Alunos: Ana Claudia da Penha Dias Ednéia Paula Gomes Erika Regina Ribeiro Rosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alunos: Ana Claudia da Penha Dias Ednéia Paula Gomes Erika Regina Ribeiro Rosa"

Transcrição

1 Alunos: Ana Claudia da Penha Dias Ednéia Paula Gomes Erika Regina Ribeiro Rosa Ciências naturais e a experimentação fora da sala de aula com alunos do ensino Fundamental II São Paulo 2015

2 Alunos: Ana Claudia da Penha Dias Ednéia Paula Gomes Erika Regina Ribeiro Rosa Ciências naturais e a experimentação fora da sala de aula com alunos do ensino Fundamental II Projeto Integrador apresentado como parte dos requisitos do curso de Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática da UNIVESP Universidade Virtual do Estado de São Paulo sob a docência da professora orientadora: Márcia Cristina Lazzari São Paulo 2015

3 RESUMO Nas aulas de ciências naturais, as aulas práticas são muito importantes para a construção do pensamento científico, entretanto, elas são pouco difundidas, principalmente no ensino fundamental. Esta pesquisa tem como objetivo avaliar a relevância do uso de aulas práticas de ciências no ensino fundamental II para a construção do conhecimento científico. O trabalho foi desenvolvido com crianças de 10 a 12 anos que estudam no ensino fundamental II da rede privada do município de Guarulhos. Para coleta de dados foram realizadas entrevistas com os alunos onde constatou se que as aulas de ciências no ensino fundamental II são basicamente expositivas e os alunos praticamente não utilizam os laboratórios da escola para aulas práticas. A totalidade dos alunos demonstrou grande interesse por aulas práticas e reconhecem que elas tornariam o aprendizado mais interessante. Assim, conclui se que as aulas práticas têm um papel importante no ensino aprendizado das crianças em idade escolar atraindo a curiosidade e o interesse das mesmas para as aulas de ciências, possibilitando uma aprendizagem mais significativa dos conteúdos ministrados na sala de aula. Palavras Chaves : pensamento científico, ensino fundamental II, ambiente escolar. ABSTRACT In the classes of natural sciences, the practical classes are very important to the construction of scientific thought, however, they are hardly widespread, especially in elementary school. This research aims to evaluate the relevance of the use of practical science classes in elementary school II, for the construction of scientific knowledge. The study was conducted with children years studying in elementary school II in private schools in the city of Guarulhos. Interviews for data collection were held with students where it was found that the science classes in elementary school II are primarily expository and students hardly use the school's laboratories for practical classes. All of the students showed great interest in practical classes and recognize that they would make learning more interesting.thus, it is concluded that the practical classes have an important role in the learning of schoolchildren, attracting their curiosity and interest for science classes, enabling a more meaningful learning of the content taught in the classroom. Key words : scientific thinking, elementary school II, school environment

4 1. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA Durante muito tempo na História da Educação no Brasil, tanto em todo cenário escolar, como no ensino de ciências, o professor era um mero transmissor do conhecimento. As transformações pelas quais a humanidade passou nos últimos anos geraram mudanças na sociedade que fizeram com que fosse necessário repensar o sistema educacional. As novas metodologias de ensino visam relacionar o que é aprendido em sala de aula com o dia a dia do aluno. Assim, a experimentação torna se uma questão fundamental no ensino de ciências (CACHAPUZ, 2000). Para CARVALHO (2006), ensino e aprendizagem são dois conceitos que têm ligações bastante profundas; o objetivo da didática é fazer com que esses dois conceitos representem as duas faces de uma mesma moeda. Com relação ao ensino de ciências, observa se que muitas vezes o aluno tem dificuldade em assimilar os conteúdos dessa área do conhecimento. Talvez, esta dificuldade se deva a ausência de aulas práticas de ciências no ensino fundamental, bem como à falta de preparo dos professores. O professor tem papel fundamental no processo de aprendizagem como representante da ciência com a qual o aluno interage. As aulas práticas ajudam neste processo de interação e no desenvolvimento do pensamento científico permitindo que os alunos aprendam a entender o mundo e a desenvolver soluções para os problemas existentes ( LUNETTA, 1991). KRASILCHIK (2008) afirma que as aulas práticas têm função de despertar e manter o interesse dos alunos; envolver os estudantes em investigações científicas; desenvolver a capacidade de resolver problemas; compreender conceitos básicos e desenvolver habilidades. A disciplina de Ciências Naturais é uma disciplina na qual a prática não deveria estar desvinculada da teoria. Por isso, acredita se que o reconhecimento por parte dos alunos na construção do pensamento científico, atesta o caráter investigativo das aulas práticas (PRIGOL & GIANNOTTI, 2008)

5 Conforme LIMA et al.,(1999), a experimentação interrelaciona os objetos de conhecimento e seu aprendiz, unindo dessa forma a teoria e prática. Uma das perguntas que devemos nos fazer deve ser, por que ensinar ciências? Ensinamos ciências para auxiliar na formação de um cidadão mais crítico e participante da sociedade, consciente de seus direitos e deveres. A nossa responsabilidade maior em ensinar ciências é procurar fazer com que nossos alunos e alunas se transformem, com o ensino que fazemos em homens e mulheres mais críticos. CHASSOT(2006,p.36) O principal objetivo da alfabetização científica não é formar futuros cientistas, mas seu principal papel é fornecer subsídios para melhor compreensão e entendimento do mundo....ensinar ciências no mundo atual deve constituir uma das prioridades para todas escolas, que devem investir na edificação de uma população consciente e crítica diante das escolhas e decisões a serem tomadas. BIZZO (2009, p.16) Mas, qual seria a melhor forma de ensinar ciências no ensino fundamental? Segundo Borges e Moraes(1998, p.19) a criança não vê o mundo como nós, precisamos tentar ver o mundo através dos olhos dos alunos. Sentir com eles o encantamento de cada descoberta. Sendo assim, o ideal é que os professores sejam capazes de incentivar a criança a explorar seu ambiente, proporcioná las atividades práticas utilizando materiais simples e de seu cotidiano, dando espaço para reflexão, relatos e discussões. LUNETTA (1992), também afirma que as aulas práticas ajudam no processo de desenvolvimento e interação de conceitos científicos, permitindo que os estudantes aprendam a analisar e a buscar soluções para os problemas de seu cotidiano. A importância da experimentação durante as aulas deve ser, portanto, de conhecimento de todos os professores. Entretanto, até que ponto os professores estão preparados para estas reflexões? Para VASCONCELOS et al., a formação

6 científica de nossos futuros professores tem deixado muito a desejar; seja por falta de conteúdo teórico, ou por absoluta falta de preparo científico prático. Neste sentido BELOTTI & FARIA (2010) apontam a necessidade de que o professor seja capaz de refletir sobre sua metodologia e direcioná la segundo a realidade em que atua de acordo com os interesses dos alunos, procurando fazer com que o aprendizado seja interessante para cada um. Estes fatores foram os pilares para a elaboração de nossa pesquisa, visando averiguar a ocorrência de aulas de laboratório no ensino fundamental, sua relação com as aulas teóricas, o interesse dos alunos nestas práticas, bem como o interesse e preparo dos professores. 2. PROBLEMAS E OBJETIVO DA PESQUISA A importância de aulas práticas e experimentais para a construção do conhecimento em ciências no ensino fundamental II, constitui um conhecimento contingente, pois suas preposições ou hipóteses têm a sua veracidade ou falsidade conhecida através da experimentação e não apenas pela razão, como ocorre no conhecimento filosófico. "A investigação científica se inicia quando se descobre que os conhecimentos existentes, originários quer das crenças do senso comum, das religiões ou da mitologia, quer das teorias filosóficas ou científicas, são insuficientes e imponentes para explicar os problemas e as dúvidas que surgem". (p. 30) 1 No ensino de ciências, podemos destacar a dificuldade que um aluno tem em assimilar a teoria apresentada em sala de aula com a sua realidade de vida. Segundo SERAFIM (2001), podemos dizer que o aluno que não consegue reconhecer o conhecimento científico em situações do seu cotidiano, não foi capaz de compreender a teoria. E também segundo FREIRE (1997), para compreender a teoria é necessário experienciá la. Com isso deduzimos que o experimento está indissoluvelmente associado à teoria. Bazin (1987) aposta em uma maior significância de aprendizado, onde um simples experimento de ensino não formal de Ciências é capaz de ser mais relevante ao aprendizado de um aluno do que o uso

7 do método de memorização da informação, método esse tradicionalmente e amplamente usado nas salas de aula. A idéia já ultrapassada de que a experiência é serva da teoria precisa ser modificada por aqueles que ministram as aulas de ciências. Sacramentar a teoria já nos dada, impossibilita nos de encontrar novas respostas para o nosso dia a dia, pois é através do experimento que redescobrimos a metodologia científica. Não é a prática que assimila a teoria, pois ela tem vida em si, é através da prática realizada pelos alunos que chegamos a descoberta de uma teoria ou nos faz repensar a teoria que foi estudada anteriormente. O objetivo dessa pesquisa foi identificar o problema no ensino de ciências e a sua assimilação no cotidiano da vida do aluno e pesquisar onde está a dificuldade de estabelecer a ponte da construção do conhecimento científico do aluno e a real posição do professor/mediador, onde a função desse profissional é ser o elo de ligação entre a descoberta e o descobridor. 3. METODOLOGIA Muito se fala a respeito das contribuições da Psicologia para a compreensão do que é ser criança, de seu processo de desenvolvimento e de métodos relacionados a coletas de dados. Consideramos, no entanto, que outras áreas do conhecimento podem trazer valiosas contribuições para pensarmos a respeito de pressupostos teóricos e metodológicos voltados para pesquisas com crianças. Iniciamos por tratar das contribuições dadas pela Sociologia da Infância. Por meio de tal referencial, podemos tecer uma visão de infância e de criança, necessária para que adentremos no campo da pesquisa com crianças. Dentro dessa perspectiva, as crianças têm voz e muitas coisas a nos informar. Corsaro (2011, p. 15) afirma que as crianças são agentes sociais, ativos e criativos, que produzem suas próprias e exclusivas culturas infantis, enquanto, simultaneamente, contribuem para a produção das sociedades adultas. A infância é considerada como um período socialmente construído, uma forma estrutural.

8 A sociologia da infância tem recebido valiosas contribuições das mais diversas áreas de conhecimento e de autores que estudam e ampliam as discussões em torno da infância e dos aspectos teórico metodológicos das pesquisas com crianças, principalmente quando se espera compreender os diferentes campos e contextos empíricos em que as crianças atuam e interagem entre elas e com adultos. Podemos considerar no campo da Sociologia da Infância os estudos desenvolvidos, além dos de Corsaro (2011), por autores como Faria, Demartini e Prado (2009). Segundo as autoras, a Sociologia da Infância representa um campo em construção. Afirmam elas que hoje no Brasil nosso campo de pesquisa está construindo a sociologia da infância que já vem problematizando uma abordagem psicológica predominante nas pesquisas dessa faixa etária que patologiza as crianças pequenas e vê sua educação apenas como uma preparação para o futuro aluno na escola. Para nós, tanto essa criança de 0 a 6 anos como a criança de 7 a 10 anos (que também pode ser aluno) é informante fidedigno (FARIA; DEMARTINI; PRADO, 2009, p. XIII). Além disso, no campo das pesquisas com crianças, precisamos desconstruir preconceitos e atentar para o que Kramer (2001) chama de visão adultocêntrica de mundo. A criança tem muito a contribuir, a dizer e a nos informar. Cabe ao pesquisador ouvir, escutar. Nesse processo de ouvir o outro, no caso, a criança, a linguagem oral deve ser acompanhada de expressões corporais, gestuais e faciais. No caso da escuta da criança pelo adulto, haverá sempre uma interpretação orientada pelas próprias intenções propostas durante a ação comunicativa: [...] a ênfase na escuta justifica se pelo reconhecimento das crianças como agentes sociais, de sua competência para a ação, para a comunicação e troca cultural. Tal legitimação da ação social das crianças resulta também de um reconhecimento e de uma definição contemporânea de seus direitos fundamentais de provisão, proteção e participação (ROCHA, 2008, p. 46). O nosso primeiro passo para elaboração da nossa pesquisa de campo com as crianças foi definir o local, o qual escolhemos o condomínio Everyday, localizado no centro de Guarulhos São Paulo, por ter crianças na faixa etária de 6 a 12 anos de

9 idade que de segunda a sexta feira no horário das 18h as 20h participam da recreação no condomínio, um ambiente que foi favorável para prática de escuta e facilidade para encontrarmos o público que precisávamos para desenvolver nossa pesquisa. Entramos em contato com o síndico do prédio para termos a autorização, marcamos com a professora de recreação do condomínio o dia da pesquisa para que então pudéssemos reunir as crianças por cerca de 20 minutos para aplicar perguntas que envolvem o cotidiano escolar. Após a primeira escuta, o grupo se reuniu para discussão e definição do tema, assim pudemos delimitar o público e pesquisar referencias bibliográficas. Com o tema definido, marcamos então a nossa segunda escuta na qual aplicamos perguntas sobre a matéria de ciências e focamos as crianças do ensino fundamental II. Nessa segunda escuta pudemos relatar sobre as questões das aulas experimentais e suas opiniões que nos levaram para a construção de nosso Prótotipo final. 4. ANÁLISE DOS DADOS Na nossa primeira escuta, foram entrevistadas 20 crianças com idade entre 5 e 13 anos, sendo 12 meninos e 8 meninas. Nessa entrevista buscamos identificar um problema no ensino básico nessa faixa etária. Identificamos a falha de conexão da matéria dada com a aplicação prática no ensino de ciências naturais. PRIMEIRA ESCUTA IDADE No. DE CRIANÇAS 5 A A A 13 8

10 SEXO QUANTIDADE Masculino 12 Feminino 8 Após a análise dos dados da primeira escuta, ficou claro a curiosidade nata da criança, sua diversidade, e o olhar peculiar do mundo ao seu redor. Com a pesquisa observamos que a criança fala o que sente e o que a aflige. É ponto em comum entre as crianças as atividades físicas e externas como sendo preferencial entre a maioria. Houve queixa de demora em retomar as atividades em sala de aula por indisciplina de alguns alunos. A relação da empatia dos professores e a matéria dada é fundamental para o interesse dos alunos, a escuta do professor em relação a alguma queixa do aluno também foi levantada. Mas algo que nos chamou a atenção nessa escuta foi os alunos se queixarem que haveria maior interesse deles se

11 pudessem brincar, pegar em objetos, ir mais ao laboratório, pois em algumas escolas esta aula é apenas uma vez por mês. Segunda escuta: IDADE No. CRIANÇAS 10 ANOS 5 11 ANOS 5 12 ANOS 2 Sexo Qtde Masculino 3 Feminino 9 Nesta segunda escuta fizemos um questionário e filtramos os nossos entrevistados para 12 crianças pertencentes à faixa etária de 10 a 12 anos do ensino fundamental II. Escolhemos essa categoria pois as aulas práticas são realizadas somente a partir do 6º ano. Através da primeira escuta, percebemos a necessidade de manter ativa a curiosidade desses alunos e não engessá la nas aulas teóricas de um livro. Foi possível identificar diferenças pedagógicas em pelo menos três escolas particulares representadas pelos entrevistados. Entre as queixas surgiram a falta de experimentação do conteúdo estudado, os poucos materiais dentro do laboratório de ciência, a classificação como critério para participar de um Clube de Ciências e a sala de aula com um número de alunos acima da média. Diante de tal escuta

12 apresentamos um protótipo de aula experimental fora da sala de aula, que além de agregar o conhecimento do experimento, fará com que crianças e alunos passem a gostar mais de conteúdos que para muitos são complicadíssimos. 5. APRESENTAÇÃO DE PROTÓTIPO FINAL A partir das duas escutas, optamos por uma aula de ciências fora da sala de aula para atender a uma necessidade das crianças em estar ao ar livre, daí vem o motivo delas gostarem tanto da Educação Física, pois a mesma não fica presa a quatro paredes. Essa aula também não interfere sobre o uso limitado do laboratório, pois é feita numa área externa, com poucos recursos, mas de grande aprendizagem, pois não há ensino se não houver aprendizado. Na nossa aula externa experimental, iremos Mapear o Pátio da Escola ; para isso não é o professor que vai definir a área a ser pesquisada, mas sim fazer um brainstorm com os alunos e identificar a área de interesse e/ou curiosidade deles. Após a escolha e definição da área, a função do professor é verificar se há algum perigo na área escolhida, lembre se que ele é um condutor entre a pesquisa e o pesquisador. A função dessa aula é caracterizar uma área da escola através da investigação dos elementos bióticos e abióticos ali existentes. O professor incentivará os alunos ecologistas a definirem qual plano de ação para estudarem as espécies de insetos que residem naquele local. É importante anotar tudo o que o aluno diz e suas idéias, dando pelo menos algum ponto positivo para cada idéia sugerida. Geralmente os ecologistas utilizam dois métodos: 1) Levantamento dos elementos bióticos e abióticos encontrados sobre o solo de uma área demarcada; ou 2) Identificação dos insetos que caem em pequenas armadilhas de coleta em uma determinada área. É necessário adotar o método que melhor se encaixe à realidade da escola. Caminhe com os alunos pelo pátio externo da escola, converse com eles sobre qual lugar é mais adequado para a pesquisa. Procure por locais com diversidade de elementos bióticos (seres vivos) e abióticos (como luz, sombra, árvores, grama, areia, solo etc ). Peça para cada aluno observar a área escolhida e demarcada, fazer anotações do que vê, e porque não utilizar se de celulares e tablets para pesquisar os nomes científicos das plantas, insetos e tipos de solo que

13 forem coletados. A partir desses dados é possível aprender qual o ambiente propício para o desenvolvimento de certo tipo de inseto, do que ele se alimenta, verificar a cadeia alimentar daquela área e tantas outras descobertas que somente com a pesquisa minuciosa e apurada podemos identificar. Essa atividade não visa em classificar ou avaliar o aluno, mas sim em observar o comportamento de cada um deles e a partir da observação elaborar uma avaliação formativa, ressaltando em quais aspectos os alunos se identificaram mais, em quais tiveram dificuldades e qual nível de participação de todos. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS As atividades pedagógicas como, visitas a museus, zoológico, bibliotecas, aulas práticas, feiras de ciências, saídas a campo para observações, uso de internet, entre outros, poderão contribuir de forma significativa para propiciar uma boa qualidade de aprendizado. As aulas de ciências não devem ser meramente limitadas à leitura, cópia de textos e resolução de exercícios. Vivemos na era da tecnologia, os alunos em sua grande maioria tem acesso à informação muito mais rápido do que alguns anos atrás e, portanto, a informática faz parte da vida da maioria das pessoas com isso, o uso da internet no ambiente escolar é um instrumento muito importante e estimulante no processo de aprendizagem. Cabe ao professor ensinar seus alunos a utilizarem esta ferramenta de forma segura, criando projetos de investigação para questões levantadas pelos alunos sobre seu cotidiano. O ensino de ciências deve proporcionar aos alunos subsídios para que ele seja capaz de se posicionar a respeito de questões como desmatamento, mudanças climáticas, poluição, saúde, destino do lixo, entre outros. É na escola que o aluno deve descobrir como tornar se um cidadão capaz de expressar seus pontos de vida e exercer seu papel na sociedade. A criança ou aluno que é estimulada desde cedo ao pensamento critico e também ao pensamento científico investigativo, se tornará um adulto mais consciente, não consumista, mas amigo do meio ambiente. Na tentativa de preservá lo ou de extrair apenas o necessário para a sobrevivência do ser humano.

14 BIBLIOGRAFIA KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: EDUSP, LUNNETA, V.N. Atividades Práticas no Ensino de Ciência. Revista Portuguesa de Educação, v.2, n.1, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais:ciências Naturais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Universidade Federal do Paraná. Pró Reitoria de Graduação e Ensino Profissionalizante. 2/286 (acessado em 28/05/2015) 1 L akatos, Eva M. e Marconi, Marina A., "Metodologia Científica", Editora Atlas S.A., São Paulo SP. 1991, p.17) COREIRO,ARAÚJO. Questões teóricas e metodológicas das pesquisas com crianças:algumasreflexões.rev.diálogoeduc,curitibav.14,n41,p61 79, jan/abr Segue o link referente ao vídeo do Projeto Integrador hare

Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso.

Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso. Um Retrato do Uso dos Jogos no Ensino de Matemática no 6º Ano do Ensino Fundamental: um estudo de caso. Francisco Ricardo Nogueira de Vasconcelos 1 Ivoneide Pinheiro de Lima 2 RESUMO A aplicação adequada

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

ATIVIDADE INTEGRADA ENTRE CIÊNCIAS E INFORMÁTICA

ATIVIDADE INTEGRADA ENTRE CIÊNCIAS E INFORMÁTICA ATIVIDADE INTEGRADA ENTRE CIÊNCIAS E INFORMÁTICA EDUCATIVA: RECURSOS TECNOLÓGICOS E O ALUNO DO SÉCULO XXI Fabio DAMASCENO fabiodamasceno@gmail.com COLÉGIO PEDRO II/DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA Maria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS NATURAIS ENFOCANDO A MORFOLOGIA DA FLOR

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS NATURAIS ENFOCANDO A MORFOLOGIA DA FLOR A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE PRÁTICAS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS NATURAIS ENFOCANDO A MORFOLOGIA DA FLOR SINTIA PRIGOL 1 ; SANDRA MORAES GIANNOTTI 2 RESUMO: Na disciplina de Ciências

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR VOLTADO PARA OS SABERES MATEMÁTICOS DAS CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES Maria Raquel da Silva- Graduanda em Pedagogia (UFPE- CAA) G. Nóbrega L. de

Leia mais

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA Thayza Ferreira Cabral MATOS; Elinéia Pereira VAILANT; Carla Michelle de Lima SOUZA; Weslley de Castro ALVES; Adriana Aparecida

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

Ensino de Ciências abordando a pesquisa e a prática no Ensino Fundamental da rede pública

Ensino de Ciências abordando a pesquisa e a prática no Ensino Fundamental da rede pública Pergaminho, (5): 38-50, dez. 2014 Centro Universitário de Patos de Minas http://pergaminho.unipam.edu.br Ensino de Ciências abordando a pesquisa e a prática no Ensino Fundamental da rede pública Science

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOLOGIA: UMA APROXIMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO A MICROSCOPIA ÓPTICA RESUMO

LABORATÓRIO DE BIOLOGIA: UMA APROXIMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO A MICROSCOPIA ÓPTICA RESUMO LABORATÓRIO DE BIOLOGIA: UMA APROXIMAÇÃO DE ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO A MICROSCOPIA ÓPTICA Amanda Coradini¹; Andréia Sangalli² UFGD/FAIND. Caixa Postal 533, 79804-970, Dourados-MS. E-mail: andreiasangalli@ufgd.edu.br.

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas.

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas. 1 Resumo Este trabalho se refere a um projeto do Programa de Iniciação à Docência (PIBID) que é realizado com alunos das séries finais do Ensino Fundamental em uma escola municipal da cidade de Jataí-GO.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

PROJETO 2. 1. Identificação do projeto

PROJETO 2. 1. Identificação do projeto PROJETO 2 1. Identificação do projeto Título:Ensino de bioquímica e biologia molecular a partir de "situações cotidiana" utilizando as tecnologias da informação Responsável:Dr. Carlos Eduardo da Rosa Vínculo

Leia mais

A Importância do Estudo do Solo no Ensino Fundamental e Médio nas Escolas de Coari/Am.

A Importância do Estudo do Solo no Ensino Fundamental e Médio nas Escolas de Coari/Am. ARTIGO A Importância do Estudo do Solo no Ensino Fundamental e Médio nas Escolas de Coari/Am. Fábio Gomes da Silva 1 Ademar Vieira dos Santos 2 Helder Manuel da Costa Santos 3 RESUMO: Esta pesquisa surgiu

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS Janice Silvana Novakowski Kierepka Professora de Educação Básica, Mestranda em Educação nas Ciências, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

Leia mais

Análise de artigos apresentados nos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (ENEBIO) sobre o tema aulas práticas experimentais.

Análise de artigos apresentados nos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (ENEBIO) sobre o tema aulas práticas experimentais. Análise de artigos apresentados nos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (ENEBIO) sobre o tema aulas práticas experimentais. Analysis of papers presented in the National Meetings of Biology Teaching

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI

REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI REALIZAÇÕES DO PIBID NA UNIDADE EDUCACIONAL JOSÉ LUSTOSA ELVAS FILHO, BOM JESUS-PI Francisco Cleiton da Rocha 1 Marcos Vinícius de Sousa 2 Stella Indira Rocha Lobato 3 1 Professor Assistente da Universidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Ciências Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conteúdos e fundamentos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR COMO ESPAÇOS PARA EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR COMO ESPAÇOS PARA EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.7, n. 11, p. 117 122, 2010. 117 LABORATÓRIOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR COMO ESPAÇOS PARA EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DE ALUNOS

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT

Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco POLI/UPE Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil PEC Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT CONTRATO DE CONVIVÊNCIA Profª. Emilia Kohlman

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

A química forense como motivadora do ensino de química.

A química forense como motivadora do ensino de química. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado de Educação e Cultura SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN Faculdade de Ciências Exatas e Naturais FANAT DEPARTAMENTO DE

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO BASEADA EM PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS PARA CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA EM ESCOLA DE CAMPO

EXPERIMENTAÇÃO BASEADA EM PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS PARA CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA EM ESCOLA DE CAMPO 8 Simpósio Brasileiro de Educação Química Natal / RN 25 à 27 de Julho de 2010 Universidade Federal do Pampa Campus Bagé - RS EXPERIMENTAÇÃO BASEADA EM PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS PARA CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 Cleonice Vieira 1 ; Débora Maian Serpa 2 ; Moema Helena de Albuquerque 3 RESUMO O Programa tem como objetivo

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Welledes Moreno Aguiar Bolsista do PIBID Biologia, UFT - Araguaína. E-mail: wmaguiar_18@hotmail.com Geane Brizzola dos

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista

Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista BRESCI, M. S. 1 Projeto de Extensão Universitária: Pequeno Cientista Melissa Salaro Bresci 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo

AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo No que diz respeito ao ensino de biologia vale ressaltar que

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014)

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia em 2044 Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia hoje: Para quem? Para que? ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL FORMADO:

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE Diante da necessidade de proporcionar uma reflexão sobre o tema Meio Ambiente no ensino formal, esse trabalho tem por

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS Carlene da Penha Santos - Graduanda/ UFPB Luzia Domiciano da Silva - Graduanda/ UFPB OBJETIVO Aproximar os alunos ditos

Leia mais

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta - Faixa etária das crianças: 6 anos - Grau de escolaridade de professor: Nível Médio Magistério - Contexto sócio-cultural em que foi

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR Erika Aparecida Domiciano Moser 1 RESUMO A alegria não chega apenas no encontro

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais