ATRACÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A ORGANIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATRACÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A ORGANIZAÇÃO"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharias de Coimbra Departamento de Engenharia Química e Biológica Engenharia e Gestão Industrial Gestão de Recursos Humanos ATRACÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A ORGANIZAÇÃO Marisa Pata 2007/2008

2 Análise de Funções A Análise de Funções identifica as tarefas, as actividades e as responsabilidades de uma determinada função. Esta análise deve fornecer a seguinte informação: De onde vem o trabalho? Que equipamentos se devem utilizar? Que capacidades, conhecimentos e aptidões são necessários ao titular da função? Que supervisão precisa? Em que condições deve a função ser executada? Que expectativas existem para a realização da função? De quem deve depender o título? Com quem deve interagir?

3 Técnicas de Análise de Funções Inventário de Análise de Funções: Procura determinar o conhecimento, as aptidões e as capacidades necessárias para realizar determinada função com sucesso. Técnica de Incidentes Críticos: descreve o desenvolvimento comportamental da descrição da função. Nestes casos é comum usar-se a reclamação de um cliente para verificar o que corre bem e mal com a função e o seu executor. Questionário de posição: é um questionário de análise de funções com 194 indicadores utilizando posteriormente uma escala de medição de 5 pontos.

4 Descrição de Funções A Descrição de Funções é um documento escrito que identifica, descreve e define uma função, quanto às suas atribuições, responsabilidades, condições de trabalho e especificações. Na ficha que reúne toda a informação da Função, designada por Monografia, deve constar: Identificação (cargo, sector); Missão; Posição na estrutura; Inventário das atribuições Descrição das tarefas (principais, planos de trabalho) Conhecimentos profissionais exigidos Relações funcionais Margem de autonomia Controlo pelo supervisor Meios (humanos, materiais, outros)

5 Desenho de Funções Prende-se com a forma como a Organização atribui funções e responsabilidades a cada um dos colaboradores. Este Desenho de Funções pode influenciar a motivação, produtividade e satisfação dos seus titulares. Podem existir técnicas de Alargamento ou Rotação ou Equipas de Trabalho. O Alargamento expande as responsabilidades do trabalho. A Rotação permite que o trabalho circule entre as diversas etapas do processo de trabalho. E as Equipas de Trabalho os membros da equipa de trabalho tem autonomia para decidir o modo e execução.

6 Tomar a decisão do preenchimento da vaga Devem encarar-se outras alternativas, tais como: A redistribuição das tarefas atribuídas a esse cargo; Uma análise profunda do conteúdo dos diferentes cargos da mesma unidade; A reanálise dos perfis e competências das funções próximas do cargo vago; Se depois de estudar estas alternativas se verificar a necessidades de Recrutamento de pessoas terá ainda de se analisar: Qual o custo adicional que implicaria Se este custo está orçamentado Quando é que o novo empregado é realmente necessário para iniciar funções.

7 Recrutamento O processo de Recrutamento define-se como sendo o processo através do qual se atraem e recolhem candidaturas de pessoas potencialmente qualificadas para ocupar um lugar vago que se pretende preencher. Existem Três tipos de Recrutamento: Recrutamento Interno; Recrutamento Externo; Recrutamento Misto.

8 Recrutamento Interno Pretende seleccionar candidatos entre o conjunto de pessoas que já trabalham na organização. Esta técnica tem como vantagens: É normalmente mais rápido do que o Recrutamento Externo e implica menos custos; Permite aproveitar o investimento na formação e no reforço da experiência profissional dos actuais colaboradores; Actua como fonte motivadora, uma vez que fornece oportunidade de progredir na carreira; Evita riscos de não adaptabilidade de novos membros; Reduz a incerteza quando ao potencial de desempenho e ao perfil individual ao candidato; Permite deslocar os colaboradores e redesenho funções.

9 Tem como Desvantagens: Pode gerar conflitos entre funcionários e frustração dos candidatos excluídos; A função que o candidato seleccionado ocupava ficava vaga tendo que se recorres a outro processo de recrutamento; Um bom colaborador em determinada função não implica que alcance um bom desempenho em outra função; Apesar de ser um processo mais rápido pode pela prestação do colaborador ser exemplar não ser viável abdicar da sua presença em determinada função.

10 O tamanho da organização também influencia o método de Recrutamento Interno, assim como o número de candidatos e meios disponíveis para realizar o processo. Existem três formas para efectuar um Recrutamento Interno : Escolha Directa o colaboradora cujo perfil se considera adequado e convidado para ocupar o lugar, sendo este convite feito pela gestão. Concurso Interno permite que qualquer funcionário se candidate. Recomendar um amigo (refer a friend) convidar um funcionário recomendar uma pessoa que considere mais adequada para desempenhar a função.

11 Recrutamento Externo Apenas se recolhem candidaturas de pessoas que não pertencem à organização Esta opção apresenta algumas Vantagens, tais como: Permite renovar o quadro de competências existentes; Acrescenta valor à base de dados curriculares de candidatos potenciais a outros lugares; Pode aumentar a visibilidade da organização; Aproveita os conhecimentos e as experiências adquiridas anteriormente pelos candidatos.

12 O Recrutamento Externo pode ter alguns inconvenientes tais como: Tem custos normalmente elevados; A concretização do processo é mais prolongada no tempo; Aumenta o risco da inadaptação cultural do colaborador à organização; Pode gerar desmotivação e desconfiança dos colaboradores; Os resultados são imprevisíveis e o processo é menos seguro; Pode afectar a política de remuneração de organização. Métodos de Recrutamento: Anúncio; Associações empresariais; Referências pessoais; Serviços públicos e organizações privadas; Base de dados computorizados; Caçador de cabeças (Headhunters); Consultores de pesquisa directa (Search); Campus universitários; Candidatura espontânea; Consultores de recrutamento.

13 Recrutamento Misto Este tipo de recrutamento engloba o Recrutamento Interno e Externo, e pode apresentar três formas de se realizar: Pode ser iniciado através do Recrutamento Interno recorrendo-se ao Externo quando pelo anterior método não ser encontrar nenhum colaborador que se enquadre com as características pretendidas pela organização; Pode ser iniciado através do Recrutamento Externo recorrendo ao Recrutamento Interno quando não se encontra resultados favoráveis; Podem recorrer ao Recrutamento Interno e Externo simultaneamente, oferecendo-se as mesmas possibilidades a todos os candidatos

14 Selecção Selecção define-se como sendo o processo que visa escolher o melhor candidato para ocupar determinado lugar, através da análise de competências individuais da avaliação da sua adequação às exigências organizacionais e da comparação do perfil dos diferentes candidatos Primeira Fase: analisam-se os dados curriculares e profissionais dos candidatos Segunda Fase de selecção: analisam-se: Questionários; Testes Entrevistas

15 Questionários O Questionário é enviado ou entregue aos candidatos de forma a investigar elementos curriculares adicionais que não constam no curriculum vitae, permitindo esclarecer dúvidas. Testes. Existem vários tipos de testes dos quais se destacam os seguintes: Testes de Inteligência testa a capacidade de raciocínio, de planeamento de resolução de problema;. Teste de Conhecimento tem como finalidade avaliar, objectivamente, os conhecimentos técnicos. Testes de Aptidão medem o potencial do candidato para adquirir conhecimento e desenvolver actividades especializadas. Teste de Valores tem como objectivo conhecer o que o candidato valoriza na sua vida pessoal e profissional. Teste de Personalidade avaliam os aspectos não cognitivos e a dimensão social do indivíduo como a auto confiança, a capacidade de decidir, de controlo emocional, ou a forma como se relaciona com a restante equipa.

16 Entrevista Entrevista Face a Face trata-se de um formato tradicional, onde o candidato é entrevistado por responsável da organização. Entrevista de Painel o candidato é entrevistado por vários elementos da organização em simultâneo; Entrevista de Série são conduzidas sequencialmente por diferentes entrevistadores; tempo; Entrevistas de Grupo são entrevistados vários candidatos ao mesmo Entrevista de Pressão avalia a forma como o candidato reage perante situações de tensão, de pressão temporal perante problemas de resolução difícil ou de solução de compromisso ético e moral. Entrevista Social observa o comportamento do candidato num ambiente informal de convívio social;

17 Centros de Diagnóstico Os Centros de Avaliação, consistem num conjunto diversificado de provas a que é submetido um grupo de candidatos, normalmente para funções de gestão e que pretendem simular situações reais, que poderão confrontar os participantes e avaliar a forma como estes as enfrentam e solucionam. As simulações e exercícios mais utilizados nos Centros de Diagnóstico são: Exercício de cesto de papeis (in-basket) Discussões de grupo sobre liderança Exercício de redesenho de papel (role-playing) Analise de caso Apresentações orais.

18 Acolhimento e Sociabilização Após a decisão e selecção de um indivíduo é necessário assegurar boas condições de trabalho, assim como o seu acolhimento e integração As práticas de Acolhimento integram: Entrevista com o responsável hierárquico; Informação oral sobre a empresa e o departamento; Visita a diversos locais da empresa; Entrega do manual de acolhimento Informação sobre segurança; Apresentação aos quadros e restantes trabalhadores; Entrevistas regulares de acompanhamento; Seminário de acolhimento Informação de audiovisuais Designação de um responsável pela integração Apadrinhamento por um colega mais velho.

ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15

ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15 ÍNDICE Apresentação 13 PRIMEIRA PARTE ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15 I. A Gestão dos Recursos Humanos: do Modelo Clássico ao Modelo Gestionário 1. Antecedentes

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PLANEAMENTO DE RH S

RECURSOS HUMANOS PLANEAMENTO DE RH S RECURSOS HUMANOS Introdução Definição e conceitos Introdução Definição e conceitos Planeamento de rh s? Introdução Definição e conceitos Definição e conceitos Cascio, (1986): O planeamento de RH s é: um

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

PROCURA ACTIVA DE EMPREGO

PROCURA ACTIVA DE EMPREGO PROCURA ACTIVA DE EMPREGO Plano de Trabalho 1. Como procurar Emprego? 2. CV e Cartas de Candidatura 3. Entrevistas de Emprego 4. Networking 3 passos a dar na procura de oportunidades profissionais 1. Self

Leia mais

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS:

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: Treinamento É o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. Treinamento Custo ou investimento?

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional

Desenvolvimento Organizacional Desenvolvimento Organizacional O desenvolvimento Organizacional nasceu na década de 1960 devido as mudanças no mundo das organizações e em função das estruturas convencionais serem inadequadas a essas

Leia mais

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS:

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: Treinamento É o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. Referências: CHIAVENATO

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

Recursos Humanos 2007. Recursos Humanos 2007

Recursos Humanos 2007. Recursos Humanos 2007 Recursos Humanos 2007 Descritivo completo Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. Tenha uma gestão

Leia mais

Na definição da Política de Gestão de Recursos Humanos da OPWAY são factores determinantes:

Na definição da Política de Gestão de Recursos Humanos da OPWAY são factores determinantes: A Política de Gestão de Recursos Humanos é definida em relação directa com a Visão, Missão e Valores da OPWAY, no sentido de garantir a existência de um conjunto de procedimentos e ferramentas que contribuam

Leia mais

PROGRAMA TRAINEE 2016/2017

PROGRAMA TRAINEE 2016/2017 PROGRAMA TRAINEE /2017 SOBRE A O QUE SIGNIFICA VOAR MAIS ALTO? Sabemos o que é mais importante para o nosso Cliente, seja a precisão técnica, a abordagem proativa da segurança, a sustentabilidade t d ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação.

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. GESTÃO COMERCIAL Entidade Proponente: IEL/NR Minas Gerais e SEBRAE Minas Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. OBJETIVOS Geral: Apresentar abordagens integradas

Leia mais

Curso O Atendimento nas Lojas do Cidadão Balanço de Competências

Curso O Atendimento nas Lojas do Cidadão Balanço de Competências Curso O Atendimento nas Lojas do Cidadão de O de é um instrumento de apoio à gestão com funções de diagnóstico e (auto)avaliação das competências mais directamente relacionadas (mobilizadas ou desenvolvidas)

Leia mais

Gestão de desempenho com base em competências

Gestão de desempenho com base em competências Gestão de desempenho com base em competências Working Paper EXECUTIVE 2 de abril de 2008 Sergio Ricardo Goes Oliveira Gestão de desempenho com base em competências Working Paper Objetivo Este documento

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I. De 8 a 12 de Novembro

FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I. De 8 a 12 de Novembro FORMAÇÃO EM GESTÃO PARA ENFERMEIROS CHEFES NA GUINÉ-BISSAU EIXO I De 8 a 12 de Novembro Gestão Estratégica das Organizações de Saúde Conceitos Gerais Coordenação Global Dra. Maria Celeste Nicolau Horas

Leia mais

Clientes Questionário de Avaliação da Satisfação

Clientes Questionário de Avaliação da Satisfação Introdução Tendo como referência o Modelo de Avaliação da Qualidade, o desenvolvimento de um Sistema de Gestão da Qualidade aplicado aos serviços prestados pelas Respostas Sociais, permite a melhoria do

Leia mais

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM UniãoMetropolitana deeducaçãoecultura Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação do projeto interdisciplinar

Leia mais

1. Nome da Empresa. 2. Sector de Actividade. 3. Responsável pelo preenchimento do questionário. 4. Formação/Habilitações literárias. Page 1.

1. Nome da Empresa. 2. Sector de Actividade. 3. Responsável pelo preenchimento do questionário. 4. Formação/Habilitações literárias. Page 1. Outro Projecto do Mestrado em Ambiente, Saúde e Segurança IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE AMBIENTE E DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AO NÍVEL DAS GRANDES EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Leia mais

Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto;

Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto; Aula 19 1 2 Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto; A equipe do projeto refere-se às pessoas com papéis e responsabilidades para completar o projeto; É importante

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO

Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Turismo. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Projetos em Turismo. OBJETIVO

Leia mais

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO TOMADA DE DECISÃO. Fases de tomada de decisão. O processo de Tomada de Decisão. Identificação do problema

TOMADA DE DECISÃO TOMADA DE DECISÃO. Fases de tomada de decisão. O processo de Tomada de Decisão. Identificação do problema TOMADA DE DECISÃO TOMADA DE DECISÃO A tomada de decisão é um processo multifacetado e omnipresente nas organizações, aos níveis individual, grupal e organizacional. Envolve aspectos racionais, mas também

Leia mais

1. Ingresso na Carreira Docente 1.1. Prova de Ingresso

1. Ingresso na Carreira Docente 1.1. Prova de Ingresso PROPOSTAS DO M.E. O Ministério da Educação (ME) tem vindo, no âmbito do processo negocial que se iniciou em Março, a apresentar um conjunto de propostas às organizações sindicais representativas dos docentes.

Leia mais

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Este regulamento tem como objetivo assegurar o bom funcionamento das emissões produzidas na Rádio/TV Escola, na Escola Secundária do Agrupamento de

Leia mais

Gestão de pessoas e desempenho organizacional

Gestão de pessoas e desempenho organizacional Aula 12 Gestão de pessoas e desempenho organizacional Agenda 1 Seminário 2 Medindo a performance do RH 1 Seminário 5 Competing on talent analytics. Davenport, Harris & Shapiro. Harvard Business Review,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Recompensar Pessoas: Cargos e Salários. Professora Daciane de Oliveira

Recompensar Pessoas: Cargos e Salários. Professora Daciane de Oliveira Recompensar Pessoas: Cargos e Salários Professora Daciane de Oliveira Cargos e salários (C&S) R P E R C O U D R U S T O S Relação indivíduo X organização = troca Indivíduo = trabalho Organização = dinheiro

Leia mais

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização,

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização, LIDERANÇA E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DAS IPSS Cuidamos do Futuro do Envelhecimento em Portugal GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as regras de funcionamento dos

Leia mais

Recrutamento de pessoas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Recrutamento de pessoas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Recrutamento de pessoas Profa. Daciane de Oliveira Silva Funções da Gestão de pessoas Segundo a PROGEP(Programa de Estudos de Gestão de Pessoas) da FEA- USP, os princípios mais relevantes que deverão orientar

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 05

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 05 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 05 Questões sobre o tópico Recrutamento e Seleção: técnicas e processo decisório. Olá Pessoal, Hoje veremos outro tema que deve ser estudado para esse concurso do

Leia mais

Anúncio De Concurso do Instituto Nacional de Saúde Pública. Técnico nível 1

Anúncio De Concurso do Instituto Nacional de Saúde Pública. Técnico nível 1 Anúncio De Concurso do Instituto Nacional de Saúde Pública Técnico nível 1 O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os procedimentos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ponto 8 do Aviso n.º 4376/2016, de 31 de março

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ponto 8 do Aviso n.º 4376/2016, de 31 de março CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ponto 8 do Aviso n.º 4376/2016, de 31 de março Recrutamento de um trabalhador da carreira e categoria de técnico superior ou da carreira e categoria de assessor parlamentar, com

Leia mais

ANEXO: Índice de Correspondência GRI

ANEXO: Índice de Correspondência GRI ANEXO: Índice de Correspondência GRI 1. Estratégia e Análise 1.1 Mensagem do Presidente Capítulo Mensagem do Presidente Capítulo Ética e Corporate Governance»» Modelo de Gestão Capítulo Estratégia e Sustentabilidade

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional (Regime Intensivo) 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas Organograma - Gráfico da estrutura hierárquica de uma organização social complexa, que representa simultaneamente os diferentes elementos do grupo e

Leia mais

Ino n v o aç a ão ã o e e Cr C iaç a ão ã o de d e Val Va or o ao a Serviço da Saúde

Ino n v o aç a ão ã o e e Cr C iaç a ão ã o de d e Val Va or o ao a Serviço da Saúde Inovação e Criação de Valor ao Serviço da Saúde AGENDA APRESENTAÇÃO 1.O Grupo 1.1 Valores 1.2 Princípios estratégicos 1.3 História 1.4 Presença internacional 2. Áreas de negócio 2.1 Recrutamento e Selecção

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei 43/2014,

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciência e Tecnologia Engenharia de Programação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciência e Tecnologia Engenharia de Programação Universidade do Algarve Faculdade de Ciência e Tecnologia Engenharia de Programação Docente: Engª. Paula Ventura Discentes: Marta Santos nº13828 IG Vera Rocha nº13594 IG Um modelo de processo é uma representação

Leia mais

Embaixada de Portugal Tripoli

Embaixada de Portugal Tripoli ANEXO I AVISO DE ABERTURA Concurso Externo para o recrutamento de 1 (um) lugar de ASSISTENTE ADMINISTRATIVO do Quadro Único de Contratação dos Serviços Externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros,

Leia mais

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009 DSATAR Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional Norma orientadora nº06/2009 Assunto: Reconhecimento de formadores para apoio às sessões de formação prática do Curso de Operador de Máquinas

Leia mais

AVISO OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 5ª EDIÇÃO DO PEPAL

AVISO OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 5ª EDIÇÃO DO PEPAL AVISO OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS 5ª EDIÇÃO DO PEPAL Torna-se público que o Município de Gouveia, nos termos do artigo 3º da Portaria nº 254/14 de 9 de Dezembro, vai promover estágios no âmbito do

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 Medidas de Acolhimento para a População Idosa Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 I Feira Social Novos Trilhos para a Participação Social Rede Social de Peso da Régua

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO AULA 02

ADMINISTRAÇÃO AULA 02 AULA 02 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO ORGANIZAÇÕES E ORGANIZAÇÕES : VISÃO PANORÂMICA PRODUÇÃO / MARKETING / PESQUISA E DESENVOLVIMENTO / FINANÇAS / RH PLANEJAMENTO / ORGANIZAÇÃO / LIDERANÇA / ECUÇÃO / CONTROLE

Leia mais

I Agrupamento de Escolas de Valongo FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

I Agrupamento de Escolas de Valongo FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato A preencher pela entidade empregadora CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR 1 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO COMERCIAL E DAS VENDAS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO COMERCIAL E DAS VENDAS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular GESTÃO COMERCIAL E DAS VENDAS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso MARKETING 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOMÍNIOS CRITÉRIOS INDICADORES INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Eficácia na aquisição e aplicação

Leia mais

Questionário Nível de Satisfação e Motivação dos Vendedores

Questionário Nível de Satisfação e Motivação dos Vendedores Edit this form Questionário Nível de Satisfação e Motivação dos Vendedores No âmbito da realização de tese de mestrado! este questionário destina-se apenas a profissionais de vendas a operar na industria

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O curso de Engenharia de Produção da Escola Superior de Tecnologia e Educação de

Leia mais

COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL

COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL COMO FORMALIZAR UMA CANDIDATURA A PROCEDIMENTO CONCURSAL 1 Índice: Preenchimento do Formulário de Candidatura ao Procedimento Concursal Código de Identificação do Processo e Caracterização do Posto de

Leia mais

I. Nomeação de mais 50% das/os candidatadas/os aprovadas/os nesse concurso

I. Nomeação de mais 50% das/os candidatadas/os aprovadas/os nesse concurso Atribuições Profissionais e Condições Éticas e Técnicas do/a Assistente Social na Política de Previdência Social Documento Apresentado ao INSS pelo CFESS em Reunião no dia 13 de agosto de 2009 O Conselho

Leia mais

Medidas e Escalas: Escalas não Comparativas

Medidas e Escalas: Escalas não Comparativas Medidas e Escalas: Escalas não Comparativas 1-1 Sumário do Capítulo 1) Escalas não comparativas 2) Escalas de rácios contínuos 3) Escalas de Itens i. Escala de Likert ii. iii. Escala de Diferencial semântico

Leia mais

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões

ANEXO D. Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões ANEXO D Guião de entrevista à Directora da Escola Formulário de questões Tema Auto-avaliação numa escola secundária Objectivos gerais Recolher informação relevante que contribua para caracterizar a implementação

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Estágio no exterior para alunos em intercâmbio

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Estágio no exterior para alunos em intercâmbio REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Estágio no exterior para alunos em intercâmbio o Documentos comprobatórios o Relatório de Estágio Estágio realizado anteriormente o Documentos comprobatórios

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 Seminário 2 Treinamento e Desenvolvimento 3 Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.; Kram, K. E.; Ting, S. HBR,

Leia mais

INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE

INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE 1.1. Contabilidade para não Contadores INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE Objetiva ensinar a Contabilidade para aqueles que não são contadores, mas necessitam interpretar (entender) a Contabilidade, os relatórios

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010 1 CURSO DO ENSINO REGULAR DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO: 9.º DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONRAÇÃO Rentabilizar as Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI

KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Outubro de 2008 KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI José Nina de Andrade Índice 1. Adequabilidade do SGIDI à empresa 2. A implementação

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

Metodologia de Investigação Educacional I

Metodologia de Investigação Educacional I Metodologia de Investigação Educacional I Desenhos de Investigação Isabel Chagas Investigação I - 2004/05 Desenhos de Investigação Surveys (sondagens) Estudos Experimentais Estudos Interpretativos Estudos

Leia mais

ISO 9001 : 2015 (Nova versão) Gestão do Risco e a ISO 9001

ISO 9001 : 2015 (Nova versão) Gestão do Risco e a ISO 9001 ISO 9001 : 2015 (Nova versão) Gestão do Risco e a ISO 9001 OBJECTIVOS DA ISO 9001:2015 Especificar requisitos para um SGQ quando uma organização: Necessita demonstrar aptidão para fornecer produtos e serviços

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SIV

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SIV Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SIV Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

E-QP-EIF-076 REV. B 14/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL -

E-QP-EIF-076 REV. B 14/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

DISCURSIVA RESPOSTAS - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO

DISCURSIVA RESPOSTAS - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DISCURSIVA ADMINISTRAÇÃO RESPOSTAS - DE DESEMPENHO DE DES Discursiva Respostas Administração Avaliação de Desempenho VP Concursos - Consultoria e Coaching www.vpconcursos.com.br Administração Geral - Avaliação

Leia mais

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Código da publicitação do procedimento Indicar o número do aviso publicado no Diário da República ou o número do código da oferta de emprego

Leia mais

Cursos Educar [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa

Cursos Educar [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa Cursos Educar Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] O curso tem o objetivo de ensinar aos alunos de graduação e de pós-graduação, as técnicas de produção de artigos científicos, nas

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 38.16 sob contratação em regime CLT

Leia mais

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR Miguel Coutinho PROJECTO ADAPTAÇÃO efeitos impactos MITIGAÇÃO CLIMA Adaptação: um conceito darwinista Diversidade genética Adaptação: um conceito

Leia mais

Novembro de 2011. O fazemos:

Novembro de 2011. O fazemos: Novembro de 2011 O fazemos: A nossa missão é por excelência acolher, atender, informar e orientar os clientes para a resolução dos seus problemas dentro ou fora da Autarquia. Pretendemos ser reconhecidos

Leia mais

LIDERANÇA. Conteúdo: O que é liderança Estilos de liderança Delegação Feedback

LIDERANÇA. Conteúdo: O que é liderança Estilos de liderança Delegação Feedback LIDERANÇA LIDERANÇA Objetivo: Sensibilizar os empresários das MPEs sobre a importância da liderança eficaz para a construção e motivação da equipe e consequente alcance de resultados. Conteúdo: O que

Leia mais

Desafios e oportunidades para os operadores de telecomunicações Apresentação de 2016

Desafios e oportunidades para os operadores de telecomunicações Apresentação de 2016 Notificação Eletrónica de Faturas Desafios e oportunidades para os operadores de telecomunicações Apresentação de 2016 saphety.com A quem se destina? Para os seus clientes empresariais Gestão de Custos

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

Apresentação Processo Seletivo 2016.1

Apresentação Processo Seletivo 2016.1 Apresentação A SofTeam Empresa Júnior de Computação, uma organização constituída e gerida pelos alunos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Sergipe, tem a enorme satisfação de anunciar

Leia mais

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E TRABALHADOR Noção de TRABALHADOR Pessoa singular que, mediante retribuição, se obriga a prestar serviço a um empregador, incluindo

Leia mais

Por favor, leia atentamente as questões e as responda, de acordo com as instruções. Comentários:

Por favor, leia atentamente as questões e as responda, de acordo com as instruções. Comentários: ANEXO I Este trabalho tem como objetivo uma avaliação das atividades gerenciais com vistas a pretensa centralização das atividades meio do Conglomerado Econômico Sol. Por favor, leia atentamente as questões

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : 040 1 OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

o Aluno : qualquer aluno do 3 o ano do MIEI que se encontre nas condições expressas neste documento para inscrição na disciplina;

o Aluno : qualquer aluno do 3 o ano do MIEI que se encontre nas condições expressas neste documento para inscrição na disciplina; Normas de Funcionamento da Disciplina Actividade Prática de Desenvolvimento Curricular Vertente de Estágio Mestrado Integrado em Engenharia Informática Preâmbulo Este documento destina-se a regulamentar

Leia mais

Relatório Anual de Transparência Ano de 2015

Relatório Anual de Transparência Ano de 2015 Relatório Anual de Transparência Ano de 2015 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Estrutura jurídica e da Propriedade... 3 3. Estrutura de governação... 4 4. Sistema interno de controlo de qualidade... 4 5.

Leia mais

Recursos-chave para Gestores de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto

Recursos-chave para Gestores de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Guia 3 Pensamento Crítico Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Objectivos de aprendizagem Depois de ter lido o material de consulta do Guia de Pensamento Crítico e ter concluído este guia de estudo,

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Aviso n.º 3/2015 OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS - PEPAL 5ª EDIÇÃO

Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Aviso n.º 3/2015 OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS - PEPAL 5ª EDIÇÃO Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Aviso n.º 3/2015 OFERTA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS - PEPAL 5ª EDIÇÃO O Município de Santa Maria da Feira, no âmbito do Programa de Estágios Profissionais na Administração

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

Cada um dos projetos executados pelo Funbio conta com uma Gerência de Projeto, cujas atribuições e responsabilidades são:

Cada um dos projetos executados pelo Funbio conta com uma Gerência de Projeto, cujas atribuições e responsabilidades são: TERMO DE REFERÊNCIA nº 010/2016 Contratação de pessoa física para a função de GERENTE DE PROJETOS da unidade de programas para atendimento às demandas dos projetos apoiados pelo Fundo Brasileiro para a

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 NOME DO PROJETO: ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: DATA : / / ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO PÁG. I - CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO - TÍTULO

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado em: Animação Artística Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em Artes 2007 / 2008 Carlos Morais Pré - requisitos Antes da

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS REGULAMENTO PRÉMIO DE PROMOÇÃO AO EMPREENDEDORISMO

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS REGULAMENTO PRÉMIO DE PROMOÇÃO AO EMPREENDEDORISMO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS REGULAMENTO PRÉMIO DE PROMOÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Luanda, Junho de 2015 ÍNDICE PRÊAMBULO...2 I. OBJECTIVO...2 II. CATEGORIA...2 III. ELEGIBILIDADE...3

Leia mais

Procedimento de Gestão

Procedimento de Gestão Índice 1.0. Objectivo... 2 2.0. Campo de aplicação.. 2 3.0. Referências e definições......... 2 4.0. Responsabilidades. 3 5.0. Procedimento. 3 5.1. Auditorias ao Sistema da Qualidade. 3 5.1.1. Preparação.

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais / Contabilidade Unidade Curricular Comportamento Organizacional Semestre: 5 Nº ECTS: 3,0 Regente

Leia mais