade que demanda escala global, aponta Bressan. Segundo o sócio da KPMG, é razoável imaginar no futuro um cenário de concentração muito maior, assim como ocorre na área do processamento de grãos ou da laranja, por exemplo. A expansão do setor sucroalcooleiro também tem mudado a geografia do agronegócio no Brasil. Em São Paulo, as lavouras da cana-de-açúcar vêm tomando espaço de áreas antes dedicadas à soja, à laranja e à pecuária. A fronteira da cana transbordou para fora das fronteiras paulistas. Novas usinas já surgem em Minas Gerais em especial na região do Triângulo Mineiro em Goiás e no Mato Grosso do Sul. Empresários de outras áreas produtoras, como os Estados de Pernambuco e Alagoas, também vêm expandindo seus negócios no Sudeste e no Centro-Oeste do país. Todos têm buscado certificações internacionais que atestem boas práticas ambientais e sociais, diz Bressan. No mundo de hoje, esse é um fator determinante para o sucesso. Outro fator que tem influência direta na rentabilidade dos projetos do setor sucroalcooleiro é a relação entre os preços do álcool e do açúcar. Uma eventual queda nos cotações do açúcar poderia fazer com que as usinas direcionassem sua produção para o etanol, rebaixando também as cotações do combustível verde. Mas Castello Branco lembra que essa flexibilidade da indústria contribui para uma relativa estabilidade de preços. Quando há uma migração forte do açúcar para o etanol, ou vice-versa, os preços se invertem e a migração passa a ocorrer no sentido inverso, diz ele. E Bressan lembra que, hoje, a maior parte dos veículos vendidos no Brasil é de carros com motores flex, que já representam cerca de 70% das vendas. Na medida em que a frota nacional se renova, os modelos que rodam só à gasolina vão saindo de linha e a proporção de carros flex cresce, diz Alberto Bressan. Eis aí outro fator que deverá manter aquecida Debate 07

11 Na medida em que a frota nacional se renova, os modelos que rodam só à gasolina vão saindo de linha e a proporção de carros flex cresce Alberto Bressan Filho André Castello Branco, sócio da área de FAS Corporate Finance da KPMG no Rio de Janeiro a demanda pelo etanol no mercado interno. Nos mercados internacionais, há fatores mandatórios, como a crescente obrigatoriedade da adição de álcool à gasolina em vários países, que influenciarão o consumo futuro. O jornalista Leonardo Attuch lembrou que a corrida pelo biocombustível no mundo também poderá influenciar o setor sucroalcooleiro de forma indireta. A Europa já produz hoje três milhões de toneladas de biodiesel e suas principais fontes são a colza, o girassol e a canola. Em poucos anos, a produção saltará para 30 milhões de toneladas e essas culturas tomarão espaço de outras lavouras uma delas é a beterraba, principal matériaprima do açúcar europeu, que recebe subsídios bilionários. A perspectiva de redução dos incentivos ao açúcar na Europa é um consenso e isso tende a elevar os preços dos produtos exportados pelos países emergentes, como é o nosso caso, disse Attuch. E, mesmo no Brasil, o avanço da cana sobre outras culturas poderá elevar a rentabilidade geral do agronegócio. O grande desafio apontado pelos especialistas internacionais ainda é a questão logística, uma vez que as novas fronteiras estão cada vez mais distantes dos portos, apontou Attuch. Nesse contexto altamente promissor, a KPMG pode desempenhar um papel central de análise e consultoria, tanto para os empresários atuais do setor sucroalcooleiro como para aqueles que pretendem investir no segmento. O primeiro passo para a eventual venda de uma usina de álcool e açúcar é oferecer total transparência nos números. E a KPMG, que tem como clientes as principais usinas do país, pode fornecer a radiografia exata dos ativos e passivos de cada uma das empresas. Há muitos casos em que as fusões são motivadas por razões sucessórias, quando já não é mais possível acomodar todos os interesses familiares. Um outro fator importante, num cenário de possíveis fusões e aquisições transnacionais, é compreender a cultura tanto do vendedor como do comprador. E, nesse ponto, a experiência global da KPMG faz toda a diferença. 08 Debate

12 Quanto mais produtores, melhor No segmento de Corporate Finance, a atuação da KPMG vai muito além da simples precificação dos ativos. Há casos em que, antes de uma eventual venda, é preferível melhorar todo o perfil financeiro de uma empresa sucroalcooleira, diz Castello Branco. Ele lembra que a alienação de 100% dos ativos nem sempre é a melhor escolha. Uma eventual saída poderia ser a venda de parte do capital para um fundo de private equity, com a posterior negociação dos ativos em bolsas de valores. O primeiro caso de empresa brasileira do setor que abriu seu capital, com extremo sucesso, foi o da Cosan. Mas, para chegar lá, é preciso antes adquirir escala, aponta Bressan. É por isso que hoje há muitos grupos empresariais brasileiros discutindo alternativas. Uma delas é fundir-se para depois ir ao mercado de capitais. Outra é buscar investidores estratégicos. E uma terceira é simplesmente alienar 100% do ativo. Ao mesmo tempo, investidores internacionais, em especial do Japão, dos Estados Unidos e da Índia, avaliam se devem adquirir usinas existentes ou investir em projetos greenfield. Em todos esses casos, a KPMG pode dar valiosas contribuições. Quanto maior for o número de produtores mundiais de álcool, melhor. Isso porque, muito além da concorrência por mercados, todos estarão colaborando para a difusão do conceito do álcool etanol como alternativa energética limpa, barata e renovável. A opinião é de Luiz Guilherme Zancaner, diretorpresidente da Unialco e presidente da UNOP União das Destilarias do Oeste Paulista. Segundo Zancaner, o Brasil não tem o que temer com o acirramento da concorrência na produção mundial de açúcar e de álcool. Estamos muito bem posicionados; temos a maior produtividade do mundo e, ao contrário de grandes potências, dominamos toda a cadeia produtiva do açúcar e do álcool, diz. Ele lembra que o o destaque do Brasil não se prende à produção e distribuição de açúcar e de álcool etanol combustível, mas chega a setores de alto valor agregado, como a produção de equipamentos para a destilação, segmento no qual o país está na vanguarda mundial. Fornecemos para o mundo inteiro, diz. Luiz Guilherme Zancaner projeta para os próximos anos um cenário positivo para o setor sucroalcooleiro. Talvez não tanto como no último ano, quando a crise na produção, combinada ao aumento na demanda, forçou os Estados Unidos a liberalizarem a entrada de álcool brasileiro em seu mercado interno. Mas o panorama deverá ser positivo. Principalmente por conta da decisão de certos países, de agregar álcool etanol à gasolina. Esse é o caso da Índia que, no curto prazo, poderá substituir os EUA na demanda pelo etanol brasileiro, diz. Quanto ao Japão, que recentemente decidiu adicionar álcool à gasolina combustível, Zancaner é mais cauteloso. Os japoneses são muito meticulosos e cuidadosos. Creio que levará algum tempo até que a cultura do álcool ganhe espaço em seu mercado, prevê. A Unialco, com sede em Guararapes (Noroeste de SP), vem experimentando crescimento acelerado nos últimos dez anos. Em 2000, adquiriu a Alcoolvale, de Aparecida do Taboado (MS). Também controla a Dourado Álcool e Açúcar, em Dourados (MS), e a Vale do Paraná (em Suzanápolis/ SP), em conjunto com capitais colombianos e guatemaltecos. A empresa deverá responder este ano pelo processamento de 3,5 milhões de toneladas de cana de açúcar, gerando empregos diretos no momento da safra. Debate 09

13 Negócio da Índia Maior consumidor mundial de açúcar, a Índia vem sendo atraída pelo destaque internacional do Brasil no mercado sucroalcooleiro O destaque que o Brasil vem ocupando no setor sucroalcooleiro, em especial na produção de álcool etanol combustível, não passou despercebido na Índia, maior consumidor mundial de açúcar. Desde o início deste ano, a Índia tem proposto iniciar uma campanha nacional para a adição de 5% de álcool ao combustível, em até seis estados que vêm passando por processo de experimentação. Isso deverá representar uma demanda adicional de meio bilhão de litros de álcool etanol ao ano. De olho nesse mercado, a Bajaj Hindusthan, maior produtora indiana de açúcar e álcool, fundada em 1931 e com cerca de 8% do mercado local, decidiu investir no Brasil. Dois de seus principais executivos da Divisão de Negócios Internacionais, Somit Banerjee e Prem Bajaj, mudaram-se recentemente para o Brasil em busca de possíveis oportunidades. A Bajaj Hindusthan conta com a KPMG para alcançar seus objetivos de investimento no Brasil. O Brasil é, definitivamente, o lugar ideal, tratando-se de investimentos na cadeia sucroalcooleira, diz Somit Banerjee. O país é o melhor posicionado no mundo para controlar a cadeia produtiva. Procuramos investir em unidades produtivas, com enfoque inicial em unidades operacionais e estabelecidas. Segundo Prem Bajaj, para um investidor indiano, é importante apostar no Brasil, considerando a base de recursos e o potencial de expansão em uma estrutura industrial reformada e levando -se em conta o mercado, capaz de atender à crescente demanda global para açúcar e etanol. A Bajaj Hindusthan tem, hoje, capacidade para moer 16 milhões de toneladas de cana-de-açúcar ao ano, e sua capacidade produtiva deverá alcançar 22 milhões de toneladas de cana-de-açúcar ainda em A empresa pertence ao Grupo Bajaj, um dos maiores conglomerados industriais da Índia, com ações cotadas nas bolsas de valores de Mumbai (Bombaim) e de Luxemburgo. Para Somit Banerjee, a cooperação entre o Brasil e a Índia deverá atingir outros mercados. O álcool etanol representa uma verdadeira revolução em energia. Estamos falando de uma fonte de energia limpa, segura e renovável, que, além de tudo, poderá representar um papel importante na criação de áreas verdes que permitirão aos investidores de países do Primeiro Mundo negociar créditos de carbono, em cumprimento às metas do Protocolo de Kyoto, prossegue Prem Bajaj. Brasil e Índia devem trabalhar juntos nesse processo, levando sua expertise a outros países, conclui. 10 Debate

14 Participantes do debate Leonardo Attuch é jornalista, graduado pela Universidade de Brasília em Editor de economia da Istoé Dinheiro e editor da Dinheiro Rural. Já foi editor de Economia do jornal Estado de Minas e repórter de Veja, Exame e Correio Braziliense. Vencedor do Prêmio Abril de Jornalismo e do Prêmio Citibank de Excelência em Jornalismo. Autor de três livros, entre os quais o best-seller A CPI que abalou o Brasil, lançado em janeiro deste ano e rapidamente alçado a lista de mais vendidos. André Castello Branco é sócio da área de FAS Corporate Finance da KPMG no Rio de Janeiro. André tem ampla experiência em processos de negociação relacionados a aquisições de negócios e alienações. Como parte dos trabalhos de Corporate Finance, tais como assessoria em fusões e aquisições, possui ampla experiência com projeções financeiras e serviços de avaliação. Atuou de 1988 a 1995 no departamento de consultoria da Arthur Andersen, desempenhando análises financeiras e econômicas e, de 1995 a 1996, no Gulfinvest Investment Bank, como executivo no Departamento de Fusões e Aquisições. Tem experiência nas seguintes áreas: açúcar e álcool, agronegócios, alimentos e bebidas, indústrias manufatureira de petróleo e gás e outros recursos naturais e indústria de futebol. É bacharel em Economia pela PUC - RJ, e tem MBA Executivo em Finanças (IBMEC - RJ). Alberto Bressan Filho atua como sócio da área de Auditoria na KPMG de São Carlos. Iniciou suas atividades na empresa em 1982, na área de auditoria, executando, entre outros, trabalhos de avaliação, incorporação, cisão e fusão e planejamento tributário. Possui experiência nas seguintes áreas: indústria; mecânica; metalúrgica; siderúrgica; equipamentos pesados; eletrodomésticos; material escolar; autopeças; química; laboratórios humano e veterinário; seringas hipodérmicas; tintas e vernizes; químicos básicos; serviços; bancos financeiros e comerciais; leasing; empresas de engenharia; fundações federais e municipais; construtoras; agroindústria; açúcar e álcool; gado; produtos cítricos; café e refrigerantes. Alberto participou de diversos cursos de especialização profissional e de seminários anuais dentro do Programa de Desenvolvimento da KPMG, entre eles: Imposto de Renda de Empresas Comerciais e Industriais e da Atividade Agropecuária; Impostos Diretos e Indiretos; Aplicações Financeiras; Consolidação e Tradução das Demonstrações Financeiras em USGAAP e IFRS. É formado em Contabilidade pela Associação de Escolas Reunidas (ASSER) de São Carlos (1986). Debate 11

15

16 COMBUSTÍVEIS A hora e a vez do biodiesel Mozart Schmitt de Queiroz, gerente executivo de Desenvolvimento Energético da Petrobras Se o crescimento da demanda mundial pelo álcool (etanol) vem permitindo que o Brasil assuma um papel de maior destaque no mercado global de combustíveis, a febre do biodiesel poderá representar um novo passo adiante. Para Mozart Schmitt de Queiroz, gerente executivo de Desenvolvimento Energético da Petrobras, estamos no momento histórico propício para o biodiesel. Assim como houve o primeiro momento do álcool, quando aconteceu a crise do petróleo, na década de 70. Ali, o ProÁlcool, uma grande iniciativa do governo brasileiro para incentivar o uso do etanol combustível em complemento ao petróleo, representou uma alternativa viável e de custo acessível, diz. Mozart lembra, ainda, que o Brasil é favorecido pelo avanço da consciência internacional, que demanda alternativas energéticas mais seguras e limpas. Tudo isso conspira positivamente para que o Brasil assuma uma posição de liderança na produção, comércio exterior e desenvolvimento científico, gerando também renda e trabalho no campo. A origem O pioneirismo na produção de biodiesel coube à Europa Ocidental, onde os movimentos ambientalistas e a busca por fontes renováveis de energia são muito fortes. O continente, porém, tem poucas vantagens, no que se refere à escala de produção de biodiesel. Já o Brasil, onde a produção de biodiesel ainda é limitada, tem todas as condições favoráveis de clima, solo e disponibilidade de terras para tornarse um grande player global, o que representaria, também, novas opções de progresso econômico e social. O Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, elaborado pela ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), ainda é muito tímido frente às iniciativas dos países europeus. É verdade que, entre 2005 e 2007, a ANP autorizou a adição de biodiesel ao diesel distribuído no país. Mas somente em 2008 estes percentuais serão obrigatórios (2% obrigatório e 5% autorizativo). Nós acreditamos que o Brasil tem total condição de aumentar a oferta de biodiesel na medida em que aperfeiçoe a tecnologia. Esperamos que percentuais maiores de adição ao diesel sejam adotados em breve, afirma Mozart. A Petrobras integrou-se ao projeto do Governo Federal em Estamos investindo em unidades de produção industrial na região do semi-árido brasileiro, afirma Mozart. Já foi Combustíveis 13

17 Cana-de-Açúcar 13.9% Outras Renováveis 2.7% Madeiras e Outras Biomassas 13.1% Matriz Energética Brasileira Hidroeletricidade 15% Urânio 1.2% Petróleo e Derivados 38.4% Gás Natural 9.3% Carvão Mineral 6.4% Acreditamos que o Brasil tem total condição de aumentar a oferta de biodiesel na medida em que aperfeiçoe a tecnologia Mozart Schmitt de Queiroz Fontes Renováveis Brasil: 45% Mundo: 14% OCDE: 7,1% Fonte: MME / 2006 contratada a construção da usina de Candeias (BA). As outras duas _ Montes Claros (MG) e Quixadá (CE) _ aguardam as Licenças de Instalação que devem ser emitidas em breve pelos respectivos órgãos ambientais de cada estado. Nosso objetivo é que as unidades estejam produzindo ainda em 2007 para que, no momento em que entre em vigor o programa de adição do biodiesel, possamos atender à demanda, pelo menos em algumas regiões do país, diz. A Petrobras não é a atual líder brasileira na produção de biodiesel, mas, sim, na mistura do biodiesel. Nos leilões realizados pela ANP para a venda de biodiesel, a Petrobras foi a maior compradora e, assim, a BR se tornou a maior distribuidora do produto. Hoje, os postos BR já comercializam o biodiesel. A empresa, com essa iniciativa, vem desenvolvendo muito o mercado, avalia o sócio da KPMG no Brasil e líder da prática de Energia & Recursos Naturais, Timothy Young. Vanessa Assis, coordenadora do Centro de Excelência em Petróleo & Gás da KPMG no Brasil, lembra que a Petrobras vem ampliando suas operações internacionais para a produção do biodiesel. O governo brasileiro tem uma política de colaborar com países vizinhos, apoiando cientificamente o desenvolvimento do combustível nestas regiões, completa Mozart. Tendências Embora, a produção de biodiesel não seja infinita nem suficiente para suprir todo o consumo mundial de combustíveis não-renováveis, como o petróleo, ainda assim podemos rever seu avanço e o aprimoramento da tecnologia na busca por uma produção auto-sustentável, explica o gerente executivo da Petrobras. Timothy Young, sócio da KPMG no Brasil, relembra as vantagens oferecidas pelo Brasil. Estamos no meio de um grande laboratório. A Petrobras está investindo muito e, com o tempo, as iniciativas vão dar certo, afirma o sócio. Timothy Young, sócio da KPMG no Rio de Janeiro Vanessa Assis, coordenadora do Centro de Excelência em Petróleo & Gás da KPMG no Brasil 14 Combustíveis

18 PROJETO HBIO Processo H-BIO Bernardo Moreira, sócio da área de Auditoria da KPMG no Brasil Além do biodiesel, a Petrobras também investe no desenvolvimento de projetos que possam gerar combustíveis menos poluentes do que o diesel convencional. É o caso do processo H-BIO, desenvolvido pelo Cenpes (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras), e que pode ser uma alternativa importante em determinadas regiões do país. No processo H-BIO mistura-se óleo vegetal a um diesel ainda não acabado, passando pelo hidrotratamento (reação de hidrogênio no diesel), como resultado obtemos um diesel de melhor qualidade, melhor combustão e redução da quantidade excessiva de enxofre. O produto final não apresenta diferença molecular em relação ao diesel comum. O H-BIO deverá ainda passar por uma certificação para provar que tem uma porcentagem de material renovável, já que o produto resultante não se difere do diesel tradicional, explica Mozart. Bernardo Moreira, sócio da área de Auditoria da KPMG no Brasil, enfatiza que o diesel gerado a partir do H-BIO tem uma vantagem bastante clara em relação aos demais biocombustíveis. O fato é que a indústria automobilística não precisar fazer alterações nos motores dos veículos para utilizá-lo em larga escala e em curto prazo BEP Demanda de Combustível para Veículos Ciclo Otto Quanto o País necessitaria dispor para atender a demanda por combustíveis para veículos ciclo-otto caso o Etanol não existisse 100 Demanda total combustíveis ciclo otto Produção de gasolina Consumo de gasolina Fonte: MME / BEN Economia efetiva acumulada de 778 milhões de bep ~US$ 52 bi No período, com a utilização de álcool, foi evitada a emissão de 644 milhões de toneladas de CO² Combustíveis 15

19

20 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Riscos associados à terceirização Os processos de terceirização, principalmente na área de Tecnologia da Informação (TI), tornaram-se comuns em todo o mundo na era da globalização Os processos de terceirização, principalmente na área de Tecnologia da Informação (TI), tornaram-se comuns em todo o mundo na era da globalização. No entanto, certas estatísticas sobre os resultados desses processos são alarmantes. Levantamento publicado pela revista Information Week, por exemplo, indica que um em cada quatro processos de terceirização não consegue preencher as expectativas dos envolvidos. Entre 20% e 25% de todas as terceirizações dão errado em até dois anos de trabalho. E 50% fracassam em prazo de cinco anos, segundo a National Outsourcing Association, baseada na Grã-Bretanha. As principais razões para esses resultados negativos são: 1. Deficiências no planejamento, projeto e seleção: Estratégias e implementação inadequadas da terceirização Falta de compreensão do próprio cliente sobre a complexidade de seu negócio A incapacidade dos novos provedores de serviços em entenderem as características do negócio do cliente ou de seu próprio negócio Contratos que não refletem a realidade dos novos processos 2. Deficiência no gerenciamento e governança dos contratos: Custos altos Serviços abaixo do padrão Problemas no relacionamento entre o cliente e o prestador de serviços Problemas no repasse ao cliente e reduções de custos com o outsourcing Avaliações de performance adequadas 3. Falta de flexibilidade nos acordos de: Fixação de preços Níveis de serviços Ao longo de 18 meses, a KPMG realizou em nível global uma pesquisa junto a altos executivos (CEOs, CFOs etc) de empresas multinacionais envolvidas em processos de terceirização. O trabalho foi reunido na publicação Sourcing in Tecnologia da Informação 17

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira

Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira Como uma das empresas líderes em serviços profissionais no Brasil, a Deloitte entende de maneira única os desafios enfrentados

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009 Aon Corporation Líder Mundial em Consultoria de Riscos, Benefícios, Seguros e Resseguros; Detentora do maior volume de prêmios emitidos do mercado mundial; 8ª empresa na categoria Diversidade Financeira

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Geral Executiva Nome da Suzano Papel e Celulose Indústria Papel e celulose Produtos e Serviços Celulose de eucalipto,

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside O PRAZER DO RECONHECIMENTO Por Fabiane Abel Há quase três décadas, o Prêmio Anefac Profissional do Ano escolhe anualmente os melhores executivos das áreas de Finanças, Administração e Contabilidade, levando

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas

Consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas 1. Institucional Consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas Somos uma consultoria de estratégia empresarial e finanças corporativas, com soluções para decisões operacionais, societárias

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos:

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos: Varejo e-commerce A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais