FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS:"

Transcrição

1 FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: Treinamento É o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. Referências: CHIAVENATO Gestão de Pessoas TACHIZAWA, et.al Gestão com Pessoas (pegar capítulo 9 na xerox) FRANÇA, Limongi Práticas de R. Humanos(pegar cap 5 na xerox)

2 Treinamento Custo ou investimento? Por que treinar? Deficiências nas escolas e faculdades; Adaptação ao cargo aos novos recémcontratados; Constante evolução tecnológica; Desenvolvimento do inesgotável potencial humano.

3 Treinamento A tendência da organização do futuro é o treinamento a toda equipe e assim conferir maior autoridade aos colaboradores. O resultado da organização é o trabalho de todos os setores, por isso, o treinamento deve ser a todos que a compõem. OBJETIVOS DO TREINAMENTO Preparar para execução imediata de tarefas; Dar oportunidade para contínuo desenvolvimento de pessoal; Mudar a atitude em relação ao clima e motivação organizacional.

4 Desenvolvimento de pessoas Qualquer tentativa de melhorar o desempenho gerencial pela divulgação de conhecimento, mudança de atitudes ou aumento de habilidades. Enquanto o treinamento visa o a compreensão de habilidades no cargo atual, o desenvolvimento está mais focalizado no crescimento pessoal do colaborador e visa à carreira futura.

5 Objetivos das etapas do processo de treinamento As ações de treinamento deve estar ligado ao interesse estratégico do negócio e alinhado aos desafios do mercado. São elas: 1. Formação de pessoal 2. Capacitação 3. Atualização/reciclagem 4. Readaptação 5. Formação de gerentes e supervisores 6. Clima organizacional

6 Etapas de elaboração de um programa de treinamento DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO PROGRAMAÇÃO DE TREINAMENTO IMPLEMENTAÇÃO E EXECUÇÃO AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS 1- DIAGNÓSTICO 1.1Análise organizacional- Estudo sobre os objetivos da organização, ambiente tecnológico, as características dos empregados e o clima organizacional. 1.2 Análise das operações e tarefas-requisitos para o bom desempenho do cargo. Quais as competências que cada cargo abrangido exige? CONHECIMENTOS- o que os funcionários devem saber HABILIDADES- o que os funcionários sabem fazer COMPORTAMENTOS ou ATITUDES- as formas como cada indivíduo se comporta.

7 Etapas de elaboração de um programa de treinamento 1- DIAGNÓSTICO B)- Quais são as habilidades e atitudes para cada cargo? As habilidades de cada cargo são classificadas em três grupos: HABILIDADES VOLTADAS À INTERAÇÃO PESSOAL HABILIDADES VOLTADAS AO PROCESSO E A QUALIDADE HABILIDADES VOLTADAS À OBTENÇÃO DE RESULTADOS. Quando perguntamos as habilidades requeridas do colaborador ao superior, ele não hesita em afirmar que ele deverá possuir todas em alto grau- a síndrome do SUPER-HOMEM.- Visão falha e errônea 1.3 Análise individual e por equipe- entrevistas com os gerentes, questionários, resultado da avaliação de desempenho, solicitação da gerência

8 Planejamento de um treinamento A)Perfil das pessoas na organização: 1. ENTREVISTA COM OS GERENTES; 2. QUESTIONÁRIOS; 3. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO; 4. AVALIAÇÃO FEITA PELO SUPERVISOR; 5. OBSERVAÇÃO DIRETA NA EXECUÇÃO DAS TAREFAS; 6. SOLICITAÇÕES DA GERÊNCIA. B) Identificação e validação de talentos O que se quer medir é o talento da pessoa, identificar o potencial ainda não desenvolvido. Portanto, ainda não existe instrumento disponível capaz de dizer se uma pessoa irá ou não adotar certo comportamento ou habilidade. O talento para determinada competência não significa que a pessoa o desenvolverá. Depende de aspectos: financeiros, situação profissional, pessoal, familiar e satisfação com o trabalho.

9 Etapas de elaboração de um programa de treinamento 2- PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO Definir claramente o objetivo de treinamento; Dividir em módulos ou partes o trabalho a ser desenvolvido; Escolher o método ou partes o trabalho a ser desenvolvido; Definir os recursos; Definir o público-alvo. 3- EXECUÇÃO DO TREINAMENTO Envolve o binômio instrutor/aprendiz: 1. Treinamento de integração: visa adaptar o funcionário à organização; 2. Treinamento técnico-operacional: capacita para a execução de tarefas específicas à sua categoria profissional 3. Treinamento gerencial: visa desenvolver competência técnica, administrativa e comportamental 4. Treinamento comportamental: visa solucionar problemas de relacionamento.

10 Etapas de um treinamento 3- EXECUÇÃO DO TREINAMENTO Conhecimento se aprende estudando. As formas mais comuns de aprendizado são: ESCOLARIDADE FORMAL CURSOS LEITURA DIRIGIDA- o instrutor apenas organiza e monitora as leituras dos textos escolhidos. Habilidades- se desenvolvem por intermédio de exercícios. Podem ser motoras ou intelectuais. As habilidades mais comuns são: WORKSHOPS- exercício de alguma habilidade. SIMULAÇÕES- simulam situações da vida real. Ex: jogos de Empresa. TAREFAS REAIS- estágios, rotação de cargo, tarefas temporárias.

11 Etapas de um treinamento Comportamento- são desenvolvidos mediante decisão pessoal e Avaliação de desempenho. Grupos de avaliação de desempenho: reunião de pessoas de mesmo nível hierárquico(4 a 6 pessoas) passam por um treinamento. Orientação por um facilitador: requer tempo e preparo do facilitador para orientar o pupilo. Este facilitador é o chamado coaching.

12 Etapas de elaboração de um programa de treinamento 4- AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS AVALIAÇÃO DE APRENDIZADO: testes, exercícios ou questionários AVALIAÇÃO DE REAÇÃO: é a opinião do grupo e serve de feedback para melhoria dos programas. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS: através de entrevistas com supervisores e participantes, produtividade antes e depois e outros indicadores de desempenho.

13 Níveis e Técnicas de treinamento * NÍVEIS: 1. GERENCIAL: Ocupantes de cargos de gerência; 2.TÉCNICO: áreas específicas; 3. MÉDIO: empregados com pouca escolaridade; 4. AMPLO: todos os empregados, por exemplo, curso da área de Relações humanas. * TÉCNICAS: TREINAMENTO NO TRABALHO (formais e universidade corporativa) TELETREINAMENTO/ VIDEO CONFERÊNCIA TREINAMENTO COMPUTADORIZADO UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DEVE RESPONDER AS SEGUINTES INDAGAÇÕES: Por que treinar? Como treinar? Em que treinar? Quando treinar? Quem treinar?

14 Case sobre treinamento O chefe de uma oficina de manutenção solicitou treinamento para os artífices que realizavam o ajuste de uma peça localizada embaixo dos trens. O setor de treinamento contratou então uma firma especializada, que ministrou um curso muito elogiado pelos participantes. Findo o curso, porém, o problema persistiu. Somente quando um analista de treinamento visitou à oficina de manutenção foi possível constatar a verdadeira causa do problema: o fosso onde os operários trabalhavam era muito raso,obrigando uma posição ergonomicamente desfavorável. Uma vez corrigido esse defeito, os operários passaram a executar sua tarefa corretamente.

15 Desenvolvimento de carreiras Necessidade da organização Necessidades individuais da carreira Quais os principais itens estratégicos para os próximos anos? Conhecimentos e Habilidades necessários; * Níveis de pessoas requeridos. Consequências Os funcionários estão se desenvolvendo de maneira que junte sua eficácia e satisfação com alcance dos objetivos estratégicos da organização? Como posso encontrar oportunidades de carreira dentro da organização que: Utiliza minhas forças e competências ; * Proporcione desafios; * Atenda meus interesses; * Utilize meu estilo pessoal.

16 VÍDEO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO- PARTE1

17 VÍDEO DE TREINAMENTO -TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PARTE 2

18

19 VÍDEO DE TREINAMENTO -TIPO COMPORTAMENTAL

20 VÍDEO DE TREINAMENTO -TIPO CONHECIMENTO

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS:

FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: FUNÇÃO DESENVOLVER PESSOAS: Treinamento É o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. Treinamento Custo ou investimento?

Leia mais

Gestão de desempenho com base em competências

Gestão de desempenho com base em competências Gestão de desempenho com base em competências Working Paper EXECUTIVE 2 de abril de 2008 Sergio Ricardo Goes Oliveira Gestão de desempenho com base em competências Working Paper Objetivo Este documento

Leia mais

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação.

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. GESTÃO COMERCIAL Entidade Proponente: IEL/NR Minas Gerais e SEBRAE Minas Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. OBJETIVOS Geral: Apresentar abordagens integradas

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 Seminário 2 Treinamento e Desenvolvimento 3 Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.; Kram, K. E.; Ting, S. HBR,

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional

Desenvolvimento Organizacional Desenvolvimento Organizacional O desenvolvimento Organizacional nasceu na década de 1960 devido as mudanças no mundo das organizações e em função das estruturas convencionais serem inadequadas a essas

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

Qualidade de Software Normatização

Qualidade de Software Normatização Qualidade de Software Normatização Norma ISO/IEC 12207 processo do ciclo de vida de software Norma criada em 1995 com o objetivo de fornecer uma estrutura comum para adquirente, fornecedor, desenvolvedor,

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégias

Desenvolvimento de Estratégias Desenvolvimento de Estratégias Aula 18 Plano de carreira Análise do ambiente Oportunidades Ameaças Objetivos Alvos concretos Estratégias Ações e prazos para atingir objetivos Follow-up Análise de potencial

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Marketing

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente.

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 008/ DGRH/SEA Orienta os procedimentos relativos a elaboração dos Planos de Capacitação no âmbito da Administração Direta, Autárquica e Fundacional mencionados no Decreto 3.917,

Leia mais

Gestão de pessoas e desempenho organizacional

Gestão de pessoas e desempenho organizacional Aula 12 Gestão de pessoas e desempenho organizacional Agenda 1 Seminário 2 Medindo a performance do RH 1 Seminário 5 Competing on talent analytics. Davenport, Harris & Shapiro. Harvard Business Review,

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica s Pagamento Pré-vendas Pós-vendas Modelo de gestão X Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e X X legais Planejamento

Leia mais

Workshop Engenharia de Vendas Paulo Emílio Vaz

Workshop Engenharia de Vendas Paulo Emílio Vaz Workshop Engenharia de Vendas Paulo Emílio Vaz 1 O Engenheiro de Vendas, perspectivas profissionais e de mercado e o modelo mais adequado para realizar suas vendas 2 Cenários Fusões Concorrência mais agressiva

Leia mais

Matriz Nine Box e Plano de Desenvolvimento Individual. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br rogeriolemeoficial

Matriz Nine Box e Plano de Desenvolvimento Individual. Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br rogeriolemeoficial Matriz Nine Box e Plano de Desenvolvimento Individual Rogerio Leme rogerio@lemeconsultoria.com.br rogeriolemeoficial Rogerio Leme Diretor de Estudos de Desenvolvimento Organizacional da ABRH-Nacional Diretor

Leia mais

LIDERANÇA. Conteúdo: O que é liderança Estilos de liderança Delegação Feedback

LIDERANÇA. Conteúdo: O que é liderança Estilos de liderança Delegação Feedback LIDERANÇA LIDERANÇA Objetivo: Sensibilizar os empresários das MPEs sobre a importância da liderança eficaz para a construção e motivação da equipe e consequente alcance de resultados. Conteúdo: O que

Leia mais

PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS

PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS PLANEJAMENTO SIMPLIFICADO DE PROJETOS Nestor Nogueira de Albuquerque, MsC. Gestão e Desenvolvimento Regional V Encontro de Pós-GraduaP Graduação UNITAU 2005 Necessidade de um processo de Gestão de Projetos

Leia mais

ABRAMAN NOV/2008. VIII Seminário Paranaense de Manutenção. da Avaliação de Desempenho à Gestão de Desempenho por Competências

ABRAMAN NOV/2008. VIII Seminário Paranaense de Manutenção. da Avaliação de Desempenho à Gestão de Desempenho por Competências ABRAMAN NOV/2008 VIII Seminário Paranaense de Manutenção Desenvolvendo Equipes de Manutenção: da Avaliação de Desempenho à Gestão de Desempenho por Competências Guilherme Luiz de Carvalho Klingelfus Gerente

Leia mais

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas Organograma - Gráfico da estrutura hierárquica de uma organização social complexa, que representa simultaneamente os diferentes elementos do grupo e

Leia mais

Consultor é apenas uma pessoa experiente, com boa. empreender.

Consultor é apenas uma pessoa experiente, com boa. empreender. Consultor é apenas uma pessoa experiente, com boa técnica, bom senso e ainda com vontade de ensinar e empreender. Quem é Novo Empreendedor: O Novo Empreendedor: 25% tem entre 45 e 64 anos; 8,8% tem mais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DIRCEU FERNANDES BATISTA SÃO JOÃO DA BOA VISTA

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE TI RESPONSÁVEIS PELO DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR WEB

TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE TI RESPONSÁVEIS PELO DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR WEB TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE TI RESPONSÁVEIS PELO DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR WEB 1. Levantamento de Necessidades: Objetivos gerais: Desenvolvimento de um treinamento voltado para a implementação

Leia mais

Seguindo a análise de pensamento Estratégico, o gerenciamento de projetos

Seguindo a análise de pensamento Estratégico, o gerenciamento de projetos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE PROJETOS Mauro Lúcio Batista Cazarotti Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro é: Seguindo a análise de pensamento Estratégico, o gerenciamento de projetos

Leia mais

O COACHING APLICADO AOS CENTROS DE SUPORTE

O COACHING APLICADO AOS CENTROS DE SUPORTE O COACHING APLICADO AOS CENTROS DE SUPORTE No futuro todos os líderes serão Coaches. Quem não desenvolver essa habilidade, automaticamente será descartado pelo mercado. Jack Welch Sobre Nós Consultora

Leia mais

Conforme afirma Gracioso (2001, p.31): existem três tipos de filosofias de planejamento dominantes: da satisfação, da otimização e da adaptação.

Conforme afirma Gracioso (2001, p.31): existem três tipos de filosofias de planejamento dominantes: da satisfação, da otimização e da adaptação. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO XIX - RESUMO De acordo com Oliveira (2002, p.35): planejamento pode ser conceituado como um processo, considerando os aspectos abordados, desenvolvido para o alcance

Leia mais

Modelo CMMI em Fábrica de Software

Modelo CMMI em Fábrica de Software Modelo CMMI em Fábrica de Software Carol Passos Gerente de Conhecimento - BRAXIS Março/2007 Assuntos Motivação Modelo CMMI Melhoria de Processo de Software Fábrica de Software Processo de Produção de Software

Leia mais

Gestão de Equipes ROTEIRO. Diversidade da força de trabalho. Logística. Profa. Ms. Edilene Garcia. Diversidade no ambiente de trabalho

Gestão de Equipes ROTEIRO. Diversidade da força de trabalho. Logística. Profa. Ms. Edilene Garcia. Diversidade no ambiente de trabalho Logística Gestão de Equipes Profa. Ms. Edilene Garcia ROTEIRO Diversidade no ambiente de trabalho Grupos, equipes e times Equipes de trabalho autogerenciadas Equipes de trabalho de alto desempenho Diversidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PELA METODOLOGIA DE PONTOS

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PELA METODOLOGIA DE PONTOS IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PELA METODOLOGIA DE PONTOS Apresentação da metodologia utilizada para elaboração do plano de cargos e salários da Empresa 1, considerando a metodologia de pontos

Leia mais

01/11/2013. Gestão de Pessoas

01/11/2013. Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas Tema 3: Planejamento Estratégico de Gestão de Pessoas Prof. Msc. Mônica Satolani O que estudar? Missão e Visão. Objetivos Organizacionais. Planejamento Estratégico Organizacional. Estratégia

Leia mais

Agenda. O que é Testar? Por que testar? Quando testar? Processo de teste Níveis de teste Tipos de teste Classificação dos testes.

Agenda. O que é Testar? Por que testar? Quando testar? Processo de teste Níveis de teste Tipos de teste Classificação dos testes. Agenda O que é Testar? Conceitos Por que testar? Quando testar? Custo do defeito Processo de teste Níveis de teste Tipos de teste Classificação dos testes Entendendo o que é TESTAR Testar é analisar um

Leia mais

Downsizing: Redução no número de funcionários da empresa.

Downsizing: Redução no número de funcionários da empresa. Absenteísmo: Falta constante ao trabalho, por parte do empregado, ou sua ausência devido a problemas de saúde. Avaliação 180 graus: É um modelo intermediário ao 360 graus. Com ele, não há avaliação dos

Leia mais

Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua.

Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua. Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua. Baseado em Corpo de Conhecimentos específicos mundialmente

Leia mais

Torne-se um Vendedor de Alta Performance!

Torne-se um Vendedor de Alta Performance! Torne-se um Vendedor de Alta Performance! O mais Atual e Efetivo Programa de Capacitação de Vendedores do Brasil! Desperte seu Potencial Infinito! Desenvolva uma Comunicação Poderosa e Realize Vendas de

Leia mais

A Análise SWOT (FOFA)

A Análise SWOT (FOFA) A Análise SWOT (FOFA) Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional SWOT e FOFA Strenght Weakness Forças Oportunidades

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas PIPELINE DE LIDERANÇA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Título do Slide Máximo de 2 linhas PIPELINE DE LIDERANÇA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Título do Slide PIPELINE DE LIDERANÇA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Aguinaldo Aragon Fernandes, Dsc, CGEIT, 16/09/2013 Título Agenda do Slide O que é o pipeline de liderança? Bases do programa de capacitação

Leia mais

!"!" #$!" % &!" & ' (% & &.!/ &0,1" 2, ' 34),5 6 )%! #$% $ &!", & 71" 2, $ '(!", &,

!! #$! % &! & ' (% & &.!/ &0,1 2, ' 34),5 6 )%! #$% $ &!, & 71 2, $ '(!, &, % &!" & ' (% & )* +,-!" &.!/ &0,1" 2, ' 34),5 6 )%! #$% $ &!", & 71" 2, ' 34),5 6 )%! $ '(!", &, 71" 2, #$!" 8 Introdução Evolução da Administração Evolução das empresas Consequência dessa evolução para

Leia mais

Sucesso é uma escolha.

Sucesso é uma escolha. Sucesso é uma escolha. Quem é Vanessa Agenda Lima? Dia 1 Especialista em Coaching Executivo e de Carreira. Psicóloga, formada pela PUC-Minas, pós-graduada em Gestão de Pessoas na Fundação Dom Cabral, cursou

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profª Carla Hammes

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profª Carla Hammes GESTÃO DO CONHECIMENTO Profª Carla Hammes O que foi visto na última aula Uma fábula do conhecimento Retenção do conhecimento Armazenamento e disseminação do conhecimento Compartilhamento do conhecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC. Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC. Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO CAÇADOR 2007 INTRODUÇÃO Se a principal preocupação da administração estratégica está na tentativa de projetar

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Classificação Nível de Criticidade para Equipamentos S Q W Itens para avaliação Segurança cliente interno cliente externo meio-ambiente Qualidade Condição de trabalho Status Equipamento A B D P M Perdas

Leia mais

BABok 2.0, O Guia de Referência de Análise de Negócio

BABok 2.0, O Guia de Referência de Análise de Negócio Primeiro Módulo: Parte 2 BABok 2.0, O Guia de Referência de Análise de Negócio AN V 3.0 [60] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com

Leia mais

Desafios Competitivos de RH na Modernidade

Desafios Competitivos de RH na Modernidade Desafios Competitivos de RH na Modernidade 1 Relação empregado versus empregador VELHO ACORDO Base do poder na empresa NOVO ACORDO Base do Poder no mercado Obediência e Dedicação X Segurança no Emprego

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM

IV Encontro Pedagógico do IFAM IV Encontro Pedagógico do IFAM Mesa temática III: Órgãos Reguladores e Processos de Auditoria na EPT Palestrante: Samara Santos dos Santos Responsável pela Auditoria Interna do IFAM Manaus, 01 de junho

Leia mais

Área de CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO

Área de CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO Palestra - NBR 15575 Desempenho das Edificações RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS REALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA APRESENTAÇÃO A Construtora Lage foi fundada em

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS. Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos

GESTÃO POR PROCESSOS. Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos GESTÃO POR PROCESSOS Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos GESTÃO POR PROCESSOS GRUPO GEPRO: Adauto - AUDINT Eneida - HC Gláucia - PRDU Jane - PRDU Maria Bernadete - HC Maria do Rosário

Leia mais

Mapa da Matriz de Competências Corporativas

Mapa da Matriz de Competências Corporativas Mapa da de Competências Corporativas Dados Principais de Competências Corporativas O que é É o conjunto de competências definido pela empresa alinhada à estratégia do negócio. Para que serve Para verificar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO)

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS. TURMA 2015/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROGRAMA: MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS POR COMPÊTENCIAS TURMA 15/1 (Segunda e Quarta - Unidade CENTRO) COORDENADOR: Prof. Carmen Rizzotto Disciplina CH EMENTA Data Professor

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 1 09/08 Formação Acadêmica Tecnóloga em Mecânica - FATEC-Sorocaba; Pós-graduada/MBA

Leia mais

8 SINAIS QUE ESTÁ NA HORA DE MUDAR A FORMA COMO VOCÊ GERENCIA SEUS PROCESSOS DE MENTORING

8 SINAIS QUE ESTÁ NA HORA DE MUDAR A FORMA COMO VOCÊ GERENCIA SEUS PROCESSOS DE MENTORING 8 SINAIS QUE ESTÁ NA HORA DE MUDAR A FORMA COMO VOCÊ GERENCIA SEUS PROCESSOS DE MENTORING CONTEÚDO DO E-BOOK Neste material, iremos mostrar 8 sinais que está na hora de você mudar a forma como você gerencia

Leia mais

Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed. Heloisa Covolan

Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed. Heloisa Covolan Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed Heloisa Covolan A mulher representa 52% da população brasileira. Quase 4 milhões a mais que os homens. 3 Metade das

Leia mais

Interpretações de Qualidade de Software. Interpretações de Qualidade de Software. Aspectos Importantes das Definições de Qualidade

Interpretações de Qualidade de Software. Interpretações de Qualidade de Software. Aspectos Importantes das Definições de Qualidade terpretações de de é um termo que pode ter diferentes interpretações e para se estudar a qualidade de software de maneira efetiva é necessário, inicialmente, obter um consenso em relação à definição de

Leia mais

Condomínio Industrial

Condomínio Industrial Condomínio Industrial A NOVA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Complexo Industrial de Gravataí Aspectos Relevantes Resultados Iniciais Complexo Industrial Automotivo de Gravataí Em 1996 a General Motors do Brasil

Leia mais

Escritório de Processos. Palestrante: Marcelo Breyer Amorim Gerente do Centro de Serviços Compartilhados

Escritório de Processos. Palestrante: Marcelo Breyer Amorim Gerente do Centro de Serviços Compartilhados Escritório de Processos Palestrante: Marcelo Breyer Amorim Gerente do Centro de Serviços Compartilhados Agenda 1 O que é o Sistema FIRJAN 2 Fatores para implantação 3 4 Histórico de Processos Missão e

Leia mais

Uso do Ambiente WebAPSEE na Implementação do Nível G do MPS.BR na Equilibrium Web

Uso do Ambiente WebAPSEE na Implementação do Nível G do MPS.BR na Equilibrium Web Uso do Ambiente WebAPSEE na Implementação do Nível G do MPS.BR na Equilibrium Web Ernani Sales, Luciana Nascimento, Sebastião Antônio Farias Júnior, Carla Lima Reis, Rodrigo Quites Reis 1 Agenda Introdução

Leia mais

Universidade Anhanguera-Uniderp Pró-Reitoria de Graduação. Curso: PSICOLOGIA PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Universidade Anhanguera-Uniderp Pró-Reitoria de Graduação. Curso: PSICOLOGIA PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Universidade Anhanguera-Uniderp Pró-Reitoria de Graduação Curso: PSICOLOGIA PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Disciplina ou Módulo: Estágio em Psicologia Organizacional I Série/Semestre: Período Letivo: 2011.

Leia mais

Disciplina: Comportamento Organizacional. Assunto: Clima Organizacional

Disciplina: Comportamento Organizacional. Assunto: Clima Organizacional Disciplina: Comportamento Organizacional Assunto: Clima Organizacional Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE e Ferramentas administrativas. Profª Gislaine Rossetti Madureira Ferreira

ANÁLISE DE AMBIENTE e Ferramentas administrativas. Profª Gislaine Rossetti Madureira Ferreira ANÁLISE DE AMBIENTE e Ferramentas administrativas Por que para analisar o ambiente? Identificar as necessidades e desejos dos clientes que contribuem para planejamento estratégico e futuras tomadas de

Leia mais

REUNIÃO DE ESTUDOS. Introdução a Administração

REUNIÃO DE ESTUDOS. Introdução a Administração Curso de Graduação Tecnológica em Processos Gerenciais REUNIÃO DE ESTUDOS Introdução a Administração Questão 1 O que é Administração? Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar

Leia mais

Gestão de Processos: Ciclo PDCA. Profa. Reane Franco Goulart

Gestão de Processos: Ciclo PDCA. Profa. Reane Franco Goulart Gestão de Processos: Ciclo PDCA Profa. Reane Franco Goulart O que é PDCA? É uma ferramenta da qualidade utilizada no controle do processo para a solução de problemas. É também chamado de Roda de Deming

Leia mais

Igreja de Cristo Ministério Apostólico Nova Terra. Reunião de Liderança Março/2010

Igreja de Cristo Ministério Apostólico Nova Terra. Reunião de Liderança Março/2010 Igreja de Cristo Ministério Apostólico Nova Terra Reunião de Liderança Março/2010 CRI ATI VI DADE NA I GREJA? Tive uma boa idéia! Não vai dar certo. Já tentamos isso antes. Não é o momento certo. Não dá

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

F:\CPG\PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG\Comunicação_PDG\Site\PDG_Doumento-Referência\Plano Diretor de Gestão_Fev-2008site.doc

F:\CPG\PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG\Comunicação_PDG\Site\PDG_Doumento-Referência\Plano Diretor de Gestão_Fev-2008site.doc PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG MAIO - 2007 F:\CPG\PLANO DIRETOR DE GESTÃO - PDG\Comunicação_PDG\Site\PDG_Doumento-Referência\Plano Diretor de Gestão_Fev-2008site.doc GOVERNADOR DO ESTADO Jaques Wagner SECRETÁRIO

Leia mais

A Função de Compliance na Banca Comercial

A Função de Compliance na Banca Comercial A Função de Compliance na Banca Comercial Objetivos Gerais: Este curso é dirigido a todos os profissionais que pretendam adquirir conhecimentos de Compliance na Banca Comercial Objetivos Específicos: No

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO ESPECIALIDADE: BIBLIOTECÀRIO Requisitos: Graduação em Biblioteconomia e Registro no Conselho de Classe 1. Planejar, programar, coordenar, controlar e dirigir sistemas biblioteconômicos e ou de informação

Leia mais

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Introdução ao BPM e ao Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira 1. Conceitos básicos 1.1. Processos É um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas ou máquinas, as quais podem

Leia mais

JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS

JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS JOGOS EM PROCESSOS DE TREINAMENTOS AULA 12 1 Professora Ms Karen Reis 2012 JOGOS DIGITAIS Simuladores de Empresas HISTÓRICO DE DADOS Front End (Input) Resultado Fontes Primárias Catálogos Transacionais

Leia mais

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM UniãoMetropolitana deeducaçãoecultura Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação do projeto interdisciplinar

Leia mais

PLANEJAMENTO & GESTÃO. Pensando estrategicamente...

PLANEJAMENTO & GESTÃO. Pensando estrategicamente... PLANEJAMENTO & GESTÃO Pensando estrategicamente... Situações capazes de provocar mudanças crises e incertezas; novas oportunidades; novas diretrizes internas ou externas. Pensar e Agir Estrategicamente

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Para garantir uma prestação de serviços de qualidade nas APAEs é fundamental que haja um Gerenciamento de Recursos Humanos com objetivos claros.

Para garantir uma prestação de serviços de qualidade nas APAEs é fundamental que haja um Gerenciamento de Recursos Humanos com objetivos claros. Para garantir uma prestação de serviços de qualidade nas APAEs é fundamental que haja um Gerenciamento de Recursos Humanos com objetivos claros. AS PESSOAS DETERMINAM A CAPACIDADE DE DESEMPENHO DE UMA

Leia mais

ATENDIMENTO. Item 2.4- Concorrência:

ATENDIMENTO. Item 2.4- Concorrência: ATENDIMENTO Item 2.4- Concorrência: ATENDIMENTO Item 2.4- Concorrência: Mercado composto por players (diversos atores que compõem as relações comerciais e disputam a atenção e a conquista dos consumidores);

Leia mais

Fotos: istockphoto e acervo Perfipar

Fotos: istockphoto e acervo Perfipar Fotos: istockphoto e acervo Perfipar Caro Funcionário, A Política de Recursos Humanos da Perfipar tem como objetivo definir as estratégias relacionadas às ações com seus profissionais. Estas estão sempre

Leia mais

Rumo ao CMMI-SW Nível 2 para micro, pequenas e médias empresas (projeto 2.48)

Rumo ao CMMI-SW Nível 2 para micro, pequenas e médias empresas (projeto 2.48) Rumo ao CMMI-SW Nível 2 para micro, pequenas e médias empresas (projeto 2.48) Marcello Thiry Christiane Gresse von Wangenheim Alessandra Zoucas Kênia K. Pickler LQPS/UNIVALI Clênio F. Salviano CenPRA Área

Leia mais

QUESTIONÁRIO (Informações para serem anexadas ao Relatório) Escola:

QUESTIONÁRIO (Informações para serem anexadas ao Relatório) Escola: QUESTIONÁRIO (Informações para serem anexadas ao Relatório) Escola: Por favor, preencha as solicitações abaixo: 1. Número de professores que trabalham no local R:... 2. Número de total de servidores na

Leia mais

RELAÇÕES INTERPESSOAIS INDICADORES PARA UM TRABALHO DE QUALIDADE NA ESCOLA

RELAÇÕES INTERPESSOAIS INDICADORES PARA UM TRABALHO DE QUALIDADE NA ESCOLA RELAÇÕES INTERPESSOAIS INDICADORES PARA UM TRABALHO DE QUALIDADE NA ESCOLA NINGUÉM PODERÁ FAZER-LHE SENTIR DE UMA CERTA MANEIRA, A MENOS QUE VOCÊ PERMITA. DIAGNÓSTICOS E PESQUISAS: Mapear a realidade através

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PRESSUPOSTOS FUNDAMENTAIS SEGMENTO CONSTITUÍDO POR MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ENFRENTAM PROBLEMAS DE ORDEM OPERACIONAL E ADMINISTRATIVA NECESSITAM OBTER MELHORIA NA PRESTAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial A University of Southern California Divisão de Ciência Ocupacional e Terapia Ocupacional, juntamente com a Western Psychological Services

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho EE Esterina Placo (Extensão) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: II Legislação ambiental Primeira Fase: Oficinas Oficina 01 Sobre a Política e sobre o Planejamento: Conceitos da Gestão Ambiental Legislação ambiental Política Ambiental definição e desdobramentos

Leia mais

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2014. ETE Monsenhor Antonio Magliano. Área Profissional: Indústria

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2014. ETE Monsenhor Antonio Magliano. Área Profissional: Indústria Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETE Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Mecânica

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Conceito de Ba. Conceito de Ba 26/3/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Gestão do Conhecimento. Conceito de Ba. Conceito de Ba 26/3/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Gestão do Conhecimento Prof. Luiz A. Nascimento No processo de Gestão de Conhecimento em uma empresa deve haver um espaço para criação e compartilhamento de conhecimento entre os colaboradores. Ba é um

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO Nº 38.16 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 38.16 sob contratação em regime CLT

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA CURSOS SETORIAIS PARA GESTORES PÚBLICOS P MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA Profa. Nirleide Saraiva Coelho PPA 2010/2013 O Plano Plurianual de um Município é o instrumento de planejamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre o Plano Anual de Auditoria Interna (PAINT), os trabalhos de auditoria realizados pelas unidades de auditoria interna e o Relatório Anual

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano EXT. E. E. PROFESSOR PEDRO SUMMERHAUZER EM QUINTANA Código: Município: Quintana Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Avaliação da Satisfação do Cliente de Informática

Avaliação da Satisfação do Cliente de Informática Avaliação da Satisfação do Cliente de Informática JULIANO MAIA ARINS Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de Apresentação Introdução Objetivos Qualidade de Software Qualidade Princípios da Qualidade

Leia mais

Edgard Pedreira de Cerqueira Neto, PhD, PMP

Edgard Pedreira de Cerqueira Neto, PhD, PMP Bem-vindo ao nosso trabalho inteiramente gratuito de coaching! O tema desta sessão é: O Método 5A de coaching desenvolvido por Edgard Pedreira de Cerqueira Neto Edgard Pedreira de Cerqueira Neto, PhD,

Leia mais

CRM: Mais que Tecnologia

CRM: Mais que Tecnologia Por Suelem Pinto* Administradora, Mestre em Gestão de Marketing pelo Instituto Português de Administração de Marketing de Lisboa, Especialista em Psicopedagogia pela FIP Faculdades Integradas de Patos.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Ferramenta 8: Fluxograma

Ferramenta 8: Fluxograma ferramentas apresentadas 1. Brainstorming 2. Estratificação 3. Folha de Verificação 4. Diagrama de Pareto 5. Gráfico sequencial / carta de tendência 6. Diagrama de causa e feito 7. Diagrama de Dispersão

Leia mais

A sociologia e o espaço urbano. Por: Eugénio Brás

A sociologia e o espaço urbano. Por: Eugénio Brás A sociologia e o espaço urbano Por: Eugénio Brás Planeamento Participativo (PP) Cultura Urbana Etnografia aplicada Os custos potenciais Tempo Recursos Ideologia Política O PP precisa de uma metodologia:

Leia mais

RH O desafio de crescer em um ambiente altamente competitivo

RH O desafio de crescer em um ambiente altamente competitivo RH O desafio de crescer em um ambiente altamente competitivo 1 Desenvolvimento de Líderes capazes de garantir o crescimento do Negócio em um mercado extremamente aquecido Alberto Pezeiro Sócio Fundador

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Assistente Administrativo

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Assistente Administrativo .. Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

ORGANIZAÇÕES ORGÂNICAS

ORGANIZAÇÕES ORGÂNICAS ORGANIZAÇÕES ORGÂNICAS Autor: Durward Hofler, revisado por Scott B.Droege - 2005 Tradução: André Luís Martins O termo orgânico sugere que, como coisas vivas, organizações mudam suas estruturas, funções

Leia mais