O USO DE JARGÕES UTILIZADOS POR PERSONAGENS DAS TELENOVELAS: SIMPLES EXPRESSÕES OU DISCURSOS IDEOLÓGICOS INFLUENCIADORES?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DE JARGÕES UTILIZADOS POR PERSONAGENS DAS TELENOVELAS: SIMPLES EXPRESSÕES OU DISCURSOS IDEOLÓGICOS INFLUENCIADORES?"

Transcrição

1 O USO DE JARGÕES UTILIZADOS POR PERSONAGENS DAS TELENOVELAS: SIMPLES EXPRESSÕES OU DISCURSOS IDEOLÓGICOS INFLUENCIADORES? Camila Nunes Duarte Silveira 1 Renata Ferraz Figueiredo Odilza Lines Resumo As discussões referentes à influência que a mídia exerce sobre os telespectadores remontam a décadas passadas, contudo permanecem atuais e necessárias. Mediante isso, o presente trabalho tem por principal objetivo analisar os jargões utilizados por alguns personagens das telenovelas, de uma emissora específica, com vistas a averiguar se o uso destes carrega algum discurso ideológico capaz de exercer influência na fala cotidiana das pessoas. O foco de análise da pesquisa se deu por meio de estudos bibliográficos e discursos de personagens telenovelísitcos que apontam uma forte influência das telenovelas na linguagem cotidiana dos brasileiros. Palavras-Chave: Jargões, Televisão, Ideologia, Introdução O pensamento em defesa de um posicionamento político, a opinião que se tem a respeito de um homicídio, a forma de se vestir, o que comer, falar ou consumir fazem parte das diversas formas de relações humanas e que em sua maioria não é fruto da vontade própria. Atualmente é difícil identificar um comportamento humano que não tenha sofrido influência de uma tendência divulgada pela mídia. Na sociedade contemporânea, tudo gira em torno do ter, e a busca por conforto e comodidade leva as pessoas a estabelecerem novos padrões e hábitos de vida, que acabam por repercutir na propagação de uma nova cultura. Neste ensejo, a mídia acaba por tornar-se um elemento importante, pois apropria-se de determinada conjuntura, para resignificar culturas ao modo das grandes indústrias que a financia. Para isso, faz uso dos recursos 1 Graduandas do VIII semestre do curso de Licenciatura em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

2 2 tecnológicos que facilmente a possibilita penetrar nas residências das pessoas propiciando a doutrinação em massa. Alguns teóricos da comunicação falam em uma indústria cultural da mídia, sobretudo a partir de 1940 quando democracias capitalistas usufruíram do advento da televisão, no pós-guerra, para disseminar sua cultura e política como referências para outras sociedades, contribuindo assim para o aceleramento do poder cultural veiculado pela mídia. É fato que a mídia, especialmente a televisiva, exerce algum tipo de influência sobre as ações humanas. Quantas pessoas já não foram flagradas falando como a personagem de uma determinada telenovela? Quantos compram as roupas, acessórios, perfume ou até aquele esmalte que há pouco tempo era considerado démodé e somente porque a protagonista usou, agora é moda? Muitos são os que agregam à sua identidade as tendências da mídia e transportando-as da ficção para a realidade, acabam por legitimar e fortalecer a grande indústria cultural midiática. As questões relacionadas à cultura midiática e sua conexão com a sociedade são tão pertinentes que por volta de 1930 a escola de Frankfurt iniciou estudos críticos da comunicação. Em 1960, os estudos culturais britânicos - com vistas a abordar aspectos da cultura numa perspectiva crítica e multidisciplinar - situavam a cultura como uma teoria da produção e reprodução social e especificaram os modos como formas culturais que serviam para aumentar a dominação social ou para possibilitar a resistência e a luta contra a dominação. Ao compreender a mídia enquanto objeto cultural da sociedade contemporânea é possível inferir que esta, assim como certas instituições sociais, a saber: família, escola, igreja, trabalho e o próprio Estado, controlam os indivíduos e criam estruturas de dominação sobre as quais eles devem lutar para conseguirem autonomia. Diante de tais questões, o presente estudo tem por finalidade, analisar os jargões utilizados por alguns personagens das telenovelas, de uma emissora específica, com vistas a averiguar se o uso destes carregam algum discurso ideológico capaz de exercer influência na fala cotidiana das pessoas. Embora seja necessário um movimento contrário à influência exagerada dos meios de comunicação, o que pode-se perceber é uma total invasão da

3 3 indústria cultural da mídia na sociedade, fato amplamente percebido diante de uma análise do comportamento das pessoas frente a um aparelho midiático tão comum nas residências brasileiras, a televisão. Várias são discussões em torno da influência que os programas televisivos têm sobre as ações humanas e para compreender a dimensão do tema, esta pesquisa segue o mesmo caminho, não com a intenção de estabelecer uma conceituação final, mas de contribuir com esses debates, averiguando o comportamento de indivíduos que, por vezes, numa ingênua expressão corroboram com a continuidade de discursos carregados de preconceitos e ideologias. Por compreender que o discurso é uma construção coletiva que por sua vez está inserida em um contexto histórico-social, teremos como caminho metodológico o uso da Análise do Discurso. Após revisão teórica de bibliografias que tratam do tema, o que se pretende inicialmente é estabelecer um breve histórico acerca das manifestações da mídia no Brasil, desde o ano de 1950 até os dias atuais. Num segundo momento, será apresentada a importância da linguagem como instrumento de poder capaz até de influir nas relações econômicas e sociais. Na terceira e última parte, serão abordados alguns jargões utilizados por personagens de novelas, associando-os à fala cotidiana de pessoas comuns, aprofundando na discussão de que um determinado comportamento ou expressão que surgiu no programa passa a fazer parte da vida do telespectador adaptando-se facilmente e à sua maneira de agir. Breve histórico sobre a televisão no Brasil a partir de 1950 No contexto das significativas transformações sociais e econômicas, provocadas pelo fim da Segunda Grande Guerra, marcado principalmente pela hegemonia dos Estados Unidos, os brasileiros moviam-se em busca do progresso, trilhavam os caminhos que simbolizavam a modernização, viviam momentos decisivos do processo de industrialização, de uma urbanização acelerada e de avanços nos setores tecnológicos, possíveis fatores, para o acesso iminente ao mundo dos privilegiados do Primeiro Mundo. Nesse

4 4 cenário, surgiu um dos maiores instrumentos e símbolos do desenvolvimentismo no Brasil, a televisão. A tevê brasileira foi um instrumento da indústria, para divulgar seus produtos e adquirir consumidores, pois a sociedade brasileira desejosa de poder consumir tudo aquilo que lhe era apresentado como novo e moderno, foi o público alvo da publicidade, que era financiada pela concorrência estabelecida entre as grandes indústrias. A TV era símbolo da modernidade, do progresso, pelo simples fato da ostentação revelada por todos que, naquele primeiro momento, puderam ter em suas residências este aparelho. A primeira fase da televisão brasileira corresponde ao período de 1950 a 1964 sendo que a rede televisiva concentrava-se especialmente nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Neste período a TV Tupi-Difusora, primeira emissora da época, submetia-se à influência do rádio, o maior veículo de comunicação popular do país, utilizando a sua estrutura e o mesmo formato de programação. No segundo momento, após 1959 a rede expandiu-se para outras regiões como Porto Alegre, Brasília e Nordeste, ao final da década de 50, já existiam dez emissoras de televisão em funcionamento no Brasil. Surge por volta de 1960, após contrato com o grupo norte-americano Time-Life, a tevê 2 Globo, uma megaempresa de comunicações, estabelecida aos moldes do sistema capitalista, adotou técnicas administrativas das mais modernas, inclusive a utilização da grande novidade para aquele momento, o videotape, o que configurou sua supremacia nesse segmento da comunicação. A tevê Globo, além das propagandas, oferecera entretenimento em forma de mercadoria, que passou a ser consumido cada vez mais pelos telespectadores, ocasionando a decadência do seu principal concorrente, o grupo Assis Chateaubriand. 3 2 O aparelho de TV vai se difundindo rapidamente para a base da sociedade, com o auxílio valioso do crédito consumo. Bastaram vinte anos para que 75% dos domicílios urbanos o possuíssem: em 1960, havia em uso apenas 598 mil televisores; dez anos depois, ; em 1979, nada menos do que , sendo televisores em cores. In: Capitalismo tardio e sociabilidade moderna (p. 638) 3 Primeiro oligopólio da informação no Brasil, estabelecido com características de uma empresa familiar.

5 5 Foi na década de 1960 que iniciaram as primeiras transmissões das TVs Educativas, a exemplo da TV Cultura, que oferecia uma programação voltada para os candidatos que buscavam ingressar no ensino do ginásio.ainda nesse período identifica-se a ascensão da TV Record, com a exibição dos Festivais de Música, levando-a a ocupar o primeiro lugar entre as emissoras de maior audiência do país. Outra fase que marcou a TV brasileira foi sem dúvida, o período da Ditadura Militar. Com a censura, os espaços onde se debatiam aspectos da sociedade brasileira e aconteciam discussões que serviam para constituir um público capaz de analisar politicamente os acontecimentos foram fechados, ocasionando a deformação da visão crítica e do pensamento construtivo dos brasileiros, levando-os a reter e aceitar cada vez mais, as informações propostas pelos proprietários dos meios de comunicação que expunham à sociedade brasileira à falsa liberdade do poder consumir. Para além da censura imposta pelo autoritarismo, a preeminência, na TV, do entretenimento sobre a educação, de um lado, e, de outro, a liquidação do embrião de opinião pública associado ao triunfo da empresa jornalística gigante levaram a um esvaziamento dos valores substantivos: a verdade cede passo à credibilidade, isto é, ao que aparece como verdade; o bem comum subordina-se inteiramente aos grandes interesses privados; a objetividade abre espaço à opinião, isto é, à opinião dos formadores de opinião, em geral membros da elite ligados direta ou indiretamente aos grandes interesses. (MELLO e NOVAIS, p. 639) Ante o exposto, torna-se evidente que a tevê brasileira foi construída dentro de um modelo dependente de desenvolvimento, pelo qual passava o país, levando-a também a uma dependência informativa das agências norteamericanas. Nessa perspectiva, de dependência de diretrizes maiores, a tevê transforma-se em uma unidade de produção econômica e de produção ideológico-política, sobretudo, a partir da década de sessenta. O Movimento de 1964 representou uma espécie de aliança entre o Estado e o capital estrangeiro, principalmente norte-americano. Coincidentemente, o contrato da TV Globo com o Grupo Time-Life foi assinado quando um dos diretores do Ministério das Comunicações era um dos artífices da Segurança Nacional, Golbery do Couto e Silva (...). Mas o que interessa são fatos. E as armas da televisão no mastro da Segurança Nacional se tornam mais fortes a partir de 1968,

6 6 quando as funções do chamado poder psicossocial se expandem também aos meios de comunicação. (CAPARELLI, p. 28) Apesar das evoluções ideológicas propostas pelo movimento de Maio de 1968, pouco veio a influenciar, de fato, no formato da televisão brasileira, que se mantivera sob o monopólio estatal das telecomunicações. Já em 1970, com o incentivo do Estado, que montou uma infra-estrutura de telecomunicações, ocorreu a instalação de uma rede nacional. A construção da Rede Nacional de Televisão, da Embratel, forneceu o suporte necessário para que os programas chegassem a uma grande parte do território nacional e as redes passassem a ter características nacionais. Nesse período a TV brasileira consolida o gênero da telenovela e em 1972, ocorreu a primeira transmissão oficial a cores. Com a nova Constituição brasileira de 1988 o Estado não mais detinha o poder direto sobre os meios de comunicação, no que tange a conceder/cassar licença e permissão para o uso de freqüências de rádio ou de televisão, porém, isso não isenta a sua influência indireta como suporte na construção de uma indústria cultural ditada pelos meios de comunicação, patrocinados pelo capital estrangeiro. A partir da década de 1990, a TV brasileira passa pelas reorientações estabelecidas pelas transformações tecnológicas, considerando os avanços do neoliberalismo econômico e da globalização, que levaram a maior empresa desse segmento, a Rede Globo, devido ao acúmulo de capital, a fazer investimentos no mercado exterior. Nesta fase a televisão brasileira, pode ser caracterizada por uma maior habilidade técnica e empresarial, mas mantém de maneira implícita, o perfil de instrumento estatal, capaz de manipular os telespectadores, como afirma Mattos 4 (2010). O potencial da influência da televisão brasileira pode ser comprovado durante as últimas eleições presidenciais, quando os partidos políticos, utilizando recursos das agências de publicidade, usaram o horário gratuito na televisão para divulgarem suas propostas em peças muito bem produzidas. Os debates entre os candidatos, transmitidos pelas redes de televisão, atingiram os mais altos índices de audiência, influindo decisivamente nos resultados. 4 MATTOS, Sérgio.A fase da transição e da expansão internacional ( ). Disponível em :

7 7 Essa análise de Mattos é tão pertinente, aos dias atuais, que apesar dele referir-se ao governo Fernando Collor, as mesmas palavras podem ser utilizadas, para classificar a candidatura do atual presidente da república Luís Inácio Lula da Silva, em seu atual mandato O século XXI tem sido testemunha dos grandes avanços das áreas tecnológicas. A utilização da TV digital, dos canais por assinatura, da integração da TV através da Internet e das novas linhas de jornalismo e entretenimento denotam o grau de desenvolvimento a que se tem chegado. No entanto, essas mudanças ficam restritas apenas a vanguarda da sociedade brasileira. Aos demais, resta à programação monopolizada, capaz de alienar cada vez mais a população brasileira, que sonha em ter o glamour dos ídolos das telenovelas globais. A linguagem em seu tempo e comportamento social As ações humanas são representadas de acordo o seu tempo. O ser humano simboliza, verbaliza e porta-se de determinada forma, segundo as relações sociais estabelecidas desde o seu nascimento. Diante disso, é possível inferir, que essa ou aquela palavra, gíria ou jargão, tem de maneira geral, o significado daquele momento em que se vive. A linguagem da sociedade brasileira do século XVI era diferente da encontrada nos séculos XVII como também da sociedade do século XXI, haja vista que a sociedade,segundo Nobert Elias (1994 p.23) é a rede de funções que as pessoas desempenham umas em relação às outras, e a linguagem é uma dessas funções da rede, ao modificar a sociedade, modifica-se a linguagem De maneira específica, a linguagem representa a cultura, a condição social e, sobretudo, representa o nível de escolaridade e a qualidade do ensino que determinada pessoa teve acesso. Por meio da linguagem de determinado indivíduo é possível reconhecer se quem fala é um homem rural, um operário ou um intelectual. Para além disso, em sua fase hodierna, os comportamentos humanos, inclusive a linguagem, sofrem influências de modelos estabelecidos pelos meios de comunicação e a televisão constitui o mais importante meio influenciador do comportamento social.

8 8 Segundo Ferrés (1998, p. 13) A televisão é o fenômeno social e cultural mais impressionante da história da humanidade, ele afirma que até hoje, não existiu outro meio de comunicação capaz de ocupar tantas horas da vida cotidiana das pessoas e nenhum outro desenvolveu tamanho poder de fascinação. A TV constitui um dos maiores e mais acessíveis meios de comunicação do brasileiro que, inserido em seu cotidiano a partir da década de 1950, mostrou-se revelador desta perspectiva que relaciona a linguagem do mundo irreal à linguagem cotidiana da comunidade. A linguagem apresentada pelos programas televisivos pode ser elaborada a partir da naturalidade da fala, com o intuito de propiciar uma compreensão natural e imediata por parte dos telespectadores. Para tanto, leva em conta a audiência, o público alvo que pretende alcançar. Ora revela-se de maneira cômica, coloquial, ora apresenta um texto mais elaborado geralmente utilizado pelos telejornais ou programas de entrevistas no estúdio. Apesar disso, o discurso apresentado nem sempre é carregado de naturalidade e por vezes, movido pelo encanto e fascínio diante dessa indústria de sonhos, o telespectador nem se dá conta dessa falsa naturalidade que tem por objetivo apresentar um discurso segundo a necessidade e característica do telespectador. Baseado nisso Preti (1991, p. 232) relata: Da parte do telespectador, gera-se uma expectativa de linguagem, tendo em conta a programação sintonizada. Não se esperaria por exemplo, que a apresentação verbal de um concerto de música clássica fosse feita com a liberdade das estruturas coloquiais ou com a natural irreverência da gíria.mas esse tipo de linguagem vai bem para uma transmissão futebolística ou um programa cômico. Para isso, faz uso até de situações que emocionam e estimulam os sonhadores. Na análise de Ferrés (1998, p. 43): Os meios de massas audiovisuais são precisamente uma gigantesca indústria de criação de associações emotivas. Com seu extraordinário poder para a manufaturação de sonhos impõem aquelas imagens mentais que, a partir dos desejos e emoções que geram ou refletem, orientarão a futura conduta dos sonhadores. No Brasil, os elos construídos pelos meios de comunicação com a linguagem da comunidade é tão pertinente que alguns autores das famosas

9 9 novelas 5 afirmam realizar observações da fala dos supostos telespectadores em locais públicos, para posteriormente caracterizar um determinado personagem da trama, no entanto, o oposto também ocorre. Percebe-se que muitas falas e jargões, de determinados personagem acabam sendo reproduzidos por inúmeros brasileiros cotidianamente. A partir do momento em que essa via de mão dupla torna-se uma realidade brasileira, é possível que haja um desinteresse pelas formalidades da gramática, da língua portuguesa, em detrimento de uma maior aceitação e multiplicação das gírias e jargões, uma vez que os meios de comunicação de massa exercem influências no imaginário dos indivíduos, contribuindo para uma massificação das informações e uma crise do pensamento crítico. Há tempos ouve-se falar que as palavras tem poder, tem força, os indivíduos que passam horas do dia em frente à TV, estão submetidos a ver e a ouvir TV uma realidade imposta por esse meio de comunicação, que segundo Bosi (apud Rocco, 1991 p. 240), a realidade da imagem está no ícone, mas a verdade da imagem está no símbolo verbal. Diante das condições porque passa a sociedade brasileira, a qual enfrenta sérios problemas com a segurança pública, impossibilitando aos cidadãos desfrutar dos espaços públicos de lazer, crianças e idosos passam boa parte de seus dias diante da televisão. Esta deixa de ser apenas um meio de comunicação para ocupar um importante papel familiar: ela é educadora, babá companheira e influenciadora. A transmissão de suas imagens propicia uma forte conexão com o inconsciente e acaba por incidir no comportamento e nas crenças das pessoas, levando-as a implantarem novos modelos e padrões de vida. O poder de penetração e persuasão desse veículo nos lares brasileiros, aliados ao precário sistema educacional do país, são responsáveis pela cegueira de boa parte da sociedade que reproduz, legitima e acha graça nos simulacros transmitidos pela TV. 5 É nas novelas e nos programas humorísticos que se observa a maior aproximação da linguagem de televisão com a língua falada da comunidade. Alguns autores dos textos estão permanentemente atentos às transformações da fala contemporânea e, em particular, às variações vocabulares. Silvio de abreu (...) afirma em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo (30/9/1990): Ouvi a gíria nas ruas, enquanto buscava traçar o perfil das personagens. (PRETI,1991 p. 235)

10 10 O uso de jargões nas telenovelas - ideologia e influência Há mais linguagens do que se pensa. NIETZSCHE Diante da estrutura organizacional que apresenta e dos mecanismos que dispõem para a propagação de idéias, os aparelhos midiáticos constituem instrumentos importantes na transmissão de ideologias 6 que privilegiam os interesses de uma determinada classe social. Boa parte das informações adquiridas pela sociedade brasileira provém de meios eletrônicos de comunicação, especialmente rádio e TV. Esses meios de comunicação estão presentes na maioria dos lares brasileiros e independente da classe social, o brasileiro passa algum momento do seu dia diante de um desses aparelhos. Desde a década de 50, período em que a televisão surgiu no Brasil, as telenovelas fazem parte do cotidiano dos brasileiros e diante das informações que elas apresentam, o telespectador é tentado a trazer para sua realidade os modismos, implícita ou explicitamente, apresentados por essa produção audiovisual: roupas, frases, comidas,jargões, cortes de cabelos e até a escolha do nome do filho são modismos lançados por este veículo da Indústria cultural que dispõe de ampla capacidade de manipular a audiência e contribuir com a perda da autonomia do indivíduo (CAMPOS, 2001, p.134). Ao analisar estudos propostos pelos filósofos da Escola de Frankfut acerca da Indústria Cultural e esta associada à mídia televisiva, Campos (2001), fazendo uso das palavras de Adorno, afirma que esse veículo leva adiante a tendência daquela, no sentido de cercar e capturar a consciência do público por todos os lados 7. Eis que as novelas passam a constituir um importante instrumento de controle, pois sugerem modelos de comportamento que parecem ordenar as necessidades que os telespectadores têm de aproximar a realidade em que vivem da realidade apresentada pelas telenovelas. 6 Grande estudioso do tema e quem melhor contribuiu com a definição do mesmo, Marx (apud MONTEIRO,1989,p.196) define a ideologia como um sistema de idéias, cuja função é a defesa de determinados interesses de classe. As ideologias se apresentam como um discurso verdadeiro sobre o seu objeto (...) mas na realidade são uma deformação desse objeto. 7 ADORNO apud CAMPOS, p. 134.

11 11 Embora não se deem conta, muitas pessoas são influenciadas a refletirem comportamentos de personagens telenovelísticos, dentre muitos, a linguagem que aparentemente inofensiva, acaba por transforma-se em um hábito copioso. O uso de um determinado jargão do momento, pressupõe que de alguma maneira, a pessoa que o utilizou está familiarizada com o personagem que o popularizou e com a condição que ele vive. Diante da grande quantidade de informações do mundo moderno, a utilização de um discurso aparentemente inofensivo, faz com que o telespectador nem se dê conta de que aquela expressão traz em si um discurso ideológico. Novamente fazendo uso das palavras de Adorno, Campos (2001, p. 134) afirma que quanto mais opaca e complicada se torna a vida moderna, tanto maior o número de pessoas tentadas a agarrar-se desesperadamente a clichês que parecem impor alguma ordem ao que, de outro modo, é incompreensível. As telenovelas são tão capazes de difundir jargões e atribuir um significado a eles que, mesmo após décadas, é possível recordar a quem pertencia e em quais momentos eram utilizados. Na novela Roque Santeiro (Globo, 1985) Sinhozinho Malta (Lima Duarte) expressava um Jargão sempre que queria impor uma opinião. O Tô certo ou tô errado? associado ao balançar das pulseiras, foi utilizado por muitos telespectadores que, assim como o personagem, desejavam manifestar uma opinião. Personagens de súrbubio são os que em sua maioria lançam algum tipo de jargão. Aparentemente, tentam transmitir a idéia de pouco estudo, deixando transparecer em sua linguagem a condição social em que vivem. Dentre os diversos deslizes da concordância e das pronúncias das palavras, Giovanni Improtta (José Wilker) em Senhora do Destino (Globo ), embora emergente, no jargão Felomenal deixava transparecer o pouco estudo que tinha e Bebel (Camila Pitanga) em Paraíso Tropical (2007) usava o jargão Di Catiguria para se referir a algo bom ou associado à elite. A linguagem reflete e legitima a condição social em que se está inserido, a maneira como o indivíduo fala, expressa simbolicamente o que a instituição escolar pôde ou não pôde lhe oferecer. Ambos os personagens refletem a idéia de Bourdieu (1975, p. 128) quando expõe:

12 12 E ainda: Não obstante, existe nas duas extremidades da escala dois modos de falar bem definidos: o modo de falar burguês e o modo de falar vulgar Também é na relação com a linguagem que se encontra o princípio das diferenças mais visíveis entre a língua burguesa e a língua popular: no que frequentemente se descreveu como a tendência da língua burguesa à abstração ao formalismo, ao intelectualismo e à moderação eufemística, é preciso ver antes de tudo e expressão de uma disposição socialmente constituída relativamente à língua, isto é, relativamente aos interlocutores e ao próprio objeto de conversação. A fala desses personagens, a origem social de cada um deles, expressam a relação que desenvolvem com a linguagem. Pessoas do subúrbio tendem a falar errado, a vestir mal a curtir farra e utilizar de mecanismos ilícitos para conseguirem alguma coisa, porque o meio em que viveram e o pouco estudo que tiveram propiciaram tais atitudes. Será essa a treva expressa por Bianca (Isabelle Drumond) em Caras e Bocas ( )? A personagem, neta de um homem milionário, detesta a pobreza e utiliza o jargão É a treva para tudo que dela provém: ao descobrir que ficara pobre, que o pai era dono de uma bar, que tinha que mudar para uma outra escola, que passaria a utilizar o ônibus, enfim, que seu nível social havia mudado, Bianca deixava explícito o desgosto em viver a condição social da maioria da população brasileira. Outros jargões que também caíram no gosto da população brasileira, referem-se a auto-afirmação da condição feminina: Sou chique né bem.", de Márcia (Drica Moraes), em Chocolate com Pimenta ( ); Elzinha é biscoito fino.", Elzinha (Leandra Leal), em Ciranda de Pedra (2008) e Sou toda trabalhada, Ivonete (Suzana Pires) em Caras e Bocas ( ). Até hoje utilizados, esses jargões revelam a necessidade da mulher em manter-se num padrão de elegância sugerido pela sociedade. Apesar de fictícias, as novelas tentam representar um cotidiano mais próximo possível do telespectador embora abordando, quase sempre, tramas e comportamentos da classe média alta. Enquanto ferramenta da Indústria Cultural tenta aproximar aquilo que é desejado (produto) daquele que o deseja (consumidor). Conforme afirma Campos (2001, p.141):

13 13 A emergência do cotidiano nas novelas constitui uma forma eficaz de aproximação com o telespectador, sendo uma característica da Indústria Cultural que Adorno não deixa de destacar. Para ele, a televisão vem reforçar essa tendência: Também ela fornecerá uma tendência da Indústria Cultural como um todo: aquela no sentido da diminuição da distância entre o produto e o espectador, no sentido literal e figurado. Ao que se vê, o objetivo da telenovela parece estar na possibilidade de fazer com que aquele que a assiste sinta participante de um mundo reconstruído, porém verossímil. Para tanto,as imagens transmitidas na TV devem ser bem quistas aos olhos de quem a consome, devem compor um cenário repleto de beleza, alegria, realizações, possibilidades, enfim, devem apresentar a idéia de que aquilo que ela transmite faz parte de uma realidade possível e expressa como uma extensão da vida cotidiana dos brasileiros. Contudo, na verdade o que se vive é um processo dicotômico no qual o contexto social vivenciado pela maioria dos personagens parecem não corresponder a realidade vivenciada pela população brasileira. Considerações Finais Vários são os jargões apresentados pelas telenovelas e o presente trabalho não dá conta de analisá-los em sua totalidade. Contudo, diante do que foi exposto e da enormidade de discussões apresentadas por teóricos que tratam do assunto, é possível afirmar que a mídia e em especial as telenovelas, exercem grande influência sobre o telespectador. Tamanha é a admiração do tevente frente ao maravilhoso mundo das telenovelas que passa a reproduzir consciente ou inconscientemente comportamentos dos personagens, dentre eles, os jargões aqui estudados. Vive uma realidade ilusória, maquiada pelos mecanismos da Indústria cultural que utiliza este produto para vender idéias de uma classe que tem por finalidade lucrar. Embora apresente discussões críticas, o presente estudo não teve por finalidade generalizar o caráter manipulador da mídia atribuindo a esta o papel de vilã e aos telespectadores o de vítimas. Coube a este estudo

14 14 apontar a capacidade que as telenovelas têm de ditar as tendências e modismos criados pela indústria que a financia. Diante do exposto, é possível então afirmar que a influência das telenovelas abrange inúmeros aspectos do comportamento das pessoas, elas ditam o modo de vestir, de comer, de falar e até de como porta-se diante de determinados relacionamentos, pois tratam de assuntos comuns à sociedade. A homossexualidade, o uso de drogas, paixões, traições, primeira transa são assuntos abordados nos capítulos que, emaranhados à ficção, parecem ser resolvidos com bastante facilidade. Dentre dessas discussões, a linguagem tem lugar especial, haja vista que os jargões utilizados pelos personagens, ouvidos no trabalho, nas ruas, nas rodas de conversas informais e até mesmo formais, denotam que a fala utilizada pelos artistas passa a ser incorporada ao cotidiano das pessoas legitimando a influência que a mídia, em especial a televisiva, exerce sobre elas. Referências BORDEAU, Pierre & PASSERON, Jean-Claude. A Reprodução: Elementos para uma Teoria do Sistema de Ensino. Editora S.A, Rio de Janeiro CAPARELLI, Comunicação de Massa sem Massa. São Paulo: Cortez, CARDOSO DE MELLO, J.M. & NOVAIS, F. Capitalismo Tardio e Sociabilidade Moderna. In: SCHWARZ, L.M. (org) História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, vol. 4., capítulo 9. CAMPOS, Maria Teresa Cardoso de. Telenovela brasileira e Indústria Cultural. In: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. Vol. XXV, nº 1, janeiro/junho de 2002.

15 15 DASCAL, Marcelo (org.) Conhecimento, Linguagem, Ideologia. São Paulo, Perspectiva FERRÉS, Joan. Televisão subliminar: socializando através de comunicações despercebidas. Porto Alegre: Artes Médicas Editora, MATTOS, Sérgio. Origem e Desenvolvimento Histórico da Televisão Brasileira. Disponível em: Acesso em: NORBERT, Elias. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed PRETI, Dino: A linguagem da TV: o impasse entre o falado e o escrito in: NOVAES, Adauto (org.) Rede imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal de Cultura. ROCCO, Maria Thereza Fraga. (1991): As palavras na TV um exercício autoritário in: NOVAES, Adauto (org.) Rede imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal de Cultura.

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio

Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio No debate que ainda não saiu dos bastidores, a luta pelo controle da infra-estrutura da "sociedade da informação o cidadão chega

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa.

Palavras-chave: mídia, sociedade de cultura, meios de comunicação de massa. MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL E SOCIEDADE Viviane L Martins Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP Resumo Este artigo visa uma breve análise sobre o modo como a mídia interage com a sociedade de cultura.

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES

PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES SEMINÁRIO PROJETOS CULTURAIS: MITOS E REALIDADES NOSSA PROGRAMAÇÃO 1ª Parte Alguns mitos e realidades sobre a Cultura e o Marketing Cultural 2ª Parte Projetos Culturais: Planejamento e modelos I - PORQUE

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA

EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA EVOLUÇÃO DA MÍDIA AUDIOVISUAL ANDRÉIA SOARES F. DE SOUZA Cronograma de Evolução da Mídia Audiovisual no Brasil Gráfico representativo do desenvolvimento de mídia audiovisual no Brasil década a década A

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital.

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital. 8 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios O ADVENTO DA TV DIGITAL E A PRODUÇÃO DE CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS UM ESTUDO ENFOCANDO AS PERSPECTIVAS FUTURAS

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Entrevista Jornal Zero Hora (RS)

Entrevista Jornal Zero Hora (RS) Entrevista Jornal Zero Hora (RS) ZH: Grifes europeias estariam voltando seus olhos para emergentes como o Brasil em razão da crise em seus países de origem. Vamos ver abrir mais lojas de produtos de luxo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil

MDD Mídias Interativas. A Evolução da TV no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas A Evolução da TV no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br Evolução da TV Evolução do Homem x TV Evolução

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

Yahoo compra criação de jovem de 17 anos por 30 milhões de dólares

Yahoo compra criação de jovem de 17 anos por 30 milhões de dólares COMISSIÓ GESTORA DE LES PROVES D ACCÉS A LA UNIVERSITAT COMISIÓN GESTORA DE LAS PRUEBAS DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD PROVES D ACCÉS A LA UNIVERSITAT CONVOCATÒRIA: PRUEBAS DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD CONVOCATORIA:

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA TELEVISÃO ABERTA NOS ESTADOS DO AMAZONAS, MATO GROSSO DO SUL, PARÁ, RONDÔNIA, RORAIMA E ACRE

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto Questões com textos não verbais Prof. Bruno Augusto (ENEM) Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Humsol e a luta contra o câncer de mama 1 Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A reportagem foi realizada para a disciplina de Rádiojornalismo ainda no quarto

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

O PODER DE INFLUÊNCIA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NA VIDA DAS CRIANÇAS. Resumo. Abstract 1. INTRODUÇÃO

O PODER DE INFLUÊNCIA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NA VIDA DAS CRIANÇAS. Resumo. Abstract 1. INTRODUÇÃO O PODER DE INFLUÊNCIA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NA VIDA DAS CRIANÇAS CRUZ, Amanda Janaina da Silva Discente do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva KAULFUSS, Marco Aurélio

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Midialivristas, uni-vos!

Midialivristas, uni-vos! LUGAR COMUM Nº25-26, pp. 137-141 Midialivristas, uni-vos! Adriano Belisário Gustavo Barreto Leandro Uchoas Oona Castro Ivana Bentes A comunicação é um campo de batalhas. Nela, o status quo se faz consenso.

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO 571 AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 1 Evelize Krüger Peres RESUMO O referido artigo vai tratar do uso das mídias digitais, como metodologia pedagógica nas aulas das ciências exatas e em outras áreas

Leia mais

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL

O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL O CENTRO CULTURAL TAMBOLELÊ E A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL Denis ARAÚJO Fernando D AGOSTINI Márcia Regina FANTINI Orlando PINEL Pedro Alberto ANDRADE Shelber CRUZ Lamounier Lucas PEREIRA

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais