Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios"

Transcrição

1 Proposta de Harmonização Demonstrativo do Resultado Primário dos Estados, DF e Municípios Grupo Técnico de Padronização de Relatórios GTREL BRASÍLIA Abril, 2014

2 Acórdão TCU nº 1.776/2012 Acórdão TCU nº 1.776/ Harmonização do Demonstrativo do Resultado Primário da União, dos Estados e Municípios contido no Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) (..) com fulcro no art. 250, inciso III, do Regimento Interno do TCU, recomendar à Secretaria do Tesouro Nacional, na qualidade de responsável pela edição de normas de consolidação das contas públicas, conforme estabelecido pelo art. 50, 2º, da Lei Complementar nº 101/2000, que adote providências no sentido de harmonizar o cálculo do resultado fiscal de que trata a Parte III - Relatório Resumido da Execução Orçamentária do Manual de Demonstrativos Fiscais com a variação do estoque da Dívida Consolidada Líquida; 2

3 Proposta de Harmonização Aproximar o Demonstrativo de Estados, Distrito Federal e Municípios da estrutura internacionalmente difundida para apuração do resultado fiscal já adotada pela União.» Incorporação das informações de despesas pagas e de restos a pagar para apuração do resultado primário no regime de caixa;» Desagregação de transferências para viabilizar o método de consolidação do Governo Geral;» Inclusão do Resultado Primário e Nominal em um único demonstrativo, com a inclusão dos juros nominais, permitindo avaliação mais ampla do desempenho fiscal e a necessidade de financiamento do ente público;» Inclusão de uma coluna adicional no 6º bimestre, com informação sobre inscrições de restos a pagar não processados» Retirada das colunas com valores do exercício anterior devido a inviabilidade de ter 11 (onze) colunas em um só demonstrativo: Cinco colunas para DESPESAS LIQUIDADAS, DESPESAS PAGAS, RESTOS A PAGAR PROCESSADOS PAGOS, RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS (liquidados e pagos) para o exercício anterior; Uma coluna para PREVISÃO ATUALIZADA (receita) e DOTAÇÃO ATUALIZADA (despesa); Cinco colunas para DESPESAS LIQUIDADAS, DESPESAS PAGAS, RESTOS A PAGAR PROCESSADOS PAGOS, RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS (liquidados e pagos) até o bimestre de referência; 3

4 Regime de Competência Despesas Liquidadas Restos a Pagar Não Processados Liquidados Despesas por Competência Regime de Caixa Despesas Pagas Restos a Pagar Processados Pagos Restos a Pagar não Processados Pagos Despesas por Regime de Caixa 4

5 Principais alterações: Abertura de Transferências, Resultados em Base Caixa (Primário e Nominal) e colunas de Estágios da Despesa e Restos a Pagar: já haviam sido apresentados como proposta no GTREL em nov/2013 (destacados em azul). FUNDEB: As receitas estarão na linha de Transferências Multigovernamentais e foram abertas linhas para deduções Deduções da Receita. Haverá um texto específico no MDF e exemplo será apresentado na reunião do GT. RPPS (Modalidade 91 Contribuição Patronal Intraorçamentária): Será registrada nas despesas intraorçamentárias (nova linha aberta) e haverá destaque no texto do MDF. Cota-parte dos municípios (ICMS): Constará das transferências a municípios (despesas). Haverá destaque no texto do MDF. Venda de folha salarial: O tratamento será destacado no texto do MDF (registro em diversas receitas correntes e não em alienação de bens). Fundos de Incentivos Fiscais: Devem ser registrados como receita tributária (ICMS), a exemplo dos Fundos de Combate à Pobreza (MT, BA, RJ, etc.). Será destacado o tratamento no texto do MDF. Cessão de direitos creditórios (caso do município de SP): deve ser registrado em diversas receitas correntes e tratamento será destacado no MDF. Abertura de colunas para comparação com mesmo mês do ano anterior: proposta de acréscimo de colunas na receita, em todos os estágios da despesa e RPs. 5

6 RECEITAS PRIMÁRIAS RECEITAS PRIMÁRIAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) (I = II + VII) RECEITAS PRIMÁRIAS CORRENTES (II) Receitas Tributárias Receitas de Contribuições Receitas Previdenciárias Outras Receitas de Contribuições Receita Patrimonial Líquida Receita Patrimonial (-) Aplicações Financeiras Transferências Correntes Transferências da União Transferências dos Estados Transferências dos Municípios Transferências Multigovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Demais Receitas Correntes Dívida Ativa Diversas Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL (III) Operações de Crédito (IV) Amortização de Empréstimos (V) Alienação de Bens (VI) Transferências de Capital Transferências da União Transferências dos Estados Transferências dos Municípios Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Outras Receitas de Capital RECEITAS PRIMÁRIAS DE CAPITAL (VII) = (III - IV - V - VI) DEDUÇÕES DA RECEITA (VIII) Deduções da Receita de Impostos para formação do Fundeb Dedução das Receitas de Transferências da União para o Fundeb Outras Deduções da Receita RECEITAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS (IX) RECEITA PRIMÁRIA TOTAL (X) = (I - VIII + IX) PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS Até o Bimestre/<Exercício> (a) 6

7 DESPESAS PRIMÁRIAS DOTAÇÃO ATUALIZADA DESPESAS LIQUIDADAS DESPESAS PAGAS Até o Bimestre/ <Exercício> RESTOS A PAGAR PROCESSADOS PAGOS RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS Liquidados Pagos DESPESAS PRIMÁRIAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) (XI = XIV + XIX) DESPESAS CORRENTES (XII) Pessoal e Encargos Sociais Benefícios Previdenciários 1/ Demais Despesas de Pessoal e Encargos Juros e Encargos da Dívida (XIII) Outras Despesas Correntes Transferências à União Transferências a Estados e ao Distrito Federal Transferências a Municípios Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos Transferências a Instituições Privadas com Fins Lucrativos Transferências a Instituições Multigovernamentais Transferências a Consórcios Públicos Transferências ao Exterior Aplicações Diretas Benefícios Previdenciários Demais Aplicações Diretas DESPESAS PRIMÁRIAS CORRENTES (XIV) = (XIII - XIV) DESPESAS DE CAPITAL (XV) Investimentos Transferências à União Transferências a Estados e ao Distrito Federal Transferências a Municípios Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos Transferências a Instituições Privadas com Fins Lucrativos Transferências a Instituições Multigovernamentais Transferências ao Exterior Aplicações Diretas Inversões Financeiras Concessão de Empréstimos (XVI) Aquisição de Título de Capital já Integralizado (XVII) Demais Inversões Financeiras Amortização da Dívida (XVIII) DESPESAS PRIMÁRIAS DE CAPITAL (XIX) = (XV - XVI - XVII - XVIII) DESPESAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS (XX) RESERVA DE CONTINGÊNCIA (XXI) RESERVA DO RPPS (XXII) DESPESA PRIMÁRIA TOTAL (XXIII) = (XIV + XIX + XX) DESPESA PRIMÁRIA TOTAL PAGA (XXIV) = (XXIIIb +XXIIIc +XXIIId) RESULTADO PRIMÁRIO CAIXA 2/ (XXV) = (Xa - XXIV) (b) (c) (d) DISCRIMINAÇÃO DA META FISCAL META DE RESULTADO PRIMÁRIO FIXADA NO ANEXO DE METAS FISCAIS DA LDO P/ O EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA 7

8 Colunas do acumulado até bimestre do ano anterior RECEITAS PRIMÁRIAS RECEITAS PRIMÁRIAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) (I = II + VII) RECEITAS PRIMÁRIAS CORRENTES (II) Receitas Tributárias Receitas de Contribuições Receitas Previdenciárias Outras Receitas de Contribuições Receita Patrimonial Líquida Receita Patrimonial (-) Aplicações Financeiras Transferências Correntes Transferências da União Transferências dos Estados Transferências dos Municípios Transferências Multigovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Demais Receitas Correntes Dívida Ativa Diversas Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL (III) Operações de Crédito (IV) Amortização de Empréstimos (V) Alienação de Bens (VI) Transferências de Capital Transferências da União Transferências dos Estados Transferências dos Municípios Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Outras Receitas de Capital RECEITAS PRIMÁRIAS DE CAPITAL (VII) = (III - IV - V - VI) DEDUÇÕES DA RECEITA (VIII) Deduções da Receita de Impostos para formação do Fundeb Dedução das Receitas de Transferências da União para o Fundeb Outras Deduções da Receita RECEITAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS (IX) RECEITA PRIMÁRIA TOTAL (X) = (I - VIII + IX) RECEITAS REALIZADAS Até o Bimestre/<Exercício anterior> RECEITAS REALIZADAS Até o Bimestre/<Exercício> (a) 8

9 Colunas do acumulado até bimestre do ano anterior DESPESAS PRIMÁRIAS DESPESAS PRIMÁRIAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) (XI = XIV + XIX) DESPESAS CORRENTES (XII) Pessoal e Encargos Sociais Benefícios Previdenciários 1/ Demais Despesas de Pessoal e Encargos Juros e Encargos da Dívida (XIII) Outras Despesas Correntes Transferências à União Transferências a Estados e ao Distrito Federal Transferências a Municípios Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos Transferências a Instituições Privadas com Fins Lucrativos Transferências a Instituições Multigovernamentais Transferências a Consórcios Públicos Transferências ao Exterior Aplicações Diretas Benefícios Previdenciários Demais Aplicações Diretas DESPESAS PRIMÁRIAS CORRENTES (XIV) = (XIII - XIV) DESPESAS DE CAPITAL (XV) Investimentos Transferências à União Transferências a Estados e ao Distrito Federal Transferências a Municípios Transferências a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos Transferências a Instituições Privadas com Fins Lucrativos Transferências a Instituições Multigovernamentais Transferências ao Exterior Aplicações Diretas Inversões Financeiras Concessão de Empréstimos (XVI) Aquisição de Título de Capital já Integralizado (XVII) Demais Inversões Financeiras Amortização da Dívida (XVIII) DESPESAS PRIMÁRIAS DE CAPITAL (XIX) = (XV - XVI - XVII - XVIII) DESPESAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS (XX) RESERVA DE CONTINGÊNCIA (XXI) RESERVA DO RPPS (XXII) DESPESA PRIMÁRIA TOTAL (XXIII) = (XIV + XIX + XX) DESPESA PRIMÁRIA TOTAL PAGA (XXIV) = (XXIIIb +XXIIIc +XXIIId) RESULTADO PRIMÁRIO CAIXA 2/ (XXV) = (Xa - XXIV) DISCRIMINAÇÃO DA META FISCAL DESPESAS LIQUIDADAS Até o Bimestre/ <Exercício anterior> Até o Bimestre/ <Exercício> RESTOS A RESTOS A PAGAR NÃO RESTOS A RESTOS A PAGAR DESPESAS PAGAR PROCESSADOS DESPESAS PAGAR NÃO PROCESSADOS DESPESAS PAGAS PROCESSADOS PAGAS PROCESSADOS Liquidados Pagos LIQUIDADAS Liquidados Pagos PAGOS PAGOS (b) (c) (d) (b) (c) (d) META DE RESULTADO PRIMÁRIO FIXADA NO ANEXO DE METAS FISCAIS DA LDO P/ O EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA 9

10 Exemplo Fundeb (Estados) RECEITAS REALIZADAS RECEITAS PRIMÁRIAS Até o Bimestre/<Exercício> (a) RECEITAS PRIMÁRIAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) RECEITAS PRIMÁRIAS CORRENTES Receitas Tributárias ICMS 400,00... Transferências Correntes Transferências da União 500,00... Transferências Multigovernamentais 900,00... DEDUÇÕES DA RECEITA Deduções da Receita de Impostos para formação do Fundeb 300,00 Dedução das Receitas de Transferências da União para o Fundeb 100,00 Outras Deduções da Receita Deverão ser informados os valores das receitas tributárias sem a dedução da parcela destinada à formação do Fundeb. Deverão ser informados os valores das Transferências da União (FPM, FPE) sem a dedução da parcela destinada à formação do Fundeb. Nas Transferências Multigovernamentais, serão informados os valores das transferências de recursos do Fundeb e das transferências de recursos da complentação da União ao Fundeb Deverão ser informados os valores das deduções da receita de impostos para formação do Fundeb e das deduções das receitas de transferências da União para o Fundeb Dedução da Receita de Impostos para a Formação do Fundeb: IPVA, ITCD e ICMS. Dedução das Receitas de Transferências da União para o Fundeb: FPE, FPM, ITR, IPI Exportação e ICMS Desoneração - Lei Complementar 87/96. 10

11 Exemplo Contribuição Patronal Modalidade 91 DESPESAS PRIMÁRIAS DESPESAS PRIMÁRIAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) DESPESAS CORRENTES... Pessoal e Encargos Sociais Benefícios Previdenciários 1/ Demais Despesas de Pessoal e Encargos Juros e Encargos da Dívida DESPESAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS RESERVA DE CONTINGÊNCIA RESERVA DO RPPS DESPESA PRIMÁRIA TOTAL DESPESAS LIQUIDADAS Até o Bimestre/ <Exercício> RESTOS A RESTOS A PAGAR PAGAR NÃO PROCESSADOS DESPESAS PROCESS PAGAS ADOS Liquidados Pagos PAGOS (b) (c) (d) Os valores da contribuição patronal para o RPPS (Aplicação Direta Decorrente de Operação entre Órgãos, Fundos e Entidades Integrantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social ) deverão ser informados na linha das Despesas Intra-Orçamentárias 11

12 Próximos Passos: Proposta de continuidade do Subgrupo do Primário no âmbito do GTREL para aprofundamento dos estudos técnicos. Elaboração de Nota Técnica com as propostas de alteração do Demonstrativo do Resultado Primário de Estados, Distrito Federal e Municípios para aprofundamento final da discussão e possível incorporação no Manual de Demonstrativos Fiscais (MDF) em 2014 para aplicação em Continuidade dos estudos sobre o conceito de Dívida Líquida visando elaboração de proposta de apuração dos resultados nominal e primário no conceito abaixo da linha (a partir da variação da dívida líquida), compatível com o resultado primário caixa na ótica acima da linha para discussão no GTREL no 2º semestre de Elaboração de estudo de caso de harmonização dos resultados fiscais acima e abaixo da linha para apresentação no GTREL no 2º semestre de Avaliação de impactos das alterações do demonstrativo do resultado primário e do resultado nominal no anexo de metas fiscais para discussão no GTREL no 2º semestre de

13 OBRIGADA! Contato: FABIANA MAGALHÃES ALMEIDA RODOPOULOS Coordenação-Geral de Estudos Econômico-Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Tel.: +55 (61)

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a)

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a) Tabela 19B - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Município de Tabira - Pernambuco RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO

Leia mais

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47 Página: 1 de 8 1-RECEITAS DE IMPOSTOS RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) PREVISÃO PREVISÃO 4.563.250,00 4.563.250,00 1.072.219,54 5.951.109,36 130,41 1.1-Receita Resultante

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) INICIAL (a) No Bimestre 1. RECEITA DE IMPOSTOS 750.299.71 750.299.71 125.810.827,93 125.810.827,93 16,77 1.1- Receita

Leia mais

MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES. PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU de 22/10/2012

MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES. PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU de 22/10/2012 MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU 22/10/2012 Aprova a 5ª edição do Manual Demonstrativos Fiscais, que entra em vigor na data sua publicação

Leia mais

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade Resultado Primário e Resultado Nominal Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Ementa Programa do Módulo 4 - RREO Resultado Primário e Nominal CH: 04 h Conteúdo: 1. Necessidades

Leia mais

1.800.000,00 5.000.000,00 1.132.197,84 3.368.703,65 67,37

1.800.000,00 5.000.000,00 1.132.197,84 3.368.703,65 67,37 MUNICÍPIO DE COLOMBO RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL 4º BIMESTRE/2011

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO (COSIT)

RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO (COSIT) RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO-GERAL DE TRIBUTAÇÃO (COSIT) NOTA TÉCNICA STN nº 12/2014 PIS/Pasep Entes Públicos Receitas Intraorçamentárias Regime Próprio de Previdência dos Servidores Repasses

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1)

TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) TRE/SP ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA ADMINISTRATIVA PROVA APLICADA EM 21 DE MAIO DE 2006 (PROVA TIPO 1) 40- O relatório de gestão fiscal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC nº 101/2000) conterá,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES 88 - FUNDO FINANCEIRO DO ESTADO DO PARANÁ RREO - Anexo 4 (LRF, Art. 53, inciso II) Janeiro a Agosto - PLANO FINANCEIRO RECEITAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS)

Leia mais

MUNICÍPIO DE BAGÉ - RS RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DEMONSTRATIVO DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A ABRIL/2005

MUNICÍPIO DE BAGÉ - RS RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DEMONSTRATIVO DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A ABRIL/2005 DEMONSTRATIVO DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO LRF, art. 55, inciso I, alínea "d" e inciso III alínea "c" - Anexo IV OPERAÇÕES REALIZADAS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Até o Quadrimestre OPERAÇÕES DE CRÉDITO (I)

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O CAUC possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada um desses itens. Siglas deste documento: CADIN Cadastro Informativo

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

Terça-feira, 19 de Julho de 2016 Edição N 857 Caderno I

Terça-feira, 19 de Julho de 2016 Edição N 857 Caderno I 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 MUNICÍPIO DE ILHÉUS - BA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NOMINAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO 2016/BIMESTRE MAIO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista LEI N.º 1.274/2013 De 31 de Dezembro de 2012. DISPÕE SOBRE: Estima a Receita e Fixa a despesa do município de Marabá Paulista, para o exercício financeiro de 2013, e da outras providências. HAMILTON CAYRES

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante I - INTRODUÇÃO II - OBJETO III - DOS ÓRGÃOS E UNIDADES INTEGRANTES DO REGISTRO IV - CONDIÇÕES GERAIS PARA PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII -

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Orçamento Público Carga Horária:50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL LEI Nº 4.027, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2.008 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2.009 O povo do Município de Montes Claros, por seus representantes

Leia mais

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo COMISSÃO DE FINANÇAS, ECONOMIA, ORÇAMENTO, FISCALIZAÇÃO, CONTROLE E TOMADA DE CONTAS RELATÓRIO RELATÓRIO Através das Mensagens nº 255/15 encaminhada pelo Ex- Governador do Estado do Espírito Santo Paulo César Hartung Gomes. Encaminhada a esta Assembleia Legislativa o Projeto de Lei nº 400/15, que

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 1 ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 LEI Nº 10.347 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. PROJETO DE LEI 400/15 Estima

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

TABELA DE COMPATIBILIZAÇÃO DAS FONTES DE RECURSOS VÁLIDO A PARTIR DE 2013

TABELA DE COMPATIBILIZAÇÃO DAS FONTES DE RECURSOS VÁLIDO A PARTIR DE 2013 1000.00.00 Receitas Correntes Sintética 1100.00.00 Receita Tributária Sintética 1110.00.00 Impostos Sintética 1112.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda Sintética 1112.01.00 ITR - Imposto sobre a

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2015 começa nesta sexta-feira

Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2015 começa nesta sexta-feira Nº 347 - ANO XI Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2015 Autorizado pela Lei Municipal nº 0246/2006 Prazo para matrícula de aprovados no Sisu 2015 começa nesta sexta-feira Os candidatos que foram aprovados nos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Manual de Acesso ao Portal da Transparência do Governo do Estado do Amazonas Senhores usuários o objetivo deste manual é tornar acessível para o público em geral as informações disponibilizadas no Portal

Leia mais

Manual do PPA no Sistema do Orçamento SH3

Manual do PPA no Sistema do Orçamento SH3 Manual do PPA no Sistema do Orçamento SH3 São João del Rei Versão: 1.0 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 - SISTEMA DE ORÇAMENTO DA SH3... 5 2.1. Iniciando o PPA... 5 2.2. Cadastros das Informações do PPA Menu

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Maio/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

Balanço Geral Contas do Exercício de 2012. Prefeitura do Município de São Paulo

Balanço Geral Contas do Exercício de 2012. Prefeitura do Município de São Paulo Balanço Geral Contas do Exercício de 2012 Prefeitura do Município de São Paulo PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FERNANDO HADDAD SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO MARCOS DE

Leia mais

repasse e os termos de cooperação celebrados pelos órgãos e entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos para a execução de programas,

repasse e os termos de cooperação celebrados pelos órgãos e entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos para a execução de programas, PORTARIA Nº 127, DE 29 DE MAIO DE 2008 Estabelece normas para execução do disposto no Decreto no 6.170, de 25 de julho de 2007, que dispõe sobre as normas relativasàs transferências de recursos da União

Leia mais

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas

CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas CONTABILIDADE DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA Perguntas & Respostas 1 O Ministério da Previdência Social - MPS tem competência para editar normas contábeis para os Regimes Próprios de Previdência Social,

Leia mais

2º GTCON 2014 Contabilização de Retenções

2º GTCON 2014 Contabilização de Retenções Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 2º GTCON 2014 Contabilização de Retenções OUTUBRO/2014 RETENÇÕES CONTEXTO E AGENDA

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

PREVISÃO ATUALIZADA (a) No Bimestre (b) ,00

PREVISÃO ATUALIZADA (a) No Bimestre (b) ,00 Município de UNIÃO DA VITORIA PR CONSORCIO INTERMUNIC. DE SAÚDE DO VALE DO IGUAÇU BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A FEVEREIRO 2017/BIMESTRE JANEIRO FEVEREIRO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Orientações sobre o recolhimento dos valores devidos em face dos Contratos de Transição 1. Do Valor Devido 2. Do Recolhimento 2.1. Recolhimento por GRU Simples 2.2. Recolhimento

Leia mais

Tabela 1 - Balanço Orçamentário

Tabela 1 - Balanço Orçamentário Tabela 1 Balanço Orçamentário PREFEITURA MUNICIPAL DE VITORIA DA CONQUISTA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO SETEMBRO/OUTUBRODE 2012 RREO Anexo I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00

Leia mais

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS RECEITAS CORRENTES (I) 1.919.900,00 1.919.900,00 10.802.689,50 8.882.789,50 RECEITA TRIBUTÁRIA 0,00 0,00 0,00 0,00 RECEITA

Leia mais

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a..

Minicurso TCE/PA. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP. w w w. g e s t a o p u b l i c a.. Contabilidade Aplicada ao Setor Público Minicurso TCE/PA Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Paulo Henrique Feijó paulo.feijo@financaspublicas.pro.br Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1-

Leia mais

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016.

Estou oferecendo um curso completo de AFO em Exercícios no Ponto. Serão quase 500 questões, todas atualizadas, a maioria de 2014/2015/2016. Questões de concursos públicos 2016 Processo de Elaboração e Execução Orçamentária e Financeira Prezado(a) estudante, concursando(a)! Desejo-lhe inspiração para a conquista de seus sonhos e o pleno alcance

Leia mais

MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ

MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ LEGISLAÇÃO Lei Complementar nº 749, de 2008. Lei Complementar nº 771, de 2009. Lei Complementar nº 856, de 2010. Lei Complementar

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Dezembro/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A

Leia mais

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Estima as Receitas e Fixa as Despesas do Município de Gaúcha do Norte, Estado de Mato Grosso, para o Exercício Financeiro de 2008 e dá outras providências. EDSON

Leia mais

Eventos. ATP Alinhamento Técnico e Pedagógico. EGP Encontro de Gestores Públicos. SECOFEM Semana Contábil e Fiscal para Estados e Municípios

Eventos. ATP Alinhamento Técnico e Pedagógico. EGP Encontro de Gestores Públicos. SECOFEM Semana Contábil e Fiscal para Estados e Municípios Eventos 2016 1 Eventos ATP Alinhamento Técnico e Pedagógico EGP Encontro de Gestores Públicos SECOFEM Semana Contábil e Fiscal para Estados e Municípios 2 Eventos Grupos Técnicos GTCON e GTREL SBCASP Seminário

Leia mais

PLANO DE CONTAS - RECEITAS - 2011

PLANO DE CONTAS - RECEITAS - 2011 1000.00.00 Receitas Correntes Sintética 1100.00.00 Receita Tributária Sintética 1110.00.00 Impostos Sintética 1112.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda Sintética 1112.01.00 ITR - Imposto sobre a

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS

ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CÒDIGO SISTEMA DE CONTA ANEXO I - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS CONTA 1.0.0.0.0.00.00 ATIVO 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1.0.0.00.00 DISPONÍVEL

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 1.1.1.1.1.01.00 CAIXA D S P F NIS B NENC S N S 1.1.1.1.1.02.00 CONTA ÚNICA D S P F NIS B NENC S N S

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 1.1.1.1.1.01.00 CAIXA D S P F NIS B NENC S N S 1.1.1.1.1.02.00 CONTA ÚNICA D S P F NIS B NENC S N S NAT. 1.0.0.0.0.00.00 ATIVO N 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO CIRCULANTE N 1.1.1.0.0.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA N 1.1.1.1.0.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL N 1.1.1.1.1.00.00 CAIXA E

Leia mais

Resultado do Tesouro Estadual

Resultado do Tesouro Estadual Resultado do Tesouro Estadual NOVEMBRO / 2014 Vitória, dezembro/2014 SUBSECRETARIA DO TESOURO RESULTADO DO TESOURO ESTADUAL NOVEMBRO/2014 1 SECRETÁRIO DE ESTADO FAZENDA Maurício Cézar Duque SUBSECRETÁRIA

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO N.º 003/2012, 11 DE DEZEMBRO DE 2012. Versão: 01 Aprovação em: 11 de dezembro de 2012 Ato de aprovação: Resolução n. 82/2012. Unidade Responsável: Secretaria Geral Administrativa

Leia mais

2 Bimestre e 1 Quadrimestre de 2012

2 Bimestre e 1 Quadrimestre de 2012 BAHIA. TERÇAFEIRA, 29 de Maio de 2012 ANO IV N 737 2 Bimestre e 1 Quadrimestre de 2012 RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A ABRIL 2012 / BIMESTRE MARÇO ABRIL RREO

Leia mais

TABELA DE CODIFICAÇÃO DAS RECEITAS VÁLIDO A PARTIR DE 2015

TABELA DE CODIFICAÇÃO DAS RECEITAS VÁLIDO A PARTIR DE 2015 1000.00.00 Receitas Correntes Sintética 1100.00.00 Receita Tributária Sintética 1110.00.00 Impostos Sintética 1112.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda Sintética 1112.01.00 ITR - Imposto sobre a

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA. TELOS - Fundação Embratel de Seguridade Social

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA. TELOS - Fundação Embratel de Seguridade Social REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA TELOS - Fundação Embratel de Seguridade Social 1 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DO GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO III DAS FONTES E LIMITES DE CUSTEIO ADMINISTRATIVO

Leia mais

Sumário. Apresentação... IX Introdução... XIX

Sumário. Apresentação... IX Introdução... XIX Sumário Apresentação......................................................................................................... IX Introdução..........................................................................................................

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP Contabilidade Aplicada ao Setor Público Pessoal, vou comentar as questões da prova. 81. De acordo com o Decreto n. 93.872, de 1986, a cooperação financeira da União a entidade pública ou privada far-se-á

Leia mais

MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ

MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ LEGISLAÇÃO Lei Complementar nº 749, de 2008. Lei Complementar nº 771, de 2009. Lei Complementar nº 856, de 2010. Lei Complementar

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ORAMA DI TESOURO MASTER 12.823.610/0001-74 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ÓRAMA DI TESOURO MASTER

Leia mais

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 76 5.3.14. Balancetes de Receitas Orçamentárias: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS NOME DO ARQUIVO: BR201001.BAL TIPO DE DOCUMENTO: 301 1. Tipo do Documento 2. Código do Município 3. Exercício do Orçamento

Leia mais

TCE-SC Auditor de Controle Externo: Contabilidade

TCE-SC Auditor de Controle Externo: Contabilidade TCE-SC Auditor de Controle Externo: Contabilidade Pessoal, vou comentar as questões da prova referentes à contabilidade pública. A respeito do campo de aplicação e dos objetivos da contabilidade pública,

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL DCOG Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Novembro/2012 Fones: (48) 36652773, 36652633 e 36652727 DIRETORIA

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO PÚBLICO Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de 2014 1 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB Nominal R$ 5.765,5 bilhões Salário

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2011 Dispõe sobre a padronização dos códigos de receita, despesa, fonte e destinação de recursos para fins de prestação de contas, controle e acompanhamento da execução orçamentária

Leia mais

REPUBLICADO POR INCORREÇÃO RECEITAS REALIZADAS PREVISÃO. RECEITAS PRIMÁRIAS ATUALIZADA No Bimestre Até o Bimestre / 2014

REPUBLICADO POR INCORREÇÃO RECEITAS REALIZADAS PREVISÃO. RECEITAS PRIMÁRIAS ATUALIZADA No Bimestre Até o Bimestre / 2014 UMUARAMA, QUARTAFEIRA, 22 de JULHO DE 2015 www.ilustrado.com.br C1 Prefeitura Municipal de Alto Paraíso LEI Nº 361/2015 SÚMULA: Autoriza abertura de Crédito Adicional Suplementar por Excesso de Arrecadação,

Leia mais

Anexo 14 - Balanço Patrimonial

Anexo 14 - Balanço Patrimonial Página 1 de 5 CIRCULANTE 9.919.946,74 CIRCULANTE 30.835,00 Caixa e Equivalente de Caixa 93.278,58 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais a pagar a Curto Créditos a Curto Empréstimos e

Leia mais

MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ

MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ MARINGÁ PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE MARINGÁ LEGISLAÇÃO Lei Complementar nº 749, de 2008. Lei Complementar nº 771, de 2009. Lei Complementar nº 856, de 2010. Lei Complementar

Leia mais

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS ESTADO DA ARAÍBA Lei n o 11.867, de 21 de janeiro de 2010. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESESA DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA ARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2010. O REFEITO DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA, ESTADO DA

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência. Professor João Eudes Bezerra Filho A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2001

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2001 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2001 Dispõe sobre a remessa ao Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará, pelos municípios, os relatórios de Gestão Fiscal e Resumido da Execução Orçamentária, previstos

Leia mais

A Política do Superávit Primário

A Política do Superávit Primário A Política do Superávit Primário Edson Ronaldo Nascimento 1 Recentemente o Governo Federal divulgou informações a respeito das metas de resultado primário referentes ao penúltimo bimestre de 2006, comparando

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO 7ª Edição PARTE III Procedimentos Contábeis Específicos Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito

Leia mais

GOVERNADOR JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA FAZENDA MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO SUBSECRETÁRIO DA FAZENDA JOÃO BATISTA ASLAN RIBEIRO CHEFE DE GABINETE ADR

GOVERNADOR JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA FAZENDA MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO SUBSECRETÁRIO DA FAZENDA JOÃO BATISTA ASLAN RIBEIRO CHEFE DE GABINETE ADR 2º Quadrimestre de 2013 Salvador, 30 de Setembro de 2013 GOVERNADOR JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA FAZENDA MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO SUBSECRETÁRIO DA FAZENDA JOÃO BATISTA ASLAN RIBEIRO CHEFE DE GABINETE

Leia mais

Este documento foi assinado digitalmente por AC SERASA SRF ICP-BRASIL.

Este documento foi assinado digitalmente por AC SERASA SRF ICP-BRASIL. Anexo I - Balanço Orçamentário Page 1 of 1 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A OUTUBRO 2010 / BIMESTRE SETEMBRO-OUTUBRO RREO - Anexo I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO

O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO PORTO ALEGRE, 29 DE JUNHO DE 2015 1 MAPEAMENTO DE OPORTUNIDADES NO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO O FLUXO DAS OPORTUNIDADES O Orçamento Geral da União

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA Gestão Orçamentária Alexandre Lemos Coelho Neto Brasília, 20 de setembro de 2005. Gestão Orçamentária Programa 2 dia Classificações Orçamentárias da Despesa: - Institucional; - Funcional (e Estrutura Programática);

Leia mais

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1

TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 TCE - MT Eventos Contábeis de Abertura 1 1.0 EVENTOS DE ABERTURA 1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA D 111XXXXXXXX CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA F 2 ou 8 D 7211XXXXXXX CONTROLE DA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS

Leia mais

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA

ORÇAMENTO PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA EXERCÍCIO DO ESTADO 2016 ORÇA PROGRAMA QUADRO GERAL DA RECEITA 5.2 ORÇA APROVADO 5.892.000,00 5.2.1 PREVISÃO DA RECEITA 5.892.000,00 5.2.1.1 PREVISÃO INICIAL DA RECEITA 5.892.000,00

Leia mais

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016 a. Quadro Principal - Receitas e Despesas RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL (a) PREVISÃO ATUALIZADA (b) RECEITAS REALIZADAS (c) SALDO (d = c - b) RECEITAS CORRENTES (I) 17.166.500,00 17.166.500,00

Leia mais

Análise da Proposta de Reforma Tributária. Edinando Brustolin

Análise da Proposta de Reforma Tributária. Edinando Brustolin Análise da Proposta de Reforma Tributária Edinando Brustolin Sistema Tributário Atual Muitos tributos, alguns incidindo sobre a mesma base; Cumulatividade; Desoneração incompleta dos investimentos; Desoneração

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O Governo do Tocantins, nos termos do inciso VII, do artigo 40 da Constituição Estadual, por intermédio do Excelentíssimo

Leia mais

Parcelamento. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB

Parcelamento. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB Parcelamento Lei nº 11.941/2009 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB Informações Gerais Origem: conversão da MP 449, de 04.12.2008. Publicação: 28.05.2009. Vedação:

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Novas regras sobre o REFIS. Parcelamento Federal. Lei nº 12.996/2014. Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014

Novas regras sobre o REFIS. Parcelamento Federal. Lei nº 12.996/2014. Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014 Novas regras sobre o REFIS Parcelamento Federal Lei nº 12.996/2014 Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014 Abrangência I os débitos inscritos em Dívida Ativa da União, no âmbito da Procuradoria-Geral

Leia mais

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP

APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP APRESENTAÇÃO PORTAL SOLUÇÕES CASP Estrutura da Lei 4.320/1964 TítuloI DaLeidoOrçamento(Artigo2ºao21) TítuloII DaPropostaOrçamentária(Artigo22ao31) TítuloIII DaElaboraçãodaLeidoOrçamento(Artigo32ao33) TítuloIV

Leia mais

GOVERNO MUNICIPAL DE HORIZONTE 01/03/2010 A 30/04/2010

GOVERNO MUNICIPAL DE HORIZONTE 01/03/2010 A 30/04/2010 GOVERNO MUNICIPAL DE HORIZONTE 01/03/2010 A 30/04/2010 CONSOLIDADO Adendo III Anexo 2, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00 ASPEC RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas

Governo do Estado do Amazonas LEI Nº 3.202, de 20 de dezembro de 2007 ESTIMA a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2.008. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS D E C R E T A: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba UF:Pernambuco SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO Demonstrativo Contábil da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO Demonstrativo Contábil da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 (art. 102 da Lei n.º 4.320/1964) DESPESAS Dotação Inicial (d) Demonstrativo Contábil da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Créditos Adicionais (e) BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - DESPESAS - CONSOLIDADO Dotação

Leia mais