PLENO PREPARATORIO CURSO AGENTE POLICIA FEDERAL 2011 PROFESSOR LEANDRO EUSTAQUIO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLENO PREPARATORIO CURSO AGENTE POLICIA FEDERAL 2011 PROFESSOR LEANDRO EUSTAQUIO. www.leandroeustaquio.com.br"

Transcrição

1 PLENO PREPARATORIO CURSO AGENTE POLICIA FEDERAL 2011 PROFESSOR LEANDRO EUSTAQUIO EXERCICIOS DE ADMINISTRACAO FINANCEIRA ORCAMENTARIA

2 1(CESPE/TRE-BA/2010) No período do regime autoritário ( ), o processo orçamentário brasileiro foi completamente reorganizado com o fortalecimento do Poder Legislativo e a recuperação do orçamento fiscal, que expressava a totalidade das receitas e das despesas públicas.

3 2) (CESGRANRIO Planejamento, Orçamento e Finanças -IBGE 2010) Segundo a doutrina majoritária, o regime orçamentário adotado no Brasil é denominado: (A) privativo. (B) executivo. (C) legislativo. (D) impositivo. (E) autorizativo.

4 3) (CESPE/OFICIAL DE INTELIGÊNCIA/ADMINISTRAÇÃO/2010) Os prazos para que o Poder Executivo encaminhe os projetos de lei do Plano Plurianual, de LDO e de LOA ao Poder Legislativo e para que este os devolva para sanção estão definidos em lei complementar.

5 4) (CESPE/OFICIAL DE INTELIGÊNCIA/ADMINISTRAÇÃ O/2010) A comissão mista permanente de senadores e deputados a que se refere o art. 166 da CF encerra sua participação no ciclo orçamentário com a aprovação de parecer ao projeto de lei orçamentária e seu encaminhamento ao plenário das duas Casas do Congresso Nacional.

6 5) CESPE/OFICIAL DE INTELIGÊNCIA/ADMINISTRAÇÃO/2010) Ao Poder Executivo épermitido propor modificações no projeto de lei orçamentária, enquanto não iniciada a votação, pela comissão mista de senadores e deputados a que se refere o art. 166 da Constituição Federal, da parte cuja alteração éproposta.

7 6) (CESPEANALISTA/SAD-PE/2010) O Poder Legislativo pode apresentar emendas para aumentar as despesas do orçamento mediante a anulação de outras despesas ou a reestimativa de receitas. As emendas aos projetos de LOA, compatíveis com o PPA e a LDO, podem incidir sobre dotações para pessoal, serviços da dívida e transferências constitucionais para os entes da Federação.

8 7)CESPE/OFICIAL DE INTELIGÊNCIA/ADMINISTRAÇÃO/2010) O Poder Executivo deve encaminhar ao Poder Legislativo, até31 de agosto de cada ano, o projeto de lei orçamentária para o exercício financeiro seguinte e, nos termos da Lei n.º 4.320/1964, caso o Poder Executivo não cumpra o prazo fixado, o Poder Legislativo considerará, como proposta, a lei orçamentária em vigor.

9 8) (CESPEANALISTA/SAD-PE/2010) O Poder Legislativo pode apresentar emendas para aumentar as despesas do orçamento mediante a anulação de outras despesas ou a reestimativa de receitas. As emendas aos projetos de LOA, compatíveis com o PPA e a LDO, podem incidir sobre dotações para pessoal, serviços da dívida e transferências constitucionais para os entes da Federação.

10 9) ESAF Analista Administração e Finanças SUSEP 2010) Se o Congresso Nacional não receber no tempo devido a proposta de lei orçamentária, seráconsiderado como proposta: a) a Lei de Orçamento vigente. b) a proposta orçamentária enviada no exercício anterior. c) a média dos valores constantes dos orçamentos dos dois últimos anos. d) a despesa executada no exercício vigente atéa data limite para o envio da proposta. e)a proposta elaborada pela Comissão Mista de Orçamento

11 10)( FCC-ANALISTA JUDICIÁRIO ADMINISTRATIVA TRT/9ª 2010) O princípio orçamentário que define que nenhuma parcela da receita de impostos poderáser posta em reserva para cobrir certos e específicos dispêndios, salvo as exceções previstas em lei, é denominado Princípio da (A) Reserva Legal. (B) Universalidade e Unidade Orçamentária. (C) Não-afetação e da Quantificação dos Créditos Orçamentários. (D) Legalidade. (E) Vinculação dos Créditos Orçamentários

12 11)(FCC-ANALISTA JUDICIÁRIO ADMINISTRATIVA TRF/4ª 2010) O princípio orçamentário da exclusividade estabelece que (A) évedada a vinculação de impostos a órgão, fundo ou despesa. (B) a lei orçamentária não consignarádotações globais de despesas. (C) o orçamento deve equilibrar as receitas com as despesas. (D) todas as receitas e despesas constarão da lei do orçamento pelos seus valores brutos, vedadas quaisquer deduções. (E) a lei orçamentária não conterá qualquer dispositivo estranho à estimativa de receita ou fixação de despesa, ressalvadas as exceções previstas na Constituição Federal.

13 12)FCC-ANALISTA EM PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS SEFAZ/SP 2010) 1. Sobre os princípios orçamentários, é correto afirmar: (A) Pelo princípio da anualidade, um tributo sópode ser cobrado se tiver expressa previsão na lei orçamentária anual. (B) A autorização para abertura de crédito suplementar éexceção ao princípio da exclusividade que rege a lei orçamentária anual. (C) Évedada a vinculação de qualquer receita a qualquer despesa, conforme o princípio da não afetação. (D) O princípio da universalidade expressa que as despesas devem estar previstas de forma genérica e universal. (E) Como decorrência do princípio da unidade, a lei orçamentária se divide em três partes: orçamento anual, diretrizes orçamentárias e plano plurianual.

14 13) (CESPE/ANALISTA/INMETRO/2009) As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias não podem ser aprovadas quando incompatíveis com o plano plurianual.

15 14) (CESPE/Analista Judiciário/TRE MA 2009) O processo de elaboração do orçamento público no Brasil obedece a um ciclo integrado ao planejamento de ações que, de acordo com a CF, compreende o Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a LOA. Com relação aos princípios, fundamentos e objetivos do processo de elaboração de orçamento público, julgue os itens. A LDO éo instrumento de planejamento estratégico das ações do governo para um período de 4 anos

16 15) (CESPE/AUDITOR/AUGE-MG/2009) Os orçamentos fiscal, da seguridade social e de investimento das estatais, que compõem a LOA, deverão funcionar como instrumentos voltados para a redução das desigualdades sociais.

17 16) (CESPE/CONTADOR/DPU/2010) O orçamento da seguridade social abrange a chamada área social e, destacadamente, previdência, saúde e educação.

18 17) CESPE/Oficial técnico de Inteligência/ABIN/2010) Os créditos adicionais extraordinários, destinados a atender despesas urgentes e imprevisíveis, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, devem ser abertos por meio de medida provisória.

19 18) CESPE/Oficial técnico de Inteligência/ABIN/2010) Os créditos adicionais extraordinários, destinados a atender despesas urgentes e imprevisíveis, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, devem ser abertos por meio de medida provisória.

20 19) (CESPE/Analista Administrativo/ANTAQ 2009) No que concerne a estágios da receita, o lançamento de ofício éefetuado pela administração sem a participação do contribuinte.

21 20) (CESPE Analista Administrativo ANTAQ 2009) O pagamento dos tributos devidos pelos contribuintes constitui o estágio do recolhimento da receita. A arrecadação realiza-se com a transferência desses recursos para a conta única de cada ente, em prazos definidos contratualmente, com cada instituição. O pagamento dos tributos devidos pelos contribuintes constitui o estágio da arrecadação da receita. O recolhimento realiza-se com a transferência desses recursos para a conta única de cada ente.

22 21) (CESPE Analista Administrativo ANTAQ 2009) O pagamento dos tributos devidos pelos contribuintes constitui o estágio do recolhimento da receita. A arrecadação realiza-se com a transferência desses recursos para a conta única de cada ente, em prazos definidos contratualmente, com cada instituição. O pagamento dos tributos devidos pelos contribuintes constitui o estágio da arrecadação da receita. O recolhimento realiza-se com a transferência desses recursos para a conta única de cada ente.

23 22(CESPE DPU -Contador) A legislação e a doutrina classificam as receitas sob diversos critérios. Do ponto de vista das categorias econômicas, classifica-se como receita corrente: a)o resultado do Banco Central do Brasil. b)a amortização de empréstimo concedido para financiamento de despesas correntes. c)o superavit do orçamento corrente. d)a contribuição patronal para o plano de seguridade social do servidor público. e)a remuneração das disponibilidades do Tesouro Nacional.

24 23(CESPE Analista Judiciário Administração - TRE/BA 2010) Considere que a arrecadação da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) tenha aumentado durante o último exercício financeiro da União. Nesse caso, écorreto afirmar que houve aumento do montante da receita tributária da União no último ano.

25 24 (Cespe/Oficial de Inteligência/ABIN/2010) São exemplos de receitas de contribuições os prêmios prescritos de loterias federais e a contribuição para o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC).

26 25(CESPE Analista Judiciário Administração - TRE/BA 2010) Considere que a arrecadação da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) tenha aumentado durante o último exercício financeiro da União. Nesse caso, écorreto afirmar que houve aumento do montante da receita tributária da União no último ano.

27 e e e e c e c e a c e d c e e e e e c c c d e c e

APOSTILA DE EXERCICIOS CURSO AGENTE POLICIA FEDERAL PLENO PREPARATORIO 1º SEMESTRE-2011

APOSTILA DE EXERCICIOS CURSO AGENTE POLICIA FEDERAL PLENO PREPARATORIO 1º SEMESTRE-2011 APOSTILA DE EXERCICIOS CURSO AGENTE POLICIA FEDERAL PLENO PREPARATORIO 1º SEMESTRE-2011 PROFESSOR LEANDRO EUSTAQUIO www.fmd.adv.br 1(CESPE/TRE-BA/2010) No período do regime autoritário (1964-1984), o processo

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 1 ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 LEI Nº 10.347 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. PROJETO DE LEI 400/15 Estima

Leia mais

Base para estudo do Direito Financeiro

Base para estudo do Direito Financeiro Base para estudo do Direito Financeiro Constituição da República Federativa do Brasil de 1988; Lei n 4.320, de 17 de março de 1964; Lei complementar nacional n 101, de 4 de maio de 2000; Decreto n 93.872,

Leia mais

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PORTO ALEGRE, 29 DE JUNHO DE 2015 1 MAPEAMENTO DE OPORTUNIDADES NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DAS OPORTUNIDADES O Orçamento Geral da União

Leia mais

Secretaria De Estado Da Fazenda

Secretaria De Estado Da Fazenda Secretaria De Estado Da Fazenda COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO ESTADO - CAFE - Coordenação da Administração Financeira do Estado ORÇAMENTO PÚBLICO Definições de Orçamento Um ato contendo a

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1)

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) 40- O relatório de gestão fiscal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101/2000) conterá,

Leia mais

O orçamento é conhecido como uma peça que contém a aprovação prévia da despesa e da receita para um período determinado 1.

O orçamento é conhecido como uma peça que contém a aprovação prévia da despesa e da receita para um período determinado 1. 1. ORÇAMENTO PÚBLICO - Constituição Federal arts. 163 a 169; - Lei 4320/64 Lei Orçamentária; - Lei de Responsabilidade Fiscal LRF LC 101/2000. ORÇAMENTO PÚBLICO O orçamento é conhecido como uma peça que

Leia mais

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO RELATÓRIO Através das Mensagens nº 255/15 encaminhada pelo Ex- Governador do Estado do Espírito Santo Paulo César Hartung Gomes. Encaminhada a esta Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 400/15, que

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista LEI N.º 1.274/2013 De 31 de Dezembro de 2012. DISPÕE SOBRE: Estima a Receita e Fixa a despesa do município de Marabá Paulista, para o exercício financeiro de 2013, e da outras providências. HAMILTON CAYRES

Leia mais

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe.

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe. Orçamento Público CF/88 (CESPE SAD/PE Analista de Controle Interno Especialidade: Finanças Públicas/2010) - A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. Versão: 01 Aprovação em: 11 de dezembro de 2012 Ato de aprovação: Resolução n. 82/2012. Unidade Responsável: Secretaria Geral Administrativa

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA CURSOS SETORIAIS PARA GESTORES PÚBLICOS P MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA Profa. Nirleide Saraiva Coelho PPA 2010/2013 O Plano Plurianual de um Município é o instrumento de planejamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL LEI Nº 4.027, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2.008 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2.009 O povo do Município de Montes Claros, por seus representantes

Leia mais

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental É a definição de objetivos e o estabelecimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI - PE CNPJ; 11.040.896/001-59 GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL 869/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI - PE CNPJ; 11.040.896/001-59 GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL 869/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUBI - PE CNPJ; 11.040.896/001-59 GABINETE DO PREFEITO LEI MUNICIPAL 869/2015 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE IPUBI PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016. O PREFEITO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro.

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro. GESTÃO FINANCEIRA A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO CCDRCentro 2011 Matriz da acção de formação O MODELO FINANCEIRO DAS FREGUESIAS

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas

Governo do Estado do Amazonas LEI Nº 3.202, de 20 de dezembro de 2007 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.008. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

Sumário. Apresentação... IX Introdução... XIX

Sumário. Apresentação... IX Introdução... XIX Sumário Apresentação......................................................................................................... IX Introdução..........................................................................................................

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

AFO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA DIREITO FINANCEIRO. Professor: Roberto Chapiro

AFO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA DIREITO FINANCEIRO. Professor: Roberto Chapiro AFO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA DIREITO FINANCEIRO Professor: Roberto Chapiro Orçamento Público Conceito Lei de iniciativa do Chefe do Poder Executivo, aprovada pelo Poder Legislativo, que

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

O Orçamento Público e o Cidadão

O Orçamento Público e o Cidadão O Orçamento Público e o Cidadão Rogério Grof Entendendo o Orçamento Público A importância do Orçamento Público p/ o Cidadão Compreendendo o ciclo orçamentário no Brasil Interpretando o PPA Interpretando

Leia mais

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016.

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016. Questões de concursos públicos 2016 Processo de Elaboração e Execução Orçamentária e Financeira Prezado(a) estudante, concursando(a)! Desejo-lhe inspiração para a conquista de seus sonhos e o pleno alcance

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária. Agente de Polícia Federal

Administração Financeira e Orçamentária. Agente de Polícia Federal Administração Financeira e Orçamentária Agente de Polícia Federal Atividade Financeira do Estado Receita Pública Despesa Pública Atividade Financeira do Estado Crédito Público Orçamento Público Instrumentos

Leia mais

Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira.

Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira. Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira. 1.(Cespe/TCU/2008) No mínimo sessenta dias antes do prazo final para a remessa da proposta do orçamento, o Poder Executivo deve colocar

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O CAUC possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada um desses itens. Siglas deste documento: CADIN Cadastro Informativo

Leia mais

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Estima as Receitas e Fixa as Despesas do Município de Gaúcha do Norte, Estado de Mato Grosso, para o Exercício Financeiro de 2008 e dá outras providências. EDSON

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Art. 3º. As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão à conta das dotações próprias do orçamento vigente.

Art. 3º. As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão à conta das dotações próprias do orçamento vigente. LEI Nº 656, DE 28 DE MARÇO DE 1994. Publicado no Diário Oficial nº 329 Modifica a Lei nº 308, de 17 de outubro de 1991, e dá outras providências. Faço saber que o Governador do Estado do Tocantins adotou

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Maio/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza

Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza CONTROLE EXEC PLANEJAM E ORÇAM Nº Conta Contábil Nome da conta contábil Função Natureza 6.0.0.0.0.00.00.00 CONTROLES DA EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO E ORCAMENTO 6.1.0.0.0.00.00.00 EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) Aspectos Gerais: características e tramitação no Poder Legislativo.

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) Aspectos Gerais: características e tramitação no Poder Legislativo. DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) II. LEIS ORÇAMENTÁRIAS Aspectos Gerais: características e tramitação no Poder Legislativo. 1. Três leis orçamentárias, todas de iniciativa do Poder Executivo

Leia mais

HISTÓRICO E PRINCIPAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ORÇAMENTO PÚBLICO E O SEU CICLO

HISTÓRICO E PRINCIPAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ORÇAMENTO PÚBLICO E O SEU CICLO HISTÓRICO E PRINCIPAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ORÇAMENTO PÚBLICO E O SEU CICLO Orçamento público enquanto processo é composto por um conjunto de ferramentas de planejamento e execução das políticas públicas

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2016 PUBLICAÇÃO Nº 002/2016 Dispõe sobre a retificação da tabela do subitem 2.1, com relação às vagas dos cargos de Analista Técnico, Enfermeiro, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Dezembro/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2012. de Dezembro

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2012. de Dezembro REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Lei n.º /2012 de de Dezembro O Orçamento do Estado para 2012 materializa a política financeira do Governo, em conformidade com os objectivos do Plano Económico e Social (PES) -

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

EXERCÍCIOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 EXERCÍCIOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 01) Os princípios básicos da Administração Pública, no Brasil, segundo o Art 37 da Constituição Federal são: a) universalidade, anualidade, moralidade e legalidade;

Leia mais

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA APOSTILA 01 BENEFÍCIOS Prof. Italo Romano Aspectos Constitucionais da Seguridade Social Anotações Iniciais: 1. CONCEITO DE SEGURIDADE SOCIAL 1.1. A Seguridade social é um conjunto de princípios, normas

Leia mais

Estágios da Despesa Pública

Estágios da Despesa Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Estágios da Despesa Pública lac.consultoria@gmail.com CONCEITO: A despesa pública consiste na realização de gastos, isto é, na aplicação de recursos financeiros de forma

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. TRIBUTO Unidade 4

DIREITO TRIBUTÁRIO. TRIBUTO Unidade 4 DIREITO TRIBUTÁRIO TRIBUTO Unidade 4 TRIBUTO Conceito É uma prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e

Leia mais

CONSULTORIA JURÍDICA PARECER Nº 388

CONSULTORIA JURÍDICA PARECER Nº 388 CONSULTORIA JURÍDICA PARECER Nº 388 PROJETO DE LEI Nº 10.460 PROCESSO Nº 57.884 De autoria do PREFEITO MUNICIPAL, retorna a esta Consultoria o presente projeto de lei, que tem por finalidade fixar o orçamento

Leia mais

CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES RESOLUÇÃO N 01/ 2006

CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES RESOLUÇÃO N 01/ 2006 CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES RESOLUÇÃO N 01/ 2006 Ementa: Aprova o Orçamento da UFPE para exercício de 2006, e dá outras providências. Os CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE CURADORES DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Orçamento Público: Teoria e Prática

Orçamento Público: Teoria e Prática Orçamento Público: Teoria e Prática MARCELO DANTAS GESTOR GOVERNAMENTAL ESPECIALIDADE Planejamento, Orçamento e Gestão Marcelo.dantas@seplag.pe.gov.br Fone: 3182-3850 EMENTA DO CURSO: AULA 1 AULA 2 AULA

Leia mais

Divisão da Aula. 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF. 1 Visão Constitucional. Lei Orçamentária Anual - LOA

Divisão da Aula. 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF. 1 Visão Constitucional. Lei Orçamentária Anual - LOA Divisão da Aula Professor Luiz Antonio de Carvalho Lei Orçamentária Anual - LOA lac.consultoria@gmail.com 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF 1 2 1 Visão Constitucional SISTEMA DE PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL

Leia mais

ORÇAMENTO. Paula Freire 2014

ORÇAMENTO. Paula Freire 2014 ORÇAMENTO Paula Freire 2014 PRINCÍPIOS Exclusividade Universalidade Unidade Anualidade Programação O PRINCIPIO DA EXCLUSIVIDADE Art. 165, 8, da CF: A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Maurício Teles mauricioteles.prof@gmail.com 1 Orçamento público. 2 Orçamento público no Brasil. 3 O ciclo orçamentário. 4 Orçamento-programa. 5 Planejamento no orçamento-programa.

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. PORTARIA N o 52 TSE

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. PORTARIA N o 52 TSE PORTARIA N o 52 TSE O PRESIDENTE DO, com base nos artigos 54, inciso III e parágrafo único, e 55, 2º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, e conforme o Procedimento Administrativo nº 7.432/2013,

Leia mais

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 76 5.3.14. Balancetes de Receitas Orçamentárias: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS NOME DO ARQUIVO: BR201001.BAL TIPO DE DOCUMENTO: 301 1. Tipo do Documento 2. Código do Município 3. Exercício do Orçamento

Leia mais

DECRETO Nº. 570/2012:

DECRETO Nº. 570/2012: DECRETO Nº. 570/2012: A Prefeita Municipal de Viana, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo art. 61, inc. I, alínea a, da Lei Orgânica do Município de Viana e, de acordo

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA AGOSTO/2015

PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA AGOSTO/2015 PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA AGOSTO/2015 SISTEMA TRIBUTÁRIO MODELO ATUAL Nosso sistema tributário, além da elevada carga de impostos, impõe às empresas custos adicionais devido a sua complexidade, cumulatividade,

Leia mais

Projetos pendentes de aprovação no Congresso Nacional Posição em 30.11.2001

Projetos pendentes de aprovação no Congresso Nacional Posição em 30.11.2001 Projetos pendentes de aprovação no Congresso Nacional Posição em 30.11.2001 1. Regulamentação da Reforma Administrativa 1.1. instrumento legal: lei complementar (PLC 43, de 1.9.1999) regulamenta a perda

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

O que é orçamento público?

O que é orçamento público? O que é orçamento público? É a previsão de arrecadação de receitas e a fixação de despesas para um período determinado. É computar, avaliar, calcular a previsão da arrecadação de tributos e o gasto de

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE MUDANÇAS ESTRUTURAIS

CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE MUDANÇAS ESTRUTURAIS CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE MUDANÇAS ESTRUTURAIS APROVAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA REGULAMENTAÇÃO DA REFORMA ADMINISTRATIVA REGULAMENTAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA REFORMA TRIBUTÁRIA PRIVATIZAÇÕES REFORMA

Leia mais

AULA 1 DEMONSTRATIVA

AULA 1 DEMONSTRATIVA AULA 1 DEMONSTRATIVA Saudações queridos alunos, eu sou o PROF. ALEXANDRE TESHIMA e estou aqui para ajudá-los com as disciplinas CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA para

Leia mais

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS ESTADO DA ARAÍBA Lei n o 11.867, de 21 de janeiro de 2010. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESESA DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA ARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2010. O REFEITO DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA, ESTADO DA

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO (COSIT)

RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO (COSIT) RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO (COSIT) NOTA TÉCNICA STN nº 12/2014 PIS/Pasep Entes Públicos Receitas Intraorçamentárias Regime Próprio de Previdência dos Servidores Repasses

Leia mais

Documento legal contendo a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício.

Documento legal contendo a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício. ORÇAMENTO PÚBLICO 1. Conceito 2. Orçamento na Constituição Federal 3. Princípios orçamentários 4. Orçamento-programa: conceitos e objetivos 5. Receitas e despesas extraorçamentárias SENTIDO AMPLO Documento

Leia mais

Orçamento público: conceito e histórico

Orçamento público: conceito e histórico Orçamento público: conceito e histórico Orçamento público: conceito Orçamento público é o instrumento por excelência de planejamento e execução das finanças públicas. É composto de uma estimativa das receitas

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

AUTÓGRAFO DE LEI N. 47, DE 31 DE MAIO DE 2016

AUTÓGRAFO DE LEI N. 47, DE 31 DE MAIO DE 2016 AUTÓGRAFO DE LEI N. 47, DE 31 DE MAIO DE 016 Altera a Lei n..159/013 e alterações (PPA exercício 014/017), a Lei n..449/015 e alterações (LDO exercício de 016) e abre crédito suplementar na Lei n..503/015

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.115/2014

RESOLUÇÃO CFM nº 2.115/2014 RESOLUÇÃO CFM nº 2.115/2014 (Publicada no D.O.U., 23 dez. 2014, Seção I, p. 131-2) Aprova previsão orçamentária do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais de Medicina para o exercício de

Leia mais

Seguridade Social na Conjuntura Atual

Seguridade Social na Conjuntura Atual Universidade de Brasília (UnB) Instituto de Ciências Humanas (IH) Departamento de Serviço Social (SER) Programa de pós-graduação em Política Social Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Seguridade Social

Leia mais

SIMULADO SOBRE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDAE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS

SIMULADO SOBRE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDAE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS SIMULADO SOBRE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDAE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS 1) Com o objetivo de assegurar maior rapidez e objetividade às decisões, situando-as na proximidade dos fatos, pessoas

Leia mais

LEI N.º 3.106, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.006

LEI N.º 3.106, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.006 LEI N.º 3.106, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2.006 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.007. (REPUBLICAÇÃO INTEGRAL, em cumprimento ao artigo 2.º da Lei n.º 3.110, de 28

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar.

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar. ORÇAMENTO PÚBLICO O QUE É PLANEJAR Planejar é o contrário de improvisar. PPA Plano Plurianual SE PLANEJA PARA: Estabelecer prioridades. Otimizar recursos. Se programar no tempo e no espaço. Se definir

Leia mais

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº

Leia mais

Análise da Proposta de Reforma Tributária. Edinando Brustolin

Análise da Proposta de Reforma Tributária. Edinando Brustolin Análise da Proposta de Reforma Tributária Edinando Brustolin Sistema Tributário Atual Muitos tributos, alguns incidindo sobre a mesma base; Cumulatividade; Desoneração incompleta dos investimentos; Desoneração

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 133/2013 ESTABELECE NOVA REGULAMENTAÇÃO AO PAGAMENTO DE DÉBITOS DE ANUIDADES JUNTO AO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL - COREN-RS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Conselho

Leia mais

Possibilidade de utilização da verba Qese (Quotas estaduais do salário-educação) em custeio de merenda escolar

Possibilidade de utilização da verba Qese (Quotas estaduais do salário-educação) em custeio de merenda escolar Possibilidade de utilização da verba Qese (Quotas estaduais do salário-educação) em custeio de merenda escolar ConsUlta n. 777.131 ementa: Consulta município Utilização da verba Qese para custeio de merenda

Leia mais

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Conceitos básicos do orçamento no setor público: ciclo orçamentário e instrumentos Fábio Pereira dos Santos As origens históricas do orçamento público Século

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47 Página: 1 de 8 1-RECEITAS DE IMPOSTOS RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) PREVISÃO PREVISÃO 4.563.250,00 4.563.250,00 1.072.219,54 5.951.109,36 130,41 1.1-Receita Resultante

Leia mais

Direito Previdenciário - Custeio

Direito Previdenciário - Custeio Direito Previdenciário - Custeio Aula 7 Novas fontes - 4º do art. 195 da CF e emendas à Constituição Professora: Zélia Luiza Pierdoná Coordenação: Dr. Wagner Ballera A Constituição Federal de 1988 instituiu

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

LEI Nº 002/2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, FAZ SABER,

LEI Nº 002/2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, FAZ SABER, LEI Nº 002/2006 CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO FUMDUR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município,

Leia mais

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a)

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a) Tabela 19B - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Município de Tabira - Pernambuco RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO

Leia mais

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13 CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA...................................... 13 1.1 Características......................................... 15 1.2 Princípios contabilísticos..................................

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL DCOG Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Novembro/2012 Fones: (48) 36652773, 36652633 e 36652727 DIRETORIA

Leia mais

Neste material, de distribuição gratuita, serão comentadas todas as questões dos 17 capítulos. Acesse www.portaldoorcamento.com.br.

Neste material, de distribuição gratuita, serão comentadas todas as questões dos 17 capítulos. Acesse www.portaldoorcamento.com.br. Este material traz explicações para a resolução das questões do livro Administração Financeira e Orçamentária, 5ª edição, Editora Método, 2015, do Prof. Sérgio Mendes. Adquira seu exemplar do livro e tenha

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira Legislação Aplicável: Arts. 165 a 169 da CRFB Professor Fábio Furtado www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Financeira LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: ARTS. 165 A 169 DA CRFB Introdução

Leia mais

AO COMPLETAR 27 ANOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, LEGISLAÇÃO BRASILEIRA É COMPLEXA, CONFUSA E DE DIFÍCIL INTERPRETAÇÃO

AO COMPLETAR 27 ANOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, LEGISLAÇÃO BRASILEIRA É COMPLEXA, CONFUSA E DE DIFÍCIL INTERPRETAÇÃO AO COMPLETAR 27 ANOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, LEGISLAÇÃO BRASILEIRA É COMPLEXA, CONFUSA E DE DIFÍCIL INTERPRETAÇÃO Foram editadas mais de 5,2 milhões de normas Em média são editadas 764 normas

Leia mais

de 2002, permanecem com a alíquota da Cofins reduzida a zero, em que pesem as alterações introduzidas pela Lei nº 10.865, de 2004.

de 2002, permanecem com a alíquota da Cofins reduzida a zero, em que pesem as alterações introduzidas pela Lei nº 10.865, de 2004. DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 4. Região Fiscal SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 1, DE 13 DE JANEIRO DE 2009 EMENTA: GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social.

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE ORÇAMENTÁRIAS ANUAL - PLOA MARCONDES DA SILVA BOMFIM ANALISTA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO Slide 1 Ementa Oficina nº 8 - Elaboração do PLOA Carga Horária: 08 Conteúdo: 1.

Leia mais

O ORÇAMENTO NA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A SUA EVOLUÇÃO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA ORIGINAL

O ORÇAMENTO NA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A SUA EVOLUÇÃO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA ORIGINAL O ORÇAMENTO NA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A SUA EVOLUÇÃO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA ORIGINAL ARTIGO 108.º 1. A lei do orçamento, a votar anualmente pela Assembleia da República, conterá:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Votorantim

Prefeitura Municipal de Votorantim PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 013/2016 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 006/2016 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2017 e dá outras providências. ERINALDO ALVES DA SILVA, PREFEITO

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

BALANÇO GERAL DA UNIÃO-2009

BALANÇO GERAL DA UNIÃO-2009 BALANÇO GERAL DA UNIÃO-2009 O exercício de 2009 encerrou-se com uma arrecadação total de R$ 17.536.062.718,60 (dezessete bilhões, quinhentos e trinta e seis milhões, sessenta e dois mil, setecentos e dezoito

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Lei de Responsabilidade Fiscal: implementação e resultados Dra. Selene Peres Peres Nunes Assessora Econômica do Ministério do Planejamento, Orçamento e GestãoG 10 de setembro de 2002 O QUE É A LEI DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

18/08/2010 TRIBUTOS EM ESPÉCIE IMPOSTOS IMPOSTOS. Impostos Estaduais. Impostos Estaduais IPVA ICMS ITCMD. Legislação Comercial e Tributária

18/08/2010 TRIBUTOS EM ESPÉCIE IMPOSTOS IMPOSTOS. Impostos Estaduais. Impostos Estaduais IPVA ICMS ITCMD. Legislação Comercial e Tributária Legislação Comercial e Tributária TRIBUTOS EM ESPÉCIE IPVA ICMS ITCMD IPVA: Imposto sobre a propriedade de veículo automotor. Fato Gerador: é a propriedade do veículo automotor. Base de cálculo: valor

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Senhores usuários o objetivo deste manual é tornar acessível para o público em geral as informações disponibilizadas no Portal

Leia mais

PROGRAMAÇÃO 2016. Fevereiro. Março

PROGRAMAÇÃO 2016. Fevereiro. Março PROGRAMAÇÃO 2016 Fevereiro Licitações e Contratos Administrativos Completo Carga Horaria: 80h * Período para inscrição de 15/01/16 a 05/02/16 15 a 26 Março RDC - REGIME DIFERENCIADO DE 01 a 02 CONTRATAÇÃO

Leia mais