O DISCURSO DO APRENDER E DA CONSTRUÇÃO DO SUJEITO CIENTIFICO NA VOZ DOS ALUNOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DISCURSO DO APRENDER E DA CONSTRUÇÃO DO SUJEITO CIENTIFICO NA VOZ DOS ALUNOS"

Transcrição

1 O DISCURSO DO APRENDER E DA CONSTRUÇÃO DO SUJEITO CIENTIFICO NA VOZ DOS ALUNOS Mauro Alves da Costa Mestre em Educação pela FURB Professor da FEBE/FSL Mesa Redonda n 46 - Eixo Temático 2: Didática, currículo e processos de escolarização Palavras-chave: Sujeito, Aprender, Escola, Universidade, Discurso, Sala de Aula Introdução Este artigo resulta de duas pesquisas. Uma realizada no ano 2000 que focalizou a construção do sujeito no Ensino Superior. E outra que ocorreu no ano de 2002 e tratou do Aprender na Escola. A intenção em misturar os dois trabalhos não é ocasional ou aleatória. Ela é fruto de um estudo contínuo a respeito do sujeito e de sua construção no espaço educativo, de maneira especial na sala de aula. Que as salas de aula da Universidade e do Ensino Médio constroem sujeitos é uma constatação, pois elas pertencem a um aparelho ideológico (ALTHUSSER, 1985) que também exerce este papel na sociedade. Mas, a reflexão que faço é a respeito dos discursos que podem estar monitorando os dizeres de sujeitos nestes dois níveis de ensino. Nas duas pesquisas os problemas são abordados a partir do paradigma qualitativo, pois não ocorre uma preocupação em medir ou quantificar os dados coletados com a finalidade de amostra representativa, mas sim em interpretá-los, significá-los e fazer reflexões para ações estratégicas. No ensino médio a coleta dos dados ocorreu através de aplicação de questionário à trinta e nove alunos/alunas, seus (suas) pais/mães e professores/professoras, contendo duas perguntas estratégicas, a saber: a) o que é aprender e b) para que aprendo? No ensino superior, os dados são constituídos de textos de quarenta e três textos dos alunos produzidos, a partir de pergunta como me vejo cientista? construída pelo professor e aplicada em dois momentos do primeiro semestre do ano Após este trabalho o procedimento metodológico ocorreu em três momentos: recorte dos textos, agrupamento de enunciados e construções de predicações que podem ser filiadas a discursos do aprender. Com as predicações construídas inicia-se, posteriormente, a análise dos discursos identificados.

2 2 Os discursos identificados e analisados podem conduzir a uma reflexão a respeito de práticas discursivas identificadas tanto na escola como na universidade que teimam em sobreviver numa sociedade de sujeitos que desejam mudanças. Na escola, a pesquisa sobre o discurso do aprender na escola pode desvelar essas práticas na medida em que filia os dizeres a discursos construídos a partir de leis da educação das décadas de 60 e 70. Por que após 30 anos de educação, com ou sem o Regime Militar, tais discursos ainda insistem? Na universidade, o foco do meu olhar está no processo de construção do sujeito neste espaço e observo este fenômeno a partir fundamentalmente de duas perguntas: até que ponto a universidade tem investido nisto? Como ocorre a construção do sujeito na sala de aula? As respostas para as duas perguntas podem gerar pesquisas muito amplas e profundas. Aqui, contudo, discuto a segunda e apresento alguns elementos-chave identificados nessa pesquisa. Neste estudo destaco o papel da linguagem, do discurso e da pesquisa no processo de construção do sujeito. Assume-se como pressuposto que o entendimento e a concepção de Linguagem e de Pesquisa são relevantes na sala de aula e isto, por si só, credencia as duas nesta discussão. Pois sem tratar da Linguagem, qual o porto (GERALDI, 1997) de passagem do sujeito? E sem esclarecimentos a respeito de Pesquisa, por que falar de sujeito cientista? Por fim, faz-se considerações a respeito de outros problemas de pesquisa emergidos durante o trabalho, dos quais são selecionadas algumas perguntas para pesquisas posteriores. Tal comportamento tem em vista a limitação dos resultantes da pesquisa, lembrando que nenhuma resposta é definitiva quando se trata de pesquisa científica. Pelo contrário, sempre é possível discutir e apresentar novos olhares a respeito de um fenômeno pesquisado. Educação como um processo de construção O ser humano constrói sociedades, cultura, história e a si mesmo com a capacidade de dialogar, pensar, escrever textos e, com tudo isso, perpetuar-se. Estas construções encontram na educação o processo estratégico, dinâmico e complexo, no qual os sujeitos dialogam, pensam e escrevem, enfim, edificam significados. Olhando desta maneira indica-se uma diferença essencial entre o ser humano e os demais seres vivos, enquanto aqueles significam o mundo estes últimos, não. Nesta perspectiva, levase a crer que a educação é um campo exclusivamente humano.

3 3 A educação, enquanto processo, pode ocorrer em muitos lugares, como na família, na igreja, na escola, na universidade e nas interações sociais. Todos estes espaços podem ser entendidos como aparelhos na construção de sujeitos (ALTHUSSER, 1970). O destaque recai na educação mediana e superior, de modo particular na sala de aula universitária, pois ali tem sido o chão onde desenvolvo mais pesquisas; é o espaço em que se discute o (s) discurso (s), a construção do sujeito e o conhecimento. Mas tanto na universidade como nos outros lugares (família, igreja) onde ocorre a educação é possível falar em construção de sujeitos, pois também nestes lugares podemos encontrar a prática dialógica (BAKHTIN, 1973). Diante das transformações do contexto a educação também vai mudando. As mudanças educacionais se mostram muitas vezes com um olhar para o futuro, ou seja, diante do cenário, por exemplo, do final do século XX e início do século XXI, projetase uma perspectiva de educação no futuro. Aponta-se aqueles elementos ou saberes (MORIN, 2000) significativos para a educação num futuro próximo a partir das pistas que o contexto vai deixando para nós. Dentre o que se espera de uma educação no futuro, um destaque que comungo é o de construir competências para saber administrar as incertezas. Quem pode dizer com certeza o que vai acontecer amanhã? O que será da escola e da universidade em 20 anos? O que fará a humanidade diante da possível clonagem de seres humanos? As perguntas são muitas, mas parece difícil construir opiniões aceitáveis para a maioria destas indagações. Assim, o futuro contexto demanda algumas mudanças da educação. Na sala de aula, de maneira particular na universidade, a educação poderia favorecer a inovação (BOHN, 2001), entendida como a liberdade de autoconstrução do sujeito, seja o professor como o aluno. Dentre as condições para incentivar a inovação na sala de aula, pode-se citar a linguagem dialógica entre o professor e aluno, entre os aluno e seus pares, entre professor/alunos e os textos referenciais levados para a sala ora pelo professor, ora pelo aluno. Mas, o que se exige do professor e do aluno para que ocorra a inovação na sala de aula? Pelo menos quatro coisas (BOHN, 2001): a) abandono da certeza e do discurso autoritário e busca do consenso; b) prazer do diálogo da diferença; c) atitude de contínua aprendência; e d) aventurar ao desconhecido e prontidão para novas percepções. Nem sempre tudo isto ocorre, mas também não creio que nada disso deixe de ocorrer. A sala de aula, na verdade, é um chão pedagógico complexo, dinâmico, conflituoso, onde um pouco de tudo isso pode ocorrer. Entretanto, seria saudável que o

4 4 professor criasse condições para que a inovação encontre ambiente e, dessa forma, possibilite a construção de sujeitos. Inovar significa construir um saber novo, não concluído, em movimento, humano e ético. É o saber do sujeito em construção, primeiro em sua inserção histórica, arqueológica; segundo, é o saber discursivo, atual, que busca no dialogismo lingüístico a força inspiradora da mudança, da reestruturação, mas é também o saber da aprendência contínua que encontra na teleologia da futuridade a humildade de quem está a fazer o caminho e que encontra na transgressão, na ruptura de conceitos construídos a motivação inspiradora de sua ação pedagógica (BOHN, 2000). A sala de aula torna-se um grande desafio para uma educação que se pretende construtora do sujeito pesquisador. Aos elementos significativos indicados acima, acrescenta-se a produção textual e o diálogo entre professor/aluno mediado por textos escritos. O professor que não produz seus textos, conta história (BOHN, 2001), contribui para o plágio do aluno e raramente constrói conhecimento com competência. Por outro lado, o texto escrito do professor para a sala de aula incentiva à construção de conhecimento, pois para escrever ele pode necessitar ler mais, pesquisar mais, refletir mais, enfim, desinstalá-lo. Linguagem, texto e discurso O ser humano interage com o outro no contexto (GERALDI, 1997) e, nessa interação, desenvolve a linguagem (BAKHTIN, 1973). É na sociedade e no encontro com o outro (BUBER, 1992) que o sujeito fala de si e do mundo, de maneira que o estudo da linguagem ocorre na sociedade, pois também é nela que a linguagem se manifesta e se constitui (BRANDÃO, 1997). Assim, a natureza dialógica da linguagem é evidenciada, pois quando falamos o fazemos com o outro. Essa natureza pode nos conduzir a outros temas, como o texto e a formação discursiva - que vai se edificando no processo dialógico. O sujeito nasce, cresce e fala no tempo e no espaço, ou seja, vive e convive num contexto. De maneira que a palavra do sujeito é dita numa sociedade historicamente situada. Nessa sociedade, encontram-se dispersas em grupos de sujeitos,

5 5 idéias a respeito da vida, da organização social, da cultura, dentre outras. Pressupondo tais idéias, a abordagem acena para a compreensão de ideologia no campo da linguagem, em especial na área da análise de Discurso. O texto mostra o sujeito e suas posições assumidas na sociedade através da identificação dos discursos dispersos. Neste trabalho, por exemplo, os textos flagraram posições a respeito da ciência, do aprender, do conhecimento, muitas das quais são citadas nos Resultados. O texto é atravessado por várias posições do sujeito. No texto, essas posições do sujeito conduzem ao discurso, que não é gerado nele, mas existe fora dele (FOUCAULT, 1969). A construção do discurso ocorre no processo interativo, no diálogo entre sujeitos, na família, na escola, na igreja (ALTHUSSER, 1974). Dessa forma, pode-se entender o discurso como um conjunto de signos (enunciados) construído no processo arqueológico de cada um de nós (FOUCAULT, 1969) e, o texto, por sua vez, é o produto de discursos. Todo ser humano é afetado pelos textos/discursos que preexistem ao seu nascimento e que, de alguma maneira, ao longo de sua vida, vão inscrevendo-o em uma formação discursiva. Por isso, quando o sujeito fala, denuncia esta formação. Quando falo de vida, por exemplo, meu texto/discurso se torna resultante de outros textos/discursos aos quais fiquei exposto, como em minha família, na escola, no trabalho, na Igreja e tantos outros. Nesta perspectiva, o sentido da palavra não existe a priori, fora do mundo, entendido como algo que já pré-existe ao sujeito, antes de ocorrer o diálogo com o outro. Por isso, a palavra quando dita assume sentido pelo fato de estar relacionada com uma determinada formação discursiva. Assim, o que sujeitos dizem na escola e na universidade podem estar sendo monitorado por suas formações discursivas. Pesquisa como prática pedagógica É possível encontrar professores que reduzem a sua prática pedagógica à apenas uma dimensão: ministrar aulas. Ele entra e sai da sala de aula, deixando ali alguns parcos conteúdos de ensino, muitas vezes repassados ou transmitidos aos alunos. Esta situação é facilmente identificada no ensino médio como no ensino superior, porém ela não é fruto do acaso; ela está relacionada a uma perspectiva educacional que entende a escola/universidade como repassadora ou reprodutora de conhecimento e não como um lugar onde se possa construir o conhecimento. Nesse sentido, o professor é um

6 6 instrutor, repetidor, copiador (DEMO, 1997), encontra-se confinado num espaço para repassar conteúdos para as provas (BECKER, 1997) e, com esta prática, mantém o marasmo em sala de aula. Reduziu sua prática pedagógica a ministrar aulas. A educação que acredito busca a inovação e esta conduz a uma mudança na prática pedagógica. É uma mudança que se traduz no esforço de impedir a dicotomia entre pesquisar e ensinar, binômio (KNECHTEL, 1998) dinamizador da prática pedagógica, pois, neste esforço, o professor se mantém desperto para continuamente compreender o processo de aprendência (ASSMANN, 1999) e a construção do conhecimento. O trabalho do professor ultrapassa o livro didático (GRIGOLETTO, 2000), inova (BOHN, 2000) transformando a aula em um momento secundário, circunstancial, complementar (DEMO, 1997), perdendo, assim, a centralidade na educação. Análise de discurso nos textos de alunos A desnaturalização do dizer do aluno nos textos, ou seja, o que poderia ser defendido por ele como sua fala primeira e única vai, aos poucos, descobrindo-se que esta fala é filiada a discursos estabelecidos. Para desenvolver isto foram utilizados fundamentalmente três momentos: o recorte de formulações consideradas significativas nos textos dos alunos, o agrupamento dessas formulações e as predicações construídas a partir do agrupamento. Abaixo segue os quadro das predicações resultante da desnaturalização e, agora, utilizado para identificar discursos. Aos alunos universitários foi aplicada a pergunta como me vejo cientista em dois momentos. Uma no início e outra no final do primeiro semestre. Abaixo segue no Quadro 1 as predicações construídas que servem de análise. Quadro 1: Confronto das predições Texto I e Texto II: Como me vejo cientista Texto I (texto inicial) Predicações Texto II (texto final)

7 7 - Cientista é o sujeito que soluciona problemas. - Cientista é o sujeito que descobre coisas novas. - Cientista é o sujeito que cria coisas. - Cientista é o sujeito que se aperfeiçoa sempre. - Não se vê cientista. - Cientista é o sujeito que pesquisa para entender, explicar e aprofundar o conhecimento das coisas. - Cientista é o sujeito que busca conhecimentos (como informações) para aprimorar-se pessoal, intelectual e profissionalmente -, solucionar algum problema e ser útil à sociedade. - Cientista é o um sujeito (ser) construído. - Cientista é o sujeito questionador, que supera o senso comum nas suas explicações das coisas. - Cientista é um ser humano como qualquer outro, mas difere de muitos na visão do mundo. - Se vê cientista. Elaboração: COSTA, 2002 Aos alunos do ensino médio foram aplicadas duas perguntas: O que é aprender? e Para que aprendo? As predicações resultantes dos textos construídos a partir destas perguntas são apresentadas no Quadro 2. Quadro 2: Aprender Aprender É Aprende Para Descobrir coisas novas. Para ter um futuro. É adquirir conhecimento. Para ter um emprego. É ficar por dentro dos assuntos (obter Para ser alguém na vida. informações). Elaboração: COSTA, Após fazer os recortes, agrupamentos e neste artigo citar as predicações, torna-se relevante focalizar mais a atenção nos discursos identificados nas predicações construídas. As predicações resultaram das formulações dos alunos antes de serem expostos à intertextualidade e agora analisadas, têm como objetivo identificar a que interdiscurso elas estão filiadas. Para tanto, aponto a que interdiscurso elas se filiam e, ao mesmo tempo, cito algumas formulações dos alunos a título de exemplo. Em seguida, desenvolvo uma análise dos interdiscursos apontados, alicerçando a discussão

8 8 em algumas coisas ditas na Revisão da Literatura, como também em PÊCHEUX e FOUCAULT. Contudo, vou selecionar uma predicação de cada pesquisa para efeito de análise. O trabalho completo está para ser publicado no ano de a) predicação de aluno do ensino superior Cientista é o sujeito que descobre coisas novas. Como exemplo cito algumas formulações dos alunos: De muitas maneiras, procuro aprender ou descobrir coisas novas (texto I, aluno 24). Eu iria descobri muitas novidades (texto I, aluno 32). Me sinto um cientista porque descobri muitas coisas até hoje (texto I, aluno 22). O enunciado que fundamenta esta predicação se integra ao interdiscurso que vê o cientista como o sujeito responsável pelas novidades. De certa forma este enunciado se cruza com o interdiscurso anterior no qual o cientista é visto como solucionador de problemas, pois de alguma forma a solução pode se encarada como uma coisa nova, descoberta por alguém. O diferencial é que este papel cabe ao cientista. É ele o descobridor. Ele sabe como desvelar o que está com véu, clarear o que está escuro, descobrir o que está encoberto. Ele tem a medida exata. Esse interdiscurso atribui status exclusivo ao cientista e, cristalizando-o nesta posição, exclui os demais sujeitos. Assim, o cientista tem o estatuto e a patente das novas descobertas, distanciase dos demais sujeitos num processo de auto-exclusão. Seu dizer é escutado como algo religioso, revelador, esperançoso. b) predicação de aluno do ensino médio Descobrir coisas novas. Aluna 1: aprender para mim é ler, é saber, é ficar por dentro e assuntos do mundo, o que está se passando lá fora... Aluna 2: para mim, aprender é adquirir conhecimento, descobrir coisas novas...

9 9 Aluno 3: aprender para mim é saber compreender a matéria, estudar, fazer trabalhos, provas, debater a matéria... Aluno 4: é tudo. Aluna 5: é adquirir conhecimento para sua própria vida. Para um futuro mais amplo... Esta predicação conduz ao que foi dito quando se analisou os dizeres de alunos universitários à respeito do sujeito científico, ou seja, que ele é um descobridor. No dizer de alunos do ensino médio identifica-se um discurso parente, pois para esses o aprender é está relacionado a coisas novas. O diferencial é quase imperceptível. Pois tanto para o sujeito universitário como para o sujeito do ensino médio, descobrir coisas novas, é relacionado ao aprender e à ciência. c) predicação de aluno do ensino superior Cientista é o sujeito que pesquisa para entender, explicar e aprofundar o conhecimento das coisas. O enunciado que fundamenta esta predicação conduz ao interdiscurso que entende o cientista como aquele sujeito que busca o conhecimento das coisas por meio da pesquisa. Esse enunciado é expresso em diversas formulações, dentre as quais cito algumas abaixo: (...) pois como um cientista tenho sempre que questionar, buscar explicações para qualquer coisa...(texto II, aluna 1). Hoje eu me vejo um pequeno cientista, sou mais detalhista e muito compreensivo naquilo que eu vou pesquisar para construir explicações... (texto II, aluna 11). (...) eu como cientista procuro também através de pesquisas meus conhecimentos ao qual desejo entender melhor (texto II, aluna 15). Procuro pesquisar e me inteirar do assunto proposto... (texto II, aluno 23).

10 10 Então me vejo cientista a partir do momento em que tiver a capacidade de realizar pesquisas utilizando uma análise crítica, ou seja, provando através de questionamentos o desenvolvimento do meu trabalho científico (texto II, aluna 30). Este enunciado remete a um interdiscurso que desinstala o discurso científico, pois entende que o cientista é um sujeito que pesquisa. Nesta perspectiva, o conhecimento científico não é dado, mas construído na e pela pesquisa (DEMO,1997, p.33). A pesquisa desenvolvida pelo cientista neste interdiscurso é aquela envolvida em problemas teóricos, também chamada de ciênciaprocesso (FREIRE-MAIA, 1988, p. 18), pois é entendida como uma atividade que visa à formulação de descrições, interpretações, leis, teorias e modelos a respeito de uma parcela de fenômenos estudados. Nesse sentido, o cientista é um sujeito que faz da pesquisa uma atividade permanente, ou seja, ele faz desta prática uma contínua busca do fazer-saber. Além disso, gostaria de salientar uma Anotação de Sala de Aula na qual observei alunas com textos a respeitos de pobreza coletados via internet. Tais textos foram disponibilizados aos demais colegas como contribuição na discussão do assunto. A predicação selecionada do texto II de sujeitos universitários é pode ser entendida como resultante de momentos de exposição desses alunos a textos de autores que abordam a ciência, como Rubens Alves e Newton Freire-Maia, bem como textos do professor tratando das diferenças entre Conhecimento Científico e Senso Comum. Isto pode ter provocado alguma mudança na percepção desses sujeitos a respeito de sua construção como sujeitos científicos. O que não ocorreu nos sujeitos de ensino médio. A estes foram apenas aplicadas as duas perguntas já citadas. Contudo, os discursos que foram identificados nos textos encontram espaços nos dois níveis de ensino o que, por si só, merece mais estudos.

11 11 Considerações finais Creio que a concepção de ciência, de cientista, de aprender merece um estudo mais crítico. Os discursos que privatizam estas palavras podem limitar o sujeito que se constrói nos espaços educativos. Por isso, a seguir apresento alguns elementos que considero significativos na compreensão desse sujeito. O que é ser cientista? Gostaria de responder esta pergunta apontando elementos para compreender o sujeito científico e não para pôr molduras nele. A primeira concepção percebe o sujeito científico assumindo uma postura diante do saber que pode ser resumida de duas formas: postura de construtor e postura da razão aberta. O cientista pode ser identificado como um sujeito que continuamente está construindo conhecimento. Diante do mundo, ele faz perguntas, encontra respostas, discute com os outros e, nessa dinâmica, constrói-se e constrói conhecimento. Além disso, entende que nessa dinâmica ele é um sujeito com os outros. E, por isso, mantémse aberto ao diálogo. A prática do diálogo pode conduzir à descobertas, a novas construções de conhecimentos, enfim, a novos discursos. Em segundo lugar, destaco o uso da intertextualidade pelo sujeito científico. O cientista, como entendo, não tem resistência em levar para a Sala de Aula textos que abordem os fenômenos sob diversas perspectivas. O sujeito exposto à intertextualidade pode rever posturas, dizeres e, talvez, construir-se em novas formações discursivas. E, nesse movimento, ele se revela jamais pronto. Em terceiro lugar, o cientista é o sujeito que produz textos que revelam sua preocupação em compreender o mundo e talvez propor soluções para os problemas do mesmo. Cientista sem textos é contador de história plagiadas (BOHN, 2001). Em quarto lugar, pode-se dizer que o cientista não é arrogante. Todos sabem alguma coisa, e ele também. Ninguém sabe nada ou tudo. Nesse sentido, o cientista é aquele que tem sede do saber, mas não o domínio deste. Ele acrescenta um ponto ou mais no saber científico. Não é guru, não assume o papel de guru e nem aceita ser guiado por eles, porque se constrói pelo diálogo.

12 12 E em quinto lugar, destaco que o cientista é um ser humano, um cidadão, um sujeito historicamente situado. Ele se inclui nos problemas histórico-sociais de sua gente, da humanidade, do planeta. Tem vida social, trabalha, pode constituir família, enfim, o cientista é um cidadão. Outras coisas ainda se podem dizer do sujeito científico, mas, como já foi dito, elas se integrariam as que foram citadas. Isto revela que jamais se poderia dizer que alguém encontrou um sujeito científico pronto. Por outro lado, urge dizer que o sujeito científico se constrói no dinamismo da busca e construção do conhecimento. Quanto ao aluno que se tornou sujeito desta pesquisa pode se dizer que encontra em processo de construção de si próprio como cientista. A intertextualidade que se pôs em sala de aula gera confrontos, filiações, dúvidas para ele. Afinal, ele não ingressa neste espaço puro mas se encontra filiado a discursos que se relacionam com outros discursos que transitam na sala de aula, os quais para ele podem ser novos. E, a partir desse desvelamento, percebe-se um movimento de mudança de discurso ou mesmo cristalização de outros, o que já foi dito na análise dos textos dos alunos. A trilha que o aluno vai tomar de ora em diante para a construção de si como sujeito científico vai depender dos tipos de textos aos quais estará exposto na sala de aula ou fora dela. Entretanto, é nesta última, em especial da sala de aula da universidade, que ele poderia talvez encontrar boas condições para se construir como tal. Estas pesquisas abrem um leque para outros estudos. Por isto, pretendo dar continuidade ao trabalho, mesmo porque ainda existem algumas limitações que foram identificadas por mim no processo e outras perguntas que fiz, e que ainda estão sem respostas. Quanto às perguntas saliento as seguintes: como se conflita a subjetividade frente aos textos levados para a sala de aula? Até que ponto o aluno foi pressionado à se construir para uma coisa que ele não deseja para si? Os alunos poderiam responder as perguntas feitas para eles em outros lugares e não na sala de aula? Os alunos, nos textos, plagiaram o discurso do professor, dos autores? Como analisar isto? Referencias bibliográficas ALVES, R. Filosofia da Ciência introdução ao jogo e suas regras. 21. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995, p O que é Científico. 2.ed. São Paulo: Loyola, ASSMANN, H. Reencantar a Educação rumo à sociedade aprendente. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

13 13 BACHELARD, G. A Formação do Espírito Científico. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. trad. Maria E. Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997, p Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud, Yara F. Vieira. 9.ed. São Paulo: Hucitec, 1999, p.31-39; p BECKER, L S. O Professor e as Funções de Ensino e Pesquisa na Universidade. Blumenau: edifurb - Fio do Mestrado, BOHN, H I. Cultura de Sala de Aula e Discurso Pedagógico. Blumenau: FURB, BRAIT, B. (org.) Bakhtin, Dialogismo Construção do Sentido. Campinas: Editora da UNICAMO, 1997, p BRANDÃO, H. Introdução à Análise do Discurso. Campinas: Ed. da UNICAMP, 1998, p CAMPOS, D. M. S. 15. ed. Psicologia da Aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1971, p CAPRA, F. A Teia da Vida uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. 9.ed. Trad. Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, Sabedoria Incomum. 10.ed.Trad. Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Cultrix, 95. CERVO, A. L. ; BERVIAN, P. A Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: MAKRON Books, COLL, C. et al. O Construtivismo em Sala de Aula. 5. ed. São Paulo: Ática, CORACINI, Maria José R. Faria. (org.) O Jogo Discursivo na Aula de Leitura língua materna e língua estrangeira. Campinas: Pontes, DEMO, P Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. 3.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Educar pela Pesquisa. São Paulo: Autores Associados, DUARTE JR, J. F. Fundamentos Estéticos da Educação. 5. ed. São Paulo: Papirus, 1998, p FAZENDA, I. (org.). Metodologia da Pesquisa Educacional. 5.ed. São Paulo: Cortez, Novos Enfoques da Pesquisa Educacional. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1999, p FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. 6.ed. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, Arqueologia do Saber. 6.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, FOUCAULT, M. O que é um Autor? 3.ed. São Paulo: Passagens, FREIRE- MAIA, N. 5.ed. A Ciência por Dentro. Petrópolis, FULLAT, O. Filosofias da Educação. Petrópolis: Vozes, 1994, p GALLO, S. L. Discurso da Escrita e Ensino. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992, p GERALDI, J.W. Portos de Passagem. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997 GRIGOLETO, M. Leitura e Funcionamento Discursivo do Livro Didático. IN: Interpretação, autoria e legitimidade do livro didático. Campinas: Pontes, 1999, p

14 O Discurso do Livro Didático de Língua Inglesa: representações e construção de identidades. Blumenau: FURB, HABERMAS, J. O Discurso Filosófico da Modernidade. Trad. Ana M. Bernardo et al. Lisboa: Dom Quixote, 1990, p HUISMANN, D. Dicionário de Obras Filosóficas. São Paulo: Martins Fontes, KNETCHEL, M.R. A Presença e o Valor da Metodologia do Ensino no Contexto do Curso de Mestrado e na Formação do Mestre em Educação. Blumenau: FURB, KUHN, T. Estruturas das Revoluções Científicas. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, LAKATOS, E. M; MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico. 4. ed. São Paulo: Atlas, LAVILLE, Christian. ; DIONNE, Jean. A Construção do Saber manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: UFMG, LAZARI, J. DE. O Chão da Sala de Aula. IN: Folha do Mestrado em Educação. Blumenau. Ano VII, n o 30, p. 4, junho de LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1990, p MARIOTTI, H. As Paixões do Ego complexidade, política e solidariedade. São Paulo: Palas Athena, 2000, p. 88. MARTINO, L. M.. Animal Educado. Revista EDUCAÇÃO, ano 26, n o 220, p , agosto de 1999, São Paulo: Segmento Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000, p. 86. MORIN, E. Saberes Globais e Saberes Locais: o olhar transdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, MORIN, E.; LE MIGNE, Jean-Louis. A Inteligência da Complexidade. São Paulo: Peirópolis, NOVAK, J. D. Uma Teoria de Educação. São Paulo: Pioneira, OLIVEIRA, S. L. Tratado de Metodologia Científica projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira, ORLANDI, E. P. A Linguagem e seu Funcionamento as formas do discurso. 2 ed. Campinas: Pontes, Análise de Discurso princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, PÊCHEUX, M. O Discurso estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, Semântica do Discurso uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: UNICAMP, PERRENOUD, P. A Pedagogia na Escola das Diferenças fragmentos de uma sociologia do fracasso. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, Avaliação da excelência à regulação das aprendizagens Porto Alegre: Artes Médicas Sul, Construir as Competências desde Escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, PERRENOUD, P. et al. Formando Professores Profissionais quais estratégias? Quais competências? 2. ed. Porto Alegre: Armed, PIMENTA, S. G. Saberes Pedagógicos e Atividade Docente. 2. ed. São Paulo: Cortez, SAGAN, C. O Mundo Assombrado pelos Demônios a ciência vista com uma vela no escuro. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

15 SMITH, F. Compreendendo a Leitura uma análise psicolingüística da leitura e do aprender a ler. 3. ed. Trad. Daise Batista. Porto Alegre: Artes Médicas, THULER, M. G. Inovar no Interior da Escola. Porto Alegre, 2001 TREVIÑOS, A.N.S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987, p

16 16

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Paula Moreira Sousa 1 RESUMO: Este trabalho tem o intuito de divulgar, no campo científico, uma pesquisa

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA Lúcia de Fátima Melo do Nascimento Secret. Municipal de Educ. do Natal RN / Depart. de Ensino / Setor de Ensino Fundamental Colégio Imaculada Conceição

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PÓS GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO: CURRÍCULO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PÓS GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO: CURRÍCULO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PÓS GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO: CURRÍCULO ESPIRITUALIDADE E CURRÍCULO, UMA CONEXÃO NA EDUCAÇÃO DO SER MARIA DAS GRAÇAS FERREIRA DE OLIVEIA RESUMO: Esta pesquisa nasce

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Poliana Helena Batista Thomaz PUC-Campinas Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid PUC-Campinas Na pesquisa

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Wanderlânyo de Lira Barboza * Emmanuel De Sousa Fernandes Falcão ** Resumo: O presente trabalho aborda reflexões

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais