AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA DA VITALIDADE FETAL. Conrado Milani Coutinho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA DA VITALIDADE FETAL. Conrado Milani Coutinho"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA DA VITALIDADE FETAL Conrado Milani Coutinho

2 Avaliação da vitalidade fetal O objetivo-chave do teste pré-parto deve ser permitir ao médico manter as mãos afastadas do feto saudável em vez de retirá-lo baseado em empirismos, como os fatores de risco. Garite TJ & Freeman RK, 1979

3 Indicações para avaliação da vitalidade fetal anteparto Hipertensão Diabetes Doenças do colágeno Aloimunização Rh ou outras Tireoidopatias Oligoâmnio RCIU Pós-datismo Doença renal crônica Anemia materna ou fetal Cardiopatia materna cianosante Hemoglobinopatias Antecedente de óbito fetal movimentação fetal Tabagismo (> 10 cigarros / dia) Gestação de Alto Risco Huddleston. Clinical Obstetrics and Gynecology, 2002

4 História natural da insuficiência placentária Bem-estar fetal Comprometimento da nutrição RCIU Função respiratória (placenta) Hipoxia fetal Prejuízo da função respiratória Comprometimento respiratório severo Acidose Óbito

5 Prematuridade X Hipoxia

6 Avaliação da vitalidade fetal anteparto Anamnese Exame físico Percepção dos MF Evidência I-B I-A Medida da altura uterina Ausculta da FCF Mangesi L, Hofmeyr GJ. Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 2, 2011

7 Avaliação da vitalidade fetal anteparto Métodos biofísicos Métodos laboratoriais Amnioscopia Cardiotocografia Ultrassonografia ph fetal Evidência III-B Avaliação do L.A. Perfil Biofísico Fetal Dopplervelocimetria

8 Avaliação do Líquido Amniótico Insuficiência Placentária Oligoidramnia RCIU Redução da diurese fetal Compressão do cordão umbilical Sofrimento fetal Schrimmer and Moore. Clinical Obstetrics and Gynecology, 2002

9 Avaliação do Líquido Amniótico A ultrassonografia padrão de 2º e 3º trimestres deve conter uma estimativa qualitativa ou semiquantitativa do volume do líquido amniótico Metodologia: Avaliação subjetiva Medida única do bolsão mais profundo Índice de Líquido Amniótico (ILA) Evidência B ACOG Practice Bulletin #101. Ultrasonography in pregnancy. Obstet Gynecol, 2009

10 Medida única do bolsão mais profundo Medida do maior bolsão vertical com, pelo menos, 1 cm de largura Volume de L.A. Bolsão mais profundo (cm) Oligoâmnio < 2 Normal 2 a 8 Polidrâmnio > 8 Chamberlain MB et al. Am J Obstet Gynecol, 1984

11 Magann EF et al. Am J Obstet Gynecol, 2000

12 Índice de Líquido Amniótico (ILA) Soma das dimensões do maior bolsão vertical de cada quadrante que não contenha cordão ou partes fetais, com o transdutor perpendicular ao solo A B Phelan JP et al. J Reprod Med, 1987 Abaixo de 20 sem: apenas 2 bolsões inferiores Magann EF et al. Am J Obstet Gynecol, 2000 D C

13

14 Índice de Líquido Amniótico (ILA) Volume de L.A. a termo ILA (cm) Reduzido (severo): oligoâmnio 5 Reduzido (moderado) 5,1 a 8,0 Normal 8,1 a 18,0 Elevado (moderado) 18,1 a 24,0 Elevado (severo) > 24 Adaptado de Phelan JP et al. J Reprod Med. 1987

15 Magann EF et al. Am J Obstet Gynecol, 2000

16 ILA X Maior bolsão vertical Amostra: 5 RCT pacientes Resultados: Admissões em UTI ph fetal < 7,1 Mecônio APGAR < 7 no 5º minuto Evidência I-A oligoâmnio (RR 2,39. IC95% 1,73-3,28) induções T. parto (RR 1,92. IC95% 1,50-2,46) cesáreas por SFA (RR 1,46. IC95% 1,08-1,96) Nabhan Ashraf F, Abdelmoula Yaser A. Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 2, 2011

17 Perfil Biofísico Fetal O teste assume que o rendimento biofísico do sistema orgânico reflete a sua integridade funcional e que a ausência de rendimento deste sistema deve ser considerada como evidência de disfunção do mesmo até que se prove o contrário

18 Variáveis Biofísicas do PBF Reatividade cardíaca fetal Movimentos respiratórios fetais Movimentos somáticos fetais Tônus fetal Líquido amniótico ± 28 a ± 20 a ± 7/ 8 a ± 7/ 8 a E M B R I O G Ê N E S E H I P O X I A

19 PBF: Avaliação Variável Normal Pontos Reatividade cardíaca Movimentos respiratórios Movimentos somáticos Tônus 2 AT associadas a MF 2 1 salva (> 30 seg) / 30 min 3 mov. tronco / membros 2 Episódio rápido de flexão / extensão; abertura / fechamento 2 2 Líquido amniótico Bolsão vertical de 2 cm 2

20 Nome Resultados / Score Falso negativo Cardiotocografia (CTG) Perfil Biofísico Fetal Perfil Biofísico Fetal Modificado Reativa: 2 acelerações em 20 minutos (pode estender até 40 minutos) Não reativa: <2 acelerações em 40 minutos Para cada componente presente é atribuído 2 pontos; score máximo é 10/10 Normal: 8/10 ou 8/8 excluindo CTG Duvidoso: 6/10 Anormal: 4/10 Normal: CTG reativa e ILA >5 cm Anormal: CTG não reativa e/ou ILA 5 cm 0,2-0,65% 0,07-0,08% 0,08% Falso positivo 55-90% 40-50% 60% Adaptado de Signore C, Spong C, Freeman RK. UpToDate, 2011

21 PBF: Recomendações Em gestações de alto risco e onde houver disponibilidade e expertise, o PBF é recomendado para a avaliação da vitalidade fetal Quando o resultado é anormal, o médico assistente deve ser informado imediatamente. A conduta subsequente será determinada pela situação clínica geral Evidência I-A Evidência III-B Fetal health Surveillance. Antepartum and Intrapartum Consensus Guideline. SOGC Clinical Practice Guideline, 2007

22 PBF 8/8

23 Doppler em Obstetrícia V = F r (C) (cos θ) 2F 0 Transdutor C = 1540 m/s Cores da Luz Emitida pelas Estrelas Duplas Über das farbige Licht der Doppelsterne, 1842 Johann Christian Andreas Doppler

24 Doppler em Obstetrícia S D S D Índice de resistência IR = S D D Índice de pulsatilidade IP = S D VM Índice de pulsatilidade para veias IPV = S a VM Adaptado de S S D Incisura

25 Doppler arterial materno Artérias uterinas

26 Artérias uterinas Método de rastreamento em gestações de alto risco Hipertensão RCIU 4-8 X Valor preditivo negativo 80 a 99%

27 Artérias uterinas Alteração IR > 0,57 IP > P95 Incisura protodiastólica bilateral

28 Artérias uterinas Recomendações Em gestações de alto risco e onde houver disponibilidade e expertise, o doppler das artérias uterinas é recomendado na USG de 17 a 22 semanas Quando o resultado é anormal, repete-se entre 24 e 26 semanas. Encaminhar para especialista capacitado se o resultado for confirmado Evidência II-A Evidência III-C Fetal health Surveillance. Antepartum and Intrapartum Consensus Guideline. SOGC Clinical Practice Guideline, 2007

29 Doppler arterial fetal Artéria Umbilical

30 Artéria Umbilical Informações sobre a perfusão da unidade feto-placentária Anormalidades surgem após comprometimento de 60 a 70% do território vascular placentário Thompson RS & Trudinger BJ. Ultrasound Med Biol, 1990

31 Artéria umbilical: IP e IR IP IR James et al., High Risk Pregnancy: Management Options, 2006

32 Artéria umbilical Índices possuem VP semelhantes Critérios de normalidade: IR ou IP < P95 Ausência de fluxo diastólico zero ou reverso Risco de morte fetal

33 Artéria Umbilical Incidência de sequelas neurológicas: com estudo doppler anormal Fluxo ausente ou reverso: 35% Redução de fluxo: 12% Fluxo normal: 0 % Valcamonico et al., 1994 RCIU e alterações no doppler da artéria umbilical: desenvolvimento intelectual função neuromotora Wienerroither et al., 2001

34 Artéria umbilical em gestações de alto risco Revisão sistemática de literatura Amostra 18 RCT: pacientes Resultados: Mortes perinatais (RR 0,71. IC95 0,52-0,98) induções T. parto (RR 0,89. IC95 0,80-0,99) cesáreas (RR 0,90. IC95 0,84-0,97) Evidência I-A Partos instrumentados (RR 0,95. IC95 0,80-1,14) Apgar < 7 no 5º minuto (RR 0,92. IC95 0,69-1,24) Alfirevic Z et al. Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 2, 2011

35 Artéria umbilical Recomendações Não deve ser usada para rastreamento em gestações de risco habitual Deve estar disponível para auxílio diagnóstico e no seguimento de gestantes com suspeita de insuficiência placentária/rciu Evidência I-A Anormalidade configura indicação de resolução da gestação ou propedêutica avançada de vitalidade fetal Evidência II-1B Fetal health Surveillance. Antepartum and Intrapartum Consensus Guideline. SOGC Clinical Practice Guideline, 2007

36 Artéria cerebral média

37 Centralização Hemodinâmica Fetal Sinal precoce de hipoxia SNC Coração Adrenais Pulmões Intestinos mm, ossos A capacidade de selecionar órgãos alvos reflete a integridade funcional do sistema fetal

38 Artéria cerebral média Centralização fetal Redução da impedância velocidade diastólica Valores anormais IR < 0,70 IP < P5

39 Artéria cerebral média IR IP Tarzamni MK et al. Arch Iranian Med, 2009

40 Artéria cerebral média Anemia fetal Método: Velocidade do pico sistólico da artéria cerebral média (VPS ACM) prévio a cordocenteses diagnósticas e terapêuticas

41 Artéria cerebral média Anemia fetal Estudo: 41 fetos não anêmicos 35 com anemia leve 4 com anemia moderada 31 com anemia severa (12 hidrópicos) Sensibilidade para anemia moderada e severa: 100% Taxa de falsos positivos: 12% Evita 70% dos procedimentos invasivos Mari et al., The New England Journal of Medicine, 2000

42 Artéria cerebral média Anemia fetal Mari et al., The New England Journal of Medicine, 2000

43 Ducto venoso Ducto arterioso Fígado Forame oval Ducto venoso Placenta

44 Ducto venoso

45 Ducto venoso Complementa avaliação de vitalidade e decisão sobre interrupção de gestações prétermo S D a Avaliação normal: IPV < 1,0

46 Ducto venoso IPV 1,0, onda a zero ou reversa: Preditor de hipoxia e associação com acidose fetal

47 Veia umbilical

48 Racionalização da propedêutica Artéria umbilical anormal Doppler Centralização Descentralização Veias precordiais anormais Pulsação VU Redistribuição do débito cardíaco Coração PBF Redução da função cardíaca Insuficiência AV Aumento da circulação coronariana Redução do líquido amniótico Redução da atividade fetal Perda da variabilidade Desacelerações tardias Óbito fetal po2 ph ph Falência de múltiplos órgãos James et al., High Risk Pregnancy: Management Options, 2006

49 Racionalização da propedêutica CTG não reativa AUmb com diástole zero ou reversa ACM anormal % com o achado Ducto venoso anormal Movimentos respiratórios ausentes Oligohidrâmnio -7 dias -4 dias -1 dia Parto Dias antes do parto Movimentos somáticos ausentes Tônus reduzido Signore C et al., Obstet Gynecol, 2009

50 Vitalidade: Relação Custo X Benefício Método Sensibilidade Especificidade Custo Invasão Profissionais capacitados Movimentação Fetal Sem custo Não Geral Amnioscopia / Amniocentese Baixo Não / Sim Geral Cardiotocografia Baixo Não Muito difundido PBF / ILA Médio Não Ultrassonografista (USG) Doppler ACM e Art. Umbilical Médio (USG-doppler) Não Ultrassonografista (experiência) ph fetal Alto Sim Pouco (USG e lab) cordocentese

51 OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

52

Os principais testes biofísicos para a avaliação da vitabilidade fetal são:

Os principais testes biofísicos para a avaliação da vitabilidade fetal são: USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 6. AVALIAÇÃO DA VITABILIDADE FETAL O estudo pormenorizado da vitabilidade fetal se faz necessário principalmente em gestações de alto-risco, onde suspeitamos de algum grau

Leia mais

Patologias do Líquido Amniótico

Patologias do Líquido Amniótico Patologias do Líquido Amniótico Dr. Dr. Frederico Vitório Lopes Barroso Setor de de Medicina Fetal Fetal do do Serviço de de Obstetrícia e Ginecologia do do HUUFMA Fisiologia do do Líquido Amniótico Função:

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1 MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND CARDIOTOCOGRAFIA MEAC-UFC 1 CARDIOTOCOGRAFIA Gilberto Gomes Ribeiro Paulo César Praciano de Sousa 1. DEFINIÇÃO: Registro contínuo e simultâneo da Freqüência Cardíaca

Leia mais

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. )

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Simpósio Diagnóstico de Risco no Pré-natal e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Rosilene da Silveira Betat Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Medicina Fetal Gestaçã

Leia mais

Avaliação da Vitalidade Fetal: Frederico Vitório Lopes Barroso

Avaliação da Vitalidade Fetal: Frederico Vitório Lopes Barroso Avaliação da Vitalidade Fetal: Frederico Vitório Lopes Barroso Vitalidade Fetal Queda significativa mortalidade neonatal Cuidados neonatais (UTI) Melhor saúde materna Qualidade assistência obstétrica Não

Leia mais

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO Por definição, feto com crescimento intra-uterino restrito (CIUR) é aquele que ao nascimento apresenta peso inferior ao 10º percentil

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Marcadores ultrassonográficos e bioquímicos de aneuploidia no primeiro trimestre gestacional. DGO HCFMRP USP 23 a 26 de março de 2011

Marcadores ultrassonográficos e bioquímicos de aneuploidia no primeiro trimestre gestacional. DGO HCFMRP USP 23 a 26 de março de 2011 Marcadores ultrassonográficos e bioquímicos de aneuploidia no primeiro trimestre gestacional Ricardo C Cavalli DGO HCFMRP USP 23 a 26 de março de 2011 Objetivos Topografia da gestação Vitalidade fetal

Leia mais

CONCLUSÕES DOS REVISORES

CONCLUSÕES DOS REVISORES CARDIOTOCOGRAFIA: o seu valor na obstetrícia atual. CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo CARDIOTOCOGRAFIA Análise da frequência cardíaca fetal

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo 4 x maior Razão incidência: 1 em 1000 gestações EP fatal: 1,1 morte/100000

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL

AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL FACIMED CAC0AL FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS - RONDÔNIA DISCIPLINA SAÚDE DA MULHER 7º SEMESTRE AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL CARDITOCOGRAFIA - CTG Objetivos Conhecer as

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

Resumo O líquido amniótico (LA) é um importante componente do ambiente

Resumo O líquido amniótico (LA) é um importante componente do ambiente revisão Aspectos atuais da oligodramnia avaliada pela ecografia e pelos resultados perinatais Current aspects of oligohydramnios assessed by ultrasound and perinatal outcomes Francisco Maximiliano Pancich

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Centralização da Circulação Fetal e Resolução Obstétrica

Centralização da Circulação Fetal e Resolução Obstétrica Centralização da Circulação Fetal e Resolução Obstétrica Prof Frederico Vitório Lopes Barroso Setor de Medicina Fetal do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HUUFMA Útero-placentária Circulação - Art.

Leia mais

Resumo O nascimento de um feto saudável sempre constituiu um dos principais

Resumo O nascimento de um feto saudável sempre constituiu um dos principais revisão Avaliação biofísica complementar da vitalidade fetal Additional biophysical evaluation of fetal surveillance Adriana Suely de Oliveira Melo 1 Alex Sandro Rolland Souza 2 Melania Maria Ramos Amorim

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ARTIGO MARCELO TELES R3

APRESENTAÇÃO DE ARTIGO MARCELO TELES R3 APRESENTAÇÃO DE ARTIGO MARCELO TELES R3 US Doppler Hepático de Forma Simples RadioGraphics 2011; 31:161 Dean Alexander McNaughton; Monzer M. Abu-Yousef Objetivos Discutir os conceitos básicos e terminologia

Leia mais

MOMENTO IDEAL DO PARTO EM FETOS COM DESVIO DO CRESCIMENTO. Dra. Alexsandra Ramalho da Costa Arume

MOMENTO IDEAL DO PARTO EM FETOS COM DESVIO DO CRESCIMENTO. Dra. Alexsandra Ramalho da Costa Arume MOMENTO IDEAL DO PARTO EM FETOS COM DESVIO DO CRESCIMENTO Dra. Alexsandra Ramalho da Costa Arume FETOS COM DESVIO DO CRESCIMENTO: - Pequeno para idade gestacional: Pequeno constitucional Crescimento intrauterino

Leia mais

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia Yara Furtado Atipias de Células Glandulares Bethesda 1991 Bethesda 2001 Células Glandulares *Células endometriais, benignas, em mulheres na pós-menopausa

Leia mais

DISTÚRBIOS DE CRESCIMENTO: RISCO DE RESTRIÇÃO AO CRESCIMENTO INTRA-UTERINO

DISTÚRBIOS DE CRESCIMENTO: RISCO DE RESTRIÇÃO AO CRESCIMENTO INTRA-UTERINO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR DISTÚRBIOS DE CRESCIMENTO: RISCO DE RESTRIÇÃO AO CRESCIMENTO INTRA-UTERINO Painel de Especialistas em Imagem Ginecológica: Harris Finberg,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA

PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA PROVA ESPECÍFICA / MÉDICO OBSTETRA QUESTÃO 16 Em relação à cesariana, é CORRETO afirmar que A) não existem atualmente indicações para a cesariana clássica. B) a histerotomia segmentar é a mais utilizada

Leia mais

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA DIABETES MELLITUS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É definido como a intolerância a carboidratos, de gravidade variável, com início ou primeiro

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA ARRITMIAS FETAIS INTRODUÇÃO O coração humano pode desenvolver arritmias ou distúrbios de condução em resposta à isquemia, distúrbios hidroeletrolíticos, alterações de pós e pré-carga, defeitos estruturais,

Leia mais

CIUR MÁRIO DIAS CORRÊA JÚNIOR. Faculdade de Medicina da UFMG

CIUR MÁRIO DIAS CORRÊA JÚNIOR. Faculdade de Medicina da UFMG CIUR MÁRIO DIAS CORRÊA JÚNIOR Faculdade de Medicina da UFMG Definição Feto que por motivos patológicos apresenta crescimento inferior ao normal (dentro do previsto pelo seu potencial genético), com repercussões

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 Classificação do Recém-Nascido n n n Pré-Termo São todas as crianças nascidas vivas, antes da 38ª semana, ou seja

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 04/09/2011) Cargo: Médico/Área: Ginecologia e Obstetrícia - E-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DO ESTUDO MORFOLÓGICO FETAL BÁSICO

SISTEMATIZAÇÃO DO ESTUDO MORFOLÓGICO FETAL BÁSICO SISTEMATIZAÇÃO DO ESTUDO MORFOLÓGICO FETAL BÁSICO Dr. Jorge Telles Apresentação Dr. Jorge Alberto Bianchi Telles Gineco/Obstetra com Área de Atuação em Medicina Fetal e US em G&O Mestre em Ciências da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL DA PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL 2014 1 PROJETO PEDAGÓGICO CALENDÁRIO ESCOLAR CALENDÁRIO PÓS-GRADUAÇÃO MEDICINA FETAL PERINATAL/ESTÁCIO - 2014 AULAS TEÓRICAS AOS SÁBADOS E DOMINGOS DAS 08:00

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda Data: 08/03/2013 NTRR 12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito: MARCO ANTONIO MACEDO FERREIRA Número do processo: 0334.14.000024-4 Impetrato: Estado de Minas Gerais

Leia mais

CURVA ROC Como fazer e interpretar no SPSS Paulo R. Margotto

CURVA ROC Como fazer e interpretar no SPSS Paulo R. Margotto CURVA ROC Como fazer e interpretar no SPSS Paulo R. Margotto Professor do Curso de Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF www.paulomargotto.com.bt pmargotto@gmail.com Muitos exames

Leia mais

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias

GESTAÇÃO PROLONGADA. IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) **USG + ILA *** IG > 42 SEM. IG 40 a 41 sem e 6 dias GESTAÇÃO PROLONGADA IDADE GESTACIONAL (IG) CONFIRMADA (Avaliação clínica e Ultrassonográfica) SIM NÃO IG > 42 SEM IG 40 a 41 sem e 6 dias **USG + ILA *** Parto Avaliar Vitalidade Fetal **USG + ILA ***

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Importância do Laboratório Clínico na Análise do Risco Fetal

Importância do Laboratório Clínico na Análise do Risco Fetal Importância do Laboratório Clínico na Análise do Risco Fetal Por que monitorar? Especificações r Background Mercado Protection notice / 2010 Siemens Healthcare Diagnostics Inc. Nov - 2010 Page 2 Elaborado

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais