ALIANÇAS ESTRATÉGICAS PARA O BRASIL: CHINA E ÍNDIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALIANÇAS ESTRATÉGICAS PARA O BRASIL: CHINA E ÍNDIA"

Transcrição

1 SEMINÁRIO ALIANÇAS ESTRATÉGICAS PARA O BRASIL: CHINA E ÍNDIA aliança estrategica.indd 1 13/12/ :45:32

2 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente da República José Alencar Gomes da Silva Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional Jorge Armando Felix Secretário de Acompanhamento e Estudos Institucionais José Alberto Cunha Couto aliança estrategica.indd 2 13/12/ :45:32

3 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA DE ACOMPANHAMENTO E ESTUDOS INSTITUCIONAIS SEMINÁRIO ALIANÇAS ESTRATÉGICAS PARA O BRASIL: CHINA E ÍNDIA Brasília 2006 aliança estrategica.indd 3 13/12/ :45:45

4 Edição: Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais Endereço para correspondência: Praça dos Três Poderes Palácio do Planalto, 4 andar, sala 130 Brasília - DF CEP Telefone: (61) Fax: (61) Criação e editoração eletrônica: CT Comunicação Ltda Impressão: Gráfica da Agência Brasileira de Inteligência A presente publicação expressa a opinião dos autores dos textos e não reflete, necessariamente, a posição do Gabinete de Segurança Institucional. Catalogação feita pela Biblioteca da Presidência da República S471 Seminário: Alianças Estratégicas para o Brasil: China e Índia (Brasília : 2005). Seminário: Alianças Estratégicas para o Brasil: China e Índia. Brasília: Presidência da República; Gabinete de Segurança Institucional; Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais, p. 1. Aliança internacional Brasil China. 2. Aliança internacional Brasil Índia. 3. Relações econômicas internacionais Brasil China. 4. Relações econômicas internacionais Brasil Índia. I. Título II. Presidência da República. CDD aliança estrategica.indd 4 13/12/ :45:45

5 I Apresentação...9 I I O Brasil e a Ásia: perspectivas para o século XXI Embaixador Edmundo Fujita Ministério das Relações Exteriores I I I Índia: padrão de desenvolvimento, inserção internacional, convergências possíveis Professor Sebastião Velasco e Cruz Universidade Estadual de Campinas IV Relações entre Brasil e Índia como um fator decisivo para as relações internacionais do Brasil Professor Cláudio Lopes Preza Júnior Universidade Federal d o Rio Grande do Sul V Participação do debatedor Professor Antonio Jorge Ramalho da Rocha Universidade de Brasília...,...45 VI Uma visão brasileira da China Professor Severino Bezerra Cabral Filho Escola Superior de Guerra VII China: relações com o Brasil Professor Wladimir Ventura Torres Pomar Universidade Cândido Mendes...67 VIII As relações Brasil-China na estratégia de inserção internacional da China Professor Henrique Altemani de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo IX O intercâmbio comercial Brasil-China Sumário Jornalista Carlos Tavares de Oliveira Confederação Nacional do Comércio aliança estrategica.indd 5 13/12/ :45:45

6 aliança estrategica.indd 6 13/12/ :46:00

7 APRESENTAÇÃO aliança estrategica.indd 7 13/12/ :46:02

8 aliança estrategica.indd 8 13/12/ :46:02

9 O Seminário Alianças Estratégicas para o Brasil: China e Índia, promovido pela Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais (Saei) do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR), ocorreu no dia 22 de junho de 2005, no Auditório do Anexo I do Palácio do Planalto, e teve como objetivo principal discutir parcerias estratégicas relevantes para o Brasil em relação à China e à Índia. O Encontro foi dividido em dois blocos: no primeiro, foram abordadas questões sobre as relações entre Brasil e Índia, e, no segundo, foram feitas exposições sobre as relações entre Brasil e China. Após as palestras do primeiro bloco, houve a participação do Professor Antonio Jorge Ramalho da Rocha, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, na qualidade de debatedor. O evento contou com a participação de representantes da Presidência da República, do Congresso Nacional, Ministérios, Forças Armadas, Universidades, Confederações de Indústrias, Empresas de Consultorias, Institutos, Embaixadas, além de outros interessados no tema. Os palestrantes foram: Embaixador Edmundo Fujita, Diretor do Departamento de Ásia e Oceania do Ministério das Relações Exteriores; Professor Sebastião Velasco e Cruz, da Universidade Estadual de Campinas; Professor Cláudio Lopes Preza Júnior, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Professor Severino Bezerra Cabral Filho, da Escola Superior de Guerra; Professor Wladimir Ventura Torres Pomar, do Centro de Estudos Afro-Asiáticos da Universidade Cândido Mendes; Professor Henrique Altemani de Oliveira, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; e o Jornalista Carlos Tavares de Oliveira, da Confederação Nacional do Comércio. O General Jorge Armando Felix, Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, proferiu as palavras de abertura do 9 aliança estrategica.indd 9 13/12/ :46:02

10 Seminário. Segundo ele, há consenso no Governo a respeito da importância de se discutir parcerias estratégicas e o tema não suscita discórdias em qualquer ambiente que se proponha a estudar assuntos relevantes para o Brasil. O Continente Asiático tem se projetado para o mundo com realce e importância. A distância geográfica nada representa na inserção que os países dessa região têm buscado no mundo ocidental. A China, país de tradições e cultura milenares, desenvolve atividades comerciais, artesanato e fabricação de seda desde os anos 700 a.c; um século antes da era cristã, já desenvolvia o comércio transcontinental através da Rota da Seda, que ligava a China ao Mar Negro; anos antes da descoberta do Brasil, o país já utilizava escrita por ideogramas. A história da Índia remonta aos povos neolíticos nos vales dos rios Indo e Ganges, três mil anos antes de Cristo. A cultura e a religião védica dos arianos são introduzidas a partir de a.c. e a organização social passa a obedecer a um regime de castas, vigente até os dias atuais. No Seminário, foram discutidas questões atuais das novas China e Índia, que conhecemos a partir dos anos 80, bem como questões sobre a possível interação do Brasil com estes atores de destaque no âmbito internacional. 10 aliança estrategica.indd 10 13/12/ :46:03

11 O Brasil e a Ásia: perspectivas para o século XXI Embaixador Edmundo Fujita Ministério das Relações Exteriores aliança estrategica.indd 11 13/12/ :46:05

12 aliança estrategica.indd 12 13/12/ :46:05

13 Atualmente, a Ásia é uma das regiões mais dinâmicas do mundo, está crescendo cada vez mais, em ritmo acelerado, e está se tornando, praticamente, a nova locomotiva mundial. Tendo em vista este contexto, é importante que o Brasil tenha, cada vez mais, parcerias estratégicas com os países asiáticos, como, por exemplo, China e Índia (que são, inegavelmente, as duas grandes forças emergentes no cenário internacional), além da Coréia do Sul e de outros países do Sudeste asiático que formam a Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean). A Ásia é uma região extremamente complexa, variada, com povos, culturas, religiões e etnias distintas e com histórias milenares. Entretanto, possui uma vocação de modernidade, e até de pósmodernidade, extremamente aguçada. Cabe mencionar que o Japão é, atualmente, a segunda maior potência econômica do mundo e que se encontra em fase de maturidade. Atualmente, o continente asiático concentra um terço do PIB (Produto Interno Bruto) mundial e, de 50% a 60% da população do planeta, ou seja, sua massa demográfica representa mais da metade da população mundial. O ritmo de crescimento da região é bem acima do ritmo registrado em outras áreas (cerca de 5,6%). A China está crescendo a um ritmo de 10%, enquanto a Índia e a Coréia a 7%. Alguns estudos afirmam que, por volta de 2050, pelo menos três países asiáticos estarão entre as grandes potências mundiais: China, Índia e Indonésia. Considerando o ritmo de desenvolvimento da região, é extremamente importante que o Brasil desenvolva alianças sólidas com esse continente e, em particular, com os países-eixo da região. O palestrante apresentou uma rápida descrição do atual panorama político-estratégico da Ásia. Além de abordar a situação da 13 aliança estrategica.indd 13 13/12/ :46:05

14 China e da Índia, destacou o Japão, outro importante ator estratégico, apoiado pelos Estados Unidos. Este último país sempre foi uma potência com grandes interesses na Ásia, especialmente na Orla do Pacífico (Ásia do Leste), onde teve uma presença estratégica importante, desde a época da antiga União Soviética. Sendo assim, o que se vê, hoje, é uma importante interação entre estes quatro atores (Estados Unidos, Japão, Índia e China). Com a crise provocada pelo 11 de setembro, entrou em cena, também, um fator estratégico adicional, que é a questão do terrorismo. O Paquistão, que antes ocupava uma posição marginal nesse cenário, passou a ter um papel importante, visto que este país foi a grande base de sustentação das forças dos Estados Unidos, bem como das forças aliadas, para o combate ao Talibã, no Afeganistão. Este fato fez com que, na equação daquela região, China e Índia também passassem a desempenhar papéis diferenciados. A Índia que, antes da crise do terrorismo (e mesmo antes dos testes nucleares de 1997), ocupava uma posição considerada antagônica à política externa americana, passou a ser considerada importante peça estratégica para a presença norte-americana na região. Atualmente, a Índia é considerada uma das grandes parceiras estratégicas dos Estados Unidos, inclusive com uma possível contraposição ao crescente poderio chinês na área. É sabido que a China, a Índia e o Paquistão sempre tiveram um relacionamento triangular complexo. Em se tratando da Índia, antigamente, este país era visto como sendo próximo à antiga União Soviética, fato este que levou os Estados Unidos a manterem certa distância. Atualmente, com a mudança da equação na região e com o retraimento da Rússia nesta área, a Índia passou a ter presença própria maior e mais importante. 14 aliança estrategica.indd 14 13/12/ :46:05

15 Há outros pontos de tensão, além do tradicional impasse entre a Índia e o Paquistão, como a questão das relações entre China e Taiwan, por exemplo, situação esta que continua ambígua. O Brasil reconhece Taiwan como parte da China e não como uma República independente. Porém, esta é uma questão interna chinesa que deve ser resolvida através de negociações. Mesmo assim, o País continua incentivando o diálogo entre os dois lados do Estreito de Taiwan. O terceiro ponto de tensão envolve a Península Coreana, último resquício da Guerra Fria. Atualmente, há negociações entre Coréia do Norte, Coréia do Sul, Japão, China, Estados Unidos e Rússia, a fim de que seja encontrada uma solução que satisfaça às diversas partes interessadas no encaminhamento pacífico da questão. Este é um território extremamente sensível; a Península Coreana é uma área axial daquela região, localizada próximo ao Japão e ao lado da China, além de estar perto da Rússia. Esta situação faz com que qualquer conflito tenha desdobramentos, significativamente negativos, para o resto da região e, em particular, para a Coréia do Sul. Uma grande catástrofe na Coréia do Norte resultaria em conseqüências desastrosas para a economia da Coréia do Sul. Por outro lado, uma atitude mais agressiva da parte Norte, sobretudo com o desenvolvimento de armas nucleares, poderia causar reações extremamente negativas ao Japão. Há um grande temor por parte de outros países da região, especialmente Coréia do Sul e China, de que o Japão, em uma reação, possa se tornar uma potência nuclear, o que seria igualmente complexo para a região. Desta maneira, é do interesse de todos os países daquela área o encaminhamento satisfatório da questão da Península Coreana. No que se refere à economia, a China está crescendo rapidamente e, com a economia japonesa em relativa estagnação, 15 aliança estrategica.indd 15 13/12/ :46:06

16 ela se tornou, praticamente, a locomotiva da economia asiática. A Índia vem se revelando, também, importante na área econômica e poderá vir a ser a segunda ou a terceira grande economia asiática nos próximos anos. Considerando a situação descrita, o Brasil está bem posicionado, visto que possui boas relações tanto com o Japão, como com a China e a Índia. Em se tratando do Japão, o Brasil tem relações tradicionais que datam de mais de 100 anos. Em 2008, será comemorado o Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. O Japão, nos anos 70, chegou a ser o terceiro maior investidor no País, aplicando, significativamente, na indústria de base e na área agrícola, através de grandes projetos, tais como Carajás, Tubarão, Flonibra/Cenibra etc., projetos nos quais as empresas japonesas tiveram participação marcante. O projeto mais emblemático, e do qual os japoneses têm maior orgulho, é o Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento do Cerrado (Prodecer), sem o qual Brasília, bem como toda a região do Planalto Central, ainda seria um grande deserto. Graças ao Prodecer, o Brasil se tornou o segundo maior produtor de soja e um grande exportador, o que transformou o cenário da agroeconomia mundial. Com a visita do Presidente Lula ao Japão e a do Primeiro-Ministro Koizumi ao Brasil, em 2004, foi reiniciado o período de dinamismo nas relações bilaterais, após uma fase de relativa paralisia devido às crises da dívida externa brasileira e da economia japonesa. No atual momento, ambos os países estão voltando a crescer, e renasce o interesse na re-dinamização das relações econômicas e comerciais bilaterais. No que se refere à China, este país se tornou o terceiro maior mercado comprador dos produtos brasileiros. O comércio está crescendo a um ritmo exponencial. O Brasil passou de cerca de um bilhão de dólares, em 1999 e 2000, para quase sete bilhões, no ano passado e, neste ano de 2005, o valor projetado é de dez bilhões de 16 aliança estrategica.indd 16 13/12/ :46:06

17 dólares. É visível o processo de crescimento das relações econômicas e comerciais bilaterais, não só nas áreas de comércio e de agronegócio, mas, também, nas de indústria e de tecnologia. Os chineses estão investindo no Brasil de forma bastante conspícua e o País, por sua vez, participa de importantes iniciativas na China, com a Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica), a CVRD (Companhia Vale do Rio Doce), e a Petrobras (Petróleo Brasileiro), dentre outras. Este tipo de relacionamento tende a se adensar, cada vez mais, e a expectativa é de que a chamada parceria estratégica entre Brasil e China se consolide. O marco emblemático desse relacionamento é o projeto de satélite entre os dois países uma iniciativa sem precedentes entre países em desenvolvimento (o comum seria dois países avançados construírem este tipo de parceria). O fato de Brasil e China estarem cooperando em um projeto de tecnologia avançada, como a de satélites, evidencia as potencialidades deste relacionamento. Sobre as relações entre Índia e Brasil, tem havido um importante crescimento do relacionamento bilateral. Embora esses países convergissem no discurso e no posicionamento em fóruns multilaterais (no antigo Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio Gatt e, atualmente, na Organização Mundial do Comércio OMC), em termos de relacionamento direto havia muito pouco. Somente a partir dos anos 90, é que ambos os países passaram a possuir um entrosamento maior, começando pela área de fármacos e, agora, com trocas industriais e agrícolas e pesquisas conjuntas em energia, biocombustíveis, dentre outras. A parceria entre Brasil e Índia é muito importante, visto que, certamente, a Índia será uma das grandes potências neste século XXI e, da parte do Brasil (que, freqüentemente, tem sido indicado como um país emergente, com grande perspectiva de se tornar uma potência no hemisfério Ocidental) também há o interesse de criar elos com as grandes potências do hemisfério Oriental. 17 aliança estrategica.indd 17 13/12/ :46:06

18 Em um mundo globalizado como o de hoje, é fundamental que o Brasil possua uma visão estratégica, uma percepção muito clara dos seus interesses em relação à Ásia, que é a última grande fronteira onde o Brasil precisa se firmar, pois já está presente no Mercosul (Mercado Comum do Sul), na América do Norte, na Europa e na África. Com esta atitude, o Brasil completará o perfil não só de global trader, mas também de global actor, ou seja, será um país com presença marcante em todas as regiões do mundo. 18 aliança estrategica.indd 18 13/12/ :46:06

19 Índia: padrão de desenvolvimento, inserção internacional, convergências possíveis. Professor Sebastião Velasco e Cruz Universidade Estadual de Campinas aliança estrategica.indd 19 13/12/ :46:08

20 aliança estrategica.indd 20 13/12/ :46:08

21 O palestrante iniciou sua exposição discorrendo sobre as convergências entre Brasil e Índia, convergências que se apresentam e se manifestam de forma evidente no plano diplomático, isto é, no plano das relações multilaterais. Brasil e Índia têm posicionamentos comuns nos planos das negociações comerciais como, por exemplo, na Rodada de Doha (IV Conferência Ministerial da OMC, em 2001); além disso, ambos estiveram à frente do Grupo dos 20 (G-20), com participação e ação incisivas na Conferência de Cancun (2003). Participaram juntos, ainda, da Rodada Uruguai, na década de 80, liderando o conjunto dos países que resistiram à incorporação de temas como Serviços e Propriedade Intelectual e, anteriormente, na Rodada de Tóquio (década de 70). Em 1948, na Conferência de Havana, Brasil e Índia, juntamente com Austrália e Argentina, estiveram à frente do esforço para incorporar à Carta de Havana a Agenda de Desenvolvimento, o que resultou na frustração do grande projeto desta Carta, que era a constituição de uma Organização Internacional de Comércio. Atualmente, outra convergência em destaque na imprensa é o empenho comum de Brasil e Índia na reforma da Organização das Nações Unidas (ONU), mais especificamente na ampliação do Conselho de Segurança. Em 1946, o Brasil chegou a ser cogitado como Membro Permanente desse Conselho e a Índia, que vivia os últimos momentos do seu processo de Independência, já manifestava o mesmo interesse. Dessa forma, fica claro que existem interesses comuns entre ambos os países, apesar da imensa diferença nas trajetórias históricas, nas manifestações culturais, na religião, enfim, em tudo o que os separa como países, para além da distância geográfica. Para compreender esta convergência é preciso mencionar que o Brasil e a Índia fazem parte de uma categoria de países que aparecem 21 aliança estrategica.indd 21 13/12/ :46:09

22 na literatura como grandes países da periferia do capitalismo ou grandes países semiperiféricos. Esta condição comum faz com que ambos, apesar das diferenças já mencionadas, enfrentem desafios similares que se desdobram em duas faces: a face problemática, relativa às questões que se interpelam e se interrogam e, por outro lado, a face das possibilidades contidas no desafio. Brasil e Índia, pela posição que ocupam no sistema internacional, são induzidos a se colocarem de forma análoga, em um conjunto de temas, independentemente da falta de interação entre eles. Dentre os pontos convergentes, destaca-se a questão dos padrões de desenvolvimento. Na segunda metade do século XX, Índia e Brasil passaram por um profundo processo de transformação econômica. São países que avançaram mais do que a maioria, ou como poucos, no processo de implantação de sistemas industriais complexos. Ambos os países realizaram isso por meio de uma ação propositada e dirigida a partir do Estado, que protegeu este sistema produtivo através de barreiras tarifárias e não-tarifárias. Além disso, o Estado estimulou a atividade econômica por meio de linhas preferenciais de créditos, dirigidas a setores selecionados, e implantou, ainda, segmentos importantes na indústria através de empresas públicas, explorando estes setores pela forma de monopólios estatais. Cabe, portanto, afirmar que Índia e Brasil são casos bastante famosos de Estados desenvolvimentistas. O Professor Sebastião Velasco assinalou, ainda, algumas diferenças que, sob esse pano de fundo comum, correspondem às divergências observadas nas trajetórias de ambos os países. Em primeiro lugar, cabe mencionar que o desenvolvimento, a política econômica e a política desenvolvimentista, na Índia, são marcados por um esforço autoconsciente, continuado e sistemático de planejamento que não possui similar no mundo, considerando os países externos ao 22 aliança estrategica.indd 22 13/12/ :46:09

23 antigo Bloco Socialista. O planejamento, na Índia, não foi como no Brasil, isto é, intermitente e parcial, antes, era constitutivo do projeto de construção nacional, formulado na primeira metade do século (principalmente entre 1930 e meados dos anos 40) pela liderança do Movimento Nacional indiano, que envolveu intelectuais e políticos, como Gandhi e Nehru, além da elite intelectual e empresarial indiana. A idéia era a de que o Estado deveria, conscientemente, transformar a economia, o que ocorreu por meio de um projeto implementado em 1944, mas que iria se materializar, somente, em 1956, com o segundo Plano Qüinqüenal de Desenvolvimento (atualmente, a Índia está no 10 Plano Qüinqüenal). No final dos anos 60, houve uma interrupção, porém a centralidade do planejamento econômico indiano é um elemento que distingue esse país. O segundo ponto divergente a ser mencionado diz respeito à prioridade, precocemente, atribuída à indústria pesada na Índia. Brasil e Índia cresceram à base de substituição de importação; a Índia, entretanto, apresenta certa peculiaridade. A transformação da indústria na Índia foi delegada a arquitetos como Nehru e Mahalanobis; este último, o grande pai do planejamento indiano. A meta não era realizar uma substituição fácil ou difícil, a implantação dos setores básicos, a indústria pesada, bens de capital etc. Influenciados e informados pelo êxito da planificação soviética, eles se dispuseram, desde o princípio, a implantar, como condição para o tipo de desenvolvimento industrial que pretendiam, a indústria pesada. Além disso, devido à escassez de recursos, tencionavam limitar o crescimento da indústria leve, produtora de bens de consumo duráveis e não-duráveis. Esta última questão está relacionada a um terceiro elemento discordante, responsável pela particularização da trajetória indiana, 23 aliança estrategica.indd 23 13/12/ :46:09

24 que é a decisão de estimular e proteger a indústria artesanal, caseira. A ênfase na preservação e no fomento desse setor está diretamente relacionada a características estruturais da economia. Houve época em que mais de 80% da população viviam nos campos e se alternavam no desenvolvimento de duas atividades sazonais, a agricultura e a indústria artesanal, que o imperativo político (através de uma das alas do Movimento Nacional indiano) desejava transformar em âncora da nova sociedade que buscava criar. É sabido que Gandhi (um dos responsáveis pela reconstrução nacional indiana) possuía uma atitude profundamente hostil à idéia da indústria capitalista. A idéia de preservar a pequena indústria, e, com isto, os empregos e a dignidade da maior parte da população que vivia nos campos, foi um imperativo, permanentemente, acentuado nos documentos de política econômica indiana que se traduziram em políticas curiosas para aqueles que têm contato com a Índia. Um exemplo dessa política curiosa é a instituição de reserva de mercado. No final dos anos 80, mais de 800 gêneros industriais eram reservados à pequena indústria, ou seja, havia barreiras institucionais à expansão da indústria capitalista nestes setores. A quarta particularidade que merece ser destacada é o papel limitado atribuído ao capital estrangeiro no desenvolvimento indiano. Na política econômica indiana de 1940 a 1948, na primeira resolução de política industrial, o capital estrangeiro foi tratado de formas diferentes, ora com desconfiança, de forma restritiva, ora de maneira mais simpática. Entretanto, o que prevaleceu foi a presença de dispositivos que buscavam, efetivamente, limitar o espaço do capital das empresas estrangeiras, entronizando o capital indiano como empresa pública, de um lado, e como capital privado nacional nas posições de liderança, de outro. 24 aliança estrategica.indd 24 13/12/ :46:09

25 Este conjunto de políticas se consolidou de forma mais plena, no final dos anos 60 e começo dos anos 70, por meio de legislações importantes como a Lei de Patentes indiana, que limitava, fortemente, as rendas das multinacionais, e a lei que impunha, inclusive às empresas internacionais já em operação no país, a diluição do seu controle acionário, permitindo-lhes um teto de 40% de participação. Trata-se, portanto, de uma economia que, neste particular, possui um padrão muito diferente do padrão industrial brasileiro. E isto se deve ao fato de a Índia, durante todo este período, ter sido um pólo relativamente fraco de atração de capital estrangeiro. O fluxo de investimento direto para a Índia foi sempre muito baixo, durante todo o século e, mesmo agora, quando as reformas econômicas já estão bastante avançadas e vêm sendo praticadas desde o início dos anos 90. Ainda no que se refere à economia indiana, cabe apontar três pontos principais: o primeiro deles está relacionado ao final dos anos 80, quando a Índia aparecia, entre todos os países e todas as economias fora do Bloco Socialista, como a mais insulada, autárquica e introvertida. A economia indiana não viveu os pesadelos que a sabedoria econômica convencional ameaça a todos que escapam, ou fogem da cartilha, embora não tenha deixado de conhecer problemas importantes no plano econômico, os quais alimentavam, desde o final dos anos 60, um forte debate entre os economistas indianos a respeito do caminho a ser seguido. Desde a sua Independência, a Índia manteve uma trajetória de crescimento baixa (sobretudo se comparada à dos países asiáticos), mas que não passou pelas oscilações bruscas que conhecemos na América Latina, e, particularmente no Brasil da década de aliança estrategica.indd 25 13/12/ :46:10

26 Também não conheceu recessões profundas. No entanto, com as reformas liberais da década de 90, proporcionou a sua economia um rápido crescimento, que já vinha se configurando desde a década de 80. O segundo ponto a ser salientado a respeito da economia indiana é que, felizmente, este país não possui a experiência da hiperinflação que se tornou um fardo para o Brasil. Apesar dos desequilíbrios, ela conseguiu manter sob controle seu processo inflacionário. Em terceiro lugar, cabe mencionar que a economia indiana escapou das grandes crises financeiras internacionais, enquanto o Brasil e a América Latina viviam a experiência amarga da recessão e do desemprego dos anos 80. Além disso, a Índia também passou, praticamente incólume, pelo vendaval que, no final dos anos 90, atingiu a Tailândia, a Indonésia, a Coréia, a Rússia e o Brasil. A economia indiana não conheceu estas crises por uma razão singela: apesar da globalização e de ser, hoje, uma economia muito mais integrada aos fluxos de comércio e de investimento do que foi no passado, ela não apostou na dívida externa como fator propulsor do seu desenvolvimento. Em se tratando da inserção internacional, as diferenças da Índia em relação ao Brasil são evidentes, basta olhar o mapa e levar em conta, por exemplo, o trauma da divisão, visto que o Paquistão não existia e a Índia era homogênea. A idéia em voga, até o fim, na liderança do Movimento Nacional indiano, era a de que o país fosse um Estado unificado. Entretanto, não foi dessa maneira que o processo ocorreu e este divórcio de comunidades que conviviam sob o Império inglês e, anteriormente, sob o Império Mogul, resultou em um conflito que se traduziu em conflito bélico (1965 e 1971) e que, até hoje, é atualizado, permanentemente, por rusgas e movimentos 26 aliança estrategica.indd 26 13/12/ :46:10

27 terroristas. Outra particularidade da Índia, no âmbito internacional, é que, a partir dos anos 60, ela e a China passaram por um período de tensas relações e chegaram, também, ao conflito militar. Após pequena contextualização a respeito da Índia, o palestrante apresentou algumas observações de caráter mais geral para reflexão acerca desse país. A primeira delas é a vocação universalista da política externa indiana. Desde o primeiro momento, quando o país ainda lutava para não se desintegrar, a liderança indiana interpelava o mundo, ou seja, se posicionava a respeito das grandes questões da humanidade. A segunda observação diz respeito ao imperativo da autonomia nacional. Após ter lutado mais de cem anos pela Independência, a idéia de subordinar-se ao ditame desta ou daquela grande potência não fazia sentido para os líderes do Estado Nacional em formação. Uma das expressões desta atitude é a política consistente de nãoalinhamento, que foi o grande vetor da política externa indiana nas décadas de 50 e 60 (a Índia foi o país fundador do Movimento dos Países Não-Alinhados). Outra manifestação indiana relevante foi a denúncia que fez, juntamente com o Brasil, desde o início, contra o Tratado de Não-Proliferação Nuclear, que seria discriminatório. O palestrante sugeriu alguns pontos para discussão como, por exemplo, a existência de uma relação entre o grau de autonomia que a Índia se permitiu e conseguiu sustentar no plano das relações internacionais, de um lado e, de outro, as características do desenvolvimento indiano, no passado, bem como as observadas no processo de reforma pelo qual sua economia passou na década de 90, quando houve a idéia de redirecionar e diminuir o intervencionismo estatal, abrir maior espaço ao setor privado e ceder a liderança do processo de desenvolvimento ao setor privado e nacional, 27 aliança estrategica.indd 27 13/12/ :46:10

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2013

RELATÓRIO Nº, DE 2013 RELATÓRIO Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 10, de 2013 (nº 28, de 1º de fevereiro de 2013, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

O globo em jornal. Nesta aula vamos aprender que existem

O globo em jornal. Nesta aula vamos aprender que existem A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O globo em jornal Nesta aula vamos aprender que existem muitas diferenças e semelhanças entre as nações que formam o mundo atual. Vamos verificar que a expansão

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: REALIDADE S. P. E. BRASILEIRA PROFESSOR: CARLOS ALEX BRIC BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001, pelo economista Jim O'Neill, chefe de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA?

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? Ontem, Brasília foi realmente o foco das atenções mundiais. No Brasil, um pouco menos. Não foi o Brasil que inventou isso, mas a gente registrou o fenômeno

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

Uma Política Industrial para o Brasil

Uma Política Industrial para o Brasil Uma Política Industrial para o Brasil 11 Os marcos históricos do desenvolvimento industrial brasileiro são o ponto de partida para reflexões sobre os desafios enfrentados pela indústria brasileira nos

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

A Nova Geopolítica do Petróleo

A Nova Geopolítica do Petróleo A Nova Geopolítica do Petróleo Introdução ao problema: A expressão geopolítica engloba assuntos que são concebidos como de enorme importância para países numa determinada região, continente, hemisfério

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Samuel Pinheiro Guimarães postado em: 26/04/2014 Integração regional e acordos de livre comércio 1. A conveniência da participação

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região.

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região. Ásia O desenvolvimento sustentável no continente asiático é visto como consequência de vários fatores que se apresentam na região como o grande número populacional e a sua enorme concentração urbano, a

Leia mais

eira brasil }Geralmente em épocas de crise econômica existe uma tendência em limitar os investimentos~ Inserção internacional comercial brasileira

eira brasil }Geralmente em épocas de crise econômica existe uma tendência em limitar os investimentos~ Inserção internacional comercial brasileira Inserção internacional comercial brasileira internacional brasil eira em A inserção comercial 2009 e }Geralmente em épocas de crise econômica existe uma tendência em limitar os investimentos~ Introdução

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

Luiz Augusto de Castro Neves

Luiz Augusto de Castro Neves Luiz Augusto de Castro Neves A República Popular da China é hoje, certamente, o país que mais mobiliza as atenções no mundo: governos de outros países, a comunidade financeira internacional, cientistas

Leia mais

PAÍSES EMERGENTES: OS BRICS

PAÍSES EMERGENTES: OS BRICS Aula5 PAÍSES EMERGENTES: OS BRICS META Entender as novas organizações políticas e econômicas dos países que ao mesmo tempo não integram os G-7, e não são países tão pobres assim. Completando-se também

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008 Nome: Nº: Turma: Geografia 3º ano Gabarito - Prova Augusto Mar/10 1. Observe as imagens abaixo e faça o que se pede: Imagem 1 Imagem 2 Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos **

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica no Brasil João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** NOTA TÉCNICA IPEA Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica

Leia mais

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza

Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Disciplina de Geografia Área de ciências humanas Nova ordem mundial Mundo multipolar Prof. Rafael Souza Porto Alegre 2014 Com o final da União Soviética, a queda do Muro de Berlim, sabemos que apenas um

Leia mais

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa - O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) A economia

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

Alguns dados sobre a China

Alguns dados sobre a China CHINA "...de que país a China é colônia? É colônia de cada país com quem firmou um tratado, e todos os países que têm um tratado com a China são seus donos. Assim, a China não é somente escrava de uma

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014

EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014 EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014 1. Sobre os BRICS, assinale o que for INCORRETO: a) É um grupo formado pelos países considerados emergentes, formando um dos maiores blocos econômicos do planeta,

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba A INFLUÊNCIA DA CHINA NA ÁFRICA SETENTRIONAL E MERIDIONAL Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011 Henrique Altemani de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade

Leia mais

A grande marcha dos BRICS

A grande marcha dos BRICS A grande marcha dos BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) respondem ao conservadorismo das instituições de Bretton Woods com a criação de um banco, visto por especialistas como o primeiro

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio.

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. 01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. Sobre essa questão, leia atentamente as afirmativas abaixo: I. Em 11 de setembro de 2001, os EUA sofreram um violento

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012 ¹ Ano: 2012 1 HENRIQUE REZEZINSKI é membro do Conselho Curador do CEBRI e presidente da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (Amcham-Rio). CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais +55

Leia mais

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China

CLIMAS. Japão POPULAÇÃO - DADOS JAPÃO. O Arquipelago Niponico ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 13/09/2015. Resumo - Geografia. Japão - Tigres - China Resumo - Geografia Japão Japão - Tigres - China O Arquipelago Niponico Principais Ilhas 1. Hokkaido 2. Honshu 2 1 CLIMAS 3. Shikoku 4. Kyushu 4 3 JAPÃO ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Cerca de 127 milhões de hab.

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015)

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) O modelo de desenvolvimento da era Lula o tripé composto por

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

As baleias da economia mundial

As baleias da economia mundial A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ As baleias da economia mundial Nesta aula vamos conhecer a Índia e a República Popular da China, dois países que apresentaram rápido crescimento econômico

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento em comemoração aos 15 anos da revista IstoÉ Dinheiro

Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento em comemoração aos 15 anos da revista IstoÉ Dinheiro São Paulo, 19 de junho de 2012. Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento em comemoração aos 15 anos da revista IstoÉ Dinheiro Página 1 de 13 Senhoras e Senhores É com grande satisfação que participo

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

SIMULADO DO ENEM TESTE SEUS CONHECIMENTOS

SIMULADO DO ENEM TESTE SEUS CONHECIMENTOS SIMULADO DO ENEM TESTE SEUS CONHECIMENTOS Simulado do Enem: 1 - Analise as representações cartográficas a seguir: Estas representações são anamorfoses geográficas. Uma anamorfose geográfica representa

Leia mais

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Disciplina: Geografia Professora: Bianca de Souza PLANEJAMENTO ANUAL 2012 8ª SÉRIE - TURMAS 83 e 84 Primeiro

Leia mais

PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA

PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 8º ANO PROFESSORA: ROSI MAGDA

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- O desenvolvimento

Leia mais

China: a. Professor Zé Soares. potência do século XXI

China: a. Professor Zé Soares. potência do século XXI China: a Professor Zé Soares potência do século XXI China: o país do espetáculo do crescimento e os problemas atuais Desenvolvimento da nova China; Problemas atuais; Olimpíadas de Pequim; A questão do

Leia mais