Anos da Constituição CidAdã: AvAliAção e desafios da seguridade social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anos da Constituição CidAdã: AvAliAção e desafios da seguridade social"

Transcrição

1 An o s d a Constituição Ci d a d ã: avaliação e desafios da Seguridade Social

2 ANFIP - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil Conselho Executivo Assunta Di Dea Bergamasco - Presidente João Laércio Gagliardi Fernandes - Vice-Presidente Fábio Galízia Ribeiro de Campos - Vice-Presidente de Assuntos Fiscais Maria do Carmo Costa Pimentel - Vice-Presidente de Política de Classe e Relações Interassociativas Marcelo Oliveira - Vice-Presidente de Política Salarial Sandra Tereza Paiva Miranda - Vice-Presidente de Assuntos da Seguridade Social Armando dos Santos - Vice-Presidente de Cultura Profissional Nildo Manoel de Souza - Vice-Presidente de Aposentadorias e Pensões Antônio Silvano Alencar de Almeida - Vice-Presidente de Serviços Assistenciais Manoel Eliseu de Almeida - Vice-Presidente de Assuntos Jurídicos Miguel Arcanjo Simas Nôvo - Vice-Presidente de Assuntos Tributários João Alves Moreira - Vice-Presidente de Administração, Patrimônio e Cadastro Luiz Mendes Bezerra - Vice-Presidente de Finanças Eucélia Maria Agrizzi Mergar - Vice-Presidente de Planejamento e Controle Orçamentário Ovídio Palmeira Filho - Vice-Presidente de Comunicação Social Maruchia Mialik - Vice-Presidente de Relações Públicas Rodrigo da Costa Possas - Vice-Presidente de Assuntos Parlamentares Maria Bernadete Sampaio Bello - Vice-Presidente de Tecnologia da Informação Conselho Fiscal Carlos Roberto Bispo (MG) - Coordenador Ary Gonzaga de Lellis (GO) - Membro Jorge Cezar Costa (SE) - Relator Conselho de Representantes Dulce Wilennbring de Lima (RS) - Coordenadora Ana Mickelina B. Carreira (MA) - Vice-Coordenadora Rozinete Bissoli Guerini (ES) - Secretária Léa Pereira de Mattos (DF) - Secretária-Adjunta AC Heliomar Lunz AL - Francisco de Carvalho Melo AP - Emir Cavalcanti Furtado AM - Cleide Almeida Novo BA - Luiz Antônio Gitirana CE - Eliezer Xavier de Almeida GO - Nilo Sérgio de Lima MT Manoel de Matos Ferraz MS - Cassia Aparecida Martins de A. Vedovatte MG - Lúcio Avelino de Barros PA - Maria Oneyde Santos PB - Maria Janeide da C. Rodrigues e Silva PR - Ademar Borges PE - Abias Amorim Costa PI - Guilhermano Pires F. Correa RJ - Sérgio Wehbe Baptista RN - Maria Aparecida F. Paes Leme RO - Eni Paizanti de Laia Ferreira RR - AndreLuiz Spagnuolo Andrade SC - Pedro Dittrich Júnior SP - Edgard dos Santos SE - Jorge Lourenço Barros TO - Márcio Rosal Bezerra Barros Fundação Anfip de Estudos da Seguridade Social CONSELHO CURADOR Assunta Di Dea Bergamasco - Pr e s i d e n t e Ovídio Palmeira Filho - Se c r e t á r i o Sandra Tereza Paiva Miranda Maria do Carmo Costa Pimentel Amauri Soares de Souza Pedro Dittrich Júnior Miguel Arcanjo Simas Novo SUPLENTES Eurico Cervo Aloísio Jorge Holzmeier DIRETORIA EXECUTIVA Floriano José Martins - Di r e t o r Pr e s i d e n t e Ana Lúcia Guimarães Silva - Di r e to r a Administrativa Gláucio Diniz de Souza - Di r e t o r Fi n a n c e i r o Márcio Humberto Gheller - Di r e t o r d e Pl a n e j a m e n t o e Pr o j e t o s Rosana Escudero de Almeida - Diretora de Eventos e Cursos SUPLENTES Décio Bruno Lopes Vanderley José Maçaneiro CONSELHO FISCAL José Helio Pereira Ennio Magalhães Soares da Câmara José Geraldo de Oliveira Ferraz SUPLENTES Paulo Freitas Radtke José Avelino da Silva Neto

3 ANFIP - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil An o s d a Constituição Ci d a d ã: avaliação e desafios da Seguridade Social Flávio Tonelli Vaz Juliano Sander Musse Rodolfo Fonseca dos Santos Coordenadores Brasília

4 Copyright Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil - ANFIP Permitida a divulgação dos textos contidos neste livro, desde que citadas as fontes. Disponível em: ISBN: Tiragem desta edição: exemplares impresso no Brasil 1ª edição: 2008 Grupo de trabalho constituído para realização do estudo: Coordenadores: Flávio Tonelli Vaz - Juliano Sander Musse - Rodolfo Fonseca dos Santos Revisão ortográfica: Raquel Zanon Capa e editoração eletrônica: Gilmar Eumar Vitalino Fotos da capa: Acervo/Câmara dos Deputados e Arquivo Fotográfico/Jornal do Senado Assessoria de Estudos Socioeconômicos da ANFIP: Rodolfo Fonseca dos Santos Juliano Sander Musse Amanda Guedes (estagiária) Normalização bibliográfica: Bibliotecária com registro CRB Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP) 20 anos da Constituição Cidadã : avaliação e desafios da Seguridade Social / Flavio Tonelli Vaz, Juliano Sander Musse, Rodolfo Fonseca dos Santos (Coords.). Brasília : ANFIP, p. ISBN Seguridade Social 2. Previdência Social 3. Saúde Pública 4. Assistência Social I. Título. II. Vaz, Flávio Tonelli (Coord.) III. Musse, Juliano Sander (Coord.) IV. Santos, Rodolfo Fonseca dos (Coord.) CDU 369

5 Sumário Apresentação...9 Assunta Di Dea Bergamasco Introdução...11 Flávio Tonelli Vaz, Juliano Sander Musse e Rodolfo Fonseca dos Santos Parte1. A ordem econômica e os direitos sociais: relação intrínseca Direitos sociais no fio da navalha Eduardo Fagnani A Constituição de 1988 e a Seguridade Social: uma disputa em meio à financeirização do Estado Denise Lobato Gentil Gilberto Maringoni Crescimento, emprego e renda e os desafios para o desenvolvimento com maior igualdade Claudio Salvadori Dedecca Sustentando a Seguridade Social do século Marcio Pochmann Artigo 170: a busca do pleno emprego e a redução das desigualdades João Sicsú Parte 2. Seguridade Social: um sistema para assegurar direitos Inclusão e progressividade: os desafios da Seguridade Social brasileira Lena Lavinas Seguridade Social: um conceito e uma prática da civilização (ainda) moderna Maria Lucia Teixeira Werneck Vianna Seguridade Social 20 anos depois: caminhos do desmonte Ivanete Boschetti Avanços e limites no controle social da Seguridade no Brasil Evilásio Salvador A Constituição Cidadã e a institucionalização dos espaços de participação social: avanços e desafios Enid Rocha

6 Seguridade Social: direitos constitucionais e limites orçamentários Arthur Oscar Guimarães O ajuste como prioridade, a Seguridade Social como instrumento Flávio Tonelli Vaz Parte 3. Previdência Social: o desafio da inclusão Previdência é mais do que seguro: é Seguridade e desenvolvimento Milko Matijascic Desafios à previdência social no início do século XXI Guilherme C. Delgado A previdência rural: um dos grandes avanços da Constituição Federal de Jane Lucia Wilhelm Berwanger O financiamento da Seguridade Social e os vinte anos da Constituição de Wagner Balera Direitos previdenciários, previsibilidade e eficácia Wladimir Novaes Martinez Os desafios da previdência social na agenda recente do movimento sindical brasileiro Clemente Ganz Lúcio Parte 4. Saúde Pública: o desafio da resolutividade O Sistema Único de Saúde e o processo de democratização da sociedade brasileira Rosa Maria Marques Áquilas Mendes Rompendo com as amarras no financiamento das políticas públicas de saúde Sérgio Francisco Piola Solon Magalhães Vianna Políticas públicas em busca da qualidade dos serviços de saúde Sonia Fleury Parte 5. Assistencia Social: gerando cidadania e disseminando desenvolvimento 20 anos de Constituição: a hora dos deveres sociais Marcelo Neri Entre a pobreza e a cidadania: a política pública de assistência social no pós Luciana Jaccoud Posfácio Flávio Tonelli Vaz, Juliano Sander Musse e Rodolfo Fonseca dos Santos

7 7

8

9 Apresentação Em seu dia-a-dia atribulado, o cidadão brasileiro nem sempre se dá conta da importância da Constituição promulgada em 1988, cognominada Constituição Cidadã. Foi a partir dela que começaram a ser implantados no país os pilares da Seguridade Social em sua feição mais moderna e abrangente, determinando a universalização do atendimento nas áreas da saúde, da previdência e da assistência social. A ANFIP, entidade que representa os Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, tem na sua história a defesa intransigente da Seguridade Social. Dessa forma, não poderia deixar de comemorar tão importante data, nem tampouco de homenagear o povo brasileiro, que heroicamente foi à luta pelo resgate da democracia; e os constituintes, que também lutaram, elaboraram e aprovaram o texto da nova Constituição. A maneira que a associação encontrou de celebrar os 20 anos da conquista desse novo conceito de cidadania foi lançar o livro 20 anos da Constituição Cidadã: avaliação e desafios da Seguridade Social, que reúne artigos de acadêmicos e de estudiosos comprometidos com as causas sociais, como forma de tornar mais abrangente o debate do tema e de enraizar, em cada cidadão, a consciência quanto à importância de se dotar o país de mecanismos que efetivamente promovam a justiça, o progresso social e a prosperidade de forma igualitária. Este livro serve ao passado, pois homenageia aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a compleição de uma cidadania plena. Serve ao presente, como alerta para que eventuais mudanças na Constituição não venham a agredir ou descumprir seus princípios básicos, que norteiam a construção de um Brasil renovado e mais justo. E serve ao futuro, de modo que as novas gerações possam perceber o alcance dos princípios fundamentais, dos direitos, das garantias e da nova ordem social democrática, emanada da Constituição Cidadã. Por fim, cabe lembrar a importância de preservá-la e de aperfeiçoá-la, cuidando para que não ocorram desvirtuamentos que coloquem em risco as grandes conquistas que haverão de despertar as consciências e ampliar horizontes sempre a serviço das grandes causas e de um projeto nacional efetivamente destinado a atender todos os brasileiros, sem distinção de etnia, sexo, idade, procedência, renda, religião ou qualquer outro parâmetro que possa representar qualquer resquício de discriminação. Assunta Di Dea Bergamasco Presidente do Conselho Executivo da ANFIP 9

10

11 Introdução A Constituição Federal de 1988 é um marco na construção da cidadania em nosso país. Um verdadeiro avanço frente às Cartas anteriores. Representa, ao mesmo tempo, um resgate da democracia e dos direitos políticos e uma transformação substantiva na perspectiva de acesso a direitos sociais. Numa concepção mais estruturada e integralizada de cidadania, a Lei Maior estabeleceu direitos individuais, coletivos, sociais, políticos, e deu nova roupagem ao Estado brasileiro para cumprir funções variadas com o objetivo de assegurar direitos, prestar serviços públicos universais, garantir o desenvolvimento nacional, combater desigualdades regionais e sociais. Exatamente por conter todos esses importantes instrumentos, visando à construção de uma Nação mais justa e solidária, que a Constituição recebeu tamanha oposição dos setores liberais. Quando, a partir da década de 90, os liberais se constituíram num campo político hegemônico, a Constituição foi submetida a um grande número de alterações. Destacam-se as que modificaram competências do Estado e princípios da ordem econômica, objetivando privatizações; princípios da ordem financeira, para assegurar maior liberdade ao Banco Central e suprimir garantias de proteção das empresas nacionais e da economia popular; mudanças na ordem social, para retirar direitos. Do Emendão do Governo Collor, passando pela Revisão Constitucional de 1993, pelas emendas da Ordem Econômica do Governo FHC e pelas mudanças previdenciárias (nos Governos FHC e Lula), foram aprovadas ao todo 62 modificações (56 Emendas Constitucionais e seis Emendas Constitucionais de Revisão), numa média anual de três modificações. Alguns dispositivos foram revogados ou alterados antes mesmo de serem regulamentados. A experiência das lutas contra a ditadura levou à fixação no texto constitucional de vários dispositivos voltados para a aplicabilidade imediata dos direitos e para o controle social sobre o Estado. Para outros direitos, o constituinte optou apenas por enunciá-los, traçando preceitos a serem cumpridos pelo poder público para a sua materialização. E foi mais além. Importantes mecanismos foram criados para assegurar todos esses direitos, com destaque para as vinculações de recursos públicos a programas e ações de Governo. Ao estabelecer essas vinculações, reafirmou o papel do orçamento público como importante instrumento para concretizar direitos e alterar a realidade sócio-econômica do país. Não é por outro motivo que uma das mais importantes criações da Carta de 1988 é o Orçamento da Seguridade Social. Um instrumento eficaz para dotar o Estado brasileiro de recursos em volume suficiente para assegurar os direitos relativos à saúde, previdência e assistência social. Foram estabelecidas contribuições sociais pagas pelas empresas e 11

12 pelos trabalhadores para - na contramão do pensamento liberal - financiar ações do Estado em prol desses direitos. Por envolver uma parcela substantiva dos recursos públicos, essa vinculação destoa do modelo político e econômico em curso, que privilegia os gastos financeiros do Estado. Não é por acaso que o Orçamento da Seguridade Social foi alvo de inúmeras manipulações, que resultou na subtração de receitas e no uso irregular de suas dotações. Decorridas duas décadas, é adequado fazermos um balanço da Constituição e da eficácia de suas postulações, especialmente no campo da Seguridade Social. Esse é o objetivo dessa coletânea: homenagear a sociedade brasileira pelos vinte anos da Constituição Cidadã e, ao mesmo tempo, oferecer contribuições para um debate sobre a Seguridade Social, o estágio atual de implementação das conquistas sociais e as perspectivas de lutas pela sua efetividade e ampliação. Pelo menos dois fatos tornam evidente a atualidade desse debate. O primeiro é a reforma tributária enviada ao Congresso em Sob o argumento de simplificar o nosso sistema tributário, a proposta acaba com as contribuições sociais sobre o lucro e faturamento e deforma o Orçamento da Seguridade Social, pondo fim ao seu modelo de pluralidade de fontes exclusivas. A conseqüência natural desse desmonte é um enorme risco aos direitos sociais, novamente sob orientação liberal. O segundo é a crise financeira que eclode a nível mundial neste segundo semestre de Fruto direto da desregulamentação dos mercados financeiros, já não se resume a uma crise de liquidez ou de solvência das instituições financeiras, pois afeta amplos setores produtivos nos maiores centros - Estados Unidos, Europa e Japão, alastrandose pelos cinco continentes. Até o fechamento dessa Edição, perto de dois trilhões e meio de dólares já haviam sido disponibilizados somente nos EUA, zona do Euro, Inglaterra, Rússia, Japão e outros países asiáticos e do oriente médio para a capitalização de bancos, seguradoras, companhias hipotecárias e para garantia de depósitos bancários. Na incapacidade de recuperação via mecanismos de mercado, muitas dessas instituições foram simplesmente estatizadas. Mas, a incerteza permanece. Essa fabulosa quantia ainda pode demonstrar-se insuficiente para cobrir os desequilíbrios promovidos pelo atual modelo e ainda é prematuro falar nos custos de recuperação das economias e de enfrentamento aos nocivos efeitos sociais desse furacão. O que parece ser uma crise terminal para as idéias e políticas que pregam a superioridade racional do mercado pode se transformar em uma grande oportunidade para resgatar os instrumentos de desenvolvimento econômico e social contidos na Constituição Cidadã. Esse colapso deve ser utilizado para um julgamento generalizado de seus pensadores e políticos, suas idéias, seus interesses, dos resultados desastrosos de suas 12

13 políticas e, naturalmente, de suas críticas e oposições ao texto da Constituição Federal de Todos aqueles que se opuseram às transformações pretendidas pelos neoliberais estão de parabéns: a nossa Constituição ainda contém os instrumentos necessários para que o país apresente maior grau de resistência a essa crise global e a seus efeitos. O eixo perseguido nesta publicação explora a relação intrínseca entre o desenvolvimento da Seguridade Social e as políticas econômicas que, aplicadas simultaneamente, determinaram a redução da produção e do emprego e opuseram-se, das mais diversas formas, à conquista e implementação do conjunto dos direitos, especialmente aqueles relativos à saúde, previdência e assistência social. Dividido em cinco partes, o livro reúne artigos para debater a estreita relação entre as políticas econômicas em curso e os direitos sociais; os princípios da Seguridade Social, que organizam e informam todo esse sistema; e questões relativas ao estágio atual de implementação das políticas de cada uma das três áreas da Seguridade. Na primeira parte, os autores estabelecem o custo social dessas políticas econômicas de cunho restritivo, a que o país esteve subordinado na maior parte desses vinte anos, e defendem a importância de um projeto de desenvolvimento identificado com uma fase duradoura de crescimento econômico com distribuição de renda. Eduardo Fagnani faz um histórico pormenorizado das mudanças a que a Constituição foi submetida, ressaltando os interesses envolvidos. Discute como as reformas atenderam a opções macroeconômicas adotadas, que minaram a capacidade do Estado em atender às políticas sociais e ainda se demonstraram incompatíveis com possibilidades de desenvolvimento econômico. Já o texto de Denise Gentil e Gilberto Maringoni expõe os argumentos utilizados na busca de desmontar o Orçamento da Seguridade Social, cobiçado pelos interesses financeiros por conter um grande volume de recursos destinado a programas e direitos sociais. Buscavam subjugar a Seguridade, seus recursos, suas ações e seus programas aos interesses do capital financeiro. O mercado de trabalho é objeto de análise dos textos de Claudio Dedecca e Marcio Pochmann. Os autores examinam as perspectivas desse mercado e os desafios para um projeto de desenvolvimento com justiça social. Os artigos mostram que as políticas do Governo de FHC partiam de pressupostos que nem sempre se confirmavam. Seguiam postulações das agências internacionais, que indicavam o fim do emprego, restando para o Brasil, uma adequação produtiva rumo ao trabalho informal e de baixo rendimento. João Sicsú analisa a evolução das políticas macroeconômicas de FHC a Lula. Localiza uma lenta, mas nítida, transição de um modelo liberal-conservador para um modelo desenvolvimentista, que coincide com uma desobstrução dos debates sobre macroeconomia. O Programa de Aceleração do Crescimento é um dos marcos dessa 13

14 mudança, pois demonstra uma clara opção governamental pelo crescimento, com geração de emprego e distribuição de renda. A segunda parte reserva espaço para as análises do modelo constitucional da Seguridade Social, mostrando e analisando seus princípios, sua forma de financiamento, suas políticas e a busca pela democratização do seu controle e da sua gestão. Lena Lavinas abre essa parte analisando os desafios da universalidade e da progressividade, instrumentos ativos do princípio da justiça social. Os dados por ela apresentados demonstram como os benefícios da Seguridade (previdenciários e assistenciais) assumiram um papel substancial na diminuição da pobreza em nosso país, ressaltando, porém, o fato de estarmos longe de incorporar à realidade o princípio constitucional da justiça social. A autora identifica como desafios a universalização da previdência e das políticas assistenciais e as transformações no nosso sistema tributário rumo à sua progressividade. Os artigos de Maria Lucia Werneck Vianna e Ivanete Boschetti discutem como as políticas liberais aplicadas posteriormente à Constituição estavam em oposição à Seguridade Social, seus princípios fundamentais e à articulação de suas políticas. Dessa forma, muitos de seus postulados não se concretizaram. Ambas concluem mostrando os desafios de uma Seguridade Social pública e universal, contestam premissas e formulações que ainda predominam em nosso país, pois, para elas, é preciso implementar políticas econômicas a serviço do crescimento e da redistribuição da riqueza. Evilásio Salvador e Enid Rocha, por sua vez, apresentam textos sobre o controle social da Seguridade e a institucionalização dos conselhos e das conferências, instrumentos importantes para a participação da sociedade civil na definição e na avaliação de políticas públicas.. Identificam muitas tarefas a cumprir para que todo o ideal de participação social contido no texto constitucional se materialize. Ressaltam a importância de dar mais eficácia às deliberações dos conselhos e conferências, dado o grau de experiência diferenciada que ainda predomina nas diferentes áreas da Seguridade. Evilásio ainda defende a recriação do Conselho Nacional de Seguridade Social, extinto no período FHC, e a incorporação de uma agenda que priorize a defesa do financiamento da Seguridade e da exclusividade do uso de seus recursos. O paradoxo entre políticas sociais exitosas e limites orçamentários que predominaram nos vinte anos de Constituição é explorado por Arthur Guimarães. Ele mostra como medidas de ajuste conseguiram romper com um modelo de vinculação de recursos. Enfatiza a importância dos movimentos sociais organizados intensificarem a luta pela garantia e ampliação dos direitos sociais. Em outro texto, a utilização do Orçamento da Seguridade no processo de ajuste fiscal, com a depreciação dos direitos e a precarização das políticas da seguridade, é discutida por Flávio Vaz. A análise aponta como a implementação de muitos dos postulados constitucionais foi dificultada por idéias e políticas neoliberais, que priorizaram o ajuste das contas públicas e o desmonte da capacidade estatal de promover o desenvolvimento e prestar serviços públicos universais. Essas idas e vindas, que resultam 14

15 de uma disputa sobre o projeto de sociedade e a apropriação do lucro, terão um novo episódio com a atual crise e as definições sobre a imputação de seu ônus e sobre os rumos para a sua superação. A terceira parte discorre sobre os desafios da previdência social, diante da grande exclusão previdenciária e da nova realidade do mundo do trabalho. Milko Matijascic analisa que, diante da atual crise e do fiasco das políticas liberalizantes, há um real espaço para discussão mais profícua sobre a previdência, que deve ocupar um lugar de destaque num projeto pelo desenvolvimento. Para tanto, propõe medidas para universalizar a cobertura, garantindo renda mesmo para aquelas famílias com inserção precária no mercado de trabalho. Essa é uma proteção social que cria condições e oportunidades para o desenvolvimento do país. Também centrado na necessidade de universalização da renda, está o texto de Guilherme Delgado. O autor lança uma proposta para romper o estágio atual de desproteção, aumentado por duas décadas de precarização do trabalho e desfiliação previdenciária. Como instrumento de planejamento de longo prazo, considera importante, dentro do objetivo da inclusão, remodelar o plano de benefícios e constituir um fundo garantidor de direitos para cobrir as demandas futuras. A previdência rural e o grande significado econômico e social da sua universalização são discutidos no texto de Jane Berwanger. As inovações de 88 são apresentadas como instrumentos de ampliação do ambiente de cidadania no campo brasileiro. A adoção do direito previdenciário, em substituição ao benefício assistencial, condiz com o reconhecimento da condição de trabalhador e levou dignidade para o campo. A autora afirma ainda que maiores são os efeitos sociais e econômicos da previdência rural na distribuição de renda e na interiorização da riqueza. O texto de Wagner Balera analisa aspectos constitucionais do financiamento da seguridade e a exclusividade das contribuições sociais. Identifica no efeito das desvinculações desses recursos e no estabelecimento de descabidas exigências para o acesso aos benefícios elementos que retardam a universalização da cobertura. Wladimir Martinez faz um apanhado crítico sobre o plano de benefícios da previdência social, identificando elementos para a sua atualização, o que considera uma necessidade permanente de um sistema dessa natureza. Retratando uma experiência recente no Fórum Nacional de Previdência Social, Clemente Lúcio apresenta o papel das entidades sindicais de aposentados e pensionistas na resistência das reformas, na defesa da previdência pública e na ampliação da sua cobertura. A integração da previdência no sistema da Seguridade e a sua associação a um projeto de desenvolvimento marcou a atuação dessas entidades. Afinal, cabe à riqueza socialmente gerada também financiar um amplo sistema de proteção social. 15

16 A quarta parte debate a saúde diante dos problemas atuais de restrição ao financiamento e os desafios da resolutividade do setor. Num artigo conjunto, Rosa Marques e Áquilas Mendes analisam como são coincidentes as lutas pela universalização da saúde e pela democracia. Avaliam tanto a necessidade de ampliação da cobertura quanto a descentralização da gestão do sistema. Abordam ainda a luta do setor pela ampliação do seu financiamento. Esse é também o enfoque de Sérgio Piola e Solon Vianna. Esses autores ressaltam como o Brasil, frente a outros países, tem ao mesmo tempo baixos níveis de gastos públicos em saúde -frente ao PIB- e pequena participação do financiamento público nos serviços de saúde. Destacam a regulamentação da Emenda Constitucional 29 como fundamental para corrigir essas distorções e garantir um financiamento estável para que o setor possa enfrentar os seus problemas. Sônia Fleury aborda a luta pela qualidade dos serviços de saúde, a sua construção histórica e os avanços da universalização, descentralização e democratização da gestão. Analisa os problemas que resultaram do desfinanciamento do setor, que não permitem resolver questões como a necessidade de equalização da rede, a precariedade das relações de trabalho dos profissionais do sistema público e a falta de qualidade das políticas e ações. Hoje o desafio de tornar o direito à saúde é uma demanda exigível, assegurado por um atendimento seguro, humanizado e de qualidade. A quinta parte examina a assistência social como geradora da cidadania e como mais um instrumento para o desenvolvimento econômico. Marcelo Neri debate a importância dos gastos sociais, pelo que resultam em melhoria nas condições de vida, e defende o monitoramento de resultados e a imposição de incentivos para a boa aplicação dos recursos na área social, especialmente nas áreas de educação, saúde e de assistência social. A atribuição de deveres sociais ao setor público é uma medida importante que complementa a descentralização de recursos da União. O texto de Luciana Jaccoud analisa como as políticas assistenciais inovaram e se consolidaram como instrumentos de proteção social e de garantia de cidadania. A autora aborda as ações de enfrentamento à pobreza e desigualdade dentro das referências de direitos à cidadania e as suas relações com as políticas de desenvolvimento e de geração de ocupação e renda em atenção aos segmentos mais vulneráveis da sociedade. 16

17 Esperamos que esse livro possa contribuir para o debate sobre os desafios e as perspectivas da luta em defesa da Seguridade Social. Neste momento, ampliam-se as discussões sobre as políticas que dominaram o cenário político e econômico nos últimos 20 anos, seus pressupostos e seus resultados. Embora a Constituição tenha sido muito alterada por toda essa hegemonia liberal, a resistência de amplos setores fez com que remanescesse a maior parte de importantes dispositivos. Direitos individuais, coletivos, sociais, políticos e, como objetivos fundamentais do nosso país, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, com a erradicação da pobreza e a garantia de um desenvolvimento nacional que estabeleça para a ordem econômica a prioridade do pleno emprego e a redução das desigualdades regionais e sociais, garantindo, assim, a construção de um novo projeto de Nação. Flávio Tonelli Vaz Juliano Sander Musse Rodolfo Fonseca dos Santos Coordenadores 17

18 18

19 A vida sem luta é um mar morto no centro do organismo universal Machado de Assis 19

20 20 20 Anos da Constituição Cidadã : avaliação e desafio da Seguridade Social

21 Parte1. A ordem econômica e os direitos sociais: relação intrínseca 21

22 22 20 Anos da Constituição Cidadã : avaliação e desafio da Seguridade Social

23 Direitos sociais no fio da navalha Eduardo Fagnani 1 Apresentação Os 20 anos da Constituição devem ser celebrados, em primeiro lugar, porque significaram um marco no processo civilizatório brasileiro. Pela primeira vez conquistamos a cidadania plena (civil, política e social), segundo a concepção clássica de Marshall (1967). Além da restauração do Estado Democrático de Direito, o legado dos movimentos sociais foi a construção de um razoável sistema de proteção social conquistado na contramão do pensamento neoliberal hegemônico em escala mundial e do movimento em direção ao Estado mínimo a que foram submetidos os países subdesenvolvidos, incluindo os da América Latina. Em grande medida, isso decorreu do fato de que a agenda da redemocratização do País, impulsionada pelo movimento social, não abriu brechas para os experimentos neoliberais pelo menos até o final dos anos 80. O cenário hostil, a partir de 1990 e até os dias atuais, não impediu que parcela significativa das conquistas de 1988 fosse consagrada. Em segundo lugar, e mais importante, porque essa celebração é uma oportunidade de conscientizar os segmentos que lutam pela justiça social sobre a urgência de se construir uma trincheira pela defesa dos direitos que ainda restaram da Carta de As classes dominantes jamais aceitaram tais avanços que, em última instância, apenas asseguraram as bases para a construção de uma sociedade democrática e justa. Na Assembléia Nacional Constituinte (ANC) usaram todos os meios disponíveis para impedir esses avanços. Desde então investem e lograram êxitos para retroceder a cidadania social recém conquistada. Nos últimos 20 anos, no tocante aos direitos sociais, a Constituição Cidadã viveu um calvário e sobreviveu mutilada e transfigurada. Este texto tem por objetivo trazer uma síntese dessa procissão de mutilações, apresentada nos seguintes tópicos 2 : Oposição na Assembléia Nacional Constituinte As Primeiras Transgressões (1989) A Primeira Etapa da Contra-Reforma (1990/92) 1. Professor do Instituto de Economia da Unicamp 2. Baseado em Fagnani (2005). 23

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07

DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07 DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07 Durante audiência pública realizada na Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (27), associações e sindicatos

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

Defesa da Previdência Social Pública: Uma responsabilidade dos AFRFB EIXO: 3

Defesa da Previdência Social Pública: Uma responsabilidade dos AFRFB EIXO: 3 Tese 04 TÍTULO: Defesa da Previdência Social Pública: Uma responsabilidade dos AFRFB EIXO: 3 AUTORES: JOSÉ DEVANIR DE OLIVEIRA - SINFISPAR JOAO CUNHA DA SILVA - SINDIFISP-SC SÍNTESE: o objetivo é ressaltar

Leia mais

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Uma das mais importantes conquistas sociais alcançadas com a Constituição Federal de 1988 foi a institucionalização da Seguridade Social, organizada

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES www.pepevargas.com.br dep.pepevargas@camara.gov.br AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE O QUE É A EMENDA 29? Foi promulgada no ano de 2000 e considerada uma grande conquista social vez que vinculou recursos públicos para o financiamento da Saúde dos

Leia mais

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário Confederação Confederação Confederação Confederação Confederação da Agricultura e Nacional do Nacional da Nacional das Nacional do Pecuária do Brasil Comércio Indústria Instituições Transporte Financeiras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Orçamento e Direitos Humanos

Orçamento e Direitos Humanos Seminário FBO: Democracia, Orçamento e Direitos Orçamento e Direitos Humanos. Alexandre Ciconello assessor político INESC Brasília,, 11 de junho de 2013 Fundado d de 1979 INESC Trajetória A missão do INESC

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 155, de 2015 (nº 62, de 2015, na origem), de autoria da Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

MDS: principais resultados e perspectivas

MDS: principais resultados e perspectivas MDS: principais resultados e perspectivas Patrus Ananias de Sousa Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Brasília-DF, 22 de abril de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral.

APRESENTAÇÃO. 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Escola Judiciária Eleitoral. APRESENTAÇÃO 1. Identificação do Órgão/Unidade Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. 2. E-mail para contato eje@tre-rj.gov.br. 3. Nome do Projeto. 4. Tema escolhido Gestão Sócio Ambiental. 5.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS

A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS 1 A Seguridade Social em Risco: Desafios à Consolidação dos Direitos e à Implantação do SUAS Conferência realizada no 34 0 Encontro Nacional do Conjunto CFESS/CRESS Manaus, 4 a 7 de setembro de 2005 2

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA Pepe Vargas* Dep. Federal PT-RS Este texto reforça o alerta dos movimentos sociais sobre os riscos que a seguridade social corre caso aprovada sem modificações

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros

Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade. Marco Antônio Barros Macro, Micro Economia e Previdência Previdência: o desafio da longevidade Marco Antônio Barros Previdência Social - histórico Fim do imposto inflacionário Envelhecimento da população: aumento da longevidade

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

, 13 de agosto de 2015.

, 13 de agosto de 2015. Painel: Desafios do lado da despesa e possíveis alternativas O financiamento da política pública de saúde Sérgio Francisco Piola 9º Congresso de Gestão Pública do Rio Grande do Norte Natal, 13 de agosto

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Situação previdenciária do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista e contador Março/2011 Despesa previdenciária dos principais estados Em % da RCL, 2009 Evolução do déficit previdenciário,

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado.

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado. AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA MAGDA LUCIANA BERTUCI ALVES 1 LIDIANE ANTONIA FERREIRA 2 RESUMO: Este artigo resulta de uma série de reflexões sobre a importância

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

um novo foco para as mudanças

um novo foco para as mudanças reforma da previdência um novo foco para as mudanças Durante o Fórum Técnico Reforma da Previdência, a professora Eli Iola, em sua exposição, retoma a história da implantação do sistema previdenciário

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2006 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2006 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA Mensagem Presidencial Projeto de Lei Orçamentária - 2006 Secretaria de Orçamento Federal Ministério do Planejamento REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Prezados Acadêmicos Iremos abordar os aspectos mais relevantes

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 O RPPS: Uma Perspectiva Internacional Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 Fonte: Banco Mundial O Brasil é um país jovem... (ainda) com o gasto previdenciário

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA POR QUE EXISTE TRIBUTO? QUEM TEM O PODER DE COBRAR TRIBUTO? COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS ARRECADADOS? O QUE A POPULAÇÃO PODE FAZER PARA CONTROLAR A APLICAÇÃO DOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 69 Discurso na cerimônia de assinatura

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

(Projeto de Lei nº 763, de 2011, Projeto de Lei nº 925, de 2011, e Projeto de Lei nº 3.795, de 2012, apensos)

(Projeto de Lei nº 763, de 2011, Projeto de Lei nº 925, de 2011, e Projeto de Lei nº 3.795, de 2012, apensos) COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI N o 7.755, DE 2010 (Projeto de Lei nº 763, de 2011, Projeto de Lei nº 925, de 2011, e Projeto de Lei nº 3.795, de 2012, apensos) Dispõe sobre a profissão de artesão e

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais