Descoberta de preços e anúncios do PIB: uma análise para os mercados de café arábica à vista e futuro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descoberta de preços e anúncios do PIB: uma análise para os mercados de café arábica à vista e futuro."

Transcrição

1 Descoberta de preços e anúncios do PIB: uma análise para os mercados de café arábica à vista e futuro. Alexandre Carvalho da Cruz, Leonardo Bornacki de Mattos, Pedro Wesley Vertino de Queiroz Universidade Federal de Viçosa, Viçosa MG Grupo de Pesquisa: Grupo 1. Comercialização, Mercados e Preços. Resumo Pretende-se identificar se é o mercado à vista ou o mercado futuro de café arábica que mais contribui para a descoberta do preço eficiente dessa commodity no período pós crise nos casos em que há incorporação de novas informações aos preços. Leva-se em conta que a divulgação do PIB pelo IBGE é um fato que incorpora novas informações aos preços do café. Para determinar qual mercado, à vista ou futuro, mais contribui para a variação do preço eficiente do café, é utilizada a metodologia de Hasbrouck (1995), que propõe o coeficiente Information Share (IS). Esse coeficiente mede a variância no preço eficiente relativa a um dos mercados cointegrados. Conclui-se que ambos os mercados à vista e futuro de café contribuem em uma proporção semelhante para a variância do preço eficiente quando há a divulgação do PIB, com o mercado futuro contribuindo mais para a descoberta do preço eficiente do café quando não há a divulgação do PIB, e com o mercado à vista contribuindo mais quando há a divulgação do PIB. Palavras-chave: descoberta de preços, mercados eficientes, mercados futuros. Abstract It is intended to identify whether the spot market or the futures market of Arabica coffee that contributes more to the efficient price discovery of that commodity in the post crisis period when new information are incorporated to prices. It is supposed that the GNP announcements from IBGE is a fact that that incorporates new information to coffee prices. To determine which market, spot or future, contributes more to the variance of coffee efficient price, is used the Hasbrouck (1995) methodology, that proposes the Information Share (IS) coefficient. This coefficient measures the variance in the efficient price relative to one of the cointegrated markets. It is concluded that both spot and futures markets of coffee contributes in a similar manner to efficient price variance when GNP are announced, with the futures market contributing more to efficient price discovery when there is no GNP announcements, and the spot market contributing more when GNP are announced. Key words: price discovery, efficient markets, futures markets. 1. Introdução A teoria de finanças dita que o preço dos ativos reflete o valor dos seus fundamentos, ou seja, reflete todas as informações que influenciam as variações dos preços de cada ativo negociado. Sendo assim, o preço negociado de um ativo incorpora não somente as informações atuais mas também a esperança da realização de informações futuras. O preço

2 que incorpora todos os fundamentos corretamente é dito preço eficiente, o qual é obtido através do equilíbrio entre a oferta e demanda dos ativos nos mercados em que são negociados. Algumas informações relevantes podem interferir nos fundamentos e, consequentemente, mudar o preço eficiente dos ativos. Esse é o caso dos indicadores macroeconômicos. A divulgação do PIB, em particular, interfere sobre o preço dos ativos negociados por se tratar de um indicador de atividade econômica. Assim, é de se esperar que em dias de anúncio do resultado do PIB haja uma forte incerteza quanto aos valores negociados dos ativos. Isso porque os agentes já incorporaram ao preço dos ativos todas as informações conhecidas mais as informações esperadas sobre como o PIB pode influenciar nos preços, mas ainda estão incertos quanto ao verdadeiro valor do PIB. Atualmente, a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) permite a negociação de contratos futuros sobre diversas commodities. Os contratos futuros são instrumentos que fazem com que o investidor consiga mitigar o risco de variação dos preços através da fixação do preço futuro da commodity. Existem, portanto, dois ativos, a commodity física e um contrato futuro, os quais são negociadas a primeira no mercado à vista e o último no mercado futuro. Uma questão a se considerar é se há alguma relação entre os preços negociados dos dois ativos nestes mercados. No caso específico da negociação de uma determinada commodity no mercado à vista e no mercado futuro, a condição de não arbitragem em mercados financeiros 1 não permite que o preço nesses dois mercados se distancie muito. A literatura sobre a descoberta de preços está preocupada em como o movimento dos preços reage a novas informações relevantes. Em especial, se há dois ou mais ativos negociados em dois ou mais mercados ligados por uma condição de não arbitragem, deseja-se identificar qual dos mercados é mais responsável pela formação do preço eficiente (CHEN E GAU, 2010; YAN E ZIVOT, 2010). Em um primeiro momento a pesquisa sobre a descoberta de preços levava em conta somente a identificação de qual mercado incorporava mais rapidamente informações aos preços. O mercado que incorporava mais rapidamente as informações aos preços era dito líder (lead market) e o mercado que demorava a incorporar as informações chamava-se defasado (lag market). Essa análise é chamada de lead-lag. As diversas pesquisas lead-lag (GARBADE E SILBER, 1982; KAWALLER, KOCH E KOCH, 1987; HARRIS, 1989; STOLL E WHALEY, 1990; CHAN, 1992), as quais levam em conta a negociação em mercado à vista e futuro, indicam que o mercado futuro é aquele que incorpora mais rapidamente as novas informações aos preços. Segundo Garbade e Silber (1982), aproximadamente 75% das novas informações são incorporadas primeiramente nos preços futuros. Os investidores são mais precisos em indicar qual será o preço futuro do ativo dado uma nova informação, mas são mais relutantes em mudar o preço à vista dada uma nova informação. Isso porque o preço à vista já deveria estar sendo negociado ao preço eficiente pois os investidores antecipam a incorporação de novas informações aos preços. No Brasil, existe uma escassez das pesquisas lead-lag que tratam de mercados à vista e futuro. Essa literatura no Brasil se baseia mais na comparação entre os mercados de ações brasileiros e norte americano, e na comparação entre os mercados de índices de bolsas de valores. (MEDEIROS E OLIVEIRA, 2008; OLIVEIRA NETO, MEDEIROS E QUEIROZ, 2012). 1 A condição de não arbitragem em mercados financeiros é caracterizada pela compra e venda simultâneas do mesmo, ou de essencialmente similar, ativo em dois mercados diferentes a uma diferença vantajosa de preços. Por se tratarem de ativos similares, o ativo físico e o contrato futuro não podem apresentar uma grande diferença de preços capaz de permitir a arbitragem.

3 Em um segundo momento, a pesquisa sobre a descoberta de preços passou para a identificação dos componentes comuns nas séries de preços dos ativos em diferentes mercados. Hasbrouck (1995) argumenta que os ativos ligados por uma condição de não arbitragem, os quais são cointegrados 2, têm um componente comum, o preço eficiente. Dessa forma, a pesquisa sobre a descoberta de preços passa para a identificação do fator comum compartilhado pelas séries de preços cointegradas (HASBROUCK, 1995; GONZALO E GRANGER, 1995). Em se tratando da identificação de fatores comuns nas séries de preços, o coeficiente information share (IS) proposto por Hasbrouck (1995) se destaca. Esse coeficiente trata de mensurar a proporção da variância relativa do preço eficiente devida a cada mercado cointegrado. Hasbrouck (1995) constrói esse coeficiente levando em conta que dois mercados de uma determinada commodity compartilham uma variância comum, o preço eficiente, e que cada um dos mercados contribui à sua maneira para essa variância. Para a análise da descoberta de preços através do coeficiente IS, a commodity escolhida foi o café. O café é um produto que se destaca tanto pelo seu volume de produção, que atende tanto o mercado doméstico quanto o mercado internacional, quanto pela sua importância histórica (FURTADO, 2005). O gráfico abaixo mostra o desempenho da produção e o valor das exportações de café de 2000 a Gráfico 1 Produção e Exportação de café de 2000 a Fonte: ABIC (2014). Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café - ABIC, no ano de 2013 o consumo interno atingiu o patamar de 21 milhões de sacas de café. Isso devido ao aumento do PIB e do consumo das classes C, D e E (ABIC, 2014). Em 2013 o Brasil foi responsável por 28,08% das exportações mundiais de café. Ainda em 2013, foram produzidas 49,2 milhões de sacas de café e o valor das exportações de café verde, solúvel, extratos e torrado movimentou 5,3 bilhões de dólares (ABIC, 2014). Além da importância relativa do café para a geração do PIB, a implementação de contratos futuros de café arábica na BM&F foi pioneira dentre as commodities agrícolas 3. 2 Séries de tempo são cointegradas se compartilham uma mesma tendência estocástica. Assim sendo, existe pelo menos um vetor que produza uma combinação linear estacionária das séries. 3 Dentre as commodities não agrícolas, o primeiro contrato comercializado foi o de ouro, o qual começou a ser negociado em 14 de março de 1986.

4 Desde 8 de dezembro de 1999 o contrato futuro de café arábica é negociado na BM&F e sua existência até hoje demonstra a aceitação desse tipo de contrato dentre os investidores brasileiros. O período utilizado para o cálculo dos coeficientes IS para o café à vista e para o contrato futuro de café arábica é o período pós crise de O período analisado começa no quarto trimestre de 2008 e vai até o final de A escolha do período pós crise se deve por causa do choque no preço dos ativos financeiros durante a crise de 2008 devido à incerteza quanto a saúde financeira de algumas instituições financeiras internacionais. Para não captar a variância do preço do contrato futuro devido à crise de 2008 decidiu-se por começar a análise pelo quarto trimestre de Este trabalho se propõe a responder se é o mercado à vista ou futuro de café que mais contribui mais para a variação do preço eficiente dessa commodity. Dito de outra forma, deseja-se responder qual é o mercado que contribui mais para a descoberta de preços do café. Assim, através da análise dos coeficientes IS, pode-se dizer qual dos mercados é mais rápido na incorporação das novas informações aos preços. Para alcançar esse objetivo serão identificados os coeficientes IS em três diferentes períodos de análise. Primeiramente serão calculados os coeficientes IS para o mercado à vista e futuro para todo o período de análise. Depois serão calculados esses coeficientes para as datas de anúncios do PIB e para as datas sem anúncios do PIB. É esperado que o mercado à vista contribua mais para a descoberta de preços, medido pela contribuição na variância do preço eficiente (coeficiente IS), em períodos onde não haja divulgação do resultado do PIB, pois os preços negociados não estariam sendo ajustados pela divulgação de novas informações e estariam mais próximos do preço eficiente. Também, é esperado que o mercado futuro contribua mais para a descoberta de preços em períodos onde há divulgação do resultado do PIB e em períodos onde o fluxo de informações relevantes para o preço eficiente do café é maior. Saber o quanto cada mercado à vista ou futuro de café contribui para o preço eficiente é importante para se determinar a dinâmica dos preços do café. A partir da identificação do preço eficiente do café, e sabido qual a dinâmica dos seus preços nos dias de anúncio do PIB (e também nos dias de anúncio de novas informações), pode-se antecipar quando haverá uma bolha no preço causada por incertezas relativas à quanto cada uma das novas informações faz variar o preço eficiente. Este trabalho pretende contribuir para a literatura da descoberta de preços através da implementação da metodologia dos componentes comuns. Mais especificamente, deseja-se contribuir identificando as variâncias específicas em mercados cointegrados captadas pelo coeficiente IS proposto por Hasbrouck (1995). 2. Referencial teórico Para tratar da descoberta de preços do café e como os anúncios do PIB influenciam tal descoberta de preços, é preciso entender primeiramente como são as estruturas de trocas que ocorrem no ambiente de bolsas de mercadorias. É exatamente disso que trata a literatura sobre microestrutura de mercado. Entender como a mecânica das trocas ocorre permite um tratamento teórico que culmina com o equilíbrio entre oferta e demanda de ativos financeiros ou seja, é determinado como as forças de oferta e de demanda interagem no mercado fazendo com que o preço do ativo reflita somente os fundamentos. A forma como os agentes formam expectativas sobre os preços futuros dos ativos financeiros é uma prática chamada de análise fundamentalista. Ela permite que os agentes

5 estimem o preço futuro dos ativos financeiros com base nos determinantes da oferta e da demanda. O método utilizado neste artigo é a descoberta de preços. Este é um ferramental que permite identificar o quanto que o preço de um ativo negociado num mercado influencia o preço eficiente Microestrutura de mercado Hasbrouck (2007) define a microestrutura de mercado como o estudo dos mecanismos de troca usados para ativos financeiros. Esse estudo se aproxima da literatura econômica sobre a teoria das trocas. Porém, de forma diferente da teoria das trocas, se assume que os agentes engajados nas atividades no mercado de ativos não tomam suas decisões ao mesmo tempo, e que o comportamento agregado dos agentes em cada período no tempo é um importante aspecto que descreve as trocas no mercado de ativos. Alguns aspectos referentes às trocas dos quais a análise da microestrutura de mercado trata são (i) as fontes de valor e as razões para a troca; (ii) os mecanismos inerente às configurações econômicas; (iii) e a caracterização múltipla dos preços. Geralmente, se assume que a fonte de valor dos ativos financeiros advém de componentes privados, os quais são inerentes a cada agente individualmente, e de componentes comuns, que são iguais para todos os agentes no mercado. Os componentes privados são conhecidos quando a estratégia de troca é definida, e os componentes comuns são conhecidos somente após a efetivação da troca. O componente comum reflete o fluxo de caixa dos ativos, o qual, trazido a valor presente, indica o seu valor de revenda. O componente privado depende das diferenças nos horizontes de investimento, da exposição ao risco, da riqueza, e outros fatores individuais. A análise da microestrutura de mercado especifica de forma diferente os mecanismos usados para efetivar a troca. Observe que não se pode transacionar em mercado no tempo contínuo, ou seja, as trocas são efetivadas no tempo discreto. Além desse mecanismo em particular, os mercados de ativos são caracterizados pela procura e barganha dos agentes, e também pelos leilões, pelo mercado secundário, e pelo mercado de derivativos, os quais podem atuar conjuntamente. O preço de equilíbrio walrasiano é raro na análise da microestrutura de mercado. Como essa análise é dinâmica, em um mesmo momento podem haver inúmeros preços que dependem da direção da troca (compra ou venda), da velocidade em que a troca é efetivada, da relação do agente com a contraparte, entre outros. Apesar da microestrutura de mercado lidar com várias variáveis que fazem parte da dinâmica das trocas nos mercados de ativos, em última instância a variável a ser analisada é o preço. A microestrutura de mercado permite determinar como atuam os componentes que afetam o preço eficiente. Assume-se que o preço eficiente segue um passeio aleatório. Portanto, outros fatores que influenciam o preço são desvios do apreçamento eficiente dos ativos. O preço eficiente é aquele preço obtido através do equilíbrio geral walrasiano entre oferta e demanda. Existem três caracterizações para a eficiência dos preços criada por Fama (1970). Na primeira delas, a forma fraca de eficiência, o conjunto informacional disponível para os agentes contém somente informações históricas sobre o ativo, como os preços passados ou o volume negociado. Essa forma de eficiência de mercado indica que não é possível obter um lucro ajustado pelo maior risco sem que se opte por investir em portfólios mais arriscados. Assim, está condizente com a hipótese de que os preços dos ativos seguem um passeio aleatório. Não há possibilidades de lucros em estratégias de investimento que se

6 baseiem em análise técnica ou gráfica, a qual tenta identificar padrões de comportamento para o preço das ações com base na tendência passada dos preços. Isso porque, se informações históricas contivessem sinais sobre o desempenho futuro dos ativos, os investidores racionais já teriam aprendido como se aproveitar de tal estratégia, eliminando qualquer chance de lucros. Na segunda forma, a forma semiforte de eficiência de mercado, além da impossibilidade de lucrar com informações históricas, assume-se que qualquer informação publicamente disponível não pode levar o investidor a obter retorno maior do que o retorno ajustado pelo risco. Ao se assumir que os investidores são racionais, toda e qualquer informação deve ser imediatamente incorporada aos preços assim que se tornar publicamente disponível isso equivale a supor que os agentes seguem expectativas racionais. Na última forma, a forma forte de eficiência de mercado, até as informações não disponíveis publicamente não devem ser suficientes para obter lucros em estratégias de investimentos, pois essas informações se espalhariam rapidamente e se refletiriam nos preços Análise fundamentalista A análise fundamentalista é um arcabouço para a determinação futura do preço eficiente dos ativos. Diferentemente da análise gráfica, que usa séries de preços passados para prever o seu comportamento futuro apesar de o preço eficiente seguir um passeio aleatório e o seu valor futuro não ser perfeitamente previsível, a análise fundamentalista pretende reduzir o grau de imprevisibilidade dos preços através de projeções sobre o preço futuro ou comparações entre os ativos. Na análise fundamentalista o preço é o resultado dos fatores determinantes da oferta e da demanda dos ativos. Em cada momento, os agentes devem coletar informações sobre os fundamentos e estimar dentro de um intervalo provável o preço eficiente futuro. Segundo Póvoa (2007), as bases da análise fundamentalista são (i) a assimetria informacional; (ii) a assimetria de interpretações; (iii) as diferentes atribuições de probabilidades às possibilidades de criação e destruição de valor; (iv) a amplitude das fontes de risco para um ativo; (v) e a dificuldade de ponderação do preço eficiente por parte dos agentes. A assimetria informacional é a responsável pelo desvio do preço negociado nos mercados de ativos em relação ao preço eficiente 4. Em cada momento, os agentes participantes do mercado de ativos recebem informações de forma diferente. Essas informações podem vir em quantidade e qualidade diversas e são responsáveis pela formação de expectativas futuras sobre o preço eficiente. Mesmo se a teoria para a mensuração do preço eficiente (output) fosse igual para todos os agentes, o que não é verdade, a fonte de dados usada para alimentar as teorias (input) não é a mesma entre os agentes 5, gerando percepções sobre o preço eficiente diferentes. Tal fenômeno é o responsável pelo spread entre ofertas de compra e venda nos mercados de ativos. A assimetria de interpretações é referente a como os agentes processam as informações. O processamento das informações é resultado da teoria, mas raramente é igual entre os agentes. Isso porque os agentes não são semelhantes em dotação de recursos (recursos para o agente são tempo e dinheiro) e capacidades computacionais. Pode se pensar 4 Na literatura sobre a análise fundamentalista, o preço eficiente também é chamado de preço justo. 5 A analogia input-output é derivada da teoria microeconômica. Nesse contexto, o agente é tratado como uma máquina maximizadora de utilidade que recebe informações sobre os preços (input) e gera comportamentos de quantidade de consumo (output). No caso tratado no texto há assimetria informacional, portanto inputs diferentes geram outputs diferentes.

7 nos agentes como firmas que desejam implementar uma tecnologia (teoria) mas tem dotações diferentes de tempo e dinheiro para aprender a teoria e para comprar as máquinas para fazer os cálculos necessários. Existem inúmeras possibilidades de criação e destruição de valor dos ativos por parte dos agentes. É pouco provável que os agentes pesem de forma similar cada uma dessas possibilidades. As principais fontes de risco de um ativo são o risco de mercado e o risco específico. O risco de mercado é o risco que afeta todos os ativos indiscriminadamente. Esse risco é aquele que ainda permanece após a diversificação do portfólio de ativos. Já o risco específico é aquele que afeta somente um ativo em especial. Esse risco pode ser mitigado pela diversificação do portfólio de ativos. As formas de especificação desses riscos são bastante amplas, permitindo previsões futuras diferentes entre os agentes. Na análise fundamentalista, as previsões para o preço eficiente não são pontuais, elas são uma estimativa ou um intervalo provável para o preço eficiente no futuro. As especificações de preços na análise fundamentalista, na análise técnica, e na análise de microestrutura de mercado ocorrem de formas distintas. Enquanto que na análise fundamentalista estima-se um intervalo provável para o preço eficiente através dos determinantes da oferta e da demanda dos ativos, na análise gráfica se pretende prever o preço eficiente através dos preços passados dos ativos. Por sua vez, na análise de microestrutura de mercado, o que faz o preço negociado dos ativos se desviar do preço eficiente é o componente idiossincrático causado pelos diferentes comportamentos dos agentes nos mercados de ativos Descoberta de preços Em cada momento no tempo, os agentes tomam decisões sobre a sua posição no mercado de ativos. Porém, no mercado futuro, os preços negociados são baseados na expectativa sobre os preços no futuro considerando uma parcela de incerteza. Em especial o mercado futuro é um ambiente de negociação que privilegia a mitigação de risco de variação dos preços pelos agentes que têm posições no mercado físico. Mas esse mercado não é exclusivo para esses investidores (ditos hedgers), ele funciona de maneira coordenada com a presença de especuladores. As forças de oferta e demanda no mercado futuro são responsáveis por determinar a expectativa de preço de uma commodity no futuro. A descoberta de preços é o processo que leva em conta uma condição de não arbitragem entre dois ou mais ativos em mercados diferentes. Se dois ativos relacionados por uma condição de não arbitragem estão sendo negociados em dois mercados distintos, os preços negociados nesses mercados não podem ser descoordenados. Isso porque seria possível lucrar com uma operação de arbitragem entre esses dois mercados distintos, o que faria com que os preços se tornassem coordenados novamente. Em se tratando de mercado à vista e futuro, os preços à vista e futuro estão ligados por uma condição de não arbitragem que dita que a diferença entre esses preços não pode ser maior do que o preço de carregamento do ativo até a data do vencimento. Se acontecer de um ativo apresentar um desvio do preço eficiente no mercado à vista ou futuro devido à uma nova informação não difundida entre os investidores, por exemplo, tal descasamento dos preços faz com que haja possibilidades de arbitragem entre os preços. A descoberta de preços é o procedimento que permite identificar qual mercado é o responsável pelo desvio do preço negociado para com o preço eficiente naquele momento específico. 3. Metodologia

8 A metodologia deste artigo se baseia na análise do coeficiente information share (IS) proposto por Hasbrouck (1995). Esse coeficiente mede a proporção da variância da inovação do preço eficiente relativa a um mercado. Serão usadas duas séries de preços: o preço do café à vista o preço futuro do café. Para se chegar ao coeficiente IS, é feita uma inversão de um vetor auto regressivo (VAR) para um vetor de médias móveis (VMA) e depois estimado o VMA em primeira diferença. Esse procedimento é detalhado abaixo. As séries de preço à vista e preço futuro do café são representadas por um vetor de preços, em que é a série de preços à vista do café e é a série de preços futuros do café. Esse vetor de preços pode ser representado como um vetor auto regressivo de ordem VAR( ), na forma estrutural, como em em que é uma matriz que define as restrições contemporâneas entre e, é um vetor de constantes, s são matrizes dos s coeficientes defasados de, é uma matriz diagonal de desvios padrões, e é um vetor dos erros aleatórios no período, os quais são independentes e identicamente distribuídos com média zero e variância. A forma reduzida do VAR( ) acima é em que,, e. Define-se a matriz de variâncias e covariâncias de como. Para determinar o número de defasagens do VAR, utiliza-se o critério de informação de Schwarz, por ser considerado o mais parcimonioso. É esperado que seja não estacionário por se tratar de um vetor de preços do café à vista e futuro. Para verificar a não estacionariedade das séries de preços é feito o teste de Dickey-Fuller aumentado (ADF) para ambas as séries. Além disso, para não se incorrer no erro de regressão espúria, também é feito um teste de cointegração de Johansen para se determinar se as séries de preços são cointegradas. É possível representar o VAR( ) acima como um VMA( ), substituindo recursivamente o valor de no VAR( ). Segue uma ilustração desse processo para o caso de um VAR(1). (1) (2) (3)

9 Apesar de os preços serem não estacionários em nível, eles são estacionários em primeira diferença. Ao fazer a primeira diferença do VMA( ), chega-se a em que,,, Hasbrouck (1995) argumenta que se as séries de preços são cointegradas, elas compartilham de um componente de erro aleatório comum e podem ser representadas por um processo VMA( ) em primeira diferença, o qual é estacionário. Além disso, definindo a matriz como a soma infinita das matrizes ( ), as linhas de serão idênticas. Assim sendo, define-se o coeficiente IS para um (5) mercado em particular (futuro ou à vista) como em (6) (4) em que é a linha comum da matriz, é a matriz de variâncias e covariâncias de, é o -ésimo elemento da linha comum da matriz, é o -ésimo termo da matriz de variâncias e covariâncias de, que é igual à variância do erro aleatório no mercado no período, é o fator da decomposição de Cholesky da matriz, e é o -ésimo elemento do vetor linha. Os coeficientes IS para os mercados à vista e futuro medem qual a parcela da mudança no preço eficiente foi relativa a mudança no preço em cada mercado. Ou seja, o coeficiente IS para o mercado à vista ( ) mede o quanto da mudança no preço eficiente se deu por conta da variação do preço à vista, enquanto que o coeficiente IS para o mercado futuro ( ) mede o quanto da mudança no preço eficiente se deu por conta da variação do preço futuro. Os coeficientes IS foram construídos de forma que sua soma fosse igual à unidade, de forma que (7) No caso específico das séries de preços do café, o coeficiente mostra o quanto que os preços do café à vista contribuem para a variação do preço eficiente, e o coeficiente mede o quanto que os preços futuros do café contribuem para a variação do preço eficiente. Com serão estimados os dois coeficientes, e, para todo o período de análise, para os dias em que há divulgação do PIB e para os dias em que não há divulgação do PIB; deseja-se separar os efeitos da contribuição relativa dos preços à vista e futuro para a variância do preço eficiente nos casos em que há divulgação de novas informações acerca dos resultados do PIB e para os casos em que não há divulgação de novas informações sobre o PIB. Assim, pode-se responder qual dos dois mercados de café, o à vista ou o futuro, que contribui mais para a dinâmica do preço eficiente do café no mercado brasileiro em situações onde há a incorporação de novas informações sobre o PIB Dados A série de preços à vista do café arábica é composta pela série de preços indicativos em dólares americanos (US$) por saca de 60 quilos líquidos de café arábica tipo 6, bebida

10 dura para melhor, com os valores descontados à taxa da nota promissária rural (NPR), posto na cidade de São Paulo. Tal série de preços é calculada pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da ESALQ/USP (CEPEA) e foi coletada através do website dessa instituição. Já a série de preços futuros do café arábica é construída com os preços de ajuste diários dos contratos em aberto com vencimento mais próximo. A BM&F autoriza a negociação dos contratos futuros de café arábica com vencimentos em março, maio, julho, setembro e dezembro de cada ano, sempre com o último dia de negociação no sexto dia útil anterior ao último dia do mês do vencimento do contrato, salvo ocasiões excepcionais. As séries de preços de ajuste dos contratos futuros de café arábica foram conseguidas no portal ADVFN (br.adfvn.com). O gráfico abaixo mostra as séries de preços à vista e futuro de café arábica. Gráfico 2 Séries de preços do café à vista e do café futuro. Fonte: CEPEA, ADVFN. Como determinado anteriormente, as séries de preços começam no quarto trimestre de 2008 para não captar as variações de preços do café relativas à crise de 2008 e vão até o final de Como o anúncio do PIB é capaz de alterar o patamar do preço eficiente do café, as datas de anúncio do PIB serão utilizadas como benchmarks para a comparação dos coeficientes IS. A série de preços tanto do café à vista quanto do café futuro começam no dia 10 se setembro de 2008 e vão até o dia 03 de dezembro de Tal limite inicial e final se deve pois são datas de anúncio do PIB. Portanto todo o período de análise considerado compreende o período de 10 se setembro de 2008 a 03 de dezembro de Para avaliar o contribuição relativa dos mercados à vista e futuro para o preço eficiente do café nos dias em que há anúncio do PIB e nos dias em que não há anuncio do PIB, foram calculados os coeficientes IS somente para os dias em que há anúncios do PIB e somente para os dias em que não houve anúncios do PIB. As datas de anúncio do PIB foram coletadas junto ao IBGE e estão descritas abaixo. Tabela 1 Datas de divulgação dos resultados do PIB PIB divulgado Data 2 trimestre de /09/ trimestre de /12/ trimestre de /03/ trimestre de /06/2009

11 2 trimestre de /09/ trimestre de /12/ trimestre de /03/ trimestre de /06/ trimestre de /09/ trimestre de /12/ trimestre de /03/ trimestre de /06/ trimestre de /09/ trimestre de /12/ trimestre de /03/ trimestre de /06/ trimestre de /08/ trimestre de /11/ trimestre de /03/ trimestre de /05/ trimestre de /08/ trimestre de /12/2013 Fonte: IBGE 4. Resultados Foram estimados os coeficientes IS para os mercados à vista e futuro de café para todo o período de análise em questão, de 10 de setembro de 2008 a 03 de dezembro de Além disso, foram estimados os coeficientes IS somente para os dias de anúncio do PIB, e somente para os dias sem anúncio do PIB. Para todos os casos, as séries de preços à vista e futuro se mostraram não estacionárias em nível e estacionárias em primeira diferença pelo teste ADF. Para todo o período e para os dias sem anúncio do PIB, o número de defasagens para o VAR definida pelo critério de Schwarz foram três. Para os dias de anúncio do PIB, o número de defasagens definida pelo critério de Schwarz foi um. Após as estimações dos VAR s para cada período de análise, fez-se um teste de cointegração de Johansen para determinar se as séries de preços à vista e futuro são cointegradas. Os testes indicaram que em todos os casos analisados, existe pelo menos uma relação de cointegração entre as séries de preços à vista e futuro de café. Para a estimação dos VMA s em primeira diferença, foram estimados VAR s com as defasagens definidos pelo critério de Schwarz para cada período de análise. Para todo o período e para os dias sem anúncio, foi considerado o vetor de variáveis dependentes dos VAR s com zero até vinte e cinco defasagens. Já para os dias de anúncio, considerou-se o vetor de variáveis dependentes dos VAR s com zero até seis defasagens. Em todos as estimações dos VAR s, os resíduos foram salvos. A estimação dos VMA s em primeira diferença usa a primeira diferença do vetor de preços como variável dependente e os erros salvos nas estimações dos VAR s como variáveis explicativas. Após a estimação dos VMA s é possível calcular os coeficientes IS para o mercado à vista e futuro de café para os período de análise. Os valores dos coeficientes IS são sumarizados na tabela abaixo. Tabela 2 Coeficientes IS para os mercados à vista e futuro de café.

12 Todo o período 0,4695 0,5305 Dias de anúncio 0,5053 0,4947 Dias sem anúncio 0,4691 0,5309 Fonte: Elaboração própria. Em todo o período de análise e para os dias sem anúncio, o preço futuro contribuiu mais para a variância do preço eficiente do que o preço à vista, como indicado pelo coeficiente maior do que o coeficiente. Isso evidencia que o mercado de café é mais guiado pelo preço futuro do que pelo preço à vista, contrariando a hipótese inicial de que o mercado à vista de café contribui mais para a variação do preço eficiente nos períodos em que não há a divulgação de novas informações aos preços. Nos dias de anúncio do PIB, o preço à vista contribui mais para a formação do preço eficiente. Nota-se que a contribuição relativa dos mercados à vista e futuro para o preço eficiente são parecidas. Dessa forma, pode-se argumentar que o mercado de café é guiado por ambos os mercados à vista e futuro na mesma proporção, com uma pequena vantagem do mercado futuro para determinar o preço eficiente do café quando não há a divulgação dos resultados do PIB e uma pequena vantagem do mercado à vista para determinar o preço eficiente do café quando há a divulgação dos resultados do PIB. A hipótese inicial de que o preço eficiente do café arábica é mais guiado pelo preço à vista quando não há a divulgação de novas informações é refutada. Pode-se observar que o coeficiente foi menor do que o coeficiente nos dias sem anúncio do PIB e que o coeficiente foi maior do que o coeficiente nos dias de anúncio do PIB. Pode-se argumentar que os agentes que participam do mercado de café arábica, tanto à vista quanto futuro, são majoritariamente hedgers. Os hedgers, os quais participam do processo produtivo do café, sabem quanto vale esse produto à vista. Portanto, tais agentes agem guiados pelo preço futuro, o qual é uma medida da expectativa de preço do café no futuro. Nos dias em que há divulgação de novas informações, os agentes que atuam no mercado de café ajustam imediatamente os preços no mercado à vista, o que faz ser plausível que o preço à vista incorpore mais rapidamente as novas informações sobre o PIB. Os agentes interessados em investir no mercado de café podem se guiar tanto pelo preço à vista quanto pelo preço futuro de café ao tomarem decisões de investimento e fixação de preços. Apesar de os índices IS indicarem que o mercado à vista incorpora melhor as novas informações, a superioridade do mercado à vista nessa incorporação de informações é mínima. Assim sendo, para a determinação dos preços futuros do café através da descoberta de preços, pode-se usar como indicativo tanto o preço à vista quanto o preços futuro. 5. Conclusão Este artigo se propôs a responder se é o mercado à vista ou o mercado futuro de café que mais contribui para a determinação do preço eficiente dessa commodity. Para tanto, determinou-se as datas de anúncio do PIB como datas em que há a incorporação de novas informações aos preços do café. Para a determinação de qual mercado, à vista ou futuro, que melhor incorpora as novas informações foram calculados os coeficiente IS proposto por Hasbrouck (1995) quando há e quando não há a divulgação do PIB. Os coeficientes IS calculados indicam uma incorporação de novas informações nos preços semelhante para os mercados à vista e futuro de café, com uma pequena vantagem para o mercado à vista na incorporação de informações quando há a divulgação do PIB e uma pequena vantagem para o mercado futuro quando não há a divulgação do PIB. Talvez a escolha dos anúncios do PIB não seja uma escolha acertada para determinar a incorporação de novas informações aos preços do café. Apesar de o PIB ser um indicador de

13 atividade econômica e sua divulgação ser uma fonte de novas informações tanto para os participantes do mercado de commodities físicas como os de mercados futuros e existir uma relação positiva entre o aumento da renda medida pelo PIB e o aumento do consumo de café, o impacto do PIB sobre o mercado de café pode não ser relevante ao ponto de afetar diretamente o preço eficiente. A divulgação dos estoques de café pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) seria uma informação que revelaria mais sobre a dinâmica dos preços do café. Como sugestão para futuras pesquisas, pode-se incorporar a divulgação dos estoques de café pela CONAB como informação que faria alterar o patamar do preço eficiente. Talvez, assim, seria mais clara a contribuição dos mercados à vista e futuro de café para a determinação do preço eficiente nas ocasiões em que há divulgação de novas informações e quando não há a divulgação de novas informações. 6. Referências ABIC. Exportação Mundial de Café. Disponível em: ABIC. Indicadores de Desempenho da Cafeicultura Brasileira. Disponível em: ABIC. Indicadores da indústria de café no Brasil. Disponível em: CHAN, Kalok. A Further Analysis of the Lead-Lag Relationship Between the Cash Market and Stock Index Futures Market. The Review of Financial Studies, v.5, n.1, pp , CHEN, Yu-Lun; GAU, Yin-Feng. News announcements and price Discovery in foreign exchange spot and futures markets. Journal of Banking & Finance, v.34, pp , BODIE, Zvi; KANE, Alex; MARCUS, Alan J. Investments. 9 th Edition. New York: McGraw-Hill/Irwin, BUENO, Rodrigo de Losso da Silveira. Econometria de Séries Temporais. Cengage Learning, FAMA, Eugene. Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. The Journal of Finance, v.25, n.2, pp , mai FINNERTY, J.E.; PARK, H.Y. Stock index futures: Does the tail wag the dog? A technical note. Financial Analysts Journal, v.43, pp.57-61, FRENCH, Kenneth R. Detecting Spot Price Forecasts In Futures Prices. The Journal of Business, v.59, n.2, part 2: Futures and Options Markets, pp.s39-s54, apr FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. Companhia Editora Nacional, 2005.

14 GARBADE, Kenneth D.; SILBER, William L. Dominant and Satellite Markets: A Study of Dually-Traded Securities. The Review of Economics and Statistics, v.61, n.3, pp , aug GONZALO, Jesus; GRANGER, Clive. Estimation of common long-memory componentes in cointegrated systems. Journal of Business & Economic Statistics, v.13, n.1, pp.27-35, jan HALLOT, Alexandre Antunes Maciel. Mispricing e Arbitragem no Mercado Futuro de Ibovespa Um Estudo Empírico. Dissertação: Mestrado em Finanças e Economia Empresarial, EESP-FGV. São Paulo, HARRIS, Lawrence. The October 1987 S&P 500 Stock-Futures Basis. The Journal of Finance, v.44, n.1, pp.77-99, mar HASBROUCK, Joel. Empirical Market Microstructure: The Institutions, Economics, and Econometrics of Securities Trading. New York: Oxford University Press, HASBROUCK, Joel. One Security, Many Markets: Determining the Contributions to Price Discovery. The jornal of Finance, v.50, n.4, pp , sep KAWALLER, Ira G.; KOCH, Paul D.; KOCH, Timothy W. The Temporal Price Relationship Between S&P 500 Futures and the S&P 500 Index. The Journal of Finance, v.42, n.5, pp , dec KAWAMOTO, Claudio Akira; KAWAMOTO, Carlos Tadao. Cointegração e Descoberta de Preços de ADR Brasileiros. RAC, v.13, n. 2, p , abr.-jun LUTKEPOHL, Helmut; KRATZIG, Marcus (Eds.). Applied Time Series Econometrics. New York: Cambridge University Press, MEDEIROS, Otávio Ribeiro de; OLIVEIRA Gustavo Rezende de. Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. METTE, Frederike; Martins, Marco A. S. Uma análise de co-integração entre o índice bovespa e o índice dow jones. Revista de Negócios, n.9, mar OLIVEIRA NETO, José Carneiro da Cunha; MEDEIROS, Otávio Ribeiro de; QUEIROZ, Thiago Bergmann de. Governança Corporativa e Velocidade de Incorporação de Informacões: Lead-Lag entre o IGC e o IBrX. Revista Brasileira de Finanças, v.10, n.1, pp , mar NG, N. Detecting spot prices forecasts in futures prices using causality tests. Review of Futures Markets, v.6, pp , PÓVOA, Alexandre. Valuation: como precificar ações. São Paulo: Globo, 2007.

15 SCHERRER, Cristina Mabel. Price discovery and instantaneous efects among cross listed stocks. Mimeo, jul SILVA, Fabiano Mello da Silva; CORONEL, Daniel Arruda. Causality and Cointegration Analysis Between Macroeconomic Variables and the Bovespa. XV SEMEAD, out STOCK, James H.; WATSON, Mark W. Introduction to Econometrics. New York: Pearson/Addison-Wesley, STOLL, Hans R.; WHALEY, Robert E. The Dynamics of Stock Index and Stock Index Futures Returns. The Journal of Financial and Quantitative Analysis, v.25, n.4, pp , dec YAN, Bingcheng; ZIVOT, Eric. A structural analysis of price Discovery measures. Journal of Financial Markets, v.13, pp.1 19, YAN, Bingcheng; ZIVOT, Eric. The Dynamics of Price Discovery. Working Paper. Feb., 2007.

MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ

MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ BRESSAN, A.A. 1 E LIMA, J.E. 2 - Tais informações podem ser obtidas junto ao endereço eletrônico da BM&F: - 1 Professor

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 % v. 10, n. 5, maio 2015 Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 A elevação da taxa SELIC anunciada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) na última quarta-feira do mês de

Leia mais

Manual de Risco Yield Capital

Manual de Risco Yield Capital Manual de Risco Yield Capital Introdução: O objetivo deste manual é apresentar a metodologia utilizada no sistema de risco da Yield Capital. Os fundos tem seu risco de mercado monitorado diariamente utilizando,

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras III Fórum Baiano de Economia Aplicada 2014 Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras R. Ballini, Rodrigo L. F. Silveira, L. Maciel Instituto de Economia, Universidade

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8

Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Análise de causalidade dentro e entre os mercados BRIC e G8 Felipe Franco Mendes 1 Hiron Pereira Farias² 1 Introdução Em consequência da globalização financeira, inúmeras são as oportunidades de novos

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios. Novembro de 2010

Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios. Novembro de 2010 Governança Corporativa e o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Novembro de 2010 Representatividade da bolsa no mundo Maior bolsa

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Rafael Ribeiro Vinhal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Rafael Ribeiro Vinhal COFFEE EXPORT - HEDGE CAMBIAL VIA MERCADO FUTURO DE DÓLAR São Paulo 2012 Rafael Ribeiro Vinhal Coffee

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa.

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa. 1 Introdução A grande maioria dos bancos centrais tem como principal ferramenta de política monetária a determinação da taxa básica de juros. Essa taxa serve como balizamento para o custo de financiamento

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009. anandamaciel@yahoo.com.br POSTER-Trabalhos de Iniciação Científica

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico

Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico Matheus Albergaria de Magalhães Coordenador de Estudos Econômicos Rede de Estudos Macroeconômicos (MACRO) Instituto

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Parte. Escolha da Empresa. Que empresa escolher? 1.1 Que empresa escolher? 1.2 Onde obter informações?

Parte. Escolha da Empresa. Que empresa escolher? 1.1 Que empresa escolher? 1.2 Onde obter informações? 1 Finanças Corporativas Escolha da Empresa Análise de Empresas através de estudos de casos McGraw-Hill/Irwin Corporate Finance, 7/e Escolha da Empresa 1.1 Que empresa escolher? 1.2 Onde obter informações?

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A CONTABILIDADE AMBIENTAL: Uma Análise dos Indicadores Financeiros de Empresas participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&F BOVESPA. Rubiana Bezerra

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; ANDRÉ STEFFENS MORAES; UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

Positivo Informática registra volume recorde de 442,5 mil PCs no 2T09

Positivo Informática registra volume recorde de 442,5 mil PCs no 2T09 Positivo Informática registra volume recorde de 442,5 mil PCs no 2T09 Curitiba, 23 de julho de 2009 A Positivo Informática S.A. (Bovespa: POSI3), maior fabricante de computadores do Brasil e líder no segmento

Leia mais

Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas

Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas Em novembro os preços do café recuaram e as chuvas contínuas no Brasil seguraram novos aumentos de preços.

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Qual é o risco real do Private Equity?

Qual é o risco real do Private Equity? Opinião Qual é o risco real do Private Equity? POR IVAN HERGER, PH.D.* O debate nos mercados financeiros vem sendo dominado pela crise de crédito e alta volatilidade nos mercados acionários. Embora as

Leia mais

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho

DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho DÓLAR FUTURO X DÓLAR PRONTO NO FUTURO: EVIDÊNCIA EMPÍRICA PÓS-PLANO REAL. Autoria: Maurício Barreto Campos e Adonírio Panzieri Filho RESUMO Este artigo relata uma pesquisa empírica de teste e quantificação

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro As exportações de café do Brasil alcançaram um volume recorde de 36,8 milhões de sacas no ano-safra de 2014/15 (abril a março), alimentado

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento.

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento. 29- A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes. b) aumentar a poupança destinada a investimentos de longo prazo. c) mediar as

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

Neurodinâmica do Mercado de Ações

Neurodinâmica do Mercado de Ações Neurodinâmica do Mercado de Ações Armando Freitas da Rocha Eina Estudos em Inteligência Natural e Artificial Rua Tenente Ary Aps, 172 13207-110 Jundiaí Fone: (11) 4535-1414 Direitos Reservados: Eina The

Leia mais

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO

ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 390 Ano IX 03/abril/2014 ABRIL INICIA COM QUEDA SUPERIOR A 9% PARA O HIDRATADO No mercado físico de etanol, a primeira semana de abril foi marcada pelo abrandamento

Leia mais

SISTEMA BANCÁRIO E SEUS DETERMINANTES

SISTEMA BANCÁRIO E SEUS DETERMINANTES SISTEMA BANCÁRIO E SEUS DETERMINANTES Aluno: Tomás Guanziroli Orientador: Juliano Junqueira Assunção Introdução O projeto investiga os determinantes e as consequências da expansão do sistema bancário brasileiro.

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO i ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO A moderna teoria de administração de portfolios vem procurando apresentar mecanismos para a obtenção da uma relação ótima entre

Leia mais

UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES

UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES UMA ANÁLISE DE CO-INTEGRAÇÃO ENTRE O ÍNDICE BOVESPA E O ÍNDICE DOW JONES Frederike Mette* Marco A. S. Martins** Resumo: Considerando o alto grau de globalização atingido pelo mercado de ações nos últimos

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL

EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL EMBRAPA GADO DE LEITE NÚCLEO DO CONHECIMENTO DO AGRONEGÓCIO DO LEITE RELAÇÕES DO PREÇO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NO MERCADO INTERNACIONAL Kennya Beatriz Siqueira, Marcos Franca de Almeida, Lorildo Aldo Stock,

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Os preços diários do café caíram para seus níveis mais baixos de 19 meses durante agosto, com os mercados de produtos básicos no mundo

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015.

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015. São Paulo (SP), 20 de julho de 205. Discurso do Diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Tony Volpon, no Encontro com Investidores promovido pela CM Capital Markets. Gostaria

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo Professor Associado da Fucape Business School / Diretor de Educação e Pesquisa da FBC/ Membro do Consultative Advisory Group do IAESB fabio@fucape.br IX Encontro de

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV Sumário Diferentes Tipos de Dividendos O Modelo de Distribuição de Dividendos O caso da Irrelevância da Política de Dividendos Recompra de Acções e Ampliações

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

Mercados Eficientes e Circuitos de Financiamento

Mercados Eficientes e Circuitos de Financiamento Mercados Eficientes e Circuitos de Financiamento Departamento de Economia UFPR Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE 506 Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: Peter Howells & Keith

Leia mais

Economia e mercados. Abril 2012

Economia e mercados. Abril 2012 Economia e mercados Abril 2012 Economia e mercados 1. Como o economista é visto; 2. O papel do economista; 3. O que projetar e como projetar: onde investir hoje? [CONFIDENCIAL] 2 A imagem do economista

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais