CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS NÚCLEO DE PESQUISA E ESTUDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA PARA DEBATE: Avaliação de Empresas e a Contabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS NÚCLEO DE PESQUISA E ESTUDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA PARA DEBATE: Avaliação de Empresas e a Contabilidade"

Transcrição

1 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS NÚCLEO DE PESQUISA E ESTUDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA PARA DEBATE: Avaliação de Empresas e a Contabilidade Prof. Moisés Ferreira da Cunha Goiânia, 2010

2 ESTRUTURA DO TRABALHO 2 1 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÕES PARA PESQUISA NO TEMA QUESTÕES DE PESQUISA INTERESSE PROFISSIONAL NO TEMA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS NACIONAIS SUGERIDAS REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SUGERIDAS... 15

3 Avaliação de Empresas e a Contabilidade 3 Prof. Moisés Ferreira da Cunha 1 INTRODUÇÃO O objetivo principal deste trabalho é apresentar a conexão entre a avaliação de empresas e as informações contábeis. Adicionalmente, destacar as principais questões de pesquisa sobre o tema. Pretende-se com esta exposição ser uma orientação para a realização de futuras pesquisas, voltadas para o estudo da relevância das informações contábeis na avaliação de empresas. Em particular, são tiradas inferências sobre a seguinte questão: como estão sendo executada a avaliação de empresas no Brasil? Avaliação é o processo pelo qual projeções de desempenho são convertidas em uma estimava do valor da empresa ou de alguma parte da empresa (PALEPU, HEALY, BERNARD, 2004). Uma variedade de técnicas de avaliação pode ser empregada na prática. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM, 2002), por exemplo, exige que nas ofertas públicas de aquisição de ações de companhia aberta, o valor econômico da empresa por ação seja calculado pela regra do fluxo de caixa descontado ou por múltiplos. Dentre os diversos métodos de avaliação de empresa destacam-se: Dividendos Descontados: expressa o valor da empresa como o valor presente dos dividendos esperados. Lucro Residual: o valor da empresa é a soma de seu patrimônio líquido e das previsões de lucro anormal descontadas. Múltiplos: o valor da empresa é expresso pelos preços correntes de mercado de outros ativos ditos comparáveis. Fluxo de caixa descontado: o valor de uma empresa é o somatório dos valores projetados do fluxo de caixa livre calculados a valor presente. Num mercado eficiente, o valor da empresa é definido como o valor presente das expectativas do fluxo de caixa futuro. Porém, considerando as evidências de que o mercado não é eficiente da maneira semi-forte (KOTHARI, 2001), o papel da informação contábil na avaliação de empresas é auxiliar os investidores, credores e acionistas na avaliação do montante, do momento de ocorrência e da incerteza do fluxo de caixa futuro. O objetivo da pesquisa em avaliação de empresas baseada em números contábeis é relacionar esses números

4 4 com o valor da firma para avaliar as características desses números e dessa relação (BARTH, 2001). As principais questões tratadas nesses estudos são: Os números contábeis mensuram adequadamente o valor da empresa? Quais números contábeis fornecem informações relevantes sobre o valor da empresa? Neste aspecto, os modelos desenvolvidos por Ohlson (1995) e Feltham e Ohlson (1995, 1996) geraram considerável interesse no papel dos números contábeis na mensuração do valor da empresa. O primeiro modelo, Residual Income Valuation (RIV), relaciona o patrimônio líquido, os lucros atuais e futuros e ainda os dividendos. De acordo com esse modelo, o valor da empresa é resultado da soma do seu patrimônio líquido com o valor presente dos seus lucros residuais futuros esperados. No segundo modelo, Abnormal Earnings Growth (AEG), o valor da empresa é calculado pelo resultado contábil do período imediatamente seguinte, dividido pela taxa de juros livre de risco e, a esse valor, é adicionado o valor do crescimento anormal dos lucros futuros esperados. Tanto o RIV quanto o AEG avaliam o valor da empresa a partir de dados contábeis, em vez de utilizar, por exemplo, o valor presente dos fluxos de caixa futuros. Para Kothari (2001), esses autores merecem crédito por reviverem com sucesso a abordagem do lucro residual, por desenvolverem uma abordagem teórica mais rigorosa e pelo impacto na literatura empírica 1. No Brasil, o interesse e as controvérsias em relação aos métodos para determinação do valor das empresas cresceram à medida que ganhavam força o processo de privatizações de empresas públicas e a reestruturação do setor privado nacional por meio de fusões e incorporações, ao longo da década de 90. O debate sobre o chamado valor justo de uma empresa ocupou espaço na comunidade acadêmica, no meio empresarial e na imprensa, ressurgindo com vigor renovado a cada notícia referente a uma negociação privada ou a um leilão de privatização (ZIMMERMANN; LEMME, 2003). Os trabalhos pioneiros de Lopes (2001, 2005) despertaram o interesse dos pesquisadores brasileiros para os modelos de avaliação baseados em números contábeis. Desde então, percebe-se um aumento na popularidade e no uso desses modelos de avaliação no Brasil (OHLSON; GAO, 2008). Os temas discutidos nessas pesquisas são principalmente: o papel do patrimônio líquido e do lucro na avaliação de empresas; a validade prática dos diversos modelos; a comparação entre os modelos; a proposição de modelos que integrem as diversas técnicas de avaliação. Os resultados dessas pesquisas evidenciam a relevância da 1 Os primeiros trabalhos sobre o conceito de avaliação com base no lucro residual incluem Hamilton (1777), Marshall (1890), Preinreich (1938), Edwards and Bell (1961), Peasnell (1982) e Stewart (1991).

5 5 contabilidade para a avaliação de empresas no cenário brasileiro. Por outro lado, várias questões sobre o tema ainda não foram respondidas, requerendo pesquisas adicionais. 2 MOTIVAÇÕES PARA PESQUISA NO TEMA Investidores representam uma forte classe de usuários das demonstrações financeiras. Assim, relevantes questões de pesquisa sobre a utilidade de relatórios financeiros para praticas contábeis são direcionadas para esses usuários, particularmente, sugerindo aos órgãos reguladores a adoção da perspectiva dos investidores na emissão das normas. As pesquisas freqüentemente usam essa perspectiva por duas razões básicas. Primeiro, os investidores estão interessados em informações que podem ajudá-los a avaliar o valor da empresa para estabelecer escolhas de investimentos. Segundo, existe uma ampla e consolidada literatura acadêmica sobre avaliação de empresas, o que possibilita o desenvolvimento de pesquisas com uma base sólida. Para Kothari (2001) a avaliação de empresas é uma das principais demandas na pesquisa sobre mercado de capitais. É observado o uso da avaliação de empresas para diversos propósitos, entre eles: determinar o preço inicial da ação em uma Initial Public Offering (IPO); servir como parâmetro de comparação das ações negociadas em bolsas; quantificar a criação de valor que é atribuível aos executivos da empresa (e assim bonificá-los); auxiliar na tomada de decisões estratégicas, como: decisão de continuar no negócio, vender, expandir, fundir ou comprar outras companhias (FERNÁNDEZ, 2001). No Brasil, a avaliação de empresas é considerada, inclusive, para disputas jurídicas, tais como: determinação do valor de emissão de ações de uma companhia; cálculo do valor a receber pelos investidores quando existir direito de compensação dos acionistas dissidentes de determinadas decisões; ofertas públicas de ações (OPA) por alienação de controle; cancelamento de registro e aumento de participação nas OPAs. Martins (2001) expõe várias motivações para implantar um processo de avaliação, dentre elas: compra e venda de negócios; reorganização de empresas; dissolução de sociedades; liquidação de empreendimentos; e avaliação da habilidade dos gestores de gerar riqueza para os acionistas. A avaliação de uma empresa é tida como um processo dinâmico, onde se avalia conjuntamente seus três componentes principais: ativos, capitais de terceiros e capital próprio. O dinamismo provém do fato desses componentes interagirem entre si, provocando efeitos que agregam ou desagregam valor a cada um. Entretanto, nos modelos convencionais 2 de 2 Modelos sob as proposições de Modigliani e Miller (1958, 1963)

6 6 avaliação, esses efeitos da interação dos componentes não são identificados individualmente, isolados, reportados ou contabilizados. Cabe destacar que a finalidade principal dos modelos de avaliação é a determinação do valor justo do capital próprio. Diante do exposto, as discussões sobre a avaliação de empresas com base em números contábeis permeiam as seguintes questões: os números contábeis fornecem value relevance para pesquisas em avaliação de empresas? Como fazer para que os números contábeis meçam valor? Quais números contábeis fornecem informações sobre valor? Na tentativa de responder a estas questões tem-se que entender sobre as perspectivas de mensuração e perspectivas de informação 3 da contabilidade, agregado a isso, ressalta-se que os princípios contábeis geralmente aceitos no Brasil (BrGAAP) impõem a contabilização de ativos e passivos pelo custo histórico, salvo raras exceções (tais como reavaliação de ativos, valor de mercado de ativos financeiros). Essa imposição e a prática histórica colocam obstáculos na contabilização de determinados elementos patrimoniais nas demonstrações financeiras utilizadas como insumo dessas pesquisas. Dentre as variáveis utilizadas na maioria dos trabalhos acadêmicos de avaliação de empresas estão incluídas aquelas oriundas da contabilidade, principalmente o patrimônio líquido, o lucro e o caixa. A escolha entre essas variáveis tem gerado debates acadêmicos com o intuito de identificar as variáveis que devem compor os modelos de avaliação de empresas. Corroborando com isso, Martins (2000, p. 29) destaca: a grande confusão parece, pelo menos em parte, devida a não percepção de que todos os modelos até hoje surgidos nada mais são do que visões temporalmente diferentes do mesmo objeto: o patrimônio. E mais, são todos eles, numa perspectiva ainda mais simples, visões temporais de um único elemento patrimonial: o caixa. Parece que, como fruto dessa falta de visão conjunta e abrangente, nasceu a idéia de que os modelos são conflitantes, mutuamente excludentes; de que a avaliação contábil nada tem a ver com a avaliação patrimonial, e avaliar uma empresa é, primeiramente, desprezar a avaliação contábil; lucro é uma coisa, caixa é outra; e outras bobagens mais. Dessa forma, percebe-se que existe compatibilidade entre os modelos de avaliação, sendo a diferença entre eles apenas temporal. A contabilidade fornece dados para os modelos de avaliação de empresas, basicamente provenientes de duas fontes: dados históricos e projeções. Na literatura dos dados históricos, tem-se o suporte teórico das especificações empíricas de Ball e Brown (1968), que vieram dos 3 Perspectiva de mensuração é consistente com a estrutura conceitual do FASB, por exemplo, SFAC 5, que estabelece critérios de reconhecimento e mensuração. Um item pode ser considerado para reconhecimento, SFAC 5 requer que o item esteja na definição de um elemento de demonstração financeira, por exemplo, ativo, passivo, receita, e despesa. A perspectiva de informação reconhece que o papel primário da contabilidade é de sumarizar informações relacionadas a eventos econômicos. Isto também é consistente com a estrutura conceitual do FASB, especialmente SFAC 1, que estabelece os objetivos dos relatórios financeiros. A perspectiva de informação resulta em questões tais como Informações contábeis sumariza ou captura informações que podem estar disponíveis para outras fontes? (BARTH, 2000)

7 7 estudos de conteúdo de informação. Tais especificações exigem uma relação parcimoniosa entre variáveis contábeis e retornos ou preço da ação. Baseada em uma dinâmica de informações lineares simples, os modelos de Ohlson (1995) e Feltham-Ohlson (1995, 1996) forneceram especificações parcimoniosas. Esses autores mostraram como lidar com variáveis omitidas, mas relevantes, resultantes de outras informações. Na literatura de projeções contábeis, os modelos de Ohlson (1995) e Feltham-Ohlson (1995, 1996) renovam o interesse em modelos de avaliação de empresas baseados em números contábeis empregando variáveis da contabilidade projetadas. A literatura confirma que os accruals não são essenciais para estimar o valor intrínseco. Esta perspicácia resultou em reescrever textos de análise de demonstrações financeiras. Um quebra-cabeça excitante ainda inexplicado é que o simples modelo P/E (preço/lucro) parece representar valor, se não melhor do que modelos mais complexos de avaliação baseados em contabilidade. Este fato empírico coincide com um interesse renovado no modelo P/E estimulado pelo modelo de avaliação de crescimento de lucros anormais de Ohlson e Juettner-Nauroth (2001). A maioria das pesquisas internacionais (exceção de DECHOW et al., 1999), assume a hipótese de mercados eficiente como premissa básica. Em todas as aplicações, o melhor modelo de valor intrínseco é um que minimiza (preço valor intrínseco) erros de precificação, que implicitamente assume que o preço é correto. Na literatura de projeções contábeis, outra contribuição para modelos de avaliação tem sido para gerar medidas de valor intrínseco de forma que erros de preço/valor intrínseco podem ser identificados. Uma suposição é que o preço da ação pode perder-se dos fundamentos no curto prazo, mas deve mover-se para estes fundamentos no final das contas. Este campo da literatura de projeções contábeis tem sido de interesse considerável para acadêmicos em finanças. Cada vez mais, os modelos de Ohlson (1995) e Feltham-Ohlson (1995, 1996) auxiliam significativamente as pesquisas sobre avaliação de empresas. No Brasil, o trabalho de Lopes (2001) demonstra que não existem indícios de que dividendos são mais relevantes na precificação de ativos do que as informações geradas pela contabilidade. Dadas as características do mercado brasileiro, em que a captação de recursos é baseada no crédito, o mercado de capitais é muito concentrado, sofre influência do direito romano (code law), por essas características o valor do patrimônio líquido contábil (book value) seria mais relevante do que o lucro, pois os agentes financiadores afetariam o processo de precificação dos investidores, assim, o patrimônio torna-se uma métrica importante na avaliação de empresas (LOPES et al., 2008). Alguns trabalhos têm objetivos além dessas motivações; eles procuram avaliar a utilidade dos agregados contábeis na avaliação da

8 8 empresa. Por exemplo, um estudo que questiona se o uso de fair value em títulos mobiliários pode ser usado para ajudar a determinar o valor das ações dos bancos, condicionado às outras informações incluídas nas especificações do modelo. 3 QUESTÕES DE PESQUISA Algumas questões de pesquisa em avaliação de empresas baseada em números contábeis permanecem ainda sem uma resposta definitiva. Nesta seção são levantadas questões relevantes para pesquisas futuras sobre o tema em análise. O primeiro tema de pesquisa é o saldo em caixa. O senso comum o trate como ativo operacional e com alta liquidez. Por outro lado, o caixa é livre de risco e geralmente rende baixas taxas de retorno, e isso o torna diferente de outros ativos operacionais da empresa. Assim, pode-se questionar: qual a forma mais adequada de avaliar os saldos em caixa de uma empresa? Operacionais ou não operacionais? Uma pratica muito executada pelas empresas nos últimos anos, principalmente no Brasil, é a compensação a funcionários por meio de opções de ações (stock option) ou outras parcelas do patrimônio líquido, então a questão é: quando devem ser avaliadas as opções de compra de ações e a compensação a funcionários? Na época da concessão ou no exercício da opção? Como avaliar essas opções? Como elas afetam o valor intrínseco da empresa? Existem ativos intangíveis que são independentes e geram fluxos de caixa, como por exemplo, os associados a um único produto ou serviço (marcas registradas, direitos autorais). Outros ativos intangíveis geram fluxos de caixa para a empresa como um todo (marca da empresa) e não para um produto ou serviço específico. E ainda, os ativos intangíveis que não geram fluxos de caixa de imediato, mas tem potencial de geração futura (patentes não desenvolvidas, reservas de recursos naturais). A questão aqui é: os ativos intangíveis requerem modelos de avaliação específicos? A contabilidade contribui para a avaliação de todos os ativos intangíveis? O caso do ganho da dívida em particular é um ativo intangível, podendo ser gerado internamente ou adquirido de terceiros. Em ambos os casos, o ganho decorrente da política de financiamento da entidade somente existe na medida em que houver perspectiva de realização de fluxos de caixa da dívida em períodos futuros. Quando uma empresa é alvo de aquisição por parte de outra e a atual dívida é mantida, o ganho da dívida, teoricamente, pode ser contabilizado como um ativo intangível identificado em separado. Entretanto, essa não é a prática habitual nacional, na qual os resíduos de valor, em relação aos valores contábeis, são todos agregados e reportados como ágio ou deságio.

9 9 Há um consenso de que a administração de uma empresa traz valor intrínseco. Empresas mal administradas têm valor menor do que uma empresa semelhante bem administrada. Dessa forma, esse prêmio de controle é relevante no processo de avaliação de uma empresa? E se a administração atual for substituída, qual seria o prêmio pelo controle? Quando e como a contabilidade contribui para essa avaliação? Em geral os investidores estão dispostos a pagar preços mais altos por ativos com mais liquidez do que por outros similares, de baixa liquidez, bem como, medir e incorporar esse fato ao valor da empresa? Qual taxa de desconto reflete essa baixa liquidez? Da mesma forma, empresas que tem maior transparência têm maior valor? Empresas com maior complexidade valem menos do que empresas similares mais simples? As características do mercado de capitais brasileiro (alta volatilidade, influência governamental, etc.) oferecem oportunidades únicas de pesquisa: os investidores sofisticados no Brasil possuem o mesmo comportamento que em outros países? Essa segmentação possui alguma influência? Qual o comportamento esperado dos preços das ações em relação à informação contábil em mercados não desenvolvidos? A reação é exagerada (over-reaction) ou excessivamente modesta (under-reaction)? Quais os mecanismos utilizados pelos agentes, especialmente os pequenos acionistas, para reduzir a assimetria de informações nas condições existentes no Brasil? Qual o impacto da negociação de opções e futuros sobre o papel da contabilidade como fornecedora de informações para o mercado de capitais? (LOPES; CARVALHO, 2003). O modelo contábil no Brasil (altamente regulamentado, fortemente influenciado pela legislação tributária, existência de informações ajustadas pela inflação, etc.) gera uma série de questionamentos: quais os efeitos dos tributos na avaliação de empresas e seus custos e benefícios associados aos financiamentos? Estes são conhecidos como efeitos colaterais do capital de terceiros, onde os principais são: (i) subsídio fiscal; (ii) custo da emissão de novos títulos; (iii) custo das dificuldades financeiras; e (iv) subsídios ao financiamento com capital de terceiros. Fatores como inflação, taxa de juros, risco sistêmico, etc., impactam a relevância da informação contábil publicada no Brasil? O modelo de correção monetária integral fornece informações superiores ao modelo baseado na legislação societária? Outras questões estão relacionadas à metodologia utilizada no desenvolvimento de pesquisas sobre a relevância da informação contábil para avaliação de empresas. Trabalhos futuros poderiam usar event studies para se determinar o conteúdo informativo de disclosures específicos (LOPES; CARVALHO, 2003). Para esses autores, esse tipo de investigação possibilita a interrelação entre os mecanismos de negociação e o fluxo de informações no

10 10 mercado e a comparação dos resultados dessas pesquisas com os oriundos de estudos semelhantes em mercados mais desenvolvidos pode ajudar a esclarecer o processo de formação de preços no mercado nacional. 4 INTERESSE PROFISSIONAL NO TEMA Tanto usuários internos quanto externos têm elevado interesse no desenvolvimento do processo de avaliação de empresas com base em números contábeis. O quadro 1 apresenta diversas razões que estimulam esse interesse. Usuários Razões Analista de Mercado Qual o desempenho da empresa que estou seguindo? A empresa está atingindo as minhas expectativas? Qual o valor da empresa? Analista de Crédito Qual o risco de crédito da empresa? Como a empresa administra sua solvência? Qual o risco de negócio da empresa? Qual o risco adicional causado por suas atividades de financiamento, investimento e dividendos? Auditor As práticas contábeis e accruals dessa empresa são coerentes com sua performance? As suas demonstrações são adequadas (quantidade e qualidade)? Consultor Administrativo Qual a estrutura da indústria na qual a empresa está operando? Quais as estratégias assumidas pelos vários participantes? Qual a performance relativa dos vários players? Empregados A empresa está pagando salários adequados? Gestor da Empresa A minha empresa é avaliada corretamente pelo mercado? O meu programa de comunicação é adequado? A minha empresa é um alvo potencial para aquisição? Posso obter lucros adquirindo a empresa X? Como financiar a compra? Governo Estou tributando demais? Estou tributando adequadamente? ONG S Qual a política ambiental e social da empresa? Quadro 1: Usuários e razões para interesse na avaliação de empresas com base em números contábeis Fonte: Adaptado de Lopes (2008) Muitos aspectos podem justificar o interesse dos profissionais nos modelos de avaliação baseados em números contábeis. Entre eles: a avaliação baseada em resultados contábeis futuros é tão relevante quanto aquela baseada em dividendos futuros; entende-se que em mercados emergentes, como o Brasil, o volume de informações à disposição dos investidores seja menor do que em mercados mais desenvolvidos. Assim a competição seria menor, o que aumentaria o conteúdo informativo da contabilidade relativamente ao conjunto restante; A premissa de que os mercados emergentes são menos desenvolvidos em termos de fluxo de informações pode simplesmente ser falsa para o mercado brasileiro. Mecanismos informais e não analisados na literatura tradicional podem desempenhar um papel relevante no Brasil.

11 11 os números contábeis possuem papel muito importante no Brasil nos casos de liquidação judicial e outros processos de concordata e falência. Esse papel pode aumentar a relevância do patrimônio nas especificações realizadas; a contabilidade atua como redutora da assimetria informacional. Mesmo sem a assimetria os usuários externos não teriam acesso perfeito à informação da empresa, uma vez que o administrador não forneceria todas as informações que dispõe; as informações contábil das empresas de capital aberto e da maioria das empresas de grande porte são públicas e de fácil acesso, facilitando o processo de avaliação. as características qualitativas da informação contábil - praticabilidade, confiabilidade, objetividade, verificabilidade fazem da contabilidade um parâmetro objetivo e confiável, por exemplo, na fixação de contratos com o objetivo de reduzir conflitos. Além disso, ao se avaliar uma empresa, por exemplo, a confiança depositada no valor apurado é maior quando este valor está correlacionado com os números contábeis. Em suma, o objetivo da contabilidade é auxiliar os seus usuários no processo de tomada de decisão. Sendo a estimação do valor da empresa uma decisão estratégica e relevante para esses usuários, nada mais adequado que efetuar esse cálculo com base nas informações contábeis. Dessa forma, a avaliação de empresas com base em números contábeis, históricos e futuros, desperta o interesse dos usuários da contabilidade uma vez que esta é um parâmetro objetivo e verificável. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Apesar da relevância de pesquisas pioneiras no Brasil sobre a avaliação com base em números contábeis, inclusive utilizando testes estatísticos robustos, a pesquisa sobre esse tema é ainda incipiente no país. Poucas pesquisas empíricas e teóricas foram publicadas em periódicos e congressos com circulação nacional. A metodologia utilizada nas pesquisas envolve basicamente regressões lineares. Os temas pesquisados são normalmente os mesmos, envolvendo apenas replicações. Os resultados, na maioria das pesquisas, não são generalizáveis. Existem muitas lacunas na literatura nacional e internacional sobre o tema em estudo, inclusive, foram apresentadas, neste capítulo, diversas questões de pesquisas sobre a avaliação de empresas utilizando informações contábeis. Recomenda-se em pesquisas futuras a utilização de metodologias mais robustas, amostras estatisticamente significativas e o estudo

12 12 de questões efetivamente relevantes para propiciar o avanço da literatura de avaliação de empresas. 6 REFERÊNCIAS NACIONAIS SUGERIDAS AGUIAR, Andson Braga de; COELHO, Antônio Carlos Dias. Relacionamento entre Persistência do Lucro Residual, Poder de Mercado e Participação de Mercado em Firmas Brasileiras. In: ENANPAD, XXXII, 2008, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008, CD-ROM. ALENCAR, Roberta Carvalho de; DALMACIO, Flavia Zoboli. A Relevância da Informação Contábil no Processo de Avaliação de Empresas Brasileiras Uma Análise dos Investimentos em Ativos Intangíveis e Seus Efeitos sobre Value-Relevance do Lucro e Patrimônio Líquido. In: ENANPAD, XXX, 2006, Salvador, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2006, CD-ROM. BARBOSA, Eduardo Lira; COSTA, Fábio Moraes da; SANTOS, Luis Sergio Ribeiro dos. Tributação: Efeitos e Conseqüências de sua Inserção na Estrutura de Feltham-Ohlson (1995) para Empresas Brasileiras Listadas na BOVESPA. Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, VI, 2006, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2006, CD-ROM. CALIJURI, Monica S. S.; BISPO, Jorge de S.; e JUNQUEIRA, Emanuel R. Avaliação de Empresas pelo Modelo Ohlson e Juettner-Nauroth (2005): Tutorial para uso. Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, VIII, 2008, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2008, CD-ROM. CASOTTI, Felipe Pretti; MOTTA, Luiz Felipe Jacques da. Oferta Pública Inicial no Brasil ( ): uma Abordagem da Avaliação através de Múltiplos e do Custo de Capital Próprio. Revista Brasileira de Finanças, v. 6, n. 2, p , COSTA JR., Jorge Vieira da; MARTINS, Eliseu. Retornos anormais, Big Bath e performance operacional anormal de firmas brasileiras envolvidas em fusões e aquisições no período de 2002 a In: Congresso ANPCONT, II, 2008, Salvador, Anais... São Paulo: ANPCONT, 2008, CD-ROM. CUPERTINO, César Medeiros. Fluxo de Caixa, Lucro Contábil e Dividendos: Comparação de Diferentes Enfoques na Avaliação de Empresas Brasileiras. VI Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, 2006, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2006, CD- ROM. CUPERTINO, César Medeiros; LUSTOSA, Paulo Roberto Barbosa. O Modelo Ohlson de Avaliação de Empresas: Tutorial para Utilização. Brazilian Business Review, v. 1, n. 1, p. 1-16, CUPERTINO, César Medeiros; LUSTOSA, Paulo Roberto Barbosa. O Modelo Ohlson de Avaliação de Empresas: Uma Análise Crítica da sua Aplicabilidade e Testabilidade Empírica. V Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, 2005, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2005, CD-ROM. CUPERTINO, César Medeiros; LUSTOSA, Paulo Roberto Barbosa. Testabilidade do Modelo Ohlson: Revelações dos Testes Empíricos. Brazilian Business Review, v. 1, n. 2, p , 2004a. CVM. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Instrução n. 361, mar Disponível em: Acesso em. 20 out

13 13 DALMÁCIO, Flávia Zóboli et al. Modelos de Avaliação Propostos por Ohlson e suas Aplicações no Mercado de Capitais no Brasil. Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, V, 2005, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2005, CD-ROM. FERREIRA, Eric Serrano et al. Comparison Of The Residual Income Valuation, Abnormal Earnings Growth And Free Cash Flow Models: An Empirical Study Of The Brazilian Capital Market. Brazilian Business Review, v. 5, n. 2, p , Mai./Ago FIGUEIREDO, Antonio Carlos. O Conteúdo Informativo de Dividendos: Evidências no Brasil. In: Encontro Brasileiro de Finanças, II, 2002, São Paulo, Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Finanças, 2002, CD-ROM. FREIRE, Hercules Vander de Lima. Dividendos e Lucros Anormais: um Estudo nas Empresas Listadas na Bovespa. In: Encontro Brasileiro de Finanças, III, 2003, São Paulo, Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Finanças, 2003, CD-ROM. GALDI, Fernando Caio; TEIXEIRA, Aridelmo José Campanharo; LOPES, Alexsandro Broedel. Análise empírica de modelos de valuation no ambiente brasileiro: fluxo de caixa descontado versus modelo de Ohlson (RIV). Revista Contabilidade & Finanças, v. 19, n. 47, p , mai./ago LIMA, João Batista Nast de; TERRA, Paulo Renato Soares. A Reação do Mercado de Capitais Brasileiro à Divulgação das Informações Contábeis Parte I: O Efeito Incondicional e Segundo o Resultado do Exercício. In: Encontro Brasileiro de Finanças, IV, 2004, São Paulo, Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Finanças, 2004, CD-ROM. LOPES, Alexsandro Broedel. A Relevância da Informação Contábil para o Mercado de Capitais: O modelo de Ohlson aplicado à BOVESPA. São Paulo, Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) - Programa de Pós-Graduação em Administração, Departamento de Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, LOPES, Alexsandro Broedel. Valuation - Análise e Avaliação de Empresas Utilizando Informações Contábeis. Material de Aula LOPES, Alexsandro Broedel; CARVALHO, Luiz Nelson Guedes de. Lucro vs Dividendos na Avaliação de Empresas: um Estudo Empírico do Caso Brasileiro. In: ENANPAD, XXVII, 2003, Atibaia, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2003, CD-ROM. LOPES, Alexsandro Broedel; GALDI, Fernando Caio. Does Financial Statement Analysis Generate Abnormal Returns Under Extremely Adverse Conditions? In: Encontro Brasileiro de Finanças, VII, 2007, São Paulo, Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Finanças, 2007, CD-ROM. LOPES, Alexsandro Broedel; GALDI, Fernando Caio. Financial Statement Analysis also Separate Winers from Losers in Brazil. In: Seminários de Pesquisa Econômica da EPGE, VII, 2006, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: EPGE/FGV, 2006, CD-ROM. LOPES, Alexsandro Broedel; SANT ANNA, Dimitri Pinheiro de; COSTA, Fábio Moraes da. A relevância das informações contábeis na Bovespa a partir do arcabouço teórico de Ohlson: avaliação dos modelos de Residual Income Valuation e Abnormal Earnings Growth. Revista de Administração, São Paulo v. 42, n. 4, p , out./nov./dez LOPES, Alexsandro Broedel; TEIXEIRA, Aridelmo José Campanharo. Valuation Properties of Accounting Numbers in Brazil. In: ENANPAD, XXVII, 2003, Atibaia, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2003, CD-ROM.

14 14 MARTINEZ, Antonio Lopo. Como o Mercado de Capitais Brasileiro Reage a Surpresa nos Lucros? REAd, ed. 51, v. 12, n. 3, mai-jun MARTINS, Eliseu (organizador). Avaliação de Empresas: da Mensuração Contábil à Econômica. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu et al. Evidências Empíricas de Modelos de Estimação do Custo do Capital Próprio. Brazilian Business Review, v. 3, n. 2, p , MARTINS, Eliseu; MARTINS, Vinícius Aversari. WACC - Uma Falha Conceitual na Avaliação da Firma? In: Encontro Brasileiro de Finanças, III, 2003, São Paulo, Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Finanças, 2003, CD-ROM. MIRANDA, Jorge Henrique de; TEIXEIRA, Aridelmo José Campanharo. Abordagem da Precificação de Empresas de Acordo com o Modelo de Ohlson e a Equação para Cálculo de Opções de Black, Scholes e Merton. In: ENANPAD, XIX, 2005, Brasília, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2005, CD-ROM. OHLSON, James A.; GAO, Zhan. O lucro, seu crescimento e o valor da empresa. São Paulo: Atlas, OHLSON, James A.; LOPES, Alexsandro Broedel. Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis. Brazilian Business Review, v. 4, n. 2, p , Mai./Ago OLIVEIRA, Edson Ferreira de; GUERREIRO, Reinaldo; SECURATO, José Roberto. Uma proposta para a avaliação da empresa em condições de risco com base no modelo de Ohlson. Revista Contabilidade & Finanças, n. 32, p , mai./ago PAULA NETO, Antônio José de. The Performance of the P/B, P/E and RIVM Valuation Models for U.S. Rate-Regulated Companies. VIII Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, 2008, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2008, CD-ROM. PORTELA, Simone Salles; NUNES, Julyana Goldner. Um estudo comparativo entre o valor de ação das empresas estimado pelo modelo de Ohlson AEG, o preço da ação na oferta pública inicial e o valor de mercado das ações. In: Congresso ANPCONT, II, 2008, Salvador, Anais... São Paulo: ANPCONT, 2008, CD-ROM. REZENDE, Amaury Jose. A Relevância da Informação Contábil no Processo de Avaliação de Empresas da Nova e Velha Economia Uma Análise dos Investimentos em Ativos Intangíveis e Seus Efeitos sobre Value-Relevance do Lucro e Patrimônio Líquido. Brazilian Business Review, v. 2, n. 1, p , Jan./Jun SALIBA, Rafael Victal. Aplicação de Modelos de Avaliação por Múltiplos no Brasil. Revista Brasileira de Finanças, v. 6, n. 1, p , SILVA JR., Daphnis Theodoro da; LOPES, Alexsandro Broedel; CORRAR, Luiz João. Avaliaçăo Empírica do Modelo de Burgstahler e Dichev no Mercado Brasileiro. Revista de Administração Contemporânea, p , 2ª. Ed. Especial SOUTES, Dione Olesczuk; SCHVIRCK, Eliandro; MACHADO, Marcia Regina Calvano. Métodos de avaliação utilizados pelos profissionais de investimento. In: ENANPAD, XXX, 2006, Salvador, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2006, CD-ROM. TEIXEIRA, Aridelmo José Campanharo; LOPES, Alexsandro Broedel; COSTA, Fábio Moraes da. The Value-Relevance of Revaluation Reserves in Brazil: an Empirical Investigation. IV Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, 2004, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2004, CD-ROM.

15 15 TOZZINI, Sidney; PIGATTO, Jose Alexandre M; e ARAÚJO, Vanderli de M. Valuation: Os Modelos de Avaliação de Empresas em Perspectiva. VIII Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, 2008, São Paulo, Anais... São Paulo: FEA/USP, 2008, CD-ROM. WERNECK, Márcio Alessandro et al. Estratégia de investimentos baseada em informações contábeis: modelo residual income valuation - Ohlson versus R-score Piotroski. In: Congresso ANPCONT, II, 2008, Salvador, Anais... São Paulo: ANPCONT, 2008, CD-ROM. WERNECK, Márcio Alessandro et al. Um Estudo Empírico dos Modelos Residual Income Valuation - Ohlson (1995) versus Piotroski (2000) no Mercado Brasileiro. In: ENANPAD, XXXI, 2007, Salvador, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007, CD-ROM. 7 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SUGERIDAS AMIR, E.; LEV, B. Value-relevance of nonfinancial information: The wireless communications industry. Journal of Accounting and Economics, v. 22, p. 3-30, PALEPU, Krishna G.; HEALY, Paul M.; BERNARD, Victor L. Business Analysis & Valuation: using financial statements. 3. ed. Ohio: South-Western, BARTH, Mary E. Valuation-based accounting research: implications for financial reporting and opportunities for future research. Accounting and Finance, v. 40, p. 7-31, BALL, Ray; BROWN, Philip. An empirical evaluation of accounting income numbers. Journal of Accounting Research. v. 6. n. 2, p , BRADSHAW, Mark T. How Do Analysts Use Their Earnings Forecasts in Generating Stock Recommendations? The Accounting Review, v. 79, n. 1, p , BRYAN, Daniel M.; TIRAS, Samuel L. The Influence of Forecast Dispersion on the Incremental Explanatory Power of Earnings, Book Value, and Analyst Forecasts on Market Prices. The Accounting Review, v. 82, n. 3, p , DECHOW, P. M.; HUTTON A. P.; SLOAN R. G. An Empirical Assessment of the Residual Income Valuation Model. Journal of Accounting and Economics, v. 26, p. 1-34, FELTHAM, G. A.; OHLSON, J. A.. Uncertainty Resolution and the Theory of Depreciation Measurement. Journal of Accounting Research, v. 34, n. 2, p , FELTHAM, G. A.; OHLSON, J. A.. Valuation and Clean Surplus Accounting for Operating and Financial Activities. Contemporary Accounting Research, v. 11, p , FERNÁNDEZ, P. Company Valuation Methods: The Most Common Errors in Valuations. Social Science Research Network, FRANKEL, Richard; LEE, Charles M.C. Accounting valuation, market expectation, and cross-sectional stock returns. Journal of Accounting and Economics, v. 25, p , HANLONA, Michelle; MYERSB, James N.; SHEVLINC, Terry. Dividend taxes and firm valuation: a re-examination. Journal of Accounting and Economics, v. 35, p , HUGHES, John; LIU, Jing; ZHANG, Mingshan. Valuation and Accounting for Inflation and Foreign Exchange. Journal of Accounting Research, v. 42, n. 4, KOTARI, S. P. Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 31, p , 2001.

16 16 LEE, Charles M. C. Accounting-Based Valuation: Impact on Business Practices and Research. Accounting Horizons, v. 13, n. 4, p , LOPES, Alexsandro B. Financial Accounting in Brazil: an empirical examination. Latin American Business Review, v. 6, n. 4, p , LOPES, Alexsandro Broedel; GALDI, Fernando Caio. Returns to Value Investing: Fundamentals or Limits to Arbitrage? SSRN, Disponível em: Acesso em: 20 out LUNDHOLM, Russell. Reconciling value estimates from the discounted cash flow model and the residual income model. Contemporary Accounting Research, v. 18, n. 2, p , MODIGLIANI, F.; MILLER, M. H. Dividend Policy, Growth, and the valuation of shares. The Journal of business, v. 34, n. 4, p , MODIGLIANI, F. MILLER, M. H.. The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American Economic Review. v. XLVIII, n. 3, p , jun OHLSON, J. A. Earnings, Book Values, and Dividends in Equity Valuation: An Empirical Perspective. Contemporary Accounting Research, v. 18, p , OHLSON, J. A. A Practical Model of Earnings Measurement. The Accounting Review, v. 81, n. 1, p , OHLSON, J. A. Earnings, Book Values, and Dividends in Equity Valuation. Contemporary Accounting Research, v. 11, p , OHLSON, J. A. On Transitory Earnings. Review of Accounting Studies, v. 4, p , OHLSON, James A. Discussion of Residual Income and Value-Creation: The Missing Link. Review of Accounting Studies, v. 7, n. 2-3, p , OHLSON, James A. and B. Juettner-Nauroth. Expected EPS and EPS Growth as Determinants of Value. Review of Accounting Studies, 10: , OHLSON, James A. On Accounting-Based Valuation Formulae. Review of Accounting Studies, v. 10, n. 2-3, p , OHLSON, James A. Residual Income Valuation: The Problems. SSRN, Disponível em: Acesso em: 20 out OHLSON, James A.; NAUROTH, B. E. J. Expected EPS and EPS Growth as Determinants of Value. Review of Accounting Studies, v. 10, p , OHLSON 1996??? PENMAN, Stephen H. Discussion of On Accounting-Based Valuation Formulae and Expected EPS and EPS Growth as Determinants of Value.. Review of Accounting Studies, v. 10, p , PENMAN, Stephen H. On comparing cash flow and accrual accounting models for use in equity valuation: a response to Lundholm and O Keefe. Contemporary Accounting Research; v. 18, n. 4, p , RICHARDSON, Gordon; TINAIKAR, Surjit. Accounting based valuation models: what have we learned? Accounting and Finance, v. 44, p , 2004.

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Investment Research Contest. Como preparar um relatório

Investment Research Contest. Como preparar um relatório Investment Research Contest Como preparar um relatório Agenda Buscando Informações Estruturando o Raciocínio A Importância do Valuation Tese de Investimento Comparáveis e Múltiplos As Etapas do Relatório

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

P R O G R A M A E P L A N O D E A P R E N D I Z A G E M

P R O G R A M A E P L A N O D E A P R E N D I Z A G E M Disciplina: SC 841 Estudos Avançados em Teoria da Contabilidade Ano Letivo: 2015 - Semestre: 1º - Carga Horária: 45 horas - Créditos: 3 Dia/Horários: Segundas feiras das 8h30min às 10:00-10h20min às 12:30

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL

Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL Carla Dodsworth Albano Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Análise Fundamentalista Professor: Roberto César Análise Fundamentalista A análise fundamentalista é um importante instrumento utilizado para a análise de investimento em ações. O princípio

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS Barbieri, Geraldo* Kume, Ricardo* Seidel, André* *Faculdade de Economia e Administração. Universidade de São Paulo

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 FEVEREIRO DE 2008 1 AJUSTE A VALOR PRESENTE - AVP O AVP tem como objetivo o ajuste para demonstrar o valor presente de um fluxo de caixa futuro. Que pode estar

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI)

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada

Leia mais

Teste de recuperabilidade Impairment test

Teste de recuperabilidade Impairment test 1 Teste de recuperabilidade Impairment test A informação tem sido considerada o principal insumo para a obtenção de um conhecimento maior acerca das decisões que devem ser tomadas no âmbito das organizações.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO.

VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. Daiane Cambruzi (ICSEC Pós-Graduação):daicambruzzi@yahoo.com.br; João Francisco Morozini (PqC/UNICENTRO):

Leia mais

VAGAS PARA GRADUADOS

VAGAS PARA GRADUADOS VAGAS PARA GRADUADOS ESTARÃO ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA GRADUADOS NOS DIAS 11 e 12/01/2011 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PERÍODO DIURNO - 11 vagas E CIÊNCIAS ATUARIAIS, PERIODO NOTURNO 4 vagas PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo 2 de Dezembro de 2013 1 Evolução Histórica Introdução no Brasil de regras contábeis compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade IFRS Essência

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Sofisticação de investidores institucionais e anomalia dos accruals

Sofisticação de investidores institucionais e anomalia dos accruals UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) Programa de Pós Graduação em Controladoria e Contabilidade (PPGCC) Doutorado em Controladoria e Contabilidade Sofisticação

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS

INSTRUMENTOS FINANCEIROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS Afonso Henrique Carvalho França* DEFINIÇÕES O Comitê de Pronunciamento Contábil emitiu durante o ano de 2009 os seguintes pronunciamentos sobre os instrumentos financeiros: CPC

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PARTICIPAÇÕES ESTATUTÁRIAS E DESTINAÇÃO DO RESULTADO APURADO NO PERÍODO

1. INTRODUÇÃO 2. PARTICIPAÇÕES ESTATUTÁRIAS E DESTINAÇÃO DO RESULTADO APURADO NO PERÍODO 1. INTRODUÇÃO PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 10, DE 23 DE MAIO DE 1986. EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas na elaboração das Demonstrações Financeiras Extraordinárias de 28.02.86.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo Professor Associado da Fucape Business School / Diretor de Educação e Pesquisa da FBC/ Membro do Consultative Advisory Group do IAESB fabio@fucape.br IX Encontro de

Leia mais

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Prof. Dr. Adriano Rodrigues Assuntos abordados nesse tópico: Ajuste a valor presente: Fundamentação Mensuração ao valor justo

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Especialização em Investment Banking

Especialização em Investment Banking Especialização em Investment Banking Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram

Leia mais

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis Revista UNIFESO Humanas e Sociais Vol. 1, n. 1, 2014, pp. 35-44. Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis pelos critérios de avaliação econômica e a preços de mercado Clóvis Luís Padoveze 1

Leia mais

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações 1. Aplicação 1- As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 A Importância do RI na Abertura de Capital Etapas do Processo de IPO José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 Agenda Registro Inicial de Companhia Aberta Registro de Oferta Pública de Distribuição

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC6100 Análise das Demonstrações Contábeis SEMESTRE: 1º/2014 SEGUNDAS-FEIRAS: 14:00-19:00 HORAS

PROGRAMA DA DISCIPLINA. RCC6100 Análise das Demonstrações Contábeis SEMESTRE: 1º/2014 SEGUNDAS-FEIRAS: 14:00-19:00 HORAS PROGRAMA DA DISCIPLINA RCC6100 Análise das Demonstrações Contábeis SEMESTRE: 1º/2014 SEGUNDAS-FEIRAS: 14:00-19:00 HORAS Mestrado em Controladoria e contabilidade PROF. DR. ELISEU MARTINS emartins@usp.br

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

EM QUATRO DIMENSÕES. companhias que. processo de. Diego Barreto Gerente de RI, Lopes. Nelson Pazikas Eternit. Diretor Presidente da Total RI

EM QUATRO DIMENSÕES. companhias que. processo de. Diego Barreto Gerente de RI, Lopes. Nelson Pazikas Eternit. Diretor Presidente da Total RI A experiência de companhias que estão em processo de implementação Diego Barreto Gerente de RI, Lopes Nelson Pazikas Eternit EM QUATRO DIMENSÕES Mediador: Valter Faria Diretor Presidente da Total RI São

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Contabilização de planos de benefícios segundo o CPC 33 Benefícios a empregados (IAS 19)

Contabilização de planos de benefícios segundo o CPC 33 Benefícios a empregados (IAS 19) Contabilização de planos de benefícios segundo o CPC 33 Benefícios a empregados (IAS 19) Classificação, contabilização de planos de contribuição definida e introdução aos planos de benefício definido.

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor Reestruturação Societária Grupo Criando Valor Novembro, 1999 Índice 8 Visão Geral da Reestruturação 2 8 Passos da Reestruturação 3 8 Benefícios da Reestruturação 4 8 Bases da Reestruturação 5 8 As Relações

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, o entendimento da

As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, o entendimento da 1 As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários CVM. 2 Lei nº 6.385/1976

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais

Financiamento a Longo Prazo. Alternativas. Capital Próprio. Prf. José Fajardo EBAPE-FGV. Ações Ordinárias Ações Preferenciais Financiamento a Longo Prazo Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Alternativas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Debêntures Outros títulos de dívida BNDES Capital Próprio Ações autorizadas x emitidas Lucros retidos

Leia mais

Contabilidade Societária 3

Contabilidade Societária 3 Contabilidade Societária 3 Prof. Dr. Fernando Caio Galdi fernando.galdi@fucape.br Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 01 Impairment of Assets IAS 36 2 1 Conceito de ATIVO Prováveis benefícios econômicos

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial CÓDIGO: 2ADM.0 VALIDADE: a partir de agosto de 200 TÉRMINO: Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB 1 ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB Paulo Schmidt * José Luiz dos Santos ** Luciane Alves Fernandes *** Resumo: A cada dia que passa, maior se torna a dependência entre mercados e países,

Leia mais

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) e o CFC (Conselho Federal de Contabilidade)

Leia mais

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.847/0001-99 FUNDOS DE INVESTIMENTOS INTRODUÇÃO A Magliano: Buscar a correta precificação dos ativos é parte integrante do controle de risco.

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

elearning Mercado Financeiro Informações do curso Rua Maestro Cardim, 1.170 - CEP: 01323-001 - São Paulo/SP. Fone: (11) 2184-2026

elearning Mercado Financeiro Informações do curso Rua Maestro Cardim, 1.170 - CEP: 01323-001 - São Paulo/SP. Fone: (11) 2184-2026 Mercado Financeiro CPA 10 Informações do curso Apresentação do Curso Na realidade econômica do mundo atual, todo sucesso empresarial passa necessariamente pela dinâmica do Mercado Financeiro, o que evidencia

Leia mais

ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTOS BASEADA EM INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: MODELO RESIDUAL INCOME VALUATION - OHLSON VERSUS R-SCORE - PIOTROSKI

ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTOS BASEADA EM INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: MODELO RESIDUAL INCOME VALUATION - OHLSON VERSUS R-SCORE - PIOTROSKI 1 ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTOS BASEADA EM INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: MODELO RESIDUAL INCOME VALUATION - OHLSON VERSUS R-SCORE - PIOTROSKI Márcio Alessandro Werneck Mestrando em Ciências Contábeis na Fucape

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

ANÚNCIOS DE PREJUÍZOS E REAÇÕES DOS RETORNOS NA BOVESPA

ANÚNCIOS DE PREJUÍZOS E REAÇÕES DOS RETORNOS NA BOVESPA Finanças ANÚNCIOS DE PREJUÍZOS E REAÇÕES DOS RETORNOS NA BOVESPA AUTORES RENATA TUROLA TAKAMATSU Universidade Federal de Minas Gerais renatinhat2002@yahoo.com.br WAGNER MOURA LAMOUNIER Universidade Federal

Leia mais