Os investimentos brasileiros em fontes alternativas de energia renovável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os investimentos brasileiros em fontes alternativas de energia renovável"

Transcrição

1

2 Os investimentos brasileiros em fontes alternativas de energia renovável Katarina Pereira da Costa 1 Abstract In recent years, many countries around the world have increased their investments in alternatives sources of renewable energy. Brazil is one of these countries. It has been on the forefront of the use of these energy sources, with the development of the ethanol production in the early eighties. Due to some domestic policy options and to the discovery of huge oil reservoirs (the pre-salt), the country has lost some ground in the clean energy development. But it still has a high potential to become an important regional and global player in the use and development of these energy sources. This briefing presents an analysis of the sector in the country, pointing out its positive and negative sides. 1. Introdução Nos últimos anos, inúmeros países ao redor do mundo têm investido cada vez mais no uso e desenvolvimento de fontes de energia renovável alternativas às fontes fósseis, como energia solar, eólica, termoelétrica (movida a biomassa) e biocombustíveis. Em 2012, as fontes alternativas de energia renovável foram responsáveis por 26% da capacidade energética gerada no mundo. Entre 2010 e 2011 a participação mundial do setor cresceu 8,5% 2. Em 2011, o investimento global (novos investimentos) em fontes alternativas de energia renovável atingiu a cifra de US$ 279 bilhões. Em 2012, esse valor caiu para US$ 244 bilhões, mas ainda assim é considerado alto quando levamos em consideração os investimentos realizados há cerca de uma década. Em 2004, por exemplo, os investimentos nessa área somavam apenas U$S 40 bilhões. Os maiores investidores em energia renovável em 2012 foram a Europa e a China, representando juntos 60% do total investido no ano. A energia eólica representou 39% 1 Economista do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES). - 2 Todas as estatísticas aqui apresentadas que tratam de investimento em energias renováveis excluem os projetos de hidrelétricas com potencial de geração superior a 50 MW. 1

3 e a solar fotovoltaica respondeu por 26% da capacidade de energia renovável adicionada em Esse movimento, que mobiliza tanto os países desenvolvidos, quanto os países em desenvolvimento, se dá por vários motivos, dentre os quais: (i) a busca de alguns países por minimizar a sua dependência em relação ao petróleo; (ii) a preocupação com o esgotamento das energias fósseis, que significa uma ameaça para a segurança energética dos países; (iii) a preocupação ambiental, resultante das comprovadas consequências nocivas para o planeta do efeito estufa; e (iv) o fato de a geração de energia renovável, como por exemplo, a produção de biocombustíveis, ter se mostrado uma fonte de renda adicional ou alternativa, principalmente nos países pobres, onde ela tem sido apontada como uma atividade capaz de contribuir para o desenvolvimento do setor rural. Assim, os governos de diversos países têm se engajado cada vez mais no sentido de promover o uso de energia renovável, por exemplo, estabelecendo metas para a inclusão crescente dessas fontes na sua matriz energética. O Brasil é um exemplo. No caso dos biocombustíveis, o país possui um mandato que determina, atualmente, que a mistura de etanol à gasolina deve ser de 25%. Os Estados Unidos e União Europeia (UE) também fazem uso deste tipo de mecanismo para incentivar o uso de combustíveis considerados mais limpos. Nesse contexto, o objetivo principal deste briefing é fazer uma análise dos investimentos brasileiros em fontes alternativas de energia renovável (solar, eólica, termoelétrica movida a biomassa e biocombustíveis) levando em consideração o contexto mundial. Para tanto, além desta introdução, é traçado um panorama mundial recente dos investimentos em energias renováveis alternativas. Em seguida é feita uma análise do caso brasileiro. Por fim, serão apresentadas as conclusões. 2. Os investimentos em fontes alternativas de energia renovável: políticas de apoio nacionais e regionais Entre 2004 e 2012 os investimentos globais (novos investimentos) em fontes alternativas de energia renovável cresceram 510%. Nesse mesmo período, os investimentos somente em pesquisa e desenvolvimento (P&D) no setor cresceram 93% em termos absolutos, tendo sido a UE a maior fonte de investimentos em P&D no setor. 2

4 Do total investido em 2012, 57,5% destinaram-se a energia solar, 33% a energia eólica, 3,5% a biomassa e resíduos e 2% a biocombustíveis. Dessas quatro fontes de energia, biomassa e resíduos e biocombustíveis apresentaram redução em relação ao percentual dos investimentos totais no ano de 2004, quando tinham participação de 16% e 9,3%, respectivamente. Em contrapartida cresceu, no período, a participação da energia eólica e solar nos investimentos em fontes alternativas de energia renovável. Em 2012 os investimentos no setor foram liderados pela China, seguida pelos Estados Unidos, Alemanha, Japão e Itália. O Brasil, por sua vez investiu US$ 5,7 bilhões em 2012, apenas 2,17% do total investido pelo mundo e 8,2% do valor investido pela China, o líder de investimento nesse ano. Em sua grande maioria esses investimentos são beneficiados por incentivos para a implantação de usinas geradoras de energia elétrica, com base em fontes alternativas de energias renováveis, e por incentivos ao uso de combustíveis provenientes de fontes renováveis nos transportes, através da obrigatoriedade de misturar etanol ou biodiesel aos combustíveis derivados do petróleo ou ainda por isenções e reduções de impostos especiais sobre o consumo e a produção. Os governos de diversos países também concedem apoio através de subsídios, empréstimos, garantias de empréstimos ou de uma combinação de instrumentos e políticas. Os mecanismos de política mais frequentemente adotados pelos países para estimular a expansão do componente renovável em suas matrizes energéticas são as tarifas feed-in e a adoção de proporção de consumo renovável. O primeiro mecanismo garante às fontes alternativas de energia renovável acesso à rede de transmissão. Os contratos visam permitir a competição com as demais alternativas que acrescentam energia à rede, tornando assim o fornecimento da energia renovável economicamente viável e competitiva em relação às demais, menos limpas e, em geral, mais baratas. O segundo mecanismo consiste em impor a exigência de que parte da energia consumida venha de fontes renováveis. Tal obrigação pode recair tanto sobre a concessionária central de energia de um país, como também, de forma mais pulverizada, diretamente sobre as empresas usuárias de energia. Países como Brasil, China, Egito, Peru, Tailândia e Uruguai também utilizam como política a realização de leilões para geração de energia à base de fontes alternativas renováveis. Ou seja, os 3

5 governos organizam leilões públicos para compra de energia elétrica renovável gerada por fontes alternativas. 3. O caso brasileiro O Brasil esteve na vanguarda do desenvolvimento de fontes de energia renovável, com o desenvolvimento da produção de etanol no início dos anos oitenta. No entanto, em função de opções de políticas públicas recentes e da descoberta de grandes reservatórios de petróleo na costa brasileira, o país vem perdendo espaço nessa área. Entretanto, não resta dúvida de que o Brasil tem um elevado potencial para se tornar um ator relevante, em termos regionais e globais, no uso e desenvolvimento de fontes de energia renováveis. Nas últimas duas décadas, principalmente, o país tomou iniciativas no sentido de buscar elevar a participação de fontes alternativas de energia na sua matriz. Essas iniciativas se traduziram em leilões de energia alternativa 3, programas de incentivo, concessão de facilidades fiscais, etc. No entanto, o atual quadro brasileiro de políticas para o setor é bastante contraditório. Se por um lado o governo brasileiro concede importantes incentivos (programas, financiamento, benefícios fiscais) para a produção de energia renovável desde meados da década de 1970, por outro, além desses incentivos estarem se mostrando cada vez mais insuficientes, o país recentemente passou a priorizar o uso de fontes fósseis. Os maiores retrocessos no uso de fontes alternativas de energia se deram no setor de combustíveis para transportes e nos incentivos concedidos ao carvão mineral. Até alguns anos atrás, o Brasil era um importante produtor e exportador de etanol. Entretanto com o advento do pré-sal e o incentivo ao uso da gasolina, através do controle dos preços domésticos cobrados pela empresa estatal (Petrobras), essa situação se reverteu completamente. No caso do carvão mineral destinado à geração de energia elétrica, recentemente este passou a contar com a redução para zero da alíquota de PÌS/PASEP (PIS - Contribuição para o Programa de Integração Social; PASEP - Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social ). 3 Segundo o Ministério das Minas e Energia, são leilões especiais de energia elétrica que foram criados com o objetivo de incentivar a diversificação da matriz de energia elétrica, introduzindo fontes renováveis e ampliando a participação de energia eólica e da bioeletricidade. 4

6 Há, portanto, incentivos contraditórios do ponto de vista da ampliação do uso e desenvolvimento de fontes alternativas de energia renovável, quadro que se detalha a seguir Os incentivos às fontes alternativas O governo brasileiro concede importantes incentivos fiscais notadamente no setor de energia eólica, energia solar e biocombustíveis. No caso da energia eólica, o setor recebe incentivos fiscais para a compra de equipamentos e instalação de parques. Já a energia solar conta com incentivos como isenções fiscais de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), além de projeto de lei, que tramita no Senado e reduz alíquotas de tributos incidentes na importação de painéis fotovoltaicos e similares. Recentemente, a fim de tentar minimizar os efeitos negativos causados pela política recente de incentivo às fontes de energia fósseis, a Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória Nº 613, que concede incentivos tributários aos produtores de etanol através da redução da alíquota de tributos como o PIS/PASEP e a COFINS por meio de crédito presumido. O país possui ainda diversos programas de apoio às fontes de energia renovável. Alguns deles, como o Programa de Desenvolvimento Energético dos Estados e Municípios e o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel possuem caráter social relevante, como será mostrado adiante. A primeira política de apoio à energia renovável no Brasil foi lançada em 1975, no contexto da crise do petróleo. Essa política foi conduzida no âmbito do Programa Nacional do Álcool Proálcool e tinha como objetivo expandir a oferta interna de etanol anidro para ser misturado à gasolina e também para ser utilizado como matéria prima na indústria química, a fim de reduzir a dependência brasileira das importações de petróleo. Duas décadas depois, em 1994, o Departamento Nacional de Desenvolvimento Energético, do Ministério das Minas e Energia lançou o Programa de Desenvolvimento Energético dos Estados e Municípios (Prodeem), contemplando não apenas sistemas energéticos como biocombustíveis, mas também painéis fotovoltaicos, aerogeradores e cataventos, pequenas centrais hidrelétricas, biodigestores e outros. O Programa pretende ter uma dimensão de inclusão social, sendo seu principal objetivo fornecer 5

7 energia às populações sem acesso à rede elétrica convencional através de fontes de energia renováveis. Em 2004, dois novos programas foram lançados: o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) e o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). O PNPB tem como foco incentivar a produção e uso do biodiesel, buscando resultados positivos tanto do ponto de vista econômico, mas principalmente social, fortalecendo a agricultura familiar. Assim, o seu enfoque maior é na inclusão social e no desenvolvimento regional, via geração de emprego e renda. As principais diretrizes do programa são: implantar um programa sustentável, promovendo inclusão social; garantir preços competitivos, qualidade e suprimento; produzir o biodiesel a partir de diferentes fontes oleaginosas, fortalecendo as potencialidades regionais para a produção de matéria prima. Já o Proinfa é um programa do Ministério de Minas e Energia, executado pela Eletrobrás. O seu principal objetivo é aumentar a participação das fontes eólicas, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas (PCH) no total da energia elétrica produzida por empreendimentos concebidos com base no Sistema Elétrico Interligado Nacional (SIN). O intuito é promover a diversificação da matriz energética brasileira, buscando alternativas para aumentar a segurança no abastecimento de energia elétrica, além de permitir a valorização das características e potencialidades regionais e locais. O Programa prevê a implantação de 144 usinas, totalizando 3.299,40 MW de capacidade instalada, sendo 1.422,92 MW de 54 usinas eólicas, e 685,24 MW de 27 usinas a base de biomassa. Toda essa energia tem garantia de contratação por 20 anos pela Eletrobrás. É importante notar que o Proinfa, diferentemente de programas como o Prodeen e o PNPB, possui um enfoque maior na questão energética e econômica, com menor peso para preocupações sociais. O Programa tem como ambição produzir impactos na matriz energética do país, além de incentivar o desenvolvimento de fornecedores de equipamentos no Brasil. Além dos programas comentados acima, o governo brasileiro também apoia o desenvolvimento e uso de fontes de energia renovável através de linhas de 6

8 financiamento concedidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), que atualmente é a principal fonte no país para captação de recursos para grandes obras no setor de energia. E no caso específico de energia eólica, o Banco é a única instituição que financia projetos de longo prazo. Vale destacar que os programas do BNDES de apoio ao investimento são, em geral, condicionados à compra de equipamentos fabricados por empresas brasileiras. Cumprir com os índices de conteúdo nacional estabelecidos pelo Banco é uma das condições para acessar seus empréstimos subsidiados. No caso da energia eólica, por exemplo, o índice de conteúdo local é de 60%. O uso deste instrumento tem como objetivo estimular a fabricação nacional de turbinas de 1,5 MW ou mais megawatts. O governo brasileiro possui ainda uma Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), instituída em Seu principal objetivo é incentivar o desenvolvimento e aprimoramento de ações de mitigação no Brasil, colaborando através de ações tanto no âmbito doméstico, quanto no âmbito internacional, para a redução das emissões de gases de efeito estufa, bem como criar condições internas para lidar com os impactos das mudanças climáticas globais (adaptação). Em relação às fontes de energia renováveis, especificamente, o Plano do PNMC é manter elevada a participação de energia renovável na matriz elétrica 4, além de fomentar o aumento sustentável da participação de biocombustíveis na matriz de transportes nacional e ainda, atuar com vistas à estruturação de um mercado internacional de biocombustíveis sustentáveis. O PNMC possui diversos Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação. Em relação às fontes de energia renováveis este consiste no Plano Decenal de Energia (PDE), um dos principais instrumentos de planejamento da expansão eletroenergética do país. Em relações às suas metas relacionadas às fontes de energias renováveis, estão: - ampliar em 11% ao ano nos próximos dez anos o consumo interno de etanol; e - aumentar a oferta de energia elétrica de cogeração, principalmente através do bagaço de cana-de-açúcar, para 11,4% da oferta total de eletricidade no país, em Decorrente da elevada participação da hidroeletricidade na matriz energética do país. 7

9 3.2. As dificuldades enfrentadas pelo setor no país Apesar dos incentivos apresentados na seção anterior (benefícios fiscais, linhas de financiamento, programas de apoio) e do esforço realizado a partir de 2007 para aumentar os investimentos em fontes de energia renovável, o país ainda investe muito pouco quando comparado a outras nações, conforme mostrado na introdução. Além disso, apesar do Brasil ter uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, grande parte dessa energia provém das grandes hidrelétricas. E a grande maioria dos investimentos no setor de energia limpa se concentra na instalação dessas unidades, e não em unidades de fontes alternativas de energia renovável. A previsão é de que a expansão do sistema elétrico nos próximos anos se dê através da construção de grandes centrais hidrelétricas na Amazônia. Entretanto, recentemente vem se questionando cada vez mais os impactos socioambientais desses projetos (sobretudo daqueles localizados na região amazônica) e, consequentemente, o alinhamento dessa alternativa ao desenvolvimento sustentável do país 5. Segundo o Plano Decenal de Expansão de Energia 2021 (PDE) 6, estão previstos investimentos globais em energia da ordem de R$ 1,1 trilhão até 2021, dos quais cerca de 35% em fontes de energia alternativa, sendo 7,2% correspondente a biocombustíveis líquidos. O Plano indicativo, com horizonte de 10 anos, que apresenta, de modo geral, a proposta do governo para a expansão do sistema energético, sequer contempla a energia solar. O problema, nesse caso, é que o governo não tem interesse em incluir esse tipo de energia nos leilões, e, quando o faz, é em condições muito desfavoráveis. Isso porque prefere esperar uma queda no preço global dessa fonte, retardando cada vez mais os investimentos em pesquisa e desenvolvimento no setor. Existem empresas dispostas a desenvolver projetos solares de grande porte, mas enquanto as condições atuais dos leilões forem desfavoráveis não há incentivo para isso. No caso da energia eólica, apesar do seu relativo sucesso nos últimos leilões, o setor privado cobra que estes sejam específicos para esse tipo de energia. Critica-se ainda a atuação do governo brasileiro nesse setor, devido à falta de um marco regulatório transparente e crível e às dificuldades encontradas na obtenção de licenças 5 IEDI e FGV (2010). Políticas para promoção economia verde: a experiência internacional e o Brasil. 6 Disponível em: 8

10 ambientais e de conexão à rede (regulamentação, custo e estruturas físicas) para a instalação de parques eólicos no país. Além disso, segundo a 3ª edição do relatório [R]evolução Energética do Greenpeace 7, de agosto de 2013,...as projeções (do PDE), além de essencialmente tendenciais, não vêm necessariamente acompanhadas de medidas políticas e financeiras que façam com que os números se tornem realidade. Na verdade, a expansão da matriz é pautada quase unicamente pela economicidade das fontes ofertadas em leilões, e não pela necessidade de aumentar a segurança do sistema e contratar fontes complementares às usinas hidrelétricas para compensar a geração baixa em épocas de reservatórios baixos. Uma outra crítica feita ao Plano é que a trajetória energética que ele propõe não avança na transição verde da matriz energética brasileira. Um exemplo disso é a manutenção da logística de transportes centrada no transporte rodoviário. A mudança nessa estrutura, com o desenvolvimento de transporte urbano de massa sobre trilhos, é fundamental do ponto de vista da transição para uma economia de baixo carbono, uma vez que somente o aumento do uso de biocombustíveis não dará conta de provocar uma inflexão na trajetória de consumo de combustíveis fósseis. Outro agravante é que nos últimos quatro anos, com a descoberta de reservas do présal, parece estar havendo um retrocesso no uso de fontes alternativas de energia no país, uma vez que passou-se a priorizar os investimentos no setor de petróleo e gás. O governo brasileiro adotou políticas de intervenção no preço da gasolina, implicando em uma redução desses preços e consequentemente reduzindo os preços de realização da Petrobras e zerando as Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) 8. Mais recentemente, contribuindo para piorar esse quadro, o carvão mineral voltou aos leilões de energia no país (excluído concorrência desde 2008), com o governo pagando mais por energia suja que por energia limpa. Ademais, o mineral foi integralmente desonerado do pagamento de PIS/PASEP e COFINS. 7 Disponível em: 8 A CIDE é um tributo incidente sobre a importação e a comercialização de combustíveis em geral, dentre eles a gasolina. 9

11 4. Conclusões e recomendações de políticas Atualmente, cerca de 45% da energia total e aproximadamente 90% da energia elétrica produzida no Brasil são provenientes de fontes renováveis. Entretanto, além de grande parte dessa energia ser gerada pelas grandes hidrelétricas, o país ainda investe muito pouco em energia alternativa, em especial em fontes como energia eólica, energia solar e biomassa (biocombustíveis e termoelétricas). Ademais, os investimentos brasileiros em fontes alternativas de energia renovável são muito inconstantes, variando quase que exclusivamente de acordo com a disponibilidade de fontes fósseis e, no caso dos biocombustíveis, também de acordo com o mercado de açúcar. Apesar de serem pouco representativas na matriz energética nacional, a energia eólica e a energia solar possuem alto potencial e condições extremamente favoráveis para seu uso. As jazidas de vento do Brasil estão entre as melhores do mundo, uma vez que seus ventos possuem alta velocidade e são bem comportados (não há ciclones e tufões, no país). A região mais favorável para instalação de parques eólicos no Brasil é a região Nordeste, respondendo por 54% do potencial eólico do país, seguida da região Sudeste (que, entretanto, não representa nem metade da potência instalável do Nordeste). Em 2013, estima-se que a capacidade instalada de energia eólica alcance 5.494,2 MW. Em 2005 esse número era de apenas 27,1MW. O aproveitamento da energia solar, por sua vez, é ainda mais incipiente que a eólica, apesar da elevada incidência de raios solares existente no país. Grande parte da sua pequena capacidade instalada, está concentrada principalmente em sistemas não conectados à rede (sistemas autônomos) nas regiões Norte e Nordeste, especialmente nas zonas rurais. Essas instalações autônomas se devem, principalmente, às políticas de incentivo como o PRODEEM. Os sistemas fotovoltaicos efetivamente conectados à rede são todos de caráter experimental sem utilização comercial, ligados principalmente a iniciativas de universidades e/ou organizações não governamentais. Esses sistemas são 100% importados, pois o país não possui inversores para conexão à rede elétrica, nem tampouco módulos fotovoltaicos produzidos em seu território. Finalmente, no caso da biomassa, o etanol e biodiesel, assim como a cogeração de energia através do uso do bagaço da cana, já estão mais consolidados. Entretanto essas fontes ainda sofrem com a alta incerteza que afeta este mercado, uma vez que, 10

12 como dito anteriormente, dependem fortemente do que ocorre no mercado de combustíveis fósseis e no mercado de açúcar. Apesar dessa condição desfavorável, os investimentos em segunda geração no Brasil estão em crescimento, com o avanço em pesquisa e desenvolvimento. O atual panorama da energia renovável no país se caracteriza por iniciativas tomadas de forma pontual e bastante dispersas, algumas muitas vezes sem continuidade, ou contemplando apenas alguns tipos de energia alternativa. O governo começa a seguir uma linha de ação e, logo depois muda a direção, dando a clara impressão de que há uma desorientação em sua política energética, gerando assim incertezas no mercado e desincentivando investimentos no setor. A menos que haja um comprometimento por parte do governo em traçar um planejamento para o setor, de longo prazo, uniforme e articulado a nível nacional, regional e local, contemplando como prioridades o desenvolvimento de fontes como energia eólica, solar, biomassa (em especial etanol e biodiesel de segunda e terceira gerações), o desenvolvimento e uso em larga escala dessas energias no país enfrentarão fortes dificuldades para ser alcançados. Algumas medidas a serem tomadas para reverter essa situação podem ser tomadas do documento intitulado Sumário para Tomadores de Decisão - Além de grandes hidrelétricas: Políticas para fontes renováveis de energia elétrica no Brasil 9, lançado pelo WWF em Esse relatório discute algumas opções de políticas que poderiam ser adotadas no setor de fontes alternativas de energia renovável. Dentre elas, podemos destacar: Concessão de créditos a juros mais baixos para empreendimentos de geração de eletricidade a partir de fontes renováveis alternativas; Redirecionamento e fortalecimento de mecanismos já existentes, como a Reserva Global de Reversão (RGR) 10, que permitam a redução dos custos de instalação de projetos de geração de eletricidade a partir de fontes renováveis alternativas; Estabelecimento de metas de longo prazo de inserção e ampliação de fontes alternativas na matriz energética; 9 Disponível em _tomadores_de_decisao.pdf 10 Um dos encargos do cálculo da tarifa de eletricidade, assim como a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) e a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). 11

13 Investimentos em pesquisa e desenvolvimento do parque tecnológico já existente do setor; Uso da CCC e da CDE (ver nota de rodapé 11) para subsidiar sistemas isolados de produção de eletricidade via fontes renováveis alternativas; Estabelecimento de metas de expansão de fontes alternativas de energia renovável nos leilões de energia; Realização de leilões separadamente para PCHs, centrais eólicas, de biomassa e de energia solar para evitar competição entre elas; Concessão de incentivos fiscais via isenção parcial ou total de impostos para aquisição de máquinas e equipamentos para o setor; Criação de linha de crédito para pequenos consumidores que queiram instalar sistemas de geração de energia renovável alternativa em suas casas ou edifícios, injetando a energia excedente na rede elétrica. 12

14 FLACSO ARGENTINA Ayacucho 555, C1026AAC Buenos Aires, Argentina Teléfono: Fax: Contacto y suscripciones:

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Um impulso à energia no Brasil

Um impulso à energia no Brasil Um impulso à energia no Brasil Aqui estão consolidados os debates do painel promovido pelo Banco Santander na Conferência Ethos 2015. O encontro discutiu os desafios e as perspectivas para a expansão da

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real)

PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real) *C0054200A* C0054200A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.962, DE 2015 (Do Sr. Jorge Côrte Real) Dispõe sobre incentivos à implantação de pequenas centrais hidrelétricas e de centrais de geração

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto:

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011 A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: A disseminação em grande escala do uso da energia solar fotovoltaica no Brasil pode fornecer uma série de benefícios

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

lei de energias renováveis Greenpeace/Rodrigo Baleia [r]evolução energética

lei de energias renováveis Greenpeace/Rodrigo Baleia [r]evolução energética lei de energias renováveis propostas para a sustentabilidade energética brasileira Greenpeace/Rodrigo Baleia [r]evolução energética propostas para a sustentabilidade energética brasileira lei de energias

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ?

O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ? O QUE É SUBSÍDIO CRUZADO E COMO ELE AFETA A SUA CONTA DE LUZ? Edmundo Montalvão 1 e Marcos Mendes 2 (12/02/2012) Há diversos preços na economia que são fixados ou submetidos a regras e restrições pelo

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Do Sr. Guilherme Campos) Institui incentivos fiscais para a aquisição de bens e prestação de serviços necessários para a utilização de energia solar, eólica ou outras formas

Leia mais

Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021)

Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021) Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021) Em 24 de setembro, foi colocada para consulta pública a nova versão do Plano Decenal de Energia. O plano é atualizado anualmente e prevê os rumos energéticos

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Energias Renováveis. -Novembro -2010

Energias Renováveis. -Novembro -2010 Energias Renováveis -Novembro -2010 Av. Dr. Cardoso de Melo, 1340 12º andar Vila Olímpia 04548-004 São Paulo SP Brasil Telefone: 55 11 3054 1020 Fax: 55 11 3054 1021 SBN Quadra 2, Bloco F, Conjuntos 1311-1312

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 OS IMPACTOS DO AQUECIMENTO GLOBAL SÃO DE TAL MAGNITUDE QUE EU NÃO HESITARIA EM CONSIDERÁ-LOS UMA ARMA DE DESTRUIÇÃO EM MASSA. Sir John Houghton, The Guardian, 28 de julho

Leia mais

Produção renovável de energia elétrica: a nova fonte de renda da propriedade agrícola familiar.

Produção renovável de energia elétrica: a nova fonte de renda da propriedade agrícola familiar. Produção renovável de energia elétrica: a nova fonte de renda da propriedade agrícola familiar. Carlos Reisser Júnior Embrapa Clima Temperado Laboratório de Agrometeorologia Rodrigo Motta Azevedo Instituto

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto dos Guias Ambientais 2005 Aprovação da Política Ambiental

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Energia Solar. Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015

Energia Solar. Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015 Energia Solar Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015 A Apine Perfil dos sócios geradores privados e concessionárias de geração PCHs e UHEs de médio e grande porte UTEs a biomassa, gás, carvão mineral

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro

2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro 2, 3 e 4 de Agosto de 2011 Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro Um evento consolidado que reúne os principais agentes do mercado de energia O Energy Summit, cuja missão é orientar os tomadores de decisão

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO

G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO Sumário 1 2 3 4 Matriz diversificada Investimentos Panorama setorial Hidrelétricas Petróleo e gás

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Ahistória dos países considerados desenvolvidos floresceu a partir de um

Ahistória dos países considerados desenvolvidos floresceu a partir de um KA Cad 2012.1 06.07.12 12:44 Page 71 Energias renováveis redução de emissões e economia global 71 M ARIO M ONZONI Ahistória dos países considerados desenvolvidos floresceu a partir de um modelo em que

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS Roberto Meira Junior Diretor-Substituto Coordenador-Geral de Fontes Alternativas outubro de 2012 Princípios do Modelo Energético 2 Princípios

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 523, DE 2007 (do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº 523, DE 2007 (do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº 523, DE 2007 (do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Institui a Política Nacional de Energias Alternativas e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º. Esta lei estabelece

Leia mais