TELENOVELA - o erotismo como produtor de sentidos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TELENOVELA - o erotismo como produtor de sentidos"

Transcrição

1 TELENOVELA - o erotismo como produtor de sentidos Prof. Dr. Paulo Fernando de Carvalho Lopes Possui graduação em Comunicação Social, habilitação em jornalismo pela Universidade Federal do Piauí UFPI. Especialização em Teorias da Comunicação e da Imagem Universidade Federal do Ceará (UFC) e mestrado e doutorado em Comunicação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é Chefe de Departamento do curso de Comunicação Social da UFPI. Em todo encontro erótico há um personagem invisível e sempre ativo: a imaginação, o desejo. Otávio Paz RESUMO: Este artigo procura refletir sobre a telenovela e a constituição histórica do erotismo, nas novelas da Rede Globo, enquanto elemento narrativo que atua como um ingrediente a mais na busca de audiência ampliando o espaço de aceitação, via televisão, da esfera íntima em horário nobre e em campeões de audiência. Para tanto, parte-se da pressuposição de que as telenovelas, enquanto práticas discursivas, são produzidas, circulam e são consumidas sob a lógica de um mercado simbólico. Desta maneira, constroem realidades, propõem estilos de vida, ampliam espaços sócio-simbólicos e articulam sentidos. Palavras Chaves: telenovela, erotismo, discursos e poder. Este artigo faz parte de um projeto de investigação sobre a telenovela que teve inicio no Mestrado, na disciplina de Teoria da Comunicação II Telenovela, e que agora ganha outro enfoque. Em primeiro lugar, antes de entrar propriamente na discussão sobre o aparecimento do elemento erótico nas telenovelas brasileiras faz-se necessário balizar algumas premissas que norteiam o entendimento teórico dos objetos. Considera-se que a novela não é só um gênero 1 ou uma técnica narrativa, entende-se que ela é um discurso cujo estes dois elementos estão presentes como constituidores deste produto cultural empírico (PINTO, 1999). Discurso é uma prática social de produção de textos entendidos aqui não no seu sentido clássico; seja apenas verbal, oral ou escrito, mas como objetos de conhecimento que envolvem ainda outras semióticas, os diversos contextos e os cotextos. O erotismo não é só um elemento da técnica narrativa utilizado no intuito de mobilizar sentidos e produzir reconhecimentos. Ele possui energia própria, é uma força que 1 A discussão sobre a definição conceitual de gênero está em nossa tese de doutorado e em um artigo ainda inédito intitulado: A notícia e a mistura de gêneros.

2 irrompe o humano, que está para além do seu controle, que o fascina, o confronta, silencia e potencializa mudanças de estados, sejam psíquicos ou sociais. O erotismo, já falavam Marcuse (1978) e Reich (1978), tem potencia política. Aproximando-se de Fairclough (2001), entende-se que a mudança social faz-se pelo discurso e a partir da introdução do erotismo na telenovela brasileira provocou-se uma mudança não só na ordem discursiva como também social. O Brasil, no que se refere aos discursos sobre a sexualidade, desde Gabriela (1975) já é outro. Ao se falar em erotismo o nome de George Bataille surge imediatamente devido o seu livro, onde ele procura mostrar um erótico não glamouroso. Há, para o autor, um erotismo sem esplendor e não literário que evoca os desejos ligados ao mais sórdido. Permite socializar o mais horrível e chama o homem a enfrentar o que ele mais tem pavor. Para definir o erotismo dever-se-ia partir da atividade sexual da reprodução, comum aos homens e aos animais sexuados, mas que aparentemente só o homem transforma a atividade sexual em atividade erótica (BATAILLE, 1980). A diferença entre o homem e o animal não está na inteligência, mas nos interditos. Para o animal nada é proibido. O interdito organiza a sociedade humana e é essencial para a existência humana, pois as normas e as leis asseguram um bem positivo para a vida racional. Bataille desenvolve a idéia que somos seres descontínuos, indivíduos que isoladamente morrem numa aventura ininteligível, mas que têm a nostalgia da continuidade perdida (BATAILLE, 1980, p.16,). O humano é um ser descontínuo porque se reproduz e se pensa distinto de si. Cada um vivencia uma experiência particular, totalmente pessoal. No que se refere à continuidade a fusão da paixão erótica é uma marca humana que possibilita a ruptura da descontinuidade entre os seres. A grande paixão é o preço mais alto a ser pago, o amor só é profundo se tiver possibilidade de pegar a morte. A nudez pode ser entendida como uma forma de comunicação. O papel do erotismo interfere nas descobertas. A passagem para o desejo erótico é a ruptura com o racional. A nudez é busca de continuidade do ser. Os corpos se abrem através de canais secretos. O erótico é uma experiência contrária ao prazer, que não arrisca nada, por ser uma experiência profunda e dolorosa.

3 Alberoni (1986) investiga o imaginário erótico feminino e masculino. Para ele, a pornografia é uma figura do imaginário masculino, é a satisfação alucinatória de desejos, necessidades, medos etc... Na mulher, não há interesse em ver particularmente um homem nu. O seu erotismo não tem quase nada a ver com o sexo. Segundo Alberoni pode haver relacionamentos sexuais e cenas de nudez masculina, mas as emoções profundas, o que é especificamente erótico nas histórias voltadas para o público feminino, está na languidez, no arrepio provocado pela emoção. É a inquietação do ciúme, é a paixão que aperta o coração, que faz sofrer, que faz esperar. O erotismo aflora quando esta mulher comum, que nada tem a oferecer, sente o olhar e o interesse do herói pousados nela. (...). O erotismo é também ansiedade, medo de não ser amada. É necessidade de ser procurada, procurada e mais procurada. É recusa, dizer não com a ansiosa esperança que o amado volte apesar daquele não. O erotismo atinge seu ponto nesta tensão, nesta indagação contínua, sempre desiludida e sempre renascente: ele gosta de mim? me deseja? me ama? (ALBERONI, 1986, p.19) O erotismo feminino é influenciável pelo sucesso, pelo reconhecimento social, pelo aplauso, este aspecto encaixa-se na tendência da mulher a contigüidade-continuidade. poder etc... No homem, ao contrário, há separação entre sexo e política, sexo e lazer, sexo e O erotismo masculino é anseio egoístico de gozo. Se um homem casado sente atração erótica por uma mulher e faz amor com ela, não para construir um futuro, uma família, não para realizar um grande amor, mas única e exclusivamente porque lhe agrada fazer amor. (...) quanto a fantasia erótica masculina é oposta a feminina. Se esta procura a continuidade, a intimidade e a vida em comum, a outra esforça-se por excluir o amor, o compromisso, os deveres, a própria vida social. (ALBERONI, 1986, p ). A mulher, nua ou em trajes íntimos etc., enquanto objeto de desejo visual tem longa tradição e é bastante utilizada em revistas, filmes, novelas, mas a partir do final dos anos 80

4 início dos anos 90 houve uma explosão de corpos masculinos, na mídia, despidos ou de sunga. As cenas com mulheres continuam a ser mais se levarmos em conta somente os números, mas historicamente, a pontuação masculina é significativa porque antes ela praticamente não existia. O autor de novelas Carlos Lombardi, em entrevista a revista Veja, maio de 1992, afirma que o que existe é uma democratização do nu, as câmeras de tv mostram tanto homens quanto mulheres e o que a mídia revela é o modismo. No entanto os números em publicidade revelam o contrário, há um aumento da oferta do nu masculino e uma estagnação do nu feminino, mas isto é uma discussão paralela, o que gostaríamos de salientar é que mostrar os corpos de atores e modelos inseridos em histórias é um elemento narrativo bastante utilizado pelos meios de comunicação de massa. Mas isto não é privilégio da televisão, ela está apenas dando imagens elétricas às imagens mentais construídas em romances literários do século XVIII, conhecidos como água-com-açúcar, a heroína romântica e virgem a espera do príncipe encantado. Paz (1993) diz que a propósito do erotismo, não há nada mais natural que o desejo sexual e nada menos natural que as formas em que se manifesta e se satisfaz. Continua o autor, na linguagem e na vida erótica de todos os dias, os participantes imitam os rugidos, relinchos, arrulhos, gemidos de toda espécie de animais. A imitação não pretende simplificar, mas complicar o jogo erótico e assim acentuar seu caráter de representação. Segundo Duringan (1985), o erotismo não imita a sexualidade, é sua metáfora e o texto erótico é a representação textual desta metáfora. Muniz Sodré (l990) diz que a ordem da televisão ou macrotelevisão, ou o império dos processos de reprodução elétrica de informação e imagens, advém do momento exato de esgotamento da força dos modelos clássicos de representação e que o problema não está localizado só nos conteúdos específicos dos meios de comunicação, que são hegemonicamente impostos, mas sim na articulação dos conteúdos e formas produtivas da indústria cultural com as formações ideológicas e práticas institucionais da sociedade civil. O importante é determinar até onde vão os efeitos de organização das relações sociais provocadas pelos meios de comunicação, desta forma, em um dado momento da história da telenovela, o erotismo e as cenas de nudez, até então reservadas ao cinema e exibidas para

5 maiores de dezoito anos, passam a fazer parte do universo novelístico, num primeiro momento no horário das vinte e duas horas e depois nos vários horários da programação. A televisão trabalha com o inconsciente, mas de forma reflexa. Quando ela diz que apresenta o real, na verdade está apenas representando-o, pois no momento em que se representa o real ele deixa de ser real para ser algo representado. Assim também é com o imaginário, quando ela procura relatar as nossas fantasias e nossos desejos os faz alterandoos; a mulher dos nosso sonhos usa uma determinada de perfume, o galã veste uma certa peça de vestuário etc. social: Vieira (1992) diz que a televisão realiza o projeto de homogeneização do imaginário (...) a televisão quer ser o sucedâneo da realidade. Os desejos irrealizados, em vez de se transformarem na vida material através da minha intervenção, através da impossibilidade de conter a minha angústia, em vez de se tornarem recalques, transformam-se em realidade, através da fantasia no meu cotidiano. No sentido freudiano, a televisão lutaria para fazer felizes todos os homens incapazes de fantasiar. Porque só o infeliz, o homem pleno de desejos irrealizados, é capaz de fantasiar, é a forma de corrigir uma realidade insatisfatória. (p.124) É assim, envolta num mundo de fantasia que a novela se apresenta ao telespectador. A telenovela em seus primórdios A primeira telenovela a ir ao ar foi Sua vida me pertence, em 1951, de autoria de Walter Foster, estréia na TV Tupi de São Paulo trazendo, para o Brasil, o know-how do gênero melodramático. Ortiz (l989), afirma que é clara a filiação da novela ao romancefolhetim, mas, no entanto, este tipo de narrativa, não é o único que influencia este gênero. Há, ainda, as contribuições da soap-opera americana e da rádio-novela latino-americana. No início, a telenovela ia ao ar duas vezes por semana e ao vivo. Se Sua vida me pertence foi a primeira novela brasileira, ocupado foi a primeira novela diária e O direito de nascer, em 1964, foi o primeiro grande sucesso nacional. Seu último capítulo foi apresentado no Maracanãzinho com a presença do elenco

6 da novela. A partir de então, as principais emissoras de São Paulo investiram no gênero. Ao longo destes quase cinqüenta anos, várias novelas foram ao ar criando um hábito na população brasileira. Aos poucos, na guerra entre emissoras, foi se firmando uma nova concorrente: a Rede Globo de Televisão. Ela começou a funcionar quinze anos depois da implantação da TV no país. A sua primeira emissão se deu em abril de 1965, um ano depois do golpe militar de No início a sua penetração, junto ao público telespectador, foi fraca. A imagem era boa, passava filmes interessantes e tinha profissionalismo na operação, mas ela não conseguia alcançar o sucesso. Os planos pareciam ir de água abaixo quando, literalmente, uma forte chuva inundou o Rio de Janeiro e a emissora resolveu fazer uma cobertura jornalística da catástrofe. As câmeras testemunharam a desolação da população desabrigada e desenvolveram uma campanha de ajuda às vítimas da enchente. A cidade se mobilizou para ajudar os desabrigados levando donativos à sede da TV. Com as águas baixando, a emissora sobe em simpatia da população local e conquista uma maior audiência. Com uma preocupação em saber o que o público pensava e queria, a emissora passou a usar a pesquisa de opinião, não só para conhecê-lo e saber seu posicionamento diante das ofertas apresentadas, mas também para o que ela não atendia em termos de programação. A Rede Globo, com a criação do padrão Globo de qualidade, estabelece uma relação de qualidade com o público. José Marques de Melo diz que o padrão global é, na realidade, uma planejada estratégia de marketing, unindo eficiência empresarial, competência técnica e sintonização com as necessidades subjetivas dos telespectadores, através de pesquisas. O segredo do seu êxito está na criação de um hábito de consumo, que mantém o mercado potencial fiel a um tipo de programação capaz de atender aos desejos de diferentes faixas etárias e sócio-econômicas (MELO, 1988, p.18). Ao começar a operar em 1965, a Globo utilizou-se da experiência das emissoras paulistas em telenovelas para contratar os melhores atores e dramaturgos. A escritora cubana Glória Magadan, foi convidada para dirigir o núcleo de telenovelas. A sua linha de ação era encomendar a autores brasileiros a adaptação ou criação de obras que se passavam em outros países ou em outras épocas. Desta forma, o telespectador tinha contato com

7 cenários fora do Brasil. Durante mais ou menos seis anos a produção novelística da emissora permanecia utilizando-se do padrão cubano-mexicano do melodrama temporal e espacialmente distanciado do cotidiano do telespectador. Em 1969, a principal concorrente da Globo, a TV Tupi, fez uma revolução no gênero produzindo uma novela, Beto Rockfeller, ambientada no Brasil. Houve um processo de identificação, por parte do público, com os personagens, o tema não era o melodrama, mas sim o humor e a descontração de uma cidade brasileira. À medida que a emissora foi crescendo no mercado nacional em audiência, houve a preocupação em não fazer mais novelas passadas fora do país e utilizar melhor uma técnica recente: o videotape. Este recurso possibilitava a gravação de cenas fora dos estúdios, aproximando ainda mais o espectador do seu referencial urbano. A resposta, por parte da audiência, foi imediata e a busca por maior espaço para veiculação de anúncios também. Diante deste filão, a Rede decidiu investir fortemente no gênero. Uma das primeiras medidas foi estruturar a programação para diferentes faixas etárias e sócio-economicoculturais. A primeira modernização da Globo foi a divisão de horários das telenovelas, segundo os modelos de público, a saber: - horário das seis da tarde, para os adolescentes, as domésticas, as donas-decasa, com adaptações da literatura romântica. - horário das sete, ainda que para adolescentes, as donas-de-casa e eventualmente para a mulher que trabalha fora com histórias leves, românticas e temperadas com algum humor; - horário das oito, dirigido para a mulher madura, para o marido, para a célula familiar em geral, com histórias que enfoquem o dia-dia, os problemas familiares, as grandes questões; - horário das dez, naturalmente seletivo, destinado a histórias experimentais. (CAMPEDELLI, 1987, p ,) Um segundo momento estratégico usado para firmar a emissora no mercado veio através da tecnologia como sinônimo de qualidade. Foram comprados os melhores e mais recentes equipamentos fabricados no Japão, criaram-se as cidades cinematográficas, foram

8 contratados em tempo integral escritores e atores, com salários milionários e criou, ainda, um departamento para manter a imprensa informada sobre suas novelas e seus artistas. O público saiu ganhando com estas inovações. Segundo Melo (1988), ao invés de ficarem limitadas as temáticas do Rio de Janeiro, passou-se a produzir histórias ambientadas em outras regiões do país criando uma identificação do publico com as paisagens e valores culturais visibilizados em nível nacional. O terceiro momento da escalada global foi quanto à forma de contar as histórias. As novelas passam a mostrar as contradições ocorridas nos grandes centro urbanos, os conflitos políticos e a cultura popular - realismo fantástico. A preocupação norteadora é o retrato da realidade, espelho da realidade, fidelidade à realidade. (RAMOS E BORELLI,1989,p. 94). Poderíamos dizer que num quarto momento a Globo começa a investir na captura do público masculino ao lançar o western brasileiro Irmãos Coragem. O quinto é a produção para exportação e daí em diante sempre são feitas estratégias para conseguir se manter no topo da audiência. Uma sexta estratégia foi, ao nosso ver, a utilização de corpos despidos nas novelas. A Globo começa, nos idos dos anos 90, a perder audiência para as novelas da Rede Manchete, cujo carro chefe são boas histórias, bons autores, diretores e atores e a disponibilidade de se mostrarem despidos. A até então, mais recatada, entra numa disputa direta com a concorrente. Mas, até chegar a este momento, esta prática teve sua história. O erotismo em seus primórdios na telenovela brasileira Quando eu vim para este mundo, eu não atinava em nada, hoje eu sou Gabriela, Gabriela e seus camaradas. Todas as noites, de abril a outubro de 1975, o telespectador sabia que estava começando, aquele que durante dez anos, foi um dos grandes sucessos da Globo. A novela Gabriela, escrita por Walter George Durst, adaptada do romance de Jorge Amado - Gabriela, Cravo e Canela, contava a história da vida em Ilhéus, no interior da Bahia. A vida da pequena cidade começa a transformar-se com a aparição de uma oposição de peso ao sistema político dos velhos coronéis, fazendeiros de cacau.

9 Dr. Mundinho Falcão - interpretado por José Wilker- era este opositor. O outro gancho da história era o amor entre o turco Nacib (Armando Bógus), dono do bar Vesúvio, pela retirante, da cor de canela, Gabriela (Sônia Braga). Se Irmãos Coragem foi um investimento para iniciar uma paquera das novelas com o público masculino, Gabriela é uma declaração de amor na forma de um olhar erotizado da câmera. O banho de chuva que a retirante toma no caminho para cidade mais próxima quando vem fugindo da seca, nos primeiros capítulos, deu mostras deste aspecto na novela. Usando vestidos curtos, que deixam ver as belas pernas torneadas e de chita - tecido fino, colorido e barato, muito usado pela população carente do nordeste, Gabriela brinca com a água, enquanto esta cola o vestido a seu corpo. Rossetti (1995) explica que a roupa ao se molhar, torna-se como uma gaze transparentíssima, que destaca tudo o que envolve, tornando-o visível e abrilhantando-o como se fosse verniz, polindo-o e fazendo de um mamilo como que uma uva de jade e de um púbis uma penca de algas presas numa rede trêmula que solta faísca. A roupa molhada é capaz de traçar o arco seguro do damasco entre as nádegas mais rijas, afundar em suas covinhas, aplanar-se sobre um ventre como uma membrana, recurvar-se numa coxa e rodeá-la até atingir o lugar onde a pele é tão suave como talco e cobrir as numerosas arestas de suas úmidas dobras entre as pernas ( p. 59). Ao contrário das heroínas puras dos folhetins melodramáticos, Gabriela deixa de ser virgem durante a viagem. Há um jogo de sedução, pelo olhar, entre um dos retirantes que a acompanha e ao avô, e ela. O avô não resiste à viagem e morre, deixando-a sozinha. Ao chegar à cidade vai para o mercado onde ficam os retirantes e é lá que ela se oferece ao turco Nacib chamando-o: Moço bonito, num tom brejeiro e sensual. Com uma abordagem destas, ela ganha a cozinha do turco onde mostra que é exímia cozinheira, conquistando não só seu estômago, mas dos freqüentadores do bar. Gabriela é pura sedução. As cenas mostram o andar cadenciado, lânguido e inocente pelas ruas de Ilhéus. O percurso de casa ao bar é acompanhado com desejo por todos os seus freqüentadores, aumentando a clientela, exatamente, neste horário. O jeito inocente e moleque da morena é mostrado nas cenas que brinca despreocupadamente, na rua com os meninos de pular carniça, a cada movimento, dá para entrever um pouco mais suas coxas roliças.

10 A sua subida no telhado para tirar uma pipa de um garoto pára a cidade. Todos, habitantes da cidade e os espectadores vêem e sonham com as formas exibidas por ela. Se, na rua, ela era um estrondo; em casa, as cenas eram mais provocativas. À noite, ela esperava seu Nacib, na cama dele, coberta só com um lençol. Segundo Rossetti (1995), o lençol em torno de um corpo que se sabe nu é um convite ao prazer. Mas não era só Gabriela que esbanjava sensualidade. A beleza madura de dona Sinhazinha (Maria Fernanda), esposa do coronel Coriolano Ribeiro (Rafael de Carvalho), era mostrada sensualmente no vestir e tirar as meias pretas, outro elemento que atiça o imaginário erótico masculino, quando esta traía o marido com o jovem e bonito dr. Osmundo (José Paulo Adour). A relação entre eles era terna, e erotizada, cheia de detalhes no despir; os brincos, os botões do vestido, a abertura dos botões da blusa dele etc. As mulheres de Ilhéus eram sensuais e a novela procurou retratar isso. Desde as garotas do Bataclã, o cabaré da cidade, onde todos os homens passavam antes de irem para casa, até os desejos mais contidos, mas expressados pelo olhar, da doce Jerusa (Nívea Maria) que ardia de paixão pelo doutor Mundinho. As cenas de casais na cama são utilizadas com freqüência na novela e a conversa sobre a sexualidade era aberta. Muitas vezes no Bataclã ouvia-se dona Maria Machadão (Eloiza Mafalda) dizer: Tá triste, pegue uma das meninas para dançar, se divertir, e você vai melhorar. O elemento político é, também, o tema principal na novela. O novo se apresenta Mundinho Falcão, como resistência ao antigo poder localizado nas mãos dos velhos coronéis do cacau que mandavam na cidade e nos costumes. São mostrados ainda um vasta gama de assuntos relacionados a esfera intima, reprimidos pela ordem política vigente. Dez anos depois a Globo colocou no ar a novela que fez mais sucesso em público e que tinha sido censurada, em 1975, pelo regime militar. Roque Santeiro, de Dias Gomes, conta o dia-dia da pequena Asa Branca, uma cidade fictícia. Lá, o coroinha Luís Roque Duarte (José Wilker) foi morto pelo bandido Navalhada(Oswaldo Loureiro) ao tentar salvar a cidade de seu bando. Só que Roque não morreu e volta à cidade para pôr fim no mito. Enquanto que em Gabriela era explícito, em Roque Santeiro, o erotismo era implícito, ele não era mostrado, mas sim contado, envolto por uma aura religiosa. Asa Branca vivia sob o domínio da Igreja, do poder municipal, dos comerciantes que

11 enriqueceram as custas do falso milagre e da elite rural representada pelo milionário fazendeiro Sinhozinho Malta (Lima Duarte). Os diálogos usavam muito o duplo sentido da linguagem de forma implícita. Neste sentido a novela era mais recatada, deixava que o telespectador, induzido, deduzisse as entrelinhas repletas de referencias ao sexo. Muitas vezes o olhar do telespectador, nas cenas mais íntimas, era trazido pela câmera até um certo ponto dali ele não passava. A primeira vez da romântica Tânia (Lídia Brondi) com o ator de cinema Roberto Matias (Fábio Jr.) é relatado por ela como algo fantástico, na beira do rio, a água, a relva, as estrelas, os corpos se abraçando, a paciência e a doçura do amante etc... Sem nunca ter casado nem conhecido o marido, a viúva Porcina (Regina Duarte), foi a primeira heroína sem caráter da telenovela brasileira. Com roupas coloridas e extravagantes, sem gestos polidos, de língua solta, vinda de uma origem humilde, mulher foguenta, como se denominava, era amante do sexo e de Sinhozinho Malta. Viu na história do falso milagre a oportunidade de adquirir respeito e ascensão social. Por isto, mesmo sabendo que estava enrolando todo mundo, assume o lugar de esposa do falecido sem ser questionada por ninguém. A não ser pela verdadeira noiva, D. Mocinha (Lucinha Lins), que não entende e não aceita a presença da rival, uma vez que estava de casamento marcado e o noivo tinha jurado amor eterno. Ela representa um ideal de heroína, que na década de 80, é questionado: romântica e virgem. Na disputa entre as duas, Porcina várias vezes desdenha de Mocinha por ainda ser virgem e romântica, por viver num mundo sem sexo, sendo esta, para ela, a causa de muitos dos males e comportamento da eterna noiva. Porcina não é mostrada indo para cama nem com Sinhorzinho Malta, nem com Roque Santeiro, mas é insinuado o tempo todo o desfeche das brincadeiras, dos olhares, das insinuações feitas aos dois. Os elementos narrativos eróticos de Roque Santeiro estão nos implícitos de seus diálogos, nos seus relatos sobre situações de envolvimento sexual. As cenas apenas introduziam o telespectador no ambiente, para depois ele ouvir os relatos. A questão política, nesta novela, refere-se a manipulação do povo pobre e analfabeto pela fé. A Igreja reprime os desejos da carne, enquanto vários personagens vivem conflitos morais entre desejo e pecado. Vale Tudo, em 1988, de Gilberto Braga, é uma das primeiras, na Globo, a mostrar o corpo masculino em trajes sumários. O então vice-diretor de operações da rede Globo, José

12 Bonifácio de Andrade, o Boni, na matéria de comportamento da revista Veja, em 13 de maio de 1992, com o título: Os gatos estão nus, quando surgiu a polemica dos homens sem roupas ou de sunga/cuecas nas novelas, disse que a emissora não estava preocupada em usar o nu como estratégia para conseguir audiência. Entretanto, a matéria mostrava que na prática acontecia outra coisa. O vilão César (Carlos Alberto Ricceli) passeia capítulo após capítulo de sunga preta. O herói, já quarentão, Ivan (Antonio Fagundes) mostra uma sunga vermelha. Assim como Thiago (Fábio Vilaverde) filho de Heleninha Roitman (Renata Sorrah), o jovem modelo André (Marcelo Novaes) e o milionário Afonso (Cássio Gabus Mendes), todos desfilam em trajes de banho, de toalha, cobertos por lençóis, tomando banho etc. Rossetti (1995), ressalta como estes elementos erotizam o objeto olhado. A novela mostra um Brasil onde tudo é valido para se dar bem, trair, mentir, corromper, matar, enganar, se prostituir. É um momento de descrença com o país e suas instituições. Embora haja muitas cenas enfocando o corpo masculino, as relações sexuais são mostradas, envolvidas com muita música e clima romântico. Enquanto em Roque Santeiro, o tema sexo está envolto em tabus, Vale Tudo traz, personagens mais desencanados da problemática sexual. Aqui pouco se fala de sexo, o faz de frente para a câmera.. É dado um close no rosto da independente Solange (Lídia Brondi) no momento em que ela tem um orgasmo na primeira vez com Afonso. As personagens principais Maria de Fátima (Gloria Pires), Raquel (Regina Duarte) e Solange vivem sem traumas suas sexualidades. O único conflito, nesta área, é vivido pelo executivo Marco Aurélio (Reginaldo Faria), que suspeita de uma possível homossexualidade do filho Thiago. O autor, Gilberto Braga, polemiza com a sociedade brasileira, ao colocar explicita, em horário nobre, a relação lésbica entre Laís (Cristina Prochaska) e Cecília (Lala Deheinzelin). São duas mulheres maduras, ricas e vivendo em plenitude a relação. Num momento da trama Cecília morre e a companheira fica como herdeira, adiantando uma discussão que só ganharia mais fôlego em meados dos anos As mulheres em Vale Tudo, estão mais vestidas aparecem, na intimidade, com camisões folgados, camisolas, pijamas, e até baby-doll, porém são roupas em situação de cotidianidade, sem apelo erótico. Esta novela inicia a explosão e exploração do corpo

13 masculino como objeto de consumo, a câmera passeia pelos corpos dos galãs num explicito apelo erótico. Outro romance de Jorge Amado é levado ao ar em Desta vez, conta a história de Tieta (Beth Faria). A heroína volta a Santana do Agreste para se vingar de todos os que contribuíram para sua expulsão da cidade vinte e cinco anos atrás e principalmente da irmã Perpétua (Joana Fomm). O motivo de sua expulsão era o fogo sexual que ela tinha, ela transava com vários homens da cidade nas dunas do mangue seco, enquanto pastoreava as cabras do pai. Daí ser chamada de cabrita pelos amantes. Tieta deixa de ser virgem no primeiro capítulo. Ela é puro sexo: vive do seu comércio, o pratica por prazer, é exímia na arte da cama e faz ipsilone duplo, mote e segredo de toda a novela. Ela é uma heroína incestuosa, vive e ensina os prazeres do sexo ao sobrinho seminarista Ricardo. A luta política de Tieta é contra o falso moralismo dos moradores de sua cidade natal que viam nela uma ameaça aos bons costumes, mas que na surdina faziam coisas piores como roubar, matar e impedir o progresso. O erotismo em Tieta está no uso da linguagem no duplo sentido, agora mais explicito. É proposto um vinculo com o publico através do pressuposto. Parte-se do principio que o telespectador entende a linguagem figurada e os gestos usados pelos atores. Enquanto havia repressão e resistência ao falar de sexo em Roque Santeiro, em Tieta, os personagens falam com certa dose de descaramento, de sedução. Osnar (José Mayer) é o garanhão da cidade, todos fazem alusão ao tamanho de seu órgão sexual, as mulheres enlouquecem e são loucas para ir para cama com ele, dentre outras virtudes, mas principalmente pela propaganda feita do volume que fica entre as calças. Outra referência feita com dose de humor é o segredo guardado por Perpétua, em uma caixa enorme, desde a morte do seu marido. No final, para desgraça da vilã, a cidade inteira faz fila para ver o grande troféu cortado e guardado. A imagem não aparece, mas os olhares dos personagens para a caixa, os sorrisos e as falas são claras. Em Tieta, o capitão Dário (Flávio Galvão) vive tranqüilamente com duas mulheres (Claudia de Alencar e Claudia Magno). Ele, quase sempre de sunga, é seduzido pelas duas mulheres que aceitam compartilhá-lo entre si. O velho coronel Artur da Tapitanga (Ari Fontoura) retrata o hábito nordestino de ser o iniciador sexual de meninas ofertadas pelos pais em troca de comida e educação, chamadas aqui de rolinhas.

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio

1948 É forçado a novo exílio, desta vez em Paris. 1949 É expulso da França e passa a morar na Checoeslováquia. 1951 Recebe em Moscovo o Prémio B I B L I O T E C A Vida e Obra 1902 João Amado de Faria instala-se em Ilhéus, na zona do cacau, e casa, anos mais tarde, com a baiana Eulália Leal. 1912 Em 10 de Agosto nasce Jorge Amado. 1913 O «coronel»

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

O Dep. Pastor Frankembergen pronuncia o seguinte discurso: O poder da mídia. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados.

O Dep. Pastor Frankembergen pronuncia o seguinte discurso: O poder da mídia. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. 1 O Dep. Pastor Frankembergen pronuncia o seguinte discurso: O poder da mídia Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. Hoje estou aqui para, mais uma vez, alertar sobre o mal que a televisão pode

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos

O Erotismo. através do bilhete postal ilustrado. Prefácio de Baptista-Bastos O Erotismo através do bilhete postal ilustrado Prefácio de Baptista-Bastos ndice Apresentação 4 Prefácio 6 O Nu 16 O Nu com Adorno 32 O Beijo 44 Arcimboldesco 50 Pecados Capitais 56 A Meia como Símbolo

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Avaliação Parcial de Rendimento em Leitura - 03

Avaliação Parcial de Rendimento em Leitura - 03 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE EDUCAÇÃO - SIAQUE ESCOLA: PROFESSOR: ALUNO: DATA / / PORTUGUÊS - 4ª SÉRIE / 5º ANO TURMA: TURNO: DATA: / / - Instruções gerais: - Este instrumento de verificação

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Arquétipos na publicidade e propaganda

Arquétipos na publicidade e propaganda Arquétipos na publicidade e propaganda Mauricio BARTH 1 Moris Mozart MUSSKOPF 2 Resumo Diversos indicadores comprovam o processo de envelhecimento da população brasileira. Esta tendência, do ponto de vista

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Tesouro em vaso de barro Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Consagração Enchendo o vaso com o tesouro - parte 2 Jz. 14 Sansão desceu até a cidade de Timna e ali viu uma moça filisteia. Voltou

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Fim da Sensibilidade na Glande

Fim da Sensibilidade na Glande Autor: Davi Ribeiro Fim da Sensibilidade na Glande Muitos homens alegam sofrer com a forte sensibilidade na glande. E isso, de certa forma, atrapalha muito na hora do sexo, principalmente na hora de ter

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema TÍTULO JUSTIFICATIVA Pontes da Leitura por Ravel Andrade de Sousa As atividades descritas neste projeto foram por mim realizadas na Sala de Leitura, a partir do

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993)

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Jessica Caroline Zanella* 1 Luciana Rosar Fornazari Klanovicz** 2 Resumo: As telenovelas tem um importante papel na cultura

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro. Fábio da Silva. 15/03/2010 até 08/04/2010

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro. Fábio da Silva. 15/03/2010 até 08/04/2010 ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE? um roteiro de Fábio da Silva 15/03/2010 até 08/04/2010 Copyright 2010 by Fábio da Silva Todos os direitos reservados silver_mota@yahoo.com.br 2. ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE?

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da I Unidade 7º ano / 6ª série António Manuel Couto Viana (poeta português). Versos de palmo e meio (1994). (Fragmento). Questão 1 - A expressão

Leia mais

O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN

O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN RESUMO O curtametragem em animação stop-motion O Bilhete, com

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

O QUE E A IGREJA ESQUECEU

O QUE E A IGREJA ESQUECEU 51. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52. E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano para lhe

Leia mais

consulta participativa de opinião

consulta participativa de opinião consulta participativa de opinião Interesses e perspectivas dos jovens da Brasilândia, Cachoeirinha e Freguesia do Ó CONSULTA PARTICIPATIVA DE OPINIÃO: INTERESSES E PERSPECTIVAS DOS JOVENS DA BRASILÂNDIA,

Leia mais

PERFIL DOS OUVINTES. Alcance: 776.533 ouvintes por mês ALCANCE 30 DIAS - 05/05h. Audiência: 71.701 ouvintes por minuto SS 06/19h FAIXA ETÁRIA

PERFIL DOS OUVINTES. Alcance: 776.533 ouvintes por mês ALCANCE 30 DIAS - 05/05h. Audiência: 71.701 ouvintes por minuto SS 06/19h FAIXA ETÁRIA A Rádio que é o AMOR DO RIO tem uma programação popular de sucesso formada pelas melhores músicas dos mais variados estilos, com grandes comunicadores e com as mais atraentes promoções, entretenimento

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR Bíblia para crianças apresenta JACÓ O ENGANADOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot; Lazarus Adaptado por: M Kerr; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende Nosso trabalho fala da argumentação e como utilizamos recursos argumentativos dentro da linguagem, e esta argumentação traz tanto efeitos positivos

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Lucas 9.51-50. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém.

Lucas 9.51-50. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. Lucas 9.51-50 51 Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52 E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais